O Deus que fala na dor.

Ezequiel 37. O que fazer quando o Senhor nos leva para um vale de ossos secos? O que Ele deseja de nós em tal lugar? E ainda, porque Ele faz com que andemos ao redor? Ele quer que nos identifiquemos com a dor. Que sintamos aquela tristeza servir como semente para um grito profético e libertador. Pode ter certeza irmão, se Deus te leva para um vale de ossos secos é para que você seja um profeta de Deus para que a vida chegue naquele lugar! Aleluia! Ezequiel foi um homem como poucos. Alguns estudiosos o chamam de esquizofrênico, por causa de suas visões, são pessoas que não acreditam no sobrenatural. Porém, qualquer um que sinceramente olhar para Ezequiel, verá nele um homem muito inteligente e fiel ao Senhor. Seu estilo de escrita, precisamente simétrico, mostra um domínio da língua. Sua demarcação cronológica fiel e confirmada pelos estudiosos hodiernos, demostra que era conhecedor também da história. Além disso, era da linhagem de Levi, candidato ao sacerdócio, de um conhecimento profundo acerca das Escrituras. Não era qualquer um tendo sonhos e anunciando ao povo, era um verdadeiro servo do Senhor, conhecedor das escrituras recebendo reais revelações de Deus. Uma das grandes características de um verdadeiro profeta é que suas profecias condizem com os princípios eternos da Palavra de Deus! Com Ezequiel era assim. Embasamento nas Escrituras e vida intensa no Espírito. Ezequiel nos apresenta Deus como alguém que se faz conhecer através da dor. Não um deus sádico, que goste de ver suas criaturas agonizando, mas Deus que prefere ver seus filhos sofrendo um
http://www.missoes.org – Pr. Sidinei Bühler Kauer

pouco do que eternamente. Deus que prefere que seus filhos sofram um pouco em suas mãos por amor, sendo surrados no tempo certo, do que vê-los apanhando eternamente no inferno. Nessa linha de pensamento poderíamos então dizer que todo sofrimento é gerado por Deus? Não, mas sim que Deus usa o sofrimento para nos fazer crescer, para nos purificar. Não são o ouro e prata purificados pelo fogo que os derrete? Os doces que azedam não são igualmente submetidos a purificação do fogo? O cão que erra não é surrado ou privado de uma possível recompensa para que aprenda? O problema não está necessariamente no sofrimento, mas, na maneira como o encaramos. Jesus encarou voluntariamente o maior sofrimento que já existiu: Carregar sobre si TODOS os pecados de TODOS os homens de TODOS os tempos. Deus fala na dor. Sua maior manifestação de amor começou e terminou em profunda dor. A dor do nascimento, com os gritos de Maria e o choro do bebê e terminou com dor, a dor do Messias na cruz. Por exemplo, temos a grande revolução de Lutero que lhe causou muita dor. Perdeu seus referenciais religiosos. Por que não se fala muito de dor? Porque hoje está na moda bancar o super-homem, tudo está bem! Ou ainda, criamos o ciclo da hipocrisia: bênçãos para baixo tristezas para cima. Compartilhamos as dores e pesares com nossos líderes e as vitórias e conquistas com os liderados. Criamos uma super expectativa nos que nos seguem e tristeza em quem seguimos. Aí todos saem no prejuízo. Líderes por ouvirem muitas desgraças, liderados por não conseguirem atingir o patamar de conquistas do líder. Eu não concordo com isso. Por isso não espere que ao conversar comigo vá

http://www.missoes.org – Pr. Sidinei Bühler Kauer

te contar apenas bênçãos. A maioria das pessoas procuram os pastores apenas para falar de problemas. Isso em si não tem nada de mal, desde que, nos procurem também nas horas boas! Somos seres humanos, precisamos também ouvir das belezas e sorrisos! Sabem, existem momentos em que ficamos sem vontade de conversar, pois já estamos saturados de não ouvir coisas boas!

Primeiro: Sofrimento, não é desculpa para pecar! O fato de estarmos sofrendo não nos subsidia para que pequemos. A fé do povo judeu estava intimamente ligada ao Templo de Jerusalém. Na concepção deles, “a morada de Deus na terra era o Templo”. O Templo, a esperança e glória deles, foi destruído! Não somente o templo, mas a cidade sagrada destruída e o povo capturado. Nesse momento que tudo parecia dar errado, Ezequiel se manteve fiel ao Senhor. Jó perdeu tudo, mas não blasfemou. Paulo, Estêvão e tantos outros sofreram muito e se mantiveram fiéis.

Segundo: A dor nos deixa sem referencial. Tira a nossa base; Sobre o que está firmado nosso contentamento, nossa alegria? Ou ainda melhor, ela revela sobre o que realmente estamos firmados. É a enxurrada que mostra se a casa está firme. Ezequiel perdeu: -O referencial religioso: O templo -O referencial nacional: Jerusalém O referencial econômico: Tesouros -O referencial emocional: A esposa

http://www.missoes.org – Pr. Sidinei Bühler Kauer

Logo, as pessoas de Judá tinham se tornado aquele vale de ossos secos, tinham sido derrotados na batalha da vida! Estavam sem referencial, sem perspectivas. Exceto por Homens como Ezequiel, que tinham seu referencial em Deus, unicamente. Como nós perdemos nosso referencial? Religioso: O templo fora destruído. Quando Deus arranca aquilo em que nos apegamos. Um ‘ícone’, seja ele um pregador famoso ou alguém em quem espelhávamos nossa fé ou até mesmo um ministério, uma maneira de interpretar as escrituras. No meu caso o tombo foi grande. Meus „ícones‟ caíram quase todos. Os jovens que eram meu referencial se desviaram. As denominações que eu admirava se corromperam. Os grandes pregadores que eu ouvia quase que diariamente, também se corromperam. Passaram a ensinar heresias. Até mesmo muita coisa que eu sempre acreditei, que eu pensava que fossem verdades, coisas que me ensinaram desde a conversão, fui descobrindo que eram heresias, coisas que contrariam a Palavra. Até mesmo coisas que eu pregava, porque tinha sido ensinado assim, vi que não eram verdades. Já aconteceu isso contigo? Referencial espiritual todos tem. Alguns não admitem. O que fazer quando o perdemos? Ficar sem referencial de fé, perder as perspectivas quanto a um líder ou ministério? Quando parece que a vida em comunidade (Igreja) perdeu o sentido?

http://www.missoes.org – Pr. Sidinei Bühler Kauer

Nacional: Jerusalém, a grande capital dos dias do reino unido (Israel-Judá), símbolo do poder de Judá e da graça de Deus. O orgulho do povo foi esmagado. A cidade cheia de sentido despedaçada. Ainda pior do que perder uma copa do mundo. Muito pior do que ter o Tiririca, Collor e Maluf. Econômico: Suas riquezas foram saqueadas, foram

arrancados de suas terras. Os tesouros do templo foram levados embora. Agora, não tinham mais nada. Sabe o que é não ter nada? Perder tudo? Ser arrancado da terra onde vive e levado para outro lugar... Emocional: O povo teve grandes perdas. Vidas foram encerradas e familiares separados. A terra do seu coração destruída, seus lugares de culto destruídos. Porém, acredito que a pior dor tenha sido a perda de sua esposa Ez 24.16. E ainda mais o fato de saber que Deus é que tinha levado ela como sinal profético para o povo! Entretanto Ezequiel permaneceu firme! Todos os referenciais de Ezequiel foram destruídos, exceto, o único que verdadeiramente poderia sustenta-lo, a razão de sua fé (por mais antagônico que isso seja). Quem disse que não existe mais solução para o teu caso? Mas saiba que nem sempre ela vem do jeito que esperamos. Quem disse que a situação é irreversível? QUANDO OS PENHASCOS APARECEM NO MEIO DO MEU CAMINHO, SÃO APENAS PLACAS PARA ME

http://www.missoes.org – Pr. Sidinei Bühler Kauer

LEMBRAR DE QUE TENHO ASAS PARA VOAR SOBRE ELES! NÃO SE ASSUSTE COM O BARULHO QUE VAI SURGIR ENQUANTO VOCÊ VAI COMEÇAR A PROFETIZAR! Se tudo for restaurado, mas não formos cheios do Espírito, seremos apenas belos zumbis sem vida!

http://www.missoes.org – Pr. Sidinei Bühler Kauer