Produção de Leite

Grupo de Linha Taquarinha recebe mais um curso de aperfeiçoamento
Há dois anos, 20 famílias recebem instruções da Epagri e há um ano se organizaram para armazenar e vender o leite em conjunto, aumentando assim seus lucros A produção de leite foi mais uma vez tema de um curso realizado em Planalto Alegre. Ministrado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), o mesmo ocorreu no final de outubro. No entanto, segundo a Engenheira Agrônoma, Angela Maria Sendeski, a Epagri e a Secretaria de Agricultura continuarão com os trabalhos, que aliás, já vêm sendo desenvolvidos no município há dois anos. “Esse curso veio complementar o trabalho”, explica. O curso do Senar foi dividido em três etapas. Nesta primeira, se trabalhou a implantação e manejo de pastagens. Em uma unidade foi instalado pastagens permanentes, cerca elétrica com pára - raio, piquetes, coxos d’ água e sal. A mesma servirá de referência para os produtores que poderão seguir o exemplo em suas propriedades. Já na Segunda etapa se abordará sobre “Manejo do rebanho” e na terceira o assunto será a “Qualidade do leite”. As três etapas serão realizadas com o mesmo grupo, de 20 famílias, na comunidade de Linha Taquarinha. Como tudo começou... Com o objetivo de aumentar a produção do leite, propiciar a melhoria na qualidade do produto, na genética e na alimentação, uma equipe técnica de Planalto Alegre se reuniu em 2005 para discutir a atividade de gado de leite. Participaram técnicos da Cooperativa Alfa, Epagri, Batavia, Prefeitura Municipal, Sindicato dos Trabalhadores Rurais e Projeto Microbacias II. Nessa reunião com as entidades, se traçou a metodologia de trabalho, que o inicio dos trabalhos seria em quatro grupos, ou seja, na Linha Taquarinha, na Linha Tope da Serra, Linha Tarumã e Linha Bonito/Perosso. Se realizou então, um diagnóstico por produtor. O que possibilitou conhecer melhor a realidade das propriedades, os equipamentos usados, alimentação, área de plantio de pastagem, número de animais, entre outros. Em seguida, se escolheu assuntos de Assistência Técnica que seriam abordados. Depois dessa reunião, foram vários encontros com os grupos das comunidades, onde se abordou a Normativa 51, Produção de Leite à Pasto, sobre as principais doenças nos animais, Fisiologia Animal e Qualidade do Leite. Já em 2006, se acrescentou mais três comunidades (grupos) no trabalho. Entraram então, as Linhas Feliz, Amizade e Melancia/Cascatinha. Taquarinha: um exemplo que deu certo No ano passado também, em Linha Taquarinha, um grupo se organizou para armazenar e comercializar a produção do leite em grupo, com 20 famílias. Eles receberam do Governo Federal, através do Ministério da Integração Nacional, um tanque com capacidade de dois mil litros de leite para armazenar o mesmo. Na época, havia diversos preços para o litro de leite e a comercialização era feita para várias empresas. Nesse grupo a produção por produtor variava de 200 a 2800 litros/mês, totalizando 22 mil litros de leite por mês.

Com a venda em conjunto, os produtores passaram a receber mais pelo produto. Ivete e Claudir Soranço contam que antes de formarem o grupo, faziam a venda individual do leite e recebiam 33 centavos ao litro. Após o grupo, no primeiro mês passaram a receber 52 centavos, depois 64 e já chegaram a receber até 90 centavos ao litro. Todos ganham o mesmo valor, não importa quem produz mais ou menos leite no grupo. Claudir e Ivete, que adquiriram a atual propriedade em Linha Taquarinha através do Banco da Terra, produzem em média 1050 litros de leite por mês. Possuem cinco animais em lactação, alimentados exclusivamente a pasto. Atualmente o casal possui 2,5 hectares de pastagem perenes (Missioneira Gigante, Hermaltria e Capim Pioneiro). No entanto, eles já estão preparando mais 2,5 hectares de pasto. “Hoje a atividade leiteira não é a principal na propriedade, mas pretendemos torná-la a mais importante e talvez a única, conforme os resultados”, analisa Claudir. Segundo o Secretário de Agricultura de Planalto Alegre, Elvino Taffarel, é a produção a base de pasto que incentiva o produtor de leite, pois o lucro será maior, já que não tem gastos com rações e outros tipos de alimentação. Conforme Angela, hoje, o grupo de Linha Taquarinha produz mais de 30 mil litros de leite mensais, e, há perspectiva de que, em dois anos, possam dobrar a produção de leite. Até porque recentemente se realizou planejamento individual por propriedade para se verificar a capacidade de produção de pasto e também em cima dessa produção, a lotação animal. No início deste ano, a Epagri realizou uma avaliação com as 20 famílias sócias em Taquarinha para apontar os pontos positivos e negativos da organização. Na avaliação do grupo, foi apontado como positivo a união do grupo, motivação do trabalho, maior lucro, melhor qualidade do leite, poder de negociação, maior produção, entre outros. Já os pontos fracos é a influência de terceiros, fofocas, não planejamento da produção e o custo da produção. A partir disso, o grupo traçou seus objetivos, entre os quais está a produção de pastagem permanente, diminuir custos com ração e sementes de pastagem, eliminar vacas com baixa produção, manter o controle da produção e administração da atividade do leite. Quanto as outras comunidades, já há dois grupos organizados, na Linha Tarumã (6 famílias) e Linha Perosso (13 famílias), para armazenar e comercializar em conjunto. Só estão aguardando a aquisição do Tanque para armazenagem. BOX Normativa 51 A Instrução Normativa 51 foi criada para melhorar a qualidade do leite produzido no Brasil. Ela estabelece critérios de higiene, de manejo sanitário, de armazenamento e transporte do leite. O que vai realmente definir se o leite pode ser vendido é o teste de laboratório, que será baseado em amostras mensais recolhidas em cada propriedade. Leite com alto teor de bactérias e células somáticas poderá ser reprovado, assim como o produto pobre em gorduras e proteínas.

Master your semester with Scribd & The New York Times

Special offer for students: Only $4.99/month.

Master your semester with Scribd & The New York Times

Cancel anytime.