CASO CLÍNICO

Estudo dos Sistemas de Forças Gerados pelas Alças Ortodônticas para Fechamento de Espaços1
Study of Force Systems produced by Orthodontic Loops for Space Closure
Roberto Hideo SHIMIZU* Tatsuko SAKIMA** Ary dos SANTOS-PINTO*** Isabela Almeida SHIMIZU****

SHIMIZU, R.H.; SAKIMA, T.; SANTOS-PINTO, A. dos; SHIMIZU, I.A. Estudo dos sistemas de forças gerados pelas alças ortodônticas para fechamento de espaços. J Bras Ortodon Ortop Facial, Curitiba, v.7, n.41, p.371-387, set/out. 2002. O presente estudo estabeleceu os sistemas de forças das alças Bull e T quando centralizadas no espaço interbraquetes. Avaliou-se ainda as alterações nos sistemas de forças de ambas as alças, variando-se as secções transversais dos fios ortodônticos e as intensidades de ativações e pré-ativações. Foram submetidas aos ensaios mecânicos 160 alças para fechamento de espaços, 80 alças Bull e 80 alças T, construídas com fios de aço inoxidável 18/8 da marca comercial UNITEK, utilizando-se quatro diferentes secções transversais, .017” x .025”, .018” x .025”, .019” x .025” e .021” x .025”, e quatro diferentes intensidades de pré-ativações, 0o, 20o, 30o e 40o. O ensaio mecânico foi realizado utilizando-se um transdutor de momentos acoplado ao indicador digital para extensometria e adaptado à máquina universal de ensaio Instron. Com base nos resultados obtidos, foi possível concluir que a inserção das dobras de pré-ativações aumentou significativamente as magnitudes de forças geradas pelas alças Bull, o mesmo não ocorrendo para as alças T; as alças T geraram proporções Carga/Deflexão mais baixas que as alças Bull, conseqüentemente proporcionando magnitudes de forças mais constantes durante sua desativação; as alças T geraram altas proporções Momento/Força, desta forma proporcionando movimentos por inclinação descontrolada, por inclinação controlada, translação e movimento radicular, enquanto as alças Bull proporcionaram apenas movimento por inclinação descontrolada; avaliando os sistemas de forças gerados por ambas as alças, as alças T apresentaram resultados mais satisfatórios. PALAVRAS-CHAVE: Ortodontia; Extração dentária; Fechamento de espaços em Ortodontia.
1

Resumo da Tese de Doutorado apresentada ao Curso de Pós-Graduação em Odontologia – Área de concentração em Ortodontia/Faculdade de Odontologia de Araraquara – UNESP *Professor-adjunto da Disciplina de Ortodontia da Pontifícia Universidade Católica do Paraná e Universidade Tuiuti do Paraná; Rua Padre Anchieta, 1846/602/3/4 – CEP 80730-000, Curitiba, PR; e-mail: shimizu@rla01.pucpr.br **Professor Titular do Departamento de Clínica Infantil/Faculdade de Odontologia de Araraquara – Universidade Estadual Paulista ***Professor Livre Docente do Departamento de Clínica Infantil/Faculdade de Odontologia de Araraquara – Universidade Estadual Paulista ****Mestre em Ortodontia/Pontifícia Universidade Católica do Paraná.

J Bras Ortodon Ortop Facial,Curitiba, v.7, n.41, p.371-387, 2002

mormente no que se refere à aplicação da biofísica nos aparelhos ortodônticos.. HOENIGL et al. o mecanismo de fechamento dos espaços remanescentes. três características ao dispositivo ortodôntico: 1) permitir o desenvolvimento e o aperfeiçoamento de um desenho específico para os dispositivos ortodônticos. levar ao entendimento de suas respostas clínicas e histológicas e 3) produzir melhores resultados nos tratamentos. em uma terapêutica com exodontias (RICKETTS. 1 . LINO. 1995. posteriormente.371-387. tais como discrepâncias entre o tamanho dos dentes e dos maxilares e discrepâncias entre as bases ósseas. assim. Para tanto. podendo provocar a mesialização dos mesmos. 1967. a tornaria mais eficaz (BURSTONE & KOENIG. estabelecer e comparar os sistemas de forças das alças T e Bull. 1987. normalmente. o diagnóstico preciso e a conseqüente formulação correta do plano de tratamento apresentam elevado grau de dificuldade e complexidade.41. 1976). que possibilite quantificar os sistemas de forças aplicados aos dentes e. 1992). predominantemente. 1997). ALBUQUERQUE. algumas limitações em sua utilização em virtude de algumas características de seu sistema de forças gerado – alta proporção Carga/Deflexão e baixa proporção Momento/Força. Entretanto. há uma diminuição significativa da proporção Carga/Deflexão com conseqüente aumento significativo da proporção Momento/Força.7. p.. de uma maneira geral.. Para se obter o máximo de eficiência clínica na execução do plano de tratamento. uma porcentagem significativa de más-oclusões. é preciso que se aplique os conhecimentos da evolução científica dos últimos anos. não há trabalhos que apresentem sistemas de forças necessários para o desempenho adequado da alça Bull e tampouco da alça T quando construídas com aço inoxidável. Para o autor. apesar de ser muito estudada e utilizada para o fechamento dos espaços (WEINSTEIN. uma força com a mesma intensidade no sentido contrário. 1985. será realizado o fechamento dos espaços remanescentes por meio de um sistema de forças específico (BURSTONE. as magnitudes das forças que são consideradas ótimas para o movimento do dente. especialmente no que concerne ao seu sistema de forças. 1982. 1969. A alça Bull. 2 . tem sido exaustivamente estudado. Os mecanismos de retração dos caninos e/ ou incisivos geram. 1991. STRANG (1957) e STEINER (1960). com este trabalho. 1982. HIXON et al. 1966. BURSTONE. Objetiva-se assim. BURSTONE. Assim. Para STOREY & SMITH (1952). Por outro lado. v. Curitiba. 2002 . os conceitos da física aplicados à engenharia mecânica podem proporcionar. o que. conhecimentos estes necessários para determinados ajustes do aparelho. como a alça T utiliza maior quantidade de fio para a sua construção. O fechamento dos espaços proporcionados pelas exodontias deve ser realizado de maneira planejada e adequada. No entanto. recai. quando bem indicada. construídas com fios de aço inoxidável 18/8 e centralizadas no espaço interbraquetes.Avaliar se a introdução de determinadas alterações nos sistemas de forças das alças Bull e T. apresenta. relacionadas às variações das secções transversais dos fios ortodônticos. TOTTI & SATO.Estabelecer os sistemas de forças gerados pelas alças Bull e T. minimizando os efeitos colaterais indesejáveis decorrentes da falta de INTRODUÇÃO conhecimentos sobre física. 2) o estudo da biofísica do movimento do dente. n. conforme o planejamento ortodôntico. Ao definir o plano de tratamento. ambas construídas com fio de aço inoxidável de diferentes secções transversais e quando inseridas diferentes intensidades de pré-ativações. mesmo que se utilize fios de aço inoxidável 18/8. STAGGERS & GERMANE. ainda. segundo BURSTONE (1994). dois problemas principais estão relacionados com o movimento dentário: o primeiro é o tipo de sistema de forças requerido para produzir um centro de rotação desejado e o segundo. fundamentalmente. teoricamente. retraindo-se o segmento anterior. 1994). nos segmentos posteriores. os dentes caninos serão parcial ou totalmente retraídos e. o controle da ancoragem está relacionado com a quantidade de força gerada pelo sistema de forças durante o mecanismo de retração. a perda de ancoragem. SCELZA NETO et al.e da PROPOSIÇÃO 372 J Bras Ortodon Ortop Facial. 1973. ou seja.Estudo dos Sistemas de Forças Gerados pelas Alças Ortodônticas para Fechamento de Espaços No tratamento ortodôntico. sobretudo cervicalmente. Devido ao elevado índice de más-oclusões que exige uma terapêutica ortodôntica com exodontias. KUHLBERG & BURSTONE. Os referidos espaços poderão ser fechados. protraindo-se o segmento posterior ou combinando-se ambos os movimentos (BURSTONE. BEGG (1956). demonstra-se eficiente. 1976).

construídas conforme configuração preconizada por TWEED. CA-USA). FIGURA 2: Dobras de pré-ativações inseridas na alça Bull.025” e .017” x . para a pré-ativação de 40º.0mm cada. J Bras Ortodon Ortop Facial.Estudo dos Sistemas de Forças Gerados pelas Alças Ortodônticas para Fechamento de Espaços quantidade das pré-ativações e das ativações.Verificar se existem diferenças significativas nos sistemas de forças. mais largas nas proximidades do ápice e fechadas na base. Utilizou-se fios de aço inoxidável 18/8. com MATERIAL E MÉTODOS vinte alças para cada secção transversal.018” x .017” x . satisfaz os requisitos necessários para todos os tipos de movimentos dentários. . para uma pré-ativação total de 30º foram inseridas pré-ativações de 15º nas dobras supra citadas e. em número de vinte para cada secção transversal. ambas as extremidades. uma pré-ativação total de 20º. alfa e beta com 11. 3 .025”. Os corpos-de-prova foram construídos por um único operador devidamente calibrado. . O grupo 2 foi constituído por oitenta alças ortodônticas construídas com a configuração na forma de “T”. ou seja. Foram inseridas quatro diferentes intensidades totais de pré-ativações: 0º. preconizada por BURSTONE & KOENIG.025”. a exemplo das alças do grupo 1. assim.021” x .019” x . Para uma pré-ativação total de 20º foram inseridas pré-ativações de 10º nas dobras 1 e 3. v. com 11. . . Os corpos-de-prova foram divididos em dois grupos: o grupo 1 foi constituído por oitenta alças verticais. p.025”.025” e . Os corpos-de-prova não foram submetidos a tratamento térmico. que deveriam ser utilizadas quando centralizadas no espaço interbraquetes e subdivididas em quatro subgrupos. em 1966. FIGURA 1: Configuração da alça Bull com suas respectivas dimensões. 30º e 40º. n. 20º. da marca comercial UNITEK (3M UNITEK Dental Products Monrovia.371-387. foram inseridas pré-ativações de 10º nas dobras 1 e 2 e mais 5º nas dobras 5 e 6 e.019” x . com quatro diferentes secções transversais. As pré-ativações das alças T foram realizadas inserindo-se 10º nas dobras 1 e 2. Estas alças foram divididas novamente em quatro subgrupos.41. as pernas verticais se tocando. bem como se alguma das alças proporciona um sistema de forças mais apropriado.025”. Foram construídas com sete milímetros de altura e três milímetros de diâmetro externo. e mais quatro milímetros para cada uma das extremidades para fixá-las aos aparelhos de ensaio mecânico (Figura 1).0mm para cada uma das extremidades alfa e beta e mais quatro milímetros para fixação das mesmas (Figura 3). 2002 373 .021” x . As alças T foram construídas com sete milímetros de altura e dez milímetros de largura e. uma vez que não apresentam diferenças estatisticamente significantes segundo LINO (1973). para a pré-ativação de 30º. foram inseridos 10º nas dobras 1 e 2 e mais 10º nas dobras 5 e 6 (Figura 4). Curitiba.025”.7.025”. proporcionando. . em 1976. . assemelhando-se à forma de lágrima ou gota. que denominar-se-á de alça Bull. foram inseridas pré-ativações de 20º nas dobras 1 e 3 para uma pré-ativação total de 40º (Figura 2).018” x . fi nalmente. Material A amostra utilizada para o presente estudo constituiu-se de 160 alças ortodônticas para fechamento de espaços.

p.5mV/V. São Paulo . ambos da Transdutec (Transdutec . a mensuração e o registro automático dos momentos gerados (Figura 7). e Com. • Ensaio mecânico No ensaio mecânico propriamente dito. FIGURA 5: Máquina universal de ensaio Instron. Entretanto. modelo TTDML. a FIGURA 4: Dobras de pré-ativações inseridas na alça T. utilizando-se este equipamento com estas características. v. Tóquio-Japão) com curso de 10mm e precisão de medida de 0. assim. Para tanto. Assim. 374 J Bras Ortodon Ortop Facial. n. Este sensor teve a finalidade de medir a quantidade de momento torsor durante o carregamento da alça. o indicador digital para extensometria realizou a conversão das grandezas mecânicas para dígitos. Acoplado ao transdutor de momentos. modelo TMDE.41. a força necessária para provocar a ativação foi obtida por meio de uma célula de carga com capacidade máxima de 50Kgf. • Sistema de ensaio A máquina universal de ensaio Instron (Figura 5) realiza ensaios de tração e compressão. de Transdutores Ltda.SP).Estudo dos Sistemas de Forças Gerados pelas Alças Ortodônticas para Fechamento de Espaços FIGURA 3: Configuração e dimensões dos diversos segmentos das alças T. para que fosse possível a mensuração simultânea do momento gerado pela alça durante sua deformação. o indicador digital foi ajustado para 5V de excitação e sensibilidade de 0.01mm. foi necessária a adaptação de um transdutor de momentos devidamente calibrado (Figura 6) à máquina de ensaio Instron. possibilitando.Ind. 2002 .371-387. Portanto. Método Os experimentos deste trabalho foram realizados no Departamento de Engenharia de Materiais da USP – São Carlos. com fundo de escala de 2Kgf. Transdutor é um dispositivo que transforma grandezas mecânicas em impulsos elétricos. um relógio comparador Mitutoyo (Mitutoyo Corporation. Para a realização deste ensaio mecânico foram utilizados uma máquina universal de ensaio da marca comercial Instron. não seria possível mensurar simultaneamente a magnitude momento. FIGURA 6: Transdutor de momentos.7. um transdutor de momentos e um indicador digital para extensometria. Curitiba.

Momento (M).017” x . 3.0mm. As alças foram submetidas a uma ativação total de 5. 4. Adotou-se também. Foi realizada a média das cinco mensurações obtidas dos ensaios.5mm de deformação. Fio (.5mm. as médias para Força horizontal (Fh).5mm e 5. notados por letras latinas maiúsculas.021” x .025”.5mm de deformação da alça interrompia-se o ensaio e registrava-se a quantidade de força e de momento torsor. obteve-se. . proporção Momento/Força (M/F) e proporção Carga/Deflexão (C/D). geradas pela alça Bull modificada. sobre cada uma das variáveis dependentes Força horizontal (Fh). 30 graus e 40 graus) e Ativação (0. alça foi posicionada.5mm. • Planejamento estatístico O estudo dos efeitos que os fatores Alças (Bull e T).0mm). sendo estatisticamente iguais entre si.025”. Curitiba.021” x .025” e .017” x . em caso contrário. com base nos intervalos de confiança a 0. p. 3. quando as respectivas médias populacionais fossem consideradas estatisticamente iguais entre si ou quando dois ou mais intervalos não possuíssem pontos em comum e as respectivas médias populacionais fossem consideradas estatisticamente diferentes entre si. 2002 375 . Pré ativação (0 grau.025”. . . Todos realizados pelo mesmo operador. .7.017” x . J Bras Ortodon Ortop Facial. proporção Momento/Força (M/F) e proporção Carga/Deflexão (C/D).019” x . entre o dispositivo de fixação e o transdutor de momentos. . 4.5mm.025” e .95. O nível de significância considerado foi de 0.018” x . • Controle do erro Para cada subgrupo da alça T e da alça Bull FIGURA 8: Representação gráfica mostrando a alça T ativada e posicionada no espaço interbra-quete entre primeiro molar e canino superior. bem como das possíveis interações entre esses fatores. Momento (M). construída com fio de aço inoxidável .019” x . v.0mm. A máquina de ensaio foi ajustada para uma velocidade do travessão de 0. que propiciaram.025”.Estudo dos Sistemas de Forças Gerados pelas Alças Ortodônticas para Fechamento de Espaços FIGURA 7: Indicador digital para extensometria. A cada 0.025” e . A regra de decisão foi estabelecida quando duas ou mais médias pertencessem ao mesmo conjunto. 0. foram submetidas cinco alças aos ensaios mecânicos. 1.41. em um espaço de 23mm.0mm. 1. os testes específicos para conjuntos de médias iguais. construída com fio de aço inoxidável .018” x .025”). Conseqüentemente. auxiliado sempre pelo mesmo técnico do laboratório de ensaios destrutivos.025”. a realização a partir do modelo de análise de variância paramétrico a quatro critérios fixos.0mm. n. disposição esta que simula o espaço interbraquetes do primeiro molar ao canino (Figura 8). RESULTADO (mesma secção transversal e pré-ativação). também. 20 graus. As médias para Força horizontal (Fh).05 e a regra de decisão adotada para rejeitar ou não a hipótese de igualdade de comportamento entre as alças. serão apresentadas na Tabela 1 e nos Gráficos 1 a 4. 2.0mm.1cm/min e para uma velocidade do papel de 5cm/min.025”.0mm. 2. Momento (M). proporção Momento/Força (M/F) e proporção Carga/Deflexão (C/D) serão apresentadas na Tabela 2 e nos Gráficos 5 a 8. seria definida quando dois ou mais intervalos possuíssem pontos em comum. as proporções Momento/Força e Carga/Deflexão para cada 0. .371-387.018” x .5mm.025”.021” x . seriam estatisticamente diferentes entre si. simetricamente.025”.019” x . como testes adicionais para detectar onde ocorreriam as diferenças significantes entre os níveis de préativação ou de ativação em cada tipo de mola. Para a alça T.

025” —— Fh M M/F C/D 0 0 20 30 40 0.0 1210.0 1.0 2.0 849.0 1505.0 1484.025” —— Fh M M/F C/D —— .0 971.0 717.6 1.0 433.9 422.4 1634.0 1722.8 664 678 3.0 0.0 779.33 1401 1933 1.4 491.0 1022.0 664.5 423.0 0.0 1672.0 2.0 527.3 1.0 0 986 1113.1 1.67 950 1091 1.2 487. n.3 1.0 1. Curitiba.0 1370.0 298.3 1.2 1.0 485.4 1.0 0.3 464.0 654.8 1713.0 578.5 0 20 30 40 593.0 0.1 2.0 955.0 0.0 0.0 1.0 1463. Fh M M/F C/D —— . 2002 .1 2.0 1271.3 580.0 1866.0 955.0 806.0 1265.0 ————- 0.4 1.0 0.0 687.0 428.4 1228 1467 1660 1695 1716. Pré-ativ.7 1.0 1557.0 654.0 864.2 1.3 827.2 1.0 1.0 808.0 858.2 1398.2 316.0 648.0 40 256.0 375.0 1036.0 0.0 0.0 0.4 1226.8 196.6 2.3 419.0 2284.5 565.0 1.2 1.0 1.0 1304.0 871.2 423.4 1.2 2.8 1140.4 1.3 1.5 1.2 1098.6 1346.0 531.0 828.0 432.0 0.3 1.0 549.0 0.0 0.0 1130.0 797.0 198. p.9 1.0 0.3 718.0 856.0 849.0 1202.0 0.4 2176.0 712.6 370.6 870.0 855.0 990.4 467 376 J Bras Ortodon Ortop Facial.0 938.0 0.2 357.0 979.8 778.0 1136.0 242.019” x .4 1024.0 797.0 ————- 0.0 836.0 0. 5 1.7 3.0 ————- 0.2 374.0 1.0 0.3 1.0 40 489.2 1146.0 324.5 521.0 799.0 1398.0 570.7 561.0 1156.5 2.3 1.0 695.0 0.0 0.8 395.0 866.0 812.4 1.0 1236.0 808.0 0.41.371-387.0 2.0 550.1 335.2 1.8 1.0 1019.0 403.0 0.0 596.0 778.6 585.0 426.4 1664.0 0.2 1.1 1.6 551.4 1.0 0.0 469.0 2.4 345.0 ————- 0.8 1663.1 1.0 1554.3 1.0 689.017” x .0 1345.6 1.025” —— Fh M M/F C/D —— .0 0.0 1077.0 1193.0 2.0 1047.6 422 435.0 2.1 1.5 0 20 30 232.0 1043.0 1.3 419.0 1002.0 1134.0 694.0 1.0 946.0 1.0 608.0 0.2 1.0 1098.0 1160.0 1153.0 1647.6 466 502.0 1036.0 605.5 1042.5 0 20 30 40 868 993 1058 1202 983 1304. Momento (M).0 473.1 1.3 541.0 495.1 1.0 622.0 1.2 1364.0 596.018” x .0 1.3 636.0 2.2 564.0 0.2 480.8 1701.0 0.0 1747. proporção Momento/Força (M/F) e proporção Carga/ Deflexão (C/D) geradas pela alça Bull modificada segundo interação ativação x pré-ativação e secção transversal do fio —— .0 668.0 1388.0 646.0 913.0 1172.0 1150.5 733.0 978.0 774.4 392.5 1.3 1.2 387.2 1.0 0.0 888.67 1036 1480 1.0 1 0 20 30 1146.0 1.0 1.6 1259.0 1.0 1074.2 1.2 1.0 1023.2 1.0 1461.0 1.0 789.0 567.Estudo dos Sistemas de Forças Gerados pelas Alças Ortodônticas para Fechamento de Espaços TABELA 1: Médias para Força horizontal (Fh).4 1778.3 552.0 1632.021” x .0 1197. v.3 2.1 356.5 347.0 447.0 646.0 1756.0 518.0 1.0 0.0 1.0 1128.8 839 1055 1088 1219 936 1348 1407 1285.3 471.0 1509.0 1255.7.0 646.0 684.6 894 1165 1257 1316 1290 1300 1435 1514 1.5 585.0 797.0 2 0 20 30 40 740.0 1192.0 1036.0 2040.0 1287.0 814.0 872.4 1.2 1.1 384.0 598.8 526.0 814.8 2060.0 778.0 1.0 1100.8 1286.0 1287.0 0.1 328.0 622.2 1.0 431.4 405.0 862.2 586.0 1293.0 1.5 423.2 1.2 397.0 1540.0 527.4 1.7 652.4 1.0 857.6 1165.8 384.0 369.0 723.0 0.0 707.0 211.025” —— Ativ.8 2368 1.8 1598.2 1.0 1466.0 684.

4 1069.0 ————2.9 199.0 168.0 2114.7 317.2 314.8 2248.5 2.41.0 739.0 330.0 897.0 206.0 1.1 164.7 2.0 0.6 734.0 1362.0 222.3 5.0 89.2 2107.8 1553.2 186.0 317.0 1990.6 1303.7 189.0 779.2 874.2 1605.0 162.5 2.0 168.4 1868.0 2.7 2.6 3.0 1338.8 1275.0 984.371-387.0 977.3 2.6 2.2 946.9 3.0 153.0 346.4 2.0 200.0 81. —— .0 160.0 307.0 1840.0 984.0 1364.6 740.5 307.5 159.0 754.0 1306.0 602. p.9 2.0 0.5 209.1 2.0 518.4 3.4 303.4 10.6 5.Estudo dos Sistemas de Forças Gerados pelas Alças Ortodônticas para Fechamento de Espaços TABELA 2: Médias para a Força horizontal (Fh).0 912.7 223.0 0.0 2486.0 0.8 2175.8 7.0 796.4 8.0 1805.0 709.0 768.6 2.0 804.2 682.5 201.4 206.7 3.0 322.9 1.021” x .7 4.0 1885.1 4.0 1796.8 1117.0 1106.0 95.0 510.4 2504.2 1.0 1398.5 14.0 2.2 963.4 1275.0 660.0 348.3 202.0 1231.0 202.8 2.0 495.0 782.6 2061.0 1617.7 211.0 2.0 302.0 421.0 1836.0 77.0 308.0 0.0 407.0 725.9 2.0 1090.0 1608.0 3262.3 2.7 5.0 150.8 167.0 1247.0 915.1 2.0 109.0 267.0 111.0 247.1 6.7 159.0 468.0 1.0 424.5 2.0 398.8 1079.0 2308.6 2145.0 859.0 3140. proporção Momento/Força (M/F) e proporção Carga/ Deflexão (C/D) geradas pela alça T.0 198.8 2.3 167.0 3418.0 ————1.0 225.0 339.0 0.0 107.7 218.4 171.0 645.0 178.7 2.0 2490.0 1822.4 285.0 826.0 0.6 1600.2 2051.9 4.7 218.5 3.0 0.0 456.5 200.0 933.0 689.0 810.0 439.8 214.8 303.0 327.8 2.0 2444.4 2.0 308.0 550.2 328.0 665.0 186.8 0.5 203.0 2648.6 3. Fh M M/F C/D —— .4 2039.0 173.0 628.0 1991.6 2.2 2618.0 2301.0 591.0 199.0 894.0 0.5 0 20 30 40 3 0 20 30 40 3.0 297.7 1.0 1850.0 1454.0 423.0 121.0 1196.5 222.0 330.0 350.0 3350.3 4.0 178.0 3013.6 216.4 162.8 4.8 323.3 228.3 2.0 233.0 197.0 3246.0 1085.8 186.0 199.5 4.0 340.0 661.0 120.0 523.0 2188.0 240.0 1365.0 479.2 300.0 768.0 522.0 434.0 178.0 947.0 6.7 174.0 206.0 304.0 631.4 2.1 2.0 1808.5 161.2 1705.0 242.5 2.6 1787.6 1846.9 4.0 670.2 2041.0 735.0 2.0 508.1 5.0 335.0 695.4 3.0 1156.0 218.0 168.0 218.0 0.0 654.0 2056.0 305.0 3045.0 190.0 2840.2 16.0 1716.0 1231.3 2.0 0.0 203.0 587.4 198. Momento (M).1 2.0 0.1 302.0 1483.0 0.8 307.4 2125.0 702.0 7.4 541.0 589.1 9.0 307.6 1450.0 2357.1 10.0 1585.0 596.0 268.6 174.019” x .2 155.6 245.0 845.0 412.9 5.2 1355.0 2540.3 2.0 694.4 3.0 2.0 1279.4 4.0 0.0 168.0 611.0 213.0 1030.1 2.0 734.0 757.0 1418.4 316.0 0.0 343.5 219.7 2.0 2877.8 202.0 318.2 ————2.0 2207.0 211.8 2.0 2258.4 1453.025” —— Fh M M/F C/D —— .4 2296.0 855.0 587.0 343.6 980.0 1743.0 328.9 198.025” —— Fh M M/F C/D —— .4 1748.9 2.0 854.0 169.8 12.1 1.0 1718.0 3.0 178.6 1495.0 240.0 971.0 172.7 314.7 311.0 513.5 4.5 1.2 8.4 1228.0 234.0 785.9 2.0 2094.0 222.0 942.0 1112.8 206.2 1735.6 156.6 3.0 178.0 340.3 157.6 1509.0 818.8 3.0 1634.0 1482.0 294.0 1588.025” —— Ativ.8 9.0 308.3 0.0 203.0 927.0 169.6 159.4 947.0 243.2 0.0 1509.2 1692.8 13.0 2274.6 510.0 1177.4 296.3 6.0 904.8 203.7.7 168.1 2.0 968.0 311.0 2425.0 0.0 186.0 1426.7 4.2 1.7 2.7 2.0 0.0 2729.1 190.4 1601.0 598.0 556.0 3172.2 3.5 2.0 214.0 206.6 0.3 3.0 0.0 307.0 2537.0 2416.0 1086.7 2.4 2.0 225.0 1841.7 198.0 1810.0 1348.0 0.3 3.7 195. Pré-ativ.2 1086.0 506.0 2670.5 237.0 151.5 0.0 213.7 210.0 0.9 6.0 815.0 1472.0 2198.0 212.0 344.4 195.4 3.8 223.0 3.6 2257.5 3.0 169.7 2.0 3.1 2.0 509.6 169.0 210.0 192.0 312.5 3.5 3.0 670.6 3.0 491.0 2135.5 3.0 4.0 830.0 360.0 690.1 2.5 2.6 3.0 309.0 2405.7 207.0 423.2 642.1 2.4 1924.0 199.6 220.7 238.4 218.0 0.6 1674.6 170.5 0 20 30 40 2 0 20 30 40 2.2 2.2 2.2 218.0 0.0 1062.0 3322.0 0.4 1754.2 203.8 3.4 2127.0 198.0 1137.0 746.1 2.5 2.0 6.0 1188.0 701.0 2073.5 0 20 30 40 4 0 20 30 40 4.5 0 20 30 40 5 0 20 30 J Bras Ortodon Ortop Facial.0 555.5 192.0 814.0 1068.0 166.3 165.6 2.8 1541.0 1454.0 3.0 822.1 2.3 162.2 2130.8 254.0 218.0 1350.0 1978.0 654.9 3.0 233.4 2.0 0.0 300.0 771.1 2.0 175.8 3.0 2.8 1146.0 979.0 200.0 240.0 206.8 2.1 2.3 2.4 1185. 2002 377 .0 1471.4 1618.0 103.025” —— Fh M M/F C/D 0 0 20 30 40 0.0 335.0 100.0 358.5 3.0 862.0 1700.3 3.8 296.0 310.0 886.0 254.4 1.0 891.0 1789.6 6.0 2.0 206.0 335.0 567.2 1949.018” x . segundo a interação ativação x pré-ativação e secção tansversal do fio utilizado.8 4.7 2.1 2.8 460.8 194.4 1419.1 4.3 196.0 462.7 172.0 618.0 0.1 3.0 180.4 1382.1 2.7 2.0 2738.6 2835.0 931. n.8 5.9 198.0 399.7 158.0 495. v.0 160.2 194.0 2260.4 2.0 1186.6 0.0 547.8 2.8 167.3 209.7 215.3 227.2 3.4 1904.9 2.6 3.4 4.0 436.6 2.017” x .0 0.0 475.8 218. Curitiba.5 0 20 30 40 1 0 20 30 40 1.6 5.0 988.0 0.0 230.0 96.4 2.2 ————1.0 154.5 314.0 642.0 0.0 0.6 0.0 2.0 2228.0 1973.0 851.0 335.5 2.7 290.0 445.0 2342.4 1271.0 1433.0 212.0 231.

017”x.018”x. .371-387. 20. .025”. segundo a interação ativação x pré-ativação.025”.017”x.019”x. Curitiba. 20. 30 e 40 graus.021”x.019”x.018”x.021”x. quando pré-ativadas 0.025”. GRÁFICO 2: Médias dos Momentos gerados pelas alças Bull construídas com fios de aço inoxidável .018”x. . 30 e 40 graus.021”x.Estudo dos Sistemas de Forças Gerados pelas Alças Ortodônticas para Fechamento de Espaços GRÁFICO 1: Médias das Forças horizontais geradas pelas alças Bull construídas com fios de aço inoxidável . p.017”x.41.025”.025”.025” e .025”. v. .025”. quando pré-ativadas 0. n. . quando pré-ativadas 0.025” e .025”. .025” e . GRÁFICO 3: Médias das proporções Momento/Força geradas pelas alças Bull construídas com fios de aço inox .025”. 20. segundo a interação ativação x pré-ativação.019”x. segundo a interação ativação x pré-ativação.7. 378 J Bras Ortodon Ortop Facial. 30 e 40 graus. 2002 .

.025”. 30 e 40 graus.025”.025” e .021”x. quando pré-ativadas 0. p. v. .018”x. GRÁFICO 6: Médias dos Momentos gerados pelas alças T com fios de aço inoxidável .019”x. J Bras Ortodon Ortop Facial. 30 e 40 graus.019”x.025”. .Estudo dos Sistemas de Forças Gerados pelas Alças Ortodônticas para Fechamento de Espaços GRÁFICO 4: Médias das proporções Carga/Deflexão geradas pelas alças Bull construidas com fios de aço inox .018”x.025” e .025” e . 20.017”x. segundo a interação ativação x préativação.41.021”x. .018”x.025”. quando pré-ativadas de 0.017”x. n.017”x. quando pré-ativadas 0. 2002 379 .7.025”. .371-387.025”. 20. .021”x.025”. Curitiba.025”.025”. segundo a interação ativação x pré-ativação. segundo a interação ativação x pré-ativação.019”x. GRÁFICO 5: Médias das Forças horizontais geradas pelas alças T com fios de aço inoxidável . 20. 30 e 40 graus.

Nos mecanismos sem fricção. GJESSING. FAULKNER et al. STAGGERS & GERMANE.025”. tipos de ligas. 1982).025”.025” e . 1977. 1962. 1992).019”x. e controle das forças verticais e rotacionais. 380 J Bras Ortodon Ortop Facial.017”x. p.7. Curitiba. conservando-se a integridade dos tecidos radiculares e circunjacentes. TAYER. seccionados ou não. 1992. v. Por outro lado. .. são utilizadas alças incorporadas a arcos.025”.41. 1967. 1981. GRÁFICO 8: Médias das proporções Carga/Deflexão geradas pelas alças T contruídas com fios de aço inoxidável .. Os mecanismos de retração são divididos em duas categorias. 1976. BURSTONE & KOENIG. 1991.021”x. 20.019”x. 1985. HIXON et al. sec- ções transversais e pré-ativações (BULL. DISCUSSÃO A escolha do mecanismo para o fechamento de espaços requer um profundo conhecimento das características apresentadas pelos dispositivos utilizados para obtenção de todos os objetivos desta fase do tratamento a serem alcançados: máxima movimentação dentária associada ao controle total da ancoragem. 30 e 40 graus. n.018”x.021”x. 30 e 40 graus.018”x. BURSTONE. NANDA & KUHLBERG.371-387. SHIMIZU. 1982. FAULKNER et al. 1974. 1966. com diferentes configurações. 2002 . . 1951. 1976.025”. quando pré-ativadas de 0.Estudo dos Sistemas de Forças Gerados pelas Alças Ortodônticas para Fechamento de Espaços GRÁFICO 7: Médias das proporções Momento/Força geradas pelas alças T com fios de aço inoxidável . BURSTONE. 1997). 1969. 20. GJESSING. RICKETTS. 1988. . BURSTONE.017”x. pois isto corresponde ao princípio da dobra em “V” simétrico (BURSTONE & KOENIG. 1989. . segundo a interação ativação x pré-ativação. WEINSTEIN. A alteração no posicionamento das préativações no sentido ântero-posterior poderá introduzir forças verticais nos sistemas de forças destas alças (BURSTONE. controle das inclinações dentárias. 1991..025” e . TOTTI & SATO.025”. segundo a interação ativação x pré-ativação. a centralização da alça pré-ativada proporcionará momentos iguais e opostos e magnitudes de forças verticais insignificantes.025”. CHACONAS. 1995). quando pré-ativadas de 0. os que têm e os que não têm fricção (FARRANT & ORTH.

com a coroa se deslocando em direção oposta à da força aplicada. 1981).7. 1982. dentre eles STOREY & SMITH (1952). 1992). Quanto mais próxima de zero. conseqüentemente. Curitiba. (1961). 1966). qual o sistema de forças gerado para a mesma. n. No entanto. o centro de rotação se deslocará apicalmente para o infinito e provocará o movimento de translação. seriam necessárias proporções de 9. GJESSING. v.. a aplicação de uma força simples no braquete produzirá um movimento de inclinação descontrolada. tem sido estudada por outros autores. Já TANNE et al.1976. A literatura não apresenta os sistemas de forças completos para as alças Bull e T. translação e movimento radicular fossem de 6.41. BEGG. respectivamente. 1966. o movimento radicular será de grande amplitude. dentre eles BURSTONE & KOENIG (1976). a maneira pela qual o dente se movimentará (BURSTONE & KOENIG. TAYER (1981) e MARCOTTE (1990). pois esta característica proporcionará um sistema de forças específico. provocando uma inclinação da coroa na mesma direção da Força aplicada ao braquete e uma inclinação da raiz em direção oposta. Segundo BURSTONE & PRYPUTNIEWICS (1980). pois é ela que determina o centro de rotação e. quando construída com fio de aço inoxidável. desta forma. as magnitudes das forças e dos momentos das proporções M/F e C/D. 1966.52. 2002 381 . PROFFIT & FIELDS (1995) afirmaram que dificilmente se conseguiria. BURSTONE. 1985. MELSEN et al. SMITH & BURSTONE. BURSTONE & KOENIG.371-387. Para o movimento de translação e movimento radicular. Para BURSTONE et al. Aumentando ainda mais esta proporção M/F. Aumentando a quantidade de Momento e. ou seja. BURSTONE (1982) e GJESSING (1985). produzindo o movimento radicular.Estudo dos Sistemas de Forças Gerados pelas Alças Ortodônticas para Fechamento de Espaços O desempenho mecânico gerado pelas alças durante o fechamento dos espaços remanescentes das exodontias está diretamente relacionado com a sua configuração. REITAN (1957) BURSTONE (1962). FAULKNER et al. respectivamente. um dispositivo que liberasse uma força contínua independente da quantidade de J Bras Ortodon Ortop Facial. Associando-se uma determinada quantidade de Momento à magnitude de força. o centro de rotação se deslocará para incisal. E persistindo o aumento desta proporção. BURSTONE. a construção e a utilização das alças de retração exigirão conhecimentos dos princípios da física.. mais leves e constantes serão as forças liberadas por tais dispositivos (BURSTONE.53. quando a coroa se inclinará na mesma direção da Força e o ápice permanecerá no mesmo lugar. na prática ortodôntica. A proporção C/D é a quantidade de força necessária para produzir uma determinada ativação em um dispositivo ortodôntico. 1944. NANDA & DIAZ. quando submetidas às diferentes intensidades de pré-ativações e ativações. Outros autores recomendaram que fossem utilizadas forças leves e. A eficácia do movimento dentário está diretamente relacionada à quantidade de força utilizada.30 e 9. alças com baixa proporção C/D liberariam forças mais constantes durante a sua desativação. determinando. GJESSING. bem como às diferentes secções transversais. o centro de rotação se deslocará para o ápice radicular e ocorrerá o movimento de inclinação controlada. BURSTONE (1982) analisou o sistema de forças gerado pela alça T quando construída com fio beta-titânio. já que existiria uma menor variação da força para cada milímetro de ativação. p. não se verificou. Em contrapartida. a proporção M/F. A proporção Momento/Força é uma importante característica do dispositivo de fechamento de espaços. o centro de rotação. Consiste na relação entre as quantidades de momento e de força aplicada ao dente. Assim. (1988) recomendaram que as proporções M/F para inclinação controlada.1/1. 1956. 1989. pela literatura pertinente. embora o seu uso tenha sido recomendado por autores como BURSTONE & KOENIG (1976). seria necessária uma alça com características tais que produzisse uma proporção M/F de 7. especialmente daqueles que dizem respeito às proporções Momento/Força e Carga/Deflexão (BURSTONE.4/1. Assim.9/1 e 11. fazendo com que o centro de rotação fique em uma posição ligeiramente apical em relação ao centro de resistência. 1966). 1990). considerando o centro de resistência. Devido à sua relevância na Ortodontia. 1984. 8. contínuas (OPPENHEIN. quando possível. muitos pesquisadores recomendaram a utilização de forças leves. portanto. de 10/1 para a translação e para o movimento radicular de 12/1. e QUINN & YOSHIKAWA (1985). o que tem incentivado muitos pesquisadores a estudar variações nas configurações das alças (BURSTONE. 1976. Portanto. para ocorrer um movimento de inclinação controlada. SMITH & BURSTONE (1984) preconizaram uma proporção M/F de 8/1 para o movimento de inclinação controlada.

527g. muito embora não sejam ideais. 1985. SHIMIZU (1995). Porém. QUINN & YOSHIKAWA (1985). sendo melhor recomendadas. mesmo que se utilizasse a melhor configuração da alça. Entretanto. Relacionaram. Nova reabsorção solapante deverá ocorrer e assim sucessivamente. PAULSON et al. ainda. 1957. o que estaria perfeitamente embasado pela literatura ortodôntica (SANDSTEDT.Estudo dos Sistemas de Forças Gerados pelas Alças Ortodônticas para Fechamento de Espaços movimento dentário resultante da aplicação daquela força. conforme afirmaram OPPENHEIN (1944). para os inferiores. v.025”. e havendo a possibilidade da utilização de dispositivos ortodônticos que gerem somente a magnitude necessária. As alças T com ativações de 1. pode-se considerar que para uma ativação de 1. 1970. SHIMIZU. provocando uma alteração rápida de posição. se a força for suficientemente pesada para produzir reabsorção solapante. Assim. Estas magnitudes de força seriam ideais para a retração do canino superior. uma vez que seriam necessárias magnitudes de forças variando de 150g a 200g (STOREY & SMITH. concluiu que a magnitude de força aproximada para as retrações dos caninos superiores seria de 150g. RICKETTS. BEGG. Curitiba. classificaram-na em contínua. e às proporções Carga/Deflexão (C/D). uma força considerada pesada e contínua poderá ser muito destrutiva. finalmente. Portanto. 30o e 40o. 1956. QUINN & YOSHIKAWA. NANDA & KUHLBERG. este movimento é indesejado. intermitente e interrompida. se a força inicial for relativamente suave. REITAN. possibilitando um período de regeneração e reparo do ligamento periodontal antes que a força seja aplicada novamente. deverá pressionar novamente os tecidos. n. 1973. 1969). quando ativadas 1. p. respectivamente. deve-se considerar que. Assim. geradas pelas alças Bull e T construídas com fio de aço inoxidável .. os mecanismos de fechamento de espaços em Ortodontia. 1932. na correção de determinadas más-oclusões. Assim. o movimento dentário decorrente seria lento até que a reabsorção solapante ocorresse. estas magnitudes de força (geradas pelas alças Bull) ultrapassam aquelas preconizadas para a retração dos caninos ou dos incisivos (120g a 300g). Ao se utilizar forças que diminuem rapidamente para zero após uma pequena movimentação dentária. conferindo magnitudes de força mais constantes para este último tipo de alça. Por ser contínua. ao correlacionarem a duração da força com o seu ritmo de desativação. as forças pesadas e contínuas devem ser evitadas. este se movimentaria por reabsorção óssea direta. 240g e. Assim. demonstradas nas Tabelas 1 e 2 e ilustradas nos Gráficos 1 e 5. demonstradas nas Tabelas 1 e 2 e ilustradas nos Gráficos 4 e 8. se uma força leve e contínua fosse aplicada a um dente. 1997) a estudar metodologias alternativas para minimizar este efeito.5mm e mesmas 382 J Bras Ortodon Ortop Facial. estarão sendo realizados tratamentos de maneira mais racional. não permitindo a reparação do ligamento periodontal. REITAN. se a força fosse pesada e contínua. 646g e 778g com pré-ativações de 0o.0mm. As alças Bull geraram uma proporção C/D de 419g/mm a 778g/mm. enquanto as alças T proporcionaram de 186g/mm a 178g/mm. para os incisivos superiores. 1995). o dente se deslocará para o espaço após a reabsorção óssea direta e permanecerá nesta posição até que o aparelho seja reativado.371-387. 20o. Para os autores. 1960. se não houver necessidade da utilização de grandes magnitudes de força. e as pesadas e intermitentes. são clinicamente aceitáveis. as alças T construídas com esta secção transversal de fio ortodôntico geraram magnitudes de força que variaram de 168g a 186g quando pré-ativadas de 0o a 40o.0mm. a magnitude da força e a velocidade de seu declínio à medida que o dente se movimentava. o dente se movimentará quando o processo se completar e permanecerá nesta posição até a próxima ativação. tanto para as estruturas periodontais como para o próprio dente. a partir de trabalhos consultados. geraram 419g.41. motivando alguns autores (STEINER. Portanto. 1976. Portanto. especificamente no que se refere às magnitudes de forças necessárias para movimentação dos dentes ou grupos de dentes. de 120g. a magnitude da força diminuía após o dente ter apresentado alguma movimentação. 1952. Já as alças Bull. com relação às magnitudes da Força horizontal (Fh). entre outros. para retração em massa dos incisivos e caninos inferiores (480g) e também para retração em massa dos incisivos e caninos superiores (600g). 2002 .7.017” x . conforme a intensidade de pré-ativação. FREEMAN. 1992). 600g para a retração em massa dos incisivos e caninos superiores e 480g para a retração em massa dos incisivos e caninos inferiores. de 300g e para os incisivos inferiores. ao estudar. A utilização de forças pesadas gera um sistema de forças que retardaria a movimentação dos dentes anteriores e favoreceria a protração dos dentes posteriores (MENDES et al. Exemplificaram também que.

7). porém com uma proporção C/D para a alça T significantemente menor (aproximadamente 172g/mm). Este fato se deve fundamentalmente ao local da inserção das mesmas. ambas as alças proporcionaram magnitudes de momento estatisticamente iguais. mm) do que as magnitudes proporcionadas pelas alças T (1086.mm para a alça Bull e 254g. quando ativada 0. 2002 383 . além de se apresentarem passíveis de deformações permanentes. bem como retração em massa dos incisivos e caninos inferiores. valores estes semelhantes àqueles liberados pelas alças Bull quando ativadas 1. a alça T proporciona movimento de inclinação descontrolada e. quando ativadas 0.5mm e pré-ativadas 0o e 20o. e às proporções Momento/Força (M/F).mm para a alça T. Por um outro lado.mm e 854g. Ativações de 2.8). uma vez que sua proporção J Bras Ortodon Ortop Facial.0mm.Estudo dos Sistemas de Forças Gerados pelas Alças Ortodônticas para Fechamento de Espaços intensidades de pré-ativações geraram magnitudes de força variando de 243g a 268g. Portanto. uma vez que. pois as pernas da alça são afastadas quando pré-ativadas (Figura 4) e.0.mm e 870.6g. variando de 479g a 670g.017” x .371-387. aumenta-se a quantidade de pré-ativação sem. para manter o sistema de forças apropriado. a inserção de pré-ativações nas alças Bull aumentou as magnitudes de Forças horizontais. necessitando de maior quantidade de momento. As alças Bull com ativações superiores a 2.2g.mm e 1419. também. quando não pré-ativada. ilustradas nas Tabelas 1 e 2 e nos Gráficos 3 e 7. aumentar significantemente a magnitude da força. n. Portanto. ou seja.0mm ou 2.025” para retração em massa dos incisivos e caninos superiores.5mm. demonstradas nas Tabelas 1 e 2 e nos Gráficos 2 e 6. as alças Bull proporcionaram magnitudes de momento estatisticamente maiores (1398. esta deveria ser ativada de 3. 10.1). Uma consideração de extrema importância deve ser feita quanto às pré-ativações. isoladamente. esta alça poderá ser utilizada com esta intensidade de ativação desde que não inseridas grandes magnitudes de pré-ativações. não há a compressão das mesmas. poderá gerar forças verticais excessivas e indesejáveis quando descentralizadas (BURSTONE & KOENIG. conseqüentemente gerando um acúmulo de Força horizontal mesmo antes de sua ativação. acúmulo de forças.017” x .4g.mm e 1554g. as proporções M/F para as alças Bull foram estatisticamente menores para todas as intensidades de préativações. de uma maneira geral.7. que foram respectivamente 2. Esta é uma característica única desta alça.41. portanto.4. Já as alças Bull.0mm geraram magnitudes de força exageradas. portanto.0mm. 1997). pois geraria magnitudes de força adequadas. KUHLBERG & BURSTONE.6g. p. dos incisivos superiores ou inferiores e. enquanto a alça Bull proporciona somente movimento de inclinação descontrolada.2 e 16. Como se pode verificar. 256. quando comparadas com as magnitudes necessárias para ativação das alças T. não ocorrendo. do que as proporcionadas pelas alças T. Em relação às magnitudes dos Momentos (M).0mm a 4. devido às magnitudes maiores de força necessárias para ativação das alças Bull. compatíveis com as magnitudes necessárias para retração dos incisivos superiores ou inferiores. v. pode-se verificar que.0mm da alça T geraram magnitudes de força variando de 318g a 350g. provoca ainda movimento de translação com 20o de pré-ativação e movimento radicular com préativações de 30o e 40o. as pré-ativações na alça Bull são realizadas em sua base (Figura 2) e. 14. geradas pelas alças Bull e T construídas com fio de aço inoxidável . magnitudes apropriadas para retração de incisivos superiores.0mm. Para pré-ativações de 30o e 40o. ao inserir-se suas extremidades nos slots dos braquetes. Se utilizada a alça T construída com o fio . 1988.025”. Curitiba. com a mesma quantidade de ativação. Estes aumentos nas intensidades das pré-ativações podem ser realizados desde que as alças estejam centralizadas no espaço interbraquetes. 30o (3.5mm.mm). No entanto. para retração em massa dos caninos e incisivos inferiores. no momento da inserção de suas extremidades alfa e beta nos slots dos braquetes. Magnitudes de força de 399g a 436g foram geradas quando as alças T foram ativadas 2. a inserção de pré-ativações nas alças T não influenciou de maneira significativa nas magnitudes de força geradas. Estas magnitudes de força ultrapassam os valores preconizados para retração dos caninos superiores ou inferiores. a alça deva ser reativada após uma movimentação dentária de 1. tendo em vista tratar-se de um fio de alta rigidez e que. 20o (2. há a compressão de suas pernas. uma diminuição menor da magnitude de força para cada milímetro de desativação. Provavelmente. 0o (1. no entanto.5.4g. Considerando que a maior magnitude de força necessária durante a fase de fechamento de espaços (retração em massa de caninos e incisivos superiores) é de aproximadamente 600g.3) e 40o (2. liberaram magnitudes que variaram de 593g a 955g.

ativando-se. BURSTONE.5mm de ativação e pré-ativações de 0o a 40o foram de 1. Portanto. segundo TANNE et al. geradas pelas alças Bull e T construídas com fio de aço inoxidável . 1984 ).5mm geraram magnitudes de força excessivas. as diferentes intensidades de pré-ativações proporcionaram aumentos estatisticamente significativos nas proporções M/F para as alças Bull. portanto estas alças podem ser ativadas e utilizadas para retração em massa dos incisivos e caninos superiores desde que não pré-ativadas. quando ativadas até 2.4 a 6.. pode-se verificar que: Quando ativadas 0. portanto.7. para a alça Bull gerar uma força abaixo de 200g (compatível com a retração de caninos). uma vez que normalmente há a necessidade de se inserir pré-ativações para o controle vertical e de inclinação axial durante a retração (BURSTONE & KOENIG.mm. 1982. Por outro lado. que são favoráveis para a retração em massa dos incisivos e caninos inferiores.5mm. a alça Bull. v.025”. MENDES et al. (1988). TANNE et al. n. No entanto.7. as magnitudes de força aumentaram consideravelmente (622g.5mm gerou forças de 297g a 346g. respectivamente. estas proporções M/F seriam capazes de produzir somente o movimento por inclinação descontrolada (BURSTONE & PRYPUTNIEWICS. não apropriadas para o fechamento de espaços. no máximo. p. Em relação às magnitudes dos Momentos (M).Estudo dos Sistemas de Forças Gerados pelas Alças Ortodônticas para Fechamento de Espaços M/F não ultrapassa 3. quando comparadas àquelas construídas com o 384 J Bras Ortodon Ortop Facial. De uma maneira geral. geraram magnitudes de força de 398g a 456g. e às proporções Momento/Força (M/F).025” (Tabelas 1 e 2). foram respectivamente de 2. a alça Bull gerou 384g quando não pré-ativada (0o). Os resultados deste trabalho apontam um baixo desempenho. 1976.018” x .025”. quando ativadas até 2. ilustradas nas Tabelas 1 e 2 e nos Gráficos 3 e 7. Com 2. 1992.371-387. foram estatisticamente menores do que as geradas pela alça T para quaisquer intensidades de ativações e pré-ativações. proporcionam inclusive movimento por inclinação controlada. não se pode ativa-la além de 0. de momentos e proporções M/F e C/D para as alças T construídas com o fio de aço inoxidável .160g. geradas pelas alças Bull e T construídas com fio de aço inoxidável .. quando construída com um fio de aço inoxidável e apresentando esta secção transversal. SMITH & BURSTONE. nestas condições. as alças T geraram magnitudes de força variando de 198g a 233g para uma ativação de 1. Ativações acima de 1.41. as quais. conforme pode ser verificado na Tabela 1.4 e de 1.5mm e pré-ativadas de 0o a 40o.5mm. demonstradas nas Tabelas 1 e 2 e ilustradas nos Gráficos 1 e 5.0mm de ativação.3g/mm (BURSTONE & KOENIG.0mm. As maiores proporções M/F.1984. especialmente no que se refere às magnitudes de força horizontal. Curitiba. 1980. 654g e 808g). 1980. As proporções M/F geradas pelas alças Bull e T para 0. GJESSING. Quando ativadas 1. 1995).5mm. geradas pelas referidas alças.0mm. esta alça estaria indicada para a retração em massa dos caninos e incisivos superiores ou inferiores. são favoráveis para retração em massa de incisivos e caninos superiores ou inferiores.0 a 2. Portanto.018” x .0mm. para a retração em massa dos incisivos e caninos superiores quando pré-ativada. As proporções M/F. as alças Bull liberaram magnitudes de força variando de 561g a 1002g. 2002 .017” x. BURSTONE & PRYPUTNIEWICS. geraram magnitudes de força que variaram de 495g a 654g. Para ativações de 2. No que se refere às magnitudes de Força geradas. Para outros autores. e às proporções Carga/Deflexão (C/D).025” e ativadas até aproximadamente 2. por sua vez. SHIMIZU. e para as alças T. com 1mm de ativação.7. verifica-se que. poderá ser utilizada para retração dos incisivos superiores desde que não pré-ativada e. demonstradas nas Tabelas 1 e 2 e ilustradas nos Gráficos 4 e 8. Assim. Ativações superiores a 3.5 e 3. apresentaram magnitudes de Força ligeiramente maiores que aquelas construídas com fio de aço inoxidável . Já uma ativação de 1. SMITH & BURSTONE. 30o e 40o.0mm geraram magnitudes de força muito elevadas e.4 e 6. Com relação às magnitudes da força horizontal (Fh). 1. com pré-ativações de 20o. geradas pela alça Bull. demonstradas nas Tabelas 1 e 2 e nos Gráficos 2 e 6. pode-se considerar que as alças Bull e T. as alças Bull proporcionam somente movimento por inclinação descontrolada e as alças T. Desta forma. 1976. 1988). também.018” x .0mm ou 0.0mm.5mm nem inserir quaisquer intensidades de pré-ativação. magnitudes favoráveis para retração dos caninos e dos incisivos inferiores. magnitudes propícias para retração dos incisivos superiores. as alças Bull e T proporcionaram magnitudes de Momentos estatisticamente iguais e que variaram de zero a 1. 1985.

geraram magnitudes de força estatisticamente iguais e de aproximadamente 217g. . demonstradas nas Tabelas 1 e 2 e ilustradas nos Gráficos 1 e 5.146g quando inseridas pré-ativações de 0o.371-387. 1985).mm. as alças Bull e T podem ser utilizadas mesmo que excedam os valores de força ideais para retração de cada dente ou grupo de dentes.0mm e préativadas 40o.036g e 1. 1. e às proporções Carga/Deflexão (C/D). demonstradas nas Tabelas 1 e 2 e ilustradas nos Gráficos 4 e 8. no entanto.021” x . será fechado 0. utilizando-se a alça Bull.6 (movimento de translação) e uma proporção C/D de 240g/mm (mantendo uma força mais constante do que a gerada pela alça Bull). uma proporção M/F de 10. geradas pelas alças Bull e T construídas com fio de aço inoxidável . demonstradas nas Tabelas 1 e 2 e ilustradas nos Gráficos 4 e 8. pré-ativações de 20o. para as alças Bull construídas com fios . 1987.5mm e sem pré-ativação. respectivamente.0215” x . devendo.7. estas alças. para 1. 20o. quando ativadas 1. Com relação às magnitudes da Força horizontal (Fh).025”.019” x .0mm. Por sua vez. geradas pelas alças Bull e T construídas com fio de aço inoxidável .. mm.017” x .021” x . 30o e 40o. TWEED. Quando não pré-ativadas. Entretanto. Curiosamente. ALBUQUERQUE.192g/mm. uma vez que a proporção C/D. a alça Bull apresentou uma magnitude de Força horizontal de 596g.5mm de desativação. proporção M/F de 1. geraram uma Força horizontal de 240g.Estudo dos Sistemas de Forças Gerados pelas Alças Ortodônticas para Fechamento de Espaços fio de aço inoxidável . para a alça T. 2002 385 . visto que ativações superiores gerariam forças excessivas e poderiam deformá-las permanentemente (BULL. Após 0. 1992).0mm quando se utiliza a alça T. um Momento de 1. de 422g/mm. aproximadamente 800g de força. 1969.172g. demonstradas nas Tabelas 1 e 2 e Gráficos 2 e 6. 814g. Já as alças T. ser respeitados os intervalos de tempo necessários para a reorganização dos tecidos circunjacentes. pode-se fazer as seguintes considerações: a opção de utilização da alça Bull ou da alça T.304. com a vantagem de uma dissipação mais constante da magnitude de força utilizando-se esta última.025”. respectivamente. foi de 217g/mm e.. Curitiba. praticamente as mesmas magnitudes geradas pela alça Bull quando ativada 0. Para as magnitudes de Momento (M). uma proporção M/F de 6. deve ser baseada principalmente nos diferentes sistemas de forças gerados (Tabelas 1 e 2). Por exemplo. compatíveis para retração em massa dos incisivos e caninos superiores.mm.025”. pode-se considerar que as alças Bull construídas com esta secção transversal apresentaram-se muito rígidas e. p. e da proporção Momento/Força (M/F). 30o e 40o. 1966. (1985). TOTTI & SATO. as alças Bull. quando obtiveram. Assim. n. 1969. geraram uma Força horizontal de 849g.41. bem como a quantidade de ativação. Segundo PROFFIT & FIELDS (1995). 797g e 849g.275g. um Momento de 1. apresentou uma Força horizontal de 120g. uma proporção M/F de 2 (movimento por inclinação descontrolada) e uma proporção C/D de 1.0mm de ativação e sem pré-ativação gerou uma magnitude de força de 423g. esta é a secção transversal recomendada por MARCOTTE (1990). um Momento de 1. v.6 (movimento por inclinação descontrolada) e proporção C/D de 849g/mm. e às proporções Carga/Deflexão (C/D). suficiente para retração em massa dos incisivos e caninos inferiores.025”. as alças T. 1951.3 (movimento por inclinação controlada) e proporção C/D de 240g/mm (proporcionando uma magnitude de Força mais constante que aquela gerada pela alça Bull).025”. geradas pelas alças Bull e T construídas com fio de aço inoxidável .019” x .2g. HIXON et al. para construção da alça quando utilizado o aço inoxidável. enquanto a alça T.025”. proporcionaram magnitudes de força de 684g. Com relação às magnitudes da Força horizontal (Fh). para a alça Bull.5mm do espaço remanescente da exodontia contra 1. ativações máximas de 1. Estas magnitudes de força foram semelhantes àquelas encontradas por Scelza NETO et al. demonstradas nas Tabelas 1 e 2 e ilustradas nos Gráficos 1 e 5. quando ativadas e pré-ativadas nas mesmas intensidades.0mm de ativação da alça Bull. No entanto. desde que sejam ativadas dentro de seus limites elásticos. pode-se considerar que a alça Bull com 1.25mm a 1. geraram elevadas magnitudes de Força horizontal.025” ou . Autores recomendam. ilustradas nas Tabelas 1 e 2 e Gráficos 3 e 7. para a mesma quantidade de desativação. é uma secção transversal muito estudada e/ou recomendada pela literatura para construção destas alças (HIXON et al. com ativações de 1. quando ativadas 1.700g. mantendo-se a mesma intensidade de ativação. geraram magnitudes de força de 585g. geraram magnitudes favoráveis J Bras Ortodon Ortop Facial. mm. Por outro lado. SCELZA NETO et al. conseqüentemente. um Momento de 1.5mm. especificamente para esta secção transversal.019” x .0mm e pré-ativadas de 0o a 40o..

desde movimento por inclinação descontrolada até movimento radicular.. por inclinação controlada. CONSIDERAÇÕES FINAIS • A inserção das dobras de pré-ativações aumentou significantemente as magnitudes de forças geradas pelas alças Bull.2. diminuíram as proporções M/F. Em relação às alças T.0mm de ativação. e às proporções Momento/Força (M/F). A. com uma ativação de 1. proporção Momento/Força e Carga/Deflexão. assim. 664. as alças Bull geraram magnitudes de Momento de 375g.5mm geram forças que variam de 1. R. para as alças T. Curitiba. a magnitude de Força horizontal.042g a 2.0mm proporcionaram magnitudes de força excessivas.mm. Ativações acima de 2. Com ativações superiores a 1.866g. 30o e 40o.41.41. quando ativadas 0. enquanto as alças Bull proporciona- ram apenas movimento por inclinação descontrolada.8 e.3 a 2. SHIMIZU. com a configuração utilizada neste trabalho. às baixas magnitudes de força necessárias para ativá-las. n. mm.346g.8g.3. proporcionaram magnitudes de Momento de 340g. estas proporções variaram de 1. 20o. Com o intuito de diminuir a magnitude de força gerada. Estas proporções M/F maiores para as alças T devem-se. a proporção M/F variou de 1. as duas alças apresentaram magnitudes mais elevadas de Momento. E com 2.0mm de diâmetro em sua curvatura.175g./out.025”. nenhuma das alças foi capaz de proporcionar um movimento que não fosse por inclinação descontrolada. variaram de 2. translação e movimento radicular..3 a 1. As magnitudes de força favoráveis para retração em massa de incisivos e caninos inferiores foram geradas com ativações de 1. mm. desta forma.A.5mm e pré-ativadas 0o. as alças T apresentaram resultados mais satisfatórios. obtendo. 386 J Bras Ortodon Ortop Facial. dos. deveriam ser ativadas no máximo 1. Ativações acima de 1. uma vez que as magnitudes de Momento foram estatisticamente iguais para ambas as alças. Em relação às magnitudes de Momento (M). set. fundamentalmente.8. porém as magnitudes de Força para ativá-las também aumentaram muito e. conseqüentemente proporcionando magnitudes de forças mais constantes durante sua desativação.Estudo dos Sistemas de Forças Gerados pelas Alças Ortodônticas para Fechamento de Espaços para retração em massa dos incisivos e caninos superiores. para as mesmas intensidades de pré-ativações e ativação. • As alças T geraram proporções Carga/ Deflexão mais baixas que as alças Bull.7. J Bras Ortodon Ortop Facial. porém. ou seja.0mm. devido às elevadas magnitudes de força necessária para ativá-las. I.274g. 1. 9.021” x .9. sem a inserção de grandes quantidades de pré-ativações.483. dessa forma proporcionando movimentos por inclinação descontrolada. v. 1.5mm (462g a 510g). • Avaliando os sistemas de forças gerados por ambas as alças.mm. suficiente somente para proporcionar movimento por inclinação descontrolada. gerando. porém.8 e 12. Portanto. pode-se verificar que. minimizando. Já as alças T. o mesmo não ocorrendo para as alças T. TOTTI & SATO (1992) recomendaram a construção desta alça com 9. parece sensato afirmar que as alças Bull. Estas magnitudes são favoráveis para retração de incisivos superiores. geraram-se forças propícias para retração em massa dos incisivos e caninos superiores (618g a 670g).0mm e. preferencialmente.371-387. demonstradas nas Tabelas 1 e 2 e nos Gráficos 2 e 6. quando inseridas quaisquer intensidades de pré-ativações. 2002. geraram magnitudes acima daquelas preconizadas para o fechamento de espaços. • As alças T geraram altas proporções Momento/Força. desta forma. poder-se-ia deixar as pernas da alça ligeiramente abertas em sua base.mm e 2. T. SAKIMA. SHIMIZU. Se houver necessidade de inserção de pré-ativações durante sua utilização.0mm de ativação. 411g de força horizontal para 1. como pode ser verificado nas Tabelas 1 e 2.mm e 1.0mm de altura por 3. p. Study of force systems produced by orthodontic loops for space closure.6g. Com 1. Para as alças Bull. ilustradas nas Tabelas 1 e 2 e nos Gráficos 3 e 7.7.371-387.H. 5. SANTOS-PINTO. Curitiba. conseqüentemente.mm e suas respectivas proporções M/F de 1. v. n. foram geradas de 307g a 343g de força para pré-ativações de 0o a 40o.mm.1 a 7. o acúmulo de forças ao inserir as extremidades da alça nos slots dos braquetes. 862g. quando construídas com fio . de Momento. p.0mm.0mm de ativação. 2002 .7.

A. P. p. Eighty Bull loops and eighty T loops made with stainless steel wire 18/8 UNITEK. Biomechanical in clinical orthodontics. BULL.426-431. Saunders.46. C. KOENIG. p.ed. Biomechanical principles and reactions.43. B. v. K. C. p.J.56.1-14. Orthodontics current principles and techniques.. BURSTONE.R. 1992. M.25. P. Am J Orthod Dentofacial Orthop. SHIMIZU.156-187. p. v. HOENIGL. were more favorable then those produced by the Bull loop. v. p. p. H. BOLOGNESE. BURSTONE. GJESSING.varyine the transverse sections of orthodontic wire and the intensity of activation and preactivation.721-735. Holographic determination of centers of rotation produced by orthodontic forces. 595p.J. p.. 1982.Estudo dos Sistemas de Forças Gerados pelas Alças Ortodônticas para Fechamento de Espaços The purpose of this study was to evaluate the Bull and T loops force system when in the middle of the interbracket space. what does not happen to the T loop. v.. v. REITAN. R. MARCOTTE. A. v. Am J Orthod Dentofacial Orthop. Fechamento de espaços.H. Araraquara. J. Moment to force ratios and the center of rotation. TAYER.396-409. A. C. v. J Clin Orthod. C. v. differential force. 1976. C. v..11-18. v. p. 1991. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Am J Orthod Dentofacial Orthop. W. p. GJESSING. Fechamento de espaços após exodontias de primeiros pré-molares.J. Buenos Aires: Bibliográfica Argentina. CHEVITARESE. 1969. K.. A. H.018”x . Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1991. along with the alteration of force systems. Tratado de ortodoncia. et al.11-19.J. K. KOENIG. P. D. PAULSON. v.S. K. 94. NANDA. J. BURSTONE.R. The segmented arch approach to space closure. Thérapeutique orthodontique. 1981. v.. 1992. 1960. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. Ortodontia. SMITH. and anchorage.. In: LANGLADE.M. p.ed. 1961.M. 1988. Dissertação (Mestrado em Ortodontia) – Faculdade de Odontologia.82.J. OPPENHEIN. R. p. p. constructed with stainless steel wire. T .22-29.H. Angle Orthod. v. Avaliação de propriedades mecânicas da alça de retração ortodôntica em função do tratamento térmico e dimensões. 30º and 40º. v. Paris: Maloine. FARRANT. v. Am J Orthod Dentofacial Orthop. C. so it presented more constant force magnitude during its deactivation.J... PRYPUTNIEWICS. LAWLESS. C. M.12-18. P. BURSTONE. p. Am J Orthod Dentofacial Orthop. A. Clinical orthodontics. 1932.2. p.M.T. 1997. SMITH.M. E. D. CAPUTO. the T loop showed high M/F proportion.J.18.D. Int J Orthod.294-307. Br J Orthod. 1957. p. B.. HIXON. Am J Orthod Dentofacial Orthop. C.L.27-36. v. v. p.. . The centered T loop – a new way of preactivation. A.24. KUHLBERG.Louis:Mosby. the T loop produced lower C/D proportion than the Bull loop.E. BURSTONE. FREEMAN. and gabling on canine-retraction springs. SCELZA NETO. M. STRANG. Orthodontic space closure. 1981.P. 1987.ed. The mechanics of the segmented arch techniques. p. Optimal force.277-354.4. The use of cephalometrics as an aid to planning and assessing orthodontic treatment.018”. 1970. p. PROFFIT. for four different thickness: . v. 1977.48.J. 1952. 3. R. p.C. 569. In: SCHWARZ.481-510. Ortodontia. Rev Bras Odontol. E.95-107. Philadelphia: W.. Estudo comparativo das propriedades mecânicas da alça de retração para dentes anteriores (tipo Bull modificada). 1966. Controlled retraction of maxillary incisors. J Biomech. 1944.. p. A laminographic study of cuspid retraction versus molar anchorage loss. 1973. 1985. Angle Orthod. 1956. Orthodontic space closure.. S. v. v.J. R. STAGGERS. BURSTONE.252-260. Current orthodontic concepts and tecniques. v. 965p.. LINO. 1985. Mola de fechamento de espaços em ortodontia em forma de lágrima: desempenho em tração. STEINER. C. Dissertação (Mestrado em Ortodontia) – Faculdade de Odontologia.M.32-45.. p. FIELDS. 1988.353362. REFERÊNCIAS ALBUQUERQUE. 1969. 1962.108. p. Am J Orthod Dentofacial Orthop.6. Am J Orthod. A.30. BURSTONE.I. 2.. DIAZ. 475p..42. K. KEYWORDS: Orthodontics. 1990. p. p. MELSEN. V. On the use of vertical loops in retraction systems.C. T. Am J Orthod Dentofacial Orthop. VANARSDALL JR.019”x .88.437-457. Decker. 1951. C. CHACONAS.. J Bras Ortodon Ortop Facial..G.55. Angle Orthod. R.371-387. A parametric study of the force/moment systems produced by T-Loop retraction springs. Force in orthodontics and its relation to tooth movement.22. 99p.6. Results pointed out that the force system produced by the T loop. p. Rio de Janeiro. v. v.5-15..328-336. C.31.H. p.R.25. 1995.99.025”. n.025”. Some factors determining the evaluation of forces in orthodontics.J. Optimizing anterior and canine retraction.A.139-149.40. 1957. RICKETTS. R. Tissue changes incidental to orthodontic tooth movement. R.21. 1995.20-7. O. SPEIDELT. Biomechanics in orthodontics. Am J Orthod Dentofacial Orthop. Creative were bending – the force system from step and V bends. C. The application of continuous force to orthodontics. 1994.J. H. GERMANE.65. p.L. FAULKNER.A. Burlington: B. BURSTONE. Am J Orthod Dentofacial Orthop. Rev Soc Bras Ortod. v.25.D. 1995. p. SATO. n. S. Rationale of the segmented arch.C. H.637-647. MENDES. R. were evaluated through mechanics tests. M.A.J.120-131.. C. 1990.J.70.M.. 1974. p. p. SANDSTEDT. T. A possibility for physiologic orthodontic movement. 178p. et al. ORTH. C.59-67. BÁGGIO. 43p. Universidade Estadual Paulista. R. p. Curitiba. K. J Clin Orthod. Obtaining facial balance in the treatment of class II. Análise comparativa de alguns recursos no fechamento de espaços de extrações de primeiros pré-molares. BURSTONE.. A. HAYASHI. 1976. . v. Tooth extraction. Modified “T” loop arch wire. Saint Louis: Mosby. 1980. KOENIG. 2002 387 . In: GRABER.J. it could be concluded that the preactivation increased the force magnitude of Bull loop. F. St. 20º. bodily and root movement. STOREY. Am J Orthod Dentofacial Orthop.025”. p.1-19.A. 1985. Application of bioengineering to clinical orthodontics. QUINN. M. P. controlled inclination. loop configuration.J.M. A reassessment of force magnitude in orthodontics.. Am J Orthod Dentofacial Orthop. et al. 1973. R. MUCHA.J. A. KUHLBERG. v. In: GRABER. N. p.58-66. p.H. p. R. Mechanics of tooth movement. Clinical considerations in the use of retraction mechanics.loop position and anchorage control.678-683. v. J.565TOTTI. v. Am J Orthod Dentofacial Orthop. 1989.77.331-352.70. FOTIS.805-823.M. Am J Orthod Dentofacial Orthop. ISAACSON. An evaluation of different methods of canine retraction.T. R.99-120. v.101. 3. Effects of wire size. Biomechanical basis of extraction space closure. division 1.N. p. utilizando fios de aço inoxidável de diferentes marcas e espessuras. Angle Orthod. Root surface area related to anchorage in the Begg technique. Philadelphia: Saunders. BURSTONE. R.B. BALDWIN. NANDA..359-397.361-378.7. p. p. Aust J Dent. According to the results. TWEED. 852p.364-369.93. hence it generated movements by decontrolled inclination.J. D. TANNE. J. 1984.ed. 2.. Dent Clin North Am. v. Biomechanical design and clinical evaluation of a new canine-retraction spring.87. R.017”x . REITAN. FAULKNER.. v. 1966.K.A. Bioprogressive therapy as an answer to orthodontic needs.149-153. while the Bull loop presented only the decontrolled inclination movement. v. .85. Am J Orthod Dentofacial Orthop. Am J Orthod Dentofacial Orthop.W. J Clin Orthod.112. 1992. v. Vertical force considerations in differential space closure. In: NANDA. v.S. H. Ortodontia contemporânea. C. Am J Orthod Dentofacial Orthop. v. BURSTONE.15-23.56-156.G.15. Differential force in orthodontic treatment. T. and four different preactivation: 0º.. 1997.. YOSHIKAWA.41.42. BEGG. Am J Orthod Dentofacial Orthop. p. BURSTONE.021”x. et al. v. J.36. v.