TABERNÁCULO DE MOISÉS: AS ORIGENS DO TEMPLO DE JERUSALÉM Este artigo procura tratar das origens do Templo de Jerusalém, considerado o símbolo

da união entre os he ção da Aliança a representação do seu contato com Deus. A edificação deste Templo teve como base as me a Moisés no Monte Sinai, quando da entrega dos Mandamentos. Moisés edificou o Tabernáculo, um Temp de abrigo a Lei e ao culto enquanto os hebreus vagavam pelo deserto, até que conquistassem Canaã e erigis finitivo, no Monte Moriá em Jerusalém, tarefa que coube ao Rei Salomão.

ebido para apresentação em Sessão de Grau de Aprendiz Maçom na Aug\ e Resp\ Loj\ Simb\ "Cavaleiros d Cornélio Procópio, filiada à GRANDE LOJA DO PARANÁ. Apresentação, ocorrida no dia 21 de Maio de

o:

go recente, tratamos das “Escolas do Pensamento Maçônico”[1], sendo que colocamos sobre as origens da então um estudo breve sobre as citações que foram feitas pelo Ir\ Joaquim Gervásio de Figueiredo, historia r Maç\, em sua obra "Dicionário de Maçonaria". Nesta obra, colocou-se a sobre a importância do Antigo T para a simbologia maçônica:

igens da Ordem Maçônica se perdem nas brumas da Antigüidade. Sendo que os escritores maçônicos do sé m sua história sem o devido espirito critico ou cientifico, baseando seus conceitos em uma crença (quase) li a cronologia do Antigo Testamento (...)” (FIGUEIREDO: 1998, p239)

o do Antigo Testamento, destacamos a figura do Rei Salomão e do Templo de Jerusalém, primeiramente p como essenciais ao pensamento, a compreensão e a compreensão do ideal maçônico.

de Jerusalém, foi a grande obra arquitetônica dos hebreus, símbolo do orgulho e da unidade nacionais e no am-se as atividades pertinentes a vida religiosa e, como não poderia deixar de ser, e também a vida política aracterísticos das sociedades do Antigo Oriente (GIORDANI: 1987, p247).

de uma forma geral atribuem uma importância extrema ao Templo de Jerusalém, em especial ao construído ilho de Davi, Rei de Israel, confirmada esta importância por José Castellani:

emplos Maçônicos, da mesma maneira que as Igrejas, têm a sua origem no Tabenáculo Hebreu e no templo a semelhança entre eles e as igrejas é devida ao fato de ambos serem construídos, na Idade Média e no Iníc derna, pelo Maçons de ofício, que eram, principalmente construtores de templos, membros de associações

meta . As cortinas que circundavam o átrio mediam. holocaustos era de bronze e media 5 CV de comprimento e de largura por 3 CV de altura. Sendo a Igreja herdeira direta do judaísmo. Não teria. era dividido em 2 compartimentos: o Santo. com 10 CV de comprimento. pode-se Ter uma idéia de sua influência sobre a orientação e a os Maçônicos (. cujo nome em grego significa Tenda (em hebraico. e para as demais reconstruções que se fizeram necessárias e possíveis: Santuário consistia num templo em tenda e num único átrio circundante tinha 30 CV de comprimento por 10 CV de largura e de altura. ulo . sua importância para a consolidação do monoteísmo judaico e para a Simbologia Maç\. Era uma nas no meio e outras 2 a delimitá-la dos lados. s do Tabernáculo. de largura e de altura. Segundo a Bíblia. teriam sido repassadas por Deus (Javé) diretamente a Moisés e serviram de trução do Templo em Jerusalém. Chamado também de Tenda da Reunião. posteriormente utilizado como modelo por Salomão. como já dito. portan . não é de se estranhar que seu eados no santuário de Jerusalém -se as duas construções religiosas hebraicas. E os Santos.ciações leigas dirigidas pela Igreja. havia 4 colunas e uma outra cortina dependurada do cimo ao fundo. suká). uma parte supe ina caindo sobre as colunas. Na fachada. de 20 CV de to por 10 de largura e de altura.)” (CASTELLANI: 1996. xto: O átrio tinha 100 CV de comprimento por 50 CV de largura. p163) ribuições simbólicas do Templo em Jerusalém. um Templo móvel. era o santuário (mishcán) usado p m nômades e vagavam pelo deserto após a saída do Egito... O Tabernáculo era. realizar um estu deste Templo. portanto. que servia de porta. como se fosse um entablamento. A cortina da porta era a oriente e media 20 CV de largura por 5 CV de altura. e uma cortina de abrir e fechar. e o Santo do Santos. do cimo das c ue tapava os restantes 6 CV de baixo. No interior. talvez não poderiam ser todas exemplificadas neste trabalho ja realizado em nível de Aprend\Maç\. tinha 5 colunas. e era cercado por cortinas de 5 CV de alt espetadas no chão. o e desmontado conforme as necessidades de transferência dos povos nômades. na edificação do Templo. e que apresenta como o objetivo principal e central. p163). Moisés r ai as instruções para construir este Templo portátil. portanto. era no ealizados os serviços religiosos. até a chegada em Canaã. para a guarda da lei e que deveria acompanhar o povo d ão (CASTEL-LANI: 1996.O Templo Precursor: culo Hebraico. Inic do Tabernáculo Hebraico. q o pelo menos outras duas vezes.

é que suas medidas foram depois transpostas p que o Rei Salomão conduziu no Monte Moriá. de forças mágicas para curar os feridos (.. A confirmação de que povos do Oriente Médio utilizavam-se de Templos em f onseguida pelo arqueólogo israelense Beno Rothenberg. outros artigos deveram . Gressmann. Castellani coloca que o mesmo era formado por um as sobrepostas.. em Timna: o a serpente de bronze. de brilho dourado.. ção da Existência do Tabernáculo: uito tempo a maioria dos estudiosos achavam que o Tabernáculo seria apenas uma lenda. estava no tabernáculo de um santuário de tenda. H.) um sábio alemão. em sua passagem pelo deserto. e até mesmo pedaços dos tecidos dos toldos. e que se transformou no símbolo da unidade judaica: o Tem lusão é resta muitos pontos a pesquisar sobre o Tabernáculo. é o fato de que devido a complexidade do tema “Templo de Jerusalém”. um mito criado pe mente incorporado a Bíblia.. mulher de Abraão (. feita por Rothemberg. era o jas palavras e conselhos o genro ouviu e aceitou (.ampa do as dimensões e o formato do Tabernáculo Hebraico.)” (K -169) ontrados os buracos dos postes. pois com esse achado marcou um tento arqueológico-bíblico de extr sto que desde o século XIX críticos da Bíblia das mais diversas tendências e ‘escolas’ sempre puseram em d daquele santuário. um sacerdote mitannita.)Teria sido Jetro que os israelitas deviam o estranho cul e delicada serpente... que descobriu um pequeno ídolo em forma de serp era cultuado em um santuário em forma de tenda. na região bíblica das minas de cobre. sendo a mais interior delas o “Santo dos Santos”. o a destacar. como os quais os israelitas entraram em contato.) e Jetro... opinou que a “serpente de bronze” bíblica deve e dos mitannitas. do qual a Bíblia fala tão explicitamente e fornece tantos detalhes (. principalmente sobre os instrumentos e objeto om certeza muito se encontraria em relação a Ordem Maçônica. os mitannitas descendiam de Quatura.. Esse detalhe consti o da descoberta. para a realização de seu s: cabe por fim destacar em relação ao Tabernáculo de Moisés.. onde ficava guardada a Arca da Aliança. do tabernáculo. trata-se de um sinal. Estes achados vieram a confirm existência e por fim a utilização destes santuários móveis pelos povos dos desertos.) até no Templo em do a efígie de tal ídolo (. Bíblia.

São Paulo: Atual. 2ª ed. Vade Mécum do simbolismo Maçônico. 1996. artigos que já estão sendo trabalhados por sinal e que em breve deverão s os e agrupados a este em uma publicação maior. Operativa e Especulativa. 1 ANI. CAMINO. História da Maçonaria: Primitiva. Curitiba: Grande Loja do Para Werner. . Luiz. 25ª ed. José. São Paulo: Editora Pensamento. . História da Antiguidade Oriental. E A Bíblia Tinha Razão. Brasília: Confederação da Maçonaria Simbólica do Brasi DO. Marcelo. 1998. estruturas e processos. 8ª ed. RAFIA: Rizzardo da. Londrina: A Trolha. Mário Curtis. Londrina: A Trolha. Doutrina e Prática.idade a este sobre o Tabernáculo. LOJA DO PARANÁ. O Surgimento da Maçonaria. São Paulo: Melhoramentos. História: origens. 1997. Maçonaria: um informativo para quem não é maçom. NI. Dicionário de Maçonaria. 2ª ed. São Paulo: Madras. O Rito Escocês Antigo e Aceito: História. Joaquim Gervásio de. Marcello Francisco. Odéci Schilling da. 2000. 2000 S. 1987. Petrópolis: Vozes.