You are on page 1of 3

TEORIA DA GESTALT

A escola psicológica da Gestalt surgiu na Alemanha, por volta de 1910,


com os trabalhos experimentais dos cientistas Max Wertheimer.W. Kohlcr e Kof
ka.
A palavra alemã gestalt não tem tradução exata nas outras línguas.Em
português, corresponde aproximadamente. as palavras forma, figura, estrutura,
todo pad rão, con figll ração.
Os estudos de Wertheimcr que deram origem it Escola Gestaltista
versaram sobre o fenômeno da percepção visual do movimento aparente. Ele notou
que duas fendas próximas, feitas em um biombo (uma horizontal e outra vertical) ,
iluminadas cada uma por sua vez, durante uma fração de segundo, uma logo após a
outra eram vistas como se fossem lima só linha em movimento de posição horizontal
para vertical, (_ I).
O cinema é baseado nessa ilusão de movimento. Na realidade, nada se
move na tela, nela é projetada uma rápida sucessão de quadros estáticos,
ligeiramente diferentes um dos out ros, () que parece uma figura si) em movimento.
A percepção é o ponto de partida e também um dos temas centrais
dessa teoria. Para os psicólogos gestaltistas, toda percepção é uma gestalt, um todo
que não pode ser compreendido pela separação em partes. O todo é mais que a soma
das partes. (exemplo da paisagem) O todo é uma percepção única que depende do
relacionamento especial existente entre as partes. Podemos notar partes do todo,
mas as partes existem em relações definidas uma com as outras. Mudemos as
relações e a qualidade do todo mudará completamente.
Exemplo. Nossa percepção ao vermos este desenho.
é a de uma "caretinha". Mas se analisarmos esta percepção, tere
mos apenas uma circunferência e alguns traços.
Quando vemos uma parte do objeto, ocorrerá uma tendência à
restauração do equilíbrio e da forma, garantindo o entendimento do que estou
percebendo. Chamamos isso de busca do fechamento, simetria e regularidade dos
.pD.ukt que compõe uma figura.
po '-'\\-o~ • •
• • •
• •
/-
• • • • •
A percepção que temos de um ohjeto qualquer é um todo, tem um caráter
global, é uma gestalt. Esse todo depende do relacionamento existente entre as partes.
O relacionamento que percebemos entre as partes do todo pode ser de
vários tipos.
a) ror relação fie gnld:u;ão ao percebermos as coisas. estabelecemos um
relacinnamcntn de ~nlCla~'ã() elltn' as várias partes da coisa percebida.
Vejamos Uni experinrentn ..
O p rnf. (;";si tOlHO" IIIna p:'igina impressa onde apareciam muitas palavras e
nela, mostrou li palavra "Iat,," a 1I!l1:l criança, que aparecia três vezes naquela
página, mas mostrou rumhém as palavras "'r-iho" (' IIm11 "tnbn".
Para essa criança, as três palavra: ('t":UlI igllais. Isso quer dizer que, em seu
primeiro contato com li palavnl. <'Ia não Iwn:eh<'I'!l tiS letras uma fi uma, mas
relacionara uma nWI as ""'nIS est abe lcccudo 11!li a gnHla~ão entre elas. O prof, (;,'isi
explica (11Ie a g('slalt, a fonml 'olnl fll'ss('s (,{·s "or:HHllos, ,. li mesma.
Exemplo.
b)Por figunl e fundo, ao percebermos IInI objeto qualquer', algum aspecto se
destaca, nos aparece mais clarnmcutc. A esse aspecto que mais atrai nossa atenção
chamamos figurn, a qual cmergc cun ra 11111 fuudo mais vagu, mais difusn,
í

A tCIHlêucia de nossa "l~n:qH\:ií;) CII! IIIISGI da hoa fonllLl pcnnitini a


relação Iiguru e Iuutlu. (}naulu mais cla ra eSliver" a forma (hon
Io rma}, muis clara
será a separação eurre figum c Iuurlo. A difen:iH:ia,-úo figunl-fuudo curucteriza
todas as experiências perceptuais, visâo.audiçâu, tatu, odo r.

Figura Ambígua

A percepção que temos de um objeto de


pende desse relacionamento. Conforme
concentramos nossa atenção num ou nou
tro aspecto do objeto, a percepção que dele
temos, muda completamente.Observando
as figuras ambíguas, vemos quanto a perce
pção depende do relacionamento figura /
fundo.

A TEORIA EM EDUCAÇÃO

Para os gestaltistas, a aprendizagem ocorre principalmente por Insight,


o qual é uma espécie de estalo, de um compreensão repentina a qual chegamos
depois de tentativas i:,fn.tíferas em busca de uma solução.
Segundo a gcstalt, psicologia da furma, a percepção é um ato pelo 'lu a '
organizamos dados soltos e isolados em totalidades significativas.
Observando a figura abaixo. Muita atenção! O que você vê?
Olhe por outros ângulos, varie o centro dc atenção. Repentinamente
uma estranha mudança vai ocorrer, Se de saída você viu uma jovem, você verá uma
velha. Se ao contrário você viu a velha, passará a ver uma jovem. Note que as
informações sensórias em nenhum momcnto se alteram. Elas estão impressas fixas.
O que vai alterar é algo dentro de você.

Quem viu a velha, quem viu seu nariz viu tudo.


A coisa ocorre de repente e curresponde a uma
experrência dc visão repentina do tipo,
Ali! IIEIJRECA!
J)EU O ESTALO!
INSIGIIT!
CONCLIJSÕES PEDAGÓG ICAS

Através <lu Gestalt, compreendemos o quanto é inconveniente o ensino


de um objeto isolado do contexto total da situação em 'que ele desempenha certo
papel. Por exemplo, no ensino elementar da leitura, não é aconselhável estudar cada
UIU dos valores fonéticos das letras independentemente das situações em que tais
valores se apresentam, Uma letra por exemplo S ou X, é diversamente percebida
conforme a palavra em que a encontremos, soma, casa, ansiedade, passo, horas,
caixa, exame, fixo, próximo ...
No estudo da língua, é inconveniente classificar substantivos adjetivos
ou verbos isolados da frase em que desempenham funções diversas.
Com relação ao ensino da leitura, o primeiro objeto que deve ser
apresentado à criança é a unidade total da leitura, isto é, um conjunto de palavras
escritas, de preferência uma estória, devido ao fascínio que desperta nas crianças.
Dessa forma os estudos da Escola Gestaltista aconselham o método que
a Pedagogia chama atualmente de Global, e que leva a criança a realizar a
.aprendizagem de maneira eficiente e econômica.

BIBLIOGRAFIA

BOCK, Ana M. Bahia et alli. PSICOLOGIAS, Uma Introdução ao Estudo de


Psicologia, 5, Saraiva, São Paulo, 1993.
FADIMAN, James e Robert Frager. TEORIAS DA PERSONALIDAf)E. Harbra,
São Paulo, 1979, capo 5.
PILLETI, Nelson. PSICOLOGIA EDUCACIONAL. 11, Ática, 1993, São Paulo, capo
4.