Manual do Cinelerra CV

Editor de v´ ıdeo n˜o-linear para GNU/Linux a Community Version 2.1 Edi¸˜o 1.46.pt˙BR ca

Heroine Virtual Ltd Equipe do Cinelerra CV

Copyright c 2003, 2004, 2005, 2006 Adam Williams - Heroine Virtual Ltd. Copyright c 2003, 2004, 2005, 2006, 2007 Cinelerra CV Team. Este manual ´ livre. Vocˆ pode redistribui-lo e/ou modific´-lo sob os termos da GNU General e e a Public License, conforme publicada pela Free Software Foundation; tanto a vers˜o 2 da Licen¸a, a c quanto (` sua escolha) qualquer vers˜o posterior. a a Este documento ´ distribu´ e ıdo na expectativa de que ser´ util, mas SEM QUAISQUER a ´ GARANTIAS DE QUALQUER TIPO, nem mesmo as garantias de COMERCIALIZACAO ¸˜ ˜ A PROPOSITOS PARTICULARES. Veja a GNU General Public License ´ ou ADEQUACAO ¸ para mais detalhes. Vocˆ deve ter recebido uma c´pia da GNU General Public License junto com o seu Cinelerra. e o Caso n˜o a tenha recebido, escreva para: The Free Software Foundation, Inc., 51 Franklin Street, a Fifth Floor Boston, MA 02110-1301, USA.

i

Sum´rio a
1 Introdu¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 ca
1.1 1.2 1.3 1.4 1.5 1.6 Sobre o Cinelerra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . As duas vers˜es do Cinelerra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . o Sobre este manual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Buscando ajuda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Tutoriais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Links diversos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 1 2 2 2 3

2

Instala¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 ca
2.1 2.2 2.3 Requisitos de hardware . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 Requisitos de software . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6 Compilando Cinelerra CV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7 2.3.1 Processo comum de compila¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7 ca 2.3.2 Compilando com s´ ımbolos de depura¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8 ca 2.4 Executando o Cinelerra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 2.5 Live CDs . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 2.6 Arch Linux . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 2.7 ArkLinux. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 2.8 Debian . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 2.8.1 Pacotes bin´rios para Debian . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 a 2.8.2 Pr´-requisitos para Debian . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10 e 2.9 Ubuntu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10 2.9.1 Reposit´rios de pacotes Ubuntu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10 o 2.9.2 Instru¸˜es para a instala¸˜o de pacotes no Ubuntu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11 co ca 2.10 Gentoo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12 2.11 Fedora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12 2.12 Mandriva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 2.13 Slackware . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 2.14 Suse . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 2.15 MacOSX . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15

3

Configura¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 ca
3.1 3.2 Vari´veis de ambiente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a ´ Drivers de Audio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.2.1 Atributos do Driver de Som. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.2.2 OSS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.2.3 OSS Envy24 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.2.4 Alsa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.2.5 Esound . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.2.6 Raw 1394 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.2.7 DV 1394 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.2.8 IEC 61883 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.3 Drivers de V´ ıdeo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.3.1 Atributos do Driver de V´ ıdeo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.3.2 X11 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.3.3 X11-XV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.3.4 X11-OpenGL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 18 18 18 18 18 19 19 19 19 19 19 19 20 20

ii 3.3.5 Buz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.3.6 Reprodu¸˜o do v´ ca ıdeo por Raw 1394 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.3.7 Reprodu¸˜o do v´ ca ıdeo por DV 1394 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.3.8 Reprodu¸˜o do v´ ca ıdeo por IEC 61883 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.4 Reprodu¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca ´ 3.4.1 Sa´ de Audio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ıda 3.4.2 Sa´ de V´ ıda ıdeo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.5 Grava¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca 3.5.1 Formato de arquivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ´ 3.5.2 Entrada de Audio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.5.3 Entrada de V´ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ıdeo 3.6 Performance. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.6.1 Renderiza¸˜o de fundo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca 3.6.2 Fazenda de renderiza¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca 3.7 Interface . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3.8 Sobre, janela . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21 21 21 21 21 21 22 24 24 24 24 25 26 26 27 28

4

Atributos do projeto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
4.1 4.2 4.3 4.4 Janela de configura¸˜o de formato . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca Pr´-configura¸˜es . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e co Atributos de ´udio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a Atributos de v´ ıdeo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 29 29 30

5

Carregando e salvando arquivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
5.1 Formatos de arquivo suportados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5.1.1 Quicktime . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ´ 5.1.2 Audio MPEG-4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5.1.3 Seq¨ˆncia de imagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ue 5.1.4 Imagens est´ticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a 5.1.4.1 Carregando imagens est´ticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a 5.1.4.2 Tamanho de imagens est´ticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a 5.1.4.3 Abrindo imagens EXR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5.1.4.4 Imagens brutas de cˆmeras digitais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a 5.1.5 AVI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5.1.6 Arquivos MPEG contendo v´ ıdeo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5.1.7 V´ ıdeos de DVD . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ´ 5.1.8 Audio MPEG 1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5.1.9 Ogg Theora/Vorbis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5.1.10 Listas de decis˜es de edi¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . o ca 5.2 Carregando arquivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5.2.1 Estrat´gia de inser¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e ca 5.2.2 Carregando m´ltiplos arquivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . u 5.2.3 Carregando arquivos a partir de um terminal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5.2.4 Filtrando arquivos por extens˜o. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a 5.2.5 Carregando outros formatos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5.3 Carregando o backup . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5.4 Salvando arquivos de projeto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5.5 Fundindo projetos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 33 34 34 34 34 34 35 35 35 36 36 36 36 36 37 37 38 38 38 38 39 39 40

. . .6 Modos de edi¸˜o . . . . . . . .6 7. . . a Pan autom´tico de trilhas de audio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4 Cˆmera . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8. . 6. . . . . . . . . . . .2. . . . . . . a 8. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .6. . . . . . . . . . . . . . . . . a 8. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 41 42 42 43 43 44 45 46 7 Editando . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1. . . . . . . . . . . . . . . . . .5 Modos de sobreposi¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ıda 8. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 Recorte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2. . . . . .1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2. . . . . . . . . . . . c 8. . . . . . . .4 7. . . . . . . . . . . . . . . . .1 A cˆmera e o projetor . . . . . . .10 O patchbay . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2. . . . . . . . . . . . . .1. . . . . . . . . .1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .7 7. . . . . . . . . . . . . . . . . ca 6. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca 8. . . . .1. . . . . . . . . . . . . .2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 7. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a 6. . . . . . . . a 8. . . a 6. . . . . . .1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .8 Usando marcadores na janela de programa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 Controles de composi¸˜o de cˆmera . . . . . . . . . . . . . a 8. . . . . . . . . . . . . . . . . .iii 6 Janela de Programa . . . . . . . . . . .5 7. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 Navega¸˜o por trilhas. . . . . . . . . . . . . . . . . . .6 Tamanhos de trilha e sa´ . . . .4 O menu relacionado `s trilhas. . . . . .2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Proteger v´ ıdeo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca 8. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .7 Os pontos de entrada/sa´ . . . . . . . . . . .2 Controles de composi¸˜o do projetor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca Edi¸˜o de recortar e colar . . . . a c 8. . . .2. . .2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 7. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 Composi¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1. . . . . . .1 Controles do compositor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2. . . . . . . . .3 O painel de aproxima¸˜o . . . . . . . . 41 6. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Fazendo um pan nas trilhas de ´udio . 8.1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1. . . . . . . . . . . . . . . . .9 7. . . . ca 6. . . . . . . . . ca Redimensionando ("trimming") . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a a Manipulando trilhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca 6. . . . . . . . . . . . . . . ca a 8. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5 A janela de ferramentas de cˆmera e projetor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ıda 59 59 59 59 60 60 60 60 60 60 60 60 61 62 63 64 64 65 69 70 70 70 70 72 9 Janela de visualiza¸˜o . 75 ca . . . . . . . . . . . . . . . . . .8 Informa¸˜es da ferramenta .2 M´scaras . . . . . . . . . . . . co 8. . . .2. . . . . . . . . . . . . . .6 Ferramenta de recorte . . . . . . . . . . . . .1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Empurrando trilhas . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Trilhas de v´ ıdeo e ´udio . . . . . . . . . .2 Tamanho de sa´ .1. . . ıda 6. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca 6. . . . . 8. . . . . . . . .1 Navegando na janela de programa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4 Margens de seguran¸a . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .6. . . . . . . . . . . .1 O tempor´rio . . . . . . . . . . .2. . . . . . . . . . .1 7. . . . . . . . . a ´ Mapeamentos padr˜o de ´udio . . . . . . . . 59 ca 8. . . 8. . ca 8. . . . . . . .3 Ferramenta de m´scaras . . . . . . . . . . . . . . ca Edi¸˜o de arrastar e soltar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 Lente de aumento . . .1. . . . . . . . . . .1. . .1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . co 8. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Edi¸˜o em duas janelas . . . . . . .1. . . . . . . 8. . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Tamanho de trilha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8. . . . .5 O ponto de inser¸˜o . . . . . . .2. . . . . . . . . . . . . .1. . . . . . . . . . . . . .5 Projetor .1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .8 7. . . . . . . 49 7. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8. 49 51 52 52 52 53 53 55 57 58 8 Janela de composi¸˜o . . . .7 Conta-gotas . . . . . . . . . . . . . . .4 Menu de op¸˜es. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a 8. . . . . . . . . . . . . . .1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1. a 8. . . . . . . . . . . . . .9 Ferramenta de ´reas de seguran¸a . . . . . . . . . . . . . . .1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . .4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5 Limar pontas . . . . . . . . . . . . . . . .3. . . . . . . . . .3. . . . . . . ´ 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c ue 14. . .8 Balan¸o de Cores . . . . . 79 Controles de transporte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .iv 10 11 12 13 14 Janela de recursos . . . . . . . . . 14. . .13 Depurar v´ ıdeo2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3. . . . . .3. . . . . . .12 Depurar v´ ıdeo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14. . . . . . . . . . . . . . . a 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .10 Interpolar . . . . . . .3. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .17 N´ do Som. . . . . . . . .12 Audio ao vivo . . . . . .3 Depurador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14. . . . . . . . . . . . .4. . . . ıvel 14. . . . . . . . . . . . .4. . . . . . . . . . . . . . . . . . .10 Desentrela¸ar . . . 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .18 Inverter . .9 Decimar . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83 Efeitos tempo-real . . . . .4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 Efeitos tempo-real de ´udio. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .19 Sintetizador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14. . . . . c 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3. . . . . . 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14. . . . . .3. . . . . . . . . . . . . . . . . . .4. . .1 Compressor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 Editando efeitos tempo-real . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e ına 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Tipos de efeitos tempo-real . . . . 81 Barra de tempo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14. . . . . . . . . . . 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4 DepuradorFFT . . . . . .4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4. . . . . . .3. . 14. . . .14 Sobreposi¸˜o . . . . . . . . .4. 14. . . . . . . . . . . . ´ 14. . . . . . . . . .6 EQ Param´trica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14. . . . 14. 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77 Navegando pelos recursos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4 Efeitos tempo-real de v´ ıdeo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ´ 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14. . . . . . . . . . . . . . .6 Chroma key . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .14 Chave de diferen¸a . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4 Brilho/Contraste . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77 10. . . . . . . . . . . . .3. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .20 Esticamento de tempo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14. . . . . . . .7 Chroma key (HSV) . . .18 Espectrograma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3. . .16 Reverter ´udio . . . . . . . . . . . . . . . . .3. . . . . . . . . . . . . . . . . . .5 TV Queimando. . . . .2 Atrasar ´udio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .9 Col´gio de Hero´ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14. . . 85 85 86 87 87 88 89 89 89 89 89 89 90 90 90 90 91 91 91 91 92 92 92 92 92 92 93 93 93 94 94 94 95 95 95 95 96 96 96 96 97 97 97 14.4. . . . . . .3. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .15 TV Pontilhada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4. . . . . . . . .7 Verb livre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Janela de medidores de n´ ıvel de som . . . . . . . . . . . ca 14.2 TV Envelhecendo . . . . . . . . .3. . . . . . . . . . . . . . . .8 Ganho . . . . . 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14. . 14. . . . . . . . . . . . . .1 1080 para 480 . a 14. . . . .3. . . . . . . . . . . . .16 Reduzir amostragem . . . . . . . . . . . . a 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .11 Inverter Audio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3. . . . . . . . . . . . . . . .3 Desfocar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4. . . . . . . . . . . . . . . .13 Audio em loop . . . . . . . . . . . .3. .3. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .15 Mudan¸a de freq¨ˆncia . . . . .3.11 Atrasar V´ ıdeo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c 14. . . . . . . . . . . 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .17 Campos para quadros . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . .4. . . . . . . . . . . . . . . . . .46 Escala . . . . . . . . . .4. . . . . . . . . . .4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4. . . . . . . . . 102 14. . . . 118 14. . . . . . . . . . . . . . .4. . . . 114 14. . . . . . . . . 104 ca 14. . . . .57.4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119 14. . . . . . . . . . . . 99 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4. . . 120 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .40 Desfoque Radial. . . . . . . .1 O escopo em forma de onda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .24 TV Hologr´fica . 111 o 14. . . . . . .4. . .4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4. . . . . . . .26 Interpolar v´ ıdeo . . . . . . . 107 ca 14. 117 14. . . .4. . . . . . . . .4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120 14. . . . . . . .RT . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4. . . . . . . . . . . . .6 Estabiliza¸˜o de rastreamento em a¸˜o. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4. . . . .59 Rodopiar. . . . . . . . . . . . . . . .28 Telecine Inverso . . . . . . . 106 ca 14. . . . . . . . 118 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4. . . .4. . . . . . . . . . . . . 113 14. . . . . . . . . . . 117 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4. . . . . .4. . . . 115 c 14. . . . . . . . . . . . . . . .22 Gradiente . . . . . . . . . . . . . . . . . 121 ca . . . . . . . . . . . . . . . . 107 ca ca 14. . . . . . . . . . . . . . 114 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 Rastreamento de mo¸˜o em 2 passagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103 14. . . .4. . . . . . . . . . . . . . . .49 Mudar Entrela¸amento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .61 Desfoque de Aproxima¸˜o . . . . . . . .4. . . . . . 121 14. . . . . . . . . . . . . . . . . .4. . . . . .4.4. . . . . . . . . . . . . . . . . .4. . . . . . . . . . . . .4.4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4. . . . . . . . . . .57 Escopo do V´ ıdeo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4. . . .32 V´ ıdeo em loop . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .60 YUV. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .31 V´ ıdeo Ao Vivo . . . . . . .41 Mudar taxa de quadros . . . . .4. . . . . . . . . 112 14. . . . . . . . . . . . . . 116 e 14. . . . 114 14. . . . . . . . . . .4. . . . . . . .33. . . . . . . 111 ca ca 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103 14. . . . . . . . . . . . . . . 102 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4. .38 Polar . . . . . . . . . . . . .4. . .4. . . . . . . . . . . 107 ca 14. . . . . . . . . . 115 e 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .43 Reverter v´ ıdeo . . .51 Entrada . . . .34 Desfoque de movimento . . . . 116 c 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4. .35 Pintura a ´leo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4. . . . . . . . . .4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .37 Perspectiva .23 Histograma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121 14. . . . .33. . . 119 c 14. . . . . . . . . . 102 14. . . . . . . . . . .27 Interpolar pixels . . . . . . . . . 101 a 14. . . . . . . . . . . . . . . .47 M´dia Temporal Seletiva . . . . . .54. . . . . . . . . . . . . . 100 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .19 Quadros para campos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4. . . . . . . . . . . . . . . . . . .33. . . .4. . .4. . .4. . . . 99 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .33. . . . . . . . . . . . 112 14. . . . . . .48 Agu¸ar. . . .1 Segredos do rastreamento de mo¸˜o. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .29 Inverter V´ ıdeo . . . . . . . . . . . . . . . .4. . . . . . . . . . .55 Trasladar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .33 Mo¸˜o . . . . . . . . . . . . . .4. . . . . . . . . . . . . . . . 101 14. . . . . . . . . . . . . . . . . .5 O rastreamento de mo¸˜o em a¸˜o . . 118 14. . .52 M´dia de tempo . . . . .4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .53 Frente de Tempo . . . . . . . 107 ca 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98 14. . . . . . . . . . . . . . . .58 Onda . . . . . . . . .25 Satura¸˜o de tons . . . . . . . . . . . . . . . . .20 Congelar Quadro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4 Usando o histograma para melhorar o rastreamento de mo¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4. . . . . . . . . . . . . .54 T´ ıtulo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .42 Redirecionar . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 Usando desfoque para melhorar o rastreamento de mo¸˜o . . . . . .50 Inverter canais . . . . . . . . . 116 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .33. . . . . . . . . . . . . . . . . . .44 Rotacionar . . . . . . . . . . . . .4. .33. . . . . . . . . .56 Desagu¸ar. . . 114 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97 14. . . . . . 115 14. . . . . . . .4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .54. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 O escopo em forma de vetor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .21 Gama . . . . . . 111 14. . . . .36 Sobrepor v´ ıdeo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .30 Desfoque Linear . . . . . . . . 101 14. . . . . . . .45 SVG via Inkscape . . . . . . . . . 120 14. . . . . . . . .4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4. . . . . . . . . . . . . . . . . . .39 RGB-601. . . . . . . . . .1 Adicionando fontes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116 14. . . . . . . . . .v 14. . . . . . . . . . .57. . . .2 A margem de seguran¸a para t´ c ıtulos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4. .4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101 ca 14. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4. . . .4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Quadros-chave de curva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Navegando pelos quadros-chave de curva . . . . . . . . . . . . . . . . . .9. . . . . . . . . . . . . .1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5 A fazenda de renderiza¸˜o . . . . . . . . . . . . . . .3 Quadros-chave autom´ticos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20. . . . . . . 20. . . . . . . . .1 17. . . . . . . . . . . e ca 20. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Reframe. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .6 Renderiza¸˜o por linha de comando .1 Fun¸˜es de grava¸˜o do Cinelerra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18. . . . . .1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .vi 15 Efeitos renderizados . . . . . . . . . . . . . . .4 Queimando um DVD . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131 131 132 132 132 133 134 18. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1. . .3 Estrat´gia de inser¸˜o de arquivos renderizados . . . . . . . . .1 Renderiza¸˜o de um arquivo unico . . . . . . .2 Grava¸˜o em grupo. . . . .7 Renderizando v´ ıdeos para a internet . . 20. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .10 Usando a renderiza¸˜o de fundo . . . . . . . . . . . . . . . ca ´ 20. . . .7. . . . . . . . . 135 135 135 136 138 138 19. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125 Transi¸˜es . . . . . . . . . . . . .4 Quadros-chave do Compositor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20. . . . . . . . . . . . .5 Editando quadros-chave . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Codificando um v´ ıdeo em formato MPEG4 para a internet . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca 20. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca 20. . . . . . . . . . . . . . . . ca ca 18. . . . . . . . . . . . . . .1 Efeitos renderizados de ´udio . . . . . . . . . . . 20 Renderizando arquivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Renderizando para mpeg2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 Fazendo um menu de DVD . . . . . . . 16 17 Efeitos ladspa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca 19. . . . . ca 20. . . . . . . . . . . .9. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca 20. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20. . . 19 Capturando m´ ıdia . . . . . . . . . . . 18. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19. . . . . 129 17. . . . . . . . . . . . . . . .9. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20. . . . . 123 123 123 124 124 15. . . . . 127 co Usando transi¸˜es . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 Editando informa¸˜o de tuner . . . . . ca .1. . . . . . . . 20. . . . . . . . . . . . . . . . 20. . . . . . 15. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .7. . .8 Tabela de compatibilidade do Quicktime para GNU/Linux . . . .2 Efeitos renderizados de v´ ıdeo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4 Renderiza¸˜o em grupo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139 139 140 140 140 141 142 143 143 144 144 144 144 146 147 149 149 20. .3 Autorando um DVD . . . . . . . . . . . . . . . . . a 15. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Capturando usando Cinelerra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . co ca 19. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Refazer amostragem . . .9 Fazendo um DVD . . . . . . . . . . . . . . . . a 18. . . . . . . . . . . . .2 18 Usando quadros-chave . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 Codificando um v´ ıdeo em formato FLV para a internet . . . . .2 Capturando usando dvgrab . . . . . . . . 127 co Transi¸˜o de v´ ca ıdeo "Dissolver" . . . . . . . . . . . . . . .9. . . . . ca 19. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15. .2 Renderiza¸˜o de arquivos separados . .2 Quadros-chave de ativa¸˜o/desativa¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18. . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .9. .10. . . . . . . .1 Locais dispon´ ıveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a 21. . . . . . . . . . . . . ca a Travando quando arquivos est˜o sendo carregados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21.1 Desabilitando a ´rea de troca (swap) . . . . . . 151 151 151 152 153 154 154 155 155 156 156 156 157 158 158 158 159 160 160 161 161 161 161 161 162 162 162 162 162 162 163 163 163 21. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21. .12. . . .10. . . . . . . . . . . . . . . . . o co a Cinelerra d´ pau freq¨ente . . . . . . . . . . .2 22. . . . . . . . . . . .9. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21. . . . . . . . . . . . . o 21. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5 22. . . . . . . . . . . . 21. . . . . . . . . . . .6 22. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .11 Fazendo panorˆmicas e aproxima¸˜es em imagens est´ticas . . . . . . .2 Atualizando uma tradu¸˜o existente . . . . . . . . . . . . . . 21. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .9. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Aplicar gama seguido do desfocar n˜o funciona . . . . . . . . .9. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21. . . . . . .12. . . . . . . . . . . . . . . ca 21. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .7 22. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .8 Aumentando a velocidade do sistema de arquivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .10 Traduzindo o Cinelerra . . . . . . . . . . . . . . . . 165 Reportando erros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 Limpeza de material de TV anal´gica . . . a Sincronia perdida quando capturando arquivos . . . . . . . . . . . . . . . .8 22. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .9. . . . . . . . o 21. . . . . .4 Fazer um v´ ıdeo se parecer a um filme . . . . . . . . . . . . . . . . o 21. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a 165 165 165 166 166 166 166 166 166 166 22. . . . . . . . . . . . . . . . .4 22. . . . . . . . . . c 21. . . 21. . . . . . . . . .2 Capturando HDV a partir de uma cˆmera . . . . . . . . . . . . . . a 21. . . . . .9. . . . . .5 Convertendo os arquivos HDV e proxy . . . . . . . .2 Alargando os buffers de ´udio . . . . . . . . . . . . . . . a 21. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 Combatendo o entrela¸amento . . . . . .12. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a 21. . . . . . . . . . . . . . .1 22. . . . . . . . . . . . . . . . . . .12. .1 Vis˜o geral . . . . . . 21. . . . . . . . . . . .4 Gerando os arquivos proxy . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .13 Adicionando legendas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4 Aumentando a velocidade do disco r´ ıgido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .9 22. 22 Resolvendo problemas . . . . . . . . . .3 Usando os arquivos TOC e WAV . . . . . . . . . . . . . .10. . . . . . . . . . . .7 Outras quest˜es . . . . . . . . . . . . . . . . .10 . . . . .12. . . . . . . . . . . a 21. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .7 Esticamento temporal de ´udio . . . . .9. . . . . .9. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .8 Capturas de telas de v´ ıdeo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .vii 21 Dicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A reprodu¸˜o n˜o p´ra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .6 Reduzindo a sensibilidade do mouse USB . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca 21. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21. . . . . . . . . .12. . . . . . . 21. .3 Criando uma nova tradu¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .7 Modifica¸˜es gerais no X . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . co 21. . . . . . . a u Tema Blond n˜o encontrado . . . . . . . . .3 Liberando mais mem´ria compartilhada . . . .6 Fazendo um ringtone . . . . .3 22. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca a a Paus do driver Buz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5 Desabilitando o cron . . . . . . . . . . . . . . . . ca 21. . . . a C´pia e Cola de sele¸˜es de trilha n˜o funcionam na Linha do Tempo . . . 21. . . . . . . . . . . .5 Limpando o enevoado . . . . . . . . . . .1 Codifica¸˜o Dolby Pro Logic . . . . . .12. . . . . . .6 Renderizando o projeto HDV . . . . . 21. . . . . . . . . . . . . .9. . . . . . . . . . . 21. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a co a 21. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Arrastar bordas de edi¸˜o n˜o funciona . . . 21. . . .9 Melhorando v´ ıdeos Zoran . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .12 Editando HDV 1080i usando arquivos proxy . . . . . . . 21. . . . . .9 Melhorando a performance . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Atalhos de edi¸˜o m´ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23. . . . . . . . . . . . . . . . 23. . . . . . . . . . . . . . . . co 23. . . .8 GUI de plugins que se atualizam durante a reprodu¸˜o . . . . . . a 23. . . . . . . . . . . . . . . . . .4 Agregando plugins . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 Busca de informa¸˜es de tempo . . . . . . . . . . . . . . . . .1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185 185 185 185 185 186 186 186 186 187 187 187 24. . . . . . ca 24. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1. .2 Desenhando usando OpenGL . . . . . . . .9.2. . . . . . co 24. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5 Atalhos de edi¸˜o de quadros-chave . . .10. . . . . . . . . . . . . ca ıda 24. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189 ´ Indice . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1. . . . .2 O objeto de configura¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 Atalhos de edi¸˜o de marcadores e pontos de entrada/sa´ . . . . . . . . . . . .1 Obtendo informa¸˜o OpenGL . . . ca 23. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23. . . . . . . . . . a 23. .4 Atalhos da janela de Grava¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 O objeto de processamento . . . . . . . ca 24. . . . . . . . . e 24.1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 Usando os sombreadores ("shaders") . . .2 Atalhos das janelas Visor e Compositor . . . . . . . . . . . . . . .9 Busca de informa¸˜es dos plugins . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23. . . . . . . . . . 195 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .6 Atalhos de manipula¸˜o de trilhas . . . . . . . . . .2. . . . . . . . . . . . ca 24. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Busca de informa¸˜es de sistema. . . .viii 23 Autora¸˜o de plugin . . . . . . . . . . . . . . . . . . co 23. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ GNU General Public License . . . . . . . . . co 23. . . . . . . . . . . . . . . ca 23. . 24 Atalhos de teclado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .6 Plugins de v´ ıdeo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca ıdia 24. . . . ca 24. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .10. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4 Atalhos de opera¸˜es de arquivo . . . . . . . . . . . .3 O objeto da interface de usu´rio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca 23. . . . . . . . . . . . . . . . . . .10 Usando OpenGL . . . . . . .3 Atalhos de transporte de reprodu¸˜o . . . . . . . . . . . . .2 Fun¸˜es comuns de plugin . . . . . . . . .1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 Plugins tempo-real . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5 Plugins de ´udio . . 23. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .10. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 Atalhos de navega¸˜o. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e 23. . . ca 23. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .9. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1. . . . . . . . . . . . . . . . .1. .1 Janela de programa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a 23. . . . . . . . . . . . . . .10. . . . . . . . . . . . . . . . . . 169 ca 169 169 170 172 174 175 176 178 178 179 180 180 180 180 181 182 183 184 184 23. . . . . . . .7 Atalhos do que ´ desenhado na linha do tempo . . . . . . . . . . . .7 Plugins de transi¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .4 Plugins n˜o-tempo-real . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . co 23. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 Introduzindo o m´todo pull . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Por´m.org. diz algumas palavras aqui ou ali sobre nossas implementa¸˜es. leves mudan¸as nas implementa¸˜es. pode-se dizer que obter o SVN logo antes de uma fundi¸˜o entre a ca os c´digos ("merge") seja uma vers˜o est´vel. como MainActor. Ele pode ser usado para gravar ´udio ou v´ a ıdeo. quando h´ um novo lan¸amento. mas n˜o queriam exatamente dividir ("fork") a a a o desenvolvimento. pegando as melhorias do HV e reo arranjando o c´digo para ser mais similar ao do HV (espa¸os em branco. Basicamente.cinelerra. Produtores precisam dessas fun¸˜es devido ` necessidade de ca co a retocar v´rias gera¸˜es de grava¸˜o com altera¸˜es no formato. o que torna o programa muito a co ca co complexo. nem todas as a o e implementa¸˜es do Cinelerra CV conseguem entrar na vers˜o oficial (por exemplo. N´s tentamos mandar os patches aos desenvolvedores o oficiais. renderiza¸˜o co a ca para um pipe YUV). a vers˜o do Cinelerra CV possui um n´mero de caracter´ a u ısticas que a vers˜o a oficial n˜o possui. e 1. De fato. mas que n˜o ´ do tipo "comunidade". a a co HV fica de olho no que fazemos e. mas vocˆ provavelmente encontrar´ problemas o a a e a de arquivos de descri¸˜o de projetos n˜o serem mais compat´ ca a ıveis. O Cinelerra u a possui v´rios recursos para conte´do n˜o-comprimido. um dos membros (j6t) a c funde ("merge") o c´digo do HV com o do Cinelerra CV. a Em termos de estabilidade. HV prefere e a e trabalhar em sua pr´pria c´pia do Cinelerra por conta pr´pria. Cinelerra tenta ser um local unico para todas a ´ as suas necessidades que envolvam edi¸˜o de v´ ca ıdeo e ´udio. eventualmente. que vocˆ pode considerar antes de usar o Cinelerra. Esta documenta¸˜o est´ focada no Cinelerra-CV (Community Version). Al´m disso. O Cinelerra CV pode ser visto como uma tentativa da comunidade de estabilizar a publica¸˜o do HV e tamb´m como um esfor¸o de adicionar melhorias de uma forma ca e c comunit´ria onde podemos comentar as implementa¸˜es de cada plug-in de cada um. processamento de alta resolu¸˜o e coma u a ca posi¸˜o. usu´rios encontrem erros e conforme o tempo o a permita corrigi-los. ca a O Cinelerra ´ desenvolvido de forma "upstream" por uma entidade a quem chamaremos de e HV que ´ uma entidade que compartilha.com e a outra em http://cvs. co Dada a discuss˜o acima.Cap´ ıtulo 1: Introdu¸˜o ca 1 1 Introdu¸˜o ca 1. nomenclatura de o c fun¸˜es. O Cinelerra n˜o visa consumidores. lan¸ando um novo c´digo em o o o c o uma base de seis em seis meses mais ou menos. edi¸˜o e exibi¸˜o a ca ca ca ("playback") pode ser feita aqui.heroinewarrior. o Uma pode ser encontrada no endere¸o c http://www. etc). ca a o a e c normalmente h´ quest˜es relacionadas a erros ("bugs") ou usabilidade. Existem v´rias outras ferramentas padr˜o para consumidores. ao contr´rio de outros programas. Desta forma. e Existem dois tipos de pessoas que apreciam v´ ıdeos: produtores que querem criar novos conte´dos. Assim. u u que querem adquirir o conte´do e assisti-lo. e consumidores. Ele pode at´ ser usado para retocar fotos. Alguns desenvolvedores decidiram que seria interessante melhor´-la de uma forma comunit´ria. Kino a a ou Moxy. corre¸˜es de compila¸˜o ("compiler compliance e co co ca fixes") e alguns melhoramentos ao SVN. mantemos uma c´pia que ´ bastante similar ` publica¸˜o ofio e a ca cial. a publica¸˜o que o HV faz n˜o a ca a pode ser descrita como uma publica¸˜o "est´vel". O software tamb´m pode ser usado como um reprodutor de e a ´udio. co o c co o a a ultima vers˜o do Cinelerra CV ´ possivelmente um pouco inst´vel at´ que todas as quest˜es ´ a e a e o do novo c´digo HV adicionadas sejam reparadas. Al´m disso. Ap´s a vers˜o do Cinelerra HV ´ lan¸ada. a HV tamb´m e e .2 As duas vers˜es do Cinelerra o Existem duas vers˜es do Cinelerra. voltando a seus conte´dos futuramente para um melhor refinamento. aplicamos nossas corre¸˜es de erros. com muito poucos atalhos. nomenclatura de diret´rios.1 Sobre o Cinelerra Por anos algumas pessoas desejaram uma forma de editar seu v´ ıdeo e ´udio em um lugar que a fosse t˜o fluido como os em que se escreve textos. Toda a grava¸˜o. Ap´s a fus˜o.

Em 2003. a etc). ´ Mantenedores da documenta¸˜o do Cinelerra-CV: ca Inglˆs: Nicolas Maufrais (coordenador) e Francˆs: Jean-Luc Coulon e Portuguˆs do Brasil: Flavio Soares e Outros contribuintes para este manual s˜o: Alexandre Bourget.net/video/cinelerra1. um excelente manual escrito por Adam Williams do Heroine Virtual Ltd. tamb´m corrige erros que e hav´ ıamos apontado mas n˜o consegu´ a ıamos corrigir. pela preciosa ajuda que nos deu durante a elabora¸˜o deste manual. sites. Jim Scott. Andraz Tori. IRC. Valentina Messeri. Cillian de Roiste. Assim. 1. v´lida para a vers˜o 2.robfisher.org Veja Se¸˜o 22. instale o cogito e o git-core em seu computador em rode: cg-clone git://scm.1 da vers˜o do Cinelerra CV. o que ´ "est´vel" torna-se realmente e a question´vel e para vocˆ decidir.no/listinfo/cinelerra a • Site do Cinelerra CV: http://cvs.1 [Reportando erros]. Gus Gus. Terje Hanssen.org/cinelerra-nicolasm 1. conforme publia cada pela Free Software Foundation. Dana Rogers. 1.46. Ben Jorden. Kevin Brosius. wiki.Getting Started. tanto a vers˜o 2 da Licen¸a. P´gina 165. caso vocˆ queira preencher um reporte de ca a e erros. Em 2006. Marcin Kostur. maintenedor do a GNU Texinfo. ´ normal no ca e e manual em PDF que algumas p´ginas pares sejam deixadas em branco. Nathan Kidd. por Rob Fisher http://www. Rafael Diniz. Portanto. Graham Evans. Nicolas Maufrais combinou o "Secrets of Cinelerra" original com o conte´do u do Wiki de Alex Ferrer em um unico documento. Mike Edwards.5 Tutoriais Alguns tutoriais est˜o dispon´ a ıveis na internet: • Cinelerra Tutorial .pipapo.4 Buscando ajuda Vocˆ pode conseguir ajuda em: e • Canal IRC: #cinelerra no Freenode • Lista de discuss˜o: https://init. Scott Frase.pt˙BR.linpro. a Para conseguir as fontes do manual. Mikko Huhtala. Martin Ellison. ca Nota: A inten¸˜o deste manual ´ que ele seja impresso em duplex. Joseph L. Pierre Dumuid.html . co e o Cinelerra CV ainda n˜o tinha seu pr´prio manual e informa¸˜es relacionadas ` Vers˜o da a o co a a Comunidade do Cinelerra estavam jogadas pela internet (listas de discuss˜o. Hermann Vosseler.2 Cap´ ıtulo 1: Introdu¸˜o ca acha erros que n´s n˜o hav´ o a ıamos encontrado. Em alguns casos. a Este manual se origina do "Secrets of Cinelerra".no/mailman/skolelinux. Vocˆ pode ca e a a a e redistribui-lo e/ou modific´-lo sob os termos da GNU General Public License.cinelerra.3 Sobre este manual Esta edi¸˜o ´ a 1. Sean Pappalardo. quanto (` sua escolha) qualquer a c a vers˜o posterior.. Joe Friedrichsen. Alex Ferrer criou um Wiki baseado naquele manual e adicionou um monte de capturas de tela e novas informa¸˜es. Carlos a Davila. provavelmente conseguir´ se a e e a comunicar melhor com a gente do que com a HV. Agradecemos ` equipe do projeto GNU. Raffaella Traniello. mas se vocˆ se mantiver conosco. Naquela ´poca. e particularmente a Karl Berry. Herman Robak.

net/conf/showthread.org/cinelerra 1.fr/lprod/tutoriels/tutoriel_cinelerra_niv1_ debutant. dentro de The Source Show http://www. cˆmera e projetor. edi¸˜o em dois monitores. em Portuguˆs. edi¸˜o de arrastar e soltar.#1 est´ no Epis´dio 6. efeitos). a interface de 4 janelas. trimming. por Rafael Diniz e https://docs. "The Filesystem Menace".pdf • Capturando e editando video usando Software Livre. ca co . edi¸˜o por recorte ca ca ca ca e cola.thesourceshow.berkeley. "The Return Of The Pixel".fi/~f76998/video/conversion • Colour specification and image coding http://www.funix. especialmente para o Cinelerra HV (entre eles.Cap´ ıtulo 1: Introdu¸˜o ca 3 • Cinelerra video tutorials.uwasa. por The Source .6 Links diversos Links diversos: • What is Deinterlacing? Facts. t´ a a ıtulos. adicionando e movendo as trilhas. por Scott Frase http://content. solutions.Libre Production um Wiki francˆs cheio de recursos para edi¸˜o de v´ e ca ıdeo em Open Source.com/notes/colour_and_gamma/ColorFAQ.free.php .net/video/renderTest/guideToCinExport. atributos de projeto.org/node/11 .estudiolivre. do min 45 a 1:12 (Quadrosa o chave.indymedia.com • MPEG-2 FAQ http://bmrc. v´ ıdeo de telas capturadas por Scott Frase http://www. em Portuguˆs. um pacote para Ubuntu) http://fr. em francˆs e http://www.html • "Exporting edited HD content back to the camcorder" (HDV related) http://dvinfo. m´scaras.html • lprod .poynton. . • Beginner’s Guide to Exporting Video from Cinelerra. a o aproxima¸˜o de amostragem. carregando ca a arquivos).tutorials (conversa e v´ ıdeo de telas capturadas).100fps.lprod. do min 32 ao min 54 (Armando trilhas. caixas de sele¸˜o.#3 est´ no Epis´dio 2.youtube. examples http://www.serveftp.bellegarde.homeunix. transi¸˜es). por Gustavo I˜iguez Goya n http://kutxa.org/wiki/doku. por Leo Germani e http://www. "Attack Of The Elephants (Dream)". por Laurent e Bellegarde http://laurent.#2 est´ no Epis´dio 1.html • Capturing desktop screens in Cinelerra.php?page=Cinelerra • Edicion de video bajo GNU/Linux (Cinelerra). do min 45 ao min 60 (Introdu¸˜o a o ca ao Cinelerra e edi¸˜o n˜o-linear. em espanhol.edu/frame/research/mpeg/mpeg2faq.php?t=76674 • A Quick Guide to Digital Video Resolution and Aspect Ratio Conversions http://lipas.org/fr/linux/cinelerra.com/watch?v=MhaOgNQ0Bbc • Guide d’utilisation de Cinelerra.htm • Faire un montage video tutorial em francˆs para iniciantes no Cinelerra HV.org/view/Sysadmin/Cinelerra • Tutorial Cinelerra.org/tiki-index.

4 Cap´ ıtulo 1: Introdu¸˜o ca .

Cap´ ıtulo 2: Instala¸˜o ca

5

2 Instala¸˜o ca
Todos os pacotes do Cinelerra contˆm os seguintes itens: e • Tradu¸˜es para outras l´ co ınguas - que est˜o dentro do diret´rio ‘/usr/share/locale’ a o • Execut´vel do Cinelerra - no diret´rio ‘/usr/bin’ a o • Cinelerra plugins - no diret´rio ‘/usr/lib/cinelerra’ nos sistemas 32 bits e em o ‘/usr/lib64/cinelerra’ nos sistemas 64 bits. • soundtest - Utilit´rio para determinar o tamanho do buffer da placa de som. a • mplexlo - Multiplexa¸˜o de streams MPEG primitivos sem a conformˆncia padr˜o, no ca a a entanto com mais eficiˆncia. e • mpeg3cat - Utilit´rio para ler arquivos MPEG de um determinado padr˜o e envia-los para a a uma sa´ stdout. ıda • mpeg3toc, mpeg3cat, mpeg3dump - Utilit´rios para indexa¸˜o e leitura de arquivos MPEG a ca • mpeg3peek - Utilit´rio para mostrar a compensa¸˜o de bytes de um frame (quadro) de um a ca arquivo MPEG.

2.1 Requisitos de hardware
O Cinelerra n˜o ´ um programa leve. A demanda de leitura, decodifica¸˜o e reprodu¸˜o de a e ca ca v´ ıdeo pode sobrecarregar completamente seu sistema. A performance e, conseq¨entemente, a u usabilidade do cinelerra est´ diretamente relacionada ` velocidade, I/O - portas de entrada e a a sa´ ıda, v´ ıdeo e ` mem´ria do seu hardware e ao tipo de stress a que vocˆ pretende submeter a o e o sistema. Para os/as usu´rios/as que trabalham apenas com ´udio ou com formatos leves de a a v´ ıdeo, um computador menos potente pode ser suficiente. No entanto, para algu´m que deseja e trabalhar com arquivos no formato DV, v´rias faixas de ´udio e um bom conjunto de efeitos a a e transi¸˜es ´ necess´rio uma melhor configura¸˜o de hardware. Como regra geral, ´ sugerido co e a ca e rodar o Cinelerra em sistemas com, no m´ ınimo, as seguintes especifica¸˜es: co • Velocidade da CPU No m´ ınimo, um processador de 500MHz, menos que isso ser´ inutiliz´vel. Processadores a a dual-core e SMP aumentam consideravelmente a velocidade do cinelerra. • Mem´ria o Ao se trabalhar com v´ ıdeo, ´ aconselh´vel ter uma grande quantidade de mem´ria dispon´ e a o ıvel para evitar que se utilize a parti¸˜o swap e para manter os recursos prontamente acess´ ca ıveis. Para ter uma id´ia do que o cinelerra ´ capaz de fazer, vocˆ precisa ter no m´ e e e ınimo 256 Megabytes de mem´ria. Para utilizar o cinelerra em projetos maiores, ser´ necess´rio dispor o a a de mais mem´ria (> 1 Gb). o • Disco r´ ıgido Os requisitos de disco r´ ıgido s˜o baseados nas suas necessidades particulares de edi¸˜o de a ca v´ ıdeo. Se vocˆ espera produzir v´ e ıdeos longos em formatos pesados (DV utiliza cerca de 3.5 Mb por segundo, ou 12 Gb por hora), ´ necess´rio ter um HD grande (>200 Gb) e e a r´pido. Para projetos menores, ´ poss´ a e ıvel fazer at´ com 1Gb de espa¸o livre. Edi¸˜o de e c ca v´ ıdeo sobrecarrega bastante as portas de entrada e sa´ (I/O). Para melhores resultados, ıda utilize um disco r´ ıgido r´pido e configure-o apropriadamente. a • Placa de v´ ıdeo Desde a vers˜o 2.1, o Cinelerra pode utilizar os benef´ a ıcios da acelera¸˜o de hardware ca OpenGL. Tenha certeza que sua placa de v´ ıdeo suporta OpenGL2.0 para aproveitar esse recurso. Placas Nvidia series 7 (como a 7600GS) s˜o conhecidas por ter um bom desema penho. Se vocˆ estiver interessado em enviar a sa´ de v´ e ıda ıdeo diretamente para uma TV ou um gravador de v´ ıdeo, verifique se a placa de v´ ıdeo traz essa possibilidade.

6

Cap´ ıtulo 2: Instala¸˜o ca

• M´ltiplos monitores u Vocˆ pode usar os recursos do XFree86 Xinerama para trabalhar com v´rios monitores de e a v´ ıdeo. Utilizando dois ou mais monitores, facilita bastante a visualiza¸˜o da linha do tempo ca e dos v´ ıdeos. • Sa´ para TV ıda Caso sua placa de v´ ıdeo tenha a op¸˜o de TV-Out (envio de sinal para TV), pode ser util ca ´ para visualizar como seu v´ ıdeo ficar´ numa tela de TV. a • Captura de v´ ıdeo Se vocˆ tiver uma cˆmera de v´ e a ıdeo anal´gica, ou quiser capturar o v´ o ıdeo de um videocassete, ser´ necess´rio utilizar um dispositivo de captura de v´ a a ıdeo. Esses dispositivos s˜o suportados a pelo cinelerra atrav´s do driver Video4Linux. e • Firewire Firewire ´ a forma mais r´pida de transferir v´ e a ıdeo para seu computador. A menos que vocˆ transfira material de v´ e ıdeo para seu computador atrav´s de CDs, DVDs ou qualquer e outro formato pr´-capturado (ou ainda por meio de uma placa de captura anal´gica), ser´ e o a necess´rio uma placa firewire no seu computador. a • Cˆmeras digitais a H´ uma grande variedade de cˆmeras digitais que podem ser usadas com o Cinelerra. Pratia a camente toda cˆmera que puder ser conectada ` porta firewire ir´ funcionar. O importante ´ a a a e ajustar os parˆmetros apropriados no sistema de captura de v´ a ıdeo para que estes coincidam com os parˆmetros da cˆmera. a a

2.2 Requisitos de software
Para instalar o Cinelerra vocˆ precisa ter uma vers˜o atual do Linux com o Sistema de Janelas e a X (por exemplo, X.org) e com algum software controlador de ´udio funcionando corretamente. a Vocˆ tamb´m precisar´ instalar as seguintes bibliotecas (lista parcial): e e a • a52dec • dv • faac • ffmpeg • fftw • lame • libavc1394 • libfaad2 • libraw1394 • mjpegtools • OpenEXR • theora • x264 Vocˆ tamb´m vai precisar dos cabe¸alhos ("headers") para todas as bibliotecas requeridas. e e c Para v´rias distribui¸˜es, isso significa que vocˆ precisar´ instalar os pacotes "-dev" ou "devel" a co e a que correspondam aos pacotes de bibliotecas que vocˆ possui instalados. Al´m das bibliotecas e e listadas aqui, assegure-se de ter os cabe¸alhos ("headers") do X. A falta desses cabe¸alhos c c normalmente resultar´ em uma falha na compila¸˜o com mensagens cifradas de erro. a ca

Cap´ ıtulo 2: Instala¸˜o ca

7

2.3 Compilando Cinelerra CV
2.3.1 Processo comum de compila¸˜o ca
Vocˆ pode instalar Cinelerra CV obtendo o c´digo fonte e compilando-o. Este ´ o m´todo que e o e e vocˆ deve utilizar caso deseje compilar a vers˜o mais atual do Cinelerra CV. e a O c´digo fonte do Cinelerra-CV est´ dispon´ no reposit´rio Subversion (SVN). O Subvero a ıvel o sion est´ dispon´ para download em http://subversion.tigris.org/, mas muito provavela ıvel mente a sua distribui¸˜o possui pacotes pr´-compilados. A documenta¸˜o completa do subverca e ca sion est´ dispon´ em http://svnbook.red-bean.com/nightly/en/index.html. a ıvel 1. Primeiro vocˆ deve baixar o c´digo fonte do Cinelerra CV no reposit´rio SVN (aproximadae o o mente 170Mb). Execute o comando: svn checkout svn://svn.skolelinux.org/cinelerra/trunk/hvirtual O comando svn acima criar´ em sua pasta atual de trabalho um diret´rio chamado hvirtual a o que cont´m os fontes. e 2. Entre no diret´rio hvirtual: o cd hvirtual 3. Crie o arquivo ‘./configure’ executando: autoreconf -i --force 4. Ent˜o execute o arquivo ‘.configure’: a ./configure --with-buildinfo=svn/recompile Esta op¸˜o faz com que o n´mero da revis˜o seja exibido na aba Sobre da janela de Preca u a ferˆncias. Vocˆ pode dar uma olhada nas outras op¸˜es dispon´ e e co ıveis executando o comando: ./configure --help A maioria das dependˆncias que estiverem faltando devem ser listadas ap´s a execu¸˜o deste e o ca comando. 5. Agora execute o make: make Se vocˆ quer gerar um registro para o resultado do make para buscar erros, este e comando pode ser usado: make 2>&1 | tee logfile 6. Finalmente, instale o Cinelerra CV: sudo make install Notas: • SMP machine: Se vocˆ for compilar o Cinelerra CV numa m´quina com multiprocessador (SMP), n´s e a o recomendamos a adi¸˜o da op¸˜o ‘-j 3’ ao make para aproveitar melhor os recursos desses ca ca processadores. • Somente para processadores x86: Vocˆ provavelmente desejar´ habilitar o suporte a MMX. Para fazer isto, adicione a e a op¸˜o ‘--enable-mmx’ ao ./configure. Se vocˆ fizer isto, dever´ usar tamb´m a op¸˜o ca e a e ca ‘--without-pic’, caso contr´rio, a compila¸˜o pode falhar. a ca • Para Pentium-M: Aqui est˜o algumas flags ut´is ao compilador. a e ./configure --prefix=/usr --enable-x86 --enable-mmx --enable-freetype2 --with-buildinfo=svn/recompile CFLAGS=’-O3 -pipe -fomit-frame-pointer -funroll-all-loops -falign-loops=2 -falign-jumps=2 -falign-functions=2 -ffast-math -march=pentium-m -mfpmath=sse,387 -mmmx -msse’ • Para 64bits: Como root, execute:

8

Cap´ ıtulo 2: Instala¸˜o ca

./autogen.sh ./configure Substitua a op¸˜o ‘-prefer-non-pic’ pela op¸˜o ‘-fPIC \’ em seu arquivo ca ca ‘quicktime/ffmpeg/libavcodec/i386/Makefile.am’. make make install • Atualizando o c´digo fonte: o Se vocˆ j´ baixou o c´digo fonte de uma revis˜o desatualizada, vocˆ pode atualiz´-lo para e a o a e a a mais recente usando o comando: svn update • Instalando revis˜es antigas: o Se vocˆ quer instalar uma revis˜o antiga, execute o comando: e a svn checkout -r <revis~o> svn://svn.skolelinux.org/cinelerra/trunk/hvirtual a • Instalando v´rias vers˜es: a o Se vocˆ deseja instalar mais de uma vers˜o do Cinelerra CV no seu computador, crie e a um diret´rio ‘/usr/local_cinelerra’, e utilize as seguintes op¸˜es no ./configure o co (substitua ‘xxx’ pelo n´mero da vers˜o que vocˆ quer compilar): u a e ‘--prefix=/usr/local_cinelerra/rxxx --exec-prefix=/usr/local_cinelerra/rxxx --program-suffix=_rxxx’ Vocˆ ter´ de executar o Cinelerra CV do lugar onde ele est´ instalado em seu computador: e a a cd /usr/local_cinelerra/rxxx ./cinelerra_rxxx Se vocˆ instalar o Cinelerra utilizando este m´todo, os arquivos de e e tradu¸˜o ‘.po’ n˜o ser˜o instalados corretamente. Se vocˆ quer rodar o Cinelerra em outra ca a a e ca a a co ıficas. l´ ıngua, veja Veja Se¸˜o 3.1 [Vari´veis de ambiente], P´gina 17, para instru¸˜es espec´ • Vers˜o do Automake: a Vocˆ precisar´ da vers˜o 1.7 do automake. A vers˜o 1.4 n˜o funcionar´. Autoconf 2.57 e a a a a a tamb´m ´ exigido. e e

2.3.2 Compilando com s´ ımbolos de depura¸˜o ca
Quando o Cinelerra CV trava, vocˆ pode compilar com s´ e ımbolos de depura¸˜o e execut´-lo ca a dentro do gdb. A informa¸˜o exibida pelo gdb ´ muito mais detalhada e, dessa maneira, os ca e desenvolvedores ter˜o informa¸˜es mais uteis para a corrigir os erros ("bugs"). a co ´ Primeiro, baixe as fontes do SVN da mesma forma que foi descrito anteriormente. Depois, execute os seguintes comandos: cd hvirtual nice -19 autoreconf -i --force mkdir ../hvdbg cd ../hvdbg nice -19 ../hvirtual/configure CXXFLAGS=’-O0 -g’ CFLAGS=’-O0 -g’ --withbuildinfo=svn/recompile cd quicktime/ffmpeg nice -19 make CFLAGS=’-O3’ cd ../.. nice -19 make nice -19 make install Veja Se¸˜o 22.1 [Reportando erros], P´gina 165, para informa¸˜o a respeito da execu¸˜o do ca a ca ca Cinelerra dentro do gdb.

7 ArkLinux O Cinelerra CV est´ incluso no reposit´rio de pacotes ArkLinux.http://x-evian. para detalhes.http://garbure.a LiveDistro baseada em Debian "original" .baseado em Debian e Morphix .elivecd.slo-tech.para produ¸˜o multim´ ca ıdia . Execute cinelerra -h para ver uma lista de op¸˜es para linha de comando. sem instala¸˜o no disco r´ ca ıgido.org • dyne:bolic .3 [Liberando mais mem´ria compartilhada].http://linux.org/index. Pacotes a a a para Debian Sid podem ser encontrados aqui: • Reposit´rio do Apt para i386: o deb http://www.usa o gerenciador de janelas Window Maker http://www.org • Elive .baseado no Knoppix . 2.http://www. P´gina 139. Aqui est˜o alguns dos Live CDs que conhecidamente cont´m a e o Cinelerra: • Knoppix .deb para Sid.org/~minmax/cinelerra/builds/sid/ . co Ap´s habilitar o reposit´rio da comunidade.5 Live CDs Pode-se tentar usar o Cinelerra em um computador sem que seja preciso instal´-lo no disco r´ a ıgido. which is too low ca o a veja Veja Se¸˜o 21. a o Para instalar o pacote cinelerra.archlinux.9. Para renderiza¸˜o atrav´s da linha de comando veja Veja Cap´ a co ca e [Renderizando arquivos]. Ele tamb´m faz pacotes e co e bin´rios .8.8 Debian 2.org • Mediainlinux . que est˜o em distribui¸˜es GNU/Linux que d˜o boot pelo e ıvel a co a CD.1 Pacotes bin´rios para Debian a Andraz Tori mant´m instru¸˜es de empacotamento para Debian Sid.http://www. A utilidade dessas op¸˜es ´ co co e ıtulo 20 descrito em v´rias se¸˜es./ . vocˆ deve habilitar o reposit´rio da comunidade (veja e o http://wiki.php/AUR_User_Guidelines para mais informa¸˜es).4 Executando o Cinelerra A maneira mais simples de executar o cinelerra ´ atrav´s do comando /usr/bin/cinelerra e e Esse comando esconde uma interface em linha de comando com muito mais recursos. P´gina 157.knoppix.dynebolic.Live CD baseado em Debian para cria¸˜es multim´ co ıdia . a Se esta mensagem aparecer quando vocˆ estiver rodando o Cinelerra pela primeira vez: e WARNING:/proc/sys/kernel/shmmax is 0x2000000. 2.Cap´ ıtulo 2: Instala¸˜o ca 9 2.6 Arch Linux O Cinelerra CV est´ incluso no reposit´rio da comunidade Arch Linux.Live CD baseado em Debian que usa o gerenciador de janelas Enlightenment http://www.org/ • pho (garbure) .dedicado ` edi¸˜o de v´ a ca ıdeo . Isso ´ poss´ pelo uso de Live CDs. use a ferramenta Install Software em Mission Control ou rode os seguintes comandos a partir de uma linha de comando: apt-get update apt-get install cinelerra.kiberpipa. Estes s˜o empacotados a partir de releases n˜o-oficiais do SVN.mediainlinux.com 2.org • x-evian . a o Para instalar o pacote cinelerra. use o seguinte comando a partir de um terminal: o o pacman -Sy cinelerra-cv 2.org/pho/ • Slo-Tech .

/ Para Ubuntu 6.net --recv-keys 1F41B907 gpg --armor --export 1F41B907 | sudo apt-key add Se vocˆ n˜o usa sudo.pgp.1 Reposit´rios de pacotes Ubuntu o Para Ubuntu 7.org/~muzzol/cinelerra/feisty-i386/ .org/~gandalf/ubuntu/feisty/cinelerra/i686/ ./ • para pentium4./ • para athlonxp.0. por muzzol: deb http://www.kiberpipa. com OpenGL.4.5 2.2 Pr´-requisitos para Debian e Vocˆ precisar´ de algumas dependˆncias que n˜o s˜o encontradas nos reposit´rios oficiais da e a e a a o Debian./ • Reposit´rio do Apt para AthlonXP (otimizado): o deb http://www.kiberpipa.9 Ubuntu 2.org/~gandalf/ubuntu/feisty/cinelerra/athlonxp/ .org/~minmax/cinelerra/builds/athlonxp/ .8: undefined symbol: faacDecOpen Vocˆ pode resolver o problema com o seguinte comando (como root): e apt-get install --reinstall libfaad2-0=2./ • otimizado para UbuntuStudio.tv/~vale/ubuntuopengl/ . use o seguinte comando como root: e a gpg --armor --export 1F41B907 | apt-key add - 2.tv/~vale/debian64/ ./ • Reposit´rio do Apt para Pentium-M (otimizado): o deb http://www. por Valentina Messeri: deb http://giss.org/~minmax/cinelerra/builds/pentiumm/ . por Valentina Messeri: deb http://giss.kiberpipa.tv/~vale/ubuntu64 .kiberpipa.eu. ´ necess´rio adicionar ao seu gerenciador de chaves gpg a chave o e a gpg do Marillat: gpg --keyserver hkp://wwwkeys. Adicione ao ‘/etc/apt/sources.org/~minmax/cinelerra/builds/pentium4/ ./ • para i686.kiberpipa.kiberpipa.0-0.list’ a seguinte linha do reposit´rio de Christian o Marillat: deb http://www.10 Cap´ ıtulo 2: Instala¸˜o ca • Reposit´rio do Apt para Pentium4 (otimizado): o deb http://www.10 Edgy Eft: • por muzzol deb http://www.8.04 Feisty Fawn: • para i386.org/ sid main Para usar este reposit´rio.9. por Jure Cuhalev: deb http://www./ • para AMD64. por Jure Cuhalev: deb http://www.debian-multimedia./ .org/~gandalf/ubuntu/feisty/cinelerra/pentium4/ .0.org/~muzzol/cinelerra/edgy-i386/ .so.kiberpipa./ Valentina Messeri tamb´m construiu o e • Reposit´rio do Apt para Opteron (AMD64) (otimizado): o deb http://giss. por Jure Cuhalev: deb http://www./ Nota: Se o Cinelerra apresentar o seguinte erro: cinelerra: relocation error: /usr/lib/libavcodec.kiberpipa.

Assegure-se de estar com os reposit´rios universe.org/~gandalf/ubuntu/dapper/cinelerra/i686/ ./ For Ubuntu 6. por Jure Cuhalev:: deb http://www.) Clique no link ./ • para pentium4. o Vocˆ pode fazer isso de duas formas: e . Clique no bot˜o Adicionar e informe seu o a reposit´rio escolhido (dos mencionados acima).kiberpipa.Cap´ ıtulo 2: Instala¸˜o ca 11 • por Valentina Messeri: deb http://giss. .06 Dapper Drake • Backport mjpegtools do ubuntu necess´rio. a co o Assegure-se de habilitar as fontes universe. o Aqui est˜o 3 formas de se fazer isso: a Com o gerenciador de pacotes Synaptic: Abra a janela de reposit´rios do programa. multiverse e restricted habilitados checando o se a seguinte linha est´ descomentada (se n˜o h´ um "#" na frente dela): a a a deb http://archive.0+svn20070109-0ubuntu1 i386.ubuntu. co ca Pela linha de comando: Edite diretamente o seu arquivo ‘/etc/apt/sources.tv/~vale/ubuntu32 .2 Instru¸˜es para a instala¸˜o de pacotes no Ubuntu co ca Escolha um dos reposit´rios acima de acordo com o tipo de sua CPU e instale o pacote. multiverse e restricted na primeira aba.kiberpipa.kiberpipa. por Jure Cuhalev:: deb http://www.1. Vocˆ deve agora ser capaz de encontrar o Cinelerra na sua lista de pacotes dispon´ e ıveis no Synaptic.Dentro do programa: v´ para Configura¸˜es -> Reposit´rios.deb) Uma janela de di´logo pedir´ a confirma¸˜o de sua inten¸˜o para abrir este arquivo com o a a ca ca instalador de pacotes GDebi.9. o Instale o Cinelerra digitando em seu terminal: apt-get update e ent˜o a apt-get install cinelerra Com o instalador de pacotes GDebi: Mande o Firefox para o endere¸o de rede do reposit´rio c o (por exemplo http://www. Clique em Reposit´rios de Terceiros ("Third Party"). Siga as instru¸˜es do Synaptic para a instala¸˜o.list’./ • para i686. por Jure Cuhalev:: deb http://www.org/~gandalf/ubuntu/dapper/mjpegtools .kiberpipa./ 2.deb de seu pacote Cinelerra escolhido (por exemplo cinelerra 2.org/~gandalf/ubuntu/dapper/cinelerra/athlonxp/ . o Clicar em Adicionar Fonte exibir´ o novo reposit´rio habilitado na janela de recursos do proa o grama./ • para athlonxp. por Jure Cuhalev: a deb http://www.V´ para Sistema -> Administra¸˜o -> Gerenciador de pacotes synaptic a ca .kiberpipa.org/~muzzol/cinelerra/edgy-i386/.com/ubuntu dapper universe multiverse restricted Adicione a linha completa do APT de seu reposit´rio escolhido (a partir da lista acima).org/~gandalf/ubuntu/dapper/cinelerra/pentium4/ .

org/doc/en/handbook/handbook-x86. Note que vocˆ pode precisar a a e colocar o cinelerra em seu arquivo ‘/etc/portage/package. P´gina 44.home.php?t=320701&highlight=cinelerra • Compila¸˜o a partir do c´digo fonte no Ubuntu Breezy: ca o http://placide. Tamb´m a e o ca e assegure-se que o reposit´rio Fedora Extras esteja habilitado.gentoo. Este ´ o caso por padr˜o no Fedora o e a 5 e 6.freshrpms.net/pub/freshrpms/fedora/linux/5/\ freshrpms-release/freshrpms Ent˜o digite: a yum -y install cinelerra para obter e instalar o Cinelerra e todas as suas dependˆncias.d’.10 Gentoo A instala¸˜o no Gentoo Linux ´ bastante simples. Tamb´m pode ser uma boa id´ia manter-se fiel a um reposit´rio e n˜o misturar pacotes de e e o a v´rios reposit´rios de terceiros. a e a HOWTOs para a instala¸˜o de pacotes ou compila¸˜o a partir do c´digo fonte ca ca o • Instala¸˜o do pacote Cinelerra no Ubunty Feisty AMD64: ca https://help.11 Fedora O Cinelerra est´ incluso no reposit´rio Freshrpms em http://freshrpms. fa¸a: c rpm -ivh http://ftp. Observa¸˜o: O ebuild do Gentoo media-video/cinelerra-cvs-20061020 n˜o possui ´ ca a ıcones de modos de edi¸˜o.xml?part=3&chap=3 para detalhes.12 Cap´ ıtulo 2: Instala¸˜o ca Clicar em OK iniciar´ o download. tente instalar as e e a bibliotecas problem´ticas pelo mesmo m´todo a partir da mesma p´gina.sapo.org/wiki/Cinelerra_CV_su_Ubuntu 2. Caso isso n˜o funcione. incluindo o ffmpeg e o mjpege tools. O jeito mais a o f´cil de instalar pacotes do Freshrpms ´ incluir o reposit´rio na configura¸˜o do yum.keywords Veja http://www.repos. que tamb´m pode carregar as bibliotecas de ´udio e v´ e a ıdeo e o Cinelerra. em italiano): ca o https://faberlibertatis.com/community/CinelerraOnFeistyAMD64 • Compila¸˜o a partir do c´digo fonte no Ubuntu 6. rode: a rpm -ivh http://ftp. a o • O arquivos de cabe¸alho de v´rias bibliotecas s˜o necess´rios para a compila¸˜o do c a a a ca Cinelerra a partir do c´digo-fonte.net. Observa¸˜es: co • A cole¸˜o de pacotes do Freshrpms pode conflitar ou sobrepor outros reposit´rios de terceiros ca o como o Livna.pt/cinelerra02. como usu´rio root.org/showthread.conf’ e assegure-se que a configura¸˜o a ca do Freshrpms seja inclusa no arquivo ‘/etc/yum. para mais informa¸˜es.keywords’ para poder us´-lo: a echo "=media-video/cinelerra-cvs-20061020" >> /etc/portage/package.html • Compila¸˜o a partir do c´digo fonte no Ubuntu Dapper Drake (para iniciantes. a Se durante o processo vocˆ obter erros sobre dependˆncias n˜o satisfeitas.net/pub/freshrpms/fedora/linux/6/\ freshrpms-release/freshrpms No Fedora 5.ubuntu. a No Fedora 6. e Core e Extras s˜o unidos em um no Fedora 7. Simplesmente digite: ca e emerge cinelerra como root e o Cinelerra ser´ instalado e ir´ rodar sem problemas.ubuntuforums. cheque o arquivo ‘/etc/yum.10 Edgy Eft: ca o http://www.freshrpms.6 [Modos de edi¸˜o]. ca ca ca a co 2. Os arquivos de cabe¸alho est˜o inclusos em v´rios o c a a pacotes devel separados que est˜o inclusos nos reposit´rios Fedora e Freshrpms e podem a o . Veja Veja Se¸˜o 6.1.

14 Suse RPMs para SuSE 9 s˜o constru´ a ıdos de fontes SVN por Kevin Brosius.org/packages/slackintosh/slackintosh-11.blogspot. Os pacotes RPM podem ser instalados como root em um terminal usando este comando: rpm -Uvh package_name.rpm O caso seguinte de instala¸˜o mostra quatro capturas de tela para uma instala¸˜o baseada ca ca no GUI do Cinelerra SVN no OpenSUSE 10. a a ca Leia http://plf. Inicie o centro de controle do YaST no OpenSUSE 10. arquiteturas i586 e x86 64.2.2 i586 usando YaST2.org/package/cinelerra/16413.2 e adicione a senha de root quando pedido: . Primeiro adicionando o reposit´rio do packman YaST2 como uma fonte de instala¸˜o YaST2. Pelo menos os seguintes s˜o necess´rios: a a OpenEXR-devel SDL-devel a52dec-devel alsa-lib-devel e2fsprogs-devel faac-devel faad2-devel ffmpeg-devel fftw-devel imlib2-devel lame-devel libXv-devel libXxf86vm-devel libavc1394-devel libdv-devel libiec61883-devel libogg-devel libraw1394-devel libsndfile-devel libtheora-devel libvorbis-devel mjpegtools-devel x264-devel xvidcore-devel • Se vocˆ quer compilar o Cinelerra a partir do c´digo fonte no Fee o dora Core 6.0/multimedia/ • For slackintosh: http://slack.13 Slackware Rafael Diniz mant´m pacotes do Cinelerra para Slackware.sarava. Eles est˜o dispon´ a ıveis em http://packman.kevb.h 2. e dispon´ ıveis em http://cin.com/2007/03/fedora-core-6-cinelerra-dependencies.sarava.0/multimedia/ 2.12 Mandriva Pacotes do Cinelerra para Mandriva s˜o feitos por PLF e est˜o prontos para serem instalados.org/packages/slackware/slackware-11.Cap´ ıtulo 2: Instala¸˜o ca 13 ser instalados com o yum. e depois a instala¸˜o do o ca ca pacote com o YaST2 Software Manager. 2.net/files/RPM/ RPMs para OpenSUSE 10.links2linux.php para mais informa¸˜o. s˜o constru´ a ıdos a partir do SVN por Leon Freitag em Packman.1 e 10.zarb.org/packages. detailed instru¸˜es co detalhadas sobre como instalar os arquivos de dependˆncia e necess´rios a pode ser encontrados em: http://crazedmuleproductions. e • For x86: http://slack.

ca Clique em Accept para come¸ar a instala¸˜o do pacote e depois em Next para termin´-la. selecione o protocolo HTTP e adicione o servername ca para packman conforme mostrado. espere at´ que esteja terminada. Enter "Cinelerra" no campo de busca ` esquerda e a habilite as caixas para os pacotes do Cinelerra na janela da direita. A sincronia com o Zenworks pode levar algum tempo. apague-a. c ca a . tente fazer uma atualiza¸˜o antes. e Inicie o YaST2 Software Management.14 Cap´ ıtulo 2: Instala¸˜o ca Inicie a ferramenta de instala¸˜o YaST2. Se uma vers˜o mais antiga a do Cinelerra for instalada e fique vis´ ıvel com um s´ ımbolo de trava. Possivelmente.

Cap´ ıtulo 2: Instala¸˜o ca 15 2.15 MacOSX conserte-me .

16 Cap´ ıtulo 2: Instala¸˜o ca .

Esloveno e • fr FR .Portuguˆs do Brazil e • it IT . Todas as vari´veis de ambiente podem ser vistas com um comando tipo env. P´gina 125.Espanhol • sl SI .1 Vari´veis de ambiente a Nos derivativos de UNIX. V´ para configura¸˜es->preferˆncias para ver mais op¸˜es.Euskera (Basco) • de DE . o O padr˜o ´ a e ‘/usr/lib/cinelerra’. devido ` multitude de parˆmetros. Se vocˆ n˜o consegue rodar o Cinelerra em sua l´ e a ıngua escolhida. a O Cinelerra reconhece as seguintes vari´veis de ambiente: a • LADSPA PATH Se vocˆ quer usar plugins LADSPA.Francˆs • eu ES .Alem˜o a • pt BR . Plugins de o a a a diferentes formatos bin´rios precisam estar em diret´rios diferentes./configure prefix=/usr cd po . voltada para suas necessidades espec´ ca ıficas. mude as vari´veis de a ambiente LANG e LANGUAGE. a o • LANG e LANGUAGE O Cinelerra est´ traduzido em v´rias l´ a a ınguas. os arquivos . mas quais das diferentes APIs s˜o o a co ca a suportadas em GNU/Linux. Por exemplo. e ´ ca co a a Aqui n´s discutimos n˜o apenas as op¸˜es de configura¸˜o. Ele abrir´ com os textos dispostos em espana hol.Italiano Em alguns casos (por exemplo. abra um terminal e digite: export LANG=es_ES LANGUAGE=es_ES. se vocˆ compilou o Cinelerra especificando uma op¸˜o e ca ‘--prefix=’ diferente do arquivo ‘/usr/local’).Cap´ ıtulo 3: Configura¸˜o ca 17 3 Configura¸˜o ca Devido ` sua variedade de usos. isto deve ser definido: uma lista separada por v´ e ırgula de diret´rios onde ser˜o buscados os plugins LADSPA. L´ ınguas dispon´ ıveis s˜o: a • en EN . vari´veis de ambiente s˜o vari´veis globais no terminal ("shell") que a a a todas as aplica¸˜es s˜o capazes de ler. Para rodar o Cinelerra em uma l´ ıngua diferente da selecionada em seu sistema. As configura¸˜es de l´ co ıngua do Cinelerra normalmente s˜o lidas a partir de suas configura¸˜es de l´ a co ıngua no Linux. Elas s˜o configuradas com um comando como set co a a VARIABLE=value. a co e co 3. Veja Cap´ ıtulo 16 [Efeitos ladspa]. tente rodar os seguintes comandos antes de mudar as vari´veis de ambiente LANG e LANGUAGE: a cd hvirtual .English • es ES . Estes n˜o s˜o plugins nativos do o a a a Cinelerra. o Cinelerra n˜o pode ser usado de uma forma ´tima sem que haja a a o uma configura¸˜o precisa. a • GLOBAL PLUGIN DIR O diret´rio onde o Cinelerra deve procurar por plugins nativos. Muito poucos parˆmetros a s˜o ajust´veis ` hora da compila¸˜o. mas vocˆ pode precisar de um diret´rio alternativo se vocˆ e o e compartilha o mesmo diret´rio execut´vel entre v´rias m´quinas via NFS. A configura¸˜o na hora de rodar o programa ("runtime") a a a ca ca ´ a unica op¸˜o para a maioria das configura¸˜es.po traduzidos n˜o s˜o ina a stalados. e depois rode o Cinelerra a partir do mesmo terminal.

sendo para isto c que o OSS Envy24 foi criado.4 Alsa ALSA ´ o driver de som mais comum no GNU/Linux 2. Ainda ´ o unico driver de som que um bin´rio i386 pode usar quando e e ´ a rodando em um sistema x86 64. Para cˆmeras DV ele sempre a a ser´ 63.0. ao se parar a reprodu¸˜o.2. o • Bits O n´mero de precis˜o de bits que o Cinelerra deve configurar o dispositivo para usar. Ele suporta a maioria das placas de som e agora. a n˜o a cada novo lan¸amento de um novo "wrapper".1 Atributos do Driver de Som • Caminho do dispositivo Normalmente um arquivo no diret´rio ‘/dev/’ que controla o dispositivo. 3. . planejamos suport´-los em intervalos regulares. a • Dispositivo O dispositivo escolhido. Novos "wrappers" est˜o sendo a a desenvolvidos pelo ALSA no presente momento. Um programa a que funcione com ele um dia pode n˜o funcionar no dia seguinte. Uma vez que os mesmos drivers s˜o usados tanto para grava¸˜o a ca quanto para reprodu¸˜o. Para este cen´rio.18 Cap´ ıtulo 3: Configura¸˜o ca sudo make install ´ 3. Alguns drivers de som precisam ser configurados para 24 bits para reproduzirem em 24 bits.2 OSS Este foi o primeiro driver de som GNU/Linux.3 OSS Envy24 A vers˜o comercial do OSS possu´ uma variante para cart˜es 24 bits / 96 KHz. Alguns drivers de com precisam ser configurados para 32 bits para performar uma reprodu¸˜o de 24 bits e n˜o tocar˜o nada quando conca a a figurados para 24 bits. Ele possu´ uma implementa¸˜o open source e ıa ca uma implementa¸˜o comercial com mais cart˜es de ´udio suportados.6.2.2 Drivers de Audio Os drivers de ´udio s˜o usados tanto para grava¸˜o quanto para reprodu¸˜o para gerar dados a a ca ca para o e a partir do hardware.4.2. o ca e ca software trava. ele n˜o funciona. use o OSS. Isso u a a `s vezes possui um significado figurativo. sua funcionalidade est´ descrita aqui em uma se¸˜o separada. Se um bin´rio i386 tenta fazer uma reprodu¸˜o a e a a ca a a num kernel x86 64. Era o driver padr˜o de ca o a a som at´ o GNU/Linux 2. Ele usa as vantagens das caracter´ ısticas de latˆncia baixa do GNU/Linux 2.2. • Canal O padr˜o IEEE1394 especifica algo conhecido como canal. mas marginalmente a mesma performance ıa que o OSS tinha no 2. Esta variante a ıa o requeria mudan¸as significativas no modo como os drivers de som eram usados. Infelizmente. 3. a c O ALSA n˜o ´ mais port´vel entre i386 e x86 64. • Parar exibi¸˜o trava ca Esta caixa de habilita¸˜o esclusiva para ALSA ´ requerida se. o ALSA est´ constantemente mudando. • Porta O padr˜o IEEE1394 especifica algo conhecido como porta.6 para obter e uma performance melhor do que o OSS possu´ no 2.4. ca a ca 3. Isso provavelmente ser´ o n´mero a a u de sua placa firewire. 3.

mas multiplexava fontes de ´udio m´ltiplas. o • Trocar campos Faz das linhas pares ´ ımpares e das linhas ´ ımpares pares mesmo quando enviando ao dispositivo.7 DV 1394 A segunda re-escritura do suporte a cˆmeras DV no GNU/Linux.3 Drivers de V´ ıdeo Os drivers de v´ ıdeo s˜o usados para reprodu¸˜o ("playback") de v´ a ca ıdeo nas janelas de composi¸˜o ca e visualiza¸˜o.5 Esound ESOUND era um servidor de som que estava acima do OSS.2. suportando um n´mero limitado de bits e possu´ u ıa latˆncia alta se comparado aos tempos modernos.Cap´ ıtulo 3: Configura¸˜o ca 19 3.3.1 Atributos do Driver de V´ ıdeo • Exibi¸˜o ca A interface ´ voltada para sistemas com dois monitores.6 Raw 1394 Esta era a primeira interface entre softwares GNU/Linux e as cˆmeras firewire. mas mais confi´vel que a RAW 1394. E e lento de reprodu¸˜o. • Canal O padr˜o IEEE1394 especifica algo conhecido como canal. que controla o dispositivo.2 X11 Este era o primeiro m´todo de reprodu¸˜o de v´ e ca ıdeo em qualquer sistema UNIX. a a 3. A pr´xima re-escritura deve corrigir isso.3. v´lido at´ 1999. a o 3. ca a • Caminho do dispositivo Normalmente um arquivo no diret´rio ‘/dev/’. Este era o modo mais confi´vel a a de se tocar ´udio para uma cˆmera. que ´ uma biblioteca acima dos comandos de kernel. Para cˆmeras DV. Este ´ provavelmente o n´mero a e u da placa firewire do sistema. Em um monitor NTSC ou 1080i. pois consistia em comandos diretos do kernel. a Janela de Composi¸˜o aparecer´ em um monitor diferente do resto das janelas. Ainda ´ util como recurso caso o hardware de gr´fico n˜o consegue lidar ca e´ a a com quadros ("frames") muito largos. E menos confi´vel que a e a DV 1394. Dependendo do valor para "Dise play". • Porta O padr˜o IEEE1394 especifica algo conhecido como a porta. 3. Ele era escrito para um gerenciador de janelas chamado Enlightenment. 3. ca 3.2. . os campos podem precisar ser trocados para que n˜o haja tremor nos movimentos. este valor ´ a a e sempre 63.2. 3. e a u ´ E desconhecido se este driver ainda funciona.2. Era o modo a menos confi´vel de tocar ´udio para uma cˆmera. a • Canal de sa´ ıda Dispositivos com m´ltiplas sa´ u ıdas podem precisar de um conector espec´ ıfico para enviar o v´ ıdeo. Esta ´ uma biblioteca acima a e ´ da RAW 1394. a e ´ o m´todo mais Ele simplesmente escreve a tr´ ıade RGB para cada pixel diretamente na janela.8 IEC 61883 A terceira re-escritura do suporta a cˆmeras DV no GNU/Linux. Consistia numa biblioteca acima dos comandos a a a de kernel.

Rotacionar ("Rotate"). a a Limita¸˜es: co • OpenGL n˜o afeta a renderiza¸˜o. Invers˜o c ca a ("Flip").4 (2.2 NVIDIA 87. Tente buscar o a a a v´rios quadros ("frames") ou reiniciar o Cinelerra se o OpenGL n˜o funcionar. Desentrela¸amento ("Deinterlace"). embora a diferen¸a entre YUV e c RGB seja mantida. Gradiente ("Gradient"). As opera¸˜es de n´cleo do Cinelerra. E o m´todo prefer´ e ıvel de reprodu¸˜o. a maioria e dos efeitos ´ feita no hardware. Linear blur. a Para saber se seu driver de v´ ıdeo suporta OpenGL 2.20 Cap´ ıtulo 3: Configura¸˜o ca 3. vocˆ precisa de um bin´rio constru´ com suporte a OpenGL. Toda a renderiza¸˜o feita antes do ultimo efeito ca ´ apenas-software ´ feita em software. que ´ normalmente mais largo do que o XV suporta. como o driver bin´rio da Nvidia. Interpolar Pixels ("Interpolate Pixels").3 X11-XV Este era o segundo grande m´todo de reprodu¸˜o de v´ e ca ıdeo do UNIX. Hue saturation. Perspectiva ("Perspective"). Se a placa de gr´fico n˜o possui a u a a mem´ria suficiente ou n˜o tem os visuais corretos. Diffkey. Vocˆ precisa ca ca e e de uma placa que suporte OpenGL 2. Os seguintes efeitos suportam OpenGL: ca Brilho ("Brightness"). a • Nem todos os efeitos suportam acelera¸˜o OpenGL. Vocˆ e tamb´m precisa de um driver de v´ e ıdeo que suporte OpenGL 2. Quadros para Campos ("Frames to fields"). dependendo do driver e de gr´fico.3. Chromakeyhsv. • Driver de v´ ıdeo que suporta renderiza¸˜o de hardware OpenGL 2. Isso requere uma compila¸˜o em um sistema com os headers ("cabe¸alhos") do ca c OpenGL 2.2 NVIDIA 87. Scale. Balanceamento de Cor ("Color balance"). OpenGL ca e e sempre utiliza escalamento linear. Com este driver. . Chromakey. O OpenGL permite tamanhos de v´ e ıdeo at´ o m´ximo do e a tamanho de textura. u • Para obter a acelera¸˜o m´xima. • OpenGL n˜o trabalha com quadros de tamanho maior que 4096x4096.74) O OpenGL utiliza PBuffers e shaders para fazer a renderiza¸˜o de v´ ca ıdeo. Para habilit´-lo. Dissolu¸˜o ("Dissolve"). como cˆmera e e co u a projetor s˜o obviamente OpenGL. a Aqui est´ o que aparece escrito no console quando ele trabalha com quadros largos: a BC_Texture::create_texture frame size <frame_width>x<frame_height> bigger than maximum texture 4096x4096. Placas de v´ ıdeo nVidia recentes devem funcionar. Histograma ("Histogram").0: a ca OpenGL version string: 1. mas n˜o consegue lidar com tamanhos de quadro grandes.3. • A equa¸˜o de escala configurada na janela de preferˆncias ´ ignorada pelo OpenGL.74 • Driver de v´ ıdeo que n˜o suporta renderiza¸˜o de hardware OpenGL 2. e 3. Threshold. Radial blur.0.4 X11-OpenGL O m´todo mais poderoso de reprodu¸˜o de v´ e ca ıdeo ´ o OpenGL. A a a e a ıdo op¸˜o configure (de configura¸˜o) para habilitar o OpenGL ´ ‘--enable-opengl’. • X11-OpenGL processa tudo em modelos de cor 8 bits. O tamanho m´ximo de ca a a v´ ıdeo para o XV ´ normalmente 1920x1080. Congelar quadro ("Freeze frame").0. efeitos de OpenGL-habilitado devem ser colocados ap´s ca a o os efeitos que usam somente o software. RGB601.0.0. Zoomblur. A placa de gr´fico a deve suportar OpenGL 2 e o Cinelerra deve ser necessariamente compilado com suporte a OpenGL 2. c ´ Ele converte YUV para RGB no hardware por escala ("scaling"). Inverter V´ ıdeo ("Invert video"). Ele apenas acelera a reprodu¸˜o ("playback") do v´ a ca ca ıdeo.0: ca OpenGL version string: 2. digite o seguinte comando: glxinfo | grep "OpenGL version". PBuffers s˜o conhecidos por serem vol´veis. come¸ando em 1999.0. • Tamanhos de project e trilha devem ser m´ltiplos de 4 para que o OpenGL funcione. os PBuffers n˜o funcionar˜o. Gama ("Gamma"). Overlay.

4 Reprodu¸˜o ca ´ 3. O deslocamento de ´udio ("audio offset") n˜o afeta a reprodu¸˜o de ´udio ou a a a ca a renderiza¸˜o. 3.6 Reprodu¸˜o do v´ ca ıdeo por Raw 1394 Esta era a primeira interface entre softwares GNU/Linux e cˆmeras firewire. se ´ que ´ dispon´ e e e ıvel. Coloque um efeito . Um valor mais alto aqui causa uma latˆncia maior quando u e vocˆ muda os parˆmetros de mixagem. a o 3.1 Sa´ de Audio ıda Determinam o que acontece quando vocˆ reproduz som a partir da Linha do Tempo.4. a 3. Coloque um efeito de c gradiente na trilha de v´ ıdeo e configure-o para estar claramente vis´ ıvel. Expanda a tilha de ´udio e centre o pan de ´udio.3. mas mais confi´vel que o RAW 1394. Era a forma menos a confi´vel de enviar v´ a ıdeo para uma cˆmera. que ´ uma biblioteca acima dos comandos de kernel. Consistia em uma biblioteca acima dos comandos a de kernel.3. Uma vez que diferentes est´gios do pipeline de rendera iza¸˜o podem mudar a taxa da informa¸˜o que chega. E menos confi´vel que o e a DV 1394. seria agora muito dif´ desconectar ca ca ıcil peda¸os dos fragmentos do console dos peda¸os dos fragmentos lidos do disco. pequenos fragmentos de som s˜o lidos no disco e processados em um a a console virtual seq¨encialmente. a latˆncia permanece sem modifica¸˜es. O parˆmetro Deslocamento de a ´udio permite aos usu´rios ajustar a posi¸˜o que retorna do driver de ´udio para refletir a a a ca a realidade. O tamanho do quadro deve ser pequeno o suficiente para que seu computador o renderize ` taxa de quadros inteira. c c • Deslocamento de ´udio a A habilidade de informar a posi¸˜o exata de reprodu¸˜o nos drivers de ´udio GNU/Linux ca ca a ´ bastante ruim. n˜o importa qual seja este valor. A pr´xima re-escritura deve consertar isso.7 Reprodu¸˜o do v´ ca ıdeo por DV 1394 A segunda re-escritura do suporte a cˆmeras DV no GNU/Linux. novos ıda o drivers substitu´ ıram o BUZ. Esta ´ uma biblioteca acima a e ´ do RAW 1394. e • Tamanho do buffer de reprodu¸˜o ca Para reproduzir ´udio. Infelizmente. 3. O jeito mais f´cil de configurar o deslocamento de ´udio ´ criar uma Linha do Tempo com a a e 1 trilha de v´ ıdeo e 1 trilha de ´udio. Era a forma mais confi´vel a a de reproduzir v´ ıdeo em uma cˆmera. Asa a c sim. Ele simplesmente muda a sincronia da reprodu¸˜o de v´ ca ca ıdeo. Uma vez que esta informa¸˜o ´ requerida para ca e uma sincronia decente de v´ ıdeo.Cap´ ıtulo 3: Configura¸˜o ca 21 3.8 Reprodu¸˜o do v´ ca ıdeo por IEC 61883 A terceira re-escritura do suporte a cˆmeras DV no GNU/Linux.5 Buz Este ´ um m´todo para reproduzir arquivos "motion JPEG-A" diretamente para um sinal e e anal´gico composite. e co a Anteriormente.3. mas resulta em uma reprodu¸˜o mais confi´vel. Consistia em comandos diretos do kernel. a a a A taxa de quadros ("frame rate") deve ser algo acima de 24 fps e a taxa de amostragem deve ser acima de 32000. a Isso mudou quando o console virtual mudou do modelo de empurrar ("push model") para o modelo de puxar ("pull model"). uma boa forma de assegurar uma reprodu¸˜o de alta qualidade era ler fragca mentos maiores a partir do disco e quebr´-los em fragmentos menores para a placa de som. e a ca a Algumas placas de ´udio n˜o permitem modificar a mudan¸a do fragmento de console. Selecione uma regi˜o da Linha do a a Tempo come¸ando aos 10 segundos e terminando aos 20 segundos. ainda que sa´ anal´gica seja obsoleta. Ele utiliza um hack popular do driver Video4Linux 1 de 2000 para deo scomprimir o JPEG em hardware. ela precisa ser acurada.3.

Ela assume que todas as opera¸˜es de co reprodu¸˜o estejam ` frente ("forward") e que nenhum quadro seja saltado ("dropped"). Isso pode travar o servidor X ou fazer a janela da Linha do Tempo ficar presa por longos per´ ıodos de tempo conforme se desenham os blocos de v´ ıdeo("assets"). Veja Se¸˜o 3. Esta op¸˜o faz com que o driver de e ca ca ca som seja ignorado e um software marcador de tempo seja usado para a sincroniza¸˜o. isso permitia reprodu¸˜o ininterrupta a ca de cargas pesadas. a a • Vis˜o segue a reprodu¸˜o a ca Isso faz com que a janela da Linha do Tempo ande quando o cursor de reprodu¸˜o se ca movimenta. P´gina 18. vocˆ dever´ mudar o deslocamento de ´udio porque os drivers ca e a a de ´udio s˜o inequalmente inacurados. Uma vez que a reprodu¸˜o das trilhas toque sincronizada. Esta op¸˜o for¸a a reprodu¸˜o de ´udio para a prioridade m´xima do ca c ca a a kernel. aumente o valor do deslocamento. Se o ´udio come¸ar ap´s o v´ a c o ıdeo. Os drivers de som e seus parˆmetros a ´ ca a est˜o descritos na se¸˜o de drivers de som. a ca a ca a n˜o ser que vocˆ use codecs sem compress˜o em sua maioria. . Vocˆ dever ser super-usu´rio ("root") para obter ıda ´ e a prioridade de tempo real. esta op¸˜o pode melhorar a perfore o ca mance de reprodu¸˜o decodificando o v´ ca ıdeo em uma CPU o mais r´pido poss´ enquanto a ıvel dedica a outra CPU apenas para reproduzir v´ ıdeo.22 Cap´ ıtulo 3: Configura¸˜o ca de sintetizador no ´udio e configure-o para estar claramente aud´ a ıvel. mesmo que isso signifique que eles fiquem para tr´s da reprodu¸˜o do ´udio. Se n˜o. • Usar software para posicionar informa¸˜o ca A maioria das placas de som e drivers de som n˜o d˜o uma informa¸˜o confi´vel sobre o a a ca a n´mero de amostras que a placa acabou de reproduzir. ela pode dar pau caso ca o os quadros de entrada sejam muito grandes. diminua o valor do deslocamento. Esta op¸˜o deve estar sempre habilitada. Hoje. ca a Opera¸˜es envolvendo reprodu¸˜o reversa ("reverse playback") ou salto de quadros s˜o imco ca a pactadas negativamente. ca • Reprodu¸˜o de ´udio em tempo real ca a De volta aos tempos em que 150 MHz era o m´ximo.2 [Drivers de Audio]. Uma vez que esta op¸˜o requere enormes quantidades de mem´ria. • Driver de ´udio a Existem v´rios drivers de ´udio para GNU/Linux. ca • Decodificar quadros de forma ass´ ıncrona Se vocˆ possui bastante mem´ria e mais de uma CPU.2 Sa´ de V´ ıda ıdeo Determina como o v´ ıdeo sai da Linha do Tempo e chega a seus olhos. Esta op¸˜o permite selecionar um driver a a ca de ´udio e configurar parˆmetros espec´ a a ıficos para ela. a ca 3.4. a e Observa¸˜o: se vocˆ mudar os drivers de ´udio ou se vocˆ mudar o valor de Usar software ca e a e para posicionar informa¸˜o. copie o valor do deslocamento ("nudge") para o ca valor de Deslocamento de ´udio nas preferˆncias. expanda a trilha de ´udio e ajuste o desloa c a a camento ("nudge"). a • Taxa de quadros alcan¸ada c O n´mero de quadros por segundo sendo exibidos durante a reprodu¸˜o. isso ´ mais util para atingir latˆncias muito baixas entre as movimenta¸˜es e ´ e co no console e a sa´ da placa de audio. vocˆ precisa desta informa¸˜o para a sincroniza¸˜o. • Reproduzir todos os quadros Faz com que todos os quadros do v´ ıdeo sejam reproduzidos. A maioria dos codecs a e a comprimidos n˜o suportam mais que quadros sejam pulados ("frame dropping"). Este n´mero s´ ´ u ca u oe atualizado durante a exibi¸˜o. Quando se est´ reproduzindo v´ u a ıdeo. Toque a Linha do Tempo a partir do 0 e observe para ver se o efeito de gradiente come¸a c exatamente quando o ´udio come¸a. Se o ´udio come¸ar antes do v´ a c ıdeo.

As imagens bilineares reduzidas podem ser agu¸adas ("sharpened") com um efeito de c agu¸ar ("sharpen") com menos ru´ do que uma imagem em tamanho normal. Ele n˜o afeta reprodu¸˜o 1:1. Esta opera¸˜o pode ser desabilitada e o e ca efeito Interpolar Pixels usado ao inv´s dela para pr´-visualiza¸˜o r´pida. esta op¸˜o tende a ca deixar o processo mais lento. Isso reduz a quantidade de busca ("seeking") requerida. O a n´mero de trilhas de legendas aparece na parte de baixo. e a Desabilitar o balanceamento de branco ´ util para opera¸˜es envolvendo subtra¸˜o de e ´ co ca quadros escuros. c ıdo • Aumento bilinear e redu¸˜o bilinear ca Quando se precisa fazer um aumento leve. Entretanto. u • Pr´-carregar buffer para Quicktime e O decodificador Quicktime/AVI consegue lidar com fontes DVD melhor quando est´ por a volta de 10000000. j´ que o balanceamento de branco a e ca a a requere uma mescla ("blending") de todas as trˆs cores prim´rias. O balanceamento a a de branco n˜o ´ feito se a interpola¸˜o n˜o for feita.Cap´ ıtulo 3: Configura¸˜o ca 23 • Equa¸˜o de escala ca Quando a reprodu¸˜o do v´ ca ıdeo envolve qualquer tipo de escalamento ou transla¸˜o. Se vocˆ desabilitar o Interpolar imagens CR2 e usar o efeito Interpolar Pixels. A suba co e tra¸˜o de quadros escuros precisa ser realizada antes do Interpolar Pixels. independentemente das configura¸˜es nas Preferˆncias. Selecione Habilitar legendas para habilitar a decodifica¸˜o de ca legendas. A trilha de legenda a a c a ser decodificada para todas as faixas de MPEG vai na legenda do DVD para reproduzir uma caixa de texto. V´ para o bloco de v´ a ıdeo ("asset") correspondente ao arquivo MPEG na Janela de Recursos e clique nele com o bot˜o direito do mouse. Escolha "Info". e a ca • Vizinho mais pr´ximo aumento e redu¸˜o o ca qualidade pior. Produz bordas desiguais e movimenta¸˜o desigual. Estas devem ser decodificadas e pelo decodificador MPEG. Normalmente. ca • Driver de V´ ıdeo Normalmente. uma vez que imagens ca ca e brutas em arquivos CR2 est˜o em um padr˜o Bayer. u • Interpolar imagens CR2 Habilita a interpola¸˜o de imagens CR2. isso n˜o afeta onde a o v´ ıdeo vai quando o ponto de inser¸˜o ´ reposicionado. o v´ ıdeo na Linha do Tempo vai para a Janela de Composi¸˜o durante a ca reprodu¸˜o cont´ ca ınua e quando o ponto de inser¸˜o ´ reposicionado. • Legenda do DVD a ser exibida Arquivos DVD IFO normalmente cont´m trilhas de legendas. Para redu¸˜o. Esta op¸˜o ´ requerida. interpola¸˜o bic´bica ´ utilizada. este ca algoritmo ´ utilizado. quando se lˆ fontes com taxas de bits altas a partir de um disco r´ e ıgido. mas mais r´pido. e e ca a • Balancear Branco Imagens CR2 Habilita o balanceamento de branco para imagens CR2 se a interpola¸˜o tamb´m estiver ca e habilitada. um aumento bilinear fica melhor do que um aumento bic´bico. uma intera ca pola¸˜o bilinear ´ usada. o driver pode ser configurado para enviar o v´ ca ıdeo para outro dispositivo de sa´ durante a reprodu¸˜o cont´ ıda ca ınua. O quadro escuro e a longa exposi¸˜o precisam ter a mesma matriz de ca cor. Para aumento. ca u e o que desfoca um pouco mas n˜o revela passos de escada. a ca • Aumento bic´bico e redu¸˜o bilinear u ca qualidade mais alta. come¸ando do 0. Para uso normal. mas mais lento. A interpola¸˜o usa a interpola¸˜o a a ca ca interna ("built-in") do dcraw e ´ muito lenta. Ao inv´s de enviar o ca e e v´ ıdeo para a Janela de Composi¸˜o. o que produz imagens bastante acuradas e reduz o ru´ ca e ıdo. h´ v´rias trilhas de legendas. ca e . Infelizmente. saiba que o e efeito Interpolar Pixels sempre faz tanto a interpola¸˜o quanto o balanceamento de branco ca usando a matriz de cˆmera. ela deve estar em 0. Ela usa a matriz de cˆmera que est´ contida no arquivo CR2.

Primeiro. Note que os drivers s˜o os mesmos que a a a ´ ca a os dispon´ ıveis em Preferˆncias->Reprodu¸˜o.3 Entrada de V´ ıdeo Determina o que acontece quando vocˆ grava o v´ e ıdeo. Se o driver de v´ ıdeo ´ modificado. A a e inten¸˜o era fazer o Arquivo->Gravar.1 Formato de arquivo Determina o formato de arquivo de sa´ para grava¸˜es. Leva parˆmetros vari´veis dependendo do driver. Muitos a e pequenos fragmentos s˜o combinados em um grande fragmento antes de ser escrito no disco.. a a . o formato de arquivo pode ser atualizado para dar a sa´ suportada. e ca • Amostras para gravar no disco por vez O ´udio ´ primeiramente lido em pequenos fragmentos a partir do dispositivo. Alguns drivers de v´ ıdeo s´ conseguem gravar em determinados contˆiners. Ao inv´s ca a e disso. Leva parˆmetros vari´veis dependendo do driver.. a • Quadros a serem gravados no disco por vez Quadros s˜o gravados em um pipeline. ´ 3. ca a 3. a 3.. esta ´ a taxa de amostragem co e usada para grava¸˜o.5. A op¸˜o Gravar trilhas de v´ a ca ıdeo deve estar habilitada para gravar v´ ıdeo. Contˆiners diferentes podem gravar a a apenas ´udio. Deve ser o mais alto que o dispositivo de ´udio suporta.5..3 [Drivers de V´ ca ıdeo]. e a • Driver de Grava¸˜o ca Usado para a grava¸˜o de ´udio na Janela de Grava¸˜o. P´gina 19. O valor aqui determina ca e qu˜o grande ser´ a combina¸˜o de fragmentos para cada grava¸˜o no disco. Veja Se¸˜o 3. Pode ser compartilhada com o ca driver de grava¸˜o de ´udio se o ´udio e o v´ ca a a ıdeo estiverem empacotados em uma mesma faixa. ele pode n˜o funcionar com e a a o driver de v´ ıdeo.. a O processo de grava¸˜o no disco ´ feito em uma etapa diferente. Veja Se¸˜o 3. ıda co A interface ´ a mesma que a intercafe de renderiza¸˜o. P´gina 18.2 Entrada de Audio Determina o que acontece quando vocˆ grava o ´udio. 3. Veja Se¸˜o 3.5 Grava¸˜o ca Os parˆmetros aqui influenciam no que acontece quando vocˆ vai para Arquivo->Gravar. ca e e co Tamb´m configurado aqui ´ o hardware para grava¸˜o. O bot˜o de ferramenta ` esquerda de cada op¸˜o abre um di´logo de configura¸˜o a a ca a ca para configurar o codec correspondente para ´udio de v´ a ıdeo.5. por exemplo. O ´udio e o v´ a ıdeo s˜o empacotados a em um contˆiner definido pelo menu Formato de arquivo. Depende muito do tipo de driver usado.24 Cap´ ıtulo 3: Configura¸˜o ca Os drivers de v´ ıdeo e seus parˆmetros est˜o descritos na se¸˜o de drivers de v´ a a ca ıdeo. o formato de arquivo para grava¸˜o ´ configurado aqui e ´ aplicado a todas as grava¸˜es. o a consegue apenas gravar para Quicktime com DV como compress˜o de v´ a ıdeo. os quadros s˜o bufferizados no dispositivo.3 [Drivers de V´ e ca ca ıdeo]. A op¸˜o Gravar trilhas de ´udio deve e ca ca a estar habilitada para gravar ´udio. j´ que o hardware determina os formatos e e ca a de arquivo suportados na maioria dos casos. ir o mais r´pido poss´ para a Janela de Monitoramento ca a ıvel de Grava¸˜o. sem uma caixa de di´logo extensa para configurar o formato de arquivo.2 [Drivers de Audio]. a a ca ca • Taxa de amostragem para grava¸˜o ca Independentemente de quais sejam as configura¸˜es do projeto. Note que os drivers s˜o os mesmos que a a a os dispon´ ıveis em Preferˆncias->Reprodu¸˜o. • Driver de Grava¸˜o ca ´ E usado para a grava¸˜o de v´ ca ıdeo na Janela de Grava¸˜o. apenas v´ a ıdeo ou ambos. Pode ser compartilhado com o ca a ca driver de grava¸˜o para v´ ca ıdeo se o ´udio e o v´ a ıdeo estiverem empacotados na mesma faixa. DV. Se e ıda vocˆ mudar o formato de arquivo para um formato n˜o suportado. P´gina 19.

a ca • Itens de cache Para aumentar a velocidade do render. • Quadros para bufferizar no dispositivo O n´mero de quadros a serem armazenados no dispositivo antes de serem lidos. Para certos codecs. mas `s vezes ele a a querer´ usar apenas um processador. E independente do tamanho de quadro do projeto. Esta op¸˜o configura a e ca ca taxa de quadros a ser gravada. co • For¸ar uso de processador unico c ´ O Cinelerra tenta usar todos os processadores do sistema por padr˜o. Cada trabalho em uma fazenda de renderiza¸˜o faz um "preroll" ca levando este valor em considera¸˜o. Deteru mina quanto de latˆncia pode existir em um sistema antes que se salte quadros ("frames e dropping"). Um n´mero muito baixo pode resultar em uma reprodu¸˜o ("playback") lenta uma u ca vez que os blocos de v´ ıdeo ("assets") precisam ser reabertos mais freq¨entemente. Quando usando a fazenda de renderiza¸˜o a ca ("renderfarm").os drives devem ser r´pidos o suficiente para armazenar ca a a informa¸˜o. Este parˆmetro for¸a o uso de apenas um processador. O foco principal da performance e a ca s˜o os parˆmetros de renderiza¸˜o que n˜o est˜o dispon´ a a ca a a ıveis no di´logo de renderiza¸˜o. v´rios blocos de v´ a ıdeo ("assets") s˜o mantidos a abertos simultaneamente. A grava¸˜o no a a ca disco ´ feita em uma etapa diferente da leitura do dispositivo. • Usar software para posicionar informa¸˜o ca V´ ıdeo usa ´udio para a sincroniza¸˜o. mas a maioria das placas de som n˜o d˜o informa¸˜es a ca a a co acuradas de posi¸˜o. • Taxa de quadros para grava¸˜o ca A taxa de quadros gravada ´ diferente da configura¸˜o do projeto. 3. vocˆ precisar´ `s vezes fazer um "preroll" para conseguir transi¸˜es trane aa co quilas entre os trabalhos. Renderiza¸˜es de fundo usam um valor diferente de "preroll". Este parˆmetro determina quantos s˜o mantidos abertos. entretanto. mas o GNU/Linux pode esperar v´rios minutos e atrasar. Um a a n´mero muito alto pode exaurir sua mem´ria bem r´pido e resultar no programa dando u o a pau. o Cinelerra pode a dar pau. e ca • Sincronizar drives automaticamente Para grava¸˜o de taxas de bits altas. Ele n˜o afeta. normalmente usar´ o segundo processador de qualquer forma para a . Este parˆmetro a configura um n´mero de segundos a serem renderizados sem que sejam escritos no disco u antes que a regi˜o selecionada seja renderizada. Se o tamanho de quadro informado aqui n˜o for suportado pelo dispositivo.6 Performance Vocˆ passar´ amaior parte do tempo configurando esta se¸˜o.Cap´ ıtulo 3: Configura¸˜o ca 25 Eles ent˜o s˜o lidos em um buffer mais largo para serem escritos no disco. Esta op¸˜o calcula uma estimativa da posi¸˜o de ´udio no software ca ca ca a ao inv´s do hardware para a sincroniza¸˜o. e j´ que a maioria dos dispositivos de v´ a ıdeo gravam apenas um tamanho fixo de quadro. • Tamanho do quadro capturado ´ Este ´ o tamanho dos quadros gravados. entretanto. Este valor determina quantos quadros ser˜o gravados u a no disco por vez. O sistema opa c eracional. como em um cliente de uma fazenda de renderiza¸˜o a ca ("renderfarm"). conforme escreve ca a v´rios minutos de informa¸˜o de uma vez. a grava¸˜o e ca no disco usa m´ltiplos processadores. a renderiza¸˜o de fundo ca a ca ("background rendering"). u • Segundos para renders preroll Alguns efeitos requerem um certo per´ ıodo de tempo para se ajustarem. Esta op¸˜o for¸a o GNU/Linux a descarregar a ca ca c seus buffers a cada segundo ao inv´s de a cada alguns minutos e produz um comportamento e levemente mais tempo-real.

configure estas op¸˜es. o A renderiza¸˜o de fundo ´ habilitada na aba Performance da Janela de Preferˆncias.30.2 Fazenda de renderiza¸˜o ca Para usar a fazenda de renderiza¸˜o. a fazenda ´ a ca e usada para a renderiza¸˜o de fundo. comandos ls n˜o funcionar˜o no diret´rio de rendera a a o iza¸˜o de fundo. ca a • Formato de arquivo O formato de arquivo para a renderiza¸˜o de fundo deve ser uma seq¨ˆncia de imagens. uma barra vermelha aparece na barra de tempo. Se a fazenda de renderiza¸˜o ("renderfarm") estiver habilitada. a renderiza¸˜o de fundo criar´ um trabalho unico para toda a Linha a ca a ´ do Tempo. O bot˜o ca a o bot˜o de configura¸˜o a ca para esta op¸˜o tamb´m normalmente n˜o funcionar´. Deve a ser configurado para um disco r´pido. ca ue o Este parˆmetro determina o prefixo do nome de arquivo dos arquivos de imagem. • Sa´ para renderiza¸˜o ao fundo ıda ca A renderiza¸˜o de fundo gera uma seq¨ˆncia de arquivos de imagem em um certo diret´rio. JPEG ue ca costuma ser uma boa op¸˜o na maioria das vezes. Se algum v´ ca c ıdeo existe. Isso marca ca co ca onde a renderiza¸˜o de fundo come¸a para onde o ponto de entrada estiver. a e ca 3. ´ . acess´ a cada n´dulo da fazenda de renderiza¸˜o a ıvel o ca ("renderfarm") pelo mesmo caminho. O ca ue formato da seq¨ˆncia imagens determina a qualidade e a velocidade da reprodu¸˜o.6. ent˜o esta op¸˜o ´ na verdade um modo de 1. u o a a e • Quadros para preroll ao fundo Este ´ o n´mero de quadros a serem renderizados ` frente de cada trabalho de renderiza¸˜o e u a ca de fundo.Do contr´rio. Alguns efeitos podem requerer 3 quadros de u e "preroll". a a ´ A sa´ tempor´ria ´ exibida durante a reprodu¸˜o sempre que poss´ ıda a e ca ıvel. este n´mero ´ idealmente 0. Uma vez que centenas de milhares de arquivos de imagem ser˜o normalmente criados. dando-lhe o potencial para efeitos em tempo-real caso haja ca banda ou n´dulos de CPU suficientes.25 processador. j´ que ca e e a os trabalhos s˜o pequenos. A renderiza¸˜o de fundo ´ degradada quando o "preroll" ´ utilizado. Ela ca e e possui uma fun¸˜o interativa Menu configura¸˜es -> Ajustar renderiza¸˜o de fundo. ca 3.1 Renderiza¸˜o de fundo ca A renderiza¸˜o de fundo ("background rendering") foi originalmente concebida para permitir ca que efeitos HDTV fossem exibidos em tempo-real. Ignore-as no caso de um sistema ca co unico. Quando estiver usando renderiza¸˜o de fundo ("background a ca rendering"). o ca ´ ca O n´mero ´timo est´ entre 10 . O n´mero de quadros especificado aqui ´ escalado para a valocidade relativa de u e CPU dos n´dulos de renderiza¸˜o e usado em um unico trabalho de fazenda de renderiza¸˜o. O valor a ca e deste parˆmetro ´ usado em clientes de fazendas de renderiza¸˜o. A renderiza¸˜o de fundo faz com que a sa´ ca ıda tempor´ria seja constantemente renderizada enquanto a Linha do Tempo est´ sendo modificada. mas ca e a a para esta op¸˜o funcionar´. j´ que a banda de rede ´ usada para iniciar cadatrabalho. • Quadros por cada trabalho de renderiza¸˜o ao fundo ca Este parˆmetro s´ funciona caso a fazenda de renderiza¸˜o ("renderfarm") estiver sendo a o ca usada. ´ E normalmente util inserir um efeito ou uma transi¸˜o e selecionar Menu configura¸˜es -> ´ ca co Ajustar renderiza¸˜o de fundo logo antes do efeito para pr´-visualiz´-lo a taxas de quadros ca e a inteiras.26 Cap´ ıtulo 3: Configura¸˜o ca acessar o disco r´ ıgido.6. E bastante util para ´ transi¸˜es e previs˜es de efeitos que s˜o muito lentos para serem reproduzidos em uma quantia co o a razo´vel de tempo. mostrando o que foi renderizado ao fundo.

Selecione a coluna Ligado para ativar e desativar n´dulos uma vez que sejam criados. Multiplique-os por 3 para ter trˆs trabalhos despachados o e para cada n´dulo.Cinelerra_rc’ ´ sobrescrito sempre que uma c´pia do o e o Cinelerra sair do programa. As mudan¸as n˜o ser˜o enviadas ("committed") se vocˆ n˜o c a a e a apertar este bot˜o. Multiplique-os por 1 para ter um trabalho o u despachado para cada n´dulo. arquivos de ´ ındice foram introduzidos para aumentar a velocidade do desenho das . Os o n´dulos podem ser editados selecionando uma fileira e clicando em Aplicar Mudan¸as. o c • Hostname Edite o nome de hospedeiro ("hostname") de um n´dulo existente ou informe o nome de o hospedeiro de um novo n´dulo aqui. o o • Ordenar n´dulos o Ordena a lista de n´dulos baseado no nome de hospedeiro ("hostname"). A reprea co a senta¸˜o de tempo tamb´m pode ser mudada pela tecla CTRL clicando na barra de tempo. ca a • Total de trabalhos a serem criados Determina o n´mero de trabalhos a serem despachados para a fazenda de renderiza¸˜o u ca ("renderfarm").Cap´ ıtulo 3: Configura¸˜o ca 27 • Usar a fazenda de renderiza¸˜o para renderizar ca Quando selecionada. a a a • Formato de Tempo V´rias representa¸˜es de tempo s˜o fornecidas. especifique 33 o e o o para ter uma fazenda de renderiza¸˜o balanceada. Taxas de quadros s˜o o a calculadas apenas quando a fazenda de renderiza¸˜o ("renderfarm") est´ habilitada. o • Zerar taxas Zera a taxa de quadros de todos os n´dulos. Taxas de quadros s˜o usadas para escalar os o a tamanhos de trabalhos baseados na velocidade de CPU do n´dulo. todas as opera¸˜es de arquivo->render usar˜o a fazenda de renderco a iza¸˜o. Se vocˆ tem 10 n´dulos-escravos e um n´dulo-mestre. Lembre-se que o arquivo ‘. Nerds de computador ficar˜o mais contentes o a editando o arquivo ‘~/.7 Interface Estes parˆmetros afetam unicamente como a interface do usu´rio funcionar´.bcast/. melhor balanceada a fazenda de rendere iza¸˜o se tornar´. a • Adicionar n´dulo o Cria um novo n´dulo com as configuar¸˜es de hostname e porta. ca 3. Quanto mais trabalhos vocˆ criar. clique aqui para enviar ("commit") as mudan¸as o c para o hostname e a porta. ca a Vocˆ pode determinar o total de trabalhos a ser criado multiplicando o n´mero de n´dulos e u o incluindo o n´dulo-mestre por algum n´mero. o o • Aplicar mudan¸as c Quando editando um n´dulo existente. ca e • Arquivos de ´ ındice v˜o aqui a De volta aos tempos em que 4 MB/seg era uma velocidade extra-terrestre para um disco r´ ıgido. N´dulos s˜o adio ca a o a cionados ao se informar o nome do hospedeiro ("host name") do n´dulo. o co • Apagar n´dulo o Apaga quaisquer n´dulos que estejam selecionados na lista de n´dulos. Selecione a mais conveniente.Cinelerra_rc’ ao inv´s deste caso tenham centenas de e n´dulos. verificando o valor o da porta e clicando em adicionar n´dulo. ca • N´dulos o Exibe todos os n´dulos da fazenda de renderiza¸˜o e quais est˜o ativos. o • Porta Edite a porta ("port") de um n´dulo existente ou informe a porta de um novo n´dulo aqui.

Esta op¸˜o a ca desabilita as pr´-visualiza¸˜es. P´gina 79. a falta ca a co de uma garantia e as vers˜es de algumas bibliotecas. e co Arrastar as bordas de edi¸˜o faz ca O Cinelerra n˜o permite apenas que vocˆ fa¸a edi¸˜es arrastando as bordas de edi¸˜o. esta op¸˜o apaga todos os arquivos de ´ ca ındice. Placas de som profissionais chegam a -90.8 Sobre. Veja Cap´ ıtulo 11 [Janela de medidores de n´ de som]. P´gina 79. P´gina 58. a DB M´ para medidor ın Algumas fontes de som possuem uma entrada de ru´ mais baixa do que outras. vocˆ pode selecionar um comportamento nesta ca a e ca janela. Tudo ıdo abaixo da entrada de ru´ ´ n˜o-significativo. janela Esta se¸˜o te d´ informa¸˜es sobre direitos autorais. Este parˆmetro determina o n´mero m´ximo de arquivos de ´ a a u a ındice a serem mantidos no diret´rio. Independentemente ıvel a de qual seja este valor. Selecione um aqui e reinicie o Cinelerra para vˆ-lo. Este valor ´ apresentado meramente para mostrar qu˜o fora do limite uma onda sonora pode e a estar. O uso de cada modo de edi¸˜o est´ descrito na se¸˜o de edi¸˜o. quando o build presente foi criado. Esta op¸˜o configura o medidor para fazer ıdo e a ca um recorte abaixo de um certo n´ ıvel. o Apagar ´ ındices existentes Quando vocˆ muda o tamanho de ´ e ındice ou quando vocˆ quer limpar arquivos excessivos e de ´ ındice. Placas de som de n´ ıvel consumidor normalmente chegam at´ -65. Veja Se¸˜o 7. Isso pode levar bastante tempo para acontecer. arquivos de ´ ındice antigos s˜o apagados. nenhuma placa de som consegue reproduzir som acima de 0 dB. Esta op¸˜o determina onde os arquivos de ´ a ca ındice ser˜o criados no disco a r´ ıgido. . mas a e c co ca tamb´m define trˆs opera¸˜es separadas que podem acontecer quando vocˆ arrasta uma e e co e borda de edi¸˜o. N´mero de arquivos de ´ u ındice para manter Para evitar que o diret´rio dos arquivos de ´ o ındice se torne sem regras.10 ca a ca ca [Redimensionando ("trimming")]. a e 3. ıvel a DB M´x para medidor a Configura o n´ m´ximo de som representado pelos medidores de som. Para cada bot˜o de mouse. Tamanho do arquivo de ´ ındice Determina o tamanho de um arquivo de ´ ındice. Veja Cap´ e ıtulo 11 [Janela de medidores de n´ de som]. Esteja certo de concordar com os termos o de falta de garantia. Tamanhos menores de ´ ındices permitem que arquivos grandes sejam desenhados mais r´pidos enquanto diminuem a velocidade para arquivos a pequenos. Tamanhos grandes de ´ ındice permitem que arquivos menores sejam desenhados mais repidamente. Usar miniaturas A Janela de Recursos exibe pr´-visualiza¸˜es em miniatura ("thumbnails") dos blocos de e co v´ ıdeo ("assets") por padr˜o. enquanto deixam mais lentos os desenhos para arquivos grandes. ıvel a Tema O Cinelerra suporta temas vari´veis.28 Cap´ ıtulo 3: Configura¸˜o ca • • • • • • • • trilhas de ´udio.

taxa de quadros e tamanho de e co imagem. Cada linha do tempo e co criada a partir deste ponto usar´ as mesmas configura¸˜es. uma certo tamanho de quadro. de uma forma a co algo mais limitada. uma nova linha do tempo ´ criada sem informa¸˜es.3 Atributos de ´udio a • Trilhas Marca o n´mero de trilhas de ´udio que o novo projeto dever´ ter. ele ainda ser´ reproduzido a de acordo com os atributos do projeto.1 Janela de configura¸˜o de formato ca Quando vocˆ reproduz arquivos de m´ e ıdia no Cinelerra.Cap´ ıtulo 4: Atributos do projeto 29 4 Atributos do projeto 4. ou recortado ou a encaixado dentro de bordas pretas. modelo co co de cor e raz˜o de aspecto. Trilhas podem ser u a a adicionadas ou apagadas depois. a linha do tempo n˜o ´ recriada sem informa¸˜es. um certo tamanho de amostragem e assim u por diante. em Arquivo->Novo. entretanto. Quando vocˆ ajusta asconfigura¸˜es a co e co em Configura¸˜es->Formato. os arquivos de m´ ıdia possuem um certo n´mero de trilhas.2 Pr´-configura¸˜es e co Selecione uma op¸˜o deste menu para ter todas as configura¸˜es de projeto marcadas para um ca co dos padr˜es conhecidos. mas op¸˜es s˜o dadas aqui por uma conveniˆncia. co a e • Taxa de amostagem Marca a taxa de amostragem do ´udio. Quando vocˆ ajusta as configura¸˜es do projeto em e co Arquivo->Novo. o Cinelerra usa algumas configura¸˜es pouco usuais como posi¸˜es de canais. Se o tamanho do quadro de um arquivo de v´ a ıdeo for diferente dos atributos do projeto. a 4. a . Os atributos do projeto s˜o ajustados em Configura¸˜es->Ajustar Formato e. a co Janela de configura¸˜o de Formato ca Al´m das configura¸˜es tradicionais de taxa de amostragem. Se uma taxa de amostragem de ´udio for diferente a dos atributos do projeto. A m´ e ıdia ter´ sua taxa de a amostragem refeita para se adequar ` do projeto. ele ser´ composto a um quadro preto. o 4. N˜o importa o que o arquivo de m´ a ıdia possui. ela ser´ refeita. A taxa de amostragem do projeto n˜o tem que ser a a a mesma da taxa de amostragem das m´ ıdias que vocˆ carregar. mas cada linha co a e co do tempo criada a partir deste ponto usar´ as mesmas configura¸˜es.

Elas ter˜o as suas reajustadas para se e a adequar ` do projeto. mas op¸˜es s˜o dadas aqui por uma conveniˆncia. Quando renderizados. ent˜o quando mais de dois canais s˜o usados. • Raz˜o de aspecto a Marca a raz˜o de aspecto. Outros canais ıda a ser˜o renderizados para suas trilhas sucessivamente numeradas. ca a Os falantes podem estar em qualquer orienta¸˜o. Inicialmente.30 Cap´ ıtulo 4: Atributos do projeto • Canais Marca o n´mero de canais de ´udio que o novo projeto dever´ ter. Clique em um ´ a ıcone de falante e arraste para mudar a localiza¸˜o do canal de ´udio. o di´logo Novo Projeto cria trilhas de v´ a ıdeo cujos tamanhos todos se adequam ` sa´ de v´ a ıda ıdeo. A raz˜o de a . P´gina 52. mas os tamanhos de trilha de v´ ıdeo podem ser mudados mais tarde sem que se mude a sa´ de v´ ıda ıdeo. Mas canais diferentes podem ser posicionados muito pr´ximos um ao outro para fazer com o que tenham a mesma sa´ ıda. a Os locais dos canais de ´udio correspondem a onde na panorˆmica cada sa´ de ´udio est´. os controles de e a a panorˆmica na linha do tempo podem distinguir entre eles. E co a ´ ca a ıda simplesmente uma conveniˆncia. Cada trilha tamb´m possui seu pr´prio tamanho de e o quadro.4 Atributos de v´ ıdeo • Trilhas Marca o n´mero de trilhas de v´ u ıdeo que o novo projeto deve ter. mais sinal o falante a obter´. co A ferramenta de posi¸˜o do canal ca Os canais s˜o numerados. O n´mero de canais de u a a u a ´udio n˜o precisa ser o mesmo do n´mero de trilhas. A raz˜o de aspecto ´ aplicada ` sa´ de v´ a a e a ıda ıdeo. a u • Posi¸˜es dos canais co Os canais de ´udio atualmente habilitados e suas posi¸˜es s˜o exibidos no desenho de a co a posi¸˜es de canais. co a e • Taxa de quadros Marca a taxa de quadros do v´ ıdeo.3 [Fazendo um pan nas trilhas de ´udio]. 4. a • Tamanho da tela Marca o tamanho da sa´ de v´ ıda ıdeo. a sa´ do canal 1 ´ renderizada para a a ıda e primeira trilha de sa´ no arquivo ou para o primeiro canal da placa de ´udio. u ´ As posi¸˜es de canais s˜o a unica configura¸˜o que n˜o afetam a sa´ necessariamente. ca a a Veja Se¸˜o 7. A taxa de quadros do projeto n˜o precisa ser a mesma a das m´ ıdias que vocˆ vai carregar para dentro dele. a a ıda a a Qu˜o mais perto a posi¸˜o da panorˆmica estiver se uma das sa´ a ca a ıdas de ´udio. Um arranjo diferente de falantes ´ arca e mazenado para cada n´mero de canais de ´udio j´ que normalmente vocˆ n˜o quer que o mesmo u a a e a arranjo de falantes para n´meros diferentes de canais. Isso n˜o tem nada a ver com o a a arranjo real dos falantes. Trilhas podem ser adicionadas ou apagadas mais tarde.

E usado para processamento de abrangˆncia dinˆmica alta sem transparˆncia. G e B e nenhum alfa. um modelo de cor com canal alfa deve ser selecionado. O v´ ıdeo ´ armazenado no disco em um modelo de cor. a u a • Raz˜o de aspecto autom´tica a a Caso esteja habilitado. normalmente comprimido usando um e derivativo YUV. O modelo de cor ´ importante para a reprodu¸˜o do v´ e ca ıdeo j´ que o v´ a ıdeo possui a desvantagem de ser muito lento. YUVA8888 e RGBA Float. Marcar uma u raz˜o de aspecto diferente do que o n´mero de pixels resulta em pixels n˜o-quadrados. Isso assegura que os pixels sempre sejam quadrados. e a e Para fazer efeitos que envolvem um canal alfa. e a e • RGBA-Float ´ Adiciona um float 32 bit para alfa ao RGB-Float. A sele¸˜o do modelo de cor interca medi´rio determina qu˜o preciso e r´pido ser˜o os efeitos.Cap´ ıtulo 4: Atributos do projeto 31 aspecto pode ser diferente do n´mero de pixels horizontais / pixels verticais. Quando reproduzido. E usado para opera¸˜es de abrangˆncia dinˆmica baixa co e a nas quais a m´ ıdia ´ comprimida no espa¸amento de cor YUV. e a ca e a • RGB-888 ´ Aloca 8 bits para os canais R. Alguns efeitos como fade conseguem trabalhar sem a necessidade de um canal alfa. mas os intermedi´rios de v´ e a ıdeo ainda usam um modelo de cor com uma banda mais alta do que o v´ ıdeo que est´ armazenado ou que est´ sendo reproa a duzido. • YUV-888 ´ Aloca 8 bits para Y. o Cinelerra o descomprime do formato de arquivo diretamente no formato do dispositivo de sa´ ıda. E usado para sobrepor m´ltiplas u trilhas. A maioria das m´ e c ıdias comprimidas est´ em YUV e isso permite que elas sejam processadas rapidamente com a a menor degrada¸˜o de cor. Os modelos de cor de 4 a canais s˜o notoriamente mais lentos do que os de 3 canais. o di´logo Novo Projeto sempre recalcular´ a configura¸˜o de Raz˜o a a ca a de aspecto quando o Tamanho da tela for mudado. a descompress˜o ´ em um modelo de cor intermedi´rio primeiro e o modelo de cor intermedi´rio ´ a e a a e ent˜o convertido no formato do dispositivo de sa´ a ıda. Embora n˜o seja not´vel. E normalmente usado para m´ ıdia descomprimida com abrangˆncia dinˆmica baixa. e a • RGBA-8888 ´ Aloca um canal alfa ao modelo de cor RGB de 8 bits. O ´udio ca a a a a sempre usa o intermedi´rio de banda mais alto porque ´ r´pido. Isso permite que mais processamento seja feito com menos destrui¸˜o da informa¸˜o ca ca original. sendo o mais lento o RGBA a Float. • Modelo de Cor Marca o modelo de cor para os quais os intermedi´rios de v´ a ıdeo no projeto v˜o ser ara mazenados. . ca • YUVA-8888 Aloca um canal alfa ao modelo de cor YUV de 8 bits para transparˆncia. A ordem de empacotamento u ´ impressa ` esquerda e a aloca¸˜o de bit ´ impressa ` direita. e • RGB-Float ´ Aloca um float 32 bit para os canais R. G e B e nenhum alfa. Caso efeitos sejam processados. E usado para processamento de abrangˆncia dinˆmica alta com transparˆncia. a e a Intermedi´rios de v´ a ıdeo devem usar a menor quantidade de informa¸˜o para a qualidade ca requerida porque ele ´ lento. intermedi´rios de ´udio contˆm muito a a a a e mais informa¸˜o que o ´udio no disco e que o ´udio que est´ sendo reproduzido. U e V. a a a a Os modelos de cor do Cinelerra s˜o descritos usando uma certa ordem de empacotamento de a componentes e um certo n´mero de bits para cada componente. Esses s˜o RGBA8888.

ainda e recortam acima de 100% quando usados com ponto flutuante. Ele a o ca tamb´m suporta brilho acima de 100%. Eles tamb´m destr´em menos cores do que os modelos e o RGB. a a a Anos trabalhando com material com abrangˆncia dinˆnica alta mostraram que o RGB com e a ponto flutuante ("floating point RGB") ´ o melhor formato para abrangˆncia dinˆmica alta. Se um material armazenado como JPEG ou MPEG for processado muitas vezes em RGB. . as cores v˜o esvanecer enquanto isso n˜o acontecer´ caso sejam processadas em YUV. Saiba que alguns efeitos. ent˜o a ´ uma boa id´ia tentar o efeito sem canais alfa para ver se ele funciona antes de configurar e e o projeto com um canal alfa e deix´-lo mais lento. e e a Enquanto os integradores ("integers") de 16 bit eram usados no passado. como o Histograma. eles tinham muita perda ("lossy") e eram muito lentos para a quantidade de melhorias. O RGB float n˜o destr´i a informa¸˜o quando usado com um material fonte YUV. a Os modelos de cor YUV s˜o normalmente mais r´pidos do que os modelos de cor RGB a a quando se usa material comprimido.32 Cap´ ıtulo 4: Atributos do projeto enquanto outros como o chromakey requerem um canal alfa para fazer qualquer coisa.

1 Formatos de arquivo suportados Aqui est´ a maioria dos formatos de arquivo suportados e notas sobre sua compress˜o. Todos a e a o e os v´ ıdeos Quicktime na internet s˜o comprimidos. a decodifica¸ao do H-264 ´ t˜o lenta que ele n˜o consegue reproduzir c˜ e a a tamanhos de quadros muito grandes. isso significa que o formato provavelmente n˜o era suportado. mas n´s o usamos porque ele ´ bem documentado.1 Quicktime Quicktime n˜o ´ o padr˜o para UNIX. s˜o suportados os seguintes formatos: a • WAV • PCM • AIFF • ´udio AC3 a 5. e a e a Se vocˆ carregar um arquivo EDL a 96khz e a taxa de amostragem do projeto atual for de 48 e kHz. use v´ a a ıdeo em H-264. Normalmente. O Cinelerra suporta 2 codecs n˜o-padr˜o: v´ a a ıdeo em Dual MPEG-4 e v´ ıdeo em Dual H. cada campo sendo exibido sequencialmente.desabilite o desenho ("picon drawing") para estes arquivos com a op¸˜o Desenhar m´ ca ıdia para aumentar a velocidade das opera¸˜es. A codifica¸˜o prefer´ a a ca ıvel de sa´ para Quicktime ıda ´ v´ e ıdeo em MPEG-4 e ´udio em MPEG-4. Editar as Listas de Decis˜o de Edi¸˜o a ca (EDL) substitui as configura¸˜es do projeto. Os codecs a de v´ ıdeo e ´udio s˜o pegos separadamente. Infelizmente. Para uma melhor compress˜o. Este formato toca nos reprodutores comerciais do a Windows e possui uma boa qualidade de compress˜o.Cap´ ıtulo 5: Carregando e salvando arquivos 33 5 Carregando e salvando arquivos 5. e a Alguns formatos de arquivo s˜o exibidos muito lentamente na Linha do Tempo. Formatos que contˆm m´ co e ıdia mas n˜o edi¸˜es de a co decis˜es apenas adicionam informa¸˜es `s trilhas. Vocˆ a a e pode ser capaz de conseguir carregar outros formatos n˜o descritos aqui. a eles possuem v´ ıdeos que est˜o altamente comprimidos. mas suporta alguns. c . um codec de v´ e a ıdeo e um codec de ´udio.1. Eles n˜o tocar˜o em nada al´m do Cinelerra e do XMovie. Se a taxa de amostragem de seu projeto ´ 48 o co a e kHz e vocˆ carregar um arquivo de ´udio a 96khz. Eles s˜o desenhados para v´ a a e a ıdeos nos quais os quadros foram divididos em 2 campos ("fields"). Desenhar nos v´ a ıdeos altamente comprimidos pode ser muito lento . a O formato do arquivo afeta o que o Cinelerra faz com ele. vocˆ ainda o estar´ reproduzindo a 48 kHz. Se o programa der pau quando tentar carregar um v´ ıdeo Quicktime. co Atributos de trilha Atualmente. vocˆ o mudar´ para 96 kHz. a O Quicktime ´ um contˆiner para 2 codecs. O Cinelerra n˜o suporta a maioria dos v´ a a ıdeos Quicktime comprimidos. Os codecs Dual sobrep˜em ("interleave") as duas faixas de v´ o ıdeo para melhorar a eficiˆncia sem e requerer mudan¸as maiores no reprodutor ("player").264.

a primeira coisa que vocˆ deve fazer antes de us´-la ´ de alguma forma capturar os e a e blocos ("assets") em um meio digital utiliz´vel. 5.4. Para que suas a e e imagens importadas sejam exibidas corretamente. formato ue co ca de arquivo e taxa de quadros da seq¨ˆncia.3 Seq¨ˆncia de imagens ue Renderizar uma seq¨ˆncia de imagens n˜o ´ o mesmo que renderizar uma unica imagem. ca O Cinelerra permite que vocˆ defina a dura¸˜o inicial dos recortes carregados. Vocˆ pode arrastar as bordas de uma imagem est´tica tanto quanto quiser.5. incluindo o n´mero de quadros. a Para fotos antigas. Quando carregada na ca u e linha do tempo. Para aprender mais sobre os diferentes formatos de imagens suportados em uma seq¨ˆncia de imagens. Nenhuma tabela de conte´dos ´ criada.1. 5. leia sobre imagens est´ticas (a seguir).1. O parˆmetro e ca a para isto est´ na se¸˜o Imagens da janela Configura¸˜es->Preferˆncias->Janela de grava¸˜o.1.4.1 Carregando imagens est´ticas a Renderizar uma unica imagem faz com que o arquivo de imagem seja sobrescrito para cada ´ posi¸˜o da Linha do Tempo. a 5. (o que seria muito lento ´ ca e consumiria muitos recursos do sistema). Um "arquivo e de lista" ´ um arquivo de texto com um formato espec´ e ıfico contendo caminhos absolutos para todos os quadros da seq¨ˆncia mais informa¸˜es adicionais como resolu¸˜o da imagem. a Por exemplo. vocˆ precisa redimensionar o tamanho horie zontal: .4 Imagens est´ticas a 5. TGA ou JPG. Vocˆ pode querer usar o proe a e grama Gimp para p´s-processar as imagens.html. Assim. o a ca Se suas imagens vˆm de uma fonte digital como uma cˆmera digital ou uma captura de tela. a ca co e ca A menos que seu material original venha de uma fonte digital (como uma cˆmera de fotografia a digital). especialmente quando se lida com longos caminhos de arquivo e muitos quadros) a ou com a ajuda do IMG2LIST 0. Este script gera uma lista a partir de um quadro de uma seq¨ˆncia de imagens e ue auto-detecta todos os parˆmetros dela.2 Tamanho de imagens est´ticas a Importante: Imagens importadas sempre ficam em seu tamanho original.com/~malefico/software/img2list. mapas em papel. vocˆ pode querer usar um scanner e para lˆ-los e transform´-los em arquivos PNG. TIF.1. desenhos ou diagramas.34 Cap´ ıtulo 5: Carregando e salvando arquivos ´ 5. Quando ue a e ´ se renderiza uma seq¨ˆncia de imagens. Imagens e a no Cinelerra possuem dura¸˜o infinita.. vocˆ pode usar um "arquivo de lista".1. Para saber mais sobre este Gerador de Listas do Cinelerra e para baix´-lo. limpar ´reas danificadas ou corrigir sua colora¸˜o. e a assegure-se de capturar o material usando a melhor resolu¸˜o poss´ ca ıvel.2 Audio MPEG-4 ´ E o mesmo que o Quicktime com MPEG-4 como codec de ´udio. mas 720x576 ´ 5/4. ue a Para evitar importar no Cinelerra uma seq¨ˆncia de imagens como uma s´rie de quadros ue e unicos e para configurar manualmente sua dura¸˜o na linha do tempo. a imagem ocupa a dura¸˜o de um quadro ("frame"). A tabela de conte´dos pode ser carregada ao inv´s das imagens individuais para u e obter uma performance melhor. ca a veja http://argoslabs. vocˆ deve levar e em considera¸˜o a raz˜o de aspecto de seu v´ ca a ıdeo no Cinelerra e eventualmente redimensionar suas imagens antes de import´-las no Cinelerra. um pequeno aplicativo escrito por Claudio "malefico" Andaur. Para extender sua dura¸˜o.1. formato de arquivo e a u resolu¸˜o de imagem. a raz˜o de aspecto de imagens PAL ´ 4:3. Esta lista pode ser escrita manualmente (n˜o muito ue a agrad´vel. o Cinelerra gera um arquivo de tabela de conte´dos ue u ("TOC") para a seq¨ˆncia de imagens e faz uma imagem diferente para cada posi¸˜o da Linha ue ca do Tempo. Isso te ajudar´ quando a estiver trabalhando com o material dentro do Cinelerra. Aproxime a Linha do ca Tempo para vˆ-la. arraste suas bordas como vocˆ faria com recortes e ca e de v´ ıdeo.

*JPEG ++’ | sed ’+s+x.1. . V´rias op¸˜es de compress˜o a a co a vantagem dele Veja Cap´ est˜o dispon´ a ıveis para EXR. a c´pia de cada imagem bruta com o gama ca o corrigido pode ser pr´-visualizada relativamente r´pido na mesma posi¸˜o da Linha do Tempo e a ca da imagem original.*JPEG [0-9]*x++’ | sed ’+s+DirectClass.6. renderize a Linha do Tempo para um arquivo Quicktime a JPEG. Agora. Apenda ("Append") o arquivo Quicktime JPEG em uma nova trilha e desabilite a reprodu¸˜o ("playback") da trilha antiga. as cores prim´rias ser˜o multiplicadas pelo canal alfa. Imagens brutas de cˆmeras Canon s˜o as unicas a a ´ que foram testadas. redimensiona essas imagens e as coloca em uma nova pasta chamada ‘redimensionadas’: #/bin/sh mkdir redimensionadas for element in ‘ls . na qual os n´meros de pontos flutuantes s˜o convertidos para a u a 24 bits e comprimidos com gzip. sua sorte vai e a variar. Uma vez que imagens brutas levam um bom tempo para interpolar. De outro modo. Este formato armazena imagens de pontos flutuantes RGB e a ("floating point RGB images").*++’‘ let new_width=${largura}*9375/10000 convert -resize "${nova_largura}x${altura}!" -quality 100 ${element} resized/${element} done 5. vocˆ tem que multiplicar o tamanho horizontal das imagens que vocˆ quer e e importar por um fator de 0.3 Abrindo imagens EXR Vocˆ pode n˜o conhecer o Open EXR. Uma vez que o AVI ´ t˜o fragmentado. Selecione Usar alfa se o modelo de cor do projeto possui um canal alfa e vocˆ quer mantˆ-lo e e no arquivo. ca e a a • PXR24: Compress˜o "lossy". elas normalmente s˜o vistas a primeiro em um arquivo proxy e depois tocadas. • PIZ: Compress˜o "lossless wavelet".Cap´ ıtulo 5: Carregando e salvando arquivos 35 Novo tamanho horizontal=(5/4)/(4/3) x Tamanho horizontal original Para v´ ıdeos PAL. P´gina 29. Projetos e a que renderizam para EXR devem estar em um modelo de cor de ponto flutuante para obter ıtulo 4 [Atributos do projeto]. 5.4. • RLE: Codifica¸˜o "lossless run length". quando rodado a partir de uma pasta contendo imagens a jpg. Ele tamb´m suporta um pequeno grau de compress˜o.1. Elas devem ser processadas em um espa¸o de cor de ponto flutuante c uma vez que estejam na Linha do Tempo. Esta ´ a melhor compress˜o.1. Aqui est´ um pequeno script shell que. Esta ´ a compress˜o mais r´pida e pior.9375. a a 5.5 AVI AVI com codecs de ´udio e v´ a ıdeo variados.*++’‘ height=‘echo ${tamanho} | sed ’+s+. Depois. Primeiro aplique o efeito Gama em uma trilha de imagens brutas e configure-o para Autom´tico com gama em 0.4 Imagens brutas de cˆmeras digitais a Imagens brutas ("RAW") de cˆmeras digitais s˜o um tipo especial de arquivo de imagem que o a a Cinelerra apenas importa. | grep jpg‘. do size=‘identify ${element}‘ width=‘echo ${tamanho} | sed ’+s+.4. Elas precisam que lhes seja aplicado o efeito Gama para corrigir o gama. a e a • ZIP: Algoritmo gzip "lossless".

Ent˜o carregue o ‘dvd. Elas possuem o ca a como extens˜o o . Cada trilha pode ser v´ a a ıdeo ou ´udio.1. Este v´ ıdeo DV deve ser transferido para YUV 4:2:2. O modelo YUV 4:2:0 ´ codificado por uma vers˜o altamente a e a otimizada do mpeg2enc com pr´-configura¸˜es para eletrˆnicos padr˜o de cosumidores. a tabela ca de conte´dos pode ser criada separadamente.8 Audio MPEG 1 Estes s˜o arquivos . No e co o a processo de otimizar o mpeg2enc. ache o arquivo ‘IFO’ correspondente para o programa e de interesse.mp3.1. O u a u mpeg3toc requere o caminho completo do arquivo MPEG. Em v´ e ca a ıdeos MPEG. Se possu´ a ırem taxa de bits fixa. ent˜o a justificativa ca a para o OGG ´ question´vel. qualquer a e a a pessoa com dinheiro e desejo suficiente pode achar uma viola¸˜o de patente.6 Arquivos MPEG contendo v´ ıdeo Arquivos MPEG contendo v´ ıdeo podem ser carregados diretamente no Cinelerra. ca Para usar arquivos MPEG em uma fazenda de renderiza¸˜o. Faixas com taxas de bits vari´veis precisam u a ter uma tabela de conte´dos criada com o mpeg3toc.9 Ogg Theora/Vorbis O formato OGG ´ uma forma antiquada mas supostamente n˜o patenteada de comprimir ´udio e a a e v´ ıdeo. Se a quantiza¸˜o e mantida fixa. significa a taxa de bits-alvo. e a 5.ifo dvd. Na realidade. o parˆmetro de taxa de bits possui um significado diferente a dependendo de se a taxa de bits ou a quantiza¸˜o ´ mantida fixa. eles se livraram da codifica¸˜o YUV 4:2:2.toc ou algo similar. a a Notas sobre codifica¸˜o de v´ ca ıdeo em mpeg: A codifica¸˜o de v´ ca ıdeo MPEG ´ feita separadamente da codifica¸˜o de ´udio MPEG.mp2 e . Quando codificando para YUV 4:2:0. O modelo de cor ca YUV 4:2:2 ´ codificado por uma vers˜o menos otimizada do mpeg2enc. vocˆ precisa rodar o mpeg3toc para ca e gerar uma tabela de conte´dos (TOC) para o arquivo e ent˜o carregar a tabela de conte´dos. eles podem ser carregados diretamente sem nenhuma tabela de conte´dos (TOC). Elas mudam os atributos do projeto quando carregadas. Se vocˆ quiser carregar um DVD. cada um identificado por um arquivo ‘IFO’ e u singular. Esta ´ uma coisa estranha da vers˜o do mpeg2enc. A qualidade n˜o ´ t˜o boa quanto o H.7 V´ ıdeos de DVD O DVD ´ dividido em um n´mero de programas. Se vocˆ n˜o usar o caminho completo. este m´todo a e de carregar arquivos MPEG n˜o ´ bom o suficiente se vocˆ pretende usar uma fazenda de a e e renderiza¸˜o ("renderfarm").264 ou o ´udio MPEG-4. O Cinelerra converte cada canal de ´udio em uma trilha.1. h´ 2 modelos de cor. Se o arquivo n˜o for suportado. u Rode: mpeg3toc -v /cdrom/video_ts/vts_01_0.10 Listas de decis˜es de edi¸˜o o ca Listas de decis˜es de edi¸˜o s˜o geradas pelo Cinelerra para armazenar projetos. u 5. para o uso de fazenda de renderiza¸˜o ("renderfarm"). a ´ 5. uma tabela de conte´dos (TOC) ser´ constru´ u a ıda.1. a o programa normalmente d´ pau ou mostra trilhas muito pequenas. e a 5. Alternativamente. e a A codifica¸˜o YUV 4:2:2 foi mantida porque a vers˜o NTSC do v´ ca a ıdeo DV perde muita qualidade quando transferida para YUV 4:2:0. significa o m´ximo permitido ca a como taxa de bits.toc’. a o a Faixas de MPEG s˜o estruturadas em v´rias trilhas.36 Cap´ ıtulo 5: Carregando e salvando arquivos 5. Infelizmente. e a ele assume que o arquivo MPEG est´ no mesmo diret´rio de onde o Cinelerra est´ sendo rodado.1. Se o arquivo for suportado. Cada a trilha de ´udio pode ter de 1-6 canais. . Carregue o arquivo IFO diretamente e uma tabela de conte´dos (TOC) ser´ u a constru´ ıda. Uma vez que a listas de decis˜es de edi¸˜o consistem em um texto.xml. elas podem ser editadas por um editor de o ca texto. Se a taxa de bits for mantida ca e fixa.

v´ para a caixa Estrat´gia de inser¸˜o e selecione uma das op¸˜es a a e ca co do menu. O carregamento e a reprodu¸˜o dos arquivos ´ justo como vocˆ poderia esperar. a A janela de carregar arquivos Se o arquivo ´ uma imagem est´tica. o projeto existente ´ limpado da tela e 2.2 Carregando arquivos Toda informa¸˜o que vocˆ trabalhar com o Cinelerra ´ adquirida tanto por gravar de um disca e e positivo ou por carregar a partir do disco. co • Substituir projeto atual Todas as trilhas do projeto atual s˜o apagadas e um conjunto de novas trilhas s˜o criadas a a para se ajustarem ` fonte. substituindo os atuais. Novos recursos s˜o criados na Janela de Recursos. a • Concatenar `s trilhas existentes a O projeto atual n˜o ´ apagado e novos arquivos s˜o concatenados nas trilhas armadas a e a . Dependendo da configura¸˜o da lista da Estrat´gia de Inser¸˜o. e e Na janela de di´logo Carregar. substituindo os atuais.2. independentemente de se uma barra de ca c progresso apareceu ou n˜o. Vocˆ pode e editar e reproduzir o arquivo enquanto o arquivo de ´ ındice vai sendo criado. o e iniciando do 0.1 Estrat´gia de inser¸˜o e ca Normalmente trˆs coisas acontecem quando vocˆ carrega um arquivo. • Substituir projeto atual e concatenar trilhas O mesmo que "substituir projeto atual". os atributos do projeto s˜o modificados para se ajustarem aos do arquivo a 3. 5. um conjunto de a e a trilhas para cada arquivo. Novos recursos s˜o criados na Janela a a de Recursos. Novos recursos s˜o criados na Janela de Recursos. Se o arquivo possui ´udio. selecione um arquivo para carregar e pressione ok. seu arquivo ou ser´ carregado na janela de ca e ca a Recursos de m´ ıdia ou diretamente na janela de Programa. e e 1. Cada uma das op¸˜es carrega o arquivo de uma forma diferente. inserindo diferentes a o arquivos de fonte no mesmo conjunto de trilhas. Apenas v´ ca e e a para arquivo->Carregar. em ordem alfanum´rica. exceto que. um conjunto u de novas trilhas s˜o adicionadas para cada arquivo. Os atributos do projeto s´ s˜o mudados se um arquivo XML for a o a carregado. o Cinelerra pode a construir um arquivo de ´ ındice para ele para aumentar a velocidade de desenho. Se m´ltiplos arquivos forem selecionados para serem carregados. clique no bot˜o ´ a de reprodu¸˜o e ele deve come¸ar a ser reproduzido. um ap´s o outro. se m´ltiplos arquivos forem selecionau dos. as trilhas de cada arquivo ser˜o concatenadas ap´s a primeira. a • Adicionar em trilhas novas O projeto atual n˜o ´ apagado e novas trilhas s˜o criadas para a fonte. os atributos do projeto n˜o ser˜o modificados e o e a a a primeiro quadro de cada trilha se torna a imagem.Cap´ ıtulo 5: Carregando e salvando arquivos 37 5. Esta se¸˜o descreve a op¸˜o de carregar arquivos a ca ca partir do disco. depois. as novas trilhas dos arquivos s˜o criadas na Linha do Tempo a Mas o Cinelerra permite que vocˆ mude o que acontece quando vocˆ carrega um arquivo. Neste ultimo caso.

a janela de carregar arquivos permite que vocˆ filtre quais e arquivos s˜o exibidos na lista de acordo com sua extens˜o. no primeiro conjunto de e ca trilhas armadas.4 Filtrando arquivos por extens˜o a Caso existam muitos arquivos em sua pasta de m´ ıdia. e ca e ca a co ca as op¸˜es fazem as mesmas coisas. no ponto de inser¸˜o. um ap´s o outro. Em cada fun¸˜o. os arquivos e s˜o carregados com as regras de Substituir projeto atual. a a Clique na seta-para-baixo do campo seletor de extens˜es de arquivos (logo abaixo da caixa de o nomes de arquivos) e selecione a extens˜o do arquivo de sua m´ (por exemplo. Isso selecionar´ todos os arquivos que estiverem entre os dois. Selecione um arquivo. a 5. Converter seu arquivo para e a e mpeg2 ´ uma boa solu¸˜o. j´ que o Cinelerra carrega este tipo de arquivo sem nenhum problema. V´ para outro arquivo e selecione-o enquanto mant´m a tecla SHIFT a e pressionada. A lista de arquivos agora mostra apenas arquivos que possuem a extens˜o selecionada. Para isso. vocˆ deve usar o ffmpeg para fazer a convers˜o.2 Carregando m´ ltiplos arquivos u Na caixa de sele¸˜o de arquivos. iniciando ao final das trilhas. ca u 5. • Colar no ponto de inser¸˜o ca O arquivo ´ inserido na linha do tempo. Se o projeto atual possui mais trilhas e do que a fonte. em o ordem alfanum´rica. eles u ser˜o inseridos no mesmo conjunto de trilhas. e Use este m´todo e a estrat´gia de inser¸˜o Concatenar `s trilhas existentes para criar um e e ca a slideshow de imagens ou uma lista de reprodu¸˜o de m´sicas. mpg. 5. Caso m´ltiplos arquivos sejam selecionados para serem carregados. vocˆ consegue fazer praticamente toda a edi¸˜o carregando os arquivos. a Caso n˜o haja trilhas armadas. • Somente criar novos recursos A Linha do Tempo n˜o ´ modificada e novos recursos s˜o criados apenas na Janela de a e a Recursos. Ao usar essas op¸˜es. inseridos no mesmo conjunto de trilhas do projeto atual. pode ser dif´ achar o arquivo que vocˆ ıcil e quer no meio dos outros. os formatos mpeg2 e a requerem que o v´ ıdeo possua tamanhos de imagem e taxas de quadros espec´ ıficos: • PAL ´ 720x576 a 25 fps e • NTSC ´ 720x480 a 29. etc). a vocˆ ter´ de convertˆ-lo para um formato suportado pelo Cinelerra. Novos recursos s˜o criados a a a na Janela de Recursos. e ca a Neste caso.5 Carregando outros formatos Se vocˆ n˜o consegue carregar um tipo particular de v´ e a ıdeo e n˜o possui seu arquivo fonte original.97 (=30000/1001) fps e . mp3. Novos recursos s˜o criados a o a na Janela de Recursos.2. Este comportamento a tamb´m funciona na maioria das caixas de listas. cinelerra meuvideo.3 Carregando arquivos a partir de um terminal Outro meio de carregar arquivos ´ informar os nomes de arquivos como argumentos por linha e de comando. a ıdia avi.2. o arquivo de fonte ser´ inserido no primeiro conjunto de trilhas armadas.2. Entretanto. co e ca A estrat´gia de inser¸˜o ´ uma op¸˜o recorrente em v´rias fun¸˜es do Cinelerra. co Se vocˆ carregar os arquivos passando argumentos de linha de comando ao Cinelerra.mov Isso cria novas trilhas para cada arquivo e inicia o programa com todos os argumentos carregados.mov videodaminhamae. nenhum arquivo ser´ inserido. V´ para ca a a outro arquivo e selecione-o enquanto deixa pressionada a tecla CTRL. a 5.2. v´ para a lista de arquivos.38 Cap´ ıtulo 5: Carregando e salvando arquivos existentes. um ap´s o outro. mov. Isso faz com que o arquivo adicional seja selecionado.

O arquivo consiste em um texto. Para cada arquivo de m´ ıdia. o ca ca o Cinelerra salva o projeto atual para um arquivo de backup em ‘$HOME/. Ele cont´m todas e as configura¸˜es do projeto e localiza¸˜es de cada recorte.xml’. um caminho o relativo ser´ salvo. mas n˜o salva nenhuma m´ a ıdia. um caminho completo ser´ salvo. ca Se vocˆ quiser criar uma lista de reprodu¸˜o de ´udio e queim´-la em um CD-ROM. mas n˜o poder´ mover as m´ a a ıdias nunca mais. ele salva uma lista de decis˜es de edi¸˜o (EDL) do o ca projeto atual.xml’ ao nome de arquivo caso uma extens˜o ‘. ´ Caso o programa dˆ algum pau.mpeg ı ı A op¸˜o ‘-sameq’ mant´m a qualidade original. 5. vocˆ pode modificar e e os caminhos de relativos para absolutos indo em Arquivo->Salvar como. Vocˆ pode manter as m´ e ıdias e o arquivo XML na mesma pasta para sempre e mover livremente toda a pasta.. Vocˆ pode identificar os codecs e o container de qualquer v´ e e ıdeo usando o comando: mplayer -identify <seu_arquivo_de_v´deo. N˜o esque¸a de fazer uma e a c c´pia de backup de seu arquivo XML antes de fazer qualquer edi¸˜o! o ca Os arquivos XML s˜o uteis para salvar o estado atual do Cinelerra antes de sair de uma a ´ sess˜o de edi¸˜o. ou vocˆ sobrescrever´ o ca ca ca e a arquivo.. e informar a nova localiza¸˜o. vocˆ deve usar o mencoder a e para convertˆ-los para MPEG4. mas ao inv´s de m´ co co e ıdia. vocˆ pode salvar o arquivo XML em uma pasta diferente das de m´ e ıdia. salve o e ca a a arquivo XML na mesma pasta dos arquivos de ´udio e queime todo o diret´rio.. ca e • Convertendo com o mencoder: mencoder v´deo_original. Se a m´ ıdia estiver no mesmo diret´rio do arquivo XML. ele cont´m e apontadores para os arquivos originais de m´ ıdia no disco r´ ıgido. Se ela estiver em uma pasta diferente.. Neste caso. vocˆ sempre poder´ reparar as e a liga¸˜es quebradas de m´ co ıdia editando o arquivo XML em um editor de texto.xml’ n˜o seja dada.Cap´ ıtulo 5: Carregando e salvando arquivos 39 Para arquivos de entrada que n˜o possuam essas propriedades. a ca .xyz v´deo_convertido. uma vez que os caminhos relativos ser˜o salvos.xyz -ovc lavc -lavcopts vcodec=mpeg4:\ ı vhq:vbitrate=6000 -oac mp3lame -lameopts br=256:vol=1 \ -ffourcc DIVX -o v´deo_convertido. O Cinelerra automaticamente concatenar´ o ‘. sendo o arquivo XML um arquivo de texto. busque o caminho antigo e substitua-o pelo atual. Isso manter´ os a o a caminhos de m´ ıdia relativos. v´ para arquivo->carregar backup para carregar o backup.bcast/backup.. a a a Quando o Cinelerra salva um arquivo. Carregar o backup deve ser a primeira opera¸˜o. a a Vocˆ deve ter cuidado quando movimentar seus arquivos por a´ vocˆ est´ se arriscando a e ı: e a quebrar as liga¸˜es de m´ co ıdia.3 Carregando o backup Existe um arquivo XML especial no disco r´ ıgido a todo momento.xyz> ı • Convertendo com o ffmpeg: ffmpeg -sameq -i v´deo_original. Para cada m´ ıdia que vocˆ moveu. Deve ser dito que. a De um modo alternativo. j´ que os caminhos absolutos est˜o salvos. Selecione um a arquivo para ser sobrescrito ou informe um novo nome de arquivo.avi ı 5. Se vocˆ salvou o seu projeto XML ı a a e na mesma pasta que suas m´ ıdias mas gostaria de movˆ-lo para outro lugar. Ap´s cada opera¸˜o de edi¸˜o. o arquivo XML grava ou um caminho completo ou apenas um caminho relativo a ele. E e a importante ap´s um pau (o programa fechar) reiniciar o Cinelerra sem fazer nenhuma outra o opera¸˜o de edi¸˜o. V´ para Arquivo->salvar como. vocˆ poder´ mover seu arquivo XML e a por a´ livremente.4 Salvando arquivos de projeto O Cinelerra salva projetos como arquivos XML.

o que pode ocupar espa¸o e custar bastante eletricidade para rodar. Recorte e cole de A para B . Para um armazenac mento mais persistente da sa´ ıda. Efeitos tempo-real em um arquivo XML devem ser re-sintetizados a cada vez que vocˆ os reproe duzir. 5. existe o render.40 Cap´ ıtulo 5: Carregando e salvando arquivos Os arquivos XML s˜o espec´ a ıficos do Cinelerra. Carregue o projeto A 3. Abra um segundo Cinelerra 4. Carregue o projeto B 5. Vocˆ n˜o conseguir´ ’tocar’ arquivos XML em e a a um reprodutor de v´ ıdeos. Abra o Cinelerra 2.5 Fundindo projetos Para fundir v´rios projetos separados em um grande projeto: a 1. O arquivo XML tamb´m requere que vocˆ mantenha c´pias de todas as suas fontes no disco e e o r´ ıgido.

que cont´m op¸˜es que afetam cada a e co trilha. e 6. A esquerda de Linha do Tempo est´ o patchbay. A barra de rolagem horizontal permite que vocˆ busque pelo tempo. As imagens individuais que a vocˆ vˆ na trilha s˜o uma amostra do que est´ localizado naquele momento particular da Linha e e a a do Tempo. seria como se vocˆ "visse" a fita magn´tica horizontalmente na sua mesa. A e barra de rolagem vertical permite que vocˆ busque pelas trilhas. como se vocˆ efetivamente e despusesse um filme fotogr´fico real horizontalmente em uma mesa. a opera¸˜o posi¸˜es padr˜o preenche apenas um co ca co a monitor com janelas. Define a sa´ das opera¸˜es de render e o que ´ salvo quando vocˆ salva ıda co e e ` arquivos.1 Trilhas de v´ ıdeo e ´udio a Uma trilha de v´ ıdeo Trilhas de v´ ıdeo representam a Linha do Tempo de seus v´ ıdeos. Uma trilha de ´udio a Trilhas de ´udio representam a sua m´ a ıdia de ´udio como uma onda sonora.1. A Linha do Tempo consiste em um conjunto vertical de trilhas com representa¸˜o ca horizontal de tempo. vocˆ encontrar´ opera¸˜es que afetam as janelas principais. 6. A e a co op¸˜o posi¸˜es padr˜o reposiciona todas as janelas para uma configura¸˜o de edi¸˜o em quatro ca co a ca ca janelas.1 Navegando na janela de programa A janela de programa cont´m v´rias fun¸˜es para navega¸˜o e exibe a Linha do Tempo conforme e a co ca est´ estruturada na mem´ria: trilhas juntas verticalmente e se extendendo por sobre o tempo a o na forma horizontal.Cap´ ıtulo 6: Janela de Programa 41 6 Janela de Programa Esta janela cont´m a Linha do Tempo e o ponto de entrada para todas as opera¸˜es baseadas e co em menu. Em configura¸˜es com dois monitores. seguindo a a analogia do filme. A linha do tempo Abaixo da Janela de menu. e e Vocˆ pode ajustar o aumento ou diminui¸˜o vertical ou horizontal das trilhas e da exibi¸˜o da e ca ca .

de forma e ca ca a que as ondas sonoras pare¸am proporcionais. Eles ´ usado para controlar o comportamento das trilhas. Isso permite que vocˆ veja sua m´ e ıdia desde a partir de uma configura¸˜o quadro a quadro quanto uma disposi¸˜o ca ca completa de toda a linha do tempo. Ela determina qu˜o grande ser´ a onda sonora. v´ para as pr´-vizualiza¸˜es em a e co miniatura e use a rodinha para aproximar ou afastar. Use as setas PARA-CIMA e PARA-BAIXO para mudar a aproxima¸˜o de amostra por uma raz˜o de ca a dois. vocˆ tamb´m pode usar a rodinha do mouse. O atributo mais importante ´ o e e de armar trilha. chamado de patch a bay.1. e aproxca ima¸˜o de curva (abrangˆncia da automa¸˜o). A janela de programa cont´m v´rias fun¸˜es e a co para navega¸˜o e exibe a Linha do Tempo conforme ela est´ estruturada na mem´ria. essas aproxca e ca ca a ima¸˜es s˜o as ferramentas principais para posicionar a linha do tempo. a a a a CTRL-PARACIMA e CTRL-PARABAIXO fazem a aproxima¸˜o de amostra mudar. Ela determina ca a abrangˆncia de valor para as curvas. Quanto mais alta a configura¸˜o. Para rolagem e c vertical. ou informe manualmente os valores na caixa de texto. Ela determina a altura de cada trilha. a aproxima¸˜o de amplitude ser´ compensada. 6. vocˆ encontrar´ o painel de aproxima¸˜o. Primeiro selecione o tipo de automa¸˜o (fade de ´udio. Ao inv´s. e ca a fade de v´ ıdeo. Em adi¸˜o `s barras de rolagem. aproxima¸˜o.2 Navega¸˜o por trilhas ca A navega¸˜o por trilhas envolve tanto chegar a uma trilha espec´ ca ıfica (´udio ou v´ a ıdeo) quanto chegar a um certo momento no tempo da trilha. mas as barras de e u a e rolagem n˜o permitir˜o que vocˆ fa¸a isso. ca Cada trilha na linha do tempo possui um conjunto de atributos ` esquerda. Se ca vocˆ mudar a aproxima¸˜o da trilha. A amplitude afetar´ apenas o ´udio. mais quadros vocˆ poder´ ca e a ver por tela. O painel de aproxima¸˜o e a ca ca cont´m valores para aproxima¸˜o de amostra (dura¸˜o vis´ e ca ca ıvel na linha do tempo). No modo barra. ca a o A barra de rolagem horizontal permite que vocˆ fa¸a buscas pelo tempo. X ou Y) e ent˜o use os valores ` esquerda como m´ ca a a ınimos e os da direita como m´ximos. aproxima¸˜o de trilha (altura das trilhas na linha do tempo). Caso seu mouse possua uma rodinha e ela funciona no X11. e e Al´m das ferramentas gr´ficas. a .3 O painel de aproxima¸˜o ca Abaixo da linha do tempo. Use e a e PAGE UP e PAGE DOWN para rolar para cima e para baixo nas trilhas. vocˆ provavelmente vai usar mais o teclado para navegar. Normalmente. co a Mudar o aproxima¸˜o de amostra faz mudar a quantidade de tempo vis´ ca ıvel. e e A barra de rolagem horizontal permite que vocˆ busque pelo tempo. e Use as teclas HOME e END para chegar instantaneamente para o in´ ou final da linha do ıcio tempo. ca A Aproxima¸˜o de curvas afeta as curvas em todas as trilhas do mesmo tipo. use a SETA-PARA-A-DIREITA para rolar a a e c e para al´m do final da linha do tempo. a ca 6. amplitude (escala da onda sonora). Para rolagem horizontal e vocˆ tamb´m pode usar a rodinha do mouse com a tecla CTRL pressionada. ca A aproxima¸˜o de trilha afeta todas as trilhas. c CTRL-PGUP e CTRL-PGDOWN fazem a aproxima¸˜o de trilha mudar.1. mantenha a tecla SHIFT pressionada enquanto pressiona o HOME ou END para selecionar a regi˜o da linha do tempo entre o ponto de inser¸˜o e a tecla pressionada. Vocˆ freq¨entemente ter´ de rolar para al´m do final da Linha do Tempo.42 Cap´ ıtulo 6: Janela de Programa "onda sonora" usando os controles da barra de aproxima¸˜o de painel.

a a ca ALT-PARACIMA e ALT-PARABAIXO fazem a amplitude de curvas mudar. Quando se e a .1 [O ca patchbay]. mas o unico modo de deslocar as curvas ´ usar o ´ e bot˜o Enquadrar autos ` exibi¸˜o.1. a posi¸˜o ser´ ou alinhada aos quadros ou alinhada `s ca ca a a amostragens ("samples"). o ponto de inser¸˜o tamb´m pode ser movido ao se clicar na linha do tempo. Quando se renderiza um arquivo. a Esses valores mudam a amplitude da curva. Para ativar o menu da trilha.1. e e ıcio co ca O ponto de inser¸˜o na janela principal. An´logo ao cursor de seu editor de texto. ca e A barra de tempo principal Quando se move o ponto de inser¸˜o.5 O ponto de inser¸˜o ca O ponto de inser¸˜o ´ esse fio branco piscante que aparece se estendendo verticalmente na linha ca e do tempo. Quando se edita um v´ ıdeo. 6. Qualquer regi˜o da linha do tempo n˜o obscurecida por marcadores e pontos de entrada a a ou sa´ ´ uma regi˜o v´lida para se reposicionar o ponto de inser¸˜o. Ele tamb´m ´ o ponto de in´ de todas as opera¸˜es de reprodu¸˜o. clique com o bot˜o direito do mouse na trilha (o menu relacionado afeta a trilha caso ela esteja armada no a patch bay ou n˜o). ca representado como um fio branco vertical no ponto 00:00. 6.4 O menu relacionado `s trilhas a Cada trilha possui um menu relacionado a ela. • Mover para baixo move a trilha selecionada um passo abaixo no conjunto. Veja Se¸˜o 7. • Apagar trilha remove a trilha da linha do tempo. E o ponto onde ocorre uma o a opera¸˜o de colar. . No modo de recortar e ıda e a a ca colar somente. ´ melhor alinh´-lo aos quadros. o ponto de inser¸˜o marca o lugar na linha a ca ´ do tempo onde a pr´xima atividade do programa ser´ iniciada. • Redimensionar trilha redimensiona a trilha. O menu de trilha cont´m um n´mero de op¸˜es para lidar com v´rias trilhas a e u co a simultaneamente: • Adicionar efeito • Mover para cima move a trilha selecionada um passo acima no conjunto.0 para fade de ´udio e 0.0 a 6.0 para fade de v´ e a a ıdeo.500 O ponto de inser¸˜o normalmente ´ movido ao se clicar no interior da barra de tempo princa e cipal. ele define o in´ ca ıcio da regi˜o da linha do a tempo a ser renderizada. • Ajustar ao Tamanho de Sa´ redimensiona a trilha para se ajustar ao tamanho de sa´ ıda ıda atual. P´gina 49.0 a 100. • Adicionar trilha adiciona uma trilha do mesmo tipo de m´ ıdia (´udio/v´ a ıdeo) a partir do qual o menu foi ativado.Cap´ ıtulo 6: Janela de Programa 43 vocˆ usar´ -40.

a ca Um duplo-clique na linha do tempo seleciona todo o bloco de edi¸˜o em cima do qual o mouse ca estiver posicionado.1. ela habilita o modo arrastar e soltar.1. No modo arrastar e soltar. ca ca a Se a barra ("i-beam") estiver selecionada. Arrastar na linha do tempo seleciona uma regi˜o. Trilhas com ´rea destacada.8 [Edi¸˜o de arrastar e soltar]. clicar na linha do tempo reposiciona o ponto de inser¸˜o. clicar na linha do tempo n˜o reposiciona o ponto de inser¸˜o. Os bot˜es do modo de edi¸˜o o ca Se a seta estiver selecionada.6 Modos de edi¸˜o ca Modos de edi¸˜o s˜o dois m´todos diferentes de opera¸˜o que afetam o ponto de inser¸˜o e a ca a e ca ca edi¸˜o na linha do tempo. Arrastar na linha do tempo reposiciona o bloco de edi¸˜o para onde o apontador do mouse ca estiver passando. Veja Se¸˜o 6. Para recortar e colar no modo de arrastar e soltar. ordenar cenas de e´ ca a v´ ıdeos. 6. Isto ´ util para reordenar as listas de reprodu¸˜o de ´udio. Selecione sua preferˆncia em Configura¸˜esa e a a e co >Alinhar cursor aos quadros. ´ melhor alinh´-lo `s amostragens.7 [Os pontos de entrada/sa´ a Veja Se¸˜o 7. a para definir uma regi˜o a ser afetada. P´gina 55. A regi˜o em destaque se torna a regi˜o afetada a a a pelas opera¸˜es de recortar e colar e a abrangˆncia da reprodu¸˜o durante a pr´xima opera¸˜o co e ca o ca de exibi¸˜o. mover efeitos por a´ ı. Alternativamente. ca S˜o eles: a • modo de arrastar e soltar • modo de recortar e colar O modo de funcionamento ´ determinado ao se selecionar a seta ou a barra ("i-beam") na e barra de bot˜es. mostradas dentro do contorno verde a . No modo de recortar e colar.44 Cap´ ıtulo 6: Janela de Programa edita um ´udio. ca Dar um duplo-clique na linha do tempo seleciona todo o bloco de edi¸˜o por sobre o qual o ca cursor estiver sobre. ela habilita o modo recortar e colar. Clicar com a tecla SHIFT pressionada na linha do tempo estende a regi˜o em ca a destaque. P´gina 45. vocˆ pode usar a tecla E como um atalho de teclado para o e alternar entre os modos. vocˆ precisa marcar pontos de entrada/sa´ e ıda ca ıda].

Este o ca ´ o caso do ebuild do Gentoo media-video/cinelerra-cvs-20061020. sendo a tecla shift a diferencia¸˜o entre eles. Barra de tempo com pontos de entrada/sa´ marcados. mas n˜o ambos simultaneamente. e 6. os pontos de entrada/sa´ n˜o afetam a regi˜o de reprodu¸˜o. a ´rea selecionada ´ afetada pelas opera¸˜es de edi¸˜o e os ıda a e co ca pontos de entrada/sa´ s˜o ignorados. vocˆ querer´ alinh´-los a amostras. Ao inv´s de usar a barra de bot˜es. Depois de selecionar um ponto de entrada. Mova o ponto de inser¸˜o a ca inser¸˜o em algum lugar.7 Os pontos de entrada/sa´ ıda Em ambos os modos de edi¸˜o. Em ambos os modos de recortar e colar quanto de arrastar e soltar. co ca ca a Veja Se¸˜o 7. ´ melhor usar ou o m´todo de deixar em destaque co ca a e e ou os pontos de entrada/sa´ ıda. Os modos de edi¸a˜ "Copiar e colar" e o ca c o "Arrastar e soltar" estavam unidos em um s´. sem se preocupar onde eles est˜o ou se eles est˜o marcados ou n˜o. pontos de entrada/sa´ ıda sobrescrevem a ´rea em destaque. o ponto de sa´ ser´ apagado. os pontos de in´ a ıcio e fim s˜o ou alinhados aos quadros ou a a amostras. v´ para a barra de tempo e posicione o ponto de a bot˜o de ponto de entrada. Depois de selecionar um ponto de sa´ a ıda. o ponto de inser¸˜o pular´ para ca a aquela localiza¸˜o. P´gina 57. a a ca o segundo clique o apagar´. Se uma ´rea em destaque e pontos de entrada/sa´ estiverem a a ıda marcados. ıda a Normalmente. Se nenhuma regi˜o estiver em destaque.1. se vocˆ pressionar o bot˜o de ponto de sa´ e a ıda. este truque n˜o funcionar´ se o ponto de entrada ou a a a de sa´ j´ estiverem marcados no ponto de inser¸˜o. a ´rea em destaque afeta a reprodu¸˜o enquanto os pontos de entrada/sa´ afetam a ca ıda opera¸˜es de edi¸˜o. vocˆ pode marcar pontos de entrada e sa´ ca e ıda. a . Pressione o ca para uma posi¸˜o depois do ponto de entrada e pressione o ca bot˜o do ponto de sa´ a ıda. se vocˆ pressionar o bot˜o de ca e a ponto de entrada. ıda Se vocˆ selecionar o ponto de entrada ou o ponto de sa´ e ıda. de recortar e colar e arrastar e soltar. Isso a e a a pode ser configurado em configura¸˜es->Alinhar cursor aos quadros. os pontos existentes ser˜o reposicionados quando vocˆ clicar nos bot˜es de entrada/sa´ a e o ıda. eles s˜o o unico meio de ıda a a ´ definir uma regi˜o afetada. ıda a Dica: Para se livrar rapidamente dos pontos de entrada/sa´ ıda. Clicar deixando o SHIFT pressionado em um ponto de entrada/sa´ destaca a regi˜o entre ıda a o ponto de inser¸˜o e aquele ponto de entrada/sa´ ca ıda. O a a a e o primeiro clique posicionar´ um novo ponto ou reposicionar´ um existente no ponto de inser¸˜o. simplesmente dˆ um duplo-clique nos bot˜es [ e ]. ıda a ca Se vocˆ selecionar uma regi˜o em algum outro lugar quando pontos de entrada/sa´ j´ exise a ıda a tirem. Observa¸˜o: As revis˜es do Cinelerra CV 943 e 944 (checkouts do SVN de 19 a 21 de outubro ca o de 2006) n˜o possu´ a ıam bot˜es de modos de edi¸˜o. Se uma ´rea em destaque e pontos de a entrada/sa´ estiverem marcados.9 [Edi¸˜o de recortar e colar]. No modo arrastar e soltar. vocˆ pode usar as teclas [ e ] para inserir/retirar pontos e o e de entrada/sa´ ıda. Nos dois modos. vocˆ provavelmente vai querer que este aline hamento seja feito aos quadros. a ´rea a a em destaque sobrescreve os pontos de entrada/sa´ ıda. Apenas se ıda a a ca vocˆ manter a tecla CTRL pressionada enquanto envia um comando de reprodu¸˜o ´ que os e ca e pontos de entrada/sa´ determinam a regi˜o de reprodu¸˜o. ıda a ca Para marcar os pontos de entrada/sa´ ıda. Quando vocˆ estiver editando v´ e ıdeo. Obviamente. Para evitar confus˜o. Os pontos de entrada/sa´ definem a regi˜o afetada. os pontos de ıda a a entrada/sa´ s˜o usados.Cap´ ıtulo 6: Janela de Programa 45 Quando se destaca uma regi˜o. Quando editar ´udio. o ponto de entrada ser´ apagado.

se um final j´ tiver um a a a marcador. se uma ´rea selecionada de um recurso for dividida do Visor para a linha do a tempo em uma posi¸˜o antes dos marcadores. De forma similar. e CTRL-ESQUERDA reposiciona o ponto de inser¸˜o no marcador anterior. Quando pode haver uma navega¸˜o entre eles com os bot˜es de ca o um marcador estiver fora de vis˜o. ao habilitar "Editar marcadores" no menu de ca configura¸˜es. estes marcadores ser˜o empurrados para a direita ca a na linha do tempo conforme a dura¸˜o da ´rea selecionada. e Se vocˆ pressionar o bot˜o de marcador quando uma regi˜o estiver em evidˆncia.46 Cap´ ıtulo 6: Janela de Programa O ponto de inser¸˜o e os pontos de entrada/sa´ permitem que vocˆ defina uma regi˜o afeca ıda e a tada mas eles n˜o permitem que vocˆ salte para pontos exatos na linha do tempo t˜o facilmente. ou ao desabilitar o bot˜o co a "Lock labels from moving" na barra de ferramentas do programa. ent˜o o marcador existente ser´ apagado. os marcadores entre os pontos de entrada/sa´ ser˜o limpos e a regi˜o ıda ıda a a destacada ignorada. a Barra do tempo com um marcador nela Independentemente de quais forem as configura¸˜es de aproxima¸˜o. Apenas no modo de edi¸˜o Recortar e Colar. um novo marcador aparece na linha do tempo. Se pontos de a ca entrada/sa´ existirem. a e a Para essa fun¸˜o. Se uma regi˜o j´ estiver em destaque. copiados ou colados ao londo da ´rea selecionada a a da primeira trilha armada. Marcadores podem reposicionar o ponto de inser¸˜o quando forem selecionados. a a Pressionar o bot˜o de marcador novamente quando um marcador estiver selecionado o apaga.. ca o Com a movimenta¸˜o entre marcadores.->Limpar marcadores. Entretanto. isso estender´ a regi˜o em evidˆncia ca a a a a e para at´ aquele marcador. os marcadores ser˜o recortados. e primeiro selecione a regi˜o e depois use a fun¸˜o Editar. ca a . a ca SHIFT-CTRL-DIREITA destaca a regi˜o entre o ponto de inser¸˜o e o pr´ximo marcador.8 Usando marcadores na janela de programa Marcadores s˜o um jeito f´cil de marcar localiza¸˜es exatas na linha do tempo para onde vocˆ a a co e quer chegar. clicar no marcador o co ca coloca em evidˆncia e posiciona o ponto de inser¸˜o exatamente onde vocˆ havia colocado o e ca e marcador. os bot˜es de movimenta¸˜o entre marcadores reposicionam a a o ca linha do tempo de modo que o marcador fique vis´ ıvel. use os marcadores. Quando vocˆ posiciona um ponto de inser¸˜o em algum lugar e pressiona o e ca bot˜o de marcador. mas vocˆ tamb´m pode selecionar regi˜es. ca 6. e e o SHIFT-CTRL-ESQUERDA destaca a regi˜o entre o ponto de inser¸˜o e o marcador anterior. os mare a a e cadores ser˜o criados ao final de cada regi˜o em destaque. a Pressionar o bot˜o de marcador manualmente ou a tecla L de novo e de novo para apagar a uma s´rie de marcadores pode ser bastante tedioso. H´ atalhos de teclado para movimenta¸˜o a ca entre marcadores tamb´m. ca CTRL-DIREITA reposiciona o ponto de inser¸˜o no pr´ximo marcador. Clicar com o SHIFT em um marcador coloca em evidˆncia a regi˜o entre aquele marcador e e a o ponto de inser¸˜o. a ca o Um duplo-clique na barra de tempo entre dois marcadores evidencia a regi˜o entre os mara cadores. Apertar o bot˜o de marcador novamente quando um marcador estiver selecionado a remove-o. mas tamb´m ca e marcador traversal.1. vocˆ pode rapidamente buscar pontos anteriores e ca e posteriores na linha do tempo.. Para apagar um conjunto de marcadores.

os marcadores sempre ficar˜o presos ` barra de tempo.Cap´ ıtulo 6: Janela de Programa 47 Para manter presos os marcadores em suas posi¸˜es na barra de tempo. ca a a mesmo com a op¸˜o "Editar marcadores" habilitada. "Editar marcadores" ou habilite o bot˜o a No modo de edi¸˜o Arrastar e soltar. desabilite a op¸˜o co ca "Impedir marcadores de se mover". ca .

48 Cap´ ıtulo 6: Janela de Programa .

a a e A linha do tempo ´ onde todas as decis˜es de edi¸˜o s˜o representadas. Uma vez que a linha do tempo consiste em um conjunto de trilhas. co a co Atributos de trilha Se o bot˜o que habilita a fun¸˜o estiver colorido. decis˜es de edi¸˜o nunca afetam o material fonte.Cap´ ıtulo 7: Editando 49 7 Editando Editar envolve tanto o dom´ ınio das trilhas quanto do tempo. Veja Se¸˜o 5. O a a patchbay habilita fun¸˜es espec´ co ıficas para cada trilha. Todas as trilhas tˆm uma ´rea de texto para nomear a trilha. a ´rea em destaque ser´ usada. suas decis˜es de edi¸˜o. Clique na seta para expandir ou encolher o patchbay e a trilha. caso existam. Ela pode ser rolada para cima e para baixo. e a para ver mais op¸˜es no patchbay e para ver os co Todas as trilhas possuem um expandidor efeitos representados na trilha. e e a Finalmente. No dom´ ınio de tempo. Caso n˜o exista uma a a a a a ´rea destacada.4 [Salvando arquivos de projeto]. ou para a esquerda e direita. a fun¸˜o estar´ habilitada. Todas as trilhas possuem a seguinte lista de habilita¸˜es para v´rias fun¸˜es. Caso esteja apontando para baixo. Efeitos existentes aparecem abaixo da m´ a ıdia daquela trilha. com a rodinha do mouse e a tecla CTRL. a 7. o Cinelerra oferece muitas abordagens para o processo de edi¸˜o. edi¸˜o de arrastar e soltar e edi¸˜o de e e a ca ca ca recortar e colar. Caso esteja apontando para o lado. esquerda e direita com as barras de rolagem ` direita e abaixo dela. ele est´ desabilitado. P´gina 39. Se ele estiver a ca ca a com a mesma cor do fundo da maioria das janelas. vocˆ precisa se preocupar em como criar e ordenar trilhas e al´m de quando certas m´ e ıdias aparecem em uma trilha. a trilha est´ encolhida. Editar afeta apenas apontadores para o material ıdia ca fonte. Veja Cap´ o ca e ca a P´gina 139. H´ v´rios conceitos que o Cinelerra usa quando edita que se aplicam a todos os m´todos. Clique no bot˜o para a a . Alguns comandos ca a ıcio a tratam todo o espa¸o ` direita do ponto de inser¸˜o como ativo enquanto outros tratam a c a ca abrangˆncia ativa como 0 se nenhum ponto de t´rmino para a regi˜o ativa for definido. o ponto de inser¸˜o ser´ usado como o in´ da regi˜o ativa. Ela tamb´m pode ser rolada para cima a e e para baixo com a rodinha do mouse. a a trilha est´ expandida. Isso chama-se edi¸˜o n˜oo ca ca a destrutiva e tornou-se popular com o ´udio porque era muito mais r´pida do que se vocˆ tivesse a a e que copiar toda a m´ afetada por uma edi¸˜o. A regi˜o ativa ´ a abrangˆncia de tempo que ser´ afetada pelos comandos de edi¸˜o na linha a e e a ca do tempo. Os ca trˆs m´todos principais s˜o edi¸˜o com dois monitores. vocˆ precisa fazer um render. ent˜o se vocˆ quiser ter um arquivo de m´ ao final de sua sess˜o de edi¸˜o que represente a e ıdia a ca ıtulo 20 [Renderizando arquivos]. Ela ´ um conjunto e o ca a e de trilhas no meio da janela principal. Caso eles n˜o existam. A regi˜o ativa ´ determinada primeiro pela presen¸a de pontos de entrada/sa´ na a e c ıda linha do tempo.1 O patchbay ` A esquerda de linha do tempo est´ uma regi˜o afetuosamente conhecida como o patchbay.

Apenas ajuste-o para ’habilitado’ se vocˆ quer ver e a pr´-visualiza¸˜o para qualquer tipo de formato.estar relacionado a outros faders . • Desenhar m´ ıdia Determina se haver´ pr´-visualiza¸˜o de ´ a e ca ıcones e ondas sonoras na trilha. Se uma trilha for parte de uma trilha com efeito compartilhado. e ca • Mutar trilha Faz com que a sa´ seja descartada quando a trilha estiver completamente renderizada. Mutar trilha ´ usado e . as trilhas armadas em combina¸˜o com a regi˜o e co ca ca a ativa determinam onde o material ser´ inserido quando arquivos forem carregados. Assegure-se de ter trilhas de destino armadas o suficiente quando for co ca colar ou dividir material ou algumas trilhas do projeto ficar˜o de fora. V´rias opera¸˜es de mouse aceleram a configura¸˜o de v´rias ca a co ca a trilhas ao mesmo tempo. se vocˆ mutar todas as trilhas de v´ e ıdeo. mesmo ıda a ıda sendo roteada de volta para outra trilha (a trilha compartilhada). Isso depender´ de se o formato de arquivo leva muito tempo a para ser desenhado na linha do tempo. Se estiver desligado. Clique at´ que todas as e outras trilhas que n˜o a selecionada estejam desabilitadas. a Al´m de restringir opera¸˜es de edi¸˜o. Mantenha o SHIFT pressionado enquanto clica em um atributo de uma trilha para habilit´-lo a na trilha atual e desabilit´-lo em todas as outras trilhas. Apenas as trilhas armadas s˜o afetadas por a a a opera¸˜es de edi¸˜o. Agrupar tamb´m faz com que os parˆmetros de Deslocar e a sejam sincronizados por todas as trilhas agrupadas. Atributos que afetam a sa´ da trilha: ıda • Reproduzir trilha Determina se a trilha ser´ renderizada ou n˜o. a Pressione TAB enquanto o cursor estiver em qualquer lugar por sobre uma trilha para armar ou desarmar aquela trilha. Por ca a exemplo. Arraste ent˜o o cursor por sobre a a a trilha adjacente para habilitar o atributo na trilha adjacente. Por padr˜o.se a fun¸˜o armar o a ca trilha tamb´m estiver ligada. a m´ ıdia renderizada ter´ apenas trilhas de ´udio. P´gina 85. Veja Se¸˜o 14. Isso n˜o afeta a edi¸˜o feita com controles de a ca menu. ıda Isso acontece independentemente de se a fun¸˜o reproduzir trilha estiver ou n˜o ligada. que ca ca neste caso em particular afeta a sa´ de m´ ıda ıdia mas n˜o os fades ou efeitos. a • Armar trilha Determina se a trilha est´ armada ou n˜o. alguns a formatos de arquivos s˜o carregados com esta fun¸˜o desligada enquanto outros formatos a ca carregam com ela habilitada. independentemente do status de reprodu¸˜o da trilha amarrada. a sa´ da trilha com o efeito compartilhado de trilha ser´ sobreposta na sa´ final. Clique em um atributo e arraste o cursor por trilhas adjacentes para copiar o mesmo atributo para essas trilhas. as trilhas armadas ser˜o usadas como destino. se vocˆ deslig´-lo em todas as trilhas de v´ e a ıdeo. Isso normalmente ´ usado para ajustar os n´ e e ıveis de ´udio de a todas as trilhas simultaneamente. Um fader s´ ser´ agrupado . a trilha n˜o ser´ rena a a a derizada. Pressione SHIFT-TAB enquanto o cursor estiver por sobre uma trilha para mudar o status de arma¸˜o de todas as outras trilhas.50 Cap´ ıtulo 7: Editando habilitar ou desabilitar a fun¸˜o. Entretanto.1 a [Tipos de efeitos tempo-real]. as outras trilhas executar˜o todos os efeitos a nesta trilha amarrada. a Mantenha o SHIFT pressionado enquanto clica em um atributo. Por exemplo. se a trilha estiver amarrada ("chained") a outras a a trilhas por meio de um efeito compartilhado. a m´ ıdia renderizada possuir´ uma trilha a de v´ ıdeo em branco. Se os a arquivos forem carregados com uma das estrat´gias de inser¸˜o que n˜o apagam o projeto e ca a atual. ca • Fader grupal Faz o fader rastrear o movimento de quaisquer outros faders que vocˆ estiver ajustando e arrastando ou o fader ou a curva na trilha.

Eles representam n´ a a ıveis relativos. Veja Se¸˜o 6. -80 o valor m´ a e e ınimo configurado por padr˜o. ca os outros faders devem segui-lo. e ca Apenas informe a quantidade de tempo para ser deslocada para deslocar imediatamente a trilha. N´meros positivos fazem u u . A trilha n˜o ´ disposta deslocada na linha do tempo.5 [Modos de sobreposi¸˜o].1. -40 ´ silˆncio. Veja Se¸˜o 8. a • Fader Todas as trilhas possuem um fader. mas a curva dos parˆmetros a n˜o passar´ de -40. Para a sua conveniˆncia. a porcetagem da camada que for mixada na fila ("pipeline") de renca ca ca deriza¸˜o nos outros modos de sobreposi¸˜o.1 [Tipos de efeitos tempo-real]. mas ´ ca a e e deslocada quando ´ reproduzida. vocˆ pode configurar uma abrangˆncia de a a e e e ca ca fader diferente com a aproxima¸˜o de curva. criar um falso est´reo ou compensar um efeito que modifica o tempo.2 Empurrando trilhas Cada trilha possui uma caixa de texto de deslocamento ("nudge") em seu patchbay. Isso ´ util para sincronizar ´udio com v´ e e ´ a ıdeo. tudo sem modificar os blocos de edi¸˜o. Vocˆ deve e ter que expandir a trilha para vˆ-la. P´gina 85. Veja Se¸˜o 14.3 [O painel de aproxima¸˜o]. N´meros negativos fazem a trilha ser reproduzida com atraso. 7. ca P´gina 42. Se ele ıda estiver agrupado a outras trilhas do mesmo tipo de m´ ıdia com a fun¸˜o armar habilitada.2. Vocˆ a e pode mover os faders e os quadros-chave para abaixo de -80. O prop´sito principal dos faders de ´udio ´ o de esvanecer o com ou abaixar a o a e seu volume suavemente at´ o silˆncio. onde o efeito de compartilhamento de trilha n˜o a ca a est´ presente. Os valores de fade de v´ ıdeo s˜o a porcentagem da opacidade da imagem no modo de soa breposi¸˜o normal. ca ca P´gina 70. Mantenha o SHIFT pressionado e arraste um fader para centraliz´-lo em seu valor original (0 para ´udio. onde o 0 ´ o n´ de e ıvel som original n˜o alterado. Essas s˜o as imagens do patchbays quando expandido. ou fazˆ-lo aparecer suavemente ao inv´s de abruptae e e e mente. Valores de fade de ´udio est˜o em dB. e a Fazendo panorˆmica e deslocamento para uma trilha de ´udio a a Modo de sobreposi¸˜o e deslocamento para uma trilha de v´ ca ıdeo O valor do deslocamento ("nudge") ´ o quanto a trilha ´ empurrada para a esquerda ou e e direita durante a reprodu¸˜o.Cap´ ıtulo 7: Editando 51 para evitar que a trilha com o efeito compartilhado de trilha se sobreponha ` sa´ da a ıda trilha de origem (a trilha compartilhada). 100 para v´ a a ıdeo). a Clique e arraste o fader para reduzir ou aumentar a sa´ (de imagem ou de som). mas as unidades de cada fader dependem de se ele ´ e relacionado a um ´udio ou a um v´ a ıdeo.

3 Fazendo um pan nas trilhas de ´udio a Trilhas de ´udio possuem uma caixa de pan em seu patchbay. Elas s˜o: a a ´ • Audio->Mapear 1:1 Mapeia cada trilha para seu pr´prio canal e espera ("wraps around") at´ que todos os o e ´ ´ canais sejam alocados. a e ca a a Veja Se¸˜o 4.1 para est´reo.4 Pan autom´tico de trilhas de ´udio a a V´rias fun¸˜es de conveniˆncia s˜o dadas para configurar automaticamente o pan para v´rios a co e a a ´ padr˜es comuns. O projeto deve ter 2 canais quando esta fun¸˜o for usada.52 Cap´ ıtulo 7: Editando com que seja reproduzida com antecedˆncia. Use a rodinha do mouse por sobre a caixa de texto de deslocamento para aumentar ou diminuir o n´mero ali. Selecione as unidades clicando com o bot˜o direito do mouse na caixa de texto de deslocamento e selecione a partir a do menu. E util principalmente para fazer 2 trilhas com 2 canais mapearem para est´reo e para fazer 6 trilhas com 6 canais mapearem para uma placa de ´udio de 6 e a canais.3 [Atributos de ´udio]. Estas fun¸˜es afetam apenas as trilhas o a co de ´udio armadas. 7. ca V´ para Configura¸˜es->formato para configurar a sa´ dos canais para 2. u 7. A caixa de pan usa um algoritmo especial para tentar permitir ca que o ´udio seja focado atrav´s de um falante ou dividido entre os falantes mais pr´ximos quando a e o mais de 2 falantes estiverem sendo usados. 7. e e Fazendo panorˆmica e deslocamento para uma trilha de ´udio a a Posicione o apontador na caixa de pan e clique/arraste-o para reposicionar a sa´ de ´udio ıda a conforme o arranjo dos falantes. a maioria dos transcodificadores de ´udio requerem e a que as trilhas de ´udio sejam mapeadas para n´meros padr˜o de falantes ou elas n˜o funcionar˜o. e a existem mapeamentos padr˜o que vocˆ pode usar para ter certeza de que a m´ a e ıdia possa ser reproduzida em outros lugares. P´gina 29. A altura de cada falante ´ impressa em seu ´ e ıcone respectivo durante a opera¸˜o de arraste.5 Mapeamentos padr˜o de ´udio a a Embora o Cinelerra permita que vocˆ mapeie qualquer trilha de ´udio para qualquer falante. Isso ´ util a co ıda e ´ principalmente para fazer um down-mix de ´udio 5. a u a a a . As unidades de deslocamento ("nudge") s˜o tanto e a segundos ou as unidades nativas para a trilha (quadros ou amostragem).1:2 Mapeia 6 trilhas para 2 canais. Al´m disso. Vocˆ pode ter que expandir a a e trilha para vˆ-la. A caixa de pan ´ mostrada aqui. ´ • Audio->Mapear 5. Elas est˜o listadas no menu de Audio. Configura¸˜es de deslocamento s˜o agrupadas com a fun¸˜o Agrupar faders e a fun¸˜o Armar co a ca ca trilha.

P´gina 43. os canais ca co ca a a s˜o numerados para corresponder `s trilhas de sa´ para onde s˜o renderizados. • Apagar trilhas apaga as trilhas armadas. a nova trilha ´ colocada ao topo da linha do tempo. se ´ que codificar˜o alguma coisa. carregue alguns v´ ıdeos com o modo de inser¸˜o criar novos recursos. a a ´ Finalmente. Veja Se¸˜o 6. • Apagar ultima trilha apaga a ultima trilha. direita-frente. N˜o h´ designa¸˜es especiais para trilhas a a co al´m do tipo de m´ que contˆm. Se as trilhas certas a a ue n˜o forem mapeadas para os falantes certos. P´gina 29. Novas trilhas de v´ ca ıdeo s˜o sobrepostas ao topo das a trilhas antigas. os blocos de edi¸˜o das duas trilhas ser˜o colados ap´s os e ca a o blocos de edi¸˜o das trilhas armadas e os blocos de edi¸˜o da terceira trilha ser˜o colados ca ca a ap´s o fim da primeira trilha armada. Desta forma. Trilhas desarmadas que n˜o estejam reproduz´ a ıveis n˜o s˜o concatenadas.1. Esta opera¸˜o copia todos os blocos de edi¸˜o de todas e ca ca as trilhas desarmadas mas reproduz´ ıveis e as concatena colando aqueles blocos de edi¸˜o ao ca final do primeiro conjunto de trilhas armadas. a a ıda a e a fonte do canal 1 requere ser a trilha da esquerda e a fonte do canal 2 precisa ser a trilha da direita. a a Opera¸˜es no menu de Trilhas afetam apenas as trilhas que estiverem armadas: co • Mover trilhas para cima e Mover trilhas para baixo mudam todas as trilhas armadas para cima ou para baixo no conjunto. caso esteja armada ou n˜o. esquerdafrente. ue a ue 7. as fontes dos 6 canais precisam estar na ordem centro. No caso de ´udio. a nova trilha ´ a e colocada ao final da linha do tempo e o canal de sa´ da trilha de ´udio ´ aumentado por um. Vocˆ ca e vai querer que a linha do tempo permane¸a sem modifica¸˜es quando os novos recursos forem c co . ıda a e No caso de v´ ıdeo. • Concatenar trilha ´ mais complexo. O jeito de come¸ar uma sess˜o de edi¸˜o em duas janelas ´ carregar alguns recursos. esquerda-tr´s. direita-tr´s.4 [O menu relacionado `s trilhas]. A trilha de destino entra em espera at´ que todas as o e trilhas desarmadas sejam concatenadas. A trilha para efeitos de baixa a ca e a freq¨ˆncia especificamente n˜o pode armazenar freq¨ˆncias altas na maioria dos casos. A id´ia e consiste em ver um arquivo de v´ ıdeo em uma janela e ver o programa em outra janela. Eles s˜o colados um ap´s o outro.3 [Atributos de ´udio].1. Caso haja trˆs o ca e trilhas desarmadas ao inv´s disso.7 Edi¸˜o em duas janelas ca Este ´ o jeito mais r´pido de construir um programa a partir de arquivos de v´ e a ıdeo. 7. O menu de Trilhas cont´m um n´mero de op¸˜es para lidar com m´ltiplas trilhas e u co u ca simultaneamente. mantendo a o a mesma ordem que possuem na pilha. Quando vocˆ cria um projeto. ele cont´m trˆs trilhas padr˜o: e ıdia e e e e a uma trilha de v´ ıdeo e duas trilhas de ´udio. efeitos de baixa freq¨ˆncia. Pressionar a tecla ´ ´ a D rapidamente apaga todas as trilhas. Caso haja duas trilhas armadas seguidas de duas trilhas desarmadas.6 Manipulando trilhas As trilhas no Cinelerra contˆm ou ´udio ou v´ e a ıdeo.Cap´ ıtulo 7: Editando 53 Na op¸˜o Posi¸˜es dos canais de Veja Se¸˜o 4. vocˆ vai querer criar novas trilhas. Os menus de Audio e V´ e ıdeo contˆm uma e op¸˜o cada para adicionar uma trilha daquele tipo espec´ ca ıfico. Para est´reo. o v´ e ıdeo possui uma ordem natural de composi¸˜o. Para som surround 5. Cada trilha possui um menu que afeta apenas ela mesma. a maioria dos transcodificadores de ´udio n˜o a a a codificar˜o a informa¸˜o certa. a opera¸˜o de concatena¸˜o copia os blocos de edi¸˜o das duas trilhas ca ca ca desarmadas e os cola ap´s os blocos de edi¸˜o das duas trilhas armadas. Em c a ca e arquivo->carregar. Subse¸˜es co do arquivo de v´ ıdeo s˜o definidas em uma janela e transferidas para o final do programa na outra a janela. Vocˆ ainda pode adicionar ou apagar trilhas a partir a e dos menus.

o Se h´ edi¸˜es ap´s o local escolhido para a separa¸˜o na linha do tempo. Se h´ tanto pontos de entrada como de sa´ marcados na linha do tempo. Se a regi˜o de destino for menor que o recorte definido no Visor. Isso ´ t˜o sutil que e a vale a pena uma descri¸˜o detalhada. ele ser´ sobrescrito ıda a ali. e e Os dois pontos devem agora aparecer na barra de tempo e definir um recorte. e . ap´s o ponto de inser¸˜o. as teclas do teclado num´rico a a a ca e controlam o transporte e as teclas [ ] v executam pontos de entrada/sa´ e divis˜o. o ca Ap´s o Separar fazer efeito. o recorte ser´ inserido ıda a ap´s o ponto de entrada ou ap´s o ponto de sa´ o o ıda. a ca a • Criar um recorte Gera um novo recorte para a janela de recursos contendo a regi˜o afetada mas n˜o a a modifica a linha do tempo. devem aparecer. Na linha do tempo os blocos de edi¸˜o a a a ca seguintes n˜o ser˜o movidos. Na linha do tempo. ca DICA: Para sobrescrever exatamente em uma regi˜o precisa da linha do tempo: a . a bot˜o do ponto de sa´ a ıda. Os novos recursos. eles ser˜o ema co o ca a purrados para a direita. a por¸˜o do recorte que a ca for maior que a regi˜o de destino n˜o ser´ copiada. a regi˜o de destino a a se encolher´. de outra forma. ca Deve haver trilhas armadas o suficiente na linha do tempo para colocar as subse¸˜es do co material-fonte que vocˆ quiser. • Sobrescrever Sobrescreve a regi˜o da linha do tempo com o recorte. mostrando qual e a tecla est´ relacionada `quele bot˜o. Quando ca e vocˆ move o apontador sobre qualquer bot˜o.Deixe armadas apenas as trilhas a serem modificadas. ele ser´ sobrescrito ap´s o ponto de inser¸˜o. a . • Busque o ponto de t´rmino do recorte que vocˆ quer usar. ambos opcionais. uma caixa de dica deve aparecer. Desta forma. a a Aviso: Se a regi˜o de destino for maior que o recorte definido no Visor. ca • Copiar se comporta da mesma forma que a edi¸˜o atrav´s de recortar e colar. os blocos de edi¸˜o seguintes se mover˜o para a esquerda. e a Na janela de Visualiza¸˜o. pronto para o ca ca ser usado como o pr´ximo local de separa¸˜o. V´ para a Janela de Recursos e selecione a pasta m´ a ıdia. vocˆ pode construir o programa o ca e continuamente por meio de divis˜es. . a o ca Se uma regi˜o houver sido destacada ou tanto pontos de entrada quanto de sa´ existam.54 Cap´ ıtulo 7: Editando carregados. Arraste um recurso para a janela de Visualiza¸˜o.Defina o destino da regi˜o na linha do tempo com [ e ]. a ıda eles limitam a regi˜o da sobrescri¸˜o e o recorte pode ser diminu´ a ca ıdo. rec´me carregados. ıda a . Caso n˜o haja.Sobrescreva a partir do Visor para a linha do tempo.Defina o recorte que vocˆ quer usar no visor com [ e ]. Na janela de Visualiza¸˜o. a Se um ponto de entrada ou ponto de sa´ existir na linha do tempo. defina um recorte de seu arquivo de v´ ca ıdeo: • Marque o ponto de in´ com o ıcio • Marque o ponto de t´rmino com o e bot˜o do ponto de entrada. H´ v´rias coisas que vocˆ pode fazer com o recorte agora: a a e • Separar Insere o recorte na linha do tempo. Cada recorte possui um t´ ıtulo e uma descri¸˜o. o Se um ponto de entrada ou ponto de sa´ existe na linha do tempo. crie novas trilhas ou arme mais trilhas. ca e A edi¸˜o em duas janelas pode ser feita inteiramente atrav´s de atalhos de teclado. o recorte ´ a ıda e inserido ap´s o ponto de entrada. o ponto de inser¸˜o se move para o fim da edi¸˜o.

Isso afeta que trilhas vocˆ deve criar inicialmente e co e para qual trilha vocˆ arrastar´ a m´ e a ıdia. quando vocˆ mover o contorno branco por sobre ca e um bloco. Abra a pasta M´ ıdia na janela de recursos. 3.8 Edi¸˜o de arrastar e soltar ca Edi¸˜o de arrastar e soltar ´ uma forma simples e r´pida de trabalhar com o Cinelerra. Se a m´ ıdia possui v´ ıdeo. arraste-a para uma trilha de ´udio. s´ arraste-os e solte-os na linha do tempo. Marque o modo de inser¸˜o para Criar novos recursos. co o 1. Se vocˆ soltar a m´ e ıdia ali. uma vez sobre a linha do tempo. marcar efeitos. o novo bloco ser´ iniciado a partir da borda indicada ao centro da a gravata-borboleta ><. Certifique-se que as trilhas necess´rias estejam armadas e arraste o arquivo de m´ a ıdia da janela de recursos para a linha do tempo. Se ap´s assisti-lo vocˆ decidir re-arranjar seus recortes. A id´ia b´sica ´ criar um punhado de recortes e ent˜o arrast´-los na ordem e a e a a para a linha do tempo. usando ca e a apenas o mouse. 2. Isso carregar´ os arquivos na Janela ca a de Recursos. vocˆ precisar´ de a e a uma trilha de ´udio na linha do tempo para cada trilha de ´udio na m´ a a ıdia e a m´ ıdia deve ser arrastada para a primeira trilha de ´udio. Se a m´ ıdia possui uma trilha de v´ ıdeo e duas trilhas de a ´udio. construindo um prot´tipo de filme que vocˆ possa assistir na janela de o e composi¸˜o. a Quando vocˆ arrasta sua m´ e ıdia escolhida da pasta de m´ ıdias para a linha do tempo. a ca e a a Arraste a m´ ıdia para a posi¸˜o desejada de uma trilha da linha do tempo e solte-a. . o a contorno de um retˆngulo branco do tamanho do bloco de edi¸˜o que vocˆ ter´ aparecer´. adicionar ca o e transi¸˜es ou inserir/apagar material. Caso ca haja outros blocos de edi¸˜o naquela trilha. Crie algumas trilhas de ´udio e v´ a ıdeo na linha do tempo usando os menus de ´udio e v´ a ıdeo.Cap´ ıtulo 7: Editando 55 7. 4. 5. a a O Cinelerra preenche as trilhas de ´udio e v´ a ıdeo abaixo do cursor que estiver arrastando as m´ ıdias com informa¸˜es sobre o arquivo. vocˆ precisar´ de uma trilha de v´ e a ıdeo e duas de ´udio na linha do tempo e a m´ a ıdia deve ser arrastada para a primeira trilha de v´ ıdeo. Se a m´ ıdia possui apenas ´udio. arraste-a para uma trilha de v´ ıdeo. Se a m´ ıdia for apenas ´udio. o apontador de seu mouse arrastar´ uma imagem miniatura e. Carregue alguns arquivos usando arquivo->carregar. vocˆ ver´ um s´ e a ımbolo de gravata-borboleta >< aparecendo nas bordas do bloco.

clique com o bot˜o direito do mouse dentro a da lista de m´ ıdia. Mova o cursor para um bloco de edi¸˜o e arraste-o. Vocˆ tamb´m pode arrastar v´rios arquivos da janela de recursos. ´ bem dif´ inseri-lo de modo preciso. Para habilitar a fun¸˜o de arraste na linha a ca ca do tempo. Quando vocˆ soltar os arquivos na linha do tempo. o bloco de edi¸˜o se colar´ ` borda mais pr´xima. Selecione ou exibir ´ ıcones ou exibir texto para mudar o formato de listagem. a Trilha original com trˆs cenas. quando este retˆngulo a for maior que a parte vis´ da linha do tempo. a Quando vocˆ soltar a cena #3 e a cena #2 muda para a direita. Durante a opera¸˜o de arraste. se vocˆ criar recortes e abrir a pasta recortes vocˆ pode e e arrastar recortes para a linha do tempo. use SHIFT. Para exibir os recursos como textos ou ´ ıcones. (Isso ıvel e ıcil provavelmente acontecer´ a m´ a ıdias grandes). . Diminuir a dura¸˜o vis´ ca ıvel da linha do tempo modificando a amostragem de aproxima¸˜o no painel de aproxima¸˜o reduzir´ o tamanho do ca ca a retˆngulo branco. clique e arraste-a para o meio. mas n˜o muito mais que isso. clicar + usar o bot˜o SHIFT ou clicar + usar o bot˜o CTRL seleciona os arquivos de m´ a a ıdia um por vez. ca ca aa o Selecione uma trilha com v´rias cenas. eles s˜o concatenados. Na linha do tempo h´ fun¸˜es extras de arraste. clicar + usar u co o bot˜o CTRL nos arquivos de m´ a ıdia no modo texto seleciona arquivos adicionais um por vez.56 Cap´ ıtulo 7: Editando Uma vez que o apontador do mouse estiver no meio do contorno branco. clicar + usar o bot˜o SHIFT nos arquivos de m´ a ıdia extende o n´mero de sele¸˜es em destaque. e V´ para a cena #3. Al´m de arrastar arquivos de m´ e ıdia. cenas de v´ e ca u ıdeos e gere demos do NAB melhores. Arrastar blocos de edi¸˜o pela linha do a co ca tempo permite que vocˆ ordene listas de reprodu¸˜o de m´sicas. fazendo com que uma inser¸˜o precisa seja poss´ a ca ıvel. O e a comportamento de SHIFT e CTRL muda dependendo de se os recursos est˜o sendo dispostos a como texto ou como ´ ıcones. ou use CTRL quando estiver selecionando os arquivos. selecione o ´ ıcone de flecha . Quando os recursos estiverem sendo exibidos como ´ ıcones na janela de recursos. Quando os recursos estiverem sendo exibidos como texto na janela de recursos. Ou desenhe uma caixa e e a em volta dos arquivos com o mouse.

7. esses ca marcadores ser˜o empurrados para a direita pela dura¸˜o da ´rea selecionada. ca Se pontos de entrada/sa´ estiverem definidos. Quando estiver editando ´udio. o ponto de inser¸˜o e a regi˜o em destaque ıda ca a ser˜o sobrescritas pelos pontos de entrada/sa´ para as opera¸˜es de prancheta ("clipboard"). se uma ´rea selecionada de um ca a recurso for dividida do Visor para a linha do tempo em uma posi¸˜o antes de marcadores.Cap´ ıtulo 7: Editando 57 Assim ´ como a seq¨ˆncia terminada fica. limpe a c os pontos de entrada/sa´ ıda.9 Edi¸˜o de recortar e colar ca Este ´ o m´todo tradicional de edi¸˜o nos editores de ´udio. O Cinelerra reconhece como um grupo e ca os blocos de trilhas diferentes armadas que possuem in´ ıcios alinhados. ´ comum recortar uma ´rea da onda sonora para uma mesma a e a a ´rea de outra onda sonora. a ıda co Assim. o Cinelerra arrastar´ todos os blocos de edi¸˜o que a ca come¸am na mesma posi¸˜o que o bloco onde o cursor est´ posicionado. recortar e colar e o para transportar m´ entre as duas c´pias. copiar a partir de trilhas o o diferentes na mesma c´pia ou carregar um arquivo de m´ o ıdia na janela de visualiza¸˜o e copi´-la ca a dali. a ca Os blocos de edi¸˜o seguintes se mover˜o. Mova o ponto de inser¸˜o para outro ponto da linha do tempo e selecione a ca o bot˜o a de colar. Um silˆncio aparecer´ no lugar de seu recorte original. a ca a Com pontos de entrada/sa´ ıda. Fa¸a um recorte. vocˆ precisa e e ca a e iniciar uma segunda c´pia do Cinelerra e copiar e uma c´pia a outra. vocˆ pode fazer opera¸˜es de Recortar e Colar no modo e co Arrastar e Soltar do mesmo modo que no modo Recortar e Colar. co ıcio Uma alternativa para simplificar isso ´ abrir uma segunda c´pia do Cinelerra. com pontos de entrada/sa´ vocˆ pode fazer recorte e cola no modo de arrastar e soltar ıda e tanto quanto no modo de recortar e colar. com a op¸˜o "Editar marcadores" habilitada. o c . mesmo com a op¸˜o "Editar marcadores" habilitada. o e recorte ser´ recortado e colado iniciando na borda de edi¸˜o indicada ao centro da gravata ><. Em outras palavras. Se vocˆ soltar um bloco quando n˜o h´ gravatasca a e a a borboleta >< sendo mostradas. Para fazer a edi¸˜o por recorte e cola. c ca a vocˆ pode arrastar e soltar um grupo de blocos de edi¸˜o. V´ para o Menu de Edi¸˜o a ca para ver a lista e os atalhos de teclado. e ue Se mais de uma trilha estiver armada. tendo finais alinhados ou n˜o. No caso do Cinelerra. sejam eles da mesma fonte ou n˜o. ca a e a No modo de edi¸˜o Arrastar e Soltar. a a Quando vocˆ arrasta e solta blocos de edi¸˜o dentro da linha do tempo: e ca Se vocˆ soltar um bloco quando as gravatas-borboletas >< estiverem sendo mostradas. selecione ca ıcone da barra. Outra op¸˜o ´ marcar pontos de entrada/sa´ para a regi˜o fonte da onda sonora fonte e ca e ıda a colocar marcadores para a regi˜o de destino da onda sonora de destino. selecione as regi˜es entre os marcadores e fa¸a a cola. Desta forma. Seria bem ca dif´ destacar uma onda sonora e recort´-la e destacar a segunda onda sonora e col´-la sem ıcil a a mudar as posi¸˜es relativas de in´ e final. Eles ca e a estar˜o sempre presos ` barra de tempo. o recorte original ser´ mutado e colado onde vocˆ o largou. Selecione a regi˜o da linha do tempo e selecione o a bot˜o de recorte para a o ´ cort´-lo. Carregue alguns arquivos na linha do tempo. duas regi˜es destacadas podem existir ıdia o o simultaneamente. a e Nenhum bloco de edi¸˜o se mover´. isso a ıda faz a opera¸˜o de recortar e colar. Assumindo que n˜o haja pontos de entrada/sa´ definidos na linha do tempo. vocˆ n˜o pode arrastar e soltar marcadores. a a ca Ainda assim. Os pontos de in´ e final do recorte s˜o idˆnticos em cada onda ıcio a e sonora e podem ser deslocados levemente caso a informa¸˜o de onda seja diferente.

a O efeito de cada opera¸˜o de arraste n˜o depende somente no comportamento do bot˜o. Por redimensionamento. . a fonte de referˆncia no recorte ´ modificada ıcio ca e e para frente. mas ca a a se o come¸o ou final do bloco de edi¸˜o ´ que est´ sendo arrastado. Se uma regi˜o ca ca e ca a ´ destacada ou pontos de entrada/sa´ existem. a regi˜o afetada pode ser limpa por editare ıda a >limpar. a extens˜o da opera¸˜o de redimensionaa a ca mento ´ limitada pela dura¸˜o do arquivo de origem. Quando vocˆ solta o bot˜o c ca e a e a do mouse. Veja Se¸˜o 3. Desarme as trilhas ca c˜ c a para prevenir que os recortes sejam afetados. Se o cursor for para expandir para a direita. a opera¸˜o ca de arrastar afeta o in´ ıcio do bloco de edi¸˜o. ca Em uma opera¸˜o Arrastar fonte somente. Se vocˆ mover o in´ ou o final do bloco de edi¸˜o para tr´s. ca e Na opera¸˜o Arrastar somente uma edi¸˜o. Se o cursor for para expandir para a esuqerda. o n´mero do e ca c a u bot˜o do mouse determina qual o comportamento de arraste ser´ usado.10 Redimensionando ("trimming") Com alguns bloco de edi¸˜o na linha do tempo. todos os recortes que come¸am na mesma co c posi¸˜o que o cursor quando a opera¸ao de arraste come¸ar ser˜o afetados. os blocos s˜o combinados em um bloco. Finalmente. Mas se o ponto de inser¸˜o estiver sobre uma borda de um bloco de edi¸˜o e os blocos ca ca a cada lado das bordas forem da mesma fonte. mas a a fonte muda. 3 comportamentos a a ca poss´ ıveis est˜o relacionados aos bot˜es do mouse nas preferˆncias de interface. No e ca a modo de arrastar e soltar ou no modo de recortar e colar. se vocˆ arrastar o final do recorte passando pelo come¸o do recorte.58 Cap´ ıtulo 7: Editando A opera¸˜o final na edi¸˜o por recorte e cola ´ a opera¸˜o editar->limpar. vocˆ encolhe ou estica as bordas do bloco de edi¸˜o ao arrast´-las. ca ca Quando vocˆ clica na orda de um bloco de edi¸˜o para come¸ar a arrast´-la. nada ´ recortado ou colado. O final do bloco cola informa¸˜o no recorte se vocˆ movˆ-lo para frente e e a ca e e ou corta informa¸˜o do final do recorte se vocˆ movˆ-lo para tr´s. P´gina 27. Para todos os formatos exceto imagens est´ticas. a ca oper¸˜o de arraste afeta o final do bloco de edi¸˜o. A maioria dos efeitos do Cinelerra podem ser entendidos simplesmente usando-os e mexendo em suas propriedades. Aqui est˜o algumas breves descri¸˜es de efeitos que vocˆ pode n˜o usar a co e a inteiramente simplesmente experimentando-os. Tentar arrastar o in´ e ca ıcio de um recorte para al´m do in´ do material fonte n˜o resultar´ em nada. o e c bloco de edi¸˜o ´ apagado. a fonte de referˆncia e ıcio ca a e muda para tr´s. Ao inv´s disso. A´nica diferen¸a ´ que nenhum dos outros blocos c ca u c e s˜o mudados. O cursor se tornar´ uma forma para expandir ca e a para a esquerda ou para a direita. o comportamento ´ o mesmo quando vocˆ arrasta ca ca e e o come¸o ou o final de um bloco de edi¸˜o. a opera¸˜o de redimensionamento acontece. mova o cursor para sobre a borda de um bloco de edi¸˜o at´ que ele mude de forma. ca Na opera¸˜o Arrastar todas as edi¸˜es seguintes. O in´ a ıcio deste bloco de edi¸˜o ´ o in´ do primeiro bloco e o final deste bloco ´ o final do segundo bloco. Todos os recortes a partir ca e e a dali mudam. o come¸o do bloco de edi¸˜o ou recorta ca co c ca informa¸˜o do bloco se vocˆ movˆ-lo para frente ou cola nova informa¸˜o de antes do recorte se ca e e ca vocˆ movˆ-lo para tr´s. Se vocˆ mover o ca e e in´ ou o final do bloco de edi¸˜o para a frente.7 a o e [Interface]. 7. O lugar onde o recorte aparece na linha do tempo permanece o mesmo. ´ poss´ ca e ıvel fazer o redimensionamento. e ıcio a a Em todas as opera¸˜es de redimensionamento. ca e ıcio e Isso resulta em um bloco se expandindo ou diminuindo. tudo adjacente ao bloco atual expande ou encolhe para preencher a e buracos deixados pela opera¸˜o de arraste.

a Pressionar as teclas + e . Navegar pela a sa´ de v´ ıda ıdeo desta forma n˜o afeta a sa´ renderizada. ca c a 8.2. Abaixo da sa´ de v´ ıda ıdeo h´ c´pias de v´rias das fun¸˜es dispon´ a o a co ıveis na janela principal.2 Lente de aumento aproxima e afasta a sa´ do compositor sem redimensionar a janela.3 Ferramenta de m´scaras a Esta ferramenta P´gina 65. clicar no v´ ıdeo com a lente de aumento desliga-o e cria barras de rolagem para navega¸˜o. h´ um a menu de aproxima¸˜o e uma ca luz em forma de losango. isso apenas muda o ponto de vista na a ıda janela de composi¸˜o. ca Caso o v´ ıdeo esteja desligado do tamanho da janela. a 8. A sa´ do ca ıda v´ ıdeo pode ser aproximada ou afastada e/ou vista de uma forma panorˆmica. Clicar com a tecla ctrl no v´ ıdeo aproxima. ca Clicar com o bot˜o esquerdo do mouse no v´ a ıdeo aproxima. E a interface para a maioria das opera¸˜es ıda co de composi¸˜o e opera¸˜es que afetem a aperˆncia da sa´ da linha do tempo. Se ıda Esta ferramenta a sa´ do v´ ıda ıdeo for atualmente ligada ao tamanho da janela. ca a A op¸˜o Esconder controles esconde tudo exceto o v´ ca ıdeo. co . Habilite a a traz a ferramenta de edi¸˜o de m´scaras Veja Se¸˜o 8. ` A esquerda da sa´ de v´ ıda ıdeo h´ uma barra de ferramentas espec´ a ıfica da janela de composi¸˜o.2 [M´scaras]. e´ ıda e Clicar com o bot˜o direito do mouse em qualquer lugar da sa´ de v´ a ıda ıdeo traz um meni com todos os n´ ıveis de aproxima¸˜o e algumas outras op¸˜es. Rodar a rodinha do mouse aproxima ou afasta. Isso ca ´ util para saber se a sa´ ´ atual. Neste caso em particular.aproxima e afasta a sa´ de v´ ıda ıdeo. Al´m e delas.1. com barras de rolagem para navega¸˜o. os n´ ca co ıveis de aproxima¸˜o redimensionam toda a janela e n˜o apenas o v´ ca a ıdeo. P´gina 60. 8. As op¸˜es Zerar cˆmera e Zerar projetor centralizam a cˆmera e o projetor Veja Se¸˜o 8. ca Aqui est˜o as fun¸˜es da janela de ferramentas: a co 8. ca a ca a janela de ferramentas para ver as op¸˜es para esta ferramenta.1.1 Proteger v´ ıdeo ´ Desabilita as mudan¸as para a sa´ do compositor a partir de cliques feitos nela.1.2 co a a ca [Composi¸˜o]. O menu de aproxima¸˜o n˜o afeta do tamanho da janela.Cap´ ıtulo 8: Janela de composi¸˜o ca 59 8 Janela de composi¸˜o ca ´ Esta janela exibe a sa´ da linha do tempo.1 Controles do compositor A sa´ do v´ ıda ıdeo possui v´rias fun¸˜es de navega¸˜o. ca a A luz em forma de losango fica vermelha quando estiver acontecendo uma renderiza¸˜o. O menu de aproxima¸˜o pula para todas as configura¸˜es poss´ ca co ıveis de aproxima¸˜o e. Opera¸˜es ca co e ıda co realizadas no Compositor afetam a linha do tempo mas n˜o afetam os recortes. trava o ajuste de visualiza¸˜o do v´ ca ca ıdeo ao tamanho da janela. O tamanho de sa´ do v´ a co ca ıda ıdeo est´ ou a ligado ao tamanho da janela ou desligado. E uma camada c ıda extra acima da arma¸˜o/desarme de trilhas para prevenir mudan¸as n˜o desejadas. clicar com o bot˜o do meio do mouse e a arrastar para qualquer lugar no v´ ıdeo faz uma panorˆmica pelo ponto de vista. por ca meio da op¸˜o Auto.

ca c a 8.60 Cap´ ıtulo 8: Janela de composi¸˜o ca 8. Habilitar a a a atualmente. co projetor]. a Controles com caixas de di´logos s˜o: a a • Editar m´scara a • Automa¸˜o de cˆmera ca a • Automa¸˜o de projetor ca • Controle de recorte 8. todas s˜o opera¸˜es de composi¸˜o no Cinelerra. O Cinelerra detecta quando est´ a co ca a em uma opera¸˜o de composi¸˜o e somente a´ faz a reprodu¸˜o pelo engine de composi¸˜o. O conta-gotas n˜o apenas permite que vocˆ veja ´reas recortadas como seu seu valor pode ser a e a aplicado a v´rios efeitos.1.2. Isso n˜o afeta a sa´ a ıda Esta ferramenta renderizada Veja Se¸˜o 8.4 [Margens de seguran¸a].1 [A cˆmera e o ca ca a janela de ferramentas para ver as op¸˜es para esta ferramenta.1.1 A cˆmera e o projetor a . ele usa o decodificador mais r´pido dispon´ no hardware.5 Projetor Esta ferramenta traz a ferramenta de edi¸˜o do projetor Veja Se¸˜o 8. e e a Mudar a resolu¸˜o de um programa. P´gina 60. P´gina 60.1. Uma vez que ca alguns arquivos de v´ ıdeo estejam na linha do tempo. Clique em qualquer lugar da saida de v´ ıdeo para selecionar a cor daquele ponto. Quando a e ca vocˆ remove as legendas ("letterbox") de um programa em widescreen.7 Conta-gotas Traz o conta-gotas.1 [A cˆmera e o ca a ca a janela de ferramentas para ver as op¸˜es para esta ferramenta. H´ co ca a ca a atalhos na Janela de Recursos para mudar alguns dos atributos de composi¸˜o. 8. Habilite a a 8.2 Composi¸˜o ca Grande quantidade do tamanho bin´rio do Cinelerra ´ dirigido para a composi¸˜o.4 Cˆmera a Esta ferramenta traz a ferramenta de edi¸˜o de cˆmera Veja Se¸˜o 8.1.3 [Recorte].1. ca 8. a janela de composi¸˜o ´ um bom lugar ca e para tentar fazer a composi¸˜o.1. A ca a janela de ferramentas deve estar habilitada para que esta ferramenta possa ser usada. fades de entrada ou sa´ ca a ıda. De ca ca ı ca ca outra forma.2. P´gina 69. fazer uma divis˜o de telas. a ıvel Opera¸˜es de composi¸˜o s˜o feitas na linha do tempo e na Janela de Composi¸˜o. O conta-gotas detecta qualquer cor que estiver abaixo dele e a armazena ferramenta de informa¸˜o exibe a cor selecionada ca em uma ´rea tempor´ria.6 Ferramenta de recorte Esta ferramenta traz a ferramenta de recorte Veja Se¸˜o 8.2. P´gina 70.2. Diferentes efeitos lidam com o conta-gotas de diferentes maneiras. a Baseado em qual controle do compositor estiver ativo.2. Habilite a a 8. a 8. vocˆ est´ compondo. entre outras coisas. co projetor].8 Informa¸˜es da ferramenta co Este bot˜o de ferramenta trabalha apenas em conjunto com outros controles no compositor. o bot˜o ativar´/desativar´ a caixa de a a a di´logo de controle apropriada.9 Ferramenta de ´reas de seguran¸a a c desenha as ´reas de seguran¸a na sa´ do v´ a c ıda ıdeo.

as fun¸˜es mais importantes s˜o o ca co a de projetor. por exemplo -. criando assim uma nova vers˜o a "modificada" do original. Ao a e redimensionar as trilhas. e a co Representa¸˜o visual da cadeia de composi¸˜o ca ca Quando se edita a cˆmera e o projetor na janela de composi¸˜o. O projetor a a determina para onde na sa´ o tempor´rio ser´ copiado. a primeira trilha com o a ca gravar habilitado ´ a trilha afetada. Eles controlam a opera¸˜o da cˆmera e do projetor. Uma vez que a a imagem tenha sido transformada pelos filtros . e a a por exemplo usando o Gimp.Cap´ ıtulo 8: Janela de composi¸˜o ca 61 8. o a e O processo ´ bem como se escane´ssemos um rolo de filme a um quadro por vez e alter´ssemos. panorˆmicas e aproxima¸˜es. a cˆmera determina de onde no v´ a ıdeo fonte o tempor´rio ser´ copiado. n´s ent˜o ca o a projetamos a imagem acabada de novo em um novo rolo de filme. Cada trilha possui um tempor´rio diferente que ´ definido pelo tamanho da trilha. ela e . vocˆ pode criar telas divididas. Mesmo se a trilha estiver completamente transparente.2.de corre¸˜o de cor. O tempor´rio ´ um quando de v´ ıda a a a e ıdeo na mem´ria do Cinelerra onde todo o processamento gr´fico ´ realizado.1 O tempor´rio a bot˜o de cˆmera e o a a bot˜o a Na janela de composi¸˜o.1. digitalmente a imagem escaneada com v´rios filtros. Dentro da linha de composi¸˜o ca a ca do Cinelerra.

2. Arrastar em qualquer lugar da janela de v´ ıdeo faz com que a caixa de guia se mova.2 Controles de composi¸˜o do projetor ca Quando o bot˜o do projetor est´ habilitado na janela de composi¸˜o. vocˆ e est´ pronta/o para dominar a cˆmera. Uma vez que vocˆ tenha posicionado o v´ e ıdeo com o projetor. Caso v´rias trilhas de v´ a a ıdeo existam. a a . Isso a isolar´. A inten¸˜o o e u a ıda ca do projetor ´ compor v´rias fontes de v´rias trilhas em uma trilha final de sa´ e a a ıda. O quadro de alinhamento do projetor ´ idˆntico ` visualiza¸˜o ("viewport") da cˆmera.1. a 8. arratar-com-o-SHIFT em qualquer lugar da janela de v´ ıdeo faz com que a caixa de guia encolha ou cres¸a junto com o v´ c ıdeo. vocˆ est´ no modo de a a ca e a edi¸˜o do projetor.62 Cap´ ıtulo 8: Janela de composi¸˜o ca ainda ser´ a afetada. a O prop´sito do projetor ´ colocar os conte´dos do tempor´rio na sa´ do projeto. Uma caixa de guia aparece na janela do v´ ca ıdeo. e e a ca a exceto que ele guia para onde na tela ("canvas") de sa´ ser˜o colocados os conte´dos de cada ıda a u tempor´rio. o jeito mais f´cil de selecionar uma a delas para ser editada ´ pressionar clicar + usar o bot˜o SHIFT no ´ e a ıcone de grava¸˜o daquela ca trilha. se tudo der certo junto com o v´ ıdeo.

Selecione o bot˜o de cˆmera para habilitar o modo de edi¸˜o de cˆmera. Neste modo. O viewport ´ representado como um quadro vermelho com barras diagonais em cruz.3 Controles de composi¸˜o de cˆmera ca a bot˜o de cˆmera para habilitar o modo de edi¸˜o de cˆmera. Para controlar o local da cˆmera: a 1. e O viewport Tamanhos de Viewport O tamanho do viewport ´ definido pelo tamanho da trilha atual.2. c Uma vez que temos nosso viewport definido. Arrastar a caixa da cˆmera a na janela de composi¸˜o n˜o move a caixa. Abra a janela do compositor com uma trilha selecionada. mas a ´rea de v´ a e a ıdeo que est´ abaixo da loca¸˜o a ca da cˆmera. a a .1. ainda precisamos colocar a cˆmera abrangendo a a ´rea do v´ a ıdeo de origem na qual estamos interessados. Um viewport mais largo (800x200) captura uma ´rea a a mais larga que o v´ ıdeo de origem e preenche os espa¸os vazios com brancos. Um viewport menor e (640x400) captura uma ´rea menor. Fa¸a o arraste por sobre a janela de reprodu¸˜o. como quando monitoramos uma cˆmera em movimento em um monitor. mas a localiza¸˜o do v´ ca a ca ıdeo dentro dela. n˜o ´ o viewport que se move. a a ca a 3.Cap´ ıtulo 8: Janela de composi¸˜o ca 63 8. O viewport ´ uma janela na cˆmera que enquadra a ´rea do v´ e a a ıdeo-fonte a ser escaneada. c ca Quando fazemos o arraste por sobre o viewport na janela de composi¸˜o (embora inicialmente ca anti-intuitivo). mas n˜o onde ela est´ com rela¸˜o ao v´ a a a ca ıdeo de origem. 2. a a a ca a Selecione o caixa de guia mostrar´ onde a posi¸˜o da cˆmera est´ em rela¸˜o `s posi¸˜es passadas e futuras a ca a a ca a co de cˆmera.

o v´ a ıdeo parece se mover para a esquerda e assim por diante. ca • Zerar a cˆmera faz com que a cˆmera volte ` posi¸˜o central. Uma opera¸˜o popular de justifica¸˜o ´ a ca e a a ca ca e proje¸˜o na parte superior esquerda ap´s a redu¸˜o da imagem. o que se move ´ o v´ e ıdeo abaixo dele Por exemplo.5 A janela de ferramentas de cˆmera e projetor a A cˆmera e o projetor n˜o tˆm opera¸˜es de atalho nem no menu nem representado nas soa a e co breposi¸˜es de v´ co ıdeo. mostrando seu caminho em dire¸˜o ` base do v´ ca a ıdeo. mas de nossa perspectiva na tela de composi¸˜o. a ca A janela de ferramentas de cˆmera e projetor a No caso da cˆmera e do projetor. h´ um menu de op¸˜es para a cˆmera e o projetor. 8.4 Menu de op¸˜es co Na janela de composi¸˜o. Isso ´ usado quando se reduz o ca o ca e tamanho do v´ ıdeo com ajuste de raz˜o de aspecto.2. Clique com o ca a co a bot˜o direito por sobre a por¸˜o do v´ a ca ıdeo na janela de composi¸˜o para revelar o menu. Quando vocˆ arrasta a e cˆmera para a direita.2. 9 tipos de a justifica¸˜o tamb´m est˜o definidos para acesso f´cil. y e z. a cˆmera e o projetor podem ser posicionados precisamente. o viewport de fato estar´ se movendo e a a para baixo no v´ ıdeo. a − Esquerda . vemos o v´ ca ıdeo se movendo para cima. a ca 8. Nota: A caixa guia mostra onde a posi¸˜o da cˆmera est´ com rela¸˜o `s posi¸˜es passadas ca a a ca a co e futuras da cˆmera. a a a ca • Zerar o projetor faz com que o projetor volte ` posi¸˜o central. Eles est˜o acess´ a ıveis na Janela de ferramentas. o viewport sempre ser´ exibido ca a de forma centralizada. A maioria das opera¸˜es co na janela do Compositor tˆm uma janela de ferramentas que pode ser habilitada ativando o e bot˜o de interroga¸˜o.1. quando vocˆ arrasta a cˆmera para baixo.1.64 Cap´ ıtulo 8: Janela de composi¸˜o ca Na janela de composi¸˜o. Ao a se mudar estes valores. a janela de ferramentas mostra as coordenadas x. n˜o onde ela est´ com rela¸˜o ao v´ a a a ca ıdeo de origem.

seja de adi¸˜o ou subtra¸˜o. ca ca ca . Cada m´scara ´ definida separadamente. e M´scaras tamb´m s˜o usadas junto com outro efeito para isolar o efeito a uma certa regi˜o a e a a do quadro. isso produz justamente o recorte da por¸˜o central do v´ ca ıdeo na sa´ ıda. Isso significa a a a o que v´rias trilhas podem ser "quicadas" ("bounced") em uma trilha com m´scara e projetadas a a com as mesma m´scara. 8. mas ´ ca a ca a a e mais f´cil de ser usado se o v´ a ıdeo reduzido for colocado na parte superior esquerda do tempor´rio a ao inv´s de ao centro. o projetor exibe Simplesmente ao selecionar a imagem reduzida na parte de cima e ` equerda do tempor´rio no centro da sa´ a a ıda.2. Uma c´pia de uma trilha de v´ o ıdeo pode ser levemente atrasada e desmascarada em locais onde uma das c´pias possui interferˆncia mas a outra n˜o. Uma m´scara pode ser aplicada para a a a a apenas uma subse¸˜o da trilha com a cor corrigida enquanto e outra trilha pode ser vista nas ca outras ´reas. ıda ıda justificar ` esquerda e a justificar ao topo. Normalca a mente. O tamanho da trilha ´ ajustado para o tamanho original do v´ e e ıdeo e a cˆmera ´ centralizada.Cap´ ıtulo 8: Janela de composi¸˜o ca 65 − − − − − Horizontal Centro Direita Topo Vertical Centro Base O efeito de transla¸˜o permite a convers˜o e redu¸˜o simultˆnea de raz˜o de aspecto. a Nosso gr´fico de linha de composi¸˜o agora possui um est´gio de m´scara. Remo¸˜o de microfones direcionais. embora cada uma delas executem a e a mesma opera¸˜o. a ca o a a A ordem da linha de composi¸˜o afeta o que pode ser realizado com as m´scaras. Para colocar o v´ ıdeo reduzido na subse¸˜o central que o projetor mostra requereria ca deslocar o x de sa´ e o y de sa´ por um c´lculo complicado. As dimens˜es de entrada do efeito de o transla¸˜o s˜o ajustadas para o tamanho original e as dimens˜es s˜o ajustadas para o tamanho ca a o a reduzido. Ao inv´s disso. avi˜es e esposas s˜o outros usos das m´scaras. mas n˜o em outra. O tamanho de sa´ ´ ajustado para o tamanho reduzido do v´ a e ıda e ıdeo. as m´scaras s˜o feitas no tempor´rio ap´s os efeitos e antes do projetor.2 M´scaras a As m´scaras selecionam uma regi˜o do v´ a a ıdeo para tanto exibi-la quanto para escondˆ-la. Sem efeitos. Corre¸˜es de cor podem ser o e a co necess´rias em uma ´rea de um quadro. H´ 8 m´scaras a ca a a a a poss´ ıveis por trilha. deixamos o x ıda ıda a e de sa´ e o y de sa´ em 0 e usamos a janela de ferramentas do projetor. O efeito de transla¸˜o ´ jogado na trilha de v´ ca e ıdeo.

esta interface de m´scara a a mostra em tempo-real qual o efeito da m´scara ser´. v´ para a janela de Composi¸˜o e habilite a a a ca v´ para o v´ a ıdeo e clique-e-arraste. a Embora n˜o seja o comportamento convencional de curva Bezier. a Clique-e-arraste de novo em outra parte da imagem para criar um novo ponto de m´scara. uma aba a a a da m´scara se expandir´. Se vocˆ a a a e n˜o selecionar quadros-chave autom´ticos. a posi¸˜o da m´scara ser´ a mesma mesmo se vocˆ a a ca a a e edit´-la em locais diferentes da linha do tempo. P´gina 132. . A cada ponto da m´scara criado.66 Cap´ ıtulo 8: Janela de composi¸˜o ca Linha de composi¸˜o com m´scaras ca a Para definir uma m´scara. a a Uma vez que os pontos tenham sido definidos. Agora a IMPORTANTE: Vocˆ deve selecionar quadros-chave autom´ticos (Veja Se¸˜o 18. m´scara. eles podem ser movidos por arrastar-com-oCTRL nas proximidades dos cantos.) caso queira mover uma m´scara conforme o tempo.3 [Quadrose a ca chave autom´ticos].

Cap´ ıtulo 8: Janela de composi¸˜o ca 67 arrastar com o CTRL permite que vocˆ mova pontos existentes e para novos locais. ela pode ser transladada como pe¸a unica e a c ´ fazendo um arrastar-com-o-ALT na m´scara. assim alterando a forma da m´scara a Isso. Eles est˜o representados na janela de ferramentas para m´scaras. n˜o suaviza a curva. a de m´scara estiver aceso revela as op¸˜es a co . Os pontos de entrada-sa´ da curva Bezier s˜o a ıda a acessados por arrastar-com-o-SHIFT na proximidade dos cantos. entretando. A edi¸˜o de m´scaras no Cinelerra ´ idˆntica a a ca a e e como se edita m´scaras no Gimp. arrastar-com-o-SHIFT a perto dos pontos de entrada ou sa´ faz o ponto se mover. Ent˜o. ıda arrastar-com-o-SHIFT ativa os controles belzier para criar curvas entre os pontos de m´scara a Finalmente. Selea a cionar o ponto de interroga¸˜o quando o bot˜o ca a de m´scaras. com exce¸˜o que neste caso o efeito de m´scaras est´ sempre a ca a a ligado. arrastar-com-o-CTRL-ALT translada uma m´scara inteira a para um novo local na tela As m´scaras possuem v´rios outros parˆmetros que n˜o puderam ser representados com a a a a sobreposi¸˜o de v´ ca ıdeos. uma vez que vocˆ tenha uma m´scara.

vocˆ e ca e est´ editando apenas uma das m´scaras. A m´scara pr´via ainda est´ ativa. Quando v´rias m´scaras s˜o usadas. No modo subtrativo. No modo aditivo. Se o modo for aditivo. mas apenas a sobreposi¸˜o a a e a ca de curva para a m´scara atualmente selecionada est´ vis´ a a ıvel. . a Modo de m´scara a O valor da m´scara determina qu˜o extrema ser´ a adi¸˜o ou subtra¸˜o. ca a a mas leva mais tempo para ser renderizado. valores mais altos fazem a regi˜o na a m´scara mais brilhantes enquanto a regi˜o fora da m´scara estar´ sempre escondida.68 Cap´ ıtulo 8: Janela de composi¸˜o ca Janela de op¸˜es de m´scara co a O modo de m´scara determina se a m´scara remove informa¸˜o ou se faz a informa¸˜o ficar a a ca ca vis´ ıvel. mas isso raramente ´ desej´vel. a m´scara faz o v´ a ıdeo aparecer e tudo fora da m´scara desaparecer. Se o modo for subtrativo. Cada trilha possui 8 m´scaras poss´ a ıveis. a m´scara faz o v´ a ıdeo desaparecer. Cada m´scara em uma a a a a a trilha usar´ o mesmo valor e modo. a As bordas de uma m´scara s˜o duras por padr˜o. a a a ca ca valores mais altos subtraem mais alfa. seus efeitos s˜o lidos juntos. Mude o valor de n´mero de m´scara para fazer com a a u a que a outra m´scara seja editada. Isso cria bordas mais suaves. Quando vocˆ clica-e-arrasta na janela de composi¸˜o. a a a a Valor de m´scara a O n´mero da m´scara determina qual das 8 m´scaras poss´ u a a ıveis estamos editando. O parˆmetro a a a e a a Suaviza¸˜o determina quantos pixels ser˜o suavizados da m´scara.

. e 8. Para um ajuste fino de m´scaras (com valores maiores a a de suaviza¸˜o) o OpenGL deve ser desligado e a renderiza¸˜o por software utilizada. Quando o retˆngulo for posicionado.3 Recorte Recortar muda o valor das dimens˜es de sa´ e o projetor para reduzir a ´rea vis´ da imagem. pressione o bot˜o Fazer na janela de ferramentas a a para executar a opera¸˜o de recorte. Qualquer ponto pode ser ativado simplesmente pressionando clicar-comca o-CTRL perto dele sem mover o cursor.Cap´ ıtulo 8: Janela de composi¸˜o ca 69 Parˆmetro de Suaviza¸˜o a ca Observa¸˜o: o renderizador de m´scaras OpenGL possui uma qualidade ruim e apenas util ca a ´ como uma previs˜o ou trabalho inicial. Clique-e-arraste por sobre qualquer canto do retˆngulo para reposicion´-lo. h´ parˆmetros que afetam apenas um ponto na m´scara atual ao inv´s de em a a a e toda ela. Clique-e-arraste em qualquer lugar do v´ ıdeo para come¸ar um c novo retˆngulo. a A janela de ferramentas permite entradas de texto das coordenadas e executa a opera¸˜o de ca recorte. a Caixa de di´logo de controle de recorte a Clique-e-arraste em qualquer lugar do v´ ıdeo para definir a ´rea de recorte. o ıda a ıvel bot˜o de recorte e a janela de ferramentas na janela de composi¸˜o para exibir a ca Habilite o a caixa de di´logo de controle de recorte. y. a a a ´ Area de recorte definida clicar-com-o-ALT no retˆngulo de recorte para translad´-lo para qualquer posi¸˜o sem redia a ca mension´-lo.Y1 & X2. O ponto ativo ´ definido pelo ultimo ponto arrastado na a e ´ janela de composi¸˜o. ca Nota: As coordenadas X1. ca ca Finalmente.2. y permitem um reposicionamento por entrada num´rica.Y2 no di´logo de controle de recorte permitem entradas a de texto das coordenadas dos campos topo-`-esquerda e base-`-direita que definem o retˆngulo a a a de recorte. Esses s˜o Apagar. x. Uma vez que o ponto esteja ativado. Isso desenhar´ a a um retˆngulo por sobre o v´ a ıdeo. Apagar apaga-o e x.

o que quer que esteja na sa´ ser´ adicionado ` trilha atual. O modo ca ıvel de sobreposi¸˜o ´ um menu que desce ` esquerda.2. Se o tempor´rio a for maior que a sa´ ıda. Com a opera¸˜o de e ca multiplicar. a c Vocˆ pode mostrar onde essas margens est˜o habilitando o e a Mantenha os t´ ıtulos dentro do retˆngulo menor e a a¸˜o dentro do retˆngulo de fora.4 Margens de seguran¸a c Em aparelhos de consumidores. acess´ ao se expandir a trilha. Normalmente uma imagem em preto e branco sem canal alfa ou um t´ ıtulo branco em uma imagem preta ´ usado como trilha atual. abaixo do fader. Quando n˜o existe um alfa no modelo de cor do projeto.70 Cap´ ıtulo 8: Janela de composi¸˜o ca 8. o tempor´rio ser´ margeado por regi˜es em branco na sa´ a a o ıda. O resultado ´ ıda a a e mixado para a sa´ ("blended") baseado no alfa da trilha atual. a ca bot˜o de margens de seguran¸a. a a a a a Projetores s˜o renderizados na sa´ e s˜o afetados pelo tamanho da sa´ a ıda a ıda. ca expandir trilha para ver todas as op¸˜es para uma trilha de v´ co ıdeo se Selecione o bot˜o de a vocˆ n˜o consegue ver o modo de sobreposi¸˜o. a • Normal Este modo usa uma equa¸˜o Porter-Diff tradicional para mixar ("blend") as trilhas com o ca alfa. co ıda a a • Dividir Este modo divide a trilha atual pela sa´ e o resultado ´ mixado ("blended") na sa´ ıda e ıda. a .6 Tamanhos de trilha e sa´ ıda O tamanho do tempor´rio e o tamanho da sa´ na sua linha de composi¸˜o s˜o independentes a ıda ca a e vari´veis.2. a ıda 8. As margens foram a a e e ca pensadas como uma ´rea de rascunho e informa¸˜o nula vertical ("vertical blanking data"). O viewport da cˆmera ´ o tamanho a e a e tempor´rio.2. Normalmente resulta em n´ ıveis excessivos. • Substituir Este modo n˜o faz mixagem ("blending") e sobrescreve a sa´ com a trilha atual. Efeitos s˜o processados no tempor´rio e s˜o afetados pelo tamanho do tempor´rio.1 Tamanho de trilha O tamanho do tempor´rio ´ definido como o tamanho da trilha. Selecione outros modos clicando no bot˜o de sobreposi¸˜o e selecionando a a ca um item do menu que aparecer´. O modo de sobreposi¸˜o das trilhas de v´ e a ca ca ıdeo est´ a em normal por padr˜o. a Modos de sobreposi¸˜o s˜o processados dentro do est´gio de composi¸˜o do projetor. Quando retra´ ca e a ıdo. Se o tempor´rio for a menor que a sa´ ıda. a ca a 8.6. ıda • Subtra¸˜o ca Neste modo. Cada trilha possui um tamanho a e diferente. a nova trilha sempre substitui a a sa´ ıda. apenas as por¸˜es de sa´ abaixo da ´rea branca s˜o mostradas. as bordas da imagem s˜o cortadas e dentro do ponto de corte est´ a a uma regi˜o que n˜o ´ sempre quadrada como ela ´ na janela de composi¸˜o. a trilha atual ´ subtra´ da sa´ e o resultado ´ mixado pelo alfa ("alpha e ıda ıda e blended") na sa´ ıda. o tempor´rio ser´ recortado. Isso condiz com tudo o que vimos at´ agora. a a 8. • Multiplicar Esta ´ a opera¸˜o mais util. Clique com o bot˜o direito do mouse em uma trilha para revelar o menu da trilha.5 Modos de sobreposi¸˜o ca Cada trilha de v´ ıdeo possui um modo de sobreposi¸˜o. Os ca a a ca diferentes modos est˜o resumidos abaixo. • Adi¸˜o ca Neste modo.2. A trilha atual ´ multiplicada pela sa´ e o resultado ´ mixado e ca ´ e ıda e ("blended") na sa´ ıda. ele mostra um ´ ıcone representando o modo atual de sobreposi¸˜o.

Alternativamente. sua aparˆncia no compositor mudar´ de acordo. a Nova trilha (640x400). menor que a sa´ do projeto (720x480) ıda . A janela de redimensionar trilha Por exemplo. a pr´xima imagem mostra como uma trilha de v´ o ıdeo e a sa´ de um projeto ıda de tamanhos iguais aparecem diferentes quando mostrados no compositor. vocˆ pode selecionar Ajustar a tamanho da sa´ para fazer a trilha ter o mesmo e ıda tamanho da sa´ ıda. e e a Reduzir a trilha (para 640 x 400) e deixar o tamanho de sa´ do projeto sem altera¸˜es far´ ıda co a a trilha aparecer menor no compositor e margeada por uma ´rea em branco.Cap´ ıtulo 8: Janela de composi¸˜o ca 71 Selecione Redimensionar trilha para redimensionar a trilha para qualquer tamanho. Tamanho de sa´ do projeto e trilha de ıda v´ ıdeo com dimens˜es iguais (720x480) o Se vocˆ redimensionar a trilha.

Quando novas trilhas forem criadas.2 Tamanho de sa´ ıda O tamanho de sa´ ´ configurado tanto em Novo quando se cria um novo projeto quanto em ıda e Configura¸˜es->Formato. Qualquer espa¸o deixado na Sa´ ser´ c ıda a deixado em branco. panorˆmicas e aproxima¸˜es no compositor. a co 8.2. h´ um outro meio de se mudar o tamanho de co a sa´ ıda. o tamanho da trilha sempre se ajustar´ ao tamanho de sa´ especificado por estes m´todos. vocˆ pode efetivamente ca ıda e reduzir ou aumentar o tamanho de uma trilha em particular no que se refere ` sa´ final e a ıda portanto criar "efeitos" visuais como telas divididas. Na janela de Recursos. para onde a linha do tempor´rio ser´ renderizada. recortada para o tamanho da sa´ do projeto (720x480) ıda Ao usar esta rela¸˜o entre a trilha e o tamanho de sa´ do projeto. Tamanho da sa´ (mostrado em verde) ´ mais largo que o tempor´rio ıda e a • Se o tamanho de sa´ for menor que o tempor´rio. a a • Se o tamanho de sa´ for maior que o do tempor´rio. a imagem transferida a partir do ıda a tempor´rio caber´ dentro da Trilha de Sa´ a a ıda.72 Cap´ ıtulo 8: Janela de composi¸˜o ca Aumentar a trilha (para 800 x 560) e deixar o tamanho de sa´ do projeto sem altera¸˜es ıda co far´ a trilha aparecer maior no compositor e recortada na dimens˜o de sa´ a a ıda. Nova trilha (800x560). Clique com o bot˜o direito em um objeto de v´ a ıdeo e selecione Ajustar ao tamanho do projeto para ajustar a sa´ ao objeto de v´ ıda ıdeo. ent˜o parte do v´ ıda a a ıdeo do tempor´rio a ser´ recortada e deixada de fora.6. a ıda e Quando se renderiza. a . o tamanho de sa´ do projeto ´ o tamanho final do v´ ıda e ıdeo.

Cap´ ıtulo 8: Janela de composi¸˜o ca 73 Tamanho da sa´ ´ muito pequeno para o tempor´rio ıda e a .

74 Cap´ ıtulo 8: Janela de composi¸˜o ca .

e a rebobin´-la ou avan¸´-la. e a Para carregar uma m´ ıdia no visor: 1. Selecione os n´ ca ıveis de aproxima¸˜o de 50%. 2. A janela de visualiza¸˜o ca Para abrir a janela de visualiza¸˜o. Abra a janela gerenciador de recursos e selecione o gerenciador de recursos ou a pasta gerenciador de recortes.Cap´ ıtulo 9: Janela de visualiza¸˜o ca 75 9 Janela de visualiza¸˜o ca A janela de visualiza¸˜o ´ um lugar para carregar e prever suas m´ ca e ıdias-fonte e recortes. Vocˆ pode mudar a sa´ do e ıda . Quando exibindo a m´ ıdia. vocˆ a ver´ aparecer na tela. Arraste um arquivo do gerenciador de recursos ou do gerenciador de recortes para o visor Vocˆ tamb´m pode carregar uma m´ e e ıdia no visor clicando com o bot˜o direito do mouse em a um arquivo do gerenciador de recursos e selecionando Ver do menu que aparecer ou dando um duplo-clique no ´ ıcone. use o controle do deslizador ou os controles de transporte. Para reproduzi-la. Aqui vocˆ pode dar uma olhada r´pida por um bloco de v´ e a ıdeo usando o controle do deslizador. Uma vez que sua m´ ıdia seja carregada. focar em uma ´rea de trabalho com a regi˜o de previs˜o ou usar os controles de edi¸˜o para recortar a a a ca e colar segmentos no projeto ou criar um recorte ("clip") para ser usado depois. ca 100% ou 200% do tamanho original da m´ ıdia. v´ para Janela->Mostrar Visor ca a A tela ´ a ´rea do visor onde vocˆ vˆ a m´ sendo reproduzida. Antes de reproduzir qualquer e a e e ıdia m´ ıdia. o visor usa o tamanho de formato de sa´ definido nas conıda figura¸˜es do projeto. n˜o o formato original dos blocos de v´ co a ıdeo. vocˆ primeiro precisa carreg´-la no visor. a ca Vocˆ pode mudar o tamanho de exibi¸˜o da m´ e ca ıdia clicando com o bot˜o direito do mouse a na tela para ativar o menu de aproxima¸˜o da tela.

76 Cap´ ıtulo 9: Janela de visualiza¸˜o ca projeto para se ajustar ao formato do bloco de v´ ıdeo usando a op¸˜o Ajustar ao tamanho do ca projeto do menu no gerenciador de recursos. mas co a n˜o a Linha do Tempo. a . Aqui. vocˆ poder´ ’folhear’ as fontes de m´ e a ıdia e recortes. Opera¸˜es feitas no visor afetam um EDL tempor´rio ou um recorte. selecionando regi˜es para serem o coladas no projeto.

v´ para a pasta de gerenciamento de blocos de v´ a a ıdeo e clique com o bot˜o direito do mouse no t´ a ıtulo ou ´ ıcone do arquivo o qual vocˆ tiver interesse. A maioria dos recursos a s˜o inseridos no projeto arrastando-os para fora da janela de recursos. Para acess´-la. Selecione Exibir texto para exibir uma listagem em texto. clique ent˜o em Info. O gerenciamento da a aloca¸˜o de recursos tamb´m ´ feito aqui.1 Navegando pelos recursos A janela de recursos est´ dividida em duas ´reas. transi¸˜es. ca e e 10. Selecione co ca Ordenar ´ ıtens para ordenar os conte´dos de uma pasta alfabeticamente. Indo para a lista de pastas e clicando em uma delas atualiza a ´rea de u a conte´do com os conte´dos daquela pasta. Uma ´rea lista as pastas e a outra ´rea lista a a a a os conte´dos das pastas. recortes e blocos de v´ co ıdeos s˜o acessados por aqui. u u A janela de recursos Apasta e os conte´dos podem ser dispostos como ´ u ıcones ou texto. Clicar com o bot˜o direito do mouse na pasta ou ´rea de conte´dos revela um menu contendo a a u as op¸˜es de formata¸˜o. u A janela de informa¸˜o do recurso exibe informa¸˜es detalhadas sobre o arquivo de m´ ca co ıdia selecionado. a a A janela de informa¸˜o do recurso ca .Cap´ ıtulo 10: Janela de recursos 77 10 Janela de recursos Efeitos. Um menu e relacionado ao bloco aparecer´.

78 Cap´ ıtulo 10: Janela de recursos .

para os medidores no patchbay com trilhas de ´udio expandidas. os n´ ıveis de ´udio possuem marca¸˜es num´ricas em dB. ıda A maioria do tempo. use os c´digos de cor para ver se est˜o sobrecara o a regando. a e ca P´gina 49. mas no patcha co e bay n˜o h´ espa¸o suficiente. Eles podem ser colocados ou a retirados das janelas de visualiza¸˜o e composi¸˜o a partir do bot˜o ’exibir medidores’. ela ´ recortada para 0 quando enviada e u e a uma placa de ´udio ou arquivo. eles s˜o os n´ ca a a ıveis de som de cada trilha ap´s todos os efeitos serem processados e antes da mixagem que ´ jogada o e para a sa´ final. a A abrangˆncia vis´ e ıvel do n´ ıvel dos medidores de som ´ configur´vel em configura¸˜ese a co ca a >preferˆncias->interface (Veja Se¸˜o 3. A janela de n´ ıveis exibe os n´ ıveis de sa´ de ´udio ap´s toda a mixagem ser feita.Cap´ ıtulo 11: Janela de medidores de n´ de som ıvel 79 11 Janela de medidores de n´ ıvel de som Uma janela adicional. Eles aparecem no monitor de grava¸˜o quando ´udio estiver sendo gravado. a ca a Os n´ ıveis de som em janela de n´ ıveis. Mesmo sem as marca¸˜es num´ricas. Enquanto uma e a sobrecarga ´ tratada como n´meros positivos no Cinelerra. No patchbay. a a c O n´ ıvel do som possui um c´digo de cores como um meio extra de determinar o n´ o ıvel do a ´udio. Uma sobrecarga de menos de 3 dB normalmente ´ aceit´vel. P´gina 27. Isso permite n˜o apenas a ver se uma trilha est´ sendo sobrecarregada mas quanto de informa¸˜o est´ sendo perdido a ca a pela sobrecarga.1 [O patchbay]. Olhe para os c´digos de cor em um medidor com marca¸˜es o co num´ricas para ver quais cores correspondem a qual n´ e ıvel de som. a janela de n´ ıveis pode ser trazida a partir do menu Janelas. ıda a o A janela de medidores de n´ de som ıvel Medidores de n´ ıvel de som aparecem em v´rias localidades. Assim.7 [Interface]. Eles ca ca a aparecem no patchbay quando uma trilha de ´udio ´ expandida. No monitor de e grava¸˜o eles s˜o os valores de entrada vindos da placa de som. a cor do n´ de som pode distinguir sentre v´rias co e ıvel a abrangˆncias e n´ e ıveis excessivos. Veja Se¸˜o 7.) e . compositor e visor correspondem aos n´ ıveis de sa´ ıda final antes que eles sejam recortados para a abrangˆncia da placa de som. Atente que os n´ ıveis de som no Cinelerra podem ir acima de 0 dB.

80 Cap´ ıtulo 11: Janela de medidores de n´ de som ıvel .

Quando a reprodu¸˜o p´ra. a posi¸˜o de in´ ´ a posi¸˜o do ponto de inser¸˜o da co ca ıcio e ca ca janela de Programa e o slider na janela de Composi¸˜o. por a a ´ ca a co isso s˜o descritos aqui na se¸˜o de navega¸˜o. o ponto de ca ıda sa´ se torna o ponto final e se estiver sendo reversa. mas o a a ca ca a e tempo entre dois quadros. o comportamento volta a ser o de usar ıda o ponto de inser¸˜o e limites de trilhas como os pontos de in´ e t´rmino. ıda Se nenhum ponto de entrada/sa´ forem especificados. Isso faz o ponto de in´ ser o ponto de entrada caso a ıcio reprodu¸˜o seja para frente e o ponto de sa´ se for reversa. caso haja uma. O panel de transporte. o quadro e c exibido n˜o mudar´. a posi¸˜o final ´ o come¸o da regi˜o ca e a e a ca e c a selecionada. O ponto de inser¸˜o se move para acompanhar a reprodu¸˜o. Assim. ao reproduzir o v´ ca ıdeo. Para cada e a uma das opera¸˜es que ele performa. composi¸˜o a ca ca ca ca e programa possui um painel de transporte. O painel de transporte ´ controlado tanto pelo teclado como pela interface gr´fica. Cada uma das janelas de visualiza¸˜o. Se ´ para tr´s. e O comportamento de transporte muda se vocˆ mantiver pressionado o CTRL quando usando e qualquer dos comandos de transporte. Se vocˆ fizer o avan¸o de um quadro e depois voltar o mesmo quadro. c a Aorienta¸˜o do fim ou in´ depende da dire¸˜o da reprodu¸˜o. a a e 4 Quadro 5 Lento reverso 6 Reverso + Reverso anterior r´pido a ´ ` A frente lento 3 Reproduzir Enter A frente 1 Quadro a ` 2 frente r´pido a 0 Parar Pressionando qualquer tecla no teclado duas vezes pausa a exibi¸˜o. ca Quando estiver utilizando fun¸˜es de avan¸o de quadros. Se for para a frente. ca ıcio e 1 ´ E poss´ usar um hardware JogShuttle ıvel 1 Ver a mensagem de David Arendt ` lista de discuss˜o do Cinelerra CV em 2003-11-11 para mais informa¸˜es a a co . Isso acontece porque a posi¸˜o de reprodu¸˜o n˜o ´ o quadro. vocˆ cruza o e e mesmo quadro nas duas vezes e portanto o mesmo quadro ´ exibido. ca ca ca a o ponto de inser¸˜o fica no ponto onde ela parou. ca ca A interface de teclado ´ normalmente a mais r´pida e possui mais velocidades. o ponto de entrada torna-se o ponto final. e a ca ca Quando vocˆ aumenta o tempo entre dois quadros por um e o decresce por um. Se ela for para a frente. vocˆ muda a e posi¸˜o do ponto de inser¸˜o. a ca ıcio ca ca posi¸˜o final ´ o fim da regi˜o selecionada. A posi¸˜o final ´ tanto o fim ou come¸o ca ca e c da Linha do Tempo ou o fim ou come¸o da regi˜o selecionada. o comportamento pode parecer co c estranho. O quadro renderizado ´ a ´rea que cruza a posi¸˜o de reprodu¸˜o. As teclas de e a transporte est˜o arranjadas em um T lateral na ´rea num´rica do teclado.Cap´ ıtulo 12: Controles de transporte 81 12 Controles de transporte Controles de transporte s˜o t˜o uteis na navega¸˜o quanto o s˜o para reproduzir grava¸˜es.

82 Cap´ ıtulo 12: Controles de transporte .

a Quando vocˆ pressiona o bot˜o de marcador no Compositor. a a a A regi˜o de previs˜o ´ a regi˜o da Linha do Tempo que ´ afetada pelo slider. O ponto de a inser¸˜o na janela principal segue o Compositor. eles tamb´m aparecem nela. Para "folhear" seu v´ ca ca ıdeo e ent˜o a mover o ponto de inser¸˜o para a parte vis´ da linha do tempo. a a a Carregue um arquivo e ent˜o deslize por ele usando o slider do Compositor. a regi˜o de previs˜o e a a fica do mesmo tamanho e encolhe. Ambos s˜o cr´ a ıticos para a navega¸˜o. Marcadores e pontos de entrada/sa´ s˜o totalmente suportados pelo Visualizador e pelo ıda a Compositor. o marcador aparece tanto na e a barra de tempo do compositor quanto na barra de tempo do programa. Quando vocˆ seleciona um marcador ou ponto de entrada/sa´ no Compositor. V´ para a direita da barra de tempo at´ que um apontador de redimensionamento ` direita a e a apare¸a. a regi˜o de previs˜o automaticamente e a a se redimensiona para cobrir todo o arquivo. ca A barra de tempo representa todo o tempo coberto pelo programa. vocˆ a a e precisar´ redimensionar a regi˜o de previs˜o. vocˆ ver´ o que e a slider afeta apenas a regi˜o de previs˜o.Cap´ ıtulo 13: Barra de tempo 83 13 Barra de tempo As fun¸˜es de navega¸˜o das janelas de Visualiza¸˜o e Composi¸˜o comportam-se de maneira co ca ca ca muito similar. Arraste-o para a esquerda de modo que a regi˜o de previs˜o encolha. Portanto. c a a V´ para o centro da regi˜o de previs˜o na barra de tempo e arraste-a em volta para se a a a convencer de que ela pode ser movida. e a Regi˜o de previs˜o no compositor a a Se vocˆ for para o slider e desliz´-lo por sobre a regi˜o de previs˜o diminu´ e a a a ıda. ıda . O slider a a e a e cobre apenas o tempo coberto pela regi˜o de previs˜o. Cada uma possui uma barra de tempo e um slider abaixo da sa´ de v´ ıda ıdeo. o ponto de e ıda inser¸˜o na janela de Programa pula para aquela posi¸˜o. Nota: Quando vocˆ insere coisas ou muda o tamanho do projeto atual. Clique e a nele e arraste-o para a direita. A unica diferen¸a entre o visualizador e o compositor ´ que o compositor reflete o ´ c e estado do programa enquanto o visualizador reflete o estado de um recorte mas n˜o do programa. Abarra de tempo e o slider na janela de visualiza¸˜o a a ca funcionam exatamente do mesmo modo. vocˆ precisa redimension´-la. Finalmente. use o bot˜o Ir para manual ca ıvel a do compositor. Quando vocˆ substitui o projeto atual por um arquivo. Quando vocˆ define e marcadores e pontos de entrada/sa´ ıda. Mova o apontador por sobre a barra de tempo ca do Compositor at´ que ele se torne um apontador de redimensionamento ` esquerda. Ao usar uma regi˜o de previs˜o dentro a a a a do programa inteiro e usar o slider dentro da regi˜o de previs˜o. a regi˜o de previs˜o fica do mesmo tamanho ou encolhe. Portanto. a barra de e tempo define uma regi˜o conhecida como a regi˜o de previs˜o. Marcadores e pontos de entrada/sa´ no visor. Quando vocˆ insere novos dados ou muda o tamanho e do projeto atual. vocˆ pode buscar r´pida e a a e a precisamente no Compositor e no Visualizador. A regi˜o de previs˜o deve ter mudado e o slider redimensionado a a proporcionalmente.

rod´-la aproxima ou afasta o v´ a ıdeo tamb´m. vocˆ pode usar tanto as barras de rolagem quanto o bot˜o do meio do mouse para e a navegar pelo v´ ıdeo. marcadores e pontos de entrada/sa´ s˜o disposca ca ıda a tos na barra de tempo. a barra de tempo e a exibe todo o programa aqui. Como a janela de programa. a ca u co ca Quando marcado para Auto. e faz com que a janela de Composi¸˜o entre no modo ca Al´m disso. o ca ca menu que se abre ` base da janela de Composi¸˜o possui um n´mero de op¸˜es de aproxima¸˜o. Reproduzir v´ ıdeo no Compositor quando aproximado para qualquer tamanho que n˜o 100% a (o tamanho original). o Compositor possui a fun¸˜o de aproxima¸˜o. Esta ca a ıda fun¸˜o serve apenas para observar detalhes no v´ ca ıdeo ou para redimension´-lo para caber na ´rea a a de trabalho. . Quando o v´ ıdeo for aproximado de modo que fique maior que o tamanho da janela. clicar nas aproxima¸˜es da sa´ de v´ ca ca co ıda ıdeo enquanto faz um clicar-com-o-ctrl na sa´ de v´ ıda ıdeo faz o v´ ıdeo se afastar. Se vocˆ possui uma rodinha e no mouse. Ao inv´s de exibir apenas uma regi˜o do programa. Primeiro. o bot˜o de aproxima¸˜o e a ca de aproxima¸˜o. o v´ ıdeo ´ aproximado para se ajustar o mais pr´ximo poss´ e o ıvel ao tamanho da Janela de Composi¸˜o. No modo de aproxima¸˜o. Quando marcado para qualquer outra porcentagem. Isso ´ exatamente como o programa Gimp faz. Isso pode afetar a performance em sistemas mais lentos. e Aproximar ou afastar com a ferramenta de aproxima¸˜o n˜o muda a sa´ renderizada. o ca v´ ıdeo ´ aproximado por uma raz˜o de 2 e barras de rolagem podem ser usadas para navegarem e a pela sa´ de v´ ıda ıdeo.84 Cap´ ıtulo 13: Barra de tempo Nas janelas de Visualiza¸˜o e Composi¸˜o. faz com que o Cinelerra use mais passos de processamento.

os efeitos devem ser de v´ ıdeo. Efeitos de ´udio devem ser arrastados da janela de recursos a para as trilhas de ´udio. Se vocˆ clicou com o bot˜o direito do e a e a mouse em uma trilha de v´ ıdeo. exceto quando o projeto for renderizado. Quando um efeito existe embaixo de uma trilha. eles precisam ser apenas outra trilha na linha do tempo do mesmo tipo que a trilha para a qual vocˆ est´ aplicando o efeito. vocˆ ver´ os efeitos sendo dispostos da e a base para o topo. Processam a trilha a a quando ela estiver sendo reproduzida. − O ponto de inser¸˜o ou regi˜o selecionada deve come¸ar dentro dos outros efeitos. Se a trilha ´ de ´udio. Se vocˆ clicou com o bot˜o direito do mouse em uma trilha de e a a ´udio n˜o haver´ nada na coluna de trilha compatilhada caso n˜o exista outra trilha de ´udio. vocˆ querer´ selecionar uma regi˜o da trilha de forma que a opera¸˜o de arraste o cole e a a ca sem que ele seja apagado. essas condi¸˜es devem ser verdadeiras. Clique com o bot˜o direito do mouse em uma trilha e a selecione adicinar efeito do menu. ca a a nada aparecer´ quando a op¸˜o Mostrar for selecionada. e a a a ca Alguns dos efeitos n˜o processam informa¸˜o. O di´logo adicionar efeito d´ mais controle do que o simples a a arrastar e soltar . ca a c No caso de um efeito compartilhado.. na base da trilha. ca ca 14. o efeito ´ apagado. Selecione um plugin da coluna de Plugins e pressione Adicionar. normalmente eles agem sobre toda a dura¸˜o do efeito. sem armazenamento permanente da sa´ ıda. Nesta caixa. O bot˜o Adicionar abaixo de a cada coluna faz tudo o que estiver destacado na coluna ser adicionado abaixo da trilha atual. Quando a trilha for reproduzida.1 Tipos de efeitos tempo-real Os outros dois tipos de efeitos suportados pela caixa de di´logo Adicionar Efeito s˜o efeitos a a reciclados. . Se h´ informa¸˜o na trilha de destino. independentemente de se h´ ou n˜o informa¸˜o ali. Quando vocˆ mexe nos parˆmetros de a ca e a configura¸˜o do efeito. Quando se arrasta mais de um efeito para uma trilha. Para usar um efeito reciclado. os efeitos devem ser de ´udio. divididos em dois grupos: a efeitos de ´udio e efeitos de v´ a ıdeo. Todos os efeitos tempo-real est˜o listados na Janela de Recursos. No caso de um efeito de a ca s´ ıntese. − Os outros efeitos devem ser do mesmo tipo que o da trilha na qual vocˆ est´ adicionando o e a efeito.. os efeitos s˜o processados a do topo para a base. Caso ele n˜o possua. eles aparecer˜o a nas colunas Efeitos compartilhados e Trilhas compartilhadas. Finalmente. Esta op¸˜o faz com que a caixa de configura¸˜o do efeito apare¸a abaixo ca ca ca c do cursor. ele normalmente precisa ser configurado. O resultado ´ o mesmo de como se o a e efeito houvesse sido arrastado da janela de recursos. mas alguns n˜o. efeitos podem ser aplicados e a uma trilha a partir de um menu. o efeito ser´ aplicado em toda a trilha. A sa´ do efeito do topo torna-se a entrada do efeito da base e assim por ıda diante. o efeito ca e a ´ colado nesta regi˜o. Al´m de poderem ser arrastados a partir da janela de recursos.a caixa de di´logo permite que vocˆ adicione mais dois tipos de efeitos: efeitos a e compartilhados e trilhas compartilhadas. A maioria dos efeitos possuem configura¸˜o. Se n˜o h´ a ca a a a informa¸˜o. trˆs pr´-requisitos devem ser satisfeitos: e e − Deve haver outros efeitos na linha do tempo. Efeitos de v´ a ıdeo devem ser arrastados para as trilhas de v´ ıdeo. a a a a Se efeitos compartilhados ou trilhas compartilhadas estiverem dispon´ ıveis. a existe a op¸˜o Mostrar.Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real 85 14 Efeitos tempo-real Estes s˜o posicionados abaixo da trilha nas quais est˜o sendo aplicados. se uma regi˜o da trilha estiver selecionada. n˜o haver´ nada na coluna Trilhas compartilhadas se nenhuma a a outra trilha de v´ ıdeo existir. V´ a para o efeito e clique com o bot˜o direito do mouse para revelar a caixa do efeito. mas a sintetizam. se a trilha ´ de v´ e a a e ıdeo. No caso de uma co trilha compartilhada. abaixo da coluna de plugins para adicion´-lo.

Isso ´ mais comumente cono e e hecido como combinar trilhas. Quando vocˆ faz uma edi¸˜o de exca a e ca pans˜o/encolhimento em um efeito. o v´ ıdeo a trilha compartilhada sempre apareceria abaixo do v´ ıdeo da trilha original. O fade e qualquer efeito na trilha compartilhada s˜o aplicados ` trilha original. Ao contr´rio a e a a . a ca a e ela deve ser composta antes que a trilha original seja composta. vocˆ n˜o vai querer que a trilha compartilhada mixe a mesma e a informa¸˜o que a trilha original na sa´ ca ıda. independentemente de se ele estivesse no topo da trilha original. e e exceto que a configura¸˜o ´ copiada do efeito original. Se vocˆ arrastar pontos de entrada/sa´ e ıda. a pr´pria trilha compartilhada ´ usada como um efeito tempo-real.2 Editando efeitos tempo-real Muitas opera¸˜es existem para manipular efeitos uma vez que eles estejam na linha do tempo. Isso separa os efeitos das opera¸˜es de edi¸˜o. Al´m disso. como os efeitos de reverbera¸˜o e o compressor. Assim.86 Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real Efeitos compartilhados e trilhas compartilhadas permitem que coisas muito singulares possam ser feitas. Este comportamento pode ser desabilitado selecionando Configura¸˜esca co >editar efeitos na janela de projeto. Vocˆ vai querer que ela pare logo antes do est´gio de e a mixagem e dˆ a informa¸˜o de volta a trilha original. mas o Cinelerra chega ao mesmo resultado adicionando trilhas compartilhadas. ca Normalmente quando vocˆ edita as trilhas. a trilha original lˆ quaisquer ca a efeitos que estejam abaixo da trilha compartilhada e ent˜o os comp˜em na sa´ a o ıda. duas trilhas est˜o mixando a mesma informa¸˜o na a a ca sa´ ıda. mas e se co ca vocˆ s´ quer editar os efeitos? e o Mova o cursor da linha do tempo por sobre as bordas do efeito at´ que ele mude para um e ´ ıcone de redimensionamento ` esquerda ou ` direita. J´ que ela ´ parte da trilha original. Na maioria das vezes. exceto que no efeito compartilhado a caixa de configura¸˜o n˜o pode o ca a ser acessada. os m´todos usados na edi¸˜o de efeitos e e ca n˜o s˜o t˜o concisos como recortar e colar.7 [Interface]. Parte da edi¸˜o acontece pelo arraste de pontos de a a a ca entrada/sa´ ıda. se vocˆ arrastar o final do a a e efeito. ele far´ uma edi¸˜o igual ` que arrastar o final de uma trilha faz. Alguns efeitos detectam quando est˜o ca e a sendo compartilhados. ca Quando um efeito compatilhado ´ reproduzido. a ca a Os trˆs comportamentos de expans˜o/encolhimento de trilha se aplicam ` edi¸˜o de efeitos e a a ca e eles est˜o relacionados aos bot˜es do mouse conforme vocˆ configurou em preferˆncias a o e e de interface Veja Se¸˜o 3. parte da edi¸˜o acontece a partir de menus e parte acontece arrastando efeitos. No caso de ca ıda v´ ıdeo. a trilha compartilhada se mixa na sa´ com suas configura¸˜es ıda co de panorˆmica. modo e projetor. Esses efeitos determinam ca quais trilhas os est˜o compartilhando e ou mixam as duas trilhas ou usam uma delas para marcar a algum valor. bot˜o de a Suponha que vocˆ estivesse fazendo um v´ e ıdeo e vocˆ queria que a trilha compartilhada fosse e composta junto com a informa¸˜o da trilha original na sa´ uma segunda vez. o efeito enconlhe. Toda a configura¸˜o do efeito compartilhado ´ determinada pela configura¸˜o do ca e ca efeito original e apenas a caixa de configura¸˜o do efeito original pode ser acessada. a borda do efeito ´ movida ao arrast´-la. uma vez que a trilha compartilhada tenha processado a sa´ da trilha original e ıda como um efeito em tempo-real. a a Uma vez que a trilha compartilhada tenha processado a informa¸˜o. Neste estado. Se vocˆ e o ca e cortar a partir de uma trilha. No caso de um efeito compartilhado. O compressor usar umas das e trilhas compartilhadas como disparador ("trigger"). Fa¸a isso habilitando o e ca ` c mutar pr´ximo a cada trilha que vocˆ n˜o quer que seja mixada na sa´ o e a ıda. o efeito muda de dura¸˜o. o efeito compartilhado ser´ tratado como uma a c´pia do efeito original. P´gina 27. Isso acontece porque trilhas compartilhadas s˜o compostas por ordem de sua adi¸˜o. co J´ que mixar efeitos e m´ a ıdia ´ um trabalho complexo. Quando uma trilha original possui uma trilhas compartilhada como um de seus efeitos. os efeitos seguem as decis˜es de edi¸˜o. ele ´ processado como um efeito normal. 14. O reverb mixa as trilhas para simular ambiˆncia.

Tamb´m diferentemente da edi¸˜o de trilhas. os efeitos e nas outras trilhas ser˜o editados enquanto a m´ a ıdia permanecer´ a mesma. a e e referˆncia normalmente apontar´ para o efeito errado depois disso. Arrastar efeitos se parece muito a a arrastar os blocos de edi¸˜o.3 Efeitos tempo-real de ´udio a 14. h´ o arraste dos efeitos propriamente ditos. para mudar o efeito ou mudar a referˆncia caso ele seja um efeito compartilhado.. Cada trilha pode possuir uma pilha de efeitos abaixo dela. ca Al´m de arrastar para redimensionar a abrangˆncia do efeito. quaisquer referˆncias apontar˜o para um efeito e a diferente ap´s a opera¸˜o de movˆ-los. Ao mover um efeito para cima ou para baixo. V´ e a a para um efeito e clique com o bot˜o direito do mouse para revelar o menu de efeitos. O ganho ıvel a ıvel ıda a na posi¸˜o atual ´ ajustado de forma que o n´ m´ximo de som na abrangˆncia de tempo seja ca e ıvel a e o valor especificado pelo usu´rio.3. a O que acontece se vocˆ arrastar o final de um efeito para dentro.1 Compressor Contr´rio ` experiˆncia da ciˆncia da computa¸˜o. O n´ m´ximo de som ´ usado como o n´ de entrada de som. o efeito n˜o possui uma dura¸˜o baseada na fonte. Vocˆ pode extendˆ-lo ca a ca e e tanto quando desejar sem que haja limites. vocˆ vai querer que a opera¸˜o de arraste mude apenas um dos efeitos e ca enfileirados. e ca a ca Efeitos tempo-real s˜o organizados em fileiras abaixo da trilha.. dos efeitos e das trilhas. Em alguns casos. O compressor funciona calculando o n´ ıvel m´ximo de som dentro de um certo per´ a ıodo de tempo da posi¸˜o atual. co o ca Se vocˆ arrastar o final de um efeito que esteja alinhado a efeitos em outras trilhas.Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real 87 da edi¸˜o de trilha. esteja ciente que se eles e estiverem compartilhados como shared effects. Para ca ıvel a e ıvel cada n´ de entrada de som h´ um n´ de sa´ de som especificado pelo usu´rio. Cada fileira pode ter v´rios a a efeitos. Outros efeitos. vocˆ muda a ordem na qual os efeitos s˜o processados na trilha. Na verdade. Quando vocˆ estiver movendo efeitos para cima ou para baixo. seguem as decis˜es de edi¸˜o feitas em um efeito. e a Clique com o bot˜o direito do mouse em um efeito para revelar o menu para o efeito. Vocˆ deve selecionar a seta para entrar no modo de arrastar e ca e soltar antes de conseguir arrastar efeitos. Os efeitos se colam `s bordas das m´ a ıdias. Pressione a tecla SHIFT quando estiver come¸ando a opera¸˜o de arraste. Isso faz c ca com que a opera¸˜o mude apenas uma fileira de efeitos. o ca e Finalmente. Isso pode ser feito primeiro posicionando o ponto de inser¸˜o no come¸o ou no final ca c do efeito. vocˆ pode inseri-lo na por¸˜o da fileira n˜o ocupada pela opera¸˜o de arraste. As op¸˜es a co Mover para cima e Mover para baixo movem o efeito para cima ou para baixo. no Cinelerra. A m´ ıdia ` qual o efeito est´ relacionado n˜o segue as a a a edi¸˜es de efeito. entretanto. a posi¸˜o de in´ da opera¸˜o de arraste n˜o e ca ca ıcio ca a condiciona a decis˜o de edi¸˜o ` m´ a ca a ıdia. vocˆ pode movˆ-los para cima e e e e ou par baixo. o compressor faz a fun¸˜o de um expansor e a a ca compressor. Esteja ciente que se vocˆ arrastar uma referˆncia a um efeito compartilhado. a . deixando um monte de e tempo n˜o afetado por ele ao final da trilha? Quando vocˆ arrasta um efeito a partir da Janela a e de Recursos. Selecione a adicionar. e 14. o compressor de ´udio n˜o reduz a quantidade a a e e ca a a de informa¸˜o necess´ria para armazenar o ´udio. O compressor de ´udio reduz a abrangˆncia ca a a a e dinˆmica do ´udio.

a a a Tipo de Gatilho: O compressor ´ um efeito multi-canal. ıvel ıda ca Se o tempo de rea¸˜o for positivo. Isso o permite e ca chegar ao n´ de sa´ desejado exatamente quando o pico de entrada ocorre na posi¸˜o atual. O usu´rio especifica os n´ ıda a ıveis de sa´ de som criando pontos no gr´fico. para conseguir um efeito de sobrecarga ("overload"). . e ´ Gatilho: O compressor ´ um efeito multi-canal. Este tempo de jog´-lo para baixo s˜o os segundos de queda. fa¸a com que todos os e a a c valores de sa´ sejam mais altos que os valores de entrada exceto 0 dB. arraste um ponto por sobre o a outro para apag´-lo. O ultimo ponto a ser selecionado ter´ seus valores exibidos em caixas de a ´ a texto para um ajuste mais preciso. ca o Segundos para decl´ ınio: Se o pico for maior que o n´ atual. ent˜o. Isso permite que uma trilha que n˜o ´ nem ouvida a e determine a altura de outras trilhas. Esta trilha ´ especificada e e pelo Gatilho. Como o sinal de muitas trilhas ´ interpretado ´ determinado pelo tipo de gatilho. A dire¸˜o horizontal ´ o n´ de entrada de som em dB. esta a ıvel op¸˜o faz com que ele substitua a onda sonora com apenas o valor atual de pico. O tempo levado para jogar o ganho para baixo pode ser maior que o para elev´-lo.88 Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real O compressor possui um gr´fico que correlaciona cada n´ de entrada de som a um n´ de a ıvel ıvel sa´ ıda. e a Normalmente apenas uma trilha ´ sondada para o pico de entrada. Essa ´ a compress˜o que soa mais natural e ´ ideal quando a m´dia de v´rias e a e e a trilhas ´ jogada para falantes unicos ("single"). Se dois pontos existem. a O tipo de gatilho Total adiciona o sinal de todas as outras trilhas e usa o total como entrada para o compressor. ponha um efeito a de ganho antes do compressor para reduzir todos os n´ ıveis e siga-o com outro efeito de ganho para amplificar todos os n´ ıveis de volta para acima de 0 dB. Ao dividir v´rias trilhas e reproduzi-las com o valor de gatilho. Suavizar apenas: Para visualizar o que o compressor est´ fazendo para o n´ de som. e e O Tipo de Gatilho usa o valor informado na caixa de texto Gatilho como o n´mero da trilha u a ser usada como entrada para o compressor. ıda a Clique no gr´fico para criar ym ponto. Para fazer o compressor ıda expandir a abrangˆncia dinˆmica do ´udio. Assim fica ca bem f´cil ver como os Segundos para rea¸˜o afetam os valores detectados de pico.2 Atrasar ´udio a Apenas informe quantos segundos vocˆ quer atrasar a trilha de v´ e ıdeo. o compressor busca apenas a posi¸˜o atual para o ganho e ca ca joga ("ramps") o ganho por sobre um tempo de rea¸˜o para chegar ao n´ de sa´ desejado. E notado em segundos.3. se um pico futuro for menor que o pico atual. A dire¸˜o vertical ´ o n´ de ca e ıvel ca e ıvel sa´ de som em dB. a ca 14. ca ıvel ıda Ele chega ao n´ de sa´ exatamente um per´ ıvel ıda ıodo de rea¸˜o ap´s detectar o pico de entrada. o compressor lˆ ` frente da posi¸˜o atual para obter o pico futuro. V´rias trilhas podem dividir um compressor. fa¸a todos os valores de sa´ exceto 0 dB serem e a a c ıda mais baixos que os valores de entrada. V´rias trilhas podem dividir um e a compressor. por exemplo. o compressor joga ("ramps") ıvel o ganho para cima at´ o valor de pico. O gatilho M´ximo pega a trilha mais alta e a usa como a entrada para o compressor. vocˆ pode fazer a e uma onda seno de uma trilha seguir a amplitude de uma bateria de outra trilha. Ent˜o. e a a e c Se este n´mero for negativo. u ea ca O ganho ´ jogado ("ramped") para aquele pico por sobre um tempo de rea¸˜o. ele e a joga o ganho para baixo. Para fazer o compressor reduzir a abrangˆncia dinˆmica do ´udio. Segundos para rea¸˜o: Determina para onde com rela¸˜o ` posi¸˜o atual o n´ m´ximo de ca ca a ca ıvel a ´ a ´udio ´ levado e qu˜o r´pido o ganho ´ ajustado para alcan¸ar este pico. O algoritmo atual limitar´ todos os n´ a ıveis de som acima de 0 dB para 0 dB.

.3.5 Limar pontas conserte-me. 14.6 EQ Param´trica e conserte-me. 14.3 Depurador conserte-me. 14.3. 14.3.7 Verb livre conserte-me.3.4 DepuradorFFT conserte-me.3.3. 14.8 Ganho conserte-me.Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real 89 14.

ca ´ O Audio Ao Vivo usa o driver de ´udio selecionado em Configura¸˜es->Preferˆnciasa co e >Reprodu¸˜o->Sa´ de Audio para grava¸˜o. Ent˜o. e ´ Coloque outros efeitos ap´s o Audio Ao Vivo para processar entrada da placa de som em o tempo-real. solte o efeito Audio Ao Vivo nela. Ele substitui qualquer ´udio na e a a trilha. a not´ ruim. A grava¸ao eventualmente fica para tr´s e a reprodu¸˜o soa zoada. Audio Ao Vivo n˜o funciona ao reverso.9 Col´gio de Hero´ e ına conserte-me. 14. destaque uma regi˜o horizontal de uma trilha de ´udio ou defina a a ´ pontos de entrada e sa´ ıda. Outro problema ´ que `s vezes o rel´gio de grava¸˜o na placa de som ´ levemente mais lento e a o ca e que o rel´gio da reprodu¸˜o.3. o ca c˜ a ca ´ Finalmente.3. ´ 14.12 Audio ao vivo Este efeito lˆ o ´udio diretamente da entrada da placa de som.3. ´ 14. mas ao contr´rio do que acontece em grava¸˜es. ca ıda ca a co ele usa o Tamanho do buffer de reprodu¸˜o como o tamanho de buffer de grava¸˜o e usa a taxa ca ca de amostragem do projeto como taxa de amostragem.3.11 Inverter Audio conserte-me. Crie trilhas extras e a ´ adicione c´pias compartilhadas do primeiro efeito Audio Ao Vivo `s outras trilhas para possuir o a canais de grava¸˜o extras. a . j´ que algumas placas de som n˜o conseguem gravar no a a ´ mesmo tamanho de buffer em que elas fazem a reprodu¸˜o.10 Interpolar conserte-me. ent˜o efeitos ıcia a a e a como o compressor ou atrasar˜o se eles tiverem pr´-leitura habilitada ou a reprodu¸˜o vai sofrer a e ca um under-run. ent˜o ´ normalmente aplicado a uma trilha vazia.90 Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real 14. Essas configura¸˜es s˜o cr´ co a ıticas. Com o Audio Ao Vivo n˜o h´ pr´-leitura ("read-ahead"). a e ´ Para usar o Audio Ao Vivo. Audio Ao Vivo tem sido mais ca confi´vel quando o driver de grava¸˜o ´ o ALSA e o tamanho do fragmento de reprodu¸˜o a ca e ca ("playback fragment") ´ 2048. ´ Agora.

ıda . O som tocar´ a a a a para frente. e caixa de di´logo de informa¸˜o do recurso. Refazer a Amostragem pode mudar a freq¨ˆncia em at´ 5% sem uma mudan¸a not´vel na dura¸˜o. a a c ca 14.3.13 Audio em loop conserte-me. a onda sonora na linha do tempo n˜o mais refletir´ a a a a sa´ revertida. Saiba que quando reverter o ´udio. Refazer amostragem. destacar ue e a pasta m´ ıdia. ue e c a ca Um outro jeito de mudar a freq¨ˆncia levemente ´ ir para a janela de Recursos.16 Reverter ´udio a Aplique Reverter ´udio a uma trilha de ´udio e reproduza-a de tr´s para frente.14 Sobreposi¸˜o ca conserte-me. ue ca J´ que os artefatos ("windowing artifacts") s˜o menos obstrusivos em um ´udio que oba a a viamente sofreu uma mudan¸a de freq¨ˆncia. 14. 14. c ue a ca Mudan¸a de Freq¨ˆncia ´ um efeito tempo-real que pode ser arrastado e solto em trilhas de c ue e a ´udio grav´veis. mas isso introduz artefatos.Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real 91 ´ 14. a a Ajuste a taxa de amostragem na caixa de di´logo Info para ajustar a freq¨ˆncia. Este m´todo a ue e tamb´m requere clicar com o bot˜o esquerdo do mouse na borda direita das trilhas de ´udio e e a a arrast´-las para a esquerda ou para a direita para corresponderem `s mudan¸as de dura¸˜o.15 Mudan¸a de freq¨ˆncia c ue Assim como os m´todos de esticamento de tempo.3.3. use Refazer c ue c e ue ´ amostragem da interface Audio->Renderizar efeito. Mudan¸a de Freq¨ˆncia usa uma transforma¸˜o Fourier r´pida para tentar a c ue ca a mudar a freq¨ˆncia sem modificar a dura¸˜o. existem trˆs m´todos de modifica¸˜o de n´ e e e ca ıvel: Mudan¸a de freq¨ˆncia.3. clicar com o bot˜o direito do mouse em um arquivo de ´udio e selecionar Info. a Mudan¸a de Freq¨ˆncia ´ principalmente util c ue c ue e ´ para mudan¸as extremas de freq¨ˆncia. Para mudan¸as m´dias de freq¨ˆncias.

redimensionar um v´ a ıdeo 1920x1080 para 720x480 n˜o ´ t˜o simples como encolhˆ-lo. Infelizmente. O efeito 1080 para 480 extrai propriamente dois campos de tamanho ca .4.3. 14.17 N´ ıvel do Som conserte-me. Esta t´cnica permite que c e uma tv de consumidor reproduza a imagem re-amostrada sem circuitos extras para segurar o entrela¸amento 720x480 em uma imagem 1920x1080.3. 14. 14. Os dois campos 1920x540 foram finalmente a combinados com entrela¸amento para formar a imagem 1920x1080. vocˆ acabaria com uma rese c e olu¸˜o de 720x240. 14. a e a e Na esta¸˜o de tv.1 1080 para 480 A maioria das transmiss˜es de tv s˜o recebidas com uma resolu¸˜o de 1920x1080.18 Espectrograma conserte-me. mas se originam o a ca ´ de uma fonte 720x480 no est´dio.3.92 Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real 14. o material 720x480 original foi primeiro convertido para campos de 720x240.19 Sintetizador conserte-me.4 Efeitos tempo-real de v´ ıdeo 14. ca Cada campo foi ent˜o re-escalado para 1920x540. E uma perda de espa¸o comprimir todo o 1920x1080 se os u c unicos detalhes resolv´ ´ ıveis s˜o 720x480.20 Esticamento de tempo conserte-me. c Se vocˆ simplesmente desentrela¸asse as imagens 1920x1080.3.

al´m de colocar uns e pontos pretos na tela. azul Especifica quais canais de cores tˆm de ser desfocados. a As trilhas para as quais 1080 para 480 for aplicado precisam estar a uma resolu¸˜o de ca 1920x1080. vocˆ vai querer mudar o brilho e o contraste usando mais ou menos os mesmos e valores (por exemplo.Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real 93 1920x540 da imagem. ıda Finalmente.3 Desfocar Este efeito desfoca uma trilha de v´ ıdeo. mas clara ao a c final.4. Use-o junto com quadros-chave para fazer brilhar uma tomada longa que est´ escura no come¸o. Ele vai colocar linhas pra cima e pra baixo do v´ ıdeo. e e N˜o use este efeito em excesso para n˜o degradar a qualidade de seu v´ a a ıdeo. 14. Os parˆmetros s˜o: a a • Horizontal e vertical Estes parˆmetros s˜o usados para dizer qual dos campos o desfoque afetar´. e 14. Pode ser ambos a a a os campos. contraste 26) de forma que as cores originais permane¸am a c intactas. verde. uma vez que vocˆ tenha um v´ e ıdeo entrela¸ado 720x480. Use o ıda e projetor para centralizar a imagem de sa´ no reprodutor. As configura¸˜es em configura¸˜es->formato devem estar em uma resolu¸˜o de co co ca pelo menos 720x480. O uso ´ feito junto com Brilho/Contraste e Balan¸o de Cores para fazer e c seu v´ ıdeo parecer realmente um v´ ıdeo antigo em preto e branco. escurid˜o 28.4. Geralmente.2 TV Envelhecendo Este efeito ´ aquele que vocˆ usa se quiser chegar a um aspecto de "filme antigo" ou aparˆncia e e e de programa de tv. O efeito Escala deve ser ent˜o aplicado para reduzir o tamanho c a horizontal para 960 ou 720 dependendo da raz˜o de aspecto original. vocˆ pode tanto aplicar c e Quadros para campos ou Telecine Inverso para recuperar mais dos quadros progressivos originais. Vocˆ deve especificar o que a primeira fileira ´ nas configura¸˜es do efeito. .4 Brilho/Contraste Se vocˆ quer esclarecer uma tomada escura ou adicionar luz. O efeito n˜o sabe se a primeira fileira da imagem 1920x1080 pertence ` primeira fileira do a a 720x480 original. 14. esta ´ a ferramente a ser usada. a • Desfocar alfa. vermelho. • Raio Use este deslizador para definir a quantidade de desfoque que ser´ aplicada.4. redimensiona-os separadamente e os combina de novo para restaurar uma imagem 1920x480 entrela¸ada. e e co A sa´ deste efeito ´ uma imagem pequena no meio do quadro 1920x1080 original.

ent˜o selecionar ıda e a uma cor novamente do compositor usar´ a sa´ do efeito chroma key. Conforme a cor se aproxima da borda do a e valor de entrada. A gradiˆncia ´ definida aqui como o n´mero e e e u de valores extras flanqueando a entrada requerida para ir de opaco a transparente. A sele¸˜o do modelo de cor ´ importante a a e a ca e para determinar o comportamento. Eles s˜o substitu´ a ıdos por preto se n˜o h´ canal alfa ou transparˆncia se h´ um canal alfa. Saiba que a sa´ do chroma key ´ alimentada de volta para o compositor.6 Chroma key Este efeito apaga pixels que combinem com a cor selecionada.4.7 Chroma key (HSV) conserte-me. Os e a e dois parˆmetros tendem a ser exclusivos porque a gradiˆncia preenche a entrada extra. Alternativamente. mas n˜o funciona bem para fontes e a comprimidas. Uma t´cnica popular de ameniza¸˜o ´ usar a gradiˆncia no m´ximo e um efeito e ca e e a em cadeia de desfoque abaixo do efeito chroma key para borrar apenas o alfa. ela ser´ a ca a apagada. 14. nas bordas de uma camiseta branca por exemplo. a e A gradiˆncia tenta amenizar as bordar do chroma key. Aumentar a entrada determina a abrangˆncia de cores a ser apagada.5 TV Queimando O efeito de v´ ıdeo queimando faz o seu v´ ıdeo "queimar" onde h´ pequenos peda¸os de luz colorida a c no v´ ıdeo. a ca a Usar valor considera apenas a luminˆncia para determinar a transparˆncia. Selecione uma a e cor central para apagar usando o bot˜o Cor. Isso marca a cor do chroma a a key para a cor atual colhida pelo selecionador de cor.4. uma cor pode ser selecionada a diretamente do quadro de sa´ usando a ferramenta selecionador de cor na janela de composi¸˜o ıda ca primeiro e.94 Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real 14. . Ele pode ser um bom recurso para um v´ ıdeo musical ou uma ferramenta para te ajudar a soltar a imagina¸˜o em seu v´ ca ıdeo. Entretanto.4. O chroma key deve estar a ıda desabilitado quando se quer selecionar cores com o Selecionador de cor. 14. O Chroma key usa ou a luminˆncia ou a grada¸˜o da cor para determinar o que ser´ apagado. Se a luminˆncia ou a grada¸˜o de cor estiver dentro de um certo valor de entrada. ela gradualmente vai se apagando se o valor de gradiˆncia estiver alto ou ´ e e rapidamente apagada se a gradiˆncia estiver baixa. Normalmente a entrada ´ bastante baixa quando se est´ usando uma gradiˆncia alta. ent˜o. e isso n˜o ´ um simples interruptor ligado/desligado. selecionando o bot˜o Usar selecionador de cor.

entretanto. 14.11 Atrasar V´ ıdeo conserte-me.4. Ele ´ como o e efeito de balanceamento de cores em programas de manipula¸˜o de imagens. A taxa de entrada ıda e ´ configurada na interface de usu´rio do Decimar. s˜o efeitos e c a separados. Para converter v´ e a ıdeo progressivo a 29. O efeito Desentrela¸ar oferece v´rias varia¸˜es de replica¸˜o de linha para aliminar c a co ca artefatos "pente" no v´ ıdeo entrela¸ado.Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real 95 14.97 quadros por segundo. a 23.4.97.4.10 Desentrela¸ar c O efeito Desentrela¸ar evoluiu com os anos para desentrela¸amento e muito mais.4. e ıda A taxa de sa´ do Decimar ´ a taxa de quadros por segundo do projeto. . 14.8 Balan¸o de Cores c O Balan¸o de Cores do V´ c ıdeo ´ uma boa ferramenta para se usar com Brilho/Contraste e e Satura¸˜o de tons para tentar compensar poss´ ca ıveis erros de filmagem (luz baixa. vocˆ pode mudar as cores que est˜o sendo enviadas para a sa´ CMY (Ciano.97 e a taxa do projeto para 23. Telecine Inverso e Quadros para campos. Efeitos computacionais intensivos devem vir abaixo do decimar. a 14. Azul). De fato. Isso normalmente ´ aplicado a um DVD para converter v´ e ıdeos a 29. mas este efeito de decimar consegue pegar qualquer taxa como entrada e convertˆ-la para qualquer taxa de sa´ menor. Magenta. Ele n˜o a consegue fazer muita coisa sem abaixar muito a qualidade do v´ ıdeo. e a ıda Amarelo) ou RGB (Vermelho.97 quadros por segundo para filme a 23.97 quadros por segundo para a taxa de quadros de filme. como o GIMP. Configure a taxa de entrada do decimar para 29.97. c c dois dos m´todos de desentrela¸amento. Verde. aplique um efeito de decimar na trilha. etc. Ele tamb´m possui algumas ferramentas de troca de c e linhas para consertar v´ ıdeo capturado incorretamente ou fazer com que o resultado de um efeito de Revers˜o exiba os campos na ordem correta. Com ca ele.9 Decimar Este efeito descarta os quadros de uma trilha que s˜o mais similares para reduzir a taxa de a quadros. Saiba que qualquer efeito colocado antes dos processos de decimar processam o v´ ıdeo ` taxa a de entrada do decimar e cada efeito colocado ap´s o decimar processa o v´ o ıdeo ` taxa de quadros a do projeto.

4. c a ca o a A trilha com o fundo deve ser mutada e abaixo da trilha com a a¸˜o e o modelo de cor deve ca possuir um canal alfa. Mude a entrada na janela da Chave de a diferen¸a para fazer mais pixels que n˜o s˜o da mesma cor transparentes.4. Pixels ca a que forem similares s˜o tratados como transparentes. Aplique o efeito Chave a de diferen¸a ` trilha com a a¸˜o e aplique uma c´pia compartilhada dele ` trilha com o fundo. e Nota: Atualmente. este efeito tem dado pau quando usado em modos de cor YUV. O c e a efeito Chave de diferen¸a deve ser aplicado a duas trilhas. e Usar valor faz a intensidade de pixels ser comparada ao inv´s da cor. 14.13 Depurar v´ ıdeo2 conserte-me.96 Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real 14.4. e Aplicar um desfoque ` trilha de cima com apenas o canal alfa sendo desfocado pode suavizar a a borda da transparˆncia.15 TV Pontilhada Outro efeito de Kentaro (effectTV). . 14.14 Chave de diferen¸a c A Chave de diferen¸a cria transparˆncia em ´reas que sejam similares entre dois quadros. Uma gradiˆncia alta ´ mais util com uma entrada e e ´ baixa porque a gradiˆncia preenche a entrada extra.4. Uma trilha cont´m a a¸˜o em frente c e ca a um fundo constante e a outra trilha o fundo sem nada ` sua frente. Mude a Gradiˆncia c a a e para mudar a raz˜o diante da qual a transparˆncia se esvanece conforme os pixels tornam-se a e mais diferentes. Pixels que forem diferentes entre o fundo e trilha de a¸˜o ser˜o tratados como opacos. 14.12 Depurar v´ ıdeo conserte-me. A gradiˆncia conforme definida aqui ´ o n´mero de valores extras flanqueando a entrada e e u requerida para ir de opaco a transparente.

4.4. combinando dois quadros e de entrada em um quadro unico entrela¸ado de sa´ ´ c ıda.16 Reduzir amostragem Reduzir a amostragem ´ o processo de reduzir o tamanho de uma imagem jogando informa¸˜o e ca fora. Cada quadro de entrada ´ e chamado um campo.18 Inverter Este efeito permite inverter uma trilha de v´ ıdeo (ou uma por¸˜o dela) da esquerda para a direita. reduzindo a taxa de amostragem.4. uma vez que apenas os parˆmetros verticais e horizontais s˜o a e a a requeridos. O jeito mais f´cil de descobrir isso ´ tentar as duas op¸˜es da janela. Parˆmetros se refere a: a Horizontal Deslocamento Horizontal Vertical Deslocamento Vertical Canais 14. ca a 14. a a ca configura¸˜o errada resultar´ em uma sa´ mais desfocada.4. Campos para quadros precisa saber qual campo corresponde a quais linhas no quadro de sa´ ıda. c O "debobber" que converte 720x480 entrela¸ado em 1920x1080 entrela¸ado ou 1280x720 c c progressivo parece degradar a resolu¸˜o vertical a ponto de ela n˜o poder ser recuperada. a configura¸˜o errada n˜o a a ca a vai fazer qualquer diferen¸a. 14.17 Campos para quadros Este efeito lˆ os quadros a duas vezes a taxa de quadros do projeto. Se os campos de a e co entrada s˜o resultantes de um processo de duplica¸˜o de linhas como quadros para campos. Efeitos precedendo campos para quadros processam quadros a duas vezes a taxa de quadros do projeto. ca direita para a esquerda.Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real 97 14. Se os campos de entrada s˜o o ca a ıda a resultado de um processo de convers˜o padr˜o como 1080 para 480.19 Quadros para campos . baixo para cima. A janela de di´logo ´ simples. cima para baixo.

98

Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real

Este plugin aplica a opera¸˜o reversa ao plugin "Campos para Quadros": ele extrai os dois ca campos entrela¸ados armazenados em linhas alternantes do material entrela¸ado fonte e gera c c uma sa´ como se eles fossem quadros inteiros separados. As linhas alternantes que faltarem ıda em cada quadro de sa´ s˜o interpoladas. (A nomenclatura deste par de plugins ´ obviamente ıda a e enganadora no que se refere ao uso comum dos termos "campo" e "quadro"; normalmente, "campos" denotam as metades das imagens, entrela¸adas, e "quadro" denota a imagem comc pleta). Este plugin ´ util apenas caso sua sa´ seja puxada com o dobro da taxa de quadros no e ´ ıda que diz respeito ao material de origem. Um cen´rio t´ a ıpico de uso ´ quando se faz m´scara, e a escalamento e transla¸˜o em material entrela¸ado sem a necessidade de se destruir a informa¸˜o ca c ca temporal adicional contida em tal material de origem. Isso ´ util se o seu formato alvo pretendido e´ for entrela¸ado. Se, de outro modo, vocˆ quiser apenas dar sa´ a exibiss˜es progressivas (por c e ıda o exemplo, caso vocˆ crie v´ e ıdeos para serem exibidos em monitores de computador somente) ent˜o a ser´ muito mais conveniente desentrela¸ar o material de origem antes de fazer qualquer outro a c processamento. Processando material entrela¸ado sem desentrela¸amento c c 1. Crie um novo projeto com a taxa de quadros duplicada. Por exemplo, crie um com 50 quadros por segundo caso sua fonte de origem seja de 25i 2. Insira o seu material fonte em uma trilha de v´ ıdeo na linha do tempo. Agora, o Cinelerra reproduzir´ cada quadro de seu material duas vezes. a 3. Aplique o efeito "Quadros para Campos". Assegure-se de escolher a ordem correta dos campos. Valores t´ ıpicos s˜o "Campo de baixo primeiro" para DV e "Campo do topo a primeiro" para HDV. 4. Aplique ent˜o quaisquer outros efeitos, incluindo transla¸˜es, escalamento, cˆmera lenta, a co a m´scara com precis˜o de quadros ou use o plugin de rastreamento de mo¸˜o. a a ca 5. Renderize o seu projeto para um recorte intermedi´rio. Assegure-se de escolher um codec a de v´ ıdeo sem perdas de compress˜o ("lossless"), como o Motion-JPEG-A o mesmo YUV a n˜o-comprimido se vocˆ tem espa¸o de armazenamento suficiente. a e c 6. Insira o recorte intermedi´rio em seu projeto original. Assegure-se que a taxa de quadros a duplicada tenha sido detectada corretamente pelo Cinelerra (olhando as informa¸˜es do co recorte na pasta de recursos de m´ ıdia) 7. Aplique o efeito "Campos para quadros" no recorte intermedi´rio. Isso combinar´ os dois a a campos adjacentes em um campo entrela¸ado com a taxa de quadros original. c 8. Fa¸a a renderiza¸˜o final no seu projeto original c ca

14.4.20 Congelar Quadro

Em sua forma mais simples, destaque uma regi˜o da trilha para congelar, solte o efeito de a congelar quadro na regi˜o destacada e o quadro com a numera¸˜o mais baixa ("lowest numbered a ca frame") na ´rea afetada ser´ reproduzido por toda a regi˜o afetada. a a a Congelar Quadro possui uma op¸˜o habilitado que pode ser objeto de quadros-chave. Regi˜es ca o de um efeito Congelar Quadro que est˜o habilitadas repetem o quadro de numera¸˜o mais baixa a ca desde o ultimo quadro-chave. Isso gera possibilidades unicas. ´ ´ • Se um efeito de congelar quadro possui um quadro-chave no meio dele marcado para habilitado, o quadro no meio ser´ repetido durante todo o efeito. a

Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real

99

• Se um efeito de congelar quadro possui v´rios quadros-chave, cada um marcado para haa bilitado, cada vez que um quadro-chave ´ encontrado, o quadro abaixo dele se torna o e congelado. • Se um efeito de congelar quadro se alterna entre habilitado e desabilitado, cada vez que um quadro-chave habilitado ´ encontrado, o quadro abaixo dele ´ replicado at´ o pr´ximo e e e o quadro-chave desabilitado. As regi˜es desabilitadas s˜o reproduzidas normalmente. o a

14.4.21 Gama

Imagens brutas de cˆmera armazenam cores em uma escala logar´ a ıtmica. Os pretos nessas imagens s˜o pr´ximos a 0 os brancos supostamente seriam a infinidade. As placas de v´ a o ıdeo e a maioria dos codecs de v´ ıdeo armazenam cores em uma escala linear, mas o Cinelerra mant´m e as imagens brutas de cˆmera em sua escala logar´ a ıtmica original quando as renderiza. Isso ´ e necess´rio porque o particionador ("parser") da imagem bruta n˜o consegue sempre decodificar a a os valores corretos de gama para as imagens. Ele tamb´m faz seu processamento em n´meros e u inteiros 16 bit ("16 bit integers"), o que remove um monte de informa¸˜es. co O efeito gama converte as cores logar´ ıtmicas em cores lineares por meio de um valor gama e um valor m´ximo. O valor gama determina qu˜o inclinada a curva de sa´ ser´ e o valor a a ıda a m´ximo ´ onde 1.0 na sa´ corresponder´ ao brilho m´ximo da entrada. a e ıda a a O efeito gama possui mais dois parˆmetros para simplificar a corre¸˜o de gama. A op¸˜o a ca ca autom´tico faz com que ele calcule m´x a partir do histograma da imagem. Use-a quando for a a fazer uma pr´-visualiza¸˜o de uma longa lista de imagens, j´ que isso muda para cada imagem. e ca a A op¸˜o Usar selecionador de cor usa o valor atualmente no selecionador de cores para ca estabelecer o valor m´x. Note que toda vez que vocˆ seleciona uma cor da janela de composi¸˜o, a e ca vocˆ precisa apertar Usar selecionador de cor para aplicar o novo valor. e

14.4.22 Gradiente

O efeito Gradiente sobrep˜e uma cor suave de gradiente ao topo de cada quadro de v´ o ıdeo. Ele ´ util para todos os tipos de preenchimento de fundo, para filtragem parcial ou para adicionar e´ destaques em movimento. O efeito Gradiente pode gerar preenchimentos de cor linear ou circular. Para preenchimentos lineares, vocˆ pode escolher o ˆngulo; para preenchimentos circulares, o e a centro do padr˜o de gradiente criado. Al´m disso, vocˆ pode controlar a gradiˆncia da cor de a e e e transi¸˜o selecionando uma fun¸˜o de transi¸˜o (linear, logar´ ca ca ca ıtmica, quadrada) e mudando o raio de "in´ ıcio" e "fim". Note que ambas as cores usadas nesta transi¸˜o de cores podem conter ca um valor arbitr´rio de Alfa (transparˆncia). Todos os parˆmetros podem ser marcados com a e a quadros-chave e ser˜o interpolados entre os quadros-chave. a Observe os problemas j´ bem conhecidos: a • Quando se usa modelos de cor limitados em seu projeto, o preenchimento Gradiente pode criar bandas ou passos de cor. • Quando se usa um formato de projeto com armazenamento anam´rfico, o Cinelerra n˜o far´ o a a nenhuma corre¸˜o interna para isso. Isso pode resultar em um preenchimento circular apareca cendo de forma el´ ıptica. Um exemplo comum ´ o formato HDV 1080i, que ´ armazenado e e

100

Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real

como 1440x1080 pixels, mas exibido como 1920x1080 (raz˜o de aspecto 16:9). Como o a Cinelerra faz os c´lculos em um mapa de bits de 1440x1080 pixels, qualquer preenchimento a circular ser´ esticado horizontalmente quando a sa´ final for exibida. a ıda

14.4.23 Histograma

Mostra o n´mero de ocorrˆncias para cada cor na trama de um histograma. u e Ele sempre ´ executado em ponto flutuante ("floating point") RGB, independentemente do e espa¸amento de cor do projeto. O histograma possui duas configura¸˜es de parˆmetros de c co a transferˆncia: a transferˆncia de entrada e a transferˆncia de sa´ e e e ıda. Quatro histogramas s˜o poss´ a ıveis no visor de histograma. Os histogramas vermelho, verde, azul mostram a entrada de histograma para vermelho, verde, azul e as multiplica por uma transferˆncia de entrada para obter a sa´ de vermelho, verde, azul. Ent˜o, a sa´ de vermelho, e ıda a ıda verde, azul s˜o escaladas por uma transferˆncia de sa´ a e ıda. O vermelho, verde, azul escalados s˜o a convertidos em um valor e ´ feita a trama no valor do histograma. O valor do histograma ent˜o e a muda dependendo das configura¸˜es de vermelho, verde, azul. As transferˆncias de valor s˜o co e a aplicadas uniformemente para o R, G, B ap´s suas transferˆncias de cores serem aplicadas. o e Selecione qual transferˆncia para vˆ-la selecionando um dos canais ao topo do histograma. e e A transferˆncia de entrada ´ definida por um gr´fico sobreposto ao histograma. A dire¸˜o e e a ca horizontal corresponde a cada cor poss´ de entrada. A dire¸˜o vertical corresponde ` cor de ıvel ca a sa´ para cada cor de entrada. O v´ ıda ıdeo que entra no histograma ´ primeiro tramado na trama e do histograma e ent˜o ´ transladado de modo que os valores de sa´ agora igualem os valores a e ıda de sa´ para cada valor de entrada no gr´fico de entrada. ıda a O gr´fico de entrada ´ editado adicionando-se ou removendo-se qualquer n´mero de pontos. a e u Clique e arraste em qualquer lugar do gr´fico de entrada para criar um ponto e movˆ-lo. Clique a e em um ponto existente para fazˆ-lo ficar ativo e movˆ-lo. O ponto ativo ´ sempre indicado sendo e e e preenchido. A entrada do ponto ativo e a cor de sa´ s˜o dados no topo da janela. As cores de ıda a entrada e sa´ do ponto podem ser mudadas por meio dessas caixas de texto. ıda Pontos podem ser apagados ao primeiro se selecionar um ponto e depois arrast´-lo ao outro a lado de um ponto adjacente. Eles tamb´m podem ser apagados ao selecion´-los e pressionando e a a tecla delete. Ap´s a transferˆncia de entrada, a imagem ´ processada pela transferˆncia de sa´ o e e e ıda. A transferˆncia de sa´ ´ simplesmente o m´ e ıda e ınimo e o m´ximo para se escalar as cores de entrada. a Valores de entrada de 100% s˜o escalados para baixo para o m´ximo da sa´ a a ıda. Valores de entrada de 0% s˜o escalados para cima para o m´ a ınimo da sa´ ıda. Valores de entrada abaixo de 0 s˜o sempre achatados para 0 e valores de entrada acima de a 100% s˜o sempre achatados para 100%. Clique e arraste nos triˆngulos de gradiˆncia de sa´ a a e ıda para mud´-los. Ele tamb´m possui caixas de texto onde se podem entrar valores. a e Habilite o bot˜o autom´tico para que o histograma fa¸a um c´lculo autom´tico da transa a c a a ferˆncia de entrada para vermelho, verde, azul mas n˜o o valor. Ele faz isso escalando o meio e a 99% dos pixels para pegar 100% da largura do histograma. O n´mero de pixels permitidos u para poderem passar ´ configurado pela caixa de texto Entrada. Uma entrada de 0.99 escala a e entrada de modo que 99% dos pixels possam passar. Entradas menores permitem que menos pixels passem e fazem a sa´ parecer mais contrastada. ıda A transferˆncia autom´tica de entrada ´ calculada pelos canais R, G e B, mas n˜o o valor. e a e a Trama do Histograma Dividir sa´ ıda

Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real

101

14.4.24 TV Hologr´fica a

Por Kentarou effectTV

14.4.25 Satura¸˜o de tons ca

Com este efeito, vocˆ pode mudar a grada¸˜o, satura¸˜o e valor. Os parˆmetros s˜o modificados e ca ca a a usando trˆs deslizadores simples. e • O controle de tons muda as cores circularmente no plano de cores, normalmente resultando em cores "falsas". • O controle de satura¸˜o pode ser usado para reduzir o material colorido para preto e branco. ca • O controle de valor faz das cores dadas mais brilhantes ou mais foscas.

14.4.26 Interpolar v´ ıdeo

O efeito Interpolar tenta criar uma ilus˜o de taxa de quadros mais alta a partir do material de a origem de taxas de quadros muito baixas alterando os quadros com o tempo. Ele faz uma m´dia e de dois quadros de entrada para cada quadro de sa´ ıda. Os quadros de entrada est˜o a tempos a diferentes, resultando em uma dissolu¸˜o para todos os quadros de sa´ entre os quadros de ca ıda entrada. H´ duas formas de especificar os quadros de entrada. Vocˆ pode especificar a taxa de a e quadros de entrada que ´ mais baixa do que a taxa de quadros do projeto. Isso faz com que os e quadros de entrada sejam pegos a intervalor pares. Vocˆ tamb´m pode especificar lugares de quadros-chave como posi¸˜es dos quadros de entrada. e e co Deste modo, a taxa de quadros de sa´ ´ usada como a taxa de quadros de entrada e vocˆ ıda e e simplesmente cria quadros-chave onde vocˆ quiser especificar um quadro de entrada. e

14.4.27 Interpolar pixels

Observa¸˜o: este efeito funciona somente para modelos de cor flutuante. ca conserte-me.

Os quatro parˆmetros se referem aos canais (Vermelho.28 Telecine Inverso Esta ´ a ferramenta mais efetiva de desentrela¸amento quando o material ´ um transfer de e c e v´ ıdeo de um filme.4. Alfa) a 14. os 60 quadros por segundo foram re-amostrados para 30 quadros por segundo a extraindo-se as linhas ´ ımpares e pares e entrela¸ando as linhas.4. Aqui o filme foi convertido de 24 quadros por segundo para 60 quadros por segundo. O efeito IVTC ´ primariamente c e uma forma de converter v´ ıdeo entrela¸ado para v´ c ıdeo progressivo. Radial e de Aproxima¸˜o. Azul. mas o e a a e e tempo vai ficar um pouco balan¸ado ("jitter") devido ` falta de uma redu¸˜o de taxa de quadros. A ultima op¸˜o cria v´rias combina¸˜es de linhas para cada ´ ca a co ´ quadro e pega a combina¸˜o mais progressiva. Ent˜o. vocˆ deve aplicar um efeito de Decimar ap´s o telecine.30 Desfoque Linear Desfoque possui trˆs estilos: Linear. ca c Esta t´cnica n˜o depende de um padr˜o como outras t´cnicas e ´ menos destrutiva. c A AB BC CD D AB CD CD DE EF Autom´tico a As duas primeiras op¸˜es s˜o padr˜es fixos e afetadas pelos parˆmetros Padr˜o do deslocaco a o a a mento e Campo ´ ımpar primeiro. Ele desfaz trˆs padr˜es de e o entrela¸amento. E um algoritmo de for¸a bruta. e o 14. Verde.102 Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real 14. . c a ca Para suavizar o tempo.29 Inverter V´ ıdeo Tamb´m chamado de Inverter V´ e ıdeo.4. para desfoque linear ca • Passos N´mero de passos de desfoque u • Canais Quais canais desfocar. e ca Os parˆmetros se referem a: a • Comprimento Distˆncia entre a imagem original e o passo final de desfoque a ˆ • Angulo ˆ Angulo de mo¸˜o. este ´ um m´todo de reverter as cores de uma trilha de e e v´ ıdeo.

V´ para a se¸˜o Entrada de V´ a ca ıdeo. Ele n˜o pode ser compartilhado por mais de uma trilha. Contr´rio ` op¸˜o a a ca configura¸˜es->reprodu¸˜o em loop. Outros drivers de v´ ıdeo n˜o foram testados com o efeito a V´ ıdeo Ao Vivo e provavelmente n˜o funcionar˜o. V´ e c˜ ıdeo Ao Vivo pega as configura¸˜es co de cor dos valores configurados na janela Entrada de V´ ıdeo. O formato de arquivo deve ser Quicktime para Linux e a grava¸˜o de v´ ca ıdeo deve estar habilitada para ele. ´ a e . Jogue outros efeitos ap´s V´ o ıdeo Ao Vivo para processar o v´ ıdeo ao vivo em tempo real. j´ que alguns canais s˜o a a usados pelo efeito V´ ıdeo ao Vivo. Ele substitui qualquer v´ ıdeo na trilha. jogue o efeito V´ a ıdeo Ao Vivo nela. os efeitos de loop podem ser renderizados onde a op¸˜o co ca ca configura¸˜es->reprodu¸˜o em loop n˜o podem. V´ para Configura¸˜es->Preferˆncias->Reprodu¸˜o->Sa´ de V´ a co e ca ıda ıdeo para habilitar o driver OpenGL. Para o driver de grava¸˜o ca ca Video4Linux2. o Os efeitos de loop possuem uma op¸˜o: o n´mero de quadros ou amostras a entrarem em ca u loop. a sele¸˜o de Formato de Arquivo e V´ ca ıdeo precisa estar configurada para um formato que a linha do tempo possa usar. a compress˜o deve ser Motion JPEG A.32 V´ ıdeo em loop Se¸˜es do v´ co ıdeo podem ser deixadas em loop arrastando um efeito loop nela. Quaisquer canais que a placa de captura suporte precisam ser configurados na interface Entrada de V´ ıdeo. A compress˜o do v´ a ıdeo depende do driver de grava¸˜o. onde diz Driver de Grava¸˜o. a compress˜o a a deve ser DV. Ent˜o. Para o driver IEC 61883. Ele deve estar configurado ca para Video4Linux2 ou IEC 61883. Apenas um efeito V´ ıdeo Ao Vivo pode existir em qualquer momento na linha do tempo. A configura¸˜o para a placa de a e ca captura ´ pega das preferˆncias de grava¸˜o. ent˜o ´ normalmente aplicado a uma trilha vazia. Para resultados melhores. Clique no ´ ıcone de ferramenta para configurar a compress˜o do v´ a ıdeo. Valores configurados na janela Entrada de V´ ıdeo s˜o usados pelo V´ a ıdeo ao Vivo. Isso faz com que o driver gere uma sa´ em um modelo de cor que a linha do ıda tempo consiga usar. destaque uma regi˜o horizontal de uma trilha de v´ a ıdeo ou defina pontos de entrada e sa´ ıda. a a Para v´ ıdeo ao vivo. Os efeitos de loop tamb´m s˜o convenientes co ca a e a para regi˜es curtas. a 14. A regi˜o ´ replicada por todo o efeito. Com a grava¸˜o de v´ ca ıdeo configurada.Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real 103 14.4. Algumas placas provˆm configura¸oes de cor e canal. V´ para Arquivo->Grava¸˜o para a ca revelar a interface de grava¸˜o e a janela Entrada de V´ ca ıdeo. V´ para Configura¸˜es->Preferˆncias->Grava¸˜o e e ca a co e ca para configurar a placa de captura. vocˆ deve usar OpenGL e uma placa de v´ e ıdeo que suporte a linguagem de sombreamento ("shading") GL. Isso especifica a dura¸˜o da regi˜o a entrar em loop come¸ando ou a partir do come¸o do ca a c c efeito ou do ultimo quadro-chave.31 V´ ıdeo Ao Vivo Este efeito lˆ o v´ e ıdeo diretamente da entrada da placa de captura.4.

ca re-chamado a partir de um c´lculo pr´vio ou descartado. Ele pode fazer restreamento de 1/4 de pixel ou de pixel unico. Ele compara esta regi˜o entre dois quadros para calcular o movimento. ıcio 14. O rastreador de movie ca o mento rastreia dois tipos de movimenta¸˜o: transla¸˜o e rota¸˜o.33 Mo¸˜o ca O rastreador de movimento ´ uma aplica¸˜o quase completa por si s´. O tamanho do bloco a ser buscado ´ informado c e por este parˆmetro. Marcar um quadro-chave unico faz a regi˜o ap´s o quadro-chave entrar em ´ a o loop atrav´s do efeito. mas ´ o suficiente para suavizar e algumas tomadas de cˆmera. Marcar v´rios quadros-chave em sucess˜o faz v´rias regi˜es c a a a a o entrarem em loop. O rastreador de movimento rastreia a mo¸˜o em X e Y co ca ca na camada mestre e ajusta a mo¸˜o X e Y na camada alvo. um bloco ´ comparado a um n´mero de blocos vizinhos para co ca e u encontrar aquele com a menor diferen¸a. ele normalmente precisa ser renderizado para que se veja resultados uteis. a ´rea de busca ´ delimitada e varrida novamente co e a a e .104 Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real Cada vez que um quadro-chave ´ configurado em um efeito de loop. A camada alvo ´ onde a mo¸˜o ´ ou aplicada ` trilha ou compensada para a a e ca e a mo¸˜o na camada mestre. O efeito leva um longo tempo para ´ detectar a movimenta¸˜o precisamente. Ele a c e a pode ser jogado fora ou acumulado com todos os vetores de movimento que s˜o levados at´ a a e posi¸˜o atual. a opera¸˜o de busca compararia o bloco de transla¸˜o com cada outro pixel no ca ca raio de busca de transla¸˜o. um n´mero de coisas pode ser feito com aquele vetor de movimento. o quadro-chave se torna o e come¸o da regi˜o a entrar em loop. n˜o importando onde o quadro-chave est´. um subconjunto ca ca das posi¸˜es totais ´ buscado. A camada mestre ´ onde a compara¸˜o entre dois e ca quadros se d´. Ele pode ser u escalado por um valor estabelecido pelo usu´rio e for¸ado para uma abrangˆncia m´xima. ca Para economizar tempo. o resultado da movimenta¸˜o pode ser salvo para reuso posterior. Esta regi˜o pode a a ser definida em qualquer lugar da tela. ca O rastreador de movimento funciona usando uma regi˜o do quadro como regi˜o a ser rasa a treada.4. O fim de um efeito pode e a a entrar em loop a partir do in´ marcando o quadro-chave perto do final. a e O rastreador de movimento possui uma no¸˜o de dois rastreadores. Ele pode rastrear as duas ca ca ca simultaneamente ou apenas uma. a camada-mestre ("master ca layer") e a camada-alvo ("target layer"). Uma vez que o movimento entre dois quadros tenha sido calculado. ca • Tamanho do bloco de transla¸˜o ca Para as opera¸˜es de transla¸˜o. ca ca Embora o rastreador de movimento seja aplicado como um efeito tempo-real. Ent˜o. a e a como alguns rastreadores de movimento de primeira classe. Para aumentar a velocidade desta opera¸˜o. ´ Ele pode estabilizar a mo¸˜o ou fazer com que uma trilha siga a movimenta¸˜o de outra. a ca • Passos de busca de transla¸˜o ca Idealmente. a Aqui est´ uma breve descri¸˜o dos parˆmetros do rastreador de movimento: a ca a • Transla¸˜o da Trilha ca Habilita opera¸˜es de transla¸˜o. ca A elabora¸˜o do rastreamento de movimenta¸˜o ´ suficiente para sustentar companhias inca ca e teiras e construir carreiras por a´ O rastreador de movimento no Cinelerra n˜o ´ t˜o sofisticado ı. a • Raio de busca da transla¸˜o ca O tamanho da ´rea a ser varrida para o bloco de transla¸˜o.

O quadro inicial ´ especificado na caixa N´mero ca e e u do Quadro. Assim. a a a e . A movimenta¸˜o calculada desta forma ´ usada como o vetor de movimenta¸˜o ca e ca absoluto. Bloco X. a quantidade de mo¸˜o ser´ limitada por ca a aquela porcentagem do tamanho da imagem. ca a uma vez que ela n˜o cont´m qualquer vetor de mo¸˜o pr´vio. ca Tamanho do bloco de rota¸˜o ca Para opera¸˜es de rota¸˜o. Velocidade gradual A movimenta¸˜o detectada entre cada quadro pode ser acumulada para formar um vetor ca de movimenta¸˜o absoluto. e ca Raio de busca de rota¸˜o ca Este ´ o ˆngulo m´ximo de rota¸˜o a partir do quadro de in´ que o rastreador de rota¸˜o e a a ca ıcio ca consegue detectar. representa a exten¸˜o ca ca ca do raio de busca de transla¸˜o. cada ˆngulo poss´ seria testado para se conseguir a rota¸˜o. Para aumentar a ıvel ca a velocidade da busca de rota¸˜o. ıvel Deslocamento absoluto m´ximo a A quantidade de movimenta¸˜o detectada pelo rastreador de movimento ´ ilimitada se este ca e valor estiver em 100. o raio a ˆ a a de busca ´ delimitado e um n´mero igual de ˆngulos ´ comparado no raio menor at´ que a e u a e e precis˜o m´xima seja alcan¸ada. Ent˜o. Se a velocidade gradual for menor que 100. a mo¸˜o entre um quadro unico de in´ ca e ca ´ ıcio e o quadro atual abaixo do ponto de inser¸˜o ´ calculada. Y Essas coordenadas determinam o centro do bloco de transla¸˜o baseado nas porcentagens ca de largura e altura da imagem. j´ que n˜o h´ uma dependˆncia dos resultados anteriores. O vetor de movimenta¸ao absoluto para cada quadro substitui o vetor de movic˜ menta¸˜o absoluto para o quadro anterior. Este ´ o tamanho do bloco de rota¸˜o. O rastreador de movimento rastreia a rota¸˜o na camada co ca ca mestre e ajusta a rota¸˜o na camada alvo. Se a velocidade gradual for 100. cada co ca ´ e um rotacionado por um valor diferente. ca Rastrear quadro unico ´ Quando esta op¸˜o ´ usada. o raio de busca de rota¸˜o ´ dividido em um n´mero ca ca e u finito de ˆngulos e apenas estes angulos s˜o comparados ao quadro inicial. A velocidade gradual n˜o possui um efeito nisso. O centro deste bloco deve ser parte da imagem que est´ a vis´ a todo tempo. O rastreamento de rota¸˜o ´ a partir deste ˆngulo seguindo o sentido ca e a hor´rio ou a partir deste ˆngulo seguindo o sentido anti-hor´rio. o tamanho do bloco de rota¸˜o ´ ca ´ ca e desenhado rotacionado pela quantidade de rota¸˜o detectada. o vetor absoluto ´ escalado o e para baixo pela quantidade gradual antes de ser adicionado ao pr´ximo quadro. Uma caixa ca a a representa o bloco de transla¸˜o. e Desenhar vetores Quando a transla¸˜o est´ habilitada. Uma vez que o e rastreador de rota¸˜o varre o raio de busca de rota¸˜o em duas dire¸˜es. duas caixas s˜o desenhadas no quadro. vocˆ precisar´ de ca ca co e a dois passos para cada grau no raio de busca para varrer a abrangˆncia completa. No centro dessas caixas est´ uma flecha mostrando a ca a transla¸˜o entre os dois quadros mestre. o Rota¸˜o da Trilha ca Habilita opera¸˜es de rota¸˜o. A outra.A reprodu¸˜o pode come¸ar em a e ca e ca c qualquer lugar da linha do tempo.Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real 105 • • • • • • • • • pelo mesmo n´mero de passos de busca at´ que a mo¸˜o seja conhecida por uma precis˜o u e ca a de 1/4 de pixel. ca e e Passos da busca de rota¸˜o ca Idealmente. a a c Normalmente vocˆ precisa de um passo de busca para cada grau varrido. o vetor absoluto ´ adicionado ca e ao pr´ximo quadro. Caso esteja a menos de 100. ca Quando a rota¸˜o for habilitada em uma caixa unica. fora do bloco de transla¸˜o. um bloco unico ´ comparado a blocos de mesmo tamanho. o raio de busca de a a a rota¸˜o ´ metade da abrangˆncia total varrida.

ıcio e ca o a posi¸˜o do bloco ´ mudada para sempre cobrir a mesma regi˜o da imagem. habilite a reprodu¸˜o da trilha. Marque A¸˜o -> N˜o fazer a ca a nada. o c´lculo de mo¸˜o ser´ carregado de um c´lculo salvo anteriormente. a ca Se for Bottom. o a a ca e c´lculo de mo¸˜o ´ recalculado a cada vez que cada quadro for renderizado. Se esta op¸˜o ca estiver em N˜o Calcular. Se estiver em Trilha. Se estiver em Estabilizar.. ca ca ca a a camada alvo permanece intocada. ´ ca ca 14. jogue o efeito em uma regi˜o do v´ ca a a ıdeo com alguma movimenta¸˜o para ser ca rastreada. tamanho de bloco e a e coordenadas de bloco para transla¸˜o e rota¸˜o. centralize o bloco co na parte da imagem que vocˆ quer rastrear. Isso ´ util para estabilizar um objeto no quadro. existe um m´todo para aplic´-lo para conseguir o e e a melhor dele. desabilite a reprodu¸˜o da trilha. marque o c´lculo para Salvar coordenadas e fa¸a a c buscas de teste pela seq¨ˆncia para ver se o rastreador de mo¸˜o funciona e para salvar os vetores ue ca de mo¸˜o. o c´lculo de mo¸˜o ´ pulado. como o Rastrear quadro anterior faz. ca .4. As opera¸˜es de mo¸˜o pode ser ca e´ co ca precisas para pixels unicos ou subpixels mudando-se a configura¸˜o de a¸˜o.1 Segredos do rastreamento de mo¸˜o ca Uma vez que este ´ um efeito muito lendo. a trilha ` base de todas as trilhas compartilhando este efeito ser´ a camada a a mestre. Se estiver em N˜o fazer nada.. Ent˜o marque o raio de busca. Ao inv´s de ajustar a posi¸˜o do bloco para e e ca refletir a nova localiza¸˜o da imagem. Se a ca a o e a estiver em Carregar.. uma nova regi˜o ´ comparada a cada a e a e quadro. Primeiro. desabilite Desenhar ca ca vetores. a camada alvo ser´ movida a pela mesma quantidade que a camada mestre. a movimenta¸˜o e´ a ca entre o quadro anterior e o atual ´ calculada. A trilha ao topo de todas as trilhas ser´ a camada alvo. ca ca Uma vez que isso tenha sido configurado. Marque C´lculo -> N˜o calcular. a • C´lculo a Determina se a mo¸˜o ser´ calculada e se ela deve ser salva no disco r´ ca a ıgido. Se ela estiver a ca e em Salvar. Se ela estiver em Recalcular. Habilite Desenhar vetores. Assim. a posi¸˜o do ca ca bloco n˜o ´ modificada entre cada quadro. a a Habilite quais vetores de mo¸˜o de transla¸˜o ou mo¸˜o de rota¸˜o vocˆ quer rastrear. marque a a¸˜o de mo¸˜o para ser feita na camada alvo e mude o c´lculo para Carregar ca ca a coordenadas.33. A reprodu¸˜o ca e a ca deve ser iniciada a partir do in´ do efeito de mo¸˜o para que se acumule todos os vetores ıcio ca necess´rios de movimenta¸˜o. Finalmente. a ca • Quadro anterior mesmo bloco Este ´ util para estabilizar tomadas de cˆmera trepidantes.. a ca a a Se n˜o h´ c´lculo anteriores salvos no disco. Isto ´ util para ajustar t´ e ´ ıtulos a objetos no quadro. Ap´s cada quadro ser processado desta forma. o c´lculo de mo¸˜o sempre ser´ realizado mas uma c´pia tamb´m ser´ salva. desabilite a reprodu¸˜o de trilha na qual vocˆ est´ fazendo o rastreamento ca e a de mo¸˜o. um novo c´lculo de mo¸˜o ´ realizado. • Camada Mestre Determina a trilha que oferece o quadro inicial e o quadro final para o c´lculo de mo¸˜o. Quando isso tiver sido feito. determina se a camada alvo ser´ movida em ca a oposi¸˜o ao vetor de mo¸˜o ou se seguindo o vetor de mo¸˜o. Rebobine o ponto de inser¸˜o para o in´ ca ıcio da regi˜o. Neste modo. Ent˜o.. ca e Isso ´ adicionado a um vetor de movimenta¸˜o absoluto para se obter a nova mo¸˜o a partir e ca ca do in´ da sequˆncia para a posi¸˜o atual.106 Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real • Rastrear quadro anterior Faz com que apenas a movimenta¸˜o entre o quadro pr´vio e o quadro atual seja calculada.y. Ent˜o habilite a reprodu¸˜o a a a ca da trilha para ver as ´reas onde o rastreamento est´ sendo feito. a a a a ca e • A¸˜o ca Uma vez que o vetor de mo¸˜o seja conhecido.. a camada alvo ´ movida em oposi¸˜o ao vetor de e ca mo¸˜o. Obca ca ca ca e servando a janela de compositor e ajustando as configura¸˜es de Bloco x.

Ou salve os vetores de mo¸˜o em ca a ca uma passagem de trilha e desabilite o desfoque para a a¸˜o de passagem ou aplique o desfoque ca apenas ` camada mestre. a 14. Isso ´ util para seq¨ˆncias longas onde algum erro pode co ca e´ ue ser aceit´vel. a ca 14. os modos Salvar coordeca ca nadas e quadro anterior n˜o funcionar˜o.5 O rastreamento de mo¸˜o em a¸˜o ca ca Primeiro. a O m´todo mais lento ´ calcular o vetor de mo¸˜o e aplic´-los simultaneamente.33.4.4.3 Usando desfoque para melhorar o rastreamento de mo¸˜o ca Com material extremamente ruidoso ou entrela¸ado. a ca ue Se o rastreador de mo¸˜o for usado em uma fazenda de renderiza¸˜o. a Isso tamb´m permite que o rastreamento de mo¸˜o use um modelo de cor que demande menos e ca como o RGB888 no passo de rastreamento ("scanning") e um modelo de cor que demande mais como o RGB Float no passo de a¸˜o. a 14. Os resultados da opera¸˜o de salvar coordenadas s˜o a a ca a salvos nos discos r´ ıgidos dos n´dulos de renderiza¸˜o.33. Isso ´ mais r´pido que uma passagem unica porque assim os e a ´ erros no c´lculo do vetor de movimento podem ser descobertos rapidamente. Uma segunda passagem ´ usada para aplicar os e vetores de movimento ao material. Este m´todo e e ca a e pode usar uma trilha como a trilha de c´lculo do vetor de mo¸˜o e outra trilha como a trilha a ca alvo para as a¸˜es do vetor de mo¸˜o. Normalmente ´ um quadro perto do meio da seq¨ˆncia. O fato de que os n´dulos de renderiza¸˜o visualizam o o ca apenas uma por¸˜o da linha do tempo tamb´m faz com que o quadro anterior funcione. Desta forma.4. ıcio ´ ca ca Raramente ser´ o quadro 0.33.2 Rastreamento de mo¸˜o em 2 passagens ca O m´todo descrito acima ´ o rastreamento de mo¸˜o em 2 passagens. j´ que ca e a ele depende de um c´lculo do vetor de mo¸˜o absoluto que se inicia no quadro 0. Isso sofre da desvantagem de n˜o ser pr´tico para seq¨ˆncias extremamente longas onde a a ue algum erro seja aceit´vel e a qualidade da imagem seja ruim antes de mais nada.4. adicione um efeito de mo¸˜o ` trilha. Arraste-o da janela de recursos e jogue-o ca a diretamente por sobre o v´ ıdeo na janela principal do Cinelerra. Uma passagem ´ usada e e ca e apenas para calcular os vetores de movimento. Ou salve os vetores de mo¸˜o em uma passagem de trilha e desabilite ca o histograma para a a¸˜o de passagem ou aplique o histograma apenas ` camada mestre. como estabilizar a tomadas de cˆmera. a e ue o radio de busca precisa chegar a apenas metade de toda a extens˜o da mo¸˜o na seq¨ˆncia. aplicar um efeito de desfoque antes do c rastreamento de mo¸˜o pode melhorar a precis˜o do efeito.Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real 107 Quando usar um unico quadro de in´ para calcular a movimenta¸˜o de uma seq¨ˆncia.4 Usando o histograma para melhorar o rastreamento de mo¸˜o ca Um histograma ´ quase sempre aplicado antes do rastreamento de mo¸˜o para reduzir o ru´ e ca ıdo em pixels mais escuros.33. ca a 14. n˜o no n´dulo mestre. Vocˆ deve ver algo similar a e isto: . Opera¸˜es futuras o ca a o co de renderiza¸˜o nesses n´dulos processar˜o quadros diferentes e ler˜o as coordenadas erradas ca o a a dos sistemas de arquivos dos n´dulos. O passo de rastreamento leva muito mais tempo do que ca o segundo. o ´ ıcio ca ue quadro de in´ deve ser um quadro unico com a menor mo¸˜o com rela¸˜o aos outros quadros.

Vocˆ ver´ algumas caixas novas sobrepostas ao v´ e a ıdeo.108 Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real Clique com o bot˜o direito do mouse no marcador do efeito de mo¸˜o na linha do tempo e a ca selecione "mostrar" para ver a caixa de di´logo do rastreador de mo¸˜o: a ca Comece olhando no seu Compositor. Falaremos mais sobre isso mais tarde. e . mas rapidamente: a − A caixa pequena do meio ´ o alvo do rastreador. Aqui est´ uma captura r´pida de a ca a a como aparecer´ quando ele estiver funcionando: a A imagem acima mostra o rastreador de mo¸˜o perdendo a trilha do objeto porque uma ca janela de busca est´ muito pequena. Elas s˜o importantes para controlar o rastreador de mo¸˜o.

Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real 109 − A caixa maior do meio ´ a abrangˆncia de busca para o rastreador.Raio de busca da transla¸˜o.e gire-o para ter uma id´ia do a ca e que est´ mudando. Falhamos neste quadro de v´ ıdeo porque o objeto est´ bem ` direita do centro do quadro. Mova para o in´ do seu recorte de v´ ıcio ıdeo Assegure-se que a caixa de di´logo do rastreador de mo¸˜o esteja aberta a ca Olhe para o Compositor Come¸e a ajustar estes quadro bot˜es: c o Assegure-se de habilitar a Transla¸ao da Trilha c˜ Desabilite a Rota¸˜o da Trilha ca Comece com o bot˜o dois . use o bot˜o de cima . Finalmente. N˜o se preocupe e a se ela ainda n˜o cobre o objeto. estamos tentando rastrear o objeto vermelho. Expanda-o para incluir toda a ca a abrangˆncia do movimento ("travel") que vocˆ espera do alvo. Mais sobre isso depois. a V´ para os bot˜es trˆs e quatro . e − Neste exemplo.Tamanho do bloco de transla¸˜o .Bloco X e Bloco Y. o raio de busca era muito pequeno e o alvo se moveu para fora de sua abrangˆncia. Vocˆ pode testar isso reproduzindo a linha do tempo e vendo os resultados e e (se a sua m´quina for suficientemente r´pida para tempo-real) ou renderizando e vendo o objeto a a estabilizado na sa´ ıda. Note que ambas as caixas s˜o redimensionadas. Ajuste-a para o tamanho do alvo (o objeto que vocˆ quer rastrear). Ela deve conter a e e abrangˆncia completa do movimento para o alvo do rastreamento. a a − O vetor que aponta para a esquerda indica o rastreador de mo¸˜o tentando encontrar o ca alvo. Fa¸a o primeiro quadro do v´ c ıdeo ficar parecido a: . Olhe para a caixa pequena a a de dentro. Use-os para colocar o designador de a o e alvo por sobre o alvo. Se vocˆ olhar para tr´s em e e e a minha captura de tela original.

− C´lculo a − N˜o calcular selecione esta op¸˜o para desligar o ajuste do v´ a ca ıdeo. o quadro de fora ´ mais largo do que o movimento de o e balan¸o do pˆndulo em todo o recorte de v´ c e ıdeo. Finalmente. Essas configura¸˜es s˜o controladas co a pelos bot˜es dois a quatro. aqui est˜o outras configura¸˜es necess´rias para ver o efeito: a co a − Desenhar vetores Desabilite esta op¸˜o para evitar a renderiza¸˜o das caixas de alvo e ca ca dos vetores de mo¸˜o em seu v´ ca ıdeo renderizado. ca a e a − A¸˜o Selecione as op¸˜es de estabiliza¸˜o para que o v´ ca co ca ıdeo renderizado siga a movimenta¸˜o ca do alvo. − Recalcular Faz o rastreamento de mo¸˜o e atualiza o v´ ca ıdeo por configura¸˜o de A¸˜o.110 Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real Esta imagem mostra um monte de detalhes. Se n˜o h´ uma segunda trilha compartilca a a hando o rastreador de mo¸˜o. ent˜o a camada mestre ´ igual ` camada alvo. os vetores e as caixas s˜o a renderizadas no v´ ıdeo de sa´ ıda. est´ configurado com um n´mero de quadro de a u 0 (primeiro quadro) − Camada Mestre Se o efeito for compartilhado entre duas trilhas. Finalmente. ´ − Rastrear Quadro Unico Para este exemplo. Selecione uma op¸˜o de Trilha para rodar o rastreamento de mo¸˜o sem ajustar o ca ca v´ ıdeo. Note que o quadro pequeno est´ centralizado a por sobre o objeto e ajustado justamente para inclui-lo. ca ca . Se habilitada. ele especifica em qual daquelas trilhas o movimento ser´ rastreado (camada mestre) e qual delas ser´ afetada pelo a a vetores de transla¸˜o resultantes (camada alvo).

Vocˆ provavelmente vai preferir obter uma a ca e estabiliza¸˜o n˜o-perfeita em alguns lugares do v´ ca a ıdeo. deselecione a op¸˜o "Desenhar vetores". O bloco e os vetores n˜o ca a ser˜o mais desenhados no v´ a ıdeo. Cada quadro pega um arquivo separado da pasta /tmp que cont´m seu vetor.36 Sobrepor v´ ıdeo . usando e pontos de entrada e sa´ ıda. mais vocˆ ter´ que aproximar para descartar as bordas pretas. Seu objetivo n˜o ´ "seguir" um objeto. Quanto mais trepidante seu material for. por exemplo. Tal necessidade pode surgir quando o v´ ıdeo foi gravado a partir de um ve´ ıculo.35 Pintura a ´leo o Este efeito faz com que as trilhas de v´ ıdeo apare¸am como uma pintura. e 14.6 Estabiliza¸˜o de rastreamento em a¸˜o ca ca Nesta se¸˜o. ca Alargue o bloco e selecione quase a metade do tamanho do v´ ıdeo. O a a e bloco fica exatamente no mesmo lugar durante toda a dura¸˜o do efeito. vamos explicar como estabilizar um v´ ca ıdeo. Esta op¸˜o ´ recomendada para estabilizar ca ca e material de cˆmera gravado de um jeito trepidante. Este ´ o motivo e a e pelo qual o resultado fica melhor com material HDV do que com material DV. Vocˆ ter´ que fazer uma aproxima¸˜o e definir quadros-chave de projetor para e a ca mover o projetor pela tela para remover estas bordas pretas.Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real 111 − Salvar e Carregar Salva/Carrega os vetores de transla¸˜o/rota¸˜o (absolutos ou relaca ca tivos) para/de arquivos.4. mas vai acrescer ca a consideravelmente o tempo de renderiza¸˜o.34 Desfoque de movimento conserte-me. Aplique o efeito de mo¸˜o a esta parte do v´ ca ıdeo. Assegure-se de a op¸˜o "Desenhar vetores" estar ca ca selecionada e renderize parte do v´ ıdeo onde o efeito de mo¸˜o foi aplicado. Vocˆ notar´ que o v´ e a ıdeo estar´ estabilizado mas que h´ bordas pretas aparecendo nos cantos a a dos quadros. Reduza o valor de "Deslocamento absoluto a ca m´ximo" para limitar a amplitude da estabiliza¸˜o. A intensidade das cores pode ser escolhida como op¸˜o. ca 14.4.dv’ e importe-o em seu projeto. Ent˜o. Aumentar este valor n˜o vai dar um resultado melhor.4. Marque o valor de "Passos de busca de transla¸˜o" para 128. Selecione a op¸˜o "Estabica lizar Subpixel": ela dar´ uma estabiliza¸˜o mais fina. ca Se o resultado estiver bom.33.4. Selecione a op¸˜o "Quadro anterior mesmo bloco". ao inv´s de ter uma borda negra gigante e de um lado da imagem durante grandes chacoalhadas. 14. renderize seu v´ a ıdeo para um arquivo ‘. Ele pode ser controlado c pelo deslizador de Raio. 14. Primeiro selecione na linha do tempo a parte do material que vocˆ quer estabilizar.

e ıda e vocˆ pode escolher em qual das trilhas sobrepor a sa´ combinada. P´gina 60. Isso s´ o ´ util como um plugin compartilhado (por exeplo. ele converte seu v´ ıdeo de ou coordenadas polares para coordenadas retangulares. Manipule os parˆmetros do plugin na Trilha A. (Dica: na maioria dos casos. Matematicamente. a camada de cima ´ subtra´ da de baixo para o modo "Subtrativo". O Sobrepositor tem a habilidade de combinar uma ou v´rias camadas de imagem no topo de uma "camada a de base".2 [Comca a ca posi¸˜o]. Isso a a ´ um dispositivo b´sico interno normalmente usado pelo Cinelerra para criar as transi¸˜es (de e a co dissolver) e para compor a sa´ final de cada trilha no mapa de bits de sa´ ıda ıda. Al´m disso. e ıda vocˆ vai querer mutar a outra trilha e apenas reter esta sa´ combinada). Escolha "Trilha A:Sobreposi¸˜o" como um plugin compartilhado. qual trilha ter´ o papel de "camada de base" e qual ter´ o papel de ca a a "camada de cima".38 Polar O efeito Polar dobra e embrulha seu v´ ıdeo em formas bizarras. o plugin de sobreposi¸˜o habilita o uso deste dispositivo Sobrepositor no meio de ca qualquer pilha de plugins. e ıda 14. Subtrativo. ca 4. isso pode fazer bastante diferen¸a.4. a 14. um plugin de m´ltiplas trilhas).4. vocˆ pode escolher a ordem de soa ca e breposi¸˜o. Adicione o efeito na Trilha A. Assim. veja Veja Se¸˜o 8.39 RGB-601 conserte-me. 3. c a a 14. Dividido. a Na janela de parˆmetros do plugin de Sobreposi¸˜o. por ca c exemplo. Aditivo. Multiplicado (Filtro). Escolha "adicionar efeito" do menu de contexto de outra trilha (Trilha B).112 Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real Este efeito pode combinar v´rias trilhas usando o t˜o chamado Sobrepositor ("Overlayer"). a ca Para uma explica¸˜o detalhada dos v´rios modos de sobreposi¸˜o. 2.4. Ele pode fazer isso combinando imagens em v´rios modos de sa´ diferentes (e a ıda cambi´veis): Normal. abrindo possibilidades infinitas de filtragem e processamento. ca a Agora.37 Perspectiva O efeito de perspectiva permite que vocˆ mude a perspectiva de um objeto e ´ perfeito para e e fazer com que os objetos pare¸am que est˜o sumindo na distˆncia.4. 14. ou o contr´rio. por exemplo.40 Desfoque Radial . Para alguns modos de sobreposi¸˜o. Max e Substituir. para e´ u usar o plugin de sobreposi¸˜o: ca 1.

Vocˆ divide ca e e a dura¸˜o do recorte pela velocidade de reprodu¸˜o (5. Ele n˜o muda a dura¸˜o da a ca seq¨ˆncia.41 Mudar taxa de quadros . Vocˆ pode variar o local. Mudar taxa de quadros . O modo de Reduzir amostragem muda a taxa de quadros da entrada assim como o n´mero u de quadros a serem lidos. O Cinelerra pegar´ os quadros certos de sa´ e a ıda para a taxa de quadros do projeto.RT Mudar taxa de quadros . a a Reduzir amostragem ´ util apenas para fatores de escala abaixo de 1.RT assumem a mesma taxa de quadros que o Mudar taxa de quadros . ele n˜o muda u a a taxa de quadros da entrada. Selecione o modo de esticamento e informe um valor acima de 1 para ca a conseguir uma reprodu¸˜o acelerada.4 e e esticamento.765. portanto o nome Reduzir e´ amostragem. ca Para um efeito de cˆmera lenta. selecionados por dois bot˜es na interface. Se seu quadro de sa´ atual for #55 e o fator ıda de escala 2. o O modo Stretch multiplica o n´mero de quadros atual de sua sa´ pelo fator de escala para u ıda chegar ao quadro para ler a partir de sua entrada.5 e a taxa de quadros de sa´ for 30 quadros por segundos.792 sesegundos e termina aos 39. Vocˆ deve mudar o ponto de sa´ a 48. O modo de esticamento tem o efeito de mudar e a dura¸˜o do v´ ca ıdeo de sa´ pelo inverso do fator de escala. e O modo Reduzir amostragem n˜o muda a dura¸˜o da seq¨ˆncia de sa´ a ca ue ıda. o quadro #110 ´ lido de sua entrada. Vocˆ cria um ponto de entrada ao in´ e ıcio de seu recorte: 33. Efeitos antes do Mudar taxa de quadros . Ele multiplica a taxa de quadros da sa´ pelo fator de escala para chegar a uma taxa de quadros para ler a ıda entrada.RT. Vocˆ e ıda e come¸ar´ seu pr´ximo recorte ap´s o efeito de cˆmera lenta ao ponto de sa´ 48. ca Embora o modo de esticamento mude o n´mero do quadro lido de sua entrada. Se o fator de escala for 0. Vocˆ coloca um ponto de sa´ 14.RT deve ter a sua dura¸˜o relacionada ` dura¸˜o necess´ria para acomodar o fator de escala. Vocˆ adiciona um efeito de Mudar taxa de quadros . c a o o a ıda Vocˆ tamb´m pode mudar a taxa de quadros do recorte se vocˆ clicar com o bot˜o direito do e e e a mouse no visor de m´ ıdia e ir para Info. vocˆ pode informar e a e uma taxa de quadros de sua escolha tamb´m. a sa´ vai terminar antes do final da seq¨ˆncia na linha do tempo. a ıda ue sa´ terminar´ ap´s o final da seq¨ˆncia na linha do tempo.7245. marcando-o para . Se ele for menor que 1. ent˜o efeitos antes de Mudar taxa de quadros .4. 14. a e tipo e a qualidade do desfoque. Isso tem o efeito de replicar os quadros de entrada de modo que eles apenas sejam mudados na taxa de quadros escalada quando enviados para a sa´ ıda.9325 segundos.RT no modo de a esticamento com um valor menor do que 1.RT.973/. use o efeito Mudar taxa de quadros . O recorte a c tem 5.973 de dura¸˜o.RT vˆem a taxa de a e quadros * o fator de escala como sua taxa de quadros. Vocˆ quer reproduzi-lo a 4/10 avos de sua velocidade normal.4) para obter uma dura¸˜o final de ca ca ca recorte de 14.7245 para um ponto de entrada.9325 segundos depois.792 e ıda + 14. ue ıda apenas 15 quadros ser˜o mostrados por segundo e a entrada ser´ lida a 15 quadros por segundo.792 segundos. no modo de esticamento. Ele possui dois modos. Se o fator de escala for 2 e a taxa . efetivamente fazendo tamb´m a passagem de tempo. Se vocˆ n˜o escolher o menu antes.9325). ca a ca a Mude a dura¸˜o do efeito clicando no final do efeito e arrastando-o.RT muda o n´mero de quadros em uma seq¨ˆncia de v´ u ue ıdeo diretamente a partir da linha do tempo. pode ser usado para criar um efeito de reprodu¸˜o r´pida.7245 segundos (33. O efeito Mudar taxa de quadros ıda a o ue . O recorte come¸a aos 33.Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real 113 Cria um desfoque de redemoinho que simula uma cˆmera espiralando. Exemplo: vocˆ possui um recorte que vocˆ quer e e colocar em cˆmera lenta. Se o fator de escala for maior que ıda 1. a 48.RT.

Um quadro-chave habilitado seguido a o por um quadro-chave desabilitado produz uma regi˜o revertida seguida por uma regi˜o n˜oa a a revertida. Os efeitos de revers˜o revertem a regi˜o coberta pelo ca a a efeito independentemente da dire¸˜o do transporte.44 Rotacionar O filtro Rotacionar pode rotacionar o v´ ıdeo em incrementos de 90 graus. mas alguns efeitos de entrada podem se a a a comportar de maneira diferente a uma taxa de quadros maior. ca A regi˜o a ser revertida ´ primeiro determinada por qual parte da trilha o efeito estar´ a e a abaixo e segundo pelas localiza¸˜es dos quadros-chaves no efeito. 14.4. Isso introduz muitas ca e possibilidades.4.4. Isso n˜o deve ser confundido com a usar a reprodu¸˜o reversa no transporte. V´rios quadros-chave habilitados em sucess˜o produzem a a a v´rias regi˜es revertidas independentes umas das outras. 14.4. u 14.45 SVG via Inkscape conserte-me. Cada quadro-chave habilitado ´ tratado como o in´ de uma nova regi˜o revertida e o fim e ıcio a de uma regi˜o previamente revertida.114 Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real de quadros de sa´ for 30. parcialmente sobrescrevendo o conte´do do u alvo. Um cen´rio de uso t´ a ıpico ´ construir uma e M´scara possivelmente animada em uma trilha e ent˜o transferir o canal Alfa para outra trilha a a de conte´do. Habilita a transferˆncia seletiva do canal Alfa ou dos Componentes (RGB ou YUV) ou tanto e a partir de uma trilha fonte para uma trilha alvo. Os efeitos de revers˜o posco a suem uma op¸˜o habilitado que permite que vocˆ marque quadros-chave. a taxa de quadros de entrada ser´ 60 e o n´mero do quadro de ıda a u entrada ser´ dobrado.42 Redirecionar conserte-me. 14.43 Reverter v´ ıdeo A m´ ıdia pode ser revertida na linha do tempo em tempo real. Funciona como um plugin compartilhado. reverter e inverter o v´ ıdeo. . Isso normalmente n˜o far´ nada.

os quadros ` volta do quadro atual s˜o usados como os quadros para se tirar a ca a a m´dia.47 M´dia Temporal Seletiva e Este plugin est´ desenhado para amenizar ´reas sem-movimento se um recorte de v´ a a ıdeo. Reduza aos poucos o valor da Entrada Padr˜o. e O desvio m´dio e padr˜o s˜o calculados para cada um dos componentes do v´ e a a ıdeo. Ligue a m´scara para o primeiro componente. Selecione o m´todo M´dia Temporal Seletiva e informe 1 e 10 para todas as Entrada M´dia e e e e Entrada Padr˜o respectivamente. a e ıvel ıdo a 5. Desligue a m´scara a 7. co A regi˜o sobre a qual ´ tirada a m´dia dos quadros ´ determinada ou por um deslocamento a e e e fixo ou por um sistema de marca¸˜o de re-in´ ca ıcio ("restart marker system"). A ameniza¸˜o ´ feita tirando-se a m´dia do componente de cor para cada pixel de um n´mero de ca e e u quadros. Repita isso para todos os canais 14. Informe um n´mero razo´vel de quadros para que se tire a m´dia (ex. Em um sistema de marca¸˜o de re-in´ ca ıcio. Isso deve fazer com que todo o quadro possua a uma cor s´lida daquele componente espec´ o ıfico. e u e e 1.4. Isso basicamente faz com que todos os pixels usem o a valor da m´dia. Repita o mesmo procedimento para a Entrada M´dia e 6.46 Escala conserte-me.4. onde a m´dia ´ feita e c ca e e por sobre os X quadros de in´ ou final respectivamente. Este valor ´ conhecido como o ru´ de a e ıdo ch˜o ("noise-floor") e ´ o n´ do ru´ natural gerado pelo CCD na cˆmera. certos quadros-chave s˜o marcados como o come¸o de se¸˜es. O valor de ameniza¸˜o ´ usado se tanto o desvio padr˜o e a diferen¸a entre o valor ca e a c componente atual e o valor componente m´dio estejam abaixo de uma entrada. 14. Ent˜o. ıcio Uso comum: Se vocˆ tem que selecionar o n´mero de quadros dos quais vocˆ quer tirar a m´dia. Cono e a a tinue a reduzir a entrada at´ que vocˆ alcance o ponto em que as regi˜es sem movimento e e o do v´ ıdeo possuam um estado de m´scara invertida. a c co a para cada se¸˜o. e 3. u a e 2. vocˆ notar´ que a e e a regi˜es vastamente diferentes da m´dia v˜o ostentar um estado de m´scara invertida. O desvio m´dio e e e padr˜o dos quadros pode ser examinado selecionando-se o bot˜o espec´ a a ıfico de r´dio na janela a de op¸˜es do plugin.48 Agu¸ar c conserte-me. . Conforme vocˆ faz isso. exceto quando se aproximam do come¸o ou do final de uma se¸˜o.4. 10). O tipo dos componentes medidos ´ determinado pelo modelo de cor de todo o projeto.Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real 115 14. 4.

51 Entrada Entrada converte a imagem em luminˆncia pura. ca .116 Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real 14. jogando o efeito M´dia de ca e tempo nela.50 Inverter canais conserte-me. configurando a m´dia de tempo para o n´mero desejado de quadros e re-habilitando e u a reprodu¸˜o da trilha. Simplesmente e ıdo a aponte uma cˆmera de v´ a ıdeo a um objeto estacion´rio por 30 quadros. e ca e J´ que a m´dia de tempo pode consumir quantidades exorbitantes de mem´ria. resultando em apenas as partes da segunda trilha dentro da Entrada sendo reproduzida. Um n´mero e a ca u de quadros ´ calculado no buffer de acumula¸˜o e divididos pelo divisor para obter-se a m´dia.4. Valores para a abrangˆncia da entrada tamb´m podem ser especificados nas caixas e e e de texto. A janela de Entrada mostra um histograma e a dos valores de luminˆncia do quadro atual. 14.4. Clique-e-arraste dentro do histograma para criar a uma abrangˆncia para ser convertida em branco. clicar-com-o-SHIFT extende uma borda dessa e abrangˆncia. Este efeito ´ basicamente uma chave primitiva de luminˆncia ("luminance key").49 Mudar Entrela¸amento c conserte-me. a m´dia de tempo pode aumentar a e abrangˆncia dinˆmica de cˆmeras muito ruins. Os valores de luminˆncia abaixo e acima a a da abrangˆncia de entrada s˜o convertidos para preto e os valores de luminˆncia dentro da e a a abrangˆncia da entrada s˜o convertidos para branco. 14. ´ melhor a e o e que ela seja aplicada primeiro desabilitando a reprodu¸˜o da trilha.4. e e e a a Em modelos de cor de ponto flutuante ("floating point"). capture os quadros e fa¸a a c a m´dia deles usando a M´dia de tempo e vocˆ ter´ uma qualidade de impress˜o super alta. 14.4. e a a Dentro do efeito de M´dia de tempo est´ um buffer de acumula¸˜o e um divisor. Seu uso principal ´ reduzir o ru´ em imagens est´ticas.52 M´dia de tempo e M´dia de tempo ´ um efeito que possui v´rios usos al´m de criar padr˜es engenhosos de trilha e e a e o de objetos se movendo. Uma see a gunda trilha acima da primeira com o efeito de Entrada pode ser multiplicada.

O T´ ıtulo tamb´m possui op¸˜es que vocˆ vai encontrar apenas em imagens em movimento. ca . Isso permite que o texto seja justificado ao mesmo tempo em que vocˆ pode e e empurr´-lo dentro da margem de seguran¸a. o ca e e 14. Em combina¸˜o com o rastreamento de movimento. Para inteu ca gra¸˜es extremamente largas.il/videowarping/HUJI-CSE-LTR-2005-10_etf-tr. tamanho e estilo. Resulta em uma m´dia de todos os quadros. Quando for usado. o efeito T´ ıtulo permite que vocˆ adicione texto a partir do pr´prio Cinelerra.vision. • Reprocessar quadro Se um efeito antes da M´dia de Tempo for ajustado. Desabilitar a subtra¸˜o significa que os quadros anteriores n˜o s˜o armazenados ca a a na mem´ria e apenas a fun¸˜o m´dia ´ afetada pela contagem de quadros. u • Acumular D´ sa´ ao buffer de acumula¸˜o sem dividi-la. e o O T´ ıtulo possui op¸˜es padr˜o para fonte. A melhor fonte ´ uma gen´rica. Assegure-se que a velocidade esteja marcada para um valor razoavelmente alto (tente 150) e mova o ponto de inser¸˜o ao longo da linha do tempo at´ que o texto ca e esteja longe o suficiente ao longo da anima¸˜o para reaparecer. co a e e fonte normal como um Arial em um tamanho maior. a ıda ca • M´dia e Faz com que o buffer de acumula¸˜o seja dividido antes de ser enviado para a sa´ ca ıda. o deslocamento ca X e Y ´ aplicado. o co texto pode desaparecer. e • Inclusivo Ou Faz com que o buffer de acumula¸˜o seja substitu´ por quaisquer pixels que n˜o s˜o ca ıdo a a transparentes.4. a m´dia de tempo normalmente n˜o e e a relˆ o buffer de acumula¸˜o para entender a mudan¸a. a m´dia de u a u e tempo ret´m todos os quadros anteriores na mem´ria e os subtrai quando for houver uma e o reprodu¸˜o. permite que seq¨ˆncias ca ue inteiras sejam combinadas para formar panoramas. a c O Tipo de movimento move o texto em qualquer das quatro dire¸˜es.4.53 Frente de Tempo Este ´ um plugin de distor¸˜o baseado neste artigo: e ca http://www.54 T´ ıtulo Embora seja poss´ adicionar textos a v´ ıvel ıdeos importando imagens est´ticas do Gimp e usandoa as. N˜o haveria mem´ria suficiente caso ele tivesse que acumular milhares de ca a o quadros. ´ mais f´cil editar o EDL em um editor de texto e informar co e a o n´mero de quadros.pdf 14.huji. Uma vez justificado. ca • Desabilitar subtra¸˜o ca Para representar o ac´mulo de n˜o apenas o n´mero especificado de quadros. A e co e opera¸˜o Justificar justifica o texto relativo a todo o quadro.ac.Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real 117 • Quadros para tirar m´dia e Determina o n´mero de quadros a serem acumulados no buffer de acumula¸˜o. Esta op¸˜o o for¸a a reler o buffer e ca c ca c de acumula¸˜o quando outros efeitos mudarem.

recortar e/ou escalar o v´ ıdeo-fonte horizontal ou verticalmente. Sem ela. O efeito de t´ ıtulo suporta quadros-chave. P´gina 163. Mais do que isso.118 Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real Marcar a op¸˜o loop faz com que o texto saia completamente e se repita.54. vocˆ deveria provavelmente utilizar um editor de legca e ca a ca endas.4. u a e a 14. mas provavelmente causar˜o travamentos.2 A margem de seguran¸a para t´ c ıtulos Se o v´ ıdeo for exibido em uma televis˜o de consumidor. ca a e Cor pega a cor para se desenhar o texto. Se vocˆ habilitar a marca¸˜o autom´tica e ca a de quadros-chave . branco ´ a unica cor pratic´vel.cinelerra. de ter a ferramenta margem de ativa na janela do compositor.4. em pixels por segundo. Ele tamb´m ´ restrito ` profundidade de bits atual. Naquela pasta.org/show_bug.13 [Adicionando legendas]. copie os arquivos ‘. As novas fontes devem aparecer. Se os segundos para o fade s˜o 0. TTF. O uso do ttmkfdir muda freq¨entemente. Fade in/Fade out s˜o um segundo tipo de e ca a anima¸˜o. Ele n˜o possui uma forma conveniente de e e a a saber quais fontes funcionam com o renderizador adequado de fontes na profundidade de bits desejada. Al´m da possibilidade de movimenta¸˜o do texto. o texto que estiver muito pr´ximo a esta margem parecer´ o a desalinhado.dir e reinicie o Cinelerra. ent˜o esta t´cnica pode n˜o funcionar.scale fonts.TTF’ para a a a pasta ‘/usr/lib/cinelerra/fonts’. a a Veja http://bugs. A entrada do T´ ıtulo ´ limitada a 1023 caracteres. Isso o ´ util quando se est´ desenhando um texto por sobre um v´ e´ a ıdeo que est´ mudando para manter a as bordas sempre vis´ ıveis.54. o O T´ ıtulo suporta principalmente fontes True Type.4. Para adicionar legendas a seu v´ ıdeo.1 Adicionando fontes O sistema X Window originalmente n˜o possu´ um renderizador adequado de fontes para v´ a ıa ıdeo. e ´ a Estampar c´digo de tempo substitui o texto com a posi¸˜o atual da linha do tempo em o ca segundos e quadros. a a seguran¸a c 14. O texto n˜o deve sair do retˆngulo interno. Para adicionar fontes true type. Normalmente.55 Trasladar Este efeito permite deslocar. e T´ ıtulos maiores do que 1023 caracteres ser˜o aceitos pelo software. e a ca Observa¸˜o: Para adicionar legendas. um novo quadro-chave ser´ criado cada vez que vocˆ editar o texto. vocˆ ver´ a legenda disposta abaixo do ponto de inser¸˜o. Assegure-se. nenhum fade ´ feito. 14. quando estiver adicionando t´ ıtulos. a borda mais para fora ser´ recortada em a a 5% de cada lado. O jeito mais f´cil que encontramos de suportar fontes no efeito T´ a ıtulo ´ ter um e diret´rio para elas em ‘/usr/lib/cinelerra/fonts’. vocˆ precisar´ e a marcar um efeito de t´ ıtulo e definir quadros-chave. o texto ca sai da tela e nunca mais reaparece. para mais informa¸˜o.cgi?id=155|bug 155 para saber mais sobre isso. A velocidade da anima¸˜o ´ determinada pela velocidade. Configure-a ca e para um n´mero mais alto para aumentar a velocidade da anima¸˜o. Veja Veja Se¸˜o 21. Ele suporta outras. Os parˆmetros de Entrada e Sa´ funcionam de forma similar `s fun¸˜es de cˆmera e projetor no a ıda a co a Compositor: . u ca Sombra de fundo desenha uma c´pia preta do texto original perto de sua base direita. execute o comando ttmkfdir && mv fonts. Na a e caixa de entrada de texto. mas as TTF s˜o as mais confi´veis.

Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real 119 • X/Y de Entrada especificam a partir de quantos pixels para a esquerda/topo da fonte vocˆ e quer come¸ar (cˆmera). Saiba de antem˜o. 14. enquanto X/Y de Sa´ definem onde na tela vocˆ quer que a sa´ c a ıda e ıda comece (projetor) • L/A de Entrada definem a partir de quantos pixels da fonte vocˆ vai querer incluir em e cada dire¸˜o enquanto a L/A de Sa´ definem quantos pixels na tela vocˆ quer que a fonte ca ıda e leve. isso pode a ser usado para suavizar ou agu¸ar a imagem. resultando em todos os tipos de "gagueiras" ("flickering") e saltos a de movimentos. O a a efeito pr´tico disso ´ especificar qu˜o larga uma regi˜o ser´ escurecida ou clareada. Histograma para corrigir precisamente o v´ ca ıdeo para contraste. Brilho. que para material entrela¸ado deslocamentos horizontais provavelmente dea e c struir˜o a ordem dos campos. Ele ´ util porque o olho humano n˜o est´ especializado para detectar o n´ e ´ a a ıvel preciso de luz e cor.) a Este efeito suporta quadros-chave. c O Escopo do V´ ıdeo pode ser usado em jun¸˜o com outros plugins do Cinelerra como YUV. por´m. o a . mas para detectar as diferen¸as entre as luzes e cores. Seus parˆmetros s˜o: c a a • Quantidade Mover o deslizador para a direita faz com que as ´reas mais escuras fiquem ainda mais a escuras e as ´reas mais claras fiquem ainda mais claras. Valores idˆnticos para tanto Entrada quanto Sa´ que forem menores que a dimens˜o e ıda a da fonte simplesmente recortar˜o a fonte. Valores diferentes alargar˜o (ou comprimir˜o a a a se Sa´ > Entrada) a fonte naquela dire¸˜o (e recortar˜o se a Entrada for menor que a ıda ca a dimens˜o da fonte. Vocˆ pode usar este efeito para muitas coisas como ter um bloco de edi¸˜o recortado se e ca movendo pela tela. conformˆncia (normalizar v´rios v´ a a ıdeos gravados sob diferentes condi¸˜es de luz) ou para co prop´sitos cinem´ticos.56 Desagu¸ar c Este efeito aplica uma t´cnica adicional de sala escura.57 Escopo do V´ ıdeo Escopo do V´ ıdeo ´ uma ferramenta que representa digitalmente is n´ e ıveis de luz e cor em uma tela calibrada. a assim chamada m´scara de dee a sagu¸amento. a e a a a • Entrada Este deslizador permite controlar qu˜o grande ´ uma diferen¸a entre um pixel na c´pia a e c o desfocada e a c´pia original ´ requerida antes que qualquer escurecimento ou clareamento o e seja aplicado. ca Grada¸˜o de cor.4.4. para cada quadro de v´ c ıdeo. Com parˆmetros diferentes de valores. claridade. 14. a • Raio Este deslizador controla quanto de desfoque ser´ usado no est´gio de busca por bordas. ou mudando de tamanho ou se alongando conforme faz isso. de forma que estes parˆmetros possam mudar suavemente a conforme o tempo.

a 14.4.4.58 Onda . A imagem mostra uma marca¸˜o de linhas em passos no escopo. Clique com o bot˜o a direito do mouse e escolha "mostrar". representado pelo ˆngulo em graus na roda de cor. u O escopo em forma de onda ajuda a corrigir os n´ ıveis de luz de uma imagem para abrangˆncia e de contraste ou para conformar n´ ıveis de luz em v´rias cenas originalmente gravadas em difera entes configura¸˜es de luz. Se vocˆ e est´ procurando por uma abrangˆncia de contraste melhor. Inca felizmente. de forma que ele possa ver o resultado do efeito xxx). a a 14. ajuste ıvel a o controle do xxx para que ele se adeque ao n´ ıvel desejado de luz para sua imagem. isso requereria um monte de varia¸˜es do Escopo do V´ co ıdeo para todos os drivers diferentes de v´ ıdeo. Qualquer coisa acima de 100% estar´ super-saturada. O tom da cor tamb´m ´ pontilhado. O Escopo do V´ ıdeo cont´m dois modos de exibi¸˜o: o escopo em onda e o escopo em vetor e ca 14. indicando os n´ ca ıveis correspondentes de luminˆncia nas barras da imagem de teste.57.4. Um pixel na base do escopo indica o preto total. co Ajustando os n´ ıveis de luz (ajustando a luminˆncia): a Insira o efeito xxx em sua trilha.57. O escopo em forma de vetor pode ser usado com outros plugins para corrigir a cor. a O raio menor indica o branco absoluto e os c´ ırculos que se afastam indicam valores maiores de intensidade.1 O escopo em forma de onda A tela marcada verticalmente da base ao topo da base ou 0% ´ o Topo de Preto m´ximo ou 100% e a ´ o Branco m´ximo. A tela representa uma roda de cor onde e o valor da cor de pixel est´ pontilhado no raio de uma linha que se move para longe do centro. Insira o efeito Escopo de V´ ıdeo na trilha (assegure-se que ele esteja colocado abaixo do efeito xxx. corre¸˜o de imagem ou para a ca conformar telas separadas para parecerem a mesma.120 Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real Algum pensamento est´ sendo dedicado a se ter um Escopo do V´ a ıdeo para grava¸˜o. e e a representando tons diferentes de cores. ajustar a matiz da imagem e aplicar outros efeitos para efeitos cinem´ticos. Olhando o n´ de luminˆncia mostrado na onda. Quaisquer pontos ao longo do raio interior a ser˜o exibidos como branco puro e quaisquer pontos acima do raio de 100% muito provavelmente a n˜o ser˜o exibidos corretamente na tela. O escopo em forma de vetor tamb´m pode ser usado para monitorar se a sa´ de v´ e ıda ıdeo pode ser reproduzida devidamente em v´rios monitores. ajuste o n´ do xxx no plugin para a e ıvel alinhar o ponto mais escuro do escopo ` escala de 0% e a por¸˜o mais branca de interesse a a ca 100%. clique com o bot˜o direito do mouse no efeito e clique a em "mostrar".2 O escopo em forma de vetor O escopo em forma de vetor ´ usado para monitorar cor. Divide a fonte de v´ e a ıdeo em colunas verticais de pixels e ent˜o cada pixel da a coluna ´ mensurado e o escopo em forma de onda ´ pintado na escala vertical correspondente e e de acordo com seu valor de intensidade de luz. M´ltiplos n´ a u ıveis na mesma coluna s˜o a representados por m´ltiplas linhas no escopo. um pixel no topo (100%) do escopo significa branco total.

a Vocˆ pode ajustar os seguintes parˆmetros: e a 14.Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real 121 O efeito de Onda adiciona ondas ` imagem. 14.4.60 YUV conserte-me. . 14.4.59 Rodopiar conserte-me.4.61 Desfoque de Aproxima¸˜o ca conserte-me.

122 Cap´ ıtulo 14: Efeitos tempo-real .

h´ a estrat´gia de inser¸˜o como na caixa de di´logo de render. Ap´s aceitar as configura¸˜es. Deve ser notado a e ca a que mesmo que o efeito se aplica apenas para ´udio ou v´ a ıdeo. seja ´udio ou v´ a ıdeo.Cap´ ıtulo 15: Efeitos renderizados 123 15 Efeitos renderizados Um outro tipo de efeito ´ performado em uma se¸˜o da trilha e fica armazenado em algum lugar e ca antes de ser reproduzido. Selecione o formato de arquivo que seja melhor para o tipo de trilha. Na caixa de di´logo de renderiza¸˜o de efeito est´ uma lista de todos os efeitos tempo-real e a ca a renderiz´veis.. co o co e 15.1. ao inv´s disso. Defina um arquivo para onde o efeito ser´ renderizado na caixa Selecione um arquivo para a permite que vocˆ selecione um arquivo a partir de e renderizar para. Cada uma dessas op¸˜es tr´s uma caixa de di´logo para o efeito renderizado. Se nenhum ponto de entrada/sa´ e nenhuma regi˜o destacada ıda a existem. ela chama o GUI (interface gr´fica) e a a do efeito. mas sua dura¸˜o ´ mudada para refletir o ca e n´mero escalado de amostras. a estrat´gia de inser¸˜o se aplica e ca a todas as trilhas como em uma opera¸˜o de fich´rio. um erro aparece. Quando a Linha a ca do Tempo est´ dividida por marcadores.. Efeitos renderizados se aplico a a cam para apenas um tipo de trilha. a Finalmente.1 Refazer amostragem Multiplica o n´mero de cada amostragem de sa´ por uma fator de escala para chegar ao u ıda n´mero de amostragem de entrada. . O ´ ıcone de ferramenta permite configura¸˜es espec´ co ıficas ao formato de arquivo. ca a Finalmente. Se o efeito tamb´m ´ tempo-real. Se vocˆ pussui uma e ca e extra¸˜o de CD na sua Linha do Tempo que queira dividir em arquivos diferentes. Selecione um efeito da lista para design´-lo como o que ser´ a a a executado. a o ca e a a regi˜o entre os pontos de entrada/sa´ ou a regi˜o selecionada ser´ a regi˜o afetada. a ıda a a a As trilhas onde ser´ aplicado o efeito renderizado devem estar armadas. uma segunda GUI aparece para que se aceite ou e e rejeite as configura¸˜es atuais. o efeito renderizado processa certos atributos da trilha quando lˆ as informa¸˜es e co de entrada mas n˜o outras. O resultado normalmente ´ colado ` trilha para substituir o original. os marcadores ca se tornariam pontos de divis˜o entre os arquivos se esta op¸˜o for selecionada. A diferen¸a aqui ´ que os efeitos tempo-real s˜o renderizados para o disco r´ a c e a ıgido e n˜o aplicados abaixo da trilha. De outra forma. Tamb´m existe uma op¸˜o para criar um novo arquivo a cada marcador. Tamb´m filtra o ´udio com a nova amostragem para remover u e a ’aliasing’.1 Efeitos renderizados de ´udio a 15. Se nenhuma trilha deste tipo existe. e a Efeitos renderizados n˜o s˜o listados na Janela de Recursos. Transi¸˜es na trilha afetada s˜o aplicadas. toda a regi˜o ap´s o ponto de inser¸˜o ´ tratada como ´rea afetada. Isso permite que novos dados sejam colados na posi¸˜o existente sem que a a a ca se mude o valor de deslocamento ("nudge value"). Uma regi˜o na Linha do Tempo onde ser´ aplicado o efeito deve ser definida antes de sea a lecionar Renderizar efeito. Todas as outras a trilhas ser˜o ignoradas. A lente de aumento alguma lista. Opera¸˜es de a e co normaliza¸˜o pegam o pico do arquivo atual e n˜o de toda a Linha do Tempo. o efeito ´ processado.. Arrastos ("nudge") n˜o a co a a s˜o e efeitos n˜o s˜o. o efeito ´ reiniciado a cada marcador. podem ser acesa a e ´ sados pelas op¸˜es de menu Audio->Renderizar efeito e V´ co ıdeo->Renderizar efeito. ca a Quando vocˆ clica em OK na caixa de di´lodo de efeito. A amostragem do arquivo de sa´ ´ configurada para a u ıda e taxa de amostragem ("sample rate") do projeto.

cada ıda a ue e 0.5 amostras de entraga ser˜o esticadas para 1 amostra de sa´ e o arquivo de sa´ ter´ duas a ıda ıda a vezes o n´mero de amostras da seq¨ˆncia de entrada.2 Efeitos renderizados de v´ ıdeo 15.RT no modo Esticar.1 Reframe Faz exatamente a mesma coisa que o Mudar taxa de quadros .5 para que rode a metade da valocidade a . Multiplica o n´mero de quadros de sa´ pelo fator de escala para chegar a um n´mero de quadros de u ıda u entrada e muda a dura¸˜o da seq¨ˆncia. Ele produz um arquivo de dura¸˜o escalada e taxa de quadros ca igual ` do projeto.5. informe o fator de escala como 2 para que o v´ ıdeo rode duas vezes mais r´pido e . Informe o formato de sa´ e estrat´gia de inser¸˜o para o novo recorte a ser criado ıda e ca 6. Saiba que o Mudar taxa de quadros n˜o escreve a taxa de quadros escalada como a taxa de a quadros do arquivo renderizado. a ca e a ue Para criar um v´ ıdeo em cˆmera-lenta ou reprodu¸˜o r´pida: a ca a 1. u ue 15. No menu que aparecer. Pressione ok 7. Selecione a ´rea que vocˆ quer que seja afetada a e 3. selecione Reframe 5. cada 2 amostras de entrada ser˜o reduzidas para 1 amostra de sa´ e a ıda e o arquivo de sa´ ter´ a metade das amostras da seq¨ˆncia de entrada. selecione a op¸˜o Renderizar Efeito ca 4.2. Se ´ de 0. Ao contr´rio do ReframeRT.124 Cap´ ıtulo 15: Efeitos renderizados Se o fator de escala ´ 2. Selecione o recorte de v´ ıdeo que vocˆ quer fazer um re-frame e coloque-o em uma trilha de e v´ ıdeo 2. Da lista de efeitos. este efeito deve ser usado ca ue a a partir do menu de V´ ıdeo e renderizar sua sa´ ıda. Do menu de V´ ıdeo. A nova dura¸˜o ´ 1/fator de escala t˜o grande quanto for a seq¨ˆncia original.

Se vocˆ usa Debian. Os efeitos LADSPA aparecem na pasta de ´udio como o a a martelo ("hammer") e o chave de fenda ("screwdriver"). A maioria n˜o pode ser e a mexida em tempo real t˜o facilmente e trabalham melhor quando renderizados. processamento simultˆneo v˜o al´m u a a e da maioria dos usu´rios de LADSPA. trilhas m´ltiplas de tempo-real. Os plugins a a a LADSPA que vocˆ acha na internet variam em termos de qualidade. Alguns d˜o a a pau e alguns podem ser aplicados apenas em uma trilha devido a uma falta de re-entrada ("lack of re-entrancy"). a Os efeitos LADSPA s˜o habilitados simplesmente ao se configurar a vari´vel de a a ambiente LADSPA_PATH para o local de seus plugins LADSPA ou colocando-os na pasta ‘/usr/lib/cinelerra’. vocˆ pode conseguir um monte de plugins usando o apt: e e apt-cache search ladspa apt-get install jack-rack cmt blop swh-plugins . para significar que s˜o Plugins para a desenvolvedores de ´udio GNU/Linux. Embora o Cinelerra implemente a interface LADSPA de forma t˜o a acurada quanto poss´ ıvel.Cap´ ıtulo 16: Efeitos ladspa 125 16 Efeitos ladspa Efeitos LADSPA s˜o suportados nos modos tempo-real e renderiz´veis para ´udio.

126 Cap´ ıtulo 16: Efeitos ladspa .

J´ as transi¸˜es presentes co a o a a a co em transi¸˜es de v´ co ıdeo s´ podem ser aplicadas `s trilhas de v´ o a ıdeo. Ao fazer isto. As transi¸˜es presentes co o co em transi¸˜es de ´udio s´ podem ser aplicadas `s trilhas de ´udio. No entanto.1 Usando transi¸˜es co Um v´ ıdeo ´ composto de v´rias cenas e tomadas. . imediatamente. As transi¸˜es s˜o uma forma de se passar de uma co a cena ` outra com diferentes varia¸˜es. aplicamos uma transi¸˜o entre a primeira e a segunda ca ca cena do v´ ıdeo.´ o mais adequado para o momento e e o conte´do que o v´ u ıdeo pretende expressar. Arraste uma transi¸˜o qualquer da lista e solteca a sobre o segundo v´ ıdeo na linha do tempo. Transi¸˜es de v´ co ıdeo na janela de Recursos As transi¸˜es s´ podem ser aplicadas a determinados tipos de trilhas. V´ at´ a janela de a a e Recursos e clique na pasta Transi¸˜es de v´ co ıdeo. Aparecer´ uma caixa informando que temos uma a transi¸˜o naquele ponto.no qual e a uma cena sai e. as quais est˜o listadas na janela de a Recursos. Abra um arquivo de v´ ıdeo e adicione dois trechos ` linha do tempo. nem sempre o corte seco . a cena seguinte aparece .Cap´ ıtulo 17: Transi¸˜es co 127 17 Transi¸oes c˜ 17. a co O Cinelerra suporta transi¸˜es de ´udio e de v´ co a ıdeo.

128

Cap´ ıtulo 17: Transi¸˜es co

Arrastando uma transi¸˜o "Dissolver" para a linha do tempo ca Agora vocˆ pode reproduzir o v´ e ıdeo e ver como ficou a transi¸˜o pela janela Compositor. ca ` As vezes, a transi¸˜o ´ t˜o curta que quase n˜o ´ poss´ percebˆ-la. Veremos a seguir como ca e a a e ıvel e apagar e editar as transi¸˜es. co Uma vez que a transi¸˜o est´ inserida, esta pode ser editada da mesma forma que um efeito. ca a Clique com o bot˜o direito do mouse sobre a transi¸˜o para acessar seu menu. A op¸˜o mostrar a ca ca traz alguns parˆmetros espec´ a ıficos para a transi¸˜o em quest˜o. A op¸˜o comprimento determina ca a ca o tempo de dura¸˜o da transi¸˜o em segundos. Assim que esses dois parˆmetros s˜o ajustados, ca ca a a eles s˜o aplicados `s futuras transi¸˜es at´ que sejam modificados novamente. Pra finalizar, a a a co e op¸˜o Separar remove a transi¸˜o da linha do tempo. ca ca Arrastar e soltar as transi¸˜es da janela de Recursos para a janela principal do Cinelerra co pode ser lento e cansativo. Felizmente, uma vez que uma transi¸˜o ´ arrastada da janela de ca e Recursos, vocˆ pode usar as teclas U e u para inserir novamente a mesma transi¸˜o. A tecla U e ca insere a ultima transi¸˜o de v´ ´ ca ıdeo utilizada e a u (min´sculo) insere a ultima transi¸˜o de ´udio u ´ ca a em todas as trilhas n˜o protegidas de grava¸˜o. Se o cursor ou o ponto de entrada (colchete) a ca estiver sobre um trecho de ´udio ou v´ a ıdeo, a transi¸˜o ser´ inserida no come¸o desse trecho. ca a c Quando as transi¸˜es s˜o reproduzidas da linha do tempo para a placa aceleradora de v´ co a ıdeo, a acelera¸˜o do hardware geralmente ser´ desativada durante a transi¸˜o e reativada logo depois. ca a ca Esse procedimento ´ usado para que a transi¸˜o possa ser renderizada. Ao se usar uma placa e ca de v´ ıdeo sem acelera¸˜o, normalmente n˜o ocorre esse problema. ca a Importante: O ponto exato em que a transi¸˜o vai ser reproduzida n˜o ´ durante o primeiro ca a e trecho de v´ ıdeo. A transi¸˜o ´ iniciada assim que a segunda cena come¸a a ser reproduzida ca e c e permanece ativa por uma certa quantidade de tempo. Por isso, ´ necess´rio que o primeiro e a trecho de v´ ıdeo tenha alguns quadros ap´s o ponto de corte para que a transi¸˜o seja completada o ca sobre a segunda cena. Por exemplo, a transi¸˜o "Dissolver" ´ iniciada no ponto exato em que est´ localizada na ca e a linha do tempo. Se vocˆ determinar a dura¸˜o de um minuto para a transi¸˜o, esta n˜o iniciar´ e ca ca a a meio segundo antes do corte e continuar por meio segundo depois desse ponto. Ao contr´rio, ela a ser´ iniciada exatamente ap´s o ponto de corte e perpetuar´ por um segundo ap´s este ponto. a o a o ´ E um erro comum colocar a transi¸ao "Dissolver" logo depois do ultimo quadro de um bloco c˜ ´ de v´ ıdeo. Vamos imaginar que a transi¸˜o foi colocada entre o bloco A e o bloco B, logo depois ca do ultimo quadro do bloco A. ´

Cap´ ıtulo 17: Transi¸˜es co

129

No momento em que a transi¸˜o come¸a a ser reproduzida, n˜o h´ mais quadros do bloco A ca c a a para serem exibidos. Em virtude disso, n˜o h´ outra escolha para o cinelerra a n˜o ser congelar a a a o ultimo quadro do bloco A e dissolvˆ-lo com o bloco B. ´ e ´ E preciso ter certeza de que h´ quadros suficientes do bloco A para serem exibidos durante a o tempo em que a transi¸˜o vai ser reproduzida. A dura¸˜o desses quadros deve ser igual ou ca ca maior do que o tempo de dura¸˜o da transi¸˜o. ca ca

17.2 Transi¸˜o de v´ ca ıdeo "Dissolver"

Esta ´ uma suave transi¸˜o "Dissolver" entre dois trechos de v´ e ca ıdeo, os quais n´s chamaremos o de trecho inicial e trecho final. O trecho inicial vai ganhando transparˆncia e desaparecendo e enquanto o trecho final vai surgindo aos poucos. A dura¸˜o de tempo para esse processo acontecer ca pode ser determinado pelo controle de "Comprimento". Controles dispon´ ıveis: Clicando com o bot˜o direito no ´ a ıcone da transi¸˜o na linha do tempo, um menu ir´ aparecer ca a com os seguintes controles • Mostrar: Abra uma janela com op¸˜es espec´ co ıficas da transi¸˜o (n˜o dispon´ ca a ıvel para a "Dissolver") • Ligado: Ativa e desativa a transi¸ao c˜ • Comprimento: Determina a dura¸˜o em segundos da transi¸˜o ca ca • Separar: Remove a transi¸˜o da linha do tempo ca

130

Cap´ ıtulo 17: Transi¸˜es co

Cap´ ıtulo 18: Usando quadros-chave

131

18 Usando quadros-chave
O termo "quadro-chave" ´ emprestado do mundo da anima¸˜o, onde ele se refere a um desenho e ca essencial (chave) em uma seq¨ˆncia. Tipicamente, isso seria o ponto de in´ ou de final de uma ue ıcio transi¸˜o suave em uma s´rie de quadros. Os quadros-chave seriam desenhados por artistas mais ca e velhos e seus assistentes desenhariam os "entre-eles". O termo "quadro-chave" desde ent˜o vem a sendo usado para sugerir conceitos similates em outras ´reas. a Na edi¸˜o n˜o-linear de v´ ca a ıdeo digital e software de composi¸˜o de v´ ca ıdeo, um quadro-chave representa um certo valor marcado pelo usu´rio a um certo ponto na linha do tempo. Por exemplo, a vocˆ poderia usar quadros-chave para fazer um fade em um recorte marcando a transparˆncia e e para 100% no primeiro quadro-chave e adicionar outro quadro-chave 5 segundos depois na linha do tempo com um valor de transparˆncia de 0%. Um quadro-chave ´ usado para manipular as e e mudan¸as feitas no sinal conforme o tempo, essencialmente agindo como um ponto de controle c para o usu´rio para marcar parˆmetros, por exemplo de efeitos. O Cinelerra interpola os valores a a intermedi´rios fazendo com que a mudan¸a aconte¸a suave e gradualmente conforme o tempo. a c c Quando vocˆ muda o fade, cˆmera, projetor ou outros parˆmetros de uma trilha, eles ficam e a a por padr˜o o mesmo por toda a dura¸˜o do projeto. Seus valores s˜o armazenados em um a ca a quadro-chave. O quadro-chave onde ele ´ armazenado por padr˜o ´ conhecido como o quadroe a e chave padr˜o. O quadro-chave padr˜o se aplica ` dura¸˜o inteira apenas caso n˜o haja outros a a a ca a quadros-chave presentes e caso n˜o seja desenhado na linha do tempo. a O unico jeito em que ocorre a mudan¸a conforme o tempo ´ caso quadros-chave adicionais ´ c e sejam criados. Marcar parˆmetros est´ticos com o quadro-chave padr˜o ´ util apenas caso vocˆ n˜o queira a a a e ´ e a mudar nada conforme o tempo. Normalmente vocˆ precisar´ mover a cˆmera ou mudar as e a a posi¸˜es de m´scara, por exemplo caso uma m´scara precise seguir um objeto. Definir quadrosco a a chave adicionais ao padr˜o ´ uma t´cnica muito conveniente de criar mudan¸as dinˆmicas. a e e c a No Cinelerra, h´ quadros-chave para quase todos os parˆmetros de composi¸˜o e de efeito. a a ca Parˆmetros podem ser representados graficamente de v´rias formas: curvas, bot˜es de haa a o bilita¸˜o/desabilita¸˜o, modos e assim por diante. ca ca O quadro-chave relativo pode ser representado na linha do tempo como um pequeno quadrado em uma curva (ex. fade) ou um s´ ımbolo (ex. m´scara). a No Cinelerra, o termo "quadro-chave" pode ser enganador: ele n˜o se refere a um quadro, mas a a um ponto entre dois quadros. Para exibir a representa¸˜o gr´fica dos parˆmetros e os quadros-chave relativos, use o menu ca a a de Ver. Um jeito mais r´pido de habilitar/desabilitar m´ltiplos tipos de parˆmetros ´ trazer Janela -> a u a e Mostrar Sobreposi¸˜es. Esta janela permite habilitar/desabilitar cada parˆmetro no menu de co a vis˜o. Quando os parˆmetros s˜o selecionados, eles s˜o desenhados na linha do tempo por sobre a a a a as trilhas aos quais eles se aplicam. Como usar os diferentes tipos de quadros-chave est´ descrito aqui. a

18.1 Quadros-chave de curva
Muitos parˆmetros s˜o armazenados em curvas Bezier. V´ para ver->fade ou ver->...aproxima¸˜o a a a ca para exibir as curvas na linha do tempo para estes parˆmetros. Tanto no modo de edi¸˜o de a ca recortar e colar quanto no de arrastar e soltar, mova o cursor por sobre as curvas na linha do tempo at´ que ela tome forma. Ent˜o, simplesmente clicando ou arrastando na curva, vocˆ pode e a e criar um quadro-chave na posi¸˜o. ca

132

Cap´ ıtulo 18: Usando quadros-chave

Ap´s o quadro-chave ser criado, clique nele e arraste-o para reposicion´-lo. Quando vocˆ clica o a e e arrasta um segundo quadro-chave na curva, ela cria uma rampa suave. arrastar-com-o-CTRL em um quadro-chave muda o valor ou do controle de entrada ou do controle de sa´ ıda. Isso afetar´ a agudeza da curva. Enquanto o controle de entrada e o controle de sa´ podem ser a ıda movidos horizontalmente/verticalmente, o movimento horizontal ´ puramente para legibilidade e e n˜o ´ usado no valor da curva. a e Vocˆ pode lembrar que o Gimp e as m´scaras de Composi¸˜o usam SHIFT para selecionar e a ca pontos de controle, ent˜o porque a linha do tempo usa a tecla CTRL? Quando vocˆ arrastara e com-o-SHIFT em uma curva da linha do tempo, o quadro-chave adere ao valor do quadro anterior ou posterior, dependendo de qual exista. Isso permite que marque um valor constante de curva sem ter que copiar o quadro-chave anterior ou posterior.

18.1.1 Navegando pelos quadros-chave de curva
N˜o h´ muito espa¸o na linha do tempo para uma grande abrangˆncia de valores de curvas. Vocˆ a a c e e precisar´ aproximar ou desaproximar as curvas verticalmente para possuir alguma variabilidade. a Isso ´ feito por duas ferramentas: o bot˜o de adequa¸˜o de automa¸˜o e o menu de aproxima¸˜o e a ca ca ca . de automa¸˜o ca O bot˜o de adequa¸˜o de automa¸ao escala e desloca a abrangˆncia vertical de modo que a a ca c˜ e a ´rea de curva selecionada apare¸a na linha do tempo. Se uma regi˜o da linha do tempo estiver c a destacada pelo cursor, apenas aquela regi˜o ´ escalada. Pontos de entrada/sa´ n˜o afetam a a e ıda a regi˜o a ser aproximada. ALT-f tamb´m faz a adequa¸˜o de automa¸˜o. a e ca ca O menu de aproxima¸˜o de automa¸˜o muda manualmente a escala vertical das curvas em ca ca m´ltiplos de 2. Clique em sua seta para mudar a aproxima¸˜o. ALT-PARACIMA e ALT-PARABAIXO u ca mudam a aproxima¸˜o de automa¸˜o a partir do teclado. ca ca

18.2 Quadros-chave de ativa¸˜o/desativa¸˜o ca ca
Mutar ´ o unico quadro-chave de ativa¸˜o/desativa¸˜o. Os quadros-chave de mutar determinam e ´ ca ca se a trilha ´ processada mas n˜o renderizada para a sa´ e a ıda. Clique e arraste nessas curvas para criar um quadro-chave. Diferentemente das curvas, o quadro-chave de ativa¸˜o/desativa¸˜o ca ca possui apenas dois valores: ligado ou desligado. CTRL e SHIFT n˜o fazem nada nos quadrosa chave de ativa¸˜o/desativa¸˜o. ca ca

18.3 Quadros-chave autom´ticos a
Vocˆ deve ter notado que quando algumas curvas de fade est˜o marcadas, mover o ponto de e a inser¸˜o pelas curvas faz com que os faders reflitam o valor da curva abaixo do ponto de inser¸˜o. ca ca Isso n˜o ´ s´ para parecer legal. Os pr´prios faders podem marcar quadros-chave no modo de a e o o quadros-chave autom´ticos. O modo de quadros-chave autom´ticos ´ normalmente mais util do a a e ´ que arrastar curvas. Habilite o modo de quadros-chave autom´ticos habilitando o bot˜o de quadros-chave aua a . No modo de quadros-chave , cada vez que vocˆ movimentar um parˆmetro e a tom´ticos a pass´ de possuir um quadro-chave, um quadro-chave ser´ criado na linha do tempo. Uma vez ıvel a que quadros-chave autom´ticos afetam muitos parˆmetros, ´ melhor habilit´-los s´ quando vocˆ a a e a o e precisa de um quadro-chave e desabilit´-lo em seguida. a ´ ´ E util ir no menu Ver e tornar o parˆmetro desejado vis´ antes de fazer alguma mudan¸a. a ıvel c O local onde o quadro-chave autom´tico ´ gerado est´ abaixo do ponto de inser¸˜o. Se a linha a e a ca do tempo estiver sendo reproduzida quando se fizer alguma altera¸˜o, v´rios quadros-chave ca a autom´ticos ser˜o gerados conforme vocˆ muda o parˆmetro. a a e a Quando o modo de quadros-chave autom´ticos est´ desabilitado, uma coisa tamb´m estranha a a e acontece. Ajustar um parˆmetro ajusta o quadro-chave que imediatamente precede o ponto de a

Mais do que isso. desabilite o modo de quadros-chave autom´ticos. mas te far´ feliz saber qual quadro-chave e ca ´ a ser´ afetado pela pr´xima movimenta¸˜o do projetor. A linha que as une ´ o caminho de locomo¸˜o. a Isso acontece porque a exibi¸˜o da cˆmera mostra cada outra posi¸˜o de cˆmera relativa ` atual. O Cinelerra recolve este problema confiando nos quadros-chave autom´ticos. sa´ ımos do Gimp porque o SHIFT j´ est´ sendo usado para a a aproxima¸˜o. o caminho de locomo¸˜o ´ uma linha reta. a o ca Clicar-e-arrastar quando quadros-chave autom´ticos estiverem desligados ajustar´ o quadroa a chave anterior. quando vocˆ mover o slider da janela de composi¸˜o por a´ a proje¸˜o do v´ e ca ı. Isso ´ porque no meio do a a e caminho entre dois quadros-chave. 18. mas ela pode ser curvada com pontos a ca e de controle. a posi¸˜o atual entre a ca os quadros-chave. e a o o Por padr˜o. a Traslado de cˆmera e projetor podem receber quadros-chave no modo de quadros-chave a autom´ticos enquanto a aproxima¸˜o de cˆmera e projetor podem receber quadros-chave com a ca a ´ aqui que conclu´ curvas. arrastar-com-o-CTRL em qualquer lugar do v´ ıdeo ajustar´ o ponto de controle mais a pr´ximo.4 Quadros-chave do Compositor O traslado de cˆmera e projetor s˜o representados por dois parˆmetros: x e y. Estes s˜o parˆmetros para os quais as curvas levariam muito espa¸o na trilha ou a a a c que n˜o podem ser facilmente representados por uma curva. E debat´ ca ıvel se esta ´ uma fun¸˜o util. A qualquer ponto entre dois quadros-chave. uma vez que a composi¸˜o ´ altamente a ca ca e dependente na habilidade de ser mudada conforme o tempo. ca ıdeo se move conforme o tempo. a Quando editar o traslado da cˆmera. Se vocˆ estiver no meio do caminho entre dois quadros-chave. Mova o projetor para uma grande distˆncia para criar outro a quadro-chave e enfatizar a movimenta¸˜o. mais caixas ser˜o criadas. a Mova o projetor levemente na janela de composi¸˜o para criar um quadro-chave. ca a ca a a A situa¸˜o torna-se mais intuitiva se vocˆ curvar o caminho de locomo¸˜o entre dois quadrosca e ca chave e ver entre os dois quadros-chave. Uma vez que todos os quadros-chave e a desejados sejam criados. Se e ca vocˆ criar mais quadros-chave. Um ponto de controle pode estar completamente fora da vis˜o e ainda assim ser o a control´vel. Para marcar o segundo e quadro-chave. sempre estar´ centrada enquanto as caixas de cˆmera se movimentam. o a a ca v´ ıdeo n˜o parecer´ se mover em passo com o primeiro quadro-chave. A divis˜o entre vermelho e verde. H´ v´rios parˆmetros que podem receber quadros-chave apenas no modo de quadros-chave a a a autom´ticos.Cap´ ıtulo 18: Usando quadros-chave 133 inser¸˜o. a primeira caixa e do projetor ser´ ajustada enquanto a segunda ficar´ na mesma posi¸˜o. o traslado do projetor ´ interpolado. a a . o comportamento das caixas de cˆmera ser´ levemente a a a diferente. arraste-com-o-CTRL para marcar tanto o ponto de controle de entrada ou sa´ do ıda quadro-chave anterior. Isso criar´ uma segunda caixa de proje¸˜o no comca a ca positor. a Com uma trilha de v´ ıdeo carregada. Se dois quadros-chave de fade existirem e o ponto de inser¸˜o estiver entre eles. a Efeitos podem receber quadros-chave apenas no modo autom´tico devido ao n´mero de a u parˆmetros em cada efeito individual. Fica dif´ ajust´a a a ıcil a los com as curvas. mas se v´rios quadrosa a a a chave forem marcados. Ap´s os pontos de controle de entrada/sa´ estarem extrapolados do quadroca o ıda chave. ca a avance alguns segundos no v´ ıdeo. mudar ca ca o fader muda o primeiro quadro-chave. E ımos a discuss˜o da composi¸˜o. A caixa atual de cˆmera n˜o se move durante um arraste. a Agora. mova o ponto de inser¸˜o para o in´ da trilha e habilite ca ıcio o modo de quadros-chaves autom´ticos. o caminho de locomo¸˜o ´ ca e vermelho para todo o tempo antes do ponto de inser¸˜o e verde para todo o tempo ap´s o ponto ca o ´ de inser¸˜o. cada caixa de cˆmera exceto o quadro-chave atual parecem se mover. Mais uma vez. A automa¸˜o de cˆmera normalmente ´ usada para faz panorˆmicas de fotografias ca a e a est´ticas. vocˆ precisar´ fazer a mesma coisa s´ que ap´s o segundo quadro-chave. com uma linha unindo as duas caixas. Ent˜o.

a a Se vocˆ copiou um quadro-chave n˜o-padr˜o. ainda h´ um quadro-chave padr˜o a a que armazena todo o parˆmetro global para toda a dura¸˜o. Apenas os quadros-chave selecionados no menu ver s˜o afetados por opera¸˜es de edi¸˜o de quadros-chave. E se o valor do quadro-chave padr˜o for um bom valor. e Isso leva ` parte mais complicada na edi¸˜o de quadros-chave. Isole a grava¸˜o da trilha de destino no patchbay a a e ca dando um clique-com-o-SHIFT nela e v´ para quadros-chave->colar quadros-chave para a colar a ´rea de transferˆncia. para fazer um par est´reo. e ´ . ele pode ser armazenado como o quadro-chave e a a padr˜o chamando quadros-chave->colar quadro-chave padr˜o. O primeiro passo ´ isolar a grava¸˜o da trilha no e e ca patchbay dando um clique-com-o-SHIFT nele. a a a Quadros-chave->copiar quadro-chave padr˜o copia o quadro-chave padr˜o para a ´rea de a a a transferˆncia. que a vocˆ queira usar para outros quadros-chave n˜o-padr˜o? O quadros-chave->copiar quadro-chave e a a padr˜o e quadros-chave->colar quadro-chave padr˜o permitem a convers˜o do quadro-chave a a a padr˜o para um quadro-chave n˜o-padr˜o. n˜o importando qual regi˜o da linha do tempo estiver selecionada. Finalmente. Ent˜o. a co ca A opera¸˜o mais popular de edi¸˜o de quadro-chave ´ a r´plica de alguma forma de curva de ca ca e e uma trilha a outra. V´ para quadros-chave->copiar quadros-chave a a para copi´-los para a ´rea de transferˆncia. entretanto.5 Editando quadros-chave IMPORTANTE: quando vocˆ copiar e colar quadros-chave.134 Cap´ ıtulo 18: Usando quadros-chave 18. o quadro-chave padr˜o. a e Os comandos de edi¸˜o de m´ ca ıdia s˜o mapeados para os comandos de edi¸˜o de quadro-chave a ca usando a tecla SHIFT ao inv´s de apenas o atalho do teclado. Ap´s usar o colar quadro-chave a a o padr˜o para converter um quadro-chave n˜o-padr˜o em um quadro-chave padr˜o. Quadros-chave podem ser mudados ou movidos entre trilhas da linha do tempo usando opera¸˜es similares `s de recorte e cola usadas para editar m´ co a ıdia. O quadro-chave padr˜o n˜o ´ dea ca a a e senhado porque ele sempre existe. assegure-se que n˜o haja pontos de e a ´ ENTRADA ou SAIDA definidos na linha do tempo. a ca a Lembre-se que quando nenhum quadro-chave estiver marcado. ou marque pontos de entrada/sa´ a ıda ou destaque a regi˜o desejada de quadros-chave. h´ um jeito conveniente de apagar quadros-chave al´m de selecionar uma regi˜o e a e a chamar quadros-chave->limpar quadros-chave. Simplesmente clique-e-arraste um quadro-chave para antes de seu quadro-chave precedente ou para ap´s o quadro-chave seguinte na trilha. vocˆ n˜o a a a a e a ver´ o valor do quadro-chave padr˜o refletido at´ que todos os quadros-chave n˜o-padr˜o sejam a a e a a removidos. A fun¸˜o e a a ca quadros-chave->colar quadros-chave pode ser ent˜o usada para colar a ´rea de trabalho como a a um quadro-chave n˜o-padr˜o. Esta o ´ a unica forma pela qual se pode apagar quadros-chave simultaneamente em trilhas agrupadas.

1 Capturando usando Cinelerra 19. Estes parˆmetros se aplicam ` grava¸˜o n˜o importando quais ca ca a a a ca a sejam as configura¸˜es do projeto. Em Configura¸˜esca e co >preferˆncias h´ um n´mero de parˆmetros de grava¸˜o descritos na configura¸˜o de Veja e a u a ca ca Se¸˜o 3. ca ca a A janela de grava¸˜o possui diferentes se¸˜es. j´ que os parˆmetros de grava¸˜o normalmente se relacionam co a a ca a ` capacidade m´xima do hardware de grava¸˜o. Uma vez que isso esteja ıda ca feito. Enquanto v´rios parˆmetros mudam depenca co a a dendo de se o arquivo possui ´udio ou v´ a ıdeo. flash ou DVD e carreg´a la no Cinelerra seria uma quest˜o de carregar um arquivo. enquanto as configura¸˜es de projeto variam. . ao inv´s disso. • A ´rea de confirma¸˜o permite que vocˆ determine como os arquivos de sa´ s˜o importados a ca e ıda a para dentro da Linha do Tempo e sai. Isso requerir´ a um formato de sa´ muito parecido ao exigido pela fun¸˜o de render. a ca • A lista de grupo exibe todos os grupos definidos. a janela de grava¸˜o e o monitor de grava¸˜o aparecer˜o.Cap´ ıtulo 19: Capturando m´ ıdia 135 19 Capturando m´ ıdia 19. a ca O primeiro passo em uma grava¸˜o ´ configurar o dispositivo de entrada.1. a ca co V´ para Arquivo->grava¸˜o para gravar a partir de uma fonte entrada/sa´ a ca ıda. CD-ROM. algumas se¸˜es ser˜o sempre as mesmas. a ca e a • Os controles de transporte iniciam e p´ram a grava¸˜o de modos diferentes. dependem de e mecanismos de transporte de fita e mecanismos de entrada/sa´ para transferir a informa¸˜o ıda ca para o computador. Esses tipos de m´ ıdia s˜o importados para o Cinelerra atrav´s da caixa de a e di´logo de Grava¸˜o. P´gina 24. Na realidade. muito poucas fontes a de m´ ıdia podem ser acessadas como um sistema de arquivos mas.1 Fun¸˜es de grava¸˜o do Cinelerra co ca Idealmente. co a • A ´rea de formato de sa´ descreve o formato do arquivo de sa´ e a posi¸˜o atual dentro a ıda ıda ca dele. toda m´ ıdia seria armazenada em discos r´ ıgidos.5 [Grava¸˜o]. • A ´rea de edi¸˜o de grupo permite que vocˆ mude os parˆmetros no grupo atual.

A ca a e grava¸˜o interativa se inicia imediatamente e usa o grupo atual para determinar tudo. Por agora. o unico uso dos grupos atualmente ´ gravar difer´ e ente programas durante diferentes momentos do dia. exceto o ca tempo de in´ ıcio. que captura apenas Quando m´ ıdia suficiente estiver gravada.136 Cap´ ıtulo 19: Capturando m´ ıdia ´ Areas de janela de grava¸˜o ca A grava¸˜o no Cinelerra ´ organizada em torno de grupos. Grupos tentam fazer o mecanismo entrada/sa´ parecer mais com um sistema de arquivos. a a A grava¸˜o em grupo ocorre quando o bot˜o in´ ´ pressionado. Devido ao alto custo de desenvolvimento de e mecanismos de controle preciso de quadros. A grava¸˜o ca a ca ca pode ser continuada com o bot˜o de grava¸˜o sem apagar o arquivo neste ponto. A janela de grava¸˜o suporta uma lista de grupos e dois modos de grava¸˜o: grava¸˜o inca ca ca terativa e em grupo. . Na grava¸˜o em grupo. o ca a ıcio e ca tempo de in´ ´ o tempo em que o grupo come¸a a ser gravado.2 Grava¸˜o em grupo ca Agora chegamos ao conceito de grupos ("batches"). escolha um m´todo de inser¸˜o do menu Estrat´gia e ca e de Inser¸˜o e aperte fechar. vocˆ pode ignorar completamente o ıda ca e conceito de grupo ("batch") e gravar simplesmente apertando o bot˜o de grava¸˜o a ca . Por padr˜o. . existe um bot˜o de grava¸˜o de um quadro unico a ca ´ um quadro. Use o bot˜o de parar ("stop") para parar a grava¸˜o. Cada grupo possui certos parˆmetros e m´todos e a e de ajuste. ıcio e c Primeiro. O bot˜o de grava¸˜o abre o arquivo atual de sa´ caso este n˜o esteja aberto e escreve a a ca ıda a informa¸˜o capturada nele. Isso ainda ´ util para gravar programas e ´ de TV ou minutar per´ ıodos de v´ ıdeos conforme qualquer um que n˜o pode bancar aplica¸˜es a co apropriadas sabe. Um grupo essencialmente define ca e um arquivo de sa´ distinto para a grava¸˜o. o grupo atual est´ configurado para se comportar como uma fita. Grupos s˜o tradicionalmente usados ıda a para dividir a fita em diferentes programas e salvar os diferentes programas como arquivos diferentes ao inv´s de gravar direto uma fita inteira. Grava¸˜o interativa acontece quando o bot˜o de gravar ´ pressionado.1. No caso de a ca um arquivo de v´ ıdeo. ca 19. vocˆ vai querer criar alguns grupos.

mas por agora ele se refere ao tempo do dia. Tanto para grava¸˜es em grupo ou interativas. qualquer grupo pode ser editado ao se deix´-lo em a destaque. deixe em co ca a a destaque o grupo desejado e aperte ativar para torn´-lo o grupo atual. ca ca ca ca a seja no modo de grupo. seja no modo interativo. a e o arquivo ´ aberto. mas o nome ca e ca de arquivo pode ser mudado na janela de grava¸˜o para qualquer grupo na ´rea editar ca a grupo. o pr´ximo pisca at´ que seu hor´rio de in´ chegue. Todas as grava¸˜es futuras ser˜o feitas em modo de grupo. • Dura¸˜o ca Esta ´ a dura¸˜o do grupo. ’News’ diz Arquivo e e existe caso o arquivo exista e OK caso n˜o exista. o grupo atual pisca para indicar que est´ esperando pelo tempo de in´ no modo a ıcio de grupo. . O grupo atual n˜o ´ o mesmo que ca ca a e o grupo que estiver em destaque na lista de grupos. j´ que n˜o h´ a e a a a um di´logo confirmando se o arquivo existe. O texto do grupo atual fica colorido em vermelho na lista de grupos. neste momento ´ apagado. o bot˜o co a Finalmente. Clique na fileira a ıdo co ca de lista abaixo de On para habilitar ou desabilitar grupos. o e a ıcio Interrompa tanto o grupo quanto a opera¸˜o interativa apertando o bot˜o de parar ("stop"). Se h´ v´rios grupos. Normalu mente a fonte ´ um canal ’tuner’ ou entrada ("input"). S´ possui significado se o Modo do grupo ´ Com contador. h´ o bot˜o a a de rebobinar faz o grupo atual fechar seu arquivo respectivo. A janela de grava¸˜o possui uma no¸˜o do grupo atual. • Caminho ´ E o arquivo onde o grupo ser´ gravado.Cap´ ıtulo 19: Capturando m´ ıdia 137 • Ligado Determina se o grupo ser´ inclu´ nas opera¸˜es de grava¸˜o em grupo. quando o grupo atual termina de gravar. Da pr´xima vez que vocˆ e o ca e o e entrar neste grupo. sem mudar o grupo a ser gravado. Se o arquivo existe. o grupo atual ´ gravado imediatamente no a ca e modo interativo. a grava¸˜o p´ra. Uma e ca o e vez que a dura¸˜o da grava¸˜o alcance a dura¸˜o. a fonte ´ mudada para o que estiver marcado para o o c e pr´ximo grupo. Nos modos de grupo e interativos. Quando o e co a primeiro grupo termina. Se o bot˜o in´ a a ıcio for pressionado. o pr´ximo grupo o ´ ativado e performado. Na primeira vez que vocˆ pressionar ’gravar’. Todas as opera¸˜es de grava¸˜o acontecem no grupo atual. A pr´xima opera¸˜o de grava¸˜o o ca ca no grupo atual apaga o arquivo. ca Ao colorir o grupo atual de vermelho. O grupo em destaque ´ apenas exibido na se¸˜o de edi¸˜o de grupos e ca ca para edi¸˜o. • Novidades Mostra se o arquivo existe ou n˜o. o arquivo ´ fechado. Quando o grupo atual acaba e e o pr´ximo grupo come¸a a gravar. ca a rebobinar. para simplificar a grava¸˜o interativa. O tempo de in´ pode se tornar um tempo de fita e n´mero de carrete caso o ıcio u controle de deck esteja implementado. a • Tempo de in´ ıcio ´ E a marca¸˜o de 24 horas do dia em que o grupo come¸ar´ a gravar caso esteja no modo ca c a de grupo. indicando que o arquivo j´ est´ aberto e n˜o a a a ser´ apagado da pr´xima vez que o bot˜o de gravar for apertado. o ’news’ deve dizer Abrir. o arquivo ser´ apagado. a o a Se vocˆ sair do grupo atual ap´s a grava¸˜o. Este ´ um atributo muito importante. O nome do arquico especificado na caixa de di´logo a a de grava¸˜o ´ o nome do primeiro grupo. • Fonte Possui significado apenas quando o hardware de captura possui m´ltiplas fontes. Se o bot˜o de grava¸˜o for pressionado. v´rias esta¸˜es de TV podem ser gravados em diferentes o a co momentos. Cada vez que vocˆ continue a grava¸˜o a e ca no mesmo grupo. Desta forma.

o item fonte na janela de grava¸˜o pode ser usado para ca selecionar canais para grava¸˜o. Pressione CTRL-C para parar de capturar o v´ ıdeo A op¸˜o ‘--autosplit’ ´ bastante util.138 Cap´ ıtulo 19: Capturando m´ ıdia 19. e e ca canal. . isso s´ funciona quando capturando a partir de uma cˆmera DV. Os arquivos de v´ ıdeo ser˜o etiquetados sequencialmente. deixe em destaque o canal na lista e pressione mover para cima ou mover para baixo para movˆ-lo. etc) ou dˆ uma olhada na p´gina da internet do dvgrab. ‘002. Ela dividir´ as cenas de acordo com o c´digo de ca e ´ a o tempo. como ‘001. A tabela de normaliza¸˜o ("norm") e freq¨ˆncia juntas definem qual ca ue tabela de freq¨ˆncia ´ selecionada para definir as fontes. Quando o driver Buz ca tamb´m ´ usado para reprodu¸˜o. deb. Entretanto. vocˆ tamb´m pode ajustar a qualidade da imagem. Use este campo ca para fazer com que as linhas pares e ´ ımpares sejam gravadas na ordem correta. ca ca rpm.avi’ e assim por diante.2 Capturando usando dvgrab dvgrab ´ uma ferramenta de linha de comando ´tima e simples de usar para capturar v´ e o ıdeos a partir de uma cˆmera DV. e Uma vez que os canais sejam definidos. e a Capturando v´ ıdeo em quatro passos f´ceis: a 1. No caso dos drivers de grava¸˜o Video4Linux e Buz. Digite: dvgrab --buffers 500 e RETURN 4.avi’. A mesma fun¸˜o de sele¸˜o de canal tamb´m existe na janela ca ca ca e de monitoramento de grava¸˜o. canais de tuner definem a fonte.1. Para alguns drivers de v´ e ıdeo. Nesta janela.3 Editando informa¸˜o de tuner ca ` As vezes no processo de grava¸˜o e no processo de configura¸˜o. os canais de tuner definem o destino. editar e escolher canais. o menu de entradas as seleciona. 19. Ele n˜o o a a funcionar´ quando estiver capturando a partir de um conversor anal´gico/digital como o Canoa o pus ADVC110. vocˆ precisar´ definir e selecionar ca ca e a os canais de tuner para tanto gravar quanto para reproduzir para algum lugar. pressione o bot˜o a canais. Crie uma pasta onde vocˆ quer que seus v´ e ıdeos capturados sejam armazenados 2. vocˆ pode adicionar. uma op¸˜o para Trocar campos pode estar vis´ ca ıvel. Um bom ajuste no di´logo de edi¸˜o de canal ajusta a freq¨ˆncia f´ a ca ue ısica levemente se o driver suporta este tipo de coisa. ca ca a Para alguns drivers. Leia o manual do dvgrab para obter mais informa¸˜es sobre as caracter´ co ısticas do programa. Estes drivers n˜o a captam a ordem dos campos direito todas as vezes sem interven¸˜o humana. Isso traz a janela de edi¸˜o de ca Para definir os canais de tuner. use o mecanismo de instala¸˜o de sua distribui¸˜o preferida (apt. Quando evocado. A fonte do canal ´ a entrada na tabela de freq¨ˆncia f´ e ue ısica do tuner correspondente ao t´ ıtulo. Se o dispositivo suporta m´ltiplas ue e u entradas. Para escolher os canais. automaticamente colocar´ sua cˆmera em modo a a a de reprodu¸˜o ("play") e come¸ar a armazenar os v´ ca c ıdeos em seu disco r´ ıgido. cd para esta pasta 3. e e A opera¸˜o adicionar traz uma caixa de edi¸˜o de canal. O t´ ca ca ıtulo do canal aparece na lista de canais. a Para instalar o dvgrab. Saiba que as sele¸˜es de canal na janela de monitoramento de ca co grava¸˜o e na janela de grava¸˜o s˜o armazenados no grupo atual.

As fun¸˜es de renderiza¸˜o a co ca se definir regi˜es. Veja Cap´ o definem a regi˜o baseadas em uma s´rie de regras. os parˆmetros de a compress˜o estar˜o em branco. entretando. tentar fazer a renderiza¸˜o gerar´ uma a ca a imagem de erro. toda a trilha ´ renderizada. Isso a ca Selecione o ´ ıncone de lupa determina o nome de arquivo a ser escrito pela renderiza¸˜o e os parˆmetros de codifica¸˜o. . Se o formato de arquivo n˜o pode armazenar ´udio ou v´ a a a ıdeo. selecione um formato do menu Formato de Arquivo. co a a Vocˆ precisa definir esta regi˜o na linha do tempo.1 Renderiza¸˜o de um arquivo unico ca ´ O jeito mais r´pido de fazer com que a m´ a ıdia v´ para o disco ´ usar a fun¸˜o de renderiza¸˜o a e ca ca de um arquivo unico. a a para revelar uma caixa de di´logo de sele¸˜o de arquivo. tudo ap´s o ponto de inser¸˜o ser´ renderizado. e 20. Selecione a op¸˜o Renderizar trilhas de ´udio para gerar trilhas de ´udio e Renderizar trilhas de v´ ca a a ıdeo para gerar trilhas de v´ ıdeo. E co ıcil o ca arquivo puro de v´ ıdeo. Quando uma regi˜o est´ em destaque ou a e a a pontos de entrada/sa´ est˜o marcados. Se Renderizar trilhas de ´udio ou Renderizar trilhas de v´ a a a ıdeo for selecionado e o formato de arquivo n˜o os suporta. efeitos ca ca e composi¸˜o e armazen´-los em um arquivo puro de v´ ca a ıdeo. Selecione o ´ ıcone de ferramenta perto a cada op¸˜o para configurar os parˆmetros de ca a compress˜o.Cap´ ıtulo 20: Renderizando arquivos 139 20 Renderizando arquivos Renderizar significa pegar uma se¸˜o da linha do tempo. P´gina 83. Ao simplesmente posicionar o ca a o ponto de inser¸˜o ao in´ ca ıcio de uma trilha e desmarcando todos os pontos de entrada/sa´ ıda. O a formato do arquivo determina se vocˆ pode renderizar ´udio ou v´ e a ıdeo ou ambos. com todas as escolhas de edi¸˜o. ca a ca A janela de renderiza¸˜o ca Na caixa de di´logo de render. reproduzir o arquivo renderizado em um reprodutor de v´ ıdeos ou trazˆ-lo de e ´ muito dif´ retocar quaisquer decis˜es de edi¸˜o no volta ao Cinelerra para mais edi¸˜es. ´ V´ para Arquivo->renderizar ou pressione SHIFT-R para revelar a caixa de di´logo de render. a o e Todas as opera¸˜es de render s˜o baseadas numa regi˜o de linha do tempo a ser renderizada. ent˜o mantenha os arquivos fonte originais e o arquivo XML a por v´rios dias ap´s tˆ-los renderizado. Quando nenhuma regi˜o ıda a a e a estiver em destaque. A se¸˜o de navega¸˜o descreve m´todos para e a ca ca e ıtulo 13 [Barra de tempo]. a regi˜o afetada ´ renderizada. Vocˆ pode ent˜o apagar todos os e a arquivos fonte.

wav001’ e assim por diante. P´gina 49.wav’. v´ para Arquivo->renderiza¸˜o o a ca em grupo. um novo nome de arquivo ser´ criado para cada arquivo de sa´ a ıda.wav’. Quando se usa a fazenda de renderiza¸˜o.140 Cap´ ıtulo 20: Renderizando arquivos 20. a ıda a a a 20. o ca a e a arquivo ser´ escrito no disco sem alterar o projeto atual. o Cinelerra automaticamente concatena um n´mero ao final de dado nome de u arquivo para cada arquivo de sa´ ıda. ca 20. O Cinelerra ent˜o carrega cada arquivo EDL e renderiza-o automaticamente. Nesta fun¸˜o. sem outras a interven¸˜es do usu´rio. Isso revelar´ o di´logo da renderiza¸˜o em grupo. a ca Se vocˆ renderizar apenas ´udio e possui algumas trilhas de v´ e a ıdeo armadas. Ajuste um projeto e defina a regi˜o a ser renderizada ou destacandoa a. O nome de arquivo ‘/hmov/trilha. renderiza¸˜o em grupo ´ a fun¸˜o a ser usada. e c Quando Criar novo arquivo a cada marcador estiver selecionado. uma estrat´gia de inser¸˜o de colar se comportar´ como uma opera¸˜o normal de cola. Isso permite que uma vasta quantidade de m´ ıdia seja processada e jsutifica vastamente o valor de um computador caro. Criar novo arquivo a ca cada marcador faz com que um trabalho de fazenda de renderiza¸˜o seja criado a cada marcador ca ao inv´s de usar o algoritmo interno de carregar balanceamento para espa¸ar trabalhos. se tornaria ‘/hmov/trilha. A regenera¸˜o de nome de arquivo ´ usada apenas quando o modo de fazenda ca e de renderiza¸˜o estiver ativo ou quando criar novos arquivos para cada marcador estiver ativado. Para outras estrat´gias de inser¸˜o. o ‘01’ seria sobrescrito para cada arquivo de sa´ ıda. salve o projeto como um EDL. A primeira coisa a se fazer quando se prepara uma renderiza¸˜o em grupo ´ definir os projetos ca e a serem renderizados. Se o nome de arquivo informado na caixa de di´logo de a render possuir n´meros de dois d´ u ıgitos nele. marcando pontos de entrada/sa´ nela ou posicionando o ponto de inser¸˜o antes dela. apagando e ca a ca qualquer regi˜o selecionada da linha do tempo e colando apenas a informa¸˜o que foi renderizada. Defina quantos projetos forem precisos desta forma.3 Estrat´gia de inser¸˜o de arquivos renderizados e ca Finalmente. as trilhas de v´ ıdeo ficar˜o truncadas enquanto a sa´ de ´udio ser´ colada nas trilhas de ´udio.4 Renderiza¸˜o em grupo ca Se vocˆ quer renderizar v´rios projetos para arquivos de m´ sem ter que ficar usando o di´logo e a ıdia a de Renderiza¸˜o repetidamente. Cada arquivo EDL e sua sa´ a ser renderizada ´ chamado de um co a ıda e grupo. O a renderizador em grupo pega a regi˜o ativa do arquivo EDL para ser renderizada. Se nenhum n´mero de dois d´ u ıgitos for informado. Neste caso. Os modos de a e ca inser¸˜o s˜o os mesmos dos de carregar arquivos. a Com todos os arquivos EDL preparados com regi˜es ativas. ıda ca Ent˜o. e ca ´ Uma lista de grupos deve ser definida antes de se usar a opera¸˜o de renderiza¸˜o em grupo. ca ıda ca Deve ser notado que mesmo que vocˆ tenha apenas ´udio ou apenas v´ e a ıdeo sendo renderizado. ca ca A tabela de grupos aparece na base da caixa de di´logo de renderiza¸˜o em grupo e ´ chamada a ca e . No nome de arquivo ‘/hmov/trilha01. os n´meros de dois d´ u ıgitos ser˜o sobrescritos com a um n´mero incremental diferente para cada arquivo de sa´ u ıda.2 Renderiza¸˜o de arquivos separados ca A op¸˜o Criar novo arquivo a cada marcador faz com que um novo arquivo seja criado onde ca cada marcador na linha do tempo for encontrado. Isso ´ util para dividir grava¸˜es longas de e ´ co a ´udio em trilhas individuais. Veja Cap´ ca ca A se¸˜o Editando descreve como fazer a sa´ ser inserida na posi¸˜o correta. entretanto. a caixa de di´logo permite que vocˆ selecione um modo de inser¸˜o. A renderiza¸˜o em grupo requere um arquivo EDL separado para cada ca grupo para ser renderizado. a e ca assegure-se de preparar a linha do tempo para ter os arquivos de sa´ inseridos na posi¸˜o corıda ca ıtulo 7 [Editando]. a reta antes da opera¸˜o de renderiza¸˜o estar terminada. se vocˆ selecionar N˜o inserir. A interface para a renderiza¸˜o a a ca ca em grupo ´ um pouco mais complexa do que para a renderiza¸˜o de arquivos unicos. ca ca e ca ca vocˆ especifica v´rios arquivos EDL a serem renderizados e as sa´ e a ıdas unicas para cada um ´ deles.

O grupo que estiver sendo e renderizado no momento estar´ sempre destacado em vermelho. Se estiver em branco. • Decorrido A quantidade de tempo levada para renderizar o grupo se a renderiza¸˜o estiver ca terminada. o tempo necess´rio ca u a para se produzir uma sa´ bem simples se tornou intoler´vel mesmo no Xeon 1. Acima disso est˜o os parˆmetros de configura¸˜o para um grupo a a ca unico. Al´m dos parˆmetros padr˜es de renderiza¸˜o. a a Destaque qualquer grupo e edite a configura¸˜o ao topo da janela de renderiza¸˜o em grupo. Para come¸ar a renderiza¸˜o a partir do primeiro grupo habilitado. Uma vez que o grupo termine. pressione Iniciar. pressione Cancelar. Desta forma. a o grupo ser´ pulado. e ca Clique e arraste grupos para mudar a ordem de renderiza¸˜o. ela ´ simples o suficiente ca a e para ser usada dentro de uma su´ de edi¸˜o com menos do que uma d´zia de n´s sem passar ıte ca u o pela mesma quantidade de confus˜o que vocˆ passaria com uma fazenda de v´rias centenas a e a de n´s. A fazenda de renderiza¸˜o ´ evocada transparentemente para todas as opera¸˜es de o ca e co arquivo->renderizar quando estiver habilitada nas preferˆncias. V´ ıdeo e Criar novo arquivo a cada marcador como se fosse para um arquivo unico.5 A fazenda de renderiza¸˜o ca Quando a interpola¸˜o bic´bica e o HDTV foram primeiro feitos no Cinelerra. a Para parar a renderiza¸˜o antes que os grupos tenham terminado sem fechar a caixa de ca di´logo de renderiza¸˜o em grupo. Caso ela esteja habilitada. Clique na coluna Habilitado na lista para habilitar ou desabilitar um grupo. c Se a lista de grupos para renderizar estiver vazia e nada estiver em destaque. O suporte ` Fazenda de Renderiza¸˜o mesmo em sua forma mais simples traz o a a ca HDTV de volta ao alinhamento com o DV padr˜o enquanto faz com que o DV padr˜o fique a a mais r´pido do que em tempo-real. Pressione o bot˜o Novo repetidamente para criar mais grupos com os mesmos parˆmetros. pressione Cancelar. e O Cinelerra divide a regi˜o selecionada da linha do tempo em um certo n´mero de trabalhos a u que ent˜o s˜o despachados a n´s diferentes dependendo do balan¸o de carregamento ("load a a o c . O ca ca grupo destacado ´ sempre sincronizado para a informa¸˜o exibida. formato de arquivo. o grupo ser´ renderizado. ca Para sair da caixa de di´logo esteja algo sendo renderizado ou n˜o. Audio. a a 20. Fa¸a isso marcando o caminho EDL. ´ ´ Marque os parˆmetros de caminho de sa´ a ıda. a As outras colunas na lista de grupos s˜o informativas. a janela principal mostra o progresso do grupo. O novo grupo conter´ todos os parˆmetros que vocˆ acabou a a e de configurar.Cap´ ıtulo 20: Renderizando arquivos 141 de grupos para renderizar. Esses parˆmetros ser˜o aplicados ´ a a a apenas um grupo. a ca Para parar a renderiza¸˜o antes que os grupos tenham acabado e fechar a caixa de di´logo ca a de renderiza¸˜o em grupo. Na caixa de lista est´ uma coluna que habilita ou desabilita o grupo. grupos a podem ser pulados sem ser apagados. ıda ıda • EDL O EDL fonte do grupo. a coluna "passado" (elapsed) na lista de grupos ´ atualizada e o pr´ximo grupo ´ e o e renderizado at´ que todos os grupos habilitados tenham terminado. clique em Novo para criar um novo grupo. c ca Uma vez renderizando. pressione Parar. a Embora a interface da fazenda de renderiza¸˜o n˜o seja espetacular.7 GHz duplo ıda a mais r´pido. vocˆ deve selecionar o EDL e a o ca e fonte a ser usado no grupo. a • Sa´ O caminho de sa´ do grupo. Pressione delete para remover ca permanentemente o grupo destacado.

Idealmente. mas provavelmente n˜o morrer´. O carregamento no Cinelerra faz um balanceamento em uma base de chegou primeiro ´ e servido primeiro. co a o ca . ca e o o dimens˜es de sa´ e as dimens˜es dos blocos de edi¸˜o ("asset") devem ser iguais. Al´m disso. todos os n´s mais ´ o o r´pidos podem acabar esperando pelo n´ mais lento terminar enquanto eles mesmos poderiam a o ter feito a renderiza¸˜o mais r´pido. Se ele n˜o pode acessar um bloco de a a a edi¸˜o de sa´ ca ıda. Os o o e a a n´s escravos s˜o qualquer outro lugar na rede e s˜o rodados por linha de comando. Se esta op¸˜o estiver selecionada quando n˜o e ca a existem marcadores. mas ainda estar preso no Brasil. Para fazer a renderiza¸˜o a partir da linha de comando. Uma interface de linha de comando ´ ideal e para isso. Arquivos que suportem c´pia direta podem ser cona o catenados em um arquivo unico renderizando-se no mesmo formato de arquivo com a fazenda ´ de renderiza¸˜o desabilitada. O n´ mestre ´ o computador onde a interface gr´fica est´ sendo rodada.2 [Fazenda de renderiza¸˜o]. Isso ´ util se ca a a e´ vocˆ estiver planejando matar o X repetidamente ou se quiser fazer a renderiza¸˜o do outro lado e ca de uma rede de banda estreita. Devido a isso. V´ para arquivo->renderiza¸˜o em grupo. ent˜o n˜o preca a a cisam de discos r´ ıgidos. isso far´ a renderiza¸˜o ser abortada. ca a 20. a ca Deve ser notado que na caixa de di´logo de renderiza¸˜o. a op¸˜o Criar novo arquivo a cada a ca ca marcador faz com que um novo trabalho da fazenda de renderiza¸˜o seja criado a cada marcador ca ao inv´s de pelo balanceador de carregamento. todos os n´s na fazenda de renderiza¸˜o possuem uma performance de CPU o ca similar. Execute um o a a n´ escravo a partir da linha de comando com cinelerra -d. Se o ultimo segmento for despachado para o n´ mais lento. Configure os atributos a desejados de fazenda de renderiza¸˜o em configura¸˜es->preferˆncias e saia do Cinelerra. Os n´s processam os trabalhos e escrevem sua sa´ a arquivos individuais no sistema o ıda ´ de arquivos. Isso salvar´ os grupos em um arquivo. a Uma fazenda de renderiza¸˜o do Cinelerra ´ organizada em um n´ mestre e qualquer n´mero ca e o u de n´s escravos. E importante para todos os n´s ter ıda a a o acesso ao mesmo sistema de arquivos no mesmo ponto de montagem para os blocos de edi¸˜o. Crie os grupos que vocˆ pretende renderizar a a ca e na janela de grupos e feche a janela. o ıda o ca Arquivos MPEG ou arquivos que n˜o suportem c´pia direta tˆm que ser concatenados com a o e a utiliza¸˜o da linha de comando.6 Renderiza¸˜o por linha de comando ca A op¸˜o de renderiza¸˜o por linha de comando consiste em uma forma de carregar a configura¸˜o ca ca ca atual de trabalhos de renderiza¸˜o em grupo e process´-los sem interface gr´fica. o Esta ´ a configura¸˜o mais simples. Essas ca co e configura¸˜es ser˜o usadas na pr´xima vez que a renderiza¸˜o por linha de comando for usada. vocˆ vai querer trazer a sa´ renderizada e fazer um ajuste fino de e ıda tempo na linha de tempo. ca Se um n´ n˜o consegue acessar um bloco de edi¸˜o de entrada. Os arquivos MPEG podem ser concatenados usando o cat. ele mostrar´ mensagens de o a ca a erro em seu console. apenas um trabalho ser´ criado. Tamb´m para se conseguir c´pia direta. a Vocˆ pode carreg´-los criando uma nova trilha e especificar concatenar `s trilhas existentes e a a na caixa de di´logo de carregar arquivos. O n´mero e ca co u da porta padr˜o pode ser sobrescrito informando-se o n´mero da porta ap´s a op¸˜o ‘-d’. Os arquivos de sa´ n˜o s˜o concatenados. exilado por assim dizer. Vocˆ pode ter acesso a um super computador na ´ e India. ca A configura¸˜o da fazenda de renderiza¸˜o ´ descrita no cap´ ca ca e ıtulo de configura¸˜o Veja ca Se¸˜o 3. P´gina 26. os trabalhos s˜o deixados em arquivos individuais. Digite cinelerra -h para ver mais op¸˜es. as dimens˜es da trilha. primeiro rode o Cinelerra no modo ca gr´fico. Os n´s escravos tradicionalmente lˆem e ca ca a o e escrevem informa¸˜o em um sistema de arquivos comum por sobre uma rede.6. alguns formatos de arquivo como o MPEG n˜o podem e a ser copiados diretamente.142 Cap´ ıtulo 20: Renderizando arquivos balance"). a u o ca Na maioria das vezes.

O a arquivo Quicktime4linux renderizado do Cinelerra deve ter as seguintes propriedades: • Op¸˜o de ´udio: Two Complements 16bits (Pcm) ca a • Op¸˜o de v´ ca ıdeo: DV 20. Configurar todos os parˆmetros para esta opera¸˜o ´ dif´ a a ca e ıcil.7 Renderizando v´ ıdeos para a internet Se vocˆ quer codificar um v´ e ıdeo para coloc´-lo na internet. vocˆ deve codificar seu arquivo Quicktime4linux com o MEncoder e em duas passagens. ca Aqui est˜o algumas outras linhas de comando.mov -ovc xvid -xvidencopts bitrate=600:pass=2 -vf scale=320:240 -oac mp3lam .mov -o /dev/null\ -ffourcc DIVX Segunda passagem: mencoder -srate 32000 -oac mp3lame -lameopts cbr:br=${taxa_de_bits_de_´udio}:\ a aq=0 -sws 2 -vf scale=${largura}:${altura}. Tentar usar qualquer coisa que n˜o os padr˜es ´ bem dif´ ent˜o isso ainda n˜o foi a o e ıcil.mov -ovc xvid -xvidencopts bitrate=600:pass=1 -vf scale=320:240 -oac mp3lam mencoder entrada. e Primeira passagem: mencoder -oac pcm -sws 2 -vf scale=${largura}:${altura}.05:dark_mask=0. recomendamos renderiz´-lo como a a um arquivo Quicktime4linux.1 Codificando um v´ ıdeo em formato MPEG4 para a internet Para obter a melhor qualidade.3:naq:v4mv:mbd=2:\ trell:cmp=3:subcmp=3:mbcmp=3:aspect=4/3:sc_threshold=1000000000:\ vmax_b_frames=2:vb_strategy=1:dia=3:predia=3:cbp:mv0:preme=2:\ last_pred=3:vpass=1:cgop -ofps 25 -of avi movie. Elas d˜o sa´ a arquivos de v´ a a ıda ıdeo cujo tamanho ´ de mais ou menos 13 Mb para cada 3 minutos.05:dark_mask=0.01:scplx_mask=0.hqdn3d=2:1:2 \ -ovc lavc -lavcopts vcodec=mpeg4:vbitrate=${taxa_de_bits_do_video}:vlelim=-4:\ vcelim=7:lumi_mask=0. dˆ e a uma olhada nos filtros de pr´-processamento do MEncoder.01:scplx_mask=0. e ent˜o codificar aquele arquivo em MPEG4 de formatos FLV. Se vocˆ quer que seu arquivo de v´ e ıdeo seja exibido devidamente em um reprodutor de m´ ıdia conhecido. marcado com a op¸˜o ‘-vf scale=’.hqdn3d=2:1:2 -ovc lavc\ -lavcopts vcodec=mpeg4:vbitrate=${taxa_de_bits_do_v´deo}:vlelim=-4:vcelim=7:\ ı lumi_mask=0.Cap´ ıtulo 20: Renderizando arquivos 143 Na linha de comando.mov -o movie. a a testado. rode: cinelerra -r para processar os trabalhos de grupo atuais sem ´ uma interface gr´fica.avi -ffourcc DIVX Vocˆ provavelmente vai ter que adaptar esses comandos se seu material tiver muito ru´ e ıdo.7. vocˆ deve saber que: e mencoder entrada. E por isso que a linha de comando aborta se qualquer arquivos de sa´ j´ existirem. Primeira passagem: Segunda passagem: N˜o esque¸a de mudar o tamanho de sa´ do v´ a c ıda ıdeo. ıda a Outros parˆmetros existem para especificar arquivos alternativos para as preferˆncias e para a e os grupos.3:naq:v4mv:mbd=2:trell:\ cmp=3:subcmp=3:mbcmp=3:aspect=4/3:sc_threshold=1000000000:\ vmax_b_frames=2:dia=3:predia=3:cbp:mv0:preme=2:last_pred=3:vpass=3:\ cgop -ofps 25 -of avi movie. que rode em Windows. 20. Os parˆmetros * mask s˜o realmente e a importantes quando se codifica a uma taxa de bits baixa.

144 Cap´ ıtulo 20: Renderizando arquivos • a informa¸˜o sobre raz˜o de aspecto contida no cabe¸alho do AVI n˜o ser´ levada em ca a c a a ´ por isso que vocˆ deve escalar a imagem para a raz˜o considera¸˜o por aquele reprodutor. Largura e altura devem ser m´ltiplas de 16.de/flvtool2) a pode ser usado para inserir essa informa¸˜o: ca cat arquivo_de_entrada.ods Algumas observa¸˜es interessantes: co − O MPlayer funciona melhor com v´ ıdeos menores. Primeira passagem: ffmpeg -i v´deo. Estas s˜o as resolu¸˜es u a co recomendadas para material 4/3 PAL: 384:288.net/video/qtcompatibility. e a Este formato ´ realmente util quando algu´m quer compartilhar um v´ e ´ e ıdeo com uma audiˆncia e maior pela internet.flv | flvtool2 -U stdin arquivo_de_sa´da. A freq¨ˆncia do ´udio deve ser 22050 e o parˆmetro ‘-ar’ deve ser usado para que o ue a a v´ ıdeo seja propriamente codificado.9 Fazendo um DVD 20.flv ı ı Segunda passagem: ffmpeg -i v´deo. MPlayer e alguns outros reprodutores de m´ ıdia. A dura¸˜o tem que ser escrita na informa¸˜o metadata para que alguns reprodutores de ca ca flash exibam uma barra de progress˜o. Ela cont´m uma e lista exaustiva de todos os esquemas de compress˜o do Quicktime dispon´ a ıveis e sua compatibilidade com o Cinelerra. e ıvel .mov -b 430 -s 320x240 -aspect 4:3 -pass 2 -ar 22050 v´deo.flv ı ı Atente ` extens˜o do arquivo de sa´ a a ıda. 512:384 ou 704:528.8 Tabela de compatibilidade do Quicktime para GNU/Linux Scott Frase escreveu uma tabela de compatibilidade do Quicktime for Linux.serveftp.inlet-media.7.2 Codificando um v´ ıdeo em formato FLV para a internet O peso de arquivos FLV (FLash Video) ´ muito pequeno e a unica coisa necess´ria para e ´ a reproduzi-los ´ um navegador de internet com o plugin flash vers˜o 7 ou posterior instalada. O FFMPEG n˜o escreve informa¸˜o metadata no arquivo a ca flv. 448:336. de resolu¸˜o DV ca − A compatibilidade do Cinelerra com arquivos renderizados a partir de um projeto DV n˜o a ´ muito diferente de sua compatibilidade com arquivos renderizados a partir de um projeto e HDV. • o reprodutor de m´ ıdia rodando no Windows vai perder a sincronia A/V caso um ´udio com a taxa de ´udio VBR seja usado ao inv´s de CBR. O FLVTool2 (http://www.1 Renderizando para mpeg2 Aqui est´ um m´todo para exportar v´ a e ıdeo em MPEG2 e fazer um cap´ ıtulo unico de DVD. − Est´ inclu´ a ıda uma MPlayer/Cinelerra tabela de compara¸˜o ca de compatibilidade de DV/HDV 20.flv ı 20. 20. O FFMPEG a usa para determinar o formato de sa´ ıda. E ca e a de aspecto correta. ca Esta tabela est´ dispon´ aqui: a ıvel http://content. a e • o parˆmetro ‘-ffourcc’ ´ necess´rio para que o codec de v´ a e a ıdeo seja reconhecido como Divx. Este documento possui duas se¸˜es principais. Este ´ m´todo permite que vocˆ configure precisamente a op¸˜o de codifica¸˜o que vocˆ quer e produz e e ca ca e um arquivo MPEG2 que ´ 100% compat´ com todos os aparelhos de DVD.mov -b 430 -s 320x240 -aspect 4:3 -pass 1 -ar 22050 v´deo.9. uma baseada em um projeto formatado para uma resolu¸˜o HDV e outra co ca para um projeto formatado para uma resolu¸˜o DV.

Abra o Cinelerra e selecione a parte do v´ ıdeo que vocˆ quer renderizar com os pontos de [ e e] 5.m2v seu_arquivo_de_audio. Ponha as premiss˜es de execu¸˜o neste arquivo: chmod 777 ~/cine_render. Se seu materia possuir bastante ru´ ıdo (material de Hi8 anal´gica.sh’: − y4mshift e y4mscaler podem ser usados para remover as bordas com ru´ ıdos ` volta a do v´ ıdeo. indique o nome do arquivo ‘m2v’ que vocˆ quer criar.sh’ 2. Olhe a p´gina do manual do e a a mpeg2enc. Recomendamos que vocˆ n˜o aumente este valor ou vocˆ pode ter erros quando a e a e estiver multiplexando o v´ ıdeo e o ´udio. Quando o arquivo m2v for renderizado. Selecione o formato YUV4MPEG Stream 7.ac3 -o arquivo_de_video_e_audio. Se vocˆ reduzi-la (n˜o des¸a abaixo de 3). Exemplo: yuvdenoise -F | yuvmedianfilter -T 3 | Depurar ´ uma tarefa complexa e as op¸˜es dadas acima s˜o apenas um exemplo. Na nova janela que se abriu. assegure-se de que vocˆ definiu propriamente o formato do seu projeto do Cinelerra e antes de renderizar seu v´ ıdeo (menu Configura¸˜es->Formato).sh’ removem as margens pretas ` volta do v´ a ıdeo Hi8: y4mshift -n -2 | yuvscaler -I USE_744x560+12+8 -O DVD -M BICUBIC | − yuvdenoise e yuvmedianfilter podem ajudar a remover ru´ ıdo. Por exemplo. Pressione SHIFT-R 6.97 quadros por segundo. a • ‘-q 6’ : esta ´ a configura¸˜o do quantizador. ca ca ıda Primeiro. 10. Finalmente. O pacote mjpegtools ´ constru´ na e ıdo distribui¸˜o do hvirtual e a fun¸˜o mplex pode ser extra´ dali. por exemplo). E a a a e de bits conseguida (a que for exibida quando se estiver multiplexando ops arquivos de ´udio a de v´ ıdeo) por volta de 10% abaixo do que a taxa de bits definida com a configura¸˜o do ca ‘-b’. Mas a taxa de bits aumentar´.sh o ca 4. Por favor. PAL ´ 720x576 a 25 quadros por co e segundo. Clique em OK para fechar a segunda janela e em OK de novo para renderizar seu arquivo ‘m2v’ 12. Clique em Usar pipe e escreva este comando: /home/<seu usu´rio>/cine_render. NTSC ´ 720x480 a 29. e co a leia o manual do mjpegtools e inscreva-se na lista do programa para obter mais informa¸˜es.sh’ as seguintes linhas: #/bin/bash mpeg2enc -v 0 -K tmpgenc -r 16 -4 1 -2 1 -D 10 -E 10 -g 15 -G 15 -q 6 -b 8600 -f 8 -o $1 3. esses comandos adicionados ao in´ ıcio da linha de comando em ‘cine_render.Cap´ ıtulo 20: Renderizando arquivos 145 O programa mplex do mjpegtools deve estar instalado. Este e arquivo conter´ apenas o v´ a ıdeo.sh % a 11. Copie no ‘arquivo ~/cine_render. o vocˆ pode adicionar algumas ferramentas do mjpegtools na linha de comando escrita em e ‘~/cine_render. De-selecione Renderizar trilhas de ´udio e selecione Renderizar trilhas de v´ a ıdeo 8. abra a janela de renderiza¸˜o de novo e renderize ca um arquivo AC3 a 224kbits 13.mpeg Vocˆ pode modificar os parˆmetros do mpeg2enc se quiser. Clique no ´ ıcone da ferramenta 9. combine o v´ ıdeo e o ´udio com este comando: mplex -f 8 seu_arquivo_de_ a video. e 1. a e ca e a c ´ recomend´vel manter a taxa m´dia qualidade aumentar´. Alguns detalhes sobre as configura¸˜es: co • ‘-b 8600’ : esta ´ a taxa de bits m´xima de seu arquivo ‘m2v’ (ela n˜o inclui a taxa de bits e a a de ´udio). co . Crie um script ‘~/cine_render.

e a o e a a O spumux ´ uma ferramenta em linha de comando que leva 2 argumentos: e − um arquivo XML explicando onde est˜o os bot˜es a o − o nome do arquivo MPEG2 (aquele que vocˆ renderizou para o menu) e Aqui est´ um arquivo XML de exemplo do spumux: a <subpictures> <stream> <spu start="00:00:00. a a o Renderize este v´ ıdeo para m2v e ac3 usando o m´todo cine_render.0" image="bot~es_normal. e a dvdwizard ou tovid.wikia. Vocˆ pode e e adicionar uma m´sica se quiser. e Combine o ´udio e o v´ a ıdeo com o mplex como vocˆ faria com qualquer v´ e ıdeo "normal". Entretanto. − n˜o desenhar os bot˜es no Cinelerra.9. entree e a tanto. vocˆ poder´ fazer bot˜es animados. Este ´ o m´todo mais simples.146 Cap´ ıtulo 20: Renderizando arquivos 20. dvdstyler.2 Fazendo um menu de DVD Um − − − menu de DVD ´ composto de: e um fundo (imagem est´tica ou v´ a ıdeo) bot˜es o som/m´sica u Vocˆ pode construir um meni com uma interface gr´fica como o qdvdauthor.com/wiki/Main_Page Aqui est˜o os passos necess´rios para criar seu menu de DVD: a a − crie um fundo de menu com o cinelerra − adicione os bot˜es criando imagens em PNG o − combine o menu e os bot˜es com o spumux o N´s supomos que vocˆ vai querer criar um menu com um fundo animado. como um thumbnail e a o de um v´ ıdeo para cada parte de seu v´ ıdeo.png" highlight= o "bot~es_em_destaque. Vocˆ os adicionar´ mais tarde. vocˆ poder´ coloc´-los com o spumux. ele: − produz um DVD reproduz´ em todos os aparelhos ıvel − n˜o est´ sujeito a erros a a − te poupar´ muito tempo j´ que tudo o que vocˆ ter´ que fazer para autorar um novo DVD a a e a ´ modificar os arquivos de texto e Se vocˆ prefere usar uma interface gr´fica. o uso dessas interfaces gr´ficas n˜o ´ perfeito no momento. a a e uma vez que estes programas ainda tˆm erros ou s˜o limitados no momento. recomendamos que vocˆ tente o tovid: e a e http://tovid. Desta forma. Se o ca a vocˆ n˜o desenhou os bot˜es no Cinelerra. Vocˆ obter´ um arquivo MPEG2 contendo o fundo do menu e alguns bot˜es dispostos em e a o cima dele se vocˆ os adicionou no Cinelerra.sh explicado acima. a partir das imagens a o e a PNG "adicionadas" ao arquivo de menu MPEG2. vocˆ tem duas possibilidades: o e − exibi-los no Cinelerra.png"> o o <button name="1" x0="94 " y0="234 " x1="253 " y1="278" . Atente para o fato de que este menu vai ser reproduzido em u loop. e a O m´todo que explicamos abaixo ´ mais complicado do que usar a interface gr´fica. e N´s temos que usar o spumux para definir cada posi¸˜o de bot˜o neste arquivo MPEG2. Abra o Cinelerra o e e crie um projeto contendo o que vocˆ vai querer como fundo para o seu menu. mas vocˆ e e e n˜o conseguir´ exibir bot˜es animados. Para desenhar os bot˜es.png" select="bot~es_selecionados.

Cap´ ıtulo 20: Renderizando arquivos 147 down="2" right="4" /> <button name="2" x0="63 " y0="287 " x1="379 " y1="331" up="1" down="3" right="5" /> </spu> </stream> </subpictures> e o • image="bot˜es normal... Cada linha cont´m as coordenadas do bot˜o. a a a Quando vocˆ houver terminado de editar seu arquivo XML do spumux. y1: canto inferior direito Vocˆ tamb´m tem que configurar para qual bot˜o a navega¸˜o se mover´ quando os bot˜es e e a ca a o para-cima. H´ uma linha por bot˜o. para-baixo. • select="bot˜es selecionados.png" Esta imagem PNG cont´m os bot˜es em seu estado seleo e o cionado.. O risco ´ que o DVD possa ser lido ca a e em alguns aparelhos. vocˆ ter´ que digitar e e a este comando: spumux menu.3 Autorando um DVD Ap´s haver renderizado seus arquivos para MPEG2 e haver preparado um menu com o spumux. a a a a ent˜o o bot˜o 4 ser´ destacado..xml < menu.mpeg o ´ Isso gerar´ um ‘menu_com_bot~es. Aqui est´ um exemplo: a <button name="3" . suportar transparˆncia) e − estar em 4 cores indexadas. e <dvdauthor dest="/caminho/para/a/pasta/que/conter´/o/dvd"> a <vmgm /> <titleset> <titles> <pgc> <vob file="/o/arquivo/mpeg.9. up="1" down="5" left="2" right="4" /> Quando o bot˜o 3 for selecionado.mpeg’.png" Esta imagem PNG cont´m os bot˜es conforme eles devem o aparecer quando n˜o est˜o n˜o est˜o selecionados ou em destaque. se o bot˜o "para-cima" for pressionado no controle remoto a a ent˜o o bot˜o 1 ser´ destacado.mpeg > menu_com_bot~es. E um arquivo MPEG2 com bot˜es. a Para ajudar vocˆ a usar o dvdauthor.coordinates. e O dvdauthor usa arquivos de XML para descrever a estrutura do DVD. y0: canto superior esquerdo − x1.mpeg" /> . As imagens PNG usadas no spumux devem: − conter um canal alfa (por exemplo. mas n˜o em todos. a a a a e o • highlight="bot˜es em destaque. o vocˆ precisa "autorar" o DVD com o dvdauthor. A sintaxe ´ rigorosa e e deve-se prestar muita aten¸˜o ` sintaxe do arquivo . vocˆ tem que especificar imagens PNG vazias (100% e a o e transparentes) aqui. um bot˜o possuindo a a e a a uma forma retangular: − x0. para-a-esquerda e para-a-direita do controle remoto do DVD forem usados. vamos mostrar alguns arquivos XML de exmplo. Se o bot˜o "para-a-direita" for pressionado no controle remoto.png" Esta imagem PNG cont´m os bot˜es em seu estado o destacado. Se vocˆ j´ fez os bot˜es no Cinelerra. a o o 20.xml. Vocˆ pode facilmente converter uma imagem para 4 cores e indexadas usando o Gimp.

jump title 1 chapter 3.mpeg’ ser´ reproduzido assim que vocˆ inserir o DVD no aparelho. } </post> </pgc> </menus> </vmgm> <titleset> <menus> <pgc entry="root" > <pre> { if ( g3 gt 0 ) { if ( g3 eq 1 ) { g3=0. <dvdauthor dest="/caminho/para/a/pasta/que/conter´/o/dvd" jumppad="yes" > a <vmgm> <fpc> jump menu 1. } </button> <post> { jump cell 1. } </button> <button name="3" > { g3=3. jump titleset 1 menu entry root. jump title 1 chapter 5. jump titleset 1 menu entry root. jump titleset 1 menu entry root. } </button> <button name="4" > { g3=4. } if ( g3 eq 3 ) { g3=0. jump title 1 chapter 7. } } </pre> <post> { jump vmgm menu entry title. a e Isso significa que seu v´ ıdeo ser´ reproduzido em loop: a <post> jump chapter 1.xml Agora. } </post> </pgc> </menus> <titles> <video format="pal" aspect="4:3" resolution="720x576" /> <pgc pause="0" > <vob file="v´deo_1. } if ( g3 eq 4 ) { g3=0. simplesmente digite o seguinte comando: dvdauthor -x exemplo_simples. vamos dar uma olhada em um exemplo mais complexo. um menu ser´ exibido e vocˆ poder´ escolher entre reproduzir quatro v´ a e a ıdeos. N˜o h´ menu. } jump vmgm menu entry title. </post> </pgc> </titles> </titleset> </dvdauthor> Este ´ um arquivo XML bem simples do dvdauthor.mpeg" pause="0" /> ı .mpeg" pause="0" /> <button name="1" > { g3=1. } if ( g3 eq 2 ) { g3=0.148 Cap´ ıtulo 20: Renderizando arquivos <post> jump chapter 1. </post> Para autorar o DVD. jump titleset 1 menu entry root. jump title 1 chapter 1. Quando o DVD for inserido. o arquivo de v´ e a a ıdeo ‘/o/arquivo/mpeg. } </button> <button name="2" > { g3=2. </fpc> <menus> <video format="pal" aspect="4:3" resolution="720x576" /> <pgc entry="title" > <vob file="menu.

.4 Queimando um DVD Quando vocˆ houver terminado de autorar o DVD.10 Usando a renderiza¸˜o de fundo ca A renderiza¸˜o ao fundo permite que efeitos impossivelmente lentos sejam reproduzidos em ca tempo-real logo ap´s o efeito ser colado na linha do tempo. Se algum v´ ca c ıdeo existir. entre nesta pasta o a (cd) e digite: xine dvd:‘pwd‘ Se seu DVD for reproduzido corretamente em seu computador.mpg v´deo_preto. ´ hora de queim´-lo.mpg" pause="0" /> ı <vob file="v´deo_2. a renderiza¸˜o ao fundo a a ca ca usa continuamente.mpeg" pause="0" /> ı <post> { call vmgm menu entry title./dvd.mpv ı mplex -f 8 -o v´deo_preto. } </post> </pgc> </titles> </titleset> </dvdauthor> O arquivo ‘v´deo_preto. .9.ppm | mpeg2enc -a 2 -n p -f 8 -o v´deo_preto.mpg" pause="0" /> ı <vob file="v´deo_3.mpa ppmtoy4m -S 420mpeg2 -n 50 -F 25:1 -r quadro_preto. uma barra vermelha aparece na barra de tempo mostrando o que foi renderizado ao fundo./dvd.mpg’ ´ usado para adicionar uma tela preta de dois segundos entre ı e cada v´ ıdeo. 20.ppm dd if=/dev/zero bs=4 count=960000 | toolame -b 128 -s 48 /dev/stdin ´udio_ a vazio. Quando a fazenda de renderiza¸˜o estiver habilitada.Cap´ ıtulo 20: Renderizando arquivos 149 <vob file="v´deo_preto. Ela posca e co e sui uma fun¸˜o interativa: configura¸˜es->marcar rederiza¸˜o ao fundo.iso’ pode ser queimado usando este comando: nice -n -20 growisofs -dvd-compat -speed=2 -Z /dev/dvd=.iso && eject /dev/cdrom Recomendamos que vocˆ n˜o queime o DVD a uma velocidade maior do que 4x.mpg" pause="0" /> ı <vob file="v´deo_4. um v´ ıdeo de qualquer tamanho pode ser visto em tempo-real simplesmente criando-se uma rede r´pida o suficiente com n´s suficientes. Isso marca o ponto ca co ca onde a renderiza¸˜o ao fundo come¸a para onde o ponto de entrada estiver. a o A renderiza¸˜o ao fundo ´ habilitada em configura¸˜es->preferˆncias->performance..mpv ´udio_vazio. Este arquivo ‘. Ele renderiza continuamente a sa´ o ıda tempor´ria../dvd. Use um e a DVD-R de qualidade.mpeg" pause="0" /> ı <vob file="v´deo_preto.iso . vocˆ encontrar´ em uma pasta os seguintes e e a diret´rios: ‘AUDIO_TS’ e ‘VIDEO_TS’. Quando e a vocˆ estiver na pasta contendo os arquivos ‘AUDIO_TS’ e ‘VIDEO_TS’. digite este comando: e nice -n -20 growisofs -dvd-compat -speed=2 -Z /dev/dvd -dvd-video -V VIDEO .mpa ı ı a 20. Desta forma. Aqui est´ como cri´-lo: a a convert -size 720x576 xc:black -depth 8 quadro_preto. Para testar seu DVD antes de queim´-lo. vocˆ pode fazer um .mpeg" pause="0" /> ı <vob file="v´deo_preto./ && eject /dev/dvd Se vocˆ tem um monte de c´pias a fazer.iso mestre primeiro usando e o e este comando: nice -n -20 mkisofs -dvd-video -V VIDEO -o .

ca e .150 Cap´ ıtulo 20: Renderizando arquivos Normalmente ´ util inserir um efeito ou uma transi¸˜o e ent˜o selecionar configura¸˜ese ´ ca a co >marcar rederiza¸˜o ao fundo logo antes do efeito para prevˆ-lo a uma taxa de quadros inteira.

u Primeiro. O sinal sai do falante central. crie uma nova trilha. a a a 21. quando estiver capturando o v´ ıdeo. ´ Agora. Se o mesmo sinal for desejado em todos os falantes exceto o do meio.05 segundos e uma nova a trilha unica deve ser criada.2 Limpeza de material de TV anal´gica o A n˜o ser que vocˆ viva em uma na¸˜o rica como a China ou seja um terrorista. o sinal nos falantes de tr´s deve ser atrasado em pelo menos 0.1 Codifica¸˜o Dolby Pro Logic ca Dolby pro logic ´ uma forma f´cil de dar sa´ a um ´udio de 6 canais a partir de uma placa de e a ıda a som de 2 canais com resultados degradados mas uteis. vocˆ encontrar´ modos de aplicar o Cinelerra a problemas comuns. Uma codifica¸˜o rudimentar Dolby pro ´ ca logic pode ser alcan¸ada com o uso inteligente dos efeitos. c ´ Crie 2 trilhas de ´udio com o mesmo ´udio. Aplique Inverter Audio a uma trilha. RGB deve ser o ultimo recurso. Para europeus. capture-o na melhor resolu¸˜o poss´ ca ıvel.Cap´ ıtulo 21: Dicas 151 21 Dicas Nesta se¸˜o. na linha do tempo use Configura¸˜es->Formato para configurar para um espa¸amento co c de cor YUV. Centralize-a com a ´ a o controle de panorˆmica. Se vocˆ quiser ouvir algo do subwoofer. 21. vocˆ provavela e ca e mente grava televis˜o anal´gica mais do que grava televis˜o digital. Caso estes demandem recursos demais. Fa¸a o pan na nova trilha para orientar o sinal para os falantes da ´ c frente.5 segundos e atrase ou ou falante da frente-`-esquerda ou da frente-`-direita por 0. ´ 720x576 e para brasileiros ´ 720x480. selecione uma abrangˆncia. e e jogue um efeito de sintetizador e configure a freq¨ˆncia para abaixo de 60 Hz. Configure-o para Horizontal: Deslocamento Horizontal: Vertical: Deslocamento Vertical: vermelho x verde 2 0 2 0 . Jogue um efeito Reduzir amostragem no material gravado. se uma c´pia do sinal nos falantes de tr´s for desejada em qualquer falante unico o a ´ da frente. a Crie uma trilha de ´udio unica com ´udio em mono de uma fonte diferente. O sinal a a sai dos falantes de tr´s. Este se¸˜o a a ca est´ disposta na ordem de problemas e quais ferramentas s˜o usadas para solucion´-los. N˜o se dˆ ao trabalho de ajustar o brilho e o e e a e contraste no monitor de grava¸˜o. atrase os falantes de tr´s em 0.2 a a a segundos. A qualidade da imagem na a o a tv anal´gica ´ horr´ o e ıvel. Outras se¸˜es ca e a co est˜o dispostas na ordem das ferramentas e para o que estas ferramentas s˜o usadas. O subwoofer ue simplesmente toca qualquer coisa abaixo de por volta de 60Hz. a a Finalmente. Captureca ´ o usando MJPEG ou Component Video n˜o-comprimido se poss´ a ıvel. Outros truques que vocˆ pode fazer para separar os falantes s˜o a equaliza¸˜o param´trica e a ca e para tocar apenas as abrangˆncias selecionadas de freq¨ˆncias por falantes diferentes e filtragem e ue de passagens baixas ("lowpass filtering") para reproduzir sinais pelo subwoofer. a Crie outras trilhas com diferentes sinais e fa¸a o pan com elas para a esquerda ou para a c direira para enviar os sinais para os falantes de frente ` esquerda ou ` direita. embora fazer um "maxing out" na cor pode ser util. mas vocˆ pode fazer coisas no Cinelerra para fazˆ-la parecer um pouco e e mais com o que se parecia no est´dio. capture-o usando JPEG.

A Corre¸˜o ` base de tempo ´ a ultima porque ´ ıvel a a ca a e ´ e . Isso melhorar´ a a as raz˜es de compress˜o. Quando aplicado a uma trilha. exceto que ao ca inv´s de fazer c´pias diretas das linhas. bloqueie-os com a ferramenta de M´scara. V´rios consumidores ficaram dea sapontados ao gastar cinco meses de sal´rio em uma cˆmera e descobrir as imagens horr´ a a ıveis distorcidas que ela produz em um monitor de computador. c 21.3 Combatendo o entrela¸amento c Entrela¸amento ´ feito na maioria das fontes de v´ c e ıdeo porque custa muito caro construir cˆmeras a de sondagem progressiva e CRTs de sondagem progressiva. Eles ou s˜o irrevers´ c a ıveis ou n˜o funcionam. c N´s n˜o acreditamos que em algum momento tenha existido algum efeito perfeito de deo a sentrela¸amento. Veja Se¸˜o 14. Fatores de pre¸o provavelmente a c c manter˜o as cˆmeras progressivas de em algum momento se igualar ` resolu¸˜o espacial de a a a ca ´ por isso que fizeram efeitos de cˆmeras entrela¸adas.152 Cap´ ıtulo 21: Dicas azul alfa Use a ferramenta de cˆmera para mudar a imagem para cima ou para baixo uma linha para a remover a maioria da interferˆncia de cor da imagem.4. Esta ´ a diferen¸a que estamos buscando: e e c x Se vocˆ possui informa¸˜o de vazio vertical ("vertical blanking information") ou coisas que e ca mudam constantemente a cada quadro. Isso na verdade ´ util para e o e e´ todas as escalas. reduz a resolu¸˜o vertical por 1/2 ca ´ apenas util quando seguido de e resulta em quadros progressivos com "stairstepping". N˜o funciona. a • Telecine Inverso Esta ´ a ferramenta de desentrela¸amento mais efetiva quando o material e c ca a for de TV NTSC de um filme. O entrela¸ado est´ aqui para ficar. E a c c a desentrela¸amento no Cinelerra. • Corre¸˜o ` base de tempo As primeiras ferramentas ou destroem o material de forma ca a irrevers´ ou n˜o funcionam `s vezes. O Cinelerra corta pelo meio ao a prover ferramentas de desentrela¸amento que em alguns momentos s˜o irrevers´ c a ıveis e em alguns momentos n˜o funcionam. mas n˜o s˜o nem uma nem outra. H´ uma op¸˜o para a m´dia adaptativa da linha que seleciona para quais linhas se deve a ca e tirar a m´dia e para quais linhas se deve deixar o entrela¸ado baseado na diferen¸a entre as e c c linhas. esque¸a-as. o a Isso ´ mais ou menos tudo o que vocˆ pode fazer sem destruir mais informa¸˜o do que e e ca vocˆ normalmente perderia na compress˜o. E ´ um efeito de escala que reduz a imagem a metade de seu tamanho.28 [Telecine Inverso]. Sobre as cˆmeras de sondagem progressiva. As t´cnicas mais invasivas de limpeza envolvem e a e desentrela¸amento. • M´dia de linhas O efeito Desentrela¸ar. faz a m´dia das linhas. quando configurado para M´dia de linhas pares ou e c e M´dia de linhas ´ e ımpares faz exatamente o que a duplica¸˜o de linhas faz. a a a • Duplica¸˜o de linhas Este ´ feito pelo efeito Desentrela¸ar quando configurado para Linhas ca e c ´ ımpares ou Linhas pares. P´gina 102.

Ela n˜o reduz a c a resolu¸˜o. Ultimamente. Melhor de tudo. Efeitos antes de Quadros para Campos processam ` taxa reduzida de quadros. Configure a taxa de quadros do projeto para 24 quadros por segundo. Jogue um efeito de Quadro para campos na mesma trilha. Renderize apenas o v´ ıdeo para o arquivo com a melhor qualidade poss´ ıvel. d´ a ilus˜o de um a a v´ ıdeo progressivo sem perda de detalhes. mas o maior a problema com ele ´ que vocˆ normalmente vai querer manter a sa´ baseada em campos e a e e ıda .Cap´ ıtulo 21: Dicas 153 a ferramenta perfeita de desentrela¸amento. co a 4. a melhor coisa que a vocˆ pode fazer para cˆmeras baratas sujas de v´ e a ıdeo ´ transformar sua sa´ em 24 quadros e ıda por segundo progressivo. Importe o v´ ıdeo de volta para uma nova trilha. e e Exce¸˜es HDTV co HDTV 1920x1080 ´ codificado de uma forma especial. Ela deixa o material intacto. ele p˜e uma c´pia da m´dia de linha o o e das linhas ´ ımpares. 2. Saiba que o Quadros para Campos d´ entrada aos quadros na metade da taxa de quadros a do projeto.97 quadros por segundo se parecer com um c filme aplicando-se Quadros para campos e ent˜o reduzindo a taxa de quadros do projeto a do material resultante a 59. Ele deve ser usado para v´ ıdeos de baixa qualidade. Ainda estamos tentando achar o meio mais f´cil de suportar avisos para problemas a de campo. Aplique um efeito de Agu¸ar. a ca a e Segundo. mas por agora vocˆ precisa voltar ` taxa de quadros normal para fazer edi¸˜es e a co ou reprodu¸˜es de teste para saber se os campos est˜o certos. Marque M´dia de Fileiras e Vazias para ligado e reproduza trechos do v´ ıdeo algumas vezes para tentar descobrir qual o campo est´ primeiro. Se for uma transmiss˜o do HDTV e a original. ent˜o ele deve ser a usado em uma linha do tempo na qual a taxa de quadros do projeto ´ o dobro da taxa de e quadros do material gravado. a ca Todo este procedimento poderia ser implementado em um efeito n˜o-tempo-real. Se for uma retransmiss˜o de uma fonte 720x480.97 quadros por segundo. Configure a taxa de quadros do projeto para duas vezes a taxa de quadros do v´ ıdeo. Enquanto vocˆ ainda n˜o consegue fazer isso. Quando reproduzido a uma taxa de quadros inteira. Ela n˜o faz com que o movimento pare¸a um pouco ca a c descontinuado. Se o campo errado estiver primeiro. a sa´ de Quadros para campos n˜o pode ser comprimida de forma t˜o ıda a a eficientemente quanto o original porque introduz uma distor¸˜o vertical e uma taxa de ca quadros super alta.4. a vocˆ precisar´ usar uma base de tempo e um algoritmo de duplica¸˜o de linhas para desentrela¸´e a ca ca ca a lo. a Infelizmente. • O efeito Quadros para campos converte cada quadro em dois quadros. Por sinal. Isso n˜o produz movimento descont´ a ınuo e o campo ´ ımpar ocasional d´ a ilus˜o de haver mais a a detalhe do que haveria se vocˆ simplesmente tirasse a m´dia de linhas do original.4 Fazer um v´ ıdeo se parecer a um filme O aprimoramento do v´ ıdeo est´ constantemente evoluindo. Este combina dois quadros por material gravado de volta a um quadro entrela¸ado original de c metade da taxa de quadros. No primeiro quadro. 1. Configure-o para agudeza: 25.1 [1080 para 480]. qualquer edi¸˜o com a taxa de quadros duplicada pode agora zoar a ordem do ca arquivo. P´gina 92.94 quadros por segundo para 23. um telecine inverso funciona bem. 21. ´ poss´ chegar muito e a e ıvel pr´ximo pelo dinheiro. A nova trilha agora deve parecer mais a um filme e as imagens estar˜o melhores do que na grava¸˜o original. 3. Veja Se¸˜o 14. Pode-se fazer um material entrela¸ado a 29. 5. este procedimento pode degradar v´ o ıdeo de alta qualidade t˜o f´cil quanto melhorar v´ a a ıdeos de baixa qualidade. este efeito pode ser revertido com o efeito Campos para quadros. perceptualmente ao menos. sem entrela¸amento e horic c zontal apenas. a movimenta¸˜o ficar´ trˆmula.

6 Fazendo um ringtone Este ´ o jeito como fizemos os para o Motorola V180 e provavelmente vai funcionar com qualquer e telefone novo.5 Limpando o enevoado Vocˆ provavelmente fotografa um monte de enevoados e nunca vˆ um c´u azul. ca 21.. Isso ´ geralmente uma configura¸˜o aplic´vel e e ca a para o gradiente. mude os e ca a co Canais para 1 e Taxa de amostragem para 16000 ou 22050. O gr´fico deve paracer ao da imagem abaixo: ıda a .. Clique na lente de aumento ´ do compressor do Audio 1 para revelar a interface do compressor. Destaque o efeito de Compressor e aperte a Adicionar na janela que aparecer´. Clique com o bot˜o direito do mouse a na trilha de ´udio 1 e selecione Adicionar efeito. tomadas de horizonte e a e normalmente poderiam ter mais profundidade.. e Jogue o efeito gradiente nas trilhas enevoadas. Destaque o Audio 1: Compressor e pressione Adicionar. A cor do alfa externo ainda ´ interpolada com a cor interna.154 Cap´ ıtulo 21: Dicas sa´ a 24 quadros por segundo para a posteridade.1 ca − Segundos para decl´ ınio: 0. e carregue um arquivo de som com a a Estrat´gia de Inser¸˜o: Substituir projeto atual. Clique em qualquer lugar da ´rea do grid e arraste a a um ponto novo para Sa´ 0 e Entrada -50. V´ para Configura¸˜es->Formato. Um efeito n˜o-tempo-real requereria todo ıda a esse processamento apenas para a c´pia a 24 quadros por segundo.. Isso ´ o que o efeito Gradiente faz. Configure os seguintes parˆmetros: a ˆ − Angulo: 0 − Raio Interno: 0 − Raio Externo: 40 − Cor interna: azul 100% alfa − Cor externa: azul 0% alfa ´ E importante marcar a cor alfa 0% para azul mesmo que ela seja 0% alfa. Mesmo se e e e vocˆ pudesse pagar para ir brevemente a um lugar onde h´ c´u azul. Ou destaque uma regi˜o da linha do tempo ou marque pontos de entrada/sa´ para usar a ıda para o ringtone. Clique com o bot˜o direito do mouse na trilha de ´udio 2 e selecione Adicionar a a ´ efeito. Esta quest˜o ainda est´ o a a sendo debatida. V´ para Arquivo->Carregar arquivos. Algumas cenas podem funcionar melhor com laranja ou marrom para uma sensa¸˜o de entardecer.. 21..1 − Tipo de Gatilho: Total − Gatilho: 0 − Suaviza¸˜o apenas N˜o ca a Clique em Limpar para limpar o gr´fico. Para melhorar a qualidade do ´udio no telefone celular. a Assegure-se que o ponto de inser¸˜o ou ´rea destacada esteja na regi˜o com o efeito de ca a a Compressor. vocˆ vai precisar da a e amplitude m´xima na maioria das partes do som poss´ a ıvel. Configure os seguintes parˆmetros: a − Segundos para rea¸˜o: -0.

ir para Audio->Renderizar efeito e a ca aplicar o Esticamento de tempo. ´ Configure o formato de arquivo para Audio MPEG. Na verdade. Pode ser que haja um limite de tamanho para o arquivo.mpeg .33 -r 25 arquivo2. Ele modifica a freq¨ˆncia de ´udio mas mudan¸as pequenas o suficiente n˜o s˜o ue a c a a not´veis. Refazer amostragem. a c ca 21. a c ca a converta o arquivo ‘arquivo1. mas isso introduz artefatos ao ´udio. Refazer amostragem n˜o introduz artefatos. Ent˜o. c o ca Para mudan¸as menores na dura¸˜o. Ele ´ util apenas para mudan¸as ue a e´ c grandes de tempo porque mudan¸as ´bvias na dura¸˜o tornam os artefatos menos intrusivos. at´ uma abrangˆncia de 5%. Especifique o nome de um arquivo mp3 para dar sa´ a ıda.mpeg -s 1280x1024 -b 3000 -aspect 1. clicar com o bot˜o direito do mouse em um arquivo de ´udio. h´ trˆs efeitos de ´udio para esticamento temporal a e a de ´udio: Esticamento de tempo. capture a tela: xvidcap --fps 10 --cap_geometry 1280x1024+0+0 --file "arquivo1. a Primeiro. vocˆ deve gravar o v´ e ıdeo com o xvidcap.mp3’ resultante deve ser subido (upload) para um servidor de internet. destacar a pasta ca e de m´ ıdia. clicar em Info.net Primeiro.8 Capturas de telas de v´ ıdeo Explicamos aqui a como gravar capturas de telas de v´ ıdeo e edit´-las no Cinelerra.7 Esticamento temporal de ´udio a Pode parecer que o esticamento temporal de ´udio ´ um problema de selecionar uma regi˜o das a e a ´ trilhas de ´udio. 21. Habilite Renderizar trilhas de ´udio e desabilite Renderizar trilhas de v´ a ıdeo.mpeg’ que vocˆ obteve em um arquivo MPEG que possa ser usado e pelo Cinelerra: ffmpeg -r 10 -i arquivo1.mpeg" --gui no --audio no N˜o esque¸a de mudar a op¸˜o de geometria de acordo com o tamanho da sua tela. Clique no ´ ıcone de ferramenta para ´ Audio de marque Camada para III e Kbits por segundo para 24 ou 32. ent˜o ´ mais util para pequenas mudan¸as a a a e ´ c de dura¸˜o nas quais o ouvinte supostamente n˜o sabe o que est´ acontecendo. Esticamento de tempo aplica uma transforma¸˜o r´pida Fourier para tentar mudar a dura¸˜o ca a ca sem mudar a frq¨ˆncia. Ent˜o. Este m´todo tamb´m requere a ca e e que se clique com o bot˜o esquerdo na margem direita das trilhas de ´udio e arraste-as para a a a esquerda ou para a direita para corresponder `s mudan¸as de dura¸˜o. Pressione OK para renderizar o arquivo. Ajuste a a a taxa de amostragem no di´logo Info para ajustar a dura¸˜o.sourceforge.mp3’ diretao mente da URL.Cap´ ıtulo 21: Dicas 155 V´ para Arquivo->Renderizar. Vocˆ pode achar esta ferramenta no e reposit´rio da maioria das distribui¸˜es ou baix´-lo aqui: o co a http://xvidcap. habilitar a grava¸˜o das trilhas desejadas. Refazer amostragem deve c ca e e ser usado. ca a a Outro modo de mudar levemente a dura¸˜o ´ ir para a janela de Recursos. e caixa de di´logo de informa¸˜es do a a co recurso. o a navegador de internet do telefone deve baixar (download) o diret´rio do arquivo ‘. O arquivo ‘.

Se vocˆ possui 4 GB de RAM. de rede-apenas. Para c ca eliminar este problema./arquivo_renderizado. edite o arquivo ‘linux/mm/vmscan. Aplica¸˜es co a co . ponha uma linha dizendo return 0.9 Melhorando a performance Pelo momento.1 Desabilitando a ´rea de troca (swap) a Em sistemas com muita mem´ria. H´ uma raz˜o para isso. Codifique os arquivos JPEG a usando os seguintes comandos: Primeira passagem: mencoder "mf://*. isso faz com que dados sejam pulados ("dropouts"). os buffers de ´udio para todos os drives de som a GNU/Linux foram limitados de 128k para 64k. vocˆ deve manter o swap. taxa de quadros. estrategicamente desenhados para contra-agir com uma caracter´ ıstica de servidor da Microsoft ou outra e n˜o ter uma boa performance para intera¸˜o de usu´rios. Em um sistema de 4 GB. o A quest˜o ent˜o ´ como fazer o GNU/Linux rodar sem um espa¸o de swap.avi -ffourcc DIVX Vocˆ tamb´m pode renderizar o v´ e e ıdeo para MPEG4 diretamente do Cinelerra se quiser. a a e c deveria ser apenas um problema de rodar o comando swapoff -a Infelizmente. a Ent˜o.c’. vocˆ vai come¸ar a esperar por mais p´ginas de swap e c a ap´s ter usado apenas 2 GB. Renderize-o como e a ´ uma seq¨ˆncia JPEG. Se vocˆ possui 512MB de RAM. abra uma janela de terminal e entre (cd) naquela pasta. sem um espa¸o de swap. H´ a ca a a um n´mero de parˆmetros no GNU/Linux que pessoas normais podem ajustar para fazˆ-lo se u a e comportar mais como um desktop gerado minuciosamente.hqdn3d=2:1:2 -ovc lavc -lavcopts vcodec=mpeg4:vbitrate=800:aspect=4/3:vpass=1 -ofps 10 -of avi -o /dev/null -ffourcc DIVX Segunda passagem: mencoder "mf://*. Al´m disso. Se vocˆ quer fazer grava¸˜es. e e e co vocˆ provavelmente deve desabilitar o swap em qualquer um dos casos. ele o ıvel e come¸a a procurar por p´ginas livres para usar como troca.. vocˆ provavelmente vai ficar melhor sem o espa¸o de e e c swap. a 21. 21. */ Ent˜o recompile o kernel. o Cinelerra `s vezes roda melhor sem uma ´rea de troca o a a (swap). antes da que diz /* * Kswapd main loop.9. para conseguir fazer mais cache de c a acesso ao disco. ue a e uma vez que provavelmente haver´ um monte de novos arquivos criados. Ele ´ mais como um servidor. Teoricamente.156 Cap´ ıtulo 21: Dicas Agora vocˆ pode carregar este arquivo no Cinelerra. raz˜o de aspecto) a Quando vocˆ tiver terminado de editar o v´ e ıdeo. E recomend´vel que vocˆ escreva os arquivos JPEG em uma nova pasta. Nele. e a a O GNU/Linux permite que apenas metade da mem´ria dispon´ seja usada. Assegure-se de ter configurado corretae mente o formato de v´ ıdeo de seu projeto (tamanho. Para gravar ´udio e v´ a ıdeo simultaneamente e para a maioria das grava¸˜es de ´udio.9. o GNU/Linux n˜o ´ um desktop excelente.hqdn3d=2:1:2 -ovc lavc -lavcopts vcodec=mpeg4:vbitrate=800:aspect=4/3:vpass=2 -ofps 10 -of avi -o . a fun¸˜o kswapd normalmente gira a 100%. A a e e maioria do que vocˆ vai encontrar nas distribui¸˜es modernas GNU/Linux ´ programas sem e co e rosto.2 Alargando os buffers de ´udio a Para melhorar a performance tempo-real.jpg" -mf fps=25 -oac pcm -sws 2 -vf scale=1280:1024. 21.jpg" -mf fps=25 -oac pcm -sws 2 -vf scale=1280:1024. vocˆ deve renderiz´-lo.

i++) for (j = 0. Este n´mero precisa ser aumentado para que se possa fazer qualquer coisa util.9. Como v´rios drivers diferem. Se o Total de bytes dispon´ ıvel estiver abaixo de 131072. Edite o ‘linux/drivers/sound/emu10k1/audio. E a e kernel. vocˆ precisa alargar seus buffers no e driver. j++) mude para: for (i = 0. Para ver se seus buffers de ´udio s˜o adequados. J´ que cada placa de ´udio e a a a a derivativo de driver de ´udio possui uma implementa¸˜o diferente. a Isso se aplica ` vers˜o OSS do driver Soundblaster Live. j < 4. o Cinelerra pode lembr´-lo disso exibindo a seguinte mensagem de erro: a echo "0x7fffffff" > /proc/sys/kernel/shmmax Para uma mudan¸a permanente. j++) Em ‘linux/drivers/sound/emu10k1/hwaccess. vocˆ vai precisar fazer uma a ca e busca por outras placas de ´udio.h’ Mude #define WAVEIN_MAXBUFSIZE 65536 para #define WAVEIN_MAXBUFSIZE 262144 Ent˜o. em ‘linux/drivers/sound/emu10k1/cardwi.Cap´ ıtulo 21: Dicas 157 de latˆncia baixa e patches de kernel preempt´ e ıveis tornam poss´ ıvel gravar mais grava¸˜es de co ´ aqui que vocˆ tem que hackear o a ´udio. mas n˜o melhoram a grava¸˜o de v´ a ca ıdeo com ´udio. se vocˆ preferir: e kernel.3 Liberando mais mem´ria compartilhada o O kernel do GNU/Linux permite apenas que 32MB de mem´ria compartilhada sejam alocados o por padr˜o.conf’ a seguinte linha: c kernel/shmmax=0x7fffffff ou.c’ a Onde diz if (bufsize >= 0x10000) mude para: if (bufsize > 0x40000) Onde diz for (i = 0. a u ´ Quando iniciado. j < 4. recompile os m´dulos do kernel. a o 21. Isso alocar´ os buffers mais largos poss´ a ıveis e exibi-los. temos o hack para pelo menos um deles. i++) for (j = 0.shmmax = 2147483647 Da primeira vez. rode o programa inclu´ de teste de ´udio a a ıdo a com nada sendo reproduzido ou gravado.h’ Mude #define MAXBUFSIZE 65536 para #define MAXBUFSIZE 262144 Finalmente. i < 8. usa o seguinte comando como root: sysctl -p . para evitar ter de reiniciar seu computador. i < 16. adicione ao arquivo ‘/etc/sysctl.

obviamente. Embora mouses USB sejam suportados por anos. break.5 Desabilitando o cron O GNU/Linux roda algumas opera¸˜es di´rias como comprimir p´ginas de manual. Temos um jeito de reduzir a sensibilidade do mouse USB.9.dy -= value.6 Reduzindo a sensibilidade do mouse USB Gamers gostam de mouses com alta resolu¸˜o. mas isso requerer´ editar o c´digo a o fonte do kernel.dz -= value. co hdparm -c3 -d1 -u1 -k1 /dev/hda • ‘-c3’ p˜e o disco r´ o ıgido em 32 bit I/O com sincronia.dx += value. ponha exit antes da primeira linha n˜o come¸ando com #.d/init. • ‘-d1’ habilita o DMA. Estas instru¸˜es eram relevantes para o 2. y_accum.12. a Vocˆ n˜o pode usar o comando at mais.d/anacron’. } deve ser substitu´ por ıda switch (code) { case REL_X: .c’. Ap´s a linha que diz o struct mousedev_hw_data { coloque #define DOWNSAMPLE_N 100 #define DOWNSAMPLE_D 350 int x_accum. Desabilite essas opera¸˜es editando o co ‘/etc/rc. Estas tarefas co a a podem ser aceitas como tarefas de fundo conforme se compila ou se faz um processamento de texto. Isso normalmente n˜o funciona devido a a um suporte inepto do kernel para a maioria dos controladores IDE.d/init. co 21. Depois. break. case REL_Y: mousedev->packet.4 Aumentando a velocidade do disco r´ ıgido Este ´ um comando bastante popular entre os gurus de GNU/Linux.9. que n˜o ´ feito por padr˜o e a e a nas distribui¸˜es GNU/Linux. a c Em ‘/etc/rc. mas vocˆ n˜o ter´ e a a a mesma sorte com mouses USB ou KVM. Ponha exit antes da primeira linha que n˜o come¸ar com um #. case REL_WHEEL: mousedev->packet. reinicie o sistema. mas n˜o durante a reprodu¸˜o de um v´ a ca ıdeo.9. use rapidamente o ‘-c0’ ao inv´s do ‘-c3’ em seu e comando.3. a se¸˜o que diz algo como: ca switch (code) { case REL_X: mousedev->packet. • ‘-k1’ evite que o GNU/Linux reconfigure suas configura¸˜es no caso de uma falha. mas isso pode ser doloroso para posicionar preca cisamente um mouse em uma linha do tempo de um monitor. break.6. o c´digo fonte do kernel para o mouses USB ´ constantemente reescrito. Se vocˆ obter erros e de "lost interrupt" ou "SeekComplete".158 Cap´ ıtulo 21: Dicas 21. Edite e co o ‘/usr/src/linux/drivers/input/mousedev. O XFree86 j´ permitiu que vocˆ a e reduzisse a sensibilidade do mouse PS/2 usando comandos como xset m 1 1. a c Ent˜o. ca • ‘-u1’ permite que v´rios interrupts sejam lidados durante transa¸˜es de disco r´ a co ıgido. mas quem usa este comando afinal? e a 21. Isso libera ainda mais tempo de CPU. Isso libera a CPU parcialmente durante transferˆncias e de informa¸˜o.d/crond’.

A sua melhor perforca a ca mance vai ser no FVWM. mousedev->packet. a a a . No FVWM pelo menos. Em ‘/etc/X11/xinit/xinitrc’ coloque xset s off xset s noblank antes da primeira declara¸˜o if.y_accum / (int)DOWNSAMPLE_D. Conserte isso adicionando uma linha a seus arquivos XF86Config*. Adicione o seguinte a ele.Cap´ ıtulo 21: Dicas 159 mousedev->packet. case REL_Y: mousedev->packet. mousedev->packet. mousedev->packet.7 Modifica¸˜es gerais no X co O XFree86 por padr˜o n˜o pode exibir a renderiza¸˜o de pixmap avan¸ada do Cinelerra muito a a ca c rapidamente. Na ´rea Section "Device". case REL_WHEEL: mousedev->packet. adicione uma linha dizendo: a Option "XaaNoOffscreenPixmaps" e reinicie o servidor X.dy -= (int)mousedev->packet.y_accum += value * DOWNSAMPLE_N. 21.9.x_accum -= ((int)mousedev->packet.x_accum / (int)DOWNSAMPLE_D) * (int)DOWNSAMPLE_D.x_accum += value * DOWNSAMPLE_N. Embranquecimento de tela ´ realmente perturbador. mousedev->packet. Outros gerenciadores de janela parecem diminuir a velocidade do v´ ıdeo com aradilhas de eventos extra e n˜o s˜o t˜o eficientes no layout. break.dz -= value. } Mude o valor de DOWNSAMPLE N para mudar a sensibilidade do mouse.y_accum / (int)DOWNSAMPLE_D) * (int)DOWNSAMPLE_D. break. break. O servidor X congela durante o desenho de caixas de listas ("list box drawing").y_accum -= ((int)mousedev->packet.dx += (int)mousedev->packet. vocˆ pode editar ‘/etc/X11/fvwm/system. keycode 115 = Hyper_L keycode 116 = Hyper_R add mod4 = Hyper_L add mod5 = Hyper_R As mudan¸as reais para que um gerenciador de janelas reconhe¸a teclas de janela para ALT c c s˜o complexas.fvwm2rc’ e a e colocar Mouse 0 T A move-and-raise-or-raiselower #Mouse 0 W M move Mouse 0 W 4 move Mouse 0 W 5 move Mouse 0 F A resize-or-raiselower Mouse 0 S A resize-or-raiselower no lugar da se¸˜o padr˜o para movimenta¸˜o e redimensionamento. a n˜o ser que vocˆ seja fabulosamente e a e rico e possa manter seu monitor 24h por dia sem o modo de economia de energia. ca E sobre aquelas teclas de janela que nenhuma distribui¸˜o GNU/Linux pensa em usar? ca Vocˆ pode fazer com que as teclas de janela provenham funcionalidade de ALT editando e ‘/etc/X11/Xmodmap’.x_accum / (int)DOWNSAMPLE_D.

720. 57. 75. 625. so i do one * pixel left shift in zoran (75 -> 74) . 880. v´ para ‘drivers/media/video/zoran_card.c’ e busque um grupo de linhas como a static static static static struct struct struct struct tvnorm tvnorm tvnorm tvnorm f50sqpixel f60sqpixel f50ccir601 f60ccir601 = = = = { { { { 944. 768.160 Cap´ ıtulo 21: Dicas 21. 83. 16 }. 480. Ajustar esses parˆmetros podem ou n˜o mover sua imagem para mais perto do centro. 720. 525. 625.c’ as estruturas definidas perto da linha 623 afetam o alinhamento. 0x00f8.4. 576. 525. 57+34. 17 }. ca Para NTSC {858 .9. o subsistema de v´ ıdeo foi reescrito de novo do zero. usando o comando mke2fs. 0 }. Um sistema de arquivos levemente mais lento. 720. 720. 576. 880. 525. que ´ mais f´cil de recuperar ap´s falhas de energia ´ e a o e mke2fs -j -i 65536 -b 4096 meu_dispositivo tune2fs -r0 -c10000 meu_dispositivo Isso adiciona um journal que deixa a escrita um pouco mais lenta. 480. mas torna-nos imune a falhas de energia. static struct tvnorm f60sqpixel_dc10 = { 780. 576. Em ‘/usr/src/linux/drivers/media/video/bt819. 640. reserva o menor n´mero de blocos poss´ para nomes de arquivos a u ıvel e acessa a maior quantidade de informa¸˜o por bloco poss´ ca ıvel. 788. 18 }. 716. 640. static struct tvnorm f50ccir601_lml33 = { 864. a vers˜o 2. a New in 2. 2.c’. Pelo menos para NTSC. 788. 21. 716. 525. 480.8 Aumentando a velocidade do sistema de arquivos Vocˆ vai normalmente armazenar v´ e ıdeo em um arranjo gigante de disco separado de seu disco de boot. 625.20 do driver podia ser a melhorada mudando static struct tvnorm f60ccir601 = { 858. so HStart must be 0 */ static struct tvnorm f50sqpixel_dc10 = { 944. 480. 75+34. 480. 1.9. 0x00f8. 57. 0x0000}. para static struct tvnorm f60ccir601 = { 858. 788. mais estruturas perto da linha 76 afetam o alinhamento e a codifica¸˜o.24. 480.24. 1.5: Em kernels 2. }. De longe. 804. 780. 864. 804. /* FIXME: I cannot swap U and V in saa7114.6. 523. 576. }. 12 }. static struct tvnorm f60ccir601_lml33 = { 858. 768. 523. poderia ser mudado para {868 . Vocˆ ent˜o tem que manualmente instalar um sistema de arquivos EXT neste arranjo e a de disco. 57. o Em ‘/usr/src/linux/drivers/media/video/zr36067. 0. 0x0000}. 525. isso far´ o driver travar antes de capturar o primeiro quadro. 51. 2. 525. 788. 16 }. /* The DC10 (57/16/50) uses VActive as HSync.9 Melhorando v´ ıdeos Zoran V´ ıdeo gravado a partir de dispositivos ZORAN ´ normalmente n˜o-alinhado ou n˜o complee a a tamente codificado direito. 720. 625. 858. 0. Isso pode ser levemente compensado ajustando os parˆmetros no a c´digo fonte do driver. Para ajustar os parˆmetros a do Zoran. o sistema de arquivos mais r´pido ´ o a e mke2fs -i 65536 -b 4096 meu_dispositivo tune2fs -r0 -c10000 meu_dispositivo Ele n˜o possui journaling. Na a a maioria das vezes.6. 16 12 18 16 }. }. 720.

480. Elas parecem controlar a posi¸˜o da imagem. 67+34. P´gina 17.Alem˜o a • ES . 576. Finalmente. edite o arquivo ‘.po’. Agora.10. Renomeie o arquivo para ‘(prefixo_da_lingua).Basco • FR . 21. 720.10. c 21. 720. 788. 525.Espanhol • EU .Esloveno 21.Portuguˆs do Brasil e • SL .11 Fazendo panorˆmicas e aproxima¸˜es em imagens a co est´ticas a As caracter´ ısticas poderosas de quadros-chave do Cinelerra permitem que vocˆ fa¸a efeitos e c poderosos de panorˆmicas e aproxima¸˜o com uma imagem est´tica. 720.10 Traduzindo o Cinelerra Esta informa¸˜o ´ necess´ria se vocˆ quer participar de uma tradu¸˜o do Cinelerra. 13 }.3 Criando uma nova tradu¸˜o ca Para criar uma nova tradu¸˜o. 625. a ca a 1. static struct tvnorm f60ccir601_lm33r10 = { 858.po’ e adicione o prefixo de l´ ıngua para ‘po/LINGUAS’. 525. 21. sobre como rodar o Cinelerra em sua l´ ca a a ıngua./configure: a o cd po && make Ent˜o. Usando os controle de composi¸˜o de cˆmera marque a posi¸˜o inicial de seu recorte ca a ca 5. Carregue e crie um recorte com uma imagem est´tica conforme descrito acima. Usando os controles de transporte v´ para o in´ do recorte a ıcio 4. Veja Veja ca e a e ca Se¸˜o 3. 480. edite o arquivo ‘cinelerra. 18 }.po’ atualizado com as mais novas entradas do c´digo fonte do Cinelerra o ainda n˜o presentes no arquivo ‘. submeta o arquivo diff ` equipe do cinelerra-CV.Francˆs e • IT . volte para o come¸o do recorte e reproduza-o. a 21.1 Locais dispon´ ıveis H´ alguns locais existentes do cinelerra: a • DE . Pelo menos para o LML33 a defini¸˜o seguinte ca ca para f60ccir601 lml33 faz sucesso.2 Atualizando uma tradu¸˜o existente ca Para gerar um arquivo ‘*.Cap´ ıtulo 21: Dicas 161 * (Maxim Yevtyushkin <max@linuxmedialabs. Ative a gera¸˜o autom´tica de quadros-chave ca a 3. rode ap´s .po’ localizado na pasta ‘po/’ de sua l´ a ıngua alvo e submeta o arquivo de diferen¸a para a equipe do Cinelerra-CV. Arrastando a composi¸˜o de cˆmera. mova o centro da cˆmera para uma nova posi¸˜o ca a a ca 7.1 [Vari´veis de ambiente]. static struct tvnorm f60ccir601_lml33 = { 858. rode ap´s .pot’ localizado em ‘po/’ e adicione as entradas apropria adas traduzidas. Fa¸a o a c recorte durar 10 segundos.com>) */ static struct tvnorm f50ccir601_lm33r10 = { 864.Italiano • PT BR . 56+54. 2. 74+54./configure: ca o cd po && make Ent˜o. 16 }. c . 804. Usando os controles de transporte mova para frente alguns segundos no recorte 6. 788.10.

uma das possibilidades ´ fazer todas as edi¸˜es e co em arquivos de resolu¸˜o menor e usar o material HDV apenas para a renderiza¸˜o final. a Cada trilha de v´ ıdeo deve ter uma Automa¸˜o de Cˆmera marcada para 2. ele normalmente n˜o consegue reproduzir v´rias trilhas simultaneamente. O ca ca fluxograma de trabalho apresentado abaixo foi primeiro proposto por Hermann Vosseler. Use esta sintaxe: ıvel test-mpeg2 > hdv_tape. ca a A edi¸˜o ´ feita com os arquivos proxy.1 Vis˜o geral a • • • • • • Para cada arquivo HDV.0. Desta forma.py e reabra o projeto. e ca Novos recursos s˜o criados tanto com os proxies como com os arquivos HDV. 21. e um simples recorte requere a decodifica¸˜o de a ca todo o GOP em menos de 1/25s. conforme o Cinelerra automaticamente ajusta o movimento de cˆmera em linhas a retas de ponto a ponto. e O projeto ´ criado com uma resolu¸˜o HDV. Para converter seus arquivos HDV em I-frames baseados em arquivos mjpeg com 50% de escala. um proxy ´ criado com uma escala de 0. saia do Cinelerra e converta o arquivo do projeto com o proxychange. Mais do que ca a a isso. o Cinelerra funciona melhor quando editando formatos que n˜o sejam baseados em a GOP. a a Assim. o arquivo do projeto pode ser o ca co a re-transformado em uma vers˜o proxy.162 Cap´ ıtulo 21: Dicas Vocˆ pode ver que a cˆmera suavemente se move de um ponto de quadro-chave a outro e a quadro-chave.mpeg e pressione Play na cˆmera. uma simples transi¸˜o Dissolver fica t˜o lenta a ponto de ser inaceit´vel. use o seguinte comando: for i in *. • Ap´s a renderiza¸˜o. done 21. 21. 1440x1080 e aspecto 16/9.12.12.5 Convertendo os arquivos HDV e proxy O script python proxychange.3 Usando os arquivos TOC e WAV Tente usar arquivos WAV para som. por exemplo.4 Gerando os arquivos proxy Arquivos proxy podem ser convertidos de muitas formas e podem usar qualquer formato.mpeg. Vocˆ n˜o deveria rodar quaisquer programas que consumam muitos a e a recursos em seu computador j´ que a falta de fluxo de cache no test-mpeg2 gera saltos de quadros a ("frame drops"). 21.py converte HDV para/de proxies. do mpeg3toc $i ‘basename $i mpeg‘toc.5. que tipicamente vem de cˆmeras HDV requere um monte ca a de poder de processamento. Entretanto. e carregue os arquivos HDV MPEG-2 via seu TOC gerado.12.12. o HDV est´ num formato baseado em GOP.cinelerra.org/docs/proxychange. framedrops. use o seguinte comando: for i in *.mpeg.do mencoder -mc 0 -noskip $i -ovc lavc -lavcopts vcodec=mjpeg -vf scale=720:540 -oac pcm -o ‘basename $i mpeg‘avi. Vocˆ pode baixar este script e aqui: http://cvs.py . Uma possibilidade ´ rodar o comando test-mpeg2 a a ca e e dispon´ com os fontes do libiec61883.12 Editando HDV 1080i usando arquivos proxy Trabalhar com v´ ıdeo de alta defini¸˜o. a 21. Para criar os arquivos de toc.12.2 Capturando HDV a partir de uma cˆmera a Ainda n˜o h´ uma solu¸˜o perfeita at´ agora. caso edi¸˜es futuras sejam necess´rias. ca e Para renderizar em HDV. Mesmo se o sistema consegue reproduzir uma trilha unica ` taxa ´ a de quadros inteira. done 21.

por mpeg3video_drop_frames(video.5 • HDV -> Proxy (ex.0.bak’. na linha #357.toc‘ -to ‘proxyfiles/\1. 21. . este m´todo ´ tamb´m o unico que ´ a e e e e ´ e compat´ com a ferramenta de legendas do dvdauthor. mas ela funciona bem em RGB ou YUV.6 Renderizando o projeto HDV Arquivos HDV podem ser renderizados para uma faixa YUV4MPEG e ent˜o codificados a para MPEG2 usando um bin´rio do Mjpegtools modificado. para informa¸˜es sobre o efeito de T´ a co ıtulo do Cinelerra. frame_number . Se vocˆ quer que seu v´ e ıdeo esteja dispon´ com legendas em ıvel ca ıtulo]. As vezes. algum problema pode ocorrer. V´rios a a a a arquivos MPEG2 ou MPEG4n˜o conseguem ser reproduzidos devidamente. Esta tarefa ´ longa e fatigante. Veja Veja Se¸˜o 14.Cap´ ıtulo 21: Dicas 163 Ele sobrescreve os arquivos existentes de projeto e cria uma c´pia do original em o ‘projectfile.video->framenum.c’.xml 21. a transi¸˜o Dissolver n˜o funciona adequadamente ca a nos modos RGBA ou YUVA. A reprodu¸˜o do a ca HDV MPEG-2 tamb´m fica afetada. N˜o ser´ poss´ reproduzir o v´ a a ıvel ıdeo renderizado sem as legendas. Caso vocˆ planeje distribuir seu v´ ıvel e ıdeo pela internet.0 O arquivo XML do projeto n˜o ´ um arquivo XML perfeitamente v´lido. a 21.toc‘ -scale 0. ACODEC cont´m alguns \001 caracteres.13 Adicionando legendas H´ dois m´todos dispon´ a e ıveis para se adicionar legendas em um v´ ıdeo: • Usar o efeito de T´ ıtulo do Cinelerra. 1). ou seja. O segundo m´todo ´ o usado caso vocˆ queira que seu v´ e e e ıdeo fique dispon´ com legendas ıvel em v´rios idiomas. Isso debe ser corrigido a a a manualmente. para renderiza¸˜o): ca .54 [T´ a e a a a P´gina 117.12.7 Outras quest˜es o H´ alguns problemas com o cache do GOP no Cinelerra 2. ap´s renderizar se vocˆ quiser fazer novas edi¸˜es): o e co .avi‘ -scale 2.12. • Proxy -> HDV (ex. Assim. mv /tmp/1 temp001. e multiplexe o v´ ıdeo e o ´udio com o mplex. Al´m disso. • Adicionar as legendas com um editor de legendas ap´s haver renderizado o v´ o ıdeo. a mpeg2enc -verbose 0 -aspect 3 -format 3 -frame-rate 3 -video-bitrate 25000 -nonvideo-bitrate 384 -force-b-b-p -video-buffer 448 -video-norm n -keep-hf -no-constraints -sequence-header-every-gop -min-gop-size 6 -max-gop-size 6 -o % Renderize o com como um arquivo AC3./proxychange.1 que n˜o havia na vers˜o 2.xml. frame_number . Quando reproduzindo arquivos MJPEG. ap´s a e a o ` cada opera¸˜o de "Salvar" do Cinelerra.xml| tr -d ‘\001‘ > /tmp/1 . substitua: mpeg3video_drop_frames(video. Aqui est´ uma solu¸˜o para desabilitar o caching de GOP. um para cada l´ ıngua./proxychange. e a ca Em ‘libmpeg3/video/seek. Caso vocˆ queira produzir um DVD.xml -from ‘hdv/(\w+)\. vocˆ ter´ que renderiz´-lo v´rias vezes. v´rios idiomas. as tags n˜o ca a est˜o fechadas. um arquivo de v´ ıdeo e v´rios de legendas ser´ menor do que v´rios arquivos de a a a v´ ıdeo.avi‘ -to ‘hdv/\1. Edite o arquivo manualmente ou use o comando e a seguir: cat temp001.4. 0). a <TAG> n˜o est´ seguida de um </TAG>.py projectfile.py projectfile.xml -from ‘proxyfiles/(\w+)\. as e e legendas ficam na verdade incrustradas na imagem.video->framenum.

free.fr/subtitleeditor Subtitleeditor O Subtitleeditor possui a grande vantagem de exibir a onda do ´udio. Leia a documenta¸˜o do a ca dvdauthor para mais informa¸˜o.avi> ı . • Us´-lo com o dvdauthor. vocˆ pode: e • Distribui-lo com o seu v´ ıdeo. Uma vez que o arquivo de texto de legendas estiver criado.164 Cap´ ıtulo 21: Dicas Arquivos de texto de legendas podem ser exibidos por qualquer reprodutor de v´ ıdeo decente. que est´ dispon´ aqui: o a ıvel http://kitone. Entretanto. Com o mplayer. a maioria deles ´ boa para e facilitar a tradu¸˜o de legendas. e Adapte as op¸˜es a suas necessidades: co mencoder -sub <seu_arquivo_de_legenda> <arquivo_de_v´deo_sem_legendas> ı -ovc lavc -lavcopts vcodec=mpeg4:vhq:vbitrate=1000 -oac mp3lame -lameopts br=256:vol=1 -ffourcc DIVX -o <v´deo_convertido. e o a tarefa em que estamos mais interessados ´ em criar legendas para um v´ e ıdeo. mas n˜o apropriados para realmente adicionar e sincronizar ca a novas legendas em um v´ ıdeo. u H´ v´rios editores de legendas dispon´ a a ıveis para Linux. Tenha em mente e a que a sincronia estaria perdida se vocˆ editasse seu v´ e ıdeo ap´s haver adicionado as legendas. o Adicionar legendas deve ser feito ap´s a edi¸˜o do v´ o ca ıdeo haver terminado. As pessoas v˜o ter que carregar o arquivo adequado de a legendas em seus reprodutores de v´ ıdeo para efetivamente ver as legendas. vocˆ pode usar a seguinte sintaxe: e mplayer -sub <o_arquivo_de_legenda_de_texto> <o_arquivo_de_v´deo> ı Um arquivo de legenda ´ um arquivo simples de texto. Esta caracter´ a ıstica ´ realmente importante para sincronizar precisamente as legendas `s falas. Uma vez que a cria¸˜o de v´ ca ıdeo ´ no que a maioria de n´s se foca. ca • Incrustar as legendas no v´ ıdeo usando o mencoder. para adicionar as legendas em um DVD. que cont´m o texto e o tempo o e e n´mero do quadro onde cada legenda deve ser exibida na tela. Esta linha de comando ´ um exemplo. N´s fortemente recomendamos o Subtitleeditor.

Veja Se¸˜o 21. vocˆ pode preencher um relat´rio de erro. uma sa´ depuradora ´ bem vinda. A sa´ gdb ´ mais util quando o Cinelerra ´ compilado com s´ ıda e ´ e ımbolos de ca ımbolos de depura¸˜o]. Exemplo: r959 u a − Nome da distribui¸˜o e vers˜o.cinelerra. Ent˜o. para ca a depura¸˜o. se o erro que vocˆ notou estiver relacionado a um problema de carregar um e e arquivo espec´ ıfico no Cinelerra-CV. abrir o cinelerra 2. a a Se n˜o h´ um a a reporte para o erro que vocˆ notou. a primeira coisa a fazer ´ ir para e e http://bugs. Rode: a ıda e gdb cinelerra run (Vocˆ provoca o erro e o Cinelerra CV d´ pau) e a thread apply all bt Copie toda a informa¸˜o disposta no seu reporte de erros. co ca Al´m disso. o driver Buz parece dar pau se o n´mero de buffers de grava¸˜o for muito u ca alto. ca ca a Uma vez ajustado.3 Paus do driver Buz Primeiro. Fa¸a com que ele esteja abaixo de 10 em Preferˆncias->Grava¸˜o->Quadros para bufferizar c e ca no dispositivo.Cap´ ıtulo 22: Resolvendo problemas 165 22 Resolvendo problemas 22. abrir a janela de grava¸˜o ca 3. P´gina 156.org e checar se ele j´ n˜o foi reportado.3. v´ para Configura¸˜es -> Preferˆncias -> Reprodu¸˜o e clique na caixinha do Parar a co e ca travamento de reprodu¸˜o. placas de captura Zoran devem ser acessadas usando o driver de v´ ıdeo Buz em Preferˆncias->Grava¸˜o e Preferˆncias->Reprodu¸˜o. Abra uma conta e e o e a a em http://bugs. P´gina 8. Isso ´ muito importante. Exemplo: Debian SID ca a − Passos para replicar o erro.cinelerra. Exemplo: a a 1.1 Reportando erros Quando vocˆ encontra um erro ("bug"). incluindo a seguinte informa¸˜o: ca − N´mero de revis˜o do Cinelerra CV. Isso permitiria a outras pessoas consertando erros tentar carregar ´ aquele arquivo no Cinelerra e ver o que acontece. clicar em OK 4. fazer um upload de uma pequena amostra de tal arquivo na internet pode ser bem util. cinelerra d´ pau a − Quando o Cinelerra CV d´ pau. Veja Veja Se¸˜o 2. uma vez que realmente ajuda `s e a pessoas que est˜o tentando consert´-los.2 [Compilando com s´ ca instru¸˜es de compila¸˜o.2 A reprodu¸˜o n˜o p´ra ca a a Se a reprodu¸˜o das trilhas de ´udio n˜o parar na linha do tempo e continuar ap´s o final ca a a o do v´ ıdeo. Esta caixinha ´ mostrada apenas se vocˆ configurou o ALSA como ca e e driver de ´udio. . preencha o reporte de erros. Alguns ajustes de performance est˜o e ca e ca a dispon´ ıveis em outra se¸˜o. como uma captura a e a de tela por exemplo.9 [Melhorando a performance]. 22.org caso vocˆ ainda n˜o a tenha. ca N˜o exite em anexar qualquer arquivo que vocˆ acha que tenha relevˆncia. a 22.

10 Tema Blond n˜o encontrado a Se a seguinte mensagem de erro aparecer: Aborted. selecione Configure Klipper e assegure-se que o Prevent empty clipboard n˜o esteja selecionado. • Tente apagar a pasta ‘$HOME/. V´ para configura¸˜es->preferˆncias->interface e desabilite a co e Usar miniaturas na janela de recursos para pular este processo. ent˜o: a • Vocˆ deve ter o arquivo ‘defaulttheme. . vocˆ precisa instalar os plugins a e novamente. Diminua o n´mero de quadros para bufferizar no dispositivo em preferˆncias->grava¸˜o u e ca de modo que os quadros excedentes sejam pulados ("dropped") ao inv´s de bufferizados.166 Cap´ ıtulo 22: Resolvendo problemas 22.4 Arrastar bordas de edi¸˜o n˜o funciona ca a ` As vezes haver´ dois blocos de edi¸˜o bem juntos um do outro. ser´ necess´rio descomprimir cada unica imagem e u a a ´ para construir um ´ ıcone ("picon"). o v´ ca ıdeo acumular´ buffers de grava¸˜o com o tempo enquanto o ´udio e o v´ a ca a ıdeo ficar˜o bem fora de sina cronia.9 Cinelerra d´ pau freq¨ ente a u Fa¸a uma instala¸˜o limpa. ou desabilite-a ou clique com o bot˜o direito e ca a em seu ´ ıcone na barra de taregas. Se vocˆ carregar um n´mero alto de imagens.5 Travando quando arquivos est˜o sendo carregados a O maior motivo de travamentos quando se carrega arquivos ´ porque o codec n˜o ´ suportado. o e rm -f /usr/local/lib/libguicast* rm -f /usr/lib/libguicast* rm -f /usr/local/lib/libquicktimehv* rm -f /usr/lib/libquicktimehv* rm -f /usr/local/lib/libmpeg3hv* rm -f /usr/lib/libmpeg3hv* 22. c ca e a co Apague o seu diret´rio ‘$HOME/.8 C´pia e Cola de sele¸˜es de trilha n˜o funcionam na Linha o co a do Tempo Se vocˆ estiver usando a aplica¸˜o KDE Klipper. e a e Um outro motivo ´ que o Cinelerra est´ construindo ´ e a ıcones ("picons") para a Janela de Recursos.7 Aplicar gama seguido do desfocar n˜o funciona a O efeito gama usa a fun¸˜o ’pow’ enquanto o desfocar usa um n´mero de fun¸˜es ’exp’ na ca u co biblioteca matem´tica. e 22. usar a fun¸˜o ’pow’ quebra chamadas seguintes para a a ca as fun¸˜es ’exp’ na biblioteca matem´tica.bcast/’. ıvel ca 22. e 22. Se ele n˜o existe. Por alguma raz˜o. a 22.bcast/’ tamb´m. Vocˆ deve aplicar o gama ap´s o desfocar para co a e o fazˆ-los funcionar. Assegure-se que vocˆ n˜o possui bibliotecas de instala¸˜es anteriores. MWindow::init_theme: Theme Blond not found. A borda de edi¸˜o selecionada a ca ca para ser arrastada pode ser pr´xima ao bloco buscado em um bloco muito pequeno para ver no o n´ de aproxima¸˜o atual.6 Sincronia perdida quando capturando arquivos Se a taxa de quadros da grava¸˜o for muito mais baixa que a taxa de quadros da fonte. 22. Aproxime horizontalmente.*’ dentro de ‘/usr/lib/cinelerra’ ou e ‘/usr/local/lib/cinelerra’.

bcast/Cinelerra_rc’ e procure o THEME ("tema"). ele estar como => THEME Blond .Cap´ ıtulo 22: Resolvendo problemas 167 • Olhe dentro de ‘$HOME/.

168 Cap´ ıtulo 22: Resolvendo problemas .

Isso a e ıdo permite ao programador usar a ferramenta que quiser e permite mais flexibilidade na aparˆncia. Uma fonte empurra ("pushes") a informa¸˜o para um plugin. Duas classes de taxas de informa¸˜o foram criadas para lidar com ca este problema. Quando a cadeia de renderiza¸˜o eventualmente requere informa¸˜o de uma cadeia de ca ca plugins. e H´ v´rios tipos de plugins. A ultima evolu¸˜o no desenho de plugins do Cinelerra ´ o m´todo de puxar ("pull"). a a Buscas de informa¸˜es de um plugin para a posi¸˜o de reprodu¸˜o atual s˜o dadas relativas ` co ca ca a a taxa de quadros do projeto. O m´todo e e push ´ intuitivo e simples. O jeito mais f´cil de implementar um plugin a ´ pegar o plugin mais simples existente no grupo e renomear os s´ e ımbolos. cada plugin requere informa¸˜es do plugin que o antecede.Cap´ ıtulo 23: Autora¸˜o de plugin ca 169 23 Autora¸˜o de plugin ca A API de plugin no Cinelerra data de 1997. antes de o LADSPA e antes de o VST se tornarem populares. Plugins tempo-real e e e escritos usando o m´todo pull podem mudar a raz˜o na qual a informa¸˜o ´ apresentada ao e a ca e espectador e a dire¸˜o da reprodu¸˜o. Convers˜es de taxas s˜o feitas em termos da taxa do projeto e da taxa requisitada. e mas o custo ´ mais alto. A taxa requisitada ´ arbitr´ria. Cada passo na cadeia de renderiza¸˜o envolve pedir informa¸˜es do passo ca ca co anterior. ca . Para conseguir o poder de independˆncia de taxa. O m´todo pull permite que os plugins tragam informa¸˜es ca ca e co para eles a uma taxa mais alta do que eles a enviam para fora. Essas taxas diferentes de informa¸˜o precisam estar correlacionadas ca para que um plugin se configure devidamente. Ela ´ determinada pela janela de configura¸˜ese e e co >formato. Plugins precisam saber ca e a qual taxa o projeto est´. Se foi requerido ao plugin que sua sa´ esteja a duas vezes a taxa ıda de quadros do projeto. mas ´ mais poderoso. O GUI n˜o ´ abstra´ do programador. Por 6 anos esta co a era a forma que todos os plugins de tempo-real eram desenhados internamente. mas ele n˜o a te permitia reduzir a taxa de reprodu¸˜o em tempo-real. A taxa requisitada ´ determinada pelo plugin mais abaixo ("downstream") requie sitando informa¸˜es do plugin atual. Quadros-chave para um plugin s˜o armazenados relativos ` taxa de quadros do projeto. A linha ´ ca e e de renderiza¸˜o se inicia na sa´ final e os passos finais na linha de renderiza¸˜o s˜o os de ler a ca ıda ca a informa¸˜o do disco. Ela ´ fundamentalmente a mesma que era em 1997.2 Fun¸˜es comuns de plugin co Todos os plugins provˆm de um derivativo do PluginClient. com modifica¸˜es menores para e co suportar quadros-chave e resposta de interface GUI. A taxa o a do projeto ´ idˆntica para todos os plugins. Estes derivatidos do PluginClient e implementam a maioria dos m´todos requeridos no PluginClient. este n˜o ´ mais o jeito que eles s˜o ca a e a processados internamente. co Isso ´ menos intuitivo do que o m´todo push. 23. a qual taxa sua sa´ supostamente deve ser e a qual taxa sua entrada a ıda supostamente deve estar. o e ca plugin faz opera¸˜es matem´ticas nela e o plugin a empurra para um destino. Embora os plugins ainda possam ser ca desenhados como se estivessem empurrando a informa¸˜o. cada um com um procedimento comum de implementa¸˜o e a a ca mudan¸as espec´ c ıficas para aquele tipo particular.1 Introduzindo o m´todo pull e Originalmente. o m´todo pull requere que os plugins e e saibam mais sobre a informa¸˜o do que precisavam sob o m´todo push. os plugins eram desenhados com o m´todo de empurrar ("push"). mas usu´rios ainda definem e a m´todos para o PluginClient. as posi¸˜es precisam ser convertidas para a taxa do projeto para que os co quadros-chave se adequem. Os m´todos mais comumente usados s˜o pr´-definidos em macros e e a e para reduzir a digita¸˜o mas ainda assim permitir flexibilidade. a 23. Exatamente como usar co e a essas taxas est´ descrito abaixo.

como REGISTER_PLUGIN(MyPlugin) O construtor deve conter PLUGIN_CONSTRUCTOR_MACRO para inicializar as vari´veis mais comuns. MyPlugin(PluginServer *server). Eles s˜o herdeiros do Pluga inAClient e do PluginVClient respectivamente. Macros para o cliente de plugin automaticamente chamam m´todos de conca e figura¸˜o para interpolar quadros-chave. . Ele mostra informa¸˜es na tela e coleta parˆmetros do usu´rio. alguns m´todos de inicializa¸˜o e um apontador de volta ao objeto de procese ca samento do plugin. a O objeto de processamento deve ter um destrutor contendo PLUGIN_DESTRUCTOR_MACRO para apagar as vari´veis mais comuns. O Cinelerra faz todos os plugins passarem por pelo menos duas instˆncias quando eles s˜o a a usados em um v´ ıdeo.1 O objeto de processamento Carregue um plugin simples como o Ganho para ver como esse objeto se parece. o plugin deve conter uma linha de registro com o nome do objeto de ca processamento. e • Objeto de configura¸˜o ca Armazena os parˆmetros de usu´rio e sempre requere interpola¸˜o. Uma instˆncia ´ o GUI. ca 23. ´ propagada a partir da instˆncia GUI para a a ue e a instˆncia do processador de sinal.h’. Plugins de ´udio incluem a ‘pluginaclient. um assunto de interface de usu´rio a a pode ser criado para rodar a interface de usu´rio de forma ass´ a ıncrona de todo o resto. a Outra fun¸˜o que ´ util mas n˜o obrigat´ria ´ ca e´ a o e int is_multichannel(). A janela possui apontadores para um n´mero e u de widgets. ca Dependendo das ferramentas de interface do usu´rio. ca a co Todos os plugins definem pelo menos trˆs objetos: e • Objeto de processamento Cont´m apontadores para todos os outros objetos e faz o processamento de sinal. co a a Usando as ferramentas do Cinelerra. O padr˜o ´ 0 se ela estiver omitida. Esta documenta¸˜o se refere ao uso das ferramentas do Cinelerra. A entrada do a e e usu´rio.170 Cap´ ıtulo 23: Autora¸˜o de plugin ca Os arquivos que eles incluem dependem do tipo de plugin. Sincronizar a interface de usu´rio a mudan¸as na configura¸˜o do plugin ´ o aspecto mais a c ca e complicado do plugin. e • Objeto da interface de usu´rio a ´ E definido de acordo com a discri¸˜o do programador. a a e Plugins multi-canais em sua fun¸˜o de processamento devem se referir a uma fun¸˜o chamada ca ca u PluginClient::get total buffers() para determinar o n´mero de canais. H´ fun¸˜es de ferramentas para se fazer isso. c´pia e fun¸˜es de a a ca o co compara¸˜o.h’ e plugins de v´ ıdeo incluem ‘pluginvclient. O objeto de processamento deve ser herdado do derivativo PluginClient desejado.2. ent˜o o assunto na interface de usu´rio e e o objeto ser˜o pesadamente a a a spuortados por macros se vocˆ usa as ferramentas do Cinelerra. Se o processador de sinal quiser alterar o GUI. A outra ´ o processador de sinal. Na implementa¸˜o. Ele pode ou usar uma ferramenta ca do Cinelerra ou outra. por meio de uma seq¨ˆncia complicada. Este e objeto cont´m um n´mero de buscas de informa¸˜es para se identificar e ´ o objeto que e u co e vocˆ registra para registrar o plugin. o unico objeto de interface de usu´rio com que o de´ a senvolvedor precisa se preocupar ´ a Janela. ele propaga a a informa¸˜o de volta ao GUI. Ela deve retornar 1 se uma instˆncia do plugin suporta m´ltiplas trilhas simultaneamente ou 0 a u se uma instˆncia do plugin suporta apenas uma trilha. Este construtor deve levar um argumento do PluginServer.

• VFrame* new picon(). // update widgets here thread->window->unlock_window().h" NEW_PICON_MACRO(plugin_class) e a c para implementar new picon. levando o objeto de configura¸˜o c ca e o assunto ("thread") do objeto da interface de usu´rio como argumentos.png’ e pode ser de qualquer formato suportado pelo PNG. O valor de retorno ca ca e do load configuration ´ usado por outra fun¸˜o comumente usada. plugins n˜o-tempo-real s˜o mais simples. a a PLUGIN_CLASS_MEMBERS(config_name. O objeto de configura¸˜o do plugin ´ sempre chamado config dentro de PLUca e GIN CLASS MEMBERS. ca a ca A defini¸˜o de classe para load configuration deve conter ca LOAD_CONFIGURATION_MACRO(plugin_class. Isso armazena a qualquer configura¸˜o atual que esteja dentro do objeto de configura¸˜o do plugin e ca ca retorna 1 se a nova configura¸˜o diferir da configura¸˜o pr´via. Isso ´ implementado com a e SHOW_GUI_MACRO(plugin_class. Deve primeiro carregar a configura¸˜o. um macro para membros comumente ca usados foi criado para o cabe¸alho de classe ("class header"). config_class) para implementar o comportamento padr˜o para load configuration. A imagem fonte PNG deve ser chamada ‘picon. update gui. Use #include "picon_png. testar por um retorno de 1 e ent˜o redesenhar o GUI ca a com os novos parˆmetros. As defini¸˜es macro a co se aplicam principalmente a plugins tempo-real e n˜o s˜o uteis em plugins n˜o-tempo-real. Al´m disso. ´ • void update gui(). Cria uma instˆncia de GUI e muda o plugin para o modo GUI.Cap´ ıtulo 23: Autora¸˜o de plugin ca 171 Para simplificar a implementa¸˜o de plugins tempo-real. Retorna uma cadeia de texto identificando o plugin na janela de recursos. a a ´ a Felizmente. thread_name) a Os membros comumente usados em PLUGIN CLASS MEMBERS est˜o descritos abaixo. • char* plugin title(). thread_class) . A cadeia deve ser unica. • int load configuration(). o usu´rio deveria criar um arquivo de cabe¸alho ‘picon_png. Cria um ´ ıcone ("picon") para ser exibido na janela de recursos. e co • int show gui(). Carrega a configura¸˜o baseada nos quadros-chave ` volta e posi¸˜o atual.h’ de uma imagem PNG usando pngtoh. pngtoh est´ compilado na pasta a ‘guicast/ARCH’. } } } para suportarem concorrˆncia e condi¸˜es sem GUI. Todos os plugins usando GuiCast possuem um formato como a void MyPlugin::update_gui() { if(thread) { if(load_configuration()) { thread->window->lock_window(). para e ca determinada se o GUI realmente precisa ser atualizado.

int load_defaults(). Use um objeto chamado FileXML para fazer toda a readu¸˜o ("translation") e alguns coca mandos espec´ ıficos para obter as informa¸˜es do argumento do KeyFrame. As fun¸˜es de leitura de informa¸˜o s˜o usadas apenas nos plugins tempo-real. MyPluginConfig &next. o objeto de configura¸˜o come¸a com o nome do plugin seguido por Config. void read_data(KeyFrame *keyframe). ca int equivalent(MyPluginConfig &that).172 Cap´ ıtulo 23: Autora¸˜o de plugin ca • int set string(). Normalmente.2. Muda o t´ ıtulo da janela GUI para uma certa cadeia de caracteres. mas n˜o isola configura¸˜es diferentes para projetos a co diferentes. a e e ca void save_data(KeyFrame *keyframe). dependendo do a tipo de plugin. void copy_from(MyPluginConfig &that). int64_t prev_position. O objeto de configura¸˜o n˜o ´ herdado de nada e n˜o possui dependˆncias. ca c class MyPluginConfig { public: MyPluginConfig(). processamento de sinal e conco figura¸˜es padr˜o em plugins tempo-real. Isso ´ implementado com e RAISE_WINDOW_MACRO(plugin_class) Fun¸˜es importantes que o objeto de processamento deve definir s˜o as fun¸˜es que carregam co a co e salvam informa¸˜es de configura¸˜o dos quadros-chave. colocamos as trˆs fun¸˜es requeridas e as vari´veis ca e co a de configura¸˜o. co o a a As fun¸˜es de carregar padr˜es traduzem ("translate") as configura¸˜es de plugin entre um co o co ca co objeto BC Hash e a configura¸˜o do plugin.2 O objeto de configura¸˜o ca O objeto de configura¸˜o ´ cr´ ca e ıtico para atualiza¸˜es de GUI. As fun¸˜es de carregar padr˜es s˜o usadas em plugins tempo-real e plugins n˜o-tempo-real. Veja um ca e plugin existente para ver o uso do BC Hash. . Ele ´ ca a e a e e simplesmente uma classe ("class") contendo trˆs fun¸˜es e vari´veis espec´ e co a ıficas aos parˆmetros a dos plugins. Outros membros padr˜o podem ser definidos no objeto de processamento. A fun¸˜o sobrescrevendo o load defaults tamb´m necessita criar o objeto BC Hash. O objeto BC Hash armazena configura¸˜es em um arquivo discreto no disco para cada plugin. Essas fun¸˜es s˜o chamadas pelos co ca co a macros ent˜o tudo o que vocˆ precisa se preocupar ´ em acessar a informa¸˜o do quadro-chave. int save_defaults(). Veja algum plugin co existente para ver o uso de KeyFrame e FileXML. 23. Isso ´ implementado e com SET_STRING_MACRO(plugin_class) • void raise window(). Os quadros-chave s˜o armazenados na c˜ a linha do tempo e podem mudar para cada projeto. Assegure-se que ele n˜o seja usado em plugins n˜oco a a a tempo-real. As fun¸˜es co ca a co de leitura de informa¸˜es traduzem ("translate") a configura¸˜o do plugin entre o argumento co ca do KeyFrame e o objeto de configura¸ao para o plugin. Eleva a janela GUI para o topo da pilha. void interpolate(MyPluginConfig &prev. Seguindo o nome da classe de configura¸˜o.

prev_position). int64_t prev_position.parameter2 * prev_scale + next.Cap´ ıtulo 23: Autora¸˜o de plugin ca 173 int64_t next_position. h´ o copy from que transfere os valores de configura¸˜o do argumento para as vari´veis a a ca a locais.parameter2 * next_scale). Na reprodu¸˜o de ´udio. A fun¸˜o de interpola¸˜o faz a interpola¸˜o e arco ca ca ca ca mazena o resultado nas vari´veis locais. float parameter1. Isso ´ novamente usado em LOAD CONFIGURATION MACRO para armazenar cone figura¸˜es nos tempor´rios. Agora vocˆ deve definir as trˆs fun¸˜es. vocˆ pode copiar os valores do argumento de configura¸˜o pr´vio se nene ca e huma interpola¸˜o for desejada. float parameter2.parameter3 * prev_scale + next. void MyPluginConfig::interpolate(MyPluginConfig &prev. a fun¸˜o de interpola¸˜o ´ chamada apenas uma vez para cada ca a ca ca e fragmento de console e uma vez a cada vez que o ponto de inser¸˜o se move.current_position) / (next_position . this->parameter2 = (float)(prev. } Alternativamente. resultando em uma interpola¸˜o ca ca e ca suave. this->parameter1 = (float)(prev. Se o a equivalent retornar 1. usando os ca ca ca e o argumentos. int64_t current_position { double next_scale = (double)(current_position . e e co Equivalent ´ chamado pelo e a LOAD CONFIGURATION MACRO para determinar se os parˆmetros de configura¸˜o local s˜o idˆnticos aos parˆmetros de configura¸˜o no argumento. a fun¸˜o de interpola¸˜o calcula uma fra¸˜o pr´via e pr´xima. MyPluginConfig &next.prev_position) / (next_position . o LOAD CONFIGURATION MACRO faz com que o GUI seja redesenhado. Isso ´ bom o ca e . Se o equivalent ca a e a ca retornar 0.parameter1 * next_scale). a Normalmente. this->parameter3 = (int)(prev. Na reprodu¸˜o ca do v´ ıdeo. double prev_scale = (double)(next_position . ele interpola as duas conca ca a figura¸˜es para obter a configura¸˜o atual. Ent˜o. int64_t current_position). Uma vez que o LOAD CONFIGURATION MACRO tenha replico a cado a configura¸˜o. Ent˜o as fra¸˜es s˜o aplicadas `s vari´veis de configura¸˜o pr´vias e seguintes para chegar-se a co a a a ca e aos valores atuais. Ent˜o. }.prev_position). ca Este uso do objeto de configura¸˜o ´ o mesmo em plugins de ´udio e de v´ ca e a ıdeo. a fun¸˜o de interpola¸˜o ´ chamada para cada quadro. int64_t next_position. int parameter3.parameter1 * prev_scale + next.parameter3 * next_scale). o LOAD CONFIGURATION MACRO n˜o redesenha o GUI. ele carrega uma segunda configura¸˜o.

ca Para uma renderiza¸˜o realmente suave do ´udio. Os drivers de ´udio GNU/Linux n˜o conseguem reproduzir a a fragmentos de 1 sample. Isso seria muito lento e dif´ de se fazer um debug. posicionada em x e y. O derivativo de Thread ´ declarado no cabe¸alho do plugin usando e c PLUGIN_THREAD_HEADER(plugin_class.174 Cap´ ıtulo 23: Autora¸˜o de plugin ca suficiente para atualizar o GUI enquanto se seleciona regi˜es na linha do tempo. A defini¸˜o do construtor deve conter exten¸˜es ("extents") e bandeiramentos ("flags") ca co fazendo com que a janela seja escondida quando criada pela primeira vez. Esse sistema de duas classes ´ usado em plugins tempo-real mas n˜o em plugins n˜oe a a tempo-real. thread_class. e um apontador de volta para o plugin MyPlugin *plugin. int close_event(). E mais f´cil implementar c a a janela copiando um plugin existente e renomeando os s´ ımbolos. window_class) Ent˜o ele ´ definido usando a e PLUGIN_THREAD_OBJECT(plugin_class. co ele consiste em um derivativo da BCWindow e um derivativo de Thread. Isso se torna uma janela na tela. As fun¸˜es s˜o normalmente derivativos de uma fun¸˜o do GuiCast e sobrescrevem co a ca fun¸˜es no GuiCast para suportar eventos. window_class) Isso. vocˆ ainda pode usar load configuration ca a e quando atualizando o GUI. para fazer a janela aparecer toda de uma vez. Usando as ferramentas do Cinelerra. 23. o create objects chama co show_window(). . Finalmente. Por´m. O seguinte ´ um esbo¸o do e c que acontece. Um apontador para cada fun¸˜o que vocˆ quer sincronizar para um parˆmetro de configura¸˜o ´ armazenado ca e a ca e na classe de janela. int y). claro. claro. Para process buffer. a a ´ Agora a classe de janela deve ser declarada no cabe¸alho do plugin. cada pa´ tem seus pr´prios malucos. entretanto. mas pode n˜o o a ser preciso o suficiente para uma renderiza¸˜o realmente suave do efeito. ignore o load configuration e escreva sua pr´pria rotina de interpola¸˜o que carrega todos os quadros-chave em um fragmento de o ca console e interpola cada amostra. O membro creo co ate objects p˜e fun¸˜es ("widgets") na janela de acordo com a sintaxe do GuiCast. Ela precisa de dois m´todos e int create_objects(). O cabe¸alho do plugin deve declarar o construtor de janela usando os argumentos c apropriados. #include "guicast. em combina¸˜o com o macro SHOW GUI faz todo o trabalho de instanciamento da ca Janela. int x.2. resultando ıcil em uma melhoria que pode n˜o ser aud´ a ıvel. Esses s˜o atualizados na fun¸˜o update gui que vocˆ definiu mais cedo para a ca e o plugin. thread_class. e ıs o Um modo mais f´cil de se conseguir uma interpola¸˜o mais suave ´ reduzir o fragmento de a ca e console para 1 sample.3 O objeto da interface de usu´rio a O objeto da interface de usu´rio em seu m´ a ınimo consiste em um apontador para uma janela e apontadores para todos as fun¸˜es ("widgets") na janela.h" class MyPluginWindow : public BC_Window { public: MyPluginWindow(MyPluginMain *plugin. Plugins n˜o-tempo-real criam e destr´em seu GUI em sua fun¸˜o get parameters e a o ca n˜o h´ necessidade de uma Thread. flush(). Isso teria que ser renderizado e reproduzido com o fragmento de console novamente acima de 2048.

Isso pode ser ou um ca tempor´rio que vocˆ crie no plugin ou o buffer de sa´ fornecido ao process buffer se vocˆ n˜o a e ıda e a precisa de um tempor´rio. No handle event. A fun¸˜o de ca ca leitura precisa de um buffer para armazenar a informa¸˜o de entrada.Cap´ ıtulo 23: Autora¸˜o de plugin ca 175 O membro close event deve ser implementado usando WINDOW_CLOSE_EVENT(window_class) Cada fun¸˜o no GUI precisa detectar quando seu valor muda. ca a Plugins tempo-real devem sobrescrever um membro chamado process_buffer Esta fun¸˜o leva argumentos diferentes dependendo se o plugin suporta v´ ca ıdeo e ´udio. int channel. o m´todo hanca e e ca a dle event ´ chamado sempre que o valor mudar. Veja a um plugin existente para descobrir quais usos se aplicam. A dire¸˜o a reprodu¸˜o ´ determinada por uma das buscas de informa¸˜o descritas ca ca e ca abaixo. Para ´udio.3 Plugins tempo-real Plugins tempo-real devem usar PLUGIN CLASS MEMBERS para definir o conjunto b´sico de a membros em seus cabe¸alhos. A posi¸˜o de in´ ca ca ıcio. Os argumentos de posi¸˜o e tamanho s˜o todos relativos ` taxa de quadros e taxa de ca a a a ca a amostragem passados ao process buffer. int64_t len) para requisitar informa¸˜o de entrada do objeto que vem antes deste plugin. os plugins podem ler informa¸˜o a uma taxa diferente do que a informa¸˜o de sa´ ca ca ıda. ca O LOAD CONFIGURATION MACRO retorna 1 se a configura¸˜o houver mudado. u A posi¸˜o de in´ do buffer de sa´ ´ a amostra de menor n´mero na linha do tempo se a ca ıcio ıda e u reprodu¸˜o for para frente e a amostra de maior n´mero na linha do tempo se a reprodu¸˜o for ca u ca ao reverso. tamb´m h´ um argumento a e a de tamanho para o n´mero de amostras. Chame: read_frame(VFrame *buffer. Todos os plugins tempo-real devem definir um c int is_realtime() membro retornando 1. uma m´ o ca ıdia de entrada tem que ser carregada para processamento. a ıda. taxa e len passados para uma fun¸˜o de ca leitura n˜o precisam ser os mesmos que os valores recebidos pela fun¸˜o process buffer. Este ser´ a taxa de informa¸˜o requerida e n˜o pode ser o mesmo que a taxa de informa¸˜o do projeto. a Ele tamb´m precisa de um conjunto de argumentos de posi¸˜o para determinar quando vocˆ e ca e quer ler a informa¸˜o de onde. int sample_rate. As principais caracter´ ısticas da fun¸˜o process buffer s˜o um buffer para armazenar a sa´ ca a posi¸˜o de in´ da sa´ e a taxa requerida de sa´ ca ıcio ıda ıda. ca A fun¸˜o process realtime deve ser inciada chamando o load configuration. No GuiCast. ca Ap´s determinar a configura¸˜o do plugin. a fun¸˜o ent˜o precisa chamar plugin->send configure change() para propagar a mudan¸a para quaisquer c´pias do plugin que c o estiverem processando informa¸˜o. ca 23. int channel. int64_t start_position. Desta a ca forma. int64_t start_position. double frame_rate) ou read_samples(double *buffer. . Isso faz co mque um n´mero de m´todos seja chamado durante a u e reprodu¸˜o ao vivo e para que o plugin possa ser us´vel na linha do tempo.

Ao inv´s disso. e • VFrame* new picon(). ca a Contr´rio aos plugins tempo-real. c e e O plugin n˜o-tempo-real deve conter um apontador para um objeto de defaults. e a a • void read data(KeyFrame *keyframe). a BC_Hash *defaults. Carrega a informa¸˜o de um quadro-chave na configura¸˜o do plugin. Veja e a e um plugin existente para ver como a fun¸˜o save data est´ implementada. O objeto defaults ´ criado em load defaults e destru´ no destrutor de plugins.176 Cap´ ıtulo 23: Autora¸˜o de plugin ca O argumento de canal ´ apenas significante se este for um plugin multi-canal. Ele tamb´m deve ter um apontador para uma MainProgressBar. As rotinas a e o dos padr˜es de carregar e salvar usam um objeto BC Hash para dividir ("parse") o arquivo o ıdo de padr˜es. co a • void save data(KeyFrame *keyframe). ´ Membros adicionais s˜o implementados para manter a configura¸˜o em plugins tempo-real. Nos plugins n˜o-tempo-real. Ela ´ mais facilmente dividida ("parsed") criando-se um objeto a e FileXML. char* plugin title(). e • int save defaults(). ca ca essas fun¸˜es n˜o podem ser automatizadas. O destrutor. ca a Save data salva informa¸˜o de um objeto de configura¸˜o do plugin no objeto XML. e • int is realtime(). os seguintes m´todos devem ser definidos. Dentro do quadroca ca chave est´ uma cadeia XML. O uso destes ´ o mesmo que para plugins tempo-real. mas para transferir a a a a a valores da interface de usu´rio para o processador de sinal. deve chamar o save defaults e o delete defaults diretamente ao inv´s do PLUGIN DESTRUCTOR MACRO. Salva a configura¸˜o no objeto de padr˜es. load defaults e save defaults devem ser implementados. O construtor para um plugin n˜o-tempo-real n˜o pode usar o PLUa a GIN CONSTRUCTOR MACRO mas deve chamar o load defaults diretamente. ca Plugins de canais unicos devem passar 0 para channel. Como os plugins tempo-real. o LOAD CONFIGURATION MACRO n˜o pode ser usado a a no cabe¸alho do plugin. ca o 23. o e Veja um plugin existente para ver como o objeto BC Hash ´ usado. ca a . Esta fun¸˜o deve retornar 0 para indicar um plugin n˜o-tempo-real. e MainProgressBar *progress. Outra forma de o plugin obter parˆmetros ´ a partir de um arquivo de padr˜es. Eles precisam e ler a informa¸˜o para cada trilha no valor de get total buffers() e processar todas as trilhas. Dentro do quadro-chave ca ca vocˆ colocar´ uma cadeia XML que ´ normalmente criada por um objeto FileXML. N˜o ´ preciso que haja uma classe a a e de configura¸˜o nos plugins n˜o-tempo-real.4 Plugins n˜o-tempo-real a Algumas referˆncias para plugins n˜o-tempo-real s˜o Normalizar para ´udio e Mudar taxa de e a a a quadros para v´ ıdeo. Salva informa¸˜o da configura¸˜o do plugin para um quadro-chave. a ca Algum deles tamb´m s˜o requeridos em plugins n˜o-tempo-real. de forma semelhante. Uma vez que objetos de configura¸˜o variam de plugin para plugin. O apontador de progresso permite que plugins n˜o-tempo-real exibam seus progressos na a janela principal do Cinelerra. Veja um plugin existente para ver como a fun¸˜o read data ´ implementada. ca e Read data carrega informa¸˜o vinda do objeto XML e armazena valores no objeto de conca figura¸˜o do plugin. ca ca • int load defaults(). eles n˜o s˜o usados apenas para parˆmetros padr˜o.

e e e Possui ou um buffer de amostras ou de quadros para sa´ e uma referˆncia ao write length ıda e para armazenar o n´mero de amostras processado. o process loop deve retornar 1 para indicar um cancelamento. vocˆ primeiro e a precisa saber se a barra de progresso h´ foi iniciada em outra instˆncia do plugin. Este ´ chamado ap´s que o process loop processa seu ultimo buffer. u a Finalmente. Aqui. Se o get parameters retornou 0 para sucesso. Desta forma. este GUI n˜o precisa rodar de forma ass´ a a ıncrona ao e a plugin. vocˆ deve process´-lo e colocar a sa´ no argumento do buffer para process loop. o process loop deve testar o PluginClient::interactive e atualizar a barra de progresso se aquele for 1. Se este for um plugin de ´udio. progress->update(total_written). o usu´rio pode cancelar o efeito pelo a GUI. a • int save defaults(). ` taxa da linha do tempo. ele deve apagar quaisquer objetos que a criou para processar em start loop. a a Elas pegam uma posi¸˜o relativa ao in´ da linha do tempo. este ´ chamado uma vez para dar ao plugin e uma chance para iniciar o processamento. Se for de canal unico. vocˆ sempre poder´ chamar start progress. o u a usu´rio precisa chamar o get buffer size() para saber quantas amostras o buffer de sa´ a ıda pode aguentar. Ent˜o.. a • int start loop(). vocˆ precisa iniciar a barra de progresso. a e barra de progresso j´ foi iniciada. Ao contr´rio do plugin tempo-real. o usu´rio deve criar um GUI. Se for 1. retorna 1 ou 0 se a barra de progresso foi cancelada. Esta rotina deve a a a retornar 0 para sucesso e 1 para falha. e o ´ Se o PluginClient::is interactive for 1. O plugin deve usar read samples ou read frame para ler a entrada. e • int stop loop(). este deve chamar o stop progress no apontador da barra de progresso e apagar o apontador. • int load defaults(). ca ıcio a Ent˜o. . a a Se o PluginClient::interactive for 1.Cap´ ıtulo 23: Autora¸˜o de plugin ca 177 • int get parameters(). PluginClient::get_total_len()). esperar pelo usu´rio apertar um bot˜o de OK ou um a a a bot˜o de Cancelar e armazenar os parˆmetros nas vari´veis de plugin. As unidades s˜o ou amostras ou quadros e ` taxa do a a projeto. o process loop e deve retornar 1 quando toda a abrangˆncia da linha do tempo for processada. Se for 0.. a O PluginClient define o get total len() e get source start() para descrever a abrangˆncia e da linha do tempo a ser processada. Isso deve salvar as vari´veis de plugin no objeto de defaults. a e a ıda O write length deve conter o n´mero de amostras geradas se ele for ´udio. Al´m do cancelamento da barra de progresso. Essas fun¸˜es s˜o um co a pouco diferentes para um plugin n˜o-tempo-real do que s˜o para um plugin tempo-real. • int process loop Este ´ chamado repetidamente at´ que a abrangˆncia da linha do tempo seja processada. Ele deve bloquear a fun¸˜o get parameters at´ que o usu´rio selecione OK ou ca Cancel. ´ O uso de start progress depende de se o plugin for multi-canal ou de canal unico. Isso deve criar um objeto de defaults e carregar parˆmetros do objeto de defaults em a vari´veis de plugin. Se for ´ e multi-canal.". O plugin deve instanciar o objeto de progresso com uma linha como progress = start_progress("MyPlugin progress.

ca ca . Estes devem retornar 0 ao sucesso ou 1 ` falha. para cana ´nico ou u int process_loop(double **buffers. para canal ´nico ou u int process_loop(VFrame **buffers). O usu´rio pode especificar qualquer taxa de amostragem desejada a e posi¸˜o de in´ ca ıcio. Isto sempre retorna um 0. double frame_rate). No futuro. int64_t start_position. caso sejam de um unico canal. caso sejam multi-canais ou int process_buffer(VFrame *frame. int sample_rate.178 Cap´ ıtulo 23: Autora¸˜o de plugin ca 23.h’ e ser herdado do PluginVClient. caso sejam multi-canais ou int process_buffer(int64_t size. Um retorno de 0 faz com que a renderiza¸˜o continue. double frame_rate). Plugins n˜o-tempo-real usam um conjunto diferente de fun¸˜es a co read samples para requerer a informa¸˜o de entrada. portanto a falta de um argumento write length. int64_t start_position. o ´ a valor de retorno pode abortar uma renderiza¸˜o falha. int sample_rate). ´ Plugins de v´ ıdeo n˜o-tempo-real precisam definir a int process_loop(VFrame *buffer).h’ e ser herdado do PluginAClient. int sample_rate). caso sejam de canal unico. int64_t len). Plugins de v´ ıdeo tempo-real precisam definir int process_buffer(VFrame **frame. int64_t start_position. Um retorno de 1 faz com que a renderiza¸˜o seja abortada. int64_t start_position.5 Plugins de ´udio a O plugin mais simples de ´udio ´ o Ganho. O objeto de processamento deve incluir o a e ‘pluginaclient. Estas s˜o fixadas ` taxa de amostragem ca a a do projeto. O objeto de processamento deve incluir o e ‘pluginvclient. A quantidade de quadros gerada em um process loop unico ´ sempre ´ e assumida para ser 1. para multi-canal. int64_t &write_length). int64_t &write_length). int64_t start_position.6 Plugins de v´ ıdeo O plugin mais simples de v´ ıdeo ´ o Inverter. Plugins tempo-real de ´udio devem definir a int process_buffer(int64_t size. double **buffer. int channel. 23. Plugins de ´udio n˜o-tempo-real precisam definir a a int process_loop(double *buffer. para multi-canal. double *buffer. ca A fun¸˜o de processamento precisa requerir amostras de entrada com ca int read_samples(double *buffer.

use get framerate() ou get samplerate para obter a taxa requerida.7 Plugins de transi¸˜o ca A transi¸˜o mais simples de v´ ca ıdeo ´ a Varredura e a transi¸˜o de ´udio mais simples ´ o Fade e ca a e cruzado. ` taxa de informa¸˜o requerida pelo primeiro a a ca plugin. Isso pode co ca ser diferente da taxa de informa¸˜es do projeto. Caso elas tenham um GUI. Retorno de 1 caso tenha e 0 caso n˜o tenha. Uma vez que h´ apenas um quadro-chave em uma transi¸˜o. • PluginClient::get total len() . Fa¸a isso com os mesmos macros PLUc GIN THREAD OBJECT e PLUGIN THREAD HEADER como plugins tempo-real. VFrame *output). a co ´ Uma fun¸˜o read data e save data toma o comando ap´s a inser¸˜o para acessar informa¸˜o ca o ca ca espec´ ıfica a cada instˆncia da transi¸˜o. a e ca As unidades s˜o ou amostras ou quadros. vocˆ n˜o precisa se preocupar em atualizar a ca e a o GUI do objeto de processamento como vocˆ faz com um plugin tempo-real. e Se a transi¸˜o tiver um GUI. Estes s˜o fixados ` taxa de quadros do projeto.Cap´ ıtulo 23: Autora¸˜o de plugin ca 179 Um conjunto de fun¸˜es read frame existem para requerer os quadros de entrada em plugins co de v´ ıdeo n˜o-tempo-real.returna ` abrangˆncia do integrador ("integer") da transi¸˜o. ca a a a Transi¸˜es precisam de fun¸˜es load defaults e save defaults de forma que a primeira vez que co co forem jogadas ` linha do tempo elas tenham configura¸˜es uteis. O e ca o ca e ca ca argumento de sa´ para o process realtime ´ a informa¸˜o da edi¸˜o anterior. . ıda Rotinas existem para determinar se vocˆ est´ relacionado ao in´ e final da transi¸˜o. is transition deve retornar 1 para significar e que o plugin ´ uma transi¸˜o. O argumento de entrada para o process realtime ´ a informa¸˜o para a pr´xima edi¸˜o. e a O objeto de processamento para transi¸˜es de ´udio ainda deve ser herdado do PluginAClient co a e para transi¸˜es de v´ co ıdeo ainda deve ser herdado do PluginVClient. Vocˆ tamb´m vai precisar de um objeto BC Hash e um objeto Thread para estes macros.retorna ` posi¸˜o atual at´ o in´ a ca e ıcio da transi¸˜o da ca menor amostragem nos buffers. mas a co at´ agora nenhum an´logo a PLUGIN CLASS MEMBERS foi feito para transi¸˜es. e ca As transi¸˜es processam informa¸˜o em uma fun¸˜o process realtime. Uma vez que o process realtime n˜o possui um co a argumento de taxa. ca As transi¸˜es rodam a taxa de informa¸˜o requerida pelo primeiro plugin da trilha. double *output_ptr). e a ıcio ca • PluginClient::get source position() . a ca A diferen¸a mais importante entre as transi¸˜es e os plugins tempo-real ´ a adi¸˜o de um c co e ca m´todo is transition no objeto de processamento. co ca ca int process_realtime(VFrame *input. Transi¸˜es podem ou n˜o ter um GUI. double *input_ptr. devem tamb´m gerenco a e ciar um assunto ("thread") como plugins tempo-real. Estes usam um subconjunto dos membros de classe padr˜o de plugins tempo-real. int process_realtime(int64_t size. sobrescreva uma fun¸˜o chamada uses gui() para significar e ca se a transi¸˜o ter´ ou n˜o um GUI. Uma vez que o GUI ´ opcional. Usu´rios devem dividir a posi¸˜o fonte pela abrangˆncia total para obter a fra¸˜o da transi¸˜o a ca e ca ca a onde a fun¸˜o process realtime est´. vocˆ pode usar o PLUGIN CONSTRUCTOR MACRO e o ca e e e PLUGIN DESTRUCTOR MACRO para inicializar o objeto de processamento. a a a 23.

8 GUI de plugins que se atualizam durante a reprodu¸˜o ca Efeitos como Histograma e Escopo de v´ ıdeo precisam atualizar o GUI durante a reprodu¸˜o ca para exibir a informa¸˜o sobre o sinal. } } Send render gui e render gui usam um argumento. ele deve chamar send render gui. Este n´mero deve ser usado para ganhar paralelismo. a ´ 23.9. fazer efeitos dependentes de tempo requere usar v´rias fun¸˜es que dizem onde vocˆ est´ a co e a no efeito. • get project framerate() D´ os quadros por segundo do v´ a ıdeo conforme definido nas configura¸˜es do projeto. O send render gui faz uma busca e eventualmente chama o render gui na instˆncia do GUI do a plugin. um apontador void para transferir informa¸˜o do objeto de processamento para o GUI. Caso seja um processador unico. ue O render gui deve ter uma seq¨ˆncia como void MyPlugin::render_gui(void *data) { if(thread) { thread->window->lock_window(). a a co . a u 23. • get project smp() D´ o n´mero de CPUs no sistema menos 1.inc. Isso ´ alcan¸ado com os m´todos send render gui e ca e c e render gui.180 Cap´ ıtulo 23: Autora¸˜o de plugin ca 23. Este ca a co ´ um macro da overlayframe.9 Busca de informa¸˜es dos plugins co H´ v´rias buscas de informa¸˜es ("queries") uteis no PluginClient que podem ser acessadas a a a co ´ partir do objeto de processamento. Ele pode ser aplicado a qualquer chamada ao objeto e OverlayFrame. Fun¸˜es s˜o providenciadas para se obter as taxas do projeto e requerida. Algumas delas possuem diferentes significados nos modos tempo-real e n˜o-tempo-real. co • get project samplerate() D´ a amostragem por segundo do ´udio conforme definida nas configura¸˜es do projeto. a u • get total buffers() D´ o n´mero de trilhas que um plugin multi-canal precisa para processar. Normalmente em process buffer.1 Busca de informa¸˜es de sistema co • get interpolation type() Retorna o tipo de interpola¸˜o que o usu´rio quer para todas as opera¸˜es de escala. ser´ 1. O usu´rio deve fazer uma digita¸˜o ("typeca a ca cast") para este apontador para transform´-lo em algo util. 23. quando o objeto de processamento quer atualizar o GUI. Elas todas d˜o informa¸˜es sobre o sistema operacional ou o a a co porjeto que podem ser usadas para melhorar a qualidade do processamento.9. Al´m co a e disso. Isso deveria ser chamado apenas no process buffer. Caso a u ´ a seja um processador dual.2 Busca de informa¸˜es de tempo co H´ duas taxas para m´ a ıdia que um plugin tempo-real deve saber: a taxa do projeto e a taxa requerida. // update GUI here thread->window->unlock_window(). ser´ 0.

´ o in´ da abrangˆncia da ca a e ıcio e linha do tempo a ser processado. A convers˜o ´ automaticamente baseada na taxa de a ca a e quadros ou de amostragem dependendo do tipo do plugin. Infelizca a e mente. ıcio a O unico jeito de conseguir uma interpola¸˜o suave entre quadros-chave ´ converter as ´ ca e posi¸˜es nos objetos de quadros-chave ` taxa requerida. E util para chamar fun¸˜es de leitura uma vez lˆem a posi¸˜o das pr´prias co e ca o fun¸˜es de leitura ao in´ ou final de uma regi˜o a ser lida. ca • get source start() Para plugins tempo-real. int is local) Estes informam o quadro-chave mais pr´ximo antes ou depois de dada posi¸˜o. Fa¸a isso usando edl to local co a c nas posi¸˜es de quadro-chave. • get prev keyframe(int64 t position. ca . d´ a amostragem ou quadro mais baixos na abrangˆncia do efeito a e a ` taxa de informa¸˜o requerida. e e O arumento de posi¸˜o pode ser ou a taxa do projeto ou a taxa requerida. e • get samplerate() D´ a taxa de mostragem por segundo requerida pelo plugin ap´s este.10 Usando OpenGL Plugins tempo-real de v´ ıdeo suportam OpenGL. Esta ´ a taxa de a o e amostragem requerida e ´ a mesma que o argumento sample rate para o process buffer. co 23. ıcio ca • get direction() D´ a dire¸˜o da opera¸˜o atual de reprodu¸˜o. relativo ` taxa de a u e a informa¸˜o requerida. a a Em cada quadro-chave. ca • local to edl() edl to local() Fazem a convers˜o entre a taxa de informa¸˜o requerida e a taxa de informa¸˜o do projeto. Esta ´ a taxa de quadros a o e requerida e ´ a mesma que no argumento frame rate para o process buffer. int is local) get next keyframe(int64 t position. A vers˜o da o ca a e defini¸˜o do macro de load configuration automaticamente obt´m os quadros-chave certos. dependendo da opera¸˜o de co ıcio a ca reprodu¸˜o. ´ a amostra com o n´mero mais baixo na regi˜o requerida a ser e u a processada caso se esteja fazendo uma reprodu¸˜o para frente ou a amostra com o n´mero ca u mais alto na regi˜o caso a reprodu¸˜o esteja sendo feita ao reverso. Usar o OpenGL para rotinas de plugins pode acelerar bastante a reprodu¸˜o j´ que o trabalho ´ feito principalmente no hardware. e • get total len() D´ o n´mero de amostras ou quadros na abrangˆncia cobrida pelo efeito. a ca ca S˜o usados para converter posi¸˜es de quadros-chave em n´meros que podem ser interpoa co u lados ` taxa de informa¸˜o requerida. outro valor de posi¸˜o diz a posi¸˜o do quadro-chave relativa ao ca ca in´ da linha do tempo e ` taxa do projeto. A posi¸˜o ´ relativa ao in´ da EDL e ´ a taxa de informa¸˜o ca e ıcio e ca requerida. ´ o in´ do e ıcio quadro caso a reprodu¸˜o esteja sendo feita para frente e o quadro final caso a reprodu¸˜o ca ca esteja sendo feita ao reverso. cada rotina de OpenGL precisa de uma contrapartida de software para renderiza¸˜o. • get source position() Para plugins tempo-real. Marque o is local ca para 1 se estiver ` taxa requerida e para 0 se estiver ` taxa do projeto. Isto ´ um macro definido em transa ca ca ca e ´ ´ portque.inc. Para v´ a ca ıdeo. este sempre ser´ a amostra com o n´mero mais baixo da regi˜o a ser co a u a processada relativa ao in´ da transi¸˜o. Para plugins n˜o-tempo-real.Cap´ ıtulo 23: Autora¸˜o de plugin ca 181 • get framerate() D´ os quadros por segundo requeridos pelo plugin ap´s este. ca mas vocˆ pode querer fazer isso por vocˆ mesma/o. Para transi¸˜es.

O run opengl transfere o controle para o assunto comum OpenGL. precisam ser rodadas a e partir do mesmo assunto ("thread"). e O plugin n˜o deve apenas saber se ele ´ software-apenas. o run opengl eventualmente transfere o controle para uma e co ca fun¸˜o virtual chamada handle opengl. O plugin Brilho ´ um plugin OpenGL simples para ser copiado. mas se sua sa´ deve ser softwarea e ıda ıda apenas. H´ 3 pontos a e a principais na renderiza¸˜o OpenGL e um ponto para otimizar a renderiza¸˜o OpenGL. O valor de e use opengl ´ passado para cima na cadeia para assegurar que um plugin que apenas use software receba informa¸˜o apenas em seus apontadores de fileiras ("row pointers"). Deve ser carregado em uma textura antes de ser desenhado usando as rotinas OpenGL. Os estados s˜o: • VFrame::RAM Isso significa que a informa¸˜o de v´ ca ıdeo ´ armazenada nos apontadores tradicionais de e fileiras ("row"). toda a informa¸˜o requerida para fazer a reprodu¸˜o ca ca OpenGL ´ armazenada no objeto VFrame que ´ passado para o process buffer. ter uma rotina OpenGL significa que a vers˜o do software n˜o precisa ser otimizada como precisava quando software era a unica a a ´ forma de se fazer as coisas. a Na rotina do process buffer do plugin. ca ca 23. Para supore e tar 3D. e e No modo OpenGL. Chame get use opengl para determinar se a sa´ pode ser suportada pelo OpenGL. Para resolver isso. O handle opengl deve ser sobrescrito com uma fun¸˜o ca . Isso ´ normalmente e o chamado pelo plugin em process buffer ap´s ele haver chamado o read frame e apenas se o get use opengl for 1. Caso o get use opengl seja 1. Como sempre.. Felizmente. o VFrame tem 3 estados correspondendo ` localiza¸˜o de sua informa¸˜o a ca ca de v´ ıdeo.182 Cap´ ıtulo 23: Autora¸˜o de plugin ca dobrando a quantidade de software a ser mantida. O buffer de quadro ´ limitado a 8 bits por canal. • VFrame::SCREEN A informa¸˜o de v´ ca ıdeo ´ armazenada em um buffer de quadro na placa de v´ e ıdeo.1 Obtendo informa¸˜o OpenGL ca O primeiro problema ´ fazer os plugins com OpenGL-habilitado interagirem com os plugins e apenas-software. a interface do plugin possui rotinas para rodar o OpenGL em um assunto comum. • VFrame::TEXTURE A informa¸˜o de v´ ca ıdeo ´ armazenada na mem´ria de textura. o VFrame cont´m um PBuffer e uma textura. Por uma s´rie de indire¸˜es. h´ normalmente uma chamada para o read frame para obter informa¸˜o do plugin anterior da cadeia.. Para plugins. O estado opengl ´ recuperado chamando-se o get opengl state e ´ configurado e e a chamando-se o set opengl state. Ele ca ca passa 0 para o use opengl caso possa suportar a informa¸˜o somente usando software. ele ret´m e apenas 8 bits.10. ca a O maior problema com o OpenGL ´ que todas as chamadas do gl. o plugin pode decidir baseado em sua implementa¸˜o se usar´ OpenGL. o plugin deve passar 0 para o use opengl em read frame e fazer seu processamento no software. Caso o get use opengl reture 0. O plugin passa 1 para o use opengl caso deseje suportar a informa¸˜o usando OpenGL. A imagem no buffer de quadro n˜o a a pode ser replicada de novo a menos que ela seja lida de volta na textura e o estado opengl seja remarcado para TEXTURE. o buffer de quadro ser´ sempre um PBuffer. Se um e efeito OpenGL for usado em um projeto de ponto flutuante ("floating point"). a melhor forma de desenhar um primeiro plugin OpenGL ´ copiar um existente e e alter´-lo. al´m das fileiras originais do VFrame. Para contornar isso. o estado opengl no VFrame ´ RAM. Se o use opengl for ca 0. Ela est´ pronta para ser e o a desenhada usando as rotinas OpenGL. O read frame leva um novo parˆmetro ca a chamado use opengl.

Cap´ ıtulo 23: Autora¸˜o de plugin ca 183 para rodar todas as rotinas OpenGL. A seq¨ˆncia o e ue normal de comandos para desenhar uma textura ´: e get_output()->init_screen(). Uma vez dentro do handle opengl. Copie isso se vocˆ quer v´rtices padr˜o ("custom"). o argumento de camada ("layer") obt´m e uma camada espec´ ıfica dos buffers de sa´ ıda. Os conte´dos do handle opengl devem ser fechados em u a #ifdef HAVE GL . Os plugins devem apenas deixar a sa´ na textura ou RAM caso a ıda sua localiza¸˜o resulte de um processamento normal. O valor de retorno do handle opengl a o ca ´ passado de volta do run opengl. ca o • to texture transfere a informa¸˜o OpenGL de onde ela estiver para a mem´ria de textura de sa´ e marca o estado de sa´ para TEXTURE. co • VFrame::draw texture() chama as fun¸˜es de vertex para desenhar a textura normalizada ao tamanho do PBuffer. A outra op¸˜o era converter YUV para RGB no primeiro passo a ca que requeria OpenGL. co ue e ıvel via a fun¸˜o ca O argumento do VFrame para o process buffer ´ sempre dispon´ get output(int layer). e e a O ultimo passo na rotina do handle opengl.10. co Caso seja YUV. a • VFrame::init screen marca o frustum do OpenGL e os parˆmetros para valores conhecidos. a ıda O pr´ximo passo ´ desenhar a textura com algum processamento no PBuffer.5 como em software. . O PBuffer do buffer de sa´ ´ onde a sa´ do ıda e ıda OpenGL deve ir caso qualquer processamento seja feito.. Caso o plugin seja multi-canal.. O ıda plugin n˜o deve ler de volta o buffer de quadro em uma textura ou apontadores de fileira caso a n˜o haja mais processamento. O VFrame oferece algumas fun¸˜es para automatizar seq¨ˆncias comuns de OpenGL. Cada efeito e passo de renderiza¸˜o teria necessitado de uma rotina YUV ca para RGB. Passar modelos de cor YUV a plugins e era necess´rio pela velocidade. • VFrame::bind texture(int texture unit) amarra a textura ` unidade dada de textura e a a habilita. get_output()->draw_texture(). ´ marcar ´ o e a sa´ do estado opengl para SCREEN com uma chamada para VFrame::set opengl state. o plugin possui o uso completo de todas as fun¸˜es co OpenGL. mas ele pode ser YUV ou RGB dependendo das configura¸˜es do projeto. como n´dulos de renderiza¸˜o. ele ´ deslocado por 0. c Modelos de cor em OpenGL: O modelo de cor exposto a rotinas OpenGL ser´ sempre de ponto flutuante uma vez que ´ isso a e que o OpenGL usa. ap´s a textura ser desenhada no PBuffer. get_output()->enable_opengl(). Eles devem marcar o estado opengl para ca RAM ou TEXTURE caso o fa¸am. e O read frame n˜o pode ser chamado de dentro do handle opengl.2 Desenhando usando OpenGL A seq¨ˆncia de comandos para desenhar na sa´ do PBuffer come¸a com fazer o v´ ue ıda c ıdeo em uma a ´rea de mem´ria onde ele possa ser re-chamado para desenho: o get_output()->to_texture(). apenas o passo de composi¸˜o final precisa de uma rotina YUV ca para RGB. get_output()->bind_texture(0). #endif para permitir que eles sejam compiladom em sistemas que n˜o possuam suporte a gr´ficos. ıda ıda • enable opengl faz o contexto OpenGL relativo ` sa´ do PBuffer. Isso criaria uma trava a recursiva porque faria outros objetos chamarem o run opengl. 23. Com o YUV retido.

a 23. Um n´mero arbitr´rio de cadeias de fonte ´ u a pode ser colocado entre os 0s. Ap´s o sombreador ser inicializado. 0). O primeiro e ultimo argumentos devem ser sempre 0. Caso esteja. Isso ´ feito quando Quadros para campos e RGB para 601 ca ´ e s˜o unidos ("attached") em ordem. O sombreador ´ um programa em C que roda na placa de gr´fico. ela pode ser muito mais r´pida do que rod´-lo na CPU. a H´ um n´mero de macros uteis para sombreadores no ‘playback3d. deve realizar as opera¸˜es do plugin a co "fall through" em sua rotina OpenGL. Agrega¸˜es de mais de dois plugins s˜o poss´ a co a ıveis mas muito dif´ ıceis de se fazer funcionar.10. Ele retorna um shader id que pode ser passado para as fun¸˜es OpenGL. as fun¸˜es u co co principais s˜o renomeadas e rodadas em ordem. ca o O plugin processador deve chamar o next effect is e prev effect is para determinar se ele est´ agregado com um plugin "fall through". ca Os plugins "fall through" devem copiar seus parˆmetros para o buffer de sa´ de forma que a ıda possam ser detectados pelo plugin de processamento. Os plugins "fall through" devem determinar se o plugin de processamento est´ junto com a chamados para next effect is e prev effect is. Todos os soma u ´ breadores at´ agora tem sido sombreadores de fragmento.4 Agregando plugins Melhorias futuras de velocidade podem ser obtidas combinando rotinas OpenGL de dois plugins em uma fun¸˜o unica handle opengl. Chamadas futuras para o make shader com o mesmo c´digo fonte rodar˜o muito mais o a r´pido. O programa sombreador deve ser desabilitado com outra chamada para glUseProgram(0) e 0 como argumento. Caso nenhum deles retorne 1. Os parˆmetros para o plugin "fall through" devem estar a dispon´ ıveis pelo get output()->get params() caso o plugin "fall through" os tenha configurado. A seq¨ˆncia normal para se usar um sombreador vem e ue ap´s uma chamada para o enable opengl. glUseProgram(shader_id).. e o desenhe a textura iniciando pelo init screen. a a a Sombreadores s˜o escritos na linguagem OpenGL Shading Language. O shader id e c´digo fonte s˜o armazenados na mem´ria enquanto o Cinelerra estiver roo a o dando. Uma vez que a placa de gr´ficos esteja e a a otimizada para gr´ficos. Estes pegam o nome do plugin processador como um argumento de cadeia e retornam 1 caso o plugin anterior ou subseq¨ente ´ o plugin procesu e sador. O VFrame usado como o buffer de sa´ cont´m uma tabela de parˆmetro para a passagem de ıda e a parˆmetro entre plugins e ´ acessado com get output()->get params(). shader_source. o plugin "fall through" ainda deve chamar o read frame para propagar a informa¸˜o mas fazer um retorno ap´s isso.3 Usando os sombreadores ("shaders") Muito poucos efeitos conseguem fazer alguma coisa util com apenas um desenho direto na textura ´ do PBuffer.10.. unsigned char shader_id = VFrame::make_shader(0. um plugin processa tudo dos outros plugins e os outros plugins "fall through".". o char *shader_source = ". As cadeias de fonte s˜o concatenadas pelo make shader em um a fonte de sombreador gigante. A agrega¸˜o ´ util para o OpenGL porque cada plugin deve copiar ca e ´ o v´ ıdeo de uma textura para um PBuffer. a a ca o Na agrega¸˜o.h’.184 Cap´ ıtulo 23: Autora¸˜o de plugin ca 23. Eles normalmente precisam definir um sombreamento ("shader"). Caso m´ltiplas fun¸˜es principais estejam nos fontes. O c´digo-fonte do a o sombreador ´ contido em uma cadeia. // Set uniform variables using glUniform commands A compila¸˜o e o passo de se fazer liks para os sombreadores ´ encapsulado pelo comando ca e co VFrame::make shader. Parˆmetros s˜o marcados a e a a e obtidos na tabela que chama uma atualiza¸˜o ("update") e obten¸˜o ("get") como os padr˜es ca ca o ("defaults"). Em software n˜o h´ opera¸˜o de c´pia. .

1. Alterna entre os modos de edi¸˜o Arrastar-e-Soltar e Recortar-e-Colar ca e 24. A maioria das opera¸˜es podem ser canceladas com ESC e aceitas com RET.1 Janela de programa 24. faz com que a regi˜o selecionada seja ca a extendida para a posi¸˜o do cursor.1.Cap´ ıtulo 24: Atalhos de teclado 185 24 Atalhos de teclado Alex Ferrer come¸ou a resumir a maioria dos atalhos de teclado.2 Atalhos de edi¸˜o de marcadores e pontos de entrada/sa´ ca ıda [ ] l CTRL <CTRL -> Insere ou retira um ponto de entrada Insere ou retira um ponto de sa´ ıda Insere ou retira um marcador na posi¸˜o atual ca Ir para marcador anterior Ir para o pr´ximo marcador o 24.1. A maioria das janelas podem ser fechadas com um CTRL-w. A maioria das teclas funcionam c sem qualquer modificador como SHIFT ou CTRL. Ajusta a abrangˆncia e ca e m´xima e m´ a ınima da sele¸˜o atual ca Fazer a abrangˆncia do tipo de automa¸˜o atualmente selecionado ajustar e ca a ` abrangˆncia m´xima e m´ e a ınima da regi˜o selecionada a . co 24. Quando feita por sobre o limite de ca um efeito.3 Atalhos de navega¸˜o ca Seta para a direita Seta para a esquerda Seta para cima Seta para baixo CTRL PARACIMA CTRL PARABAIXO CTRL Alt PARACIMA Ctrl Alt PARABAIXO Alt PARACIMA Alt PARABAIXO f Alt f Ctrl Alt f Mover a linha do tempo para a direita (n˜o o ponto de inser¸˜o) * a ca Mover a linha do tempo para a esquerda (n˜o o ponto de inser¸˜o) * a ca Afastar Linha do Tempo * Aproximar Linha do Tempo * Expandir amplitude atual da curva Diminuir amplitude atual da curva Expandir todas as amplitudes de curva Diminuir todas as amplitudes de curva Expandir amplitude de curva Diminuir amplitude de curva Ajustar o tempo exibido ` sele¸˜o a ca Fazer a abrangˆncia de todos os tipos de automa¸˜o. faz com que a opera¸˜o de arraste ("trim") seja aplicada a um ca efeito.1 Atalhos de edi¸˜o m´ ca ıdia z SHIFT Z x c v Del SHIFT Space m a clicar-com-oSHIFT Desfazer Refazer Cortar Copiar Colar Limpar Inserir silˆncio e Tornar regi˜o muda a Selecionar tudo Quando feito por sobre uma edi¸˜o.

1.6 Atalhos de manipula¸˜o de trilhas ca t u SHIFT T SHIFT U d SHIFT L TAB SHIFT-TAB Adicionar trilha de ´udio a Inserir transi¸˜o de ´udio padr˜o ca a a Adicionar trilha de v´ ıdeo Inserir transi¸˜o de v´ ca ıdeo padr˜o a Apagar a ultima trilha ´ Reprodu¸˜o em loop ca Ativa/desativa status de arma¸˜o de trilha unica ca ´ Ativa/desativa status de arma¸˜o de a cada outra trilha ca 24.1.186 Cap´ ıtulo 24: Atalhos de teclado Alt Seta-paraMove o ponto de inser¸˜o para o pr´ximo bloco de edi¸˜o ` esquerda ca o ca a equerda Move o ponto de inser¸˜o para o pr´ximo bloco de edi¸˜o ` direita ca o ca a Alt Seta-paradireita Page Up Move a linha do tempo para cima * Page Dn Move a linha do tempo para baixo * Ctrl Page Up Expandir altura da trilha Ctrl Page Dn Diminuir altura da trilha Home Move o ponto de inser¸˜o para o in´ da Linha do Tempo * ca ıcio End Move o ponto de inser¸˜o para o final da Linha do Tempo * ca * Vocˆ pode ter que clicar na Linha do Tempo para desativar quaisquer caixas de texto antes e que estes funcionem.4 Atalhos de opera¸˜es de arquivo co n o s r SHIFT q SHIFT SHIFT SHIFT Novo projeto Carregar arquivos Salvar projeto Gravar Render Sair Preferˆncias e Renderiza¸˜o em grupo ca Configurar formato R P B F 24.1. 24.5 Atalhos de edi¸˜o de quadros-chave ca SHIFT SHIFT SHIFT SHIFT Alt c Alt v X C V Del Cortar quadros-chave Copiar quadros-chave Colar quadros-chave Limpar quadros-chave Copiar quadro-chave padr˜o a Colar quadro-chave padr˜o a 24.1.7 Atalhos do que ´ desenhado na linha do tempo e 1 2 3 4 5 6 7 Mostrar t´ ıtulos Mostrar transi¸˜es co Quadros-chave de fade Quadros-chave mudez Quadros-chave de modo Quadros-chave de pan Quadros-chave de cˆmera a .

3 Atalhos de transporte de reprodu¸˜o ca Os controles de transporte funcionam em qualquer janela que possua um transporte de reprodu¸˜o. pressionar qualquer tecla duas vezes ´ Pausa.Cap´ ıtulo 24: Atalhos de teclado 187 8 9 0 = Quadros-chave de projetor Quadros-chave de plugins Quadros-chave de m´scara a Aproxima¸˜o de cˆmera ca a Aproxima¸˜o de projetor ca 24. 4 Quadro 5 Reverso lento 6 Reprodu¸˜o ca + Reverso anterior reversa r´pido a ` ` 2 A frente 3 Reproduzir Enter A frente 1 Quadro seguinte devagar r´pido a 0 Parar SPACE ´ o Reproduzir ("Play") normal.4 Atalhos da janela de Grava¸˜o ca Space l Inicia e pausa a grava¸˜o do grupo atual ca Insere/retira marcador na posi¸˜o atual ca . caso pontos de entrada/sa´ sejam a ıda ıda definidos. Eles s˜o acessados por meio do teclado de n´meros com a fun¸˜o ’num lock’ desabilca a u ca itada. 24. e e Pressionar qualquer controle de transporte com o CTRL pressionado faz com que apenas a regi˜o entre os pontos de entrada/sa´ sejam reproduzidos.2 Atalhos das janelas Visor e Compositor x c v v b [ ] l Ctrl <Ctrl -> Home End z SHIFT Z + Cortar Copiar Colar Dividir Sobrescrever Adicionar/retirar ponto de entrada Adicionar/retirar ponto de sa´ ıda Adicionar/retirar marcador na posi¸˜o atual ca Ir para o marcador anterior Ir para o pr´ximo marcador o Ir para o in´ ıcio Ir para o final Desfazer Refazer Aproximar Afastar 24.

188 Cap´ ıtulo 24: Atalhos de teclado .

We protect your rights with two steps: (1) copyright the software. And you must show them these terms so they know their rights. but changing it is not allowed. too. any free program is threatened constantly by software patents. 51 Franklin Street. distribute and/or modify the software. you must give the recipients all the rights that you have. . that you can change the software or use pieces of it in new free programs. Boston. the GNU General Public License is intended to guarantee your freedom to share and change free software—to make sure the software is free for all its users. The precise terms and conditions for copying. not price. These restrictions translate to certain responsibilities for you if you distribute copies of the software.GNU General Public License 189 GNU General Public License Version 2. (Hereinafter.) Each licensee is addressed as “you”. We wish to avoid the danger that redistributors of a free program will individually obtain patent licenses. If the software is modified by someone else and passed on. To protect your rights. When we speak of free software. translation is included without limitation in the term “modification”. we want to make certain that everyone understands that there is no warranty for this free software. or if you modify it. receive or can get the source code. Inc. Finally. we need to make restrictions that forbid anyone to deny you these rights or to ask you to surrender the rights. (Some other Free Software Foundation software is covered by the GNU Lesser General Public License instead. DISTRIBUTION AND MODIFICATION 0. and a “work based on the Program” means either the Program or any derivative work under copyright law: that is to say. Preamble The licenses for most software are designed to take away your freedom to share and change it. below. we have made it clear that any patent must be licensed for everyone’s free use or not licensed at all. if you distribute copies of such a program. for each author’s protection and ours. in effect making the program proprietary. distribution and modification follow. For example. that you receive source code or can get it if you want it. refers to any such program or work. This License applies to any program or other work which contains a notice placed by the copyright holder saying it may be distributed under the terms of this General Public License. either verbatim or with modifications and/or translated into another language. June 1991 Copyright c 1989. too. and that you know you can do these things. we want its recipients to know that what they have is not the original. Also. To prevent this. Our General Public Licenses are designed to make sure that you have the freedom to distribute copies of free software (and charge for this service if you wish). By contrast. so that any problems introduced by others will not reflect on the original authors’ reputations. MA 02110-1301. and (2) offer you this license which gives you legal permission to copy. TERMS AND CONDITIONS FOR COPYING.) You can apply it to your programs. Fifth Floor. 1991 Free Software Foundation. whether gratis or for a fee. The “Program”. This General Public License applies to most of the Free Software Foundation’s software and to any other program whose authors commit to using it. You must make sure that they. we are referring to freedom. a work containing the Program or a portion of it. USA Everyone is permitted to copy and distribute verbatim copies of this license document.

(Exception: if the Program itself is interactive but does not normally print such an announcement. you must cause it. provided that you conspicuously and appropriately publish on each copy an appropriate copyright notice and disclaimer of warranty. 2. they are outside its scope. under Section 2) in object code or executable form under the terms of Sections 1 and 2 above provided that you also do one of the following: a. it is not the intent of this section to claim rights or contest your rights to work written entirely by you.190 GNU General Public License Activities other than copying. If the modified program normally reads commands interactively when run. rather. in any medium. do not apply to those sections when you distribute them as separate works. saying that you provide a warranty) and that users may redistribute the program under these conditions. 3. Accompany it with a written offer. Accompany it with the complete corresponding machine-readable source code. provided that you also meet all of these conditions: a. In addition. then this License. mere aggregation of another work not based on the Program with the Program (or with a work based on the Program) on a volume of a storage or distribution medium does not bring the other work under the scope of this License. valid for at least three years. keep intact all the notices that refer to this License and to the absence of any warranty. Thus. your work based on the Program is not required to print an announcement. c. b. You may copy and distribute the Program (or a work based on it. and the output from the Program is covered only if its contents constitute a work based on the Program (independent of having been made by running the Program). But when you distribute the same sections as part of a whole which is a work based on the Program. 1. and copy and distribute such modifications or work under the terms of Section 1 above. and you may at your option offer warranty protection in exchange for a fee. Whether that is true depends on what the Program does. The act of running the Program is not restricted. and its terms. You must cause any work that you distribute or publish. and can be reasonably considered independent and separate works in themselves. You may charge a fee for the physical act of transferring a copy.) These requirements apply to the modified work as a whole. the distribution of the whole must be on the terms of this License. for a charge no more than your cost of physically performing source distribution. You must cause the modified files to carry prominent notices stating that you changed the files and the date of any change. which must be distributed under the terms of Sections 1 and 2 above on a medium customarily used for software interchange. and telling the user how to view a copy of this License. You may copy and distribute verbatim copies of the Program’s source code as you receive it. whose permissions for other licensees extend to the entire whole. to print or display an announcement including an appropriate copyright notice and a notice that there is no warranty (or else. or. to give any third party. that in whole or in part contains or is derived from the Program or any part thereof. distribution and modification are not covered by this License. and give any other recipients of the Program a copy of this License along with the Program. to be licensed as a whole at no charge to all third parties under the terms of this License. and thus to each and every part regardless of who wrote it. If identifiable sections of that work are not derived from the Program. b. when started running for such interactive use in the most ordinary way. thus forming a work based on the Program. the intent is to exercise the right to control the distribution of derivative or collective works based on the Program. . You may modify your copy or copies of the Program or any portion of it.

5. then offering equivalent access to copy the source code from the same place counts as distribution of the source code. Each time you redistribute the Program (or any work based on the Program). . by modifying or distributing the Program (or any work based on the Program). if a patent license would not permit royalty-free redistribution of the Program by all those who receive copies directly or indirectly through you. Accompany it with the information you received as to the offer to distribute corresponding source code. sublicense. 7. as a special exception. they do not excuse you from the conditions of this License. plus the scripts used to control compilation and installation of the executable. the source code distributed need not include anything that is normally distributed (in either source or binary form) with the major components (compiler. agreement or otherwise) that contradict the conditions of this License. However. or. or rights. If you cannot distribute so as to satisfy simultaneously your obligations under this License and any other pertinent obligations. even though third parties are not compelled to copy the source along with the object code. distribute or modify the Program subject to these terms and conditions. However.) The source code for a work means the preferred form of the work for making modifications to it. (This alternative is allowed only for noncommercial distribution and only if you received the program in object code or executable form with such an offer. and will automatically terminate your rights under this License. If distribution of executable or object code is made by offering access to copy from a designated place. complete source code means all the source code for all modules it contains. parties who have received copies. this section has the sole purpose of protecting the integrity of the free software distribution system. Any attempt otherwise to copy. modify. sublicense or distribute the Program is void. It is not the purpose of this section to induce you to infringe any patents or other property right claims or to contest validity of any such claims. which is implemented by 4. then the only way you could satisfy both it and this License would be to refrain entirely from distribution of the Program. the balance of the section is intended to apply and the section as a whole is intended to apply in other circumstances.GNU General Public License 191 a complete machine-readable copy of the corresponding source code. Therefore. conditions are imposed on you (whether by court order. If any portion of this section is held invalid or unenforceable under any particular circumstance. you indicate your acceptance of this License to do so. from you under this License will not have their licenses terminated so long as such parties remain in full compliance. You are not required to accept this License. as a consequence of a court judgment or allegation of patent infringement or for any other reason (not limited to patent issues). You may not impose any further restrictions on the recipients’ exercise of the rights granted herein. You are not responsible for enforcing compliance by third parties to this License. unless that component itself accompanies the executable. plus any associated interface definition files. For example. c. However. nothing else grants you permission to modify or distribute the Program or its derivative works. You may not copy. kernel. since you have not signed it. to be distributed under the terms of Sections 1 and 2 above on a medium customarily used for software interchange. For an executable work. or distribute the Program except as expressly provided under this License. distributing or modifying the Program or works based on it. the recipient automatically receives a license from the original licensor to copy. If. and all its terms and conditions for copying. 6. then as a consequence you may not distribute the Program at all. modify. and so on) of the operating system on which the executable runs. These actions are prohibited by law if you do not accept this License. in accord with Subsection b above.

EITHER EXPRESSED OR IMPLIED. 8. NO WARRANTY 11. Many people have made generous contributions to the wide range of software distributed through that system in reliance on consistent application of that system. this License incorporates the limitation as if written in the body of this License. you may choose any version ever published by the Free Software Foundation. END OF TERMS AND CONDITIONS . REPAIR OR CORRECTION. The Free Software Foundation may publish revised and/or new versions of the General Public License from time to time. write to the Free Software Foundation. INCLUDING. THERE IS NO WARRANTY FOR THE PROGRAM. THE ENTIRE RISK AS TO THE QUALITY AND PERFORMANCE OF THE PROGRAM IS WITH YOU. 9. BUT NOT LIMITED TO. it is up to the author/donor to decide if he or she is willing to distribute software through any other system and a licensee cannot impose that choice. THE IMPLIED WARRANTIES OF MERCHANTABILITY AND FITNESS FOR A PARTICULAR PURPOSE. INCLUDING ANY GENERAL. BECAUSE THE PROGRAM IS LICENSED FREE OF CHARGE. 12. BE LIABLE TO YOU FOR DAMAGES. Such new versions will be similar in spirit to the present version. SHOULD THE PROGRAM PROVE DEFECTIVE. TO THE EXTENT PERMITTED BY APPLICABLE LAW. Our decision will be guided by the two goals of preserving the free status of all derivatives of our free software and of promoting the sharing and reuse of software generally. In such case. EVEN IF SUCH HOLDER OR OTHER PARTY HAS BEEN ADVISED OF THE POSSIBILITY OF SUCH DAMAGES. OR ANY OTHER PARTY WHO MAY MODIFY AND/OR REDISTRIBUTE THE PROGRAM AS PERMITTED ABOVE. Each version is given a distinguishing version number. If the Program does not specify a version number of this License. we sometimes make exceptions for this. EXCEPT WHEN OTHERWISE STATED IN WRITING THE COPYRIGHT HOLDERS AND/OR OTHER PARTIES PROVIDE THE PROGRAM “AS IS” WITHOUT WARRANTY OF ANY KIND. the original copyright holder who places the Program under this License may add an explicit geographical distribution limitation excluding those countries. For software which is copyrighted by the Free Software Foundation. If the Program specifies a version number of this License which applies to it and “any later version”. If you wish to incorporate parts of the Program into other free programs whose distribution conditions are different. so that distribution is permitted only in or among countries not thus excluded. This section is intended to make thoroughly clear what is believed to be a consequence of the rest of this License. SPECIAL. 10. write to the author to ask for permission. If the distribution and/or use of the Program is restricted in certain countries either by patents or by copyrighted interfaces. INCIDENTAL OR CONSEQUENTIAL DAMAGES ARISING OUT OF THE USE OR INABILITY TO USE THE PROGRAM (INCLUDING BUT NOT LIMITED TO LOSS OF DATA OR DATA BEING RENDERED INACCURATE OR LOSSES SUSTAINED BY YOU OR THIRD PARTIES OR A FAILURE OF THE PROGRAM TO OPERATE WITH ANY OTHER PROGRAMS).192 GNU General Public License public license practices. but may differ in detail to address new problems or concerns. YOU ASSUME THE COST OF ALL NECESSARY SERVICING. you have the option of following the terms and conditions either of that version or of any later version published by the Free Software Foundation. IN NO EVENT UNLESS REQUIRED BY APPLICABLE LAW OR AGREED TO IN WRITING WILL ANY COPYRIGHT HOLDER.

Of course. MA 02110-1301. See the GNU General Public License for more details. alter the names: Yoyodyne. If this is what you want to do.GNU General Public License 193 Appendix: How to Apply These Terms to Your New Programs If you develop a new program. to sign a “copyright disclaimer” for the program. Inc. Boston. either version 2 of the License.. without even the implied warranty of MERCHANTABILITY or FITNESS FOR A PARTICULAR PURPOSE. make it output a short notice like this when it starts in an interactive mode: Gnomovision version 69. you may consider it more useful to permit linking proprietary applications with the library. one line to give the program’s name and a brief idea of what it does. if necessary. Fifth Floor. To do so. 1 April 1989 Ty Coon. Copyright (C) year name of author Gnomovision comes with ABSOLUTELY NO WARRANTY. use the GNU Lesser General Public License instead of this License.. Also add information on how to contact you by electronic and paper mail. or (at your option) any later version. This is free software. hereby disclaims all copyright interest in the program ‘Gnomovision’ (which makes passes at compilers) written by James Hacker. The hypothetical commands ‘show w’ and ‘show c’ should show the appropriate parts of the General Public License. you can redistribute it and/or modify it under the terms of the GNU General Public License as published by the Free Software Foundation. It is safest to attach them to the start of each source file to most effectively convey the exclusion of warranty. and you want it to be of the greatest possible use to the public. If the program is interactive. USA. You should have received a copy of the GNU General Public License along with this program. If your program is a subroutine library. if not. and you are welcome to redistribute it under certain conditions. Copyright (C) yyyy name of author This program is free software. if any. . 51 Franklin Street. and each file should have at least the “copyright” line and a pointer to where the full notice is found. the best way to achieve this is to make it free software which everyone can redistribute and change under these terms. but WITHOUT ANY WARRANTY. This program is distributed in the hope that it will be useful. President of Vice This General Public License does not permit incorporating your program into proprietary programs. Here is a sample. signature of Ty Coon. You should also get your employer (if you work as a programmer) or your school. they could even be mouse-clicks or menu items—whatever suits your program. the commands you use may be called something other than ‘show w’ and ‘show c’. write to the Free Software Foundation. type ‘show c’ for details. for details type ‘show w’. attach the following notices to the program. Inc.

194 GNU General Public License .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . travando quando carregados . . . 39 Arquivos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24 Bloco de transla¸˜o . . 42 ca Aproxima¸˜o de curvas . . . . . . . . . . . . . . 33 Carregando imagens est´ticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . desabilitando . . . . . . 18 Amostragem de ´udio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91 ´ Audio MPEG 1 . . . . . 187 ca Atalhos das janelas Visor e Compositor. . . . . . 155 Carregando arquivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 a Atributos de v´ ıdeo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . renderizando . . . executando . . . . . . . . . 24 Amplitude . . . . . . . . . . 29 Atualizando uma tradu¸˜o existente . . . . . . . 161 ca ´ Audio em loop . . . . . . . . . . . . . . . . . 135 Capturando usando dvgrab . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . XML . . . . . . . . . 104 ca Bordas de edi¸˜o. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18 Atributos do Driver de V´ ıdeo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 ´ Area de troca (swap). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 Arquivos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135 Capturando usando Cinelerra . . 38 u Arquivos. . esticamento temporal . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53 Aparˆncia de filme . . 38 Carregando e salvando arquivos . . . 91 c ue Aumentando a velocidade do disco r´ ıgido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28 Arquivos de ´ ındice. . . . . . 2 Buz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 Agregando plugins . . . apagar todos . . . . . . 185 c˜ ıdia Atrasar ´udio . . . . . . . . . . . . . . . . 95 Atributos de ´udio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . alargando . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147 AVI . . . . . . . . . . . . . . . . . . 169 ca Autorando um DVD . . . . . . . . 9 Armar trilha . 42 ca Aproxima¸˜o de trilha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . arrastar faz o quˆ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90 e ına Combatendo o entrela¸amento . . . . . . . . . . . . .´ Indice 195 ´ Indice A A fazenda de renderiza¸˜o. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186 ca Atalhos de navega¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93 Buffers de ´udio. . . . 115 c Ajuda. . . . . . . . 35 a Compress˜o PXR24 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . tamanho de . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152 c Combinando trilhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165 C Cˆmera . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50 Arquivo de ´ ındice. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . buscando . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7 Compilando com s´ ımbolos de depura¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166 ca a As duas vers˜es do Cinelerra . . . . . . . . . . . 30 Atributos do Driver de Som . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185 ıda Atalhos de manipula¸˜o de trilhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 u Carregando o backup. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185 Atalhos de transporte de reprodu¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83 Bin´rios. . . . . . . . . 27 Arquivos de ´ ındice. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86 Compilando Cinelerra CV . . . . . . . 24 Capturando m´ ıdia . . . . . . n´mero a serem mantidos . . . . . 153 e Aproxima¸˜o de amostra . . . . . 38 a Arquivos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88 a Atrasar V´ ıdeo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 Arquivos MPEG contendo v´ ıdeo . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 a . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28 Arquivo IFO . . . . . . . . . . 36 Arquivos de ´ ındice . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 o Atalhos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156 ArkLinux . . . . . . . . . . . . . 27 ca Arquivos de ´ ındice. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156 a Busca de informa¸˜es de sistema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34 ´ Audio. . . paus do driver . . . 60 a Caminho do dispositivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 Carregando arquivos a partir de um terminal . . . 33 Arquivos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 Arrastar bordas de edi¸˜o n˜o funciona . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160 Autora¸˜o de plugin . . . . . 94 Cinelerra. . . . . 39 Balancear Branco Imagens CR2 . . . . . . . salvando . . . . . . . . . . . . 158 Aumentando a velocidade do sistema de arquivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141 ca A janela de ferramentas de cˆmera e projetor . localiza¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . extens˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . 118 A reprodu¸˜o n˜o p´ra . . . . . . . . . . . . . . . . 21 Buz. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60 ca Compress˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . carregando e salvando . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 Arquivos. . . . . . . . . . . . . . . . 28 u Arquivos de projeto. . . 2 Alsa . . . . . . . . . 28 ca e Brilho/Contraste . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187 Atalhos de edi¸˜o de marcadores e pontos de ca entrada/sa´ . 36 ´ Audio MPEG-4 . . . . . . . . 8 ca Composi¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . carregando m´ltiplos . . . . . . . 187 ca Atalhos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . carregando . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180 co Buscando ajuda . . . . . . . . . . . . . . . 144 Codificando um v´ ıdeo em formato MPEG4 para a internet . . . . . . . . . . . . 180 co Busca de informa¸˜es dos plugins . . 19 Atributos do projeto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21 a Amostras para gravar no disco por vez. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 Codifica¸˜o Dolby Pro Logic . . . salvando . . . . . . 184 Agu¸ar . . . . 35 a Compress˜o PIZ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185 Atalhos da janela de Grava¸˜o . . Debian . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180 co Busca de informa¸˜es de tempo . . . . . 39 Carregando outros formatos . . . . . . . 166 Arquivos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . carregando o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 Chroma key effect (HSV). . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 B Backup. . . . . . . . . . . . . . . . mudan¸a de freq¨ˆncia . . . . . . . . 64 a A margem de seguran¸a para t´ c ıtulos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23 Balan¸o de Cores . . . . . . . . . . . . . . . 9 a Bits . 165 ca a a Abrindo imagens EXR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34 a Carregando m´ltiplos arquivos . . . . . edi¸ao de m´ . . 186 co Atalhos de teclado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151 ca Codificando um v´ ıdeo em formato FLV para a internet . . . . . . . . . . . . 185 ca Atalhos de opera¸˜es de arquivo . . . . . . . . . . . . . . . 42 ca Arch Linux. . . . . . . . . 143 Col´gio de Hero´ . . . . . . . . 42 Apagar trilhas . . . 95 c Barra de tempo . . . . 36 Arquivos XML . . . 139 Arquivos. . . . . . . . . . . . . . . 138 Capturas de telas de v´ ıdeo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155 ´ Audio. . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21 a Dicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44 ca Editando. . . . . 87 Efeitos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59 . . . . . . 124 Efeito Decimar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23 DVD. . . 144 DVD. . . . . . 100 Efeito Mo¸˜o. . . . . . . . . . . . . . . . . . 156 a Desabilitando o cron . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111 Desfoque Linear . . . . . . .196 ´ Indice Compress˜o RLE . . . . . . . . . . . 63 ca a Controles de composi¸˜o do projetor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94 Efeito Congelar Quadro . . 152 c ca Entrela¸amento. . . . . editando . vis˜o geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124 Efeitos tempo-real. . . . . . . . . . . . . . . . . reportando . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119 c Desenhando usando OpenGL . . . . . . . . . . . . . . . . 114 Efeito de v´ ıdeo reframe . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18 Drivers de V´ ıdeo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93 Controles de composi¸˜o de cˆmera. . . . . . . . . . . . . . . . . limpando . fazendo um . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19 DV 1394 . . . . . . . . . . . quadros para campos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163 ca o Edi¸˜o HDV 1080i. . . . 158 D Debian . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112 Desfoque. . . . . . . . . . . . . usando os arquivos TOC e WAV ca . . . . . . . . . . . . . . . 22 ca Erros. . . . 22 Depurador . . . . . . . . . . . . . . . . . 158 Driver de ´udio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24 Entrela¸amento HDTV. . . . . . . . . . . . . . . . 53 Configura¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91 a Efeito Reverter v´ ıdeo . . . . . . . . . . . . . . . . 89 Depurar v´ ıdeo. . . . . . . . . . . . . . . 113 ca Efeito de reprodu¸˜o r´pida . . . . . . . . . . . . . . . . . 104 ca ca Efeito reverter ´udio . . . . . . . . . . . 59 Controles. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62 ca Controles de transporte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95 c Efeito Gama . . . . . . . . . . . . . . . . . capturando HDV a partir de uma ca cˆmera . . . . . . . . . . . . . 22 a Driver de grava¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89 e Equa¸˜o de escala . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152 c e Entrela¸amento. . . . . . . . . . . . . . . . 151 Disco r´ ıgido. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96 Depurar v´ ıdeo2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49 Editando HDV 1080i usando arquivos proxy . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89 DepuradorFFT. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . desabilitando . . . . . . . . . . . . 123 Efeitos renderizados de ´udio. . . . . . . 162 Edi¸˜o HDV 1080i. . . . . 113 ca a Efeito de V´ ıdeo em loop . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86 Efeitos. . . . . . . . . . 152 c ca a Entrela¸amento. . . . . . . . . . . gerando os arquivos proxy . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50 Desfocar . . 183 Desenhar m´ ıdia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123 Efeito de reprodu¸˜o lenta ("slow motion") . . . . . . . . . . . 102 Desfoque Radial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 ca Console. . . . . . . . . . . . . . . 59 C´pia e Cola de sele¸˜es de trilha n˜o funcionam na o co a Linha do Tempo . . . 96 Desabilitando a ´rea de troca (swap) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116 Efeito de v´ ıdeo M´dia de tempo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162 ca Edi¸˜o HDV 1080i. . . . . . . . . . aumentando a velocidade . . . . . . . . . 153 c co Entrela¸amento. . . . . . . renderizando o projeto . . 87 a Efeitos tempo-real de v´ ıdeo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81 Controles do compositor. . . . 103 Efeitos compartilhados . . . . . . . . . . . . . . . . . legenda . . . . . . . . . . . . 154 ´ Entrada de Audio . . . . . . . . . . . . . 138 ca Editando quadros-chave . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96 c Efeito Chroma key . . . . . . . . . . . 162 ca a Edi¸˜o. . . . . . . . . . . . exce¸˜es para HDTV . . . . . . . . . . esconder . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57 ca Edi¸˜o em duas janelas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21 DVD. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . m´dia de linhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123 a Efeitos renderizados de v´ ıdeo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92 Efeito Campos para quadros . telecine inverso . . . . . . . . . . . . . . . rastreamento de mo¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113 Efeito de v´ ıdeo redirecionar . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152 c Envy24 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99 Efeito Gradiente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .RT . . . . 95 Efeito Desentrela¸ar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23 ´ Drivers de Audio . . 149 E Edi¸˜o de arrastar e soltar . . . . amostras a serem enviadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18 EQ Param´trica. . . . . . . . . . . . . . . . . . convertendo os arquivos ca HDV e proxy . . . . . . 36. . . . . . . . . . . . tempo-real . 107 ca Deslocamento de ´udio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85 Empurrando trilhas . . . . . . . . . modos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161 ca Cron. . . . . . . . duplica¸˜o de linhas . . . . . . 60 Contraste . . . . . . . . . . 97 Efeito Chave de diferen¸a . . . . . . . . . 92 Efeitos tempo-real. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87 Concatenar trilhas . . . . . . . . . . . . . . . . 134 Editar Transi¸˜es . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114 Efeito Telecine Inverso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . autorando um . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115 Esconder controles . . . . . . . . . . . . . 153 c Entrela¸amento. . . . . . . . . . . . . . . . . . corre¸˜o ` base de tempo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 a Compressor . . . . . . 19. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141 Efeito 1080 para 480 . 51 Enevoado. . . . . . . . . . . . . . . . . outras quest˜es . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128 co EDL . . . . . . . . . . . . . . 125 Efeitos renderizados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163 ca Edi¸˜o HDV 1080i. . . . . . . 147 DVD. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 a Compress˜o ZIP . compartilhados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98 Efeito de ´udio ao vivo . 165 Escala . . . . . . . . . . . . . . 93 Desfoque de Aproxima¸˜o . 116 e Efeito de v´ ıdeo Mo¸˜o . . . . . . . . . . . . 123 Efeitos. . . . . 85 Efeitos tempo-real de ´udio . . . . . . . . . . . . . . queimando um . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 158 Desagu¸ar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87 Efeitos ladspa . . . . . . . . . . 102 Efeito V´ ıdeo Ao Vivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55 ca Edi¸˜o de recortar e colar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162 a Edi¸˜o HDV 1080i. . . . . . . . . . . 162 Edi¸˜o HDV 1080i. . . . . . 162 Editando informa¸˜o de tuner . . . . . . . . . . . . 121 ca Desfoque de movimento . 154 Efeito Histograma. . . . . . . . . . . 166 Criando uma nova tradu¸˜o . . . . . . . . . . . . . 153 c Entrela¸amento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21 Conta-gotas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . renderizados . . . . . . . . . . . . . . . . . 24 Entrada de V´ ıdeo . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 Decodificar quadros de forma ass´ ıncrona . . . . . . . . . . . . bloco de transla¸˜o . . . . . . . . . 90 a Efeito de refazer amostragem . . . . . 53 ca Edi¸˜o HDV 1080i editing. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24 ca Driver do dispositivo de v´ ıdeo . . . . . . . 103 Efeito de v´ ıdeo Entrada . . . 104 ca Efeito de v´ ıdeo Mudar taxa de quadros . . . . . . .

. 166 ca GUI de plugins que se atualizam durante a reprodu¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26 Formatos de arquivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 Formatos de arquivo suportados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28 a Medidor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118 Fontes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 Margens de seguran¸a . . . . . . . . . . . . 19 Espectrograma . . . . . . . . . . . . . . 119 Esound . . . . . . . . . . . . . . . . 9 Locais dispon´ ıveis . . . . . . 15 Mandriva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101 Introdu¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . caminho . . . . . . usando na janela de programa . . Imagens de cˆmeras . . . . . . 24 ca Grava¸˜o em grupo . . . . . . . . . . . . . 68 a M´scaras . . . . . . . arquivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157 o Limar pontas . . 35 Informa¸˜es da ferramenta . 89 Gentoo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . fazenda de renderiza¸˜o . . . . 51 Fader grupal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19. . . . . . . 1 ca Inverter . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118 For¸ar uso de processador unico . . . fazendo panorˆmicas e a a aproxima¸˜es . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 Manipulando trilhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28 ın Mem´ria compartilhada. . 90 Inverter canais . . . . . . . . . a Imagens brutas de cˆmeras digitais . . . . . . . . . . . . . 3 Live CDs. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146 H Hardware. . . dB m´x . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65 a M´dia Temporal Seletiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52 a a Mapeamentos padr˜o de ´udio . . . . . . sincronia . . . . . 115 e Medidor. . . . . . . . . . . . . a 21 99 35 23 35 . . 34 a Imagens. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 136 ca Grava¸˜o. . . . . . . . . . . . 161 Luminˆncia . . . . . . . . . . . . . . . 117 Fun¸˜es comuns de plugin . . . . . . 52 a a Marcadores. . . . . . . 70 c M´scara. . . . . . . . 59 Liberando mais mem´ria compartilhada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118 ca Extens˜o. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 Frente de Tempo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60 Filtrando arquivos por extens˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . EXR . . . . . . adicionando . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52 a Fazer um v´ ıdeo se parecer a um filme . . . . . . . . . . . . . . . 157 o Mem´ria. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153 Fedora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 hdparm . . . . . 161 co Imagens est´ticas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117 GPL. 97 ´ Inverter Audio . . . . . . . . . . 75 ca L Ladspa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34 a Imagens est´ticas. . . . . . . . . . . . . . . . . . 60 a c Ferramenta de m´scaras . . . . . . . . . . . . 89 Limpando o enevoado . . . . Imagens brutas de cˆmera . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180 c˜ M MacOSX . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146 Fazendo um pan nas trilhas de ´udio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a Imagens CR2 . . . . . . . . . seguran¸a . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53 Mapeamentos de ´udio. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11 ca Interface . . . . 40 Imagens est´ticas . . . . . . 24. . . . . . . . . . . . . . . . . 25 J Janela Janela Janela Janela Janela Janela Janela de de de de de de de composi¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102 Itens de cache . . . . . . . . . . . tamanho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163 Lente de aumento . . . . . . . . . . 92 Esticamento temporal de ´udio . . . . . . . . . . . . 34 a Imagens est´ticas. . . . . 17 Legendas. . . . . . . . . . . . . 12 Ferramenta de ´reas de seguran¸a . 116 a G Ganho . . . . . . . . 111 ca ca Esticamento de tempo. . . . . . . . . . 79 ıvel programa . . . . . . . . . . . . . . . . . . GNU General Public License . . . carregando . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . est´ticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59 a Ferramenta de recorte . . . . . . . . fazendo um . . . . . . . . . . . . . . . . 157 o Menu de DVD. 60 co Instala¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 158 Hostname. . . . . . . . . . . . . 70 c Margens. . . . . . 90 Interpolar pixels . . . . . . 185 Programa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . requisitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50 Fazenda de renderiza¸˜o. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135 co ca Fundindo projetos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . padr˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 a F Fader . . . . . . 116 Inverter V´ ıdeo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 169 co Fun¸˜es de grava¸˜o do Cinelerra. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 ca I IEC 61883 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 e ca Estrat´gia de inser¸˜o de arquivos renderizados . . . . . . . . . . 29 ca medidores de n´ de som . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101 Interpolar v´ ıdeo . . . 59 ca configura¸˜o de formato . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99 Grava¸˜o . . . . . . . . . atalhos do que ´ desenhado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140 e ca Exibi¸˜o em TV . . 144 Fazendo um menu de DVD . . . . . . . . . . 155 a Estrat´gia de inser¸˜o . . dB m´ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 Interpolar . . . . . . . . . . . 189 Gradiente . . . . . . . . . . . . . 41 recursos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . adicionando . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77 visualiza¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . liberando . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 c ´ Formato de arquivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 ca Instala¸˜o de pacotes no Ubuntu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34 a Imagens. . 92 Estabiliza¸˜o de rastreamento em a¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161 a Fazendo um DVD . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41. . . . 186 e Links diversos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . suavizar . . . . . . . . . . . . . . . liberando . .´ Indice 197 Escopo do V´ ıdeo . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12 Gimp . . . . . . . . . . . . . 154 Limpeza de material de TV anal´gica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26 ca Fazendo panorˆmicas e aproxima¸˜es em imagens a co est´ticas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151 o Linha do tempo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 a Fontes TTF . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . 18 OSS Envy24 . . . . . . . . . . . . . . ativa¸˜o/desativa¸˜o . . . . 97 Quadros para preroll ao fundo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42 ca Navegando na janela de programa . . . . . . . . . . 29 e co Pr´-requisitos para Debian . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ordenar . . . . . . . . . . 70 ca Modos de edi¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131 a Quadros a serem bufferizados no dispositivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . curva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179 ca Plugins de v´ ıdeo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . canal . . . 132 a Quadros-chave de ativa¸˜o/desativa¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24 Quadros para campos . . . . . . . . . . . . . 70 ca Mouse USB. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178 Plugins n˜o-tempo-real . . . . . . . . . . . . . . . 176 a Plugins tempo-real . . . . 111 o Plugins de ´udio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44 Modo de recortar e colar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70 ca ca Modo de sobreposi¸˜o de subtra¸˜o . . . . 27 o N´dulos . . . . . . fazenda de renderiza¸˜o . . . . . . . . . . 33 Quicktime. . . . . . . . . . . . . . . . . 60 Proteger v´ ıdeo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . reduzindo a sensibilidade . . . . . . . . . . . 181 OpenGL. . . 5 mpeg3peek . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120 O menu relacionado `s trilhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 passagens . . . . . . . Compositor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49 Paus . . . . . . . . . . . . . . . . 133 Quadros-chave. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 o Q Quadro-chave padr˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28 e co Processo comum de compila¸˜o . . ca Rastreamento de mo¸˜o. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ´leo . . . . 22 Quadros-chave autom´ticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca Rastreamento de mo¸˜o. . . . editando . . . . . . . . . . usando desfoque para ca melhorar . . 131 a Quadro-chave. . . . . . . . . . . . . renderizando para . . . 23 e O O escopo em forma de onda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 mpeg3cat . . Debian . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . introduzindo. . . . . . . 132 Navegando pelos recursos . 149 Quicktime . . . 45 ıda Porta. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160 Modo de arrastar e soltar . . . . . . . 5 mpeg3dump . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 Mudan¸a de freq¨ˆncia . . . . . . . . . . 50 P Pacotes bin´rios para Debian . . . . . . . . . . . autom´ticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120 O escopo em forma de vetor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 Navegando pelos quadros-chave de curva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134 Queimando um DVD. . . . . . . . . . reduzindo a sensibilidade . . . 70 ca ca Modo de sobreposi¸˜o de substitui¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 o OSS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 Performance. . . . . . . . . . . . . . . arrastar n˜o funciona a . . . . . . . . . . . . 131 Quadros-chave. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132 a Quadros-chave. . 5. . . . . . . . .198 ´ Indice Menu de op¸oes . . . . . 132 ca ca Quadros-chave. . . . . . 42 ca Pan de trilhas de ´udio. . . . . . . . . 70 ca a Modo de sobreposi¸˜o de multiplica¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . apagar um . capturando . . . . . . . . . . . . . . . 107 ca ca O tempor´rio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172 ca Ogg Theora/Vorbis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . adicionar um . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59 N Navega¸˜o por trilhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144 mpeg2enc . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61 a Objeto da interface de usu´rio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 174 a Objeto de configura¸˜o . . 5 mpeg3toc . . 52 ca Posi¸˜o. . . . 27 ca Posi¸˜o do canal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 o N´dulo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . autom´tico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 170 O ponto de inser¸˜o . . . 120 OpenGL . . 27 o N´dulos. . . . . . 135 mke2fs . . 178 a Plugins de transi¸˜o. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 184 Ordenar n´dulos . . . . . . . . . . . . padr˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53 M´todo pull. . . . . . . . . . . . . . . 182 ca OpenGL. . . . 158 Mouse. . 23 e Pr´-configura¸˜es . . . . . . . . . . . . . 44 Modo de sobreposi¸˜o de adi¸˜o . . 107 107 106 107 . . . . . . . . melhorando . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52 ca Pr´-carregar buffer para Quicktime . . . . 36 Onda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70 ca ca Modo de sobreposi¸˜o de divis˜o . . . . . . . . usando shaders . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . pr´-carregar buffer para . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 mplexlo . . 43 a O objeto de processamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 158 Mpeg2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186 ca Quadros-chave. . . 52 a a Pan de trilhas. . . . . . . . . . . . atalhos de edi¸˜o . . . . . . . . . . . 175 Polar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26 ca Quadros. . . . . . . . . . . . . 166 Pontos de entrada/sa´ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 ca O rastreamento de mo¸˜o em a¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77 N´ do Som . . . . . . . . . . . . 25 Quadros a serem gravados no disco por vez . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 c Mudar Entrela¸amento . . . . . . . . . . . . . . . . . reproduzir todos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91 c ue Mudan¸as. . . . . . . . . . 92 ıvel N´dulo. . . 18 R Rastreamento de mo¸˜o em 2 passagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ca Rastreamento de mo¸˜o. . . . . . . . . . obtendo informa¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . 10 e Pr´-visualiza¸˜es . . . . . . . . . . 10 e Pr´-requisitos. . . . . . . . . . . 112 Pontos de entrada e sa´ ıda. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64 c˜ Menu de trilhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133 Quadros-chave. . . . . . . . . . 116 c Mutar trilha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52 a Patchbay . . . . . . . . . . . . . autom´tico . . . . . . . . 20 OpenGL. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . segredos do . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 a Painel de aproxima¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132 ca ca Quadros-chave de curva . . . . 44 ca Modos de sobreposi¸˜o . . . . . . . . . 169 e M´ ıdia. . . . . . . . 166 Performance . . . . . . . . . . . . . . 111 o Pintura. . . . . . . . . . . . usando . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156 Perspectiva . . . . 131 Quadros-chave do Compositor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26 Quadros por trabalho de renderiza¸˜o ao fundo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112 Pintura a ´leo . . . . . . . . . . . 7 ca Projetor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70 ca ca Modo de sobreposi¸˜o normal . . . . . aplicar . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 Trilhas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 154 Rodopiar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166 Sincronizar drives automaticamente . . . . . . . . . . . 1 Sobrepor v´ ıdeo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . for¸ar uso de processador unico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69 Redimensionando ("trimming") . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101 ca Satura¸˜o de tons . . . . . . . . . . . 31 RGBA-Float . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10 o Representa¸˜o de tempo. 21 ıda Sa´ de V´ ıda ıdeo . . . . . . . . 36 V´ ıdeos Zoran. . . . 26 ca Renderiza¸˜o de fundo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63 ca . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . concatenar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53 Trilhas. . . . . 101 ca Segredos do rastreamento de mo¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94 Video4Linux . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53 Trilhas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127 co Usar a fazenda de renderiza¸˜o para renderizar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10 Usando quadros-chave. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . n´mero total a ser criado . . . . . . . . . . . . . . . . 89 V´ ıdeo queimando . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 c ´ Sobre este manual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . fazendo pan. . . . . . . .´ Indice 199 Rastreamento de mo¸˜o. . . . 70 ıda Taxa de amostragem para grava¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . linha de comando . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19. . . . . 92 Sistema de arquivos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139 Renderizando para mpeg2 . . . . . . . 26 ıda ca Salvando arquivos de projeto . . . 107 ca Raw 1394 . . . . 86 Trilhas. . . . . . . . . . . 52 Trilhas. . . . . . . . . . fazendo pan . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 SMP. . . . . . . . . . . 160 Viewport ("janela de visualiza¸˜o") . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138 ca Tutoriais . . . manipulando . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 Sintetizador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140 ca Renderiza¸˜o por linha de comando . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114 T Tabela de compatibilidade do Quicktime para GNU/Linux . . . . . . . . . . . . . . . 94 Seq¨ˆncia de imagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22 ca a Reproduzir todos os quadros . . . . . . . . . . . . . 27 ca Reprodu¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 Trabalhos. . . . . . . . . . . . . 97 Regi˜o de previs˜o . . . . . . . 121 Rotacionar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94 TV. . . . 131 Usando transi¸˜es . . . . . . . . . . 21 ca Tamanho do quadro capturado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68 a Suse . . 5 Requisitos de software . . . . . . . 96 TV Queimando . 127 co Trasladar . . . . . . . . . . . . . . . . . 58 Reduzindo a sensibilidade do mouse USB . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151 o S ´ Sa´ de Audio. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . fazendo um . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52 a Trilhas de v´ ıdeo . . . . . . . . . . . . . . 26 ca Usar software para posicionar informa¸˜o . . . . apagar . . . . . . 91 ca Soundtest . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21 Recorte . . . . 142 ca Renderiza¸˜o. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117 Total de trabalhos a serem criados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166 a Tipos de efeitos tempo-real . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 ca Taxas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139 ca ´ Renderiza¸˜o em grupo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149 ca Renderiza¸˜o de um arquivo unico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165 Retirar Transi¸˜es . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 158 Reduzir amostragem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . empurrando . . . . 21 V´ ıdeos de DVD . . . . . . . . . editando informa¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 a Trilhas de ´udio. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21 ca Reprodu¸˜o de ´udio em tempo real . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101 a TV Pontilhada . . . . . . . . . . . . . . . . . . limpeza anal´gica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 Suavizar m´scara . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144 Renderizando v´ ıdeos para a internet . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70 Tamanho do buffer da placa de som . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 TV Envelhecendo . . 114 U Ubuntu . . . . . . . . . . 112 RGB-888 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 RGBA-8888 . . . . . . . . . . . . . . . usando . . . . . . . . . . . . . . . . 25 Selecionador de cor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50 Requisitos de hardware . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93 TV Hologr´fica . . . . . . . . . 2 Sobre o Cinelerra. . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 Tema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53 Trilhas. . . . . . 34 ue Sincronia perdida quando capturando arquivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 a Verb livre . . . . . . . . . . . . . . 85 T´ ıtulo . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160 Tuner. . . . . . . . . . . . . . . . . . 165 Reposit´rios de pacotes Ubuntu . . . . . . . . . . 128 co RGB-601 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144 Tamanho de imagens est´ticas . 142 ca Renderizando arquivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106 ca Segundos para renders preroll . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140 ca Renderiza¸˜o de fundo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22 Sa´ para a renderiza¸˜o de fundo . . . . . . 111 Sobreposi¸˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 Satura¸˜o . zerar. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6 Resolvendo problemas . . . . . 129 Transi¸˜es . . . . . 22 Reproduzir trilha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166 Trilha compartilhada . . 28 Tema Blond n˜o encontrado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 Tamanhos de sa´ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 u Traduzindo o Cinelerra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 a tune2fs . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72 ıda Tamanho de trilha . . . . . melhorando . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83 a a Renderiza¸˜o de arquivos separados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5 Tamanho do buffer de reprodu¸˜o . . 25 ca V Vari´veis de ambiente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70 ıda Tamanhos de trilha e sa´ . . . . . . . . 13 SVG via Inkscape . . 161 Transi¸˜o de v´ ca ıdeo "Dissolver" . . 31 RGB-Float . . . . . . . . . . . 22 c Taxa de quadros para grava¸˜o . . . . . . 22. . . . . . . . . . . 118 Travando quando arquivos est˜o sendo carregados a . . . . . . . 24 ca Taxa de quadros alcan¸ada . . . . . . . . . . . . v´ ıdeo e ´udio . . . 31 Ringtone. . . . . . . . . . . . . . . . 34 a Tamanho de sa´ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86 Trilhas de ´udio . . . . . . . . . . . . . . . . combinando. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160 Sistemas com dois monitores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19 Slackware . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51 Trilhas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . usando o histograma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143 Reportando erros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . aumentando a velocidade . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . 31 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 YUVA-8888 . . . . . . . . . . . . . 22 a ca X11-XV. . . . . . . . . .200 ´ Indice Vis˜o segue a reprodu¸˜o. . . . . . . . . . . 20 Y YUV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121 YUV-888 . 159 co X11 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19 X11-OpenGL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20 X X. . . . . . . . . . . . . . . . modifica¸˜es gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .