A difícil arte de abrir um bar ou restaurante e mantê-lo aberto

De cada 100 estabelecimentos criados no Brasil, apenas três sobrevivem mais de dez anos A história é conhecida. O sujeito junta uma grana ou recebe o FGTS e pensa logo em montar um bar ou restaurante. Às vezes, investe muito, como um empresário que tinha um capital de R$ 800 mil, pegou uma consultoria, montou a casa e quebrou em 4 meses. Às vezes, dá certo: há 70 mil bares e restaurantes em São Paulo. Mas segundo a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), de cada 100 que abrem, 35 fecham em 1 ano, 50 em 2, 75 em 5 e de 95 a 97 em 10 anos. Há na cidade dois restaurantes com mais de 80 anos - o Capuano, na Bela Vista, e o Castelões, no Brás. Alguns com mais de 50, como a Cantina Roperto, o Gigetto e o Pandoro. Cantina Speranza, Sujinho e Acrópoles, com mais de 40. Outros na faixa de 30, como o Família Mancini, Lélis, Galeto's, C. Que Sabe. E centenas num tal de abre e fecha, muda de nome,de ponto e de cara - trocam de cantina para rodízio ou pizzaria. Por que isso acontece? Segundo o presidente da Abrasel, Joaquim Saraiva de Almeida, porque o mercado é versátil, exige mudanças constantes para adaptações às novidades, e as ofertas no mercado são maiores que a demanda. Por isso, é preciso analisar a concorrência e tentar diferenciar-se. Por ano, abrem-se 600 e fecham-se 400 bares e restaurantes na cidade. Não faz muito tempo, cerraram as portas o Café Antique, de 6 anos, e o Esplanada Grill, de 20, ambos na Rua Haddock Lobo, nos Jardins. O Antique não resistiu aos bistrôs. O Esplanada, ao alto custo do aluguel no endereço estrelado. O presidente da Federação de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares do Estado de São Paulo, Nelson de Abreu Pinto, identifica três problemas básicos para o insucesso. Primeiro: falta de profissionalismo esse não é um negócio para amadores. Segundo: capital insuficiente para montar e gerir o restaurante. Terceiro: não ter reserva para o capital de giro. Segundo ele, naufragam os que se aventuram numa atividade econômica que não dominam. "Não conhecem o negócio. E, se não conhecem, se atrapalham", diz. "Para entrar no ramo de alimentação e lazer é preciso conhecer os meandros da parte técnica e operacional, conhecer a fundo cozinha, salão, recepção e administração." O dinheiro também é essencial. "Às vezes, a pessoa recebe uma indenização de R$ 30 mil e diz 'Ah, vou montar um restaurante'. Monta e custa R$ 100 mil. Como só tinha R$ 30 mil, fica devendo a outra parte, pagando juros altíssimos. Aí precisa de verba para aluguel, água, luz, telefone, mão-de-obra e encargos sociais. E também de uma reserva para comprar alimentos e bebidas." DICAS Em novembro, quatro jovens empresários abriram o Allez, Allez!, numa casa da década de 20, na Vila Madalena. "Até agora só tivemos problemas corriqueiros", conta Eduardo Borger, de 26 anos, um dos sócios. "Vamos muito bem." O segredo? Planejamento. "Fizemos uma bateria de reuniões, decidimos qual seria o capital de risco, bolamos o projeto, encontramos o ponto, alugamos e reformamos." Antes de alugar o imóvel, verificaram se podiam abrir o restaurante na Rua Wisard. "Checamos tudo." Como não têm estacionamento, contrataram serviço de manobristas. "É importante verificar se tem seguro e se os carros não ficam na rua", ensina Borger. Chamaram um contador e fecharam todas as contas dentro do que foi planejado. Licença mesmo, só Deus sabe quando, mas um protocolo da Prefeitura permite que a casa funcione. No mais, mangas arregaçadas para o trabalho. "Quando abre um restaurante, a pessoa tem de saber que vai trabalhar fins de semana, em horários malucos, que vai dormir tarde e acordar cedo." Segundo o empresário, a alta carga tributária e trabalhista é um dos principais problemas. Outro: a falta de experiência. Mas há outros detalhes. Se funciona de dia, tem de aceitar vale-refeição e, à noite, cartão de crédito - o que significa pagar taxas e esperar para receber. É preciso ficar esperto para a legislação trabalhista por causa dos horários de funcionamento, à noite e aos domingos. "Às vezes, um ex-funcionário reclama na Justiça e o valor que tem de ser pago é tão alto que o dono quebra", diz Sérgio Marques Júnior, gerente-executivo da Abrasel. Para Abreu Pinto, o que derruba os empresários são os juros do mercado financeiro. Depois, o custo de gestão por causa dos encargos municipais, estaduais e federais. "Este tem mais tributos do que outros ramos porque o pessoal vê restaurante cheio na hora do almoço e imagina que o lucro é grande. Mas é inferior a 10%."

A segunda é de 400 UFMS ou R$ 27 mil. se não tiver os documentos. 4. dá as dicas para abrir um restaurante: 1. que deveria sair em 15 dias. Isso é feito por meio de um termo de consulta. mais de 80% dos restaurantes trabalham sem licença". a dificuldade é tanta que aqueles que conseguem o alvará exibem-no emoldurado. inclusive em vilarejos . "O comerciante sofre vistorias da Vigilância Sanitária. Verificar se aquela zona de uso permite restaurante. 2. verificar a facilidade de estacionamento e analisar problemas de barulho em relação à vizinhança. documentação e elaborar o contrato social da empresa. Saber se o prédio tem planta aprovada e habite-se para ramo comercial. pesquisa no local para averiguar como o público-alvo se comporta." "Então. Quem agüenta?" Apesar dos pesares. Se for restaurante com música ao vivo ou mecânica. a pessoa vai requerer. Restaurantes e Similares de São Paulo. requerer o auto de licença de localização e funcionamento junto à prefeitura em até 60 dias. e movimenta mais de R$ 12 bilhões ao ano. pode contar que o Psiu vai lá e.elas podem entrar como faxineiro. ou seja. leva até um ano. para não investir e depois perder tudo por falta de licença. 6 milhões de empregos. como um troféu. Se isso ocorre. mas o restaurante. Contru. "Por isso.Aos que pensam em abrir um restaurante a Abrasel recomenda: fazer pesquisa na Prefeitura sobre a lei de zoneamento. Segundo ele. O termo de consulta. Primeiro as multas. E permite a ascensão econômica das pessoas . Finalmente. diz o advogado. Depois. maitre ou até mesmo dono do restaurante. Licença de funcionamento é exibida como um troféu O advogado Sivaldo José Martins. conta Martins. aconselha que primeiro se pesquise onde vai se estabelecer. do sindicato patronal. Precisa ter CNPJ. há 16 anos consultor do Sindicato de Hotéis. a multa é de 300 UFMS ou R$ 22 mil. já é intimado a requerer licença de funcionamento. Recolher a Taxa de Fiscalização do Estabelecimento.são 780 mil -. a inscrição estadual chamada de Declaração Cadastral (Deca) e Cadastro do Contribuinte Mobiliário. 3. Cadam. O setor gera 8% dos empregos diretos no Brasil. depois intimação para regularizar ou cessar a atividade. Psiu. "Comerciantes de outros ramos raramente são intimados. A licença de funcionamento demora até cinco anos. um mês ou dois depois de se instalar. a atividade de bares e restaurantes é a única que existe em todas as cidades do Brasil. com locação e cadastros acertados. em vez dos 60 dias previstos em lei. Procurar um contador para tratar de cadastros. auxiliar de cozinha ou balconista e chegar a chefe de cozinha. uma vez detectado o ruído acima do limite permitido. começa o processo de fechamento. VIA-CRÚCIS O advogado Sivaldo José Martins. Quem vai ficar estimulado a se estabelecer nessas condições?" "É penoso". o pedido será indeferido. fechamento com força policial. . mas. em seguida o fechamento administrativo.