 Ficha formativa – Cálculos estequiométricos e equilíbrio químico

1. Uma amostra de 24,0 g de benzeno (C6H6) foi adicionada, gota a gota, a 100,0 g de bromo (Br2) na presença de uma pequena quantidade de brometo de ferro (III), que não actua como reagente. Obtiveram-se 40,0 g de bromobenzeno. A equação que traduz esta reacção é: C6H6(g) + Br2(l) C6H5Br(g) + HBr(g) 1.1. Indica, justificando, o reagente limitante. 1.2. Calcula o rendimento da reacção. 1.3. Calcula o volume de brometo de hidrogénio obtido em condições PTN. 1.4. Qual é a função do brometo de ferro (III)? 2. Encheu-se o depósito de um automóvel com 45,0 L de combustível, o que corresponde a 300 mol de octano. A equação que traduz a combustão do octano é: 2 C8H18(l) + 25 O2(g) 16 CO2(g) + 18 H2O(g) 2.1. Explica porque razão esta reacção é considerada completa. 2.2. Calcula a quantidade de oxigénio necessária para queimar completamente 12,0 L de combustível. 2.3. Calcula o volume de dióxido de carbono libertado, nas condições PTN. 3. O zinco pode ser produzido a partir de um minério de sulfureto de zinco (ZnS), denominado blenda. O esquema global que traduz este processo é: ZnS(s) + 2 O2(g) + C(s) Zn(s) + SO2(g) + CO(g) 3.1. Verifica se o esquema está de acordo com a Lei de Lavoisier e, se não estiver, efectua as operações necessárias para que fique de acordo com esta lei. 3.2. Calcula a massa de zinco formada a partir de 100 kg de sulfureto de zinco se o rendimento da reacção for de 27%. 4. Os tradicionais fósforos são constituídos por sulfureto de fósforo (P 4S3). O sulfureto de fósforo é feito a partir de fósforo e enxofre, aquecidos a temperaturas superiores a 100 ºC, reacção traduzida pela seguinte equação: P4(l) + 3S(l) P4S3(s) Aqueceu-se uma mistura de 120,0 g de fósforo (P4) e 64,0 g de enxofre (S). 4.1. Qual é o reagente limitante? 4.2. Calcula: a) a massa de reagente em excesso que ficou por reagir; b) a massa de sulfureto de fósforo formada. 5. As reacções químicas podem, em determinados sistemas, evoluir para uma situação de equilíbrio. Analisa o quadro seguinte e responde às questões formuladas. Reacção A B C D E F Reagentes CaO(s) e H2O(l) SO2(g) e O2(g) NH3(g) e HCl(g) C4H10(g) e O2(g) NH3(g) e O2(g) C(s) e CO2(g) Produtos Ca(HO)2(aq) SO3(g) NH4Cl(s) CO2(g) e H2O(g) NO(g) e H2O(g) CO(g) Substâncias presentes no “final” da reacção Ca(HO)2 (aq) e H2O(l) SO3(g), SO2(g) e O2(g) NH4Cl(s), NH3(g) e HCl(g) CO2(g), H2O(l) e O2(g) NO(g), H2O(g), NH3(g) e O2(g) CO(g), C(s) e CO2(g)

FÍSICA E QUÍMICA A - 11º ANO

5.1. Identifica as reacções reversíveis. Justifica. 5.2. Para cada uma das reacções identificadas em 5.1., escreve a equação química que representa a reacção directa e a reacção inversa. 5.3. Identifica as reacções homogéneas e as heterogéneas.

Cristina Vieira da Silva

1

qual das seguintes reacções químicas é a mais extensa. No gráfico seguinte representa-se a variação da velocidade da reacção directa e da reacção inversa no decorrer do tempo. Indica. Justifica. Justifica a tua escolha.1 x 10-28 (a 25ºC) 10. também. (B) No instante t3 a reacção terminou. a ordem crescente da extensão das várias reacções. 7. Considera a reacção representada pela equação: 4 HCl(g) + O2(g) 2 H2O(g) + 2 Cl2(g) Um reactor com 5 L de capacidade contém. a concentração dos produtos aumenta e a dos reagentes diminui.060 mol de HCl.3. Indica em qual dos casos se atingiu o equilíbrio. para uma reacção química reversível.2. 7. 0. Indica.3. Escreve a expressão da constante de equilíbrio. às temperaturas indicadas. Identifica o ramo do gráfico (I ou II) que corresponde à variação da rapidez da reacção inversa.1. 6. 0. à temperatura T. Escreve a expressão da constante de equilíbrio para cada uma das seguintes reacções: a) S2 (g) + O2 (g) SO2 (g) c) CO (g) + O2 (g) CO2 (g) b) NOCl (g) NO (g) + Cl2 (g) d) HCl (g) + O2 (g) H2O (g) + Cl2 (g) 9. 8. Observa os gráficos seguintes e responde às questões propostas. Identifica os reagentes e os produtos de cada uma das reacções. (C) A conversão dos reagentes e produtos terminou no instante t3.(aq) Kc = 2 x 10-10 (a 25ºC) Kc = 302 (a 327 ˚C) Kc = 7.77 (a 250 ˚C) b) NOCl (g) d) CdS (s) NO (g) + Cl2 (g) c) CO (g) + H2O (g) CO2 (g) + H2 (g) Cd2+ (aq) + S2.055 mol de O2. 7. em equilíbrio. No decorrer das reacções químicas. até que se atinge o estado de equilíbrio ou a reacção termina. (D) No instante t2 a reacção atinge o estado de equilíbrio. 0. Calcula o valor da constante de equilíbrio. Cristina Vieira da Silva 2 . Escolhe a opção que completa correctamente a seguinte afirmação: “As equações químicas representativas das reacções directas são… (A) … A + C B e D + E F”. Calcula as concentrações de todas as espécies químicas presentes no equilíbrio.050 mol de Cl2. 10. a) PCl5 (g) PCl3 (g) + Cl2 (g) Kc = 1.070 mol de H2O e 0.1. 10.2. justificando.2. 10. 6.6. (C) … 2 A + C 2 B e D + 2 E F”. à temperatura T. (B) … A + 2 C B e 2 D + E 2 F”. (D) … A + 2 C B e 2 D + 3 E 2 F”.1. Classifica em verdadeira ou falsa cada uma das afirmações. (A) A concentração dos produtos é maior no instante t 3 do que no instante t1. 7.

A constante de equilíbrio da reacção. Cristina Vieira da Silva 3 . 14. justificando. A constante de equilíbrio da reacção de formação de NO a partir de oxigénio e azoto é de 4. indica se o sistema está ou não em equilíbrio no instante em que foi feita a análise da sua composição.26 0. 14. Como justificas que.62 mol/dm3 e sabendo que a constante de equilíbrio da reacção. determinaram-se as quantidades de cada um dos reagentes e dos produtos ao longo do tempo. O quociente da reacção aos 25 minutos. a 30º C. 14. as concentrações são: [N2]e = 0.33 0. Tempo/min 0 10 20 25 30 35 40 50 nA/mol 0.149 mol/dm3. Os resultados aparecem indicados na tabela seguinte. [SO3 ] = 2.5 L.72×10 -31. 12. da reacção de produção do amoníaco a partir do azoto e do hidrogénio é de 2.15 0. Calcula a constante de equilíbrio e verifica se a temperatura de reacção é a mesma que a apresentada no enunciado (350 ºC).3.24 1.17 1.0 mol dm-3. [H2]e = 9.2.11.30 0. uma vez que esta espécie é muito reactiva. [NH3]e = 1. perto da fonte de origem. e a variação de entalpia tem um valor positivo. 12.34 0.49 nB/mol 1. a qual é mantida à temperatura de 250 ˚C.49 0. A concentração de A e B quando o sistema atingiu o equilíbrio.57 0.49 0. a temperatura constante. [O2 ] = 0. segundo a equação química: A(g) + B(g) C(g) + D(g) Após a mistura dos reagentes num balão com um volume de 0.5 mol dm-3.50 0. justificando: 11. Caso não esteja. a 25 ºC. Kc.34 0. Comenta o valor obtido na questão anterior. 11.16 1.35×10-3 a 350ºC. O intervalo de tempo em que o sistema está em desequilíbrio químico. a quantidade de NO produzido na atmosfera seja negligenciável? 14. o principal constituinte do nevoeiro fotoquímico.26 0. 11. 13.60 mol dm-3.16 nC/mol 0.33 0. Calcula o valor da constante de equilíbrio para a reacção inversa. Esta espécie intervém na reacção de formação de ozono na troposfera.20 1.4. Explica porque motivo é necessário referir sempre a temperatura quando se apresenta um valor da constante de equilíbrio.2.4.00 0. As manifestações da acção do NO ocorrem apenas a nível local.83 0.3. obtendo-se dois produtos. de designação genérica A e B.1. de designação genérica C e D. 12.34 0.15 0.35 1. Considera a reacção 2 SO2 (g) + O2 (g) 2 SO3 (g). fazendo reagir dois compostos. Num determinado estado de equilíbrio.34 nD/mol 0. tendo consequências perigosas para a saúde humana e para os ecossistemas.449 mol/dm3. a composição do sistema reagente for: [SO 2 ] = 0.2. resultante da reacção entre o azoto e o oxigénio a temperaturas elevadas dentro dos motores. Se num determinado instante.1. 14.16 1.34 Determina.34 0. 11.68 0.30 0. Traduz por uma equação química a reacção de formação de NO a partir de oxigénio e azoto.1. A constante de equilíbrio. é 249. Realizou-se uma experiência de síntese em laboratório.00 0. embora a atmosfera seja constituída predominantemente por oxigénio e azoto. em que sentido evoluirá. sabendo que a pressão e o volume não se alteraram. indica. O óxido de azoto é um dos poluentes atmosféricos emitidos durante os processos de combustão. à temperatura indicada.53 0.50 1.