You are on page 1of 9

Jornal Interno de Saúde

(O Jornal Interno de Saúde é um documento interno do SMS desenvolvido com o objetivo de levar aos colegas de
trabalho informações úteis sobre o tema da Saúde. Lembramos que as informações aqui contidas não se destinam a
prescrever medicamentos e nem induzir os colegas a automedicação. Quem deve avaliar o estado clínico e medicar é o
Médico Especialista)

Assunto da Semana: Reumatismo


Sob a denominação reumatismo estão mais de 100 doenças diferentes. Muitos pensam em
reumatismo quando sentem dores ao longo dos músculos e tendões (os pacientes freqüentemente
mostram tendões e os identificam como nervos). Outros, referem-se às doenças articulares. Todos estão
certos, mas falta muito mais...
Nos modernos livros-texto de reumatologia não há a preocupação em conceituar-se reumatismo.
Realmente, a diversidade de doenças reumáticas existentes impede uma definição que abranja
adequadamente todas elas pois os mecanismos causadores das doenças e os órgãos atingidos variam
bastante.
Hipócrates (médico grego que viveu no século VI a.C.) pensava que a artrite era causada por
fluídos que vinham da bile e do cérebro. Em grego, fluir, correr é rheuma e esta palavra foi utilizada,
mais tarde, para reunir as doenças que cursam com artrite. Descreveu a podagra (podos é pé e agra é
ataque); logo, estava vendo pacientes com ataque agudo de inflamação no pé. Provavelmente, tratava-
se de gota. Esta doença ocorre, principalmente, em homens adultos que têm o ácido úrico no sangue
acima do valor normal (as mulheres só terão ácido úrico alto após a menopausa; antes é raríssimo).
Artrite gotosa pode ocorrer em outras articulações, mas a mais freqüente forma de início é na articulação
do dedão do pé com o primeiro metatarsiano e a expressão podagra é utilizada para este evento, bem
como a gonagra (gonos = joelho, em grego). Artrite aguda do joelho pode ser gota mas muitas
diferentes infecções, doenças inflamatórias de causa desconhecida como artrite reumatóide, uma doença
da pele, psoríase, outro cristal (de cálcio) podem iniciar deste modo e também devem ser lembradas.
Hipócrates citou a artrite na criança que cura. Deve ser febre reumática. Esta doença é
secundária a uma infecção por um tipo especial de estreptococo na garganta. Cerca de 4% das crianças
não tratadas com antibiótico terão, em duas semanas, artrite que migra pelas articulações e desaparece
espontaneamente em semanas. O grave problema da febre reumática é o comprometimento simultâneo
do coração, levando a lesões valvulares irreversíveis.

O que aprendemos até aqui?


I. Doenças diferentes provocam artrite. Toda vez que houver artrite não-traumática há um
reumatismo. As articulações são o local preferencial dos reumatismos mas estes podem
comprometer outros órgãos.
II. Também há reumatismos que não atingem as articulações. Mas, antes de finalizar esta pequena
introdução, ainda há informações que devem ser apresentadas as quais permitirão ao leitor
entendimento maior do tema:
III. A doença articular mais freqüente é a artrose (ou osteoartrite). O tecido primariamente
comprometido é a cartilagem articular.
IV. A coluna vertebral é uma "pilha de articulações" que também são atingidas em alguns
reumatismos. Dor na coluna pode ser reumatismo.
V. Artrite reumatóide, lupus, dermatopolimiosite (inflamação da pele e músculos),
esclerodermia/esclerose sistêmica (inflamação e fibrose da pele e outros órgãos), vasculites
(inflamação de artérias ou veias) têm mecanismo auto-imune (anticorpos dirigidos contra
constituintes próprios do organismo provocando inflamação). Estas doenças são reumáticas na
medida em que cursam com artrite ou têm mecanismos semelhantes na sua origem.
VI. Várias doenças reumáticas podem iniciar na infância ou adolescência. Febre reumática não é a
causa mais freqüente de artrite em criança.
VII. A expressão "reumatismo no sangue" não deve ser utilizada. O sangue é utilizado para exames
laboratoriais que identificarão as alterações inerentes a cada doença.

NAVARRO/2003 @ ABC da Saúde


Jornal Interno de Saúde

Artrite reumatóide

Artrite reumatóide (AR) é uma doença crônica de causa desconhecida. A característica principal é
a inflamação articular persistente mas há casos em que outros órgãos são comprometidos.

Qual é a freqüência:
É doença comum e a prevalência pode chegar a 1,5% da população em algumas regiões. É mais
freqüente em mulheres e costuma iniciar-se entre 30 e 50 anos de idade, mas compromete também
homens e crianças. Para que se desenvolva a doença são necessárias algumas combinações de defeitos
genéticos e a presença de um ou mais estímulos externos, o que faz com que a incidência em familiares
de pacientes com Artrite Reumatóide (AR) não seja grande.

Como se desenvolve?
Existe uma predisposição genética e alguns genes foram identificados. Não se conhece a causa da
Artrite Reumatóide (AR) e pensa-se que haja vários estímulos diferentes, quando em contato com
indivíduos que têm defeitos de origem genética no sistema imune, desencadeiem resposta inflamatória. A
persistência dos estímulos ou a incapacidade do sistema imune em controlar a inflamação levam à
cronicidade da doença. A membrana sinovial prolifera e libera enzimas produzidas por células localmente.
Tanto a invasão da membrana sinovial como a ação das enzimas provocam destruição das estruturas
articulares (cartilagem e ossos vizinhos) e juxta-articulares (tendões e ligamentos).

O que se sente?

A forma mais freqüente de início da doença é artrite simétrica (por


exemplo: os dois punhos, os dedos das duas mãos) e aditiva (as primeiras
articulações comprometidas permanecem e outras vão se somando). Costuma
ser de instalação lenta e pouco agressiva, localizando-se inicialmente nas
pequenas articulações das mãos.
Existem formas agudas e rapidamente limitantes. Com menor
freqüência, começa em grandes articulações ou de modo assimétrico. Pode
permanecer assim ou evoluir para poliartrite simétrica clássica. Todas as
articulações periféricas podem ser envolvidas e os danos à coluna cervical
podem ser muito graves. Somente em AR muito agressiva haverá artrite nas
articulações interfalangianas distais dos dedos e será de instalação tardia.
Artrite temporomandibular é comum.
Uma característica da Artrite Reumatóide (AR) é a rigidez matinal.
Após uma noite de sono, os pacientes amanhecem com importante dificuldade em movimentar as
articulações, a qual permanece por mais de 1 hora. Nos casos mais graves a rigidez matinal alivia
somente parcialmente, permanecendo dor e limitação de movimentos permanentemente. Alguns
pacientes queixam-se de mal-estar, fadiga e dor muscular que podem acompanhar ou anteceder a
artrite. Rigidez matinal e fadiga no final da tarde são usados para avaliar atividade da doença.
As alterações destrutivas articulares são variáveis em um mesmo enfermo e entre a população
com Artrite Reumatóide (AR). Há casos bastante benignos e com alterações discretas ou ausentes e
outros em que as deformidades instalam-se progressivamente e tornam-se extremamente graves mesmo
com tratamento adequado.
Alguns pacientes com Artrite Reumatóide (AR) típica contam que durante meses ou anos tiveram
surtos passageiros de artrite em várias ou poucas articulações, antes da doença tornar-se crônica.
O curso clínico mais comum é caracterizado por alívio parcial da atividade inflamatória. Menos vezes, há
inatividade por períodos variáveis de meses ou anos. Nos casos mais graves a doença evolue
progressivamente levando, com o passar do tempo, a grave incapacidade articular.

NAVARRO/2003 @ ABC da Saúde


Jornal Interno de Saúde

Manifestações clínicas extra-articulares:

Nódulos reumatóides

São nódulos localizados debaixo da pele principalmente em áreas de apoio


como cotovelos. Geralmente aparecem em casos mais graves. Raramente
ocorrem nos pulmões, coração, olhos ou outros órgãos. (figura ao lado)

Comprometimento ocular

A alteração mais freqüente é a inflamação das glândulas lacrimais


(Síndrome de Sjögren). Conseqüentemente, há diminuição da produção de
lágrima. Os olhos ficam irritados e com sensação de estarem com areia.
Quando não tratados adequadamente, a córnea fica sujeita a erosão e
infecção.
Também podem estar inflamadas outras estruturas dos olhos. A mais grave é a esclerite; quando a
esclerite é grave, pode ocorrer perfuração do globo ocular.
Manifestações musculares
Raramente ocorre inflamação do músculo. Por outro lado, inflamação articular e desuso são causas
obrigatórias de hipotrofia muscular. Medicamentos de uso habitual na Artrite Reumatóide (AR) como
corticóides e antimaláricos podem ser causa de fraqueza muscular e, às vezes, é difícil distingüir entre as
manifestações da doença e as dos medicamentos. Nesses casos, se o paciente melhora sua força com
exercícios, os medicamentos não seriam a causa.
Sistema nervoso
É comum o comprometimento das raízes nervosas periféricas. Quando somente as raízes sensitivas são
atingidas o sintoma é formigamento ou queimação, como se o paciente estivesse usando luvas ou botas
e o prognóstico é bom, ao contrário dos casos menos freqüentes de neuropatia motora.
Também são comuns as neuropatias por compressão devido à inflamação e proliferação do tecido
articular. O sintoma mais comum é formigamento nos dedos polegar, indicador e médio devido à
compressão do nervo mediano ao nível do punho.
Afrouxamento ou destruição de ligamentos na coluna cervical permitem deslizamento da 1a vértebra que
pode comprimir a medula. As conseqüências são distúrbios sensitivos e motores nos membros superiores
e inferiores. Deslocamentos maiores da vértebra podem levar a paralisia e mesmo a parada respiratória e
morte.
Sangue
Anemia leve se relaciona com a atividade da Artrite Reumatóide (AR). Quando a hemoglobina está abaixo
de 10g/ml ou hematócrito abaixo de 30 com doença controlada, deve-se procurar perda sangüínea pelo
estômago devido ao uso continuado de antiinflamatórios.
A associação de Artrite Reumatóide (AR) com aumento do volume do baço, anemia, queda de glóbulos
brancos e outras manifestações da doença chama-se síndrome de Felty.

Vasculite

A manifestação clínica da vasculite depende da intensidade da lesão,


localização e tamanho do vaso. Inflamações ao redor das unhas não são
raras e têm boa evolução.
Os pacientes com Artrite Reumatóide grave podem apresentar áreas
extensas de vasculite cutânea provocando úlceras de difícil controle.

NAVARRO/2003 @ ABC da Saúde


Jornal Interno de Saúde

Perguntas que você pode fazer ao seu médico


Esta doença tem cura?
Qual a finalidade do tratamento?
O tratamento é esta receita somente ou devo repetí-la?
Há interferência com outros remédios que estou usando?
Quais os efeitos colaterias? Devo fazer exames de controle?
Existem problemas com obesidade e dieta?
Qual a importância de exercícios e repouso?
Que cuidados devo ter com meus hábitos diários, profissionais e de lazer?

Artrite reumatóide: tratamento


Exames laboratoriais: avaliação da atividade inflamatória
Os testes utilizados são VSG (velocidade da sedimentação globular, também denominado
hemossedimentação e eritrossedimentação), proteína C reativa e menos vezes alfa-1 glicoproteína ácida.
Costumam estar elevados proporcionalmente à gravidade da doença e diminuir com o sucesso do
tratamento. Não esquecer que estes testes não são específicos. Podem estar elevados em qualquer
doença que provoque inflamação ou infecção.
O fator reumatóide (FR) é a anormalidade imunológica mais marcante da AR. Aparece em 80%
dos pacientes e, portanto, utilizado como critério diagnóstico de primeira linha. Entretanto, além de não
estar presente em 20% dos pacientes com AR, pode demorar até 1 ano para tornar-se positivo. Outro
fato relevante a respeito do FR é a sua presença em outras doenças reumáticas e não reumáticas tais
como hepatite crônica ativa, hepatite viral, lepra, tuberculose, doenças malignas e várias outras. Nestes
casos, em geral, o título (concentração) costuma ser mais baixo.
O resultado do exame deve ser um número. Sugere-se não aceitar testes expressos em cruzes ou
somente positivo ou negativo.
Exames descritos recentemente, fator perinuclear e anticorpos anti-queratina, são menos vezes
positivos mas podem ser as únicas alterações precoces e, deste modo, proporcionar diagnóstico em fase
inicial da doença. Este fato é importantíssimo para que o tratamento correto seja iniciado logo, evitando-
se as deformidades já citadas.
Hemograma completo, plaquetas, transaminases e exame comum de urina são obrigatórios para
que se possa avaliar os efeitos colaterais dos medicamentos usados. Ultimamente, pesquisa de vírus de
hepatite (principalmente vírus C) têm sido incluídos na avaliação inicial e, eventualmente, durante a
evolução.
Também são necessários exames para avaliar comprometimento dos rins e fígado e outros que a
avaliação inicial ou evolução da doença indicar.
Exames por imagens
Os exames podem ser utilizados para diagnóstico, para estabelecer o estágio de comprometimento
articular e para comparação com exames prévios visando avaliar a eficácia do tratamento.
Radiografias convencionais
Não mostram alterações específicas da Artrite Reumatóide (AR) em fase inicial mas edema e osteoporose
articular e ausência de alterações que sugiram outra doença articular são úteis para encaminhar o
diagnóstico. As deformidades aparecem em doença mais avançada.
Ecografia articular
Executada por especialista experiente pode detectar mínimas lesões que já ocorreram nos primeiros
meses da Artrite Reumatóide(AR). Também é utilizada para avaliar lesòes em tendões.
Ressonância magnética
É bastante sensível para demonstrar inflamação articular e comprometimento cartilaginoso precoce e
lesões em tecidos moles (tendões, ligamentos e nervos).

NAVARRO/2003 @ ABC da Saúde


Jornal Interno de Saúde

Critérios diagnósticos
São utilizados os critérios publicados em 1987 pelo Colégio Americano de Reumatologia, sendo
necessários pelo menos quatro:
artrite de três ou mais articulações vistas por médico e com envolvimento simultâneo com duração
mínima de 6 semanas
artrite de articulações das mãos, incluindo punhos, com duração mínima de 6 semanas
artrite simétrica (para interfalangianas e metacarpofalangianas não é necessário o mesmo dedo)com
duração mínima de 6 semanas
rigidez matinal de mais de 1 hora com duração mínima de 6 semanas
presença de fator reumatóide
nódulos reumatóides
alterações radiológicas sugestivas de Artrite Reumatóide (AR).
Como se trata?
Nos últimos 10 a 15 anos foram se modificando os esquemas do tratamento da Artrite
Reumatóide (AR). Velhos remédios estão sendo melhor usados e novos estão surgindo. Verificou-se que
o tratamento precoce e, muitas vezes, associação de vários medicamentos desde o início proporciona
melhor prognóstico. Os médicos estão fazendo diagnóstico mais cedo (talvez porque os pacientes
estejam mais alertas quanto ao especialista que procurar), possibilitando a introdução precoce do melhor
tratamento. Desse modo, maior número de pacientes está evoluindo melhor e ficando com menos
deformidades e limitações. Porém, quando a causa de uma doença não é conhecida não há um
tratamento curativo. E ainda há uma parcela significativa de portadores de Artrite Reumatóide (AR) que
não têm a melhora desejada.
Nesse momento, é importante salientar que a maioria das doenças clínicas não são curadas,
somente controladas. Por exemplo, não se cura hipertensão arterial e diabete: os medicamentos deverão
ser usados por toda vida. São curadas infecções porque é eliminado um agente externo conhecido. As
cirurgias são mais eficazes porque corrigem defeitos ou extirpam o problema. Um indivíduo pode ser
portador de uma doença grave e estar emocionalmente bem porque ela não provoca sintomas.
A desvantagem que um paciente com Artrite Reumatóide (AR) com má evolução tem é que a dor,
a limitação de função ou a deformidade observável lembra-o que ele está doente. E mais:
 Amanhecer com dor e rigidez articular;
 Ter as atividades de parte ou todo dia limitadas;
 Não saber, ao deitar à noite, como será a manhã seguinte;
 Usar medicamentos que podem produzir efeitos colaterais;
 Fazer exames laboratoriais periódicos;
 Ter sempre que fazer exercícios sendo, muitas vezes, acompanhados de procedimentos
fisioterápicos;
 Ter que consultar seu médico várias vezes ao ano; nem sempre sentir nele o amigo e conselheiro
que o entende
 Ter a desventura de não encontrar na família e amigos a compreensão acerca de suas limitações ou,
ao contrário, haver exagero ou superpreocupação quanto às suas reais limitações e dificuldades
Estes são problemas sérios que pacientes e médicos devem conhecer e manejar adequadamente.
Assim, pacientes e familiares devem estar conscientes das possibilidades evolutivas da Artrite
Reumatóide (AR) e serem orientados sobre o melhor modo de se conduzirem. O paciente pode precisar
de períodos de repouso e deve ser respeitado e auxiliado nessas ocasiões. Seus professores ou colegas
de trabalho também devem ser acionados.
Então, o que já vimos?

O diagnóstico deve ser feito logo


O tratamento mais eficaz, na maioria dos casos, é associação de medicamentos iniciada precocemente
Os familiares, amigos e pessoal do ambiente de trabalho devem ser orientados ou estarem a par da
situação
Exercícios e outros procedimentos fisioterápicos devem ser iniciados em seguida (de acordo com
tolerância)

Os medicamentos usados no tratamento da Artrite Reumatóide (AR) são divididos de acordo com o modo
de ação em:

NAVARRO/2003 @ ABC da Saúde


Jornal Interno de Saúde

analgésicos e antiinflamatórios não-esteróides


corticoesteróides
drogas modificadoras da doença (drogas remissivas)

Analgésicos e Antiinflamatórios não--esteróides (AINES)


Estes medicamentos não agem na evolução natural da doença. Não podem ser o único tratamento.
Os analgésicos têm efeito quando a dor não é forte. Sua vantagem é a boa tolerância pelo estômago e
não aumentar a pressão arterial.
Os AINES são assim denominados porque não são cortisona (corticoesteróides). São muito úteis não só
por sua ação antiinflamatória mas, principalmente no início do tratamento, devido à sua ação analgésica.
Aliviam as dores enquanto as drogas modificadoras da doença, que têm ação lenta, estão atuando.
Quando tolerados, podem ser usados continuamente e auxiliam na tentativa de usar-se doses baixas de
corticóide ou até mesmo evitá-los. Os efeitos colaterais mais freqüentes são azia (pirose), gastrite e
úlcera de estômago. Por reterem sódio, alguns pacientes poderão ficar com pés e pernas inchados.
Hipertensos precisam ter muita atenção se usarem AINES por longo tempo.
Corticóides
A grande maioria dos portadores de Artrite Reumatóide (AR) usa corticóide. Deve ser usado em dose
baixa e sempre com orientação médica. Obedecendo-se a esta regra básica os efeitos colaterais serão
mínimos justificando-se os riscos face aos benefícios obtidos. Trabalhos recentes comparando-se
tratamentos mostraram que quando usados desde o início, em dose baixa e associados às drogas
modificadoras da doença o prognóstico será melhor e haverá menos erosões ósseas. Naqueles pacientes
com mínima atividade inflamatória o reumatologista pode optar em usar AINES associados aos
remissivos e aguardar algum tempo de evolução antes de decidir por corticóide.
Também podem ser usados em injeções intra-articulares (infiltrações). Há consenso em não repetí-las na
mesma articulação mais do que 2 vezes ao ano.
Drogas modificadoras da doença
São assim chamadas porque suprimem em parte ou totalmente a atividade inflamatória e bloqueiam a
evolução natural da doença. Devem ser usadas logo que o diagnóstico for confirmado. Há crescente
consenso acerca da associação de pelo menos duas drogas remissivas desde o início do tratamento mas
se o reumatologista observar que a doença está pouco agressiva ou se estiver preocupado com os efeitos
colaterais dos medicamentos em casos específicos, está adequado iniciar-se com uma só droga.
Cada medicamento pode provocar seus efeitos colaterais. Não são freqüentes e serão evitados com
exames laboratoriais periódicos e oftalmológicos quando forem usados antimaláricos.
Infelizmente, muitos pacientes receberão o tratamento ideal já com longo tempo de evolução e com
deformidades estabelecidas. Além disto, não são todos pacientes que se beneficiam com os
medicamentos oferecidos. Por este motivo, novas drogas estão surgindo e, lentamente, ocupando seu
espaço. Mas mesmo as mais modernas, baseadas em conhecimentos mais finos do mecanismo íntimo da
AR não funcionam em todos pacientes.
Cirurgia
Os tendões devem ser operados quando rompem ou, quando já bastante lesados, não conseguem manter
a articulação estável e a função fica muito prejudicada. Muitos pacientes adaptam-se com suas limitações
e recusam cirurgia.
Grandes destruições articulares levam a dor forte e incapacidade de praticar atos do dia a dia (caminhar,
erguer-se de uma cadeira, sair da cama, usar o vaso sanitário, usar talheres). Nestes casos estão
indicadas as próteses articulares cujos resultados, na maioria das vezes, são gratificantes.
Há alguns poucos pacientes que, a despeito do tratamento estar funcionando adequadamente, ficam com
um "escape" em uma ou duas articulações as quais em pouco tempo provocam lesões destrutivas
importantes. Nestes casos, estão indicadas cirurgias para retirada da membrana articular (sinóvia)
extremamente inflamada e hipertrofiada. Após a cirurgia, os pacientes devem continuar o tratamento
clínico pois é muito difícil a retirada completa da membrana sinovial e há risco dos pacientes retornarem
à situação anterior.

Perguntas que você pode fazer ao seu médico


Esta doença tem cura?
Qual a finalidade do tratamento?
O tratamento é esta receita somente ou devo repetí-la?

NAVARRO/2003 @ ABC da Saúde


Jornal Interno de Saúde

Há interferência com outros remédios que estou usando?


Quais os efeitos colaterias? Devo fazer exames de controle?
Existem problemas com obesidade e dieta?
Qual a importância de exercícios e repouso?
Que cuidados devo ter com meus hábitos diários, profissionais e de lazer?

ARTROSE
Sinonimos e Nomes Populares:
Osteoartrose, doença articular degenerativa. Os pacientes com freqüência referem-se à Osteoartrite
como artritismo.

O que é?

É a doença articular mais freqüente e a cartilagem é o tecido inicialmente alterado. A cartilagem está
aderida à superfície dos ossos que se articulam entre si. É formada por um tecido rico em proteínas,
fibras colágenas e células.

Como se desenvolve?
A Osteoartrite (OA) tem início quando alguns constituintes protéicos modificam-se e outros diminuem em
número ou tamanho. Há tentativa de reparação através da proliferação das células da cartilagem mas o
resultado final do balanço entre destruição e regeneração é uma cartilagem que perde sua superfície lisa
que permite adequado deslizamento das superfícies ósseas.
Este processo acompanha-se de liberação de enzimas que normalmente estão dentro das células
cartilaginosas. A ação destas enzimas provoca reação inflamatória local a qual amplifica a lesão tecidual.
Aparecem erosões na superfície articular da cartilagem que fica como se estivesse cheia de pequenas
crateras. A progressão da doença leva ao comprometimento do osso adjacente o qual fica com fissuras e
cistos.
Ao mesmo tempo, aparentemente como uma tentativa de aumentar a superfície de contato e procurando
maior estabilidade, o osso prolifera. Mas não é um osso normal, sendo mais rígido e mais suscetível a
microfraturas que ocorrem principalmente em articulações que suportam peso.
Aparentemente devido à reação inflamatória local todos os elementos da articulação sofrem hipertrofia:
cápsula, tendões, músculos e ligamentos. As articulações sofrem aumento de volume e podem estar com
calor local.
O grau de comprometimento é bastante variado. A doença pode evoluir até a destruição da articulação
ou estacionar a qualquer momento. Há indivíduos que têm deformidades nos dedos e que nunca sentiram
dor e outros que terão dor e progressiva piora da doença com conseqüentes deformidade e diminuição da
função articular.
Não se conhece o gatilho inicial da Osteoartrite. Acredita-se que mecanismos diferentes levem às
mesmas alterações na função e composição das estruturas articulares.
Freqüência
A doença torna-se evidente a partir dos 30 anos de idade. Estima-se que 35% das pessoas já tenha
Osteoartrite (OA) em alguma articulação nesta idade, sendo a grande maioria sem sintomas. Joelhos e
coluna cervical são os locais mais atingidos. Aos 50 anos aumenta muito a prevalência e a partir da
década dos 70 anos 85% dos indivíduos terão alterações ao RX.
Fatores de risco
Osteoartrite (OA) nos dedos das mãos é mais freqüente em mulheres e tem grande incidência familiar,
favorecendo um mecanismo genético.
Osteoartrite em articulações que recebem carga, como quadris e joelhos, são mais freqüentes em obesos
o mesmo podendo acontecer com a coluna vertebral.
Defeitos posturais como pernas arqueadas ou pernas em xis favorecem Osteoartrite de joelhos. Posição
inadequada do fêmur em relação à bacia leva à degeneração cartilaginosa em locais específicos da
articulação coxo-femural.
Do mesmo modo, defeitos nos pés levarão à instalação de Osteoartrite, sendo o joanete o melhor
modelo. Entretanto, há pacientes que sofrem outro tipo de OA no dedo grande do pé que não se
relaciona com defeito postural.

NAVARRO/2003 @ ABC da Saúde


Jornal Interno de Saúde

Hiperelasticidade articular, mais comum em mulheres, pode permitir que as superfícies articulares
ultrapassem seus limites anatômicos e a cartilagem, deslizando em superfícies duras, sofre erosão.
Osteoartrite OA entre fêmur e rótula (femuropatelar) é um exemplo comum.
Doenças metabólicas como diabete e hipotireoidismo favorecem o desenvolvimento de Osteoartrite.
Outras doenças que afetam a cartilagem como artrite reumatóide, artrite infecciosa e doenças por
depósitos de cristais (gota e condrocalcinose) podem apresentar-se com o mesmo tipo de lesão e são
rotuladas como Osteoartrite (OA) secundária.
Manifestações clínicas

O que se sente?
Antes da dor, os pacientes com OA podem reclamar de desconforto articular ou ao redor das articulações
e cansaço. Posteriormente, aparece dor e, mais tarde, deformidades e limitação da função articular. No
início, a dor surge após uso prolongado ou sobrecarga das articulações comprometidas.
Mais tarde, os pacientes reclamam que após longo período de inatividade como dormir ou sentar-se por
muito tempo em Osteoartrite de quadrís ou joelhos, há dor no início do movimento que permanece
alguns minutos.
São exemplos a dor discreta com rigidez que dura alguns minutos nos dedos pela manhã e nos joelhos
também de manhã ou após algum tempo sentado. Nos pacientes que têm piora progressiva a dor fica
mais forte e duradoura e as deformidades acentuam-se.
Na Osteoartrite de quadrís e joelhos, subir e descer escadas fica mais difícil assim como caminhadas mais
longas.
A inflamação pode produzir aumento do líquido intra-articular. Nestas situações a dor aumenta, os
movimentos ficam mais limitados e a palpação articular evidencia calor local além da presença do
derrame.
Acredita-se que só o fato de uma articulação estar comprometida já é suficiente para que se desenvolva
atrofia muscular, mas certamente a falta de movimentos completos e a inatividade são fatores
coadjuvantes importantes. Em casos extremos, os pacientes necessitam fazer uso de bengalas ou
muletas. Raramente um paciente com Osteoartrite de quadris ou joelhos vai para cadeira-de-rodas.

Osteoartrite (OA) das mãos.


É mais freqüente em mulheres. Pode haver
comprometimento exclusivo das articulações próximas às
unhas (interfalangianas distais). Após lenta evolução que
não obrigatoriamente acompanha-se de dor e vermelhidão
estas articulações ficam com proeminências ósseas duras e
de distribuição irregular.
Com menor freqüência, podem ocorrer lesões semelhantes
nas articulações interfalangianas proximais. A capacidade
de preensão pode ficar bastante comprometida.
Local comumente envolvido é a articulação abaixo do
polegar (trapéziometacarpiana). Com freqüência esta
articulação, em ambas mãos, é a única envolvida.
A gravidade é bastante variável. Pode não afetar a função
das mãos mas há casos de deslocamento do polegar para
a região palmar e dor forte ao segurar-se objetos.

Osteoartrite (OA) dos pés

NAVARRO/2003 @ ABC da Saúde


Jornal Interno de Saúde

É comum o joanete. É o resultado de um defeito da posição dos ossos que formam a articulação do
grande artelho com o médio-pé.

A Osteoartrite é conseqüente ao desgaste da cartilagem e do osso adjacente e conseqüente proliferação


óssea anormal. Atrito provocado pelo uso de calçados forma uma bursa (cisto abaixo da pele) que
inflama e dói.
Vários defeitos posturais ou da mecânica dos pés que não são corrigidos com calçados apropriados,
exercícios, palmilhas ou cirurgia levam a lesões cartilaginosas e conseqüente OA. Os pés podem ficar
bastante deformados e rígidos, dificultando a marcha e o uso de calçados.
Osteoartrite (OA) dos quadris (coxartrose)
A grande maioria das coxartroses é secundária a defeitos da
bacia ou fêmur congênitos ou adquiridos precocemente.
Quando as duas articulações estão envolvidas, obesidade deve
ser um fator importante. A dor pode localizar-se na virilha,
nádega, parte externa ou interna da coxa e, menos
freqüentemente, irradiar-se ou ser unicamente no joelho. Em
todas as situações haverá progressiva limitação dos
movimentos da coxa, sendo comum dificuldade para colocar
calçados e vestir calças.

Perguntas que você pode fazer ao seu médico


 Esta doença tem cura?
 Qual a finalidade do tratamento?
 O tratamento é esta receita somente ou devo repetí-la?
 Há interferência com outros remédios que estou usando?
 Quais os efeitos colaterias? Devo fazer exames de
controle?
 Existem problemas com obesidade e dieta?
 Qual a importância de exercícios e repouso?
 Que cuidados devo ter com meus hábitos diários, profissionais e de lazer?

NAVARRO/2003 @ ABC da Saúde