"EDUCAÇÃO.

UM DIREITO E UM DEVER DOS PAIS E DA ESCOLA"

OBJECTIVOS - Sensibilizar os pais para o exercício do direito à educação, de que não podem prescindir ou alienar e o dever, essencial e insubstituível, que assumem perante os filhos, dos quais são os primeiros e principais educadores. - Ajudar a reflectir sobre o conteúdo da educação: educar é transmitir valores; educar é formar para os valores essenciais da vida humana. - Destacar a permanência e universalidade do processo educativo: todos e a qualquer tempo devemos assumir o papel de educadores e de educandos. - Chamar a atenção para as diferentes funções dos pais e da Escola no processo educativo e para a urgente necessidade de uma frutuosa cooperação entre Escola e Família, em ordem à harmoniosa e integral formação dos jovens. 1. INTRODUÇÃO É este um tema que, pela importância de que se reveste e pelas implicações que determina, deve merecer de todos particular atenção e cuidadosa reflexão. Com efeito, a educação é, para o cristão, um dos campos da missão salvífica da Igreja, já que tem como autor e destinatário o homem, criado por Deus e para Deus. É também, reconhecidamente, um dos temas que, ao longo dos tempos, mais preocupadamente tem merecido a atenção de topos quantos assumem responsabilidades na condução da vida dos povos. Não surpreende, pois, que sejam muitos os documentos internacionais e do magistério da Igreja que exprimem a exigência, o conteúdo e a aplicação concreta do direito à educação. A exigência do direito à educação encontra-se fundamentado na Declaração Universal dos Direitos do Homem (ONU, 1948): "Toda a pessoa tem direito à educação" (Artº 26, nº 1), direito reafirmado pelos Estados signatários do "Pacto Internacional sobre os direitos civis, políticos, económicos, sociais e culturais" (Dezembro de 1966), ao reconhecer-se o direito de toda a pessoa à educação (Artº 13, nº 1). Também o Concílio Vaticano 11, sobre a matéria declara: "Todos os homens, de qualquer raça, condição e idade, têm direito inalienável a uma educação correspondente ao próprio fim, acomodado ao próprio carácter, sexo, cultura e às tradições pátrias..." (Gravissimum Educationis). Entre nós, o direito à educação encontra-se referido nos ArtQs 36, nQ 5; 43, nQ 2; 67; 68. nQ 1; 73 e 74 da Constituição da República Portuguesa, de que retiramos as seguintes conclusões fundamentais: * "Todos têm direito à educação e à cultura", * "Todos têm direito ao ensino com garantia do direito à igualdade de oportunidades de acesso e êxito escolar" * "Os pais têm o direito e o dever de educação e manutenção dos filhos" * "A família, como elemento fundamental da sociedade, tem o direito à protecção da sociedade e do Estado e à efectivação de todas as condições que permitam a realização pessoal dos seus membros" * "Incumbe designadamente ao Estado, para protecção da família:... c) Cooperar com os pais na educação dos filhos" * "Os pais e as mães têm direito à protecção da sociedade e do Estado na realização da sua insubstituível acção em relação aos filhos, nomeadamente quanto à sua educação"

Não obstante a sua formulação mais ou menos complexa. etc. a tolerância e a amizade entre todos os homens". ideológicas ou religiosas".a universalidade do direito à educação e ao ensino.Educar é ajudar eficazmente a viver uma vida plenamente humana. políticas. relação que é anterior a qualquer outra.Educar é transmitir valores . g. O QUE É? Mas. grupos ideológicos (v. favorecendo a compreensão. . etc. na prática. Como acaba de referir-se. igualmente diferentes são os modos de intervenção e as funções desempenhadas. o direito à educação encontra-se inequivocamente expresso em documentos fundamentais da comunidade nacional e internacional. Mas também originário e primário. tornando-a membro útil da sociedade". devendo concluir-se: . "A educação deve visar o pleno desenvolvimento da personalidade humana e o fortalecimento do respeito pelos direitos do homem e pelas liberdades fundamentais. pois. simultaneamente. constituem agentes educativos todas as pessoas ou grupos institucionalizados que assumem o dever de educar .os pais. um dever: o direito à educação implica o dever de educar. em ordem ao seu fim último e ao bem da sociedade" (Gravissimum Educationis). 3. EDUCAR. os Pais e a Escola. o que significa "educar"? O conteúdo do direito à educação é assim definido na Declaração dos Direitos da Criança (nº 7): "A educação tem em vista favorecer a sua (da criança) cultura geral e permitir desenvolver as suas atitudes e o seu julgamento individual. um direito cujo exercício constitui. . De todos. os poderes públicos (Estado. . 2.* "O Estado não pode atribuir-se o direito de programar a educação e a cultura segundo quaisquer directrizes filosóficas.o direito-dever educativo dos pais é.o direito dos pais à cooperação e protecção do Estado e da sociedade na educação dos filhos. Como se vê. poderá dizer-se que: .o reconhecimento do papel insubstituível que aos pais se reserva na tarefa educativa. professores.1. destacam-se pela importância do papel que assumem no processo educativo. Quer isto dizer que. "A verdadeira educação visa a formação da pessoa humana. a formação integral do homem. OS PAIS E A SUA MISSÃO EDUCATIVA Gerando no amor e por amor um novo ser . partidos políticos. associações públicas ou privadas). a educação é uma exigência. isto é. A educação visa.os valores essenciais da vida humana. sendo diversas as instâncias educativas.. estéticas. por isso. . o direito à educação? A quem compete o dever de educar? São muitos os agentes educativos. o sentido da responsabilidade moral e social. essencial. escolas e outras instituições e organismos oficiais).a obrigatoriedade (dever) e corresponsabilidade que os pais. situados a diversos níveis de funcionalidade. Na concepção actual.o filho . 3. autarquias. o Estado e a sociedade assumem na tarefa educativa. . dada a relação de amor existente entre a fonte e o fruto. alunos. OS AGENTES E AS RESPECTIVAS FUNÇÕES EDUCATIVAS E como se exerce.

é transmitir os valores da fé. porque respeitadora dos direitos dos outros. da fecundidade.). Na prática. U.). da sociabilidade. da solidariedade. com tais características. a transmissão de conhecimentos que integram o processo curricular de cada uma das áreas disciplinares. manifestamente agressivos da realidade social e dos valores morais e religiosos das famílias. O LUGAR DA ESCOLA NA EDUCAÇÃO Face à natureza prioritária e insubstituível da missão educativa dos pais. de todos os seus membros. complementar do processo de transmissão de valores iniciado pelos pais. Por isso deve ser absolutamente garantido o direito dos pais à escolha de uma educação que não agrida a sua fé nem colida com os seus princípios morais ou as suas convicções religiosas. os valores da personalidade. é transmitir os valores da comunhão. E todos os que na sociedade ocupam postos de direcção escolar nunca esqueçam que os . nem aqueles podem delegar noutrém o desempenho dessa função. compete à Escola completar e desenvolver.Finalmente. h. O papel dos pais na educação é de tal importância que é impossível substituí-los. num processo educativo integrado e personalizado. como tarefa própria e específica. da mãe. através do desenvolvimento das faculdades e capacidades físicas. O direito e o dever da educação são prioritários e inalienáveis para os pais (Nº 2221 e segts. são muitos os instrumentos legais em que se reconhece o dever do Estado cooperar com os pais na educação dos filhos.face a uma sociedade francamente instável. também insubstituível e Inalienável. Pode dizer-se que. a tarefa educativa é o sacerdócio baptismal do pai. subsidiariamente. na educação? 3. Diz a Familiaris Consortio (Nº 40): "Se nas escolas se ensinam ideologias contrárias à fé cristã. Educar para o amor é transmitir as normas e critérios que hão-de enformar a correcta compreensão e vivência da sexualidade humana. numa tarefa de iniciação catequética a ser continuada e aprofundada depois pelas estruturas eclesiais. que definem como insubstituível a acção dos pais quanto à educação dos filhos. É esta a tarefa específica da Escola . cada vez mais agitada e confrontada com permanentes angústias.transmitir a cultura. A par desta vertente educativa. pelos poderes públicos. da participação. dos filhos. conflitos e tensões. promovendo uma educação para a inserção na vida social e profissional e para o exercício responsável da cidadania. possivelmente mediante formas associativas. E a Escola? Qual é o papel que se lhe reserva. São várias as vertentes em que a missão educativa dos pais se desdobra e que nem sempre se apresenta facilitada . porém. isto é. ignorando ou desprezando os direitos da família na definição e realização de projectos educativos. da responsabilidade.antes pelo contrário . pelo menos formal e teoricamente. no respeito pela diferença e pela liberdade. as coisas não se passam assim e muito frequentemente acontece o Estado assumir poderes que não lhe pertencem. Com efeito.C. deve com todas as forças e com sabedoria ajudar os jovens a não se afastarem da fé. Enquanto comunidade fundada no amor e vivificada pelo amor. No plano da família. a vertente instrutiva. a família deverá educar para o amor. D.2. Os pais são os principais e primeiros educadores dos seus filhos (Nº 1653 do Catecismo da Igreja Católica) e constituem a primeira escola da vida cristã e de enriquecimento humano (Nº 1657 do C. preparando para uma integração social activa e responsável. em que se apontam a maternidade e a paternidade como valores sociais eminentes.). do C. o que significa que nenhum outro agente pode arrogar-se o direito e a capacidade de substituir os pais na tarefa educativa dos filhos. salvaguardando o direito que os pais têm de escolher o género de educação a dar aos filhos (Artº 26 da D. compete à Escola.C. na vertente educativa.I.I. que retiram ao Estado o direito de programar a educação e a cultura segundo normas e directrizes que por si estabelecidas e impostas. o direito à educação por parte dos pais é reconhecido. cada família juntamente com outras. intelectuais e morais dos seus alunos.

No primeiro caso é desejável que. respeitado r dos outros e das suas ideias. dos pais e encarregados de educação. Família e Escola não devem actuar em paralelo e. Mas. Assim o entendam os pais deste país. estéticos. pessoal auxiliar da acção educativa e representantes da comunidade envolvente. "Transformar a escola com a participação da família" é. Para estes objectivos sejam atingidos.enquanto membro de uma associação de pais ou de encarregados de educação. formando cidadãos capazes de julgarem com espírito crítico e criativo o meio social em que se integram e de se empenharem na sua transformação". Para isso. aliás.a nível individual. entre outros. o tema do programa de acção para o ano lectivo de 93/94 do Secretariado Diocesano do Ensino Religioso de Lisboa. é ponto assente a indispensabilidade da intervenção no processo de todos os agentes educativos e. coloca-se o dever (grave) dos pais se empenharem numa relação. dado considerar-se a escola como um território ou espaço educativo construído pela interacção dos professores. da formação do carácter e da cidadania. a todos cabendo assumir a sua quota de responsabilidade na vida da escola. Que aspectos consideramos fundamentais na educação dos filhos? 2. Pais e Escola devem manter uma relação dialogante e de mútua colaboração. o sistema educativo deverá organizar-se por forma a contribuir para a realização do educando. Os pais são os primeiros e principais educadores. os pais e encarregados de educação acompanhem e participem activamente no percurso escolar dos seus filhos ou educandos. no sentido de incrementar a participação da família no processo educativo desenvolvido pela escola. como primeiros e principais educadores dos filhos e que o seu direito é absolutamente inalienável". através do pleno desenvolvimento da personalidade. No âmbito da reforma educativa iniciada no nosso país e cujas linhas fundamentais constam da Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei nº 46/86. aberto ao diálogo e à livre troca de opiniões. morais e cívicos e assegurando a formação (cívica e moral) dos jovens. pais. tudo dispor no sentido de uma efectiva colaboração com os pais na educação dos filhos. sem se sobreporem às famílias. No segundo caso. de 14/10/86) tem vindo a chamar-se a atenção para a necessidade de se operar uma efectiva mobilização comunitária. . 4. aos quais assiste o direito de exigir essa participação e que pode assumir duas formas distintas: . É frequente ouvir-se dizer que cada vez é mais difícil educar. Quais são as causas dessas dificuldades? E como se podem ultrapassar? 4. com a Escola. enquanto encarregado de educação de um aluno de determinada escola. Procura-se "que a educação promova o desenvolvimento do espírito democrático e pluralista. Os poderes políticos constituídos devem fazer todos os esforços para. salvaguardando o inalienável direito de aprender e de ensinar em . cordial e construtiva. de modo particular. através do contacto com os diversos órgãos da Escola. essa intervenção é assegurada através da integração e participação efectiva no Conselho da Escola ou Conselho Pedagógico.pais foram constituídos pelo próprio Deus. Em que aspectos pode manifestar-se essa colaboração? 3. A RELAÇÃO FAMÍLIA. muito menos. PISTAS DE REFLEXÃO 1. alunos. complementar ao direito. preparando-o para uma reflexão consciente sobre os valores espirituais. A necessidade de convergência da acção de ambas no processo de desenvolvimento dos jovens é uma questão fundamental da Reforma Educativa. em conflito. onde se tomam decisões que têm a ver com o processo educativo dos alunos. . ESCOLA: A PARTICIPAÇÃO DOS PAIS NO PROCESSO EDUCATIVO.

o direito à educação e a assumir. (Das conclusões do 11 Encontro "Família e Educação). Caminho. 94 -Porto) . (In Textos de Reflexão . Obrigado pelo sublime Educador que nos deste em Jesus Cristo. AMEN. vivificas a família onde quiseste que nascêssemos e crescêssemos para a Fé. por obra da fecundidade do Teu amor e a comprometermo-nos com todos os outros homens na transformação deste mundo. o dever de educar. Verdade e Vida! Obrigado pelo amor com que constituíste e. em cada momento. com a dignidade de teus filhos.Congresso Diocesano da Família .liberdade. Ajudai-nos a cumprir a nobre e exigente missão de educadores dos filhos que nos confiaste.Dez. Ajudai-nos a exercer responsavelmente. nosso Pai. em ordem a uma sociedade de rosto mais humano e de coração mais fraterno. Que medidas deveriam ser tomadas pelo Estado no sentido de uma mais efectiva colaboração com os pais na educação dos filhos? PROPOSTA DE ORAÇÃO "Deus. Ajudai-nos a respeitar a liberdade e a personalidade dos que colocaste no nosso caminho.