OS FANTOCHES DE DEUS

OS FANTOCHES DE DEUS MORRIS WEST
Tradução de A. B. PINHEIRO DE LEMOS Digitalização: Argo, o caçador de Fantoches

Para aqueles que amo com os agradecimentos do fundo do coração

«Quem sabe se o mundo não pode acabar esta noite?»

— ROBERT BROWNING

«The Last Ride Together»

NOTA DO AUTOR

A partir do momento em que se aceita a existência de Deus, não importando como se possa defini-Lo, não importando como se explique o relacionamento pessoal com Ele, fica-se para sempre preso à sua presença no centro de todas as coisas. E se fica também dominado pelo fato de que o homem é uma criatura que vive em dois mundos, gravando nas paredes de sua caverna as maravilhas e as experiências de pesadelo de sua peregrinação espiritual.

PRÓLOGO

No sétimo ano de seu reinado, dois dias antes de completar 65 anos, na presença de um consistório pleno de cardeais, Jean Marie Barette, Papa Gregório XVII, assinou um instrumento de abdicação, tirou o anel do Pescador, entregou o sinete ao Cardeal Carmelengo e fez um curto discurso de despedida: — Chegou o momento, meus irmãos! Está feito o que pediram. Tenho certeza de que poderão explicar tudo da melhor forma possível à Igreja e ao mundo. Espero que elejam um bom homem. Deus sabe que vão precisar! Três horas depois, acompanhado por um coronel da Guarda Suíça, ele se apresentou no Mosteiro de Monte Cassino e colocou-se sob a obediência do abade. O coronel voltou imediatamente para Roma e comunicou ao Cardeal Carmelengo que sua missão fora cumprida. O Carmelengo deixou escapar um longo suspiro de alívio e iniciou ás formalidades de proclamar que o Trono de Pedro estava vago e seria realizada uma eleição o mais depressa possível.

.

o Divino 1:10-11 . dizendo: O que vês escreve em livro e manda às sete igrejas.» — Revelação de São João. como de trombeta. e ouvi por trás de mim grande voz.LIVRO UM «Achei-me no espírito. no dia do Senhor.

.

Na religião. de faces coradas. Sentou-se empertigada na cadeira. pois ainda estava no serviço do Senhor. os cabelos grisalhos. esticou os dedos por baixo da mesa. — Meu nome é Thérèse Mathieu. Mas ele disse que eu deveria usar sempre o anel da minha fé. madame? — Disseram-me que fala francês. gentilmente: — Queria falar-me. de couro marrom. sim. áspera e calosa. sou. era chamada de Irmã Mechtilda. Carl Mendelius. as mãos cruzadas sobre a bolsa grande e antiquada. corpulenta. — Devo presumir que deixou o convento? — Fui dispensada de meus votos. Ela ergueu a mão grande. — Ele? Quem é ele? — Sua Santidade. enquanto as outras irmãs descansavam 11 . mas sem demonstrar qualquer medo. escorrendo do chapéu de palha. E tratou de estimular a mulher. vestida num tecido de lã ordinário. o Papa Gregório: Eu estava entre as irmãs que o serviam. nos dias de festa. exibindo a aliança de prata no dedo anular. Professor de Estudos Bíblicos e Patrísticos de Wilhelmsstift. outrora conhecido como o Egrégio Colégio da Universidade de Tübingen. O sotaque da mulher era tipicamente do Midi. como se estudasse a mercadoria em algum mercado desconhecido.CAPÍTULO l Ela parecia uma camponesa. lisos. Servia-lhe café. Às vezes.. enquanto sorria por cima. unindo as pontas. Limpava seu gabinete e os aposentos particulares. — Falo. Estava cautelosa..

Ele se mostrou muito compreensivo e disse que talvez minha sobrinha precisasse mais de mim que o Papa. quando começaram? O que os causou? — Sei quando começaram. Era natural e apropriado. Sua família tinha vinhedos na região. que o fazia lembrar-se de sua casa. tirou um envelope estofado e estendeu-o por cima da mesa. contei-lhe tudo.. fui pedir-lhe a bênção. que poderia ser perigoso. a freira perfeita. que o deixaram muito preocupado. russos e africanos. Colocou-me sob a obediência de não contar a ninguém o que me dissera ou o que estava levando. Conhecia muito bem o lugar em que eu nasci. Houve em seguida as visitas dos chineses. Ela abriu a bolsa de couro. e tudo o mais. essas conversas no Vaticano. largou-o no lado da mesa e perguntou: — Veio de Roma diretamente para cá? — Não. Sua Santidade disse que eu deveria fazer isso. Passei pela casa de minha sobrinha e lá fiquei por uma semana.. — Não havia qualquer hesitação na resposta. — Ao voltar da visita à América do Sul e Estados Unidos. que já contava com muitos servidores... Ele dizia que gostava da minha comida. Ajudou-me a pensar livremente e compreender que a caridade era a mais importante das virtudes.eu lhe preparava uma refeição. Minha decisão de voltar ao mundo foi tomada na ocasião em que as pessoas no Vaticano começaram a falar todas aquelas coisas horríveis. — Aceita um café? — Não.. — Deu algum outro recado para mim? — Apenas que lhe enviava o seu amor. como se o sopesasse. ele parecia doente e cansado.. Depois.. No dia em que deixei Roma. que viesse a Tübingen e lhe entregasse pessoalmente esta carta. — Carl Mendelius estava solene e gentil. Ele me deu o dinheiro para a viagem e um donativo para ajudar minha sobrinha. E aqui estou. Depois que eles 12 . Carl Mendelius ficou segurando o envelope por um momento. — Ele encontrou uma fiel mensageira.. Mendelius formulou a pergunta seguinte com extremo cuidado: — Esses problemas. que o Santo Padre estava doente da cabeça. Conversava comigo nessas ocasiões.. E ele me pediu como um favor especial. Ela tornou a cruzar as mãos sobre a bolsa e esperou. até mesmo em seu traje de camponesa. com cinco filhos pequenos e o restaurante para cuidar.. E quando minha sobrinha ficou viúva. obrigada. Disse-me também que deveria responder a quaisquer perguntas que me fizesse. pensativo.

. Deve saber que eu era uma personagem insignificante. se trabalharmos bastante. Não me lembro das palavras.. que havia freqüentes reuniões com membros da Cúria. Compreendia os sentimentos das pessoas comuns. ambos tenhamos sorte por havermos encontrado um ao outro. Ele levantou e estendeu a mão. Ele me lançou um sorriso estranho e disse: "Irmã Mechtilda.." Ao final. — E o que vai fazer agora? — Vou para a casa de minha sobrinha. Mas notei que o Santo Padre parecia doente. tudo aconteceu. que passava muitas horas na capela. mas do dom da eloqüência.. Fomos treinadas para não comentar assuntos que não eram da nossa conta. Mas. assim como outros. cozinhar no restaurante. Posteriormente. Obrigado por ter vindo procurar-me. Perguntei-lhe se deveria chamar o médico. Passou o dia inteiro nos aposentos do Santo Padre. Pediu-me um dia que lhe buscasse uma aspirina para tomar com o café.. pelo que fez por ele. de lavar louça e 13 . — E ele não lhe deu qualquer explicação? — A mim? — Ela fitou Mendelius aturdida. É um restaurante pequeno. Mas era evidente que estava preocupado.. Irmãzinha.. — Que tipo de problemas? — Jamais compreendi direito. — Tenho certeza de que tudo dará certo — disse Carl Mendelius. A pele da palma da mulher era ressequida e rachada. — Não foi nada. ele sempre foi o mesmo. A Madre Superiora sempre advertia contra tais comentários. Parece às vezes que estou ensinando música a surdos e pintura a cegos. em dias diferentes. Foi depois que ele voltou que os problemas começaram." Foi a última vez em que o vi. — Por que a mim? Eu não era ninguém. Ele era um bom homem. ele pôs as mãos em meu rosto e disse: "Talvez. a não ser o que ouvi o Cardeal Arnaldo comentar um dia: ''Santo Deus! Estamos lidando com um louco!" — E como o Santo Padre lhe parecia? — Comigo. Depois disso. ele é o Decano do Sacro Colégio e um homem muito rigoroso. conversando aos sussurros.se retiraram. Sua Santidade decidiu passar duas semanas em retiro em Monte Cassino.. das quais eles saíam furiosos. ajudá-la com as crianças. — Obrigado. Irmã Mechtilda. uma irmã que cuidava dos afazeres domésticos. o médico dele acabou aparecendo. respeitosamente. o Cardeal Drexel foi procurá-lo. não é de um médico que estou precisando.. gentil e polido. Ajudei a servir-lhes o almoço... depois de darme a bênção para a viagem. poderemos mantê-lo para sustentar a família. mas bom.. com uma surpresa inocente.

Somos amigos há muito tempo. cujos motivos lhe explicarei em detalhes. deixou os cardeais num dilema ao mesmo tempo cômico e trágico. Há algum tempo que venho sendo atentamente vigiado. ''Meu caro Carl: Neste momento. entre os quais alguns que eu acreditava serem meus amigos. às quais Gregório XVII. Seus conselhos acalmaram-me em muitos momentos ansiosos. na longa noite escura de minha alma. A carta de Jean Marie Barette. num impecável estilo gálico. a deposição ou a abdicação. As únicas testemunhas de sua meditação foram os bustos de mármore de Melanchton e Hegel. se esta carta cair em mãos erradas. Começo pelo final da história. uma bagagem mais essencial do que meias e sapatos. incapaz de garantir a privacidade até mesmo de meus papéis mais pessoais. Mas estavam mortos há muito tempo e absorvidos de perplexidade. 30 páginas de letra inclinada.° Gregório na linhagem papal. gosto de pensar que nossos espíritos mantiveram uma unidade.do esfregão. Mais do que isso: se decidir executar a missão que lhe estou confiando. Seus livros e suas cartas sempre viajaram comigo. o perigo vai dobrar a cada dia. cujas janelas davam para a massa cinzenta da Stiftskirche de São Jorge. E eu tinha 14 . devo dizer-lhe que. Se permaneci em silêncio durante os últimos meses de purgação. quando a razão titubeia e a fé de uma vida inteira parece quase perdida. um professor e outro discípulo da antiga universidade. 17. os cardeais do Sacro Colégio. Sua sabedoria foi uma luz a me orientar nos labirintos escuros do poder. pelo menos não mais apto mentalmente para desempenhar as funções de Sumo Pontífice. em busca da graça da compreensão. se não insano. Para depor-me. Embora os caminhos de nossas vidas tenham divergido. a crônica de uma tragédia pessoal e de uma crise política de dimensões globais. estava aberta à sua frente. Sucessor do Príncipe dos Apóstolos. você pode ficar exposto a um grave perigo. No mês passado. eles teriam de apresentar a causa. Carl Mendelius sentiu-se envergonhado de suas mãos lisas e macias. Ele ficou sentado até tarde daquela noite em seu gabinete grande no sótão. Havia apenas dois meios de se livrarem de mim. foi porque não desejei comprometê-lo. decidiram por grande maioria que eu estava. Na verdade. volto-me para você. confiara a sua última e mais secreta mensagem. Tal decisão.

A Igreja sobrevivera aos Teofilato e aos Bórgia e à devassidão de Avignon.. no entanto. apesar dos riscos. Jamais acreditara. Ele estava profundamente angustiado. Como você pode muito bem imaginar. Aceitara apreensivamente. Mas o terror logo passou e indaguei calmamente o que o próprio Drexel pensava da situação. minhas diretrizes anuladas. Pediram-me que abdicasse e me retirasse para a obscuridade num mosteiro. para declarar-me legalmente insano e colocar-me em confinamento. fiquei terrivelmente chocado.. seriam grandes. A opinião pessoal de Drexel. eu era impotente. Eu não pedira para ser eleito. ele é o Decano do Colégio dos Cardeais. os esteios da Igreja. Por outro lado. e ainda estou tentando desesperadamente acreditar. Os danos. eles tomariam as providências necessárias. Era o emissário de seus irmãos cardeais. Meu dilema pessoal era diferente. como você tem bons motivos para saber. mas estava incumbido de transmitir a decisão deles.. Minhas palavras poderiam ser distorcidas. O cheiro de conspiração seria forte demais.certeza de que não se atreveriam a tanto. sob constante supervisão médica. se estivesse insano. que eu não poderia validamente realizar. Como você sabe. Sobreviveria também à loucura de Jean Marie Barette. mas confiando no Espírito Santo para orientação e força. apresentada em termos de amizade. Fui eu quem o designou para Prefeito da Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé. mas 15 . é um homem sensível e compreensivo. sem o apoio de meus colaboradores mais destacados. Foi então que Drexel veio procurar-me.. Foi então que experimentei um momento de absoluto terror. por outro lado.. Discordava da opinião deles.. que a luz me foi dada de uma maneira muito especial e que era meu dever mostrá-la para um mundo já imerso nas trevas da última hora dantes da meia-noite.. E depois ele acrescentou um comentário que vou repetir-lhe literalmente: 'Faça o que eles estão pedindo. Ele é um formidável cão de guarda. Se recusasse. Ele respondeu sem qualquer hesitação. era a de que eu deveria curvar-me ao inevitável e abdicar. sob alegação de saúde precária. A Cidade do Vaticano é um Estado independente e não há qualquer investigação exterior do que acontece dentro de suas muralhas. A abdicação. Em particular. que eles pudessem atrever-se a tanto. mas não irreparáveis. num momento crítico. Conhecia o bastante da história deste cargo e de seus ocupantes para saber que a ameaça era concreta. o risco de cisma muito grande. Acreditava. seria um ato leal. Os filhos de Deus poderiam ser lançados na confusão ou levados à rebelião. Não tinha a menor dúvida de que seus colegas poderiam e cumpririam a ameaça..

chamei Drexel e disse-lhe que estava disposto a abdicar. nem uma fração a mais! Irá embora. Ainda não aprendi a confiar no Senhor cujo evangelho prego! . a orientação que diz ter recebido. então Ele lhe possibilitará. no devido tempo. especialmente a História da Igreja. Finalmente. Nos dias sombrios. Se é uma ilusão. que aconteceu. As letras se transformaram num borrão diante de seus olhos doloridos.' Compreendi o que ele estava dizendo-me. a 16 .. S. Barette defendera sua causa junto a um relutante e irascível Pontífice. é sempre escrita para justificar os sobreviventes. Ele se recostou na cadeira e entregou-se às recordações. então ficará completamente desacreditado e a luz será apagada para sempre. Conheceram-se em Roma. na Universidade Gregoriana. haviam jantado juntos e conversado pela noite afora. Posteriormente. há mais de duas décadas. Vai retirar-se para uma vida íntima. A História. Temo muito mais pela fragilidade humana. em cansaço extremo. Jean Marie Barette apoiara-o inabalavelmente durante os longos meses de inquisição. espero que não a acalente por muito tempo. O jovem Cardeal fora um convidado de sua aula sobre as comunidades judaicas nos princípios da Igreja.Mas. você também será obrigado a julgar-me. enquanto o Padre Carl Mendelius. Quando sua vocação sacerdotal não mais o satisfazia e pedira para ser secularizado e dispensado dos votos a fim de poder casar-se... torná-la manifesta. Rezei sozinho pela noite afora. meu temor não é tanto que seu veredicto possa ser contra mim. . meu caro Carl. Enquanto escrevo estas palavras. o mais jovem membro da Cúria. examinando todas as opções possíveis.J. Se veio de Deus. Quanto à luz que alega ter visto. Depois.não mais. não posso julgar se veio de Deus ou se se trata de uma ilusão de um espírito tenso e sobrecarregado.. mas ainda não podia aceitar uma solução tão terrível. Conversamos durante o dia inteiro. Às nove horas da manhã seguinte. Já eram amigos ao se separarem. se for declarado insano. O porquê levará muito mais tempo para relatar. Contestarei pessoalmente qualquer documento que queira obrigá-lo a mais do que isso. Foi assim. Quando ele se candidatara a uma cátedra em Tübingen. quando Jean Marie Barette era o Cardeal Diácono. depois que Mendelius fora denunciado por suspeita de heresia à congregação para a Doutrina da Fé. ensinava o seu primeiro curso sobre elementos de interpretação bíblica. acabei por ceder." O apelo lancinante comoveu Mendelius profundamente.

o senso de impotência oficial. não restariam quaisquer homens. golpeando as forças da impiedade. ele se tornou mais intransigente. O fanatismo estava igualmente explodindo nas religiões antigas. a estranha regressão atávica a uma visão mágica do universo. lançado à beira da fome total. como Pontífice. Alguns dos nossos próprios fanáticos queriam que eu proclamasse um Ano Mariano. disfarçara por algum tempo suas atitudes essencialmente radicais. fiquei aterrorizado. Um pânico de devotos era a última coisa de que precisávamos. o risco diário de colapso econômico no Ocidente. Restabelecera a linha dogmática tradicional. "Conhece as circunstâncias da minha eleição. Centralizara novamente a Igreja. Para mim. Meu antecessor. realizara sua missão. Conversamos muitas vezes sobre a proliferação de novos cultos e sua manipulação por lucro e poder. numa solução de compromisso.. Max. cada vez menos suscetível a argumentos. Qualquer que fosse o custo. o fenômeno mais assustador era o clima de desespero insidioso entre os líderes mundiais. Mendelius tornou a inclinar-se sobre a carta. no mundo inteiro.recomendação mais exuberante fora assinada por "Gregorius XVII. o charme de um grande ator. as posições estavam invertidas. ímpios ou não. enquanto Carl Mendelius florescia num casamento feliz e uma vida profissional plena. nosso Papa populista. estava mais bem capacitado a desempenhar. Achei que o melhor serviço que a Igreja podia oferecer era o da mediação.. Quando assumi. Foi difícil convencê-lo de que. Não preciso repetir-lhe todo o texto apocalíptico: a situação terrível do Terceiro Mundo. Seu enorme charme pessoal. o custo cada vez mais alto da energia. a menos que ocorresse um milagre." Agora. no entanto. Estávamos na última década do século e a apenas um passo da guerra global. ele devia saldar as dívidas de amizade. enquanto ainda podiam calcular as chances de vitória no conflito atômico. Mas não concordei. Pont. a tentação para os militaristas de jogarem a sua última cartada desesperada. Jean Marie Barette estava no exílio. depois de um conclave de seis dias. com razão e caridade para todos. Reforçara a disciplina. Na velhice. a desenfreada corrida armamentista. Considerava-se o Martelo de Deus. Era também a tarefa que eu. promovendo gigantescas peregrinações a todos os santuários da Virgem. Deixei que todos soubessem que iria a qualquer lugar e receberia qualquer 17 . .

meditação e renovação interior. Tentei deixar bem claro que não possuía fórmulas mágicas. o Diácono escreveu suas histórias ali. para manter algum senso de perspectiva."Chamo de evento. um monge estava cuidando de um canteiro de flores. Mais do que tudo.. . resolvi fazer um retiro de duas semanas no Mosteiro de Monte Cassino. Cheguei finalmente à conclusão de que. Quando cheguei ao versículo 'Aquele que me ama será amado por meu pai'. porque não quero influenciar a sua avaliação do que aconteceu e também porque. Conhece bem o lugar. Foi isso o que planejei. Mendelius hesitou por um instante.. Aconteceu. Paulo. Sentiu um calafrio de aversão. A experiência foi tão real quanto o café da manhã que acabara de tomar no refeitório.. como se lhe fosse pedido que testemunhasse um ato físico íntimo. Disse a mim mesmo e tentei convencer os líderes das nações de que mesmo um único ano de adiamento de Armagedom já seria uma vitória. Estava lá há três dias quando o evento ocorreu. não tinha ilusões de poder. Não imaginei. precisava de descansar um pouco e reforçar meus recursos espirituais. meu caro Carl. Gregório IX.pessoa. Foi fundado por São Benedito no século VI. permanece um fato de dimensão física.. ali fez as pazes com Frederick von Hohenstaufen. minava as minhas reservas de coragem e confiança... Comecei a ler o 14. A poucos metros de distância. Assim. Conhecia perfeitamente a terrível inércia das instituições. que o Abade me propusera para a meditação daquele dia. era um lugar isolado e sossegado. 18 . Eram nove horas da manhã de um dia ensolarado. para mim. O texto em si. E foi o que comecei a fazer. O Abade Andrew era um homem de excepcional discernimento e devoção. crede também em mim'. estava de acordo com meu ânimo. Teve de forçar-se a continuar a leitura. Eu me colocaria sob a sua orientação espiritual e me dedicaria a um breve período de silêncio. Não obstante. credes em Deus. na causa da paz. fechei o livro e levantei os olhos.° Capítulo do Evangelho de São João. Eu me sentia muito plácido e relaxado. a loucura matemática que leva os homens a lutarem até a morte pela equação de compromisso mais simples. transbordando de conforto e confiança. Meu homônimo." A frase terminava no fim de uma página. Deve estar lembrado como começa. com a fala de Cristo na Última Ceia: 'Não se conturbe vosso coração. o medo de um holocausto iminente atormentavame dia e noite. antes de passar para a página seguinte.

arrancado de todas as dimensões humanas e projetado para o centro de uma vasta luz insuportável. Comecei a trabalhar numa encíclica. Não posso encontrar palavras adequadas para o que aconteceu em seguida. jardim ou monge trabalhando. Foi como se de repente eu me enchesse de flama.' Acidente ou presságio? Isso parecia não ter mais qualquer importância. no entanto. havia apenas montanhas escarpadas. o ponto-ômega do tempo. A profecia se consumava. Carl. Era como se eu estivesse sendo impregnado com sua mensagem. assim como não era capaz de alterar a cor dos meus olhos.. num pico alto e árido. O monge cuidava de suas rosas. Num mundo de intensa agonia. sendo apanhado por um turbilhão intenso. temerariamente. um arauto do Segundo Advento? Loucura! O absurdo final explosivo! Eu era uma bomba-relógio ambulante. No instante em que a agonia parecia que ia explodir e levar-me à extinção. apenas a Realidade. una e indivisível. Não senti medo. Eu estava compelido a falar a respeito. compreendi que devia anunciar esse evento. preparar o mundo para o seu advento. negras. Quando tentei explicar aos meus colegas em Roma. o ponto-alfa da eternidade. Eu estava sozinho. eu não podia ocultar o que me acontecera. Não havia mosteiro. que tinha de ser desativada o mais depressa possível. Sabia o que estava vendo. Um Papa com uma revelação pessoal. Eu estava no fim de tudo. Estava sendo convocado a proclamar que Os Últimos Dias estavam próximos e que a humanidade deveria preparar-se para a Parúsia. como os padrões genéticos de meus pais.. tudo acabou. mas apenas um vazio terrível e desolador. como se todo o meu cerne tivesse sido removido e restasse somente a casca. um planeta morto. para o mais íntimo amigo do meu coração. Em torno. a conseqüência da suprema loucura do homem. contra um céu escuro e ameaçador. condenado a anunciar a um mundo avançando para a extinção inexoravelmente. E aí está. O Novo Testamento estava em meu colo. o começo de tudo. A luz era uma voz e a voz era uma luz.Tudo ao meu redor mudara. aberto no Capítulo 24 de Mateus: 'Pois assim como o relâmpago sai do oriente e se mostra até no ocidente. 19 . pude perceber o choque em seus rostos. E. em disparada. A ordem emergia do caos. Não havia mais quaisquer símbolos. a verdade suprema se tornava manifesta. uma carta à Igreja Universal. Eu estava de volta ao jardim do claustro. assim há de ser a vinda do Filho do Homem. O lugar era quieto e silencioso como um túmulo. o Segundo Advento de Jesus. Estava impresso em cada fibra do meu ser. o mais próximo que posso reconstituir em palavras.

bloquearam toda e qualquer comunicação com o mundo exterior. Se tal não acontecer. Separadamente e em conjunto. correrá grande risco. Não creio que possamos impedir o cataclisma inevitável. volto-me para você. desencadeando assim a sucessão de acontecimentos que levaram à minha abdicação. então estude os dois documentos anexos a esta carta: uma cópia da minha encíclica inédita à Igreja Universal e uma relação das pessoas em vários países com as quais estabeleci vínculos de amizade durante o meu pontificado e que podem estar ainda dispostas a confiar em mim ou num mensageiro da minha parte. depois de escrever esta carta.. Tente entrar em contato com tais pessoas.Começava com as palavras seguintes: 'In his ultimis annis fatalibus. talvez mesmo de vida. Se julga que estou insano. mas talvez a tenha agora. fazê-las entender o que ainda podem fazer. mas porque também esteve sob inquisição e sabe como a razão se abala sob a pressão implacável do interrogatório. em minha angústia. Mas. Nestes últimos anos fatídicos do milênio. não apenas porque é meu amigo.' Sairei daqui para a solidão de Monte Cassino.' Meu secretário encontrou o esboço na mesa. Depois. eu me entrego. estava rabiscado um adendo breve e irônico: "Feu le Pape". Como recusei. Jean Marie Barette" Por baixo da assinatura.. Antes o Papa. fotografou-o secretamente e distribuiu cópias à Cúria. Lembre-se do Evangelho de Mateus: 'E depois eles haverão de entregálo para ser torturado e posto à morte. então o absolvo de antemão por qualquer culpa e lhe agradeço a amizade que tivemos o privilégio de partilhar. convocaram uma equipe de médicos e psiquiatras para verificar meu estado mental. Sempre unidos em Cristo. nestes últimos anos fatídicos.. e muitos se trairão e odiarão uns aos outros. Carl Mendelius estava entorpecido pelo choque e fadiga.. Agora. convocaram uma reunião de emergência do Sacro Colégio.. Não podia 20 . Já é muito tarde. instaram me para que suprimisse o documento. mas tenho de insistir até o fim na proclamação das s boas-novas de amor e salvação. aos cuidados e amor de Deus... se puder acreditar pelo menos parcialmente que lhe transmiti uma verdade simples e terrível.. puseram meus aposentos sob sítio virtual. Se aceitar tal missão. Todos ficaram horrorizados. A misericórdia do sono há muito que me é negada. Confio em que poderei chegar com segurança. assim como encomendo a você e sua família.

marido apaixonado. era a mais antiga e autêntica na tradição. O ministro de uma religião organizada era convocado e ordenado para propagar uma doutrina imutável e há muito 21 . para o qual os eleitos deviam preparar-se. seguindo-a com uma precisão meticulosa até sua fonte. antes um Papa. acreditar e pregar tal coisa como artigo de fé era tão natural e necessário como respirar. o Segundo Advento do Redentor. para dizer o mínimo." Representava a mais profunda esperança do crente na justificativa final do desígnio divino. O fato de Jean Marie Barette. pai perplexo. rigoroso na aplicação das regras de evidência interna e externa. padre fracassado. A tradição milenar assumia muitas formas. as apólices de seguros e as partes mais preciosas de sua pesquisa material. Cristo voltará. seguido por um julgamento universal. Poderia tê-la extraído praticamente pronta de uma centena de fontes. Até mesmo a sua suposta visão era um elemento familiar e perturbador no padrão.ler o texto em letras pequenas da encíclica. A lista comprida de nomes e países era como se estivesse escrita em sânscrito. Dobrou a carta e os documentos. a suprema vitória da ordem sobre o caos. agnóstica. Sabia que a doutrina da Parúsia. era acima de tudo um historiador objetivo. do Livro de Daniel aos profetas de Cévenol. Lotte certamente o esperava lá embaixo. Estava registrada nos Evangelhos Sinópticos. nem todas religiosas. maniquéia ou essênia. tricotando placidamente ao lado do fogo. que assinalaria o fim de todas as coisas temporais. Jean Marie Barette não precisava de nenhuma visão para moldar a sua versão do milênio. depois trancou-os no velho cofre preto. do século XVII. do bem sobre o mal. Era capaz de farejar uma interpolação de texto a um quilômetro de distância. onde mantinha a escritura da casa. encerrada no Credo. crente cético. era inquietante. na promessa marxista de que o capitalismo acabaria por definhar e cederia seu lugar à fraternidade universal do socialismo. Estava implícita na idéia do Reich de mil anos de Hitler. recordada todos os dias na liturgia: "Cristo morreu. Não podia enfrentá-la até que recuperasse o controle e imaginasse alguma resposta às perguntas inevitáveis: — O que dizia a carta. Cristo se foi. Carl? O que realmente aconteceu com o nosso querido Jean Marie? O que realmente acontecera? Qualquer outra coisa que Carl Mendelius pudesse ser. Mas que isso devesse relacionar-se com a forma restrita e primitiva da crença. de um cataclisma universal iminente.

." O profeta era sempre o estranho. Se ultrapassava os limites de sua delegação. João tendo a revelação apocalíptica em Patmos. É claro que. sorriu-lhe e levantou o rosto para ser beijado. — Vamos deitar-nos.. era tão antiga quanto a da Parúsia. de uma comunicação pessoal direta entre Criador e criatura. afetuosa e contente como uma gata em seu papel de mãe de dois filhos e Frau Professor Mendelius. Deus pudesse escolher um novo profeta para renovar seu apelo ao arrependimento e salvação? Em termos teológicos. Assim. Ele alegava ter uma comunicação direta com o Todo-Poderoso. Mendelius abraçou-a e assim a manteve por um longo tempo. possivelmente contraditório. ele trancou a porta de seu gabinete e desceu. Seria tão inconcebível que naquela última década fatídica do milênio. loura.. em teoria. 22 . era pelo menos uma proposição ortodoxa. tudo isso eram eventos alicerçados na tradição. usada pelo próprio Jesus: "Assim está escrito. — Também o amo. É a melhor coisa. sua delegação não podia ser retirada por qualquer agente humano. inteiramente diferente. podia ser silenciado ou excomungado pela mesma autoridade que o designara. Contudo. para depois assumir outro papel. não precisava haver qualquer contradição.. Dominado por um súbito ímpeto de paixão. mas eu digo assim e assim. ele estava agora cansado demais para confiar em seu julgamento sobre a questão mais simples. mas sim o fato de ele aceitar a função de alto-sacerdote e supremo mestre. era uma especulação altamente perigosa. chamado a emitir julgamento sobre a sanidade de um amigo. o arauto da mudança. rechonchuda. Podia contestar o passado mais sagrado com a frase clássica. Prometi que ficaria à sua espera. Ela o fitou com uma expressão irônica. Para Carl Mendelius. O profeta era outro tipo de criatura. Saulo envolvido na estrada para Damasco. Assim. A doutrina da revelação particular. Quer tomar um conhaque? — Está bem. O problema dos cardeais não era a loucura de Jean Marie Barette. quando a possibilidade de destruição planetária era um fato comprovado e um perigo intenso. — Por que isso? — Eu a amo.definida. — Não posso ainda. Lotte. o contestador da ordem estabelecida. Johann telefonou para dizer que esqueceu a chave. O Espírito baixado sobre os apóstolos em Pentecostes. o historiador.

não sei. Ele sempre foi tão. Alguns momentos depois. Lotte comprimiu a mão dele contra seu rosto. para que enxugasse a blusa. — Louco? Essa não! Eu diria que não pode haver ninguém mais lúcido. Uma ilusão. disse-lhe bruscamente: — Os cardeais obrigaram-no a abdicar. Lotte. Pode acontecer.. Mendelius sabia que não poderia esquivar-se. Ela era inteligente demais para aceitar meias-verdades.Enquanto servia o conhaque. Mendelius afagou a testa e os cabelos da mulher. Assim. liebchen. por favor! — Desculpe-me.. — Não. como você e eu. acreditam num Deus que não podem provar. uma idéia fixa. com todo cuidado. — É verdade.. Lotte formulou exatamente as perguntas que ele temia. Fizeram um brinde mútuo. E milhões de pessoas. Pessoas sãs orientam suas vidas pelos horóscopos que saem nos jornais. repousando a cabeça nos joelhos dele. Acredita com absoluta convicção. Homens sãos acreditaram outrora que o mundo era plano. Mendelius entregou-lhe o lenço. — Por que os cardeais acham que ele está louco. ela perguntou baixinho: — Vai fazer o que Jean Marie está querendo? — Não sei. Terei de conversar com as pessoas que lhe eram 23 . Sinceramente.. E nossos filhos estão tão conscientes disso quanto nós. não fazemos isso. tão francês e prático! Talvez tenha mesmo enlouquecido. como resultado de stress ou mesmo como uma decorrência de um exercício imperfeito de lógica. isso eu poderia aceitar. — O quê? Lotte engasgou com o conhaque. Mas sabemos que pode acontecer... Carl? — Porque ele declarou que teve uma revelação pessoal de que o fim do mundo está próximo e que era o precursor do Segundo Advento. — Mas não saímos por aí dizendo que o mundo vai acabar amanhã! — Não. Ele descreve a experiência na carta que me enviou. achando que ele estava louco. Todos vivemos à sombra dessa realidade. — Um louco não poderia escrever-me a carta que ele escreveu. — Ainda não posso acreditar. liebchen. Lotte entregou-lhe o copo e sentou-se no tapete ao seu lado. Ele se inclinou e beijou-a no alto da cabeça. Carl. ele quer que eu ajude a espalhar a notícia. se os russos e americanos apertarem o botão vermelho. Terei de pensar a respeito. E agora que foi silenciado.

— Conversaremos sobre isso em outra ocasião. 24 . vou querer conversar com ele. Aos 53 anos. Na mitologia estudantil.. ela tinha até um amante. — Pois então vamos juntos. A voz era áspera. O apartamento dela no Burgsteige era mais como um clube do que uma habitação. Teria muitas pessoas para visitar. As crianças precisam de mim. Faz tempo que você não vai a Roma. meia rouca. Depois. Os cabelos eram uma verdadeira confusão de Medusa. nas palavras de um colega. a mais notável de todas sendo provavelmente o fato de ter sido eleita por unanimidade como a mais feia professora de toda a universidade. gorda... ela escapara à tragédia e se estabelecera como uma espécie de deusa tutelar à sombra do velho castelo de Hohentübingen. Ambos lhe devemos. liebchen. — Apenas por pouco tempo. E você sabe disso. Acrescentem-se a tudo isso um espírito sardônico e um desdém implacável pela mediocridade e se tem. Sinto muita saudade. em que estudantes e professores se acomodavam em bancos e caixotes para tomar vinho e empenhar-se em discussões acaloradas pela madrugada afora. Preciso de alguns conselhos profissionais antes de sair de Tübingen. "o perfil perfeito de uma personalidade fadada à alienação". algum ente fantástico que vivia nas Montanhas Harz e que a visitava secretamente aos domingos e nos feriados do calendário universitário. a boca de sapo e olhos quase que totalmente ocultos pelas lentes grossas da miopia. de um amarelo desbotado. — Detesto quando você viaja. seus artigos eram publicados em uma dúzia de línguas.. Vestia-se de uma maneira um tanto masculina e sempre desastrosamente desmazelada. amarelada. Mas naquela noite ele estava cansado demais para uma discussão e assim adiou o problema. por algum milagre. Suas aulas sobre psicologia clínica estavam sempre lotadas. Este é um ano muito importante para Johann e preciso ficar de olho em Katrin e seu namorado. Contudo. — Não posso ir. Era o pequeno conflito familiar entre os dois: o apego excessivo de Lotte aos filhos crescidos e o ciúme de meia-idade de Mendelius pela atenção dela.mais chegadas. Devo pelo menos isso a Jean Marie. Anneliese Meissner já conquistara diversas distinções acadêmicas. — Isso significa que você terá de se ausentar. Carl. Era atarracada.

provavelmente em decorrência de infecção sifilítica. poderia oferecer-me uma opinião clínica sobre a pessoa que a escreveu? Ela fixou seu olhar míope em Mendelius e sorriu. e as vidas sexuais dos operários turcos na indústria de papel local. em diversos espécimes. mas são apenas indicações. Entendido — Entendido. Parecia que Anneliese estava prestes a devorá-lo junto com as migalhas de sua strudel. Já estavam no café quando Mendelius julgou que era oportuno formular sua pergunta. Até mesmo a simples hipóxia. o paciente pode ter períodos lúcidos. Hölderlin morreu nesta nossa cidade de esquizofrenia irrecuperável. Não quero que me mostre um documento que obviamente é importante para você e depois ouvi-lo queixar-se de que meu comentário é inadequado. — Em primeiro lugar: a escrita. Estou sendo bem clara? — Admiravelmente.. Mas antes que me mostre essa carta. as propensões podem estar dentro dos limites da normalidade. Carl? — Se quiser aceitar o assunto como um contato profissional e confidencial. Carl Mendelius convidou-a para almoçar num reservado do Weinstube Forelle. Mas poderia diagnosticar isso exclusivamente pela leitura de Assim Falava Zaratustra? Terceiro: qualquer carta pessoal contém indicações de estados emocionais ou mesmo propensões psicóticas.Um dia depois de receber a carta de Jean Marie. Professora! — Carl Mendelius fez um gesto cômico de rendição. Mas poderia acreditar nisso pela leitura de Pão e Vinho ou Empédocles no Etna? Nietzsche morreu da paralisia geral dos insanos. Carl. a tese de um colega sobre a depressão endógena. que descartou como uma "bobagem pueril". Anneliese Meissner comeu e bebeu copiosamente. produz uma rápida deterioração da escrita. — Entrego minha carta em mãos seguras. — Vai mostrar-me a carta. a política local de Land Baden-Württemberg. que é o suprimento insuficiente de oxigênio ao cérebro. Os estados podem ser superficiais. claro que aceito. — Se eu lhe mostrasse uma carta. O sorriso era aterrador. — Vindo de você. Segundo: mesmo nas mais graves doenças psicóticas.. é melhor compreender alguns dos axiomas de minha disciplina. é uma indicadora segura de estados cerebrais. em que seus escritos ou pronunciamentos são completamente racionais. 25 . mas mesmo assim conseguiu fazer monólogos sobre a administração dos recursos da universidade.

— Afinal. o que é basicamente insanidade. Carl. com uma conotação violenta ou sexual. Não sou uma crente. — Na verdade. mas ainda não tive tempo de estudá-los. — Mas ele expressa dúvidas sobre a própria sanidade. mas nada disse. Mendelius sorriu e engoliu o último petit four.. dentro de seus limites. Mesmo quando ele fala que está sendo vigiado. que abdicou na semana passada. você e todos de sua espécie vivem num estado de ilusão. — Portanto. como não posso contestar suas ilusões. Escolheu as primeiras palavras com um cuidado clínico: — Não tenho certeza. sem fazer qualquer comentário. Por outro lado. — Ela soltou uma risada sibilante. Anneliese finalmente terminou a leitura. A carta propriamente dita é precisa e lógica. Eu sou uma ateia incurável. Reconhece que outros podem ter dúvidas a respeito. É algo que muitas vezes lamentei. eu nunca a possuí. Está absolutamente convencido da realidade de sua experiência visionária. Os trechos de narrativa possuem uma simplicidade clássica. vamos limitar-nos à carta. ao lidar com pacientes com fortes convicções religiosas. 26 . não é isso o que ele faz. — Ela a pegou novamente e começou a análise. O autor da carta é o Papa Gregório XVII. portanto. É uma escrita bonita e regular. As emoções do autor estão sob controle. que ele estava tentando desesperadamente abandonar. Algumas pessoas são surdas para os tons. acrescentando: — Há outros documentos.. tenho de admitir a possibilidade de ser eu a doente. Carl. — Caligrafia: não há qualquer indício de distúrbio.Ele a estendeu por cima da mesa. não há uma ênfase excessiva para indicar um estado paranóico. Não há imagens patológicas. Pôs a carta sobre a mesa. outras cegas para as cores. Prima facie.. Leu a carta lentamente. mas melhor do que o hábito de fumar. Anneliese Meissner contraiu os lábios grossos num assovio de surpresa. No trabalho clínico. nunca fui. Sua reputação estará segura comigo. senti-me às vezes em desvantagem por isso. enquanto Mendelius tomava café e mastigava petits fours. — Já concordamos que suas conclusões serão consideradas confidenciais. à sua frente. na minha opinião. se sou a pessoa certa para comentar esta carta. cobrindo-a com as mãos recheadas. péssimos para a cintura. o homem que é o autor da carta estava são quando a escreveu.. Qualquer que seja a faculdade que permite a uma pessoa pular da razão para a fé. O trecho em que narra a experiência visionária é claro e objetivo.

Toda meditação envolve algum grau de auto-hipnose. Enquadra-se perfeitamente numa estrutura de devaneio. Ela tornou a rir. suavemente. Como eu a interpretaria. Lido constantemente com pacientes em estado de ilusão. Acalme-se. Quantos milagres convenientes pode recordar sem maiores dificuldades? Quantas revelações que surgiram no momento oportuno? Cada seita do 27 . mas apenas na realidade da experiência para Lutero. Isso não significa que eu acredite no demônio. — Está querendo dizer então que Jean Marie é uma vítima de ilusões? — Não ponha palavras em minha boca. — Mas ele acredita numa intervenção sobrenatural. Ele sonha em dois pontos: as conseqüências do cataclisma sobre uma terra vazia e depois a passagem em turbilhão para o espaço exterior. — As relações fraternas podem ser terrivelmente complicadas.— E o que você acha dessa experiência? — Estou convencida de que ele a teve. Procure ao menos examinar objetivamente uma hipótese racional. de uma maneira mais descontraída: — Você é um velho jesuíta. — Ele diz que acredita. As duas imagens são vividas. — Dê outra olhada no trecho da visão e nas partes imediatamente anterior e posterior. Carl. — Mas essa é pura fantasia! — É mesmo? Você é um historiador. mas essencialmente banais. Podem ter sido extraídas de qualquer bom filme de ficção científica. Estou igualmente convencida de que Martinho Lutero julgava mesmo ter visto o Demônio em sua cela e lhe atirado um tinteiro. — Como assim? Anneliese Meissner respondeu taxativamente: — Ele pode estar mentindo! — É inteiramente impossível. antes de continuar. Tenho de partir da premissa de que tais ilusões são reais para eles. Ele está lendo e meditando num jardim ensolarado. Carl! — A censura foi imediata e brusca. Você queria uma avaliação profissional e é justamente o que lhe estou dando. Somos íntimos como irmãos. Ele já pensou nisso muitas vezes antes. Ao despertar. está de volta ao jardim. Sabe do que estou falando. E agora sonha acordado. Ela estendeu a carta para Mendelius. Conheço o homem. — Uma analogia infeliz — disse Anneliese. Carl. é outra questão. Pense um pouco. É fenômeno comum.

Gosta de imaginar que é um pensador liberal. vamos supor. — E perdeu-a. tem de proteger os mitos. firmemente: — Está certo. até mesmo Jesus curvou-se para reverenciá-lo. Ela 28 . Vamos. que o seu Gregório XVII chegou à conclusão de que este era o momento de grave crise para a instituição. Carl. Para o seu próprio bem. Os mórmons têm Joseph Smith e seus fabulosos pratos de ouro. meu amigo. a fim de abrandar a conversa. Notei que não manifestou qualquer reação quando mencionei os mórmons e os moonies. Carl Mendelius estava sombrio... Mendelius falou como um gracejo. — Neste caso. meu caro colega — ela estendeu a mão grande e apertou o pulso de Mendelius — que estou muito mais interessada em mantê-lo honesto! Depois que encerrou sua aula. Anneliese avaliou a proposta por um longo momento e depois anunciou. — Jean Marie é meu amigo..mundo precisa proporcionar essas coisas a seus devotos. Será uma experiência nova bancar a inquisidora de um Papa. ao final da tarde. Anneliese? Poderia proporcionar-lhe algumas percepções clínicas novas.. contemplando a passagem imponente dos cisnes pelas águas escuras. por muito tempo. mas ainda pertence à família católica romana. Mas quero que saiba.. a ocasião oportuna para alguma nova manifestação de envolvimento divino. onde está sua inteligência? — Parece que a perdi. Ele não poderia estar agora tentando salvar alguma coisa dos destroços e usando-o com esse objetivo? — É uma idéia monstruosa! — Não para mim.. esqueça tudo isso. — Não gostaria de assumir essa função. Aceito a proposta. Assim. um assessor para ajudá-lo a avaliar as provas. Não vai querer envolver-se com a loucura ou o mito. ele se estava metendo numa jogada infernal. — Se quer um conselho. — Por quê? — É um estudioso com uma reputação internacional. Por que sente um choque tão grande? Vou explicar-lhe o motivo. apenas supor!. Carl Mendelius foi até a beira do rio e ficou sentado ali. Anneliese Meissner deixara-o profundamente perturbado. Devo-lhe pelo menos uma investigação objetiva. Mas o resultado foi inesperado. — Então vai precisar de um Beisitzer. O Reverendo Sun Myung Moon intitulou-se o Senhor do Segundo Advento.

soou a sirene de uma ambulância. Mas o perigo estava à espreita. Mendelius estremeceu sob o impacto de uma recordação de infância: o som das sirenes de ataque antiaéreo e depois o zumbido dos aviões e as explosões ensurdecedoras das bombas incendiárias que choviam sobre Dresden. brusca e intransigente.. A questão era clara e não podia disfarçá-la ou contorná-la. ainda tinha uma obsessão divina. O novo Papa fora eleito numa sessão vespertina do Conclave e estava sendo agora proclamado como Leão XIV. prestes a se incender. para os lados da Klinikum. Podia olhar-se no espelho e respeitar o homem que via. Apesar de toda a sua disposição cética. Preferia o conforto do aconchego familiar à solidão do inovador. mas também a sua integridade como um estudioso. Ao longe. Anneliese sondara astutamente o ponto mais fraco de sua armadura intelectual: a inclinação para fazer julgamentos mais brandos sobre sua própria família religiosa do que em relação a outros. Aliás. Havia três possibilidades. meio lúgubre ao crepúsculo que se adensava. que se excluíam mutuamente. Mas o que seria de Jean Marie Barette. No caso de Jean Marie Barette. Jean Marie era um louco. Carl Mendelius descobriu-se a ter medo da confrontação. ao invés de enfrentar as contradições existentes. Preferia conformar suas descobertas como historiador à tradição ortodoxa. amigo querido de tanto tempo? Como reagiria quando os rigorosos termos da investigação lhe fossem expostos? Como se sentiria quando o amigo que procurara como advogado se apresentasse como Grande Inquisidor? Mais uma vez. no momento certo.contestara não apenas o seu relacionamento com Jean Marie Barette. como a luxúria insidiosa. ainda não traíra a si próprio. agindo sem medo e sem predisposição diante das provas que surgissem. Jean Marie era um homem com quem Deus se comunicara. tendo Anneliese Meissner como sua Beisitzer. Ao chegar a casa. Mendelius encontrou a família sentada diante do aparelho de televisão. a sua posição moral como alguém a buscar a verdade.. Ele tinha duas opções: recusar-se a qualquer envolvimento. Até aquele momento. dificilmente poderia fazer outra coisa. ou submeter todo o caso à mais rigorosa investigação. encarregado de transmitir uma revelação da maior importância. Não 29 . ainda estava condicionado aos reflexos pavlovianos do passado jesuíta. o perigo de autotraição poderia ser mortal. um gemido alto e insistente. Jean Marie era um mentiroso. o que era um direito de qualquer homem honesto que se sentisse incompetente. com a mulher certa.

Ela está precisando de companhia feminina. Poderia hospedar-me? — Mas com o maior prazer! — Frank era um homem cortês. era um homem corpulento. Até mesmo a multidão romana parecia apática e as aclamações tradicionais não exibiam qualquer vigor. deveria ter um papado nem muito curto nem muito longo. em Roma. Contudo. você poderá também prestar-me um favor. ele era experiente o bastante na vida conjugal para guardar tal pensamento. Segundo os atuários. Depois de um ator que se tornara fanático e de um diplomata que se tornara místico. com um humor amargo. mas perfeitamente óbvia. — Pois trate de trazê-la! Hilde ficaria deliciada. Você é muito gentil. — Talvez. Depois que o jantar acabou. Katrin estava rabugenta e Lotte no ponto mais baixo de uma das suas depressões da menopausa. historiador dos pintores quinhentistas. 30 . Era uma daquelas noites que servia como a melhor recomendação para a vida de celibatário. — Lotte vai acompanhá-lo? Temos espaço disponível mais do que suficiente. Terei de passar de uma semana a 10 dias em Roma. O mais importante de tudo era o fato de ele sofrer de artritismo e uma elevada taxa de colesterol.havia qualquer emoção na ocasião. Depois de dois papas estrangeiros. no final do mês. Estou ligando para pedir-lhe um favor. Sua eleição era o resultado de uma diplomacia cuidadosa. — Obrigado. pensava Mendelius. Ainda não está decidido. porque Johann estava mal-humorado por causa de um ensaio que não conseguia desenvolver satisfatoriamente. Herman. eles precisavam de um italiano que compreendesse e aceitasse as regras do jogo papal. Mendelius foi para o gabinete e telefonou para Herman Frank. de nariz adunco. olhos frios. impregnando-os tão cuidadosamente com a retórica italiana que tanto os liberais como os conservadores reagiriam com a maior satisfação. Ele faria apenas os pronunciamentos mais necessários. a escolha mais segura era a de Roberto Arnaldo. Ele se sentiu satisfeito por isso. O novo Pontífice estava com 69 anos. um burocrata com sangue gelado nas veias. As notícias sustentaram a conversa à mesa de jantar de Mendelius. — Herman? Aqui é Carl Mendelius. de cabelos prateados. Os comentários eram destituídos de entusiasmo. um áspero e desagradável sotaque do norte da Itália e 25 anos de prática dos negócios da Cúria. — De jeito nenhum! Afinal. mantendo uma das melhores mesas de Roma. diretor da Academia Alemã de BelasArtes.

liebchen. Entre os convidados. — Também estou sentindo-me solitário aqui em cima. como se não soubesse que seria bem recebida. E basta avisar-me a data de sua chegada que irei buscá-lo no aeroporto. Ele precisava de um momento mais propício para revelar a pequena surpresa à mulher. ao Guardião do Incunábulo na Biblioteca do Vaticano e à última matrona do Pierleoni. meu amigo. Importa-se com que eu fique sentada aqui com você? Mendelius abraçou-a e beijou-a. A Academia Alemã era uma das mais antigas e mais prestigiosas academias nacionais de Roma. Sua providência seguinte era preparar uma relação dos contatos para os quais deveria escrever. trazendo uma bandeja com o café. conseguindo apesar de tudo manter uma reputação de sólidos e profundos estudos germânicos. O convite de Herman Frank para fazer uma conferência era mesmo um golpe de sorte.. da Prússia. proporcionava a Mendelius uma base de operações e uma cobertura altamente respeitável para suas discretas e delicadas investigações. mas ainda era generoso o bastante para apreciar sua erudição... que dirigia as bisbilhotices de Roma de sua cadeira de rodas. O contingente alemão no Vaticano atenderia com o maior prazer a um convite para jantar de Herman Frank. — Durante a sua estada aqui. Vou servir o café. no reinado de Wilhelm II. A reação de Lotte à idéia seria outra coisa muito diferente. — As crianças saíram e eu estava sentindo-me muito sozinha lá embaixo. Mendelius desligou e soltou uma risadinha de satisfação.. havia sempre títulos exóticos como "Magnífico Reitor do Pontifício Instituto Bíblico" e "Grão-Chanceler do Instituto de Arqueologia Bíblica". sobrevivera a duas guerras e aos ideólogos irracionais do Terceiro Reich. Sente-se e relaxe. Assim. — O que está fazendo? 31 . Fora um habitante da cidade por tempo suficiente para reunir uma miscelânea de amigos e conhecidos. talvez conduzir um debate. Ele ainda estava relacionando nomes quando Lotte entrou na sala.. Seria um triunfo para mim se pudesse anunciar que o grande Carl Mendelius vai fazer duas conferências.. — O prazer será imenso. Conferências todos os dias. debates noturnos. A coisa de sempre. que desaprovava a sua deserção. Fundada em 1910. — Isso é maravilhoso! Providenciarei tudo. anunciando sua visita.— Pode falar. Ela parecia arrependida e desolada. passeios de ônibus durante a tarde. a Academia estará recebendo um grupo de pastores evangélicos. do velho e rude cardeal.

não é mesmo? — É.. Mas. Carl. Juro que estou.. Estávamos falando sobre isso antes e você chegar a casa. — Mendelius inclinou-se e tornou a beijar a mulher — .. — Katrin é uma mulher agora. Quero-a comigo. liebchen? — Sei que as crianças nos vão deixar. Mas é também por nossa causa. — Inesperadamente. Ela não conseguiu continuar. Quanto a ele. estaremos outra vez no ponto do qual começamos. Preciso de você. essa coisa que ele está querendo de você é muito estranha e assustadora. ela prorrompeu em soluços convulsivos. Fará o que bem quiser. Lotte. desanimada. É melhor começarmos a praticar outra vez uma vida de amantes. como se estivesse com medo de converter o pensamento em palavras. Mendelius relatou sua conversa com Herman Frank... liebchen.. E quando saírem de volta. Carl. Johann pretende fazer uma excursão a pé pela Áustria. está indo a Roma por causa de Jean Marie. Carl. Lotte a tudo ouviu com uma calma surpreendente e depois perguntou: — No fundo. — Mas. Mendelius estimulou-a gentilmente: — Mas o que. — Tenho medo. sim. providenciarei acomodações em algum hotel. Estou acostumando-me à idéia. — Eles têm outros planos.. o que vai acontecer se Jean Marie afastá-lo de mim? Isso. um medo terrível! 32 . Mas Katrin.. a oportunidade de se encontrarem com velhos amigos. Katrin quer ir para Paris com seu namorado. não há problema.. eles apenas nos foram emprestados. — Lotte deu de ombros... Discorreu com entusiasmo sobre os prazeres da cidade no verão. Se as crianças quiserem ir.. Afinal. — Acho que você tem razão. num gesto de derrota.. quer aprovemos ou não.. passearem um pouco.— Aprontando nossas férias.

eram geralmente documentos corriqueiros..." Mesmo em latim formal. Gregório. O argumento era apresentado. A implicação era evidente: o Papa nada ensinava de novo. esperança e caridade. apesar de sua autoridade prodigiosa. "Neste momento sombrio de confusão. o impacto das Palavras era tremendo.. fui ordenado pelo Espírito Santo. fui ordenado pelo Espírito Santo a escrever estas palavras de advertência e conforto. As encíclicas papais. Abandonara o papel de exegeta e assumira o manto do profeta. expunha uma verdade antiga e inalterável. servidor em Jesus Cristo.CAPÍTULO 2 "Nestes últimos anos fatídicos do milênio. As escrituras eram citadas em apoio. violência e terror. eu." Mendelius mal podia acreditar em seus próprios olhos. Gregório. não apenas para exprimir a dignidade do Pontífice. havia um apelo à fé. exortando a consciência dos fiéis. O formal "nós" era sempre usado.. renovando posições tradicionais em questões de fé ou moral. qualquer bom latinista podia torná-lo eloqüente. mas também pela conotação de uma comunidade e continuidade no cargo e no ensinamento." Assim começava a encíclica inédita de Jean Marie Barette. O esquema ainda era o dos antigos retóricos.. Não era de admirar que os homens da Cúria empalidecessem assustados ao lerem aquelas palavras pela primeira 33 . Diretrizes eram anunciadas.. Qualquer bom teólogo podia formular o argumento. seu irmão na carne.. aplicando-a simplesmente às necessidades de seu tempo. Jean Marie Barette rompera o padrão.. "Eu. Ao final. Abruptamente.

Pois chegará o dia em que teus inimigos te cercarão de trincheiras e por todos os lados te apertarão o cerco. E fora exatamente isso o que os cardeais haviam feito: suprimiram o documento e silenciaram o autor. fomes e epidemias. Seguia-se uma longa exposição de textos dos Evangelhos Sinópticos e uma série de eloqüentes analogias entre os "sinais" bíblicos e as circunstâncias da última década do século XX: guerras e rumores de guerras. Entre os militantes. Jerusalém. não podia deixar de provocar alarme e pânico. mas não quiseste!. Lembrai-vos de que estou convosco em todos os dias. que não me atrevo a ocultar. profunda e profissionalmente versado na literatura apocalíptica dos primeiros tempos ao presente.. e te arrasarão e aos teus filhos dentro de ti. que esta geração não passará antes que todas as coisas previstas se consumem. tu que mataste os profetas e os apedrejaste! Quantas vezes eu poderia reunir teus filhos como a galinha reúne os pintos sob as suas asas. o último lamento de Cristo pela Cidade Santa. mesmo até o fim do mundo. mas porque tudo me foi revelado numa visão. Não era esse o destino de todos os profetas. antes que os horrores dos últimos dias os alcançassem. dos eleitos contra os ímpios.' A advertência que lhes faço é de que esse fim está bem próximo. Para os fracos e amedrontados.vez. Para Carl Mendelius. o preço que pagavam por um dom terrível. poderia facilmente servir como um brado a favor de uma última cruzada. clara como o nascer do sol. Mas mesmo essa revelação não é uma coisa nova. falsos Cristos e falsos profetas. Não lhes digo isso por mim mesmo ou porque encontrei tal conclusão na razão humana.. outro trecho ressoou em sua mente. poderia ser uma indução ao suicídio. na mesa do Pontífice.. era um documento perturbador e perigoso. Foi simplesmente uma confirmação. Foi então que um novo pensamento ocorreu a Mendelius. a sangrenta confirmação da verdade a suas previsões? Em meio ao emaranhado de eloqüência bíblica. como acontecera com o secretário.. O que se seguia era ainda mais tendencioso: "O conforto que lhes ofereço é a promessa eterna de Nosso Senhor Jesus Cristo: 'Não vos deixarei órfãos. não deixarão pedra 34 . "Jerusalém. Ele perguntou a si mesmo o que teria feito se tivesse visto aquele documento. sendo ordenado a revelá-la ao mundo. Certamente recomendaria a sua supressão. do que foi revelado nas Sagradas Escrituras". recentemente escrito. Emanando de uma fonte tão alta...

Estou com 19 anos. 35 . sua data irrevogavelmente gravada no mecanismo da criação. Sou uma mulher agora. insinuandose pelas ruas estreitas da velha cidade. então por que proclamá-la? Que conselho poderia prevalecer contra um conhecimento de pesadelo? Que prece tinha força contra uma determinação da eternidade? Havia algo de profundamente patético nas respostas de Jean Marie a essas indagações: "Meus caros irmãos e irmãs. o mais são dos homens. ficamos unidos ao Amado. mas para as mãos da Eterna Misericórdia." Era um pensamento lúgubre para a meia-noite. não compreende mesmo. o Filho de Deus. um ato de amor. papai? — Claro. hesitante e tímida." A batida na porta provocou um sobressalto em Mendelius. todos nós tememos a morte. que é um pulo não para as trevas. — E agora me conte o que a está perturbando. o menos provável de se tornar vítima de uma ilusão de fanático. Mas somos seguidores do Senhor. em que o pobre Holderlin morrera louco e Melanchthon. mas somente aos que estão dispostos". Mas atrair para quê? Se a catástrofe final estava próxima. ensinava que "Deus atrai. Somos os herdeiros das boas-novas que ele nos deixou: que a morte é o portão para a vida. pelo qual. É um ato de confiança. Vestia um robe. Qual é o problema? Mendelius beijou a filha gentilmente e levou-a para uma cadeira. — O problema é a viagem a Paris. somente uma loucura assim poderia atrair a atenção do mundo. Ela não compreende. — Estava chorando.sobre pedra. porque não reconheceste as coisas que são para tua paz. os cabelos louros presos atrás com uma fita rósea. nos abandonamos. que todos devemos dar.. Mas talvez fosse justamente esse o problema: numa hora de crise. como fazem os amantes. papai. recuamos diante do sofrimento que pode procedê-la. Todos nos intimidamos diante do último passo. os olhos vermelhos de chorar. querida. Toda a sua experiência clamava que Jean Marie Barette era o mais disposto e o mais aberto dos homens. que sofreu e morreu em carne humana. para a eternidade.. o rosto limpo de maquilagem. com o luar entrando pelas janelas e o vento frio soprando pelo vale do Neckar. Era verdade que ele escrevera um documento terrivelmente imprudente. — Posso falar com você. meus filhos. Sua filha Katrin entrou. — Ele ficou imediatamente preocupado. Mamãe está furiosa. Disse que eu tenho de conversar com você a respeito.

. Vocês nos deram tudo. tentar construir um lar. Construíram coisas. Não sou muito boa com as palavras. Em seu lugar. — E gosto mesmo. Ocorreu-lhe o pensamento sombrio de que talvez tivesse sido por ela e todos os outros na mesma situação que Jean Marie Barette escrevera a 36 .. Sobreviveram a uma guerra.. — E ele está apaixonado por mim! — Então fico muito feliz pelos dois. De nos casarmos e termos filhos. — De quê? — De tudo. Mas o problema todo é que tenho medo. Subitamente. menina. menina. Mas o que vai acontecer agora? Já falaram em casamento? Quer ficar noiva? É esse o problema? — Não. enterrando os refugos que irão um dia envenenar nossos filhos. — Vamos com calma. É um ótimo rapaz. que agora são adultos. enquanto o mundo inteiro pode desmoronar ao nosso redor de repente. — Katrin estava muito firme. como você. como água fria jogada em seu rosto. não podem compreender. Achamos que temos direito pelo menos a isso! A veemência da filha deixou Mendelius chocado. E você disse que gostava muito dele. Katrin tornou-se veemente e eloqüente: — Vocês. — Não é fácil. havia agora uma jovem furiosa. A pequena e loura Madchen que embalara no colo desaparecera para sempre. Está apaixonada por ele? — Estou. dominada por um profundo ressentimento contra ele e toda a sua geração.. O petróleo se está acabando e por isso começamos a usar a energia atômica.. há rampas de lançamento de foguetes e silos de mísseis. — Já tentou explicar? — Muitas vezes! Mas ela simplesmente se recusa a escutar! — Pois tente então explicar a mim — disse Mendelius. é claro! Há muito tempo que estamos saindo juntos. E é justamente esse o problema. E também um pintor promissor. Quer passar o verão em Paris. — Mendelius sorriu e afagou-lhe a mão. gentilmente. — É o melhor sentimento do mundo. apenas isso. — Pelo menos ainda não. ambos temos medo. Quem vai com você? — Franz.. Mamãe se recusa a compreender.tanto quanto ela. E tiveram filhos.. sim.. — Havia um tom de desafio na voz de Katrin. os mais velhos... Mas olhe só para o mundo que nos legaram! Ao longo de todas as fronteiras. papai. Vamos começar pelo início. menos o amanhã! Não quero que meu filho nasça num abrigo antiatômico e morra de radiação! Tudo o que temos é o hoje e a possibilidade de nos amarmos.

sabe o que é o amor. suavemente.. Juntos. como as conseqüências para ela podem ser mais prolongadas do que para um homem. papai! — Ela o enlaçou pelo pescoço e beijou-o. Está agora começando o próximo capítulo com o seu Franz e somente vocês dois poderão escrevê-lo. — Não significa nada para mim." Se passar sua vida inteira esperando pela tempestade.. Não podemos dizer-lhe como ajeitar sua vida emocional.. fuge quaerere. que faz com que valha a pena toda essa confusão de viver e morrer. ficar preocupada e jamais querer tudo para si mesma. Aprendam a amar juntos. você teve a experiência de amar e ser amada. só que de uma maneira diferente.. mas os homens da geração dele.. ternamente.. — Ainda tenho pelo menos uma hora de trabalho pela frente antes de ir para a cama. Se não der certo.sua prescrição para a vida nos últimos dias. mas conheceu-a pelo menos parcialmente. vivendo além da conta. minha querida. nunca poderá apreciar o calor do sol. e eu estava sentado aqui a ler como a situação pode tornar-se ainda pior. querida? Vá para Paris com seu Franz. Ela briga porque a ama e tem medo por você. se os dois desperdiçarem seus corações e a alegria especial que torna o sexo tão maravilhoso." Foi o velho Horácio quem escreveu. — Pode estar certa. os mais velhos. Podem ter outras experiências e alegrias. que compreendo como vocês se sentem... — Sabe que sempre foi horrível. 37 .. suavemente.. tão especial e exclusivo. os perenes pragmáticos.. — Eu o amo muito! E deixou-me muito feliz. E o que será do amanhã?. Afinal. será algo que nunca mais poderão renovar. — Oh. Tudo o que podemos dizer-lhe é que.. — Pois experimente isto: "Quid sit futurum eras. O que mais posso dizer. Assim. Como está o seu latim? Katrin exibiu um sorriso. nem mesmo sua vida sexual. porque sabe como uma mulher pode ser magoada. Sua mãe também compreende. menina — disse Carl Mendelius.. — É muito simples: "Abstenha-se de indagar o que o amanhã pode trazer. É verdade que ainda não teve uma experiência integral. até que esteja pronta a começar a viver novamente. em meio às lágrimas. qualquer que seja a confusão em que o mundo esteja metido.... dar e receber. Mendelius fez uma prece silenciosa pela sabedoria da língua e começou a argumentar com a filha. sua mãe e eu poderemos no máximo enxugar suas lágrimas e segurar-lhe a mão. — Vá deitar-se agora. mas nunca mais terão esse primeiro êxtase. Certamente não haviam sido os jovens que a tinham suprimido. os sábios aparentes.

As regiões rurais ficarão sujeitas a pilhagens. pelo exercício de uma fé comum e de uma caridade mútua. Haverá uma luta implacável pelas mais simples necessidades da vida. . Depois que a filha saiu e a porta se fechou. ajudando os aflitos. Seus testemunhos cristãos devem ser dados pela disseminação dessa caridade para abranger também os que não têm fé.. A pessoa humana se transformará numa presa.. Mendelius afagou-lhe o rosto e disse jovialmente: — Um pai sem trabalho representa uma filha sem dote. Como então os cristãos devem comportar-se nestes dias de tribulação e terror? .. com aqueles que passam por maiores privações. A razão será de tal forma toldada que o homem recorrerá às formas mais toscas e violentas de magia. constituíam o que não se podia dizer. em busca do conforto. "Como não mais poderão manter-se em grupos numerosos. Ficção ou fato predestinado. devem dividir-se em pequenas comunidades. como comida. o que não se podia absolutamente publicar. manter a fé e continuar a dar testemunho. faria com que Jean Marie Barette parecesse o mais louco dos mulas loucos... combustível e abrigo. partilhando os seus recursos. lágrimas por toda a esperança juvenil de Katrin.. que haverão de se hostilizar uns aos outros. . cada uma capaz de manter-se por si mesma. — Deus Todo-Poderoso! Isso é demais! Mendelius ouviu sua própria voz ressoar pela sala no sótão. Será difícil.. As grandes sociedades urbanas vão fragmentar-se em grupos tribais.. A autoridade será usurpada pelos fortes e cruéis. como devem fazer. os mais minguados. toda a sua inocência ameaçada. 38 . Quando a hierarquia sacerdotal não puder mais funcionar. água. o mais absurdo de todos os profetas do Juízo Final. pegou os óculos e recostou-se para recomeçar a leitura do apocalipse de Jean Marie. até mesmo para os que aderem mais firmemente à Promessa do Senhor.. "É evidente que nos tempos de calamidade universal as estruturas tradicionais da sociedade não sobreviverão. E tenha sonhos maravilhosos. meu amor. .— Está trabalhando demais.. Mendelius sentiu a pressão das lágrimas inesperadas. aquelas palavras. Boa-noite. eles elegerão a si mesmos como ministros e mestres. até o fim. que manterão o Verbo em sua integridade e continuarão a administrar a Eucaristia. tanto quanto os animais que abate agora como alimento. Ele assoou o nariz violentamente. Se a imprensa do mundo tomasse conhecimento daquele documento. papai. emanadas de um Papa.

Havia políticos. Vulnerável no 39 . Nova York (212)689-7611 Episcopaliana Conhecido em jantar presidencial. Admite a necessidade de tolerância religiosa e étnica na União Soviética. estariam propensos a acreditar em sua mensagem e no mensageiro. por inferência. títulos. líderes de grupos dissidentes. Era uma perspectiva que. Continha nomes. um roteiro para os dias subseqüentes a Armagedom. Convicções religiosas firmes. Perfeitamente consciente da situação perigosa nas fronteiras da Europa. Amigos íntimos nos altos escalões militares. cada líder nacional mantinha trancada em seus arquivos mais secretos. URSS Nome: Posição: Sergei Andrevich Petrov Ministro para a Produção Agrícola Endereço Particular: Desconhecido Telefone: Moscou 53871 Visita particular ao Vaticano com sobrinho do Primeiro-Ministro. sob uma forma ou outra. editores de grandes jornais. no entanto. métodos de contato pessoal e anotações lacônicas sobre cada pessoa. Preocupado com a possibilidade de os problemas russos de suprimento de alimentos e petróleo precipitarem o conflito. era uma questão de simples lógica. Respeitado na Rússia. Ao contrário da carta e da encíclica. telefones. O que levou Mendelius. Fala russo. estava datilografado. ao terceiro e último documento: a relação daqueles que. inimigos no KGB. como se anteriormente fizesse parte de algum arquivo oficial. Dois registros davam o tom da relação. Escreveu uma monografia particular sobre a função de grupos religiosos numa estrutura social em desintegração.E. mas não pode opor-se aos dogmatistas do Partido. endereços. no contexto de uma calamidade atômica. mais de uma centena de nomes no total. francês e alemão. "EUA Nome: Posição: Endereço particular: Telefone: Religião: Michael Grant Morrow Secretário de Estado Park Avenue 593. industriais. religiosos. na opinião de Jean Marie. mas relações asiáticas fracas. Talvez fosse o mais espantoso dos três documentos.

naquela hora solitária da madrugada. com igual veemência. Mendelius protestou contra a rejeição sumária do documento: — Vamos parar por aqui! Se pretendemos discutir o assunto. porque você não goza de imunidade diplomática. num esforço para afugentar o sono. Agora. juntamente com uma garrafa de Assmanshausen. Os riscos para os quais o advertir começarão no primeiro contato. será encarado a principio com suspeita e tratado com muita reserva." Na última página. Mendelius recusara-se a permitir que os documentos saíssem de suas vistas. Cada uma à sua maneira. Nos anos céticos da meia-idade. Contudo. — Essa pretensa encíclica é um completo absurdo. J. enquanto Anneliese exigira. incontáveis mártires lamentando a inutilidade de seu sacrifício. cada uma dessas pessoas depositou alguma confiança em mim e tentei retribuir o gesto. embora ainda não sobre o homem que o escrevera. havia uma mensagem escrita a mão por Jean Marie: "Todas as pessoas desta lista me são conhecidas pessoalmente. Agora. a prece não lhe vinha com facilidade." Carl Mendelius tirou os óculos e esfregou os olhos. temos 40 .caso de colheitas desfavoráveis ou bloqueio econômico. uma mistura de folclore e misticismo! Estavam sentados no atravancado apartamento dela. a linguagem da política visa sempre a disfarçar e ocultar a verdade. sentia a necessidade da prece. Não sei se poderão mudar sob a pressão dos acontecimentos. Um súbito calafrio de medo percorreu-lhe o corpo. — Agora entramos mesmo no terreno da fantasia! — Anneliese Meissner mastigou um pepino em conserva e engoliu-o com a ajuda de um pouco de vinho tinto. todas demonstraram consciência da crise e disposição de enfrentá-la com um espírito de compaixão humana.M. como se as sombras da sala estivessem povoadas por fantasmas acusadores. embora nem sempre do ponto de vista de um crente. mas as palavras não lhe ocorriam. os documentos sobre a mesa. tinha de fazer um julgamento sobre o texto. os fantasmas de homens queimados por heresia e mulheres afogadas por bruxaria.B. Era como um homem trancado nas trevas por tanto tempo que esquecera o som da fala humana. o direito de assessoria de ler tudo. Como um mensageiro particular. Lera tudo com a devoção de um amigo e o cuidado de um estudioso honesto e meticuloso. Além do mais.

jovialmente. há toda uma massa de literatura milenar a respeito. Uma parcela considerável representa uma interpretação critica de uma das mais antigas tradições do mundo. a relação de nomes? — Não creio que tenha qualquer importância. Frau Beisitzer. Por um momento.de fazê-lo de maneira científica. do Livro de Daniel no Antigo Testamento a Jakob Boehme no século XVII e Teilhard de Chardin no século XX. O que Jean Marie escreveu se enquadra perfeitamente nos limites das previsões razoáveis. Qualquer político do mundo possui uma relação assim. Carl. Essa não. em sua "nuvem de glória". Admito que há muito absurdo. O que ele está esperando que você faça? Que saia pelo mundo a visitar todas essas pessoas? O que vai dizer-lhes? "Meu amigo Gregório XVII. — Assim é melhor. A outra metade seria contagiada pela loucura e sairia a valsar ao encontro do redentor. como a conhecemos. mas não posso esquecer. Em segundo lugar.. — Concordo com tudo isso. — Mendelius tomou um gole comprido do vinho e depois tornou a largar o copo na mesa. vamos voltar a tratar de negócios. Viajarei para Roma dentro de duas semanas." Ora. acha que o fim do mundo está próximo. — Obrigado. E achou que você deveria ser avisado de antemão. Mas acontece que seu homem mistura tudo na maior confusão. enquanto os lobos estão rosnando nos portões! Um Deus de amor meditando sobre o caos que ele próprio engendrou. 41 . Uma parte não passa de pura poesia. qualquer cientista sério lhe dirá que pode haver um término. Fé. — Agora. Professor! — O que aconteceria se o texto fosse publicado? — Metade do mundo riria até não poder mais. como as coisas do inglês William Blake. Teve uma visão a respeito. pense bem! Eles o meteriam numa camisa-deforça antes de acabar a primeira entrevista! Mendelius percebeu subitamente o lado cômico da situação e desatou a rir. uma risada que acabou por se desvanecer para um riso constrangido e desolado. pela evolução ou catástrofe. pensei ter perdido um bom colega. Não passa de uma lista de arquivo. Acho que devemos queimar esses malditos documentos e esquecer tudo. à existência humana no planeta.. Carl! — Posso queimar. o que foi expulso do Vaticano. A perspectiva de catástrofe já é uma especulação comum de cientistas e estrategistas militares. Em primeiro lugar. esperança e caridade. Anneliese Meissner despejou mais vinho nos copos e levantou o seu numa saudação. — Porque você também é uma vítima da mesma loucura de Deus! — O que me diz do terceiro documento.

— Pense um pouco. sua Beisitzer.— Essa não! — Anneliese fitou-o com total incredulidade. A zombaria dela sobre a conversa com Deus ainda ardia nos ouvidos de Mendelius. Mendelius fora profundamente atraído pela idéia jungiana do "grande sonho". e também farei com que minha assessora mantenha uma posição honesta! — Espero que compreenda. especialmente porque não conseguira encontrar uma resposta apropriada. Teve a precaução de ressaltar o objetivo ostensivo de sua visita: uma pesquisa na Biblioteca do Vaticano e no Instituto Bíblico de fragmentos de literatura ebionista e conferências na Academia sobre a tradição apocalíptica. Jean Marie colocara-se sob obediência e a autoridade poderia estender-se a seus movimentos físicos e até mesmo a sua correspondência particular. — Como vai conversar com Deus? Pretende também gravar uma conversa com Ele? Mendelius era um homem meticuloso por natureza e preparou-se para sua visita a Roma com extremo cuidado. — Não vejo por que precisam ser. a persistência da experiência tribal no subconsciente e sua permanente influência sobre o indivíduo e o grupo. mas também porque poderia extrair de sua audiência evangélica alguma reação emocional ao tema milenar. que rejeitava intransigentemente qualquer experiência transcendental. muniu-se de apresentações a autoridades do Vaticano. Mendelius. que era agora o superior religioso de Jean Marie... Telefonou para amigos. Ele passou muito tempo preparando a carta para o Abade de Monte Cassino... que outrora estivera 42 . decidirei se devo ou não abandonar o assunto. Depois. Era uma cortesia indispensável. Quando era mais jovem. conversar com Jean Marie Barette e as pessoas que lhe eram mais chegadas. — Anneliese Meissner espetou outro pedaço de pepino e sacudiu-o por baixo do nariz de Mendelius. escreveu a conhecidos. Pelo menos me terei desincumbido de meu dever como amigo. Havia uma semelhança extraordinária entre essa noção e o que os teólogos chamavam de "Infusão" e "Habitação do Espírito". Farei gravações de cada conversa e lhe enviarei. — E o que pretende fazer por lá? — Tirar umas férias. fazer duas conferências na Academia Alemã. que mesmo depois de tudo isso suas provas ainda serão incompletas. Escolhera tal assunto não apenas porque lhe proporcionava uma deixa para iniciar suas indagações a respeito de Jean Marie. jantares e entrevistas formais. marcou com bastante antecedência almoços. meu amigo. Levantava também a questão de Anneliese Meissner.

se o Abade não tinha objeções e o antigo Pontífice estivesse disposto a recebê-lo. Quanto a mim. Com o mundo em tal confusão. vou ficar profundamente grato e feliz. Tenho lamentado não me ser possível partilhar o fardo de seus últimos dias no Vaticano. Ele deveria telefonar para 43 . tinha uma perfeita noção do protocolo religioso. Mas se o momento não for oportuno. Mas os professores alemães não são muito cotados e sua esfera de influência raramente se estende além das salas de aula. continuo sendo Seu companheiro no Senhor. Espero que esteja bem. O bilhete também fora escrito com o maior cuidado e dizia o seguinte: "Meu caro amigo: Perdoe. mesmo que fosse rapidamente. sua hesitação em intrometer-se na atual privacidade do amigo. mas ignoro o protocolo para a correspondência com um Papa que abdicou e tornou-se um humilde filho de São Benedito.sujeito ao sistema. acho que agiu sabiamente ao afastar-se dele. Contudo. Se pudermos encontrar-nos. pedindo ao Abade que o encaminhasse a Jean Marie Barette. Já escrevi ao Abade pedindo permissão para visitá-lo. entregue por um mensageiro clerical do Cardeal-Arcebispo de Munique: O Reverendíssimo Abade Andrew terá o maior prazer em recebê-lo em Monte Cassino. estarei em Roma em breve. Sua carta falava da longa amizade com Jean Marie Barette. por favor. também terá prazer em rever o velho amigo. desde que esteja disposto a receber-me. Contudo. o informalismo. se sua saúde o permitir.B. Lotte lhe envia um cumprimento afetuoso e meus filhos saudações respeitosas.. O. Ele anexou um bilhete. Carl Mendelius" A resposta chegou em 10 dias.S. é claro. o Professor Carl Mendelius gostaria de fazer uma visita ao mosteiro. por favor. assim como o Reverendíssimo Jean Marie Barette. não hesite em dizê-lo. ainda pesquisando os ebionitas e fazendo algumas conferências sobre a doutrina da Parúsia na Academia Alemã. Teria o maior prazer em revê-lo. em data que fosse mutuamente conveniente.

Sua mãe e eu queremos demonstrar nosso reconhecimento. Dr. ele era muito amigo meu. — Mas não havia necessidade. no gabinete. A verdade é que tal investigação pode prolongar-se por muito tempo e exigir diversas viagens. Um dos motivos da minha viagem a Roma é a investigação do que levou Gregório XVII a abdicar. O pai era muitas vezes desajeitado em sua ansiedade de promover um talento tão óbvio. — Mendelius meteu a mão no bolsinho do paletó e tirou um envelope fechado. Por falar nisso. porque sem a ajuda dele sua mãe e eu não poderíamos casar-nos e você não estaria aqui agora. Não houve qualquer resposta de Jean Marie. — Johann estava obviamente constrangido. um brilhante estudante de Economia.. — Mas já me deu o dinheiro das férias. Eu gostaria de poder acompanhá-los. obrigado. — Eu gostaria de dizer-lhe uma coisa.. Mendelius pediu ao filho Johann que fosse tomar café em sua companhia. filho? — Dentro de dois dias. Como você sabe. — É uma linda região. Há muito tempo que os dois se sentiam constrangidos quando estavam juntos. — Mendelius percebeu que o rosto do rapaz se contraía prontamente.. Mahler.. Ele perguntou: — Quando vai partir em sua viagem. Se alguma coisa me acontecer. O resultado era a reserva de um lado e o ressentimento de outro. nosso advogado. passando pela Tauern e entrando em Carinthia. Mendelius estava determinado a usar todo o tato possível. Como sempre. isto é para ajudar nas despesas. sorrindo ironicamente. — Trata-se de uma questão pessoal e preferia que não a discutisse com sua mãe.. Sempre foi generoso comigo. O rapaz. havendo apenas raras demonstrações da afeição que ainda existia entre os dois.. — .. — E creio que se pode dizer que seu também..o Abade assim que chegasse a Roma e o encontro seria acertado. quero que saiba que meus negócios estão em ordem. está com a maioria dos 44 . através de Obersalzburg.. sentia-se embaraçado à sombra de um pai que era também um dos professores mais destacados da universidade. — Isto é algo extra. Vamos de trem até Munique e depois começamos a pé a excursão propriamente dita. Ele fez uma pausa. Na noite anterior à partida para Roma com Lotte. conseguiu apenas ser desajeitado. Pode haver alguns riscos. Desta vez. — Ahn. — Já definiu o seu roteiro? — Mais ou menos. no entanto.. Esforçou-se muito este ano. filho. o rosto assumia a velha expressão de teimosia.

Johann acenou com a cabeça em agradecimento e continuou a leitura. obediente e imóvel. Preciso de você agora e preciso muito. Nós nos irritamos um ao outro desnecessariamente. limitou-se a acrescentar: — Para explicar tudo. enquanto o mestre o imortalizava na tela. tenho de lhe mostrar algo secreto e pedir-lhe por sua honra para não revelar a ninguém. De que riscos está falando? E por que tem de se expor a riscos? — É difícil explicar. Quase 40 minutos se passaram até que ele virou a última página. O resto está naquele cofre ali.. lendo os documentos. papai. mas ficou com receio de uma repulsa. Você é um homem agora. Mas eu o amo. — Desculpe-me. Se algo me acontecer. Só então é que falou: — Compreendo tudo agora. todos os atritos infantis esquecidos. Acho que é um absurdo perigoso e detesto vê-lo envolvido. Mendelius levantou-se e tornou a servir café e conhaque ao filho. — Obrigado. Mas posso entender. E gostaria de poder dizer-lhe o quanto o amo. Mas é que. Ele se sentou à escrivaninha. Importa-se de me dizer por que acha que é um 45 . Johann. — O tom era ressentido. — Não estou entendendo. — Dê-me ao menos uma chance de compreender. tenho de escrever algumas anotações. tirou os documentos que Barette lhe enviara e entregou ao filho. terá de tomar o meu lugar e cuidar de sua mãe e irmã. Por isso. Conversaremos quando terminar. Continuou sentado em silêncio por um longo tempo. enquanto Johann se acomodava na poltrona. papai. — Leia isso. — Eu sei como é.documentos. Enquanto isso.. Era assim que sempre deveria ter sido. — Tem a minha palavra. depois dobrou os documentos lentamente. Johann! Tente relaxar um pouco. A emoção dominou Mendelius por completo. Mendelius foi até o cofre. Ele sentiu vontade de inclinar-se e abraçar o filho. À luz suave do abajur. Sentiu uma pontada de pesar pelos anos perdidos. levantou-se e colocou-os na mesa do pai. filho. filho. — Por favor. pai e filho companheiros. Explica tudo. — Sou seu filho. — Obrigado. o filho fazia Mendelius recordar-se de um dos jovens modelos de Rafael.

absurdo? — Claro que não. — Johann mostrava-se firme, mas respeitoso. Mantinha-se muito empertigado, como um subalterno falando com seu comandante. — Há uma coisa que estou querendo dizer-lhe há algum tempo. E este é um momento apropriado para falar. — Talvez possa servir-me um conhaque antes — disse Mendelius, sorrindo. — Claro. — Johann tornou a encher o copo do pai e pôs em cima da mesa. — A verdade, papai, é que não sou mais um crente. — Em Deus ou especificamente na Igreja Católica Romana? — Não acredito mais em nenhuma das duas coisas. — Lamento saber disso, filho. — Mendelius manteve-se deliberadamente calmo. — Sempre achei que o mundo seria um lugar desolado sem alguma esperança de uma vida posterior. Mas fico contente que me tenha falado. Sua mãe já sabe? — Ainda não. — Pois direi a ela, se você quiser... só que mais tarde. Gostaria que ela desfrutasse antes as nossas pequenas férias sem qualquer preocupação desnecessária. — Está zangado comigo? — Mas claro que não! — Mendelius levantou-se e foi pôr as mãos nos ombros do filho. — Por toda a minha vida, sempre ensinei e escrevi que um homem só pode trilhar o caminho que vê à sua frente. Se você não pode sinceramente aceitar uma fé, então não deve fazê-lo. É preferível deixar-se queimar como Bruno no Campo das Flores. Quanto a sua mãe e a mim, não temos qualquer direito de determinar o que deve haver em sua consciência. Ninguém possui tal direito. Mas lembre-se sempre de uma coisa, filho. Deve manter sua mente aberta, a fim de que a luz possa penetrar. Mantenha o coração aberto, a fim de que o amor jamais seja excluído. — Eu... eu nunca pensei que reagiria assim. Pela primeira vez, o controle de Johann se desvaneceu e ele parecia à beira das lágrimas. Mendelius abraçou-o. — Eu o amo, filho. Nada poderá jamais alterar esse fato. Além do mais... você está num novo território agora. Não vai realmente saber se gosta ou não até passar todo um inverno por lá... E não vamos mais brigar, está bem? — Certo! — Johann desvencilhou-se do abraço e pegou seu copo de conhaque. — Vamos fazer um brinde a isso. — Prosit — disse Carl Mendelius. 46

— Quanto ao outro problema, papai... — Pode falar. — Posso entender os riscos. Sei muito bem o que a amizade de Jean Marie significa para você. Mas acho também que deve definir as prioridades da maneira certa. Mamãe tem de estar em primeiro lugar... e Katrin e eu também precisamos de você. — Estou procurando manter as coisas na ordem certa, filho. — Mendelius soltou uma risadinha curta e triste. — Você pode não acreditar no Segundo Advento, mas, se acontecer, vai mudar todas as prioridades... não é mesmo? Do ar, os campos italianos pareciam um paraíso bucólico, os pomares viçosos, as campinas cheias de flores silvestres, as terras cultivadas com um verde novo, as antigas cidades-fortalezas a surgirem placidamente, como ilustrações de um conto de fadas. Em contraste, o Aeroporto de Fiumicino parecia um ensaio para o caos final. Os controladores do tráfego aéreo estavam funcionando nos termos dos regulamentos, os carregadores de bagagens estavam em greve. Havia filas imensas na alfândega. O ar ressoava com uma babel de vozes, gritando em uma dúzia de línguas. Policiais com cães farejadores circulavam pela multidão desesperada, procurando por traficantes de tóxicos, enquanto jovens recrutas montavam guarda em todas as saídas, armados de metralhadoras, vigilantes e nervosos. Lotte estava quase chorando e Mendelius suava profusamente, de raiva e frustração. Levaram uma hora e meia para passarem pela alfândega e saírem para a área de recepção, onde Herman Frank os esperava, ativo e solícito, como sempre. Estava com uma limusine, um vasto Mercedes emprestado pela Embaixada alemã. Ofereceu flores a Lotte e uma recepção calorosa a Herr Professor, além de champanha para beber, durante a longa viagem de carro até a cidade. O trânsito estava infernal, como sempre, mas Frank queria proporcionar-lhes um gosto prévio da paz celestial. E essa paz foi finalmente encontrada no apartamento de Frank, no último andar de um palazzo do século XVII, com afrescos no teto, chão de mármore, banheiros grandes o bastante para abrigar toda uma esquadra, uma vista espetacular dos telhados da antiga Roma. Duas horas depois, de banho tomado, roupas limpas e refeitos, eles estavam tomando coquetéis no terraço, escutando os últimos sinos a repicar e contemplando os pássaros que sobrevoavam as cúpulas e sótãos, avermelhados pelo pôr-do-sol. — Lá embaixo é um verdadeiro horror... — Hilde Frank apontou 47

para as ruas atulhadas de veículos e pedestres. — E não são poucas as vezes em que o sangue corre, pois os terroristas estão tornando-se cada vez mais audaciosos, enquanto a crosta de lei e ordem vai se desfazendo. Os seqüestros constituem uma das maiores atividades privadas. Quase não saímos mais à noite, porque há sempre o perigo de assaltantes e quadrilhas de motociclistas. Mas aqui em cima... — Ela gesticulou, abrangendo toda a cena dos prédios antigos recortados contra o céu. — Aqui em cima é a mesma coisa que vem sendo há séculos: os varais de secar roupa, os pássaros, a música que vem e vai, as mulheres chamando as vizinhas. Sem isso, acho que não conseguiríamos continuar por mais tempo. Era uma mulher pequena e morena, borbulhante de conversa, elegante como um manequim, 20 anos mais moça que o marido de cabelos brancos, que acompanhava todos os seus movimentos com adoração. Era também afetuosa, carinhosa como uma gatinha. Mendelius percebeu um brilho de ciúme nos olhos de Lotte quando Hilde, pegando-o pela mão, o levou para um canto do terraço, a fim de apontar ao longe a Basílica de São Pedro e o Castelo de Sant'Angelo. Hilde disse-lhe num sussurro teatral: — Herman ficou muito feliz quando você concordou em fazer as conferências. Ele está próximo da aposentadoria e detesta a perspectiva. Dedicou grande parte de sua vida à Academia... de nossas vidas, na verdade, porque não tivemos filhos... Lotte está com uma ótima aparência. Espero que ela goste de visitar as lojas. Pensei em levá-la ao Condotti amanhã, enquanto você e Herman estiverem na Academia. O pessoal do seminário ainda não chegou, mas ele está morrendo de vontade de mostrar-lhe a Academia... — ... e temos coisas extraordinárias para mostrar este ano! — Herman Frank, de braço dado com Lotte, aproximou-se deles. — Vamos apresentar a primeira exposição realmente ampla de Van Wittel que já se realizou neste país. Além disso, Piero Falcone emprestou-nos a sua coleção de joalheria antiga florentina. Será uma exposição das mais caras, porque precisaremos de guardas armados durante todo o tempo... Mas vou dizer agora quem virá jantar esta noite. Teremos Bill Utley e a mulher, Sônia. Ele é o representante britânico na Santa Sé. Bill é desses homens meio secos, mas sabe de tudo o que está acontecendo. E ainda por cima fala alemão muito bem, o que ajuda bastante. Sônia é jovial e exuberante, sem inibições. Tenho certeza de que vai gostar dela, Lotte. Virá também o correspondente em Roma de Die Welt, Georg Rainer. Ele está sempre alegre, tem uma conversa das mais agradáveis. A idéia de convidá-lo partiu de Hilde, pois Georg está 48

com uma namorada nova que ninguém ainda conhece. Se não me engano, é uma mexicana... e dizem que é muito rica! Vamos sentar-nos para o jantar por volta das nova e meia... Por falar nisso, Carl, há uma pilha de correspondência para você. Pedi à criada que deixasse em seu quarto. Era a mais calorosa das recepções e uma recordação de tempos mais felizes, antes que a guerra do petróleo começasse, o milagre italiano azedasse e as esperanças exuberantes da unidade européia fossem empanadas de maneira irreparável. Quando os convidados para o jantar chegaram, Lotte estava completamente relaxada, conversando alegremente com Hilde sobre uma viagem a Florença e outra a Ischia, enquanto Carl Mendelius expunha as linhas gerais de suas conferências aos evangélicos, para um entusiasmado Herman. O jantar foi dos mais agradáveis. A mulher de Utley tinha realmente uma conversa alegre e descontraída. A namorada de Georg Rainer, Pia Menendez, foi um sucesso imediato. Era uma beldade deslumbrante, que sabia ser atenciosa com as matronas. Georg Rainer era um homem ansioso por notícias e Utley gostava de recordar os acontecimentos. Assim, não foi difícil para Mendelius conduzir a conversa para os últimos eventos no Vaticano. Utley, o britânico, que em sua língua materna elevava a obscuridade a uma arte, era bastante preciso em alemão. — ... Mesmo para alguém de fora, ficou evidente que Gregório XVII deixou todos em pânico. A organização é grande demais e por isso mesmo muito frágil para suportar um inovador ou até um homem flexível em seu comando. É a mesma coisa que acontece entre os russos e seus satélites e os governos camaradas na América do Sul e África. Eles precisam preservar a qualquer custo a ilusão de unanimidade e estabilidade... Assim, o Papa tinha de ser afastado. — Eu gostaria muito de saber exatamente como o levaram a abdicar — disse Carl Mendelius. — Ninguém está em condições de falar sobre isso — explicou Utley. — Em toda a minha experiência, foi a primeira vez em que nada transpirou do Monte Vaticano. Obviamente, foi feita alguma barganha. Mas a impressão é de que eles ficaram com as consciências intranqüilas depois. — Fizeram chantagem com ele! — declarou categoricamente o homem de Die Welt: — Tive as provas, mas não pude publicar. — Por que não? A pergunta foi formulada por Utley. — Porque recebi a informação de um dos médicos que foram 49

chamados para examinar Gregório XVII. Evidentemente, ele não pode fazer uma declaração pública. Esse médico contou-lhe o que descobriu? — Contou-me o que a Cúria queria que ele descobrisse: que Gregório XVII era mentalmente deficiente. — E eles pediram tal confirmação de maneira tão clara e brusca? Mendelius estava surpreso e desconfiado. — Não. Foi justamente esse o problema. A Cúria foi muito sutil. Pediram aos médicos... foram sete, ao todo... que determinassem, acima de qualquer dúvida, se o Pontífice estava mental e fisicamente são para desempenhar-se dos deveres de seu cargo, neste momento crítico. — Isso é muito amplo e vago — comentou Utley. — Por que Gregório concordou com tais exames? — Ele ficou acuado. Se recusasse, tornava-se suspeito. Se aceitasse, ficava sujeito ao consenso médico. — E qual foi esse consenso? — perguntou Mendelius. — Meu informante não pôde dizer. Foi outra manobra hábil deles. Pediram a cada médico que apresentasse seu parecer independente, por escrito. — O que dava plena liberdade à Cúria para escrever posteriormente a sua própria avaliação. — Bill Utley soltou uma risadinha seca. — Muito hábil mesmo! E qual foi o veredicto do seu informante? — Creio que foi honesto, embora não muito favorável ao paciente. Gregório estava sofrendo de fadiga intensa, insônia constante e pressão alta, embora não necessariamente em caráter crônico. Havia indícios evidentes de ansiedade e fases alternadas de animação e depressão. Obviamente, se tais sintomas persistissem, num homem de 65 anos, haveria motivos para temer complicações mais graves... — Se os outros pareceres foram assim... Mendelius interveio, suavemente: — Ou se foram menos honestos e um pouco mais distorcidos... — Os cardeais lhe deram o xeque-mate — disse Georg Rainer. — Escolheram trechos especiais dos pareceres, neles baseando seu veredicto final. E apresentaram o ultimato a Gregório: abdique ou será afastado compulsoriamente! — Santo Deus! — exclamou Mendelius, baixinho. — Que opção ele tinha? — Mas não se pode negar que foi uma manobra das mais hábeis. — Bill Utley tornou a soltar uma risada seca. — Não se pode promover o impedimento de um Papa. Tirando o assassinato, como se livrar dele? Você tem razão, Georg, foi pura chantagem. Fico imaginando quem 50

terá urdido toda a trama. — Foi Arnaldo, é claro. Sei que foi ele quem deu instruções aos médicos. — E agora ele é o Papa — disse Carl Mendelius. — E provavelmente será um Papa muito bom — comentou Utley, sorrindo. — Afinal, conhece as regras do jogo. Relutantemente, Carl Mendelius, o antigo jesuíta, foi obrigado a concordar. Pensou também que Georg Rainer era um jornalista competente e que valeria a pena cultivar seu conhecimento. Naquela noite, ele fez amor com Lotte numa imensa cama barroca, que pertencera ao elegante Cardeal Bernis, conforme Herman jurara, por sua honra. Quer tivesse sido ou não, não tinha muita importância. O fato é que eles se amaram alegremente, com intensidade, como há muito tempo não acontecia. Depois que terminou, Lotte aconchegou-se no ombro dele e murmurou, a voz sonolenta: — Foi uma noite maravilhosa... todos tão alegres e efusivos! Estou contente por termos vindo. Tübingen é uma ótima cidade, mas eu havia esquecido como é vasto o mundo exterior. — Pois então vamos começar a visitá-lo juntos, liebchen. — Prometo que faremos exatamente isso. Estou sentindo-me mais feliz agora em relação às crianças. Katrin foi muito gentil e meiga. Contou-me o que você lhe dissera e como Franz recebeu a notícia. — Eu não soube disso. — Ao que parece, ele disse: "Seu pai é um grande homem. Gostaria de trazer-lhe uma boa tela de Paris." — É um prazer ouvir uma coisa assim. — Johann também parecia mais feliz, embora quase não tivesse falado. — Johann tirou do peito algumas coisas que o oprimiam, inclusive o fato de que não era mais um crente. — Oh, Deus! Isso é terrível! — É apenas uma fase, liebchen. — Mendelius mostrou-se deliberada-mente indiferente. — Ele quer descobrir o seu próprio caminho para a verdade. — Espero que você lhe tenha deixado bem claro que respeitava sua decisão. — Mas claro! Não deve preocupar-se com o meu relacionamento com Johann. É apenas uma questão do touro velho e do novo tendo atritos ocasionais. — Touro velho é uma descrição das mais apropriadas! — Lotte riu 51

feliz na escuridão. — O que me lembra de uma coisa: se Hilde insistir nessa história de pegar na sua mão, ainda vou acabar arrancando os olhos dela! — É um prazer descobrir que você ainda sente ciúme. — Eu o amo, Carl. Não pode imaginar quanto o amo. — Eu também a amo muito, liebchen. — Isso é tudo o que eu preciso para encerrar um dia perfeito. Boanoite, meu querido. Lotte rolou para o lado, enroscou-se por baixo das cobertas e caiu no sono quase que imediatamente. Carl Mendelius cruzou as mãos por baixo da cabeça e ficou por um longo tempo olhando para o teto, onde ninfas amorosas e semideuses vorazes divertiam-se desenfreadamente. Apesar de todo o alívio do ato de amor, ele ainda estava atormentado pelo que ouvira ao jantar e pela última carta da pilha que a criada deixara na mesinha-de-cabeceira. Estava escrita em italiano, a mão, no papel timbrado da Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé: ''Caro Professor Mendelius: Fui informado por nosso amigo mútuo, o reitor do Pontifício Instituto Bíblico, de que estará em breve visitando Roma a fim de efetuar algumas pesquisas históricas, além de fazer conferências na Academia Alemã de Belas-Artes. Soube também que planeja fazer uma visita ao Pontífice recentemente afastado, no Mosteiro de Monte Cassino. Como sempre tive a maior admiração por seu trabalho, teria o maior prazer em recebê-lo para um café, pela manhã, em meus aposentos particulares, na Cidade do Vaticano. Gostaria que fizesse a gentileza de telefonar-me para a Congregação, em qualquer tarde, entre quatro e sete horas, a fim de marcarmos uma data mutuamente conveniente, de preferência antes de sua ida a Monte Cassino. Apresento minhas saudações e os melhores votos de uma estada agradável. Seu em Jesus Cristo, Anton Drexel Cardeal-Prefeito" Era impecável, como sempre: um gesto cortês e um lembrete mordaz 52

de que nada, absolutamente nada, ocorria nos círculos sagrados sem que os cães de guarda do Senhor tomassem conhecimento. Nos dias antigos dos Estados Papais, mandariam uma convocação e um destacamento de gendarmes para velar por seu atendimento. Agora, usavam-se café e biscoitos nos aposentos do cardeal, seguindo-se uma conversa suave e insinuante. Ora, ora! Tempora mutantur! Mendelius se perguntou o que o Cardeal-Prefeito mais desejava: informação ou uma garantia de discrição. E perguntou-se também quais seriam as condições que lhe poderiam impor antes de permitirem uma visita a Jean Marie Barette.

CAPÍTULO 3

Herman Frank tinha bons motivos para sentir-se orgulhoso de sua exposição. A imprensa fora generosa em comentários, louvores e ilustrações. As galerias da Academia estavam repletas de visitantes, romanos e turistas, havia uma quantidade surpreendente de jovens. As obras de Gaspar Van Wittel, um holandês de Amersfoort do século XVII, eram pouco conhecidas do público italiano. A maioria ficara sempre zelosamente guardada nas coleções particulares dos Colonna, Sacchetti, Pallavicini e outras famílias nobres. A reunião das obras levara dois anos de paciente pesquisa e delicadas negociações. A proveniência de muitos quadros ainda era um segredo rigorosamente guardado, o que confirmava a existência em grande quantidade do que se chamava de raccolta privata. Juntos, constituíam um retrato extraordinariamente vivido, pictórico e arquitetônico, da Itália do 53

uma da Coleção Pallavacini. Estou ficando velho. subitamente embaraçado. diga-se de passagem!. É muito estranho. Mas é que adoro essas coisas! Mendelius pôs a mão no ombro dele. — Olhe só para isso! Tão delicado e ao mesmo tempo tão preciso! A qualidade das cores é quase japonesa! Um artesão magnífico. levou-os a outro mundo.. dê uma olhada nesta vista do Tibre! Há três versões deste quadro. Já estabeleceu a sua reputação como historiador de arte. gentilmente. Vou aposentar-me no próximo ano. Não sei se terei tempo ou energia.século XVII. não poderei continuar por muito tempo. Pedirei um café para nós. mas ao mesmo tempo detesto a idéia de voltar à Alemanha. meu amigo. — Vamos para o meu escritório. Estude estes desenhos. um mestre completo das perspectivas mais intrincadas. Ainda está lá. toda a feiúra esquecida. outra da Galeria Nacional e a 54 .. — Não sou muito bom nos negócios e ficaria preocupado com Hilde na hora de acertar tudo. Confesso que estou.. para tornar a fazer algo assim. Mas era tudo campina ao redor naquele tempo e assim ele tinha provavelmente todo o espaço e luz de que precisava. Por que não me deixa conversar com meu agente e verificar o que ele pode fazer por você? — Faria isso por mim? — Herman estava quase pateticamente grato. — Falarei com meu agente assim que voltarmos à Alemanha.. porém. Posso usar seu telefone? Preciso fazer uma ligação importante antes de meio-dia. Não poderemos continuar a viver aqui..... — Mas ainda estará tentando e isso é o mais importante.. Tenho certeza de que poderá ganhar muito mais dinheiro na edição de seus livros do que conseguiu até agora... Mas também estou com medo do dia em que todas essas telas forem removidas e remetidas de volta a seus proprietários. Um lugar terrivelmente claustrofóbico. Ele vivia numa villa pequena e sombria na Appia Antica. Antes disso.. Carl. — Desculpe-me. Deve estar orgulhoso disso. Observe como ele constrói pacientemente a composição. e a sorte também. — Infelizmente. O que me lembra de uma coisa.. Não sei então o que farei.. mais simples. Olhe só para todos esses jovens! Você os afastou de seus ressentimentos e confusões.. Estou falando demais. O entusiasmo de Herman Frank possuía a inocência rara e comovente da infância. — E estou mesmo.. mais bonito. Herman Frank parou de falar de repente. — É um prazer ouvi-lo. — Pode começar a escrever em tempo integral.

tempo suficiente para cancelar o convite. — Algum problema. Mendelius desligou e ficou sentado por algum tempo. parece que o Vaticano está um tanto interessado nas minhas atividades. Aceito o convite e deixarei para voltar na manhã de quinta-feira. — Não tenho certeza. Quer leite e açúcar? — Sem açúcar. 55 . — Terei o maior prazer em transmitir seus cumprimentos. Teve de esperar muito tempo para que o Abade fosse encontrado e chamado ao telefone. Professor. caso as circunstâncias mudassem ou houvesse a intervenção de alguma autoridade superior. real ou diplomática. e se quiser passar a noite. Até quarta-feira. A indisposição de Jean Marie. — Eu diria que isso é perfeitamente natural. — Por favor. você lhes deu algumas dores de cabeça no passado. Como está meu amigo Jean? — Está meio indisposto. — É muita bondade sua. O Abade foi cordial. Ainda faltava quase uma semana para a quarta-feira. — Professor Mendelius? Aqui é o Abade Andrew. Carl? Herman pôs a bandeja com o café em cima da mesa e começou a servir. embora não exatamente efusivo. Mendelius ficou remoendo-se de impaciência. Abade. teremos o maior prazer em acomodá-lo.. O mosteiro fica um tanto longe de Roma. Poderíamos marcar sua visita para a próxima quarta-feira? É um dia de festa para nós e assim poderemos oferecer-lhe uma hospitalidade um pouco mais generosa. mas depois lembrou que os mosteiros visavam a separar os homens do mundo e não a mantê-los em contato fácil. imerso em seus pensamentos. Estou tentando emagrecer. Foi muita gentileza sua telefonar tão prontamente. — Obrigado. apresente-lhe meus cumprimentos afetuosos e diga que minha mulher manda lembranças. mas espero que já se tenha recuperado até sua visita. Sugiro que chegue por volta das três e meia da tarde e fique para o jantar. E cada novo livro seu provoca um rebuliço. proporcionaria a desculpa apropriada.terceira de um engenheiro que a comprou por uma ninharia numa feira livre de objetos antigos. Afinal. Passaram-se mais 15 minutos antes que Mendelius pudesse dar o seu telefonema para o Mosteiro de Monte Cassino.. De qualquer forma. Ele aguarda ansiosamente a oportunidade de revê-lo.

. Todos os diretores receberam instruções para providenciar lugares seguros em que esses materiais possam ser guardados. enfático. para comprar ou alugar o local apropriado. — Foi tão patente assim? — Creio que apenas para mim. como esculturas. Mostrou uma carta de Bonn. Tive a nítida impressão de que o nosso Governo está realmente preocupado com a possibilidade de algo terrível acontecer muito em breve. Carl. — Mendelius resolveu ampliar a resposta. Gostaria de saber sua opinião a respeito. — Especialmente porque não se pode fazer seguro contra guerra ou violência civil. Era um tom de urgência. O Embaixador disse que o documento não poderia deixar a Embaixada. O Embaixador queria falar-me. — Tem uma cópia dessa circular? — Não. A resposta foi um tanto brusca demais. com ameaça de penalidades rigorosas por negligência. Havia algum motivo especial? — Ele era meu amigo. Houve um momento de silêncio constrangido e depois Herman disse: — Há um problema que me vem deixando preocupado e perplexo. Você sabe disso. — Não é esse o problema — disse Herman Frank. — Ele não lhe contou? — Há meses que não recebia notícias dele. Muitos deles. esse tipo de coisas. Somente os altos funcionários deviam tomar conhecimento do conteúdo da circular. — Há cerca de um mês fui chamado à nossa Embaixada.— Já notei. — Parece-me uma precaução razoável — comentou Mendelius. Todos recebemos um orçamento especial. Herman. Achei que isso 56 . — Imagino que não lhe sobrava muito tempo para correspondência particular. — Foi o tom do documento que me deixou preocupado.. como você sabe. — Mas pretende encontrá-lo durante sua estada em Roma? — Já acertei tudo nesse sentido. manuscritos históricos. em caso de distúrbios civis ou um conflito internacional. E há mais uma coisa. E também notei que estava pressionando com alguma insistência ontem à noite para obter informações sobre Gregório XVII. imediatamente disponível. quadros. uma circular de instruções a todas as academias e institutos no exterior. Herman Frank era um homem de muito tato para insistir no assunto. estão com materiais valiosos emprestados pela República. nos países anfitriões. Eu queria saber o que realmente lhe aconteceu. — Pode falar.

— Ou um ato de esperança — disse Mendelius.. que pensam que podem resolver o problema com uma guerra no momento exato. A partir do momento em que os primeiros mísseis forem disparados. Você não fica querendo às vezes que pudéssemos encontrar um grande homem que assumisse o controle da situação e nos tirasse dessa terrível confusão? |— Nunca! — disse Carl Mendelius. — É bem possível. — Como assim. E quero que seja franco comigo. gentilmente. — Os grandes homens são perigosos. a recessão cada vez maior. Os biscoitos já tinham sido comidos.. Temos uma pequena propriedade nas colinas toscanas. o colapso da confiança política. enterram-nos sob os escombros de cidades em que outrora viviam em paz pessoas simples! — Quero ser franco com você. Mas decidiu não fazêlo. Carl.. cercado por terra fértil. Mas estou preocupado com Hilde e no que poderia acontecer com ela se ficarmos separados numa emergência. Ela não quer voltar à Alemanha. mas concorda que devemos pensar em uma saída de Roma. embora querendo que tal guerra seja limitada. Herman Frank era um bom homem. Nunca tinha pensado no problema dessa maneira. Eminência? E franco sobre que assunto? As cortesias haviam acabado. Mendelius. Sei que me preocupo demais com as coisas.. As mulheres são muito melhores do que nós em questões de sobrevivência. Mas o que você pode fazer é outra questão. Herman. sombriamente. Gostaria de saber a sua opinião sincera.. E continuo a achar.. sim. o 57 . — Acho que a sua Hilde é muito sensata. Mendelius sentiu-se tentado a dissipar a apreensão do amigo com alguma justificativa convincente. mas isso pode acontecer muito em breve. e não deveria preocupar-se tanto com ela. É um lugar isolado. Talvez pudéssemos sobreviver com base apenas no que cultivássemos. e os idiotas em altos postos. Ainda não chegamos ao ponto de pânico. Tudo aponta para isso: os distúrbios públicos. Mas parece um ato de desespero sequer cogitar sobre tal possibilidade. Já conversou com Hilde sobre isso? — Já. Por um momento. Você está certo ao ficar preocupado.era um tanto sinistro. Quando seus sonhos fracassam... Merecia uma resposta objetiva e sincera. não haverá esconderijo seguro em parte alguma. — A situação não está nada boa. gentil demais para um mundo brutal.

gostaria de formular uma pergunta. ao que saiba? — Pelo que sei. Virou-se lentamente e ficou imóvel por mais um momento. Sua Eminência Anton Cardeal Drexel. por que não se senta? Eu gostaria de ver seu rosto enquanto conversamos. Tenciona opor algum obstáculo ao meu encontro com Jean Marie? — Eu? De jeito nenhum! — Alguém pretende. — Se meu italiano falhar. un tipo robusto. de um azul intenso. e não muito polido. O rosto vincado. — Desculpe-me. de cabelos grisalhos. contemplando os jardins do Vaticano. Essa conclusão é acurada? Drexel hesitou por um instante e depois assentiu em concordância. Eminência. — Como Vossa Eminência achar melhor. Poderia achar cômico. Eminência. Drexel era italiano. parecia esculpido em madeira. Falo alemão como um tirolês. uma silhueta sem rosto contra a claridade. divertidos. vou responder à sua pergunta. 58 . — Ele usou um termo coloquial. — Obrigado. empertigado como um granadeiro. — Drexel riu. — E agora me diga: o quanto sabe do que aconteceu aqui recentemente? — Antes de responder. embora haja obviamente muito interesse pelo encontro. que foram posteriormente reunidos pela Cúria num documento final.café estava frio. secamente. estava de costas para o visitante. ninguém tem essa intenção.. — Você sempre foi um homem duro. Mendelius deu de ombros. Mendelius sorriu do elogio ambíguo. destinado a lançar dúvidas sobre a sanidade mental de Sua Santidade. mas inquisitivos e penetrantes. — Pois então vamos conversar em italiano. E sei quais foram os meios usados para arrancar-lhe tal decisão. há muito um território em disputa entre a Áustria e a República Italiana. Drexel afastou-se da janela e foi sentar-se diante de Mendelius.. Mendelius acrescentou: — Por favor. por cima dos joelhos. — A língua materna é a melhor para se ser sincero — comentou Mendelius. — Um truque antigo. Somente os olhos estavam vivos. falarei em alemão. Agora. banhados pelo sol. Prefere que conversemos em alemão? Apesar do nome. Sei que o Papa Gregório foi forçado a abdicar. ainda bonito. Eminência. Arrumou cuidadosamente as dobras da batina. nascido em Bolzano. — E quais foram? — Sete pareceres médicos independentes.

sarcasticamente.— É. Mas considerá-lo um louco? Nunca! — Então um profeta mentiroso? Pela primeira vez. E o que você sabe sobre a minha participação nos acontecimentos? — Pelo que sei. Houve um brilho de dúvida nos olhos de Drexel.. Quanto à decisão propriamente dita. pura chantagem. — E. — Ele não é um mentiroso. não podia abrandar em sua inquisição.. Eminência? — Diante do segundo dilema: como provar se a revelação é falsa ou verdadeira? — Seus colegas já resolveram esse dilema — comentou Mendelius. Drexel parecia exatamente o que era: um velho leão que estava perdendo a força. Mendelius sentiu um impulso de compaixão pela angústia estampada no rosto dele. sim. Seria tudo mais simples. estou num dilema. mesmo que tal revelação seja verdadeira? — Então você sabe de tudo! — disse suavemente o Cardeal-Prefeito. mas ele continuou sem a menor hesitação: — E concorda ou não com a decisão? — Acho que os meios de impô-la foram vergonhosos. meu amigo? — O Papa é eleito como Pastor Supremo e Guardião da Fé. — Julgaram-no um louco. o rosto impassível de Drexel deixou transparecer a emoção que o dominava. Não havia a menor possibilidade de ele desempenhar suas funções diante de tanta oposição. Eminência. — E sabe por que os cardeais chegaram a tal decisão? — Sei. compreende. Eminência. simplesmente não posso! De repente. — Acha que foi vítima de uma ilusão? — Eu bem que gostaria de acreditar nisso. — Achei e ainda acho que a posição dele como Pontífice era insustentável. mas concordou em transmiti-la ao Pontífice. Apesar disso. O cargo pode ser conciliado com o papel de profeta a proclamar uma revelação pessoal. discordou da decisão do Sacro Colégio. E perguntou firmemente: 59 . Tive de examinar todos os veredictos possíveis. felizmente. — E onde isso nos deixa. — Mas não foi o meu caso — disse firmemente o Cardeal Drexel. — E como exprimiria esse dilema. Mas não posso acreditar. — É um pensamento terrível! — Ele me pediu para julgá-lo.

escritos. quando a ordenação por um bispo é totalmente impossível. — É o Cão de Deus falando. Ele permaneceu fiel à sua vocação como sacerdote. Mas pelo menos o ensinamos a compreender o método. Obviamente. — Havia uma insinuação de ironia na voz de Mendelius. Eminência? Pela primeira vez. está aberta a discussão. Suas paixões estavam sobre controle. não é mesmo? Admito que o fizemos passar por momentos difíceis. — Como pôde julgá-lo. meu caro Mendelius. o rosto áspero de Drexel se desanuviou num sorriso. Drexel sorriu tristemente. — As feridas antigas ainda doem. Mendelius não pôde deixar de rir. Enfrentou a tudo com dignidade e aceitou o papel de submissão sem qualquer queixa. Era um homem totalmente altruísta. Até mesmo a questão de um ministério eletivo. Não tive a menor dúvida sobre a sua supressão. O que quer saber primeiro? — Foi o escrito que finalmente o condenou. comportamento. a natureza da vida espiritual. Fui informado pelo Abade de que sua vida em Monte Cassino é um modelo de simplicidade religiosa. ele lhe escreveu e enviou uma cópia da encíclica proibida. Sua ira era sempre contra a maldade. é claro. Mas concordo que não contém nada. que seja contrário à doutrina tradicional. manteve-se humilde e gentil.. absolutamente nada. Tenho uma cópia da encíclica. embora seja assunto um tanto delicado para ouvidos romanos. No mais alto posto. Como foi que a leu. jamais contra a fragilidade. Eminência? — Com profunda apreensão. — Ele é também um homem que mantém silêncio. Mesmo ao final. Mendelius. mas certamente não são heterodoxas. ele não verberou seus acusadores. Como isso pode ajustar-se à obrigação que ele diz ter de espalhar a notícia da Parúsia? — Antes de eu responder a essa pergunta. — A avaliação não podia deixar de ser melhor do que a sua. creio que devemos esclarecer uma questão de fato. — Isso foi antes ou depois da abdicação? 60 .— Como foi que o testou. Há interpretações que podem ser consideradas exageradas. todos os pensamentos orientados para o bem da Igreja e das almas humanas. Correto? — Correto.. — O que nos leva ao teor da vida espiritual de Jean Marie. Eminência? Quais os critérios que empregou? — Os únicos que conheço: sua maneira de falar.

Primeiro. ele fala de sua obrigação de proclamar as novas que afirma lhe terem sido reveladas. É um período de profunda escuridão. que é chamada de "a noite escura da alma". a proteger a livre consciência de seu novo monge. mas recebi depois. em voz baixa. Sua Santidade concordara em ingressar na Ordem de São Benedito e levar a vida de um simples monge. não haveria problemas. Assim ele estaria obrigado a obedecer a seu superior religioso. foi até a janela e ficou olhando para o jardim. Ensinamos isso a todas as tiranias do mundo. ele se levantou. Lentamente. Drexel não respondeu imediatamente. com uma raiva intensa — Obediência do espírito! A pior agonia que se pode impor a um homem honesto. Quando finalmente tornou a se virar. Eminência. Mas isso não responde à minha pergunta. — Ressaltei que se tratava de uma usurpação inadmissível do direito de um homem de agir livremente. Barganhei com o meu voto no Conclave iminente e comuniquei ao Abade Andrew que ele também estava obrigado.— Ele escreveu antes. Eu lhes disse que não tinha um direito moral nem legal de fazer isso. disseram meus espertos colegas. Dessa forma. tentaram incluir no instrumento de abdicação uma promessa de silêncio perpétuo sobre qualquer questão que afetasse a vida pública da Igreja. que ele faria tudo o que quisessem. mas Mendelius não protestou. A angústia do Cardeal era perfeitamente evidente em sua voz: — Creio que o motivo é o fato de ele estar agora passando pela experiência de todos os grandes místicos. quase dolorosamente. Tentaram então outro caminho. terrível 61 . que o voto mais rigoroso não poderia obrigá-lo a cometer um erro ou reprimir sua consciência em nome do bem. Renunciaria ao meu cargo e faria uma declaração pública completa sobre todo o episódio lamentável. Quando meus irmãos cardeais obtiveram o consentimento de Gregório à abdicação. Se insistissem. — Mendelius estava solene e respeitoso. o rosto estava na sombra como antes. eu lutaria contra eles até a morte. de acordo com sua consciência pessoal. Por que Jean Marie está calado? Tanto na carta que me escreveu como na encíclica. pois o Abade receberia instruções para forçá-lo ao silêncio. — Fico contente em saber disso. — É a primeira luz que encontro em todo este caso tenebroso. Ameacei novamente denunciar tudo publicamente. — Ótimo! E agora me deixe dizer-lhe algo que não sabe. estavam convencidos de que o haviam quebrado. sob pena de pecado mortal. — Eu estava determinado a impedir que a impusessem a nosso amigo — disse Mendelius. pelos votos. — Conheço essas coisas — disse Carl Mendelius.

— Era muito menos razoável antigamente. apenas duro. para Anton Cardeal Drexel. a fim de contemplar a grande. Isso parece indicar uma crença em sua experiência mística. — Não foi rude. Eminência. Lotte e Hilde tinham ido almoçar em Tivoli e por isso ele estava fazendo uma refeição sozinho na Piazza Navona. a morada do Vigário de Cristo.confusão. Basílica de São Pedro. com as colunatas ao redor. No meio da Via della Conziliazione parou e virou-se. É uma réplica daquele momento terrível em que o próprio Cristo gritou: "Meu Pai! Por que me abandonaste?" Foi isso o que o Abade Andrew me informou. Espero e rezo para que você se mostre um amigo melhor. porque tentei chegar a um meio-termo entre os impulsos do Espírito e as pressões do sistema a que estive integrado por toda a minha vida. quando o espírito parece privado de todo e qualquer apoio. aquele era o centro do mundo. — Fala dele como um místico. humano ou divino. por mais que ame Jean Marie. o Pescador.. Quando os mísseis fossem lançados do território soviético. Poderia fazer a gentileza de procurar-me depois do encontro? — Tem a minha promessa.. A quem os fiéis poderiam recorrer quando aquele prédio e o homem fossem destruídos? Não eram indagações ociosas. a partir do momento em que não mais existisse aquele símbolo de unidade. é que acho que falhei com ele. Faltavam 15 minutos para meio-dia quando saiu do Vaticano e resolveu ir a pé. Eminência. O casamento deve ter-lhe feito bem. simbolizando a missão abrangente da Santa Madre Igreja. para Jean Marie Barette. — Mendelius levantou-se. Mendelius. E é por isso que tanto ele como eu queríamos falar-lhe antes do seu encontro com Jean Marie. — O Cardeal sorriu e estendeu a mão. o lugar em que estava sepultado Pedro. quase desespero. autoridade e permanência? Haviam sido condicionados por muito tempo a encarar aquele prédio marcado pelo tempo como centro do mundo e seu governante como o único autêntico representante de Deus perante os homens. Para meio bilhão de crentes. Ainda não estou preparado para acreditar nisso. e depois faça as perguntas. para 62 . A verdade. E peço que me perdoe se fui um tanto rude no começo. O que aconteceria ao meio bilhão de fiéis. — Espero que você lhe diga isso antes. Eram possibilidades terrivelmente iminentes. — Obrigado por convidar-me a visitá-lo. tudo aquilo seria destruído na primeira explosão.

as lojas repletas de bugigangas para os turistas. que mostrava os contornos dos seios empinados. Ela tinha um jornal dobrado numa das mãos e na outra uma bolsa pequena. Os cabelos pretos estavam parcialmente cobertos por um lenço vermelho. um pequeno Alfa vermelho entrou de marcha à ré na vaga perto da moça. Sentou-se e pediu um Campari e ficou observando o desfile. Um guarda afastou os espectadores embasbacados e os fotógrafos. alguns metros à sua esquerda. O motorista estacionou o carro de qualquer maneira. elegantemente vestido. virou-se para a calçada. correu para o homem caído e comprimiu a mão contra a virilha. numa tentativa de estancar o sangue que saía pela artéria femural. singularmente bonito em repouso. Parecia surpreso e disse alguma coisa que Mendelius não pôde ouvir. Depois. as flores viçosas nas barracas. encontrou um bar com mesas espalhadas pela calçada. lançando-se vertiginosamente à extinção. O motorista ficou esperando. desceu rapidamente pelo Corso. Enquanto ele observava. A moça adiantou-se. Poucos momentos depois. o tempo ainda ameno. de couro azul. O homem parou. 63 . atravessando a Ponte Victor Emmanuel e descendo o Corso. No meio do caminho. Mas a moça reagiu sem qualquer protesto. A atenção de Mendelius foi atraída para uma moça parada junto ao meio-fio. Entregou a bolsa ao motorista e. Ainda estava assim quando a polícia e os homens da ambulância abriram caminho pela multidão para socorrer a vítima. bispos. ainda poderoso. A moça disparou-lhe três tiros na virilha. esguia. Por um momento. Sentia pena de todos eles. Sentia pena de Drexel. aturdido. Parecia estar esperando por alguém. Vestia uma calça comprida azul-escura e uma blusa branca de seda. a frente meio virada para o tráfego. com a porta aberta e o motor ligado. Mendelius ficou completamente imóvel. com um rosto sereno de Madona. clérigos da Cúria. velho. parecia uma típica tentativa de conquista. cardeais. que conhecia toda a literatura apocalíptica de cor e a via reescrita em todas as linhas da imprensa diária. jogou o jornal na sarjeta e pulou para o carro. as moças flertando em seus trajes novos de verão. um homem de meia-idade. sorriu e falou-lhe. Mendelius tornou a virar-se e afastou-se lentamente pela multidão de peregrinos. ainda segurando o jornal.Carl Mendelius. a pele azeitonada. Ela parecia uma sulista. que prontamente saiu em disparada. Era a melhor época de Roma. carregando uma pasta de couro. Por um instante de choque. todos tentando aplicar o Codex Juris Canonicus a um planeta enlouquecido. mas privado de todas as suas certezas.

pelo telefone. Mendelius bebeu lentamente. Depois. Um garçom trouxe água quente e guardanapos limpos para limpar o sangue das roupas dele. O detetive. A descrição da culpada. sim. Pelo menos 20 outras pessoas testemunharam o atentado.Um gari limpou o sangue da calçada. Infelizmente. sim. Um detetive à paisana levou Mendelius para o bar. Uma coisa horrível e está ficando pior a cada semana. — Não há problema. — É a última coisa de que preciso neste momento — murmurou Mendelius. uma barbaridade gratuita... e é um estrangeiro! Os outros têm de viver nesta confusão e tumulto. é muito útil neste estágio inicial. — Está certo. dando de ombros. terão o país que merecem. — Ele fez uma pausa. E estamos agora bem perto disso. Iremos para a chefatura assim que acabarmos nossos drinques. sombriamente. O que me faz lembrar de uma coisa: é melhor preparar-se para ver o seu retrato em todos os jornais. com os cumprimentos da casa. Como já expliquei.. um jovem milanês impassível. É um dos nossos senadores mais antigos. mas aposto um mês de salário que o seu depoimento será o único que nos dirá alguma coisa concreta. O proprietário ofereceu uma dose dupla de uísque. — E pode também ser perigoso. É o que está querendo me dizer? — Infelizmente. Professor.. Pode achar isso difícil de acreditar. voltou a sentar-se à mesa junto com Mendelius e pediu um uísque. — Sua ajuda foi valiosa. através da destruição da confiança pública. tenho muitos compromissos. Aquelas pessoas estão querendo a anarquia. socialista e judeu. Mas eu gostaria de que tudo fosse resolvido esta tarde. mas não levantam um dedo sequer para ajudar a endireitar a situação. — Ao final. Professor. transmitiu-o imediatamente à chefatura. E poderá também trabalhar com um dos nossos desenhistas para fazer um retrato falado. agradecido. — Quem era a vítima? — O nome dele é Malagordo. Será identificado como uma testemunha-chave. num gesto cansado de resignação. detalhada e observada com atenção. enquanto prestava seu primeiro depoimento. Deve compreender que este é um 64 . tenho de pedir-lhe que compareça à chefatura e examine algumas fotografias. Professor. o colapso clássico e total do sistema. — Gratuita. — Parece uma coisa sem sentido. mas não sem sentido. — E por isso mesmo como um possível alvo.

. mas eles cobram preços milionários. Enunciou os fatos novos que soubera por intermédio de Georg Rainer e do Cardeal Drexel e só depois acrescentou os seus próprios comentários. o máximo que ele í precisava era de algum descanso e de uma redução de sua carga de trabalho. Jean Marie Barette estava sob grande tensão mental e física."Rainer é um repórter sério e objetivo. A posição do Cardeal Drexel deixou-me surpreso. Lembro que estive 65 . — Não posso ir embora pelo menos por mais uma semana. Não podemos esquecer o que Rainer disse: 'Se quisessem mantê-lo. Posso indicar-lhe o nome de uma agência que aluga seguranças. — Só resta aconselhar que tome cuidado. Mendelius sentou-se no terraço e gravou um relatório para Anneliese Meissner.. Queria que ela aproveitasse aquelas férias. Ao final da tarde. Se quer o meu conselho. — O que posso dizer então? — O detetive deu de ombros e sorriu. Use outro nome.' . A moça da bilheteria não tem o menor valor como publicidade. Enquanto se afastavam de carro pelo caos do meio-dia.. evidentemente. — Vamos dar logo a olhada nas suas fotografias. Estamos com uma carência desesperada de homens. onde os turistas costumam concentrar-se. continuarei exposto.. Esperava que Lotte estivesse desfrutando o almoço em Tivoli. — Então que se dane! — exclamou Mendelius. de preferência a Itália. pois talvez não houvesse mais nenhuma no futuro. Mendelius ainda podia sentir o cheiro de sangue em suas roupas. mude de endereço. Eles têm de atirar no homem que está em foco.. deve deixar Roma. .jogo de propaganda. Assim. — Neste caso. varie sua rotina e não converse com moças bonitas no Corso! — Não há a menor possibilidade de proteção policial. Transfira-se para um dos grandes hotéis. Resolverei o problema do passaporte com a gerência. Até lá. — Não ajudaria muito. um teatro negro. pelo menos para minha mulher? — Absolutamente nenhuma. enquanto esperava que Lotte e Hilde voltassem da excursão. Evidentemente. Suas informações médicas foram confirmadas.. procure apressar tudo e vá embora o mais depressa possível. Tenho conferências marcadas na Academia Alemã. E também. . não houve qualquer consenso sobre a sua capacidade mental.

três diaconisas e meia dúzia de convidados de Herma Frank. a maioria com 30 e poucos anos. mas agora também sinistra. estamos lidando com a escatologia. Faço amanhã a minha primeira conferência na Academia. Relatarei tudo a minha assessora depois do encontro. Minhas saudações mais afetuosas. Ou pelo menos o agnóstico. Drexel compromete-se com a crença. João da Cruz e Catarina de Siena. Depois que Herman Frank terminou a apresentação e os aplausos cessaram. Mas esqueci. . Eu preferia. A Faculdade Teológica de Tübingen fora um de primeiros núcleos do movimento pietista na Igreja Luterana. . Mendelius ajeitou seus papéis na estante e começou a falar. ainda não claramente definida.. Seria uma performance memorável. Mendelius sentia-se pessoalmente atraído pela ênfase à devoção pessoal e às obra de caridade pastoral. E não devemos esquecer que Tübingen sempre foi um dos grandes centros da tradição pietista. Os evangélicos formam um grupo interessante. a doutrina das últimas coisas: o destino final do homem. explorar nosso assunto num diálogo socrático. Vou encontrar-me com Jean Marie na próxima quarta-feira e só deverei despedir-me na quinta-feira.sob inquisição por um longo tempo e o conheci como um formidável e implacável dialético. Sua atitude era descontraída e informal. Auf wiedersehen. na autenticidade da experiência visionária de Jean Marie.. como Teresa de Ávila.. da comunidade waldensiana de Roma. agora eu é que sou o cético. Ele rejeita totalmente qualquer possibilidade de insanidade ou de fraude por parte de Jean Marie. uma dúzia de esposas. . Adoraria ver vocês dois empenhados num debate público. Em termos amplos. Por inferência. Escrevera certa ocasião um longo estudo sobre Philipp Jakob Spener e o "Colégio de Piedade" que ele fundara em Frankfurt. Portanto.. jamais tive qualquer dúvida sobre a sua honestidade intelectual. desta cidade maravilhosa. — Não quero fazer uma conferência. se concordassem. Carl Mendelius sentiu-s à vontade entre eles. mesmo em nossos piores atritos. Era 20 e tantos pastores evangélicos. ... Admiro a maneira como eles vivem. Contudo. no século XVII. 66 . Você é surda a essa música. Vai mais adiante e o inclui na categoria dos místicos. a fim de verificar o que nos podemos dizer mutuamente e o que as evidências históricas podem dizer a todos nós.. Estou aguardando-a ansiosamente. Mas continuo a confiar em você plenamente e estou contente por tê-la como minha Beizitzer.." A audiência já estava sentada quando ele entrou no auditório. que teve tanta influência na Inglaterra e Estados Unidos.

gradativamente vai revelando seu significado a cada alma individual... para julgar os vivos e os mortos. A linguagem é um instrumento humano e... do trabalho pastoral.. por favor. em toda a sua glória. um mistério que. imperfeito. — Acredito na continuidade e não na consumação para o cosmos. por exemplo. — Era um homem mais velho.. . ou pelo menos é o que presumo.. — Neste caso. o senhor da segunda fila. prepara-se subconscientemente. Pois tratase de algo que pode perceber em todo o universo ao seu redor. — Petrus Allmann. a doutrina das últimas coisas pode não ser explicável. A linguagem humana é de fato 67 . trabalhando em concerto com seu criador. Contudo... Pastor.. — Discordo totalmente de meu colega. o homem se torna familiarizado com a morte. . Cristo está sempre presente e a Parúsia exprime a suprema revelação de sua presença criativa. talvez exprimir como se estivesse falando à sua congregação? — Geralmente apresento tudo da maneira seguinte.. Cristo virá uma segunda vez. das primeiras tradições cristãs. instintivamente.. de Darmstadt. a queda de uma flor. diga seu nome e o lugar de onde vem. Herr Professor. mas pelo menos se ajusta à experiência física e psíquica. Nesta visão. Agora. A consumação para o indivíduo é a morte e união com o Criador. Pastor. na direção de uma consumação ou perfeição. uma barba quadrada. as sementes espalhadas pelo vento. o renascimento na primavera. — Era um homem ainda jovem. A história humana vai terminar. baixo e corpulento. Tememos a morte. levante a mão. — Pode esclarecer. A primeira é a que chamo de visão consumatória. Cada uma é radicalmente diferente da outra. Onde a linguagem pára. O que dizem a seus fiéis sobre a doutrina das últimas coisas? Quem quiser responder. portanto. Uso o exemplo da consumação pessoal de cada homem. sob a influência da graça divina. de Koln.das organizações sociais e de toda a ordem cósmica. como interpreta as Escrituras para os fiéis? Ensina-as como a Palavra de Deus. — Alfred Kessler. — Obrigado. A segunda é a que chamo de visão modificadora. O próximo. Pode falar. Nesse contexto. Há duas maneiras de se encarar a Doutrina das Últimas Coisas.. eu gostaria de saber qual a posição de vocês. que só pode ser exprimida através do símbolo ou analogia. A criação continua.. Devemos considerar tais coisas à luz dos escritos tanto do Antigo como do Novo Testamento. mas é modificada pelo homem. como todos sabemos. a música assume. Como então expõe a Palavra sobre este assunto? — Como um mistério.

. humanos. Ele fez uma pausa e depois citou. as estrelas cairão do firmamento e os poderes do céu serão abalados.. independente da maneira como nós. o final das coisas temporais? Houve uma surpreendente explosão de aplausos de uma parte da audiência. — Como sabem. pedindo silêncio. E então surgirá nos céus o Sinal do Filho do Homem. Em outras palavras. o sol há de escurecer e a luz não dará luz. em termos profissionais. mas apenas o Pai. Assim. Acho que erramos quando tentamos converter os seus pronunciamentos numa espécie de fala de duplo sentido. . ordenando os pensamentos. que fez uma pergunta a Mendelius: — Qual é a sua posição em relação a essa questão. por muito tempo.imperfeita. ainda um cristão. estive isento da obrigação de interpretação pastoral das Escrituras. Mendelius deixou que os aplausos se prolongassem por algum tempo e depois levantou a mão. deixei o sacerdócio e dediquei-me ao trabalho acadêmico. — E agora... Creio que não tem importância qual dos colegas está certo. mas Cristo o Senhor usou-a." O que mais isso pode significar que não a consumação. Sou agora um historiador. 68 . mas dedicado a um estudo puramente histórico de documentos bíblicos e patrísticos. fui ordenado sacerdote na Igreja Católica Romana. Assim." Era uma mulher impressiva e houve mais aplausos quando se sentou. estudo o que foi escrito no passado. Mendelius ficou calado por um momento. Herr Professor? Ele estava acuado agora. à luz do nosso conhecimento desse passado. Tenho trabalhado como missionária em países muçulmanos e aprendi a dizer "Inshallah". quem gostaria de se decidir entre esses dois homens de boa vontade? Desta vez foi uma mulher de cabelos grisalhos que levantou a mão. Exibiu-lhes um sorriso jovial. mas apenas sobre sua proveniência e autenticidade. interpretemos suas intenções. . O Pastor Allman fez uma citação de Mateus. As Escrituras são absolutamente claras no assunto. Mas há outra declaração importante nesse mesmo capítulo: "Mas a respeito deste dia e hora ninguém sabe. Qualquer Que seja a vontade do Senhor. nem os anjos do céu. senhoras e senhores. eu não deveria fazer afirmações sobre a verdade ou não de escritos proféticos. será feita. diaconisa de Heidelberg. Mas pelo menos isso o forçava a alguma definição. depois delineou sua posição. solenemente: — "E imediatamente depois das atribulações de tais dias. Foi seguida por um rapaz de Frankfurt. como já esperava que acontecesse. Contudo. 24. — Sou Alicia Herschel.

Mas o debate estava tão animado que somente quando faltavam 15 minutos para uma hora é que Mendelius conseguiu escapar para tomar um drinque antes do almoço. iriam rejeitá-lo sumariamente. Jamais pude aceitar a consumação. enfrentamos a terrível perspectiva de que a consumação pode ser iminente. se por acaso se recusasse a fazer um depoimento pessoal. com a seguinte legenda: "Retrato-falado da assassina. de acordo com a descrição do Professor Carl Mendelius. por causa das manchetes nos jornais espalhados sobre a mesa. "Professor Eminente Envolvido em Tiroteio". "Ex-Jesuíta É Principal Testemunha contra Brigadas Terroristas". alteração. Houve um murmúrio de espanto na audiência. um sorriso estampado por todo o rosto feio.. . Mas. Havia também um retrato-falado da assassina. ajoelhado ao lado da vítima. Variavam do extravagante ao insidioso: "Herói do Corso".Todos estavam agora em silêncio. Aceitavam a sua posição. trata-se de outra questão completamente diferente. E confesso que. atentos." 69 . mas Mendelius não se sentia muito feliz. Teve uma súbita visão incongruente de Anneliese Meissner a fitá-lo através das lentes grossas dos óculos. sempre fui propenso a interpretar o futuro em termos de continuidade. Mendelius pegou o copo com água e tomou um gole demorado. O conhecimento não era suficiente para eles. Antes de ouvir mais perguntas. Agora. Mendelius acrescentou um comentário à afirmação: — Mas se seria sensato pregar tal mensagem. Diante de outro fato da experiência. Herman foi pródigo em elogios. Malagordo sendo metido na ambulância. É um fato da experiência o de que a humanidade dispõe de todos os meios para criar uma catástrofe global. exigiam que se manifestasse em palavras e ação.. E quase que pôde ouvir o veredicto irônico dela: — Hão lhe falei. de tais dimensões que a vida humana como a conhecemos se extinguira no planeta.. no gabinete de Herman Frank. neste momento. Como verdadeiros evangélicos. Mendelius e o detetive conversando enquanto tomavam uísque. Houve um momento de silêncio e depois uma floresta de mãos se levantou. não me sinto em condições de oferecer uma resposta.. que é a capacidade do homem para a destruição. da Universidade de Tübingen. As fotografias eram lúgubres: Mendelius salpicado de sangue. no entanto. descubro-me atraído para a posição de que a consumação é possível. Mendelius continuou: — Por temperamento e disciplina. mudança. Carl? Loucura de Deus! Nunca ficará curado disso! A sessão estava marcada para terminar ao meio-dia.

Eles estão ansiosos por sua próxima conferência.. — É apenas bom senso.. Mendelius foi invadido por terríveis apreensões.O texto enquadrava-se no estilo operístico italiano: horror bombástico. Carl. — Está certo. Lotte e Hilde podem ir para Florença.. O Vaticano atribuía muita importância à discrição. alto heroísmo e profunda ironia. jamais testemunhei um debate tão animado. Além do mais. — Eu é que devo agradecer-lhe. será apenas por uma semana. Recuso-me a viver na clandestinidade. — Isso é horrível. . Esta manhã foi um triunfo extraordinário para mim. Ele estará em seu gabinete até uma e meia. "Talvez haja alguma justiça poética no fato de um senador judeu dever a vida a um historiador alemão. Faça as ligações agora e tire os problemas da cabeça. Herman. Eu gostaria de que desfrutasse o almoço. Obrigado.. Frank. Ela gostaria de que você a procurasse no Hospital Salvator Mundi. Aqui estão os números dos telefones. subterrâneo. O outro foi da mulher do Senador Malagordo. como uma toupeira. tristemente. Enquanto discava para Drexel. Não podemos mais continuar em seu apartamento. — Não tem nada de "mas".. Não vou sujeitar-me a esse tipo de ameaça.. Herman! Este não é um momento para heroísmos. É justamente o que esses miseráveis estão querendo. Recuso-me terminantemente a expô-lo e a Hilde a qualquer perigo por minha causa. meu amigo." — Deus Todo-Poderoso! — Mendelius estava pálido de raiva. Carl. — Mas espere um pouco. Vamos expor a situação às nossas mulheres durante o almoço e ver o que elas pensam. Em todos os meus anos na Academia. — Herman estava surpreendentemente determinado. — Eles estão expondo-me como um alvo de parque de diversões! Herman Frank acenou com a cabeça. Um foi do Cardeal Drexel.. talvez o Hassler ou então o Grand. — Nada disso. Ora. como estavam planejando.. Carl. E uma dupla de velhos matreiros como nós saberá se cuidar. — Não se trata de heroísmo. já me ia esquecendo! Houve dois telefonemas para você.. A Embaixada ligou para adverti-lo de que existem fortes vínculos entre os terroristas locais e grupos similares na Alemanha.. — Sei disso. E Hilde também jamais permitiria. — Por favor. Carl. Drexel 70 . Ligue para a Embaixada e peça-lhes para usar sua influência a fim de providenciar-nos uma suíte num dos melhores hotéis.

Ficou surpreso. Onde você está agora? — Na Academia. Eminência. é alerta e competente. mas seu estado era estável. — Tenho o endereço. Tenho muito interesse em sua segurança. O endereço é. Um terrível embaraço. Nada de discussão! Não podemos nos dar ao luxo de perder o Herói do Corso. Estava conversando a respeito com meu anfitrião. E deve... mas o Vaticano possui uma equipe de agentes de segurança dos mais eficientes. Já foi dos Carabinieri. ao descobrir o velho guerreiro cordial e solícito.. — Terei o maior prazer em ouvi-la. E o Cardeal é uma velha raposa astuta. Ela queria apresentar seus agradecimentos por ter salvado a vida do marido. — Tenho uma sugestão e espero que aceite. — Claro que pode. Carl. — Mendelius? . Carl? Esse é o reverso da medalha. O nome dele é Francone. E me proponho a protegê-lo.poderia muito bem considerar a ameaça a Mendelius como uma ameaça à privacidade de Jean Marie Barette. para dizer o mínimo. Já viu os jornais da manhã? — Já. Depois de um longo silêncio. Entende do trabalho de segurança.. Estou sentindo-me melhor agora. ela deixou sua posição bem clara: — Não vou a Florença. Herman Frank ficou novamente feliz. Vou sair para o apartamento de Frank agora. Nem a Ischia ou a qualquer outro lugar. a mulher do Senador finalmente atendeu. Mendelius ligou para o Hospital Salvator Mundo e pediu para falar com a mulher do Senador Malagordo. no entanto. gostaria que usasse meu carro e meu motorista. Você provavelmente não sabe. ele gostaria de ver o professor e agradecer-lhe pessoalmente. Ele fora gravemente ferido.. não é mesmo? Muito mais aliviado. Esse Francone é obviamente um deles. Eles não têm quaisquer inibições em quebrar cabeças a serviço de Deus. Francone se apresentará às quatro horas da tarde e ficará à sua disposição pelo resto de sua estada. sim. As pessoas são gentis e gratas. — Está vendo.. Assim que estivesse em condições de receber visitas. Eminência. Mas assim que os Frank se retiraram para a sesta. Mendelius prometeu ligar ao final da semana. mas não posso realmente aceitar. Ao saber da notícia. Foi ligado primeiro com uma freira alemã muito ríspida e depois com um agente de segurança.. — Pelo restante de sua estada. meu amigo. agradeceu a cortesia e desligou. muito melhor! Vamos logo almoçar! Lotte ficou muito quieta durante o almoço. 71 . Eminência. . — É muita gentileza sua.. a fim de almoçar.

porque ele sempre me procurava depois... um muro forte a proteger do vento. Ele era como um jovem amante.. parecia uma das Madonas de Dolci. Foi tudo maravilhoso. Mas atirou num homem a sangue-frio. Estamos aqui. desejei ser jovem novamente e ir no lugar dela. E se você me odeia agora. tenho de partilhá-lo. Carl! Faço parte de tudo isso. Pronto! Já falei tudo. e tratei de fechar a Porta. pelo amor de Deus? — Porque sempre estive no lado confortável da cama desde que casamos. Percebi esse aventureiro a espreitar algumas vezes. — Mas por que deveria? Acha que eu poderia fazer uma carreira sem você. É isso mesmo. Mendelius inclinou-se e abraçou-a. mas a fim de aleijálo em sua virilidade. não para matá-lo. lágrimas silenciosas e ternas. uma parte de mim ficava contente. Lotte estava agora chorando. Talvez não fosse exatamente igual. Mas é que de repente. não posso fazer nada.. por favor. liebchen. liebchen. o mal autêntico! Aquela moça... tanto quanto você. Se está em perigo. Não quero afastá-la do meu lado. Caso contrário. mas poderia ter conseguido sem a minha presença. Nunca tive uma rival. olhando para outras mulheres da minha idade. Você sempre estava presente. Possui também algo de aventureiro. Não quero expô-la a esse tipo de crueldade. 72 .. liebchen! Não precisa provar coisa alguma para mim. vi o mal de frente. Nunca tive de pensar muito a respeito de qualquer coisa. Nunca fui capaz de ficar zangado com você por muito tempo. Nunca tive de me testar sem você. porque Katrin tinha algo que nunca tive. — Acho que isso é parte do problema. sinto-me incompetente.. Estava com ciúme. — Mas já estou exposta. desfrutá-lo. Eu sabia disso e precisava que você brigasse comigo. com quem eu podia deixá-lo ciumento. Quando você e Johann brigavam. Agora. — Não posso odiá-la. sem o lar que me proporcionou e todo o amor que encontrei? — Acho que sim. — Seja sensata.. não passaria de uma peça de móvel em | sua vida. Primeiro a mulher de um historiador famoso e depois a Frau Professor em Tübingen. — Nunca pensou que eu poderia precisar provar para mim mesma? — Mas por que. porém. Você não é apenas um historiador e estudioso insípido. porque me assustava. ontem. quero conhecê-lo melhor. Quando Katrin partiu para Paris com seu Franz. juntos. é claro.. antes que seja tarde demais. Mas agora. a não ser ter filhos e cuidar da casa.. ela não devia ser muito mais velha do que Katrin. falando suavemente: — Não há motivo para ficar triste....Não vou sair de Roma se você não for comigo.

mas mesmo assim preso. Meu prazo está quase se esgotando. enquanto você não compreendesse tudo e quisesse mudar. Pode falar. Pode ser magnífico. liebchen. É como fazer sexo apenas para provar que é capaz.. estamos correndo um risco. Mas tirando isso. irei junto a qualquer lugar a que você vá. passei a apreciar tanto a liberdade que não podia admitir impor a servidão a outra pessoa. Herr Professor. Tudo o que me disser. vou explicar-lhe antes as regras do jogo. — Duvido muito que os monges possam oferecer-lhe uma cama em Monte Cassino. Pode recusar-se a responder. 73 .. mas está muito longe do amor. Quando me tornei livre. Em suma. Iremos juntos a toda parte! — Maravilhoso! — exclamou Lotte. ele estava sombrio e remoto. — Não tão depressa.— Mas não vou brigar com você. Certo ou errado. pelo telefone. — De quantas maneiras tenho de lhe dizer.. era assim que eu me sentia. Carl? Como se sente agora? — Apavorado! Com medo do que pode estar à nossa espera lá nas ruas e com um medo ainda maior do que vai acontecer quando me encontrar com Jean Marie. não uma marionete. mas nada podia fazer. era uma excelente idéia. apenas você e eu. reconheço. — Subitamente. durante toda a parte inicial da minha vida. — Quer saber por quê? Porque... Jamais poderia forçá-la. Assim. É o lugar mais seguro em toda Roma! Em princípio. por minha própria opção. Somos amigos de um amigo comum. ligando da sucursal de Die Welt. mas não diga nada em termos confidenciais. tudo depende de você. mas não para provar-me alguma coisa ou a si mesma. — Eu estava perguntando sobre nós.. Lotte. sorrindo. Carl.. mas também incisivo e profissional. Queria uma parceira. Mas antes que pudessem pô-la em prática. Entendido? — Entendido. Quero você ao meu lado. — Quando? . liebchen.. Qualquer que seja o caminho que sigamos agora. é uma ótima idéia. a criada bateu na porta e comunicou a Mendelius que Georg Rainer estava ao telefone. — E agora vamos para a cama. — É uma celebridade agora. Rainer estava jovial. — Agora mesmo. — E agora. E a partir de agora. — Está certo. Carl. estive preso a uma coisa. — É justamente sobre isso que estou falando. vou publicar. Carl? Eu o amo. Claro que percebi o que estava acontecendo. Preciso de uma entrevista sua para o meu jornal.

— Está receando represálias. com o seu consentimento. — Está armado? Conta com a proteção policial? Ou um agente de segurança particular? — Nada a declarar. — Foi acurada e detalhada? — Foi. Soube que fez uma dramática conferência na Academia Alemã esta manhã. Professor Mendelius. — Pois então vamos começar. 74 . Contei tudo o que vi à polícia. Professor? — Receando. — Forneceu uma descrição da moça que disparou os tiros. sim.— Esta conversa está sendo gravada. Estou feliz por ter servido a alguém de seu povo. "Ex-Jesuíta É Principal Testemunha contra Brigadas Terroristas"? — Um exagero. Mas presumo que eles tomaram os depoimentos de muitas outras pessoas. Não fiz nada de heróico. — Não achou que estava assumindo um grande risco ao fornecer tal informação? — Eu correria um risco muito maior se ficasse calado. não. — Outra coisa. — Isso mesmo. Como se sente em ser uma celebridade internacional? — Contrafeito. Herr Professor. — Preparado como? — Nada a declarar. Concorda? — Concordo. — Tem algum comentário a fazer sobre o fato de ser um alemão e ter salvado a vida de um judeu? — Nosso Senhor Jesus Cristo era um judeu. Mas estou preparado. — E o que me diz de outra manchete. Testemunhei o crime. Simplesmente apliquei uma noção elementar de primeiros socorros. Como se sente em relação a isso? — Constrangido. sua ação rápida ontem salvou a vida do Senador Malagordo. Foi até chamado de Herói do Corso. — Houve algumas manchetes um tanto provocantes a respeito de seu ato de misericórdia. — Por quê? — Porque a violência só pode florescer quando os homens têm medo de falar e agir contra ela. Mas eu não a classificaria de dramática. — Foi muito bem recebida.

Georg. Qualquer 75 . mas também iminente. — E fico com a gravação para lembrar-nos de tudo. O que espera oferecer-me. Auf wiedersehen. — E o que isso significa.. Mas se quiser ampliar a declaração. — Não posso fazer isso. Herr Professor. Involuntariamente. — Sem comentários. terei o maior prazer em transcrevê-lo literalmente. — Quando? — Dentro de uma semana. Qual é a sua idéia? — Esqueça a história de fim do mundo e lhe darei mais tarde uma história muito maior. sob o olhar indiferente dos faunos e pastoras no teto. meu amigo. Ou pelo menos não agora. Mendelius desligou e ficou imóvel por um momento.. Georg? — Estou saindo-me muito bem até agora. A informação é falsa ou verdadeira? — É verdadeira. — Negócio fechado. Georg. — E terei uma história exclusiva? — Está prometido. — Até que ponto você é um bom jornalista. sim. pensativo e perplexo. — Não costumo fazer acordos.. ou pelo menos quase nunca. Georg. — O que representa um motivo ainda maior para publicar a informação.— Nosso relatório a respeito diz o seguinte: "Indagado se acreditava que o fim do mundo conforme previsto na Bíblia era um evento real e possível. Herr Professor? Por acaso leva tão a sério o que disse? — Neste caso." — Como soube disso? — Temos boas fontes. — Estou querendo lhe propor um acordo. Professor. — Auf wiedersehen. — Obrigado.. — É sexta-feira da próxima semana. Mas eu gostaria que não a publicasse. embrenhara-se por um campo minado. o Professor Mendelius respondeu que considerava não apenas uma possibilidade. Georg. não é mesmo? A risada de Rainer projetou-se pelo fio. — Sobre o mesmo assunto. a data do Segundo Advento? — Vamos almoçar no Ernesto's. — Já lhe expliquei as regras do jogo.

movimento menos cauteloso e tudo explodiria sob seus pés. 76 .

nem mesmo um príncipe da Igreja estava a salvo das ameaças sacrílegas dos terroristas. uma cara de bode sorridente e uma cabeleira avermelhada. Afirmava ter 42 anos. sargento dos Carabinieri. ele assumira as funções de guarda-costas. um abominável francês-genovês. com um corpo atlético. motorista e homem de confiança de Sua Eminência. possivelmente também com seu bom humor licencioso. era um original. E por causa de seu treinamento na polícia. Tinha mais de l. inglês com sotaque americano e italiano com a monótona cadência sorrentina. na aparência e no caráter. depois da morte prematura da mulher. Sua Eminência promovera-o a seu serviço pessoal. Fora um campeão de luta livre amador. Impressionado com a diligência e devoção de Francone. campeão de ciclismo. Domenico Francone discorreu eloqüentemente sobre tudo isso e 77 . mas provavelmente já estava beirando os 60 anos. que mantinha permanentemente pintada. descobrira a religião e se tornara sacristão da igreja titular de Sua Eminência. Naqueles tempos ímpios e tormentosos. quase que por direito natural. a verdade é que o Governo italiano não fizera segredo de seus temores e exigira as precauções determinadas pelo bom senso. até que. Embora um religioso não pudesse deixar transparecer que estava com medo.CAPÍTULO 4 Domenico Giuliano Francone. habilidade como motorista. notável bebedor e mulherengo. conhecimento de armas e experiência em combate corpo a corpo. Sua história pessoal era uma litania de variações. mecânico da equipe de corridas da Alfa.80m de altura. Falava um alemão que aprendera com os Guardas Suíços.

A perspectiva era deslumbrante: a terra verdejante envolvendo aldeias escuras. eram sepultados com comida e vinho. sem contestar. enquanto seguiam um zelador de voz suave pelos trigais.muito mais. Se eu mandar que se abaixem. com muitos túmulos etruscos. segurem-se e não me perguntem o motivo. Todos deram de ombros e sorriram uns para os outros.. Lotte estava extasiada e Mendelius tentou reconstituir para ela a vida de um povo há muito desaparecido: — Eles eram grandes mercadores e marinheiros. iates dispersos e velas enfunadas pela brisa que soprava de terra. poderá concentrar-se em seus problemas. Mas ainda há muitos saques em locais escondidos. Sua autoridade definida. Foi um alívio deixá-lo parado ao lado do carro. — E agora todos desapareceram — murmurou Lotte. na direção da Sardenha. — Mas claro! Minhas desculpas!. Era um lugar tranqüilo. — O que 78 . a esta parte do Mediterrâneo. numa excursão aos túmulos etruscos de Tarquínia. Sei exatamente como esses mascalzoni operam.. suas melhores roupas. A torrente de sua eloqüência voltou a se despejar. — Temos plena confiança em você — disse Mendelius.. de sentinela.. Deram seu nome. na tarde de sábado. Adoravam música e dança. Tirreno. Como sabem. Professor. descendo para o sul até Cápua. Se eu guiar como um louco. Quando eu estava com os Carabinieri. façam o favor de agirem como eu mandar. Mineravam o cobre e o ferro. estão proibidas as escavações sem autorização. — Então talvez possa guiar um pouco mais devagar. seguindo para oeste. cordialmente.. deixem-me escolher a mesa.. com o mar azul além. Num restaurante. Cultivavam as terras férteis daqui até o vale do Pó. Assim. deixando que eu me preocupe com o resto. tratem de fazê-lo imediatamente. As senhoras gostariam de contemplar a paisagem. Se o Professor resolver sair a pé pelas ruas de Roma. — Mas alguém nos está seguindo agora? — Não. promoviam grandes festas. retratos de suas vidas pintados nas paredes das tumbas. Esta é uma região histórica. fundiam o bronze. ele impôs as regras: — Sou responsável pela segurança de vocês perante Sua Eminência. cochilando pelo resto da viagem até Tarquínia. E quando morriam. deve esperar até que eu estacione o carro e esteja pronto para acompanhá-lo. povoado pelo canto dos passarinhos e pelo sussurro do vento através do trigo maduro. Dessa maneira. enquanto levava os Mendelius e os Frank. a fim de visitar as tumbas.

" — Isso é bonito. — Desculpe-me — Mendelius sorriu e beijou-a. — disse Mendelius. Os ricos fugiram com suas riquezas.. antiga Véia! Houve um tempo em que foi um reino. Intimidado pela presença de dois estudiosos eminentes. — E certamente não haverá cenas pastorais pintadas nas paredes de nossos sepulcros. liebchen. um pouco mais atrás. Era um jovem simpático. — Para uma mulher virtuosa. Herman estava propenso a confidencias. a fim de comprarem a proteção dos romanos. enquanto Mendelius e Herman Frank conversavam em voz baixa. que os chamava lá de cima.. E não se esqueça de verificar se é mesmo a minha mão que está segurando e não a de Hilde. por cima de suas tumbas se colhe o que os campos produzem!. Esconderam-se por trás de seus rituais e confiaram em deuses que já estavam ultrapassados. Os etruscos também gostavam de sexo e pintaram algumas cenas bem descritivas. Quem escreveu? — Um poeta latino. Seus escravos e plebeus se revoltaram.. o pastor indolente toca a flauta dentro de suas muralhas.. — Eu me recuso a acalentar mais pensamentos lúgubres — disse Lotte. — Este é um lugar muito bonito e quero aproveitar o dia ao máximo. sombriamente. firmemente. 79 . — Deve sentir-se contente por isso. meu amor. — O que escreverão mais tarde a respeito de nossa civilização? — Pode não restar ninguém para escrever qualquer coisa. que se formara recentemente em arqueologia e sentia o maior entusiasmo pelo assunto. Agora. — Lotte soltou uma risadinha feliz. — E prepare-se para disfarçar o rubor.. Propertius. Foi preciso um cristão para escrever "Dies Irae". enquanto que a nossa perspectiva é um holocausto. Mendelius citou o epitáfio: — "Ó. Os gregos e fenícios apoderaram-se de suas rotas comerciais.aconteceu com eles? — Ficaram ricos e preguiçosos. — Já conversei com Hilde. — Isso é ótimo! Mostre-me primeiro as mais picantes. você tem uma mente das mais sujas. um trono de ouro em seu fórum. E resolvemos adotar seu conselho. na direção do zelador. Até mesmo a língua deles desapareceu. — Mas nada diga às crianças.. pelo amor de Deus! Ela lhe pegou a mão e subiram rapidamente pela encosta. Pelo menos essas pessoas esperavam a continuidade. ele devotava sua atenção às esposas.

Carl. Se puder conseguir um contrato para uma série de volumes.. Temos uma boa vida em Roma. a fim de verificar se já pode dizer alguma coisa. Mas depois que nos afastarmos. Eu morreria se a perdesse. — O que é? — É um tanto embaraçoso. — É sempre difícil. Mas como as coisas são. gradativamente. Hilde gracejava com ele e seu riso ressoava pelas colinas tranqüilas. Carl! — O que o faz pensar que isso poderia acontecer? — Aquilo! Ele apontou para as duas mulheres e o zelador. Hilde o ama.. — Ele diz que os editores gostam desse tipo de projeto... — Sei disso. quanto mais apavorado você ficar. Ninguém pode ter uma garantia eterna... mas Hilde ficará presa num chalé nas colinas.. E não sou tão bom na cama como antigamente. E parece que isso compensa o que falta.. porque lhes dá tempo de criarem um público leitor. Ninguém tem o direito a isso. Assim que voltarmos a Roma. Qualquer médico pode dizer-lhe isso. Mas às vezes é muito difícil.. — Fique de boca fechada e esqueça. meu caro! — Mendelius falou bruscamente. muitos amigos. provavelmente porque quero acreditar. dia a dia. muitos visitantes interessantes. — Só há uma coisa que me preocupa. É difícil quando os filhos brigam com você pelo direito de crescerem de uma maneira diferente da sua. pior será o seu desempenho na cama. e apavorado! — Pois esqueça. que estava naquele momento abrindo outro sepulcro. Afinal. é claro. — É isso que o meu agente sempre recomenda — comentou Mendelius. somos amigos. Trate de aproveitar ao máximo.... Vocês levam uma vida boa juntos. Não tenho certeza se dará certo. e farei um programa de escrever. Além do mais. teria assim uma continuidade de trabalho e um senso de segurança financeira. telefonarei para ele. Sou muito mais velho do que ela. Seria mais fácil se tivéssemos filhos ou netos. Ele sempre passa os fins de semana em casa.. procurando estimulá-lo. — Mendelius recusou-se a apaziguá-lo. Ela diz que isso não a preocupa e acredito. É difícil e terrível quando um homem como Malagordo sai para almoçar e uma moça bonita lhe 80 . — Pode falar.Vamos transferir-nos para o sítio. como uma mulher de camponês. — Sei que sou um velho tolo. Qual é o problema? — É Hilde. Mas estou com ciúme.. — É difícil quando sua mulher parece dispensar mais atenção aos filhos do que a você... terei meu trabalho. Carl.

— Mendelius folheou rapidamente seu catálogo. Quanto de açúcar está querendo na xícara de café? — Tem razão. ao som de alaúdes e flautas. Enquanto estavam parados na câmara antiga. Pense bem. 81 . Mendelius! Pense nisso! Um Papa vigoroso e inteligente. Salamone era um editor astuto e bem-sucedi-do. Mas será que as pessoas queriam realmente saber? Estavam realmente dispostas a ouvir o profeta esquelético a bradar do alto da montanha? A natureza humana não mudara muito desde 500 a. Vamos juntar-nos às mulheres. a divorciada de um diplomata indonésio. Ele mandou que se sentassem de costas para a parede e depois foi comer na cozinha. Herman. O anfitrião deles ao jantar era Enrico Salamone. — Esta é a Tumba dos Leopardos. sob os ciprestes pintados. Não pode deixar de haver alguma história sensacional por trás desse acontecimento. encerrando-os num presente perpétuo. Mendelius e Lotte jantaram numa trattoria na antiga Via Ápia. — Eu estava pensando em você. Carl. Jean Marie Barette. mas jamais desdenhava um assunto sensacional. Os melhores jornalistas do mundo nada conseguiram.. antes um Papa. Desculpe-me. — Abdicação. com o flautista e o tocador de alaúde. abdica no sétimo ano de seu papado.mete uma bala nos colhões. E quando eles protestaram por suas longas horas de trabalho. que publicava as obras de Mendelius na Itália. Francone tratou de silenciá-los.C. Era um solteirão de meia-idade.| quando os etruscos sepultavam seus mortos. que admirava a erudição. com alimentos e vinhos. Naquela noite. — Mas seu autor jamais conseguiria descobri-la. com a frase já familiar: — Sou responsável perante Sua Eminência. Sua acompanhante naquela noite era uma certa Madame Barakat. ainda com apenas 60 e poucos anos. um leopardo domado por companhia. com um gosto por mulheres exóticas e de preferência inteligentes. E agora trate de esquecer. O loquaz Francone levou-os até lá. estava compelido a proclamar a Parúsia. Já tirou do peito. Lamento muito. — Pois não deve. de onde podia vigiar o pátio e certificar-se de que ninguém plantaria uma bomba sob a limusine do cardeal. — Provavelmente há mesmo — comentou Mendelius. ouvindo o zelador discorrer sobre o significado das pinturas. um súbito pensamento ocorreu a Mendelius.

Enrico! — Mendelius riu. — Não tenho muita cabeça para essas coisas. — Bravo. Salamone mostrava-se divertido. Sabe que sou judeu. Mas onde estão os escritores que podem interpretar o Oriente para nós? Jornalismo puro não é suficiente. até que estivessem prontos para sair com um original acabado. Enrico! Disse certa ocasião que gostaria de tranca-fiar seus autores. Madame Barakat tornou a intervir na conversa. — Não se pode contar histórias no meio de uma multidão. Todas as novas revoluções são essencialmente religiosas. para o Islã. duas conferências e desfrutando umas pequenas férias com Lotte. — Sei disso. Não se pode escrever poesia com a televisão estrondeando. mas sei que Carl sempre escreveu as suas melhores obras quando desfrutava do maior sossego. — Ele sorriu. O que está realmente fazendo em Roma. é perfeitamente natural que eu receba o 82 . — É verdade! — Ela estava agora inflamada e pronta para se empenhar em combate. a índia.. dizendo suavemente: — Corre o rumor de que foi incumbido de alguma missão pelo antigo Papa. Carl? — Já lhe disse: pesquisa. — Mas nem mesmo o seu marido é o eremita que pretende ser. mas cauteloso. Assim. — E uma história comprida. falei isso mesmo. Carl. — Já tentei explicar-lhe o que deveria fazer — disse Madame Bakarat. arraigados nas tradições antigas. mas posso assegurar-lhe que é autêntica. Você não me disse sempre. a propaganda é um ofício de prostituição. Os editores deviam abrir novas janelas. Salamone assentiu. — Tem razão. que muitos autores discutem tanto seus próprios livros que acabam por liquidá-los? E você também pensa igual.— Pois então esqueça. O Ocidente é um mundo pequeno e incestuoso. os budistas. — Seria melhor virar-se para outras bandas. tristemente. — Já tenho coisas demais em cima de mim. — Parece-me que todos estão gritando alto demais e com muita freqüência — comentou Lotte. — Onde diabo ouviu esse absurdo? Mendelius estava mortificado.. numa concordância relutante. Precisamos de poetas e contadores de histórias. Lotte. E é o que acredito. — Daí a minha sugestão para um livro — acrescentou Enrico Salamone. liebchen! Mendelius apertou-lhe a mão.

no início desta primavera. — Deve acreditar em mim. O Papa foi franco em relação a seus problemas. É verdade que eles bem que gostariam. saindo prontamente em apoio do marido. — Isso é verdade! — disse Lotte.. de impor sua autoridade aos Lugares Santos de Jerusalém.. Depois disso. mais suave do que nunca.. Claro que a resposta foi afirmativa. Enrico. Perguntou a meu Embaixador se um enviado pessoal e extra-oficial seria bem acolhido em Israel. foi providenciada uma reunião particular entre o Embaixador israelense e o Pontífice. abrindo os braços num gesto de resignação. deve saber que as grandes potências nos estão levando para uma guerra total. É natural também que conversemos sobre problemas de mútuo interesse. — Vamos torcer para que ainda estejamos no negócio até lá. É o que se pode chamar de ecos das Cruzadas. Carl.. — Santo Deus! — Mendelius estava genuinamente chocado.Embaixador israelense e quaisquer visitantes que ele queira apresentar em Roma. — Eles precisam de mais 12 meses — disse Madame Barakat. O seu nome foi um dos sugeridos pelo Pontífice. O Vaticano sempre rejeitou o reconhecimento diplomático de Israel. — Quando o original deverá estar pronto? — Dentro de seis ou sete meses. — Mas houve comunicação? — Particular. Não querem entrar em choque com o mundo muçulmano. É justamente isso o que me torna um bom editor. madame — disse Mendelius. Mas vamos à história. — Está certo.. E agora me diga: como está indo o novo livro? — Muito devagar. 83 . Trata-se de uma questão puramente política. bruscamente. com Gregório XVII.. Isso nunca foi mencionado. se houvesse alguma coisa. se pudessem. tanto na sua própria Secretaria de Estado como externamente. meu caro Professor. — Lotte. — E por que não deveria estar? — Se lê os jornais. Assim. Eu não sabia de nada disso.. — Eu saberia. com os líderes árabes. Enrico. Não deve culpar-me por tentar. — Estou sempre lhe dizendo isso. Nada antes de 12 meses. Havia esperança de que tal posição pudesse mudar. por favor! — Desculpe-me. — Então não havia missão — disse Madame Barakat. Julgava-se que sua reação pessoal às relações diplomáticas com Israel era favorável. E eu gostaria de mudar de assunto.. Salamone deu de ombros. Mas queria continuar a sondar as possibilidades. — Uma questão de amizade antiga. nem mesmo na última.

— Não podemos alugar um carro e sairmos sozinhos? Mendelius soltou uma risadinha triste e sacudiu a cabeça. através da cidade adormecida. — Detesto esse tipo de mistério. — Acha que era verdadeira aquela história a respeito de Jean Marie e os israelenses? — Provavelmente. liebchen. ficaram sentados bem juntos. — Eu também. — O que vamos fazer amanhã? — perguntou Lotte. Ele deu duas voltas pelo quarteirão antes de deixálos diante do prédio em que ficava o apartamento dos Frank. com vozes sussurrando no escuro. as buganvílias estavam em chamas. — Sirva-me o resto do vinho. O difícil é atribuir os nomes certos a tais vozes. liebchen. eu gostaria de ir à missa nas Catacumbas. liebchen. Carl? — Não sei. Não há escapatória aos Cães de Deus. as roseiras exibiam suas primeiras flores. Lotte perguntou: — Qual é o significado de tudo isso. É outra das lições que se aprende em Roma. conversando baixinho. de que não podia escapar nem despertar. — E Madame Barakat é uma desgraçada! — Ele coleciona algumas mulheres bem estranhas. Ao voltarem para casa. — Concordo plenamente. os pombos ainda arrulhavam no pombal por trás da capela. Carl. com receio de despertarem Francone para outro discurso. Mas acho que Salamone estava apenas tentando bancar o esperto. Mendelius estava cansado demais para contar à mulher como realmente se sentia: um homem apanhado numa teia de pesadelo. E ficou esperando até que a porta se fechasse. No jardim de São Calixto. mas tiveram de agüentar até o fim. E creio que podemos pedir outra garrafa! O jantar já perdera todo o brilho. Enrico deve(ia saber que isso nunca dá certo. Só nós dois. impedindo a entrada dos perigos da noite. Mas quem pode saber com certeza? Roma sempre foi a cidade dos boatos. Domenico Francone podia ser muito loquaz. mas era também um bom cão de guarda. — Se não se importa. sonolenta.— Nada mais! — exclamou Salamone. — Receio que não. tudo exatamente como ele se lembrava de 84 . E depois iremos almoçar no Frascati. não acha? — Velhos amigos e companheiras de cama não devem ser misturados.

o futuro próximo. Nem mesmo os labirintos escuros lá embaixo continham qualquer horror. os romanos aderiam obstinadamente ao preceito do celibato. além da legislação canônica. era uma testemunha desacreditada e os legisladores não lhe davam a menor atenção.. adeus. Ele escrevera copiosos argumentos a respeito. In Pace Christi. porque era 85 . Mesmo agora. há muitos anos. apenas uma extraordinária tranqüilidade. Até mesmo os símbolos eram simples e graciosos: a âncora da fé. os unistas admitiam um clero casado. o Conde de Rossi descobrira as sepulturas de cinco dos primeiros Pontífices. quando o suprimento de candidatos celibatários acabaria e o rebanho clamaria por ministério. Ajoelhado ao lado de Lotte no chão de tufo. não importando o que. os nichos nas paredes em que os mortos eram colocados. A palavra Vale. um terceiro fora morto por um golpe de espada à entrada do santuário. a pomba carregando o ramo de oliveira da libertação. A capela era uma câmara grande. o peixe que levava no dorso o pão da Eucaristia. Outro fora executado na perseguição de Decius. velhos devotos de uma dúzia de países. Mendelius lembrou-se de seu próprio sacerdócio e sentiu uma pontada de ressentimento por estar agora destituído do seu exercício. que dedicavam seus serviços como tradutores aos grupos de peregrinos que vinham prestar suas homenagens aos túmulos dos antigos mártires. celebrada por um padre alemão de um grupo de peregrinos bávaros. A memória deles era celebrada numa língua que jamais conheceram. continham apenas alguns cacos de barro e fragmentos empoeirados. Enquanto isso. a violência de que haviam sido vítimas estava quase esquecida. onde em 1854. Até mesmo Drexel se esquivava. reforçando-o com o mito e a legenda histórica. Mas como estava agora casado. Eles dormiam em paz ali. Assistiram à missa na Capela dos Papas. reagindo à liturgia familiar. Todas as inscrições falavam de esperança e paz: Vivas in Christo. O corpo fora trazido de volta e sepultado ali. Os loculi. Não havia horrores barrocos ou grotescos medievais. por um homem ou mulher. Não fora assim nos primeiros tempos da Igreja. ainda se empenhava no debate. Agora. Mas o que aconteceria no futuro. desde que tivesse ouvido o Verbo e partilhasse o Pão da Vida na caridade? Suas Eminências no Vaticano ainda se esquivavam à questão. Um deles fora deportado como escravo para minas da Sardenha e morrera no cativeiro.. Até mesmo os guias pareciam os mesmos. jamais era usada. casado ou solteiro.sua Primeira visita. escondendo-se por trás de uma tradição cuidadosamente editada. abobadada. Não havia fantasmas na pequena capela.

dê-me luz suficiente para conhecer a verdade. Se aceitasse. Lotte ainda estava no banho. Agora. No início da manhã de segunda-feira. enquanto o mundo desabava em torno deles? Quando o celebrante ergueu a hóstia e o cálice. E ainda tinha de cumprir a promessa de oferecer a Georg Rainer uma boa história. Mendelius reuniu suas anotações e foi para a mesa em que estava servido o café da manhã. Mendelius telefonou para o Hospital Salvator Mundi e perguntou pelo estado do Senador Malagordo. Ela lhe 86 .velho demais para lutar e um soldado muito condicionado para desafiar o alto-comando. a ligação foi transferida da recepção para a freira do andar e depois para o agente de segurança. Na terça-feira. não tinha a menor idéia do que poderia dizer-lhe. incontrolavelmente. O pastor seria abatido. faria o segundo e último debate com os evangélicos. no terraço. mas precisava testar a reação de uma audiência protestante a algumas das proposições de Jean Marie. Até aquele momento. Herman saíra cedo para a Academia e Hilde estava sozinha à mesa. queria livrar-se de todos os estorvos sociais antes do encontro. cada vez mais convencido de que o seu encontro na quarta-feira com Jean Marie seria uma espécie de momento decisivo em sua vida. enquanto Lotte tomava banho. então deveria também aceitar a missão. Fizera alguma pesquisa. de interesse jornalístico. o rebanho se dispersaria. mas estava preocupado demais para se concentrar no material novo. Lotte inclinou-se e pegou-lhe a mão. depois da Consagração. Quem poderia reuni-los no outra vez e mantê-los no amor. coragem o bastante para fazer o que me será pedido!" De repente. o relacionamento entre os dois mudaria irremediavelmente. Como na vez anterior. ele se descobriu a chorar. até que a missa terminou e saíram para o sol que banhava o roseiral. Jean Marie enfrentara a questão em sua encíclica e esse fora outro motivo para suprimi-la. Foi finalmente informado de que o Senador melhorara bastante e gostaria de vê-lo o mais breve possível. Estava ficando inquieto agora. mudo e desesperado. Mendelius marcou uma visita para as três daquela mesma tarde. Em qualquer dos casos. Se pudesse não aceitar a revelação de Jean Marie. Mendelius baixou a cabeça e fez uma prece silenciosa e profunda: "Ó Deus. que de qualquer forma era fragmentado e de pouca importância. Mendelius abraçou-a. Ainda estava irritado pelo fato do tema da conferência ter transpirado para a imprensa. não importando a forma que pudesse assumir. os dias tenebrosos estavam voltando novamente.

depois com o maior ímpeto. — Sou boa ouvinte. — Então qual é o problema? — É uma história comprida. Hilde. brócolis e leite de cabra nas montanhas. — Então por que ele teve uma idéia tão absurda? — Herman está com medo de uma nova guerra. — Então é melhor dizer-lhe isso tantas vezes quantas puder. mas eu estudo as pessoas.. 87 . Claro que adoro a parte de carinho e aconchego. hesitante a princípio. Não chego a ser frígida. Hilde? — Pode estar certo de que sim. meu amor. a verdade é que não sou muito boa nisso. Mendelius contou. até mesmo para o grande Mendelius! E também explica algumas outras coisas. nunca fui. Está tudo bem entre você e Lotte? — Claro. Quanto ao problema sexual. Não saberei de mais nada até me encontrar com Jean Marie. E ele se preocupa com você. Mendelius disse: — Isso é tudo. firmemente: — Agora.. — Que coisas? — A idéia romântica de Herman de viver de favas. — Sente-se mesmo feliz.. Estou perfeitamente feliz em nossa atual situação.. toda a história de sua amizade com Jean Marie Barette e o estranho dilema a que o levara. Hilde ficou escutando em silêncio e ele encontrou algum alívio em poder exprimir-se sem o ônus de argumentar ou polemizar. Ao terminar. mas sou difícil e lenta de excitar e o que acabo tendo ao final não compensa todo o trabalho.. Pode contar. — E como se preocupa! Sabe da última idéia dele? Quer ir a Zurique para um tratamento de hormônios. Herman é um homem maravilhoso e eu o amo. nós dois podemos ter uma conversinha.. Hilde Frank pôs a mão no rosto dele e disse gentilmente: — É uma terrível carga. Hilde. Eu lhe disse para não se incomodar. mas o resto. a fim de melhorar nossa vida sexual. Herman não tem qualquer motivo para se preocupar. — Herman ainda não sabe do que acabei de contar-lhe a respeito de Jean Marie.serviu café e depois anunciou. E há um problema estampado em seu rosto. — Herman estuda os quadros. Portanto. Todos estamos. O que é? — Nada que eu não possa resolver. Carlo mio. na quarta-feira. Alguma coisa o está incomodando.

— E qual é? — Se alguém vai mesmo acabar com o mundo. Vamos voltar à sua história. Enquanto o meu pequeno canto do universo estiver fazendo sentido. sou bastante egocêntrica. um vidro grande de barbitúricos e se entregar ao sono eterno? Tenho a impressão de que incontáveis pessoas prefeririam esse caminho. Prefiro fazer coisas mais divertidas. por que não comprar uma garrafa de uísque. Creio que ele teve uma revelação autêntica. Tenho pensado a respeito todos os dias. Em vez de esperar pela explosão final. tudo se tornará inútil. que o mundo vai acabar em breve e ocorrerá o Segundo Advento de Cristo. cartomantes. para esperar pelo Salvador ou contemplar o último pôr-do-sol. suavemente. E. tiro todo o resto dos pensamentos. 88 . — Inclusive você? — perguntou Mendelius. não começaria a guardar comida nem escalaria os Apeninos. E não gostaria de despertar para me deparar com um Deus que incinerou seus próprios filhos. Afinal. sou uma mulher bastante satisfeita com a vida que levo e por isso mesmo jamais me senti atraída por adivinhos. Herman. não há nada que eu possa fazer para mudar a situação. — Claro que existe uma outra maneira de encarar o problema.. finalmente. — Em primeiro lugar.. Além do mais. — Claro que eu seria capaz. Hilde. — Vamos pôr o problema sob outro aspecto. Mas certamente não sairia correndo para igreja.Ele se está sentindo muito inseguro neste momento. vivo na Itália há tanto tempo que me tornei cética em relação a santos e milagres. — Seria capaz? Hilde tornou a encher as xícaras com café e começou a passar manteiga num croissant. Suponhamos que eu volte de Monte Cassino na quinta-feira e diga: "Hilde. mas Carl Mendelius sabia que a sua seriedade era absoluta. Ela falou com um sorriso. estive com Jean Marie. tenho cuidado direitinho de Herman desde o casamento. Mas ainda não sei. Hilde querida. E você. Carl. — Eu gostaria de saber a sua opinião. Daremos um jeito de resolvê-los. calmamente. todas as noites. — Mas esqueça os problemas meus e de Herman." O que faria neste caso? — É difícil dizer. a virgens com lágrimas nos olhos e frades que levitam durante a missa. desde que li a carta de Jean. como reagiria? — Não sei. Em segundo lugar. sessões espíritas e outras coisas no gênero. Carl.

A partir do momento em que se invocava uma revelação pessoal. Também projetara uma boa luz sobre a atitude dos cardeais que o haviam deposto. Era uma terrível possibilidade a de que a Parúsia pudesse ser precedida por uma vasta e sangrenta cruzada. os escolhidos. praticavam uma doutrinação intensa.. Professor. Ao que os racionalistas 89 . um tema especial persistia: os eleitos. as sementes do bem.. repleta de paradoxos e armadilhas. o loquaz.Ao seguirem para o Hospital Salvator Mundi. No caso de um pânico universal. em 10 mil cultos exóticos. Dez milhões de eleitos constituíram a Soka Gakkai no Japão. que seriam para sempre afastadas das cabras. a razão deixava de existir. Diante de tamanho horror. Ele próprio não se estava sentindo muito satisfeito. os filhos da luz. no Antigo e no Novo Testamento. estava estranhamente taciturno e mal-humorado. Mil eleitos haviam cometido um suicídio ritual na Guiana. facilmente usada por fanáticos. E lhe prometo que não chegará atrasado. Não fazia muito tempo que os muçulmanos mahdistas haviam ocupado a Kaaba em Meca. Mendelius ficou remoendo a descortesia em silêncio. Domenico Francone. um suicídio rápido e sem dor poderia parecer a muitos a alternativa mais racional. Apenas eles suportariam os horrores dos últimos tempos e seriam considerados dignos de um julgamento misericordioso. mantendo reféns e derramando sangue no lugar mais sagrado do Islã. dos fiéis contra os infiéis. Esse era o ponto essencial do problema que deveria discutir com Jean Marie. charlatães e os mais desenfreados sectários. Todos eles e muitos outros milhões.. Em toda a literatura do Apocalipse. aceitavam uma obediência exclusiva e fanática. Outros 3 milhões foram escolhidos para a salvação na Igreja da Unificação do Reverendo Moon. A conversa com Hilde Frank levantara novas e mais profundas indagações sobre a veracidade de Jean Marie e a sabedoria de sua encíclica. julgavam-se escolhidos.. nos documentos essênios e gnósticos. Quando Mendelius comentou que pareciam estar seguindo por um percurso muito complicado. A salvação era exclusiva dos eleitos. como a publicação da encíclica de Jean Marie poderia provocar. como tais sectários se comportariam? A história de todas as grandes religiões oferecia as previsões mais sombrias. as ovelhas amadas por seu pastor. Era uma doutrina perigosa. Francone disse-lhe bruscamente: — Conheço o meu oficio.

saltou e entrou rapidamente no saguão do hospital. parou diante da entrada. por alguns anos. Quer um café? — Não. Mendelius baixou a cabeça em submissão. que obviamente acreditava que os doentes eram mais bem tratados pelas mãos firmes da autoridade. Devo-lhe a vida. — Parece estar recuperando-se muito bem. Ele também sofrera sob as donzelas do Senhor e sabia que era melhor não discutir com a virtude resoluta delas. Encontrou Malagordo recostado em travesseiros. Ao olhar para trás. Pelo menos o compreendo melhor do que a maioria dos estrangeiros. para quatro séculos atrás. Disse-lhe que poderia passar apenas 15 minutos com o paciente. O que posso dizer? Os jornais costumam às vezes ser terrivelmente irresponsáveis . Mendelius ficou esperando por ele e perguntou: — Por que tudo isso? Francone deu de ombros. — Meu caro Professor! Obrigado por ter vindo. Mendelius hesitou por uma fração de segundo. Professor? — Foi também meu país. — Mendelius puxou uma cadeira para o lado da cama. E que não podia em hipótese alguma excitá-lo por qualquer motivo. Queria muito vê-lo. depois abriu a porta. não mais que isso. obrigado. viu Francone estacionar no espaço reservado aos médicos. desembarcar e encaminhar-se apressadamente para a entrada. Professor. Francone entrou com o carro no caminho circular do Salvator Mundi. E depressa. com o tubo de soro preso no braço esquerdo. não há para onde correr.responderiam que. um agente de segurança conferiu os documentos dele e levou-o a outra freira. O rosto esguio e bonito iluminou-se de prazer ao ver o visitante. Pode subir agora e conversar com o senador. Preciso dar um telefonema. Não saltou do carro. graças a Deus. Estamos num lugar fechado. — O que acha do meu triste país. à época dos bandidos e condottieri. se estava comprometido com a insanidade suprema. por mais que fosse sacramentada pela religião. muito ríspida. — Voltamos no tempo. limitando-se a dizer: — Entre direto. Acabei de almoçar. Senador. acompanhou Mendelius até o elevador. E não tenho muita esperança de que a situação 90 . No quinto andar. — Como se sente? — Melhor a cada dia que passa. — Apenas uma precaução. Uma freira idosa. a partir do momento em que se invocava qualquer espécie de revelação. com um sotaque suábio.

Mas é uma cozinheira extraordinária e controla tudo com mão de ferro. E pareceu aprovar a mudança. Como todos os outros povos mediterrâneos. Sabe para onde eu estava indo quando fui baleado? Ia pedir a libertação de uma terrorista que está morrendo de câncer numa cadeia em Palermo! — Deus Todo-Poderoso! — Creio que Ele ficará feliz por ver esta raça de imbecis eliminar a si mesma. como se uma dor súbita o dominasse. Ele se demorou por 91 . É a mesma história antiga: se você está diante de distúrbios internos.possa melhorar. — Disseram-me que ela foi uma grande beldade. Os latinos sempre lamentavam um passado que nunca existira.. — Vinho e mulheres são tópicos seguros. Houve um momento de silêncio e depois Malagordo disse. indo muito bem nos negócios. Assim que tiver alta. com um humor amargo: — Estamos conversando sobre frivolidades. — Acha mesmo que vai acontecer? — Tenho certeza absoluta. somos tribos perdidas. — É uma precaução. inicie uma cruzada no exterior. Além disso. Senador. Os armamentos já estão quase prontos. — Não é mais. Não há petróleo suficiente para se continuar. Não quero estar na Europa por ocasião do grande colapso. é a última parada antes dos pingüins.. O senador animou-se no mesmo instante. isso é uma blasfêmia. — Vou deixar a política. Os mais modernos protótipos estarão em operação dentro de um ano. Ele tentou amenizar a conversa: — Talvez tenha razão. O homem é um animal enlouquecido e sua loucura é incurável. O mais impressionante foi que ela se lembrou de mim. — Mendelius sorriu. Mas não acredito mais no Messias. dos meus tempos clericais. Mas devo dizer-lhe que os vinhos ainda são ótimos em Castelli e que o spaghetti alla carbonara de Zia Rosa continua magnífico. — Sei muito bem! Partindo de um judeu. — É outro restaurante muito bom. Mais e mais governos caem nas mãos de jogadores ou fanáticos. O lamento era familiar a Mendelius. Fico perguntando-me por que desperdiçamos tanto tempo de nossa vida com tais coisas. Dinheiro e política levam a cabeças quebradas. — Malagordo contraiu o rosto. — Já esteve no Pappagallo? — Não. Nossos dois filhos já estão lá. lutando nas praias de um lago pútrido. minha mulher e eu vamos emigrar para a Austrália. Minha mulher e eu almoçamos lá no domingo.

— Não era necessário. com a ponta do dedo. Mendelius encontrou Francone à sua espera.. Não posso mesmo. havia um fragmento de cerâmica. Mendelius ficou profundamente comovido. na rua. antes que eu comece a bancar o idiota! Chegando ao térreo.tempo demais. — Sabe o que é isso. preso com uma fita dourada. Fui informado de que se trata provavelmente de um dos fragmentos que foram usados para tirar a sorte quando os judeus da guarnição mataram-se mutuamente.. Dois serventes estavam metendo uma maca numa ambulância. — Creio que está escrito "Aharon ben Ezra". — Ela possui um bom corpo por baixo de todos aqueles panos. Professor. — Tenho um presente para você. — Mas tem de aceitar. aturdido. — Vamos esperar alguns minutos. Posso abrir? — Por favor! Era uma pequena caixa dourada. Pode ler o que está escrito? Mendelius acompanhou os caracteres lentamente.. Ao encaminhar-se para a saída. — Ele meteu a mão por baixo dos travesseiros e tirou um embrulho de papel brilhante. Mendelius tirou-o e examinou-o cuidadosamente. Professor? — Parece um ostracon. vão mandar-me embora. — Mendelius estava embaraçado. 92 . — Por quê? Francone apontou pelas portas de vidro. com uma tampa de vidro.. A freira que cuida deste andar é uma verdadeira fera. — Malagordo estava novamente jovial. que nem mesmo é mais um homem. Dentro da caixa. por favor — disse Mendelius. — Uma vocação desperdiçada. Vá agora. a fim de não caírem nas mãos dos romanos. — Mas obrigado. Antes de você ir embora. — Não posso aceitar. tudo o que restou de um herói judeu pela vida de um desprezível senador. Mendelius ficou olhando para a cena. E quem precisa deste mundo maldito e confuso? — Fique calmo.. Professor. É o mais próximo que posso chegar de um agradecimento apropriado. — Se ficar excitado. Havia dois carros da polícia estacionados no caminho e mais quatro lá fora.. Sacudiu a cabeça. sob olhar de uma multidão curiosa. — Exatamente! Veio de Masada. — E é mesmo. contendo-o. Francone pôs a mão em seu braço. em que estavam inscritos caracteres hebraicos.

o que poderia fazer? Como eu lhe disse.. quero uma garantia de que tudo o que se disser aqui hoje só será transmitido à imprensa com o nosso pleno conhecimento. contanto que seja aberta e declarada. — Espero que não conte a minha mulher. — Pelo amor de Deus. Sei também que os ministros evangélicos não são muito bem pagos. Pois então vamos começar. Além do mais. Aparentemente. É verdade que falei exatamente isso nesta sala. avistei o carro que nos seguia logo depois de deixarmos o centro. sei muito bem como esses mascalzoni operam.. Mas fora do contexto de nosso encontro e de um debate de especialistas... Telefonei para a Squadra Mobile assim que chegamos. Sei ainda que é uma prática comum complementar os rendimentos ou a verba para uma viagem pelo fornecimento de informações à imprensa. Alguém discorda? Ninguém. Não estou pedindo uma confissão do informante.Francone explicou. Mendelius tornou a correr os olhos pela audiência. — Obrigado! — Mendelius estendeu a mão trêmula e úmida de suor. Apresentamos posições divergentes sobre o assunto. — Quando se trabalha para um cardeal — disse Francone. Mas acho que é uma violação da cortesia acadêmica fornecer informações à imprensa em segredo. Professor. Obrigado. Felizmente. Eles bloquearam os dois lados da rua e pegaram quatro filhos da mãe. Professor.. Não tenho qualquer objeção a essa prática. a declaração poderia ser interpretada como frívola ou tendenciosa. — Sei que as viagens são sempre dispendiosas. Domenico! Por que não me falou antes? — Teria estragado a sua visita. Eles estavam com as duas entradas cobertas. antes de continuar: — Falamos a respeito da doutrina das últimas coisas: consumação ou continuidade. — Meus caros colegas! — Carl Mendelius. Contudo. sorridente e afável. — Ele fez uma pausa. sem avisar aos colegas. sucintamente: — Fomos seguidos até aqui. ajustou os óculos e contemplou a audiência. Um dos presentes causou-me um considerável embaraço ao informar a um jornalista que eu acreditava que o fim do mundo podia ser iminente.. com um ar indulgente — aprende-se a ficar de boca fechada. estamos todos de acordo.. Depois um segundo carro apareceu e estacionou diante do portão. 93 .. Um deles está morto. Um carro. Todos os que concordam podem fazer o favor de levantar a mão?. — Vou começar hoje com uma suave censura a uma pessoa ou pessoas desconhecidas.

. — Ótimo! . Rosenheim. não é pelo menos uma analogia razoável da catástrofe milenar? . A questão se simplifica. para os quais a circuncisão é inaceitável e as leis de dieta são inexplicáveis. Todos riram e aplaudiram o momento de humor. É inteiramente impossível. a fé. em algum lugar. como hipótese. Até que ponto estamos preparados? Ninguém se manifestou. Herr Professor? — Claro.. na terceira fila. Estão lembrados? Todos lembravam e soltaram um murmúrio de aprovação. O homem vive no aqui e agora. Para os que se lembram. Praticavam a circuncisão. apenas a um evento concreto. teve de encontrar justificativa para a nova situação numa visão.. A resposta é que o cristão. esperança e caridade sobreviveram e tornaram a frutificar.. Respeitavam as leis de dieta. — E agora vamos ao nosso "talvez". que o mundo terminará em breve. Continuaram a levar uma vida judia. eles passam da teoria à prática. não no talvez. Os últimos dias estão próximos. Freqüentavam as sinagogas e liam as Escrituras.. ou qualquer outro.. Subitamente. Pedro não estava. 94 . Mendelius continuou: — Paulo estava preparado para a possibilidade. diga-se de passagem.. Como o cristão deve reagir a tal evento?. vamos aceitar. Tentaram prescrever fórmulas morais para todas as situações. Mas estão aqui hoje porque. de alguma forma. E têm de comer o que puderem conseguir. — Wilhelm Adler. Eles não encontram qualquer sentido na mutilação física... Na ausência de uma orientação nas Escrituras.. Mendelius ofereceu-lhes outro exemplo: — Alguns dos presentes têm idade suficiente para se lembrarem dos últimos dias do Terceiro Reich: um país em ruínas.... "Pegue e coma". Certamente a salvação não depende do prepúcio de um homem nem depende que passe fome até a morte. a sobrevivência como o único objetivo visível. Paulo de Tarso inicia sua missão junto aos gentios. Os primeiros seguidores de Cristo eram judeus. todo o gênio de um povo corrompido. crimes monstruosos revelados. Esse foi o erro dos escolásticos e casuístas.... uma geração de homens destruída. O senhor. que a consumação é possível e iminente. não pode reagir a uma hipótese. os que não são judeus. Mas a prudência humana não determina que nos devemos preparar para o talvez? — Poderia dar um exemplo.Agora.

se e quando os últimos dias chegarem? Esqueçam os últimos dias. Como demonstrar caridade com um homem que se apresenta com uma arma para roubarnos e tirar o último alimento de nossos filhos? 95 . Mendelius deu um passo para trás e perguntou: — Algum comentário? Houve uma longa pausa e depois uma mulher ainda jovem levantouse. o silêncio era como uma muralha diante dele. Depois de ler. Ele sentiu que as palavras penetravam fundo em todos os presentes. impotente. Mais suavemente agora. que a tensão tornava a dominá-los. — Senhoras e senhores! — Mendelius também riu... — Neste caso. provocando uma explosão de riso. Mendelius continuou: — Eu gostaria de ler agora um trecho de um documento preparado por um querido amigo meu. vou pedir-lhes comentários. Não posso dar o nome dele. Haverá uma luta implacável pelas mais simples necessidades da vida. — Sou Henni Borkheim. — Como podemos assegurar que a fé e a caridade vão sobreviver. Quando a leitura terminou. sim. As grandes sociedades urbanas vão fragmentar-se em grupos tribais".. A resposta veio num coro abafado. como muitos prevêem. nos tempos de calamidade universal. E peço que aceitem a minha afirmação de que se trata de um homem de grande santidade e inteligência extraordinária. teremos uma guerra atômica dentro de 12 meses.. Depois de um momento.Estou sendo bem claro? — Está. de Berlim. — Mendelius lançou o desafio com veemência.. Além disso. se for preciso. no fundo da audiência. O que fariam? — Morreríamos! — disse uma voz sepulcral. é um homem que compreende perfeitamente os usos do poder no mundo moderno. combustível e abrigo. como comida. Vamos supor que. Temos dois filhos. Meu marido é pastor. o riso se desvaneceu e o silêncio voltou a reinar. E gostaria de fazer uma pergunta. Ele fez uma pausa para limpar os óculos e depois começou a ler um trecho da encíclica de Jean Marie: — . água. "É evidente que.. as estruturas tradicionais da sociedade não sobreviverão. — Acabaram de ouvir a voz de um verdadeiro profeta! Não gostaria de vir até aqui e tomar o meu lugar? Ninguém se mexeu. A autoridade será usurpada pelos fortes e cruéis.

Lembro-me. — Como se pode continuar a acreditar num Deus que concebe ou permite tamanha calamidade universal. Mendelius fez outra pergunta: — Num mundo pluralista. os mórmons de Salt Lake City. Minha mãe entregou a minha tia um vidro de geléia lubrificante e disse: "É melhor relaxar e sobreviver do que resistir e ser assassinada.." Em qualquer dos casos. ainda rapaz. Apesar de tudo isso. não há a menor possibilidade de sabermos de antemão. os sunitas ou xiitas do Islã.. Como devemos agir. enquanto eles se apertavam as mãos. — Acredito. Depois. Mendelius estava prestes a acrescentar que ainda não fora crucificado. mas debater o assunto em paz. como o câncer no corpo. E falou calmamente. os católicos romanos. disso sabemos! Mas como agiremos. os luteranos. Sabemos que o mal existe. em Dresden. os animistas da Tailândia? — Em relação ao indivíduo. não nos compete distinguir! — Um 96 . podemos acreditar em Deus? — Você acredita. de minha mãe conversando com minha tia a respeito da aproximação dos russos. Mendelius sorriu e estendeu a mão para a mulher. ao lado do marido. que se podem propagar a pontos extremos. persuasivamente: — Está percebendo agora o problema com que nos deparamos quando pedimos um depoimento pessoal sobre cada questão? Não sabemos e não podemos saber como iremos agir. vocês." — E é essa a resposta que me daria? — Não sei. que o sofrimento e a crueldade existem.. Eu não deveria escutar. é estupro e não há milagre prometido para evitá-lo. numa situação concreta. mas acontece que ouvi.. Professor? Henni Borkheim estava outra vez de pé. Não existe qualquer legislação para cobrir os tempos de caos. — Não vamos brigar. perdoai-os porque eles não sabem o que fazem. minha cara. Houve um pequeno murmúrio de aprovação. quem são os eleitos? Nós. e depois passa em julgamento suas vítimas? Carl Mendelius disse. — Então faça o favor de responder à minha pergunta! — Já foi respondida há dois milênios. gravemente: — Talvez devêssemos todos fazer-nos uma pergunta mais fundamental. Desceu do palco e avançou pela audiência até o lugar em que Henni Borkheim estava sentada. Mas pensou melhor e não o fez. "Pai.— E eu tenho outra pergunta! — O homem ao lado dela também se levantou.

não é um charlatão. liebchen. E no silêncio prolongado que se seguiu.. quanto a aceitação da Ressurreição! Não posso fazer esse ato. Ele falou com a voz hesitante. Francone enfiava espaguete na boca e vigiava atentamente a porta. — Não estamos em condições de julgar outros homens por nossas luzes. eu lhe ofereço a comida que tenho — disse o velho. Jean Marie está pedindo um ato de fé tão grande quanto. para onde nos viramos? Em quem podemos acreditar com toda fé? Ele voltou lentamente ao palco. quando não houver coluna de fumaça ou fogo para iluminar o caminho. 97 . meus amigos! — Mendelius tornou a assumir o controle da reunião. a disseminar as boas-novas de Cristo — disse o Pastor Allman. até sufocá-lo? — Já chega. não entendo por que está assim. Não precisa aceitar qualquer missão. Tenho analisado a questão por todos os ângulos. empurrá-la por sua goela. pacientemente. não foi vítima de uma ilusão e amo-o como um irmão. quando nada ouvirmos além da confusão dos antigos argumentos. Lotte inclinou-se para Mendelius e limpou um pouco de molho do canto de sua boca.pastor de cabelos grisalhos levantou-se com evidente dificuldade. Carl... Fomos instruídos a amar a imagem de Deus em todos os nossos semelhantes. antes de Mendelius partir para Monte Cassino. quando a voz da autoridade tiver desaparecido.. — Pois então diga-lhe isso! — E devo também dizer-lhe por quê? "Jean. o que devo fazer. — Quando a noite tenebrosa chegar. mas com profunda convicção. A duas mesas de distância. Ela o censurou firmemente: — Sinceramente. apenas pediu. suplicou! Tenho pensado muito em tudo isso. quando o próprio Deus parecer estar ausente de seu universo. liebchen. É um homem livre que está indo visitar um velho amigo. — Quando você se senta à minha mesa. — Estou com medo. — Ele me pediu para julgá-lo. no grande deserto. — Se você não puder digeri-la. — Mas também fomos instruídos a manter a fé pura.. — Não tinha o direito de lhe exigir isso. As mãos estavam marcadas pelo artritismo. Passavam 30 minutos de meio-dia e estavam almoçando num restaurante sossegado perto do Panteão. mas ainda estou longe de uma resposta.. você não está louco. — Não exigiu. ficou esperando que alguém respondesse. de Darmstadt. Apavorado de verdade! Gostaria de sair daqui e pegar o primeiro avião de volta à Alemanha. não tem obrigações além dessa visita.

Jean Marie encara como um chamado à caridade evangélica. Lá fomos nós. Estou começando a pensar que os cardeais estavam certos ao afastarem Jean Marie." Estou olhando agora para o mesmo homem 98 . liebchen. Sentamo-nos ao seu lado. Apoiou o queixo nas mãos e ficou observando-o em silêncio por um longo tempo. Paramos para olhar o quadro. Estava com Frederika Ullman. Você nos ouviu falar em alemão e puxou conversa. Pois deve dá-lo! — Quero que me dê uma resposta franca. firmemente. Você nos mostrou a estátua de Giordano Bruno e falou-nos sobre o julgamento dele. por Deus. liebchen. O único fim que as pessoas podem aceitar é o seu próprio. e mesmo de uma conversa que tive com Hilde Frank. Parecia tão solitário e atormentado que meu coração se encheu de ternura por você. E depois disse: "É isso o que eles gostariam de fazer comigo!" Pensei que estivesse embriagado ou fosse meio louco. como fora queimado por heresia. muito contentes por termos alguém com quem conversar.. duas moças alemãs em sua primeira visita a Roma. perto de um rapaz que pintava um quadro horrível. E finalmente ela falou. É um convite ao desespero. — O que o leva a dizer isso? — Tudo decorre dos meus debates na Academia. é que acho que penso algo inteiramente diferente. Não houve alguém que disse que "o véu que oculta a face do futuro foi tecido pela mão da Misericórdia"? — Neste caso... Você estava ali.. não tenha diálogos em jardins rurais sobre o fim do mundo! Eu não acreditaria mesmo que você se apresentasse com os estigmas e uma coroa de espinhos!" — Se é isso o que você pensa. E depois nos convidou para um passeio numa carrozza. Acho que levaria a um colapso quase completo na comunicação social. então deve dizer.Mas. — Ele pediu-lhe um julgamento. de gola rulê. Você nos levou para tomar um chá com bolinhos. sentado num degrau. Acha realmente que sou um homem honesto? Lotte não respondeu diretamente. suavemente: — Lembro do dia em que o conheci. — O problema. E depois você citou as últimas palavras de Bruno a seus juizes: "Creio que vocês têm mais medo de mim do que eu de vocês. Carl. dando a volta pelo Campo dei Fiori. acho que deve ser tão honesto com Jean Marie quanto está tentando ser com você mesmo — disse Lotte. Descíamos pela Escadaria Espanhola. Vestia uma calça preta e um suéter também preto. A catástrofe total está além da compreensão das pessoas e provavelmente de sua capacidade de enfrentar. até que explicou que era um padre sob suspeita de heresia.

O que quer que você faça. sei que morrerá como um homem honesto! — É o que também espero. O mesmo homem que disse: "Bruno era um farsante. Amo-o agora. certo ou errado.que vi naquele dia. um pensador confuso. um charlatão. — Peço a Deus que possa ser honesto com o homem que nos casou! 99 . solenemente. liebchen! — disse Carl Mendelius. Carl. Mas de uma coisa tenho certeza: ele morreu como um homem honesto!" Amei-o naquele momento.

O homem que se levantou para cumprimentar Mendelius era baixo e magro. um rosto fino. sobre o qual estava pendurado um crucifixo. sorriso de uma criança feliz. um quarto simples.CAPÍTULO 5 Exatamente às três e meia da tarde. por favor. 100 . pálido e enrugado. — Havia uma insinuação de ironia no sorriso inocente.. Ele ficou esperando enquanto Mendelius arrumava as poucas coisas que trouxera e depois o levou pelos corredores vazios para o gabinete do Abade. uma pequena mesa e uma cadeira. Espero que aprecie a sua estada aqui. Foi recebido pelo chefe da recepção. Ele abriu a janela. Francone deixou-o no portão do grande Mosteiro de Monte Cassino. — Claro. Professor. — Veio com as melhores recomendações. caiado de branco. esculpido em madeira de oliveira. obrigado. Sorriu diante do espanto de Mendelius e comentou: — Como pode constatar. cabelos grisalhos. com uma cama. Gostaria de tomar um café? Ou talvez um cordial? — Não. — Não pretendo mantê-lo afastado de seu amigo por muito tempo. — Professor Mendelius! É um prazer conhecê-lo! Sente-se. mas achei que seria melhor conversarmos primeiro. que o levou a seu aposento. Paramos para tomar um café na estrada. já estamos na metade do caminho para o paraíso!. um armário e um oratório. o. revelando uma vista deslumbrante do vale do Rápido e das colinas ondulantes do Lazio. Falou-me pelo telefone que ele esteve doente. Foi muita gentileza sua receber-me..

Sou o confessor dele e não posso discutir esse assunto com você.. ele não reage absolutamente a quaisquer estímulos externos. quando escrevi a ambos? E quando telefonei. — O sorriso do Abade Andrew era enigmático. É possível que ele se abra para você.. Professor. porque é uma luta interior. contemplando as costas das mãos compridas. fica totalmente absorvido na comunicação com o Criador. Não o pressione. E finalmente disse. porque ele não me deu permissão. o estado que é chamado de "iluminado". — Gostaria antes de fazer algumas perguntas. Ele deseja realmente receber-me? — Claro que sim. Agora. mais difícil. deixe-o saber que compreende. Durante esses períodos de contemplação. ele volta imediatamente à normalidade.. Sei que ele lhe escreveu. — O que parece um tanto sinistro. — Então por que não me respondeu. Os outros irmãos apóiam-no com suas preces e atenções. — Ao contrário. — Por que foi então? O Abade ficou em silêncio por um longo momento. não é meu confessado e por isso não posso ter a presunção de orientar-lhe a consciência. — Talvez. Mas ele é como um homem consumido por um fogo interior. de que seu amigo Jean alcançou um alto grau de contemplação. — Sei também que os estados catatônico e cataléptico são perfeitamente conhecidos da medicina psiquiátrica — disse Carl 101 . Procuro aconselhá-lo da melhor forma que posso. talvez nós dois possamos abrir nossas mentes um para o outro. baseado em observação pessoal. falando bem devagar: — Há ocasiões em que não lhe é possível comunicar-se com qualquer pessoa. mais intensa. mas não desconhecido.— Vai descobri-lo um tanto mudado. por que não o chamou para falar comigo? — Posso garantir-lhe que não foi por descortesia. quando o Espírito. — Mas acho que deve conversar primeiro com nosso amigo Jean. — Ele sobreviveu a uma experiência que teria destruído um homem menor. Se tal acontecer. Estou convencido. está passando por outra experiência. Você. por determinados períodos. nas vidas dos grandes místicos.. por outro lado. — O Abade escolhia cuidadosamente as palavras. — Neste caso.. Mas não lhe estou dizendo nada que já não saiba de suas leituras. Quando a experiência acaba. Sei o que lhe pediu.. É um fenômeno raro.

. dando migalhas aos pombos que se agitavam a seus pés. como ele estava magro e frágil. enquanto os pombos alçavam vôo em pânico. secamente. mesmo por baixo do hábito grosso e áspero. — Também estou a par disso. E está convencido... Como está sua família? — Estão todos bem. Só então lhe direi em que acredito. graças a Deus. Grace à Dieu! Depois. Entrou na ordem há 10 anos. afagando-lhe o ombro ej murmurando interminavelmente: — Grace à Dieu. Ele examinou nosso amigo. iluminado por Deus.. Lotte veio comigo a Roma. — Ele soltou uma risadinha divertida.Mendelius. — Todos têm sido extremamente gentis. Jean. Suas primeiras palavras foram um grito sufocado: — Jean. Professor. Nosso fundador. São Benedito. Ela 102 .. depois da morte da mulher. Eu o levarei até lá. chocado por sentir. — Comunicou isso às pessoas que o declararam um louco? — Comuniquei ao Cardeal Drexel. Mas vamos logo! Ele o está esperando no jardim. Virou-se ao ouvir os passos de Mendelius. com cursos em Pádua. no hábito preto de São Benedito. Ele estava parado no meio do jardim do claustro. — Eles são homens muito ocupados. gravemente. consultou outros especialistas. ambos recuaram um pouco e ficaram fitando-se.. — Jean! Jean! O que eles fizeram com você? Como está magro! — Eles? Nada me fizeram. Acredita também que ele teve uma revelação genuína da Parúsia? O Abade franziu o rosto e sacudiu a cabeça. — Depois. assim como eu. de que estamos lidando com um místico e não com um psicótico. Quanto aos outros.. fitou-o por um instante e depois se adiantou rapidamente em sua direção. — Acredita que Jean Marie é um místico. Não estamos totalmente encerrados na Idade Média aqui. Zurique e Londres. Talvez fique surpreso por saber que um dos nossos monges é um médico eminente. — Ele tirou um lenço da manga do hábito e enxugou as faces de Mendelius. meu amigo! Jean Marie Barette apertava-o firmemente. com os braços estendidos. foi um legislador sábio e tolerante.. Por instruções minhas. meu amigo! Conversaremos sobre isso depois que o tiver visto. Mais alguma pergunta? — Apenas uma — disse Mendelius. Prefiro não incomodá-los em seus problemas tão importantes. um vulto alto e esguio. Mendelius alcançou-o no meio de uma passada e prendeu-o num longo abraço.

. Ele decidiu não ser mais um crente. embora ainda não em paz. até que você passou a me povoar inteiramente os pensamentos. Espero que ele acabe voltando à fé.. Sento-me em sua oficina e fico observando-o trabalhar. Não creio que se tenha passado mais de uma hora sem que você estivesse presente em meus pensamentos.. Adoro o cheiro de aparas de madeira. Estou trabalhando no novo livro.. Não me atrevia a largá-lo. enquanto o primeiro ímpeto de emoção se desvanecia e a serenidade de uma amizade antiga voltava a dominá-los. E leio agora que você está envolvido num atentado terrorista em Roma.. Carl. Fale-me a seu respeito. Hoje é um dia de festa.. Na cozinha. depois do naufrágio do navio.. — Vamos andar um pouco? É muito agradável aqui.. Isso me preocupa. porque ainda estou lutando para despojar-me dos últimos obstáculos à aceitação da vontade de Deus. Carl! — Eu queria vir antes.. — Por favor. Johann é brilhante em Economia. Há uma brisa fresca que sopra das montanhas. mas não podia deixar Tübingen antes de terminar o ano letivo. as horas do ofício cantadas no coro. — Agradeça a ela por me emprestar você. Não pode imaginar como é difícil. Jean? — Agora estou calmo.lhe envia todo o seu amor. É uma receita antiga de minha mãe. Um dos monges é um excelente escultor em madeira. Jean. — E agora. mesmo nos dias mais quentes. Rezei para que viesse bem depressa. o trabalho tranqüilo. As crianças estão começando a levar suas vidas próprias.. Apesar disso. Carl? — Vai muito bem. E Lotte e eu estamos começando a desfrutar a meia-idade juntos.. Ou pelo menos estava. — E você nunca esteve longe dos meus pensamentos.. Recordo aquelas últimas semanas no Vaticano com profundo horror.. — O Abade Andrew é muito atencioso. Os frutos são do nosso pomar. Jean! Não há motivo para se preocupar. Ele pegou Mendelius pelo braço e puseram-se a passear pelo claustro. E como vai a sua vida. é um ótimo rapaz.. — Sinto-me em casa aqui — disse Jean Marie.. chegaram à conclusão de que sou melhor como cozinheiro do que como Papa. quando deveria 103 . Fui eu quem fez a sobremesa que você vai comer ao jantar. Gosto do ritmo em que os dias transcorrem. — Sei disso.. entretidos numa conversa amena. Era como se você fosse a última verga a que eu podia me segurar. Katrin está totalmente apaixonada por seu pintor.

. no entanto. Iniciei experiências sociais. — Você me pediu para julgá-lo. Acomodaram-se no banco. ficar dos dois lados." A confiança tem de ser absoluta.. com um sorriso e um ligeiro contato da mão. Antes de falar sobre isso. Mas sempre se tenta. Mantive as pessoas unidas.. fui um bom padre. até mesmo os jovens. dizer e pensar: "Aqui estou. 104 . Mas creio também que é parte do desígnio de Deus para mim. É o lugar em que eu estava sentado quando aconteceu. de propósito religioso. Tinha primeiro de conversar com você. Carl. Use-me da maneira como quiser.. — E já chegou a um veredicto? — Não.. que apesar de todas as negações rituais e dos atos públicos de humildade eu queria realmente ser Papa. Assim. se recusasse a me procurar. eu tinha de ser. Fui feito para o que fiz. tenho outras coisas a dizer-lhe. sem mesmo perceber. lutei com os Maquis. Pôs-se a falar calmamente. Minha gente dizia-me que experimentava uma espécie de senso de unidade.. gentilmente.ser bem fácil e simples abandonar-se totalmente aos desígnios de Deus. Na juventude. as chances lhe são favoráveis. um bom bispo diocesano.. Durante toda a minha vida. Eu tinha a ambição. Entrei no seminário como um homem seguro de sua vocação e de seus motivos. Distribuí muito amor. Em suma. não é essa a minha intenção. Oxford ou Harvard. E possuía também uma mente francesa eficiente. — Vamos sentar-nos. esquivar-se a esse abandono. Se você conhece as regras do jogo. num tom de amarga reminiscência: — Deixe-me dizer-lhe francamente. Uso a palavra no sentido francês. Rezei desesperadamente para ter forças que me permitissem enfrentar a possibilidade de uma recusa. fui um carreirista na Igreja. compreendia instintivamente como o sistema funciona. para atenuar a brusquidão da indagação. Não há descrédito no que estou falando. O que estou querendo dizer é que me empenhei a fundo.. Estava atraindo vocações para o sacerdócio. Se você não tivesse escrito. Jean — disse Mendelius. E suponho que ainda é. Carl. — E eu fui em parte culpado disso? — perguntou Mendelius. Jean Marie pegou um punhado de pedrinhas no caminho e começou a arremessá-las num alvo imaginário. — Ainda é uma possibilidade. um elemento de cálculo. — Claro que era. enquanto outros as perdiam. Ali. Carl. É como Saint Cyr. naquele banco de pedra. eu pensaria de maneira diferente. um instrumento em suas mãos. Quero simplesmente ressaltar que existe e não pode deixar de haver um elemento de ambição. Mais do que isso.

. os resultados ali estavam. lentamente. Mas um muro se erguera entre mim e o povo. e pode estar certo que eu queria mesmo!..mais cedo ou mais tarde. Sinto muito frio quando a noite chega. Acabou sendo-me oferecido. projetos. Podia ver as crianças sendo educadas numa tradição religiosa. diga-se de passagem. Carl.. Sucessor do Príncipe dos Apóstolos! Ele jogou as últimas pedrinhas pelo caminho e depois se levantou. se eu queria mudar tal sistema. repleto de cantos escuros... — Importa-se se formos até a oficina do Padre Edmund. de conseqüências duradouras.... Antes. Nunca dei um murro numa mesa em toda a minha vida! Assim.. Era como ter um camarote na ópera!. com alguma dificuldade... um político. Na oficina. se eu fundava um hospital ou uma escola. Jean Marie Barette. quando meu antecessor morreu e o Conclave estava num impasse.. Gregório XVII. Carl? É mais quente ali e poderemos continuar a conversar em particular.. Tinha acesso ao pontífice. como você sabe. Eram cargos de menor importância.. enquanto Jean Marie continuava em seu relato: 105 . acomodaram-se como colegiais na bancada. discussões. Detesto a violência. de fazer contatos muito além do enclave de Roma... tangíveis. uma nova gráfica para imprimir os documentos. Tinha a oportunidade de viajar. Podia ver os agonizantes sendo confortados pelas irmãs.. acabaram por me escolher. Claro que aceitei. Contudo. Não gostava do homem que andava com meus sapatos. Foi nessa ocasião que nos conhecemos.. Mas como um cardeal em Roma. Tinha de operar dentro dos limites do meu próprio caráter. um candidato ao chapéu cardinalício. um intermediário. Era um diplo mata. dispendioso. Sou um persuador. ferramentas e um cabeludo Batista que começava a nascer de um bloco de carvalho. Não era mais um apóstolo.. Gostava ainda menos do sistema. Deve estar lembrado das emoções que partilhamos. comecei a perceber quão pouco realizara.. O verdadeiro poder estava nas congregações importantes: Doutrina da Fé. a mim. entre peças e aparas de madeira. "Mesmo assim — continuou ele — eu me sentia feliz. atravancado. em que homens indolentes podiam levar a vida a dormir e os intrigantes floresciam. ou poderia realizar. E havia coisas boas e profundas a serem feitas. arcaico. Fui designado prefeito da Secretaria para a Unidade Cristã e Subprefeito da Secretaria para os Não-Crentes. Mas depois. como plantas exóticas numa estufa. tinha de continuar na Cúria. Episcopal e Assuntos Clericais. não um ditador. com a condição de que eu fosse para Roma e ingressasse na Cúria. o quê? Havia planos.

. O Presidente americano. meu caro Carl. — Vou dizer-lhe uma coisa.. e a linguagem dos documentos da Cúria é tão cuidadosa quanto o burocratês americano ou a fala ambígua dos marxistas. Mas a morte vai levar-nos antes que metade do trabalho esteja concluída. Lembro-me de ter falado sobre isso com o Presidente dos Estados Unidos e posteriormente com o Presidente da República Popular da China.. Não há horas suficientes no dia para digerir um décimo das informações que lhe são apresentadas. olhando-se pela Praça de São Pedro e ouvindo os aplausos da multidão. Nossa própria mortalidade nos leva ao desespero. no ponto mais elevado a que um homem podia ascender. Suas audiências particulares não passam de ocasiões diplomáticas. Carl: quando se fica parado pela primeira vez naquela sacada. "Enquanto isso — prosseguiu — a burocracia vai triturando.' Já o Presidente chinês expôs o problema de maneira mais polida: 'Você tem 500 milhões de súditos. Todo o sistema é projetado para cercá-lo com a aura de absoluta autoridade. cujo único objetivo parece ser o de protelar qualquer decisão.. Você é assediado por conselheiros.. E se é fotografado para a posteridade de seus visitantes. Ambos me disseram a mesma coisa. Não se pode agir. Só se fala em banalidades. a não ser através de intermediários. et patati et patata! — Soltou uma risada divertida. 106 . e líderes desesperados são extremamente vulneráveis. Abençoam-se medalhas. é claro que se aprende bem depressa.. editando e glosando o que lhe é entregue.— E lá estava eu. comentou: 'Eles nos capam primeiro e depois esperam que ganhemos o Derby de Kentucky. filtrando tudo o que chega à sua mesa de trabalho. em que se é como um ator devidamente orientado. enquanto Pedro era um mero pescador de um lago na Galiléia e João. um homem um tanto rude. acredita-se realmente que se é alguém! É muito fácil esquecer que Cristo foi um profeta itinerante. Carl. Patriarca do Ocidente. em palavras diferentes.. subitamente. Ou nos cercamos de aduladores ou nos extenuamos numa batalha diária com homens tão resolutos quanto nós.. o Precursor foi assassinado numa cela de prisão.. enquanto eu preciso dos campos de punição. ao mesmo tempo em que resolutamente lhe impede o uso de tal autoridade.. que dormia em cavernas. Primaz da Itália. É por isso que você precisa do fogo do inferno. Depois. na Cidade de Deus. As longas cerimônias litúrgicas e os aparecimentos públicos são peças teatrais cuidadosamente encenadas. Meus títulos asseguravam-me eminência e autoridade: Supremo Pontífice da Igreja Universal.' Esse é outro problema... enquanto eu tenho quase o dobro disso.

Carl. E o que realmente está querendo dizer. Eu não podia deixar de ressaltá-lo. tinha de haver algum sinal de legislação. e porque outros poderão dizêlo no futuro.. providenciar um mago de encomenda ou adotar algum da colheita anual dos soi-disant santos. Estavam querendo desesperadamente livrar-se de você. deu de ombros e prosseguiu: — Pelo menos há precedentes. Aceito suas definições. Os cardeais ficaram apavorados com a possibilidade de você invocar o dogma da infalibilidade. filho de Zacarias.. — Ou somos tentados a criá-los. Ele sorriu. Jean.Carl Mendelius comentou. Jean! Para usar os termos de análise bíblica. — Jean Marie lançou ao amigo um olhar rápido e perspicaz.. Mas quanto a criar os milagres pessoalmente.. calmamente: — Ou começamos a ansiar por milagres. fica-se desejando milagres. Mas falta-me um sinal de legitimação que me autorize a proclamá-la. que os homens deviam arrepender-se e ser batizados. Carl? — É um ponto importante. Qual era a autoridade dele? Posso citar de memória: "A palavra do Senhor veio a João. Reza-se para que Deus se manifeste algumas vezes neste planeta cruel. — Os políticos dispõem de suas peças de propaganda. — Mas pense no nosso Batista aqui. — Jean Marie passou a mão pela escultura inacabada. — Mas tentou explorá-lo? — Acredita nisso.. — A resposta é simples. meu amigo? — Pergunto porque outros acreditam. Assim. — E não posso oferecer qualquer prova em contrário. — Exatamente. isso não.. você afirma uma experiência pessoal de revelação. — Está certo. antes que pudesse fazêlo. E depois assentiu em concordância.. Mendelius tornou a intervir: — Permita-me uma correção: que o autorize a proclamá-la como Pontífice da Igreja Universal. Afirmo uma experiência de revelação. Carl! Não eu! O que me aconteceu foi real e espontâneo. Jean Marie franziu o rosto. Foi um tormento e não um dom. pensando na idéia por um momento. O Papa tem os seus milagres. Isso mesmo... mas não pode pedir um ato de fé em seu testemunho não confirmado. 107 . — Ele saiu do deserto pregando que o Reino de Deus estava próximo. Mas deixe-me continuar.. não é mesmo. no deserto".

Tudo o mais se tornou insignificante e irrelevante: divergências dogmáticas. com uma sombria convicção. — Mendelius definiu sua resposta lentamente. Carl? A salvação final. Jean — disse Mendelius. em cada ritual de morte conhecido pelo homem. a Parúsia? Também sonhei com isso? — Pode ter sonhado.. teriam de encontrar um compromisso entre os interesses nacionais e outros interesses igualmente imperativos. Mas tenho de lhe dizer que você não precisava de uma visão para mostrar-lhe o desastre final. então me mostre o edito 108 .. acordado ou dormindo! — E o resto.. Está expresso em toda a literatura. As formas podem ser diferentes. sem exceção... angustiando-nos na escuridão da noite. Pode compreender.Estávamos falando sobre o poder e suas limitações. tão além de qualquer antídoto. Já estava tudo gravado em seu cérebro. não estamos em desacordo. em algum ponto. E todos eles. Se falhassem nisso. — Digo-lhe isso como historiador. seriam depostos.. então tenho de lhe perguntar. dia e noite. se está falando em termos simbólicos ou de fato. E se tal compromisso falhasse.. Conversei com chefes de estado. Mas quando diz. como homem e como estudioso das crenças da humanidade: o sonho das últimas coisas atormenta a memória coletiva de todas as raças sob o sol. Nesta questão. em todas as artes. O que esses homens me disseram era o material de pesadelos e senti-me atormentado... Eles sabiam mais."fui ordenado pelo Espírito Santo a escrever-lhes estas palavras". tão letais. Tinham de servir aos interesses nacionais. algum pobre padre a ir para a cama com a criada. o mundo seria lançado numa guerra atômica. Uma coisa que eu tinha como Papa era o acesso a informações. Carl. enfrentavam o mesmo dilema terrível. . ressurgindo durante o dia nas nuvens de tempestade e nos relâmpagos que riscam o céu. como fez na sua encíclica. Você próprio disse que se tratava de matéria para pesadelos. porque tenho filhos.. meu amigo? Pode realmente compreender? — Claro que compreendo. Partilho tal sonho com você. tornar o próprio planeta impróprio para a vida humana. Viajei. se uma mulher deve tomar uma pílula ou levar um calendário para contar os seus períodos lunares a fim de evitar a produção de bucha de canhão para o dia de Armagedom. Eles me enviaram emissários. que podem eliminar totalmente a humanidade. mas o sonho persiste. — Talvez até melhor do que você. Se é de fato.. e pode tê-los. muito mais do que se atreviam a revelar publicamente: que os meios de destruição são tão vastos.. Mas sabiam que. como seus colegas fizeram. a derradeira justificativa do plano redentor de Deus. e das mais altas fontes.

— Exatamente. com ou sem visão? — Porque você o determina! — Mendelius estava implacável. — Nunca existe nenhuma — disse Jean Marie. a antiga ordem hierárquica ainda prevalecia. como se ele 109 .. Jean Mane saiu da bancada e limpou a serragem do hábito. Carl? Qual a prova que poderia convencê-lo? Um bastão a se transformar em serpente? Nosso Batista aqui saindo vivo deste bloco de madeira? Antes que Mendelius tivesse tempo de definir uma resposta... Jean Marie. o sino do mosteiro começou a repicar. — Meus cumprimentos. Carl Mendelius foi colocado entre os noviços. Foi uma experiência estranha e pungente. para depois acrescentar. O Abade sentava-se no lugar de honra..autenticado.. A menos que o Senhor construa a casa. — Sua argumentação é esplêndida. prove-me que a mensagem é genuína! — Sabe que não posso fazer isso — disse Jean Marie Barette. — E determina pelas circunstâncias. — Como.. — Encerro-a por aqui. — É um dia de festa.. Carl. Vai acompanhar-nos à capela? — Se me for possível. os construtores trabalham em vão! Na capela.. — E espera que eu responda? — Pediu-me em sua carta que espalhasse a mensagem que não pode mais proclamar. antes um Papa. — Mas se admitir. e uma tradição definida da doutrina cristã. Exclui toda e qualquer esperança de continuidade. então por que não devo dizer isso. desordens civis e quase que certamente uma precipitação de suicídios em massa. As vésperas são meia hora mais cedo.... Tem de me provar que a mensagem é autêntica. Esgotei todas as respostas humanas. que a catástrofe é possível e mesmo iminente. cercado por seus conselheiros. Exige preparativos imediatos e específicos.. Carl! — Jean Marie presenteou-o com um sorriso irônico de aprovação. suavemente: — Nisi dominus aedificaverit domum. estava sentado entre os juniores. melhor que a de meus cardeais. as conseqüências podem ser desastrosas. pânico disseminado. e se encerra numa doutrina tão restrita de eleição que será rejeitada pela maior parte do mundo e metade de sua própria Igreja. pelo tempo aproximado. tendo nas mãos um breviário emprestado. se admitir que a Doutrina das Últimas Coisas é um sonho autêntico de toda a humanidade. Para os que aceitarem.

. ó Senhor. 110 . quando ergo as mãos em prece no Teu sagrado templo.. não me permaneça em silêncio. eu clamarei. mas qual era a compreensão certa? Mendelius pensava angustiosamente. preleções. Escuta. Estamos tentando persuadi-lo a cuidar de si mesmo. ressoando pela capela — . Abade? Carl e eu ainda temos algumas coisas a conversar. Era uma triste perspectiva. — Segundo as obras de suas mãos.. eram como estranhos. Mas. E depois veio a resposta. — entoou o coro. clamabo. no período imediatamente anterior a sua saída.. ao final da vida. — A Ti. cada um falando uma linguagem que era estranha ao outro. Pôde rir dos pequenos gracejos da comunidade. O Deus que falava a Jean Marie estava em silêncio para Carl Mendelius... sombria e ameaçadora: — Porque eles não compreenderam as obras do Senhor. mesmo que sua recusa representasse o rompimento do vínculo que o unia a Jean Marie. num contraponto ao canto salmódico. entrega-lhes as recompensas. — Ad te domine. irás destruílos e hão os elevarás.. contestações e longas e angustiantes discussões com seus superiores. Professor. encontrando-se numa terra de ninguém. então se tornava uma insanidade.. quando a erosão do tempo esgotava tantos relacionamentos acalentados... Mas não o mantenha acordado até muito tarde.. As invocações adquiriam um novo significado para Mendelius. Mendelius ficou contente quando o serviço terminou e juntou-se à comunidade para a refeição do dia de festa. no refeitório do mosteiro. aplaudir a sobremesa de Jean Marie. — entoava o coro. E depois leremos as Completas juntos. Se o salto da fé não era um ato racional. O silêncio que se interpusera entre ele e Jean Marie era sinistro. As palavras dos Salmos evocam imagens nítidas de seus dias de estudante. a voz da minha súplica.tivesse recuado 30 anos para o passado. discutir com o padre-arquivista os recursos da biblioteca e com o Abade a qualidade dos vinhos dos Abruzzos. para que o Teu silêncio não me faça como aqueles que resvalaram para o fundo do poço. Jean Marie aproximou-se do Abade e perguntou: — Pode dar-me licença. à antiga vida monacal em que fora treinado. que não podia aceitar. — Claro. Ó meu Deus. Depois que a refeição acabou e os monges se transferiram para a sala comunitária. Cada cadência do canto gregoriano era-lhe familiar. ó Senhor. Subitamente. em minha cela.. a fim de se entregarem à recreação vespertina.

A luz que não pode ver lhe será mostrada. — E o serviço que lhe pedi? — Disseminar a notícia da catástrofe e do Advento? Não posso fazêlo. apenas um estudioso secular.. E creio também que é totalmente sincero em sua interpretação. Usava o anel do Pescador. — Mas não vai aceitar essa interpretação. promoveria uma anarquia carismática. uma cópia da Regra. — Vou dizer-lhe mais alguma coisa. — Pelo amor de Deus. E disse. E não farei. um livro de horas e uma edição francesa de A Imitação de Cristo. Deixe-me fazer-lhe algumas perguntas. O que espera que eu faça? Que saia por aí a formar seitas de cristãos? Isso já não foi feito antes.. Jean. Renunciou a eles! Se não pôde proclamar como Papa aquilo em que acreditava. Sem nada de papismo. — Haverá anarquia de qualquer maneira! — Então me recuso a contribuir para isso. Já lhe expliquei alguns dos motivos.. Jean. E agora peço que me escute 111 .A cela de Jean Marie era tão simples quanto o quarto de hóspede. Carl. — Mas é o que aconteceria! Quer goste ou não. de frente para Mendelius. — Não posso. Vai sentir um dia a mão de Deus em seu ombro e seguirá para onde quer seja levado. Não havia ornamentos além do crucifixo. — Sou um mentiroso? — Não. — E a visão? — Creio que a experiência que descreveu em sua carta foi real para você. Empunhava o sinete do Supremo Mestre. Jean Marie tirou o hábito. Você abdicou por causa deste problema. mas ainda há outros. sem nada de monge. os únicos livros eram a Bíblia. Jean! O que você é? Alguma espécie de oráculo? Não pode ficar empilhando profecia sobre profecia e fazer qualquer outra coisa que não uma loucura. o que está querendo de mim agora? Não sou mais um clérigo. o beijou e guardou no armário. Pôs um suéter sobre a camisa e sentou-se na cama.. Acredita que sou um homem são? — Acredito.. Carl. apenas dois homens tentando ser honestos um com outro. O máximo que posso fazer é manter a mente aberta. com uma insinuação de ironia: — Aqui estamos. Aceitará um dia a missão que recusa agora. Carl. Estou privado da autoridade para ensinar na Igreja. e as conseqüências sempre foram desastrosas. desde os tempos de Montanus e Tertuliano. — Não é isso o que estou querendo..

Estou sentado. Mas não acertou no alvo. que se poderia repetir agora. olhando para as costas de suas mãos. Tenho de esperar. com o maior formalismo: — Pergunta-me por que abdiquei. foi chamado por Deus a proclamar a iminência da Parúsia. esperando que o Senhor volte a me falar e digame o que devo fazer. e poupa o sistema de muito constrangimento.. Carl. Não estou brincando de esconde-esconde.. Mas o que você escreveu na sua encíclica significava vida ou morte para milhões de pessoas. quando os médicos apareceram. Sou Carl Mendelius.. Nossas pretensões seriam contestadas por meio século. Julgo que nos está dizendo muito e pouco ao mesmo tempo. Falamos de milagres. Na visão. Claro que rezei! Quando os cardeais vinham argumentar comigo. Perguntou se alguma vez rezei por milagres. mas não posso dar esse sinal pessoalmente. Papas e Antipapas são uma história antiga." — Desculpe-me. Jean Marie ficou calado por um longo tempo.. Jean. É uma coisa boa e tradicional. Mas não proclamou! Deixou-se dobrar por um grupo a exercer o poder. — Ao contrário. Sei da necessidade de um sinal de legitimação.. Era o Papa.. lembra-se? Pediu-me para fazer um julgamento. de sinais e maravilhas. porque até mesmo os jornais evitam o fanatismo. no instante mesmo em que acabou de pronunciá-las.. Jean? Por que está tão silencioso agora? Abdicou do único púlpito do qual poderia falar ao mundo! Por que espera que um professor de meia-idade da Suábia recupere o que você jogou fora? A raiva e a frustração de Mendelius se manifestaram numa tirada final e amarga: — Drexel disse-me que você se tornou um místico... Eu não poderia viver e morrer com isso na consciência.com atenção... Por que permitiu que eles o silenciassem. dia após dia... imóvel. Se eu resolvesse permanecer no cargo. 112 . O Sacro Colégio me iria depor e eleger um rival. Carl. quase que certamente haveria um cisma. O conflito entre a Cúria e eu era mais desesperado do que você pode imaginar. Pois é o que vou fazer. Era fato ou ficção? Precisamos de um testemunho completo! Não podemos ficar esperando enquanto Jean Marie Barette brinca de esconde-esconde com Deus num jardim de mosteiro! Mendelius sentiu-se envergonhado da brutalidade das palavras. Você disse ainda há pouco uma metáfora terrível: "Jean Marie brincando de esconde-esconde com Deus num jardim de mosteiro. neste pequeno planeta. Diz que teve uma visão. Eu não queria. você queria exprimir exatamente o que disse. E finalmente respondeu..

num gesto tipicamente francês. Não é uma advocacia nem uma cruzada. Nesse estudo. chamaria atenção para as idéias expressas em sua encíclica. — E assim acontecerá. Depois. enquanto Carl Mendelius enunciava sua posição: — Na questão da sua revelação pessoal.solenes e clínicos. Não sei. um jornalista de reputação. não posso agir. ainda me resta muito amor. sou um agnóstico. se tenho pouca fé. Jean Marie Barette. Foi mais fácil conversar pela manhã. eu rezava: "Dê-me alguma coisa para mostrar-lhes que não estou louco. para a imprensa internacional. antes um Papa. As palavras mais árduas já haviam sido ditas.. Não havia mais qualquer terreno de discussão. eu próprio escreveria. Jean.. por favor! — Claro que acredito. — Não posso aceitar uma missão em que não acredito. que não sou um mentiroso.. Mehr Licht. não havia receio de incompreensão. O padre-sacristão cortava novas rosas para o altar." Jean Marie sorriu e deu de ombros. Jean. Vim como amigo. Acredite nisso. E quero partir como amigo. Pelo que vamos rezar? — Pelo último desejo de Goethe. — Parece que terei de esperar por mais tempo. gostaria de dizer-lhe uma coisa.. Mas posso fazer uma coisa para testar suas idéias diante de uma audiência internacional. uma exposição objetiva de suas idéias como eu as 113 . — E como se propõe a fazer isso. Mendelius sentou-se lado dele na cama estreita e recitaram juntos os salmos para a última hora canônica do dia. o jardineiro manejava sua enxada. mais luz! — Amém! Jean Marie estendeu a mão para o seu breviário.. Jean. um retrato compreensivo." E antes de você chegar. jogava migalhas de pão para os pombos. Portanto. um estudo biográfico de meu amigo o ex-Papa Gregório XVII.. posso providenciar com Georg Rainer. No jardim da visão. Primeiro. Vamos ler as Completas agora? — Antes disso. a publicação de um relato acurado de sua abdicação. supliquei interminavelmente: "Faça pelo menos com que Carl acredite em mim. E finalmente poderia providenciar para que as duas coisas fossem levadas ao conhecimento das pessoas incluídas em sua lista. Mas em relação a nós. mas uma história honesta. Quero que compreenda bem o que lhe estou oferecendo.. e para a qual você não tem autoridade para enviar-me. amigos antigos. Carl? — De duas maneiras..

— É uma oferta generosa. um vasto planeta. Carl. o Abade ficaria embaraçado. E se você. Em outras ocasiões. Não gostaria de passar umas pequenas férias comigo em Tübingen? Lotte adoraria. Quanto a mim. decidir escrever um estudo sobre a minha pessoa e idéias. via o mundo em panorama.. totalmente em paz. Mendelius advertiu-o: — Está muito aquém do que você me pediu. sem ter a menor idéia de como cheguei lá. meu caro amigo.. O problema. diligentes e apreensivos.. como um instrumento nas mãos de um grande mestre. meu caro Carl.. — Há ocasiões em que estou em trevas tão profundas e ameaçadoras que tenho a impressão de estar desprovido de toda forma humana e condenado a uma solidão eterna. Carl? — O desafio implícito parecia surpreendê-lo. gostarei muito de ter um irmão em casa. é que tanto o terror como a serenidade me pegam desprevenido. — Só mais uma pergunta. Aqui. Se eu pedisse. está certo? — Com o maior prazer! — Mendelius soltou uma risada divertida. Os problemas diplomáticos a enfrentar seriam delicados demais. Além do mais. Não posso ler a partitura. mas não posso aceitar. descubro-me numa serenidade luminosa. deixando meus dias tão cheios de buracos quanto um queijo suíço. — O que posso dizer-lhe. Todo o amor e atenção 114 . então que Deus me ajude! Prefiro penar no purgatório como os mortais comuns! Como poderia explicar isso a seus leitores? — Quer dizer então que concorda com o tipo de publicação que estou sugerindo? — Vamos ser bastante objetivos a respeito. com a possibilidade de contestação total.entendi. Quando eu estava no Vaticano. na capela ou na biblioteca. Um jornalista não precisa de minha permissão para especular sobre a história atual. Vamos deixar a coisa por aqui. E também vai expor as falhas e fraquezas de sua posição. meu douto amigo... Por exemplo: mesmo neste nosso encontro. vejo tudo em pequena escala. explicou muito pouco do seu estado espiritual. Se isso é misticismo. — Obrigado. Carl. Surgem e se vão subitamente. nunca poderíamos ser tão íntimos como neste momento. — Vamos ser romanos e diplomáticos. Descubro-me às vezes no jardim. — Havia um tom de malícia nos olhos de Jean Marie. Jean Marie estava comovido. não tenho o impulso de interpretá-la. embora harmoniosamente ativo. se não gostar do que for escrito. não posso impedi-lo. mas apenas uma confiança tranqüila de que o sonho do compositor se realiza em mim em todos os momentos. Carl. com seus milhões de habitantes. sob a ameaça da nuvem de cogumelo.

Carl. Sou um homem árido. cujos passos ressoavam debilmente pelo claustro. Não é fácil explicar. Carl. e de seus desígnios! Mendelius franziu o rosto e sacudiu a cabeça. Depois. — O Abade estava acompanhando Mendelius até os portões do mosteiro. Carl. — Não vamos prolongar as despedidas. Prometo.. a esplêndida e aterradora unidade do Todo-Poderoso.. há assassinos esperando para matar-me. Houve um último e silencioso abraço. Jean Marie afastou-se. — Escreva-me de vez em quando. — Gostaria de poder partilhar essa visão. Tenho menos medo deles do que de um Deus que pode fechar a tampa sobre sua caixa de brinquedo e jogá-la no fogo. num deserto escuro. — É assim que você o vê. Acho que já temos horrores suficientes sem o Deus do holocausto final. E quando finalmente falou.. — Reze também por mim. — Não é Deus o assassino. você em todos e todos em você. E depois você verá o dia e a fonte de água fresca. foi para dizer uma banalidade: — O Cardeal Drexel pediu-me que fosse procurá-lo depois desta visita. Jean. — A escuridão vai passar. É por isso que não posso pregar a sua catástrofe. não guardo qualquer ressentimento.. Professor. não é Deus quem vai apertar o botão vermelho. O que quer que eu diga? — Que estou contente. Carl Mendelius ficou em silêncio por um longo tempo. mas foi essa a agonia que experimentei na visão. meu amigo. não se é inevitável. 115 . — Que Deus o guarde. um vulto frágil. Jean. — É o que espero. Neste momento é o seu rosto. que rezo por todos eles diariamente. Jean. — Mendelius levantou-se e estendeu a mão para ajudar Jean Marie a levantar-se também. Mas não posso.. um horror decretado da eternidade. — Eu lhe disse que daria minha resposta hoje. — Fez-me uma pergunta. Carl? — Em Roma. — Todas as semanas. Pegou as migalhas de pão das mãos de Jean Marie e começou a lançá-las para os pombos. Tenho conhecido homens de bem que preferem as trevas eternas à visão de Siva.de que disponho se concentram no rosto humano mais próximo.. o Destruidor. a extrema simplicidade das coisas.

Afinal. a fim de pregar o Apocalipse? Quantas pessoas acha que escutariam? Eles ainda estariam assistindo ao time de futebol do Lazio jogar quando soassem as trombetas finais! . — Qual é? — Não pode lutar com Deus. mas apenas o pequeno jardim que lhe foi concedido... — Sinto-me grato por sua hospitalidade. é verdade. Ele é um adversário grande demais. um ato de fé na contínua e benéfica atuação do Espírito nos assuntos humanos. rezamos. — É justamente esse o problema..— Estou curioso em ouvi-la.. Também não pode controlar todo o universo d'Ele. — Não terminou absolutamente. nos mantemos preparados. E lhe asseguro que a correspondência será mantida rigorosamente particular. Cuide de Jean por mim. — Creio que o nosso amigo teve mesmo uma visão da Parúsia. — Foi mesmo. meu amigo? Que despache meus monges para as aldeias nas montanhas. não é mesmo? O que sugere.. — Gostaria então de fazer-lhe outra pergunta. dispensamos caridade à comunidade e ao viajante. — E agora que terminou. Nós velamos. Eminência. E só 116 . Mendelius não estava impressionado.. Drexel despejou o resto do café na xícara de Mendelius e entregoulhe o último biscoito. Desfrute-o enquanto puder. — Não há problema. — Foi um episódio angustiante para você. — Mendelius levantou-se e foi até a janela.. — Um último conselho. — Com sua permissão. Sente-se obrigado a tomar alguma providência a respeito? — Nada de especial. — Obrigado. voltar para casa e preparar o curso para o próximo ano. — Prometo que o farei. O que vai fazer agora? — Terminar as férias com minha mulher. — Simples demais. É o que está realmente querendo dizer. um mosteiro é um lugar para onde os homens vêm a fim de aceitarem as Últimas Coisas. Abade. — Fala como se fosse muito simples. meu amigo. Ainda não cheguei a esse ponto. eu gostaria de escrever para ele regularmente. suave demais. Ele fez o ato final de um crente. Posso deixar um donativo no portão? — Eu agradeceria... O Abade fitou-o rapidamente. um ato de submissão a sua própria mortalidade. Acabou para Jean Marie..

. — Mas claro que quero! — Mendelius virou-se bruscamente para fitá-lo. talvez mais do que você. Mendelius? — Só Deus sabe. mas não posso deixá-la e não vou denegri-la. num gesto de derrota.Deus sabe se algum dia chegarei. Tive medo das trevas.. devo ter esquecido. então por que não acreditou no resto? Por que deixou que os outros o destruíssem? — Porque não me podia arriscar. — A voz do Cardeal era infinitamente patética.. o que. eu não estava 117 . e tudo dedicado a quê? A mais esquiva das abstrações. Detestei a pompa e o poder. também quer deixar tudo? — indagou o Cardeal. em sã consciência. apenas um Deus que pudesse admitir.. Assim. — E você. que Jean Marie também fez uma profecia a meu respeito? — O que ele disse? Mendelius repetiu as palavras do amigo numa voz sem qualquer inflexão: — "Aceitará um dia a missão que recusa agora. Espero. O dedo de fogo escrevendo na parede. Drexel pressionou-o. Não posso adotar a história de outro homem ou fabricar-me um novo mito. Não queria mistérios... meu amigo. Vai sentir um dia a mão de Deus em seu ombro e seguirá para onde quer que seja levado. Detestei voltar ao Vaticano hoje. eu precisava da garantia de ser o que sou. Tribunais e Secretarias... Detesto o que esta família muitas vezes faz a seus filhos. só isso. — Só que não posso. Virou-se novamente e ficou olhando em silêncio para o jardim. O último dia de primavera antes do holocausto... só me resta esperar. suavemente: — Esperar. Quando o momento chegou. Não lhe contei. Ele deu de ombros. o relacionamento do homem com um Criador Incognoscivel! Fico contente por Jean ter largado tudo isso. — Pois eu acredito nele. Precisava da luz fria e calma da tradição. Congregações. aos meus ancestrais mais remotos. não.. gentilmente." — E você acreditou nele? — Quis acreditar... Não posso renunciar às tradições que me moldaram. Mas não pude. uma autoridade a que poderia me curvar.. que resistiu ao teste dos séculos. não contei. um homem altamente situado num sistema antigo. Mendelius perdeu finalmente o controle e desafiou Drexel bruscamente: — Em nome de Deus. — Como você. assim como também não posso renunciar a minha mãe ou a meu pai.. A luz que não pode ver lhe será mostrada..

Não tinha o direito. Nos tempos antigos..... Acha que algum clérigo em seu juízo perfeito vai pregar uma igreja carismática ou uma diáspora cristã? — Provavelmente não. — Um pensamento grave. Subconscientemente. Nesta época. Eminência.. quase como se fosse uma questão de interesse acadêmico: — Acha que tal ensaio é oportuno neste momento? — Mesmo que não fosse. Drexel não demonstrou qualquer surpresa.. Não julgue a qualquer de nós. a igreja da paróquia. no deus que semeava os trovões. era fácil ser um crente. creio que se trata de uma questão de simples justiça... Mendelius retraiu-se diante da censura e disse. com uma desolada humildade: — Fui grosseiro e injusto. Eminência.. Retire os símbolos visíveis de uma organização estabelecida. por favor! — Drexel fez um gesto para detêlo. Perguntou. — Fico contente que pense assim. as cátedras.. — Nada de desculpas. o bispo em sua mitra. Mendelius.. O funcionário mais subalterno sempre ganha um estudo biográfico em sua aposentadoria. Não pude repelir o passado nem abdicar de minha função no presente. disciplina. quando o mundo estava repleto de mistério. nos espíritos que habitavam os bosques. Disciplina é a palavra segura. mas estará falando a surdos.. Você faz a sua oferenda num templo e leva de volta a salvação. mesmo que seja apenas cinco linhas na Gazeta do Governo. Merece uma meditação.. Deixe-me explicar-lhe mais uma coisa. e a assembléia cristã deixará de existir para muitos. Proponho-me a incluílo em meu ensaio sobre Gregório XVII. autoridade doutrinária e a missa aos domingos! Não há mais lugar para os santos itinerantes.. Não me julgue muito severamente.. A maioria das pessoas prefere uma religião simples. E espero que me permita 118 . — Que fato? — Que todos pertencemos a uma espécie em perigo: o homem do milênio! Drexel pensou por um momento e depois assentiu em aprovação. estamos todos condicionados à ilusão visual. — Mas eles têm de enfrentar um fato. eles associam tais coisas com os cultistas e os carismáticos. — Mendelius exibiu um pequeno sorriso relutante. mesmo entre o clero. — Pelo menos conseguimos ser francos um com o outro. Mendelius. Você é mais livre e mais afortunado. O que você vê é o que existe.. Eminência. Você pode falar até cansar sobre o Espírito Eterno e o Corpo Místico.preparado.

. ao invés do dialeto empolado dos teólogos. E obrigado pela proteção que me concedeu e à minha mulher. sobre a natureza da Parúsia propriamente dita.. Era vago. Meu atual superior dificilmente aprovaria. parecia branda demais. — Fico contente de que goste da idéia.. obrigado pelo convite.. Jean Marie era preciso a respeito das possibilidades de um conflito catastrófico. terei a maior satisfação em ajudá-lo.. Os escritos mais apocalípticos eram vividos e detalhados. Mendelius hesitou por um instante. E boa sorte com seu ensaio.consultar Sua Eminência sobre questões de fato. Estava feliz com uma coisa: não mais estava obrigado ao sigilo. A disposição dele. que obviamente haviam sido testemunhados por outros. — Eu gostaria de poder prolongá-la. Ainda estava longe de sentir-se satisfeito pelas explicações que Jean Marie lhe dera. mesmo em termos visionários. — Não disse que gostava. Herman ainda não voltara da Academia. — Quanto a minhas opiniões. A revelação de Jean Marie Barette era por demais franca e geral para merecer credibilidade.. Assim. — Reconheço-a como um ato de piedade. calmamente. descansar e pôr seus pensamentos em ordem. ele teve tempo e privacidade para tomar um banho.. Professor! Eram cinco horas da tarde quando Francone deixou Mendelius no apartamento. entre a visão de Jean Marie de si mesmo como um carreirista e o seu trágico fracasso em exercer o poder num momento de crise. muito familiar e excessivamente. testar suas opiniões contra as dos devotos e céticos. Em termos psicológicos.. discorrer sobre suas perplexidades na linguagem das pessoas comuns.. que moralmente estou obrigado a elogiar.. Vá com Deus. talvez mesmo persuadi-lo a apresentar sua opinião sobre determinados aspectos da história recente. Podia debater todas as questões envolvidas. antes de relatar aos outros sua experiência em Monte Cassino. derivada da vasta massa de literatura devocional. Eminência. para não dizer a ansiedade. — O rosto de Drexel foi iluminado por um rápido sorriso. — Sobre questões de fato. havia também uma contradição. Lotte e Hilde estavam no cabeleireiro. Mas não tenho autoridade para onde pretende ir agora. não são para serem publicadas. De qualquer forma. em aceitar até mesmo uma defesa parcial na 119 . infelizmente. A descrição dos estados místicos dele. procurando pela palavra certa. — Obrigado. orientando-o para as fontes apropriadas — disse Drexel.

— Você ainda é um crente. ainda está atormentado pela presença de Deus em todas as coisas. disse-lhe que escreveria esse estudo biográfico.imprensa popular era bem triste. não tenho. — Não creio que seja exatamente assim. num homem que afirmava ter travado um diálogo particular com a Onipotência. Tem certeza de que pode fazê-lo com a mente tão dividida? — Não. — Você ama Jean Marie como um irmão. Ao sair para o esplendor do pôr-do-sol no terraço. enquanto tomavam coquetéis. — Teremos o maior 120 . Mendelius foi forçado a admitir que Jean Marie Barette era mais fácil de ser condenado na ausência do que humilhado pessoalmente. E no entanto. se não mesmo ligeiramente sinistra. enquanto o poeta declara que não há tempo para versejar quando os assassinos estão nos portões. Herman Frank era o mais ansioso. Mas não se pode negar que a catástrofe da guerra global está muito próxima. o mensageiro que carregava segredos de estado em seu cinto. Carl. — É justamente essa a dimensão do problema. Ficou surpreso ao constatar que todos o interrogavam... É assim desde que o conheço.. que de qualquer maneira é um mito primitivo. meio poeta.. no entanto. desconte o Segundo Advento. está disposto a se dividir ao meio. mas não tinha convicções pessoais além do estado das camas e do custo do vinho nas estalagens pelo caminho. Herman. o retrato pessoal.. Em comparação com ele. — Há mais uma coisa. uma história exclusiva que terá a maior repercussão no mundo inteiro. — Mendelius estendeu a mão para seu drinque. — O sorriso de Hilde tinha uma insinuação inequívoca de ironia... Quanto a minha parte. — Lotte estendeu a mão e afagou-lhe o pulso.. — Mas o racionalista diz que as provas ainda não são suficientes.. liebchen. Rainer fará um bom trabalho na sua parte. Mendelius conversou sobre tudo isso e muito mais com Hilde e os Frank. — Onde vai trabalhar? — perguntou Hilde. não tenho a menor certeza se poderei fazê-la direito. Ele não recuara um único passo de sua afirmação de uma experiência de revelação ou de sua serena convicção de que o sinal de confirmação seria dado.. Por isso. meio racionalista.. Carl Mendelius era o homem pequeno. Carl. Para não rejeitá-lo sumariamente.. — Não está realmente querendo dizer.. a interpretação dos pensamentos de Jean. que acredita pelo menos em metade da história? Desconte a visão. Não é verdade? — Acho que sim. É o sonho de qualquer jornalista..

incisivamente. Este lugar é sedutor demais.. — Lotte estava um tanto ansiosa. — Assim que o verão acabar. Se alguma coisa acontecer. — E o que você vai fazer. — Também sou casado. — Nada vai acontecer tão depressa assim. materiais e mãode-obra vão dobrar de preço da noite para o dia. Não é verdade. Herman. Ainda havia algumas coisas a tratar antes que Mendelius e Lotte pudessem fazer as malas e partir.. O que vai fazer com Lotte e as crianças? — Ainda não pensei a respeito. Ele passou toda a manhã de sexta121 .. — Obrigado pelo convite. Quem pode saber? Pelo menos isso prova o talento romano para a sobrevivência. — Carl poderia ficar por mais algum tempo. temos de nos unir de vez em quando. muito antigo. — Mendelius estava firme. — Hilde parecia irritada. — Estes são os nossos últimos dias em Roma e quero que sejam muito felizes. Conversarei com Georg Rainer na sexta-feira. — As crianças estarão de volta no princípio da próxima semana.prazer em acolhê-lo aqui. — Eu me recuso a continuar a falar sobre isso! — Lotte estava subitamente próxima da ira. — Tübingen fica a apenas 180 quilômetros da fronteira suíça — disse Herman. por tanto tempo quanto desejar.. — Seria bom que você deixasse uma parte de seus royalties depositada por lá. menina. Eu estaria propenso a aprontar o sítio o mais depressa possível. os machos. — Precisamos voltar para Tübingen. — Não é necessário. E partiremos para Tübingen no domingo. Além do mais. Se houver alguma ameaça de crise. Dizem que Rafael mantinha uma amante ali. mas trabalharei melhor em casa. sorrindo. — E vão ser! — Herman mostrou-se imediatamente arrependido. É um lugar dos mais estranhos. e preciso de uma dose forte de bom senso protestante. será preciso plantar neste inverno para a colheita do próximo verão. a Alemanha será a primeira zona de combate. Nós. Carl? Mendelius sorriu e recusou-se a ser envolvido. Hilde e eu começaremos a aprontar nosso sítio na Toscana. — Vamos jantar aqui e depois iremos escutar um pouco de música no Arciliuto. Hilde. Carl? — perguntou Hilde. — Seu amigo Jean Marie está seguro no mosteiro. — Vamos com calma. — E apresentado com um sotaque suábio! — acrescentou Herman.

Carl. Fazia uma visita ao Senador Malagordo. Garanto uma transcrição acurada dos fatos e citações. Georg. A uma hora da tarde. Mas. Quero que estude com cuidado. você estará no banco das testemunhas e tudo o que disser entrará para os registros do tribunal. É difícil acompanhar seus movimentos. — As regras já estão fixadas.. — Não posso fazer qualquer acordo sobre o que acontecer depois que o texto deixar meu escritório. "Tem agora o registro de tudo. — Neste caso. taxativamente. ele começou a ritual disputa de esgrima. confiro primeiro e depois passo pelo telex. A partir do momento em que começarmos a entrevista. Mendelius. se está pensando 122 . Francone levou-o para o almoço marcado com Georg Rainer. mas pode esperar até nosso encontro. quando a polícia matou um homem e prendeu três outros. antes de tornarmos a nos encontrar." Ele embrulhou as fitas cuidadosamente e pediu a Francone que as levasse a um serviço de entregas diárias entre Roma e diversas cidades alemãs. porque achei que não deveria expô-lo ainda mais. eu gostaria de verificar se podemos concordar sobre a maneira como a história deve ser apresentada. Tem uma história para mim. Aquele caso do Salvator Mundi.. sim. uma confissão franca de suas perplexidades e uma declaração sóbria: . — E também não queria estragar a história de hoje. — Foi muita generosidade sua. sim. em Tübingen. meu amigo. — Não! — disse Georg Rainer.. Depois. Mas antes de relatá-la. Até breve.feira preparando a sua gravação final para Anneliese Meissner: um relato da visita a Monte Cassino.. Não publiquei nada. — Tem estado muito ocupado. não é mesmo? — Tenho.. de versões distorcidas da mesma história por outras mãos. Terei o maior prazer em mostrar-lhe antes o meu texto e alterar qualquer coisa que considerar inacurada. Não posso garantir a sua imunidade da ênfase editorial. Rainer sacudiu a cabeça. de manchetes dramáticas ou manchetes enganadoras. num compartimento privado do Ernesto's. tão honestamente quanto pude relatar. reservando-me o direito de fazer o comentário que julgar conveniente para a orientação de meus editores. — Era o que eu imaginava.. Georg Rainer era um praticante experiente da arte.. quero ver se podemos concordar sobre algumas regras do jogo. Há muito mais para contar. Agradeço a atenção. O que me disser. Estou cansado desta cidade febril e agitada. você estava no hospital na ocasião? — Estava..

— E ele concorda com a divulgação da história? — Não tem qualquer objeção e conta com a minha discrição na escolha de um repórter para a história exclusiva. Assim. Segura a fita até acertarmos um texto final. Trabalharemos nisso juntos. Em segundo lugar. todos os males ficam à solta. Seja como for. deixe-me formular a questão de outra maneira. porque você manteve a promessa que me fez. — A verdadeira história? — Isso mesmo. é melhor esquecer. quero que a verdade a respeito de um amigo seja exposta publicamente. Depois. Georg Rainer disse: — Vamos pedir primeiro. Pediram pasta. antes de começarmos. O primeiro documento é uma carta para mim. em terceiro lugar. Tudo o que não lhe agradar será apagado imediatamente.. posso provar tudo. Georg Rainer fitou-o com um espanto que não se deu ao trabalho de disfarçar. por que me está dando a história? — Em primeiro lugar. Está bem assim? — Está ótimo. Um garçom aproximou-se rapidamente. E para poupar-lhe mais trabalho. — A abdicação de Gregório XVII. preciso ter certeza das regras do jogo. Georg. Fomos amigos íntimos por muito tempo. Por isso mesmo. Não poderei fazê-lo se a sua história se expandir por caminhos incontroláveis. escritos a mão por Gregório XVII e que me foram entregues por um mensageiro pessoal. E. antes que os inventores de mitos se ponham a trabalhar. descrevendo os 123 . Georg Rainer pôs o seu gravador em miniatura sobre a mesa e empurrou-o na direção de Mendelius.. acabei de passar 24 horas com Gregório XVII no Mosteiro de Monte Cassino. saltimbocca e uma garrafa de Bardolino. está bem? Detesto garçons pairando nas proximidades enquanto estou fazendo uma entrevista. Georg. É como a caixa de Pandora: depois que se abre. dizendo: — Você cuida da gravação. exibindo a caneta e o bloco com um floreio. quero escrever uma peça que será um complemento à sua história. Como podemos chegar a um meio-termo que atenda às suas necessidades e às minhas? — Diga-me primeiro sobre o que é a história. Vamos começar por dois documentos. Estou tentando manter a minha.que há alguma maneira de controlar as conseqüências de uma notícia. sob a forma de um estudo biográfico. — Pode prová-la? — Desde que possamos chegar a um acordo sobre o uso ou não-uso dos documentos.

Mendelius fez uma pausa. Finalmente deu de ombros. Estava testando o tema numa audiência de clérigos Evangélicos. como um jogador de pôquer perdedor. o amigo dele? — Isso mesmo. antes de acrescentar: — Pode compreender agora por que procurei evitar a história sobre o fim do mundo. com um sorriso amargo.. Até mesmo aceita ser conduzido pelo motorista do Cardeal. — Estão afastando um Papa perigoso. antes de ir a Monte Cassino. — O que é justamente o que eles querem — comentou Rainer. você é às vezes muito ingênuo. E também o Cardeal Drexel e o Abade Andrew. O mais estranho é que eles são os crentes. — Posso vê-los? — No momento apropriado. — Quem diz isso? — Rainer espetou um dedo no peito de Mendelius — Você. Os dois aceitam-no como um místico.. até mesmo do seu almoço comigo.. o holocausto e o Segundo Advento. Assim. dão-se ao luxo de louvar sua virtude obediente. E também duas vezes com o Abade de Monte Cassino. — A verdade. Quer saber de uma coisa. — É justamente esse o problema. porque não o defendeu contra a Cúria e o Sacro Colégio. no carro do Cardeal. Georg. E agora que ele não pode mais causar problemas. O outro é uma encíclica inédita. Mendelius? Para um erudito notável. — Qual é a mensagem básica? — Gregório XVII foi forçado a abdicar porque afirmou ter tido uma visão do fim do mundo. A Cúria tinha simplesmente de livrar-se dele. é que não me importo absolutamente com que 124 . com algum sarcasmo. Georg. da mesma forma que João da Cruz. enquanto eu sou o cético..acontecimentos que levaram à abdicação dele. Drexel está passando por uma crise de consciência. — Conversou com Drexel? — Duas vezes. O homem é um lunático. Obviamente. Acreditava ter sido convocado para ser o precursor do evento. Georg Rainer tomou um gole de vinho e mastigou um pedaço de pão. que a Cúria suprimiu. — Mendelius serviu mais vinho e fez sinal ao garçom para que tirasse os pratos de pasta. não carrego esses documentos comigo. e disse: — Claro que agora tudo faz sentido. que dirige Monte Cassino. Drexel sabe de tudo o que você faz em Roma. — Ele é tão são quanto você ou eu.

— Não há ninguém mais perigoso do que um visionário sincero..ele saiba. — Rainer deu de ombros. Falei-lhe a respeito. é a sua vez. É o homem que escreve os boletins sobre a situação das nações. Contudo. — Que nem você nem eu podemos conferir. — Concordo plenamente. E podemos registrar o que Jean Marie Barette me disse a respeito de sua alegada visão. — E o que aconteceu? — Nada. Mas devemos garantir-lhe um relato honesto dos fatos e uma interpretação esclarecida de sua mensagem. o Juízo Final.. Podemos alinhar os acontecimentos que levaram à abdicação.. — Sinal de legitimação? Não me lembro da expressão.. Quão próximos estamos agora de Armagedom? O mundo está repleto de profetas. — E nada mais? — Depois disso.. — Até aqui. não podemos. Posso orientar-lhes a atenção para a existência de seitas milenaristas no mundo de hoje. O que podemos dizer a nossos leitores a respeito de tais coisas? — Posso dizer-lhes o que as pessoas no passado acreditavam e escreviam sobre esses temas. está tudo certo. — Rainer ficou em silêncio por um 125 . — Ele tem conhecimento dos documentos? — Tem. Como o julga? — Creio que ele é são. Algum deles pode ser Aquele que está para chegar? Se examiná-lo à luz de todos os fenômenos sociais absurdos. — Também leio história e sei que os usos do poder não mudaram na Igreja ou em qualquer outra parte. Significa basicamente que o profeta ou reformador. Mas essa visão trata de assuntos de importância fundamental: o fim do mundo. — É um termo que se tornou popular na moderna análise bíblica. — Não acha que ele pode ordenar que os documentos sejam recuperados. quando afirma falar em nome de Deus. Mas vamos falar sobre Gregório XVII. a predição de Jean Marie está longe de ser irracional. Está calado porque não tem um sinal de confirmação para provar que sua visão é autêntica. Georg.Os documentos explicarão o porquê. Abdicou para evitar um cisma. precisa apresentar alguma prova de autoridade. sim. — Então é mais confiante do que eu. Precisava de um sinal de legitimação. — Não. o Segundo Advento. não consigo imaginar Drexel como espião e receptador de manuscritos roubados. e sincero em suas convicções. ou desviados para mãos mais ortodoxas? — Francamente.. — O próprio Jean Marie reconheceu isso.

Você tem a possibilidade de passar alguns dias em Tübingen? Ficaria hospedado em minha casa. Assim. uma encíclica inédita. Essa história o tornará tão famoso ou notório quanto o atentado no Corso. terei de encontrar uma desculpa para alguns dias de ausência. Todo o meu condicionamento é pegar a idéia... Ainda é uma testemunhachave contra a moça e causou ao terrorismo a perda de quatro homens. —Posso dar-lhe um conselho. Mendelius? Pelo amor de Deus. — Sou provavelmente muito mais lento. — Poderei estar em Tübingen na quarta-feira. Posso avaliar o valor como notícia. — Há outra coisa que devemos acertar.momento.. Conheço pessoas que seriam capazes de matá-lo para se apoderarem dos documentos. Mesmo depois que voltar a Tübingen. Eles têm braços compridos e memórias longas. vou telefonar para ele esta noite e pedir que se encontre conosco em Tübingen. Nós dois vamos agir em conjunto. pensativo.. — Mas dará muito trabalho converter a história em forma legível. — Posso compreender o problema dos terroristas. não. — Mendelius estava genuinamente perplexo. mas pelo menos sou versado no assunto. Tenho de preparar-me para o reinicio dos cursos na universidade. Não quero discutir a história com meu editor enquanto nós dois não a tivermos escrito e conferido cada frase. Guarde-os no banco. — Está certo.. deixarei Roma no domingo e começarei a trabalhar no dia seguinte. mas certamente não valem a vida de um homem. — Tem razão. E devemos ter um contrato.. tome cuidado. — Mas os documentos. Poderíamos trabalhar melhor ali.. — Preciso trabalhar depressa. Mas. tem pensado apenas em sua reação pessoal ao caso e na 126 . Gostaria também de usar meu agente em Nova York para providenciar contratos com os editores. Não o levei muito a sério.. Pode prolongar sua estada em Roma? — Infelizmente. — Então é melhor ser muito sério daqui por diante. conferir sua lógica e despachar pelo telex no mesmo dia. Seja como for. Tenho todos os textos necessários. — Não? Pois encare a coisa por outro aspecto. — Neste caso. A encíclica provocou uma abdicação papal. Arrumarei alguém para me substituir aqui. uma carta pessoal para mim. — Jean Marie fez-me tal advertência em sua carta. tome cuidado com os documentos. Rainer interrompeu-o bruscamente: — Até agora. Poderia igualmente provocar um cisma ou fazer com que Gregório XVII fosse declarado insano.

tirarei tanto dinheiro de você que será quase indecente. — Isso é verdade. agora que sabem que você conversou comigo. Pense bem nisso! Quanto aos outros amigos ou conhecidos de Gregório XVII. Afinal. Georg. apenas muito interesse oficial.. em Nova York. não! Vou pagar o almoço. que Rainer prontamente anotou.. em todas as partes do mundo. — Que espécie de lista? — Pessoas em altos postos. — Vai trabalhar para conseguir isso. Mas certamente seriam examinados cuidadosamente antes de conseguirem falar com ele. Quero que esta seja a melhor história que você já produziu! Assim que chegou ao apartamento.. Ele me enviou uma lista... Foi o que me aconteceu. vou fazer algumas pesquisas por conta própria.. Na verdade. — E esse interesse dificilmente vai se dissipar. Lars Larsen.preocupação com o amigo. indagando em seguida: — Alguma dessas pessoas já tentou entrar em contato com ele em Monte Cassino? — Não sei. a não ser que ele é um homem paciente. — Mendelius riu. Não. — Duas coisas que aprendi com os jesuítas foram as regras das provas e o respeito pelo estilo na escrita. Rainer ficou imediatamente alerta. Drexel não indagou o que eu pretendia fazer. — Vamos ser justos. A idéia era 127 . Houve momentos em que pensei que estavam querendo impedir-me de falar-lhe Mas Drexel foi categórico. Mas o que dizer dos milhares de outras pessoas com quem Gregório XVII tratou durante o seu pontificado? Como elas reagiram? Como poderão reagir ao tomar conhecimento dos fatos verdadeiros? Algumas devem ter mantido um relacionamento íntimo com ele. — E o que isso prova? Absolutamente nada. Não havia objeções a minha visita. e tratei-o rudemente em determinados momentos. E trabalhar muito.. — Pode dar-me alguns dos nomes que constam dessa lista? Mendelius pensou por um momento e depois recitou meia dúzia de nomes. A reação imediata de Larsen foi um assovio de excitamento e depois um grito de angústia. antes de seguir para Tübingen. Não perguntei. Não fez qualquer outra menção aos documentos. E não se esqueça de que foi ele que os cardeais escolheram para emissário. Mendelius ligou para seu agente. que ele acreditava que seriam receptivas a sua mensagem.. meu amigo. nem cheguei a falar com Jean Marie pelo telefone.

seus comentários vão protegê-lo dos fantoches. na grande cama barroca. Cupido e Psique. Valia muito dinheiro. comprei hoje um presente para Herman e Hilde. Depois. liebchen? — Uma peça do velho Capo di Monte. Mendelius sentia-se grato pela conversa inconseqüente. E assim por diante. Se Anneliese Meissner estiver disposta a colaborar com você na publicação. Foi um pouco caro. exceto a sua ligação com um grande império jornalístico alemão. sonolenta: — É realmente irônico. Todas essas pessoas têm preocupações pessoais que inevitavelmente entram em conflito com as suas.. Não os entregue a ninguém. A história deveria ser lançada na América. por 10 minutos de súplicas veementes. Porque é amigo dele.. O agente fareja muito dinheiro. Está escrevendo sobre um amigo. Mas você. ela poderá ser pelo menos clinicamente honesta. não pode deixar de conceder-lhe um tratamento simpático. enquanto não atenderem a todos os termos de que precisa para proteger-se e a Jean Marie. Carl. Está tratando de um assunto que sabe vem atormentando o homem ao longo da História. mas eu tinha certeza de que você não se importaria. protestou com uma exclamação de infelicidade. Você está com o trunfo: os documentos. está pagando muito bem nossas dívidas com Jean Marie. escutando a conversa. Eles têm sido muito generosos conosco. Apesar de todo o seu ceticismo. Mas por que diabo Mendelius tinha de partilhá-la com um jornalista? Rainer nada tinha para contribuir. Mais tarde. a reputação de Georg Rainer como jornalista ficará enormemente projetada.... Lars não poderia fazer a gentileza de ir a Tübingen e tratar do assunto com a seriedade que merecia? Lotte.. — Qual é o presente. Espero que eles gostem. Não pode deixar que o tratem como um astro de cinema. — Tenho certeza de que gostarão. incessantemente. Por falar nisso. aninhada nos braços dele. Lotte murmurou. da noite para o dia. — Bem que o avisei. você acabou dando a Jean Marie exatamente o que ele pediu no início. Mendelius explicou pacientemente que o objetivo era apresentar um relato sóbrio dos acontecimentos recentes e orientar as atenções para a última mensagem de Jean Marie. O vendedor disse que era muito raro. 128 . meu amor.maravilhosa. Eu lhe mostrarei de manhã. E porque você é um estudioso de reputação internacional. Em tudo e por tudo.

Juro que estou bem. Mas deve lembrar-se 129 . olhou para a mulher. que ocultava a angústia em seus olhos. contente pela escuridão. Obrigado aos dois. o que faremos? O que será das crianças? Não estou sendo tola. se vai mesmo haver uma última grande guerra. ninguém se vai importar com os lugares em que antigamente existiam fronteiras. Engraçado. Carl. — Pode deixar que o lembrarei. — Desta vez. como uma família. Só que não foram muito longe. Depois.. Lembre-se disso. liebchen. E agora trate de dormir..— Ah.. liebchen? — Está bem. Por falar nisso. Não havia a menor possibilidade de suavizar a resposta e Mendelius sabia disso. Escreverei a Jean Marie assim que voltarmos a Tübingen. Não quero tornar a ver Roma por muito e muito tempo.. Era de se imaginar que Johann é que enviasse o cartão-postal. E quero que continue comigo por muito mais tempo. Quero apenas saber o que você pensa. se Jean Marie está certo. Estão acampados lá desde então. Tem um lago e umas poucas cabanas em ruínas. — Essa é uma surpresa e tanto. está bem. Eu não me incomodaria de trocar de lugar com ele. Não diz muita coisa. apoiado no cotovelo. Ele se soergueu na cama. — Mas me preocupo e não posso evitar. sim. meu amor. Ele e o amigo descobriram um pequeno vale no alto dos Alpes Bávaros. sem qualquer pessoa por muitos quilômetros ao redor. só descendo à aldeia para buscar suprimentos.. eu já me ia esquecendo de contar. Não creio que ele ganhe muito bem. Se sobrevivermos. tem outra coisa. tentaremos manter-nos unidos." Há também uma carta comprida e algumas fotografias a cores de Johann.. Feche os olhos agora e tente dormir. — Vou acabar dormindo daqui a pouco. Não precisa preocuparse comigo. apenas: "O amor é maravilhoso. não é? Ele se mostra bastante lírico em relação a suas férias. Preciso mandar um bilhete de agradecimento ao Cardeal Drexel pelo uso do carro e de Francone. Parecia completamente esgotado esta noite. devemos fazer alguma coisa por Francone.. sim. A campanha será breve e terrível. — Tem razão.. — Estou bem. Katrin mandou-nos um cartão-postal de Paris. não haverá bandeiras e trombetas. Acho que um presente em dinheiro seria o melhor. Ah. nem mesmo chegaram à Áustria. de nós dois. — Parece maravilhoso.

Reconheci o nome que estava escrito. E agora dê-me um beijo de boa-noite e vamos dormir. Quando você foi a Monte Cassino. sem motivo algum. Como pode perceber. — Depois que conversamos sobre isso pela primeira vez. E.. você também não precisa preocupar-se comigo. Lembrei como a sorte era tirada em Masada. acordado. e de certa forma afortunada. Isso é tudo o que posso dizer-lhe. acaba tornando-se uma prisioneira. vamos reunir algumas boas almas e fazermos o que for possível para resistir aos assassinos nas ruas. — É tão estranho! — Lotte estendeu a mão e afagou o rosto do marido. Se ficarmos separados deles. onde Jean Marie Barette comungara com o Criador? 130 . até mesmo à vida.de que não podemos determinar o que nossos filhos irão fazer. Mendelius ficou pensando na mudança que se processara na mulher: a impressão de confiança renovada.. senti-me muito calma. durante as horas frias e silenciosas da madrugada. passei a ficar com medo durante todo o tempo. para determinar quem morria e quem desempenharia o ato de execução. Estendido na cama. Será que Aharon Ezra legara uma derradeira coragem mágica ao fragmento de cerâmica que tinha o seu nome? Ou seria talvez uma pequena aragem de "raça soprando do deserto. Sentia vontade às vezes de sentar-me num canto e chorar.. antes de viajarmos.. peguei aquela peça de cerâmica que o senador lhe deu e fiquei contemplando-a. de repente. Compreendi que a pessoa que se apega muito firmemente a alguma coisa. a curiosa serenidade com que ela parecia aceitar uma perspectiva terrível.

O Islã estava fervilhando. De Pilsen a Rostock. Mas a paz era uma ilusão. mas não muito. as tropas de choque e as unidades de tanque na vanguarda. que nada jamais mudaria naquele lugar remoto. convocação das reservas. A África do Sul era um campo armado. Ainda não havia mobilização. que suas próprias ogivas táticas conteriam o avanço.. Nenhum líder. Era possível acreditar. porque a crise não se desenvolvera ao ponto em que os governos democráticos pudessem contar com suas populações deprimidas e apreensivas para atender a um chamado às armas ou reagir à retórica da máquina de propaganda. A indústria alemã ainda dependia de trabalhadores de outros países. um novo eixo se formara: o Japão industrial estava instalando fábricas e técnicos na China. do Marrocos aos altos desfiladeiros do Afeganistão. Os raros passos de um zelador ou colega ressoavam no silêncio. preparadas para um recuo sob a primeira investida. até que os grandes bombardeiros viessem das Ilhas Britânicas e os IBMs fossem lançados de seus silos no território continental dos Estados Unidos. Diante deles. confiantes. As salas e claustros da universidade estavam quase vazios. O tráfego na cidade era relativamente escasso.CAPÍTULO 6 Era bom estar em casa. como o cenário pintado de uma pastoral. que os antigos Duques de Württemberg dormiriam em paz para sempre sob os chãos de pedra da Stiftskirche. estavam as minguadas forças da OTAN. cercado por repúblicas negras. junta ou assembléia parlamentar podia abranger ou controlar a complexa geopolítica de um mundo atormentado pelo 131 . Nos campos. tendo por trás os lançadores de foguetes com ogivas atômicas táticas. O Neckar fluía prateado sob um céu de verão. contanto que não se lessem os jornais e se mantivessem o rádio e a televisão desligados. dos quais dificilmente se poderia esperar lealdade a uma causa perdida.. No outro lado do mundo. privados de privilégios e cidadania. os Exércitos do Pacto de Varsóvia estavam preparados. em troca do petróleo dos campos do Norte e dos novos poços nas Spratleys. enquanto os melros bicavam contentes o restolho. porque muitas pessoas ainda não haviam voltado de suas férias ao sol. a colheita já estava guardada em segurança.

Mendelius não sentia muita simpatia pelo reitor. vamos recuperar Baal e Astarote. A vontade coletiva parecia paralisada numa síncope de impotência. conversando com as amigas pelo telefone. Ele não tinha o direito de perturbá-la com seus devaneios sombrios. que lhe pediam para ler e recomendar. reviver a Feiticeira de Endor. "Fomos informados por nossos colegas italianos de que.esgotamento e o aviltamento de todas as moedas usadas no intercâmbio humano. tricotando um novo suéter para Katrin. convidando-o a um encontro informal com alguns colegas sêniores na manhã de terça-feira. antes de serem levados à reunião plena do corpo docente.. A razão ficava abalada sob a barragem de contradições. Havia um bilhete do reitor da universidade. Visavam também a persuadir os crédulos de que eram membros privilegiados de um círculo interno. Assim.. fazer os encantamentos de que precisamos. Visavam a esclarecer quaisquer problemas. As "reuniões informais" do reitor eram bastantes famosas. sediado em Wiesbaden. em conseqüência de recentes incidentes em Roma. retirou-se para o seu gabinete e concentrou-se na pilha de trabalho que se acumulara durante a sua ausência. A sociedade é um cortiço fétido. as inevitáveis contas a pagar. Havia uma pilha de livros. desertores. o Departamento Criminal Federal. vamos explodi-la! O Parlamento é covil de imbecis e hipócritas. fanáticos e destruidores profissionais. 132 . O melhor remédio era a visão de Lotte. Havia trabalhos de estudantes para avaliar. você pode tornar-se o alvo de um atentado. tirando a poeira. Depois do alívio inicial de voltar para casa. por parte de agentes terroristas estrangeiros ou de grupos locais com que mantêm ligações. polindo. em meados de agosto. revisões a serem feitas nos roteiros de suas aulas. Carl Mendelius descobriu-se tentado ao mesmo desespero. A carta que abriu a seguir era um comunicado do Bundeskriminalamt. destruam toda essa ralé nojenta! Deus está morto. ativa e animada. Quem ouviria uma pequena voz em meio à babel de gritos de milhões? Qual era o sentido de propagar idéias que imediatamente seriam dissolvidas no turbilhão? De que adiantaria denunciar um passado que em breve seria tão irrelevante quanto os animais mitológicos dos homens das cavernas? Ele compreendia perfeitamente que essa era a síndrome que produzia espiões. mas não podia deixar de conceder-lhe uma admiração relutante por sua habilidade nas intrigas acadêmicas.

Além disso.. "Antes de partir em férias. Havia também uma segunda carta de Johann. Enquanto isso." Mendelius leu o folheto cuidadosamente. Mas o parágrafo final era um lembrete assustador de que a violência era tão contagiosa quanto a Morte Negra: "Essas precauções devem ser rigorosamente observadas. Não dizia coisa alguma que já não soubesse. endereçada a ele pessoalmente.Por isso. entre em contato. Estava preocupado demais com minha carreira. eu estava numa depressão profunda." Havia uma brutal ironia no fato de que um ato de misericórdia numa rua romana pudesse expor toda uma família a violenta invasão. Caso observe qualquer atividade suspeita. pudesse mergulhar o planeta inteiro em guerra. com o Landeskriminalamt em Tübingen. havia pensamentos mais agradáveis a distraí-lo. que distribuímos às autoridades do Governo e altos executivos da indústria. porque o alvo é vulnerável por intermédio deles. não apenas pela pessoa propriamente dita. numa pequena cidade provinciana da Alemanha. aconselhamos também a manter uma vigilância especial nos recintos da universidade. Havia um corolário ainda mais sombrio: que um tiro disparado no Rio Amur. Eles já foram devidamente informados de sua situação. Não podia ver qualquer sentido no que estava fazendo. por favor. Os evangélicos lhe haviam escrito uma carta conjunta. Eles também estão sob ameaça. nós o aconselhamos a adotar as precauções descritas no folheto em anexo. Não queria ingressar em alguma grande companhia. na sua vizinhança ou na universidade. na China. apresentando seus agradecimentos pela "franqueza na discussão e a afirmação enfática da caridade cristã como o elemento de união em nossas vidas diversificadas". imediatamente. Estava com receio de ser convocado para o serviço militar numa guerra que nada produziria além do desastre universal. planejando a economia de um mundo que pode explodir a qualquer instante. Sua gentileza diante do meu problema religioso ajudou bastante. Meu amigo Fritz sentia-se 133 . mas também por todos os membros de sua família. Uma vigilância comum e conjunta reduzirá os riscos.. Mas eu não podia explicar o resto. numa grande concentração de estudantes. onde ativistas políticos podem facilmente se ocultar.

que é um arqueólogo amador. Na última vez em que descemos à aldeia. na qual se possa preservar uma qualidade de vida. Mas ela encarou o assunto muito a sério. É um lugar sossegado. Eu adoraria poder ficar com o vale. Depois da surpresa inicial pela súbita invasão de quatro jovens que nunca vira antes. Há um túnel de uma velha mina. porque tinham um passado para contemplar. poderia arrendar-nos a propriedade. disse que se sentia feliz por estarmos desfrutando do lugar. Há um antigo pavilhão de caça e umas poucas cabanas agrupadas em torno de um lago. à luz do lampião. Encontramos ferramentas quebradas e um gibão de couro. Descobrimos que ela vivia em Tegernsee e fomos procurá-la.. pertencente a uma dama muito idosa. Ela disse então que. ela serviu-nos chá inglês e bolo. diz que a mina foi aberta na Idade Média para extração de jaspe vermelho. a Grafin von Eckstein. Fritz. Ao final. eu gostaria de conversar com você a respeito. Ela perguntou para quê. É uma das coisas sobre as quais muito conversamos na faculdade: a economia limitada. para o qual só há acesso através de uma trilha a pé. se estávamos mesmo querendo.. Está cercado por altos penhascos. No início. Fritz. fiz algumas indagações e descobri que o vale é propriedade particular. ela acabou estabelecendo um preço: um quarto de milhão de marcos. Passo as noites tentando formular um plano. Quando voltarmos. que entra fundo pela montanha.. E foi então que descobrimos este lugar. além de uma caneca de pewter e um facão de caça enferrujado. De repente. Estávamos revoltados contra você e sua geração. E poderia se tornar auto-suficiente. era apenas um tema de conversa. auto-suficiente. O marido dela costumava usar o lugar como uma reserva de caça. cercado por campinas viçosas. Há veados no bosque e o lago está cheio de peixes. Disse-lhe que não havia a menor possibilidade de levantarmos tanto dinheiro. Respondi que pensaríamos a respeito e voltaríamos a procurá-la. num impulso incontrolável. Respondi que seria um lugar maravilhoso para estudantes como nós passarem as férias. É uma velha muito empertigada.. para saber o que pensa. Descubro que é um exercício muito mais satisfatório do que os 134 . É um vale pequeno. eu e duas moças americanas que conhecemos numa Bierkeller em Munique. enquanto nós tínhamos apenas um ponto de interrogação à nossa frente. perguntei se ela estaria disposta a vender a propriedade. longe da turbulência dos tempos atuais. cobertos por pinheiros.exatamente igual.

violinistas. Carl. Tenho pensado em fundar uma academia particular. — Não se preocupe. maestros. — Não me entenda mal. — Mendelius inclinou-se sobre a mesa e beijou-a no rosto. liebchen! — Mendelius soltou uma risada.. Sei que me estou precipitando de uma coisa para outra." Mais tarde.. mas seria um erro misturá-la com o projeto de Johann. É uma sensação extremamente agradável.. mas não se intrometa. temos outro problema a enfrentar. — Talvez seja possível. Eu encorajaria a idéia. Mas gostaria também de continuar a ensinar. Adoro a sua idéia.. mas esta é a primeira vez em que me sinto livre para abrir-me com o pai que amo profundamente. Mostre-lhe que está interessando. De certa forma.. Além do mais. como diz Fritz. caso contrário todos acabaremos enlouquecendo ou nos tornaremos robôs indiferentes num sistema que nunca poderemos controlar. Mendelius leu a carta para Lotte. com grupos pequenos e selecionados de estudantes adiantados. — Isso é ótimo! Ele está saindo finalmente da floresta escura. Não vou intrometer-me.. Ela sorriu e acenou com a cabeça em aprovação. as economias industriais e as nações agrícolas. oferecendo cursos anuais específicos a Pós-graduados. Não podemos dispor de tanto dinheiro assim. — Lotte estava em dúvida. compositores. Os músicos estão sempre fazendo isso. Carl. — Sabe que detesto falar das coisas enquanto não tiver definido tudo na cabeça. — Poderia. ao jantar. Além do mais. mesmo que desse em nada. — Será que não se importaria de partilhar o seu sonho com sua mulher? — Calma. O que acontece com os professores idosos quando deixam a cátedra? Sei que posso continuar a escrever. Tenho royalties vultosos a receber em setembro e assim que o novo livro for entregue.. Deixeo seguir a sua própria estrela. Um lugar como o que Johann descreveu poderia ser o ideal. 135 ... Não é fácil ser jovem atualmente. Este sonho está sendo considerado há muito tempo. Johann não é o único que tem um sonho pessoal. — Claro que você está certa.problemas monetários da comunidade européia ou as relações entre os produtores de petróleo. pensativo. temos de reduzir as coisas de volta a uma escala humana. calma. — Podemos dar um jeito — disse Mendelius. Lotte lançou-lhe um olhar de censura. mas de qualquer forma..

que vai conseguir tudo o que quer. Mas não podemos entrar em pânico. Gudrun Schild virá ajudar-me todos os dias. A fala era insinuante e geralmente banal. intimidade e franqueza entre os colegas.. — Lotte estava tensa. — Ele mudou de assunto abruptamente: — Georg Rainer telefonou.. trancar a casa à noite e guiar dentro dos limites de velocidade. A cerimônia era um ardil cuidadoso. a coisa se tornará automática. As cadeiras. Isso nos dará a possibilidade de conversar antes da chegada de Rainer. Mas o que realmente acaba tendo. — O jeito é nunca se deixar levar. numa vigorosa aprovação. — Ótimo. feito pela mulher do reitor e servido por uma criada de avental engomado.Mendelius falou da carta que recebera da polícia em Wiesbaden. O que será que o nosso caro reitor está planejando para a sua reunião de terça-feira? — Ele me preocupa. numa atitude projetada para sugerir informalismo. liebchen. Lars Larsen chega pela manhã de Frankfurt. antes de se aprofundar no trabalho com Rainer. Precisa de alguma ajuda extra na casa? — Já providenciei. os convidados tinham de sentar-se.. — É um conspirador. estavam dispostas em semicírculo diante da mesa do reitor. Faz com que a pessoa pense que está tudo muito bem. ganhava uma xícara de café e uma fatia de bolo de maçã. sempre olhando para trás? — Só Deus sabe. — Deve cuidar para que os termos estejam bem definidos. — Por quanto tempo teremos de viver assim. A noção de uma reunião informal para o reitor era estritamente antiquada. o reitor não se sentava. O fato de falar um metro acima das cabeças deles e ter as mãos livres para gesticular era apenas um lembrete gentil de sua superioridade. Com uma xícara de café numa das mãos e um prato na outra. — Ótimo! — Lotte assentiu. Empoleirava-se na beira da mesa. como observar os sinais de trânsito. — É o que farei. Chegará ao final da tarde de quarta-feira. uma indagação gentil sobre a mulher e a família.. soltou um suspiro contrafeito... sorrindo. — Sei o que se acaba tendo. Temos de transformar as precauções numa rotina. 136 . liebchen — disse Mendelius. Cada colega era recebido com um firme aperto de mão. Lotte franziu o rosto. Depois de algum tempo. Está prometido. cada uma com uma mesinha ao lado.

deixando-os absorver a solenidade do encontro em Bonn e quais poderiam ser as.Eram espantosas o bastante para dissipar qualquer tédio na audiência. o reitor impôs silêncio com um gesto. inclinou-se para Mendelius e sussurrou: — Ele é o fons et origo.. juntamente com os dirigentes de outras universidades. engenharia. hã.. O reitor continuou: — Na semana passada. Como todo mundo. peço-lhes que os interpretem para mim e vice-versa.. implicações acadêmicas. o objetivo da reunião era discutir as. Ele respirou fundo e apressouse em continuar: — Em suma. Pediram-nos para preparar recomendações sobre a isenção de determinadas categorias de estudantes e fornecer listas dos que possuem qualificações especializadas em física. procurando pelas palavras certas: — O problema foi levantado pelo Ministro do Interior. Não temos opção neste caso.. para uma reunião em Bonn com o Ministro da Educação e o Ministro do Interior. — Por favor. fornecendo-lhes cópias de dossiês de estudantes e quaisquer 137 .. Temos também de enfrentar o problema da redução do número de estudantes e do corpo docente auxiliar em decorrência da convocação. o Bundestag vai autorizar a plena mobilização tanto de homens como de mulheres para o serviço militar. implicações acadêmicas da atual crise internacional.. senhoras e senhores. creio que estimulado por pressão de nossos aliados da OTAN. É a questão da segurança interna. Pediram-nos também para determinar como os cursos nessas matérias podem ser acelerados. Houve uma reação de surpresa na audiência.. espionagem e.— Preciso do conselho competente de vocês. Brandt. deixem-me acabar! Haverá tempo para discussões depois. fomos solicitados a cooperar com os serviços de segurança... e nós somos meros condutos. química.. O reitor fez outra pausa.. teremos de cumprir as determinações. Mas há uma questão mais controvertida... Ele fez uma pausa. A única reação foi um silêncio hostil.. da proteção contra a subversão. hã.. Mendelius escondeu um sorriso por trás do guardanapo de papel. estava visivelmente embaraçado..... medicina e disciplinas relacionadas. a fim de atender às necessidades da indústria e das Forças Armadas.. As. Desta vez. hã... hã. Por isso. as atividades de elementos dissidentes no corpo estudantil.. de Língua Latina.. — Em setembro deste ano. responsabilidades do meu cargo impossibilitam-me o contato cotidiano que eu gostaria de ter com os professores mais novos e os estudantes.. fui convidado...

Brandt soltou um resmungo audível. apreensivo. senhor. qual a resposta que deu ao Ministro. Mendelius levantou-se. mas que estamos também. em condições de emergência nacional. expressão de uma total perda de confiança nos princípios acadêmicos. — Oh. senhor. temos uma ameaça. Prefiro pedir demissão a aceitar tal imposição. friamente — que transmiti um pedido e não uma ordem ministerial. hã. um homem grande e cabeludo. — Em outras palavras. — Disse ao Ministro que estamos todos conscientes da necessidade de. o que seria ilegal. Dahlmeyer. controlado: — Gostaria de fazer uma declaração pessoal... que se espatifou no chão.. Tenho uma cátedra nesta universidade... Hellman. — Transmiti o pedido do Ministro... — Por favor! Por favor! — O reitor empertigou-se. pelo menos nas circunstâncias atuais. — É a revolta estudantil.. Alguém deixou cair uma xícara de café. — Não! O grito ressoou na sala como uma explosão. de Química Orgânica. a ameaça de conflito armado..outras informações que nos podem ser pedidas eventualmente. Professor — disse o reitor. os princípios da liberdade acadêmica.. segurança apropriada em tempos de crise.. O assunto está agora aberto a discussões. O reitor hesitou.. levantando as mãos num gesto suplicante. deve compreender que a situação pode mudar radicalmente. no interesse nacional.... Contudo. levantando-se. Prof. hã. que também deve ser levada em consideração — disse Anneliese Meissner.. Estava pálido de raiva. com um queixo saliente. pelo menos igualmente preocupados em preservar. Gostaria de lembrar-lhe o que aconteceu em nossas universidades nos anos 30 e 40. Ele desafiou o reitor asperamente: — Creio que temos o direito de saber. mas falou formalmente. Deus! — explodiu Dahlmeyer. além de um pedido — disse Hellman. — Há uma outra ameaça. no interesse da segurança pública. Houve um coro de aprovação. foi o primeiro a levantar-se. Mas não vou admitir qualquer encargo de investigar as vidas particulares de meus alunos. Quer que tudo aquilo se repita? 138 . quando os nazistas estavam dirigindo o país. — Estamos todos sob ameaça. — Eu gostaria de ressaltar. de Física Experimental. quando as liberdades civis devem inevitavelmente ser reduzidas. hã.

. Anneliese Meissner aproximou-se de Mendelius. uma resposta apropriada ao Ministro. almas nobres. Dahlmeyer? Sua mulher sabe daquelas aventuras aos sábados num motel de Frankfurt? .. hã. Depois disso. Mendelius? Aquilo era apenas a prática do coro.. Willi ou Traudl. nossa situação será bem forte. Prof. — Disse ao Ministro que transmitiria o pedido aos meus professores e lhes comunicaria as suas reações. E outras universidades poderão seguir o exemplo. Não se pode culpá-lo por tentar chegar a um acordo. que anda trepando com a pequena Mary Toller?.. O reitor comunica que os professores sêniores são unanimemente contra a medida proposta. então já se comprometeu! — Ainda não. prefiro renunciar ao cargo.. ele tem todos os professores unidos por trás dele. senhoras e senhores. que ensinava Medicina Legal — sugiro que a situação pode ser resolvida com a maior simplicidade. — Obrigado. — O que nos leva a todos aos bancos de memória dos computadores dos serviços de segurança. todos nós. — Deus Todo-Poderoso! Mas que velho embusteiro! Uma resposta apropriada ao Ministro! Essa não! — Puseram as bolas dele num quebra-nozes — comentou Mendelius. — Com todo respeito ao reitor e a meus estimados colegas — um homenzinho obviamente retraído levantou-se. — O reitor estava obviamente aliviado. Era Kollwitz. — O reitor estava agora furioso. entoando "Nosso Deus É Uma Fortaleza Poderosa"! Quantos você acha que vão resistir quando forem realmente pressionados pela turma da segurança? "Não é verdade.. E não precisa citar nomes. — Se o reitor assumir uma posição firme ao nosso lado. — Como pode ser tão crédulo assim. Estava com a maior raiva. Se quiserem que eu espione os meus alunos. — Como sempre. Talvez isso lhe dê alguma coragem. — Unidos? — Anneliese soltou uma risada desdenhosa. De qualquer forma. — Ele está a apenas dois anos da aposentadoria. ninguém tinha mais nada a dizer e o reitor estava ansioso em livrar-se deles. Brandt. — É uma boa idéia — disse Brandt..— Acha que não vai repetir-se quando os russos estiverem aqui? — Ah... E você. foram extremamente atenciosos e prestativos. Deixaram as xícaras com restos de café e pedaços do bolo de maçã espalhados ao sol. Heinzl. se não quiser 139 . E você. Pensarei um pouco sobre. Pois que seja! Estou com Mendelius.. com um sorriso amargo...

gás lacrimogêneo e mangueiras? Não serão muitos. cerveja e um schnapps duplo! Vamos juntar-nos ao feliz proletariado! Mendelius nunca a vira tão transtornada. eles ficarão em pé de guerra. — E quais foram as conclusões a que chegou? — Não vou dizer absolutamente nada enquanto não tiver tomado um trago dos grandes. — Está esquecendo os estudantes. Carl. provavelmente tomarei um porre. — Alguns ficarão mesmo. cínica e feia demais para acreditar num Deus que faz monstros como eu. Salsicha e chucrute.. Também andei lendo uma porção de coisas.cooperar. — Onde você quer comer? — Em qualquer lugar. Quer almoçar comigo? Se eu for comer sozinha. Chamou a garçonete para tirar os pratos e trazer outra dose de schnapps... vamos arrumar-lhe um ótimo trabalho.. menina: todas as universidades do mundo provavelmente estão enfrentando a mesma pressão neste momento. No momento em que souberem disso. Se conseguirmos três em cada 10 professores. Mas agora estou tão apavorada que até me dá vontade de chorar. Na primeira Bierkeller que encontrarmos. Sou uma cadela.. Mas continuava sóbria mesmo depois de um litro de cerveja e dois imensos schnapps. meu amigo. E ficarão ainda menos quando a polícia começar a disparar munição de verdade. na contagem final. só então anunciando que estava pronta para uma discussão racional. teremos muita sorte. Carl. não é mesmo? — Mendelius passou o braço pela cintura dela e puxou o corpo imenso para mais perto de si. — E não podemos permitir que isso aconteça. como cientista encarregado de estudar as condições sanitárias das latrinas ou atendente de banho de um hospício". quem haverá de ouvir os tiros no beco? Além do mais. o seu Jean Marie não estava tão errado assim! — Já escutou as gravações que lhe mandei? — E muitas vezes. Ela comeu vorazmente e bebeu com uma determinação desesperada. — Sei disso! Filisteus do mundo. Mas quantos continuarão a fincar pé depois da primeira carga de cassetetes.. Não se engane. velha. — Só há um consolo. uni-vos! Os intelectuais serão finalmente esmagados! Santo Deus. 140 . basta uma bombinha atômica em Tübingen e o problema estará resolvido. — Eles nunca farão isso! — O que poderiam perder? A partir do momento em que a máquina de propaganda começa a berrar. Carl.

. a maioria dos casos se resume a uma fragmentação da personalidade. a base da experiência mística em diversos cultos. num instante. Tive de aceitar que era autêntico. Ah.. — O que me diz de Jean Marie? — Isso foi outra surpresa. O retrato que fez dele era vivido demais para ser falso. Carl? Pois olhe para mim agora. conflito. se pudesse fazer comigo mesma. Aquelas gravações deixaram-me abalada. Todos 141 . Carl. se eu pudesse fazer isso com meus pacientes! Seria a maior clínica do mundo.. — Você é uma amiga querida e uma grande mulher. Encontrei sentido em tudo. — Falar o que a meu respeito? — Eu o compreendo muito melhor agora. teve justamente esse efeito salvador.. Não estou com ânimo para isso.. — Eu lhe falei que andei lendo muito: religião comparativa. — É mesmo. com todas as peças espalhadas sobre a mesa. E. — Obrigado.. fracasso. — Obrigada! — Ela tornou a se controlar. O clínico passa o tempo tentando criar uma condição de auto-reconhecimento. gentilmente.. uma perda de identidade. mas não a gostar de mim. Anneliese — disse Carl Mendelius.. um estado em que até a confusão faça sentido. meio de porre com cerveja e schnapps porque estou apavorada com o amanhã e porque odeio a rã gorda que minha mãe pôs no mundo! Aprendi a viver comigo.. jamais! — Tenho o maior orgulho de conhecê-la. tentando chegar a um acordo com o impossível.. O paciente precisa compreender que o quebra-cabeças visa a fazê-lo trabalhar no esforço de reunir as peças. — E eu também a amo! — Não queira divertir-se à minha custa.— Primeiro. Você parecia por demais desesperado. — Afortunado? — Isso mesmo... Deixando de lado os problemas orgânicos. A vida. até mesmo as trevas dele atualmente. vamos falar sobre você. — Mendelius sorriu. tanto interior como exterior. — E como o julgou? — Ele é um homem muito afortunado.. é um quebra-cabeças. seria muito mais feliz do que sou agora.. Passei metade da minha vida lidando com mentes doentias. O que quer que tenha acontecido com o seu Jean Marie. E o senti. E gosto ainda mais de você. mas pelo menos a idéia de salvação começa a fazer sentido. — Eu diria que você sempre foi uma personalidade das mais integradas e equilibradas. E o vi... Ainda é uma terra estranha para mim. sua rejeição.

diz: "A verdade está conosco. — Anneliese Meissner não tinha a menor dúvida quanto a isso. — In vino veritas.. o Messias. um modelo ou exemplar que nos mostre como parece um ser humano completo. a que lado pertencia a lealdade de um homem? À terra devastada e árida que fora outrora o seu lar? Aos homens que promoviam a devastação. está disposta a enterrar os pergaminhos sagrados e refugiar-se nas montanhas! — Não conte com isso. Precisamos de apoio. morte.. Mas a indagação importante é outra: qual o modelo que você escolheu e por quê? — Ainda não sei — respondeu Anneliese Meissner. Eis o motivo para a necessidade do profeta. O segredo é que se precisa estar absolutamente desesperado antes de se chegar à submissão. a luz está aqui. — Oh. — O que vamos fazer.. tentamos salvar os nossos egos dos destroços. o que faremos? — Entramos na clandestinidade. — Já tivemos clichês demais por um dia! Vamos dar uma volta.. O paciente que posso ajudar mais depressa é o que está desesperado e sabe que se encontra doente. você e eu.. o melhor candidato para os cultos é a pessoa que está perdendo as esperanças. uma guerra que seria travada até a extinção. a figura de Cristo. Mesmo quando fracassamos.. Precisamos de mais. Não podemos fazê-lo sozinhos. se metade dos nossos colegas se render aos caçadores de bruxas. qualquer igreja!. — Está vendo? — Mendelius soltou uma risadinha e levantou o copo numa saudação. Juntem-se a nós!" Verdade ou mentira. Enquanto voltava a pé para casa. A mesma coisa se aplica a quaisquer comunidades de crentes.experimentamos o desespero. Mendelius descobriu-se diante de um novo dilema.. — comentou Mendelius.. como provavelmente acontecerá. como foi para o seu Jean Marie.. confusão.. — Até mesmo você. minha cara.. sorrindo. Está sufocante aqui dentro. injustiça. 142 . — Mas sei que a aceitação final é muito simples. — O que nos leva ao problema seguinte: — Mendelius estendeu a mão para segurar a dela. Num conflito insensato. — E começamos a organizar e prepararnos para isso agora. Carl. Professor? — É verdade.. Lutamos para permanecer inteiros através da experiência. sofrimento. somos os eleitos... pelas ruas sossegadas da velha cidade. A Igreja. a respeito da situação na universidade? Se o reitor nos entregar aos políticos. medo. É apenas conversa de bêbada. Deus! — Anneliese lançou-lhe um olhar furioso.

não vamos servir.. porque não há qualquer outro fim possível que não a catástrofe total? Novamente. Agora. Assim.indiferentes as vítimas que produziam? À nação-estado. entrou numa viela estreita. tradição. E então.. agora um divorciado feliz e trabalhando como ilustrador para uma editora local. Alvin? — respondeu Mendelius. Mas a partir do momento em que descobria que a moeda tinha duas caras e o Criador não estava oferecendo qualquer possibilidade. Precisava de alguma distração. 1821. Dê uma olhada nisto! Encontrei numa loja de quinquilharias de Mannheim. recordações da infância afloraram para atormentá-lo: os corpos de meninos-soldados pendendo de postes em Dresden. Como ele deveria aconselhá-los a responder? Sim ao imperativo louco e absurdo? Ou não. Mendelius era um dos seus fregueses regulares.. empurrou uma porta carcomida e subiu os três lances de escada para o estúdio de Alvin Dolman. Olhe aqui a assinatura e a data. tribo. o que acha que vai acontecer? Continuidade ou caos? E se quiser escapar do caos iminente. mastigando uma salsicha com a maior satisfação.. outrora marido da filha do Bürgermeister.. a quem servia vinho do Reno.. ele estava realmente preso no circuito fechado do cosmos predeterminado de Jean Marie.... Herr Professor. Gott und Vaterlandl Se não fosse a isso. 143 . resultado de um acidente de estrada. não é mesmo? E os modelos também são muito bonitos. O que me diz de 500 marcos pelo lote? — O que me diz de 300. podia-se viver pelo menos com alguma esperança. que logo se tornaria tão sem sentido para os vivos quanto para os mortos? À raça. política e o mercado de arte. em que planeta distante e com que criaturas remanescentes vai construir sua nova Utopia? Era uma discussão interminável e Mendelius logo se cansou. outrora sargento do Exército dos Estados Unidos no Reno.. — Chegou na hora certa. porque haviam renunciado a uma causa perdida. sangue. com mãos imensas e uma perna aleijada. salsichas bem temperadas e conselhos gratuitos sobre mulheres. Enquanto ainda se pudesse jogar uma moeda num cara ou coroa. três desenhos a bico de pena de Julius Schnorr von Carosfeld. Os negócios andam tão ruins que estou pensando até em entrar no mercado de pornografia. Era um homem grandalhão e risonho. Professor. Possuía também um olho atento para gravuras antigas. Um extraordinário artesão. nos últimos dias de um déspota louco. então a quê? E quando Carl Mendelius deveria começar a desvencilhar-se do sistema do qual fora beneficiário por tanto tempo? Katrin e Johann deveriam ser convocados antes de o ano terminar. o melhor era escapar do jogo o mais depressa possível.

. Andei dando-lhe algumas aulas de gravação.. — E onde diabo o encontrou? Dolman sorriu.. mas quem vai querer levar um tiro no rabo só por causa das Frauleins? Se alguma coisa acontecer.. — Aquele rapaz. — Pelo faro. E lá em Detroit estão convertendo as fábricas para a produção de veículos militares. mostrando um pequeno retrato dúplex de um nobre do século XVI e sua mulher. Ele pintou esse quadro em Wittenberg. Sirva-se de mais vinho.. Mas acho que a mesma coisa vai acontecer com Detroit. o namorado de sua filha. Professor. — O que vai acontecer. Vai querer as gravuras emolduradas? — Ao preço habitual? — Eu roubaria de um amigo? — Provavelmente a mulher dele.. vendo-lhes uma gravura de vez em quando. afinal. Desembrulhou com todo cuidado.. Mantenho-me em contato com os nossos rapazes lá em Frankfurt. encostando a ponta do polegar no nariz. no quarto de uma mulher. nada mal! — Ele serviu mais vinho. É muito agradável ser artista-residente numa pequena cidade universitária. — E então. Tübingen será um campo de batalha em uma semana.. — Mendelius sorriu. Como está a vida. Professor. Estou pensando até em levantar acampamento e voltar para casa.. ele tem tudo para ser um excelente pintor. Professor? — Vou dar um pão de centeio — Negócio fechado. Alvin? — Sei apenas o que ouço. em 1508. Professor. Professor.. — Está tirando o pão da minha boca. e é um roubo! — Trezentos e cinqüenta.. Estão despachando para cá novas tropas e novos equipamentos. o que me diz? — Parece um Cranach. — E é mesmo. Lucas Cranach.. Ele aprende depressa. Colocou num cavalete. Alvin? — Nada mal.— Quatrocentos. Fala-se muito em guerra.. ajustando a iluminação. Professor. Ele vasculhou um armário e voltou com um pequeno embrulho quadrado de oleado. Mas é uma pena o que vai acontecer com esses garotos. devem ser mesmo falsificadas. — Como está a família? — Tudo bem. se está mesmo 144 .. Quero mostrar-lhe uma coisa. o Velho.. Mas não o relógio.. sempre que estão bêbados o bastante para comprarem.

Mas com a inflação do jeito que está. não será uma guerra. E o marido tem dinheiro que não acaba mais. E depois. Alvin. sentada em silêncio num canto. em termos que mantenham viva a esperança humana? O seu cosmos. mas estúpida. como se pode expressar tais coisas. presto!. bingo!. Ela ficou tão feliz com a minha companhia que deu-me o quadro.. Mas não há a menor possibilidade de vendê-lo na Alemanha. Limpei-o com cuidado e. Impregna até mesmo a conversa mais amena. mas apenas uma grande tempestade de fogo. Já avisei que pedirei demissão se a solicitação se transformar numa ordem.. a demonstração suprema da justiça e misericórdia divinas. Mendelius não pôde deixar de rir. meu caro amigo. talvez o chamem de volta ao Exército. transmitido de Berlim.... Ela é bonita.. uma apólice de seguro sob encomenda... foi um negócio justo. — Uma coisa horrível. Assim.. Entra nas previsões domésticas mais simples.. Da próxima vez. Além do mais. até mesmo esse relacionamento dos mais elementares está corrompido e pode ser totalmente destruído. Mas o resto. — Estou de fora e vou continuar de fora. — Se a situação se agravar ainda mais.querendo saber.. uma pensão militar mal dá para comprar pretzels.. o desespero é uma praga. Mas pode perceber como a corrupção funciona sutilmente: se eu conto com a polícia para a minha proteção pessoal. Mendelius estava em sua escrivaninha.. enquanto Lotte.. Vou levá-lo comigo para os Estados Unidos. tricotava. — Não há a menor possibilidade. "É como uma névoa escura a se erguer dos pântanos. o ato redentor final. estarei novamente pintando búfalos nas paredes de uma caverna! "O medo está por toda parte. Nossos professores receberam a solicitação de comunicar aos serviços de segurança as filiações políticas dos estudantes. envolvendo todas as habitações. quando os propagandistas levantarem o que Churchill chamava de 'barragem de mentiras'. Mas será também clara para poucas outras pessoas. escutando um concerto de Brahms. Professor! — Dolman começou a embrulhar novamente seu tesouro. Jean'". — Você é um patife. — E o que me diz da dama? Ela não vai partilhar os lucros? — Claro que não. Eu a deixei muito feliz. Mas se o medo é uma infecção. como posso recusar a colaboração numa emergência nacional? A resposta é bem clara para mim. 145 . espalhando-se pelas ruas. Sua visão do fim das coisas temporais obceca a todos nós.

em nossa última conversa. Espere um instante que vou buscá-la. Georg. Explica todos os enigmas." O telefone tocou. — Enviei-lhe uma carta da Agência Central dos Correios em Zurique. indo por terra e não pelo ar. discutimos uma lista? — Estou. Pode hospedar a nós dois? Não poderia deixar Pia sozinha em Roma. — Ótimo. Alguém me está seguindo desde sábado. — Está disposta por países? — Está.. Georg! 146 . Espero pelo melhor e preparome para o pior. — Mas claro! Tudo isso está parecendo muito sinistro. Quero saber se os nomes constam de sua lista. — França.. Mendelius subiu apressadamente para o seu gabinete. — Estados Unidos... de quatro países. Lotte largou o trabalho de tricô para atender. — União Soviética.. Pearson? — Está. Morrow? — Está. Tornou a pegar o fone. — Essa lista está à mão? — Está lá em cima. — Mas estará aqui na quarta-feira. abriu o velho cofre e retirou a lista que Jean Marie lhe remetera. Era Georg Rainer.será um lugar terrível sem isso. sim. Assim. Peguei um avião para cá a fim de poder dar este telefonema. — Está falando em enigmas. Mas sou um pessimista. — Inglaterra. Quando Mendelius pegou o fone e disse "alô". Duhamel? — Está. E agora preste atenção e não faça comentários. — Vou mencionar quatro nomes. Pia teve a impressão de reconhecer uma troca de vigia no aeroporto. — Sei disso. Isso significa que meu informante merece toda confiança. Está lembrado de que. Não podia confiar nos circuitos italianos. vamos tentar uma pequena ação evasiva. o que significa que nos podem ter seguido até Zurique.. Entendido? — Pode falar.... Petrov? — Está.. — A lista já está na minha mão. Rainer lançou-se imediatamente num quase monólogo: — Estou em Zurique.

— Não quero ver você se remexendo na cama durante toda a noite. Mendelius voltou a concentrar-se em sua carta.. Mas achou melhor não fazê-lo. Não pensara duas vezes na profundidade e extensão da amizade entre líderes mundiais. por exemplo.. 'o Filho do Homem surgindo nas nuvens do céu. Terei de fazer uma mudança nos quartos. Falamos em triunfo. julgamento. Mas Rainer compreendera a importância da lista e abrira toda uma nova área de investigação. Os correios italianos nunca haviam sido seguros e ele não queria ser específico demais. mas contevese a tempo. no estúdio? — Como achar melhor. com grande poder e majestade'. Deus! — Lotte transformou-se no mesmo instante na donade-casa. Tem alguma possibilidade de sair um café? — Chocolate — respondeu Lotte. além de qualquer possibilidade de reconhecimento. Eu me pergunto se o poder. como gostaria de que fossem apresentadas às pessoas de sua lista. se não corrompemos o seu significado. firmemente. Queria também avisar que está vindo para Tübingen por terra e trará Pia. Queria que eu confirmasse se quatro nomes constam da lista de Jean Marie. Sentiu-se tentado a fazer referência ao telefonema de Rainer e pedir explicações adicionais sobre o significado da lista. Desde o início que aceitara a declaração de Anneliese Meissner de que não passava de uma mera lista de arquivo. a majestade e a glória não podem 147 . Mendelius já ia dizer que Rainer estava sendo vigiado. — Isso complica tudo. achando melhor não fazê-lo. — Oh... meu caro Jean. "E assim me descubro a voltar constantemente à sua carta e anexos. Auf wiedersehen. Mendelius desligou e começou a folhear distraidamente as páginas datilografadas da lista de Jean Marie.. Ela o beijou e saiu..— Eu lhe disse que poderia acontecer. liebchen. Fico imaginando.. Em que termos devemos discutir a Parúsia com uma audiência de crentes e não-crentes do século XX? Eu me pergunto. Cruze os dedos e acenda uma vela por nós.. Lotte apareceu na porta e perguntou: — O que Rainer queria? — Ele foi um tanto enigmático. E agora estava correndo perigo por causa disso. Acha que poderíamos alojar Lars Larsen aqui em cima. empenhando-me no problema de apresentar suas idéias em fórum aberto.

. Você tem de controlar a coisa e não poderá fazê-lo se não contar com a maioria. — Pensava em mim mesmo. — Eu não estava pensando em Rainer. Carl. ainda clamo por mais luz... E não tente discutir comigo. Assim. Ao final de um dia comprido. Carl. muitas pessoas vão me querer desacreditar. então vão pensar que é um schnook. o grupo Apringer pode reivindicar a plena propriedade de tudo com que contribuir para o projeto. E antes de chegarmos sequer a esse ponto. E 2 milhões de dólares podem fazer com que eu pareça um Judas dos mais caros.. Lembro-me de que em sua carta você se referiu a um momento de imensa agonia. Depois que a história foi publicada. — Mendelius estava subitamente soturno. e tudo isso por seu nome.. Como Goethe agonizante. — Está bem. discorrendo sobre os fatos da vida no mercado editorial.-148 .manifestar-se de outra maneira inteiramente diferente da que espera. trate de entender tudo bem direitinho. e que tem de ser de pelo menos 60 a 40. explicando como uma súbita percepção de todas as coisas. não por causa de Rainer! A partir do momento em que eu souber o que você tem. Sou um homem sensual... Rainer tem de revelar os termos de seu acordo com Die Welt.. mas só depois que tiver definido um contrato satisfatório entre os dois. Vai transformar Rainer num homem rico. além de uma série de benefícios subsidiários. com 1 milhão e meio de dólares adiantados. sei que me sinto profundamente contente pelo chocolate quente que Lotte me serve e pelos braços dela a me envolverem no escuro".. depois de um vôo noturno de Nova York e uma viagem de carro vertiginosa desde Frankfurt. Se ele é um empregado.. os clientes estão querendo comprar é a você. puro e simples. Fique esperando até eu acabar.. Além do mais. assim como desacreditaram Jean Marie. poderemos provavelmente aumentar o adiantamento para 2 milhões. Assim. ele estava trancado com Mendelius. Meio a meio não é aceitável. exuberante e loquaz. atormentado por muito saber e pouca compreensão. chegou uma hora antes do meio-dia.. preciso primeiro de conversar a sós com Rainer. por sua ligação com Gregório XVII. vou representá-lo e a Rainer. — Se fizer a coisa de graça. Lars Larsen. em seu favor. Já recebi três propostas mundiais para a publicação em capítulos e o lançamento em livro....... Dentro de 15 minutos. brusco. Não precisa pedir-lhe desculpas pelos termos do contrato.

. não necessariamente os mais importantes.maluco demais para se acreditar. meio incoerente: — Geralmente. — Sei de tudo sobre evidência interna — disse Larsen. O dinheiro que lhe consigo garante que os editores providenciem para que tenha muitos leitores. O dinheiro sempre tem um cheiro limpo. E a última coisa que haveriam de querer seria uma confrontação com o Vaticano por acusação de falsificação.. e já confirmei tudo em conversa pessoal com o autor... e isso. Larsen era um homem diferente. os clientes exigem uma proteção absoluta.. Por esse tipo de dinheiro. — Um dos meus primeiros clientes era um mestre dos plagiadores. bruscamente: — São genuínos? — São. e profissionalmente.. Comeu distraidamente. tome algumas anotações sobre as evidências internas: a caligrafia.. a qualidade da argumentação e a análise da emoção pessoal. sorrindo: — Enquanto estiver fazendo isso.. E agora você poderia servirme outra xícara de café e deixar-me sozinho para estudar direito todo este material... enquanto falava.. pelo menos. no final das contas. Lars. é o que está querendo. Vou querer um depoimento em cartório sobre isso. — E estamos apenas no começo.. Isso não é problema meu. se isso o incomoda. Mas. Tive de devolver minhas comissões.. asperamente. E agora pode fazer o favor de mostrar-me os documentos? Mendelius abriu o velho cofre e tirou o envelope contendo a carta e a encíclica de Jean Marie. — A partir do momento em que a história for divulgada. — Nunca foi tão cuidadoso antes. converse com seu advogado.. O mesmo acontecerá com Rainer. E gostaria também de fotografar alguns trechos específicos. a uma e meia.. Não posso deixar de fazê-lo.. é melhor ele estar impecavelmente limpo. Carl. o estilo francês requintado. — Pode confirmar a letra? — Claro. seu passado e presente estarão sendo examinados sob um microscópio.. — Larsen não estava achando graça.. Mendelius disse. Larsen examinou os documentos e depois perguntou. — Ótimo. E agora me poderia providenciar o café? Quando desceu para almoçar. Ninguém pode suportar o impacto de todas 149 . Talvez ele lhe aconselhe a instituir um fundo de assistência às chamadas mulheres decaídas. abalado e acabrunhado. mantenho-me frio e imparcial quando leio. Foi processado por 1 milhão de dólares e perdeu.

Como explicou a Mendelius.. Tenho certeza de que ele ficaria chocado se você lhe dissesse isso. quase que se espera que os cabelos fiquem de pé... E agora quero ocupar o seu telefone por umas duas horas. — Lars é tão engraçado! Assim que ele começa a falar em dinheiro... vamos ter negócios de verdade! Mais tarde. Eles estão ansiosos por negócios lá em Nova York. com o lance chegando a 2 milhões e um quarto. sentava-me em seu colo e lia a Bíblia para mim. dá para sentir a descarga elétrica. Lá em cima.. — Georg Rainer chegará esta tarde. com uma expressão zombeteira. como nosso convidado. produtivamente.. O importante é que nós dois possamos trabalhar em paz. dispunha agora de uma bela garantia em dinheiro para iniciar as discussões com 150 . Não quero que discussões sobre dinheiro possam estragar esse clima. Contudo. — Como se sente em relação a Georg Rainer? — Não o conheço muito bem. e depois do que acabei de ler. Quando eu era pequeno. Her Professor! — Lotte falou em tom solene.. mas todos os meus pacientes se recuperam!. Lotte soltou uma risadinha sem graça para o marido.. — É por isso que estou insistindo com Carl que o relato de Jean Marie deve ser apresentado com amor e fidelidade. — Confie em mim. — Sou um excelente cirurgião. Ele é simpático e espirituoso. E também não quero que ele tenha uma recepção indiferente ou fria. — Lars Larsen sorriu. Às cinco e meia. — Posso entender o que está querendo dizer. foi como se eu o estivesse escutando novamente... a não ser para casamentos e funerais.. acho que Carl deve ficar com o controle do projeto. Tenho a impressão de que é bem versado nas coisas da Itália e do Vaticano. Jamais vou a igrejas. Posso cortar fundo. Meu avô por parte de mãe era um antiquado luterano sueco. — Lotte interveio com a maior ansiedade. Lotte! Deixou-me em lágrimas.. — Vamos esclarecer tudo logo de uma vez. Os olhos dele faíscam. Não se pode permitir que ninguém o transforme numa história sensacionalista e vulgar. mas Lars é como o homem gordo na entrada do circo. apregoando o espetáculo.as personalidades fortes investindo dos originais. — Jawohl. Mas aquela carta. na cozinha. ele encerrou o pregão. — Mendelius estava subitamente impaciente e irritado.. Carl. vendendo ingressos para o Dia do Juízo Final! A campanha de vendas de Lars Larsen prolongou-se pela tarde inteira.

Ele foi transferido do serviço papal para a Secretaria de Comunicações Públicas. Contestou ter conhecimento de qualquer encíclica. relaxado com o jantar suculento de Lotte. Nós o conhecíamos como você. ligou de uma estalagem à beira da estrada.. Disse que ele informara à Cúria sobre o conteúdo da última encíclica inédita de Gregório XVII. seguindo depois por estradas secundárias da Suábia..Georg Rainer. Portanto. Monsenhor Logue. 30 quilômetros ao sul de Tübingen. ele estava indicado como Monsenhor Bernard Logue.. Pediu-me que definisse o papel que supostamente desempenhara. que apesar do nome irlandês é francês.. Perguntei a mim mesmo quem poderia ter conhecimento do arquivo particular de Gregório XVII. Muito ao contrário! Logue era o perfeito funcionário clerical. O que teria então acontecido com seus amigos? Foi então que você me falou da lista e achei que devia ter extrema importância. Mas Georg Rainer estava atrasado. — Aparentemente não muito bem. Nunca pensei em indagar como ele foi recompensado. Uma hora depois. absolutamente ninguém. condescendente. Falou que a lista estava datilografada. Carl. Às sete horas. Explicou que haviam sido seguidos ao saírem de Zurique.. dentro e fora do Vaticano. Ele chegou às oito e meia. Mencionei então a 151 . Em meus registros. Fui informado de que se tratava de um cara meio infeliz. desgrenhado. desempenhara um papel da maior importância. Assim. estava disposto a falar. mas também alienara a maioria de seus amigos. meticuloso. Ele ficou abalado. A resposta era óbvia: o secretário particular dele. O que levou o pessoal da imprensa a acreditar que Gregório XVII não apenas fizera inimigos poderosos.. cansado. descendente de um dos homens que foram para a França a fim de lutar contra os ingleses.. Foi o bastante para deixá-lo completamente perturbado. Indaguei o que lhe acontecera depois da abdicação.. um homem de charme excepcional. Obviamente. ele explicou o melodrama: — O mais extraordinário na abdicação foi o sigilo com que se consumou. talvez disposto a manifestar seus ressentimentos. disse-lhe que estava preparando um relato sobre os últimos dias de Gregório XVII. Logue foi o homem que denunciou a encíclica à cúria e assim desencadeou todo o processo. — Foi uma boa idéia sua. em que ele. Ninguém. ele não ia revelar-me segredos sem mais aquela. que conseguira desvencilhar-se pouco antes do posto da fronteira. absolutamente convencido de que o dedo de Deus guia todos os escribas da Cidade do Vaticano. Ele negou tal ato. Georg. devia ter saído de um arquivo. a fim de despistar os seguidores. em companhia de Pia.

Naquela noite.lista e citei os nomes que você me confirmara. — Não tenho a menor idéia. — Então diga-a. E temos sido vigiados desde então. — Como? Foi quase um grito de Mendelius. Tentei tranqüilizá-lo. Ele pode estar servindo a outros interesses que não os do Vaticano. — O gesto de Rainer era de perplexidade e cansaço. Neste caso. Rainer inclinou a cabeça para trás e soltou uma gargalhada. As ruas estavam quase desertas. Gregório XVII achava que uma situação revolucionária mundial se seguiria a uma catástrofe atômica e que ele ou outros teriam 152 . um delator conhecido. mas poderíamos trocar algumas informações. A entrevista foi encerrada. Mas nosso pequeno Monsenhor compreendeu que cometera um tremendo erro e instou-me para esquecer até que já ouvira falar nisso. levei Pia para jantar no Piccola Roma e fomos depois a uma discoteca.. mas nunca a vira.. — Ao contrário de Carl. Saímos por volta das duas horas da madrugada. — Já imaginava que ficaria aturdido.. Costumava dizer que a diplomacia só era possível entre instituições estabelecidas.. A Secretaria de Estado também via um grande perigo na atitude do papa em relação a Les Amis du Silence... — Mas não houve qualquer atentado? — indagou Larsen. um fanático. E perguntei quem eram os Amigos do Silêncio. sábado. Numa situação revolucionária. mas ele resistiu. Era até vulnerável demais a gestos de amizade. — Bem que estamos precisando de idéias novas! Pia Menendez hesitou por um momento e depois explicou: — Meu pai era diplomata. Foi então que percebemos que estávamos sendo seguidos. apenas jogar. Explicou que Gregório XVII acreditava firmemente na diplomacia pessoal. — Não houve violência? — Ainda não — respondeu Rainer. boas ou más. Carl. estamos lidando com um clérigo definido.. Pelo que Georg me contou. Parti com os quatro nomes. por favor! — Mendelius insistiu para que ela participasse da conversa. porém. Respondi que tinha de proteger minhas fontes... não se pode negociar. — Mas a partir do momento em que eles souberem onde está a lista. não me surpreendo com qualquer coisa que o Vaticano possa fazer. Pia tem uma opinião sobre o assunto.. Também fiquei. Petrov e os outros. Ele quis saber onde eu vira esse documento. hesitante. — Quem são "eles"? — perguntou Lotte.. além de alguma coisa chamada Lês Amis du Silence. Ele me disse que sabia da existência da lista.. que estava disposto a derrubar seu superior.

tornando a intervir na conversa. Lars Larsen apressou-se em dizer: — Antes de você ir deitar-se. — Mas não explica quem nos está seguindo — disse Georg Rainer. uma constituição para permitir a assembléia e a resistência aos ataques dos fantasistas e inventores de mentiras. — Mas devo adverti-lo de que o manterá acordado pela noite inteira.. E a partir do instante em que ele soube que você tinha acesso à lista.. — Por uma vez — disse Pia. — Ou talvez em desgraça. a luta para instituir um código de crença. As batalhas sempre foram encarniçadas e algumas vezes violentas. Mendelius ficou acordado por muito tempo.de contar com homens de boa vontade. Qual é a sua opinião a respeito. obviamente tentaria proteger seus documentos. eu os assinarei imediatamente. pensando por um momento.. com um sorriso. como qualquer bom historiador deveria fazer. Se os contratos satisfizerem o senso de justiça dele. Poderiam ser no momento obscuros. eu gostaria de ter uma conversinha sobre contratos. — Mendelius é o jesuíta entre nós. — Vou buscar as coisas que Jean Marie me enviou — disse Mendelius. — Monsenhor Logue disse que nunca vira a lista. Portanto. a filha de diplomata — fico feliz por estar dormindo sozinha! Naquela noite.. Isso daria outro motivo para afastar Gregório XVII do trono papal. Os homens de boa vontade eram sacrificados sem qualquer 153 . — Vou poupar-lhe o trabalho — disse Georg Rainer.. — Vamos raciocinar um pouco — disse Mendelius. Gostaria de levá-los para a cama. enquanto eu não tiver lido todos os seus documentos. É possível. Georg. dentro e fora da Igreja. pelas horas sinistras da madrugada. Mas Logue sabia que a lista existia. ou a outros interesses não especificados? A vigilância 24 horas por dia não parece uma tática do Vaticano. tentando situar-se. Como Pia ressaltou. Georg? — Nenhuma. — Larsen repetiu a expressão. a quem diria: a seus atuais superiores no Vaticano.. meu palpite é de que se trata de interesse externo. — Homens no momento obscuros. eles se concentram basicamente no jogo institucional. A partir do momento em que Jean Marie soube que ele era um informante. mas assim poderiam sobreviver em posições de poder. nas antigas batalhas da Cristandade. até mesmo considerados perigosos para os regimes existentes.

como sempre.. Mendelius começou a vasculhar a memória em busca de qualquer coisa que pudesse associar com Os Amigos do Silêncio. Com o primeiro se afugentam os hereges e com a segunda se pode esmagá-los. Havia divórcios bruscos de nações e comunidades da união com os eleitos. O que levou Mendelius.. Ainda inquieto. ele se recordava de uma carta que Jean Marie lhe escrevera. os espanhóis haviam dado o exemplo. a que deram o nome de Opus Dei. Carl! Se eu fosse Papa. A batalha ainda continuava. Por outro lado. a uma sociedade secreta. Invocara o Espírito.. Mas os romanos adoram as intrigas nos corredores e os arquivos secretos!" Era difícil acreditar que o homem que escrevera tais palavras pudesse instituir o seu próprio clube de elite e lhe desse um nome tão óbvio. mas os cardeais haviam invocado a assembléia.misericórdia. cujo nome francês visava a dar a impressão de que contava com a aprovação de um Papa francês? Anos antes. antes um Papa. fora uma das baixas. A palavra silêncio produziu uma variedade maior de 154 . há muito tempo. a obra de Deus.. investindo contra os movimentos elitistas na Igreja: "Desconfio deles. a assembléia dos homens de Deus deve ser a mais aberta e participante. Patifes complacentes prosperavam à sombra da ortodoxia. mesmo que remotamente. Realizavam-se casamentos de conveniência entre Igreja e Estado. quando ainda era cardeal. ao criarem sua própria elite autoritária. Era a lição que os romanos haviam ensinado aos marxistas: mantenha o código puro e a hierarquia exclusiva. uma associação hermética. haveria de desencorajar ativamente qualquer coisa que se assemelhasse. numa súbita reviravolta. Já há mistérios suficientes no universo e não precisamos fabricar outros. pelo peso dos números e a força da organização. . e a assembléia vencera. um quadro privilegiado dentro da Igreja. Era mais provável que Les Amis du Silence fosse um grupo externo. à indagação: quem eram Os Amigos do Silêncio? Era tentador adotar a teoria de Pia Menendez de homens esperando nas sombras o momento de serem chamados para salvar o que fosse possível numa situação de revolução ou catástrofe. De todas as sociedades. A palavra amigos produziu estranhos correlativos: da Sociedade de Amigos a amicus curiae e o "Amigo do Homem" do Marquês de Mirabeau. Jean Marie Barette...

Lotte remexeu-se e estendeu a mão no escuro. Quero levá-la pessoalmente.. para mim. anotações e bibliografias sobre a tradição milenarista e. como sempre. que proibia aos cidadãos de Amicla de falarem da ameaça espartana. os três documentos mais recentes. antes de tirar quaisquer conclusões. ele estava andando na Lua. a carta. não há notícia. Houve problemas inesperados no contrato de Georg Rainer com Die Welt. quando houve a invasão. Sobre a lista.. ardia um lampião empoeirado. quando voltar a Nova York. Na Prisão Mamertine. a fim de conversar com os executivos do Grupo Springer. Assim. Contudo." Finalmente sonolento.. Georg Rainer fez um julgamento brusco: — Se você não é um crente. Não há acordo. — Eles vão ter de concordar com tudo. além da discussão racional. Quero trabalhar novamente na lista esta manhã. Havia o sinistro provérbio italiano: "A vingança nobre é a filha do silêncio profundo...associações. logo depois do café da manhã. eis algo inteiramente diferente. Posso sentir a agonia do homem. Assim. antes e durante o pontificado. os fiéis a que era negada a liberdade de culto e que eram perseguidos por sua antiga fé. Tenho a impressão de que um levantamento de computador mostraria ainda mais pontos comuns. Mendelius aconchegou-se ao calor dela e mergulhou rapidamente no sono. Havia o silêncio Amicleano.. Mas a lista de nomes. Estava jovial e confiante. como base de tudo. em busca de segurança. Mendelius decidiu que aquela poderia ser a ocasião apropriada de cobrar de Drexel a promessa de fornecer informações sobre questões de fato. a encíclica inédita e a lista de nomes. E sei de coisas suficientes a respeito deles para constatar que existem determinados fatores comuns. Mendelius e Rainer trancaram-se no gabinete.. e na melhor das hipóteses sou um luterano por criação. Ou se pode senti-las ou não se consegue. muito além do nosso alcance. e Georg pede demissão! Podem deixar tudo comigo. Todos eles têm sido muito eloqüentes e alguns sofreram contratempos em suas carreiras dos quais podem ou não se 155 . a correspondência particular de Gregório com Mendelius. em Roma.. — Acha que eles poderiam ser os Amigos do Silêncio? — De jeito nenhum. a fim de ordenarem os materiais: os arquivos de Rainer sobre o Pontificado de Gregório XVII. a cidade foi presa fácil.. Vocês se concentrem apenas em pôr a história no papel. a carta e a encíclica são como poesia. em memória da "Igreja do Silêncio". Lars Larsen partiu para Bonn e Berlim. Reconheci a maioria deles..

Já dispomos de provas suficientes para afirmar que os membros do Sacro Colégio maquinaram toda a situação. não posso dar-lhe qualquer opinião.. — E o que deseja saber? — Quem são Les Amis du Silence? — Sinto muito. conforme prometeu? — Isso não seria oportuno. o motivo para o qual ainda continua envolto em mistério. — Vou consultar Drexel a respeito. Podemos demonstrar como foi feito. Sempre a usam para ocultar os segredos mais tenebrosos. ligou para a Cidade do Vaticano e pediu Para falar com o Cardeal Drexel. Os devotos continuarão tranqüilos. Eminência. — Obrigado. — O assunto é inoportuno! — Adoro essa palavra. achando que não importa o que possa acontecer. E finalmente chegamos ao porquê. Foi generoso o bastante para oferecer sua ajuda em questões de fato. pelo menos por atender a meu telefonema. devemos começar pela abdicação propriamente dita.recuperar. — Não teve sorte? Mendelius soltou um grunhido de raiva.. o que depende de seu depoimento. — Pode encaminhar-me a alguma outra fonte. Rainer não estava surpreso. Você é o repórter. Mendelius pegou o telefone. Bom-dia. — O prazer foi meu. Sua Eminência pareceu ficar surpreso e um pouco cauteloso. Mendelius. os três documentos finais e suas conversas com Drexel em Roma e com o ex-Papa Gregório XVII em Monte Cassino. Os céticos dirão que o homem estava louco e que os cardeais acertaram ao se livrarem dele. Em que posso ajudá-lo? — Estou refrescando a memória. Faço um relato de tudo isso e apresento as provas. — Outros já me informaram que o assunto pode ser perigoso. Nossos leitores farão o julgamento. — Drexel foi brusco. pois o 156 . — Mendelius? Está mexendo-se muito cedo. — Não posso dar-lhe qualquer informação sobre essa questão. Onde mais podemos tentar? — Sugiro que esqueçamos esse ponto no momento e cuidemos do resto. — Quanto a isso". um ato de profunda repercussão e importantes conseqüências. Por que não liga para Monte Cassino e pede algum esclarecimento a seu amigo? — Porque não quero que ele assuma qualquer responsabilidade pelo que escrevermos. Na minha opinião.

O homem ao telefone identificou-se como Dieter Lorenz. com um desenho de Mendelius. Fique à vontade. pagando à vista. O desenho é mimeografado. Nós o identificamos como Albrecht Metzger. Foi baseado numa das suas fotografias que apareceu na imprensa italiana... investigador sênior do Landeskriminalamt. o que indica que foi distribuído a muitas pessoas. os grupos terroristas usam agentes secundários.. Professor. como se tivesse sido guardado numa carteira. — E o que isso significa? — Em resumo. Concorda com a fórmula? — Em princípio. É nesse ponto que você retoma a narrativa. Sei que é um autor dos mais lúcidos.. Encontramos esse papel na carteira dele. houve uma briga entre alguns turcos e um bando de jovens alemães.. O resto da história não está ainda muito claro. ele mostrou uma folha suja de papel de mimeógrafo.. É um dos centros para o tráfico de tóxicos na cidade e entre os estudantes. com um alto índice de 157 . Há 20 mil estudantes na universidade. O morto não constava de nenhuma das nossas listas de procurados. Ele chegou 10 minutos depois. Resta ver agora como ficará em letra de imprensa. Lorenz explicou sua proveniência: — Há uma cervejaria freqüentada por operários turcos da fábrica de papel.. sim. a fim de proteger a organização central. O papel estava dobrado várias vezes. nome.. de aparência miserável. despedido há seis meses por furto. mas desta vez terá de explicar tudo na linguagem mais simples possível. Contudo. antigo escriturário da fábrica de papel. O papel é alemão. capaz de ser compreendida até mesmo por nossos editores. O desenho provavelmente foi feito em Roma. Os curiosos e os críticos vão querer saber de mais coisas. um homem alto e magro.. Do jeito em que as coisas estão agora. com um retrato do homem e uma análise do que ele disse e escreveu.Espírito Santo ao final acabará cuidando de tudo. Enquanto Lotte preparava um café. Georg. vestindo jeans e um blusão de couro. significa que está sob vigilância dos terroristas. Surgira um problema importante e ele gostaria de discuti-lo com Herr Professor. Ontem à noite. endereço e telefone. o que representa um mercado importante para os traficantes.. Um homem foi esfaqueado. Vou dar uma volta antes de começar a trabalhar. Sabemos que alguns grupos clandestinos arrumam financiamento para suas atividades com o tráfico de tóxicos provenientes da Turquia. Morreu antes de chegar ao hospital. O telefone tocou quando ele estava atravessando o vestíbulo.

— O objetivo do terror é semear o medo e a incerteza. não é mesmo.. — Não. Sempre vai aos mesmos locais de trabalho. E inevitável que se torne desatento e descuidado. bam!. — Por que estão perseguindo Carl desse jeito? Ele já prestou depoimento em Roma. pacientemente. não poderá mais alterar seu depoimento.. torna-se relativamente fácil.. em grupo. A informação se encontra nos arquivos da polícia em Roma.. Ligue para este número a qualquer hora do dia ou da noite. E costuma fazer compras nas mesmas lojas. — Neste caso.. Lorenz não ofereceu qualquer conforto.desemprego e inquietação social. — Não é uma perspectiva das mais esperançosas. eles desenvolvem um quadro completo dos hábitos e movimentos da vítima visada.. enquanto um dos lados não estiver exterminado. Há sempre um homem de plantão. acaba perdendo sua influência. três ou quatro pessoas em dois veículos e. — Só há uma coisa que não consigo entender — disse Lotte. não vai adiantar muita coisa. minha senhora.. Se o terrorista não exerce a retaliação.. a menos. Deixarei o meu cartão. Agora... é claro.. Lotte trouxe o café. Deve comunicar até mesmo o incidente mais trivial que lhe parecer estranho ou fora do normal. Usando pessoas como o nosso falecido amigo Metzger.. a única solução é a vigilância pessoal e um contato constante conosco. e mais sujo também! 158 . Pode-se contratar guarda-costas. É mais difícil numa cidade grande.. não há problema em recrutar agentes eventuais para trabalhos como este. Mas a menos que ele esteja disposto a fazer um treinamento com armas de fogo. que os estudantes estejam dispostos a ajudar. Enquanto ela servia... nós as chamamos de "vigias". Não pode introduzir variações suficientes em sua rotina diária.. E um belo dia eles entram em ação. — Não está percebendo como a coisa funciona. torna-se mais difícil a cada dia que passa.. Morto ou vivo. Lorenz continuou a falar: — Devem compreender como funciona o sistema terrorista. Numa sociedade organizada. Mendelius explicou-lhe a situação. nosso trabalho como policiais era mais fácil. o serviço está feito. mas são terrivelmente dispendiosos. não é mesmo? A voz de Lotte era trêmula. mas o rosto ficou pálido e a mão tremia quando pôs o bule na bandeja.. Podemos dar a seu marido um porte de arma... — Não! — Mendelius foi categórico. que nunca acaba. É a velha noção da vendetta. Lotte aceitou tudo com uma calma aparente. Mas numa cidade pequena como Tübingen e com um profissional destacado como seu caso. minha cara senhora — explicou Lorenz.

Obrigado pela sua ajuda. não o deixe publicar esta história. — Estarei de volta num minuto. Dieter Lorenz acrescentou um comentário brusco à conversa: — Não queria falar isso na presença de sua mulher. na direção do Mercado Antigo. é melhor alertálos também. — Georg Rainer. Entregou o cartão a Mendelius e repete — Não se esqueça! Pode ligar a qualquer hora do dia ou da noiteObrigado pelo café. enquanto se encaminhava até a banca de jornais. — Qual é a solução? — Só Deus sabe. Já há atenção demais focalizada em você.. e posso apostar que a idéia não lhe agrada. Tem dois filhos. secamente. que os professores da universidade receberam o pedido de fornecer informações de segurança sobre os estudantes? Lorenz lançou-lhe um olhar rápido e velado. Quando seus filhos voltarem das férias. Para os terroristas. — Então. — Estamos realmente voltando ao tempo da selva. sombriamente.. não é mesmo? — Já estamos dentro dela — disse Dieter Lorenz. um medo 159 . o seqüestro é uma manobra ainda melhor do que o assassinato. — Quem é Georg? O policial estava subitamente cauteloso. madame. — Já sabe. Mendelius devolveu o desenho. — Eu acho repulsiva. Não contribuiu em nada para dissipar o medo insidioso que invadia Mendelius. não é mesmo. Ficaremos em contato. liebchen. — Esta cidade já foi um lugar tranqüilo. Isso lhes proporciona uma ampla cobertura da imprensa e novos recursos. Estamos escrevendo uma história juntos sobre o Vaticano. É o correspondente em Roma de Die Welt. Talvez precisamos de uma boa guerra para liquidar alguns desses desgraçados e começar tudo de novo! Era um pensamento de desespero de um homem exausto. Mas se pudesse ver as coisas que passam agora por minha mesa. tenho certeza de que ficaria apavorado.— É isso o que me deixa perturbado — disse Mendelius. Ao subirem por Kirchgasse. — Já sabia disso. — Mas não seria uma questão de prioridades? O quanto está disposto a pagar pela segurança nas ruas? — Não muito. acenando com a cabeça em assentimento. por favor. Quero dar uma volta antes de começar a trabalhar com Georg. — Vou acompanhá-lo até o carro — disse Mendelius. Lorenz dobrou-o cuidadosamente e tornou a guardá-lo na carteira.

que levavam sua imagem como um fetiche. ele estava completamente exposto aos caçadores silenciosos. Antes de entregá-la ao 160 . Na vanguarda. CAPÍTULO 7 Rainer trabalhava depressa. as correções exigiam dois ou três esboços datilografados. Insistia em escrever o texto por extenso. flancos e retaguarda. Mendelius estava acostumado ao ritmo irregular de um autor acadêmico. aonde quer que fossem. ao final de quatro dias. argumentava interminavelmente o refinamento de uma definição. numa motocicleta com o cano de descarga aberto. acabaram produzindo.que lhe provocou um sobressalto quando uma dona-de-casa esbarrou nele e quando um rapaz passou velozmente pela rua. o primeiro e mais importante estágio do projeto: uma versão com 20 mil palavras para imediata publicação em capítulos em jornais e revistas. com um texto limpo e acurado. Não havia Francone agora para protegê-lo. Era exigente em questões de estilo. fatais. estava condicionado a atender aos prazos diários. Apesar da aparente incompatibilidade entre os dois.

Sei como a mente de Georg funciona. no final das contas.. E também tenho outra queixa. Assim.. com medo de alienar os outros. Não estou querendo ser rude. Carl. querido. Em sua dissertação sobre um profeta. — Concordo com você e Lotte. Não pode favorecer a uns. mas. Não o sinto em coisa alguma do que vocês escreveram. Ele é um homem afável. embora não seja uma crente.. Só posso dizer que não estou absolutamente interessada no homem que descreveram... e a Natureza da Parúsia propriamente dita. mas só conseguiu arrasar os autores: — Há alguma coisa errada. a presença do mal num cataclisma provocado pelo homem.. — Acho que posso entender o que aconteceu. Carl abdicou da poesia e preferiu o pedantismo. entre os quais Jean Marie. Não sei explicar direito. mais precisamente. que estava fazendo a sua cobertura de Roma tanto para crentes como para incréus. Rainer sorriu e fez um gesto de derrota. Pia Menendez concordou com a avaliação e ofereceu uma explicação. Sempre disse. Mendelius e Rainer se olharam. foi lida por Lotte. E está tentando ser tão erudito e objetivo em relação à Doutrina das Últimas Coisas que parece como um exercício de matemática superior. Está empenhando-se tanto em mostrar-se imparcial em relação a um querido amigo que parece um censor de moral. o pivô de todo este episódio histórico. — Não precisa pedir desculpas! — Anneliese Meissner foi brusca. é ponto central. prometem que vamos presenciar? O que servirá para distinguir o Cristo do Anticristo? . o que os profetas apocalípticos.. Conheço Jean Marie. As leituras provocaram alguns comentários francos e inesperados. Pia Menendez e Anneliese Meissner. você se esquiva a dois fatos importantes: a natureza do mal. O texto está muito isento. já que uma versão em inglês era obrigatória nos termos dos contratos.. consternados.. Não sei dizer exatamente o que é. ou talvez possa. estou tão ansiosa quanto qualquer outra pessoa em ver o que tem lá dentro. — Se os leitores não gostarem de nós.. estamos liquidados. Não me importo com o que lhe possa acontecer.tradutor. Em sua análise da Escatologia. tem de demonstrar um toque de cinismo. Creio que o Professor Mendelius caiu na mesma armadilha. como sempre.. Lotte bem que tentou ser gentil.. O que vamos presenciar? Ou. Carl! E creio que pode ser da maior importância.. complexo e sempre interessante para uma mulher. então 161 . Perdemos o homem que.. Sou sua leitora agora. E se não conseguirmos levá-los à piedade e terror com este assunto. A partir do momento em que abre a caixa. muito.

Deixe o seu coração falar. Georg Rainer pensou por um momento e depois acenou com a cabeça em concordância. — Não esta noite! — Lotte foi muito firme. — A solução é voltarmos ao trabalho. Mas gostaria de que me dissesse uma coisa. Posso escutar os tambores distantes e as trombetas enlouquecidas. — E se um pouco de bebida ajudar o coração a falar.. — Reservei um jantar para nós cinco no Hölderlinhaus. Mendelius começou a arrumar o original. Estou profundamente desanimado. — O seu caso não é muito difícil — disse Anneliese Meissner. — Uma palavra de aviso — disse Anneliese Meissner. ao final do verão. onde Melanchthon outrora ensinara e o grande Johannes Stöffler dera aulas de Astronomia e Matemática.. incisivamente.merecemos ser liquidados... Lida com os doentes e iludidos... Por que se preocupa tanto com este episódio de história religiosa? — Porque estou apavorada — respondeu Anneliese Meissner. A comida é muito boa e o ambiente parece que causa algum efeito estranho em Carl. — Acho que se sairá melhor se se limitar ao relato do episódio deixando a interpretação para Carl. então sou inteiramente favorável! — E qual é a receita para mim? — indagou Georg Rainer. e projetara o relógio do prédio da prefeitura! 162 . os namorados passeavam lentamente em seus barcos. Volte ao princípio. Carl.. e gostaria de poder encontrar uma fé que me confortasse nas trevas. — Jogue fora toda a sua parte. diga-se de passagem! — Posso embriagar-me outra vez esta noite — advertiu Mendelius. E só posso dizer que estou contente porque Lars Larsen não leu esta versão. — Leio os presságios em todos os jornais. Frau Dra. Sonho com isso todas as noites. Meissner. bruscamente. — Talvez tenha razão. diante das janelas do Bursa.. Vou tentar o que está sugerindo. É uma incrédula. E no final escreva uma indagação objetiva. É o único lugar em que já o vi embriagado o bastante para recitar "Empédocles no Etna" com a carne assada e cantar Schubert com a sobremesa. E fazer as duas coisas muito bem.. O tempo ainda era ameno. Acho que teremos o nosso Armagedom. O Neckar fluía tranqüilamente sob os salgueiros.. como aconteceu nas gravações que me enviou de Roma! — Bravo! — disse Lotte. transformando os leitores em juizes e jurados.

Mas o restaurante estava movimentado com um jantar para os professores do Instituto Evangélico e outro para um grupo de atores na cidade. onde o pobre Hölderlin tentara reunir os últimos fragmentos de seus sonhos. de forma surpreendente. de maneira solene. até que o relógio de Mestre Stöffler bateu duas horas da madrugada. mas a resposta veio da mesa dos atores. Foi um desses encontros estranhos e espontâneos. medo e compaixão. Um jovem alto e cadavérico levantou-se e. apresentou-se e a seus companheiros. não é mesmo?. provocando-os com fragmentos de informações sobre Roma. como Goethe profetizou. Todos fomos distraídos por aqueles jovens talentosos. em quem o político predominaria sobre o poeta. enquanto o vinho corria. Rainer tornou-se o centro das atenções. Mendelius observou. de onde se descortinava o Jardim Botânico. Durante o jantar. eles apresentaram uma versão em mímica do homem que perdeu a sombra e da mulher que lhe devolveu. Friedrich Hölderlin morrera ali.. Você assina a Revista de Estudos Patrísticos. um colega idoso do Instituto puxou Mendelius pelo braço para um lado e ofereceu-lhe uma sugestão: — Seu amigo Rainer acabou não recebendo uma resposta para a indagação que fez. Para compreender-nos. ele perguntou: — Alguém já ouviu falar de uma organização chamada Os Amigos do Silêncio? Ele não usou as palavras francesas originais.. que transformam uma noite solene num evento mágico. na sala antiga. Mendelius apresentou Georg Rainer e Pia a seus colegas. Há um artigo no número de abril sobre a disciplina do 163 . para ensaios no teatro universitário. E no silêncio contaremos uma história de amor. Ele se estava dirigindo aos professores.. — Nós somos os amigos do silêncio. com admiração. no outro lado do rio. com uma torre redonda. vocês devem manter o silêncio. um gênio triste e louco. Como o correspondente bastante conhecido de um jornal famoso.O Hölderlinhaus era uma casa pequena e antiga. na torre do prédio da prefeitura. houve conversas constantes entre as três mesas. As ruas estreitas estavam agora sossegadas. ofuscado por seu contemporâneo Uhland. mas sim o correspondente em alemão: Die Freunde des Sch weigens. Quando estavam despedindo-se. porque a universidade continuava em recesso.. Finalmente. uma maneira quase que indiferente. como ele atraía habilmente os professores para conversa. em 1843. que se prolongou com vinho e canto e histórias. E ali.

.. a última coisa que poderia querer. Ele afirma que você o afrontou. Minha impressão é de que ele está com medo de uma revolta dos professores. Qualquer referência necessária devia ser feita em termos enigmáticos ou mesmo enganadores. O artigo sobre a disciplina do silêncio viera de Paris e estava assinado por alguém chamado Jacques Mandel. Darei uma olhada pela manhã. Tem algumas referências que podem ajudar a esclarecer as coisas...segredo. Versava sobre a prática.. Mas gostaria de informá-lo de que o reitor não ficou muito satisfeito. Bom. boa-noite. Levantou-se às cinco horas. o segredo compulsório sobre os mais misteriosos rituais e doutrinais da Igreja. Salvador. O exemplo mais famoso de tal linguagem era a inscrição descoberta em Autun. Lotte e os outros já se estavam afastando. O "mel" era a Eucaristia. nas primeiras comunidades cristãs. A primeira parte do artigo de Mandel era uma avaliação erudita sobre as evidências da prática e a conseqüente escassez de antigas evidências patrísticas sobre questões doutrinárias e sacramentais." A palavra peixe era um anagrama para Jesus Cristo. Um homem pode torcer o tornozelo nestas malditas pedras do calçamento! Às três e às quatro horas da madrugada.. não havia nada de novo. A expressão propriamente dita só surgira no século XVII. Mendelius. Filho de Deus. O número fora publicado antes da abdicação de Gregório XVII e evidentemente fora preparado vários meses antes. — Obrigado. além de duas ou três informações curiosas sobre o Sínodo de Antióquia. mas a disciplina era das mais antigas na comunidade cristã. em que os ortodoxos condenaram os arianos por admitir os catecúmenos e até mesmo os pagãos na discussão dos 164 . — Soube de sua posição sobre a questão da vigilância dos estudantes. fez café e foi sentar-se à sua escrivaninha com a edição de abril da Revista de Estudos Patrísticos. meu caro. em 1839: "Tome o mel dos santificados. — O que é? Mendelius estava ansioso em ir embora.. chamadas disciplina arcani.. Mendelius ainda estava remexendo-se inquieto na cama. Contudo. antes de sua aposentadoria. entre o sono e a insônia. Tome cuidado com o lugar em que pisa. Não deveriam jamais ser mencionados aos incréus ou mesmo aos aspirantes ainda em grau de instrução. coma e beba com o peixe em suas mãos. Concordo plenamente. — Gostaria de lhe dizer mais uma coisa.

as atitudes rigorosas de determinados bispos contemporâneos. Jacques Mandel. Mas logo depois. impondo uma versão do século XX da Disciplina do Segredo. havia um grupo poderoso que desejava sufocar todo e qualquer debate sobre questões doutrinárias. a história que Georg Rainer contara. Os bispos eram homens poderosos. Em face dessas novas informações. os amigos do silêncio e das trevas'." Eram palavras bruscas para uma publicação sóbria e especializada. mas Mendelius podia compreender perfeitamente as suas implicações. Ele escrevera: — "Ouve-se falar que existe uma fraternidade clandestina desses bispos. a fim de descobrir quem haveria de jogar-lhe pedras ou saudá-la. representavam uma força discreta. Ele afirmava que. por motivos 165 ."mistérios". através do confessionário. em que são usados termos de censura. na França e outros lugares. Mas era evidente que ele dispunha de informações que explicavam em grande parte os antecedentes da abdicação. Mendelius descobriu-se a perguntar por que o autor se dera ao trabalho de escrever uma nova versão de material tão antigo. Até agora.. conseguiu navegar com sucesso entre os radicais inovadores. Jean Marie já estava sofrendo enormes pressões. haviam demonstrado ser fortes o bastante para derrubar um Papa. Mas não esconde a sua desaprovação ao que considera 'uma maçonaria de clérigos sêniores. subitamente. estava usando a disciplina do segredo como um texto em que podia analisar um argumento dos mais modernos. quem quer que fosse. Muito antes da visão e da abdicação. Numas. A História estava repleta de acordos espúrios. Ao final. O autor viu a cópia de uma carta do Pontífice a um arcebispo dos mais importantes. Apontava a ação repressiva contra determinados teólogos católicos nos anos 70 e início dos anos 80. Jacques Mandel estava empinando uma pipa. mas poderosa. Gregório XVII.. Nem todos os clérigos eram divorciados da política. feitos por religiosos. . um tanto tenebroso. o teor do artigo mudou. Nas outras. que possuem amigos muito bem situados na Cúria e são capazes de pressionar até mesmo o Pontífice. A possibilidade de cisma fora real. tanto nas ordens religiosas como nas seculares.. controlando muitas questões controvertidas. que também é francês. fazia algum sentido. eram os líderes de grandes congregações. porque os cardeais não teriam entrado em ação sem o apoio da maioria dos bispos. Nem todos eram alheios às suas práticas mais violentas. de vigilância e perseguição. dentro da hierarquia da Igreja Católica Romana..

Os germes que as causam permanecem encerrados em estado latente como o bacilo do carbúnculo. vai encontrar o novo material na minha mesa. E ocupando o seu alto cargo. uma presa fácil para os vendedores de panacéias. encantamentos mágicos e as loucuras coletivas dos outros afligidos pelo mal. depois pegou a sua própria cópia do texto e começou a escrever. Os sintomas são tão diversificados quanto as ilusões da humanidade: a automutilação dos flagelantes e dos padres castrados. Mas os efeitos da doença são sempre os mesmos. a perversão sexual dos caçadores de bruxas. por mais incompetente que possa ser. Injetam-se nos pacientes doses maciças de 166 . a fim de verificar as reações que teremos. sujeito a terrores intensos. viciado em ilusões agradáveis e amenas. o rompimento de sistemas sociais frágeis demais para as cargas que lhes são impostas. Vou fazer um pequeno esboço de um capítulo sobre outro aspecto do fenômeno: que em tempos de crise intensa. até que as condições se tornem propícias para o seu renascimento. . Essas condições são o medo. muito diferente. assim como o homem doente se entrega ao médico que o tranqüiliza.religiosos." Ele. Jean Marie sabia dos danos que podiam ser encobertos ou justificados sob a disciplina do segredo ou dentro de uma confraria de silêncio. que querem confinar a verdade numa frase e queimar qualquer homem insubordinado que se atreve a discordar na definição.. anexou o bilhete à cópia do esboço de Rainer.. a fúria assassinada dos sicarii. a loucura metódica dos inquisidores. O único problema é que nunca se pode ter certeza de quem emergirá da carnificina. "Isso não chega a ser uma evidência. mas acrescenta alguma coisa à indiscrição de Monsenhor Logue. Mendelius sublinhou os trechos mais relevantes do artigo e escreveu um bilhete para Georg Rainer. se os lunáticos ou os sãos. curá-la é outra. a incerteza. O paciente torna-se amedrontado e irracional. A propaganda é outro medicamento poderoso. O remédio mais drástico é o extermínio. o público sempre se inclina para ditadores e juntas.. Se eu não estiver aqui quando você começar a trabalhar. Dispomos agora de um forte indicador sobre a natureza de Os Amigos do Silêncio... Definir a origem e o curso da doença é uma coisa. como Mandel fez.. Minha tendência é incorporar uma referência em nossa história. sob o título "O Momento de Gregório XVII": "As epidemias psíquicas não são fenômenos novos na história humana.

até mesmo durante o sono. Tinha conotações com um lugar sagrado. porque estava impregnada da luz fria da razão pura. E era justamente nisso que estava a fraqueza que Lotte. Não transmitia qualquer convicção. em sua perseguição.. nesta que é a mais benigna de todas as criações. porque o autor não a tinha. Contudo. enquanto os cães latiam cada vez mais perto. Não oferecia qualquer esperança.. que mantinham o fugitivo ofegante pelo último quilômetro. eles vão virar-se e arrancar-lhe um membro depois de outro. precisava-se de um telhador e não de um profeta. Seus adversários.. Não despertava paixão. tinham pelo menos de seu lado o bom senso pragmático. como Anneliese Meissner o advertira há muito tempo.. Quando o teto estava desmoronando. As interpretações tradicionais impunham respeito. E eles acabarão acreditando. Sabiam que as conseqüências de uma proclamação milenarista poderiam ser imensas. Quando isso acontecer. antes que a epidemia se espalhasse." Um novo pensamento ocorreu a Mendelius. o fluxo vital. onde poderiam ter um sono seguro. Ele abdicara do único lugar em que se podia exercer o poder. As organizações tradicionais haviam sido testadas pelo tempo. ele ainda fosse por 167 . Eram muito importantes a emanação de poder. apenas um cataclisma e o juízo final dos sobreviventes.pensamentos curadores. Diz-se interminavelmente que tudo é para o melhor. Foi por esse motivo que o Sacro Colégio decidiu silenciar Jean Marie Barette e suprimir o relato de sua visão. um santuário. numa fúria maníaca de ressentimento. Ele largou a caneta para meditar a respeito. Tudo o que acabara de escrever sobre as causas e sintomas da epidemia psíquica podia aplicar-se com igual justiça a Jean Marie. até o dia em que sentirem pela primeira vez o cheiro do fogo no vento e avistarem o sangue no altar de pedra. Anneliese e Pia haviam encontrado em seu retrato de Jean Marie. um templo. E creio que ele estava certo. Ou talvez. sobrevivendo às tensões e pressões dos séculos. a esperança. quanto menos não fossem por sua antiguidade e resistência. foi exatamente pelo mesmo motivo que Jean Marie propunha em sua encíclica uma preparação do espírito contra um período inevitável de insanidade social. do amanhecer ao anoitecer. contentes e gratos. Queria que médicos e asilos fossem devidamente aprontados. sob a proteção da divindade tutelar. como quer que se intitulassem. Mesmo nos tempos antigos. pelo menos em princípio. um bosque onde um criminoso ou um escravo fugitivo encontraria abrigo de seus perseguidores. o asilo era uma palavra mística.

. que os cristãos acreditam estar implícito e irrevogavelmente garantido pela Doutrina da Ressurreição. Depois.. se não por qualquer outro. Ele nada nos diz a respeito do como. Mas repito que estou escrevendo sobre um homem que amo. Assim. a fim de atingir os corações dos mais simples. Sabia exatamente o que devia dizer a respeito de Jean Marie e como deveria dizê-lo. a sua cópia do texto.. sobre a natureza do mal e o modo do Segundo Advento. disse Mendelius. A visão de Gregório XVII descreveu apenas os efeitos do mal. Mas isso não desabona a visão ou o visionário. Quando chegou o momento de expor a Escatologia — Doutrina das Últimas Coisas — e como Jean Marie aderia a ela. Agora. sou uma testemunha suspeita. Expresso minhas dúvidas tão honestamente quanto as certezas. Portanto. é assim mesmo que a chamo. a quem devo algumas das melhores coisas da minha vida. Mas quando chegou o momento de responder às indagações que Anneliese formulara. Já estou marcado como uma vítima de seu poder destrutivo. com um depoimento simples e objetivo: "Escrevo sobre um homem que amo. apresento meu depoimento apenas como pode ser aceito sob as regras mais rigorosas de evidência. Onde ofereço uma opinião. assim como um pintor não pode ser desacreditado porque nos mostra luz e paisagem como nunca vimos antes. que me é mais chegado do que um irmão. seria perfeitamente justificado dizer que a visão de Gregório XVII nada nos revela que já não saibamos. . Eu gostaria de poder interpretar o momento de êxtase pessoal de meu amigo. e cujas agonias presentes tenho sido incapaz de partilhar plenamente. parecia que ele estava dotado da graça da eloqüência. pegou outro bloco e começou novamente. O mesmo acontece com o Segundo Advento.. ele deve ter um julgamento público. mas não projetou qualquer luz sobre o mistério de sua existência. metodicamente. "Sei que o mal existe. Jean Marie fora silenciado sem uma audiência. Não sei por que existe o mal e o sofrimento num mundo projetado por um criador generoso.demais um jesuíta para constranger a família da fé com uma verdade impopular. selvagemente. O melhor de que sou capaz é mostrar 168 . foi lúcido e persuasivo. quando e onde do evento. o advogado involuntário. Por esse motivo. ele foi forçado a uma confissão comovente. Rezo diariamente para me livrar. Mas não posso. Era demais! Ele pegou um lápis vermelho e começou a riscar." Subitamente.

As versões inglesa e alemã foram despachadas por mensageiros especiais. Se o meu autor me entrega um fracasso. antes de seguir de carro para Frankfurt. Os depoimentos pessoais e as cópias fotográficas dos documentos estavam autenticados. — Você nunca vai desmoronar. — Anneliese Meissner presenteou-o com o seu sorriso mais insinuante. Espero que se divirtam tanto gastando o dinheiro quanto eu me diverti em ganhá-lo para vocês. — Não enquanto não abolirem o dinheiro e restaurarem o antigo sistema de trocas! — Então. estou desempregado. Tratou de mudar de assunto apressadamente: — Há algumas coisas que ainda me incomodam. marcos e ienes no banco. torço para que seu homem a leve a Nova York. camaradas vigorosos. Tive o maior prazer em conhecê-la.. Até mesmo Anneliese procurou retratar-se e perguntou se Larsen consentiria em cuidar de suas obras no mercado americano. estava tudo pronto. Lars Larsen fez um brinde de despedida. Lotte. Se meu julgamento falha. foi impedido de oferecer sua própria interpretação ao mundo.. sinta-se contente por mim! — exclamou Lars Larsen.como.. de preferência com ela. E quando eu finalmente desmoronar sob a tensão. preparem-se para agüentar as conseqüências. Georg Rainer confessou que sentir-se rico era uma experiência nova e muito agradável. Mencionamos Os Amigos do Silêncio. Mas tenho certeza de que vocês. muito obrigado por sua hospitalidade. espero que se encarregue do meu tratamento. por bons ou maus motivos. Depois disso. Carl. Jean Marie Barette. o que posso dizer aos editores? Mas desta vez possa largar na mesa dos editores um pacote e jurar pela memória de minha mãe que estão recebendo tudo por que pagou. tiro o meu chapéu aos dois. meu amor. — Gosto do jogo e por isso trato de executá-lo da melhor forma possível. Mostrou-se relutante em concordar com Pia de que não havia agora qualquer impedimento para que se casasse. Temos um acordo internacional. . no próximo domingo... Georg. Pia. Papa Gregório XVII. Somos por isso mais ricos ou mais pobres? Só o tempo dirá. Professora Meissner. Apresentamos a lista de políticos favoráveis de 169 . com a ajuda de quatro datilógrafas e dois tradutores. A publicação será simultânea. — Sempre fico apavorado quando vendo algo grande como este trabalho. Fico com a cabeça no laço do carrasco. Meus parabéns! Era um bom discurso de despedida e Mendelius reconheceu-o comovido. jovialmente. Carl. vão resistir bem. Quando as coisas ficarem difíceis.." Três dias depois. a fim de pegar o avião de volta a Nova York. lembrem-se de que cada entrevista na televisão representa dólares.

Os filhos voltaram no dia seguinte. continuarei a investigar em Roma. antes que os tempos tenebrosos chegassem e o mundo desmoronasse. por favor!. será que mamãe e papai podiam tentar compreender? Lotte ficou abalada. Seriam independentes e relativamente prósperos. uma tela elaborada da Place du Tertre. a fim de entregar pessoalmente uma outra cópia. Mas agora que a história está escrita e há tantas cópias em circulação. Foi Mendelius quem tentou argumentar com Katrin sobre os problemas de um casal solteiro vivendo numa terra estranha. num momento de desordem iminente. a fim de alimentar os patos e os cisnes. seremos interrogados sobre isso. apenas curioso. como medida de precaução. creio que ninguém mais poderá fazer alguma coisa. Por isso. Os dois já haviam discutido a questão do casamento. 170 . e por favor!. mas conseguiu manter a compostura.Gregório XVII. Depois. Mesmo que se apoderassem de todas as outras. Mais cedo ou mais tarde. Ela própria seria contratada por uma firma alemã de importações sediada na capital francesa.. Chegou pela manhã. a notícia ainda seria divulgada. Detesto deixar as coisas meio soltas. de certa forma. quando voltar a Roma. Anneliese foi cuidar de suas consultas na clínica. Lotte estava impaciente em arrumar a casa... os argumentos careciam de convicção. houve um alvoroço de despedidas e o inevitável anticlímax. telefono-lhe imediatamente. Queria que ela desfrutasse os momentos de felicidade que pudesse encontrar. O mais estúpido dos espiões já disporia de tempo suficiente para me localizar aqui. Não estou preocupado. Estou despachando Pia para Roma. Presenteou a mãe com uma echarpe das mais caras e Mendelius com o prometido quadro de Franz. ele estava contente por ver a filha afastada da ameaça que pairava sobre todos em Tübingen. ela respirou fundo e deu a grande noticia. — É o que também estou querendo descobrir. Mendelius deu uma olhada em seu gabinete todo desarrumado e optou por dar um passeio pelo Jardim Botânico. Ela e Franz haviam decidido viver em Paris. se descobrir alguma novidade. E.. E ambos concordavam que seria mais sensato esperar um pouco. No fundo. a fim de deixá-la impecável para o retorno da prole. Franz fora contratado por um dos mais conhecidos marchands de Paris. Depois disso. Contudo. — Estou mais interessado em saber se você continuará sob vigilância. Mas não oferecemos quaisquer conclusões objetivas sobre as duas coisas. Katrin estava transbordando de felicidade.

embora não se atrevessem a exprimi-lo em palavras. melhor — comentou Mendelius. Trate de enxugar os olhos agora. — Nós dois podemos cuidar um do outro. assim. enquanto Katrin arrumava suas coisas no quarto. Quando Johann chegou. A catarata fica aqui. Mendelius deixou-o falar por algum tempo e depois apresentou sua indagação bruscamente: 171 ... e Paris parece tão longe! — Neste momento. Mendelius esforçou-se em confortá-la.Ao final. — Mas ela é tão nova. no final de uma antiga trilha de lenhadores. Mas.. caso alguma coisa saísse errada. Estou contente por vê-la ainda livre. É um desfiladeiro comprido e estreito. pelo menos a família se manterá unida e ela recorrerá a nós num momento de crise. com muitas passagens naturais que não exploramos.. numa situação insatisfatória.. Sei que você adoraria um casamento com Katrin toda de branco e um neto um ano depois. Carl. porque não somos experientes nisso e não dispúnhamos dos equipamentos apropriados. mas a última coisa de que eu gostaria é que nossos filhos sejam seqüestrados como reféns. Lotte chorou baixinho. Mendelius forneceria os recursos necessários para sustentá-la.. mas devem ser bem cuidados. já estavam todos calmos novamente e prontos para se interessarem por seu relato sobre o refúgio alpino. liebchen. os melhores termos que se podia encontrar para manter a família unida. Todos os três estavam conscientes. E estou contente também por dispormos agora de dinheiro suficiente para torná-la independente. ficou combinado que Lotte a acompanharia a Paris. e à esquerda está a entrada da antiga mina. a fim de ajudá-la a encontrar um bom apartamento e se instalar. que dá para aquele estranho vale. Mas confesso que isso não me agradaria. que tem quase um quilômetro de comprimento.. Depois. Johann mostrou-lhe as fotografias e discorreu com o maior entusiasmo sobre as possibilidades de desenvolvimento. amargamente. que parece ter sido aberto a golpes de machado no alto das montanhas.. meio sem jeito: — Sei que está desapontada. quanto mais longe.. deixando que o fermento de antigas devoções continuasse a agir. Katrin precisa de você tanto quanto você precisa dela. Os bosques estão repletos de veados. desconsolada. As campinas ao redor do lago possuem a terra mais fértil que se pode imaginar. que era no fundo uma conversa fria sobre sobrevivência. Suba e converse com ela.. — A entrada do vale fica quase escondida.

sombriamente.— Ainda está interessado em adquirir o vale e desenvolvê-lo? — Se estou interessado? Mas claro que estou! Só que custaria muito dinheiro para aprontar tudo. então não haverá qualquer futuro para discutirmos — comentou Johann. fazendo poucas perguntas. Mamãe pode ir para lá. Mas é uma boa perspectiva. Mas sei que não podemos contar com tanto dinheiro assim. além de uma propriedade produtiva... papai. — Vamos supor que fosse possível levantar o dinheiro.. Mas há algumas coisas que estão além do nosso controle. ocultando seus sentimentos. — Pode haver. Você e Katrin estarão sujeitos à convocação para o serviço militar em setembro. assim como Katrin e Franz. com um humor desolado. O que você faria? Johann pensou por um momento na pergunta e depois respondeu com outra: — Será que perdi alguma coisa enquanto estava viajando? — Perdeu e muito — disse-lhe Katrin. obras de engenharia e até mesmo culturas alpinas. Portanto. se você está mesmo interessado em tornar-se um agricultor alpino — disse Mendelius... Mesmo que arrendássemos a propriedade. — Os camponeses e proprietários rurais ficam normalmente isentos do serviço militar.. Johann escutou atentamente. É preciso gente para cuidar das plantações e das construções. ganhei muito dinheiro. Vamos mesmo precisar de gente para trabalhar. — Para não falar no custo das instalações necessárias. ainda precisaríamos de cerca de 300 mil marcos para deixar o vale em condições mínimas de funcionamento. Fiz alguns cálculos. — Se formos convocados e a guerra estourar. Podemos muito bem estar em guerra nos próximos 12 meses. É melhor contarlhe tudo desde o início. — É um preço infernal para se pagar por um abrigo contra bombas — comentou Johann. poderemos pensar agora mais livremente sobre o nosso futuro imediato. como sempre acontecia. tristemente. Comece a cuidar de tudo imediatamente. Precisa-se de assessoria especializada sobre encanamentos. o melhor é fazê-lo agora. Mendelius chegou finalmente ao post-scriptum de seu relato: — Em decorrência do que escrevi a respeito da abdicação de Gregório XVII. Se está mesmo ansioso em adquirir a propriedade na Baviera. Mendelius contou. pensativo. Pode tornar-se um refúgio. — Nossos pais se meteram em algumas situações das mais explosivas. Lotte interveio na conversa: 172 .

incisivamente: — Parece-me que tudo isso está baseado na convicção de que a é inevitável. Preciso acertar algumas coisas com o seu Franz. Segundo a visão de Jean Marie. E quero também conversar com você. tudo o que vejo e ouço parece confirmar que as nações estão propensas a uma confrontação por causa de combustível e outros recursos.. filho. E queremos oferecer-lhes toda a liberdade de decidir o que farão com suas próprias vidas. Por isso é que acho melhor nos dispersarmos por algum tempo. Sou muito grato por sua oferta. papai. Carl. Sendo assim. Isso pode esperar.. estarei na mira dos serviços de segurança. — E você. — E acredita realmente que a humanidade vai cometer essa monstruosidade? — A humanidade terá muito pouco a fazer ou dizer na questão. Se Katrin tem idade suficiente para arrumar um amante em vez de um marido. Foi por isso que me descobri a divergir dele em Roma. preferia que se afastasse da universidade por algum tempo. Enquanto permanecermos juntos em Tübingen. a guerra já está determinada em nossos futuros. como se os dois não existissem. filho. o que posso dizer a meus filhos adultos? Sua mãe e eu já vivemos a maior parte de nossas vidas. Nós dois ficaremos aqui. — Para ser franco. Não podemos simplesmente sair por aí a cuidar de nossas vidas. — Exatamente. papai? — Há pessoas que estão querendo matar-me. Já me recusei. também ficará afastado... E Johann pode tomar as suas próprias decisões. Isso significa que. — Mendelius estava subitamente ansioso em persuadir o filho. pai? Quem vai cuidar de você? — Eu cuidarei — declarou Lotte. se eu sobreviver aos assassinos. mas quero pensar a respeito com todo cuidado.. também tem para encontrar e mobiliar sozinha o seu apartamento.. a guerra global.— Diga-lhe o outro problema. Sua mãe vai para Paris. Se aceitar minha oferta em relação a seu vale. Por outro lado. Johann disse. a fim de ajudar Katrin a se instalar. — Que outro problema. que o risco de conflito se torna maior a cada dia que passa. — Mudei de idéia sobre a viagem a Paris. — As coisas vão ficar muito difíceis. Vão exigir que os professores forneçam informações. — Vocês fazem parte de nossas vidas. Há um movimento para se fazerem dossiês de segurança de todos os estudantes. estaremos todos correndo perigo. Carl. 173 . irmãzinha. mais cedo ou mais tarde.

— Franz é um assunto exclusivamente meu. O manual que a polícia nos deu é muito bom.. O que me lembra de uma coisa. — Comentei que o conhecia e à sua família. Alvin. vamos proteger-nos mutuamente.. — Katrin assumiu prontamente uma atitude defensiva. mas é melhor do que acionar uma bomba que explodirá em sua cara. ele mostrava as gravuras a Lotte e ao resto da família. — São ótimas. e vocês também.. Enquanto Mendelius lhe servia um drinque... se pudéssemos recrutar uma espécie de guarda para papai e mamãe entre os estudantes. — Mas quero que Franz saiba em que se está metendo.. Estive numa festa ontem à noite em homenagem ao grupo de mímica. Não posso admitir uma coisa dessas. e do que terá de partilhar como responsabilidade de família. Estou ficando muito velho para sair caçando por aí. A campainha da porta tocou.. — Isso representaria uma vitória imediata do terrorista. chame imediatamente a Kriminalamt e peça que mandem um perito em bombas.. — Deve sentir-se muito contente de sua família.. é importante e poderoso. calmamente. alguém a ser temido. Seria ótimo. Alvin Dolman viera entregar as gravuras emolduradas.. Mendelius recitou as instruções: — Sempre use o olho mágico. Mendelius foi atender. Todos pareciam estar a 174 . com o maior orgulho. Disseram-me que fizeram uma apresentação para você e um jornalista no Hölderlinhaus. — De jeito nenhum! — Mendelius foi categórico. — Não quero uma briga entre vocês. Portanto. não é mesmo? Apareceu ontem um camarada em meu estúdio que ofereceu três vezes mais do que me pagou. Professor. Pode sentir-se um tolo se o pacote for inofensivo. O visitante e seu embrulho eram perfeitamente inofensivos. Ele afetou as nossas vidas. Eu bem que gostaria de ter uma igual. Se receber um embrulho que não está esperando ou uma carta excepcionalmente volumosa. Johann seguiu-o. Quero que vocês leiam com atenção e. bem que estou precisando. Seu nome foi mencionado. Professor. enquanto estiverem aqui. obrigou-nos a adotar precauções públicas. Mas é que eu lhe concedo o tratamento de nação favorecida! — Com esta família. Se não puder identificar o visitante... não tire a corrente de segurança quando abrir a porta. por exemplo. Sua mãe e eu. — Foi uma noite comprida e agradável. — Não haverá briga nenhuma — afirmou Johann.

Apesar de sua preocupação. Alvin. 175 . — É muito estranho. O brilho libidinoso nos olhos de Alvin Dolman era de fato cômico. até voltar aos Estados Unidos. Essa moça pode ser um deles. Alvin. que tipo de homem é. E sabemos que os terroristas têm agentes a me vigiarem e à minha família aqui em Tübingen. E gostaria de continuar assim. — E que tipo de perguntas? — O nome dela é Alicia Benedictus. — Essa não! — A situação não me agrada. Se ela trabalha mesmo para o Tagblatt. Depois. tem à sua disposição uma pasta de arquivo com todas essas informações. Pensei apenas que estaria interessado em saber que alguém está escrevendo uma reportagem a seu respeito. — Estou muito interessado no assunto.. Trabalha para o Schwabisches Tagblatt. Dolman ficou boquiaberto. — Que garota? — Mendelius franziu o rosto. Vamos ligar para o jornal agora mesmo.. Alvin. — A polícia? Essa não. Disse que estava escrevendo um perfil seu para o jornal. — Mas por quê? — Dolman estava completamente aturdido. — Ela lhe mostrou alguma identificação? — Por que deveria? Éramos ambos convidados à mesma festa. — Foi apenas uma conversa inconseqüente numa festa. qual a sua reputação na cidade. Ninguém jamais fora designado para fazer uma reportagem sobre Carl Mendelius.. O telefonema foi breve e a resposta negativa. Professor! Levo uma vida das mais tranqüilas aqui. Acho melhor sindicá-la.par de sua aventura em Roma... Por que precisa chamar a polícia? — Porque fui jurado de morte. Nenhuma moça chamada Alicia Benedictus trabalhava no Jornal.. Mendelius repetiu a pergunta: — Que espécie de perguntas ela lhe fez? — As coisas de sempre. Aceitei o que ela parecia. Dolman e sua família observavam. Mendelius folheou a lista telefônica e depois fez a ligação. Mendelius não pôde deixar de rir. Ele vai querer certamente conversar com nós dois. no Kriminalamt. Vou telefonar para o Inspetor Dieter Lorenz. quem são os seus maiores amigos. Fui testemunha-chave de um atentado em Roma. a garota abordou-me e começou a fazer perguntas. e posso acrescentar que parecia muito bem. Mendelius desligou e transmitiu a notícia.

Não seria estranho se tivesse sido feito por Alvin 176 . — Lorenz foi bastante franco. — E provavelmente é — concordou Lorenz. Ou receber mercadorias roubadas. — Mas ele é um desses personagens que sempre incomodam um policial numa cidade provinciana como esta.. a fim de beber um pouco de vinho e conversar. E como é tão popular. Já nos encontramos para tomar drinques muitas vezes. Dolman é um artista. podemos encontrá-lo nos bares e nas boates mais exuberantes freqüentadas pelos estudantes. Mas esse tipo é diferente. Quando se sente entediado. Lorez submeteu Dolman a um interrogatório prolongado. neste negócio. e ainda por cima em Tübingen! Está certo. no Landeskriminalamt. pacientemente. Em seguida. Além do mais. Mas há anos que o conheço. mas não tem a menor possibilidade de construir uma reputação ou fazer fortuna. depois o acomodou numa pequena sala.Alvin Dolman sacudiu a cabeça. — Mas às vezes. Não dá para entender porque ele continua aqui. vamos chamar a polícia e acabar logo com isso.. Podemos lidar com um criminoso. Encontramos um desenho seu no bolso de um morto. Acho-o um brincalhão simpático. Podemos deportar um operário estrangeiro que se mete em alguma encrenca. — Quem poderia imaginar uma coisa dessas? Eles estão atirando agora em professores universitários. estavam seguindo Georg Rainer. Mas tenho de admitir a possibilidade de ele estar a vigiá-lo para o grupo que deseja liquidá-lo ou então ligado às pessoas misteriosas que. Apareço de vez em quando em seu estúdio. Até agora. mas raramente para jantar. Mas por que pergunta? Tem alguma coisa contra ele? — Nada. Está divorciado de uma moça local. como haxixe ou heroína. é um tipo depravado. voltando à sua sala. Ele é americano. Lorenz perguntou a Mendelius: — Até que ponto conhece esse Dolman? Mendelius deu de ombros. um bloco de desenho e instruções para produzir o retrato mais parecido possível com a moça que dizia chamar-se Alicia Benedictus. Costumo comprar gravuras dele. ele está limpo. eles estavam na sala de Dieter Lorenz. deparamos com as surpresas mais desagradáveis. Professor. — Parece-me um tanto forçado. — Não muito. As festas que promove em sua casa são sempre barulhentas e recebemos muitas queixas dos vizinhos. Quinze minutos depois. Ganha bem.. um pouco arruaceiro e um tremendo gastador. segundo me disse. com uma xícara de café.. como se tivesse tentando livrar-se de teias de aranha. não podemos deixar de imaginar que talvez tenha alguma atividade paralela.

Professor. e tenho certeza de que Lorenz é inteligente o bastante para percebê-lo. Professor. ele está fazendo outro desenho agora. Sempre fui... Seria muito instrutivo comparar os dois. aqui entre nós... vai empenhar-se em colaborar. Conheço uma garota que sempre mantém uma garrafa de conhaque preparada para Alvin Dolman! Ele se afastou. esbarrando beligerantemente nos transeuntes. Não posso continuar a ser amigo de Dolman sem transmitir-lhe o que acaba de me dizer. Conheço muito bem as pessoas como Lorenz. Inspetor. Se ele é inocente. Vá para casa agora. ao invés de chutá-lo nos dentes. — Lorenz parecia um pouco surpreso. Em tudo e por tudo. Sou um aproveitador. atravessando a ponte. Seja como for. O que ele presume é que posso tropeçar com informações úteis.. Se ele é culpado. Professor. desde os tempos no Exército. Sou rigorosamente um solitário. este foi um dia horrível. meu caro Professor. — É sempre impossível o que acontece todos os dias. Ao deixarem a delegacia e voltarem a pé para casa. Não gosto é das pessoas com quem tenho de jogar. Contudo. E agora peço que me dê licença por um momento.. Acho que vou começar a fazer as malas muito em breve. então ficará apreensivo e começará a cometer erros. — Não me importo que lhe diga. não tenho o menor interesse em vê-lo liquidado. A única coisa que me surpreende é quando alguém larga uma moeda no chapéu de um cego.. já que estou sempre circulando e me encontrando com gente estranha. Mendelius 177 . um homem grandalhão e agressivo. até ajuda. Professor.. — Nunca se cansa desse tipo de jogo. Esta já foi uma cidadezinha simpática e aconchegante. pela noite quente de verão.. E também não tenho nenhuma ligação com qualquer grupo. Professor. E agora? Não estou mais gostando. Dolman parecia filosófico em relação a sua situação. Inspetor? — Gosto dele. já que é você o envolvido. Estou disposto a cooperar. — Não precisa preocupar-se. Podia-se ficar envolto por ela como se fosse massa de strudel. que foi justamente o que Alicia Benedictus tentou fazer comigo. Mendelius sentia-se agora impaciente e irritado. Vou verificar como Dolman se está saindo com sua obra de arte. E também não gosto de bancar o otário. — Ao contrário.... E possui muitos contatos úteis na cidade. — Está deixando-me numa situação insustentável.Dolman? — Mas é impossível! Há anos que conheço o homem! Lorenz deu de ombros. Afastou as desculpas de Mendelius com um humor cansado.

mas não conseguia fazer com que nenhuma delas pousasse em sua mão. As crianças riram excitadas por seu triunfo. Uma menina pegou a mão de Mendelius e disse-lhe: — Eu já sabia antes. E a família precisava de privacidade para discutir as propostas radicais que ele apresentara.. Era uma cena cativante. Enquanto se abaixava para falar com a menina. depois atraídas a participarem do espetáculo de mímica. A audiência não pôde conter o riso quando percebeu que o alvo da brincadeira era um homem de meia-idade. mesuras e gestos. o jovem cadavérico levou-os em fila indiana para examinarem a estranha criatura. os garotos de olhos arregalados e aturdidos. um porco? Não.. Depois dos debates sombrios e grandiosos em que estivera empenhado. apoiada numa perna só e olhando através do bico comprido. Precisava de tempo e tranqüilidade para pôr seus pensamentos em ordem. liebchen. Enquanto os atores e as crianças o cercavam. os habitantes de Tübingen estavam tomando sol nos gramados. mas muito cautelosamente..seguiu pelo caminho que levava ao parque. Ele convocou os outros atores e as crianças. resolveu aderir à brincadeira. Levando um dedo aos lábios. como outrora fazia nas brincadeiras de adivinhação com os filhos. Seria um cachorro? Não. Era um dia quente e bonito. O palhaço notou a presença dele e pouco depois pôs-se a contar uma nova história.. andando na ponta dos pés. — Sei disso. Mendelius pensou 178 . O palhaço e sua troupe agradeceram em mímica. depois de um momento de incerteza. um tanto gordo. Inconscientemente. Um tigre. um elefante. que zombavam dos esforços dele para pegá-las. fascinado pela reação das crianças. Finalmente. ele retribuiu aos gestos e trejeitos. totalmente absorvidos na história de um palhaço triste que soltava lindas bolhas de sabão.. aquela experiência simples proporcionava-lhe uma estranha alegria. ele se descobriu a imitar os trejeitos. tímidas a princípio.. Mendelius sentou-se na grama e ficou observando a pequena e inocente encenação. Juro que já sabia que você era uma cegonha. transmitindo-lhes a informação de que uma nova e estranha criatura se aproximara. Um coelho? Não. A audiência aplaudiu. revelou-se como uma imensa cegonha. Então deviam examiná-la. Ainda não estava com vontade de voltar para casa. uma pequena multidão se concentrara. Mendelius. sempre por mímica. O resto da troupe representava as bolas. a fim de observar o grupo teatral trabalhando com um bando de crianças. O palhaço era o mesmo jovem cadavérico que fizera uma apresentação particular no Hõlderlinhaus. À beira do lago.

papai.. Franz ainda é muito inseguro. para ficar isento do destino que aguarda toda a minha geração. Franz e eu precisamos melhorar nosso relacionamento... mas também não me sinto especial o bastante para. — Por algum motivo especial? — Apenas um. Apesar do sucesso na galeria. além de amantes. — Mas Franz quer casar-se com você — protestou Lotte. e assegurar que ele é um gênio. Katrin e Johann dominaram a conversa. com uma terrível pontada de desespero.. Não quero esse papel.. irmãzinha? — perguntou Johann. ensinando uma lição inesperada aos pais.. sempre me saio melhor quando não há ninguém me segurando a mão.. — Neste caso. e eu também tenho de encontrar-me em algumas coisas. Franz tem de aprender que somos parceiros. alguém para fazê-lo sentir-se seguro e bem-alimentado. porém. graças a papai. vai além do que quero ou preciso. Não quero ser convocado para bucha de canhão. Sei que não estou explicando muito bem. ao jantar. Johann? Já pensou na proposta que lhe fiz? — Pensei muito. que ela teria uma aparência muito diferente depois do primeiro impacto de radiação ou de uma infecção letal de antraz. Encaro-a como uma vasta e horrível inutilidade. neste caso. e também não quero que ele fique preso em sua dependência.. e infelizmente acho que a idéia não vai certo para mim... — Foi mamãe quem disse. pois conto com segurança financeira.. Está oferecendo-se para resolver um problema meu Mas eu é que tenho de resolver tudo sozinho. Naquela noite. Mas o que ele está querendo é uma Hausfrau. meu caro irmão... sorrindo. O argumento de Katrin foi muito simples.. ora. Se tenho idade suficiente para viver com um homem. antes de podermos pensar em casamento.subitamente. — E o que vai acontecer se ele não aprender tão depressa quanto você gostaria. Tenho de continuar junto dos que são iguais a mim. tratarei de encontrar outro! Lotte e Mendelius trocaram o olhar pesaroso de pais que se descobrem completamente superados numa discussão. Só que. — Ele me contou que a pediu diversas vezes. também tenho para cuidar de meus próprios problemas. — Sei disso. 179 . Detesto a idéia de guerra. Agradeço a sua preocupação por mim. Quanto ao resto. Tenho sorte. Mendelius perguntou: — E você. pelo menos por tempo suficiente para determinar qual é o meu lugar.

Quando uma pessoa fica segura demais. gostaria de fundar uma academia para estudos de pós-graduação. — Mas tenho o terrível pressentimento de que a vida não vai transcorrer exatamente da maneira como se espera. — Gostaria de conversar com um bom arquiteto. — Vivo dizendo a Franz que todo mundo precisa estar sempre se arriscando a alguma coisa. Mas eu gostaria de fazer uma pergunta a toda a minha família. O melhor presente que podemos dar-lhe é a liberdade e a consciência para usá-la. — Se eu puder ajudar na instituição da academia. Gostaria que me acompanhasse. conte comigo. Quero que iniciem imediatamente as negociações com a Gräfin. um tipo especial de homem.. — Mendelius mal conseguia disfarçar sua emoção. Era quase como se ela esperasse que os filhos fossem 180 . Se ele quiser tentar. Katrin e eu também temos coisas a fazer.. ainda acredito que podemos influenciar o curso dos eventos humanos.. — Quando se aposentar. — Provavelmente não. um lugar em que velhos professores e estudiosos possam encontrar-se e partilhar o que aprenderam ao longo da vida. pai. — Johann olhava para Mendelius com um novo respeito.. Vá sozinho com Johann desta vez. — Todos estamos sendo muito calmos e lógicos — disse Lotte. — Katrin estava transbordando de entusiasmo. Johann. — Acho uma idéia maravilhosa.. interessado na integração com o ambiente... — Seu pai também tem um sonho. sempre poderá optar por uma aposentadoria prematura.. — O suficiente e a tempo de evitar uma guerra? Havia uma insinuação de desespero intenso e oculto na pergunta de Lotte. então vou apoiá-lo no que for preciso. — Não podem imaginar como a idéia me atrai. — Gostaria de ir também. Apesar das profecias de Jean Marie. Alguém se opõe a que eu compre o vale? — Para que o usaria? Johann fitava-o com uma expressão espantada. liebchen. Carl. acaba tornando-se sufocada e rançosa.. — Lotte inclinou-se para tocar a mão de Mendelius. — Tem o meu apoio.— Fico contente que tenha sido franco conosco. — Vou conversar com os meus advogados amanhã de manhã. Lotte? — Só depois.. abruptamente. E se a situação ficar muito difícil aqui na universidade. E na semana que vem irei conhecer o vale. — Com o maior prazer.. — Mendelius expôs seu plano. — Não queremos dominar a sua vida. filho.. Mas temos de manter as esperanças e agir como se fosse.

Era Georg Rainer. Decidimos ficar noivos. Jamais subestime a difusão até mesmo da notícia mais simples. — Ah.. Agora. Ou pelo menos Pia decidiu e dei o meu relutante consentimento.. ligando de Berlim: — Carl? Acho que consegui entender os nossos espiões amadores. — Meus parabéns! — Preferia ser pobre e livre.. Georg? — Todos estão excitados.. Fui informado de que o texto do Vaticano será distribuído à imprensa secular na tarde de segunda-feira. não tenho mais certeza. Georg. — Todos os líderes tomarão conhecimento — insistiu Mendelius. Eu lhe telefonarei de lá. Haverá um comunicado formal.. 181 . Creio que a vigilância foi instituída apenas para confirmar esse fato.. — E as minhas para Pia. — Uma ova que preferia! Obrigado por telefonar. Mas há uma coisa interessante. — E como estão formulando as apostas? — Quem ficará em situação melhor nas pesquisas de popularidade. Mendelius lançou-lhe um olhar rápido e preocupado e disse. Estarei de volta a Roma na manhã de segundafeira. o suficiente e a tempo. Eu lhe telefonarei se houver alguma coisa que afete nossa posição. com mais confiança do que sentia: — Isso mesmo. — Mas metade do mundo jamais saberá do que você escreveu. eu já ia esquecendo. papai! — protestou Johann. E evidente agora que Monsenhor Logue passou adiante a informação de que eu estava trabalhando na história. por que não tiramos a mesa e cuidamos logo de lavar e arrumar tudo? Vão apresentar A Flauta Mágica na televisão. E agora o Vaticano decidiu divulgar a sua própria versão da abdicação.bruscamente arrebatados da mesa de jantar. a ser publicado na edição da próxima terça-feira do Osservatore Romano.. Tem havido muitas apostas sobre a reação que teremos do público. Sua mãe e eu gostaríamos de assistir. — O que seus editores estão achando da nossa história. — Todos os serviços de informações vão ler e avaliar o material. O telefone tocou no meio da apresentação. Isso significa que sairemos na frente e haverá muitas brigas e censuras por causa do erro de cálculo.. Tenho até a esperança de que a publicação de nossa história no domingo mobilize a atenção mundial para a urgência de novas iniciativas pela paz. com cerca de 3 mil palavras. quanto menos não fosse para arrancar Lotte da depressão em que ela mergulhara. o Vaticano ou o antigo Papa? Escutando as conversas na redação. Dê lembranças a Lotte.

Se mostraram alguma tendência a exagerar a importância de uma abdicação papal na História do século XX. O Times de Londres fez a análise mais criteriosa. O que eles não exageraram. escreveram um relato honesto. cada um em sua esfera. com muita coisa de poeta. Temos de apoiar o nosso candidato até o fim! O veredicto estava definido uma semana depois. Houve uma relutante concordância de que "esclarecia muitos pontos. É também humilde o bastante para saber que as visões podem conter verdades que ignoramos no perigo. Iluminaram alguns dos atalhos mais escuros da política do Vaticano. Depõe muito a favor da sabedoria coletiva dos homens a Igreja Católica Romana o fato de estarem preparados para agir prontamente e unidos contra o que encararam como o renascimento da antiga heresia gnóstica. deixados diplomaticamente vagos no relato do Vaticano". no entanto. O relato Rainer/Mendelius sobre a abdicação foi recebido com o maior interesse pelo público e encarado com respeito pelos entendidos. O tributo que presta a seu patrono e amigo antigo revelao como um homem ardoroso e leal. Houve indagações se os autores "não teriam expandido uma crise na burocracia religiosa às dimensões de uma tragédia global''." Mendelius era um homem inteligente demais para não perceber a 182 . O professor Carl Mendelius é um estudioso sóbrio. as especulações estão baseadas na lógica. de reputação internacional. é no poder perene de uma idéia religiosa despertar as paixões dos homens e incitá-los à ação mais revolucionária. Ele é sensato o bastante para admitir que a política humana não pode ser dirigida pelas visões dos místicos.— Quer que eu faça uma aposta por você no sweepstake papal? — Dez marcos em Gregório XVII. O infortúnio de Gregório XVII parece ter sido o de escrever prematuramente o epitáfio da humanidade. deve-se dizer em sua defesa que a majestade arruinada de Roma pode enganar a imaginação mais sóbria. num artigo escrito por seu editor de assuntos católicos romanos: "Os autores. A história deles é cuidadosamente documentada. E depõe mais ainda em favor da profunda espiritualidade do papa Gregório XVII o fato de ter preferido afastar-se do cargo a dividir a assembléia dos crentes. Mas teve a sorte do memorial de seu reinado ter sido escrito com eloqüência e amor.

Mas a mais amarga de todas as ironias foi um bilhete de agradecimento que Jean Marie enviou de Monte Cassino: "Obrigado a vocês dois. — Mendelius levantou algumas folhas datilografadas e soltou uma risada. As pessoas desta família também precisam de você. pelo que tentaram fazer. Fez o melhor que podia e Jean sabe disso. Sou apenas um estudioso e não um jornalista abelhudo. vou fazer-lhe uma. — Já preparou todo o material? — A maior parte. — Este é o primeiro tema para o período. Espero que gaste alguma coisa com Lotte e as crianças. não deve falar como se tudo estivesse perdido. meu amor. Assim. Agora. do fundo do meu coração. Sempre seu em Jesus Cristo. Quanto ao dinheiro. não desejo absolutamente nada. sob a qual estavam enterrados para sempre os derradeiros vestígios da influência e poder que Jean Marie poderia ter exercido.. Carl. . Teremos uma grande temporada de comentários na cidade quando Katrin partir para 183 . desmanchou-os cabelos e murmurou: — Deixe como está por enquanto. Com a ajuda de Georg Rainer. Sinto-me contente porque as aulas recomeçam amanhã.. vai germinar quando chegar o momento apropriado. lendo o bilhete por cima do ombro do marido. liebchen. A verdade foi contada com compreensão e compaixão. Mantenha a calma. — Mendelius pegou as mãos da mulher e puxou-a para sua frente. — Já me intrometi demais no mundo dos grandes acontecimentos. erguera um monumento a um velho amigo. a semente. Dê uma olhada no título: "A Natureza da Profecia"! — Por falar em profecia. espalhada ao vento. o capítulo pode ser encerrado e o trabalho da Igreja prosseguir.. Era condizente que seu empenho o tivesse transformado num milionário e lhe desse uma reputação muito além dos méritos de seus estudos. Nenhum homem poderia ter servido melhor ao novo Pontífice e suas políticas. meu querido amigo. Jean Marie" Lotte. Nenhum homem poderia ter melhores defensores ou amigos mais generosos. Mas o monumento era uma lápide.ironia da situação. O fermento está fazendo efeito na massa. continue aguardando as palavras e o sinal. — E eu também preciso de você..

184 . Como vamos enfrentá-los? — Diga às velhas comadres para se jogarem no Neckar! — respondeu Mendelius. De lá era uma caminhada de apenas dois quarteirões até o Ilustre Colégio. Os dizeres pareciam um tanto ameaçadores: "Particular e Confidencial — Urgente —Entregar por Mensageiro. De qualquer forma. cheirando a cera. sorrindo. A programação do período estava pregada em sua estante de correspondência.. ele queria exibir uma flor na lapela. Ele abriu a pasta. Sua bata estava pendurada atrás da porta. sob as armas do Duque Christoph e seu lema: "NACH COTTES WILLEN". Conforme a Vontade de Deus.. Lotte lembrou-lhe a advertência da polícia para variar o percurso e o comportamento. com todas as ordens por escrito. verificou as anotações para as aulas do dia. onde comprava uma flor para a lapela com a personagem mais antiga da praça. A correspondência estava empilhada na mesa. ele estava na sala de aula. Antes de sair de casa. com o lacre do reitor. graças aos cuidados da zeladora. naquela primeira segunda-feira do período. depois subiu para sua sala. com suas anotações devidamente ordenadas. descia a Kirchgasse até o mercado. Ia direto para a sua sala e passava meia hora conferindo as suas anotações e examinando a pilha de correspondência que chegava diariamente da administração da universidade. Exatamente às nove e meia. quase de libertação. impacientemente. — Quase todas renunciaram à sua virgindade em barcos escondidos sob os salgueiros! Todos os dias. A última coisa que queria era ficar perturbado com alguma coisa antes da primeira aula do período. Tinha três percursos para escolher e as aulas sempre começavam às nove e meia. Desde a reunião dos professores que o reitor vinha mantendo-se deliberadamente calado em relação a todos os assuntos controvertidos. no qual sempre entrava pelo portão sul. Carl Mendelius saía de casa às oito e meia da manhã. Não havia muitas variações a fazer. Mendelius hesitou em abrir o envelope. Mendelius experimentou uma súbita sensação de alívio.Paris com Franz. pelo menos naquela primeira manhã. uma avó de língua solta de Bebenhausen. Aquele era o seu território. durante as aulas. Lotte beijou-o e acompanhou-o até a porta. depois se concentrou na correspondência. Podia percorrê-lo com os olhos vendados. A maior parte era material de rotina. Ele passou 10 minutos conversando com o diretor do Colégio. Mendelius deu de ombros. O ritual da chegada foi cumprido sem qualquer incidente. Mas havia um envelope grosso. que estava impecavelmente arrumada. Não era absolutamente impossível que ele quisesse agora encenar um simulacro de batalha.

encontraram-no caído no chão.Finalmente. a mão esfacelada e o rosto todo ensangüentado. ele enfiou uma espátula sob a aba do envelope. Quando seus alunos aproximaram-se correndo. depois da explosão. 185 . envergonhado de sua covardia.

endireitai as Suas trilhas.'' .LIVRO DOIS "Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor.

.

. — Não vou interferir com a decisão de seu Abade. — Por que tem medo de mim. — Está bem! — Sua Santidade era um burocrata por demais calejado para gostar de uma confrontação. é mais fácil livrar-se de reis supérfluos do que de Papas na mesma situação. Mas quero lembrar-lhe que não tem qualquer missão canônica. Fizemos um acordo por ocasião da sua abdicação.. em seu áspero sotaque emiliano: — Francamente. Santidade? 188 . Santidade. — Não houve qualquer acordo. está sendo um grande estorvo para mim.. E anunciou. mas é claro que não está proibido da celebração da Missa ou dos Sacramentos. fazer uma visita a Carl Mendelius e sua família. ajeitou o pé com gota no banquinho por baixo da mesa e contemplou o visitante como uma águia velha e mal-humorada. bruscamente. Está expressamente proibido de pregações públicas e de ensinar. em caridade.CAPÍTULO 8 Sua Santidade o Papa Leão XIV recostou o corpo volumoso na cadeira. Pode morrer a qualquer momento. E gosto ainda menos da idéia de você desfilar pelo mundo como algum intelectual jesuíta. Coloquei-me voluntariamente na situação de obediência ao Abade Andrew. Assinei o instrumento de abdicação sob coação.. assentindo. meu amigo. — Infelizmente. e ele me disse que devo. Sua atribuição de ordenar clérigos está suspensa. Jean Marie Barette permitiu-se um sorriso frio. — Não me agrada a idéia de sua visita a Tübingen. — Permita uma correção — disse Jean Marie. Mendelius está gravemente doente.

e pode estar certo de que não tenho o menor desejo de fazê-lo. quaisquer que sejam as preocupações. Limpou a garganta ruidosamente e enxugou o rosto com um lenço de seda. — Deve compreender que estou reduzido à impotência no que se refere à minha vocação apostólica. Santidade? Certamente se sentiria mais constrangido em manter-me prisioneiro de minha própria palavra em Monte Cassino.. — Está censurando-me? Em minha própria casa? — Também já vivi aqui. além de qualquer infâmia. mais urgentes. viajar livremente e exercer minhas funções sacerdotais em particular. Nunca me senti como um dono.. 189 . como os acontecimentos comprovaram. — Vamos tratar logo do propósito desta visita. inquieto. Pensaram estar defendendo-me. em vez de ser uma ameaça ou um estorvo. só conseguiria bancar o idiota publicamente. mas apenas como um inquilino.. — Qual é o motivo para a demora? — Temos outras preocupações. o que de fato eu era. — Toda essa situação é uma terrível confusão! Sua Santidade estremeceu ao mover o pé dolorido no banquinho. Rainer e Mendelius publicaram um relato honesto da abdicação..— Medo? Não diga bobagem! — Então por que nunca se ofereceu para devolver-me as funções do meu bispado e do meu sacerdócio? — Porque assim parecia mais conveniente. — Não posso dizer-lhe isso. ninguém está dispensado da justiça natural. como sempre. — Impossível! — Qual é a alternativa. para o bem da Igreja. Mas qual foi o resultado concreto? Tudo acabou sendo favorável à Igreja. posso ser-lhe extremamente útil? — Não pode ser-me útil propagando essas idéias lunáticas sobre os Últimos Dias e o Segundo Advento! — Será que continuam a parecer-lhe tão lunáticas assim do lugar em que está sentado agora? Sua Santidade remexeu-se na cadeira.. E está sentado agora na Cadeira de Pedro. — Com o devido respeito. Ainda não se tomou qualquer decisão. Creio que tenho o direito de saber quando e em que circunstâncias minhas atribuições possam ser restauradas e me confiada uma missão canônica. Será que não pode perceber que.. Santidade. Se eu tentasse mudar tal situação. O que está querendo de mim? — Dispensa para viver em estado leigo. — Estou oferecendo-lhe uma saída.

devo visitar meu amigo Carl. Acha que faz sentido? — Perfeitamente. in petto. mas não posso entregar-me a pesadelos a respeito. — O que pretende fazer? — Ainda não sei. — Como um homem sem uma missão canônica. Inconscientemente. ele caíra no formalismo antigo. — Posso garantir-lhe que não terá motivos para se arrepender. — O sorriso dele era franco como o de uma criança. Mas tenho certeza de que sua mulher apreciaria o gesto. porém. se deseja voltar à vida particular.— Admito que nos estamos encaminhando para uma situação altamente crítica.. então ambos teremos outros recursos. — Assinarei o pergamento e determinarei a meu secretário que o despache pela manhã — Obrigado.. — Isso não era necessário. Santidade. o seu pedido! Se a sua situação em Monte Cassino não é satisfatória. Santidade. não gostaria de dar a impressão que a tenho. — Acha. suavemente. Antes. Já providenciei um passaporte francês e devolvi o documento do Vaticano à Secretaria de Estado. E para retratar-se 190 . — Sua Santidade parecia estranhamente constrangido.. Ele parou de falar abruptamente. Continuo a fazer o que me cabe todos os dias e. embaraçado pelo olhar atento do homem que afastara do cargo.. — Provavelmente acabarei anunciando as boas-novas nas encruzilhadas. — Melhor assim — respondeu Jean Marie Barette.. — Então viajarei para Tübingen pela manhã. Estou presumindo que o acordo começa a vigorar agora. Onde é que estávamos mesmo? Ah. sim. — Acha que Mendelius e sua família gostariam de que eu lhes enviasse uma benção papal? — Mendelius ainda está gravemente doente. sem quaisquer documentos ou formalidades? Se não der certo. — Jean Marie mostrou-se deliberadamente grato. por que não fazemos um acordo temporário. Jean Marie nada disse. Sua Santidade finalmente recuperou a voz: — E agora vamos ver. Tenho a permissão de Vossa Santidade para retirar-me? — Pode retirar-se.. Sua Santidade sentia-se tão aliviado que podia dar-se ao luxo de ser magnânimo. — Claro.

Anton Cardeal Drexel recebeu-o para jantar e a conversa que tiveram foi muito diferente. Georg Rainer enviou por um mensageiro esta tarde. Fiquei apavorado com a possibilidade de nosso Pontífice recusar permissão. — Ele ainda não viu este material. sem a menor sombra de dúvida. talvez se nos tivéssemos conhecido melhor.da atitude desnecessária. cheio de fotografias de imprensa. nada disso precisaria acontecer. Anton. secamente. Santidade. não queria travar uma batalha neste estágio. que era o sinal e a convocação que estava esperando. meio sem jeito: — Talvez. Todas eram de Tübingen. No mercado. Carl Mendelius estaria agora gozando de saúde perfeita em sua casa! *** Naquela mesma noite.. jovens locais entravam em choque com operários turcos. Estudantes desfilavam pelo campus com faixas improvisadas: "NÃO QUEREMOS ASSASSINOS ESTRANGEIROS. devoção e tumulto. Mostravam uma cidade dominada por um fervor medieval de agitação. — Teve sorte — disse Drexel. apenas a boca e as narinas visíveis. Achava que o pai gostaria de que eu estivesse presente e a mãe suplicava-me que fosse. homens. compreendi no mesmo instante. ASSASSINOS ESTRANGEIROS! QUEM CALOU MENDELIUS? POR QUE A POLÍCIA TAMBÉM ESTÁ CALADA?" Nos setores industriais dos subúrbios. Pobre Carl! Pobre Lotte! Foi o filho quem me enviou o telegrama. Drexel pegou um envelope pardo grande. mas o sinal é sempre uma contradição: o homem em agonia suplicando para ser libertado. Na Stiftskirche e na Jakobskirche. Tendo conformado-me até agora. enquanto uma enfermeira ficava de vigília ao lado da cama e guardas armados postavam-se na porta. — Se não tivesse acontecido. todo enfaixado como uma múmia. É um pensamento terrível. Leão XIV parecia afetado por um pesar genuíno. OPERÁRIOS ESTRANGEIROS.. um político falava a uma 191 . mulheres e crianças ajoelhavam-se em oração. E disse. Mendelius era mostrado no hospital. se eu não procurasse apoio em minha solidão. levantou-se com dificuldade e estendeu a mão. Jean Marie explicou ansiosamente o que escondera tão cuidadosamente em sua entrevista com o Pontífice: — Quando soube o que aconteceu com Carl. Jean Marie inclinou-se sobre o anel que outrora usara em sua mão direita Pela primeira vez.

não é mesmo? É quase como se eles estivessem esperando por um mártir. O filho deu uma entrevista em que declarou que o pai ficaria horrorizado se soubesse o que estava acontecendo. — Drexel bateu nas fotos espalhadas sobre a mesa. mas para mim é perfeitamente natural. Anton. — . — É mais do que isso. — Jean Marie Barette estava subitamente sombrio. — É como se o mal que vive à espreita no homem tivesse encontrado subitamente um ponto de vazão nesta pequena cidade provinciana. 192 . podia-se ler um cartaz em quatro cores. em seu momento de sofrimento e angústia. desse sabá das feiticeiras! Isso é humor negro. — Manipulada por quem? — Por extremistas da esquerda e da direita.... diante de outros males que se seguirão. Contudo. E perguntou. esperando que o vento me incline em sua passagem. É a velha magia negra dos manipuladores das emoções públicas e demagogos. — Mas diante desta coisa terrível. mas sempre esperando pelo sinal. Sou como o junco pensante de Pascal. Ele me disse que a mulher de Mendelius está profundamente chocada.... E confesso que me assusta. como se alguma criatura repulsiva se tivesse encostado nele. Drexel lançou-lhe um olhar rápido e começou a guardar as fotografias de volta no envelope. Jean Marie estremeceu. O que será que a família pensa de tudo isso? — Perguntei a Georg Rainer.. sempre atento à voz que me dirá para onde devo seguir. Por trás dele. — Drexel guardou o envelope com as fotografias — . — Carl Mendelius no papel de Horst Wessel! É um pensamento horrível. torna-se o herói disso.multidão ali concentrada na hora do almoço. E manifestações similares estão sendo realizadas em outras cidades da Alemanha. Afirmou que a tragédia estava sendo manipulada para criar uma vendeta social.. São terrível e perigosamente específicas.. Sei que lhe parece estranho. Mendelius é um homem de bem.. "SE QUEREM SEGURANÇA NAS RUAS VOTEM EM MULLER!" Jean Marie examinou as fotografias em silêncio. — Não é muito específico. o que vai fazer? Não pode curvar-se a todos os ventos ou deixar qualquer grito sem resposta. Drexel comentou: — Incrível. já tem algum plano? — Pretendo visitar velhos amigos. A filha cuida dela em casa.. casualmente: — Agora que está livre e pode ser anônimo.. descobrir o que eles pensam a respeito de nosso triste mundo. Ela raramente aparece. — Mas estas fotografias.

Diga-me uma coisa. suavemente. — Obrigado. e somos também velhos demais para curá-las. como está a sua situação em termos de dinheiro? — Bastante boa. — Tenho de ir agora. Já ocupei seu tempo em demasia. um futuro visível. — Pois deveria dizer a nossos colegas.. fico perguntando-me quantos se levantarão para desafiar e confrontar o Anticristo. não é mesmo? A fé remove montanhas e diz ao aleijado: "Levanta-te e anda!" — Também precisamos de algum amor para tornar suportável as trevas. Anton. Pode parecer uma pergunta impertinente. Algum dos Amigos do Silêncio já denunciou os excessos em Tübingen e outros lugares? — Se o fizeram. a fim de atenuar a alusão.. — Havia um tom de determinação na voz de Jean Marie. — Por que não fica aqui? Tenho um quarto de sobra. E tenho de me acostumar novamente ao mundo. Isso é a base de tudo. O que realmente está pretendendo? — Luz suficiente para perceber um senso divino neste mundo enlouquecido. — Drexel deu de ombros.. "Quis sicut Deus?" Quem é igual a Deus? Apesar de todos os silogismos deles. mas a resposta é muito importante para mim. Posso querer ficar sentado até tarde na praça. E obrigado pelo interesse. voltou ao ponto de partida. — Mas também são homens prudentes. administrado por meu irmão.. — Pode perguntar. Preferem deixar as paixões arrefecerem antes de falarem. — Antes de partir. — Amém a isso! — disse Jean Marie. ainda não chegou ao nosso conhecimento. Hospedeime lá em minha primeira viagem a Roma. mas não posso aceitar.. — Onde passará esta noite? — Há uma hospedaria para peregrinos em Santa Cecília. Mas o fato é que nós dois somos muito velhos para lamentar as loucuras de nossos irmãos. — Ele 193 . conversando com os solitários. — Faça como um iluminista! — Drexel sorriu. Não pertenço mais a este lugar. certamente encontrará as palavras para eu usar. — Eles ouvirão em breve o grito de batalha do Arcanjo Miguel. — Fico contente de que os nossos colegas na Congregação não possam ouvi-lo. que é banqueiro em Paris. Só que não tem mais uma carreira.. Subiu ao ponto mais alto a que um homem se pode elevar. Agora. Anton. E fé suficiente para seguir essa luz. Jean.— Se Deus decidir tomar emprestada minha voz errante. — Está com 65 anos. Tenho um patrimônio.

acomodara-se numa rotina familiar. No Vaticano. Compreenda. A bordo. ele vai precisar de um homem forte a seu lado.. Quando os dias terríveis chegarem. foi atraído 194 . No mosteiro. estava totalmente desprovido de privilégios.. como indignidade final. A seu lado estava sentada uma mulher idosa da Renânia. Ele possa querer falar-me. Um aperto de mão. breves palavras de despedida e ele se foi. No bar. Não havia ninguém para encaminhá-lo ao balcão em que deveria pegar sua passagem para Stuttgart. por favor. Jean Marie usava trajes civis.fez pausa. Ele tem nome de leão. No Vaticano. porque provêm da mesma terra. E reze por mim. — Eu gostaria de poder acompanhá-lo." *** A viagem para Tübingen foi uma lição sobre a sua própria inadequação. Agora. Pela primeira vez em 40 anos. E quase que tenho a sensação de estar voltando para casa. Jean. Mas eu nasci sob uma estrela cadente. antes do amanhecer.. Levou meia hora para ajustar a gravata sobre a camisa leve de verão. Teve de gritar para chamar o táxi que o levaria ao aeroporto e discutir com o exuberante romano que alegava ter feito sinal primeiro. tragado pelas sombras da escada. meu velho amigo. as funções fisiológicas do Papa eram feitas numa sagrada intimidade. antes de acrescentar. — Jean Marie gesticulou na direção das luzes dos aposentos papais.. Louis Claude de Saint-Martin: "Todos os místicos falam a mesma linguagem. No banheiro do aeroporto. A partir do momento em que deixou perceber que falava alemão. A moça não tinha troco para as suas notas de valor alto e ele nunca usara um cartão de crédito em toda a sua vida clerical. O Cardeal Drexel serviu-se do resto de vinho na garrafa e ficou pensando no aforismo de outro iluminista. ele teve de entrar em fila e o bêbado ao seu lado ainda salpicou-lhe os sapatos e a perna da calça. nervosa e loquaz. mas não passa de um gatinho doméstico. teve de enfrentar uma questão de identidade. — Fique perto de nosso amigo lá em cima. Não tinha notas pequenas para a gorjeta e o motorista dispensou-o desdenhosamente. um vulto esguio e frágil. — Você foi feito para uma companhia melhor. todos os seus movimentos contavam com a ajuda necessária. E. foi empurrado e derramaram café em sua manga. o avião estava com excesso de lotação e ele teve de discutir para conseguir um lugar. com um sorriso patético: — E talvez.

Jean Marie demorou pelo menos 10 segundos para dar a resposta óbvia.. Mas está obviamente muito mutilado. — Estou aposentado.. chegando bem perto do cérebro. Ela é a amiga mais chegada de papai entre os professores. Tübingen está fervilhando de boatos.para uma torrente de conversa a que não podia escapar. Algumas penetraram num dos olhos. ele foi recebido por Johann Mendelius. como um oficial inexperiente que acabara de voltar de seu primeiro combate... Mas não se surpreenda se ela ficar muito emocionada quando o encontrar. Ela tem coragem para todos nós. Katrin e eu visitamos o hospital alternadamente. evitando todos os títulos clericais.. Chegando a Stuttgart. O tom de raiva e amargura não passou despercebido a Jean Marie 195 . — É estranho que um homem bonito assim nunca se tenha casado. ansioso em dar-lhe as boas-vindas.. conforme informou. — E o que era? Um médico? Ou um advogado? — As duas coisas — respondeu Jean Marie. E a gama de antibióticos que ele pode suportar é bastante limitada. seguindo pelo caminho mais longo para Tübingen. só podemos esperar. E tornou-se impossível desde então. mas de certa forma amargo e tenso. se tal acontecer. E ele perdeu a mão esquerda. eu era casado com minha carreira. Assim... Mamãe. Mamãe está agüentando de uma forma extraordinária.ª Meissner. mas só depois que ele estiver mais forte. — Papai ainda está em estado grave. Sabemos que ele perdeu a visão de um olho e pode perder também a do outro. O explosivo na carta-bomba estava comprimido entre folhas de alumínio e impregnado com pequenas esferas de rolamento. solenemente. Do jeito em que está a situação neste momento. completamente insuportável. Não vimos o rosto dele. Tratou Jean Marie de "senhor". Guiou com extremo cuidado pelas estradas nas colinas. — Infelizmente. a não ser a Prof. Serão necessárias outras operações. — Meu marido também se aposentou. pretendo levá-lo para bem longe. Não contamos a mais ninguém sobre a sua vinda.. E tratou de aliviar a consciência com uma lógica casuística: Fora de fato um médico de almas e havia leis suficientes no Vaticano para sufocar Justiniano. A mulher finalmente perguntou-lhe o que fazia para ganhar a vida.. Como sua mulher está aceitando sua presença em casa durante o dia inteiro? — Sou solteiro. Assim que papai se recuperar. porque algumas coisas precisavam de ser explicadas antes de chegarem. minha senhora. Há ainda uma infecção perigosa no braço e outra no olho.

com novas advertências.Barette.. Em cima de tudo isso. Pararam cerca de um quilômetro adiante. A polícia procurou-os. As manifestações não foram espontâneas. — Já ouvi falar das manifestações.. — Exaltados demais! — A resposta foi um tanto brusca. Meu pai não era mais um mero professor universitário. — Meu pai era bastante conhecido e respeitado. — Por quem? E por que motivos? — Como uma manobra de propaganda para encobrir os verdadeiros autores do atentado contra a vida de meu pai. Um desenho de meu pai foi encontrado no bolso de um homem morto numa briga de bar. Ameaçou pedir demissão se fosse algo compulsório. Georg Rainer enviou algumas fotografias ao Vaticano. antes de chegarmos a Tübingen. e não gostaria de ter qualquer surpresa. Ao contrário de seu pai. Há uma conotação política que não passou despercebida às autoridades alemães. Ao contrário. Houve manchetes e advertências: poderia haver tentativas de silenciá-lo ou represálias contra sua família. Ao que parece.. — Tudo começou em Roma. o reitor da universidade comunicou aos professores que deviam preparar-se para uma mobilização militar em grande escala.. meu pai podia ser considerado um homem perigoso. ele escreveu o relato de sua abdicação e tornou-se conhecido no mundo inteiro. Novas advertências foram feitas. tenho sido um homem sob o foco da atenção pública. Num momento em que os homens da cúpula estavam empenhados em impingir uma guerra ao público desprevenido. havia uma esplêndida cobertura para um assassinato sancionado oficialmente! 196 . firmemente — poderemos conversar sobre tudo isso.. foram organizadas de maneira sutil e cuidadosa. que deviam fornecer cientistas para as Forças Armadas e cooperar na vigilância-segurança dos estudantes. — E como ele já estava sob ameaça de um grupo subversivo. Papai e mamãe voltaram a Tübingen. E ele comentou. Por puro acaso. — Se quiser fazer a gentileza de parar na próxima área de estacionamento — disse Jean Marie Barette. Nessa ocasião. os ânimos andam muito exaltados. Mas não era um homem que atraísse a atenção pública. entre uma planície e um bosque de pinheiros. — Em tão pouco tempo? — Jean Marie estava em dúvida. mas sim uma personalidade internacional. simples e lógico. Johann Mendelius fez o seu relato sobre a tentativa de assassinato. papai foi testemunha de um atentado terrorista. Tudo isso está claro. Meu pai protestou veementemente contra tal vigilância..

Mas a bomba verdadeira era muito diferente. — Eu gostaria de poder acreditar nisso.. — Johann Mendelius fez um gesto de cansaço e desânimo.. Mas só fazem sentido no contexto desta nossa cidade. e é uma mulher de inteligência excepcional. — Você acredita em Deus? — Não. Conversou sobre essas coisas com sua mãe? — Não. foi promovido e transferido para Stuttgart... A Prof? Meissner concorda comigo.. — Isso torna a vida bastante difícil. fabricado com uma precisão de laboratório. E a simpatia dos habitantes da cidade ajuda-a a agüentar. — Quem lhe disse isso? — Dieter Lorenz. — Por exemplo? — Disse que viu as fotografias das manifestações estudantis. Dois dias depois do atentado. — Não tenho provas... aperta nossas mãos para indicar que ouviu o que falamos. — E seu pai. apresente as provas. Ela já tem coisas demais com que se preocupar. Seu verdadeiro trabalho ainda não começou. Penso às vezes que a morte seria um ato de misericórdia para ele. em tempo de guerra. As manifestações contra os operários estrangeiros podem apressar o dia em que serão recambiados de volta às suas terras ou obrigados a trabalhos forçados.. não sabe de nada? — Não temos a menor idéia do quanto ele sabe. é claro.— Exatamente. pequena e especial. — Só mais uma pergunta. um artefato altamente sofisticado. — Ele pode emitir sons de reconhecimento. E quando houve o atentado. a cidade inteira foi manipulada para o protesto. e afastado do caso! — Mais alguma coisa? — Uma porção de coisas pequenas. — Agora. Vai conhecê-la em nossa casa esta noite. — Ele vai sobreviver. Eu vi os próprios manifestantes. — Já me apresentou a hipótese — disse Jean Marie Barette calmamente. Mas isso é tudo. Os jornais publicaram um diagrama da carta-bomba. Não sou o único que pensa assim.. Ele era o contato de meu pai no Kriminalamt. 197 . Há uma possível conseqüência. senhor.. e tenho certeza de que a maioria jamais entrou numa sala de aula da universidade. mas apenas motivos para uma suspeita muito profunda. supostamente fornecido pelo departamento técnico da policia.

— Mas não de demônios e espíritos adversários. a ser verdadeira. ainda pode morrer. as feições tensas contraindo-se num sorriso. deixe-me levá-lo para casa. depois tornou a sorrir e acenou com a cabeça em concordância: — E agora. Johann repetiu diversas vezes. senhor. Seu pai está mutilado. Johann tornou a entrar com o carro na estrada... Tenho medo de nós mesmos. Johann. — Tio Jean. o rapaz relaxou. talvez até para entrar em contato com o demônio do meio-dia que veio instalar-se em sua cidade. — Não vai dar certo. com uma carga de troncos de pinheiro. homens e mulheres. Tio Jean.. — Que tal Tio Jean? Pouparia muitas explicações desnecessárias quando me apresentasse a seus amigos. numa tentativa de assassinato por agente de seu próprio país. — Não ouço falar dele desde as aulas de Bíblia. não me chame de senhor... haveria de matá-lo sem pensar duas vezes. — Para quê? 198 . — É o filho do meu amigo querido. infelizmente. tenho medo da terrível loucura destrutiva que nos domina. Por favor. Vamos almoçar cedo. Por mais brutais que os fatos possam ser. porque mamãe quer levá-lo ao hospital às três horas da tarde. — Mas não tem medo dele? — Claro que tenho medo. — Acaba de me contar uma história que. está o mais perto possível a que se pode chegar do mal puro. Mas espero que seja tempo suficiente para ser útil a seu pai e sua mãe. eu lhe mostrarei amanhã. Mamãe e papai ficariam chocados se eu o tratasse por seu nome de batismo.— Ao contrário. Pela primeira vez. não os complicamos ainda mais com ficção religiosa. ultrapassando um imenso caminhão. simplifica tudo. Meu nome é Jean Marie.. Qual é o seu remédio contra os que encaram o assassinato como um mero expediente político? — Se quer realmente saber a resposta.. eu gostaria de pedir-lhe um favor. — Pode falar.. Se eu soubesse com certeza quem fez isso com meu pai. — Demônio do meio-dia? — Johann Mendelius exibiu um sorriso tolerante. Ele sacudiu a cabeça. — A resposta de Johann foi imediata e objetiva. Podemos ir agora? — Antes de continuarmos. — Por quanto tempo poderá ficar conosco? — Apenas por um ou dois dias.

Isso por acaso o deixa chocado. Há sempre amor suficiente para ajudá-lo a enfrentar os momentos difíceis. de todas as pessoas da cidade que foram afetadas pelo atentado? Nada jamais voltará a ser como antes. Ele considerava tal reação como um triunfo para o terror. Katrin e eu. Não se está esquecendo de mamãe. dissuadir um futuro inimigo.. Eu era um camarada muito mais simpático do que sou agora. — Johann guiava com um cuidado extremo. — Queremos ser sempre inocentes e nos situarmos além do alcance da maldade. incisivamente: — Parece-me que você possui uma idéia muito definida da natureza do mal. Quando fui eleito. E gostaria de acrescentar que fico contente de que se tenha apresentado simplesmente como Tio Jean. — Jean Marie soltou uma risada. Papai não é a única vítima. como se receasse que a conversa pudesse excitá-lo e levá-lo a fazer alguma manobra perigosa. — A voz de Johann tornou-se subitamente tensa e áspera. — Ficaria lisonjeado em conhecer-me antes. — Mas quem quer que seja o causador do mal. olhos e ouvidos abertos. um jornalista classificou-me como o mais atraente dos príncipes modernos! E não se esqueça de que nem sempre é o príncipe que provoca o mal.. porque não creio que gostaria de conhecê-lo como Papa. Papai adotou as precauções que lhe sugeriram. Ando sempre com muita cautela. Geralmente ele não é esperto o bastante para ser um Satã. isso é o bem. para qualquer de nós! Jean Marie disse. É uma mulher corajosa. Ele aprovaria tal reação? — Está enganado... e do maligno como um inimigo.— Por justiça... — Nunca ouvi um exercício de lógica tão ruim.. algo que não é fácil. Mas vai ver só o que acontecerá com essas pessoas de bem. e levo uma arma que não terei medo de usar. O verdadeiro inimigo é o que sussurra a maldade em seu ouvido e se oferece para fazer todo o seu trabalho sujo.. Mas o que me diz do bem? Como ele se apresenta para você? — É muito simples. Tio Jean? — Não. Para mim. Contempla-se o rosto dele e se vê um Mensch. atento. Papai também é bom. Tio Jean.. mas não foi além disso. mantendo incólume a sua reputação. Um cuidado excessivo estava abaixo de sua dignidade... 199 .. — Minha mãe é boa. para equilibrar novamente a balança. nós o suportamos porque o merecemos. Não é assim que eu penso. Pensa em nós e em papai antes de pensar em si mesma. Apenas leva-me a pensar como se sentirá quando matar seu primeiro ser humano. — Seu pai foi a vítima.

Ele não está muito satisfeito. O Dr. com palavras ternas. como se estivesse provocando uma explosão numa pedreira. Papai não reage à conversa tão bem quanto ontem.. Vai ver a morte nos olhos dela. no outro lá embaixo. O encontro dele com Lotte foi inicialmente estranho. você matará frente a frente. Mas se for inevitável. Recordou-se da paisagem vazia e desolada da visão. espero que este momento nunca chegue. — Está com receio de que eu possa incutir-lhes falsas esperanças? 200 . — Contudo. a fim de ocupar-se com os preparativos para o almoço.— Espero que nunca tenha de fazê-lo. está constantemente preparado para esse ato. Ele parecia estar inconsciente no resto do tempo. Vai sentir o cheiro de sangue. Houve um momento de choque. Lembram-se de como ele apertava a nossa mão para indicar que compreendia alguma coisa? Pois esta manhã só conseguiu ter reações ocasionais. O homem que tentou matar seu pai fê-lo a distância. todos puderam conversar calmamente. Um súbito constrangimento impediu-a até de um aperto de mão. num momento lá em cima. chorando baixinho. Lotte assentiu e afastou-se. Johann apresentou-a a Tio Jean. Depois do primeiro instante de constrangimento. O problema estava além de qualquer argumentação. Katrin chegou a casa naquele momento. Vai ouvir o grito da vítima em agonia. no entanto. Com uma pistola. quando ela o viu vestido como um leigo. parecia que Lotte rejeitaria o abraço. — Conversei com o Dr. Katrin apresentou o relatório matutino sobre o pai. Pelzer disse que eu podia vir embora. quase de desapontamento. o controle dela desmoronou e abraçou-se a Jean Marie. porém. Pelzer. Está preparado para isso? — Como falei antes. A febre tornou a subir. Por uma fração de segundo. Estamos todos numa gangorra. Johann disse. mecanicamente. Katrin seguia-a para a cozinha. Jean Marie Barette nada disse. Ele esperava que não estivesse também além do poder salvador da graça. No instante seguinte.. É por isso que não quero dar falsas esperanças a mamãe e Katrin. estou preparado. Ficou de nos telefonar se ocorrer alguma mudança súbita. de tal forma que não restava nada nem ninguém para amar. Jean Marie teve de segurá-la pelos braços e puxá-la para si. o planeta do qual a humanidade se exterminara. enquanto ele a acalmava como a uma criança. bruscamente: — A situação é essa.

Assim.. Abriu-a na mesinha ao lado de Lotte. Jean Marie tirou do bolsinho do paletó uma pequena caixa de jóias. Era assim que ele o fazia. Mas não pode andar por esse terreno sagrado enquanto Carl ou você não convidá-lo. — São lindos.. Nosso pequeno mundo está desmoronando e estamos tateando à procura de alguma coisa sólida em que nos segurarmos. A caixa era para a 201 . Acrescente-se a tudo isso que o medo da guerra. o ressentimento pelo fato de que ele. — E ele está certo. trabalhados em ouro.. É curioso que não consigo acostumar-me a vê-lo vestido dessa maneira. como milhões de outros. Entregou a Johann e pediu-lhe que botasse a mesa. Jean. trazendo uma toalha de linho e guardanapos. um frasco e uma taça que não era maior do que um dedal. em marroquim vermelho. — Agora. feche os olhos com força. Mas o que são? — Um dos privilégios do Papa era o de poder levar constantemente em sua pessoa a Eucaristia. Continha três objetos. — Katrin está cuidando do almoço. Haverá sofrimento suficiente quer papai viva ou morra. E é estranho também ouvir as crianças tratando-o por Tio Jean! — Receio que Johann não me aprove inteiramente. — Sou seu hóspede. Sempre pareceu tão imponente em Roma. Lotte. — Abra os olhos. — Ele se está empenhando tanto em ser o homem da casa que às vezes fica confuso. E não os abra enquanto eu não mandar. Seja paciente com ele. pois a princípio também foi difícil para mim. — Olhe para mim. Não consegue tirar da cabeça a noção de que você foi de alguma forma responsável pelo que aconteceu ao pai. ele sabe o quanto Carl o ama e respeita. — E o que devo ver? Jean Marie apontou para a caixa. Lotte voltou nesse momento. — Estou olhando.. — Por outro lado. Ela pegou Jean Marie pelo braço e levou-o para o aposento contíguo.— Disse que meu pai vai sobreviver. prefiro que mamãe e Katrin aprendam a conviver com a incerteza. no estilo dos florentinos do século XVI. Claro que respeitarei seus desejos.. Sei que é difícil. Jean. Sou mesmo o responsável. serão convocados a lutar por uma causa já perdida. — Pois eu não tenho certeza.. Havia uma pequena caixa redonda. — E tenho certeza disso. Podemos conversar a sós por alguns minutos.

vindo para cá. Só espero que Carl esteja consciente o bastante para compreender. Lotte apresentou-o ao Dr. Deus o mantém na palma de sua mão. fez um comentário: — Como pode perceber. — Isso diz tudo. com uma polidez deliberada: — Não gostaria de dizer uma bênção por nós.. A cabeça que outrora contivera a história de 20 séculos estava reduzida a uma caixa craniana com as mandíbulas fraturadas.hóstia consagrada. Lotte ficou profundamente comovida. Foi assim que Jean Marie Barette viu Carl Mendelius primeiro numa série de radiografias. — Dormindo ou acordado. O Dr Pelzer.. Johann disse. senti-me de repente envergonhado. Há muitos fragmentos na caixa torácica e na parte superior do abdômen. Depois que se sentaram. a situação é terrível. Claro que algumas preces ajudariam. — Obrigado. celebrei uma missa particular na capela do aeroporto e trouxe a Eucaristia comigo para você e Carl. de cabelos grisalhos. — O almoço está servido — anunciou Katrin... As pessoas da minha primeira paróquia deram-me o conjunto como um presente pessoal. para a limpeza dos recipientes.. Assim. Há um pequeno lenço por baixo da tampa. Fechou a caixa e devolveu-a a Jean Marie. Lotte falou do presente que Jean Marie trouxera. Jean? — Exatamente. uma partilha da vida. Não tinha nada a trazer para as pessoas que estavam sofrendo por minha causa. — Claro que já recebeu — disse Lotte. — Mas a Eucaristia é uma coisa diária. Tio Jean? No hospital. mas 202 . no hospital. no dia da minha eleição. sempre cauteloso. Eu lhes darei a comunhão hoje. Pediu ao médico que explicasse o estado clínico do paciente àquele velho amigo da família. uma partilha do alimento.. cheguei mais cedo a Fiumicino.. Uma partilha da vida com a fonte da vida. Obrigada. Não é isso mesmo. o septo destruído e diversos fragmentos de metal encravados na estrutura óssea e na camada de carne ao redor. O frasco e a taça são para o vinho. um homem alto e vigoroso. Quando eu estava deixando Roma.. Mas não podemos tentar extrair todos esses corpos estranhos enquanto o estado do paciente não for estável. com alguma surpresa: — Pensei que papai já tivesse recebido a extrema-unção. Pelzer.. — Johann agradeceu a informação sem fazer qualquer comentário e depois disse. Jean..

O coto da mão esfacelada estava por cima da colcha.. vida por vida. enquanto Mendelius tentava desesperadamente formular uma resposta. ele vai precisar de muita terapia de apoio. não tente falar. Lotte levantou essa mão e beijou-a. Não podia barganhar. Era o único meio que ele conhecia agora de expressar o relacionamento entre a criatura e o Criador. A mão intacta contraiu-se debilmente sobre as dobras da coberta. preso aos vidros de soro que gotejavam incessantemente. Voltarei daqui a pouco. se alguém apertasse com um pouco mais de força. para quem era agora o conduto de vida.. segurando a mão de Mendelius entre as suas. 203 . Jean Marie não disse quaisquer palavras. está bem? Mesmo que consigamos salvá-lo. Ela saiu do quarto na ponta dos pés. Jean Marie pegou a mão de Mendelius. — Jean Marie está aqui comigo. — Por favor. Não fez gestos rituais. Nós dois não precisamos de palavras. Os olhos afetados estavam felizmente ocultos. Jean Marie viu em seguida o homem vivo. Estava todo contido na proclamação inicial: faça-se a Sua vontade. Estava lisa como cetim e parecia tão frágil que dava a impressão de que os ossos poderiam quebrar-se. Um murmúrio saiu pela máscara de ataduras. Ficou simplesmente sentado na beira da cama. um canal pelo qual podia lançar-se na consciência unida de Carl Mendelius. — Carl. Fique quieto e segure a minha mão. As cavidades oral e nasal estavam abertas e imóveis. aqui é Lotte. Ele vai conversar com você. meu querido. Rezarei por nós dois. Jean Marie fechou os olhos e abriu a mente. aqui é Jean.. O mais importante agora eram o corpo e o espírito agoniados de Carl Mendelius. um recipiente pronto para a infusão do espírito. porque não restava vestígio de ego a que atribuísse qualquer importância.não deixe a família ter muitas esperanças. de tal forma que pareciam um único organismo vivo.. serviço por serviço. Não podia fazer qualquer pedido. Pode me ouvir? Houve uma pressão em resposta contra a sua mão e mais ruídos gorgolejantes. enquanto saio para dar um pequeno presente à freira do andar. fechando a porta. A cabeça estava totalmente envolta por ataduras. à máscara de oxigênio e ao monitor cardíaco. — Carl. o aleijado e o homem incólume. A mão se fechou sobre a dela. o cego e o homem dotado de visão.

Quando ele abriu os olhos. Lotte dizia "Amém" e Mendelius levantava a mão. ele entregou a hóstia consagrada a Lotte e levou o cálice à boca de Mendelius. Mas ele pode tomar um gole do cálice. Foi só depois que deixaram a clínica que Anneliese Meissner diminuiu o ritmo. embora sua conversa continuasse brusca e objetiva. depois atravessaram rapidamente o saguão e saíram para o sol do final da tarde. como se a música não fosse tocada. Estava agora mais relaxada. Jean Marie arrumava os pequenos objetos de ouro e punha uma estola em torno do pescoço. sim. Enquanto Lotte se sentava ao lado da cama. Jean Marie limpou o cibório e o cálice com o lenço de damasco. Está disposto. — Sabia que Carl pediu meus conselhos profissionais a respeito de sua carta e da encíclica? — Não foi assim que ele me expressou a coisa. Lotte já estava de novo no quarto. foi abordado por uma mulher horrenda. Ao passar pelos guardas armados no corredor. Mas eu sabia que estava envolvida. Desceram os três andares em silêncio. foi simples e extraordinariamente suave. numa débil saudação. Ela o pegou pelo braço e quase o arrastou até o elevador. Enquanto ele pronunciava as palavras rituais. "Corpus Domini". Mas eu disse a Lotte que precisava de uma hora a sós com você. — Vamos jantar esta noite na casa dos Mendelius. — Sei disso. Mas não creio que Carl possa engolir a hóstia. que se apresentou abruptamente como a Prof. atarracada. — Tão tarde assim? Gostaria de receber a comunhão agora? — Quero. Quer ir tomar um drinque no meu apartamento? — Será um prazer. Havia uma calma tão intensa que ele pôde sentir as pulsações do doente se aquietarem. como as ondas depois de uma tempestade. por favor. Depois de uma breve oração. guardou tudo no bolso e saiu do quarto em silêncio. olhando com medo e espanto. dobrou a estola. constrangida: — Eu não queria interromper. Carl? Uma pressão em sua palma indicou que Mendelius ouvira e compreendia. pondo-se a descer calmamente a ladeira. — Ótimo! Temos muito o que conversar.Quando o influxo finalmente chegou. mas já são quase cinco horas. como a aragem perfumada de um jardim no verão. de idade indeterminada. Ela disse. 204 . Houve luz e uma estranha percepção de harmonia.ª Meissner. na direção da parte velha da cidade. mas gravada na textura do cérebro.

Agora. Ao final. nesta questão das Últimas Coisas. A brutalidade do ataque deixou Jean Marie atônito e incapaz de falar por um momento. tudo o que você faz ou diz tem conseqüências profundas e às vezes terríveis. E compreendo por que os seus colegas da Igreja tinham de livrar-se de você. E quando recuperou o uso da voz. — Foi nisso que seus cardeais erraram.. aonde quer que vá. Continuaria achando que é um homem muito perigoso! — Já ouvi a acusação antes — disse Jean Marie. — Tenho pensado nisso por muito tempo. — E tenho lido muito. pôde apenas dizer. Seu impacto é imediato. como de fato está. como o heroísmo no campo de batalha ou a dedicação de enfermeiras num 205 . Acho que é um homem muito perigoso.... Quando se vira no sono. —. quase como uma função de seus próprios egos. fui forçada a concluir que você é um homem com uma percepção especial do que Jung chama de inconsciente coletivo.. Você é o gigante sonhando sob o vulcão. secamente. o próprio peso do cargo e seus métodos tradicionais teriam arrefecido as manifestações mágicas. Vou dizer-lhe agora. Meus irmãos no Vaticano chamaram-me de bomba-relógio ambulante. E escutado incontáveis gravações de colegas que tiveram experiência clínica de manias religiosas e influências cultistas. — Anneliese Meissner estava agora mais suave. provoca um efeito mágico nas pessoas. Mas gostaria de saber como vê o perigo que represento. e sou mesmo! Mas isso não me demoveria da minha opinião. — E não vê nada de bom no poder ou em mim? — De bom? Claro que sim! Mas é bom que resulta do desastre. É como se estivesse a par de seus pensamentos. Assim. desejos e medos mais íntimos. quando se fala ou escreve a respeito.. Os problemas os seguio. Em conseqüência. — E o que acha que devo fazer em relação a esse poder perigoso? — Não pode fazer nada — respondeu Anneliese Meissner. calmamente... — O que devo responder a isso? — Pode dizer-me que sou uma cadela. não existe mais qualquer elemento de arrefecimento.. O assunto está enraizado no mais profundo subsolo da memória racial. Portanto.. a terra treme. e pode tornar-se catastrófico. Se o tivessem deixado onde estava.— E leu meus comentários ao artigo dele? — Li. as pessoas o sentem por dentro de si mesmas. Teria sido mantido a uma distância segura das pessoas comuns. Não há qualquer distância. — Houve apenas um comentário que eles não usaram. sim.

— Prosit. schnapps ou scotch? — Vinho. a pulsação de 120 e havia uma acentuada arritmia cardíaca.. Como quer que se intitule. Não podia ter certeza se Anneliese Meissner estava embaraçada ou relutante em continuar. o espírito dos bosques. a temperatura de Carl era de 39° C. o Deus-homem.. o Eterno. Jean Marie ficou comovido pelo patético de tanta inteligência e tanta ternura oculta encerradas num corpo tão feio. padre. Finalmente. — Quando você chegou. Anneliese Meissner abriu a porta e conduziu-o por dois lances de escada até seu apartamento. sim. Enquanto você estava com Carl. xamã. Não tem outro nome para classificá-lo? — Pode usar o nome que bem quiser.. feiticeiro. Todos os sinais vitais são transmitidos constantemente à sala de controle. Depois. Pelzer. — É mesmo? Jean Marie estava polidamente interessado. estará sempre no epicentro de um remoto. fez um comunicado seco e aparentemente irrelevante: — Na clínica.. em companhia do Dr. Anneliese entregou-lhe o copo e fez um brinde: — À recuperação de Carl. abrindo uma garrafa de Moselle e um vidro de amendoins. Enquanto a observava a limpar dois copos empoeirados. onde uma enfermeira experiente fica de plantão durante todo o tempo. É aqui que eu moro. Ficou com 206 . a quem quer que afirme servir. Continue por favor. ele teve de estimulá-la: — Estava na sala de controle. eu me encontrava nessa sala de controle. cujas janelas estreitas davam para as torres de Hohentübingen e os pinheiros das montanhas suábias. por favor. — Chama isso de Magia. — É. construída de vigas de carvalho e tijolos feitos a mão. Estavam quase no alto do Burgsteige. Ela tirou uma pilha de livros de uma poltrona e gesticulou para que Jean Marie se sentasse. Jean Marie Barette ficou esperando. Ela tomou metade do vinho de um gole só e largou o copo. temos um controle central de todos os pacientes sob cuidados intensivos.leprosário. diante de uma velha casa do século XVI. — O que vai beber? Vinho.

. Durante todo esse tempo. tenho vontade de chorar no ombro de alguém. e você é o escolhido. da mesma maneira que você é terrível. Não era a linda princesa e o príncipe transformado em sapo. Carl sempre disse que você possuía a graça da compreensão. E todos começam num ato de amor. Neste caso. Contudo. — De que forma? — Creio que se poderia chamar de meditação. obstruir a vigilância-segurança e proporcionar meios de fuga aos desertores das Forças Armadas. não disse uma palavra sequer... por favor. para mim... de uma certa forma.. Neste momento.ele por quase duas horas. A esta altura. Ele não sabe disso e nunca saberá. também me afeta. sou curiosa em relação aos fenômenos que vão além das normas. Oh. Mas quando vejo o pobre Carl preso a todos aqueles sistemas que visam a sustentar-lhe a vida. Além disso. Se o reprime por muito tempo. só para mantê-lo calmo e o corpo funcionando.. Sei que não existe a menor esperança e aprendi a não me importar muito... — Que tipo de encrenca? — Ele está organizando um grupo clandestino de estudantes para resistir à convocação militar. Anneliese fez uma pausa. a temperatura de Carl caíra... como se de repente estivesse com medo de se comprometer. certamente não para Lotte. até que Lotte voltou ao quarto. Mas se está pensando em atribuir-me alguma espécie de milagre. então gostaria de poder acreditar em milagres. Carl lhe dissera que eu estaria disposta a apoiar 207 . talvez possa compreender que. quando penso em todas as coisas que estão injetando nele. diabo! Não o trouxe até aqui para importuná-lo com a minha vida amorosa! Anneliese serviu mais vinho e depois acrescentou: — Johann Mendelius está metido numa tremenda encrenca. Estou apaixonada por ele há 10 anos. ele pode acabar explodindo e lhe arrancando a cabeça. esperando que o príncipe a beijasse para fazê-la bonita.. Não sou uma ameaça para ninguém. não o faça! — Não acredito em milagres. exceto por umas poucas frases iniciais. — Como sabe disso? — Ele me contou. porque é justamente quem o meteu em toda essa confusão. — Mas o amor é terrível. O que você fez? — Rezei. fitando-o pensativa. E depois continuou: — Quero que saiba de uma coisa: tudo que afeta Carl. — Acredito neles. Era a moça transformada em rã. o conto de fadas foi invertido. a pulsação estava quase normal e o ritmo cardíaco fora restaurado.

Sem saber como ou por que.. Você é 208 . Pode dizer-lhe outra muito diferente. nas quais ela admite ter participado. O casamento durou três anos. como um teste de Rorschach? — Porque já tenho o seu perfil. é uma divorciada sem filhos. — Há semanas que está devidamente registrado em meus arquivos. durante o casamento. — A resposta foi brusca e irritada. — Sobre o quê? — Parte de uma entrevista clínica com uma das minhas pacientes.. Estão comprando e estocando armas. Diz-me uma coisa. para lembrar a revolta dos camponeses franceses durante a Guerra dos Cem Anos. o que constitui uma infração criminal.. — Eu gostaria de manter a mente aberta em relação ao assunto. e a juventude é particularmente suscetível à magia. Ela está divorciada há um ano.. Esta gravação foi feita ontem. — Johann prometeu que me mostraria qual forma que seu protesto está assumindo. Talvez sua idéia seja levar-me a um encontro desse grupo.... Porque você é um francês. Apresenta intensos sintomas depressivos e houve alguns episódios alucinatórios. eles deram ao grupo o nome de Jacquerie. É possível que já saibam e estejam esperando que diminua a repercussão pelo atentado contra Carl. fez uma magia das mais fortes. Talvez possa incutir um pouco de bom senso em Johann e seus amigos. E agora quero que escute uma gravação.. minha cara Professora! — Jean Marie soltou uma risada divertida. Mas se quer o meu conselho. Concorda? — Claro. como é fácil penetrar em suas fileiras com espiões e agentes provocadores. Estou mostrando-lhe isso sob o sigilo profissional. É apenas uma questão de tempo antes que a polícia tome conhecimento do que está acontecendo. da mesma forma como Carl me revelou todo o seu material. — A mulher tem 28 anos. É um homem muito especial. Mas esses garotos são tão ingênuos! Não percebem como são atentamente vigiados.. — É possível. trate de se manter afastado disso.. É parte de uma sessão que durou uma hora e 20 minutos. que provavelmente são seqüelas de algumas experiências com LSD.uma organização clandestina entre os professores. — Se está realmente querendo um perfil do meu caráter. — Ora. — E o que me vai dizer? — É justamente o que desejo descobrir. a filha mais velha de uma conhecida família local. — Não se esqueça do que lhe falei no início. por que não começa por algo mais simples.

azuis. Respondi que sim. Ele me perguntou se não gostaria de tomar uma xícara de chá... Não falei nada. Ele me arrancou a blusa... sabe qual é. Ele jogou o chá na minha cara. verdes. Concordei em tomar uma coisa que nunca experimentara antes: uma mistura especial do Ceilão. que gostaria. E acredita no que diz. meus pais. Disseram também que ele podia matar-me. mas estamos ambos nesta sala.. Mas ele disse que eu não era 209 . Fiquei pensando que talvez ele tivesse contraído alguma coisa com a última... Ele me levou para a casa de chá ali perto. dizendo às pessoas. Anneliese ligou o gravador. mas sem nada de excepcional. Pessoas entravam e saíam a todo instante.. Não me senti absolutamente ameaçada. Ele pegou uma uva e meteu-a em minha boca. Uma voz de mulher. alegando que eu estava com gonorréia e que o serviço secreto não aceita pessoas com doenças assim. 'Olhem só o que os turcos fizeram com a minha mulher! Monstros! Malditos estupradores!' Mas quando chegamos ao hospital. Derramou pela blusa. começou a discorrer sobre o que era obviamente um novo tema na narrativa: "Conheci-o uma manhã. se quisesse. até mesmo mate da Argentina. como ele estava cansado das mulheres por algum tempo. vermelhos!. Este trecho ocorre depois de 40 minutos de conversa discursiva e defensiva da paciente.. Só que não eram bules de chá. de timbre baixo.. Diz aquilo em que acredita. a polícia não me deixou entrar. mas fogos de artifício... Achei que era gostosa..... enquanto as pessoas na casa de chá ficavam olhando e rindo. o lugar em que se pode comprar chá de qualquer parte do mundo. uma vagabunda vulgar de Frankfurt. Um momento depois.. Eu estava comprando uvas. com quem mantém um relacionamento direto e pessoal. — O local é o meu consultório. Conversamos sobre diversas coisas: o trabalho dele. Muito embora soubesse o quão horrível ele podia ser. Eu não vivo em tal universo.. enquanto os bules de chá explodiam por toda parte. com um acentuado sotaque suábio. Pode fazer-me essa gentileza? — Claro. Quero saber qual a sua reação ao que vai ouvir. não pude deixar de rir. E depois saímos para a rua. Ele se mostrou muito simpático. na Marktplaz. Eu estava nua e ele me arrastava. Vive num universo impregnado por um Deus imanente. com esta gravação. A hora: quatro da tarde.um fenômeno assustador. todos nos demos as mãos e começamos a dançar e cantar. um homem resolutamente simples. mas percebi que ele lera meus pensamentos.

que estava vazio. minha cara Professora? — Muito bem. Desta vez. Foi para o banheiro. Era uma cama grande e redonda. E depois a cama não era mais uma cama e sim uma grande caixa preta. ao abri-los. Tivemos um tremendo orgasmo.. Mas essa gravação me diz alguma coisa. E depois indagou: — Algum comentário sobre o que acaba de ouvir? — Não sou um perito na decifração de sonhos. Como estou indo até agora. — E você o conhece? — Não muito bem. passei talco pelo corpo." Anneliese Meissner desligou o gravador e disse: — Aí está! Jean Marie Barette ficou em silêncio por um longo momento e depois perguntou: — E quem é o homem no sonho? — O ex-marido dela. Jean Marie acrescentou. Levantou o copo. Ao sair..importante o bastante para isso e comecei a chorar. Só que não era a minha cama. mas o conheço. Beijou-me os seios e excitou-me com as mãos. com nós dois lá dentro.. Foi então que vi o rosto dele. Sempre fecho os olhos quando tenho um orgasmo. Ele apareceu depois de algum tempo. todo ensangüentado. incisivamente: — Acho que você tem o mesmo problema de sua paciente. Possui um conhecimento que tem medo de partilhar com qualquer outra pessoa. a fim de esperá-lo. está de alguma forma relacionado com o atentado contra Mendelius. A mulher está atormentada por um sentimento de culpa. E por isso ela sonha com o problema ou constrói um sonho a respeito. Jean Marie nada disse. como um imenso pires vermelho. Anneliese tornou a enchêlo.. depois me penetrou. — Não estou disposta porque não tenho certeza das minhas conclusões. O que quer que ela saiba. por favor.. estava limpo e nu. usei algum perfume e deitei-me nua na cama. Tentei gritar. descobri que ele estava deitado ao meu lado. Sabe de alguma coisa que não está disposta ou não pode revelar. tratando de contar-lhe.. Continue. ele me levou para minha casa e disse que me limpasse.. Ele ainda vive na cidade. como eu. Tomei um banho quente. como se fosse uma explosão. Depois disso. recendendo a lavanda. mas era apenas uma mão sem braço nem corpo. mas não consegui.. E não posso porque envolve a minha integridade 210 . A mão estava em meu seio. macia e confortável.

de Goppingen. vamos ao primeiro ponto. Você tem o mesmo problema. Aqui viveu o Prof. A mulher nessa gravação é ao mesmo tempo vulnerável e aquisitiva. Tenho toda uma série de gravações sobre o relacionamento entre os dois. então foi ele quem enviou a carta-bomba para Carl. Eu lhe ofereci minha garantia de sigilo. Não sei o que posso fazer a respeito. Felizmente.profissional. A placa anunciava. antes de ele viajar em férias.. — Não vamos começar a brigar. Anneliese estava agora irritada e beligerante. Ele é quem está vendendo armas a Johann e seu grupo. besuntando-se com o próprio excremento. sem abrir todo um novo ninho de víboras. com o segredo do confessionário. E se essa gravação significa o que penso. Seja como for. secamente.. O ponto número dois é que é o problema. por favor! — Jean Marie levantou a mão. Eram quase seis e meia quando Jean Marie deixou o apartamento de Anneliese.. Como uma jovem divorciada numa cidade universitária.. como posso explicar?. mas.. Se quer contar-me o que a está perturbando.. num gesto de advertência. então vamos saborear o vinho.. O ex-marido dela é um homem. Sei que parece absurdo.." A inscrição agradou-o. Estou desesperadamente preocupada. Michael Maestlin. — Um momento... — Ambos são bons motivos para a reserva — disse Jean Marie. já teve mais casos do que pode agüentar. Só acabou neste verão. — Há outros. — Era difícil para Anneliese expressar qualquer espécie de penitência. Um dos seus romances mais sérios foi com Johann Mendelius. sua atenção foi atraída por uma placa no prédio em frente. Se não quer contar. onde os habitantes de Tübingen ainda comiam e bebiam. — Desculpe-me. em letras góticas: "Schloss Keller. eu escutarei tudo. — É a última e triste bufonaria: o homem sentado nas ruínas de seu mundo.. — Estou tão acostumada a bancar Deus no consultório que esqueço as boas maneiras do cotidiano.. uma estalagem construída na primeira metade do século XVI. — O mal é o supremo absurdo — disse Jean Marie Barette. Convidou-me a vir até aqui. porque homenageava o mestre menos 211 . mestre do astrônomo Johannes Kepler. um homem tão improvável que só pode ser autêntico. nem Carl nem Lotte souberam de coisa alguma. Mas eu soube porque ela era minha paciente e tive de ouvir todo o drama. Ao fechar a porta da rua do prédio. Você tem razão.

Mas tenho um olho clínico para as peças de valor. Norbert. Neste negócio. E viemos a pé até a casa dela. assim que puder sentar-se na cama e se alimentar direito. antes do discípulo fulgurante. — Avise-me quando eu puder vê-lo. Metade dos reservados estavam ocupados por estudantes a beberem. Nós nos encontramos no hospital. não se pode deixar de ter. Ele próprio jamais tivera tais temores. Johann perguntou: — O que está fazendo nesta parte da cidade. mas ficou totalmente confuso quando o barman lhe recitou em dialeto os nomes de vinhos desconhecidos. Mr.conhecido. Ocorreu-lhe ainda que precisava providenciar vinho para o jantar. senhor. Jean Marie Barette fez-se entender perfeitamente em Hochdeutsch. A temperatura baixou. Alvin Dolman. — Como estava papai esta tarde? — O médico diz que ele melhorou. comprou duas garrafas e encaminhouse para a saída. Johann. Franz é o namorado de minha irmã. abriu a porta e entrou. Descobri uma coisa que ele vai adorar. Tio Jean? — Visitando a Prof? Meissner. Dolman? — Não. Assim. além de uma água mineral para si. — Quer dizer que é um colecionador. Ele fez as apresentações rapidamente: — Franz. — Mas isso é sensacional! — Alvin Dolman parecia estar um tanto alto. — Posso pagar-lhes um drinque? Ele fez sinal para a garçonete e pediu uma rodada para o grupo. Jean Marie ficou imediatamente interessado. Lembrou-o também do medo que atormentara seu antecessor: o de que Tübingen pudesse tornar-se o centro de uma segunda revolta anti-romana. — Tio Jean! Aqui! Venha sentar-se conosco! Johann pegou as garrafas e empurrou seus companheiros pelo banco. Sempre lhe parecera uma atitude tão inútil acusar um estudioso de heresia quanto exibir os lençóis ensangüentados depois da noite de núpcias. Estacou abruptamente ao ser chamado de um reservado. — Estou feliz em conhecê-los. senhores. Alexis. É uma escultura antiga de São Cristóvão. Acabou escolhendo um vinho branco seco de Ammertal. Esse é meu Tio Jean. — Jean Marie era a própria essência da cordialidade. a fim de dar espaço para Jean Marie. Alvin é americano e muito amigo de papai. o pulso está mais firme. enquanto meia dúzia de corpulentos moradores locais se postavam no balcão. 212 . Sou um negociante. Ele vai ganhá-la de presente.

E já fui casado aqui. rapazes! Ele se levantou meio desajeitadamente. Enquanto eu estiver lá. exatamente como um pintor de retratos. Não tenho dinheiro suficiente para as coisas maiores.. Ao saírem para a rua quase deserta.. — A companhia? Não compreendi. — Pensei que a companhia fornecesse os recursos.ª Meissner era uma grande amiga da minha mulher. — Fico contente em saber disso. Pode-se dizer que não nos ajustamos. Vive aqui? — Vivo aqui. A única companhia para a qual já trabalhei foi o velho Tio Sam! — Perdoe-me. — Como? Foi uma reação mínima. Os homens como eu não devem nunca casar-se. Mas Jean Marie lidara com muitos clérigos e outros homens sutis para deixar de percebê-lo. Dolman.. A casa fica apenas a cinco minutos a pé daqui. Dolman? — Sou um artista. para ser mais preciso.. uma pálpebra que mal chegou a adejar. em pequena escala. — Pois não? — Eu o conheço — disse Jean Marie Barette.. mas sempre se comete erros nas coisas mais simples. E qual o tipo de trabalho que faz. — Jean Marie sorriu. Alvin Dolman sorriu e sacudiu a cabeça. Johann. — Tenho um encontro em Stuttgart. qual o espírito diabólico que o habita.. um ilustrador técnico. Mr. a Prof. Jean Marie ressaltou apenas ligeiramente a palavra. E seguiu-o quando ele se encaminhou para a porta.. E como atividade paralela. os olhos estavam hostis. Se eu 213 . — Sei quem você é e que companhia o emprega. Jean Marie teve de levantarse também para que ele pudesse deixar o reservado. Dolman virou-se para fitá-lo. Trabalho apenas por conta própria. Mas não se esqueçam de que tem de ser dinheiro na mão. a que horas será servido o jantar de sua mãe? — Não depois das oito horas. negocio com objetos de arte antigos. Ajudou-a a se recuperar depois do divórcio. genro do Bürgermeister ainda por cima! Mas não durou muito. trabalho aqui. Vamos acabar nossos drinques e depois iremos juntos. Mr.. O sorriso dele desaparecera. Trabalho para editores de livros educacionais por toda a área do Reno. — Pode-se falar numa língua estrangeira muito bem. Jean Marie disse. Por falar nisso. em inglês: — Gostaria de lhe dizer uma coisa. verei o que posso fazer por vocês.— Tem toda razão. Auf Wiedersehen.. Aceito encomendas.. — Também terei de ir embora — disse Alvin Dolman. é claro.

Estão condicionados. E sabe que é verdade. De qualquer forma já estão denunciados. É um palhaço que ri quando uma velha cai de um ônibus e a saia se levanta. Deus Todo-Poderoso? — Você sabe quem eu sou. no sótão. Lá embaixo.. Mais do que isso! Como um agente de uma potência amiga..ª Meissner. Assim... Ele é realmente. perdeu-se um elemento vital. ele o estava usando para encobrir as suas próprias pegadas como um assassino.. Johann.contar tudo lá dentro. claudicando pela ladeira de calçamento de pedras. Em alguns. eles o matarão com as mesmas armas que lhes vendeu. para usar a expressão 214 . entortados como gravetos. Dolman transformou-os nas vítimas da trama clássica de espionagem: concentrar todos os dissidentes num único grupo. Mas isso não é tudo. pacientemente. o primeiro vento frio do início do outono zunia em torno do campanário da Stiftskirche. preocupada com a Alemanha como sua fronteira a leste. não está interessado em ser outra coisa. Sabe de tudo o que foi dito e escrito a meu respeito.. Lá fora. depois liquidá-los sem a menor dificuldade. em nome de Deus. não é mais possível endireitá-los.. prefira manter a sua vida e saia desta cidade.. ainda não podia abandonar o debate. Dispersem a Jacquerie.. — Quem você pensa que é. — Livrem-se das armas! Cada uma está marcada para condená-los. Mas um assassino. Era uma hora da madrugada e estavam a sós no gabinete de Mendelius. Já conheci homens altamente empenhados na violência que estão longe de ser tão ruins quanto o mal que praticam. Dolman sabe quem é e o que representa. alheias ao mistério que se desenrolava em torno delas. apesar de toda a sua vergonha e cansaço. é o instrumento perfeito para trabalhos sujos como o atentado a bomba contra seu pai. a tal ponto que não podem ser outra coisa. — Mas não faz sentido! Dolman não passa de um mercenário. Jean Marie limpou a saliva do rosto e tornou a entrar no Schloss Keller. ele é tão improvável que tem de ser autêntico. Alvin Dolman.. Mas Dolman é diferente. capaz de fazer qualquer coisa por dinheiro. Enquanto isso. vá embora! Dolman cuspiu no rosto dele. depois se virou e afastou-se apressadamente. Lotte e Katrin dormiam tranqüilamente.. — Como diz a Prof.. Imediatamente! Dolman fitou-o em silêncio por um longo momento e depois soltou uma risada. não é possível! — Dolman é um perfeito agente-residente — advertiu Jean Marie. Agora.

Procure manter a família unida. Dolman foi embora. — Porque reconhece a inocência. a fim de visitar minha família e acertar meus problemas financeiros... mesmo que não possa defini-la.. porque ouviu todas as histórias que sua ex-mulher contou. teria convidado uma criança a testemunhá-los? — Claro que não. Se puder concluir a compra do vale alpino e torná-lo apropriado para habitação. — Finalmente chegamos ao ponto. vá para lá. se ele quiser acompanhá-los. Também reconhece o mal. na cama dela.. quem sabe? Espero o chamado! Johann ainda estava inquieto e irritado.. — Ele cruzou as mãos por trás da cabeça e recostou-se na poltrona de Mendelius. e sempre associada ao demônio do meio-dia! — E para onde você irá. Enquanto se dedicava aos jogos de amor com a mulher de Dolman. muitas vezes..antiga.. E não voltará. porque. — Está bem. Tio Jean... — Por que não? — Ora. Deixe-me apresentar a coisa por outro ângulo. ele era um visitante freqüente. saia daqui. e uma companhia das mais cativantes! — Isso é muito fácil de dizer. Por quê? — Eu. mas fecha os olhos. 215 . mas não posso aceitar. a menos que saiba de mais alguma coisa que não me disse. Mas como você pode formar uma opinião depois de um único encontro? Sinto muito. Tio Jean. Não faz sentido. Poderia aceitar um conselho de seu Tio Jean? — Tentarei.. Também as ouvi. — Nos altos postos em que eu vivia. — Assim que seu pai estiver em condições de viajar. Katrin e o homem dela também. uma habitação do mal! — Como pode saber disso? Encontrou-o apenas uma vez.. Posso admitir que a Prof? Meissner tenha uma opinião a respeito dele.. A companhia não tornará a usá-lo nesta região. — Sei menos do que você a respeito de Alvin Dolman. Mas não acreditei.. seu pai e mãe.... porque Dolman sabia que eu me estava deitando com ela e encorajou-me a aproveitar. eu acho que é porque não quero reconhecer o mal que também existe em mim. Tio Jean? — Sigo amanhã para Paris. ajudando-me a sair quando o prazer acabou. mas sei muito mais a respeito do demônio do meio-dia. Depois disso. Mas a companhia continua em atividade.

Provou uma. pela qual sabia que teria de correr para salvar a vida. arrume as malas e trate de partir! Prometa! — Prometo. Ela o fitou boquiaberta. Ninguém obtém uma absolvição da realidade! Jean Marie Barette teve um sonho naquela noite.. Todas as pessoas no mercado fizeram a mesma coisa. Jean Marie lhes disse: — Voltaremos a nos encontrar. indagando o que estava acontecendo. Ninguém respondeu. de olhos vermelhos e exausto. levantou as mãos diante do rosto e recuou. Johann? — Ataca fundo. Não será difícil ir embora. Não acreditou nas verdades que a mulher dele lhe contou na cama.. Isso não lhe diz nada a respeito de si mesmo. Jean. Pediu à vendedora que lhe pesasse um quilo. Assim que Carl estiver pronto para viajar. minha cara. segurando um cacho de uvas. Estava doce e saborosa. não se apegue a qualquer coisa aqui. Ele falou serenamente. Parou no mesmo instante e gritou: — Qual é o problema? Por que vocês estão com medo de mim? O homem grandalhão respondeu: — Porque você é um Pestträger. Pela manhã. Isso é tudo! — Mas acreditava num homem que tentou matar seu pai. morte e o que vem depois. Não soube como distinguir o bem do mal. no meio de um círculo de seres humanos hostis.. Estava andando pela Marktplatz de Tübingen. Seu caminho foi barrado por um homem grandalhão. Ele deu alguns passos na direção da pessoa mais próxima. rapaz! — Jean Marie Barette estava implacável. forçando-o inexoravelmente na direção da rua estreita. Mas onde e como. só Deus sabe! Lotte. 216 . a fim de que ele pudesse despedir-se de Carl Mendelius. até que ele ficou isolado. Tenho certeza disso.— Quer dizer que estamos de volta à revelação pessoal. Jean Marie tomou o café da manhã com Lotte e depois foram juntos ao hospital.. um portador da praga! Saia daqui antes que o matemos! E no momento seguinte a multidão começou a avançar ameaçadoramente. horrorizada. E ali num momento sereno. não é mesmo? — Trate de crescer. com um facão de açougueiro. — Estamos falando sobre vida. Parou numa barraca de frutas que vendia lindas uvas pretas. à profecia e tudo o mais? — E daí? — Não acredito.

Lotte segurava-lhe a mão. Jean Marie disse. Diga a ela que fará isso. Lotte ergueu a mão contra seus lábios e beijou a palma. Quando o chamado vier. Nada de palavras. você estará pronto para atendê-lo.— Ótimo. Desta vez. ele conseguiu articular as palavras: — A figueira. Rezem por mim. suavemente: — Meu caro Carl. 217 . quase exultação. Estava na metade do caminho de Paris quando as palavras de Mendelius lhe fizeram sentido. Mendelius segurou-lhe o pulso. Assim também vós. Eram um eco do texto de Evangelho de São Mateus que se abrira em suas mãos no dia da visão: ". lembre-se do que combinamos. a parábola da figueira: quando já os seus ramos se renovam e as folhas brotam. sem dizer mais nada. Ajude Lotte a ajudá-lo. Aprendei. Sua voz estava um tanto trêmula: — Detesto despedidas. Jean Marie beijou-a e. Jean. Carl Mendelius levantou a mão boa e afagou o rosto da mulher. sabeis que está próximo o verão. sabei que o fim das coisas está próximo. Ele fez o sinal-da-cruz com o polegar sobre a testa de Mendelius e depois sobre a de Lotte.. com a maior dificuldade. mas claramente. trate de resignar-se a uma longa convalescença. pois. nos portões. Amo a vocês dois. saiu do quarto. então Jean Marie Barette não estava totalmente sozinho. quando virdes todas essas coisas. não tente falar. querido. Sei agora. A figueira! Lotte suplicou-lhe: — Por favor. Jean Marie levantouse. Por enquanto." Ele experimentou um alívio estranho e intenso. nada de discussões. Se Carl Mendelius acreditava finalmente na visão. Carl. indicando claramente que queria que ele ficasse. Mendelius relaxou lentamente. Deixe que Deus faça as árvores crescerem no devido tempo..

Contatos políticos? Encontros diplomáticos? Normalmente. revogar os mais complicados acordos internacionais.. Odette estava em constante estado de quase histeria. um dos pilares da atividade bancária no Boulevard Haussmann. com um contato direto com o Presidente ou algum cavalheiro altamente situado no Quai d'Orsay. Tratou Jean Marie com a maior gentileza. de cabelos prateados. tudo aconselhava um máximo de discrição! Não se podia correr o risco de uma repulsa.. até que pudesse tomar outras providências. Mas naquele exato momento. mas abrir um fundo de investimentos de 40 anos. para depois discutirem a situação? 218 .CAPÍTULO 9 Em Paris. na verdade. pás possible! Jean chegara num momento dos mais inconvenientes. o banco teria a maior satisfação em permitir-lhe o uso de sua suíte no Lancaster. Deus! Contudo. Por que não aparecia para jantar na noite seguinte. com a abdicação! E quando o Cardeal Sancerre. Como estava Odette. Alain Hubert Barette teria o maior prazer em bancar o anfitrião de tais reuniões.. oh. voltara do Consistório e começara a espalhar todas aquelas histórias estranhas. Seria muito difícil alojá-lo com a família.. desolada. Daria um jeito de providenciar as provisões financeiras apropriadas. além da histeria? Muito bem.. Os decoradores trabalhavam na casa. Alain Hubert Barette... Seu irmão... mas chocada... em companhia de Odette e das meninas. Arcebispo de Paris. ora. o sonho do portador de praga converteu-se em verdade... eloqüente. claro que fora uma terrível aflição para toda a família. ficou chocado até a raiz dos cabelos. E os criados..

.. Era idiotice demais e lançou Jean Marie numa raiva fria e tipicamente gaulesa. Quais os documentos que tenho de assinar para dispor imediatamente dos recursos de que preciso? Tudo estava resolvido 15 minutos depois. Jean. Jean. Você tem de compreender. E também um bom camiseiro. Por que não 219 . Temos de nos defender como se estivéssemos sendo atacados por bandidos.. somos irmãos! Não devemos discutir. Não disponho de muito tempo. Eu não pretendi. Convocará uma reunião dos administradores do fundo para as 10 horas da manhã e discutiremos em detalhes o que eles fizeram no passado e suas atividades futuras. Um Alain muito humilde fez o último chamado para o último administrador do fundo...Enquanto isso. e também já é muito tarde para esnobações.. como tenho pena de você! Eu não saberia o que fazer com todos esses baús e cofres abarrotados de papel. o problema do dinheiro. Os mercados financeiros parece que estão enlouquecendo. Ele enxugou as mãos com um lenço de seda e apresentou um pedido de desculpas insinuante. Afinal. uma gargalhada jovial. Jean Marie não pôde deixar de rir. você é ainda um Monsenhor e mesmo os trajes de um leigo devem indicar alguma dignidade. Como poderemos então proteger os bens do banco e os nossos? Como podemos dispor nossas vidas pessoais? Você esteve ausente por muito tempo. Estou sendo bem claro? — Está entendendo-me mal. como um irmão afetuoso!. — Você é um tolo. Mas você tem razão.. alheio a tudo isso. preciso de fazer várias viagens. O banco concederia a Marie uma linha de crédito substancial. Apesar de sua raiva. a fim de que possa ter os recursos imediatamente.. Sugiro. ganancioso e avarento! Não irei à sua casa.. — Ah. — Por favor. convocando-o para uma reunião na manhã seguinte. moedas e barras de ouro. Alain. até o momento em que fosse possível reformular todas as disposições financeiras. garantida pelo fundo. E não quero a suíte no Lancaster. divertida. Vai providenciar-me imediatamente o dinheiro de que estou precisando. melhor será. — Cale-se. Alain! Quanto menos você disser. irmãozinho.. que um bom alfaiate é a sua primeira necessidade. É também esnobe e deselegante. Sabemos que haverá uma guerra... Estamos todos num momento de tensão.. Já é muito tarde para discutirmos. Não serei estorvado pelos absurdos burocráticos de seu banco. — E agora vamos cuidar da assinatura de alguns documentos..

Banquiers.. — Está certo. Você é tido como um pária. Ele desligou fazendo uma careta de repulsa. Gostaria de encontrá-lo. Fez a ligação.. A palavra oficial já se espalhou.. resignado... Estou em Paris por alguns dias.. e a seu chefe! — E eu a você. em todos os escalões inferiores. Informe que um velho amigo dele acaba de chegar a Paris e gostaria de falar-lhe. Mas tem de ser em particular. Mas de que lhe vai adiantar um aperto de mão indiferente e algumas palavras polidas sobre o tempo? — Eu mesmo farei a próxima ligação.. O telefone foi prontamente atendido.. . Jean Marie escutou divertido um lado do diálogo: — Alô? Aqui é Alain Hubert Barette. sim! Então talvez possa fazer o favor de transmitir-lhe o recado e pedir ao Ministro que ligue de volta para este número. O amigo é Monsenhor Jean Marie Barette.. ligue-me com o Ministro. ... de capa de couro. .. Ah. para tratar de negócios particulares. — Fora da cidade é melhor. O recado foi transmitido. Fica cerca de três quilômetros deste lado de Versailles. — E de onde veio a palavra? — De seu superior para o nosso superior..Obrigado. aqui é Jean Marie Barette... anteriormente Sua Santidade o Papa Gregório XVII. mas não será possível. Jean Marie consultou seu caderno de telefones e ligou para a linha particular do mais importante assessor presidencial. E os Amigos do Silêncio estiveram em intensa atividade. . Faça o 220 . Já esteve lá. consultou o seu caderno de telefones.. diretor do Halévy Frères et Barette. Telefonarei agora mesmo e reservarei acomodações para você. Jean. Alain deu de ombros. Conhece as rotinas.tenta fazer uma ligação para Vauvenargues. está diplomaticamente liquidado. Pegue um táxi e siga para L'Hostellerie des Chevaliers. . Onde você vai ficar? — Ainda não decidi. um homem com quem mantivera um relacionamento constante e amistoso durante o seu pontificado. Por favor. Quanto ao chefe. — O Ministro está em reunião. — Pierre. com quem preciso falar? — Vauvenargues? O Ministro do Exterior? — Exatamente. Tenho certeza de que o Ministro vai telefonar. lamento muito. — Aqui é Duhamel. A partir do momento em que tem de revelar-se e informar sua identidade atual.

Tentaremos combinar uma refeição juntos. que dispensou todas as formalidades do registro e conduziu-o imediatamente a uma agradável suite. um paletó esporte e uma calça esporte. Se eu sou um portador da praga. Os gramados eram impecavelmente aparados e havia caramanchões de roseiras. que a geladeira estava bem abastecida de bebidas e que. convertido num hotel simpático e discreto. e nada mais havia em sua bagagem. Jean Marie desligou. como amigo de Monsieur Duhamel. um breviário. pela qual ficava devendo ao banco. Os artigos de toucador. o conjunto para missa. Pelo menos poderia deslocar-se agora com a rapidez necessária. cuecas e pares de meia. um conjunto de antigos prédios de fazenda. E foi a sua vez de pedir desculpas. às 10 horas. no deserto. Ela ressaltou que ele poderia telefonar com absoluta segurança. irmãozinho. Jean Marie ficou divertido e um pouco surpreso ao constatar como viajava com pouca coisa: um terno. O que o perturbava agora era uma crescente sensação de isolamento e de sua precária dependência da boa vontade dos amigos. um suéter. — Tem razão.. precisava apenas de levantar um dedo para obter os serviços totais do hotel. Dê lembranças minhas a Odette e às meninas. Tenho de desligar agora. uma capa. dois pijamas e meia dúzia de camisas.. um córrego serpenteando entre salgueiros e acionando um moinho. Tenho de ir agora. quando chegasse o chamado. Amanhã.registro como Monsieur Grégoire. um lugar em que todos os opostos se conciliavam. alguns travellers' checks e uma carta-circular de crédito de Halévy Frères et Barette. Não importava que no fundo de si mesmo houvesse uma grande serenidade. obrigado. o mesmo chamado que chegara séculos antes a João. prefiro não espalhar a infecção para a minha família. Ainda era um homem. Passarei por lá para encontrá-lo quando for para casa. de 50 e poucos anos. estou morto e enterrado. um missal. Eles não vão pedir-lhe documentos. A bientôt. A patronne era uma mulher bonita. até que pudessem ser liberados recursos de seu patrimônio. está bem? L'Hostellerie des Chevaliers foi uma agradável surpresa. sujeito 221 . com um pequeno jardim particular. Para sustentar-se. Ao abrir sua única mala... o filho de Zacarias. por volta das oito horas. — Não quer mudar de idéia em relação ao Lancaster? — Não. antes de eu ir embora. um caderno de anotações. dispunha de dinheiro para um dia. Diplomaticamente.

Quam dilecta: "Quão adoráveis são os teus tabernáculos. Nunca me ofereça um suborno. à física instável da mente. Jean Marie não fazia qualquer indagação. O fato de Pierre Duhamel ter sugerido um encontro tão imediato era por si só uma indicação de crise. então os pedreiros já estavam tampando a sepultura e se esculpia o epitáfio. Era a prece perfeita para um cair da tarde ao final do verão. Duhamel sempre observara um código singular e espartano: — Tenho uma esposa: a mulher com quem me casei. ele ouviu vozes de crianças. Ó Senhor dos Senhores! Minha alma anseia e desfalece pelas cortes do Senhor. mas nunca mais confiarei em você.. se dizia que estava morto. A arma do isolamento fora usada contra ele nos dias tenebrosos amargos que antecederam sua abdicação. Tinham um filho em Saint Cyr e uma filha um pouco mais velha. começava com o cântico que ele tanto amava. Pois o pardal encontrou um ninho e a pomba encontrou um abrigo em que pode ter as crias". Não ofereço proteção a ninguém e só dou meus conselhos àqueles que sou pago para aconselhar.. Pierre Duhamel era o que seu Presidente afirmava. num jardim. Seguindo por um caminho de cascalho. Quanto ao resto. argumentava tão eloqüentemente quanto Montaigne e ia para casa a fim de cuidar de uma mulher que fora outrora a grande dama de Paris e era agora uma vítima devastada de esclerose múltipla. não era propenso a exageros. o ar ainda ameno e impregnado com o perfume das rosas. a fim de ler as vésperas do dia. Nos tempos do seu pontificado. Nunca me diga qualquer coisa que não queira que seja revelada. Jean Marie Barette tivera muitas conversas com esse homem estranhamente atraente. avistou um grupo de meninas. Agora.. todas em vestidos listrados e aventais. Se mentir-me. Pierre Duhamel. Exijo a privacidade na minha. a fim de torná-lo impotente na arena política. então era o momento de chamar o padre. um homem de bem. nunca lhe mentirei. que parecia um lutador de boxe. brincando de 222 . Era um hábito que cultivava: a oração de um. poderei compreender. Nunca me tente assustar.às reações químicas da carne. Meu coração e minha carne se regozijam no Deus vivo. com as sombras alongadas. estava sendo usada novamente. que adquirira alguma reputação como produtora de programas de televisão. desde que se conheciam. andando ao final do dia. há muito conselheiro do Presidente da República. de mãos dadas com Deus. Tenho uma amante: a República. Jean Marie pegou o breviário e saiu para o jardim. Em todos os anos. Respeito todas as fés. Um momento depois. na direção de outro gramado. Se ele dizia que estava morrendo. Se confiar em mim.. O salmo do dia.

temos patrocinadores ricos. sorrindo: — Somos do Instituto no outro lado da estrada.pegar. como eram também todas as outras no grupo. Felizmente.. Esta menina acaba de chegar. Jean Marie pegou-a no colo e levou-a até a mulher que estava no banco.. As moças tornamse vítimas fáceis de atentados sexuais. Ela escorregou e quase caiu a seus pés.. Como se percebesse o choque dele.. as pequenas fantoches do bom Deus. A menina prontamente se adiantou e beijou-o. as tragédias começam. — As pessoas que podem mantê-las em casa. que vive aqui perto. Desatou a chorar. pelo caminho de cascalho. tanto para os pais como para as crianças.. E acha. pôs-se a brincar na maior felicidade com os botões de sua camisa. E pedimos contribuições dos pais que estão em condições de pagar. uma das meninas afastou-se do grupo e correu em sua direção. — Quase todas são — informou a mulher.. Sua única filha era mongolóide.. — E onde está o pai? Havia uma insinuação de censura na indagação. O futuro é tenebroso. mas morreu ainda pequena. que esfregou o joelho esfolado e ofereceu um pirulito para acalmá-la. 223 .. Mas quando os pais envelhecem e a criança entra na adolescência e maturidade. Temos cerca de 100 crianças no Instituto.. A mulher sacudiu a cabeça. E gosto imensamente delas. Os garotos podem se tornar muito rudes e violentos. a mulher levantou a criança na sua direção e disse. acompanhadas por uma dupla de professoras jovens. Solicitamos ainda a caridade particular. — Como mantém o Instituto? — Temos uma verba do Governo. que ela está mais segura aqui conosco. Ele enviuvou recentemente.. Quando Jean Marie se aproximou. — Não é o que você está pensando. Jean Marie estendeu os braços. A patronne deixa-nos trazer as pequenas para brincar aqui. Depois.. logo descobrem que é como ter um bebê novo durante todo o tempo. como Monsieur Duhamel.. sentou-se em seu colo. Num banco próximo. uma mulher mais velha dividia sua atenção entre o grupo e um bordado que tinha nas mãos. Está com saudade de casa e por isso pensa que todo homem é seu pai. Foi só então que Jean Marie percebeu que a criança era mongolóide. Jean Marie comentou: — Ela é muito afetuosa. no seio da família. É muito triste. com toda razão.. Ele chama as crianças de les petites bouffonnes du bon Dieu..

— Tenho certeza de que nunca nos encontramos. A mulher pegou a outra mão da menina e foi andando junto com eles. — Como um missionário? — De certa forma. ao invés de um mamute peludo. cuidadosamente. Ele perguntou: — Posso levá-la até o laguinho para ver os peixes? — Claro. ainda vigoroso. A mulher pegou-o. Ele parecia um homem simpático.— É um pensamento gentil. — Deixou cair seu breviário. olhou. Pierre Duhamel estava batendo na porta da suíte.. tomaria um Campari com soda em companhia de Jean Marie.. E voltei para a França em férias. Passei muito tempo longe da França. — Tenho a estranha impressão de que já o vi em algum lugar — comentou ela. Quando Jean Marie se levantou. mas principalmente em Roma. — Santo Deus! Eles realmente o pegaram de jeito e parece que passaram com um rolo compressor por cima! Depois de tudo o que aconteceu. se afastava tão cedo do serviço. observando-o a distância. — Oh! Obrigado. estou surpreso ao descobrir que está com um aspecto 224 . — Digamos que me afastei do serviço por algum tempo. querendo que a acompanhasse. — Onde serviu? — Em muitos lugares. — Conheço de nome — respondeu Jean Marie. Vamos. A mulher ficou para trás. — Por acaso conhece Monsieur Duhamel? Ele é um homem muito importante. já que nunca deixava de jantar em casa com a mulher. tinha de haver algum motivo. obviamente adorava crianças.. menina! Vamos ver os peixinhos dourados! Ele ajeitou a menina no ombro e pôs-se a entoar uma cantiga de sua infância.. Estou aposentado agora. mas quando um padre. — Pensei que os padres nunca se aposentassem. pelo que dizem. Pontualmente às oito horas. Jean Marie guardou-o no bolso. Até lá. o breviário caiu de seu bolso para o banco.. a quem parecia encarar com um divertimento sombrio como um sobrevivente altamente memorável. largou o bordado e saiu atrás dele. Padre. Irei também. o braço direito do Presidente. Teria de partir às 8:45.. A menina saiu de seu colo e pôs-se a puxá-lo pela mão. sim.

O que lhe está sendo feito é apenas uma pálida amostra do que está sendo planejado para a repressão de pessoas e a supressão de qualquer debate.. Se isso significa varrer as ruas com tanques duas vezes por dia.. — Por que a CIA? — Por que não? Dolman era o agente-residente. — Pierre Duhamel remexeu o drinque com o dedo — . Ainda não voltou ao mundo por tempo suficiente para sentir o impacto dos métodos deles. 225 . A coisa toda foi planejada e executada por um agente da CIA. — Alguma prova? — O suficiente para mim. Se isso significa ataques na madrugada contra dissidentes ou idealistas muito eloqüentes. — O que significa que concorda com eles? — É triste dizer.. Os Amigos do Silêncio são muito fortes aqui.... Não há a menor possibilidade de protegermos os habitantes de Paris da explosão. Os novos chefes de propaganda farão com que Goebbels pareça um colegial amador... a qualquer custo.. Alvin Dolman. então vamos arrancá-los de suas camas e fuzilar alguns. meu amigo. Mas pode estar certo de que são terrivelmente eficazes. Mas não foi uma ação terrorista. Acho que foi um trabalho impecável dos americanos para a Bundesrepublik. tout court. Assim. partindo da premissa de que uma guerra atômica é inevitável. então é o que faremos. teremos o pânico imediato. Afinal. O que está fazendo agora para os levar a exercer tanta pressão contra você? Claro que todo aquele estardalhaço na imprensa não contribuiu para torná-lo mais popular entre a hierarquia francesa. O objetivo era livrá-los de um professor universitário influente que poderia causar problemas quando fosse promulgada a convocação geral para o serviço militar. Mas não o suficiente para provocar um clamor público. e não se esqueça de que essa é a nossa projeção militar e a sua própria profecia!.saudável... — Muito em breve. o único meio pelo qual poderemos controlar e oferecer alguma espécie de proteção às grandes massas é um intenso programa de condicionamento. E quando soube que seu amigo Mendelius fora vítima de um atentado terrorista a bomba. — Um atentado a bomba... sim... radiação. muito em breve você poderá ferver sua mãe em óleo na Pont Royal sem que ninguém sequer pisque um olho.. por tanto tempo quanto possível.. Se anunciarmos esse fato terrível.. mas concordo. gás dos nervos ou um vírus letal. temos de manter as cidades em funcionamento.

— Mas considere a sua alternativa. alimento. E acrescentou: — Essas palavras são suas... Vou ler: "É evidente que em tempos de calamidade universal as estruturas tradicionais da sociedade não sobreviverão.. As grandes sociedades urbanas vão fragmentar-se em grupos tribais. com um humor sombrio. Esse é o cenário... combustível e abrigo. tirou um recorte de jornal cuidadosamente dobrado e abriu-o. pelo amor de Deus. — Fomos assegurados pelas melhores autoridades psiquiátricas de que a oscilação de táticas entre a violência e a indulgência báquica manterá o público ao mesmo tempo perplexo e dócil à autoridade. como Gregório XVII. — Pierre Duhamel deu de ombros. Depois. — Isso é monstruoso! Jean Marie Barette estava furioso. citadas no artigo de Mendelius. Tenho de presumir que a citação é autêntica.. A autoridade será usurpada pelos fortes e cruéis. Todos seremos então Amigos do Silêncio.. até mesmo para os que mais fortemente encontram arrimo na Promessa do Senhor. até o fim.. Será difícil. especialmente se os fatos só forem disseminados através de rumores. — Já pensamos em tudo — disse Pierre Duhamel. — Nesse caso. Não gosto dele.. E que Deus ajude qualquer pessoa que resolva abrir a boca no momento errado.. cada uma capaz de sustentar-se 226 . expressivamente. Haverá uma luta implacável pelas mais simples necessidades da vida. A razão ficará tão toldada que o homem recorrerá em busca de conforto às formas mais grosseiras e violentas de magia... Como os cristãos devem comportar-se nesses tempos de provações e terror? Como não mais poderão manter-se como grupos numerosos. devem dividir-se em pequenas comunidades. água. tanto quanto você. As áreas rurais estarão sujeitas a pilhagens. — Qualquer coisa seria melhor do que a brutalidade primitiva e as orgias que estão dispostos a oferecer.para servir como advertência aos demais. se precisarmos de algumas diversões. meu amigo. Mas recomendei-o assim mesmo a meu Presidente. Eu a tenho aqui comigo. — Claro que é monstruoso. tanto quanto os animais que agora abatemos para alimento. hostis entre si. não acha que deve olhar para o cenário que sugeri? — disse Jean Marie. Ele tirou do bolso a carteira. manter a fé e continuar a dar testemunho. A pessoa humana se tornará uma presa. como devem fazer. então providenciaremos isso também! E não haverá debates sobre qualquer coisa. pão e circo. sem confirmação na imprensa ou televisão. orgias nos degraus do Sacré Coeur.

para não mencionar os eleitos de outros cultos!. assim como também não podemos.. grande como a vida. É de fato um belo pensamento: o povo de Deus semeando seu jardim de graças... meu amigo: foi justamente por isso que sua própria gente o afastou. um tranqüilizante e uma colher de xarope? Os católicos romanos não são os únicos que estão optando pelo conformismo. sim.pelo exercício de uma fé comum e de uma verdadeira caridade mútua. seus eleitos. Todos os outros grandes cultos que possuem membros e propriedades na República já asseguraram ao Governo a sua lealdade. a não ser pelas medidas violentas que estamos prevendo? Afinal. Todos se estão 227 . Ou o Todo-Poderoso se encarregará disso. — Não fique tão chocado. a serem contrabalançados com o quê? Pequenas comunidades dos eleitos. Vamos enfrentar a verdade. A mesma coisa acontece em todos os países do mundo. terá de cuidar primeiro dos bárbaros. mas um retorno à moralidade mais simples... meu amigo.. enfrentar o insuportável. A sua própria Igreja adotou a mentalidade de sítio: não há debate.. é. Não podiam contestar o princípio. No fundo. fazendo experiências seminais no exercício da caridade e das outras virtudes cristãs.. a era das trevas. para que possamos dar testemunho público contra os ímpios! A última coisa que eles querem é algum profeta desgarrado apregoando o Juízo Final entre as sepulturas! — Mesmo sabendo que o Juízo Final está chegando? — Porque sabem disso! Exatamente porque sabem! Eles não podem. O que esperava de Pierre Duhamel.. precisam ter Satã nas ruas. cuidarão de si mesmos.. porém.. Esse é o motivo para os Amigos do Silêncio e seus equivalentes no governo secular! — Ele fez uma pausa e desatou a rir subitamente. — Mas qualquer que for o governo ou liderança que ainda existir na ocasião. no caso de uma emergência nacional. Distúrbios em grande escala e caos nas relações sociais. Se querem a moralidade de volta." — E agora vamos ver o que temos nessa prescrição. porque nenhum país pode empenhar-se numa guerra sem um povo disposto e conformado. Sabem que é preciso demonstrar como o caos pode ser terrível quando se quer a lei e a ordem. antes que aconteça. E como vai fazer isso.. Acha que é um sumário adequado? — Até aí. como os monges e freiras de antigamente. na Idade Média da Europa. com todos na missa aos domingos. seus bispos são pragmáticos frios. a fim de se poder verberá-lo em plena vista das massas aterrorizadas.

Depois. Jean Marie Barette disse.. Um conflito global se seguirá. Não gostaria que ela suportasse os horrores do que virá depois. Têm outros planos e outras razões. Se meia dúzia de atitudes foram adotadas por algumas das grandes potências.. Nossos filhos sabem. E ele ainda estava esperando por uma resposta. à misericórdia de Deus. para o dia em que os primeiros mísseis forem lançados? Duhamel não estava sorrindo agora.. mas respeitam nossa decisão. Minha mulher já sofreu o bastante. por exemplo? Encontrei-as no jardim esta tarde.apegando aos antigos modelos de experiência e cultura porque não dispõem de tempo agora para testar novos ou acostumar sua gente a viver por eles. ao dizer: — Conheço muitos homens de bem que vão preferir as trevas eternas à visão de Siva o Destruidor. Irei para casa no dia R. Jean Marie estava sendo desafiado e sabia disso. Creio que um homem é julgado pela luz que lhe foi concedida. Pierre Duhamel era um inquisidor ainda mais formidável. Prepararei a sua refeição predileta. — Pode fazer. R por causa de Rubicão.. Mas tenho outra pergunta que gostaria de fazer. de suas pequenas fantoches de Deus. Gostaria agora que me respondesse a uma pergunta. tudo termina no Dia do Rubicão.. Estamos de acordo. Mas que me diz dos desamparados. Se você prefere um fim estóico a uma situação insuportável. Pierre... E finalmente murmurou: — Aceito o que me está dizendo. E demorou algum tempo para responder: — Em nossos planos. Não gostam da idéia. — Para você e sua mulher... mas não farei qualquer julgamento ao ator. E nós dois tomaremos uma pílula letal. então a química do conflito se tornará irreversível. Prefiro confiar você. posso condenar o ato. como confio a mim mesmo. Darei um banho em minha mulher.. A guerra será declarada. calmamente: — Creio no livre-arbítrio. Era o mesmo desafio que Carl Mendelius lhe apresentara no jardim de Monte Cassino. Pierre. esse dia é chamado de Dia R. Conversei com a gou228 . pessoalmente. Quais os preparativos que você fez. deitar a seu lado. e enfrentá-los sem minha mulher seria para mim um masoquismo sem sentido. Jean Marie ficou calado por um longo momento. porque não tinha as inibições de Mendelius. vou levá-la para a cama.

ficarei marcado como um louco. com um formalismo pesaroso: — É um homem muito inteligente. — Pois dê-me três fotografias. as pessoas que. com sua visão de Armagedom e do Segundo Advento. — Como eu falei.. Nos termos de uma série de diretivas políticas secretas. Vai descobrir que é cada vez mais difícil circular. O que fará num momento de crise? Deixará que morram como galinhas num incêndio do galinheiro ou tenciona oferecê-las como diversão aos bárbaros? Pierre Duhamel terminou de tomar seu drinque e largou o copo na mesa. da mesma forma que lhe aconteceu.vernante delas. Ficará surpreso ao constatar como a vida pode ser-lhe desagradável. Tratamos de atualizá-la. por insanidade. Monsenhor. Darei um jeito para que seu novo 229 . Tirou um lenço do bolso e enxugou os lábios. Alguns países hesitarão em lhe conceder um visto de entrada. Mas mesmo você não pode prever todo o futuro. serão discretamente eliminadas.. Assim. meu amigo. — Pode fazer isso? — Estou sempre fazendo. Infelizmente. E depois disse. Fui informado de que alguns países exigem fotografias para a concessão de vistos..lugar. para pessoas incumbidas de missões especiais. Estou deixando-o chocado. mas certamente seu caso é muito especial. Já há providências previstas para as minhas pequenas fantoches. que me disse que você era um dos seus mais importantes patrocinadores. Terá sessões prolongadas com as autoridades nas fronteiras. enfermidade incurável ou outras incapacidades. Será hostilizado em toda parte. — Então vamos tentar descobrir como podemos escapar. — O que posso fazer? Se eu tentar divulgá-lo. vamos tratar do seu problema — disse Duhamel.. Você não está em nenhuma missão. — Em primeiro. Hitler proporcionounos tal idéia. não é mesmo? — O que me choca é o fato de você poder continuar a viver com esse segredo. estamos ambos no mesmo barco. acho que devemos providenciar-lhe um novo passaporte. incluindo uma liquidação compadecida. Sua bagagem será meticulosamente revistada. possam se tornar um fardo muito grande em tempo de guerra. é oficialmente intocável. Tem alguma fotografia recente sua? — Tenho uma dúzia de cópias da fotografia do meu atual passaporte. ao invés de brutal. sob um novo nome.

— Os planos de batalha são como uma visão do inferno... secamente. você detesta o que está sendo tramado.. é claro que tudo está baseado em ações limitadas. Mas eu me recuso a entregar todo este planeta ao mal. não haverá limite para a escalada. Obrigado. Pierre. Nenhum horror está ausente.. A partir do momento em que se comete um assassinato.. Você providencia o documento. Há bombas de nêutron. quer vê-lo fora do país. — Você resolveu fazer um pacto de suicídio com sua mulher. Ainda não existe nenhuma legislação eficaz contra os maus-tratos às 230 . — Por favor! — Pierre Duhamel exibiu um súbito sorriso infantil. porque só se tem uma vida para entregar ao carrasco. para não falar do resto do mundo. Vamos falar primeiro sobre os pequenos fantoches de Deus e o que lhes acontecerá no Dia do Rubicão. na verdade. o Presidente. Enfrentaremos tudo juntos. Pierre. dois é ridículo. assim que os primeiros tiros forem disparados. diante de um enxame de horrores. então será alguma coisa. Se conseguirmos guardar pelo menos um canto para a esperança e o amor. — Por que ele se importa tanto comigo? — Ele entende de teatro — disse Pierre Duhamel. doenças fatais disseminadas por spray. Em teoria.. — Meu superior. — E depois? — Oh. Deus! Despertaremos a consciência do mundo! As pessoas vão levantar-se contra o mal que será feito às crianças! — Será mesmo? Estamos quase no final do século e ainda existe trabalho escravo infantil na Europa. Mas. — Já chega! — Jean Marie Barette interrompeu a conversa abruptamente. gás venenoso. Desataram a rir e a tensão se dissipou. Pierre Duhamel abandonou a sua pose de ironia defensiva e passou a falar mais livremente. — Um homem andando sobre a água é um milagre. Recebi instruções para fazer tudo o que fosse possível para ajudá-lo a deixar a França. E eu falarei com Georg Rainer para que convoque uma entrevista coletiva com repórteres do mundo inteiro. como elementos dissuasivos. A imagem divertiu a ambos. Por que não fazer um último ato de fé e avançar junto comigo para o pelotão de fuzilamento? — Para fazer o quê? — Vamos chocar o mundo e fazer com que nos escute. — É um bom amigo. o resto torna-se fácil. os horrores maiores mantidos em reserva. Detesta a sua impotência diante de tanta irracionalidade.passaporte lhe seja entregue aqui amanhã.

pode telefonar. O Juízo Final está logo além da esquina.. Sou um servidor do que existe. devolverei as chaves da casa da vida e ambos partiremos". Não há esperança! Não há saída! Assim.. se assim deve. mas apenas porque não dispõem de inteligência para saber melhor. Não rezei. Quando o que existe se torna insuportável. fui a Notre-Dame e sentei-me sozinho diante do altar. Mas não os gerei.. — Está enganado.. Duhamel escreveu um número no bloco ao lado do telefone.. enquanto estiver viva. La comédie est finie. Ele é 231 . Dê-me agora as fotografias Terá um passaporte novo e uma identidade nova pela manhã. Se nos impingir mais alguma coisa. Não participei dessa confusão explosiva que é o universo. Jean Marie tirou as fotografias da carteira e entregou-as. mas jamais confie no homem. peça para falar com Charlot. Não é possível. — Por que está dando-se a todo esse trabalho comigo? — Só Deus sabe. Pelo menos morrerão felizes. Provavelmente porque admiro a coragem de um homem que é capaz de aceitar a vida e todos os seus males sem quaisquer condições. Caso não me encontrar. Duhamel desvencilhou-se do aperto de mão. vou agüentar também. não é mesmo? Nem mesmo a você Ele disse: "Avise-os para reformarem o mundo ou tudo estará perdido!" Você recebeu a mensagem que recebo todos os dias nos despachos presidenciais. Lamento muito. — Havia uma tristeza um tanto remota e espectral na voz dele. trato de sair de cena. não estava presente no dia da criação. — Atendi a meu chamado há muito tempo. Se eu fizesse o que me está sugerindo.. E as mulheres ainda estão brigando entre si e com os legisladores sobre o direito de matar os fetos quase completos.crianças. Compreende agora. Monsenhor. Monsenhor? — Compreendo tudo. a imprensa nos proscreveria e a polícia nos jogaria no mais profundo cachot do país meia hora depois. menos uma coisa — respondeu Jean Marie Barette. Mas quero que compreenda que isso é o suficiente. — Não vou deixá-lo partir assim! Está fazendo uma coisa terrível. — Esse é o telefone da minha casa. Pode ser o último que receberá. Farei com que ela seja feliz tanto quanto me for possível. Ao fazê-lo. Quando minha mulher caiu doente e o médico me deu o prognóstico.. Pois foi o que Ele fez. Apresentei um ultimato ao Todo-Poderoso. tudo está acabado para mim. Os pequenos fantoches também são assim. meu caro Jean! Confie em Deus. Falei: "Eh bien! Já que ela tem de agüentar isso. Lamento pelos pequenos fantoches. pegou a mão de Duhamel e apertou-a firmemente.. Fecha os ouvidos e o coração a um chamado claro. Se precisar de mim.

" Em seu encontro com Pierre Duhamel. mas era agora apenas um homem de cabelos grisalhos. Pierre Duhamel estaria ao alcance da Misericórdia Eterna. havia flores viçosas em todas as mesas. repleto de armadilhas. entrecôte e meia garrafa do vinho da casa. A toalha e o guardanapo estavam impecáveis. acomodando-se para apreciar a refeição. do qual podia observar os demais fregueses. tome muito cuidado. ele estava completamente despreparado para a intensidade do desespero do homem. Jean Marie pediu um pedaço de melão. Não podia suportar a solidão do seu quarto e por isso foi para o restaurante. Pelo menos não havia ameaça ali. Era uma loucura tão racional que não se podia curá-la nem contestá-la. por ser destituído de paixão. Disse que muitas delas eram registros de conversas descontraídas de Jesus. Jean Marie devia continuar a fazer orações pela alma dele. As metáforas de amos. Podia abranger. no evento mais banal.. A sua imagem comum fê-lo lembrar-se de uma das primeiras conferências de Carl Mendelius no Gregoriano. onde a patronne lhe providenciou uma mesa num canto sossegado. Tinha de continuar a acreditar que. mas Jean Marie Barette não deveria desesperar-se nunca. Depois.meu mordomo e muito bom em improvisar operações táticas. Era profundamente terrível. no uniforme da burguesia. com suas mulheres. Depois disso. o serviço era discreto. devia estender as mãos quentes para degelar o coração 232 . Ele estava explicando a natureza das parábolas do Evangelho. ele avistou o seu reflexo num espelho na parede. sem o menor tremor. E. elementos alienantes. as histórias familiares são como um campo minado.. Havia mais do que uma armadilha no campo minado! Pierre Duhamel podia entregar-se ao desespero. Depois que Duhamel foi embora. no entanto. Todas contêm contradições. os clientes eram homens de negócios prósperos e burocratas bem situados. Mendelius acrescentou um aditamento à proposição: "Contudo. As pessoas não estão vendo. mas não encontraria lugar para a menor esperança ou para a mais simples alegria. Jean Marie foi invadido por um medo insidioso. criados e refeições eram estimuladas pelo ambiente imediato e comum. enquanto a vida perdurasse. À primeira vista. por favor. no entanto. que fazem o ouvinte parar de repente e levam-no a perceber um novo potencial. para o bem ou para o mal. Deve ficar seguro aqui por um ou dois dias. as mais monstruosas perversidades. mas a verdade é que os assassinos já se encontram nas ruas. A iluminação era repousante. Compreendeu que podia ter usado outrora o vermelho de um Cardeal e o branco de um Papa. o temor do viajante solitário que ouve o lobo uivando na mata. Enquanto fazia o julgamento.

costumamos dizer "alimentado como a mula do Papa". — Neste caso. Aprendemos bem depressa com Monsieur Duhamel que o silêncio vale ouro. mas Jean Marie não estava com ânimo de desenvolver o gracejo. antes um Papa e servidor dos servidores de Deus.. — Ora. posso pedir a um dos empregados para levá-lo de carro. não como um visionário. depois que eu lhe assegurar a sua absoluta discrição. Jean Marie elogiou-o com um sorriso. — Tenho certeza de que ele terá o maior prazer em visitá-la. Como sobremesa. por agentes de segurança e cachorros. não é nada. recomendo as nossas framboesas. Se quiser ir até lá pela manhã. — Na Gasconha. baixinho: — Claro que prefiro muito mais alimentar o Papa do que sua mula. Jean Marie estava preocupado com o desafio que agora se apresentava. que parou junto de sua mesa para perguntar se estava gostando do jantar. — Fui alimentado como um rei. no momento apropriado. Jean Marie terminou o jantar sem qualquer pressa. Sua credibilidade estava em jogo.. Mas não seria porque Jean Marie Barette. madame. fracassara em apresentá-las com fé e amor suficientes? Mais uma vez. — Obrigado. — Ela fez uma encenação de remover algumas migalhas da toalha e acrescentou. Mas mesmo enquanto os saboreava. correndo com alguém a marcar o ritmo e que lhe diria quando acelerar. Havia um brilho de malícia nos olhos dela. Sua atenção consciente 233 ... ele sentiu o impulso inexorável de abrir-se a um novo influxo de força e autoridade. Seu devaneio foi interrompido pela patronne. O prazer é todo meu. Nós mesmos é que as cultivamos. Acusara Duhamel de rejeitar as boas-novas. madame. A carne estava macia e o vinho era suave. Era quase como se fosse um atleta.. madame. — Tenho certeza de que Monsieur Duhamel me receberá. A propriedade é guardada como uma fortaleza. O motorista pode ficar esperando para trazê-lo de volta. — Quanto a isso. E perguntou: — Pode dizer-me se a casa de Monsieur Duhamel fica muito longe daqui? — Cerca de 10 minutos.. Mas deve telefonar primeiro. de carro.. pode estar certo de que todos os nossos clientes confiam em nós. assim que acabar o jantar. Eu gostaria de ir até lá agora.obstinado. chamarei um táxi. mas como um simples portador das boas-novas de Deus ao homem..

Diz que tem um encontro marcado. — Neste caso. Era um dilema. um visitante dos mais comprometedores. por favor? — Charlot. por favor? — Aqui é Monsieur Grégoire. Tenho um encontro com Monsieur Duhamel. O portão estava fechado e um carro da polícia estava estacionado do lado de fora. — Espere um pouco! O guarda pegou um rádio de bolso e chamou a casa: — Um certo Grégoire está aqui fora.começou a deslocar-se de Duhamel para a mulher inválida dele. faça exatamente como estou pedindo e deixe que Monsieur Duhamel decida se minha visita é ou não oportuna. Era como se ela estivesse estendendo a mão para alcançá-lo. Pois trata-se de uma emergência. iria revelar-se como Jean Marie Barette. no meio de um pequeno parque. A casa de Pierre Duhamel era uma grande mansão rural. ele se identificara como Monsieur Grégoire. Madame está muito doente. Baixou a janela do carro e falou ao guarda mais próximo: — Sou Monsieur Grégoire. Se a polícia lhe pedisse os documentos. Jean Marie não ouviu a resposta. como um homem de confiança. Ao telefone. — Quem está falando. Ele decidiu blefar. por trás de uma cerca alta de ferro. Por favor. foi até a cabine telefônica e ligou para o número particular de Duhamel. O médico está aqui neste momento. com dois guardas. — Lamento. mas aparentemente satisfez o 234 . Estarei aí dentro de 15 minutos. Eu gostaria de falar com Monsieur Duhamel. — Isso não seria conveniente. — Quem está falando. E Monsieur Duhamel está reunido com um visitante do exterior. a quem eu poderia recorrer numa emergência. mas não será possível. há duas horas Monsieur Duhamel deu-me o seu nome. Jean Marie Barette fechou os olhos e preparou-se para o que lhe seria exigido nos encontros iminentes. O motorista era um homem lacônico. informe-o por favor de que estarei aí dentro de 15 minutos. O táxi chegou em meio a uma tempestade. Uma voz masculina atendeu. — Charlot. ao estilo do Segundo Império. Jean Marie terminou de tomar o café. Anunciou os termos do contrato para um serviço assim e caiu no silêncio depois que foram aceitos.

Ele estava tremendo de raiva. — Leve-me até lá. Ele subiu a escada e abriu a porta do quarto. mas não muito. Se ela pudesse falar. Os reflexos estão mais fracos. Há fluido nos pulmões. Pierre Duhamel fitou-o como se ele fosse um estranho. que acenou com a cabeça e disse: — Está sendo esperado. — Fui instruído a não trazer nenhum documento nesta visita em particular. Que diabo está querendo? — Onde está sua mulher? — Lá em cima. por favor. com uma raiva fria: — Não quero rituais ou palhaçadas. — A paraplegia ampliou-se. 235 . Duhamel perguntou: — Alguma mudança? O médico sacudiu a cabeça. estava recostada sobre travesseiros. O médico segurava o pulso inerte. um vulto pálido e encolhido. o portão foi novamente fechado. — Pelo amor de Deus. Sua identificação. — Sendo assim. Acompanhe-me.. O médico está com ela. de quatro colunas. contando as pulsações. porque os músculos do sistema respiratório estão começando a falhar. num gesto de rendição. antes que viesse a autorização para sua entrada na propriedade. por favor. Ele saiu.. eletricamente.. houve um intervalo mais prolongado. Quem é esse cavalheiro? — Um velho amigo. meu caro! O que está querendo? Paulette está passando mal e tenho um visitante de Moscou na sala de estar. depois deu de ombros. Paulette Duhamel. Finalmente o portão foi aberto. chamem-me imediatamente. por favor. na cama grande. — Está bem. — Hã. também recusaria. O guarda tornou a entrar em contato com a casa. vou retirar-me por um momento. Um padre. mas demonstrou muito tato. O táxi ainda não havia parado quando a porta da frente foi aberta pelo próprio Pierre Duhamel. Desta vez. Ela recupera e torna a perder a consciência a intervalos. Podemos fazer um pouco por ela no hospital. Pierre Duhamel virou-se para Jean Marie e disse.guarda.. — O médico estava obviamente surpreso. Se houver alguma mudança acentuada. Estarei esperando lá fora. o guarda acenou para que o carro passasse. Pode verificar com Monsieur Duhamel.

a menos que seu visitante seja impaciente. — Ele será paciente — disse Pierre Duhamel. algo que ele não podia converter em palavras. Ele se inclinou para beijá-la. dizendo calmamente: — Pode abrir os olhos agora. Ergueu-se com um sorriso indeciso. os músculos se descontraindo. O desejo era tão pungente que pareceu suspender o tempo. O corpo de Jean Marie tornou-se inteiramente rígido. — Está precisando de mim. Era uma visão tão angustiante que Duhamel desejou. Jean Marie nada disse. — Vou sentar-me e segurar a mão dela. haviam cessado.— Não haverá rituais — disse Jean Marie Barette. Era como se toda a vida dentro do homem se estivesse esvaindo das periferias do corpo para algum poço secreto. pudesse ser libertada.. Olhou outra vez para Jean Marie Barette. conversando com o médico. no centro dele. triste. a respiração superficial e entrecortada. A primeira coisa que Duhamel notou foi que os constantes tremores. as feições tensas relaxando num sorriso. de tal forma que. segurando-a entre as suas. chéri. aquela mulher especial e essencial a quem amava há tanto tempo. sentou-se. Jean Marie Barette estava de pé. junto à porta aberta. especialmente a madame. Paulette continuava estendida na cama. — Acho que podemos todos relaxar um pouco. asperamente. Parece que o problema passou. Mas deve 236 . murcha. madame. Pierre Duhamel. Ela levantou os braços na direção dele. Pode esperar. Ele estava mudando novamente. que tudo parasse e ela. na semi escuridão do quarto. Aproximandose da cama. em voz fraca. como uma boneca de cera. as feições pareciam esculpidas em. observou uma curiosa transformação. os olhos fechados. Enquanto isso. mas sem qualquer hesitação: — Olá. Puxou uma cadeira para o lado da cama. minutos ou horas. que continuava parado ao pé da cama. com toda a força de seu coração. o médico contou as pulsações de Paulette e auscultou-lhe novamente o peito. Ela falou serenamente. Parece que tive outro ataque. Quando tornou a se empertigar. Os músculos de seu rosto contraíram-se. Alguma outra coisa também estava acontecendo. Paulette Duhamel abriu os olhos e concentrou-os imediatamente no marido. pegou a mão murcha e inerte da mulher. como um passarinho que se solta da gaiola. que caracterizavam aquele estágio avançado da doença. no momento. se quiser.madeira. parado ao pé da cama. Terá de enfrentar a fome neste inverno. gentilmente. Jean Marie finalmente abriu os olhos e virou-se para a mulher na cama. Duhamel não soube se ficou parado ali por segundos..

— Tem certeza de que ele quer encontrar-se comigo? — Pois vamos perguntar a ele. — Não sei o que você fez ou como fez. por que não faz o pagamento aos pequenos fantoches? — O que o trouxe aqui esta noite? — Algumas vezes. como se fosse por um instinto animal. em companhia de Pierre Duhamel e Jean Marie. também subitamente.. caminhando numa terra estranha. eu ouço vozes. — Jean Marie falou com uma autoridade espartana. Padre.. — Não escarneça de mim. como a sua esta noite.. grâce à Dieu!. ou a administração da extrema-unção pode produzir uma grande calma no paciente. em parte circassiano. E depois. em parte georgiano. onde estava Sergei Andrevich Petrov. ele se tornou mais expansivo e loquaz: — Com essa doença. E Pierre Duhamel levou-o à biblioteca. nunca se sabe o que pode acontecer. Ele cumprimentou Jean Marie com um aperto de mão vigoroso e um gracejo rude: — Então Sua Santidade está desempregado. Os súbitos colapsos não são muito comuns. algo que por si só já é uma terapia. Monsenhor! Estou cansado e ainda tenho uma noite comprida pela frente. como todos os loucos. Por enquanto. — Espere um pouco! Gostaria de que se encontrasse com meu visitante. Mas como está em luta com Ele neste momento. — Partirei agora. nascido na economia de subsistência do Cáucaso.Já notei muitas vezes que uma intervenção religiosa. Poderemos cuidar pela manhã do problema respiratório.. E estava também estranhamente humilde. como aconteceu esta noite. sem fazer qualquer esforço desnecessário. vem a recuperação. Era um homem baixo.. o problema de alimentar um continente que se estendia da Europa à China. Era como um sonâmbulo. corpulento como uma barrica. mas ao mesmo tempo compreendendo.. — Está em dívida com Deus. Afastando-se pelo corredor.. Devem estar lembrados de que na antiga ilha de Cos. O que está fazendo 237 . a crise está superada. Duhamel conduziu-o diplomaticamente até a porta e depois voltou para junto de Jean Marie. O paciente retorna a um estado eufórico e o ritmo da degeneração se reduz..continuar deitada. — Não me deve nada. mas acho que lhe devo uma vida. mas podem ocorrer... Ministro da Produção Agrícola da União Soviética.

— Minha mulher superou a crise.. — Um gracejo de mau gosto. — Não tenho tanta certeza assim — comentou Sergei Petrov. seria prontamente repelido como um maluco. — Se eu não conseguir arrumar trigo em algum lugar. 238 . os americanos e canadenses suspenderam seus suprimentos. Os cereais passaram a ser considerados como material de guerra. — A culpa é minha — interveio Jean Marie.. — Para a Rússia. duas colheitas ruins seguidas constituem uma catástrofe. oferecendo barras de ouro em troca de trigo. rompendo a solidariedade da Europa Ocidental e nos expondo a sanções econômicas por parte dos americanos.agora? Bancando a eminência-parda de nosso amigo Duhamel? O sorriso atenuava o sarcasmo do comentário. É original o bastante para oferecer alguma diversão. Os australianos estão vendendo todo o seu excedente à China. Ele soltou uma risada amargurada e abriu os braços.. E poderia acreditar que não estou conseguindo quase nada? — E se vendermos alguma coisa — acrescentou Duhamel. — Vim sem ser convidado. — Talvez ele possa também fazer um milagre por mim. — E presenteou-me com um milagre particular — disse Pierre Duhamel. Mas tenho de apresentar respostas a Moscou. — Mas isso não mais acontece. estou correndo o mundo. Sergei. a fim de alimentar as Forças Armadas. Vamos comer neste inverno ou passaremos fome? Nossa conversa foi interrompida e fiquei um pouco irritado. temos de racionar o suprimento para a população civil. Por que não me procura amanhã na Embaixada? Eu gostaria de conversar com você antes de voltar a Moscou. o Exército terá o pretexto final de que precisa para desencadear uma guerra. Quando não há forragem. Assim. — Petrov virou-se para fitar Jean Marie Barette. — O mundo inteiro transformou-se num hospício. Sinto muito. Se eu tentasse agora intervir em negócios de Estado.. num gesto de desespero. temos de abater o gado. antes de acrescentar: — Eis aí um verdadeiro desafio para um fazedor de milagres! — Houve um tempo em que meus bons ofícios poderiam significar alguma coisa para as nações — disse Jean Marie. Sem reservas de cereais. em tom amargo — seremos a pérfida França. Agora. mas Duhamel reagiu bruscamente: — Está excedendo-se. Deus sabe que estou precisando.

estendido na cama. E agora. Por duas vezes agora. Sergei! — Pierre Duhamel riu e depois acrescentou para Jean Marie: — Irei procurá-lo amanhã com os documentos. com um sorriso: — Se puder multiplicar os pães. uma com Carl Mendelius e novamente com Paulette Duhamel. a oferenda de si mesmo. Jean Marie pôde ouvir os latidos de cachorros. — Por que você não vai procurá-lo na Hostellerie des Chevaliers. Sergei? Eu não confiaria uma lista de roupa suja à mesa telefônica de sua Embaixada. no parque. Estava desesperadamente cansado. Temos uma noite comprida pela frente. pronto para conduzir o visitante até a saída. Sentira-se então literalmente arrebatado para fora de si mesmo. — Você pediu por isso. Um instante depois. O carro da polícia ainda estava estacionado diante do portão. Até lá. talvez eu já tenha encontrado as palavras para agradecer. Ele puxou o cordão da campainha.. eu lhe darei meu emprego amanhã! Jean Marie Barette disse: — Meu caro Camarada Petrov. Jean apertou as mãos dos dois homens. Boa-noite. ao lado da lareira. como um conduto. gostaria que nos desse licença. cumulado com um conhecimento que absolutamente não solicitara nem desejava. O efeito fora imediato e permanente. Começava com um impulso de 239 . Estava marcado para sempre. enquanto os agentes de segurança. Petrov disse.. Ao longe. Já era uma hora da madrugada quando Jean Marie concluiu suas preces e os preparativos para dormir. Mas espero já estar de volta no início da tarde. Era uma sensação inteiramente diferente da que associava com o êxtase e as revelações da visão. e estou tentando proteger nosso amigo. através do qual uma concessão de conforto se tornava disponível para outros. mas ficou acordado por muito tempo. tentando compreender a estranha lógica transcedental dos acontecimentos daquela noite. Jean. afugentavam uma raposa de uma moita. O impassível Charlot acompanhou-o até a porta. Charlot estava na porta. O fluxo era um fenômeno transitório. experimentara o fluxo. senhores. não se pode excluir Deus do Manifesto Comunista e depois ficar esperando que ele apareça por ocasião da colheita. submetido a uma iluminação. O motorista do táxi estava cochilando. vasculhando a propriedade. — Tenho uma reunião no banco de meu irmão pela manhã.— Tenho uma idéia melhor — disse Pierre Duhamel.

de quem dependiam questões de vastas conseqüências. Então por que a diferença? Por que o impulso para a mulher frágil e a recusa imediata do outro? Não era um ato de julgamento.. Era ele próprio quem exortava o Pai Invisível à misericórdia. Ele não é o que teríamos criado para nós mesmos. mas sim uma reação irracional. Mas embora o ato fosse uma dedicação espontânea de si mesmo. quando ainda era novo no Sacro Colégio. oferecendo-se como o conduto pelo qual os dons do Espírito podiam ser transmitidos. mas apenas o homem-deus pode tornar o paradoxo suportável. entre ele próprio e a pessoa necessitada. instintivo e irracional. apesar de toda a sua dinâmica intensamente ativa. Era um ato de amor.. Não podemos tolerar a sua monstruosa indiferença diante de todos os nossos medos e agonias. Os profetas nos oferecem esperança.. através do mérito do Filho encarnado. Marcamos os nossos territórios com almíscar e fezes. o ganso migrante reagindo ao impulso estranho e primevo que o levava a partir antes da chegada do inverno.. Petrov podia fazer gracejos a respeito de milagres. . mas a verdade é que queria um desesperadamente.. os pinheiros marchando como lanceiros sobre as cristas das colinas.. O que não podemos admitir é a desordem do universo. o aspecto absurdo de um cosmos sem princípio conhecido.compaixão ou amor. através do qual uma dádiva era concedida ou renovada. como os animais. ele passeara com Carl Mendelius num jardim à beira do Lago Nemi. magia ou taumaturgia. uma identificação. Era um daqueles dias mágicos. É o verdadeiro signo da paz. sem fim visível e sem sentido aparente. o céu inteiramente sem nuvens. Certa ocasião. Se lhe fosse oferecida a metade de um pão como ração de inverno... mais do que isso. o junco vergando-se ao vento. há muito tempo. Havia uma empatia. Não havia senso de milagre. Sua carreira 240 . como a fome e a pestilência da guerra. E elegemos deuses para conceder sua aprovação a nossas criações. . os cachos maduros nas videiras. Mendelius surpreendera-o com uma estranha proposição: "Toda idolatria deriva de um desejo de ordem.. Queremos ser impecáveis. o ar vibrando com o zumbido das cigarras. uma compreensão da necessidade profunda de outra pessoa. Instituímos hierarquias como as abelhas e éticas como as formigas.. Ele não podia explicar por que se oferecera como um mediador para Paulette Duhamel e não para Sergei Petrov. o impulso que o estimulava vinha de fora... ele teria a maior satisfação em entoar a doxologia com o Patriarca de Moscou. porque é o signo da contradição. É por isso que o advento de Jesus é um evento curador e salvador.

estranhamente. mumificado e embalsamado em vida. 241 .. Jean Marie Barette... eles o transformarão num faraó. jamais enxugaram as lágrimas de uma mulher ou seguraram no colo uma criança doente até o nascer do sol. O homem que alega ser o guardião de sua verdade vive num vasto palácio. Se algum dia tornar-se Papa. Jean. antes de acrescentar: "Mas pense no que os homens fizeram com Ele.. Ele não é apenas ontem. cercado por homens celibatários. mas também hoje e amanhã.é um breve e trágico fracasso. Expandimos a família dos que acreditavam n'Ele numa burocracia imperial. como você e eu. Jean!. veículo de mistérios que estavam além de sua débil compreensão.. Ele morre em desonra. mergulhou no sono. justificada apenas porque existe e não pode ser dissolvida sem um cataclisma. que jamais ganharam uma migalha pelo trabalho de suas mãos.. Está disponível aos mais humildes. Expandimos a sua fala simples numa babel de filosofias. ele vive. Mas depois. mantenha uma pequena parte de si mesmo reservada para um amor particular." Mendelius pensara por um momento. Se não o fizer." A paisagem de verão das colinas albanas fundiram-se com os contornos do pais de sonho. assim como aos mais altos. O som da voz de Mendelius desvaneceu-se sob o canto dos rouxinóis no jardim da Hostellerie.

alegando que essa era a tendência do mercado. mas vendiam ações em minas. os títulos mobiliários na gangorra. a fim de ligar para o seu irmão Alain no banco e cancelar a reunião. Eles compravam ouro. Novo no mundo. comprava-se o metal e se livrava do bem ameaçado. aproximando-se rapidamente do ponto de pânico. o dólar em baixa. Um dos argumentos mais fortes contra a divulgação de sua encíclica fora o de que levaria os mercados do mundo ao pânico e causaria ao próprio 242 . bem treinados e bem armados. a confiança se erodindo a cada semana. os banqueiros dispunham de melhores condições do que qualquer outro grupo para registrar a doença fatal da humanidade. Ao final de cada dia. cereais e soja espetaculares. Assim. as perspectivas para o petróleo. seus computadores contavam a história e não havia retórica que pudesse alterar o texto sombrio e . Estendeu a mão para o telefone.frio: o ouro em alta. não podia se dar ao luxo de perder qualquer linha de comunicação. já de quarentena como um portador da praga. Mas a verdadeira história era que os guerrilheiros negros na África do Sul estavam cada vez mais fortes. Naquela última década do século. Se podiam explodir uma refinaria de petróleo. Jean Marie Barette recordou as suas longas sessões com os financistas do Vaticano e como eram sombrios os quadros que emergiam de seus cálculos cabalistas. Mas mudou de idéia antes de fazê-lo.CAPÍTULO 10 Ele despertou revigorado e imediatamente lamentou o seu envolvimento com os homens de dinheiro. os metais raros subindo. certamente poderiam explodir também os túneis profundos das minas.

de pele azeitonada. estavam sendo chamados a explicar sua orientação. era dos mais substanciais. Agora. alguma operação um tanto escusa no mercado ou de um vilão reformado comprando uma passagem de primeira classe para o paraíso. como todos os outros de sua espécie. o incremento ficava à sua disposição. Possuía também senso de humor e 243 . O capital permanecia intacto. Era uma mulher alta. ele próprio tinha de reivindicar meios de subsistência... Ainda acreditava que a reforma social só podia ser alcançada através de organizações eficazes e devidamente financiadas. Jean Marie saíra de cada reunião lutando com sua consciência. O dinheiro residia em casas estranhas. e precisando de um mínimo de liberdade para disseminar a palavra que lhe fora concedida. eram forçados a especular sem distinção com as moralidades e imoralidades da humanidade.. Era um domínio da vida da Igreja em que ele aprovava o sigilo. Madame Saracini do Banco Ambrogiano all'Estero. porque seus experts clericais.. Alain apresentou-os com a cerimônia apropriada: Sansom do Barclays. Eram todos respeitáveis. Madame Saracini foi a porta-voz do grupo. empregara o dinheiro em obras relacionadas com o bem-estar de seu rebanho. beirando os 40 anos. Lambert do Crédit Lyonnais. Como Papa. O fundo de investimentos que seu pai instituíra. a afirmação secreta da fraternidade na aflição. quer fossem provenientes de trabalhadores explorados. Winter do Chase. Eram quatro os administradores do fundo com que teria de lidar.Vaticano um enorme prejuízo financeiro. Falava francês com um ligeiro sotaque italiano. o poder era controlado por mãos improváveis. Cada um deles era diretor de um grande banco. Suas únicas jóias eram a aliança de casamento e um broche de ouro com uma água-marinha. e se perguntavam até que ponto aquele ex-Papa podia ler um balanço e uma demonstração de lucros e perdas. Além do mais. com renda na garganta e nos punhos.. quanto menos não fosse porque não se podia justificar ou sequer explicar as nódoas em cada balanço. A parte de Jean Marie nos recursos era administrada de maneira especial. num costume azul de linho. a fim de preservar a fortuna que ganhara para a família. estatisticamente desempregado. todos um tanto cautelosos. Estava com 65 anos. Como padre paroquiano e depois como bispo. usara-o para caridades e dádivas a pessoas em crises pessoais. mas estava também convencido de que não havia substituto para o ato de compaixão..

por que não simplesmente Monsieur? — Não concordo. Deve ser Eminência ou Monsenhor? Também não pode ser apenas Père Jean. como gostaria de ser tratado? Não pode ser Sua Santidade. É uma distribuição das mais racionais. sem uma missão canônica. — Afinal. E agora. tenho de viver o que sou e gosto de me sentir à vontade. é claro... é claro. — Estamos sob a ameaça da guerra. já que seu irmão é um excelente banqueiro. O capital. como vai verificar. Sempre achei que Monsenhor era um resquício desnecessário da monarquia. Felizmente. suavemente.. Instituímos um código comum de prática interbancária. constitui uma 244 . Esse capital. 20 por cento em títulos de liquidez imediata. Como podemos proteger os nossos bens? O homem do Chase interveio: — Em relação aos papéis comerciais. Madame Saracini respondeu com um sorriso: — Tenho certeza de que compreende que não existe absolutamente qualquer mistério. — Tenho uma pergunta — disse Jean Marie. Isso significa que há necessidade de uma administração ativa e vigilante.. Pode ser variada em pouco tempo. — Afinal.. O ouro.. Celestino V foi forçado a abdicar e canonizaram-no depois de sua morte. está dividido numa proporção apropriadamente estável: 30 por cento em propriedades imobiliárias. Jean Marie riu... E como estou agora vivendo como uma pessoa comum. Se tem algum comentário a fazer. gostaria que me explicasse os mistérios do dinheiro. dispomos dos sistemas mais modernos de estocagem e resgate. Perguntou inocentemente: — Desculpe-me mas. que permite proteger nossos clientes contra perdas documentais. sempre contou com isso.estava obviamente disposta a exercê-lo. tanto urbanas como rurais. triplicados e algumas vezes quadruplicados em áreas estrategicamente protegidas. Ainda não estou morto e assim isso não se aplica. apenas os problemas de manter um capital intacto e um rendimento que fique acima da inflação. — Alain estava perturbado com a sugestão. avalidado ao final do último ano financeiro. 10 por cento em obras de arte e antiguidades e os restantes 20 por cento em ouro e empréstimos a curto prazo. madame. Jean. E certamente sou menos do que uma Eminência. — Duvido que haja algum protocolo. 20 por cento em ações... é de cerca de 8 milhões de francos suíços. meu caro irmão.

mas os fatos não são plenamente compreendidos. As obras de arte e antiguidades. ao saber que. Alguns se baseiam em fatos. Algum dos presentes dispõe de alguma informação a respeito? O homem do Crédit Lyonnais contraiu os lábios. de que o cenário para o caos que previu em seus próprios escritos é quase o mesmo preparado por nossos governos seculares.. entre os quais está você! Outros podem fazer coisas horríveis. mas você não nos pode culpar porque cumprimos bem o que se espera de nós! Acho que me deve e a meus colegas um pedido de desculpa! — Tem toda razão. E espero que me permitam uma explicação. contaminando uma vasta área periférica. há planos para a eliminação dos incapazes assim que estourar a guerra.. Fico imaginando por que nos preocupamos tanto com o resgate de papéis comerciais e tão pouco com o proposto assassinato em massa dos enfermos e incapazes. Fiquei chocado ontem. — Jean Marie reagiu solenemente à censura.. como o ouro. O homem do Barclays foi um pouco mais sutil e polido: — Não resta a menor dúvida. No caos geral que se seguirá. mas o seguro contra riscos de guerra favorece os grandes investidores.. Alain Hubert respondeu ao irmão: — Vou explicar-lhe por que. quem poderá fixar os limites? É-se obrigado a deixar tudo ao critério da autoridade no comando da área. com uma raiva fria.. senhores. dependem de uma estocagem segura. Se calcular que uma única explosão atômica vai matar 1 milhão de pessoas. com uma ironia inequívoca. então deve prever-se alguma forma de morte misericordiosa para os sobreviventes sem qualquer esperança. meu caro senhor. como se alguém tivesse posto alume em sua língua. irmão Jean! É porque nós. — Estou tranqüilizado — disse Jean Marie Barette. Os prédios urbanos serão reduzidos a escombros. Alain. a você..operação de cofre-forte. ao contrário de muitos outros. até mesmo monstruosas... madame. Talvez se interesse em saber que há anos estamos comprando minas abandonadas e convertendo-as em depósitos seguros. — Só fico imaginando por que não é possível investir o mesmo dinheiro e a mesma engenhosidade para a proteção dos cidadãos contra a precipitação radiativa e os gases venenosos... — Peço perdão. A diferença é que eles estão obrigados a providenciar soluções práticas e não podem dar-se ao luxo de impor 245 . mantemos o acordo que temos com os nossos clientes. na minha pátria. A propriedade rural é perene. — Sempre se ouvem muitos rumores. Houve um breve momento de silêncio constrangido e depois. profundamente chocado. quem quer que venha a ser.

A tensão relaxou e Madame Saracini tratou de apresentar o relatório. Madame Saracini veio em seu socorro. cada um tem de lutar por sua parte. como a quarta pessoa à mesa. Já somos demais. dizendo em tom afável: — O problema.. mas todos tiveram de rir. pois ele vai sobreviver. pois ele vai morrer. Dêem um cigarro e uma injeção de morfina neste. não haverá mais quadros deles. assim como os demais combustíveis fósseis. Jean Marie e Odette. quem tem uma propriedade deve apegar-se a ela por todos os meios. Fez com que se sentissem culpados. é o único árbitro da vida ou morte. mostrando que Jean Marie Barette podia viver de seus rendimentos como um príncipe. nada se pode fazer. — Meus colegas não vão perdoá-lo. Ninguém pode moralizar sobre a triagem num hospital de campanha. meu caro Monsieur Barette. Os homens do Barclays. "Operem este.. Era uma comédia sombria. Por quê? — Não sei. E depois fez uma censura a Jean Marie: — Foi muito desagradável conosco. as outras três sendo ele próprio. até o Dia do Juízo Final. pediu desculpas por sua indelicadeza e disse que só recorreria a eles para atender a suas necessidades pessoais. e por cima os corpos de crianças calcinados diante de uma sorveteria. Alain convidara-a para o almoço. Mas seres humanos. Antes que Jean Marie pudesse responder. que estão alojados em nossos cofres.. Deve compreender que Deus deixou de fabricar terra há muitos milhões de anos. meu caro senhor. Crédit Lyonnais e Chase se retiraram. deixando que o fundo continuasse a se acumular.. Madame Saracini levantou seu copo num brinde silencioso.. a fim de atender a um telefonema de Londres.. deslocando-se entre os feridos. deixou-os a sós. eu estava vendo duas imagens num espelho rachado: todos aqueles computadores zumbindo em seus abrigos subterrâneos. De repente. Este aqui é o segundo na lista. Alain serviu sherry. é que até este momento levou uma vida muito resguardada. Estamos fadados a um pequeno genocídio. então poderemos recomeçar a procriar.." A menos que esteja sob a pressão desse julgamento. Rembrandt está morto e Gauguin também. com alguma ajuda dos bancos de esperma. O petróleo se está esgotando.critérios éticos e morais. E se a matança for excessiva. Por isso. Depois. Assim. Assim. O cirurgião. — E você própria não se sente assim? 246 .. pois pode sobreviver. Madame Saracini ficou. Enquanto esperavam por Odette. Ele agradeceu a cortesia.

— Minha informação é certa ou errada? — Sobre a eutanásia para os incapazes? Claro que é certa.. Ele é um gênio financeiro e foi manipulado por muitos homens os quais ainda protege. Está cumprindo uma pena de 20 anos de prisão por fraude bancária.. Lembro-me de que ele realizou muitas transações para o Vaticano. está consentindo na conspiração. A mão dela estava trêmula e um pouco do sherry derramou-se. Tratei de recuperá-lo e expandi-lo.. Foi quem me ensinou tudo o que sei a respeito da atividade bancária.— Acontece que concordo com tudo o que disse. Queremos uma saída para nós e as pessoas que amamos quando as coisas se tornarem horríveis demais para suportar. Mas Papa ou não. — Não se aflija por isso. Não se atreva a tratar seu irmão de maneira condescendente! Ele me ajudou a começar. Amo meu pai. Não quero esquecer.. Trabalhei com ele.. fiz muitas alianças.... Comprei o Banco Ambrogiano all'Estero quando estava no buraco. não seja indulgente comigo. Mas nunca poderá provar.. E isso me lembra outra coisa. — E seu marido? — Ele morreu um ano depois de nosso casamento. Só que não posso fazer ataques frontais. — É mesmo? — Ele é Vittorio Malavolti. E perguntou. e lhes custou um bocado de dinheiro! — Estou lembrado de tudo. é porque se casou com a mulher errada. com dinheiro limpo. Jean Marie tirou o lenço do bolsinho do paletó e entregou-o para que ela enxugasse. de forma limpa. pago cinco por cento das dívidas pessoais de meu pai. possa andar pelas ruas de cabeça erguida. madame? — Não.. — Por favor. — Perdoe-me! Não pretendia ser bisbilhoteiro. Se algumas vezes parece um tolo. Por falar nisso. — Tem filhos. porque a Europa inteira. Estou contente de que se interesse o bastante para perguntar. Ajudou-me a começar por conta própria. de uma estranha maneira subconsciente. Sou a mulher que os faz rir primeiro e depois perceberem o bom senso. Espero que tenha sido capaz de esquecer. a fim de que no momento em que ele sair. Levou-me a operações como o seu fundo. suavemente: 247 . se sair algum dia!. a verdade é que esta manhã ele lhe deu a lição que merecia! E isso impõe respeito! Jean Marie ficou surpreso com a veemência de Madame Saracini. Todos os anos. creio que conhece meu pai. quando não mais sentem a sua virilidade ameaçada.

Sansom.. especialmente agora que não está mais em seu cargo. ricamente vestida. Ela largou o copo..— Por que está tão zangada comigo? — Porque não sabe como é importante. O almoço foi um tanto constrangido. e pode estar certo de que ele dificilmente lê qualquer coisa além das páginas financeiras! Assim quando faz alguma coisa desagradável. enquanto Alain censurava debilmente as suas esnobações mais óbvias. Jean Marie reconheceu a derrota com um sorriso e forneceu a informação solicitada. elegante. e às vezes um pouco místicos. Alain entrou com Odette. — Como assim? — No século XIV. Ela corou como uma colegial e fez um pedido de desculpas meio sem jeito: — Também tenho uma língua ferina. mas nós. E isso foi o final da conversa. — Jean Marie fez uma pausa. citou os seus escritos esta manhã.. — Sobre alguma coisa em particular? — Minha alma imortal seria suficientemente importante? — Claro.. com um sorriso: — Faz muito tempo que não levo um bom puxão de orelhas. — Dê-me o seu endereço e telefone. Odette fungou e pronunciou uma despedida desdenhosa: 248 .. sienenses.. largando nomes a torto e a direito. Precisamos conversar novamente. naquele momento. Alain lançou uma piscadela de conspiração para Jean Marie e depois o deixou a agüentar toda a carga do monólogo de Odette. abriu a bolsa e vasculhou-a. Madame Saracini retirou-se antes do café.. Aqueles artigos nos jornais fizeram com que as pessoas passassem a adorá-lo.. e também uma espécie de interesse de proprietária. Faz muito tempo.. o homem do Barclays. tirando um caderninho de anotações. passaram a respeitá-lo e prestar toda atenção. Apoiaram-na em seus esforços para trazer o seu homônimo Gregório XI de volta de Avignon. Odette dominou a conversa. Mesmo os que não concordavam. como se fossem gotas de chuva. até chegarem ao restaurante. — Procurarei não me esquecer. desaponta uma porção de pessoas. tanto a família de meu marido como a minha eram amigas e correspondentes de Benincasa e da própria Santa Catarina. somos zelosos de nossa história. antes de acrescentar..

seguro ou mesmo gentil. E tenho de lhes transmitir a mesma mensagem que prego ao resto do mundo.. uma governanta. mas sua mulher é insuportável. — Tenho certeza de que Ele compreende.. O que disse em nossa reunião estará circulando pela cidade inteira ao anoitecer. Não posso deixar-me associar com conversas subversivas. mas o homem de bem parece um tolo. — Como sempre.. A batalha entre o bem e o mal já começou. Ainda sou uma personalidade por demais em evidência. firmemente. — Vamos tratar agora de problemas de família. sombriamente. mas não está mais em condições de fazê-lo. como sempre: — Alain tem toda razão. Quais são os seus planos. Não é algo sobre o qual eu possa ser prudente. É muito mais perigoso do que você pode imaginar. Disse que se trata de uma questão de prioridades. e obviamente uma presença embaraçosa para os velhos amigos.. — Isso não é da sua conta — disse Alain.... mas não é suficiente! Está muito longe de ser suficiente! 249 . positiva e onisciente. Ele é um homem muito simpático.... Odette interveio. — Também deve manter-se em silêncio por algum tempo — comentou Alain. de boa fé. Fica-se imaginando quais os acertos domésticos que ela adotou desde a morte do marido. Jean? Se pretende ficar na França. — Tornei-me um padre para pregar a palavra de Deus. ele fez o seu sermão pela televisão sobre o tributo que se deve pagar. É melhor manter-me em movimento por algum tempo. de negociações discretas. e mesmo que cometamos erros. — No último domingo. — É muito cedo para cuidar disso. Deus é capaz de compreender. mas de diplomacia firme e objetiva. para espalhar as boas-novas da salvação. Conversei uma noite dessas com o Ministro da Defesa. enquanto o mal exibe o rosto de um homem sensato e justifica o assassinato com estatísticas impecáveis! — Não é o que diz o nosso Cardeal.— Que mulher extraordinária! É muito atraente. ao estilo italiano. — Está acostumado a fazer proclamações lá de cima. Obedecemos à lei como um meio de servir a Deus. é claro. Odette estava pronta para uma discussão. Ele disse que estamos precisando agora não de controvérsias. com um apartamento. Foi por isso que o censurei. minha cara — disse Jean Marie. vai precisar se estabelecer de alguma forma. enquanto as Forças Armadas se preparam.. — Vamos todos compreender uma coisa — disse Jean Marie Barette.. — E tenho certeza também de que o Cardeal tem bons motivos para ser tão suave.

Verlaine sempre o impressionara. um espelho. de prazeres simples e pessoais. — E onde os seres humanos entram no cosmos? — Eles bebem na taça. A parte inferior é o mar. A moça advertiu-o. Jean Marie pegou a taça para examinar. Podia ter encontrado dificuldades com a família. Se houvesse alguma justiça no universo. vai ter de pagar! — Tomarei muito cuidado. o bêbado triste e perdido. — Isso é importante? 250 . que escrevia canções de anjo e vivia no inferno com Rimbaud. uma poncheira. Jean Marie encontrou uma primeira edição de Fêtes Galantes.. É uma representação do cosmos. O que representa o desenho? A moça hesitou por um instante.. E ele se perguntou até que ponto a moça poderia levar a elaboração. Jean Marie prometera a si mesmo uma tarde tranqüila. vestindo uma camisa de malha e calça americana. O conceito agradou a Jean Marie. Sobre a mesa a seu lado havia espécimes de seu trabalho: uma taça. Verlaine devia estar entoando cânticos de alegria aos pés do Todo-Poderoso. um passeio entre os quadros expostos na Place du Tertre.— Temos de ir embora agora — interveio Alain. quase anã. de Verlaine. trigo e videiras. Mas acabou explicando: — Eu a chamo de taça do cosmos. uma olhada nos livros à venda nas barracas à margem do Sena. — Tenho um encontro às duas e meia com o Ministro das Finanças. Mas ele deparou com uma curiosidade no canto menos favorável da sala: uma moça meio deformada. que não devia ter mais do que 20 anos. desenhando numa placa de vidro com um estilete de ponta de diamante. como se estivesse com receio de escárnio. o símbolo da perfeição. A Place du Tertre foi a princípio um desapontamento. asperamente: — Se deixar cair. A parte superior é a terra. A caça aos livros foi compensadora. Os pintores tinham de comer e os turistas tinham de levar para casa um pedaço de Paris. com uma quadra autografada. Estava ausente há muito tempo e aquela era a sua cidade. as telas eram cinicamente vulgares. assim... Resolveu fazer outra pergunta: — Deus entra na representação? Ela lhe lançou um olhar rápido e desconfiado. mas deveria sentir-se bem e à vontade em sua própria cidade natal. diplomaticamente. Está bonito. A taça é redonda. Ele está querendo o nosso conselho sobre a melhor maneira de lançar um bônus para a defesa. ondas e peixes.

além de pão de presunto e ovo cozido. Enquanto contava o dinheiro. Não ficará um embrulho elegante. embora possa não parecer. Observando-a. — Quanto custa a taça? — Seiscentos francos. — Você é cristão? Jean Marie soltou uma risada. enquanto Jean Marie remexia num copo com água de Vichy e tentava manter uma conversa: — Tive outro golpe de sorte esta tarde: uma primeira edição de Fêtes Galantes. Não precisa de me fazer qualquer favor. — Eu é que lhe estou pedindo um favor — disse Jean Marie Barette. Terei o maior prazer em conversar com alguém. Vou levá-la. sim. Ela tinha um estranho jeito de andar. na esquina da praça. pediu a um pintor próximo que vigiasse sua mesa e depois acompanhou Jean Marie até o café. Pode fazer um embrulho bastante seguro? — Posso. — Dá para perceber. como se entortada por um escultor bêbado.— Pelo menos interessante. sim. mas pelo menos será seguro. 251 . recheada com bolas de plástico. — Então deve saber que o peixe. — Tive uma manhã difícil e um almoço desagradável. — Sou. Ela pediu café e um conhaque. A moça entregou-lhe o embrulho. Comeu vorazmente. as mãos manuseando hesitantemente a frágil peça. a parreira e o trigo são símbolos de Cristo e da Eucaristia. A curvatura da espinha era terrivelmente acentuada e a cabeça era grotescamente desproporcional. o café fica a três passos daqui. Jean Marie disse: — Sou um colecionador sentimental. Além do mais. Não gostaria de me acompanhar num drinque e um sanduíche? A moça lançou-lhe outro olhar desconfiado e respondeu bruscamente: — Obrigada. — A moça fez uma breve pausa e depois acrescentou. defensivamente: — Deu muito trabalho. Ela largou o que estava fazendo e começou a embrulhar a taça numa caixa de papelão suja. Jean Marie percebeu que ela era magra e como o suor lhe aflorava à testa pelo pequeno esforço. Sempre gosto de comemorar com o artista. — Está bem. mas já pagou um bom preço. que a fazia quase girar num semicírculo a cada passo. de Verlaine.

— Também coleciona livros? — Adoro coisas bonitas. Mas essas coisas são para outras pessoas. Sua taça irá para uma senhora que mora perto de Versailles e sofre de esclerose múltipla. Vou escrever a explicação do simbolismo... — Posso poupar-lhe o trabalho. Datilografarei a explicação. Eu lhe darei antes de ir embora... É estranho que me tenha perguntado onde Deus entra. — Por que estranho? — A maioria das pessoas acha que o assunto é embaraçoso. — E você? — Deixei de me sentir embaraçada há muito tempo. Aceito que sou uma aberração. É mais fácil para mim e mais fácil para as outras pessoas se aceito o meu aleijão como um fato consumado. Mas às vezes é muito difícil. Aqui na praça, encontra-se gente de todos os tipos. Há até homens que querem ir para a cama com mulheres aleijadas. Foi por isso que o tratei com alguma rispidez. Alguns desses homens são até mais velhos do que você. Jean Marie jogou a cabeça para trás e riu até que as lágrimas lhe escorriam pelo rosto. Finalmente conseguiu balbuciar: — Deus do céu! E pensar que tive de voltar à França para ouvir uma coisa dessas! — Não ria de mim, por favor. As coisas podem ser terrivelmente difíceis por aqui! Acredite em mim, por favor! — Claro que acredito em você. — Jean Marie recuperou-se lentamente. — Importa-se agora de me dizer seu nome? — Está assinado na peça... Judith. — Judith o quê? — Apenas isso. Usamos apenas os primeiros nomes na comunidade. — Comunidade? Está querendo dizer que é uma freira? — Não exatamente. Somos cerca de uma dúzia de mulheres que vivem juntas. Somos todas aleijadas, de um jeito ou de outro... e nem todas fisicamente. Partilhamos o que ganhamos. Cuidamos umas das outras. Somos também uma espécie de refúgio para as moças do bairro que se metem em encrencas. Parece um tanto primitivo e é mesmo. Mas é também muito gratificante e nos sentimos bem próximas da idéia cristã inicial. Depois do que pagou pela taça do cosmos, merece ser lembrado esta noite, na oração do jantar. Qual é o seu nome? Gosto de manter uma lista das pessoas que compram as minhas obras. — Jean Marie Barette. 252

— É alguém importante? — Basta lembrar-se de mim na oração do jantar. Mas gostaria que me dissesse uma coisa. Como essa... essa comunidade de vocês começou? — Foi uma coisa estranha. Deve estar lembrado de que há alguns meses o Papa abdicou e um novo foi eleito. Normalmente não teria significado muita coisa. Jamais me encontrei com alguém mais alto do que um padre de paróquia. Mas aquela ocasião foi terrível para mim. Nada parecia dar certo. E tive a impressão de que houve uma ligação entre aquele fato e a minha vida. Pode entender o que estou querendo dizer? — Posso, sim — respondeu Jean Marie, comovido. — Pouco depois, eu estava trabalhando em meu estúdio. Tinha um pequeno apartamento de mansarda, aqui perto. Uma moça que conheço, modelo que trabalha para alguns pintores daqui, apareceu cambaleando. Estava embriagada, fora estuprada e espancada, a concierge jogara-a na rua. Tratei de deixá-la sóbria e levei-a à clínica, para que cuidassem de seus ferimentos. Depois, voltamos ao meu apartamento Naquela noite ela se tornou muito estranha, distante, hostil e... como posso explicar?... desligada, talvez seja o termo melhor. Fiquei com medo de permanecer ao lado dela, mas ao mesmo tempo não me atrevia a deixá-la. Assim, apenas para interessá-la em alguma coisa, comecei a esculpir uma pequena boneca num tarugo de madeira para pendurar roupa. Acabei fazendo três bonecas. Depois nos sentamos e fizemos roupas para as bonecas. Era como se eu fosse a mãe e ela a filha... Ela dormiu quietinha na minha cama, segurando-me a mão. No dia seguinte, arrumei duas amigas para passarem o dia em companhia dela. E assim continuou até que ela voltou ao normal. A esta altura, tínhamos formado um pequeno grupo e parecia uma pena dispersá-lo. Chegamos à conclusão de que poderíamos poupar dinheiro e viver mais confortavelmente se morássemos juntas, como uma família... A parte religiosa? A coisa aconteceu com a maior naturalidade. Uma das moças estivera na Índia e aprendera as técnicas de meditação. Eu fora criada num convento e agradava-me a idéia de reunião para uma prece em família. Pouco depois, uma das moças levou para a casa um padreoperário que conhecera numa brasserie. Ele conversou conosco, emprestou-nos livros. Além disso, se éramos incomodadas à noite, telefonávamos para ele, que logo aparecia, com uma dupla de amigos da fábrica. Posso garantir-lhe que foi uma ajuda e tanto. Depois de algum tempo, conseguimos instituir um padrão de vida que nos 253

convinha. Poucas entre nós eram virgens. Nenhuma tem certeza se está preparada para um relacionamento a longo prazo com um homem. Algumas talvez ainda venham a casar-se. Mas todas somos crentes e nos empenhamos em tentar viver pela Bíblia... Ai está! Tenho certeza de que não significa muito para você, mas para nos proporciona uma paz imensa... — Estou muito contente de tê-la conhecido — disse Jean Marie Barette. — E me sinto muito orgulhoso de possuir a sua taça do cosmos. Aceitaria um presente meu? — Que espécie de presente? O antigo olhar cauteloso estava de volta. Jean Marie apressou-se em dissipar os temores dela: — O Verlaine que encontrei hoje. Há um verso que poderia ter sido escrito para você. Está escrito com a própria letra do poeta. Ele tirou o livro do bolso e leu a quadra que estava logo depois da sobrecapa: — "Votre âme est unpaysage choisi"... — Jean Marie perguntou humildemente: — Quer aceitá-lo, por favor? — Se me fizer uma dedicatória. — Que espécie de dedicatória? — Ora, a coisa de sempre. Apenas uma palavrinha e depois a sua assinatura. Jean Marie pensou por um momento e escreveu: "PARA JUDITH, QUE ME MOSTROU O UNIVERSO NUMA TAÇA." Jean Marie Barette, antes o Papa Gregório XVII A moça ficou olhando incrédula para a dedicatória. Depois, levantou os olhos, procurando por algum indício de zombaria no rosto sorridente. E disse, a voz trêmula: — Não compreendo... eu... eu... — Também não compreendo — disse Jean Marie Barette. — Mas acho que você acaba de me dar uma lição de fé. — Não estou entendendo — murmurou a moça aleijada. — O que eu estava tentando dizer ao mundo da Colina do Vaticano, você o fez de uma mansarda em Paris. Deixe-me tentar explicar... E quando Jean Marie acabou de contar toda a longa história, ela estendeu a mão áspera e calosa das ferramentas de seu trabalho e pôs 254

sobre a dele, murmurando, com um sorriso de menina: — Espero poder transmitir às meninas da maneira como me explicou. Ajudaria muito se eu conseguisse fazê-lo. De vez em quando elas ficam cansadas, porque nossa pequena família parece inútil e desorganizada. Sempre digo que existe uma boa coisa em chegar ao fundo do poço. A partir daí, só se pode subir! O sorriso dela desvaneceu-se e foi num tom solene que acrescentou: — Está no fundo agora e por isso sabe disso. Não gostaria de ir jantar conosco? — Obrigado, mas não será possível. — Jean Marie tomou todo cuidado em não desapontá-la. — Afinal, Judith, meu amor, vocês não precisam de mim. Seus próprios corações já lhes ensinaram melhor do que eu poderia fazê-lo. Cristo já está no meio de vocês. O tráfego vespertino estava terrível, mas Jean Marie voltou à Hostellerie numa nuvem branca de serenidade. Naquele dia, provavelmente mais do que em qualquer outro de sua vida, vira como o Espírito se antecipava a todos os planos dos homens nos postos mais elevados. Aquele pequeno grupo de mulheres, aleijadas e ameaçadas, reunira-se para constituir uma família. Não tinham licença nem autorização. Tinham amor para partilhar e o partilhavam. Precisavam pensar e pensavam. Descobriam um impulso para orar e oravam. Encontravam um mestre num bar de operários. As moças em dificuldades iam procurá-las, porque sentiam o calor do fogo familiar. O grupo podia não ser estável. Não tinha garantias de continuidade. Não havia constituição nem qualquer sanção para proporcionar-lhe uma identidade legal. Mas que importância isso tinha? Era como a fogueira de acampamento no deserto, acesa à noite, apagada ao amanhecer; mas enquanto durava, era um testemunho da permanência humana ao Deus que visitava o homem em seus sonhos. Mais uma vez, a voz de Carl Mendelius insinuou-se nos devaneios de Jean Marie: "O Reino de Deus é o lugar de habitação para os homens. O que mais pode significar que não uma condição em que a existência humana não apenas é suportável, mas também alegre... porque está aberta para o infinito"... De que maneira melhor se poderia exprimir o fenômeno de uma moça aleijada que gravava o cosmos numa taça e constituía uma família para mulheres desprezadas, sob os telhados de Paris? Ao chegar à Hostellerie, a primeira coisa que ele fez foi telefonar para Tübingen. Lotte se encontrava no hospital, mas Johann estava em casa. Ele tinha boas notícias. — O estado de papai é estável. A infecção está sob controle... Ainda 255

não temos certeza sobre a vista, mas pelo menos já sabemos que ele vai sobreviver. E tenho outra notícia sensacional! O vale é nosso. Os contratos foram assinados hoje. Vou até lá na próxima semana para conversar com os agrimensores, arquitetos e engenheiros. E recebi dispensa do serviço militar, pelo que aconteceu com papai. E como estão as coisas para o seu lado, Tio Jean? — Está indo tudo muito bem. Pode dar um recado a seu pai? Escreva-o, por favor, como um bom rapaz. — Pode falar. — Dê-lhe o seguinte recado: "Recebi hoje um sinal. Veio de uma mulher que me mostrou o cosmos numa taça de vinho." Repita, por favor. — Recebeu hoje um sinal. Veio de uma mulher que lhe mostrou o cosmos numa taça de vinho. — Se algum dia receberem alguma mensagem que supostamente venha de mim, deve conter essa identificação. — Entendido. O que vai fazer agora, Tio Jean? — Não sei... mas talvez tenha de viajar precipitadamente. Não se esqueça do que lhe falei. Tire a sua família de Tübingen o mais depressa possível. Meu amor para todos! — E o nosso para você. Como está o tempo em Paris? — Ameaçador. — O mesmo acontece aqui. Dispersamos o nosso clube, como sugeriu. — E livraram-se do equipamento? — Claro. — Ótimo! Pode deixar que me manterei em contato, sempre que me for possível. E não se esqueça de mandar minhas lembranças à Prof.ª Meissner. Auf wiedersehen. Ele mal desligara quando Pierre Duhamel apareceu, a fim de entregar-lhe seu novo passaporte e novo documento de identidade, em nome de J.M. Grégoire, pasteur en retraite. Ele descreveu a Jean Marie os usos e limitações: — É tudo autêntico, já que usou também o nome de Gregório. É um ministro religioso. Os números dos documentos pertencem a uma série usada para categorias especiais de agentes do Governo. Assim, nenhuma autoridade francesa de imigração vai querer fazer-lhe muitas perguntas. Os consulados estrangeiros também não criarão quaisquer dificuldades em conceder vistos a um clérigo aposentado, viajando por motivos de saúde... Mas procure não perder os documentos ou se meter em complicações que possam fazer com que sejam confiscados. Isso 256

poderia ser terrivelmente embaraçoso para mim... a propósito, meu caro Monsenhor, abriu a boca excessivamente na reunião com os banqueiros esta manhã. Os telefones entraram em ação assim que eles voltaram a seus escritórios... Mais uma vez, está sendo classificado como um elemento incômodo e perigoso. — E você, meu caro Pierre, também pensa a mesma coisa a meu respeito? Duhamel ignorou a pergunta. — Minha mulher lhe envia os seus agradecimentos. Ela se sente novamente em remissão e melhor do que se sentia há muito tempo. O mais curioso é que, embora parecesse inconsciente na ocasião, ela se lembra de sua visita e descreve o que você fez como uma "carícia de vida". Em outras circunstâncias, eu poderia ficar com muito ciúme. Jean Marie ignorou o comentário. — Comprei um pequeno presente para vocês dois. — Não havia necessidade. — Duhamel estava comovido. — Já lhe devemos muito. Jean Marie entregou-lhe a caixa de papelão e pediu desculpas com um sorriso: — Não deu para embrulhar em papel de presente. Pode abrir agora se quiser. Duhamel arrancou o barbante, abriu a caixa e tirou a taça. Examinoua com a atenção de um connaisseur. — É maravilhosa. Onde foi que a encontrou? Jean Marie relatou o encontro com Judith, a moça aleijada, na Place du Tertre. Entregou o papel que explicava o simbolismo do desenho e falou da estranha comunidade de mulheres. Pierre Duhamel escutou em silêncio e fez um único comentário: — Está se empenhando muito em converter-me. — Ao contrário — disse Jean Marie, firmemente. — Fui convocado a oferecer testemunho, a distribuir as dádivas de fé, esperança e amor. O que você faz com isso, é exclusivamente um problema seu... Ele fez uma pausa. Quando voltou a falar, o tom estava mudado, tornando-se suplicante e desesperadamente persuasivo: — Pierre, meu amigo, você me ajudou. Quero também ajudá-lo. O que sua mulher chamou de "carícia de vida" é algo muito real. Pude senti-lo hoje, quando essa moça, que é uma caricatura da mulher, pôs a sua mão na minha e convidou-me a conhecer seu mundo especial... Essa sua imensa coragem estóica é tão... tão estéril, tão desesperadamente triste! — Estou num negócio triste — disse Pierre Duhamel, com um humor 257

ártico. — Sou um agente funerário, preparando as exéquias da civilização. O que exige um estilo grandioso... O que me lembra de uma coisa. Amanhã, terei de assinar um documento determinando uma vigilância completa para um certo Jean Marie Barette. — Considerado como o quê? — Um agitador antigoverno. — E vai assinar o documento? — Claro. Mas retardarei a assinatura por algumas horas, a fim de que você possa tomar as providências apropriadas. — Sairei daqui amanhã de manhã. — Antes de ir... — Duhamel entregou-lhe um pedaço de papel — — ligue para esse número. Petrov quer falar com você. — Sobre o quê? — Pão, política... e algumas fantasias dele. — Gostei de Petrov quando nos conhecemos em Roma. Ainda posso confiar nele? — Não tanto quanto pode confiar em mim. Mas vai descobri-lo muito mais simpático... Duhamel relaxou pela primeira vez. Levantou a taça do cosmos e virou-a diversas vezes, examinando os detalhes da gravação. E finalmente disse: — Beberemos dela, Paulette e eu. Pensaremos em você e na pequena bossue da Place du Tertre... Quem sabe se não é um teatro bom o bastante para acabar com a nossa descrença?... Mas quero que você compreenda que vivemos em tempos terríveis, a era dos batalhões negros. Se cair nas mãos deles, nada poderei fazer para ajudá-lo. — O que seu Presidente pensa de tudo isso? — Nosso Presidente? Ora, pelo amor de Deus! Ele é igual a todos os outros presidentes, primeiros-ministros, líderes de partido, duces ou caudilhos. Tem a bandeira tatuada nas costas e o manifesto do Partido no peito. Se lhe perguntar por que temos de ir à guerra, ele lhe responderá que a guerra é um fenômeno cíclico, que não se pode fazer uma omelete sem quebrar os ovos ou... que Deus o faça apodrecer no inferno por isso!... que a guerra é o orgasmo arquétipo, agonia, êxtase e a longa calmaria depois. Tenho perguntado-me muitas vezes por que não devo matá-lo antes de matar-me... — Por que então continua no cargo? — Porque se eu não continuasse, quem poderia conseguir-lhe um novo passaporte... e quem poderia revelar o que está acontecendo no hospício? Tenho de ir agora. E não se esqueça de que deve partir antes do meio-dia de amanhã. 258

— Está certo. Pode ajudar-me? A resposta foi imediata. mas acabou dizendo: — Fui informado por uma fonte de confiança que a partir de amanhã passarei a receber uma vigilância total. dê-me tempo para agradecer-lhe. Antes da vigilância começar. — Pois então vamos encontrar-nos no Hotel Meurice. Isso o incomoda? — Não muito. Suba direto. Jean Marie ainda estava remoendo o problema quando o telefone tocou. Quarto 58. Depois que ele se foi. mas é a verdade. um lugar em que pudesse dormir seguro. para ficar por algum tempo. às 11 horas. Era Madame Saracini. Ela estava jovial e brusca. 259 .Jean Marie Barette inclinou-se e segurou firmemente os ombros largos de Duhamel. falando em francês. Temos interesses em comum. — Quem está falando? — Duhamel deu-me o recado para telefonar-lhe. sem um segundo sequer de hesitação: — Claro que posso! Quando pode estar pronto para se mudar? — Dentro de 10 minutos. — Eu lhe disse que gostaria de falar-lhe novamente. — Pelo menos. — A notícia não parecia surpreender Petrov.. — Não me agradeça — disse Pierre Duhamel. do qual pudesse comunicar-se e viajar com a rapidez necessária. preciso de um lugar seguro. — Deixe-me ver. sim! Obrigado por ligar tão prontamente. — Ah. é conveniente para você? — É. — Mas isso é um absurdo! — Pode ser. sim. Um momento depois. Onde sugere que nos encontremos? Posso estar sendo vigiado. ele precisava encontrar um abrigo. Amanhã. Não tenho certeza do quanto mais serei capaz de suportar. Uma voz de mulher atendeu. Mas o relacionamento entre os irmãos já estava difícil e ainda por cima Odette nunca fora um modelo de discrição. Mas sobre o resto do dia seguinte e todos os dias posteriores ainda pairava um imenso ponto de interrogação. Alain poderia ajudar. meu amigo. Quando e onde nos poderemos encontrar? Jean Marie hesitou por um instante. Precisamos de nos encontrar e conversar. Petrov estava ao telefone. — Apenas reze por mim. como um agitador antigoverno. Estarei à sua espera. — Levarei pelo menos 45 minutos para alcançá-lo. Assim. Fique esperando-me na entrada da frente. Arrume sua mala e pague a conta. — É bem possível. Jean Marie ligou para Sergei Petrov.. Até amanhã.

. você vai embora. madame.. presidente do Banco Ambrogiano all'Estero. É. Quaisquer visitantes seus passarão despercebidos.Ela desligou antes que Jean Marie tivesse tempo de agradecer-lhe. Recebo muito e por isso há uma constante ida e vinda de pessoas. um quarto. em Avignon: "Não é mais tempo para dormir. Mas quero que saiba que existem alguns riscos em me abrigar. Usava calça comprida. é necessário destruir o velho. ele se recordou das palavras que Catarina de 25 anos escrevera para Gregório XI. — É muita generosidade sua. Passo a passo. ela passou a guiar com um cuidado deliberado e um olhar atento a armadilhas policiais. Roberta.. Afinal. Os criados não têm muito o que fazer e podem facilmente cuidar de todas as suas necessidades. A fim de reconstituir o todo. no entanto. guiava um conversível fabricado sob encomenda pelo mais famoso designer italiano. Não há qualquer problema. uma sala e um banheiro. até a chegada de Madame Saracini. antes que qualquer hóspede curioso tivesse tempo de perceber o carro ou sua dona.. E quero participar dele. Ele arrumou os seus poucos pertences. mas passa como o vento. Se não der certo. — Terei o maior prazer em assumi-los. — Por que quer ajudar-me? 260 . sienenses. Saracini... pagou a conta e depois se sentou para ler seu breviário. mas. até as fundações".. enquanto falava incisivamente de seus planos: — O lugar mais seguro de Paris para você é a minha casa.. Benincasa. estava sendo levado ao campo de prova. não há concierge e posso garantir a lealdade dos criados. A mulher que o apanhou à entrada da Hostellerie parecia 10 anos mais moça do que Madame Saracini. Não há outros inquilinos. Posso ajudá-lo mais do que imagina neste momento. chame-me por meu nome de batismo. nós. explicou à patronne que uma súbita mudança em sua situação pessoal determinava uma partida brusca. Malavolti.. Sentia-se muito calmo e confiante. justamente porque é uma casa. tem um trabalho a realizar. Roberta. Por um curioso truque de associação. Guardou a valise de Jean Marie na mala do carro e arrancou com um ranger de pneus. Tem um telefone direto e uma escada privativa para o jardim. por favor. Terá o seu próprio apartamento. uma blusa de seda e um lenço na cabeça. porque o Tempo nunca dorme.. Jean Marie sorriu para si mesmo no escuro e disse: — Está certo... — Não há nenhum mas. Entrando na estrada...

Primeiro. Estamos quase chegando. Minha casa fica perto do Quai d'Orsay.. ler a Bíblia. porque me pareciam insípidos ou sufocantes. escreveu aquela história maravilhosa a seu respeito. Enveredei por um caminho errado com alguém a quem amava muito e que uma noite enlouqueceu em meus braços e quase me matou. — Já se passaram 20 anos desde que meu marido morreu. — Concordo plenamente. Jean Marie sentiu-se tentado a censurá-la.— Eis uma pergunta que não posso responder enquanto estou guiando. como acontecia com meu pai.. sentia a mesma coisa que meu pai costumava sentir outrora em relação ao bom Papa João. bruscamente. Você tinha classe. Foi então que seu amigo. como é mesmo o nome dele?.. pensando que o haviam destruído. depois. vamos alimentá-lo. muito mais escandalosos — respondeu ela. mas não estava disposto a ser controlado.. sabia que havia uma possibilidade de me recuperar. Quando era Papa. Fiquei furiosa. Acha que é bom para a sua reputação ter um homem em sua casa? — Já tive outros. E depois veio você. Depois. procurar amigos que abandonara nos tempos de desvario. — Está referindo-se a Mendelius? — Esse mesmo! E depois alguém lhe enviou uma carta-bomba! Foi quando comecei a compreender como as coisas se ajustavam.. Tinha compaixão. — Forneceram-me um segundo passaporte e uma carteira de identidade. — Pois então tente responder-me a outra pergunta. A garagem ficava à esquerda da entrada e 261 . em nome de Jean Marie Grégoire.. Voltei a freqüentar a igreja.. vamos instalá-lo em seu apartamento. Mesmo quando eu vivia de maneira um tanto desvairada. dizer-lhe que precisava de ajuda. que se abria com um sinal de rádio. Meu pai foi para a prisão. São três criados: um homem e sua mulher. Não saía por aí a clamar por disciplina ou danação. Todos estão comigo há muito tempo. Provavelmente será melhor se usarmos esse nome para seus criados. E não tenho vivido como uma freira durante todo esse tempo. quando era pequena e fazia alguma travessura. Mas estamos desviando-nos do que é importante. E em seguida conversaremos sobre o futuro e o que você precisa fazer. Mas pensou melhor e preferiu mudar de assunto. Ela parou três minutos depois diante de um portão de aço. Mas responderei assim que chegarmos a casa.. Mas aconteceram coisas que me fizeram mudar. mas vem trabalhar todos os dias.. uma criada que não dorme em casa.. você abdicou e tomei conhecimento de uma parte da história por intermédio de seu irmão Alain.

— Sei o que devo fazer. usando um vestido doméstico. A suíte de Jean Marie tinha dois aposentos. O jantar será servido dentro de 30 minutos. vamos à primeira pergunta: como resolvo o problema? — Parece-me que já encontrou a solução: uma nova identidade. consistindo de um patê de fabricação caseira. Mas. Afinal. — Não chega a ser como o Vaticano — comentou Roberta Saracini. Ao que ela respondeu que o pastor não estava mais aposentado e que era o momento de discutir o que ele pretendia fazer. como fizeram os primeiros discípulos. Jean Marie disse: — Concordo com o princípio. Mandarei alguém buscá-lo. Ofereceu conhaque. muito engomado. Havia uma confiança total. como sabe. Assim. Ela explicou. a mensagem é que é importante e não o homem que a proclama. tenho 262 . Jean Marie comentou que o vinho era bom demais para ser desperdiçado com Monsieur Grégoire. Levou-o à sala de jantar. mas perfeito. — Mas espero que fique confortável. Entre os dois aposentos. com um teto trabalhado e móveis de mogno espanhol. um homem indesejável em seu próprio país. espalhar a notícia de que os últimos dias estão próximos e que todos os homens de boa vontade devem prepararse Sei também o que não devo fazer: semear confusões ou discórdias entre os crentes sinceros ou solapar os princípios da legítima autoridade na comunidade cristã. que fora convertido num jardim de pedras. pasteur en retraite. como eu.. — Nem tanto. — Deve limitar-se a espalhar a notícia. O jantar foi simples. Como o mensageiro pode estabelecer a sua autoridade? — Não deve tentá-lo — disse Roberta Saracini. Havia mais do que devoção na maneira como ela falou.uma escada interior levava aos andares superiores. Jean Marie recusou. havia um banheiro. um filé de sole e musse de amoras. Lá fora. privado de uma missão canônica. pequena mas elegante. outro. E como banqueira. Ela veio pessoalmente. uma varanda.. como se ela própria se convertesse numa prova de proposição. um escritório grande com estantes cheias de livros nas paredes. cuidadosamente: — Sou uma banqueira. uma mistura de quarto e sala de estar. posso pregar a palavra de Deus sem uma quebra da obediência que devo à Igreja? Roberta Saracini serviu café e estendeu-lhe a xícara através da mesa. confiando em Deus para torná-la frutuosa. com uma fonte no centro. da qual ele podia contemplar o átrio central.

Seja um homem para mim. — E daí? Quem vai preocupar-se com as contas depois do Dia do Rubicão? — Como sabe do Dia do Rubicão? — Tenho minhas fontes.. mesmo para um amigo íntimo.. — Isso lhe custará uma fortuna. — Sempre estive certo.. apenas isso.. Pensa por acaso que invisto às cegas no mercado? — Suponho que não. fabricação. Ficará surpreso com as idéias que vão surgir. Ele ainda estava inquieto. comunicações. Informe-os do que está querendo dizer. — Gostaria agora de que me respondesse à pergunta que formulei no carro: por que está disposta a ajudar um homem que anuncia o fim do mundo? Roberta Saracini não hesitou na resposta. avaliando sua decisão. virile e non timoroso". ao final da tarde.. propaganda. televisão e propaganda. Assim. em todas as áreas. — E até que ponto posso confiar neles? — Pode confiar nos que se sentarem a esta mesa tanto quanto confia em mim. estive esperando por alguém que saísse para a tempestade e bradasse 263 .. Foi direta e objetiva: — Porque ele é um homem. viagens. Considere todos como suas vozes. mineração. ou também a presidência americana.. Jean Marie recordou-se da jovem sienense do século XIV que escrevera a Pierre Roger de BeaufortTurenne. Por quê? Onde estaria o papado moderno sem a televisão. quando estiver certo do que deseja dizer. Gregório XI: "Siatemi uomo. — Quando poderei encontrar-me com seus especialistas? — Amanhã. Ele próprio não podia indicar sua fonte. — Podemos então encontrar uma centena de meios e mil vozes para espalhar a notícia. Eu gostaria de apresentá-lo à minha gente em editoria. viril e não um covarde! Ele ficou em silêncio por um momento. Por toda a minha vida. com mais intensidade.. Está parecendo em dúvida. entretenimento. diga-se de passagem? Não é um dever moral utilizar todas as dádivas que são colocadas à nossa disposição? Outra vez.participação em diversos empreendimentos. embora a explicação fizesse sentido. — Há amplos recursos disponíveis para qualquer coisa que você deseje fazer.

ou esperar controlar-me por alguma forma. — Ninguém é tão forte durante todo o tempo. falou em ser mística em relação a seu passado.. Para mim. — Por acaso pedi alguma coisa? — Não. fiquei a seu lado no leito de agonizante e observei-o enquanto morria. Aceitei com gratidão. Pareceu-me um prelúdio dos mais significativos.. Conte com você mesma.. mamãe.. Não sou um ignorante da vida e das obras de sua pequena santa. mamãe!" Os jornais disseram que ele estava chamando a Virgem Maria. há passagens obscuras em seus relacionamentos que nenhum dos seus biógrafos foi capaz de explicar 264 . Não obstante. deixe-me dizer tudo. com uma súbita raiva. e creia-me que se trata de um ato de amor!. Está oferecendo-me o mesmo tipo de apoio que ela ofereceu a Gregório XI. recursos e técnicos para ajudar-me. Mas nada tenho para dar-lhe em troca. — Vamos ser bons jesuítas e definir os termos! — Recebi um chamado para proclamar as Últimas Coisas e o Advento do Senhor. — Diga-me então o que você é! — gritou Roberta Saracini. Fui chamado a percorrer uma estrada deserta. Roberta. Roberta Saracini fez menção de protestar. isso é razão suficiente. Procuro os meios de fazer a proclamação. Observei-o esta manhã no banco. ao nos conhecermos. Estava tão furioso que pensei até que fosse explodir. — Pelo amor de Deus! Por que acha que deve avisar-me? — Porque. — Há mais. Não é alguma triste devote em plena menopausa.. imaginando por que desperdiçou a vida inteira no celibato.. Ninguém dura tanto tempo. Já li o Diálogo e o Epistolário. — Não para mim — disse Jean Marie Barette. Assim. ele chamava por sua mãe. vacilante e covarde.contra o vento. Mas não se pode repetir a história e não se pode duplicar relacionamentos. Ofereceu-me abrigo. Não conte tanto comigo. mas Jean Marie a conteve com um gesto. que não deve esperar possuir qualquer parte de mim.. Catarina escreveu bastante e muito bem sobre o amor.. Escrevi a minha tese de doutorado sobre as grandes mulheres místicas. Mas teve a generosidade de dizer que estava arrependido de seus maus modos. E não sou algum sacerdote transtornado. mas não sou um homem assim.. Respondi ao chamado. Mas não estava.. à ligação de sua família com Santa Catarina de Siena. Nas trevas. humano e divino. a fim de trazê-lo de volta de Avignon para Roma. a soluçar: "Mamãe.. O homem que segui como Papa.. Mas tenho de avisá-la. Tenho muitos defeitos. Esse Gregório era um homem mesquinho. por favor.

265 . madame. virou-se. E obrigado pelo abrigo de sua casa.. — Já é tarde. — Boa-noite. É um homem duro. Encontra-se no momento numa situação desesperadora. pegou-lhe a mão e beijou-a. Ela levantou o copo num brinde silencioso e tomou o resto do vinho. — Como bons jesuítas. — E eu também precisarei sair. Monsieur Grégoire. — E nosso mundo fica uma hora mais perto da meia-noite.. ao estilo antiquado. Tenho um encontro com o Ministro da Produção Agrícola da União Soviética. — Petrov? Já tive negócios com ele. — Boa-noite. possivelmente porque sou francês e Catarina jamais gostou dos franceses. mas decente. Mas não muito facilmente.. Portanto. Ela é também exótica demais para o meu gosto. E tenho de trabalhar bem cedo. quando eles ainda se debatiam para encontrar algum sentido na variedade humana. Roberta Saracini levantou-se. e foi então que as tragédias ocorreram. já definimos os termos e fixamos as regras do jogo. Se não conseguir arrumar cereais o bastante para o inverno. Jean Marie levantou-se e foi puxar a cadeira dela. Ela estava sonhando com o amor divino. Mas creio que umas das poucas vezes ela levou longe demais os jovens de seu cenacolo.plenamente. — Jean Marie sorriu e deu de ombros. é um homem em desgraça.. sim. Estou perdoado? — Está. Ele aceitou o gesto sem qualquer comentário. amanhã de manhã.

Assim. o que se costuma chamar de "bons ofícios". Vai tentar ajudar? A situação é desesperadora. Mas ninguém quer vender-me coisa alguma. até que acontece. como um papagaio faminto. o líder da oposição ainda tem uma voz forte e muito Poder de barganha. O que estou pedindo agora? Intervenção. desço da escada e passo para o segundo estágio. Vamos pôr a coisa de outra forma. viajando. como se tivesse largado as roupas no chão do quarto ao deitar-se. — Até que ponto posso ser útil. Olhe só para o que está acontecendo na África! Os avisos vinham sucedendo-se há anos. antes um Papa. — Acha que estou parecendo uma ruína humana? Pois é como me estou sentindo. conversando. implorando por cereais. conversou com Sergei Andrevich Petrov. Não passo de um pasteuren retraite. Petrov parecia extremamente cansado e estava todo amarrotado. Ministro da Produção Agrícola da União Soviética. Há semanas que venho trabalhando 12 e até 15 horas por dia. sem a menor hesitação. Comigo. vestindo-as de qualquer maneira na manhã seguinte. meio rançoso. isso já é outra questão. mediação. A fome é o horror que ninguém compreende. Até mesmo o seu senso de humor estava nas últimas.. mas 266 . em toda parte.CAPÍTULO 11 No Quarto 580 do Hotel Meurice. Como reagiria se eu chegasse a Moscou para lhe pedir favores? — Muito melhor do que imagina. suplicando. Jean Marie Barette. Nas democracias.. Ocorreu-me que poderia estar disposto a ajudar. é diferente. Os olhos estavam vermelhos e remelosos. — Claro que estou disposto a ajudar — respondeu Jean Marie. A voz estava rouca e a pele exalava um cheiro de bebida. É muito respeitado.

na direção dos campos petrolíferos do golfo. Pergunto outra vez: quer tentar ajudar? — Claro que tentarei.. Do Saara ao Sachel e ao Hora. E assim que o degelo vier. no banco. em troca de suprimentos urgentes. — Estaria disposto a ir a Moscou? — Estaria. na Praça de São Pedro. Camarada Petrov! Posso fazer declarações à imprensa. Mas com credenciais nas mãos.. o resto é impossível..ninguém prestou a menor atenção. na direção da Índia. se eu me exceder na missão. que você poderá repudiar. Preciso de uma lista de produtos e vantagens comerciais que seu governo está disposto a conceder.. A única maneira de conter os distúrbios internos será marchar contra o inimigo no exterior. a fim de verificar se não existem caranguejos esperando para morder. algo que me dê autoridade para atuar como corretor no mercado. Vocês também costumam empenhar-se no jogo de caminhar à beira do precipício e podem ser tão estúpidos quanto quaisquer líderes do Ocidente. Filipinas e Austrália. Halévy Frères et Barette267 . Preciso de informações.. subitamente milhares de pessoas estão morrendo. — Quando quer que eu esteja lá? — O mais cedo possível. Como poderemos permanecer em contato? — Através de meu irmão. Fazia isso todos os domingos. Agora. a fim de obter o maior proveito possível. para oeste. Mas não posso operar no vazio. sermões. Não acrescenta qualquer carne ao guisado. Fazia discursos diplomáticos especiais em cada visita. pelo mar. As potências ocidentais e os chineses estão empenhados num jogo perigoso a que os ingleses chamam de brinkmanship. por mais elementar que seja. através da grande planície húngara.. com todo o respeito devido. Antes. Mas é a mesma coisa que você fazer um discurso no Dia do Trabalho sobre a ideologia marxistaleninista e a solidariedade dos soviéticos. — Sem isso. Alain. a técnica de manobrar uma situação até os limites de tolerância ou segurança. posso garantir-lhe que os foguetes serão lançados e nossos exércitos vão avançar para o sul. preciso de um roteiro. só que para nós é a morte no inverno! Mal conseguiremos agüentar até o fim. — Prometo que isso não acontecerá. desde que recebesse um convite amistoso dos homens lá de cima e não fosse atormentado a cada passo pelo KGB. — Isso pode ser difícil. Eh.. Pense um pouco. porém. bienl Pelo menos serei recebido como um emissário. preciso meter o dedão na água... a ameaça paira sobre nós. Isso é como um axioma de matemáticos.. Não é um esporte que se possa apreciar com a barriga vazia. Assim. apelos.

— Preciso de um. Peça café para dois. vai querer também a minha 268 .. — É possível. — E qual é? — Quem quer que assuma o meu cargo. Mas entrarei em contato com ele. o que acha dele? — Acho que ele está tentando jogar limpo. a menos que Duhamel esteja empenhado num jogo sujo. folheando seus papéis.. meu caro Camarada Petrov. — Esqueça o drinque. apenas olhares frios e comentários na seguinte base: "Mas que coisa. Mas o que um homem pode fazer ao final de outro dia terrível a andar de um lado para outro com o chapéu na mão? Não se recebe medalhas pelos esforços neste negócio. Por falar nisso.. — Alain não saberá onde estou. mudaria de roupa duas vezes por dia. mandará seu terno para ser passado e tomará um bom banho quente.— Ele escreveu o endereço numa folha de bloco e entregou a Petrov. mas é um pouco cedo para mim. e espalharia que estou disposto a entregar o cargo a qualquer pessoa que julgue que pode desempenhar as funções de uma maneira melhor. esperança! Ele está tentando elaborar um esquema complicado. Dê-me o seu número e irei comprar-lhe uma camisa nova e roupa de baixo. gastando as solas dos sapatos e a paciência! — Pensei que tivesse encontrado alguma esperança com Pierre Duhamel. O problema é a dimensão da operação. Camarada! Deve haver alguma coisa construtiva que você possa fazer!" Sei que não há e eles também sabem disso.. Depois. enquanto eu corro o mundo. isso é tudo o que existe.. num jogo sujo. de tempos a tempos.. — Pois pode fazer. que se eu estivesse na situação em que se encontra. Petrov dobrou o papel e guardou na carteira. — Está querendo insinuar que estou sujo? — Estou dizendo-lhe. — Até agora. Mas estão seguros no Kremlin.. O que me diz daquele drinque? — Tenho uma sugestão a fazer — disse Jean Marie Barette. nunca beberia antes do pôr-do-sol. — Só há um problema nessa prescrição. enquanto espera que fique pronto. Petrov fitou-o com uma expressão de total incredulidade. — Quer tomar um drinque comigo? — Obrigado.. pelo qual compramos cargas em trânsito e as desviamos para portos bálticos. Sei que venho bebendo demais nas últimas semanas.

. Não que isso fizesse muita diferença. se os campos petrolíferos forem ameaçados. com uma inocência afável. resta muito pouco tempo à raça humana.cabeça. contratos particulares.. Lutara com os Maquis e ingressara no seminário um ano depois do término das hostilidades. Estamos em setembro. Pode sair agora para comprar as roupas.. Mas você tem toda razão sobre o resto.. — Tem alguma preferência por cor? Sergei Andrevich Petrov desatou a rir.. não é mesmo? — Vou comprar as roupas — disse Jean Marie. Cada grande nação tem um plano para ataques preventivos. Ao sair para a operação simples de comprar meias e cuecas. então haverá um pequeno prazo para se respirar. o Exército marchará logo depois do degelo da primavera. — Eu gostaria que os velhos camaradas me pudessem ver agora! Desde a revolução que o Vaticano tem sido uma pulga a nos incomodar por baixo das roupas. 18 meses.... Se conseguir. — Quanto tempo exatamente lhe dá? — Deixe-me ver. a fim de evitar o recrutamento para os trabalhos forçados. Na pior das hipóteses. Sei que não há microfones escondidos no quarto. — Tem certeza de que são mesmos particulares? — Tanta certeza quanta se pode ter nesses casos. Nascido em meados da década de 20. Se eu não conseguir os cereais antes do inverno.. — Por quê? — Porque pode significar que ninguém se importa realmente com o que eu faça. esperando que alguém me derrube. e não quero separar-me dela por enquanto. Mas não muito.. isso me assusta terrivelmente. na melhor.. ainda era jovem demais para o serviço militar no Exército francês e fora obrigado a fugir para as montanhas.. — Pensei que estivesse instalado na Embaixada... 269 .. Não é uma perspectiva das mais agradáveis. e agora o Papa vai me comprar uma cueca! — E o que há de tão estranho nisso? — perguntou Jean Marie. — O primeiro Papa vendia peixe em Israel. temos seis a oito meses. porque ainda resta o problema dos combustíveis e energia. Não se preocupe. pois o serviço é sempre demorado. Posso ser como um pato de alvo em parque de diversão... Jean Marie ficou impressionado não apenas pelo aspecto cômico da situação.. mas também com o aspecto macabro. enquanto peço o café. sob os alemães. Por outro lado. — E estou — disse Sergei Petrov. Afinal. — Mas mantenho este quarto para. Meu número é 40.

Ele precisava de roupas novas. na vã esperança de evitar os horrores maiores. braços como palitos de fósforo. Jean Marie chegou à conclusão de que seu irmão Alain estava certo. Fora como uma Walpurgisnacht de embriaguez. o que isso significava? Um expurgo natural da população excedente de terras marginais. Amaldiçoavam-se então Deus e o homem. Sua criatura errante. fala sete línguas e consegue ser terrivelmente convincente em todas. tornando-se cúmplice de horrores secretos. O mais velho dos três era um homem de rosto vermelho. Era a loucura em pequena escala. sim. cujas feições pareciam vagamente familiares. Roberta apresentou-o como Adrian Hennessy. crueldade. sorriso jovial e olhos astutos. até se deparar com uma criança com uma barriga como um balão. E nesse momento. nossa especialista em filmes e televisão. Naquela noite. a mais sinistra de todas as loucuras. — Não tem qualquer parentesco com Cognac. Se ia fazer compras para Petrov. heroísmo e insanidades absurdas. Creio que conhece o pai dela. ele estava assistindo a mesma coisa a se repetir. Tinham o ar decidido de profissionais que sabiam exatamente o que estavam fazendo e dispensavam os conselhos de leigos. Não havia sentido em comparecer mal vestido no próprio funeral. Se os dois conseguirem acertar os ponteiros. A moça presenteou-o com um sorriso frio e uma definição bem ensaiada: — Meu pai e eu mantemos um relacionamento excelente. despejando as bombas para acabar com tudo. Agora. bem que podia pensar um pouco em si mesmo. e agora Sergei Petrov tentando romper o bloqueio do mercado de cereais e afogando o seu desespero em vodca. assassinato por decisão governamental. com uma sublime irrelevância.. trazendo pastas de executivos. — Essa é Natalie Duhamel. A segunda convidada era uma moça de aparência viril. os distúrbios artificiais em Tübingen.Mas uma das recordações mais intensas era o período de pesadelo em que os alemães começaram a se retirar e todo o edifício da ocupação desmoronara. Ele é americano. — Conheço. Foi a surpresa do grupo. Pierre Duhamel. Chegou de Nova York esta manhã. Fome na África? Ora. o servidor de confiança da República. ele comandará a operação. um portfolio de artista e uma máquina de vídeo-teipe.. Chegaram em roupas de trabalho. Ele não 270 . Roberta Saracini teve três convidados para o jantar. Jean Marie ficou aturdido. o coração mal tendo força para bombear ar nos pulmões.

a aura do cargo.. Ele desenha. devemos evitar os nomes verdadeiros. meu amor — disse Roberta Saracini. pinta. Está preocupado. Por que não começamos a trabalhar enquanto tomamos coquetéis? Adrian Hennessy abriu sua pasta e tirou um gravador. vamos limitar-nos a desfrutar o jantar e dar o dia por encerrado. um rapaz que poderia ter servido de modelo para o condutor do carro de Delfos: — E esse é Florent de Basil. que é o menos inspirado dos oradores. Pelo que Roberta explicou. diga-se de passagemAssim. Ignora o cerne do problema: que ainda usa. como ex-Papa. Vamos ao primeiro ponto. Natalie Duhamel permaneceu sentada placidamente. — É de fato um sumário acurado. — As coisas mais importantes estão em primeiro lugar. como anotações e gravações.. ele não pergunta.. Florent de Basil pegou um bloco de desenho. tem uma mensagem que deseja transmitir ao mundo. E espero que possa dispensar-me um pouco de tempo para um retrato. com a perspectiva de não propagar a mensagem como um mestre oficial da Igreja Católica Romana. — Mas ainda está incompleto. Se não concordarmos com os termos de referência. observando. Não há qualquer possibilidade de fazer declarações públicas sem entrar em conflito com o atual ocupante do cargo. impõe-se uma indagação: até que ponto está disposto a se arriscar a esse conflito? 271 .. Como chamamos o cliente? Isso lhe compete. Se concordarmos. — Meu nome é Jean Marie. — Em suma. Ele tinha o sorriso pronto e ingênuo de uma criança. um gênio. Pegou a mão de Jean Marie e beijou-a. Lembre-se de que certos materiais. Roberta Saracini apresentou o terceiro convidado. Assim.. senhor. — Não posso exprimir o quanto desejava conhecê-lo. Vamos agora ao objetivo do projeto.produz meus programas e eu não escrevo seus relatórios ao Presidente. Em questões de confiança.. — Falta meia hora para o jantar. devem ser levados de um lado para outro e há o risco de serem perdidas. eu não lhe digo. e viceversa! — É um acerto dos mais convenientes — comentou Jean Marie Barette. Hennessy tomou um gole de seu drinque e declarou categoricamente: — Vamos conversar primeiro extra-oficialmente. faz lindas canções. — Então vamos mudá-lo para uma versão americana: John Doe. no entanto. então começamos a trabalhar imediatamente.

Somos obcecados por toda uma poesia de viver. efetuado por intermédio deles. A verdade é que vivemos apenas em comunhão. — Não concordo — protestou Jean Marie. Mas tenho certeza de que é nesse domínio do nosso devaneio que o Espírito Santo estabelece a sua própria comunhão conosco. as imagens de terror infantil e a macabra desagregação da idade. Conheci várias pessoas assim durante o meu pontificado. Hennessy inclinou-se para a frente e ligou o gravador.. em meditação. A pessoa que provavelmente resistiria por mais tempo seria a que fosse mais versada no retraimento. privados de todas as referências sensoriais. O que estou então tentando dizer-lhes? — Jean Marie exibiu-lhes um sorriso triste. A autoridade é irrelevante aqui. — Gosto de um homem que sabe o que pensa — comentou Hennessy. mas não posso concordar... Quase que acabei acreditando nisso. Mas não acredito agora. Foram homens grandes ou pequenos? Louros ou morenos? Quem pode saber? E quem se importa? O testemunho do Espírito. Afinal.— Não o quero de jeito algum — disse Jean Marie Barette. São Pedro e São Tiago. Pode impor-nos tudo. mas sim as de São Paulo. a abertura do coração ao risco do amor.. as fragrâncias de um jardim no verão... Somos também atormentados pelo sofrimento e angústia.. Ele fez uma pausa e depois citou. apitos de trem varando a noite. Escute.. — Pedro está morto. o irmão do Senhor.. E nunca mais acreditarei. com um sorriso. o arrependimento profundo que leva à penitência ou perdão. Todos acompanhavam atentamente cada palavra e gesto.. não apenas com o nosso presente.. em voz suave: 272 .. ele era um homem incendiado. Já discuti esse assunto interminavelmente. por acalantos vagamente recordados. assim como Paulo e Tiago. Subitamente. A autoridade é o homem de um olho só na terra dos cegos. — Se ficássemos trancados num quarto silencioso. — Desculpe-me. É assim que nos é concedida a dádiva.. não demoraríamos a ficar desorientados e finalmente insanos. o medo. exceto amor e compreensão. cuja vida tivesse uma referência externa com Deus. ainda perdura. especialmente três homens e uma mulher que haviam sido confinados como agitadores religiosos e torturados pela privação sensorial. a que chamamos de graça: a iluminação súbita. O pó em que se transformaram foi dispersado pelos ventos dos séculos. mas também com o passado e o futuro.. — Mas uma mensagem tem de ser transmitida por alguém e esse alguém precisa ter alguma autoridade. ninguém lê as epístolas de John Doe na igreja.

Seria ótimo fazer agora uma mudança de estilo." Mas não leria uma epístola desse John Doe? Não escutaria se ele lhe enviasse uma mensagem gravada? — Tem toda razão! — Ele fez uma anotação em seu bloco e depois se virou para Jean Marie. Florent? O rapaz estava estranhamente sufocado. como as baladas antigas que falavam de amor e feitos heróicos. Poderia escrevê-las. tratá-lo como uma espécie de títere que pode ser manipulado. toda a encenação. Eu direi quando achar que for demais. — Cartas pastorais. O que acha.. — Cartas de Junius. Monsenhor? — Passei toda a minha vida clerical a escrevê-las — disse Jean Marie. Com todas as luzes. formar a minha própria imagem.. maquilagem. Natalie? — Concordo plenamente. Talvez seja melhor alterar a coisa. mas você me deu uma idéia. mas pode ser da audiência. apesar da censura atual. Cartas a The Times! O problema é encontrar editores com coragem suficiente para publicá-las.. Jean Marie olhou de um para outro. Adrian — comentou Roberta Saracini.. calmamente. — Você disse: "Ninguém lê as epístolas de John Doe na igreja. A imagem não deve ser do orador. Podemos pensar a respeito por algum tempo? — Sou uma banqueira.. ele pareceria uma prostituta bancando a virgem. deixas.. Mas podemos certamente conseguir editores de livros que estejam dispostos a publicá-las. torno-me como o bronze retumbante e o címbalo que ressoa. — Os homens do Vaticano são especialistas em encenações e alguns dos nossos mestres-de-cerimônias são verdadeiros tiranos..— Embora eu fale com as línguas de homens e anjos e não tenha caridade. Descobrime a ouvir música. Lettres de mon Moulin. E murmurou: — Claro que não há necessidade de imagens elaboradas. com todo o respeito.. — Estou acostumado — respondeu Jean Marie. Não se preocupe. Houve um silêncio prolongado na sala..... esperando por uma resposta. — Eram antigamente uma das formas mais elegantes de literatura! — E ainda são — disse Hennessy. Monsenhor. Desligou o gravador e dirigiu-se não a Jean Marie. Posso ler e escutar. — Epístolas! — exclamou Natalie Duhamel. — Sei que isso lhe deve parecer muito impertinente. os olhos abaixados. encíclicas. algo muito simples. mas a seus colegas: — Não preciso de ver o homem que disse isso. Foi Hennessy quem finalmente falou. cartas ao clero e às freiras dos conventos. — Poderia também gravar algumas mensagens? 273 ... Os rostos deles estavam vazios.

O título é sensacional. escrever cartas a Deus e despachá-las numa árvore oca. converso com o Todo-Poderoso diariamente. talvez mesmo aos jornais murais da China. Eu o adoro. com Deus? — Por que não? — Jean Marie saboreou o pensamento por um momento. O editor indaga: "Quem é esse camarada?" O público pergunta: "O que ele sabe afinal?" — E talvez nem se esteja lidando com editores — interveio Natalie Duhamel. — Jean Marie foi incisivo. Mas Adrian está certo. — Quem vai escutar sermões? — Isso foi um sermão? O rapaz apontou dramaticamente para o gravador.. com aparente bom humor. — Com quem vai corresponder-se então. não foi. — É onde voltamos ao problema da autoridade.— Claro. Mas ele seria capaz de manter o mesmo estilo?. Não preciso aprender uma língua nova. — Jean Marie fez um gracejo. a qualquer momento. Ele se virou para Jean Marie e perguntou: — Pode escrever essas cartas? — Claro. Ele correu os olhos pelo pequeno grupo. — Estou preocupada — disse Natalie Duhamel. — Afinal. Não é difícil.. 274 . E quem é X neste caso? — Quando se está escrevendo sobre o fim de tudo. E devem ser ditas de coração para coração. — Parem todos! — A ordem de Hennessy foi como um chicote estalando na sala... a quem vai endereçá-la? — disse Hennessy. É possível. Monsenhor? — Não estou preocupado com o estilo. isso parece um exercício inútil e contraditório — disse Florent de Basil. amanhã de manhã. — Tem razão. — Quem pode fazer qualquer coisa em relação ao evento final? — Tem toda razão — concordou Jean Marie. Podemos chamá-las de Últimas Cartas de um Pequeno Planeta. a respeito de viver e morrer. Uma carta sempre começa com "Prezado X". — Quando pode começar a pôr alguma coisa no papel? — Esta noite. — Tenho coisas a dizer. — Pode-se ter de recorrer ao samizdat e à imprensa clandestina. — A quem mais podemos recorrer.. — Se escrever cartas.. — Ninguém diga mais nada enquanto eu não pedir um comentário. ao final do mundo? É o que uma criança poderia fazer.

.. — Por que assumir um personagem tão forçado. Eu me assinarei Jeannot le Bouffon. fora obrigado a avaliar cada palavra. Johnny... — Por que rebaixar-se a esse ponto? — Roberta ainda não estava satisfeita. meu amor. E quem poderia escrever ao Todo-Poderoso. mas muitas vezes me tenho sentido pequeno. 275 . — E não vamos distrair o autor. com cerca de mil a mil e 200 palavras. o Bufão é tão simples! Por que então somos tão complicados?" — Não vamos antecipar-nos — disse Hennessy. Não devia especular. Por que não assino Jeannot. Jean Marie ofereceu uma sugestão.. — Era Natalie Duhamel quem falava. Quanto tempo ainda vai demorar para o jantar. o Bufão num personagem conhecido no mundo inteiro. mas também a música. — Quem será o autor dessas cartas? Como será o personagem e que nome adotará? Isso é fundamental para a nossa promoção.. Nicéia e Trento. e até um contraponto: "Johnny. Como Pontífice. se Florent puder arrumar um logotipo.— Então comece logo.. Não podia desacreditar as decretais de seus antecessores. Calcedônia. Deixe-nos encontrar a árvore oca. Ele é que é o inspirado. de tal forma que ninguém saberá quem realmente é? — Porque assim ninguém poderá acusar-me de ambição ou rebelião. — E se não conseguirmos transformar Johnny. o Bufão... então estouro os miolos! O que acha.. — Uma questão elementar. — Então por que não ir até o fim? Vamos admitir que existe uma loucura divina. meio sério: — Não posso ser uma criança novamente. por favor! Uma carta por dia. — Não só um logotipo. e uma distribuição internacional. por mais que deles discordasse. a não ser uma criança ou um fantoche? — Concordo plenamente! — exclamou Hennessy. Roberta? Estou morrendo de fome! Jean Marie não podia acreditar que fosse tão fácil escrever as cartas. Little John em inglês? — Parece-me um tanto apalhaçado — comentou Roberta Saracini. enquanto nós somos apenas os técnicos. Natalie? — Posso imaginar um jeito de visualizar tudo.. a fim de não se desviar um milímetro sequer das definições dos antigos concílios. até segundo aviso..

mas Johnny. aturdido. gostaria de compreendê-lo um pouco melhor. Mas terá de fazer as coisas bem simples para Johnny. antes da derradeira explosão. ah. subitamente.. leões. Gostaria também de compreender Você. os elefantes. o que atava e desatava. "Querido Deus: Amo este mundo estranho e engraçado. o que é ainda pior... como um fantoche de Deus. Na maioria das vezes. o Bufão. vai ficar sentado no paraíso a observar-nos a destruí-lo. Ou antes. acrobatas.. Afinal é o seu universo. poderia explicar-me algumas coisas? Sei que este é apenas um planeta muito pequeno. Era a fonte da autoridade. Assim. Constituímos um bando variado: fantoches como eu. E antes de deixá-lo.. diante dos mistérios. os artistas.. o Bufão. A audiência é de fato maravilhosa. E pode estar certo de que não vai qualquer desrespeito em minhas palavras! Mas acontece que no circo em que trabalho há uma audiência e há nós.mas apenas projetar as fórmulas tradicionais da fé. Não se pode deixá-los de fora. porque dependemos deles e eles de nós. resguardado em seu papel. muita coisa mais! Formamos um bando realmente grotesco. na medida em que me permitir. Mas às vezes se pode também farejar a crueldade. Mas é o lugar em que vivo. o árbitro supremo da ortodoxia. Não era mais Doctor et Mogister. Mas. como comediantes destroçando um piano de cauda em que grandes mestres tocaram Beethoven. moças bonitas a cavalo. só que estava mais rigorosamente preso que qualquer outro. as pessoas na corda bamba. as pessoas que apresentam o espetáculo. era como um escravo no Depositário da Fé. por favor. contemplar os esguichos e. as mulheres com os cachorros amestrados. como se quisessem que os tigres atacassem o domador e o acrobata caísse do trapézio. como um malabarista. ele estava livre. contestar o Criador. não posso realmente acreditar que Você seja a audiência! E há também nós. Mas acabo de receber a notícia de que Você vai destruí-lo. de olhos arregalados. . Brinca com as estrelas e consegue manter todas no espaço. Podia agora sentar-se e cheirar as flores. E há também os animais. 276 . eles são tão felizes e inocentes que se pode sentir a alegria que irradiam. Não posso contestar o que Você faz. Nunca entendi muito bem onde Você se enquadra neste mundo. Mas agora.

um vilão vingativo. muito diferente da linguagem usada pelos filósofos e teólogos. Estava exprimindo-se com o vocabulário de um camponês. mais ele queria escrever. Não precisava inventar novos símbolos ou novas cosmogonias. Encontro nisso tanta diversão quanto a que proporciono.. "Elas me contam seus segredos porque sou um fantoche. mas às vezes somos também loucos o bastante para nos matarmos uns aos outros.... Eu poderia contar-lhe muitas histórias. Sou muito mais tolo do que elas jamais serão. Um louco poderia fazer isso. mesmo quando bancam as tolas com um homem. prescrições.. há muito o que explicar. o raciocínio de um homem simples diante do supremo mistério.. a praga e a fome.. Não era um exercício literário. por isso aprendem a lutar como os homens e portam armas para se 277 ..Somos generosos. as maçãs viçosas colhidas na árvore. Algumas pessoas dizem que Você é o dono do circo e que arma todo o espetáculo para o seu prazer pessoal. Elas não se sentem envergonhadas em admitir que também estão com medo. mas Você sabe de tudo. em toda a sua carreira clerical. a primeira fragrância da primavera.. Não estava ensinando a ninguém. escrevera tão ternamente a respeito das mulheres. Portanto. não é mesmo? Você nos conhece. assim como o oleiro conhece o vaso que está girando em sua roda. Mas não posso compreender por que o dono do espetáculo haveria de querer cortar as cordas que prendem o toldo e enterrar-nos a todos embaixo. Não acredito que Você possa ser louco e ao mesmo tempo fazer uma rosa. calça folgada." Quanto mais escrevia. como os marcianos e os valentinianos. de botinas imensas. é verdade. que possa ser vingativo e ao mesmo tempo criar um golfinho. Estava empenhado no mais primitivo de todos os passatempos. ele escrevera para as mulheres. Mas ouvem os cavaleiros do terror na noite. fazer os seus ninhos como os pássaros e criar lindos filhos. como o trigo maduro. com minha boca enorme e olhos de bebê chorão. a guerra. Nunca antes. perguntando-se por que devem gerar filhos para morrer num seio ressequido ou arder numa explosão da bomba. Eu poderia aceitar isso. um palhaço. Tampouco se sentem ridículas. conselhos. a contemplação do paradoxo. Elas querem apenas amar e ser amadas.. Era um homem apaixonado pelas coisas antigas e simples. Como Papa. Não podem andar em segurança pelas ruas. mandatos apostólicos. porque em breve estariam perdidas no caos do Juízo Final. Eram as mais preciosas. E estou sempre com medo. Gosto de ser um bufão.

. onde Seu Filho costumava aparecer há tantos séculos. Estas podem ser as últimas cartas que Você receberá do nosso pequeno planeta. Esta carta será despachada pelo tronco oco de um carvalho. Seria agradável dar um passeio pela beira do rio. mas como você é ativo! Estarei aí dentro de 20 minutos. lembrou que era agora o alvo de uma vigilância intensiva e os agentes poderiam farejar a sua pista. eu gostaria que visse o que já escrevi. falando aos que passavam. num total de 20 páginas. o Bufão" Ao cair da noite. compreendi tudo. Sendo assim. 278 . Observam os homens empenhados em danças guerreiras e desprezam-nos. com um pequeno sobressalto de medo. por favor. Creio que dá um total em torno de 6 mil palavras. Seu amigo perplexo. mas é melhor não deixar a casa agora. não. Eu gostaria de providenciar pessoalmente. porque tenho muitas outras perguntas a fazer. Em vez disso. desprezam-nos ainda mais. Elas querem saber o que está errado com o Seu mundo. o Bufão! O máximo de que sou capaz é fazê-las rir. Foi somente a fadiga física que o fez parar. Não podia correr o risco de comprometer Roberta Saracini com um ato leviano de auto-indulgência. Johnny. bem perto do lugar em que guardamos os cavalos do circo.. O que posso dizer-lhes? Sou apenas Johnny. Quando os homens ficam furiosos. Algumas vezes. compre uma cesta de flores para Roberta e um cartão para acompanhá-la. Jean Marie já escrevera cinco cartas. o amor se torna amargo ou estranho.. Outras.. ele ligou para Adrian Hennessy. dizendo-lhes a verdade em lindas histórias. Mas logo. no empenho de correr para me esconder. caindo cara no chão ou pisando distraidamente em piche fresco. Mas neste momento estou apavorado e tropeçando nas minhas imensas botinas. — Poderia fazer-me um favor? No caminho. não acabe com este mundo antes que eu consiga encontrar algum sentido nele. e por que não encontram Você algumas vezes na esquina. — Quanto já fez? — Cinco cartas. — Se dispuser de tempo esta noite. Continuarei a escrever.defenderem do estupro. no fundo da campina. Ainda era cedo. Você poderia pensar nessas coisas e dar-me algumas respostas? Sei que temos conversado freqüentemente. — Puxa vida.

queimamos tudo. As flores foram encomendadas.. — Ótimo! Em princípio. Continue a escrever.. Natalie e Florent lerão também e apresentarão idéias para tratamentos audiovisuais especiais. revistas e livros. em todas as línguas. — Com prazer.— Tenho uma idéia melhor: mandarei que a cesta seja entregue diretamente pela florista. Mais alguma coisa? 279 . — Só há um problema: você não pode queimar algo que não lhe pertence. procurando o caminho certo. Se estiver ruim. O que quer escrito no cartão? — Apenas isso: "Para exprimir meus agradecimentos. para o caso de surgir a necessidade de autenticá-los. eu cuido da publicação em jornais. exuberante. O julgamento que Hennessy apresentou sobre as cartas foi sucinto e definitivo: — É justamente o que prometeu. permita-me confiar nele! Não tenho mais certeza dos meus julgamentos. Jeannot le Bouffon. Deixou-me comovido.. Enquanto isso. devendo ser ignorado. Pode lembrar-se de mim quando chegar ao Domine Exaudi. E depois? Pensamos bastante.. dizendo: — Por favor. e olhe que tenho uma caldeira no lugar do coração! — E o que acontece agora? — Levo estas cartas. — Tudo bem — disse Jean Marie. Jean Marie ainda não chegara à porta e Hennessy já estava absorvido na leitura. Hennessy estava na porta 18 minutos depois. Se estiver bom. Antes de ler uma linha sequer. objetivo.. Hennessy correu os olhos rapidamente pelas cartas. não há lugar para elogios ou concessões." — Entendido! Já estou a caminho. ele tratou de fixar novas regras para a operação: — Estamos numa jogada de grandes proporções. Por que não ensinam mais caligrafia como antigamente? Quero ficar sozinho por meia hora. placidamente. Isso lhe dará tempo para ler as vésperas no jardim. Sentia-se como um encarregado da mudança de cenário numa peça japonesa. brusco.. Assim sendo. está legível. Não se esqueceu de Adrian Hennessy no Domine Exaudi. todo vestido de preto.. Guardarei os originais. mando copiá-las e depois lhe envio cópias de arquivo.. eu o direi. Jean Marie não pôde deixar de rir interiormente. e que Deus guie a sua mão! Assim que tivermos situações concretas. nós as traremos para a sua aprovação.

monges. — Você me espanta. Mas não tenho o hábito de trair meus clientes e ninguém me possui o bastante para que eu não possa jogar o contrato de volta em cima da mesa e ir embora. Mas vamos falar a seu respeito por um momento.. ou pelo menos estarei. nem mesmo sua mãe seria capaz de reconhecê-lo. comer num restaurante. — Sei como providenciar qualquer serviço que deseje. freiras e leigos.. líder espiritual de meio bilhão de pessoas... Ótimo! Ficarei esperando. assim que meu paradeiro for conhecido... esticar as pernas. Quando ele acabar. — Rolf? Adrian Hennessy. cabelos grisalhos relativamente abundantes. Mas meu rosto é muito conhecido. o melhor maquilador do mundo. É o hóspede de uma caçadora de 280 . E ofereço aquilo por que estou sendo pago: um serviço total! E é esse o limite. Pagamento de primeira..— Estou sob vigilância total.. Tem um lápis a mão? Vou dar-lhe o endereço. Vou dar os dados.. Quanto tempo vai demorar para chegar aqui? . a menos que eu permita. judeu russo.. Imediato. monarca absoluto do menor mas mais importante conclave do globo. — Sou o que pode ver. Era uma tremenda base de poder. Idade. nem mesmo Jeannot le Bouffon! — Por favor! — Jean Marie ergueu as mãos em protesto. Eu gostaria de sair um pouco. Percorro alguns caminhos dos mais tortuosos. Há cerca de dois meses. Ele estará aqui dentro de meia hora.. olhos azuis.. pelo amor de Deus! Ele ainda quer ser capaz de comer num restaurante. . ele é bastante conhecido e por isso será necessário toda uma transformação.. O problema é que ele está preso em casa e daqui a pouco não vai mais agüentar. Adrian Hennessy.. com o seu equipamento. Tenho um trabalho. 65 anos. E agora veja a situação em que se encontra! Não pode sair para dar uma volta sem estar disfarçado.. Ninguém vai além. — Adrian Hennessy estava subitamente estranho e distante.. feições finas. e dos mais chegados! Hennessy desligou e virou-se para Jean Marie. largando tudo.. mas nada de Corcunda de Notre-Dame. Ele é um dos meus. .... da promoção de um batom a uma liquidação. — Eu não estava pedindo para ouvir sua confissão! — Mas já ouviu. Deixe-me ver.. muito estreitos. Dispunha de uma organização internacional de clero. Isso mesmo. Mas renunciou a tudo isso!. Hennessy consultou seu caderninho de telefones e depois fez uma ligação... — Rolf Levandow. .. pele clara. era um dos homens mais eminentes do mundo. Isso mesmo. . como um agitador político... Tem alguma sugestão? — É a coisa mais fácil do mundo.

— Preciso conhecer o homem a quem estou servindo. por favor.. Uma águia pode entender-se com um canário. Lázaro saiu. Depois do que me aconteceu no jardim de Monte Cassino. diziam eles.leões. Não se esqueça disso! — Por que chama Roberta Saracini de caçadora de leões? — Porque estou tentando ser polido. Vivem de modos diversos. eu me tornei como Lázaro. Jean Marie pensou na indagação por um momento e depois sacudiu a cabeça. As irmãs estavam desesperadas. antes que os 281 . Ela é uma ótima cliente e você precisa dela. "Iam foetet". Jesus chamou.. coisas que antes podia ter de graça. — Só posso explicar-lhe através de uma analogia — disse Jean Marie. Já pensou alguma vez como ele deve ter se sentido. "Ele já cheira mal!" A tumba foi aberta. usam uma expressão mais insultuosa para as mulheres que vivem atrás das celebridades do sexo masculino. — Como? Sob que aspectos? — Implacavelmente. parado ali. em elementos diferentes. Nada jamais pode ser igual ao que era antes. Depende dela para comprar espaço em jornais e revistas e tempo em emissoras de rádio e televisão. — No meu país. — Pense nos detalhes. sim. mas um canário jamais poderá entender-se com um peixinho dourado.. calmamente. — Acho que compreendo — murmurou Hennessy. — Não vamos empenhar-nos em jogos dialéticos.. — Mas mesmo que você tenha mudado. — Disse tudo isso a Madame Saracini antes de começar a arrancar o dinheiro dela? — Disse. a piscar ao sol. o mundo não mudou. ainda envolto pela mortalha. — Tenho a obrigação de apontar as minas ocultas por baixo da terra. — Lembra-se da história do Evangelho em que Jesus traz seu amigo Lázaro de volta dos mortos? — Claro. olhando novamente para um mundo do qual já se despedira? . Mr. e não importa se foi para melhor ou pior. — Você tem maus modos e uma boca suja! — Jean Marie estava furioso e áspero. — Hennessy permaneceu inabalável. embora parecendo ainda um pouco desconfiado. Mas acontece que uma parte de mim ainda é de um irlandês antiquado e detesto ver um padre amarrado aos cordões do avental de uma mulher. Não me interprete de maneira errada. Hennessy pressionava. Simplesmente estou diferente. Tive uma experiência que me mudou completamente. com medo do que poderia ser revelado quando a tumba fosse aberta. Hennessy. — Hennessy estava subitamente brusco. Tenho de perguntar a mim mesmo que sentido isso faz para você.

. — Agradeço a sua preocupação — disse Jean Marie.. também não podia passar por um proletário. Rolf Levandow certamente não confiaria num idoso cavalheiro de 65 anos para fazer uma maquilagem certa. um homem grandalhão.. e saiba que tenho certeza! . vire para lá! É uma pena mudar os cabelos. Por outro lado. — Pelo menos ainda tem fogo dentro de você — comentou Hennessy. com uma suave ironia. muito embora aplicassem-nos todos os dias. com um sorriso amargo.. E se empenha nisso como em todas as outras coisas. Esse é apenas um dos riscos. porém. a barriga lisa e as mãos macias! Pois então. barbado. Assim. Presumivelmente.. Vou dar-lhe um pequeno exemplo.. Desde que o pai foi preso que Roberta se entregou à religião. cujo pai é suspeito de ter outrora dado um golpe de 15 milhões no Vaticano? ". O maquilador chegou. alguma coisa 282 . Seria uma espécie de mutilação.. Encomendou flores para Roberta. Jean Marie não estava ingressando num concurso de elegância. pode facilmente ver-se envolvido pelo passado dela. Não foi para o melhor que mudei. um crítico de revista.. Explicou longamente que o disfarce era uma questão de ilusão. Está sob vigilância total porque o Governo procura por pregos para fechar o seu caixão. — Acontece que me importo! Acredito no que diz! E quero que todos ouçam também! Mas não quero que a minha Igreja seja vilipendiada em praça pública! — Perdoe-me! — murmurou Jean Marie. arrependido e triste.. então espere só até ouvir os técnicos em pornografia do Governo! . — Não seja indulgente comigo! — Hennessy estava novamente furioso. Se pensa que sou boca suja. Então vamos ver! Vire para cá.. — Mas avisei-o. — Mas me permita sugerir que não há recurso contra a maldade e os boatos insidiosos. sem qualquer maldade. meu caro Monsenhor. — Escolherei minhas palavras com mais cuidado na próxima vez.... parecendo um profeta do Antigo Testamento. Mas como se sentiria se alguém espalhasse um rumor: "Qual o alto dignitário católico que anda mandando flores para uma certa banqueira. igualmente eloqüente e categórico.coquetéis com Roberta implicavam inevitavelmente café da manhã na cama. não com aqueles ombros frágeis.dois pisem nelas. A maquilagem complicada só servia para o palco ou a tela.. Isso a ajuda e me sinto contente. Um gesto de gentileza de um cavalheiro para com sua anfitriã... Bem poucas mulheres sabiam como usar os cosméticos de maneira apropriada. um professor aposentado. Antes disso. moreno.

os turistas nos bateaux mouches e o esplendor do pôr-do-sol derramando-se sobre 283 . por outras razões que não a maquilagem. Jean Marie ainda se estava contemplando no espelho. Posso pedir-lhe um pequeno favor? — Claro! — Deixe-me ir ao seu lado até a beira do Sena. Enquanto isso. — Meu amigo e eu temos muito o que fazer. Rolf pode ser-lhe muito útil. O trabalho que ele tem é uma cobertura das mais úteis.relacionada com as artes! A idéia era criar uma identidade local. Jean Marie descobriu-se finalmente a olhar para o espelho. Reconheceu-o imediatamente. E agora tenho de ir. Quando ele voltou. Hennessy riu. — Como assim? — Ele é um agente israelense. observando os pescadores esperançosos e os apaixonados de mãos dadas. um membro da Shin Beth. Tenho de me acostumar com esse camarada novo que usa pincenê e boina. Se quisesse mudar. como contar as moedas de uma pequena bolsa de couro. pincenê de ouro com fita de tafetá e um par de chumaços nas bochechas. Permite-lhe viajar freqüentemente com o pessoal do cinema. A prática indicaria outros aperfeiçoamentos no disfarce. Ele deveria tentar apreciar a manobra.. Diz que os israelenses estão bem-dispostos em relação a você. — Quando voltarei a ter notícias suas? — Assim que eu tiver alguma coisa para comunicar. — Está certo. Vou acompanhá-lo até o ponto de táxi. continue a trabalhar nas cartas. com uma boina basca.. Rolf! — interveio Hennessy. por algum motivo. passar pela beira do rio.. a fim de que o homem por trás do balcão e a moça na banca de jornais fossem capazes de jurar que se tratava de alguém familiar e seguro. — Pode esquecer. E seria conveniente que mantivesse contato com ele. Ele deixaria o seu cartão. Era o mais simples dos prazeres. que lhe davam uma expressão de coelho. O maquilador explicou que uma revista literária debaixo do braço ajudaria. E ele ainda trabalha regularmente para a televisão francesa.. poderia dar-se um jeito. uma bengala ordinária seria opcional. — A coisa funciona. Muitas vezes a pessoa se cansava de ter uma única identidade. como se fosse um jogo. não é mesmo? Eu lhe disse que ele era o melhor. e um certo ar de parcimônia era recomendável. contemplando um velho professor um tanto macambúzio.

que podia estar um pouco atormentado pela inflação. 1'ardent imperator Voyait dans ses yeux clairs étoilés de points d'or. Revela ao homem que você é sério. Havia também uma diversão infantil no jogo de disfarce.. Foi assim que agi na Alemanha e. à sua esquerda. O disfarce era uma ilusão. da extinção de todas as suas belezas serenas. Toute une mer immense oú fuyaient des galères. protegido. Estava próxima. um volume maltratado de Les Trophées e uma bengala. Lembrou-se do que dissera Rolf Levandow. na véspera da batalha de Actium: "Et courbé sur elle. Foi então que ele ouviu a voz. Era preciso tirar 284 . Ele descobriu que o velho parnasiano resistira bem ao passar dos anos e que ainda podia sentir-se comovido com o último e pungente momento entre Antônio e Cleópatra. pediu café e docinhos.. Jean Marie saiu passeando. Enquanto o monólogo prosseguiu interminavelmente. Ele comprou. Era uma fantasia das mais agradáveis e levou-o até a cerimônia final da tarde. dividindo sua atenção entre os transeuntes e os versos lapidares de José Maria de Hérédia. como se fosse chamar o garçom. Assim.. com castão de cabeça de cachorro. Mesmo que alguém julgasse reconhecê-lo. discorrendo sobre a arte de bouquinage: — Não se pode agir como se estivesse revirando o sótão da vovó. no entanto. uma voz americana de barítono. a sentença seria irrevogável. exuberante. Jean Marie tirou dinheiro da carteira e virou a cabeça lentamente. " A beleza solene e fatídica da imagem combinava com o seu próprio ânimo. E.. feliz como qualquer cavalheiro intelectual.a massa cinzenta de Notre-Dame. Parecia uma blasfêmia sequer cogitar da destruição de Paris. ainda recuaria diante das feições desconhecidas. Não importa que as gravuras sejam tão raras quanto dentes de galinha. Decide-se qual o jogo de gravuras que se deseja realmente possuir. mas ainda era capaz de usufruir ao máximo os seus anos de outono. como por um manto de invisibilidade. quando se acomodou sob o toldo de um café com mesas na calçada. Esse é apenas o ponto de partida. e qualquer homem que vivera em Roma sabia como era frágil o contexto do maior império e como os mortos eram quietos em suas urnas e catacumbas. que tem dinheiro para gastar e lhe será compensador investir algum tempo e mostrar o que tem por baixo do balcão. quando chegasse o Dia do Rubicão. por alguns francos. aquela cidade tão humana.

. absorvido em conversa com uma mulher ainda jovem. Você sabe de tudo 285 . Um circo está sempre viajando e assim podemos observar como outras pessoas vivem. Alvin Dolman ainda estava absorvido na conversa com a moça. . Alvin Dolman olhou em sua direção. por que não deu a todos nós uma oportunidade igual? Num circo. esnobá-lo se o cumprimentasse.. Dolman não interrompeu o monólogo.proveito disso. nossas vidas dependem disso. a caminho da rua. e estou referindo-me às pessoas de bem. Havia um recado à sua espera. Alvin Dolman estava sentado na mesa próxima. Mas aqui está a coisa que não consigo entender.. que realmente merecem um afago seu na cabeça. Depois. como se estivesse impaciente em ir embora. Contornou a mesa de Dolman. começou a trabalhar em outra carta. que usava um vestido estampado de algodão. Se os armadores cometem algum erro... Madame chegaria tarde a casa. — . o suficiente para manter Dolman interessado. Se o homem que maneja os refletores não faz direito.. que se amam mutuamente e amam seus filhos. Ele deveria pedir o que quisesse para jantar. o trapezista morre. Ele parecia ter feito algum progresso. Ele virou a cabeça. aquele que estava parado perto de você. Jean Marie lembrou que estava usando pincenê e que provavelmente Dolman não poderia ver-lhe os olhos.. pois estava agora segurando a mão dela. Não é a minha especialidade. vestiu um pijama e roupão. eu posso ficar cego.. Felizmente. mas. Olhou para trás ao se abaixar para recuperá-lo. pegou o livro e a bengala e levantou-se. Os olhos dos dois se encontraram. Enquanto Jean Marie levantava a mão. Mas parece que Você não vê as coisas desse jeito. "Querido Deus: Se Você é o princípio e o fim de tudo.. servidos em seus aposentos. que se especializa em desenhos de balé. É preciso lembrar sempre as coisas que geralmente se encontram nas barracas de livros.. Jean Marie contentou-se com um café e sanduíche de galinha.. Mas o demônio do meio-dia estava em Paris e Jean Marie Barette podia fazer algumas suposições inquietantes sobre a sua missão atual Ele deixou o livro cair na calçada a 10 passos do café. Estava agora tratando de um tema dos mais controvertidos: as divisões em questões de fé entre os homens e as mulheres de boa vontade. pôs uma nota de 10 francos embaixo do pires.. Conheci um camarada hoje.. Tomou um banho.. pedindo a conta. pelo menos até que ele estivesse de volta em segurança a seu refúgio. Jean Marie Barette esperava que a moça reagisse favoravelmente. lentamente.

. porque é assim que a morte sempre foi dispensada aos velhos. Mas Você nunca nos disse claramente qual a situação que prefere. teve um pedacinho de seu pênis cortado porque é judeu.. se mete na cama de Leila em busca de algum conforto? E Leila.. Em algum lugar. Não tenho filhos. Leila. fica contente em recebêlo? Se bem me lembro. Detesto pensar que os seus possam ser ainda mais ínfimos. Mas cada um o vê de maneira diferente... Afinal. Parecia compreender as mulheres. Tenho de dizer isso. 286 . eles não seriam apenas brinquedos.. beber e conversar com pessoas como nós.isso. Ao meu lado. Até mesmo tem permitido que seus filhos se matem uns aos outros só porque cada um faz uma descrição diferente de seu rosto na janela! . pode ver muita diferença entre nós? E se importa com isso? Fica realmente perturbado quando Louis. E. Ele é traiçoeiro.. Tenho certeza de que está fazendo com que as coisas sejam mais fáceis para essa mulher. sentei-me hoje num café. porque se trata de um objeto mágico.. Está definhando lentamente. É uma pena que ninguém se tenha dado ao trabalho de registrar as conversas que ele teve com as mulheres. tenho de dizer-lhe isso!. Um homem destrutivo. não é mesmo? A própria vida lhes concederia direitos. Louis. se tivesse. perto do Pólo Norte.. Seu Filho gostava de comer.. que está ficando velho e assustado. havia um homem que sei estar de fato habitado por um espírito do mal. a moça preta que cuida das cobras. Ela não está sofrendo. no entanto. Por que todos temos de usar sinais diferentes para indicar que somos seus filhos? Fui aspergido com água. quando o espetáculo acaba e todos nos sentamos à mesa do jantar. há uma velha sentada numa massa de gelo flutuante. porque meus pais eram cristãos. usa uma amonite pendurada no pescoço. O que estou querendo dizer é que Você está acabando com o mundo sem realmente nos dar uma oportunidade de superar as desvantagens que nos impôs. Mas. foi quem fez tudo isso. cansados e famintos. pelo menos de acordo com nossos padrões ínfimos. Eu quero acreditar que é aquela em que existe mais amor! Por outro lado. Ele gostava de crianças. Como Você haverá de julgá-lo? E como fará com que seu julgamento chegue ao nosso conhecimento? Temos o direito de saber. Sente-se contente. Não estaria sendo honesto se deixasse o problema de lado. Você sabe que ela está lá. Ficaram apenas algumas palavras suas com a mãe e umas poucas conversas com outras mulheres. talvez mais fáceis do que para outros pobres velhos que estão internados em clínicas luxuosas... que é bastante feia. E é um assassino... o domador de leões.

então por que não o faz antes que todos nós estejamos metidos numa confusão total e irremediável? Lamento se pareço grosseiro. terror. no deserto da eternidade. Era a menina do Instituto. Não pretendia ser. Ele próprio era o centro morto de um cosmo morto. ternura e uma raiva intensa contra o outro. ele estava no pico alto.. Não podiam ficar ali no pico.. Não haveria êxtase. por que não? E.. uma terrível vergonha. um puxão em seus dedos pendentes. turbilhão intenso ou a agonia requintada da união com o Outro.. mudar de idéia? Se não é possível. Podia apenas saber que aquilo era tudo o que havia para saber: ele próprio estava preso a um rochedo árido.. apelo ou perdão. sei que estou sendo muito insistente esta noite. pôde divisar uma luz minúscula.. estranhamente. Ela era a sua centelha de vida. meu Deus. descendo a cambalear pela encosta escura e rochosa. a fonte das emoções começou a fluir outra vez. Podia sentir o rosto da menina contra o seu. mas é que estou cansado e com medo daquele homem maléfico. Mais uma vez. E ele constituía a derradeira proteção dela contra o vazio do planeta inóspito. Devia haver cavernas para abrigá-los. por favor. Encaminhou-se para a luz. que se atrevera a abandonar aquela criatura pequena e desamparada num lugar que não era um lugar. como se a cobrisse com a armadura de sua própria pele.Assim.. Olhou para baixo. sozinho. a pequena fantoche de Deus. dominado por uma tristeza insuportável. como um pouco de vento. Não havia trégua. a respiração quente dela. Não podia chorar. diga-me como e quando vai julgar o caso do Criador versus criatura. sentiu um toque em sua carne. até ofuscá-lo. como se fosse o único responsável por toda aquela desolação ao seu redor. Foi tornando-se cada vez maior e mais brilhante. ou deveria ser o contrário? Ou não poderia suspender tudo e transformar o caso num banquete de amor? Mas que coisa estranha! Nunca pensei em pedir antes. Ele sentiu o coração desmanchar-se pela menina.. como uma estrela refletida na água escura de um pequeno lago na montanha. dentro da qual. E enquanto ele andava. Subitamente. ficando imóvel como um cego num lugar novo. Pegou-a no colo e apertou-a. entre as montanhas negras do planeta morto. Aconchegou ainda mais a menina. a lhe desmanchar os cabelos. E foi então que ouviu a 287 . sem qualquer aviso." . Novamente estava vazio. Ele foi obrigado a fechar os olhos e parou. Ele começou a andar. Não podia ter raiva.. com seu sorriso vazio e confiante. Ele chegou finalmente à entrada de uma caverna. se é possível.. de voz feliz e sorriso suave. Estava consciente da compaixão. Mas será que não poderia.

acariciou-lhe o rosto. Ele acabou pegando a menina e dançou com ela. E de repente ela não era mais uma mongolóide. afagava-lhe o rosto e afastava os cabelos dos olhos. estavam presos atrás com uma fita de linho. calma. E pediu novamente: — Deixe-me segurá-la. prateados ao sol. — Quem é você? — Eu sou quem eu sou. Ele o fez e divisou. Estraguei tudo. — Jamais compreendi isso. As paredes da caverna dissolveram-se numa perspectiva de campinas. — Não quer beijar sua filha? — Posso? 288 . Ela estendeu os braços. Ao seu lado. porque a vida se renova pela morte. — Lamento muito. os animais. O rapaz levantou e ofereceu o pão e a água. Ele estendeu os braços e disse: — Ficarei com a criança. Jean Marie recusou e ele começou a alimentar a menina. um jovem de extraordinária beleza. Irei embora agora. com a menina aninhada nos braços. como uma princesinha. firme. com pedaços de pão e goles de água. Abaixou-se para uma posição agachada. O rapaz levantou-a para que fosse admirada. gentil. havia uma travessa com pão e um copo com água. dourados e abundantes. Ela não sofrerá qualquer mal. — Então por que morrer deve ser tão terrível? — O homem é que faz os seus próprios terrores. não eu. — Nem deve tentar compreender. Os cabelos. por favor. ao lado de uma pequena fogueira. Viver e morrer constituem um único ato. O rapaz disse. — Não! Jean Marie sentiu um súbito ímpeto de medo e recuou até a parede do outro lado. as flores. De vez em quando. mas perfeita e linda. Ele sorriu para Jean Marie e disse-lhe: — Está vendo? Posso fazer com que todas as coisas sejam novas! — E onde está todo o resto. A menina riu.. está sempre quebrando as coisas e obrigando-me a consertá-las.. em tom de censura: — Você tem de compreender. O princípio e o fim são a mesma coisa. sobre a pedra. A flor discute com o sol ou o peixe com o mar? É por isso que você é um fantoche. as pessoas? — Aqui! Ele suspendeu a menina acima de sua cabeça.voz. beijou-o. pomares e córregos. — Abra os olhos. sentado num rochedo. Usava apenas uma tanga e sandálias.

estão empenhados em programas de emergência que possam fabricar materiais bélicos. Os chineses são muito espertos. Perguntou até que ponto os chineses achavam que eram acuradas. Sentiu vontade de fazer algum comentário. E também estão convencidos de que a guerra é inevitável. Por isso mesmo... riu e disse: "Se ele é amigo dos jesuítas.. — Tive um dia movimentado. mas estava muito cansado e além do mais o 289 . em suma! Não esconderam que consideram os chineses como seus aliados naturais." Ele lembrou que foi o jesuíta Matteo Ricci quem introduziu o relógio de sol na China. Roberta Saracini estava parada ao lado da mesa.. Nosso grupo era bastante diversificado: ingleses. — Obrigado pelo chocolate.Mas quando ele estendeu os braços para pegar a linda menina. Um deles. Um deles. um homem chamado Morrow. diretor do Banco da China. E. Como foi sua noite? — Das mais interessantes. Querem a maior diversificação de investidores que for possível. A delegação financeira chinesa ofereceu-nos uma recepção na Embaixada. sob todos os ângulos. americanos e. com uma bandeja nas mãos. Jean Marie lamentou silenciosamente a indiscrição.. suíços.. Fomos convidados a participar do financiamento de um novo projeto industrial em Xangai. um consórcio de banqueiros da Comunidade Econômica Européia. então suas predições devem ser mesmo acuradas. Ele estava de volta a seu quarto. O homem.. falou de suas profecias e dos artigos a respeito de sua abdicação. — Vi luz por baixo de sua porta e pensei que gostaria de tomar um chocolate quente antes de dormir.. que foi Secretário de Estado e agora está com o Morgan Guaranty.. a menina. quando entrei. Seu nome foi mencionado nas conversas sobre a guerra.. Que horas são? — Passam alguns minutos de 10 horas. Ele ficou muito interessado quando comentei que o conhecia e era até uma das administradoras dos seus bens. tudo se dissolveu. — De que forma? — Deixe-me ver se consigo lembrar exatamente. sim! Os americanos estavam falando sobre os períodos de perigo e os incidentes que podem desencadear uma guerra. encontrei-o dormindo na escrivaninha. Ah. o astrolábio e o método de extrair raízes quadradas e cúbicas de números inteiros e frações. Não tenho a menor dúvida de que pelo menos dois ou três homens da delegação americana trabalham também para o serviço de informações. como não podia deixar de ser. o Dia do Rubicão. a caverna e as campinas mágicas. ela não estava mais ali.

estive a poucos passos de um agente da CIA que tentou matar Mendelius. Mas para onde. — Sei que você não fez por mal. numa reunião diplomática. — Minha cara Roberta! — Jean Marie não podia deixar de falar agora e não tinha como controlar as palavras. do qual possa me comunicar em segurança. gentilmente. Trate de arrumar as suas coisas depressa. — Vou buscar o carro.. Assim que amanhecer. cerca de 40 minutos. encontrarei um meio seguro de fazer contato. seu telefone estará sendo interceptado e a casa vigiada. Respondi que mantinha contato com você de vez em quando e que lhe transmitiria o recado. Ao que parece. encontraram-se algumas vezes no Vaticano... Poderia levar-me de carro até o aeroporto? É melhor não pegar um táxi. Mas. — Sou profundamente grato por toda a sua ajuda. se conseguisse chegar sem ser descoberto.. E esta noite mesmo! Quanto tempo levarei para chegar ao aeroporto? — A esta hora. entre em contato com Hennessy e com meu irmão Alain. — Pelo menos deixe-me dizer que sinto muito! Ela estava à beira das lágrimas. Esta tarde. Depois que me instalar. Os últimos aviões partem à meia-noite. — Não sei para onde vou e é melhor que você também não saiba. Roberta Saracini acrescentou: — Morrow disse que gostaria de tornar a encontrá-lo. — Tudo depende de mim! Por isso é que preciso agora de um lugar seguro onde possa ficar.. Os franceses me querem sob vigilância permanente. você anuncia que é minha procuradora e que mantém contato comigo de vez em quando! A partir de amanhã. poderia trabalhar em segurança nas cartas por algum tempo. Eu a meti num jogo perigoso e não se podia esperar que conhecesse todas as regras. Tenho de sair daqui. — Mas as cartas. um vôo à meia-noite para Londres era o cúmulo do desespero.. ao mesmo tempo em que fazia contato com velhos amigos. Diga-lhes que os procurarei assim que puder. mas acaba de cometer uma tolice monumental. E agora tenho de arrumar as minhas coisas para viajar. Ainda não sei se ele me reconheceu.. todo o projeto. Jean Marie pegou o rosto dela entre as mãos e beijou-a no rosto. pois sempre se pode descobri-los. à procura dos que pudessem acreditar em sua missão e se mostrassem dispostos a cooperar..leite já estava servido. 290 . E agora. Ainda preciso de sua ajuda. Em última análise.

numa dignidade solitária. com a ajuda de um motorista de táxi. arriscavam as liberdades que tanto prezavam e saíam às ruas aos milhares ou então seguiam sozinhos. mas não chegara a exercer grande influência. o Cardeal Hewlett não chegava a ser o homem a quem se podia telefonar às duas horas da madrugada e pedir por um lugar para dormir e pelo café da manhã. Contudo. Por outro lado encaravam os franceses como um povo irritante. melhor será. "é provavelmente o homem menos arriscado para a função. Jean Marie fizera bons amigos nas Ilhas Britânicas. para o cadafalso. cujas artes eles compravam. Por outro lado. que vivia perto demais para lhes proporcionar qualquer conforto e tinha uma desagradável propensão para a grandeza e uma cínica capacidade de procurá-la a qualquer custo. Quanto mais cedo ele sair. mas no Consistório fatídico dera seu voto a favor da abdicação e justificara sua decisão com um comentário sarcástico: "Se nosso Pontífice é um louco. Ao longo dos séculos. teimoso. Não vejo qualquer problema na situação atual. Suas esnobações sempre o irritavam. Contudo. cujas modas imitavam. com um humor amargo. arrogante e politicamente imoral." Em tudo e por tudo. como ele era o primeiro a admitir. como exprimira um dos seus colegas da Cúria. o melhor que podemos fazer é livrarmo-nos dele. durante todo o tempo em que fora Gregório XVII. eram humanos com os fugitivos e consideravam a privacidade como um direito e não um privilégio. independente do que fizermos agora. os britânicos haviam desenvolvido um relacionamento funcional com os italianos. financiavam as maiores caridades. Ele tem zelo sem fogo. Possuíam um senso de História e uma atitude tolerante em relação aos tolos e excêntricos. Se lhes apresentassem uma causa que pudessem compreender. Assim. Se é um santo. Jean Marie Barette acabou encontrando alojamento 291 . Os hábitos protelatórios no comércio jamais deixavam de espantá-lo. As sutilezas do humor britânico muitas vezes escapavam ao seu entendimento. jamais entra numa discussão se puder evitá-lo e não tem absolutamente vícios redentores". embora jamais conseguisse compreendê-los plenamente. para o seu pesar singular e ocasional irritação. Ao final. Hewlett jamais se associara aos Amigos do Silêncio.Sempre admirara os britânicos. eles eram tenazes na amizade e lealdade. capazes das mais extraordinárias crueldades sociais. sentira-se contente por deixar a condução da Igreja local a Matthew Cardeal Hewlett. o qual. inteligência sem talento. Podiam ser gananciosos por terras e ávidos por dinheiro. jamais tivera muito sucesso com os britânicos. cujo talento para a retórica e as concessões era tão parecido com o deles. não vamos perdê-lo. Assim.

num hotel razoável em Knightsbridge. sem sonhar. onde podia dormir até o meiodia. 292 .

Adrian Hennessy também estava presente. como você já descobriu! Assim. enquanto Jean Marie Barette entrava no solar. com seu portfolio de ilustrações. deveremos perder dois terços da população destas ilhas. Será julgado como um profeta e não como um banqueiro. gravações das Cartas em inglês e francês e orquestrações do tema de Johnny. Num conflito nuclear. Hennessy interveio com sua fala afável e insinuante: 293 . nem a Igreja. Nenhum governo pode arcar com essa catástrofe. garantindo um investimento inicial de meio milhão de libras esterlinas. Nas Cartas. composto por Florent de Basil. eles preferem ignorar a possibilidade. Arrancou uma contestação veemente de Waldo Pearson: — Estamos bem próximos da ocasião em que o dinheiro não terá mais qualquer significado. o dourado do início do outono espalhava-se pelos bosques. acompanhado por um homem em quem depositara a maior confiança durante o seu pontificado e que agora seria o seu primeiro editor em língua inglesa: Waldo Pearson. como uma questão de política. o Bufão. sem provocar pânico nem controvérsias. você encontrou um meio de debater o terror com que todos nos defrontamos..CAPÍTULO 12 Havia pavões nos gramados e cisnes no lago. Jean Marie arriscou o comentário irônico de que talvez o dinheiro fosse mais eloqüente do que o autor. Ele trouxera também um documento oficial do Banco Ambrogiano all'Estero.. exSecretário do Exterior no Gabinete Conservador. a serem aplicadas na promoção e exploração de Últimas Cartas de um Pequeno Planeta. católico antigo. atual presidente da Greenwood Press.

— Pode falar. Mas está pedindo-me para lutar com uma das mãos amarradas nas costas. É ao mesmo tempo fluente e acurada. A publicação em capítulos nos jornais também ajudará. Tenho de me apoiar nesse ato de fé e esperar que a árvore seja reconhecida por seus frutos. sim.— Não sabe como fico contente em ouvi-lo dizer isso. — Em suma.. — Está bom assim. Por exemplo: Sergei Petrov pediu-me para ser um mediador na questão do embargo de cereais. Não posso colocar-me à mercê de entrevistadores. Mas não tenho meios de 294 . Quando podemos esperar o original pronto? — Dentro de duas semanas. sob um falso nome. Nada de televisão.. Mas ainda creio que posso prestar algum serviço na crise com que todos nos defrontamos. Não poderia convidar personagens conhecidos a um lugar assim. Não quero que isso aconteça.. Posso mudar de assunto por um momento? Há uma outra coisa sobre a qual gostaria de pedir o seu conselho. Se minha identidade for conhecida posso entrar em conflito com o atual Pontífice. Waldo! Afinal eu é que represento os banqueiros.. Jean Marie apressou-se em explicar: — Estou instalado num hotel modesto. — Pearson estava determinado a registrar todas as suas reservas. a única coisa que posso controlar é a integridade do texto editado. — Absolutamente nenhuma! Waldo Pearson deu de ombros. E. — Valeu a pena tentar. não há a menor possibilidade! — Hennessy sorriu como um duende feliz. E posso garantir-lhe que não receberá um dólar sequer enquanto não comprovar a competência de sua editoria e promoção! — Já lhe disse antes. O autor está satisfeito com a tradução inglesa? — Estou.. finalmente. Waldo. Poderia dar um jeito para que eu tornasse a encontrá-las. — Estamos confiantes numa distribuição excepcional O adiantamento que estamos pagando reflete essa confiança. E mais: estou escrevendo em resposta ao que creio ser uma ordem divina. e para que esses encontros fossem realizados aqui em sua casa? Antes que Pearson pudesse responder.. assim como os recursos para a propaganda que está fornecendo. — Há diversas pessoas da Inglaterra a quem recebi quando estava no cargo. tendencioso ou incompetente. nada de entrevistas. que podem distorcer a mensagem por um noticiário falso. Não vejo o menor sentido nisso! Jean Marie interveio antes que Hennessy tivesse tempo de responder: — Há bons motivos para isso. nada de revelação da identidade do autor.

Pearson. um profeta auto-intitulado. — Se não quer revelar-se como o autor das Últimas Cartas. o editor. como vai explicar a sua presença na casa de um dos mais proeminentes editores ingleses? Pearson interveio bruscamente: — Não temos de explicar coisa alguma. voltamos à minha primeira indagação.. Pearson continuou: — O que temos no lado do crédito? É um diplomata experiente. não tenho a menor dúvida de que o receberia. 295 . e passaria por cima de você o mais depressa possível! — A coisa faz sentido — comentou Jean Marie. então poderíamos encostá-los na parede como bem quiséssemos.. Seu bom comportamento depois da abdicação não passou despercebido. — Há mais uma coisa que não podemos esquecer. Mr. Se me dissesse que os russos o convidaram a ser mediador nas negociações.. — Ele fez uma pausa. o político..saber se sou aceitável às outras partes. Limito-me a comentar que estamos discutindo a possibilidade de um livro. Já participou de um gabinete governamental. um clérigo católico romano.. É um agente independente. É um líder derrotado. todas as desvantagens possíveis para um negociador político no mercado atual! Jean Marie soltou uma risada. Pode não ter ambições pessoais. Como reagiria à minha intervenção? — É difícil dizer. um francês. a qualquer hora. — Portanto.. em vez de procurar alguém com mais força no mercado. se eles estão desesperados o bastante para arrumarem um intermediário de fora. de que é sempre bemvindo aqui. Teria o seguinte raciocínio: Antes de mais nada. Não se esqueça. vamos resumir a situação. Em suma. Ficaria imaginando por que os russos o escolheram. — Agora. Estaria disposto a providenciar alguns encontros para mim. Se eu fosse Secretário do Exterior.. E depois chegaria à conclusão de que. — Hennessy estava apreensivo. Pearson. O memorial que Rainer e Mendelius escreveram a seu respeito dissipou a maior parte da névoa do seu misticismo. por favor. rindo do seu próprio gracejo colegial. eu o receberia com todo interesse. mas não fez qualquer comentário.. estaria lidando com um corretor honesto. era mais meticuloso que Pearson. aqui em sua casa? — Claro! Basta dizer-me com quem deseja falar e convidarei as pessoas indicadas. E é claro que eu gostaria de levantar a possibilidade de uma autobiografia. ficaria no maior ceticismo. Ele pôs-se a argumentar: — Vamos encarar a coisa sob o aspecto do débito e crédito.

no alto de um morro arredondado. Se sobreviverem.. acumulando alimentos. Hare Krishna. medicamentos e armas. por exemplo. Para 296 . Quero mostrar-lhes uma coisa. Matt Hewlett trouxe uma cópia de Londres. estão agora se armando. mosquetes e tudo o mais!" — E acreditou nele? — perguntou Jean Marie. Há uma passagem na quarta que ficou gravada para sempre em minha mente. para o cristianismo cromwelliano. E como alguns dos outros grupos. ao estilo paladiano. calmamente. O comentário de Pearson foi irônico. com lanças. "Quando um homem se torna um fantoche. Recrutam prosélitos ativamente.. E são muito ricos. os mais diversos cultos estão florescendo. Conseguem atrair muitos jovens.. senti-me tentado muitas vezes a aceitar ditaduras.. contra o Dia de Armagedom. Ele os conduziu em torno da casa. — Na ocasião.. havia uma vasta mansão. fui diversas vezes seduzido a exercícios de manipulação na política e no comércio. sim. trata-se de um projeto para o qual não disponho de disposição nem de tempo — respondeu Jean Marie. Enquanto as igrejas tradicionais estão perdendo clérigos e devotos num ritmo alarmante. Era disso que a hierarquia católica estava com medo. Agora.. eles e os outros grupos similares podem perfeitamente se transformar nos barões guerreiros da era pós-nuclear.. Possuem um regime de condicionamento intenso.. Soka Gakkai. até o ponto em que o bosque se abria numa paisagem de pastagens ondulantes.. — O que aconteceu para fazê-lo mudar de idéia? — Várias coisas. Foi então que Hennessy me trouxe as primeiras cartas. baseado no trabalho excessivo e na constante vigilância dos neófitos. mas triste: — Vejam aquela casa.. quer compreenda ou não.— Infelizmente. acreditei. Ficou parado no mesmo lugar em que você está agora e disse: "É para isso que Gregório XVII nos está levando. faz um presente gratuito de si mesmo à audiência. tenho observado como as pessoas podem ser condicionadas a hábitos e pontos de vista. de uma espécie ou outra. quando você quis publicar a sua encíclica. é a sede de um grupo que se intitula a Família dos Sagrados. Como editor. — Há outras perspectivas que poderiam interessá-lo. Pertencia a um bom amigo meu. Estamos tendo na Inglaterra um fenômeno que merece mais atenção do que vem recebendo.. Há anos que venho tentando encontrar alguém que possa escrever-me um livro claro e objetivo sobre a natureza da experiência religiosa. Formam um culto como os Moonies.. Por ter participado da política e observado assim como é difícil fazer a democracia funcionar. Para meu pesar. Ele veio procurar-me para conversar a respeito. ao final da qual.

ainda seja humano o bastante para derramar algumas lágrimas gentis de fantoche sobre os brinquedos quebrados. Pearson lançou-lhe um olhar rápido e inquisitivo. além das pastagens verdejantes. — Não me entenda mal. os torturadores são servidores públicos e a melhor oferta que se pode fazer à humanidade angustiada é "Assuma sua cruz!". crucificado em amor. por mais frágil que fosse.. com uma brusquidão surpreendente: — Adrian. quando se coroou rei de mentira e deixou que os soldados cuspissem vinho e água em seu rosto. eu gostaria de falar a sós com nosso amigo. Mas é uma alegria das mais frágeis. gentilmente: — Sei o que está sentindo. baseado em minha própria experiência.. E depois disse a Hennessy. de algum modo. É preciso esperar longos períodos de trevas e muitas vezes uma confusão destrutiva. passou um longo tempo a contemplar em silêncio a mansão paladiana. Imaginei que gostaria de partilhar a alegria. Minha esperança é de que.conceder aos outros a graça salvadora do riso. como um universo em que os animais se devoram mutuamente para viver. — Está surpreendendo-me." Pearson gaguejou ao final. . quando Ele voltar.. que o conforto que sente agora pode não durar muito. Seu Filho se submeteu ao mesmo. Jean Marie levantou a mão num gesto de submissão. Waldo Pearson ficou em silêncio por um momento. suas palavras conseguiram libertarme do desespero. mas apenas porque mantinha a mente fechada a algumas das conseqüências mais horríveis da crença. fizeram-me pensar novamente. E finalmente confessou. pois pode ruir sob o seu peso. Estava querendo simplesmente alertá-lo. Jean Marie Barette disse. Mas. contemplando com novos olhos um mundo às avessas. que foram outrora mulheres e crianças. Por que não nos deixa por um instante? 297 .. desdenhado. por favor... com uma estranha emoção: — Creio que se pode dizer que foi esse o momento da minha conversão. Fico profundamente feliz quando é concedido a alguém o tipo de percepção que proporciona um novo significado à profissão de fé. Adrian Hennessy nada disse. Tirou um lenço do bolso e pôs-se a limpar os óculos vigorosamente.. Sempre fui um cristão praticante. como se estivesse constrangido. A fé não é uma questão de lógica e o momento de intuição nem sempre se repete. ele se sujeita a ser escarnecido.. Não se apóie demais nela.

Estou livre.. — Eu estava igualmente preocupado com a minha — comentou Jean Marie. Trabalho pela manhã.. Há também a concierge... Isso está na minha seara. ainda mais um autor como você e um editor como eu. Podem conversar sobre qualquer coisa que não sejam contratos... Vivo num hotel confortável. certo ou errado.. Jean Marie arrancou uma folha da relva da beira do lago e pôs-se a esfiapá-la. Tem sido inflexível em suas convicções.. Explicou-se de forma um tanto hesitante: — Estamos no início de um.. Quase pulou de alegria quando soube que eu falava hebraico. leio... onde um par de cisnes brancos flutuava serenamente entre os juncos. Renunciou a muito por elas. estou quase convertido à extraordinária serenidade dos britânicos. rezo e vou dormir cedo. — Acho difícil acreditar nisso. uma italiana exuberante e loquaz. de frente para uma praça antiga. compreendi que isso é uma tentação das mais insidiosas. enquanto dizia: — Há três semanas que estou na Inglaterra. Mas.. Na sexta-feira passada. Como pode ver. Pareceu estranho que você sentisse a necessidade de fazer uma advertência sobre. de um relacionamento bastante íntimo digamos assim. completamente relaxado. alguns dos quais realmente acreditam que Deus é um inglês de bom gosto impecável que jamais deixa qualquer confusão escapar ao seu controle. não pela autoridade. Ao cair da noite. mas por minha própria indiferença confortável! Posso acreditar que. É um profundo estudioso das tradições rabínicas. com um jardim no meio. sempre disposta a uma conversa sobre as últimas intrigas. de repente. não pelos inimigos. E senti neste momento. minha vida é agradável. Posso ser silenciado. Há um judeu já bem idoso que leva o neto para jogar bola no jardim. Waldo Pearson levou Jean Marie até a beira do lago. Cheguei até a fazer amigos. só porque escrevi algumas páginas que serão amplamente 298 . sobre a minha saúde espiritual.. Passeio à tarde. fui a um jantar de Sabá na casa dele. onde as crianças brincam e para o qual as jovens mães levam seus bebês.— Não há problema! — Hennessy parecia imperturbável. o que falei é verdade. — Não precisaria de muito neste momento para convencer-me de que estou sofrendo de uma monstruosa ilusão. E escreve com uma profunda emoção. que faltava dizer alguma coisa importante entre nós. Autor e editor nunca podem viver satisfatoriamente à distância.... — Pegarei o carro e irei até o pub para tomar um trago com os nativos. — Apesar de tudo isso.

Mesmo enquanto escrevia as frases que tanto o comoveram. um abismo se abre sob meus pés. — Tão casualmente quanto se 299 . o profeta iludido ou o fantoche que no fundo não passa de uma criança?. Waldo Pearson pegou-o pelo braço e conduziu-o na direção de uma estufa antiquada. Ao escrever Últimas Cartas de um Pequeno Planeta. o Segundo Advento. encostada no velho muro de tijolos do jardim. Mas um junco é também um tubo oco.. o que tira a maior parte do sentido do ato sacramental. mas algo inteiramente diferente. As uvas são para comer. presidindo em eterna calma sobre a angustiante dissolução de nossa habitação terrena. farejo sangue e vejo os rostos dos demônios dos afrescos dos templos antigos.. Tenho o maior orgulho delas.. — O que sou afinal? — indagou Jean Marie. inesperadamente. Gostaria que provasse um cacho.. Afinal. contemplando as crianças a brincarem. Agora. com um sorriso patético. — O inglês sereno. Um longo momento se passou antes que respondesse à pergunta: — Decidi tornar-me um junco pensante. embora de uma maneira diferente. Não estou pregando um corpo de doutrina. esta fará todas as coisas novas? Não sei como assumir o conceito de um Deus-Homem. Não sou um pastor preocupado com o bem-estar de seu rebanho. — O que está evidente em seus escritos é a conversa de uma criança confiante com um pai amoroso. até celebro a Eucaristia apenas para mim. no entanto... o Tomé que duvida. eu estava pensando: Será que é verdade? É o que eu realmente acredito?. estou fora do cargo. Esse é um dos lados da moeda. tornei-me meio leigo. Gostaria às vezes de poder esquecer tudo e passar todo o tempo a conversar com o meu velho rabino.divulgadas. dei pleno testemunho e ganhei o direito de sonhar pelo resto do tempo até o Juízo Final. — Nossas uvas estão maduras. não é isso o que você escreve — disse Waldo Pearson. sempre que tento raciocinar a respeito. através do qual outros homens podem soprar uma música que me é estranha. — E. E de repente. suavemente. amassando-a. depois jogou no lago. Encaro o fim da civilização como algo possível e próximo. elevado e glorificado. dobrando-se ao vento do Espírito. Mas a Parúsia. O outro é igualmente sinistro.. observando boiar na esteira dos cisnes. por exemplo? Jean Marie fechou a mão sobre o que restava da relva. — Fabrica o seu próprio vinho? — Não. estou expressando a mim mesmo minhas relações com Deus e com a família humana. — O que. Não estou propondo uma discussão teológica.. Ou talvez eu não seja nada disso.

— Pearson era versado nas bruscas mudanças de assunto. — Precisa de um fórum e de algum acesso às pessoas que são responsáveis pelas decisões neste país. O silêncio autoimposto pode ser desmoralizante. Pearson pegou um cacho grande de uvas pretas. — Mas sinto-me como um campo de batalha. — Também não acredito — murmurou Jean Marie.. Sinto-me atraído para uma indiferença segura. que é uma situação impregnada pelo mal. — Tem razão. A contestação é saudável e necessária. eu me sentia perdido. e creio que suscetível à manipulação. — Jean Marie relaxou.. Sou tentado a perder toda a fé numa divindade repleta de amor. retornando a seu bom humor. no entanto. É preciso falar ou ser morto. vazio. Toda a literatura apocalíptica refere-se a falsos profetas enganando os eleitos. Pearson.. firmemente. desorientado. Tenho medo de que minha nova e frágil identidade possa de repente explodir em fragmentos. E eu preciso de um orador substituto para o jantar no Carlton Club. É um pouco assustador. — Parece-me que está tentando explicar os sintomas de uma crise de identidade. — Tenho uma proposta a lhe fazer.. — Uma ova que não precisava! — exclamou Waldo Pearson.desviara do assunto. — Você não precisava lidar com Deus nas reuniões do Gabinete. Estava aturdido e preocupado. É a essência do problema. estendeu a metade para Jean Marie. — Há uma diferença. ainda em disputa. Enquanto abria a porta de vidro da estufa. Já passei por isso. dividiu-o. Descobri isso quando servia no Gabinete. Waldo Pearson comentou: — Fico imaginando se a sua rígida obediência não seria um erro. não recuou. Mas não senti. — Não expressamente. Falou em "música que me é estranha". Não pode sentir todo o horror de tal perspectiva?. Depois de 12 anos na Câmara dos Comuns. Pearson voltou a abordá-lo. Tinha 300 . — Ele estava sentado do lado direito. que provou e acenou com a cabeça em aprovação.. como parece estar acontecendo com você. — Se a possibilidade pudesse passar-me pela cabeça.. É algo que posso compreender. mesmo na Igreja. cinco dos quais servindo no Gabinete. — Eu falei isso? Jean Marie virou-se para fitá-lo. foi isso mesmo o que falei. na cadeira do Primeiro-Ministro! Os dois desataram a rir. mas deixou implícito. eu não publicaria seu livro. E se eu fosse um deles? — Não acredito nisso por um instante sequer — disse Waldo Pearson.

É uma reunião fechada.. Se tenho de falar em inglês. O jantar será daqui a três semanas. Todos eles invocam Deus. Ele o convida ao Carlton Club.. Você poderia conferi-lo para mim? — Mas claro! Não posso dizer-lhe como estou contente.convidado o Primeiro-Ministro. precisarei escrever um texto. Os motivos e as conseqüências. Até lá. — Esplêndido! E. Hennessy ficou tão aturdido que quase saiu com o carro da estrada. por favor? Estaria prestando-me um imenso favor e certamente poderia propagar sua mensagem.. Era tudo tão especialmente britânico e suave que Jean Marie não percebeu o significado do convite. — Sobre o que eu deveria falar? — Sua abdicação. irritado. Tudo o que diz é extra-oficial. Aceita... mas ele teve de viajar. Eles estarão esperando algum fanático de olhos desvairados. já deverá ter concluído as Cartas. que o motivo de sua presença é o fato de estarmos discutindo planos para um livro.. talvez mesmo diversos livros? — Claro que estamos. Não é tão formidável quanto uma audiência pública em São Pedro ou uma visita papal a Washington. — Mas pode ser muito mais importante para você — disse Hennessy. Indica-o como orador em 301 . Vamos. E estamos de acordo também em outro ponto. Todos os sócios pertencem ao que vocês chamam na França de le Pouvoir.. diga-me que aceita! — Está certo. para uma inesperada reunião de cúpula em Washington. — Posso assegurar-lhe que saberei controlar toda a situação. ele esqueceu de falar a Adrian Hennessy sobre o Carlton Club. até que já estavam no meio do caminho de volta a Londres. agora. Preciso agora de alguém que tenha prestígio e desperte interesse. Quero observar as reações de meus colegas quando lhes disser que Deus falou com você! — Não estou brincando. deixe-me falar sobre essas uvas. embora sejam um pouco menos drásticos em seu exercício. Mas você é o único homem que conheço que afirma ter tido uma revelação pessoal e entregou a cabeça ao carrasco como testemunho disso. Porque estava mais interessado no folclore da propriedade de Waldo Pearson. A videira é de uma muda de galho tirada da Grande Videira de Hampton Court. — Santo Deus! Mas que inocência! Será que não compreende o que lhe aconteceu? — Fui convidado a falar ao jantar num clube de cavalheiros — disse Jean Marie afavelmente. — Pearson é uma raposa astuta.. o baluarte da política conservadora. e as regras jamais são violadas.

. usará qualquer sinal de categoria? Como meias vermelhas ou cruz peitoral? Se for como leigo. esfarrapado e admirado. possui um senso de humor dos mais temporais! 302 . — Estou começando a gostar muito de você! Para um homem de Deus. Vejo que está rindo. Mas os ingleses fazem as coisas de maneira diferente. e não será tão vulnerável quanto está agora! Vai espalhar-se a notícia por todas as chancelarias de que você é na Inglaterra uma espécie protegida. num dos três mais importantes jantares políticos do ano. Ângelo Vittucci — respondeu Hennessy. e se não cair de porre nem jogar ossos de galinha no presidente. — Ele é capaz de fazer com que um gordo Baco fique parecendo Mercúrio de roupa justa. — O que vou usar? — Exatamente. pode até usar o corte do ano passado na lapela. Afinal. O que me lembra de uma coisa: o que pretende vestir no jantar no Carlton Club? A indagação pegou Jean Marie de surpresa. Eu o levarei até lá amanhã.. meu amigo.substituição ao Primeiro-Ministro. O protocolo francês é claro e objetivo. Quer saber de uma coisa. — Vou providenciar o melhor que existe. estará feito! Pode pegar um telefone e falar a qualquer momento com qualquer pessoa de Whitehall ou Westminster. excêntrico e respeitado. Se você é um gênio. enquanto acelerava o carro. Monsenhor? — Ele fez uma pausa. Monsenhor. Eu me daria muito bem na Renascença.. Se fizer um bom discurso. mas não atualmente. — O destino nas nações dependendo do corte do seu smoking! — Então vamos dispensar-lhe a atenção que parece! — disse Jean Marie Barette jovialmente.. Isso terá um efeito imediato na França.. Como vai apresentar-se. Todos os outros presentes estarão vestidos a rigor. Isso é o mais perto que jamais chegará da canonização pelos ingleses. se alguma vez eu for reeleito. Mas a questão é muito importante. para verificar como se desempenha em traje de drama! — Ele acelerou para ultrapassar uma imensa carreta. Pode ser elegante e desprezado. tudo o que acontece no Carlton Club é estudado com o maior cuidado è atenção no outro lado do Canal da Mancha.. — Hennessy. na ordem mais absoluta. Estarão observando-o como um gavião.. certamente não pode alugar algum traje a rigor. — Pode arrumar-me um bom alfaiate italiano? Preciso de alguém que tenha noção de teatro. se não alterar as regras sobre o celibato.. como clérigo ou como leigo? Se for como clérigo.. você será meu Cardeal Camerlengo! — Não aceitarei o cargo. Petrov também tomará conhecimento. assim como os americanos.. sempre se sabe quem é quem. Os sócios do Carlton levam os convidados que desejam educar.

Mas a melodia possuía uma estranha qualidade plangente que atingia o coração: '' Imensas botinas.— Deve lembrar-se do que Pascal disse: "Diseur de bons mots. o que achou desta vez? — Continuo a achar maravilhosa — respondeu Jean Marie. Rosto pintado. sorrindo. roupas folgadas. Johnny perseguido. A gravação apresentava diversos tratamentos da canção. Quem lhe dá abraços e beijos depois? Johnny.. Johnny cuspido. Como pretende aproveitá-la? — Estamos neste momento discutindo um contrato com uma grande 303 . Johnny. numa boa situação.. com a maior solenidade. Quem sabe se ele ri ou chora? É apenas Johnny. — Eu estou tentando empregá-lo. Johnny expulso. Recoste-se agora e escute novamente a canção. o Bufão. empurrado e humilhado. Hennessy desligou o gravador e perguntou: — E então. nariz postiço. Johnny... o ritmo atraente. — E também obsedante. o Bufão. — Por que o mau-caráter é uma boa companhia? — Somos como a mostarda na carne! — disse Jean Marie. — Seria um mundo insípido se nada precisasse ser consertado e ninguém precisasse ser salvo! Ambos estaríamos desempregados! — Se me permite a liberdade. Estou absolutamente convencido de que pode ser um tremendo sucesso! Ele meteu um cassete no aparelho e um momento depois os dois ouviam a canção-tema de Florent de Basil para Johnny. As palavras eram simples. Johnny. resistindo solidamente em todos. surrado e desprezado. Quem diz obrigado por todo o riso. você também é solitário? Sorriso cômico. Esse é Johnny. Johnny. o Bufão!" Quando a canção terminou. olhos esbugalhados. você é que está desempregado! — Hennessy tinha agora a estrada livre à sua frente e estava pronto para divertir-se. Johnny chutado. Johnny. mauvais caractere!" — Por quê? — Indagou Hennessy.

Talvez. com todas as moedas variando em 10 por cento diariamente? . Ele lamentou saber que Odette fora acometida por uma gripe. 304 . devêssemos mandá-lo cantar para os homens. estava cheio de solicitudes irrelevantes. só para acabar com todo esse absurdo. que trabalhava no Ministério da Defesa. Como sempre.. Isso nos proporcionará um vínculo auditivo imediato com a publicidade visual do livro. Foi somente quando já estavam na metade do jantar no Sophie's. o irmão Alain chegou a Londres. o clima em Paris mudaria imediatamente. Mesmo assim. carvão de coque. como se pode efetuar os pagamentos. O hotel de Jean não era um pouco modesto demais? Ele não deveria receber alguns representantes da antiga nobreza católica. alertado pelo telefone para a mudança na situação de Jean Marie. Estamos cobrindo transações de mercadorias no mundo inteiro. Eles farão uma produção especial com um dos seus astros. a canção será aproveitada por outros cantores e se transformará no maior sucesso. As companhias seguradoras estão cobrando prêmios absurdos para segurar os navios e as cargas. E depois. Pode não ser formulado novamente! Dois dias depois. Jean. que Alain passou a discorrer livremente sobre suas preocupações pessoais: — Os mercados financeiros enlouqueceram inteiramente. óleos vegetais. Deus não deveria ouvir as minhas palavras.. pouco antes de o livro ser publicado. Jean Marie escutou pacientemente e concordou em estudar todos esses problemas da maior importância. madeira. Assim. óleos minerais. estamos usando banheiras velhas há muitos anos enferrujadas. — Nosso jovem amigo Florent possui um grande talento. um pequeno restaurante num beco sem saída perto da Sloane Street. ficou deliciado ao ser informado de que uma das sobrinhas anunciaria em breve o seu noivado e que a outra estava namorando firme um rapaz de excelentes perspectivas. Jean. açúcar de beterraba. Não há navios suficientes para transportar todas as mercadorias. mas bem que estamos precisando de uma guerra. se o meu palpite for certo.companhia gravadora. em vez de eu fazer um discurso no Carlton Club. Há uma montanha de ouro nos cofres suíços e o preço disparou pelo teto afora. açúcar de cana.. metais raros.. abrangendo metais de base. Hennessy advertiu-o: — A primeira lição no show business: jamais recuse um bom convite. como os Howard de Arundel e Norfolk? Se fosse possível dar um jeito para que o Embaixador francês fosse convidado ao Carlton Club.

Preferimos desfrutar o que temos e correr os nossos riscos. Jean Marie teve de censurar a si mesmo pela antiga rivalidade fraternal. — Eu não sabia. 305 . — Pois acho que deveria interessar-se pela vida de Roberta. pelo amor de Deus. O pior de tudo é o fato de que ele foi assassinado. ainda acreditando que a explosão que os atingiu não passava do ar quente de um secador de cabelos. Já pensou no que vai fazer com Odette e as meninas? Alain ficou chocado com a pergunta. não há qualquer interesse em levar uma vida de refugiados nas montanhas. seriamente. Saia de Paris. A convicção geral é de que o crime foi organizado fora da prisão. conseguimos superar. As meninas estão mais velhas e encontraram rapazes decentes. — Que espécie de interesse? — Compaixão. — Eu não soube disso. Jean Marie deu de ombros e acenou com a cabeça em concordância. no instante em que cheguei. meu irmão! E estou preocupado com você e sua família! — Então deve compreender onde se situam nossas preocupações. Assim. junto com o resto de Paris. E não quis jogar-lhe a notícia de cara. — Cuidei para que não soubesse! De algum jeito. Odette e eu tivemos anos terríveis. Alain falou de maneira tão categórica que Jean Marie ficou surpreso. — Não podemos todos nos deixar dominar pelo pânico! Mais uma vez. Isso é uma satisfação. Eu não deveria tentar aconselhar aos outros o que devem fazer com suas vidas. — Tenho certeza de que vão terminar de corações puros e mentes vazias. O pai dela morreu há três dias. — Vamos ter mesmo uma guerra. irmãozinho! — Jean Marie estava num inverno de tristeza. Estamos firmes agora. se não mesmo um triunfo. em nos separar. Paris será um alvo de prioridade. provavelmente por cúmplices na fraude bancária. — Faz sentido. — Sei disso! Mas acontece que o amo. — Nada! Continuaremos a levar nossas vidas normalmente! — Bravo! — exclamou Jean Marie. para Odette e para mim. Em determinada ocasião pensamos até. na prisão. apunhalado por outro preso. mesmo que tenha de alugar uma cabana na Haute Savoie! Alain era a própria imagem da dignidade afrontada. até duas horas antes de deixar Paris.— Não tenha medo. Por que ninguém me disse? — Eu também não sabia. para começar.

está financiando o projeto com seu próprio dinheiro. não passa de um embusteiro! Já o ouvi dizer uma centena de vezes que a caridade não é coletiva. Não. — Ao diabo com o que seja ou não apropriado! — Alain estava furioso. então francamente. Se não puder ajudá-la agora. o endereço que Hennessy lhe deu. de pessoa para pessoa! E se está preocupado com a possibilidade de algum escândalo sexual. Ele voltou à mesa e respondeu à pergunta não formulada de Alain: — Ela virá esta noite.. Poucos momentos depois... a fim de reservar um quarto. até que Roberta Saracini finalmente atendeu. se fosse possível. Estou ligando de Londres.. Ele lamentava muito. O caixa deu-lhe o troco. . Ótimo! Estarei à sua espera! . E parece 306 . então tudo o que posso dizer é que é mais afortunado do que eu! Jean Marie fitou-o com a boca entreaberta por um momento. Ela adora cinema.A tou à l'heure! Jean Marie desligou e depois telefonou para o seu hotel.. irmão Jean. levantou-se e foi até o caixa. dando-lhe assim a oportunidade de levar uma vida honrada depois que saísse da prisão. — Aqui é Monsieur Grégoire. aos 65 anos de idade. O cumprimento dela foi frio e distante.. Ela adora o chão em que você pisa! . Vou reservar-lhe um quarto no meu hotel. Seu telefone pode estar sendo interceptado. . E pelo menos comigo não precisará dar explicações. Imediatamente! Esta noite. persuadindo-a. sem dizer uma só palavra. — Não acho que seja apropriado. — Ótimo! — disse Alain bruscamente.. Já lhe reservei um quarto em meu hotel. Acaba de me dar a notícia de seu pai.... enxugar as suas lágrimas e bancar o mentor bondoso por alguns dias. .. Quero que venha para Londres. É você e eu. a vir passar alguns dias em Londres. Depois. Como ela está suportando o golpe? — Muito mal. não concordo! Este não é o momento para ficar sozinha. — E não perca muito tempo com as condolências. Pôs uma nota de 10 libras no balcão e perguntou se poderia dar um telefonema urgente para Paris.— Santo Deus! .. . mas não me importo. Mostre-lhe a cidade. Sei como deve estar se sentindo. Isso mesmo.. o criado de Roberta Saracini atendeu.. mas Madame estava indisposta e não atendia a quaisquer ligações.. Jean Marie disse: — Alain está comigo. Roberta baseava tudo no fato de estar pagando as dívidas do pai. se puder. numa incredulidade total. Pode pedirlhe que fale comigo? Houve um silêncio prolongado e sombrio.. segundo sua assistente... — Você deve isso a Roberta! Ela o abrigou em sua casa. Acho que deveria telefonar para ela.

numa saudação irônica. — Nós dois temos muito o que aprender um com o outro! — E não dispomos de muito tempo para isso. Petrov conseguiu alguma coisa com Duhamel? — Ele acha que Duhamel pode dar um jeito de desviar um embarque canadense de cerca de um quarto de milhão de alqueires de trigo. Está sob uma tensão terrível. E essas pessoas pelo menos me informarão se é possível reabrir o diálogo. pensativo. Duhamel é um mestre nesse jogo. — Tenho outra coisa para lhe dizer. originariamente destinados à França. Respondi que você deixara o país e qualquer encontro teria de ser além das fronteiras.. Jean Marie abriu-o. — Você falou com Duhamel? — Rapidamente. Alain estendeu um envelope por cima da mesa. — Por que não me deixa planejar o roteiro. Talvez seja apenas uma tática protelatória. providencie outro encontro pessoal com Petrov. ele entrará em contato comigo e lhe transmitirei o recado. Quer conversar com você. Ofereci-me para levar uma mensagem. Mas isso é uma gota d'água no oceano e o navio ainda está no meio do Atlântico.. não é mesmo? Jean Marie desatou a rir. Assim que houver uma decisão. Explique que isso me pode proporcionar uma oportunidade de discutir o problema do embargo dos cereais com pessoas em posições de influência. irmão? Alain Barette pareceu transformar-se de repente num homem espirituoso. Ele me deu uma mensagem para entregar-lhe. — Como ele está? — Bastante abalado. A mensagem estava escrita com a letra impaciente de Duhamel: "Meu amigo: A cada dia que passa estamos mais perto do Rubicão. Até agora. apenas para informá-lo de que estava vindo visitálo.. — Quando voltar. Diga-lhe que recebi um convite para falar no Carlton Club. as reações são favoráveis.que há boas peças em cartaz em Londres neste momento. Nossos planos para o dia da travessia permanecem inalterados.. Petrov foi procurarme. Ergueu o copo. muito embora a 307 . — Fico imaginando por quanto tempo mais ele conseguirá agüentar — comentou Jean Marie. — O problema é que você não está acostumado a andar sozinho. Ele me pediu que lhe transmitisse o seguinte: o projeto de sua visita a Moscou está sendo estudado no mais alto nível. — Alain estava outra vez soturno.

aceitar como um suborno para um ato de submissão. Alain observava-o com olhos sombrios e pensativos. E perguntou em seguida: 308 . Ele viajou na semana passada para o Reino Unido. O homem que tentou matar Mendelius está em Londres. no entanto. Alain anunciou-o com tanta pomposidade que parecia uma fala de uma comédia medíocre. — Más notícias? — Infelizmente. que seu irmão Alain estava começando a ficar embriagado. E comentou. Paulette manda-lhe todo o seu amor. Os americanos também estão interessados em você. Pierre" Jean Marie dobrou o bilhete e guardou-o no bolsinho do paletó. que fizesse uma investigação sobre Dolman. além do que posso exprimir com palavras. Colocaram-no como assistente de Morrow. — Vou entrar em contato com o Morgan Guaranty e passar-lhes essa informação. com uma risada: — Falando francamente. Apresenta-se como assistente pessoal do ex-Secretário de Estado Morrow. sim. do Morgan Guaranty. Jean Marie constatou. A sensibilidade de Alain estava afrontada. que ainda não estamos preparados para fazer.remissão de Paulette continue e possamos desfrutar mais um ao outro. É um agente da CIA chamado Dolman. meu irmão. Você ainda está relacionado como sujeito a vigilância total na França. do serviço de informações britânico. que agora trabalha para o Morgan Guaranty. — Eu lhe pergunto quantas vezes isso já não aconteceu. sem que você de nada suspeitasse. Pedi a um amigo meu. Tome cuidado. com alguma surpresa. — Não quero descobrir-me sentado ao lado de um assassino numa reunião de banqueiros. mas isso ajuda a confundir as coisas. Sabemos que ele não é. Somos gratos por esse privilégio. — Touché! Alain aceitou o argumento com uma saudação e depois fez sinal ao garçom para que trouxesse mais vinho. eis uma providência que não recomendo. Recebemos pedidos de informações de um agente da CIA chamado Alvin Dolman. pois desconfio de que ele pode ser um agente duplo. Não podemos.

. portanto. pelo que já foi. engrolando as palavras: — O que estou querendo dizer é que a coisa funciona como o culto dos ancestrais. 309 . quanto lhe corresponderá da culpa? Ou vai virar-se como Pilatos e lavar as mãos? — Está sendo muito duro esta noite. — De certa forma.. é isso mesmo. e depois tratarei de esquecê-lo. despiu-o. não passamos muito tempo juntos nesses últimos 30 anos. cobrindo com a colcha. com meio milhão de francos em sua conta. Não acha bastante curioso. cardeal e papa! Mesmo agora.. abruptamente: — Estou de porre. Jean Marie ajudou-o a subir para o quarto. Jean. — Pois vou fazer um pronunciamento sobre você. De volta ao hotel. Percorreram dois quarteirões antes que Alain fosse finalmente capaz de movimentar os pés quase normalmente.. Jean? — Curioso demais para se conversar à meia-noite. Mas quando Jean Marie já estava prestes a se retirar.. Um príncipe vagabundo. meteu-o na cama. Alain submeteu-se a tudo sem nada dizer. Mas você não está morto. Jean? — Contarei a Hennessy e Waldo Pearson que ele está em Londres. T'es soül comme une grive! Vou levá-lo de volta a seu hotel. e vive pronunciando-se em relação a uma porção de coisas que realmente não entende. O tataravô foi o sábio. — Assim. Alain estava quase caindo enquanto Jean Marie pagava a conta e levava-o para fora. — Estou apenas tentando descobrir como você realmente é. O irmão Alain podia tornar-se sentimental e sombrio quando bebia.— O que pretende fazer com esse tal de Dolman. ele abriu os olhos e disse. existo. — Sempre esteve por cima. quando ele for encontrado morto em seus aposentos ou atropelado por um automóvel.. — Na esperança de que um ou outro lhe proporcione alguma proteção. só que ele está morto agora. recebe um tratamento melhor do que um comerciante vitorioso. como padre... Afinal. as pessoas ainda o tratam com toda deferência. Jean Marie ficou novamente surpreso.. ou afaste Dolman de cena. que nunca trabalhou um dia sequer em toda a sua vida.. meu caro irmão. deixandoo apenas de cueca. bispo. Trate de dormir. Isso está sempre acontecendo no meu campo de atividades. Conversaremos pela manhã. Alain estava tendo agora alguma dificuldade em falar. A única ocasião em que posso provar isso é quando estou longe de Odette.

— Eu compreendo. Ela estava tensa como uma corda de violino. Você terá uma linda ressaca pela manhã. depois da viagem.. — Ele me contou que você está numa profunda angústia — disse Jean Marie solenemente.. — Não vou deixar. por favor? — Meu pai está morto. com as flutuações nos mercados cambiais. Pode deixar-me ajudá-la.. Arruinou muita gente. assassinado! Não pode mudar isso. arruíne Roberta.. Boa-noite. afastando-a do estado de quase histeria: — Senti-me profundamente grato quando você concordou em vir. pronta para romper ao primeiro contato do arco. como se o silêncio fosse uma armadilha a ser evitada a qualquer custo. não compreende. — Não. Ela precisava acreditar que o pai era alguma espécie de santo. Jean Marie saiu do quarto silenciosamente e desceu a escada a fim de esperar por Roberta Saracini. Ninguém pode. como se repelisse de antemão qualquer compaixão dele. irmãozinho. Os olhos estavam vermelhos.. — O que é? — Você precisa compreender o problema de Roberta. — E posso constatar agora que é verdade. em seu próprio andar. Jean Marie serviu café e entregou-lhe uma xícara. Não deixe que ele também. Ele pediu café para dois e ficou esperando na sala que Roberta se arrumasse. pagando pelos pecados de outros. é claro. Ela voltou com um novo fluxo de conversa: — Você tinha toda razão. Deu-me a oportunidade de 310 . Já me acostumei à idéia.. Mas a verdade é que ele era um tremendo filho da puta. É uma loucura ficar trancada naquela casa imensa. Disse que estava disposta a confiar em mim.— Só mais uma coisa. Pôs-se a falar gentilmente. Jean. Nunca pensou em qualquer outra pessoa que não fosse ele mesmo. Seus movimentos eram bruscos. as feições contraídas. É espantoso o número de pessoas que aproveitam esses vôos da madrugada. Onde está Alain? Por quanto tempo ele tenciona permanecer em Londres? Ele está profundamente preocupado. A aparência dela deixou-o chocado. Jean Marie reservara uma pequena suíte para ela. Imagino que ele já lhe contou que. E isso é tudo! Roberta falou em tom de desafio. a fala apressada e volúvel. de sua sepultura. como todos nós. Estava com a pele ressequida e opaca. Eu gostaria de ajudar.

firmemente. — Está sentindo-se magoada e solitária — disse Jean Marie.. é um problema que sempre me incomodou.. As prisões deste mundo e do outro não dariam para acomodar todos os malfeitores. — Mas estou contente que ele esteja morto! E espero que esteja ardendo no inferno! — Porque já o julgou — disse Jean Marie. quebrando-lhes os ossos. os massacres do Holocausto. o que haveria de decidir? Roberta Saracini nada disse. Sou uma mulher adulta... Quero ir à Tate e à Academia Real.. de lábios contraídos. Podem algum dia serem expiados. os novos amigos que fiz em Londres. Continuou sentada. de qualquer forma.. — Não tenho muita prática com as mulheres e provavelmente vou escolher o caminho errado. Mas acontece que não sou.. o que. Leio algumas vezes nos jornais sobre pais que maltratam os filhos pequenos. com uma autoridade incisiva... cujo pai acaba de ser mortalmente apunhalado no corredor de uma prisão. Roberta lançou-lhe um olhar estranho. não podem. reais ou imaginárias. o palácio do Cardeal Wolsey em Hampton Court e muitos outros lugares. e só divisei meros 311 . — E não tem o direito de fazer isso! Quanto a arder no inferno. ou seu Filho tão humano pudessem condenar seus filhos a arder no fogo eterno. Faremos tudo isso juntos.. Se seu pai estivesse aqui neste momento para ser julgado e o destino dele se encontrasse em suas mãos. Estou convencido. o discurso que vou fazer no Carlton Club. Estou oferecendo-lhe apenas um braço para segurar quando atravessar a rua e ombro para encostar a cabeça e chorar.. — Não derramei uma lágrima sequer desde que recebi a notícia — disse Roberta Saracini. por algumas travessuras.. Nunca fui capaz de imaginar que Deus. — Você está falando como se eu fosse uma garotinha. as mãos cruzadas para evitar que tremessem.manifestar meus agradecimentos pelo que está fazendo e também partilhar com você algumas coisas emocionantes. quando sentir vontade. nem conceder-lhe uma bênção papal. como uma pedrinha no sapato. os genocídios no Camboja e no Brasil. não tenho o direito de fazer. Isso me torna uma péssima companhia. Jean Marie insistiu: — Pense nos piores crimes que já foram cometidos. mesmo por uma infinidade de terrores similares? Não. Não estou querendo afagar-lhe a cabeça.. — Isso me transforma numa filha desnaturada? — Claro que não. visitar a Torre de Londres.. como um bispo. cauteloso. queimando-os em fogões. nosso Pai. olhos abaixados. os últimos estágios das Cartas.

Mesmo depois dessas palavras. passaram uma manhã com Ângelo Vittucci. ainda segurando a mão de Roberta. deleitando-se com os prazeres mais simples de Londres. nosso Pai. Eles bancaram os turistas pelos próximos cinco dias. Roberta continuou em silêncio. então habitamos um caos criado por um espírito louco e será melhor que sejamos libertados o mais cedo possível deste mundo para o nada. Jean Marie concentrou-se por um momento e depois. Fizeram uma excursão pelo rio até Greenwich e outra a Hampton Court. passaram uma manhã na Tate. Dê-lhe o repouso eterno. uma noite escutando um concerto de Beethoven no Albert Hall. Que morreu em Cristo. assistiram à mudança de guarda no Palácio de Buckingham. Leve-o finalmente A partilhar a glória do Cristo Ressuscitado. que o Advento Final e o próprio Juízo Final devem ser atos de amor. para mergulhar no instante seguinte na mais 312 . Oramos por nosso irmão Vittorio Malavolti. uma tarde no Museu Britânico. — Deveria ir deitar-se agora. Foram ver as vitrines em Bond Street. Jean Marie foi sentar-se no chão ao lado dela. A resposta foi em voz baixa e trêmula." — Amém — disse Roberta Saracini. Cremos que seu Filho morreu e subiu à vida. — Não tem dormido muito bem.. não é mesmo? — Não. Se não forem. Passearam pelo Serpentine. não tenho. ó Senhor. Voltaremos a nos encontrar ao café da manhã e iniciaremos as nossas férias imediatamente depois. baixinho. Pegou-lhe a mão e apertou-a firmemente entre as palmas. Deixe que a luz perpétua brilhe sobre ele. começando a chorar. feliz num momento. que prometeu aprontar para Jean Marie um traje "tão discreto que um querubim não ficará escandalizado. as lágrimas salvadoras a lhe escorrerem pelo rosto. entoou a prece dos mortos: — "Deus. — Poderia dizer uma pequena prece comigo? — Tentarei. — Não tenho certeza se quero ficar.vislumbres do que vai ser. ao mesmo tempo tão impecável que vai pensar que criou uma nova pele!'' Roberta Saracini mostrou-se inicialmente desesperadamente instável..

uma macieira à beira da estrada. com Roberta ao volante e uma cesta de piquenique preparada pelo hotel. antes que houvesse a primeira geada. Jean Marie a deixaria no aeroporto. Woodstock e a região rural de Cotswold. Também fez descobertas a respeito de si mesmo: o quanto se distanciara da Colina do Vaticano. ainda sonolentas. foram tornando-se cada vez mais pungentes. a fim de poder estar no banco para trabalhar na manhã de segunda-feira. era mais fácil conversar enquanto estavam viajando. nas quais trabalhava até tarde da noite. como a faixa de neblina que contornava uma colina. acalentando uma boneca. deixando Londres ao final da noite de domingo. Roberta sugeriu um piquenique.. com os derradeiros restolhos ou escuros após a abertura dos primeiros sulcos. Poderiam passar o dia inteiro no campo. Puderam deixar a estrada principal e passar por pequenas aldeias. Ficou tudo combinado.. atravessando campos ondulados. Roberta Saracini tocou no braço de Jean Marie e comentou: — Estou sentindo-me muito melhor do que na ocasião em que cheguei. a torre cinzenta de uma igreja normanda. Jean Marie aprendeu rapidamente que a conversa lógica não surtia qualquer efeito nela. mal começando a despertar. um idoso sacerdote francês que usava uma boina e parecia com um coelho benevolente. à medida que cada dia arcadiano tornava o tempo. E havia sempre uma distração para abreviar os silêncios constrangedores. onde o sacristão o conhecia simplesmente como Père Grégoire. um pequeno povoado num trecho improvável do caminho. distração e uma censura brusca ocasional eram os melhores remédios. na volta a Londres. As Cartas. De certa forma. A previsão prometia tempo bom. As coisas fazem mais sentido agora. carregada de frutas vermelhas e maduras. bem cedo. pois assim não precisavam olhar um para o outro.profunda depressão. Na manhã de domingo. partiram para Oxford. Depois. a ternura e as lágrimas mais preciosos. à disposição de quem passasse. quantas pequenas alegrias havia perdido quando era o pastor perplexo de um rebanho anônimo. poria a bagagem na mala. Encontravam um profundo prazer em pequenas coisas. mais além. uma breve extensão do chamado veranico. uma menina empoleirada num antigo marco da estrada. Posso enfrentá-las com 313 . Ainda era cedo e o tráfego do domingo não atingira seu ponto máximo. Alugaria um carro. Jean Marie celebrou a missa numa capela lateral da Igreja Oratório. Roberta decidira que ficaria até o final da semana. que a gentileza.

Ainda é tudo uma triste confusão. Vamos. foi celibatário durante toda a vida. Devo agradecer-lhe por isso. diga que o ama! — Eu o amo. Seguimos por caminhos separados. — A única 314 . não necessariamente a mim em particular? Afinal. Eu me sinto da mesma forma que qualquer outro homem diante de uma mulher atraente.. — Tenho muita prática. exatamente porque a amo. gentilmente. — Temos o dia inteiro. nunca se dizem mentiras a si mesmo. amai-vos uns aos outros. que podia ter sido de alívio ou de pesar. — O que a reprime? — Jean Marie espicaçou-a firmemente. Não importa o que ele foi ou o que fez.. — Como se sente agora em relação a seu pai? — Não tenho certeza. Mais importante ainda. Mas já tenho certeza de que não o odeio. — É um sermão e tanto.. Jean Marie fitou-a. — Jean Marie era suave. — E parte dessa prática consiste em não flertar e não se empenhar em jogos perigosos. Monsenhor — comentou Roberta Saracini. Roberta virou a cabeça para olhá-lo e perguntou: — Por que se tornou padre? — É uma história comprida. — Não sei como. — Como se sente em relação às mulheres. Ela estava guiando firmemente. — E eu a amo — disse Jean Marie. os olhos fixados na estrada à sua frente. deixando o resto por dizer. Ao nos separarmos... "Meus filhos.. — Ao contrário — respondeu Jean Marie. Mas não haverá. Poderia haver mais. Roberta resignou-se à idéia com um sorriso e um suspiro.mais disposição. estamos ambos um pouco mais ricos. — Você o ama. — Sua presença também foi maravilhosa para mim. — Jean Marie estava retraído e relutante. mas firme. Monsieur Grégoire. Abruptamente. E nos encontramos com o maior prazer nas encruzilhadas.. e também lhe proporcionou o suficiente para começar a sua própria vida. mas de qualquer forma fico contente por ouvi-lo dizer isso." — Espero que não tenha precisado do mandamento para isso. acrescentou: — Eu também o amo. — Bom. — Isso é bom. — Gostaria de poder acreditar pelo menos na metade. E é tudo o que importa. E depois de pensar um pouco. pagou o seu preço. Tenho me sentido feliz em sua companhia e lisonjeado por tê-la ao meu lado..

chamando-me de pequeno virgem e menino do coro. transmitindo aos serviços de informação dos Aliados. mal chegara à idade militar. como os homens mais velhos geralmente fazem..... uma pistola e um punhal. tornei-me um homem da noite para o dia. levando a relação dos movimentos de tropas e comida para mim e para os demais homens nas montanhas. amarrando um pedaço de pano numa árvore nova. como sinal. Havia uma guerra e a vida era uma coisa precária. Jean Marie pôs-se a falar. Depois do anoitecer. Cheguei 315 . Cuidava da fazenda com a ajuda de dois velhos e duas moças robustas de famílias que viviam nas proximidades. no alto de uma colina. Ainda é um assunto doloroso. a mulher do fazendeiro mantinha uma lista das tropas que passavam.. — Foi falta de tato da minha parte perguntar.. Eu nunca ia até a casa. um tanto obscenas e inofensivas.pessoa a quem já contei isso foi a meu confessor.. que de vez em quando se esgueiravam para a cidade. pois se fosse apanhado em alguma batida na cidade seria imediatamente despachado para trabalhos forçados na Alemanha. pensativo.. porque era jovem e podia deslocar-me rapidamente. fizera a comunhão e a crisma na Igreja. Depois. Portava um rifle. À noite.. mas eram terríveis para um rapaz que sabia que poderia nunca viver o suficiente para desfrutar toda a sua virilidade. Mas tudo parara por aí. como se estivesse ajuntando mentalmente os pedaços de um quebra-cabeça: — Quando ingressei nos Maquis... Percorreram o próximo quilômetro em silêncio. sem filhos. Não era religioso. O marido estava desaparecido desde os primeiros dias da Blitzkrieg.. tinha-se de sobreviver conforme fosse possível. que recolhíamos a cada três dias. "Uma das minhas rotas regulares de mensageiro — continuou — levava-me a uma fazenda perto de uma estrada. sem que houvesse qualquer estímulo adicional. eu era obrigado a permanecer nas montanhas e nos campos. Eu ficava ali. realizava missões de mensageiro. tinha 30 e poucos anos. Havia sido batizado. correr mais do que as patrulhas alemãs incumbidas de vigiar o toque de recolher. lentamente. Ao contrário dos mais velhos. Agora. Eram zombarias banais. Todos os movimentos de tropas na área tinham de ser efetuados por ali. eu ainda era muito jovem. estava sem uma mulher e meus companheiros zombavam de mim. Antes. Desculpe-me. Com os Maquis. apenas o suficiente para fazer-me querer mais. Havia uma cabana de pastor e um cercado de ovelhas cerca de um quilômetro da casa. a mulher ia até lá. O nome dela era Adèle. Assim. eu tivera namoradas e alguma experiência de sexo.

muito mais tarde. mais tarde fizemos amor na enxerga de palha. Adèle apareceu um hora depois do pôr-do-sol. cheguei à conclusão de que o exercício do sacerdócio era a melhor forma de pagar a dívida.tarde naquele dia em particular. lembrei-me dela e tentei oferecer a meus penitentes a dádiva de saber o que ela me deu. ao chegar. numa única hora de êxtase. do homem por Deus e da mulher pelo homem. Ela baixou a janela e ficou olhando para a paisagem serena... os soldados alemães revirando tudo. morte e vida outra vez. Para agravar ainda mais a situação. que era um homem sábio e gentil. Ela limpou meu ferimento com vinho e enfaixou-o com tiras da anágua. Depois disso. Ela também tivera um dia horrível. às seis horas da manhã. sempre lembrei-me de Adèle todas as manhãs. uma mulher madura e ardente e um rapaz assustado. Depois.. Estava apavorado. apesar do horror que se seguiu. Sempre que me sentei no confessionário e ouvi pessoas tristes falarem dos pecados em suas vidas amorosas. Dar 316 . "Lembro-me disso — prosseguiu — como a experiência mais maravilhosa da minha vida. E perguntou. Nunca me sentira tão contente por ver alguém. como um drama de brutalidade. sempre que falei no amor de Deus pelo homem. Encontrou novamente os alemães em sua casa.. violei todas as regras e desci furtivamente a colina à sua procura.. em minha missa. Foi assim que a encontrei quando. ferira a perna em arame farpado e estava com medo de tétano. tomamos o resto do vinho e comemos. Mais tarde. com uma humildade singular: — Quer me contar o resto? Onde está Adèle agora? — Morta. amor. ajudou-me bastante. sem se atrever a olhar para Jean Marie. Ele disse: "O verdadeiro pecado é estar insuficientemente apaixonado. E também não me arrependi. Jean Marie calou-se. com nada menos de três batidas na fazenda. do momento maravilhoso que Adèle e eu partilhamos. num mundo povoado por monstros. do qual se podia contemplar uma paisagem interminável de campos ondulantes. Estavam embriagados com o vinho dela. Havia diversas patrulhas alemãs percorrendo a região e por duas vezes eu quase fora apanhado. em toda a minha vida. A paixão de Cristo tornou-se profundamente real para mim. Roberta entrou com o carro num refúgio à beira da estrada. foi à luz daquela hora. profundamente abalado.. Foi nesse dia que decidi que tinha uma dívida a pagar. cortados por muros de pedra antigos. Meu confessor. Jamais me arrependi da decisão. ansioso em renovar a noite de amor. Estupraram-na e pregaram-na na mesa com um facão de cozinha. Ela me deixou pouco antes da meia-noite. De coadjutor a Papa.

já que seu pai roubou milhões do Vaticano e foi morto num corredor de prisão?.". É por demais maravilhoso e também por demais terrível! Jean Marie entregou seu lenço para que ela enxugasse os olhos.. a voz repleta de compaixão. com o queixo apoiado na mão. Waldo Pearson pegou o original. O que você sabia.. ao final. Quanto ao resto. E tenho certeza de que ela se lembrou disso. Deveríamos simplesmente anunciá-lo. Roberta aceitou-o.. Jean Marie foi entregar o original definitivo de Últimas Cartas de um Pequeno Planeta. mas formulou uma última e brusca pergunta: — Depois de tudo isso. e um sentido assustador. entregou a Jean Marie a versão em inglês datilografada do discurso que ele faria no Carlton Club.. sua Adèle também sabia. gentilmente. é um brado que sai do coração. O maior equívoco que todos cometemos. Depois. se quiser. ao longo dos tempos. Não se brinca com o amor. Olhe para mim.. Carl Mendelius. Jean Marie estendeu a mão e fê-la virar em sua direção o rosto pelo qual as lágrimas escorriam. Mas não sei dizer como a audiência o receberá. Bom ou mau. Jean Marie perguntou: — Qual é a sua opinião? Acha que faz sentido? — Faz. ao admoestá-la. e assim pode adotar-me como uma espécie de mentor. Ainda há tempo de fazer alterações. Roberta! Ela sacudiu a cabeça.. — Sou velho o bastante para ser seu pai... sim.. seja o seu melhor amigo? — Como é possível que nós dois estejamos sentados aqui a conversar. Não deveríamos fazer isso. On ne badine pas avec 1'amour. é tentar explicar os caminhos de Deus aos homens. como é possível que um alemão. olhando fixamente para os campos banhados pelo sol. Os olhos dele estavam ternos. Espero que alguém o escute. Ele explica a si mesmo muito bem! No dia anterior ao encontro no Carlton Club. Colocou-o na mesa de Waldo Pearson e disse: — Aqui está. que vocês partilharam um momento de estranha graça. — Mas estou também apavorado. E também maravilhoso. em companhia de Adrian Hennessy. Estava sentada.demais é uma falta que pode ser facilmente perdoada. lembre-se do que falei no início. ficou em silêncio por um momento e depois disse estar absolutamente convencido de que alguém escutaria. — Eu li e adorei — comentou Aldrian Hennessy.. se você 317 .

concordar. Ele olhou para Jean Marie, que acenou com a cabeça em concordância. — Sei que vou falar para muitas pessoas que não conheço, num idioma que não é aquele em que fui criado. Seja franco comigo. Sou seu convidado, em seu clube. Se estou ultrapassando os limites da conveniência, deve dizer-me. — Não há qualquer violação da paz ou das conveniências — declarou Waldo Pearson. — Atenha-se ao texto. — Haverá perguntas depois? — É possível. Geralmente as permitimos. — Pode fazer o favor de explicá-las bem para mim, antes que eu as responda? Sou fluente em inglês, mas às vezes, em momentos de tensão, penso em francês ou italiano. — Pode deixar que cuidarei disso. Está havendo muito interesse por sua presença. —Tem uma relação dos que estarão presentes? — perguntou Hennessy. — Infelizmente, não. Quando se prevê um grande comparecimento como acontecerá desta vez, os sócios devem decidir em votação quem serão os convidados. Mas pude convidar o Embaixador soviético... e Sergei Petrov, se ele por acaso estiver em Londres na ocasião. Se ele aparecer, é um sinal de que ainda é politicamente viável. Também convidei Morrow, a quem conheci quando ocupava um cargo equivalente ao meu em Washington. Sugeri que ele poderia levar um colega... o que lhe permitirá introduzir Dolman na reunião, se assim o desejar. Quanto ao resto, a lista é impressiva, incluindo membros do Gabinete, líderes industriais, barões da imprensa, diplomatas. Haverá assim uma ampla amostragem de religiões, nacionalidades... e também de moralidades. Hennessy acrescentou um comentário irônico: — Talvez o Espírito Santo lhe conceda o dom da eloqüência em muitas línguas. — Conversei algumas vezes com Mendelius sobre isso. — Jean Marie aceitou o gracejo e tratou de desenvolvê-lo. — Ele dizia que era provavelmente o menos útil de todos os talentos do Espírito. Se um homem era um tolo numa língua, nunca se poderia torná-lo mais sábio em 20 línguas! Todos riram jovialmente. Waldo Pearson pegou uma garrafa de 318

champanha. Fizeram um brinde às Últimas Cartas de um Pequeno Planeta e a um ex-Papa que estava prestes a ser jogado aos leões no Carlton Club. Jean Marie Barette apoiou-se na estante do orador e correu os olhos pela audiência, que lotava o principal salão de jantar do Carlton Club. Conhecera apenas alguns dos presentes, um grupo privilegiado que Waldo Pearson convidara para um coquetel na sala do comitê. Jean Marie descobrira que Waldo dominava o baluarte conservador com mão de ferro. Ele não permitira que seu convidado mais exótico fosse arrastado e esvaziado nos preâmbulos inócuos dos coquetéis. E declarara-se extremamente satisfeito com a escolha do traje de Jean Marie, um casaco preto abotoado até o pescoço, com uma exposição mínima do colarinho clerical e do crucifixo de prata. O traje reforçava as implicações das palavras iniciais de Jean Marie: — Apresento-me aqui como um cidadão particular. Sou um clérigo ordenado no ministério da Palavra na Igreja Católica Romana. Contudo, não tenho uma missão canônica. Assim, o que vou dizer nesta reunião constitui minha opinião pessoal e não deve ser interpretado como um ensinamento da Igreja ou como uma declaração de política do Vaticano. Ele exibiu um sorriso e fez um gesto tipicamente francês, a fim de atenuar a solenidade das palavras. — Tenho certeza de que não vão precisar de quaisquer explicações adicionais a respeito deste ponto. Todos os presentes são ligados à política e... como é mesmo que costumam dizer em inglês?... uma piscadela diz tanto quanto um aceno para uma mula cega. Eles lhe deram um pequeno coro de risos para animá-lo... e também para tentá-lo. Se fosse tolo o bastante para confiar naquela audiência, não mereceria a atenção de ninguém na manhã seguinte. Mas as palavras seguintes de Jean Marie arrancaram a todos de sua complacência. — Porque sou um homem, tenho experiência do medo, amor e morte. E porque tenho sido, como vocês, um homem ligado à política, compreendo o exercício do poder e também as suas limitações! Porque sou um ministro da Palavra de Deus, sei que estou apregoando no mercado uma insensatez e posso ser apedrejado por isso... Vocês também, meus amigos, estão apregoando loucuras, insanidades monstruosas... e todos corremos o risco de perecer por causa delas! Houve um silêncio total no salão. Naquele momento, Jean Marie 319

mantinha-os quase que hipnotizados. Eles compreendiam a arte da eloqüência. Sabiam que aquele homem era um mestre. Mas se seu pensamento não estivesse à altura do talento de orador, iriam repudiá-lo como um charlatão. Jean Marie aprofundou sua argumentação: — A loucura de vocês é prometer uma possível perfeição nas coisas dos homens... uma distribuição justa dos recursos, um acesso igual às vias marítimas, aéreas e terrestres estratégicas, um mundo, em suma, em que todos os problemas podem ser resolvidos por um mediador honesto, um líder inspirado ou um aparelho partidário. Fazem a promessa como um passo necessário para a conquista do poder. E preferem ignorar que estão brincando com dinamite. Promovem esperanças ilusórias. Despertam expectativas que não podem realizar. E depois, quando percebem que o povo iludido está voltando-se contra vocês.... presto!... surge uma nova solução: uma guerra de purificação. De repente, não são mais aqueles que concedem as dádivas. São os janízaros impondo as determinações do sultão. Se as pessoas não quiserem obedecer, vão obrigá-las à força! Vão decepá-las, membro por membro, como Procusto, até que caibam na cama de ferro em que se vão contorcer no tormento. Mas acontece que as pessoas jamais hão de caber na cama. A idade áurea que lhes prometeram jamais vai se consumar... Vocês sabem disso! E já se resignaram, no mais terrível ato de desespero! Chegaram até a calcular o custo: tantos milhões em Nova York, Moscou e Tóquio, na China e na Europa. As conseqüências, o deserto que será chamado de paz, eis algo que decidiram ignorar. Afinal, quem restará para se importar com isso? Que os bandidos dominem os sobreviventes! Que muitos milhões morram! Haverá uma nova idade das trevas... uma nova Morte Negra. Em algum futuro muito distante talvez haja uma renascença. Mas ninguém se importa com isso, porque jamais veremos a maravilha de tal ocorrência. "Pensam que estou exagerando? — prosseguiu. — Sabem muito bem que não estou. Se o embargo de cereais não for suspenso, a União Soviética ficará bem perto da inanição neste inverno... e seus Exércitos marcharão ao primeiro degelo. Mesmo que tal não aconteça, qualquer movimento de alguma potência na direção dos campos petrolíferos do Oriente Médio ou do Extremo Oriente precipitará um conflito global. Não conheço a ordem de batalha, como alguns dos presentes certamente conhecem. Mas tenho certeza de que todos admitem que estou expondo o essencial... Não lhes vou fazer qualquer súplica. Se o bom senso de vocês, os impulsos de seus corações, quando contemplam seus filhos e netos, não os levam a entrar em ação para evitar o holocausto, então... amém! Que assim seja! Ruat coelum... deixem o 320

céu desabar! Procurei apenas definir a loucura, que é acreditar que o homem é capaz de construir para si mesmo um habitai perfeito e que pode, a cada vez que fracassa, destruir tudo o que fez, como se fosse um castelo de areia, para começar novamente... Ao final, o impulso construtivo é dominado pelo destrutivo. E, durante todo o tempo, a maré vai avançando inexoravelmente, a fim de acabar com a cabeça-depraia em que brincamos! Jean Marie não podia determinar se a audiência aprovava ou desaprovava. Tudo o que sabia era que o silêncio persistia e que os ouvidos deles, assim como provavelmente os corações também, ainda lhe estavam abertos. Ele continuou a falar, mais suavemente, mais persuasivamente: — E agora deixem-me falar-lhes da minha loucura, que é o inverso da loucura de vocês, mas que serviu apenas para acentuá-la. Ao ser eleito Papa, senti-me ao mesmo tempo humilde e exultante. Acreditava que o poder me fora concedido, o poder de mudar as vidas dos fiéis, reformar a Igreja, talvez servir de mediador nas divergências entre as nações e ajudar a manter a paz precária que desfrutamos. Todos vocês conhecem tal sentimento. Experimentaram-no ao serem eleitos pela primeira vez, ao receberem sua primeira Embaixada, ao serem designados para o Gabinete, ao comprarem seu primeiro jornal ou emissora de televisão. Um momento inebriante, não é mesmo? E as dores de cabeça estão todas no futuro! Houve alguns risos de assentimento. Ficaram contentes com o alívio. O homem era mais do que um retórico. Possuía um senso de humor salvador. — Claro que há um ardil... uma armadilha em que todos caímos. O que temos não é poder, mas autoridade... que é cavalo de cor diferente! O poder implica a capacidade de realizarmos o que planejamos. A autoridade significa apenas que podemos ordenar que seja realizado. Decidimos... Fiat! Faça-se! Mas quando a determinação finalmente chega ao camponês nos arrozais, ao mineiro no fundo do poço e ao padre na favela, já perdeu a maior parte de sua força e significado. As definições em que encerramos nossos dogmas e moralidades são pedras de toque da ortodoxia. Quer sejamos papas, aiatolás ou ideólogos do partido, não nos atrevemos a revogá-las. Mas a relevância delas para o homem nas últimas é praticamente inexistente. Que teologia posso ensinar a uma moça que está morrendo de um aborto séptico? Tudo o que lhe posso dar é compaixão, conforto e absolvição. O que posso dizer ao menino revolucionário de El Salvador, cuja família foi fuzilada pelos soldados na praça da aldeia? Nada posso oferecer além de amor, 321

compaixão e uma proposição improvável de que existe um Criador que transformará toda essa loucura em sanidade, todo esse sofrimento numa alegria eterna... Como podem compreender, minha loucura foi a de acreditar que de alguma forma poderia ao mesmo tempo exercer a autoridade que aceitara e a caridade a que meu coração me impelia. Era uma impossibilidade, é claro... assim como é impossível para um ministro do exterior denunciar as indignidades de um ditador que fornece matérias-primas essenciais. É nesse contexto que quero explicar-lhes minha abdicação. Foi dolorosa na ocasião, mas agora não a lamento nem protesto. Numa experiência que foi espontânea e inesperada, recebi uma revelação das Últimas Coisas. Recebi uma ordem de proclamá-las como iminentes. Eu próprio estava e continuo absolutamente convencido da autenticidade da experiência. Mas não tinha nem tenho quaisquer meios de prová-la. Assim, meus irmãos bispos decidiram que eu não poderia legitimamente manter o cargo de Pontífice e ao mesmo tempo assumir o papel de um profeta e proclamar uma revelação pessoal não autenticada. Nada falarei a respeito dos meios usados para garantir minha abdicação. Não passam de uma informação acessória de uma história que pode nunca ser escrita. Mas uma coisa posso dizer. Estou contente agora por não ter autoridade. Estou contente por não ser mais obrigado a defender as fórmulas de definição. É que a autoridade é muito limitada, as fórmulas são restritas demais para abranger a agonia da humanidade nos últimos dias e a grandeza da Parúsia... o prometido Advento. É possível que haja entre os presentes muitos que, como eu, estão conscientes das limitações do poder e da loucura do assassinato em massa. É para esses que de... Subitamente, Jean Marie percebeu que as palavras que estava dizendo não eram absolutamente palavras, mas um único som infantil, repetido interminavelmente: — ... de... de... de... de... Sentiu alguma coisa a puxar-lhe a perna da calça. Olhou para baixo e divisou a mão esquerda a bater incontrolavelmente na coxa. A visão se enevoou. Não podia ver a audiência. Depois, o salão começou a girar e ele caiu para a frente, por cima da mesa. Depois de alguma confusão de movimento e tempo, ouviu duas vozes bem perto dele. Uma delas era de Waldo Pearson: — Foi muito estranho. Parecia uma prece em linguagem incompreensível. E ontem mesmo conversamos sobre o dom de falar muitas línguas. — É um sintoma típico de AVC. — E o que é AVC? 322

— Acidente vascular-cerebral. O pobre coitado sofreu um derrame... Como a maldita ambulância está demorando a chegar? — O tráfego é intenso a esta hora — disse Waldo Pearson. — Quais são as possibilidades de ele se recuperar? — Pergunte-me isso dentro de três dias. As palavras fizeram com que Jean Marie se lembrasse da ressurreição. Em vez disso, porém, ele mergulhou na escuridão.

323

LIVRO TRÊS

"Não deis crédito a qualquer espírito, antes comprovai se os espíritos procedem de Deus, porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo afora." — Primeira Epístola de São João, 4:1

.

o outro ligeiramente repuxado para baixo.. uma cadeira. mas a moça parecia não compreender uma só palavra do que lhe dizia. duas portas e uma janela. Ela sempre lhe fazia as mesmas perguntas simples: — Como se sente? Qual é o seu nome? Gostaria de beber um pouco de água? O mais estranho era que ele podia compreendê-la perfeitamente. uma mesinha-decabeceira. numa terra estranha. que parecia freqüentemente verificar seu pulso e a pressão. Havia uma cama. como um anúncio de antes e depois para algum remédio de fígado. Tinha quatro paredes brancas. a moça sorriu e disse: — Isso é ótimo! Era como se ele fosse um bebê. Havia pelo menos um outro habitante naquela nova terra: uma moça um tanto feia. amparando-o a fim de que pudesse sugar o líquido através de um canudo de plástico. explorando contornos. em que o homem na cama estava refletindo. A moça sempre usava a mesma frase de saída: 326 . Tinha uma expressão estranhamente torta. Uma das mãos estava imóvel sobre a colcha branca. texturas e distâncias. embora lhe desse de beber.. E era uma terra muito pequena. aprendendo o ato de urinar. E ela também segurou uma garrafa em seu pênis. A outra se remexia irrequietamente. num uniforme de enfermeira. Um lado do rosto estava imóvel e virado para cima. transmitindo uma impressão de dor ou repugnância. na qual ele estava deitado.CAPÍTULO 13 Agora ele era outro homem. E quando ele o fez. auscultar-lhe o peito. a fim de que ele pudesse urinar. uma cômoda com um espelho por cima.

Compreende o que estou dizendo? Jean Marie assentiu. O médico presenteou-o com um sorriso e afagou-lhe o ombro. Este é o Hospital de Charing Cross. Ainda é muito cedo para determinar a extensão das lesões dentro do seu crânio. O médico disse: — Não tem importância. Seus amigos e parentes sabem onde você está... Mas o momento da descoberta jamais chegava.. Sentia-se então como um homem no porão com o alçapão por cima de sua cabeça fechado. Pode repetir meu nome? Raven.. Depois. sso — balbuciou Jean Marie.. de cabelos grisalhos. Estou falando em inglês. Jean Marie tentou diversas vezes. Basta acenar com a cabeça se me compreender. Estará saindo-se melhor muito em breve. prestes a descobrir o que era. Está vivo. Jean Marie tentou. até que seu estado melhore. Tem de confiar em nós e tentar aceitar por algum tempo que está desamparado. Ele fechou os olhos e tentou descansar... testou os seus reflexos com um martelinho de borracha. Pode entender isso? — Po. um homem esguio.. auscultou o peito. Vamos ver o seu sorriso. Jean Marie lembrou-se do discurso com que o diretor de seu seminário costumava saudar cada nova leva de recém-chegados. não perturbado com algo específico.. Volta e meia. exibindo uma preocupação brusca. ficando absurdamente satisfeito consigo mesmo. Mas sabem também que você não deve receber visitas nem ser incomodado em hipótese alguma.. Mas o esforço foi grande demais. E ficou contente por não poder ver o resultado. verificou a pressão. — Sorria para mim. — É um homem de sorte.Ra. mas conseguiu apenas balbuciar: — Ra. po. como se tivesse perdido alguma coisa preciosa e agora tateasse à sua procura no meio de um nevoeiro. — Sou o Dr. Raven. O médico finalmente apareceu. Estava perturbado demais para dormir.— O doutor virá vê-lo daqui a pouco. sentia que estava perto.Ra.. Temos de esperar dois ou três dias antes de sabermos se este derrame foi um incidente isolado ou se outros se podem seguir. num 327 . O médico examinou seus olhos com um oftalmoscópio. Ele tentou lembrar quem era o médico e como parecia.. Continua capaz de raciocinar e algumas de suas faculdades permanecem intactas. mas ansioso. — Pode me ver? Outro aceno. sentou-se na beira da cama e fez uma pequena preleção. po.

gesto de aprovação. Em francês. Quando lhe cocavam os pés. enfermeiro e fisioterapeuta para os grupos poliglotas que habitavam a metrópole. horizontalmente. árabe. dando a impressão de que a herdara de algum cruzado nórdico. a parte do cérebro que apreende as sensações. Quando lhe pediram para dizer onde era espetado. em 25 minutos para a hora. esguio como um atleta. de 30 e poucos anos. ele parecia ter efetuado progressos suficientes para ser iniciado nos usos e costumes daquela nova terra. como o ponteiro de um relógio parado. — Ótimo! Isso é promissor. com as duas pontas secas de um compasso. Quando lhe pediram que fechasse os olhos e levantasse os braços à sua frente. com a pele azeitonada de um mediterrâneo e uma cabeça incongruente de cabelos dourados. Confessou ser fluente em francês. enquanto o outro permanecia. Jean Marie ficou espantado ao descobrir que apenas um braço lhe obedecia plenamente. A enfermeira finalmente apareceu e aplicou-lhe um narcótico no braço.. eles iniciaram uma série de testes.. ele descobriu que algumas de suas identificações estavam totalmente erradas. por definição dogmática. Mas primeiro tiveram de providenciar um assistente que falasse francês. Jean Marie tentou agradecer. até chorar de frustração. E o que era ainda pior. não conseguia encontrar a ponta do nariz com a mão esquerda. Juntos. Desenvolvera uma carreira modesta nos círculos médicos de Londres. Mr. Descobriu que esquecera as palavras em inglês. Contudo. era chocante descobrir agora como era falível e nas coisas mais simples. hebraico e grego. E isso 328 . havia alguns indícios esperançosos. todos visando determinar as lesões ao sensório. Voltarei a vê-lo pela manhã. O neurologista apresentou-o como Mr. o saco escrotal se contraía. o intérprete infalível da mensagem de Deus aos homens. a fim de ensinar-lhe as regras do jogo. inglês. Quando se coçava a parte interior da coxa. há muito morto. Ele procedia do que vagamente descrevia como Oriente Médio. Ele já estava tendo problemas suficientes com confusões fônicas e palavras sem precisar acrescentar uma mistura de línguas. atuando como intérprete. pôde apenas balbuciar: — Mer. Atha explicou que isso demonstrava que seu reflexo Babinski estava funcionando. Para o homem que fora outrora. Ele ficou esforçando-se em falar. os dedos se curvavam para dentro. Atha. Depois de quatro dias. Vamos darlhe esta noite uma coisa para ajudá-lo a dormir. O assistente que encontraram era um homem bonito.

Pense só no que isso significa! Sua fala vai melhorar.. Você pode engolir. cooperativo e corajoso.surlepont. Com o médico. O neurologista censurou-o firmemente.. que incluíam. conforme Mr. Precisa aprender as coisas mais simples desde o início. virtudes muito além de sua capacidade naquele momento." Pois é agora como uma criança. É capaz de controlar seus intestinos e a urina. a mover novamente 329 . O neurologista acenou em aprovação à idéia e saiu para tratar de outros problemas. muitos pacientes em estado bem pior que o de Jean Marie. Mas acabará crescendo outra vez. E se decide a prová-lo com uma súbita explosão de oratória. assim como acontece com uma criança. Jean Marie sentiu que um peso enorme era removido de sua cabeça. E vamos reparar o trauma juntos. porque vamos praticar juntos. Está agora no jardim de infância. Atha traduziu tudo no francês mais suave e ofereceu-se para fazer-lhe companhia. sei do que estou falando. pois indicava que o reflexo Cremaster estava intacto. E tinha mais sorte ainda por ter sofrido tão poucos danos. deve lembrar-se das escrituras: "A menos que se torne como as criancinhas. Ele começou a chorar novamente. Atha acrescentou.. Mr. Portanto. Atha pediu-lhe que repetisse para o neurologista as palavras da antiga canção: — "Surlepont.também era muito bom." Jean Marie descobriu. Mr. Ele era não apenas persuasivo. que a boca parecia cheia de melado e conseguia emitir apenas um burburinho de sons indefiníveis. Não tem visão dupla. — Também trabalho com eles. horrorizado. Atha explicou. Ele tinha sorte por estar vivo. suavemente: — Disseram-me que era Papa. Mas nós dois vamos partir da premissa de que você foi afetado. Portanto. não entrará no reino dos céus. você fica tentando demonstrar que não foi muito afetado.. desde que ele estivesse disposto a ser paciente. Aprenderá a vestir-se. mas também transmitia uma imensa serenidade. Os prognósticos eram esperançosos. Houve então um momento terrível. Mr.. vai subir de um ano para outro. Tem de admitir que por algum tempo não poderá lidar com as coisas mais complicadas. que o nevoeiro em sua caixa craniana se dissipava.. até que estivesse novamente calmo. E entra em desespero quando não consegue. À medida que as semanas forem passando. Sur lepont d'Avignon.

como animais do bosque num livro ilustrado para crianças. voltará a falar direito. tudo lhe voltava furtivamente. E um dia haveriam de se juntar num padrão familiar.. Não era capaz de comandar a mão inerte ou a perna entorpecida.. Jean Marie estava consciente dela de uma maneira que escapava à definição verbal. Mas se ficasse deitado quieto. embora muito breve. Roberta Saracini estava bebendo da taça do cosmo... Era como. uma comunhão de amor e bem-aventurança. Einstein despojado da matemática para exprimir os mistérios que ao final compreendeu. "Aceito o que me reserva. Ele é um homem de bem. no fundo de si mesmo. Só tem sido mesquinho consigo mesmo!" O neurologista comunicou-lhe que o primeiro momento de perigo já passara. Havia também outra coisa. por favor. quando para lá podia retirar-se. Como acontecera com a visão no jardim do mosteiro. Nem sempre as coisas estavam na ordem certa. sem fazer qualquer esforço. como alguém que sofria de amnésia. se o fizer bem devagar. "Meu nome é Jean Marie. Sem perguntas e sem condições! Mas. Beethoven surdo com a cabeça repleta de glórias. Não perdera coisa alguma. Havia ainda outra maravilha. Foi ali que se fez o pacto. assentando-se ao seu redor.o braço e a perna esquerdos. e acima de tudo. É verdade 330 . a moça aleijada vendia gravuras a Alvin Dolman.. tão assediada. quando chegar o Dia do Rubicão conceda um pouco de luz e alguma alegria a meu amigo Duhamel e sua mulher. Drexel estava ao lado da menina mongolóide. às vezes não controlava a língua vacilante. De dedos cruzados e com uma boa oração. Mas pelo menos estava tudo ali. Eram fragmentos de um padrão num caleidoscópio. Vamos escolher alguma coisa bem simples. Já pode falar agora.. aquela triste fortaleza. Se tentasse lembrar. as coisas sempre se esquivavam. não importa o que seja. quando os únicos sons eram os passos da enfermeira de plantão e a única luz era o facho da lanterna dela em seu rosto. havia um lugar de luz em que o Outro habitava e onde havia.. durante as longas horas da noite. Em algum momento. bombardeada e arruinada. Jean Marie aprendeu outra lição. podia-se considerar aquele episódio superado e prever-se uma boa recuperação. como uma pessoa que ama entregando-se ao ser amado. Em algum lugar.. Mendelius estava envolvido em alguma conferência de bispos no México. era como o quê?." Agora. diga uma palavra de cada vez. Mas naquele pequeno ponto de luz e paz podia dominar-se. dispor livremente de si mesmo.

Mas Atha era inflexível: — Só vai conseguir renovar seus próprios recursos se partilhá-los. E Mr. segundo lhe dissera Mr. — Bravo! — exclamou Mr. eram excelentes as perspectivas de que ele pudesse voltar a levar uma vida normal. Atha acrescentou seu próprio argumento: — Além do mais. jogando uma bola para um. — E agora vamos chamar a enfermeira. movendo-se direito. a palavra saindo alta e clara como um repicar de sino. atenuando os pontos de pressão em que podiam surgir escaras. ele desabou como uma boneca de trapo nos braços de Mr. Mas ainda não! Ainda faltava muito! Ele tinha de ser treinado. sentavam-no na cama e lhe mostravam como rolar para uma posição reclinada. com toda classe.. mas também o conduziria por todos os exercícios. de um tipo ou outro. inconvenientes e inibições. eles ficaram amparando-o e gradativamente foram retirando o apoio. de um modo geral. Por mais breve que fossem. aqueles interlúdios sociais deixavam-no extenuado. Quero que esteja vestido direito. Atha. A primeira coisa que temos de ensinar-lhe é sentar-se na beira da cama e depois ficar de pé sozinho. como exercitar a mão esquerda com uma bola de borracha. Atha não apenas explicaria. é um homem importante. Mas. Foi ali que ele compreendeu como era afortunado. Eu gostaria de sentir-me orgulhoso do primeiro dia em que puder apresentá-lo. Depois que Jean Marie dominou a abertura. entabolando uma conversa vacilante com outro. mais arduamente que qualquer atleta. hora após hora. até que ele foi capaz de permanecer ereto por alguns momentos. demonstrando a um terceiro um momento que ele próprio já dominara. Também notou outra coisa: a infinita paciência com que Atha cuidava de seu grupo variado. entende? — Classe — disse Jean Marie. Atha e da enfermeira. Atha fê-lo participar da pequena e desconjuntada vida comunitária no ginásio. passaram a ensinar-lhe a ópera: como andar em passos pequenos e arrastados. falando direito. dia após dia. até que pudesse lhes apresentar alguma competência. no ginásio.que haveria conseqüências. 331 . Vezes sem conta. Visitas? Seria melhor esperar por mais algum tempo. Mr. Quando ele ficava cansado. como todos reagiam rapidamente a seu sorriso e suas palavras de estímulo. Parecia tão simples que Jean Marie não podia acreditar no esforço e humilhação envolvidos. toda uma série de operações com equipamentos mecânicos. não é mesmo? Os visitantes podiam ficar às vezes mais angustiados que os pacientes. Atha.. Vezes sem conta.

— Pode relaxar agora. O cego vê. em inglês e francês. e... — Desculpe-me — Jean Marie conseguiu pronunciar as palavras direito. Atha fornecia as palavras e frases que se haviam perdido momentaneamente de seu vocabulário ou se misturavam com outras num curto-circuito sináptico. Têm pavor de se tornarem sexualmente impotentes ou mesmo. O prazer era tão intenso que as sensibilidades se foram tornando perceptivelmente mais aguçadas e seus palpites se tornaram mais próximos dos objetos que produziam as sensações. Atha consolou-o. A extensão de sua atenção foi tornando-se também mais ampla e ele pôde desfrutar a massa de cartas e cartões que atulhavam a gaveta superior da cômoda e que ainda não lera. partilhe sua percepção das coisas. de texturas e pesos. diante do seu nariz. ao final. embora retivesse muito pouco do que lia. — Estava querendo dizer "estranho". — Você. Quando sua concentração falhava.Não pode esperar passar o tempo todo da recuperação num mundo hermético e depois emergir como um animal social. — Tentarei sair-me melhor.. O neurologista chamava-os de testes de sensibilidade gnóstica. O coxo anda. 332 .. Implicavam o reconhecimento. mas a verdade é que metade das pessoas aqui está apavorada com a possibilidade de não ser mais atraente para as pessoas amadas. toque nas pessoas.... vai ouvir os ecos das boas notícias. O problema pode não preocupá-lo. Está na hora da massagem.. à sua maneira hesitante. — Ótimo! — exclamou Mr. você é um. Atha lia para ele e depois ajudava-o a formular uma resposta simples. com um sorriso. — Isso mesmo. Passou a receber os jornais. E às vezes até os mortos voltam à vida.. formatos e sólidos. Se ficar cansado de falar. tijolo por tijolo? As boas notícias estão aqui. Mr. homem diferente! — disse Jean Marie. Havia um grupo de testes que lhe proporcionava um imenso prazer. Só que ele não a escrevia. Gostava de esquadrinhá-los. se prestar bastante atenção. pelo contato apenas. Mr. sorria. como o par de pombos arrulhando no peitoril da janela. Atha. constituírem um fardo detestável para suas famílias. Mr. à sua maneira tranqüila: — O que deseja reter? As más notícias de que o homem está demolindo a civilização. O próprio Jean Marie é que tinha de fazê-lo..

— E também trago boas-novas — acrescentou Mr. Mas por que estou falando sobre essas coisas? Por quanto tempo deverá continuar aqui? — Eles não dizem.. Reabi. — Não pergunto. Jean Marie deixou claro que preferia escutar a falar. — Estamos agora no negócio de trocas em larga escala. Depois de mais algumas frases e alguns silêncios prolongados. — Quem é Mr. Jean Marie já descobrira que se saía melhor com frases curtas. Mr. Espero. Alain. porque Jean Marie sentia que o vínculo de família devia ser respeitado e que agora já não restava mais qualquer motivo para ciúmes fraternais. — Rea. Alain também se sentiu contente em ser dispensado. — Hã. soja por carvão.... tanques por lingotes de ferro. Não.. procurando pronunciar a palavra corretamente.. Alain discorreu sobre todas as novidades da família. numa terra estranha.. para. — Ele hesitou. Depois da primeira troca de palavras. — Poderá começar a receber visitas na próxima semana. — Alain não estava sendo insensível ou indiferente. Se me disser quem deseja ver. — Àquela altura. teremos o maior prazer em recebê-lo em nossa casa. Era simplesmente um estranho. quase o conseguiu. os dois tornaram a se abraçar e despediram-se. podemos encontrar um comprador. Assim. cada um se perguntando por que tinha tão pouco a dizer ao outro. Os dois se abraçaram meio sem jeito. Atha? — Ele trabalha aqui. — Ótimo... preparadas de antemão. — Reabilitação? — Isso. farei uma relação e entrarei em contato com as pessoas.— Pois então diga agora. Há lugares para.. — Obrigado. Terei prazer. Atha vai arrumar. O irmão Alain foi o primeiro a ser convidado. — Estranho — disse Jean Marie. Ela estará aqui dentro de alguns dias.. em seu nome. — Roberta manda-lhe o seu amor. carne por urânio. ouro por tudo! Se você dispõe de alguma mercadoria. Atha. Com vítimas de derrame.. até chegar ao ponto em que seu próprio coração estava preso: a Bolsa de Valores. Era o máximo que ele podia conseguir. por causa do braço inerte de Jean Marie. Petróleo por cereais. com todas as suas transações e rumores. — Você é um homem muito estranho. cuidadosamente. 333 . — Quando sair.

Champanha? E pode também comer o caviar?. Fale quando quiser.. Desculpe-me. 334 . comprida. Por falar nisso. torradas. também encadernado em couro. Disse que me ofereceu uma novena de missas. Estava acompanhado por um criado... As reações. um balde de gelo.. manteiga e o texto integral do discurso de Jean Marie no Carlton Club. acompanhada de grande coro. — Jean Marie ficou surpreso com a própria fluência. carregando tesouros inesperados: seis exemplares de Últimas Cartas de um Pequeno Planeta.Waldo Pearson apareceu no dia seguinte. Hennessy telefonou. um volume encadernado em couro para o próprio autor. Waldo estava exuberante e jovial. já recebeu notícias de Matt Hewlett? Ele disse que iria escreverlhe... Achava que poderia deixá-lo constrangido.. As palavras mais simples faltam-me às vezes. Está bonito.. assim como alguns membros da Cúria. Disse que virá vê-lo assim que voltar de Nova York. Alguns manifestaram medo. Muitos ficaram profundamente comovidos. não chamavam de acidente vascular-cerebral naquele tempo!.. houve quem aludisse ao contraste entre a força de sua mensagem e a modéstia de seu comportamento pessoal.. — Lamento ter feito a cena no clube.. Ninguém foi capaz de permanecer neutro. um gravador e duas versões de sucesso de Johnny.. outra por uma famosa cantora. outros falaram de um impacto religioso. pró e contra. o Bufão. e por isso sei o que acontece. não é mesmo? As vendas estão disparando. O Pontífice passou um telegrama. Trouxe também uma garrafa de Veuve Clicquot. taças de champanha. Lamento apenas que não pudéssemos contar com a sua presença na festa de lançamento.. Disse que a reação nas Américas e no Continente é a mesma. um pote de caviar fresco. — Foi uma coisa muito estranha. — Uma parte da audiência ficou hostil. Até mesmo eu a cantarolo no banheiro.. Gosta do livro?.. Obrigado.. Eu estava determinado a servir-lhe champanha e caviar mesmo que tivesse de dar na boca. comprida. — Estou comovido.. — Ele escreveu. Você realmente tocou no ponto certo. Isso é ótimo! Está indo muito bem. se viesse procurá-lo pessoalmente... uma por um cantor. Fique calado quando assim sentir-se melhor. foram bastante esclarecedoras. É o maior lançamento que tivemos nos últimos 20 anos. — Meu pai teve dois derrames. E todo mundo está assoviando a canção. — Pearson tornou-se imediatamente sério.. Drexel escreveu uma comprida. Enviei cópias do texto integral de seu discurso a todos os sócios e seus convidados.

teve um estranho fim.. — Deve sentir-se contente por isso. mas não o suficiente. e perfeitamente dispensável. E tentei com o máximo de empenho. O que quer que você tenha dito ou deixado de dizer no Carlton Club era apenas um aditamento. João. Tudo o que ele recebeu de seu Messias foi um louvor que se tornou um epitáfio: "Entre os homens nascidos de mulheres. Disse-me para anunciar a Parúsia. João foi assassinado nas masmorras de Herodes e sua cabeça presenteada numa bandeja a uma dançarina do ventre. — Pode arrumar uma cópia para Mr. Ele me calou. É. Quero saber a sua opinião.. Jean Marie inclinou-se para pegar a mão de Waldo Pearson. Renunciei a tudo para fazer isso. E assim todos ficarão felizes. terapeuta. nenhum é maior que João Batista". Não consigo lembrar-me dos acontecimentos.. 335 .— Relaxe! — disse Waldo Pearson.. — Petrov. Waldo Pearson segurou a frágil mão entre as suas palmas e disse gentilmente: — Também fiquei confuso. Mas quem é ele? — É um te.. Não posso exprimir o que ele faz por todos nós. O primeiro precursor.. Estava tudo ali. Atha? — Claro que posso. Tem importância agora se souberem que sou o autor? — Não creio que isso faça agora alguma diferença. E lembrei-me também de outra coisa. — Perdi a noção do tempo. Enquanto o Messias que ele anunciara ainda estava andando livre pela Judéia. Por quê? Li então as Últimas Cartas de um Pequeno Planeta e compreendi que era o seu testemunho. Não sei o que está querendo agora. Tentei... é um enviado por Deus! Tenho de autografar um livro para ele.. Os generosos vão encontrar Deus no livro.. preto no branco. Os fanáticos dirão que você foi castigado por seus pecados. conhecido como Batista. Sinto-me totalmente confuso. conseguiu os cereais? — Algum. E furioso. E exprimiu-o com um cuidado desesperado: — Ele me mostrou as Últimas Coisas.. Mas antes que eu pudesse dizer tudo. Os acontecimentos estão escapando inteiramente ao nosso controle. Prefiro a versão com a cantora. — Vou tocar a canção. Descobri-me a sacudir o punho para ele e querendo saber o motivo. O pensamento que há semanas vinha tentando definir estava finalmente claro.. Precisava da segurança do contato humano.

Atha saiu do quarto. não deve ficar tão triste assim! — Estou com medo! Ele falou antes que pudesse controlar-se. lendo as manchetes do jornal matutino. — E vamos escutar a música. Era uma simples questão de lógica passar da cogitação do 336 . Mas Mr. mesmo que saísse. falar banalidades elementares e arrastar-se em linha reta por uma calçada de concreto? Pela primeira vez. Jamais ficaria bom. No dia seguinte. E Mr. — Tome mais um pouco de champanha — sugeriu Waldo Pearson. E à medida que o dia foi passando.. Ora. E vou levar seu livro para ler no avião. Precisava viajar ao exterior. para onde está indo? — Vou a diversas capitais. quando Mr. — Para onde. Atha entrou no quarto para informar que ficaria ausente por alguns dias. Mesmo o lugar de luz se extinguiu. se nada produziam além da capacidade de vestir um paletó. Jamais deixaria o hospital. Estava sentado em sua cadeira de rodas. Mas a coragem abandonou Jean Marie no instante mesmo em que Mr. Atha arrematou: — Quando eu voltar. Os interesses de meu pai são amplos. falar. E. tenebrosa como a meia-noite. Tenha coragem. A sessão de terapia de Jean Marie seria conduzida por uma assistente. ele se descobriu a mergulhar cada vez mais num profundo desespero. Jean Marie começou a contemplar a possibilidade da morte. Jean Marie foi dominado por um súbito pânico. para onde iria? O que faria? E de que adiantavam todos aqueles esforços.. Atha não se iria curvar a seu apelo. ele foi afligido por novas pragas. — Então deve enfrentar o medo! Todo o trabalho que realizamos juntos tem um objetivo: fazê-lo andar. não apenas como uma libertação do sofrimento. mas como um ato pessoal de encerramento de uma situação intolerável. Não conseguia encontrar o caminho para voltar até lá. — Mas a verdade é que estou esquecido de muitas coisas. a fim de tratar de alguns negócios do pai. quero encontrar um homem vigoroso e capaz de falar fluentemente. pensar e trabalhar por si mesmo. A depressão. envolveu-o.— Tinha esquecido-me disso — murmurou Jean Marie Barette. A cogitação proporcionou-lhe uma serenidade extraordinária e uma mente tão lúcida e clara quanto a luz fria e interminável das latitudes setentrionais.

constantemente agravada pelo estado em que se encontra agora. — Esse é também o meu maior problema como médico.ato para uma especulação sobre os meios pelos quais poderia ser consumado. O paciente está em luta consigo mesmo. Vamos aplicar-lhe doses mínimas de uma droga eufórica. Se der certo. A viagem de Mr. será bem melhor. Contudo. já não sei mais. Atha foi simplesmente um incidente que desencadeou o processo.. Depois desta experiência. Se começar a sentir-se desesperado... Portanto.. Ficou bastante apavorado com a experiência para mencioná-la ao médico. Mas não se pode prever como ou quando uma crise depressiva vai dominar o paciente. quando este apareceu. Somente quando a enfermeira apareceu é que ele compreendeu. Como uma noção. — Está querendo dizer que tenho outra doença? O neurologista explicou pacientemente: — Estou querendo dizer que acaba de descrever os sintomas clássicos da depressão aguda. Era evidente para todos nós que seus antecedentes religiosos lhe proporcionavam recursos que a maioria das pessoas não possui. até que ponto o devaneio mórbido o levara. vamos intervir... Prometa que fará isso! — Prometo. não deve tentar bancar o bravo ou arrojado. com vontade de chorar. Mande chamar-me imediatamente... Se por acaso se permitir que esses sintomas fiquem sem tratamento.. um 337 .. Não tenho consciência de mim mesmo como dois elementos. avise à enfermeira. antes que a coisa vá longe demais. — Jean Marie falou em tom firme e incisivo. a luz se manteve. — Ele hesitou por um momento e depois formulou uma pergunta inesperada: — Acredita que o homem possui um corpo e uma alma que se separam por ocasião da morte? Jean Marie pensou na pergunta por um momento. E ele disse. incapaz de se controlar. — Mas é difícil para mim sentir-me tão dependente. Mas. receando que um novo turbilhão de nevoeiro pudesse obscurecer a resposta que encontrava. a depressão vai tornar-se crônica. dual e divisível. em sua ronda ao final do dia. Mas. com uma surpreendente fluência: — Era assim que os gregos representavam o homem. no entanto. ótimo! Se não der. espírito e matéria. com um brusco sentimento de culpa. serviu perfeitamente. O médico acomodou-se na beira da cama e falou tranqüilamente sobre o assunto: — Eu estava começando a pensar que era de fato um afortunado e conseguira evitar essa crise. por muito tempo. há outros métodos. graças a Deus. se você puder reprimir e rechaçar a depressão sem a ajuda de muitos psicotrópicos.

Hennessy pegou o volume. Monsenhor! Ele pôs na cama um álbum de recortes grande e um volume em brochura. E na capa estava carimbado: "Provas sujeitas a correções. onde quer que seja possível. O título era A Fraude.. de. Os jornais sérios e as redes de televisão não podem ignorar o assunto.. de.. Insistem em seu direito de comentar o material. mas breves.... mas tornou-se inteiramente impossível. — Isso mesmo. Waldo Pearson pôs-se então a falar sobre o motivo da visita. no resto da Europa. Dois dias depois da partida de Mr. — Cópias disso já foram distribuídas a todas as agências noticiosas internacionais. — Deficiente. começando com um pedido de desculpa: — Eu esperava poupar-lhe o constrangimento. Waldo Pearson e Adrian Hennessy foram procurá-lo.. O livro deverá ser lançado em escala mundial.. O autor era um tal de Luigi Marco. As indagações sobre o seu estado foram solícitas. — Prepare-se para um choque. outra parte está totalmente morta e nunca mais voltará a funcionar. Temos de entrar com ações de interdito na Inglaterra. completamente aturdido. Estados Unidos. uma hora antes do meio-dia. Queremos entrar com as ações para impedir o lançamento. inversamente." A editora era Veritas S... Temos de entrar com processos de calúnia a fim de evitar que o escândalo se espalhe ainda mais. " — Mas que escândalo é esse. afinal? 338 . Num raro relance de seu antigo humor.. Eu sou eu. Contudo. o que é o mais terrível!. Atha.a..músico tocando um piano em que faltam algumas notas ou... Estou de. alguns órgãos da imprensa sensacionalista já compraram os direitos de publicação em série e estão divulgando os trechos mais suculentos. no dia em que lançarmos Últimas Cartas. em 20 línguas. O médico pegou a prancheta que estava pendurada ao pé da cama e escreveu uma receita para um medicamento contra a depressão. do Panamá. uno e indivisível! Parte de mim está parcialmente morta. um violino Stradivarius tocado por um estudante medíocre.p. Jean Marie olhou de um para outro. E precisamos de sua assinatura na procuração. Deficiente. Jean Marie disse: — Não oferece um encantamento para acompanhar o remédio? Mas não havia medicamento ou encantamento disponível para o que lhe aconteceu em seguida. E indagou: — Mas o que aconteceu? Adrian Hennessy abriu sua pasta..

— Vou citar um exemplo — disse Hennessy... Conseguiram obter sobre isso dois relatórios de médicos que o examinaram antes da abdicação. A editora é uma empresa-fantasma registrada no Panamá..e o texto? Waldo Pearson deu de ombro. Não resta a menor dúvida de que se trata de um trabalho de difamação altamente profissional. Eles são 339 . A impressão está sendo feita em Taiwan.. de braços dados. Algumas das fotografias foram tiradas com uma teleobjetiva. o que indica que você estava sob vigilância profissional há muito tempo.. Com uma relutância óbvia. Cópias das provas foram despachadas de avião para as principais potências. no Hyde Park. como os supostos documentários a respeito de espiões. do início da juventude até agora. — Que espécie de fotografias? Jean Marie teve de fazer novamente um tremendo esforço para escapar ao bloqueio fônico. desertores ou escândalos políticos.. apropriadamente intitulado A Fraude. Há uma história sobre você e a mulher de um fazendeiro. parecendo uma dupla de velhos bêbados. Eles fizeram um trabalho meticuloso de pesquisa e habilmente distorceram os fatos. — O que se poderia esperar. redação. Havia diversas fotografias dele e Roberta Saracini. por uma gráfica que produz tais coisas sob contrato.. O ângulo dava a impressão de que o rosto dele estava quase colado no da moça e era fácil presumir que se tratava de amantes num tête-à-íête. tradução e impressão. Uma fúria intensa apoderou-se de Jean Marie e ele perguntou.Waldo Pearson assumiu o encargo da explicação: — O livro. pretende ser um relato verdadeiro de sua carreira. Evidentemente. num gesto desolado. passeando de barco no rio. Hennessy folheou os recortes de jornais no álbum. É uma mistura cuidadosa e muito hábil de fatos.. folheando rapidamente o volume. a fim de apresentá-lo como um homem corrompido e também um pouco maluco... que os serviços de propaganda produzem para o descrédito alheio. — Mostre! — disse Waldo Pearson. nos jardins em Hampton Court. Alguém investiu muito dinheiro na pesquisa. Há também vários outros detalhes exóticos. — Eles descobriram alguém que serviu com você nos Maquis. É claro que os moradores da região atribuíram o crime aos alemães. que foi posteriormente encontrada estuprada e assassinada. o nome do autor é um pseudônimo. ficção e insinuações torpes. Havia uma fotografia de Jean Marie e Alain saindo do restaurante Sophie's. Havia um instantâneo de Jean Marie com a moça aleijada na Place du Tertre. quase sufocando de raiva: — E. mas.

Quem fez tudo isso? De quem partiu a idéia? Como obtiveram todas essas informações? E por quê? — Vamos procurar analisar a coisa objetivamente. Quer mais alguma coisa? — Não. e estava aqui com um nome falso. tentando acalmá-lo. a administração de fundos exige registro público. E revelou-o! Antes que o público pudesse absorver o 340 . onde as nações se preparavam ativamente para uma guerra nuclear. Quando você esteve em Paris.. um jogo. Quero saber de tudo. Basta fazer as piores insinuações. — Adrian e eu conversamos com uma porção de pessoas bem informadas e estamos convencidos de que encontramos uma explicação que se ajusta a todos os indícios disponíveis. Tem certeza de que pode agüentar? — Claro! — Jean Marie estava visivelmente na maior tensão. a reação foi muito pior. Eles estavam preparando o povo para participar de uma competição de destruição nuclear.. era na verdade a única sanidade disponível. que fez com que parecesse um louco. Os criadores de escândalos não precisam coisa alguma. — O pai dela roubou o Banco do Vaticano em vários milhões... em que cada lado comete a mesma carnificina. Waldo Pearson pôs-se a falar no tom destituído de inflexões de um homem que é portador de más notícias: — A partir do momento em que você afirmou ter tido uma revelação pessoal das Últimas Coisas e se dispôs a publicá-la numa encíclica aos fiéis.. Sabe-se que você possui um patrimônio substancial. Com suas visões de horror e Juízo Final. Se você beija sua mãe numa estação ferroviária. porém. você se transformou numa ameaça para os fabricantes de mitos.muito bons com os "mas. mas forçou as palavras a saírem incisivamente. — Waldo Pearson falou suavemente.. do qual Roberta Saracini é administradora. Você viu o horror. foi fotografado na Inglaterra passeando com ela de mãos dadas. Sabe o que aconteceu na Igreja e como os Amigos do Silêncio se tornaram encarniçados. Lá fora. pela mesma não-razão! Sua visão. — Não se preocupem comigo.. isso é indício de incesto.. Na França. O fato de você tê-lo defendido das acusações de heresia e posteriormente oficiar o casamento dele só serve para reforçar a insinuação. — O que eles dizem a respeito de Roberta? Hennessy franziu o rosto numa expressão de profunda repulsa. Depois. um jogo diabólico. de Tübingen.". Seu melhor amigo é Carl Mendelius. tornou-se um homem perigoso. É o mais terrível nesse tipo de trabalho. O dinheiro jamais foi recuperado. ficou hospedado na casa dela. mas eles insinuam que você o ajudou a conseguir a liberação do sacerdócio por causa de uma ligação homossexual.

.pensamento. com dinheiro à vontade para as despesas. — Teremos de nos empenhar em batalhas judiciais nos principais países. em plena evidência. e pode-se descobrir todos os segredos da vida de um homem em apenas um mês. de sua liquidação. um importante agente-residente. Chegaram a cogitar. não há qualquer garantia. Também foi vigiado na Inglaterra. no momento em que os tambores da guerra estivessem ressoando. conforme Adrian e eu descobrimos. tiveram outra idéia: desacreditá-lo totalmente. Você sabia que ele tentou matar Carl Mendelius.. isso representaria apenas um alívio temporário — disse Adrian Hennessy. — Mas quem organizou tudo? — Dolman foi o homem que ficou no controle e tinha um bom motivo para isso. "Durante todo o tempo. através de fontes diferentes. Em vez disso. — A coisa toda faz sentido. você era um homem controvertido. Foi uma recomendação praticamente unânime. Você terá de pagar a maior parte com seus próprios recursos. Afinal. lentamente: 341 . Na França. Afinal. — E também acarreta um problema. mesmo na Inglaterra. e que além do mais poderia não haver mais súditos depois da primeira explosão. seu próprio país. — Não me escondam nada. por favor! — pediu Jean Marie. de que terá um julgamento justo. Jean Marie pensou por um momento e depois disse. entrou imediatamente para a lista negra e passou a merecer uma vigilância total.. — Mesmo que tenhamos sucesso nas ações judiciais. poderia gritar que o rei estava nu. Mas eu era um patrono dos mais respeitáveis e lhe servia como garantia junto ao nosso Governo. Na Alemanha. Mas quando se soube que seu livro já estava sendo produzido. O que custará muito dinheiro.. denunciou um agente da CIA. Jean Marie perguntou: — Como eles conseguiram todo esse material tão depressa? — Dinheiro! — respondeu Adrian Hennessy bruscamente. Mas isso não era fácil. no entanto — prosseguiu — você continuava a ser uma presença incômoda para os poderosos. — Basta pôr em campo uma quantidade suficiente de agentes. Com a hostilidade da Igreja oficial e a plena cooperação em alto nível dos Governos. E já sabe agora como fizeram isso.. E como estamos agora em tempos sombrios e em breve estaremos vivendo sob leis de emergência. abandonaram o plano de liquidá-lo. o trabalho é tão fácil quanto cozinhar um ovo. com a maior veemência. era preciso silenciá-lo..

terá de aceitar a nossa palavra de que os documentos foram elaborados pelos melhores advogados da Inglaterra. os debates tornando-se mais acirrados. — Aceito a palavra de vocês. Não pode dar-se ao luxo de virar um paranóico. contagiando até os meus amigos mais íntimos. Não pode saber quais os artifícios que foram utilizados para persuadi-las a falar. — A menos que queira ler meticulosamente uma verdadeira montanha do que se convencionou chamar de linguagem jurídica. Para disporem de tantos fatos para formularem suas calúnias. será a de contarmos com uma cobertura maior dos meios de comunicação. Agora. não o de qualquer outro. Hennessy e eu somos seus aliados. Ao final.. 342 . Estou preocupado por causa de pessoas como Roberta. sou uma quantidade mínima. precisamos de sua assinatura nos documentos. Quando eu era Papa. Acho que deve simplesmente aceitar o que aconteceu. Estados Unidos e França. — Jean Marie já estava assinando os primeiros documentos. mas estamos sempre falando a seu respeito.— Disponho dos recursos necessários. que vão sofrer muito porque seus nomes estão ligados a mim nas calúnias. e com o meu próprio dinheiro... devemos lutar contra essa monstruosidade em qualquer campo de batalha que pudermos encontrar. Elas podiam até estar pensando que lhe prestavam um favor. Não sou ingênuo ao ponto de acreditar que podemos vencer.. — Na escala de catástrofe final. tudo se resumirá a um julgamento pessoal na mente de cada leitor: o autor das Cartas pode realmente ser o mesmo canalha que está representado nesse pedaço de lixo? — Enquanto isso. O Vaticano. O que me ocorre é um não-acontecimento. Podem ter sido simples comentários. Se alguma diferença houver. — Mas o simples fato de essas pessoas terem fornecido informações a um entrevistador não significa que sejam suas inimigas. eles devem ter obtido informações de muitas pessoas que me conheciam bastante bem. Mas temos de lutar. — Isso é mais do que evidente — disse Waldo Pearson.. lutar da melhor forma que puder e depois dizer aos desgraçados que vão para o inferno. só espero que isso não prejudique a sua publicação das Últimas Cartas. Waldo. Nem que me custe minha última moeda. Tenho certeza de que deixamos escapar frases e opiniões que foram aproveitadas nas insinuações e acusações falsas. todas as pessoas com quem entrava em contato sentiam-se abençoadas.. por exemplo. — Sou um deficiente e não um paranóico — disse Jean Marie. — Mas devem lembrar-se de uma coisa. sou na verdade um portador da praga. fervilha de comentários e intrigas. — Pode estar certo de que isso não vai acontecer. — Hennessy estava tirando-os de sua pasta.

. mas triunfante. Assim. Por mais que melhorasse. Quaisquer que fossem os terrores que tivesse de enfrentar agora. estava cansado. A família também ficaria satisfeita. O telefone de Carl Mendelius estava desligado.. Waldo Pearson fora passar alguns dias no campo.. Hennessy voltara a Nova York. descobriu que estava andando com mais confiança. Ele determinará provavelmente uma nova série de testes e exercícios. que o braço lesionado reagia bastante bem às mensagens dos centros motores.. pela primeira vez. numa escala ascendente. O mundo gostava dos canalhas e não tinha paciência com os incompetentes. ei. mas sem fazer um esforço demasiado. O terapeuta encorajou-o: — É assim que acontece nos casos em que há prognósticos favoráveis. Jean Marie pediu um medicamento para fazê-lo dormir. Ora. mais do que se fosse realmente culpado de todos os abusos e crimes que lhe atribuíam. Atha estivesse presente para partilhar aquela sua primeira vitória concreta. Ao chegar. Quaisquer que fossem os resultados das ações judiciais. ele sairia desacreditado. aproximandose dos 66. Por favor. mas. mas preocupado. o segredo é desfrutar a melhoria.. Vou comunicar a seu médico. A fala estava sistematicamente clara e raramente hesitava à procura de uma palavra específica. a qualquer momento. acordou mais tarde do que o habitual. Ele gostaria de que Mr.. sem qualquer ajuda. cuja melhor expectativa seria uma vaga de 343 .Naquela noite. E depois. vítima de um derrame cerebral. a fim de comunicar as boas notícias. ainda era um homem de 65 anos.. Pela manhã. que geralmente persiste. depois. mantenha-se em contato! O que levou Jean Marie a encarar o problema de seu próprio futuro. a idéia é sensacional!. Os pacientes melhoram consideravelmente. passam por um longo período em que parece não haver qualquer progresso mais acentuado. Deitou-se e deu diversos telefonemas. Ficou satisfeito ao tomar conhecimento dos progressos de Jean Marie. Roberta Saracini estava em Milão. um sacerdote aposentado. pelo menos poderia enfrentá-los de pé. sujeito a ter outro. Mas não conseguiu falar com ninguém. Jean Marie Barette seria exatamente o que seu passaporte dizia: pasteur en retraite. por menores que fossem as suas deficiências residuais. Ainda não está em condições de jogar futebol . Na sessão de terapia.. não vamos apressar-nos! Agora. mas sentindo-se revigorado e lúcido. bem que pode começar a nadar! Jean Marie voltou a pé para o quarto. O irmão Alain estava disponível. em seguida há outra melhoria súbita.

A última carta de Lotte. Era o dia 15 de dezembro. toda uma seqüência de pequenos movimentos executados sem a menor dificuldade!. pelo menos no início. Devia tentar também praticar um pouco de alemão. Não há muito mais que possamos fazer para ajudá-lo.. de quando era datada? O que ela dissera a respeito de seus planos e movimentos? Jean Marie voltou pelo corredor. E mais 10 dias e seria Natal. o médico lhe dissera que não deveria ficar remoendo pensamentos sombrios... 344 . onde poderia distrair-se com seus livros e seu jardim. exercícios regulares e precisará. respondendo ao cumprimento da enfermeira da noite. poderemos pensar em conceder-lhe alta dentro de mais alguns dias. mas como estamos ficando desenvoltos! Respondeu também à saudação do servente jamaicano.. Estava quase na hora das visitas.. Ele tratou de se censurar. antes de tornar a encontrar-se com Carl Mendelius . cara! Ele vasculhou a primeira gaveta da cômoda. Se o resultado for o que estou esperando. O que fora mesmo que Mr. Floreio! Isso era sensacional! Estava agora sendo capaz de coordenar os pensamentos em duas línguas. que lhe disse: — Ora. porque Petrov não conseguira obter os cereais necessários e os Exércitos soviéticos marchariam ao primeiro degelo. Ao cair da noite. Talvez queira pensar nessa perspectiva. Voltaremos a conversar amanhã. pegou uma bengala e pôs-se a desfilar cuidadosamente pelo corredor. apenas para provar que sua recémadquirida capacidade de trocar de roupa sozinho não era uma ilusão.capelão num hospital ou um chalé no campo. A preleção terminou com uma surpresa: — Determinei um encefalograma para depois de amanhã. acenando em cumprimento a seus companheiros das sessões de terapia. vestiu um pijama limpo. mas tinha muito mais floreio do que a mera classe.. um passo. pôs um roupão e chinelas.. mas também ostentosamente.. está bem? Depois que o médico se retirou. Atha dissera? Devemos ter panache! O inglês sempre traduzia como classe. um pulo. de alguma ajuda na vida doméstica. os demônios insidiosos da depressão voltaram a acometê-lo e o médico teve de fazer-lhe uma preleção sobre os acessos maníaco-depressivos e a maneira de controlálos.. Terá de fazer checkups trimestrais.. um arrastar dos pés e um convite: — Vamos cair na dança. Jean Marie verificou o calendário em sua agenda. Jean Marie arrumou-se com extremo cuidado. Menos de cinco minutos antes. Ele ficou pensando onde poderia passá-lo e a quantos mais Dias da Natividade o mundo poderia assistir.

. ele perdeu uma das vistas e usa agora uma venda preta por cima. que venha imediatamente encontrar-se conosco na Baviera. Ela é muito afeiçoada a Carl. assim como também aprendi a não sentir ciúme de você. Carl e eu iremos encontrar-nos com eles no vale na próxima semana.. Carl está morrendo de vontade de conversar com você a respeito. Quando precisarmos de dinheiro. Somos a sua família. Katrin e mais um pequeno grupo de amigos já estão no vale há quase um mês. Vendemos nossa casa em Tübingen. Estão tentando tornar os prédios principais habitáveis e acumular suprimentos suficientes.. Quando vão deixá-lo sair do hospital? Carl insiste. Há bem poucas coisas que não pode fazer sozinho. Começo a balbuciar e gaguejar. Voe direto para 345 . Ele se tornou extremamente hábil com o artefato protético que lhe substitui a mão esquerda. Estava datada de 1º de dezembro. "Nosso querido Carl está ficando mais forte a cada dia que passa. poderemos empregar papai num seriado de televisão como A Ilha do Tesouro ou O Mar dos Piratas! Johann.. Mas tal não acontece. e é claro que através também das cartas de seu gentil amigo na Inglaterra. acabo gritando por Carl. envie um telegrama para o endereço bávaro que lhe fornecemos. na Baviera. antes da chegada do inverno. mas compreendemos por que hesita em usar o telefone. especialmente quando estou falando para o exterior. e Anneliese Meissner diz que é muito importante que você siga diretamente do hospital para um lugar seguro.. E como está você. assim como nós. Waldo Pearson. Assim. Eles são muito bons um para o outro e aprendi a não sentir ciúme dela. querido amigo? Guardamos todas as suas mensagens. Temos agora uma nova piada familiar. Isso e mais as outras lesões no mesmo lado do rosto lhe proporcionam uma aparência muito sinistra de pirata. Também me sinto inibida. Acompanhamos seus progressos pela caligrafia. Pensei que seria um suplício deixar Tübingen depois de tantos anos. quer seja a Baviera ou os Mares do Sul.. teremos de levar apenas os livros de Carl e os poucos pertences pessoais que ainda significam alguma coisa em nossas vidas. Ela também pode passar algum tempo das férias de inverno conosco. Infelizmente. Aguardamos ansiosamente o recebimento de um exemplar do seu livro. . Não importa muito para onde vamos agora. toda mobiliada. Assim que souber quando terá alta.encontrou a carta de Lotte e depois se sentou na cadeira de rodas para lê-la.

. Mais e mais tropas americanas e britânicas estão sendo deslocadas para a Renânia. Receia de que as fronteiras possam ser fechadas antes que você tenha tempo de vir encontrar-se conosco. Mas imagino que todas as nações possuem as suas galerias subterrâneas de deuses guerreiros". é claro. Há um constante recrutamento de especialistas e também. segurando um embrulho em papel pardo.. Dolman avançou pelo quarto e foi acomodar-se insolentemente na beira da cama. Por um momento. Há uma grande tensão por toda parte.. É como se todas as antigas e sinistras divindades teutônicas estivessem sendo chamadas de suas cavernas. com uma prece rápida e desesperada para que a língua não lhe falhasse e o deixasse envergonhado na presença do inimigo.Munique e estaremos à sua espera no aeroporto. cordialmente. — Vim trazer-lhe um exemplar encadernado de A Fraude — acrescentou Dolman. — Vai encontrar dentro uma lista das pessoas que demonstraram o maior prazer em traí-lo. Estava agora no pleno controle de si mesmo. como já era de se esperar. Eles também estão afetados pela febre da guerra. Mesmo Carl e eu nos descobrimos a usar frases que ouvimos pelo rádio ou televisão. a fim de levá-lo para o nosso vale. Não vai ajudar coisa alguma nos tribunais. Fez um esforço para reprimi-la. A tônica da imprensa é francamente chauvinista e o clima na universidade é muito estranho. A loucura contagia a todos nós. Santidade! Jean Marie levantou os olhos para deparar com Alvin Dolman. — Parece estar muito bem — comentou Dolman. Pode-se observar a passagem de incontáveis comboios militares. Dolman também estava de pijama e roupão. Uma voz rude e transatlântica interrompeu a leitura: — Boa-noite. Carl fica ansioso de vez em quando. Jean Marie ficou completamente atordoado com a insolência sardônica do homem. Depois. Jean Marie continuou calado. encostado no umbral da porta e sorrindo. Jean Marie nada disse. sentiu uma raiva intensa a ferver-lhe interiormente. de uma forma que jamais se poderia prever. Mas também 346 . O mais extraordinário é que poucos estudantes protestam.. — A enfermeira me disse que terá alta em breve. Achei que ficaria satisfeito em lê-la. as rigorosas medidas de segurança que Carl e Anneliese tanto temiam. Esperaria que Dolman declarasse o que estava querendo. É um terrível choque ouvir todos os antigos clichês e slogans! Agradeço a Deus todos os dias pelo fato de Johann e Katrin estarem longe.

. E ainda posso optar pela saída de cena depois.. Vão tirar a parte atingida e substituí-la por uma pequena bolsa. — Para partilhar uma piada com você — respondeu Alvin Dolman. Se o fizesse. Depois. e de você! Mas não vou ter! .. Não há esperança para ela. Em vez disso. Não contesto as ordens que recebo. já é agora uma carta fora do baralho. Encontrei uma profissão em que posso aproveitar-me da loucura.nada ajuda. — O que há em sua vida ou em si mesmo que considera tão valioso? — Não muita coisa — respondeu Dolman. vou dizer-lhe o que penso.. Não há necessidade de tomar tal providência em seu caso. como tudo parece sem sentido. — Mas acontece que estamos armando um drama infernal. como a que mandei para Mendelius. sorrindo. O que pensa de tudo isso? — Por menos que valha a minha opinião. — Achei que iria gostar. Qualquer que seja o veredicto. não é mesmo? Afinal.. E este era o único hospital de Londres que podia aceitar-me às pressas. sãs ou insanas. que carregarei pelo resto da vida. Disponho de todos os instrumentos para uma saída de cena rápida e sem dor. — Gostaria de saber por que hesita — disse Jean Marie. a lama já estará espalhada.. Nada sei a respeito do resto de sua vida ou o que fez a outras pessoas.... Ele pôs o pacote na mesinha-de-cabeceira. a grande explosão que vai acabar com todo o nosso passado e talvez com o futuro também! Talvez valha a pena esperar para assistir ao espetáculo de camarote. estaria num hospício. estou triste. Não faço julgamentos a respeito delas. Você é o homem que profetizou a coisa. boas ou más. tão apavorado que precisa de empenhar-se no jogo tolo do escárnio! Quer que eu sinta medo como você... A verdade é que vou ser submetido a uma intervenção cirúrgica amanhã. porque sei como se está sentindo. Fui treinado para isso e é o que faço. num caso como este. 347 . — Isso é apenas para provar que não se trata de uma bomba. Mas como se sente em relação ao que fez a Mendelius e a mim? — Indiferente! — A resposta foi imediata e categórica. Estou com câncer no intestino. tornou a pegá-lo e abriu-o parcialmente. — Apenas aquela velha história do cumprimento do dever. Você está apavorado. A humanidade é uma tribo doida.. Estou perguntando-me agora se realmente vale a pena tanto trabalho. — Por que me veio procurar? A voz de Jean Marie era fria como a geada. e como um homem pode parecer inútil a si mesmo! Esta é apenas a segunda vez em que nos encontramos.

— Dolman inclinou a cabeça para o lado. fui eu quem recomendou liquidá-lo. E disse. estou pelo menos na mesma situação que você. pensei imediatamente: por que não liquidar dois coelhos com uma só cajadada. pensativo. primeiro a você e depois eu mesmo? Lembrei-me daquela noite em Tübingen. Jean Marie continuou imóvel.. — A explicação ainda não é suficiente! — Está bem. O argumento foi o de que seria melhor desacreditá-lo do que transformá-lo num mártir. Cumpro todos os contratos. uma cápsula de gás letal suficiente para liquidar a nós dois. tornou-se claramente desnecessária. no entanto. Depois que você chegou à Inglaterra. — Curiosidade. Eu queria ver como você estava. Estaria 348 . Ele cobriu o nariz e a boca com um lenço. As únicas coisas em que não me envolvo são amor e ressurreição... observando-o. a não ser que eu cubra o nariz com isto.. a exceção dos franceses. como um pássaro predatório contemplando sua vítima.. com o que é. enquanto apontava a caneta para o rosto de Jean Marie. vou dizer-lhe tudo. Ele fez uma pausa. Quando me deram ontem a notícia de que teria de submeter-me a uma operação e que ficaria carregando o meu próprio excremento pelo resto da vida. Mas Duhamel interveio.. Apresentei uma dúzia de planos simples.. E quando sofreu o derrame. antes de continuar: — Mas eu nunca pensei assim. Estendeu na direção de Jean Marie. Todos se esquivaram a uma decisão. No final das contas. Isso implica algo mais do que apenas indiferença... — E veio por sua própria iniciativa. — Quando tudo isso começou. Você e os outros vêm apregoando a salvação através do Senhor Jesus há 2 mil anos. suavemente. Dolman meteu a mão no bolso do roupão e tirou uma caneta de ouro. enquanto sopro o gás em você.. a liquidação parecia uma solução menos proveitosa.Trabalho para o que é. calmamente: — Há muito tempo que aceito a morte como algo inevitável. Eles sempre foram adeptos de soluções rápidas e indolores. quando disse que me conhecia e ao espírito que habitava em mim. — Isto é a Morte em uma de suas vestimentas mais elegantes. e veja agora até que ponto isso os levou! Pense onde está neste momento! — Você também está aqui — disse Jean Marie. Acho que nunca odiei ninguém tanto quanto o odiei naquele momento. Concedeu-lhe um passaporte especial e espalhou a notícia de que iria liquidar quem quer que tentasse liquidá-lo. E devo dizer que parece muito bem.

— Ainda está vivo. o rosto de um clochard envelhecido. — Espere um instante. seria uma piada de mau gosto. — O nome dele é Legião. — Não me está querendo ouvir! — O sorriso tenso estava de volta. parecendo extenuado. um ricto de júbilo silencioso que era mais terrível do que uma gargalhada. Tem muita sorte por eu não tê-lo matado esta noite. E acrescentou. enlouquecemos e o destruímos. — Jean Marie falava com uma autoridade serena e um humor sutil... — Sei disso. — O tom de Jean Marie era sombrio. Dolman — disse Jean Marie. Alvin Dolman. Ainda está suscetível à mudança. — Não está entendendo a coisa — murmurou Alvin Dolman. — Não precisa incomodar-se. Ele se inclinou e pegou o pacote parcialmente aberto na mesinha-decabeceira. Sou de uma raça diferente.. É um habitai de demônios. mas não o faço. Dolman. demônios demais para um homem idoso levar dentro de si! A máscara tensa e sorridente desmoronou num rosto cansado de meia-idade. — Posso parecer como qualquer outra pessoa. que desperdiçara todas as suas oportunidades e agora não tinha para onde ir.. 349 . Vou voltar para o meu quarto. Posso encontrar o caminho sozinho. Não está possuído por demônios.. aberto à misericórdia de Deus. — Vamos tratar-nos mutuamente como simples seres humanos.. Mr. dando de ombros: — De qualquer forma.. tente domesticar-nos. Mr. — Eu disse que posso encontrar o caminho sozinho! — Por que ficou tão zangado por causa de uma cortesia? — Deveria saber o motivo! — Dolman estava agora sorrindo. O rosto de Dolman transformou-se subitamente numa máscara pálida de raiva. —Disse-me em Tübingen que conhecia o nome do espírito que habitava em mim! — E sei mesmo. Somos cães assassinos. — Jean Marie levantou-se lentamente. — Convocamos os nossos demônios porque não podemos conviver com nós mesmos. — Jamais conseguirá encontrá-lo sozinho. gentilmente. fez um gesto cômico de resignação. — Há muito tempo que você perdeu o seu caminho. — Vou acompanhá-lo até o elevador.. — Sente-se.prestando-me um favor. Tente mudar-nos. Mas não vamos exagerar o drama. — Dolman tornou a guardar no bolso o lenço e a caneta. — Acho que eu apenas precisava de provar isso a mim mesmo.

se o demônio coxo era míope ou tinha uma visão aguçada demais para ser feliz. Seus documentos e pertences pessoais já haviam sido levados por um representante da Embaixada dos Estados Unidos. ao mistério aterrador do desespero e do mal. tristemente. não era possível dividir o mundo em preto e branco. embora maléfico. telefonou para a enfermeira do andar de Dolman. antes um Papa. especialmente quando se era um assassino de meia-idade. com câncer no intestino. Foi informado de que Mr. mesmo que apenas por um momento. Estava sendo providenciada uma autópsia para determinar a causa da morte.. Assim. Não eram verídicas as histórias contadas por Vovô Barette. Mais uma vez. mas fora emudecido no momento de anunciá-las. Independente do que dissessem as Escrituras. a fim de mostrar o mal que ali habitava. Jean Marie não podia ignorar sumariamente um homem que. Jean Marie estava de volta às trevas. No dia seguinte. preferiam estourar os miolos com uma espingarda de caça ou se trancavam numa cabana nas montanhas e uivavam até a morte.Ele saiu do quarto sem dizer mais nada. Ele seguiu o caminho inevitável da própria perdição. levantando os telhados das casas.. talvez não fosse tão estranho ver no suicídio de Dolman um ato de arrependimento e na visita dele uma vitória sobre o assassino que habitava em seu corpo. o mundo era um bom lugar para se deixar. 350 . Recebera uma missão de proclamar as Últimas Coisas. Dolman morrera durante a noite... que vagueava pela cidade à noite. ele ofereceu a oração das completas por Alvin Dolman. e fora levado à cogitação do suicídio. Jean Marie foi até a porta e ficou observando-o claudicar pelo corredor comprido. Ele próprio tivera a graça de uma revelação. tinha muita experiência do paradoxo para acreditar que o Todo-Poderoso dispensava a justiça da fronteira. para não contagiarem suas famílias. Vidas haviam sido encerradas. Não era suficiente ater-se ao julgamento sem o amor dos puritanos: — O perdão foi oferecido. ao meio-dia. Pelo que ele podia recordar. de homens mordidos por cães raivosos? Eles sabiam que a morte era inevitável. fora um elemento no concerto divino. vidas prejudicadas e vidas enriquecidas. com o pacote de papel pardo debaixo do braço. o perdão foi rejeitado. Naquela noite. A menos que se acreditasse num Criador generoso e em alguma espécie de graça salvadora. de uma parada cardíaca inexplicável. Jean Marie perguntou-se. pela presença de Dolman no planeta. de quem era salvo e quem não era. Jean Marie Barette. Lembrou-se da velha história do demônio coxo. o demônio coxo jamais encontrara o bem em qualquer parte. Assim.

Atha estivesse ali. a fim de levá-lo ao ginásio. 351 . Quem gerou o homem que treinou o cão assassino? E quem era o imperador cósmico que olhava lá de cima. enquanto o filho era dilacerado pelo cão? Era apenas meio-dia. mas a escuridão da meia-noite envolveu-o novamente. numa eterna indiferença. Ele desejou que Mr.quem era em última análise responsável por toda aquela terrível confusão. arrancá-lo das trevas e conduzi-lo ao centro de luz.

Abra a caixa.. quando Jean Marie jantava. Lá dentro. Há demoras em todos os aeroportos. Atha retornou à vida de Jean Marie tão casualmente quanto saíra. ele entrou no quarto. — Olhe só! As duas estão funcionando! Fez uma boa viagem? — Foi. Era de ouro. — Ele pôs um pequeno embrulho na bandeja. Foi o filho quem fez essa gravação. Atha contou a história: — Esse anel me foi dado por um amigo em Istambul. — Jean Marie estendeu as duas mãos para cumprimentá-lo. Jean Marie abriu a caixa. Atha explicou: — A gravação é de invocações a Alá. dentro da qual havia uma pequena caixa de prata. Há um velho em Alepo que costumava fazê-las.. Jean Marie abriu o pacote e encontrou uma bolsa de couro mole. — Está muito difícil viajar agora. ao estilo de camafeu. Mas olhe o seu presente. — Aqui está a sua recompensa. — Senti sua falta. como um seixo desgastado pelo movimento do mar. como se fosse alguma peça numa exposição de flores.CAPÍTULO 14 Mr. Atha era evasivo em relação a si mesmo.. aninhado em seda branca. movimentada. A esmeralda estava gasta e arranhada. Mr. muitas intervenções da polícia e dos militares. Naquela noite. a pedra uma esmeralda clara. Ele está cego agora. — Estou vendo que fez um esplêndido progresso. As pessoas estão desconfiadas e com medo. Mr. Ele disse que 352 . com uma gravação intrincada. contemplou-o de alto a baixo. — Como sempre.. sorriu em aprovação. havia um anel antigo. com a cabeça de um homem esculpida. Mr.

Silvano e Timóteo.. — Ele soltou uma risadinha hesitante. Se minhas bênçãos servem para alguma coisa. — Graças a Deus! Os médicos dizem que poderiam conceder-me alta imediatamente. Jean Marie meteu o anel no dedo. à igreja dos tessalonicenses.. "Paulo. Paz!" Meu amigo acha que pode ter alguma relação com o Apóstolo Paulo e seus dois companheiros. "Graça e paz a vós outros!" — Mr. — Eu sabia que você era um crente. Deixe ver se consigo lembrar.. — "Damos sempre graças a Deus por todos vós. já que renunciou ao anel do Pescador. meu amigo.. Mr. procurando recordar as palavras seguintes. Acontece que fui criado na tradição judaica.certamente é do primeiro século da era cristã e provavelmente veio da Macedônia.. Já foi submetido a todos os testes e os resultados são ótimos. Atha concluiu a citação. Quem sabe? Pensei que poderia gostar de usar este anel. Posso deixar o hospital durante o dia e voltar ao cair da noite. E acabou murmurando: — Desculpe-me.. — E ficará surpreso com o quanto terá de agüentar — comentou Mr. não sou um crente.. Não consigo recordar o resto. Atha havia muita preocupação e ternura. Ajustava-se perfeitamente.. Não podia deixar de ser. — E vai ficar ao meu lado? Leve-me a passear por Londres. mas não seria maravilhoso se fosse de fato um presente de Timóteo para Silvano? Eles estiveram juntos na Macedônia. eles podem controlar minhas primeiras reações à tensão física e psíquica. Silvano e Timóteo. então as tem todas. e não 353 . Por trás da lembrança de Mr. li a carta quando meu amigo me falou sobre a possível proveniência do anel. Tornou a tirá-lo e pôs de volta na caixinha de prata. mas não posso fazer pessoalmente o ato de fé. Isso está evidente na carta de Paulo aos tessalonicenses. Atha. Pareceu-me bastante apropriada: "Graça e paz a vós outros!". — Imagino que se precisa de alguma fé. Mas diz o seguinte: "Timóteo para Silvano.. Precisa de olhos jovens ou de uma lente de aumento para lê-la. Quanto à citação nos Tessalonicenses... E agora vamos falar a seu respeito. Ele usou a palavra francesa croyant. Mas preferem que eu continue aqui por mais três ou quatro dias. — Não." Jean Marie ficou aturdido. em Deus Pai e no Senhor Jesus Cristo". Atha sacudiu a cabeça.. Há uma inscrição meio apagada em grego atrás da pedra. — . Jean Marie estava profundamente comovido. dizendo: — Obrigado. Jean Marie franziu o rosto. Dessa maneira.

Atha.poderia também voar comigo até Munique e entregar-me a meus amigos? Eu gostaria de passar o Natal com eles.. meu amigo. E tenho certeza de que vão gostar também da sua companhia. Jean Marie ficou boquiaberto... e vendendo muito bem. pacientemente: — É que todas as estimativas estão baseadas nas avaliações dos manuais. mas de simples fato. sombriamente... Não quero afastá-lo de outras pessoas que precisam de você. Estaremos em guerra antes do Ano-Novo. Pelo que sei... — Isso mesmo.. apesar de sua péssima reputação! — Isso só pode significar. — Mesmo assim. — Não precisa dizer mais nada. na premissa de que sairá vitorioso quem atacar primeiro e que o resultado será decidido numa semana. É um cliente bastante especial. A lógica da história é a de que não se começa uma guerra assim no inverno. mar e ar. muito menos entre a Rússia e o resto da Europa ou entre a Rússia e a China. uma guerra convencional por terra.. num espanto total. com as maiores sendo mantidas em reserva para as negociações.. — Mas também que provas você pode apresentar de sua visão. Também li o outro livro. — Tudo estará esquecido antes do final do ano. mas é que estou sem prática nas coisas mais simples. Ah. Sempre tive a intenção de acompanhá-lo até que estivesse inteiramente recuperado. — Que provas pode apresentar? — Nenhuma — respondeu Mr. Atha. — Eu gostaria de sentir-me tão confiante. Mas estava disponível nos lugares em que estive. Pode contar com a minha companhia. — Não é uma questão de confiança. como eles sabem tão pouco! — E o quanto você sabe? — Jean Marie estava agora cauteloso e havia um tom áspero em sua indagação.. escalando para um uso limitado de armas nucleares táticas. — Como pode dizer uma coisa dessas? Todas as estimativas que ouvi nos davam um prazo até a primavera pelo menos. Eles vão começar desta vez com os maiores fogos de artifício. — Especialmente a Roberta. ou mesmo do que escreveu nas Últimas Cartas de um Pequeno Planeta? Creia no que lhe 354 . foi proibido por ação judicial em alguns países. — Nem tanto — disse Mr. de que a lógica da História já foi abandonada. Atha explicou. Mr. vai prejudicar uma porção de pessoas — murmurou Jean Marie. É uma caricatura vergonhosa... Mas receio. possivelmente até o verão.. calmamente.

— Receio de que isso nunca será possível. com Duhamel e a mulher seguros nos braços da Eterna Misericórdia. que era o símbolo do vínculo entre os dois. homens em cápsulas lá em cima. Virei buscá-lo às 10:30 horas da manhã. Mas a realidade é muito diferente: homens em cavernas de concreto. e não haverá qualquer aviso prévio. movimentos de tropas.. reuniões de ministros. Não gostaria de entediálo com o relato.. O que estamos presenciando agora. — Não li o livro.. Vai acontecer.. — Como sabe que Duhamel é meu amigo? — Ele está mencionado em A Fraude. as pessoas esperam por tais coisas e é o que os governos lhes estão dando. Jean Marie levou um longo tempo para contar... ruidosamente. Seu amigo Duhamel virá com ele.. Há uma história comprida entre mim e Duhamel. E espero encontrá-lo devidamente vestido e em seu juízo perfeito! 355 . — Seria maravilhoso saber que alguma coisa estava acertada na salvação. desde o momento do seu primeiro telefonema do gabinete do irmão Alain à determinação de Duhamel de acabar tudo no Dia do Rubicão e à taça do cosmo... É a tradição. A matemática é complicada demais para os cálculos humanos. — Isso não faz a menor diferença. não passa de uma grande encenação. — Oh! — Jean Marie estava constrangido.. sim! — disse Jean Marie. Mr.. Ouviu o noticiário vespertino? — Não. Atha acrescentou seu comentário: — E agora está querendo tudo arrumadinho e preso com uma fita rosa.estou dizendo. — O Presidente da França chega amanhã a Londres para conversações de emergência em Downing Street. Tenho de deixá-lo agora. — Nunca fico entediado. Fale-me a respeito de Duhamel. exercícios de defesa civil. Tenho minhas dúvidas se Duhamel concordaria com a sua interpretação dos acontecimentos globais. Foi uma grosseria da minha parte. — Faz para mim! — Ele falou asperamente e no mesmo instante se arrependeu. esperando pela ordem derradeira e fatal. Quando a história terminou. É isso? — É. — Desculpe-me. Jean Marie largou o garfo. Sou apaixonado demais por este pequeno mundo. veemente.. muito abaixo da superfície.

de excitamento por alguma idéia recentemente apreendida... Atha. — E agora vamos pegar 356 .. Isso significa que é uma criatura de recursos quase inacreditáveis. — Relativa ou absolutamente? Jean Marie o estava provocando. Com Mr. de raiva diante de uma injustiça. sempre houvera os momentos explosivos. Atha.Era extraordinário como. Atha. era inexoravelmente calmo. — Absolutamente — responde Mr. Com Mendelius. Atha transformava a tristeza numa esperança que não parecia incongruente. O homem é feito à imagem e semelhança de Deus. — E não sou. como um vasto rochedo num mar turbulento. Mr. — Em terra mais pobre e mais simples. Experimentamos cataclismas. O mais estranho é que os homens que descobriram os segredos do átomo vão agora usar esses mesmos segredos para se destruírem. Absorvia-a. os rostos das mulheres olhando as vitrinas. como às vezes acontecia. Os mendigos nos lembram nossa própria sorte e os loucos são abençoados por Deus com visões negadas aos outros. até mesmo a chuva miúda que os levou a procurar abrigo no conforto de um pub inglês. — Porque é incapaz de aceitar a própria mortalidade. Mas havia uma diferença. com uma questão teológica.. os prazeres mais simples tornavam-se excepcionalmente preciosos: a visão de crianças brincando no parque. A crença é-me impossível. — Pensei que me tivesse dito que não era um crente. Atha. — O que há em nós que nos leva inevitavelmente ao precipício? — Foi ensinado desde criança. Se Jean Marie ficava triste. Compreendi-a. à sombra da predição de Mr. de potencial tremendo. O homem sempre pensa que pode enganar o carrasco. ao contrário. respeitamos os mendigos e honramos os loucos. Ele não comunicava emoção.. Jean Marie sentia o mesmo companheirismo fácil que desfrutara nos primeiros anos de sua amizade com Carl Mendelius. diante de um mendigo dormindo ao relento num beco. mas os encaramos em termos de continuidade e não de encerramento. Mr. — Que ele sempre usa erroneamente. uma jovem caçando homens numa esquina.. Atha de alguma forma ampliava a surpresa para espanto e o espanto para uma iluminação serena. Se Jean Marie ficava surpreso. O que dava em troca era uma sensação quase física de paz e repouso. uma criança com as marcas de crueldade ou negligência. a alegria das decorações de Natal. de emoção por um vislumbre de beleza oculta. mesmo com a ameaça de Armagedom.

podemos desfrutar o almoço — disse Waldo Pearson. É como algum rabisco nas ruínas. não restando ninguém para ler. Seu assessor de maior confiança estava no Carlton Club. — Fui eu que sugeri — informou Mr. Mas tenho certeza de que Pearson e Duhamel preferem recebê-lo sozinho. Mas Duhamel descartou o assunto logo no início do almoço: — Isso nada significa! Não tem a menor importância. — Afinal. — Você também foi convidado. Era estranho voltar ao salão em que sofrerá o derrame. Jean. Atha. E estou devidamente lisonjeado. — Sei disso. meu terapeuta. Duhamel perguntou. Waldo? — Infelizmente. mas soando claro como trombetas a todos os que estavam familiarizados com os rituais do reino. Irei buscá-lo às duas e meia. Atha. com um alívio evidente. Não concorda. O almoço era outro momento de testemunho. à vista de todos. Eu mesmo o escolhi e não encontrariam melhor na mesa do Presidente. Estamos diante de um Natal sombrio e de um Ano-Novo incerto. Você poderia ser agora pior do que os Bórgia que ninguém se importaria. Waldo Pearson quer que você esteja no Carlton Club exatamente ao meio-dia e meia. Pearson e Duhamel trocaram olhares ansiosos. Waldo Pearson estava no fundo dizendo a todos: — Este homem ainda é meu amigo. — Neste caso. — Desta vez foi Mr. com alguma ironia: — Outra visão? — Não — respondeu Jean Marie. — Recomendo as costelas de cordeiro e o Borgonha do clube. é uma refeição de despedida.um taxi. no sutil estilo britânico. — Duhamel? Eu não sabia que ele estaria lá. então que eleve a voz para me dizer! A presença de Pierre Duhamel era também um testemunho convincente de seu bom caráter. um pouco constrangedor trocar acenos ou cumprimentos com os homens que haviam testemunhado seu colapso.. tenho de concordar. Se alguém pensa em contrário. dando de ombros.. As coisas que leram a respeito dele não passam de mentiras. 357 . O Presidente da República estava almoçando em Downing Street. — Fui informado de que talvez não cheguemos ao novo ano — disse Jean Marie. cuidadosamente. jovialmente. desmentindo uma calúnia contra Jean Marie Barette.

— E o que representa o estágio dois? — perguntou Jean Marie. — Li o livro. — A disposição das tropas russas indica que eles não farão isso. descobri-me a argumentar com seu Jeannot. Waldo Pearson cheirou-o. Virou-se para Pierre Duhamel e perguntou: — Estamos muito longe do Dia do Rubicão? — Não muito — respondeu Duhamel. outras contra.. Ele levantou seu copo para um brinde a Jean Marie: — À sua boa saúde permanente e ao sucesso permanente do livro! — Obrigado.. nem mesmo por Waldo Pearson. É por isso que gosto de chegar aqui no momento exato.. Waldo! — Meus agradecimentos aos dois.. — Eles estão seguindo o manual — comentou Waldo Pearson. Waldo Pearson falava com a sólida convicção britânica. — O cordeiro! — exclamou Waldo Pearson. Jean Marie estava aturdido.Jean Marie não estava disposto a ser dissuadido de alguma conversa de maneira tão sutil. O garçom trouxe o vinho. — E Paulette também. o livro não resolveu os problemas deste terrível século XX.. Ela riu e chorou com o seu pequeno fantoche.. Como o seu vinho. — Jean Marie ergueu o próprio copo. anunciou que ainda estava orgulhoso dele e autorizou a que fosse servido. E eu? Comecei por admirar a habilidade de sua invenção e a elegância do estilo. As disposições e forças correspondem à ordem de batalha conhecida deles e ao estágio dois da prontidão de combate. Tropas soviéticas também estão em posição de ofensiva ao longo das fronteiras da China. Ao final. É justamente isso o que todos esperamos. — Ganhamos o primeiro corte. — Até os menores detalhes. A insistência de Pearson em se ater às 358 . sem a menor hesitação. Iraque e Turquia. — E se formos nós que estivermos com um manual diferente? — Sem comentários — disse Pierre Duhamel.. — Pierre Duhamel não hesitou no elogio. — A ordem de batalha é invertida e a grande explosão ocorre primeiro. Irã. — As tropas do Pacto de Varsóvia já estão mobilizadas na Europa. — Significa basicamente que eles estão prontos para enfrentar qualquer ataque durante o inverno e que as tropas em posição podem ser rapidamente reforçadas para uma ofensiva no início da primavera. mas me deixou um gosto bom na boca.. Depois. como se pode dizer?. — Mas vamos supor que haja um manual diferente — disse Jean Marie. provou. — Sou abençoado em meus amigos. algumas vezes a favor.

— Apertamo-nos as mãos. — Foi uma despedida — respondeu Jean Marie Barette. Atha. Paulette ou qualquer outra pessoa! Todos dispomos de uma linha de comunicação com o nosso Deus particular. — Pode falar. — Se a encontrar. O vôo parte às 11 horas. Descontando uma hora normal de atraso. E não sabe como dizêlo.banalidades durante a refeição parecia estranha e despropositada para um homem tão vigoroso e inteligente. mas que raça! — Sou um idiota! — E para disfarçar seu embaraço. Tome mais um pouco de vinho! — O almoço foi bom? — perguntou Mr. — Parece bastante apropriado — disse Mr. — Pense em si mesmo! Não se preocupe comigo. Se não estiver. — Partir é morrer um pouco e morrer é muito simples. não terá de se preocupar com essas coisas pela manhã. Atha.. quem quer que Ele possa ser! Se Ele estiver lá. Assim. deveremos estar em Munique por volta das duas horas da tarde. com um comentário tipicamente parisiense: — Tão britânico! Ele sabe que é a despedida. falará conosco. então todo o jogo não passa de uma blague. Outro capítulo da minha vida encerrado. — Já peguei nossas passagens de avião e contratei um carro para levar-nos ao aeroporto. — E depois está tudo acabado. aprontarei os cheques para você assinar. — Está certo. transmita-lhe o meu amor." E Duhamel arrematou: "Mas que frases horríveis para uma despedida!" Todos rimos e seguimos por nossos caminhos separados. Quando voltarmos ao final da tarde. Mas quando Pearson saiu da mesa para atender a um telefonema. Há um ditado entre os habitantes do deserto: "Nunca acene em despedida para a 359 ." Ao que Waldo comentou: "Foi um prazer ter a sua companhia. É por isso prefere falar sobre as costeletas de cordeiro! Santo Deus. Eu falei: "Obrigado por um almoço muito agradável.. meu caro amigo.. Duhamel explicou. meu amigo. Roberta. pagando a conta do hospital e dando gorjetas aos funcionários. Jean Marie apressou-se em acrescentar: — Teve notícias de Roberta? — Não. — Jean. Atha deu de ombros. sem mais nem menos! Mr. — E a Paulette também.. Ela está sempre viajando. deixe-me dar-lhe um último conselho.

Mas não espere qualquer coisa espetacular. O rosto estava curtido pelos elementos. no jipe. Jean Marie foi apanhado num abraço forte por Johann Mendelius. mas conseguimos. Um momento depois. Não restava agora mais nada de menino em Johann. as mãos duras e calosas. Mamãe ficou com os cabelos grisalhos. — Vai dar tudo certo! Você parece um camponês de verdade! — E é mesmo o que virei! Sou um camponês até a raiz dos cabelos! Tivemos a maior dificuldade em tornar o vale habitável para o inverno. — Toda a sua gente chegou em segurança. Havia uma fila comprida no controle de passaportes. — Minha gente? — As que que mandou com a senha "O cosmos numa taça de vinho". Mas. lhe acenaram para que passasse pela barreira para o salão da alfândega. caso contrário irá congelar no vale alpino. musculoso e sólido. Era um homem. — Ao contrário. o último avião a chegar antes de o aeroporto ser fechado. tendo de usar correntes para passar pelo desfiladeiro. Jean Marie perguntou-se se o seu nome estaria incluído na lista negra dos indesejáveis. Preferi vir sozinho. finalmente. Ele se limitou a acenar com a cabeça e dizer: — Fico contente que não estejam causando qualquer problema. Você a seguirá em breve.caravana. — Como estão sua mãe e seu pai e Katrin? — Estão muito bem. O mistério se explicaria por si mesmo assim que chegasse ao vale. Jean Marie assentiu em satisfação. Estão todas devidamente instaladas. — Vai descobrir que sou bem fácil de satisfazer — comentou Jean Marie. Estava nevando forte quando aterrissaram em Munique." E agora vamos comprar-lhe algumas roupas mais quentes. mas as estradas estão horríveis. nove pessoas no total. Mr. onde havia outro amontoado de viajantes angustiados. A polícia de fronteira estava verificando meticulosamente todos os estrangeiros. Atha conduziu-o até à saída e depois voltou para esperar pela bagagem. Algum instinto advertiu Jean Marie a não discutir o assunto. mas até 360 . — Tio Jean! Conseguiu chegar! Está com uma aparência maravilhosa! Mamãe e papai queriam vir. Jean Marie deu um passo para trás e contemplou-o. Chegaram em três grupos. Tudo o que garantimos é uma comida rural e um abrigo contra o frio.

— Mas tenho certeza de que encontraremos uma ocasião e um lugar melhores para isso.. — Valeu a pena esperar. Mas. Atha.. com um carrinho de bagagem. — Sei disso — respondeu Mr. meu amigo. com uma censura suave: — Há muitas coisas a seu respeito que precisam ser explicadas. Comprei algumas coisas antes de partirmos. Fiz tudo certo? — Excepcionalmente certo! Tem a minha eterna gratidão. O que comprou? — Para Frau Mendelius. Johann fitou-o boquiaberto e depois desatou a rir. — Ele sorriu e acrescentou: — Espero que aprove as minhas escolhas. Mas eis 361 . Atha abriu caminho através da multidão. desta vez.que lhe fica bem. — Eu lhe prometo que as terá. E espero que as compreenda. Juntos. Mas ainda não está dispensado das explicações. E ele se lamuriou em voz alta: — É véspera de Natal! Eu estava tão preocupado comigo mesmo que me esqueci de comprar presentes para a família. — Concordo plenamente! — Johann tornou a rir e pegou o braço de Jean Marie. perfume. para o rapaz. O rapaz é extraordinário! — Johann? É mesmo. para a moça. Katrin está grávida de dois meses. para o professor. — Eu o conheço! Foi você que. até a área de saída. um suéter de esquiador. Atha. lenços para a cabeça e lenços de bolsa de renda. Jean Marie virou-se para Mr... Tio Jean! Esse homem. à sua maneira tranqüila. Enquanto Johann se afastava apressadamente para buscar o jipe no estacionamento. — Deixe para depois. Mas isso é extraordinário.. — Não lhe diga agora! — advertiu Mr. inspecionando tudo com seu olho bom e aprendendo a manejar ferramentas com a mão mecânica. Mr. As surpresas são boas para ele. Um pensamento súbito ocorreu-lhe. Ele amadureceu muito desde a última vez em que nos encontramos. — Tenho certeza de que vou aprovar. Tudo o que precisa fazer é escrever os cartões. Papai anda de um lado para outro como um capitão no convés.. eles conduziram Jean Marie através da multidão. Já estão embrulhadas. Ela e Franz decidiram esperar um pouco e pedir-lhe que os case... ou para você! Não pode imaginar quanto o lamento! — Não preciso de presentes e sou pago para lembrar-me dessas coisas. gostaria de não ter qualquer surpresa. uma lente de aumento prismático para facilitar a leitura. Atha.

que Johann já está de volta. como vai verificar.. Eles ajudaram Jean Marie a embarcar no jipe. Creio que se pode dizer que a maioria tem algumas cicatrizes ocultas. a fim de tornarmos as construções habitáveis. Atha. Johann pôs-se a falar ansiosamente sobre a pequena comunidade no vale: — Nossas intenções eram muito vagas. — As pessoas apresentaram alguma razão especial para juntar-se a vocês? — perguntou Jean Marie. Depois. Há a Bierfest. Disseram que gostariam de ficar e ajudar. iugoslavos. depois partiram pela auto-estrada. japoneses. Estávamos com uma deficiência terrível de gente para trabalhar. conforme vai descobrir. se por acaso nos metêssemos em alguma encrenca com as autoridades. pensativo. vietnamitas. mas também algumas pessoas mais velhas. E a coisa funcionou de maneira espantosa! Até agora. já entre a neve. jovens na maioria. Nós nos instalamos na cabana. Tínhamos de ajudar papai a reconstituir sua vida e o vale parecia um bom lugar para isso. — Acho que se pode dizer assim — murmurou Johann. Pouco antes de a estrada terminar e começar uma trilha esburacada de lenhadores. é claro.. Atribuímos ao fato de a Baviera ficar repleta de turistas no outono. Papai tinha a idéia de fundar uma academia de pós-graduação. havia uma 362 . Ele fez uma breve pausa. — Se alguém quer falar. gregos. — Oito de nós fomos para lá. Ao chegarem aos primeiros contrafortes alpinos. — Não perguntamos — respondeu Johann. Johann virou para o sul e iniciaram uma subida longa e sinuosa por uma estrada rural. trabalhando do amanhecer ao anoitecer. tudo mudou. Recebemos visitantes de todos os tipos. agasalharam-no com uma manta e uma pelerine de pele de carneiro. através de bosques de pinheiros. Eu pensava num lugar onde pudesse refugiar-me com meus amigos. Instituímos uma regra simples: trabalhar e partilhar. italianos. O que foi sensacional. americanos. Mas eles começaram a aparecer. a ópera e todos os desfiles de modas. — E gostariam de nascer de novo sem elas — comentou Mr. conseguimos manter-nos juntos e somos uma comunidade das mais diversificadas. O vale fica longe de todas as rotas importantes. poloneses. nós escutamos. na direção de Garmisch. Assim... Deve estar lembrado que foi na época em que estávamos comprando armas de Dolman e instituindo uma organização clandestina na universidade. não esperávamos muitos visitantes.

Há muita coisa para mostrar. no pavilhão. Mas. no que fora outrora a sala dos criados. O lago é maior do que parece aqui de cima. Atha... Havia um desfiladeiro que parecia ter sido aberto por um machado gigantesco. com imensos gonzos de ferro.. Johann parou o jipe. que ameaçaram desprender os dentes. Devia ter provavelmente 100 metros de comprimento.pequena capela à beira da estrada. Mas.. — Não dá para ver muita coisa com este tempo. cercada por rochas escuras. — Carl assim decidiu. com o crucifixo de madeira habitual e uma cobertura por cima. Johann diminuiu a velocidade do jipe. mas vamos logo para casa. Papai e mamãe devem estar roendo as unhas de ansiedade. quando saíram do bosque. um banco de 363 . Nada de comitê de recepção. na direção das luzes esparsas. Atha pela primeira vez. Mr. Nada de interrupções enquanto não tivermos passado tempo suficiente com o nosso Jean Marie! Johann prometeu fazer-lhe companhia.. é bastante agradável. Nada de visitantes. no Natal. Os móveis consistiam de uma mesa de pinho. Estavam sentados em torno de uma velha estufa de porcelana. Segure-se firme. quando estávamos pedindo carona. em torno do lago. Os outros estão ocupados a decorar a árvore de Natal e preparar o jantar. como as leis dos medas e persas. Atha voltou ao jipe e desceram aos solavancos por uma trilha de veados. entrando numa depressão grande em formato de pires. depararam com um paredão alto e escuro de rocha. Atha saltou para fechar novamente a barreira. a caminho da Áustria. na maior felicidade. até a vegetação mais densa na área lá embaixo.. Ele indicou a trilha em que estamos entrando agora. com a neve acumulada nas fendas. através do turbilhão de neve. Johann saltou do jipe e abriu a paliçada. A catarata fica no outro lado e a entrada da velha mina está cerca de 50 metros à esquerda. Perguntamos se ele conhecia um bom lugar para acamparmos. Johann apontou para baixo. uma comemoração um tanto tribal. A outra extremidade estava fechada por uma paliçada de troncos rachados. que gradativamente cediam lugar a pinheiros. nos dois lados. As luzes que pode divisar através das árvores são da cabana principal e das cabanas menores. Mr. Mr. Tio Jean! A viagem não será fácil daqui por diante! Foram 15 minutos de violentos solavancos. Voltou ao jipe e seguiu adiante. — Foi aqui que encontramos Mr. — Vamos tê-lo só para nós até a hora do jantar! — disse Lotte. com livros empilhados por cima. Todos tivemos de nos acostumar a dispor de menos espaço de moradia e menos intimidade.

pode dizê-la. eu não diria que sofreu um derrame. jantamos. Não acha também isso. Os últimos vestígios da juventude haviam desaparecido e ela era agora uma matrona de cabeça prateada. O fato é que ainda resta muita vida em nós dois. A venda preta sobre o olho lhe dava uma expressão maliciosa e ainda havia humor no sorriso torto. por consentimento comum. com reversão para as crianças. Mendelius emagrecera. comiam bolinhos. feições suaves e maternais. misturado com conhaque.madeira e três velhas cadeiras de braços. Se alguém sente vontade de fazer uma oração pública. O rosto? Ora. porque seu quarto fica perto do estábulo. o sorriso fácil de uma mulher em paz consigo mesma e com o mundo. em silêncio. ainda quentes do forno. velho amigo! O que acha deste lugar? Claro que não pode ver muita coisa com a nevasca. Vai conhecê-las antes do jantar. Mas chegamos à conclusão de que. E posso garantir-lhe que será um jantar magnífico! Johann e seus amigos trouxeram para cá 50 toneladas de alimentos no último mês.. Vai sentir o cheiro delas esta noite. você parece o Davi de Donatello! . E terminamos com o padre-nosso. eu não era mais um líder apropriado. Se alguém quer apresentar um testemunho ou pedir um relato de nosso dia comum. Mas superamos isso com o que chamamos de "comunhão de amigos". este é o momento apropriado. escalavradas. A coisa parece funcionar. em comparação comigo. Mas é tudo sensacional. Johann é o chefe da comunidade.. Lotte envelhecera rapidamente em poucos meses. bastando para isso que chegue um pouco tarde para o jantar. Os bosques estão repletos de veados. é claro. se não soubesse. mas ainda era um homem sólido e vigoroso. Lotte? Além do mais. Há mais uma coisa que você deve saber. ansiosamente. como a maioria é constituída de jovens. Quem se sentir constrangido. Os demais se sentam juntos. Um dos lados do rosto estava devastado.. depois. coberto de cicatrizes e marcado pelos minúsculos fragmentos ue haviam rompido os tecidos. Temos quatro vacas leiteiras no estábulo.. Temos agora 40 pessoas aqui. Nem todos são cristãos. ao jantar. Celebrará a missa da meia-noite para nós. — Não há 364 .. — E tudo está dando certo — disse Lotte. Assim. de mãos dadas. pode evitar. inclusive quatro crianças. E. Tomavam café. Ele declarou que estava satisfeito com a aparência de Jean Marie Barette. Mendelius empertigou-se na cadeira.. Quase todos acompanham. Seu tom tornou-se um pouco mais formal: — A escritura do vale está em meu nome e no de Lotte. — A manqueira não é nada! É apenas o suficiente para fazê-lo parecer um distinto veterano de guerra.

Carl! — Lotte estava indignada. Sentar-me-ei com você e Carl. como um simples plano de sobrevivência. Atha e confirmada em parte por um semcomentários de Pierre Duhamel é a de que os americanos podem tentar um ataque preventivo com os mísseis mais potentes. Lotte estendeu a mão para segurar a do marido. a conversa afetuosa acabou. como se algo houvesse explodido. então tudo será lançado no caldeirão das feiticeiras: gás dos nervos. germes. liebchen. não é mesmo. Contudo. A melhor esperança é a de que as hostilidades não comecem antes da primavera. que não podemos controlar.. — A resposta sumária é a de que todas as notícias são péssimas. — Acho que não está entendendo. Eles se respeitam mutuamente... Se 365 . Mendelius estendeu a mão e pegou o pulso de Jean Marie. E por que não deveríamos desfrutar o que estamos fazendo aqui? Há muito esforço sendo empenhado aqui. — Compreendo os dois — disse Jean Marie. antes mesmo do Ano-Novo. — Falamos das coisas simples para afastar os pensamentos das terríveis.. Mas que Deus nos ajude! Pode-se até pensar que somos jovens apaixonados construindo nossos castelos de sonhos! — Isso não é justo. e também muito amor. Sempre nos escuta com atenção. Jean! Ambos sabemos disso. todos os horrores mais fantásticos dos arsenais do mundo. Jean. E a pior predição feita por meu amigo Mr. Mas às vezes você fica soturno demais para percebê-lo! — Desculpe-me. Houve um longo momento de silêncio. minha cara Lotte! — Jean Marie estendeu a mão para afagar o rosto dela... — Mesmo assim. à cabeceira da mesa. velhos amigos.. Johann constantemente pede conselhos a Carl e a mim. Mas tenho certeza de que Jean pode compreender o que estou tentando dizer. todos gostaríamos que você ocupasse o lugar de honra. — Tem razão — disse Jean Marie. — Mas não é essa a questão. Tudo é suavidade e esperança. Sou o servidor dos servidores de Deus..mais qualquer rivalidade entre Carl e Johann. mas ao final é ele quem toma as decisões. Jean? Não foi o motivo pelo qual tudo começou. e tudo o mais! — Nada disso. Carl Mendelius disse: — Se isso acontecer.. Não tive a intenção de ser irritante. Ouço o mesmo tipo de conversa entre a nossa gente aqui. lasers.. poderão permanecer em segurança aqui por muito tempo. sensatos o bastante para deixarem que os jovens assumam o comando! Subitamente. dizendo sombriamente: — Tudo isso é muito ameno.

a melhor afirmação de tudo o que ela aprendera como mulher. — Carl Mendelius estava novamente jovial. E estou falando sério.. Carl! — E estou. e ela não é tão aterradora quanto pode parecer aos outros. Quando o fizermos. até mesmo com medicamentos homeopáticos. estamos todos nos preparando para os serviços que podemos oferecer melhor. tentaremos entrar em contato. devemos ter algo a oferecer. mas que valor isso tem em comparação com uma mulher que pode fazer medicamentos com ervas ou um homem que pode gerar eletricidade de uma catarata? — Temos certeza de que poderemos aproveitá-lo em alguma coisa. Estou dando aulas para as crianças e Carl está fazendo um projeto para preservar um registro do que fazemos aqui e dos problemas com que nos defrontamos. — Lotte levantou e beijou o marido na testa. — Não tenho a menor idéia. Anneliese Meissner está treinando alguns dos rapazes e moças em medicina prática.. Assim.. não creio que Lotte e eu nos incomodássemos. Um dos rapazes que Johann trouxe é engenheiro e está elaborando um plano para aproveitar a catarata para gerar energia elétrica. Se não for assim.. Ambos nos familiarizamos com a Irmã Morte. Tudo isso começou com a sua visão e a mensagem que não lhe deixaram proclamar: centros de esperança... mais cedo ou mais tarde.. — Mas podemos dizer-lhe o que temos feito. centros de caridade. não importando o quanto possam parecer insignificantes. Você mesmo disse: não se pode oferecer água de um balde vazio. o que vamos fazer? — Ele acaba de chegar. — Vou ver como estão as coisas na cozinha. Sei que tudo isso é pouco e elementar. com os remanescentes nas proximidades. para o amanhã.. É o amigo que veio com você? 366 . Sou um homem de grande cultura. Lotte! Deveria estar orgulhoso dessa moça. Carl! — Era evidente que as frustrações de Carl Mendelius não constituíam uma novidade para Lotte.. Depois que ela se retirou. é partilhável! Mesmo que o mundo desmorone. — Apenas fico com ciúme porque ela é muito mais útil do que eu. Jean Marie fez uma pergunta a Mendelius: — De onde acha que vem o nome Atha? — Atha? — Mendelius repetiu a palavra algumas vezes e depois sacudiu a cabeça. que podem ser feitos de plantas locais.. E creio que você também não se preocuparia.. — Bravo.. mas é.fosse apenas isso.. a esperança estará morta e a caridade será vazia! Era o discurso mais longo que Jean Marie já ouvira Lotte fazer. Agora que você está aqui.. Ela lhes despertou o maior entusiasmo com o exemplo dos médicos descalços das regiões rurais chinesas.

Diz que vem do Oriente Médio.. Ele estará à disposição de todos depois. Num canto. Atha.. uma imensa tolerância interior.. ele acrescentou em voz baixa: — Sei que é um rebaixamento. No lado oposto. enfeitada com fitas douradas e bolas coloridas.. Mas lembra-me alguma coisa que não consigo identificar... Ele se insinuou tão facilmente em minha vida que era como se sempre o tivesse conhecido. Mendelius. Carl. A verdade é que se trata de um homem singular. para confissões. conselho. Não sei por que.— É. mas somos pequenos demais para dispormos de um Papa ou mesmo de um bispo. e também a muitas outras coisas. José e Cristo. mas minha memória já não é tão boa quanto antigamente. Eu gostaria de saber qual a sua reação a ele. Velas de Natal. Assim. Senti que ele me levava de volta à segurança. encontrando dificuldade em recordar todos os nomes.. Ele se mostra bem vago em relação a si mesmo. desde que estive no hospital. — Vamos dar uma volta e falar com algumas pessoas. em torno da manjedoura. ou apenas uma conversa agradável! Terão tempo suficiente para conhecê-lo bem. É relativamente jovem.. No que fora outrora a sala de jantar do pavilhão estava ardendo um fogo intenso de lenha. ele nunca revela coisa alguma.. Contudo. Foi muito estranho. Quando eu estava na mais profunda depressão.. os pastores e animais observando. — Carl Mendelius ainda estava pensando no nome. Carl. havia o tradicional presépio de Natal. — A minha também não está muito boa. não terá de enfrentar uma fila comprida de rostos novos na hora de jantar. — Atha. com rapazes e moças empenhados ativamente em arrumar tudo para o jantar. Contudo. figuras de madeira da Virgem.. Dá a impressão de imenso conhecimento e de ampla experiência. acabou contentando-se com uma apresentação informal. como pode observar. Foi criado na tradição judaica. — Não é hebraico. O único consolo é o de que existem muitas coisas que precisamos esquecer! Mendelius levantou-se e estendeu a mão para ajudar Jean Marie a levantar-se também... sim. Não pode ter pouco mais do que 30 anos.. estavam nas janelas. agarrei-me a ele como um homem a se afogar. E também não queremos assustar os fregueses! Jean Marie arrematou com a velha piada clerical: — Não antes de recebermos as oferendas de Natal! 367 . havia uma grande árvore de Natal. este é o Padre Jean Marie Barette. com toda certeza. mas não é um crente. carregando-me nas costas. possui uma profunda maturidade. em arranjos de folhagem verde.. O resto da sala estava ocupada por bancos e mesas de cavalete.. — Meus amigos. Num aparte para Jean.

íamos oficializar a união numa espécie de cerimônia pública. Ele está cortando lenha no estábulo. A precipitação da radiatividade. depois que me recuperar da ressaca que inevitavelmente terei. Há apenas um pequeno vestígio de paralisia facial. Vai encontrá-lo mais tarde. — Dá no mesmo — disse Jean Marie. Está indo muito bem. ferramentas. Saíram em seguida. Não pode ser servida a menores de 18 anos ou a pessoas que não estejam cobertas por seguro de vida.. É um prazer tornar a vê-lo! Ainda estava nevando. Vou examiná-lo amanhã. E o mesmo acontece com Franz. Dê-me sua mão esquerda. — E então.A cozinha tinha um imenso e antigo fogão de lenha. — O túnel é bastante comprido — explicou Mendelius. No canto oposto. coberta de farinha de trigo até os cotovelos. legumes e doces.. com um bote virado na margem. — Só que. — Ainda há alguns afloramentos relativamente grandes de quartzo vermelho. o que acha? — Letal! — Só vai tomar um copo bem pequeno e nada mais! Espero que esteja fazendo tudo o que lhe foi determinado. Ela o examinou com olhar profissional atento. Guardamos todos os nossos suprimentos lá dentro: alimentos enlatados. sacos de sementes. entre todas as pessoas! No início. a catarata ainda caindo. mas Carl Mendelius estava ansioso em continuar com a visita. Um aperto firme!.. Vai fazer nosso casamento. Tio Jean? — Quem mais poderia fazê-lo? — Se não tivesse vindo.. para dar uma olhada nos contornos do pequeno povoado: o lago congelado e coberto de neve. — É ponche — explicou Anneliese. fui dominada pelo pânico. é 368 . a entrada da mina antiga. Entregou a Jean Marie um casaco de pele de ovelha e um par de botas de neve. Meia dúzia de cozinheiros preparavam aves. Ela estendeu o rosto para ser beijada e fez um gracejo de seu estado: — Poderia acreditar numa coisa dessas? Logo eu... Ela levantou a concha para que Jean Marie provasse. mas enfeitada com pingentes de gelo. É a melhor proteção possível contra uma explosão ou radiação direta. há o beneficio do clero. Uma delas era Katrin. comigo. mas agora estou sentindo-me realmente feliz. — Minha própria receita. antes de acrescentar: — Está com uma ótima aparência. num caldeirão grande de cobre. Anneliese Meissner estava preparando uma mistura. Jean Marie cumprimentou-a e depois mergulhou os dedos no caldeirão.

Foram os primeiros visitantes que a pequena família de Jesus. Jean Marie é que teve uma tremenda surpresa. — Mr. à sua frente. havia quatro mulheres. que mal dava para alimentar as ovelhas.. Tinha uma criança no colo e três outras estavam sentadas no chão. como vozes de anjos. Balbuciou e gaguejou. como chegaram aqui? — Você nos mandou — respondeu Judith. Mendelius e Jean Marie entraram sem fazer barulho e fecharam a porta silenciosamente. como acontecera logo depois do derrame. outra era Judith. — Como. Mr. Mais atrás.. até que todos estavam cantando. Maria e José receberam em Belém da Judéia. de costas para a porta. Era grande. mas com um brilho suave que não lhes machucava os olhos. Um dos nossos pastores começou a cantar.. 369 . Vocês não estiveram lá.. mas eu estive. Passei muito tempo no deserto e posso garantir-lhes que é assustador à noite. grande como um melão!. E pairava bem por cima da caverna em que o bebê acabara de nascer.. Não havia árvores. quando a história terminou. Houve um silêncio momentâneo e um grande suspiro das crianças. Atha levou a mensagem.. Os pastores sentiamse terrivelmente solitários. Uma das mulheres fez sinal de silêncio com a mão.. ainda cantando. Atha estava sentado numa cadeira. Outro pastor. apenas pedras e uma relva ordinária. a moça aleijada que fizera a taça do cosmos. Uma das mulheres era a patronne da Hostellerie des Chevaliers. Foi então que eles viram a estrela. Era também muito brilhante. Todas estavam absorvidas na história que ele contava... A criança em seus braços era a pequena mongolóide do Instituto em Versailles. despojada e fria.. como existem aqui. tão baixa que eles quase podiam estender a mão e tirá-la do céu. Mr. Jean Marie virou-se para Mr. E depois outro e mais outro acompanhou. Não queremos estragar a surpresa da árvore de Natal. ouviu e pôs-se a cantar também. — Como soube da senha? Não falei a ninguém além de Johann. Atha levantou-se em seguida e virou-se para cumprimentar os recém-chegados. vai depender dos ventos.. Tenho a impressão de que Munique deve ser o alvo grande mais próximo. Atha.. Gostaria agora de conhecer as crianças? Estão nesta cabana. Jean Marie ficou completamente atordoado com o choque. Mr. Atha continuou a contar a história: — . Algumas mulheres estão cuidando delas.claro. O lugar em que os pastores vigiavam as ovelhas é a encosta de uma colina. Os pastores caminharam na direção da estrela. Mas quando Mendelius abriu a porta e ficou de lado para que ele entrasse primeiro. que estava longe.

embora também entoasse o "amém" ao final da prece. que precisavam de uma ajuda especial. Não é hebraico. murmurando afetuosamente para a menina: — Ah. Assim. Eram clientes meus. emitindo sons de prazer. No mesmo instante. com todos se 370 . Carl Mendelius era polido demais para fazer mais perguntas a um hóspede tão lacônico. jovial. — Obrigado.. Professor Mendelius. Atha firmou-o contra o ímpeto de emoção: — Essas pessoas são meus presentes de Natal para você. Disse à patronne: — Agora. E depois o jantar começou. farto. Vai conhecê-las depois. Jean Marie estava junto de Anneliese. Ele recuperou a voz. Jean Marie levou a pequena fantoche no colo para mostrar-lhe a árvore de Natal e o presépio. — Hã. da mesma forma. Espero que não se importe com o meu pequeno estratagema. ruidoso. estava Mr. — Mendelius estava rindo do embaraço feliz de Jean Marie. com Judith num lado e Katrin Mendelius no outro. Jean Marie fez o sinal-da-cruz e recitou a bênção. mas não sabe quem são. Atha. À sua frente. ela começou a acariciá-lo. abraçando-as como um pai há muito afastado de sua família. com a menina ao seu lado.. Atha não fez o sinal-da-cruz. — Seu nome me interessa. antes de a refeição começar. as fagulhas dançando nas achas de pinheiro. Ele entregou a criança a Jean Marie. como os outros. Ela não queria deixá-lo. madame. Atha. Atha. Johann abriu a cerimônia com um pedido formal: — Gostaria que nos desse uma bênção. Notou que Mr. — É Natal. no outro lado da mesa. — Sempre mantivemos a casa aberta no Natal. O jantar começou com uma cerimônia das crianças. Carl Mendelius estava ao lado de Lotte.— Segure a menina — disse Mr. tem de fato a mula tola e não o Papa! A voz de Mr. Mr. minha pequena palhaça! Foi só depois que ele pôde cumprimentar as outras pessoas. Também convidei outras. Johann ficou à cabeceira da mesa. Qual é a origem? — Siríaca. por favor. Tio Jean. foi preciso colocar a cadeira alta de menina ao lado de Jean Marie. com a mãe à direita e Anneliese Meissner à esquerda. Professor. — Ela está querendo você.

Johann Mendelius levantou-se e bateu no copo para pedir atenção. Atha! Houve palmas e gritos. Este não será um discurso comprido. já 371 . Ele não falou alto. Atha levantouse. como se compreendesse cada palavra. revelado num súbito esplendor de bronze e ouro. ao invés de dois. há vários meses. antes da missa de Natal. Até mesmo a pequena mongolóide estava imóvel. Estava tudo acertado. Mr. gostaria de dizer-lhe que tenho menos reservas e muito mais convicções sobre o que faz um homem de bem. ele recebe apenas um presente. Agradeço a todos pelo trabalho árduo com que se empenharam nos preparativos para o inverno. Atha é uma dessas pessoas desafortunadas cujo aniversário cai no Dia de Natal. esta noite. para que o café fosse servido às 10 e meia. houve silêncio.deleitando com o ponche de Anneliese e o vinho do Reno. Johann informara a Jean Marie. pedidos de um discurso. E disse: — Meus amigos. Mr. Houve uma pequena explosão de aplausos. Pois desta vez ele receberá dois presentes! Johann pegou uma garrafa de vinho tinto e outra de vinho branco e passou-as pela mesa. Mesmo inebriado pelo vinho. ele parecia alguma figura de um mosaico antigo.. Ele gesticulou na direção de Jean Marie e da menina na cadeira alta ao lado dele. eu gostaria de agradecer-lhe. quando estávamos conversando. Agora. mas sua voz encheu a sala. com uma saudação: — Feliz aniversário. Por volta das 10 horas. a fim de que as crianças pudessem depois ir para a cama e os adultos tivessem a oportunidade de recuperar a sobriedade. descobri que Mr. à meia-noite. tinha reservas sobre todas as coisas que ele representava. Atha. Ao brilho das velas e do fogo na lareira. Amanhã é de fato meu aniversário e sinto-me feliz em comemorá-lo com vocês aqui. por ter-nos apontado a trilha para este vale e agora trazer-nos não apenas o nosso cidadão mais eminente. Agora. ele ainda exibia um ar de confiança e autoridade. — Em primeiro lugar. Quero inicialmente desejar a todos o melhor das boas coisas para o Natal e para a nossa vida depois. Prometi explicações a meu amigo Jean Marie e creio que é conveniente que todos vocês também as ouçam. quero apresentar meus agradecimentos. Abruptamente. Normalmente. minha família. Finalmente. Mr. neste vale. quero dar as boas-vindas a Tio Jean e dizer-lhe como nos sentimos contentes por tê-lo em nossa companhia. Quando o encontrei pela última vez.. o grupo estava imbuído de um ânimo sentimental. mas também o mais amado. Johann continuou: — Por um comentário de passagem que ele fez esta tarde.

Ele sorriu e a sala pareceu iluminar-se. nas selvas do Brasil. passo a passo. em defesa de Jean Marie. furioso. meu caro Professor! E como até os Papas esquecem rapidamente as Escrituras! Estavam procurando por uma palavra. espalhadas pelo mundo inteiro. Não constituem a única comunidade que foi assim reunida. sim. assim como meu amor. sem um impulso especial de graça. vocês foram escolhidos para manter acesa a pequena chama do amor. Foram conduzidos até aqui. Gracejou com eles: — O Professor Mendelius e meu amigo Jean Marie estão perplexos com o meu nome.que partilham o mesmo mistério. Ficarão sozinhos e com medo.. E tentou animá-los: — Não devem ficar tristes. Esteve muito doente. até o dia em que o Espírito enviá-los para acender outras velas numa terra escura e plantar novas sementes numa terra mergulhada em trevas. porque as necessidades e hábitos dos homens são diferentes. mas há duas. são todos iguais. Mas foi sempre o dedo de Deus que os chamou. — O homem está cansado. E sua voz estava estridente em desafio: — Você me mentiu! Disse que não era um crente! — Não menti. por favor! A dádiva do Espírito Santo é a alegria do coração. para cuidar das sementes do bem neste pequeno vale. através de muitos acidentes aparentes. E foram tantos os seus estudos. porque seguiram o mesmo dedo que os chamava e foram unidos pelo mesmo amor. Maran Atha. Mesmo enquanto eu falo. nas florestas da Rússia. E se amarão uns aos outros. pregando a destruição! Nos tempos terríveis que agora se abatem sobre nós. — Chega! — Carl Mendelius interviu. Ainda não está 372 . correndo os olhos pela sala. Não fizeram isso por si mesmos. por caminhos diferentes. Ele fez uma pausa. mas amanhã já terei partido. E falei em outra ocasião que o ato de fé me era impossível. Receberam esse impulso por uma razão. o inimigo começa a invadir a terra. São todas diferentes.. neste momento.. Mas deixo minha paz com vocês. Não é verdade? — É. Há muitas outras. assim como vocês também não podiam. O Senhor vem! Jean Marie prontamente se levantou. — E ainda não compreende? — Não. Contudo. Não podiam. Perguntou se eu era um crente e respondi que não. Está esquecido. Devem saber que não estão aqui por desígnio próprio. assim como os tenho amado. em lugares com que jamais sonharam. Estou com vocês agora.. Vão lembrar-se quando eu lhes disser.

Atha sentou-se primeiro. enquanto o pleno significado das palavras penetravam em sua mente. Professor — disse Mr. deve conhecer-me o que deu aos primeiros discípulos. — O que ele está dizendo.. — Por que eu faria isso? Por que está tão desconfiado? — Porque Nosso Senhor Jesus advertiu: "Haverão de surgir falsos Cristos e falsos profetas. Sou um sacerdote. Poderia estar usando esse conhecimento para enganar-nos. Ensinaram-lhe isso no primeiro ano de teologia. sabe que essas palavras são bastante familiares. ele desafiou o homem no outro lado da mesa. Ele fez uma pausa. o alimento pelo qual vivemos. Se é Ele. Partiu um pedaço de pão e segurou-o com as duas mãos por cima da taça. sim. por favor! Mr. um sinal de legitimação! — Tudo isso não é suficiente? — O gesto abrangeu a sala inteira e o vale. Puxou uma travessa de pão e despejou vinho numa taça. sagradas para todos nós. — Não me legitima? — Não! 373 . antes de continuar: — Este é o meu corpo. — Disse que se chamava Mr. Jean Marie ficou calado. dizendo: — Pai. — Obrigado. Atha. Qual é o seu verdadeiro nome? Tem de me dizer! Houve novamente um silêncio abrupto e estranho. fruto de sua terra. Conhece o suficiente das nossas Escrituras para lembrar-se de que os primeiros discípulos reconheciam Jesus no ato de partir o pão. abençoe este pão. Deus não pode acreditar em si mesmo. é que não pode acreditar porque sabe. Atha. mas ainda impávido. assim como conhece toda a obra de suas mãos. Estava calmo agora e respeitoso. Ele conhece a si mesmo. — Como podemos saber? — Sente-se.preparado para enigmas! Ele se virou para Jean Marie. As pessoas pedem-me para mostrar-lhes Jesus Cristo.. que lhes apresentarão grandes sinais. finalmente rompido por Jean Marie: — É o prometido? — Sou... Jean. Jean Marie levantou-se. — Senhor. Mais uma vez. a ponto de enganar até mesmo os eleitos".

Não foram vocês que me escolheram.. A enfermidade dela vai impeli-los à gratidão por sua sorte. Juro! Ele correu os olhos pela mesa. Esta menina é o meu sinal para vocês. Mergulhou um pedaço de pão no vinho e alimentou a menina. através da mesa. Ela lhes lembrará todos os dias que eu sou quem eu sou. Jean Marie correu os olhos pelo grupo.. Houve um silêncio prolongado. como todos vocês o fizeram. O rostos nada lhe diziam.. Mr. gentilmente: — É tempo de dar testemunho. — Por que não? — Sou um tolo — disse Jean Marie Barette.... Jean Marie sabia que tudo fora pressagiado no sonho. mas que exploram as pessoas e levam-nas ao ódio. Ainda não fomos testados. E acrescentou. Evocará a bondade que os manterá humanos.. Para vocês. Concedi a esta menina uma dádiva que neguei a todos vocês. Bateu na cabeça. Mais do que isso. que meus caminhos não são os de vocês e que a menor partícula de poeira turbilhonando no espaço mais escuro não cai da minha mão. Jamais desvirtuará ou destruirá a obra das mãos de meu Pai. meu amigo. Ela lhes é necessária. migalha por migalha. Depois. Atha beijou-a e sentou-a em seu colo. ele foi falando. Precisa de um sinal. ela parece imperfeita. suavemente. — Deixe-me segurá-la. E que melhor sinal eu poderia dar que tornar esta menina saudável e nova? Posso fazer isso. persuasivamente: — Sei o que está pensando. — Dê-me a menina. — Não! Mesmo enquanto se encolhia de medo. Eu é que os escolhi.. Ele levantou a menina da cadeira alta e estendeu-a por cima da mesa.— Por que não? — Porque há comunidades que se intitulam divinas. mas para mim é impecável. Diga-me Agora! Quem sou eu? — Ainda não tenho certeza. como o botão que morre sem abrir ou o passarinho implume que cai do ninho para ser devorado pelas formigas. Ela jamais me ofenderá... Enquanto o fazia. Tratem de amá-la! Ele levantou a menina do colo e devolveu-a a Jean Marie. 374 . Mas não farei. — Sou um fantoche afetado da cabeça. Sou o Senhor e não um mago. a eterna inocência. o homem que se intitulava Jesus estendeu as mãos. por favor. Não sabemos se a dádiva é verdadeira ou traiçoeira. Ela não sofrerá qualquer mal.

— Estou agora diminuído. Ele disse: "Se houver uma centena. que era da mesma semente de Abraão. sim. Mas precisamos de todas as crianças e de tempo suficiente para merecê-las. — Está pronto agora para dar testemunho? — Estou. ainda era o antigo cético obstinado de Roma e Tübingen. deve ser simples comigo. ele conseguiu pronunciar a palavra: — Borboletas! Assim.. Esta criança é uma grande dádiva. Por favor! — E o que podem oferecer-me em troca? — Muito pouco — respondeu Jean Marie. Jean. Diga-me uma coisa: pode realmente mudar de idéia? — Por que pergunta? — Abraão barganhou com Deus por Sodoma e Gomorra. em toda a sua vida: — Tempo suficiente para podermos acalentar esperança. aceitou a proposta.... tenho de pensar em termos pequenos. Mas pode ter-me como sou! — Aceito. formulando o desafio final. orar e argumentar mais um pouco. vai querer marchar pelo seu mundo como os antigos bárbaros. Atha.. Nosso Jesus. como Jacó depois de sua luta com o anjo. 20 ou 10 homens justos nas cidades. poderá poupá-las?" E Deus. segundo dizem as Escrituras. Há ocasiões em que abro a boca e nada sai. Disse apenas palavras que nos são 375 . Deixo as coisas caírem.. Deveríamos bater na porta e clamar para sermos ouvidos. — Obrigado. Eu claudico. Persigo as palavras como uma criança corre atrás de bor. — Ele nada prometeu. Jean Marie Barette abraçou a menina e suplicou como nunca fizera antes.... — Esperem! Era Carl Mendelius quem intervinha. ou se quem está lá dentro é um espírito louco turbilhonando indiferente com as galáxias! — Peça então! — disse Mr.. sobre um tapete de cadáveres? Seria certamente um triunfo indigno. juntos. Mas não há sentido nisso se não houver ninguém lá dentro. bor. — O que deseja? — Tempo. — Quanto tempo nos dará? — Não muito. Por favor! Se é o Senhor. com uma simplicidade desanimada. mas o suficiente.— Uma pequena parte de mim aqui dentro não funciona mais. — No último momento. trabalhar. Apesar de seus tormentos e ferimentos. disse que nos seria dado tudo o que pedíssemos. Obrigado de todos nós.

.. Não tenho autoridade. creio que é o Ungido. — Partirei amanhã. sereno e descontraído. Terá de ensinar-lhes.. Lotte Mendelius levantou-se para tirar-lhe a menina. sentado em seu lugar. não tenho missão. Mas. Posso indicar-lhe todas as fontes! Ele fala como se o tempo fosse seu dom. mas. Jean! — Como.familiares há séculos. com um sorriso que reconhecia todas as coisas que haviam partilhado nos maus tempos em Roma. — Jean Marie Barette rezou para que sua voz se mantivesse firme. tão baixo que apenas ele pôde ouvir: — O que quer que você decida. Atha. segurando a menina e balançando para frente e para trás em sua cadeira.... com a língua tão vacilante e presa? — Você é uma rocha! E sobre você posso erguer um lugar para o meu povo! 376 . o Filho de Deus Vivo! .. E depois disse: — Carl. murmurando. Jean Marie afagou a mão dela e entregou-lhe a menina. a fim de tratar de outras coisas de meu Pai. Temos de nos contentar com o que temos... assim como me ensinou. Por que aceita menos desse homem? Houve um murmúrio de aprovação do grupo. Você é que deve ensinar-lhes. nós o amamos. Não posso falar por meus amigos... O que mais posso pedir? — A resposta. Jean Marie vacilou e recuperou-se lentamente.. depois para Jean Marie. — . nunca há provas suficientes.. Jamais recebi qualquer outra coisa desse homem que não fosse o bem. Atha. — Não! — disse Mr. — Quem sou eu? — Creio. É o que passou a sua vida inteira estudando. Você sabe isso. Lançou um rápido olhar para Carl Mendelius. Todos olharam primeiro para Mr. — .. Você abdicou porque não tinha autoridade para a sua profecia. Atha estimulou-o firmemente. meu velho amigo. por favor. como posso fazê-lo. — Mr.

— Acho que ele já tomou a decisão. Pelo menos Paulette não teria de sofrer mais e ele próprio seria poupado da visão de Paris depois da hecatombe. olhando sem ver para os documentos à sua frente. — E não há nada que possamos fazer. Em meio ao silêncio que se seguiu. Tateou o bolso do paletó e seus dedos se fecharam sobre a pequena caixa esmaltada que continha as duas cápsulas gelatinosas. Duhamel virou as costas. contemplando a neve a cair sobre Paris. mas só vai comunicar-nos quando estiver apertando o último botão. 377 . Sua vontade era abandonar aquela vigília interminável e desesperada e voltar para casa e deitar-se. o telefone soou estridentemente. Não queria ouvir a leitura da sentença de morte. — O Presidente prometeu telefonar-me da Casa Branca no momento em que chegasse a uma decisão. Absolutamente nada. A sensação proporcionou-lhe um conforto meio cansado e triste. Ele perguntou: — Que horas são? — Faltam cinco minutos para meia-noite — respondeu Pierre Duhamel. Ouviu o telefone ser desligado e depois um longo suspiro de alívio de seu chefe. O homem a quem servira por 20 anos estava sentado à escrivaninha imensa.EPÍLOGO Pierre Duhamel estava de pé junto à janela do gabinete do Presidente. o queixo apoiado nas mãos. os passaportes para o esquecimento para Paulette e ele próprio. O homem à escrivaninha atendeu prontamente. — É uma maneira infernal de passar a véspera de Natal.

— Graças a Cristo! — disse Pierre Duhamel.— Eles cancelaram! Acham que se abriu uma nova perspectiva em Moscou. — Qual é o próximo prazo? — Ainda não fixaram. — Graças a Cristo! As palavras soavam como uma prece. *** 378 .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful