Manual do Simulador Empresarial Tangram

2008


Sumário
1 APRESENTAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
1. 1 DA TANGRAM SI STEMAS EMPRESARI AI S . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
1. 2 DO PROCESSO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
2 LABORATÓRI O DE GESTÃO EMPRESARI AL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
2. 1 I NTRODUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
2. 2 LEI TURA DO MANUAL DO SI MULADOR EMPRESARI AL TANGRAM . . . . . . . . . . . . . . 8
2. 2. 1 ÁREA COMERCI AL. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
2. 2. 2 ÁREA DA PRODUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
2. 2. 3 ÁREA DE RECURSOS HUMANOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
2. 2. 4 ÁREA FI NANCEI RA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
2. 2. 5 CENÁRI O GLOBAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
2. 2. 6 CLI PPI NG EMPRESARI AL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
2. 2. 7 ANEXO AO MANUAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
2. 2. 8 ÁREA DE COMERCI ALI ZAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
2. 2. 9 DECI SÃO MENSAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
2. 2. 9. 1 DECI SÕES DA DI RETORI A DE RECURSOS HUMANOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
2. 2. 9. 2 DECI SÕES DA DI RETORI A DE FI NANÇAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
2. 2. 9. 3 DECI SÕES DA DI RETORI A DE PRODUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
2. 2. 9. 4 DI RETORI A COMERCI AL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
2.2.9.5 LI STA DE SÍ MBOLOS, ABREVI ATURAS E SI GLAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
3 GESTÃO COMERCI AL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
3. 1 O PRODUTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
3. 1. 1 COMPOSI ÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
3. 2 ÁREAS DE COMERCI ALI ZAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
3. 3 A DEMANDA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
3. 4 O MERCADO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
3. 5 Í NDI CE DE CRESCI MENTO ECONÔMI CO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
3. 6 SAZONALI DADE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
3. 7 GESTÃO DE PREÇOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
3. 8 PRAZO DE VENDA. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
3. 9 TAXA DE JUROS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
3. 10 GESTÃO DE MARKETI NG . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
3. 11 CONTROLE DE PREÇOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
4 GESTÃO DA PRODUÇÃO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
4. 1 CAPACI DADE DE PRODUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
4. 2 NÍ VEL DE ATI VI DADE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
4. 3 PRODUÇÃO EXTRA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
4. 4 PRODUTI VI DADE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
4. 5 GESTÃO DAS LI NHAS DE PRODUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
4. 5. 1 MANUTENÇÃO DAS LI NHAS DE PRODUÇÃO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
4. 6 COMPRA E VENDA DE LI NHAS DE PRODUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
4. 6. 1 VENDA DE LI NHAS DE PRODUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
4. 6. 2 COMPRA DE LI NHAS DE PRODUÇÃO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
4. 7 GESTÃO DAS COMPRAS DE CMP COMPRA PROGRAMADA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
4. 7. 1 COMPRA EXTRA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
4. 8 GESTÃO DE ESTOQUE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
4. 8. 1 CUSTO DE MANUTENÇÃO DE ESTOQUE DE CMP . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
4. 8. 2 DESPESA COM MANUTENÇÃO DE PRODUTOS ACABADOS . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
4. 8. 3 CUSTO TOTAL COM ESTOQUES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
4. 9 DEPRECI AÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
5 ADMI NI STRAÇÃO FI NANCEI RA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
5. 1 EMPRÉSTI MOS BANCÁRI OS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
5. 2 CRÉDI TO ESPECI AL AUTOMÁTI CO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
5. 3 FI NANCI AMENTO PARA COMPRA DE LI NHAS DE PRODUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
5. 4 ANTECI PAÇÃO DE RECEBÍ VEI S DE CLI ENTES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
5. 5 APLI CAÇÃO FI NANCEI RA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
5. 6 PARTI CI PAÇÃO NOS LUCROS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
5. 7 BÔNUS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
5. 8 DI VI DENDOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
5. 9 ATRASOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
6 GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
6. 1 A FOLHA DE PAGAMENTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
6. 2 A MOTI VAÇÃO E A PRODUTI VI DADE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
6. 3 TURNOVER . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36

4

6. 4 ADMI SSÕES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
6. 5 DEMI SSÕES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
6. 6 A GREVE E A PRODUTI VI DADE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
7 AÇÕES DAS EMPRESAS E A BOLSA DE VALORES. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
7. 1 BUSCA DOS I NDI CADORES NOS RELATÓRI OS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
7. 1. 1 BALANÇO PATRI MONI AL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
7. 1. 2 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍ CI O – DRE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
7. 1. 3 RELATÓRI O DE MERCADO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
7. 1. 4 CLI PPI NG EMPRESARI AL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
7. 2 I NDI CADORES DE DESEMPENHO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
7. 2. 1 VALOR DO PATRI MÔNI O LÍ QUI DO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
7. 2. 2 ENDI VI DAMENTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
7. 2. 3 LI QUI DEZ CORRENTE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
7. 2. 4 RENTABI LI DADE DO ATI VO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
7. 2. 5 MARGEM DE LUCRO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
7. 2. 6 PARTI CI PAÇÃO NAS VENDAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
7. 3 CÁLCULO DOS COEFI CI ENTES. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
7. 3. 1 COEFI CI ENTE DE ENDI VI DAMENTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
7. 3. 2 COEFI CI ENTE DO VALOR DO PATRI MÔNI O LÍ QUI DO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
7. 3. 3 COEFI CI ENTE DO VALOR DA LI QUI DEZ CORRENTE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
7. 3. 4 COEFI CI ENTE DO VALOR DA MARGEM DE LUCRO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
7. 3. 5 COEFI CI ENTE DA PARTI CI PAÇÃO NAS VENDAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
7. 3. 6 COEFI CI ENTE DA RENTABI LI DADE DO ATI VO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
7. 3. 7 CÁLCULO DO VALOR DA AÇÃO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
8 OPERAÇÃO NA BOLSA DE VALORES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
8. 1 BÔNUS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
8. 2 DI VI DENDOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
8. 2. 1 APLI CAÇÃO ( COMPRA) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
8. 3 RESGATE ( VENDA) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
8. 4 EXTRATO DA BOLSA DE VALORES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
8. 5 RENDI MENTO DO I NVESTI DOR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
9 RELATÓRI OS GERENCI AI S . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
9. 1 I NFORMAÇÕES GERADAS PELO SI MULADOR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
10 REFERÊNCI AS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49



1 APRESENTAÇÃO
1. 1 DA TANGRAM SI STEMAS EMPRESARI AI S
TANGRAM é um j ogo f i gur at i vo de or i gem chi nesa. Sur gi u por vol t a do sécul o
VI I A. C. com a denomi nação de “ As Set e Tábuas da Ast úci a” .
No decor r er dest es mai s de 25 sécul os, os j ogador es do TANGRAM t êm
demonst r ado cri at i vi dade e habi l i dade par a or denar , de modo l ógi co, as 7 ( set e) peças
dest e “ quebr a cabeça” .
Ut i l i zando- se da met áf or a do j ogo Chi nês, um gr upo de pr of essor es
uni ver si t ár i os, com exper i ênci a em gest ão de empr esas, cr i ou a TANGRAM SI STEMAS
EMPRESARI AI S.
A TANGRAM busca organi zar os pri nci pai s el ement os (“peças”) da
admi ni st ração moderna, i nt egr ando-os harmoni cament e, de modo a desenvol ver
nas empresas a cul t ura da excel ênci a em gest ão empresari al . Gest ão que deve
est ar al i cerçada nos 12 f undament os e 8 cri t éri os de excel ênci a do Prêmi o
Naci onal da Qual i dade (PNQ) para a const rução de Empresas Cl asse Mundi al .
A l ogomar ca da TANGRAM é uma ver são est i l i zada do di agr ama que repr esent a
o “ Model o de Excel ênci a do PNQ – uma vi são si st êmi ca da organi zação” .
1. 2 DO PROCESSO
Os par t i ci pant es são i nser i dos em um ambi ent e: Laborat óri o Vi rt ual de
Si mul ação Empresari al no qual se exer ci t a a Admi ni st r ação nas suas di ver sas
ext ensões. É de r esponsabi l i dade dos par t i ci pant es a t omada de deci sões nas ár eas
f i nancei r a, de market i ng, de pr odução e de r ecur sos humanos, l evando em consi der ação
a r eal i dade dos r espect i vos set or es e o mer cado que os r ege. O Laborat óri o possi bi l i t a
o desenvol vi ment o de t r abal ho em equi pe, at uando em ambi ent e de concorr ênci a mui t o
pr óxi mo da r eal i dade.
Todo pr ocesso de gest ão no Laboratóri o segue o f l uxogr ama apr esent ado na
Fi gur a 1.

6


Relatórios Gerenciais
Análise e Diagnóstico
Clipping Empresarial
Decisões
(da Empresa e dos Diretores)
Planejamento
(Orçamento + Indicadores)
Internet
Internet
EMPRESA 1
AMBIENTE DE SIMULAÇÃO 1 Internet
EMPRESA 2
EMPRESA 4
EMPRESA 5
EMPRESA 3
EMPRESA n
LABORATÓRIO TANGRAM
Gertão Empresarial Integrada
AMBIENTE DE SIMULAÇÃO 2 AMBIENTE DE SIMULAÇÃO m
AMBIENTE DE SIMULAÇÃO 3 AMBIENTE DE SIMULAÇÃO 4
Fi gura 1: Fl uxogr ama do processo de Si mul ação no Laborat óri o




2 LABORATÓRI O DE GESTÃO EMPRESARI AL
2. 1 I NTRODUÇÃO
Este manual orienta os parti cipantes no processo decisório de si mul ação
empr esar i al . O Si mul ador Empr esar i al Tangr am f oi const r uí do a par t i r de novas
t ecnol ogi as, per mi t i ndo apr oxi mar t eor i a e pr át i ca. Por t ant o, um ver dadei r o
l abor at ór i o de gest ão. Est e l abor at ór i o possi bi l i t a a compl et a i mer são dos
execut i vos - ger ent es - t r ai nees em um mundo empr esar i al vi r t ual , of er ecendo uma
excel ent e f er r ament a de capaci t ação est abel eci da em ambi ent e mui t o pr óxi mo da
real i dade empr esar i al .
O obj et i vo é of er ecer ao par t i ci pant e do l abor at ór i o de gest ão empr esar i al
a opor t uni dade de VI VENCI AR as di ver sas at i vi dades do pr ocesso de gest ão
i nt egr ada ( Ár eas Comer ci al , Pr odução, Fi nancei r a e Recur sos Humanos) de uma
Empr esa do r amo I ndust r i al , em um ambi ent e compet i t i vo:
− Análise e diagnóstico do ambiente interno e externo.
− Processo participativo de tomada de decisão.
− Importância de um sistema de informações integrado como apoio ao processo
decisório.
Com est a capaci dade de t r azer a r eal i dade par a um ambi ent e de t est e, os
execut i vos – ger ent es – t r ai nees t er ão a possi bi l i dade de si mul ar est r at égi as,
t est ar ef i cáci a e medi r a per f or mance empresar i al em um ambi ent e CRI ADO
conf or me as necessi dades do mer cado.
O l abor at ór i o de gest ão possi bi l i t a aos par t i ci pant es o desenvol vi ment o do
pr ocesso deci sór i o par t i ci pat i vo ( t r abal ho em equi pe) e a capaci dade de
I NTEGRAR os concei t os das di ver sas ár eas da admi ni st r ação.

8

2. 2 LEI TURA DO MANUAL DO SI MULADOR EMPRESARI AL TANGRAM
Par a f aci l i t ar a l ei t ur a dest e manual , descr evem- se os t er mos usados pel o
pr ocesso de si mul ação e um cenár i o par a cont ext ual i zar a i déi a do pr ocesso
i ndust r i al si mul ado.
Dest acam- se as r esponsabi l i dades de cada uma das Ár eas Funci onai s da
Empr esa const i t uí da:
2. 2. 1 ÁREA COMERCI AL
Par a def i ni ção da Pol í t i ca de Comer ci al i zação da empr esa, com o obj et i vo
de “ vender ” t oda a pr odução, é necessár i o deci di r sobr e:
− Área de venda.
− Preço de venda.
− Juros na venda.
− Prazo de venda.
− Número de campanhas de marketing.
2. 2. 2 ÁREA DA PRODUÇÃO
Par a a def i ni ção da Capaci dade de Pr odução da empr esa e em busca de
uma pol í t i ca que per mi t a a r edução dos cust os da pr odução é necessár i o deci di r
sobr e:
− Modelos e quantidades de Linhas de Produção.
− Número de Empregados.
− Produtividade dos Empregados.
− Nível de atividade da Empresa.
− A compra e venda das Linhas de Produção.
− A compra de Componentes de Matéria Prima para composição do produto
produzido.
2. 2. 3 ÁREA DE RECURSOS HUMANOS
Nest a área é necessár i o def i ni r :
− Contratação e demissão de empregados da Área de Produção.
− Definir a política de motivação dos Empregados.

9

2. 2. 4 ÁREA FI NANCEI RA
Par a a ef et i va gest ão f i nancei r a da empr esa, é necessár i o cont r ol ar o f l uxo
de cai xa ( r ef er ent e a r ecebi ment os e pagament os) e os r esul t ados cont ábei s
(or i undos do Bal anço Pat r i moni al e da Demonst r ação do Resul t ado do Exer cí ci o) .
Com esses cont r ol es é possí vel def i ni r :
− Antecipação de recebíveis.
− Investimentos para ampliação da produção.
− Organizar fluxo financeiro: presente e futuro.
− Contratar financiamentos e empréstimos bancários.
2. 2. 5 CENÁRI O GLOBAL
Uma nova equi pe de execut i vos f oi cont r at ada par a admi ni st r ar a empr esa,
a par t i r de Feverei r o. Est a equi pe ser á responsável pel a admi ni st r ação das
segui nt es ár eas f unci onai s da Empr esa:
− Recursos Humanos.
− Comercial.
− Produção.
− Financeira.
CONCORRÊNCIA
GESTÃO DE
RECURSOS HUMANOS
GESTÃO
PRODUÇÃO
C
L
I
E
N
T
E
S
F
O
R
N
E
C
E
D
O
R
E
S
CENÁRIO
EXTERNO
GESTÃO
COMERCIAL
GESTÃO
INTEGRADA
GESTÃO
FINANCEIRA

Fi gura 2: Fl uxo do Cenár i o Gl obal

10

2. 2. 6 CLI PPI NG EMPRESARI AL
É um i nf or mat i vo per i ódi co, di vul gado a t odas as empr esas par t i ci pant es,
onde é di vul gado o cenár i o do mês cor r ent e: not í ci as e í ndi ces.
2. 2. 7 ANEXO AO MANUAL
A sua f i nal i dade é de def i ni r os par âmet r os que ser ão ut i l i zados na
si mul ação e abr ange as segui nt es i nf or mações: composi ção do Produt o, Li nhas de
Pr odução (
i
LP) , Depr eci ação, compr a de Component es de Mat ér i a Pr i ma (
i
CMP) ,
Empr ést i mo Bancár i o, i nst r uções sobr e pr eenchi ment o da deci são mensal e cont as
do r el at ór i o cont ábi l .
2. 2. 8 ÁREA DE COMERCI ALI ZAÇÃO
No i ní ci o da si mul ação ser ão def i ni das as ár eas possí vei s par a
comer ci al i zação dos Pr odut os. Cont udo, a empresa poder á comer ci al i zar os seus
Pr odut os em quai squer das ár eas def i ni das. As ár eas de comer ci al i zação t ambém
podem ser var i ávei s: desde uma úni ca at é um gr ande númer o ( por exempl o:
car act er i zando ci dades de um est ado ou r egi ões de um paí s) .
Nest a comer ci al i zação haver á um cust o de l ogí st i ca, cor r espondent e ao
f r et e, segur o et c, par a que o Pr odut o sej a ent r egue ao compr ador . Est e cust o ser á
di vul gado no Cl i ppi ng Empr esar i al .
Quando a empr esa deci di r vender na Ár ea de Comer ci al i zação na qual est á
l ocal i zada a sua sede, o cust o de l ogí st i ca é r eduzi do par a 50% do cust o de
l ogí st i ca das demai s ár eas.
2. 2. 9 DECI SÃO MENSAL
Nesse r el at ór i o devem est ar cont i das as deci sões t omadas pel a empr esa
par a o pr óxi mo mês. Todas as deci sões devem t er val ores posi t i vos.
Especi al at enção deve ser dada par a a dat a e hor ár i o de ent r ega do
rel at ór i o com as deci sões t omadas.
Devem ser pr eenchi dos os segui nt es campos:
− Diretoria de Recursos Humanos.
− Diretoria de Finanças.
− Diretoria de Produção.
− Diretoria Comercial.
− Decisão da Bolsa de Valores (Opcional).

11

2. 2. 9. 1 DECI SÕES DA DI RETORI A DE RECURSOS HUMANOS
− Admissões: Número de empregados da produção a serem admitidos.
− Demissões: Número de empregados da produção a serem demitidos.
− Salário dos Empregados da Produção: Salário a ser pago aos empregados
da área de produção. Os empregados da área da administração e área
comercial, terão como salário três vezes o salário da área de produção. O
salário pago no mês não pode ser inferior ao salário pago no mês anterior.
− Treinamento: Deve ser informado o percentual a ser aplicado sobre a folha de
pagamento referente a treinamento dos empregados da produção.
− Participação nos Lucros: Percentual de participação nos lucros da empresa a
ser distribuído aos empregados da produção.
− Bônus da Diretoria: Percentual de participação nos lucros da empresa a ser
distribuído aos diretores.
2. 2. 9. 2 DECI SÕES DA DI RETORI A DE FI NANÇAS
− Empréstimo: Valor total do empréstimo a ser solicitado.
− Tipo de Empréstimo: Código do tipo de empréstimo solicitado. Pode ser Tipo
1 (pago no mês seguinte) e Tipo 2 (4 parcelas pelo Sistema de Amortização
Constante, com início de pagamento no mês seguinte).
− Aplicação: Valor a ser aplicado no mercado financeiro.
− Antecipação de Recebíveis de Clientes: Valor a ser antecipado, das vendas
efetuadas a prazo, mediante desconto de duplicata.
2. 2. 9. 3 DECI SÕES DA DI RETORI A DE PRODUÇÃO
− Nível de Atividade: Percentual do nível de atividade que a empresa irá operar
no mês. O percentual pode variar de 0,0% a 100,0%.
− Produção Extra: Percentual de Produção Extra a ser realizada no mês. O
percentual pode variar de 0,0% a 25,0%.
− Compra de Componentes:
− Quant i dade: O númer o da quant i dade de Component es de Mat ér i a
Pr i ma a ser em adqui r i dos.
− Pr azo: Códi go do t i po de pagament o da compr a de Component es de
Mat ér i a Pr i ma. Pode ser Ti po 1 ( À Vi st a) , Ti po 2 ( 1+1) e Ti po 3
( 1+2) .
− Compra e Venda de Linhas de Produção:
− Venda: Quant i dade de Li nhas de Pr odução a ser em vendi das.
− Compra: Quant i dade de Li nhas de Pr odução a ser em compr adas.
− Fi nanci ament o: 60% do val or das Li nhas de Pr odução r ecebe
f i nanci ament o compul sór i o, que pode ser do Ti po 1 ( Tr i mest r al ) ou
Ti po 2 ( Bi mest r al ) .

12

2. 2. 9. 4 DI RETORI A COMERCI AL
− Solicitação de Relatórios de Outras Empresas: Relatório Contábil e/ou
Relatório de Mercado.
− Preço: É o preço do produto para cada Área de Comercialização. Se a
empresa não desejar vender em uma determinada área, deve definir o preço
como 0 (zero). O preço é definido em unidades monetárias sem casa decimal.
− Prazo: É o código do prazo de venda que a empresa deseja usar para vender
os produtos em cada Área de Comercialização. Pode ser Tipo 1 (Á Vista), Tipo
2 (1+1) e Tipo 3 (1+2).
− Marketing: É o número de campanhas de marketing aplicadas por Área de
Comercialização: Em uma mesma área podem ser aplicadas no máximo dez
campanhas.
− Juros: Percentual de juros a ser aplicado pela empresa na venda a prazo, o
uso de até uma casa decimal.
2.2.9.5 LI STA DE SÍ MBOLOS, ABREVI ATURAS E SI GLAS
$: Uni dade Monet ár i a
%: Per cent ual
# : Númer o
i
: Sub escr i t o si gni f i ca Í ndi ce i ou i ndi cador numér i co de posi ção i : 1, 2, . . .
i : Taxa de Jur os
Ap : Apl i cação
AC: At i vo Ci r cul ant e
Ai : At i vo no I ní ci o do Mês
Ca : Cai xa
CS: Capi t al Soci al
Cl : Cl i ent es
i
CMP : Component es de Mat ér i a Pr i ma
CP: Cont as à Pagar
CPR: Cust os de Pr odução
CF: Cust os Fi xos
CV : Cust os Var i ávei s
DP: Di vi dendos a Pagar
ECP: Empr ést i mo Curt o Pr azo
ELP: Empr ést i mo Longo Pr azo
E: Endi vi dament o
i
ECMP : Est ocagem de
i
CMP

13

ET : Est ocagem Tot al
EP: Est oque de Pr odut os
EFP: Est oque Fi nal de Pr odut os
F: For necedor es
IRP: I mpost o de Renda a Pagar
ICE: Í ndi ce de Cr esci ment o Econômi co
i
LP : Li nha de Pr odução i
LC: Li qui dez Cor r ent e
LA: Lucr o Acumul ado
L: Lucr o do Mês
ML : Mar gem de Lucr o
M: Mês Cor r ent e
1 M+ ++ + : Mês Subseqüent e ao mês M
2 M+ ++ + : Mês Subseqüent e ao mês 1 M+ ++ +
PV : Par t i ci pação nas Vendas
PP: Par t i ci pações a Pagar
PC: Passi vo Ci r cul ant e
PE: Pont o de Equi l í br i o
PCMP: Pr eço de
i
CMP no Mês
QPTV : Quant i dade de Pr odut os Tot ai s Vendi dos
QPVE : Quant i dade de Pr odut os Vendi dos pel a Empr esa
QCMP: Quant i dade I ni ci al de
i
CMP
RV: Recei t a de Vendas
RA: Rent abi l i dade do At i vo
TJLP: Taxa de Jur os de Longo Pr azo
TA: Tot al do At i vo
VPL : Val or do Pat r i môni o Lí qui do




3 GESTÃO COMERCI AL
3. 1 O PRODUTO
O Equi pament o El et rôni co f abr i cado pel as empr esas t er á o mesmo
padrão de benef i ci ament o e qual i dade. Não exi st em di f er enças que possam
ger ar vant agens par a uma ou out r a empr esa. A vant agem compet i t i va dar - se- á
pel a di f er enci ação de pr eço, i st o si gni f i ca que as empr esas dever ão mi ni mi zar
seus cust os e despesas.
3. 1. 1 COMPOSI ÇÃO
O Equi pament o El et rôni co ser á pr oduzi do a par t i r da combi nação de
Component es de Mat ér i a Pr i ma:
1
CMP ,
2
CMP , . . . e
n
CMP , ou si mpl esment e
i
CMP , conf or me const a no i t em 1. 1 do Anexo ao Manual .


3. 2 ÁREAS DE COMERCI ALI ZAÇÃO
As ár eas de comer ci al i zação possí vei s do Equi pament o El et rôni co
est ão def i ni das nos r el at ór i os ger enci ai s.
Cada Empr esa est á i nst al ada em uma Ár ea de Comer ci al i zação
especí f i ca. A Empr esa poder á comer ci al i zar seus Equi pament os El et rôni cos
em qual quer Ár ea de Comer ci al i zação que desej ar.
As despesas com l ogí st i ca dos Equi pament os El etrôni cos
( t r anspor t e, segur o et c. ) ser á i nf or mada no Cl i ppi ng Empr esar i al e ser á i gual
par a t odas as ár eas de Comer ci al i zação, excet o par a a Ár ea de
Exempl o 1:
A Composi ção de um Equi pament o El et r ôni co é def i ni do por :
3 2 1
CMP 1 CMP 5 CMP 3 oduto Pr × ×× × + ++ + × ×× × + ++ + × ×× × = == =

onde:
Gabinete : CMP
cos Eletrôni s Componente : CMP
cos Elétri s Componente : CMP
Eletrônico o Equipament : oduto Pr
3
2
1


15

Comer ci al i zação onde a Empr esa est á l ocal i zada, que t er á um descont o de
50% do val or publ i cado no Cl i ppi ng Empr esar i al .
Todas as Ár eas de Comer ci al i zação são eqüi di st ant es ent r e si .
A Empr esa poder á dei xar de comer ci al i zar seus Equi pament os
El et rôni cos em uma det ermi nada Ár ea de Comer ci al i zação, bast ando par a
i sso i nf or mar o pr eço de venda do Equi pament o El et rôni co como 0 ( zero) .
3. 3 A DEMANDA
Cada Empr esa dever á def i ni r sua pol í t i ca de comer ci al i zação
ut i l i zando- se das segui nt es var ávei s: Preço, Prazo, Taxa de Juros e
Campanhas de Marketi ng. A combi nação das pol í t i cas de comer ci al i zação
das empr esas com o Cresci ment o Econômi co e a Sazonal i dade def i ni r ão a
demanda pel o Equi pament o El et rôni co em cada uma das Ár eas de
Comer ci al i zação.
3. 4 O MERCADO
O mer cado ser á af et ado apenas pel o Cresci ment o Econômi co e
det er mi na o pot enci al máxi mo de vendas por Ár ea de Comer ci al i zação.
3. 5 Í NDI CE DE CRESCI MENTO ECONÔMI CO
O Í ndi ce de Cr esci ment o Econômi co ( I CE) det er mi na a t endênci a de
var i ação da demanda. O I CE pode ser posi t i vo, nul o ou negat i vo. Um I CE
negat i vo det er mi na uma r et r ação no mer cado. O I CE é di vul gado mensal ment e
at r avés do Cli ppi ng Empresarial.
QUADRO 1: Í ndi ce de Cr esci ment o Econômi co
I ndi cador Si t uação Demanda
I CE < 0, 0% Mer cado em Ret r ação Redução
I CE = 0, 0% Mer cado Est ável Manut enção
I CE > 0, 0% Mer cado em Expansão Cr esci ment o


16

3. 6 SAZONALI DADE
A sazonal i dade det er mi na o aument o da demanda do Equi pamento
El et rôni co em det er mi nadas épocas do ano. El a r epr esent a um aument o de
apr oxi madament e 50% da demanda nos meses de Abr i l , Agost o e Dezembr o.
O per cent ual de aument o poder á var i ar de acor do com os f at or es que
i nf l uenci am a demanda pel o Equi pamento El et rôni co ( pol í t i cas de
comer ci al i zação e I CE) .
Nos meses segui nt es há ocor r ênci a da sazonal i dade a demanda
r et or na aos ní vei s nor mai s.
A demanda não é cumul at i va, ou sej a, demanda ger ada e não
at endi da pel o si st ema pr odut i vo, ser á per di da.
3. 7 GESTÃO DE PREÇOS
O Si mul ador Empr esar i al Tangr am não f az di st i nção de qual i dade dos
Equi pament os El et rôni cos f abr i cados pel as vár i as empr esas.
A l ógi ca do mer cado é:
Venderá mai s a Empresa que prat i car o menor preço, mant i dos
i guai s os demai s parâmet ros ( market i ng, prazo e juros) .
O Si mul ador Empr esar i al Tangr am consi der a como pr eço r ef er enci al ,
o pr eço médi o do mer cado, ou sej a, o sof t war e compar a os pr eços pr at i cados
dent r o da Ár ea de Comer ci al i zação, r esul t ando em mai or es vendas par a a
Empr esa que pr at i car o menor pr eço.
Vender ão menos, pr opor ci onal ment e, as empr esas que pr at i car em
pr eços aci ma do preço pr at i cado pel a concor r ênci a, por ém, um pr eço mai or
pode ser compensado por mai or pr azo, mai or mar ket i ng ou menor es j ur os.
− Preço de Venda é igual ao preço de custo mais a margem de
contribuição.
− Preço de Custo é igual ao custo de produção mais as despesas
operacionais com vendas, mais despesas administrativas e mais
despesas financeiras.
− Margem de Contribuição é igual a impostos (o simulador trabalha
especificamente com Imposto de Renda) mais a participação dos
empregados no lucro, mais o bônus da diretoria, mais os dividendos dos
acionistas e mais o lucro pretendido.

17

3. 8 PRAZO DE VENDA
O pr azo de venda t ambém ser á consi der ado par a def i ni r a quant i dade
vendi da pel a empr esa. Quant o mai or o pr azo e menor a t axa de j ur os, mai or a
pr ef erênci a na venda ( est es i t ens serão consi derados em conj unt o com o
preço prat i cado) .
O Si mul ador Empr esar i al Tangram per mi t e opções de pr azos par a
comer ci al i zação dos Equi pament os El et rôni cos ( vej a descr i ção no i t em 1. 2
do Anexo ao Manual ) . A Empr esa poder á def i ni r Pr azos e Taxa de Jur os
di f er enci ados por Ár ea de Comer ci al i zação.
QUADRO 2. Tabel a de pr azos de venda
Códi go Pr azo Par cel ament o
1 À vi st a 100% no mês da venda
2 1 + 1 50% no mês da venda + 50% no mês segui nt e, acr esci do de j ur os
3 1 + 2
40% no mês da venda + 2 par cel as i guai s acr esci das de j ur os
nos meses subseqüent es



Cál cul o das parcel as – Códi go 3
( (( ( ) )) )
i 2
i 1 C
Parcela
2
+ ++ +
+ ++ + × ×× ×
= == =

C: Capi t al (60% do val or à vi sta)
i : Taxa de Juros def i ni da pel a Empresa
3. 9 TAXA DE JUROS
A Empr esa def i ni r á a t axa de j ur os di r et ament e em f or ma de
per cent ual , podendo ut i l i zar uma casa deci mal . A Empr esa poder á não cobr ar
j uros em suas vendas a prazo. Par a i sso bast a i nf or mar a t axa como 0, 0%.
Taxas de j ur os mui t o el evadas r ef l et em no í ndi ce de i nadi mpl ênci a.
O Si mul ador Empr esar i al Tangr am ut i l i za códi gos par a a def i ni ção dos
pr azos. I nf or mações do t i po: Códi go, Pr azo e Par cel ament o ser ão descr i t os
no i t em 1. 2 do Anexo ao Manual .

18

3. 10 GESTÃO DE MARKETI NG
O i nvest i ment o em mar ket i ng ser á def i ni do pel o númer o de
campanhas de pr opaganda a ser em real i zadas em cada Ár ea de
Comer ci al i zação.
O i nvest i ment o em mar ket i ng pr eci sa ser ponder ado, opor t uni zado e,
pr ef erenci al ment e, di f er enci ado por Ár ea de Comer ci al i zação.
Os ef ei t os do i nvest i ment o em campanhas de mar ket i ng real i zados em
um mês pr opagam- se por mai s doi s meses. O mai or ef ei t o ser á no mês da
apl i cação, e o menor ef ei t o no segundo mês após a apl i cação. Essa é a
apl i cação do concei t o de mar ket i ng r esi dual .
3. 11 CONTROLE DE PREÇOS
O Coor denador da Si mul ação poder á det er mi nar a i mpor t ação de
Equi pament os El et rôni cos caso t al medi da se f aça necessár i o. É comum
ocor r er a i mpor t ação quando as empr esas est i ver em pr at i cando preços mui t o
el evados devi do a al t a mar gem de l ucr o pr at i cada.
A i mpor t ação é def i ni da at r avés de um per cent ual ar bi t r ár i o di vul gado
nos r el at ór i os ger enci ai s. Esse per cent ual def i ne quant o da demanda o
Governo pr et ende at ender .
Os Equi pament os El et rôni cos i mpor t adas pel o Gover no serão
col ocados nas Ár eas de Comer ci al i zação como sendo uma Empr esa
concor r ent e. I st o é, a Empr esa per der á vendas conf or me o seu preço
pr at i cado. Quant o mai or o preço pr at i cado, mai or ser á o per cent ual de vendas
per di das, at é o l i mi t e do per cent ual de i mpor t ação.
A Empresa que pr at i car pr eços at r aent es não ser á af et ada pel a
i mpor t ação.
A i mpor t ação poder á ser suspensa a qual quer moment o.


4 GESTÃO DA PRODUÇÃO
4. 1 CAPACI DADE DE PRODUÇÃO
A capaci dade de pr odução da Empr esa depende das segui nt es
var i ávei s:
− Quantidade e Tipo de Linhas de Produção.
− Número de Empregados.
− Índice de Produtividade dos Empregados.
− Nível de Atividade.
− Produção Extra.
A pr odução t ambém é af et ada por gr eve de empr egados ( os f at or es
que l evam à gr eve est ão descr i t os no capí t ul o de Gest ão de Recur sos
Humanos) .
O não pr eenchi ment o dos post os de t r abal ho das Li nhas de Pr odução
r eduz, de f or ma di r et ament e pr opor ci onal , a quant i dade pr oduzi da de
Equi pament os El et rôni cos.
Empr egados excedent es na Li nha de Pr odução não aument am a
pr odução, poi s as Li nhas de Pr odução possuem post os de t r abal ho.
A al ocação dos empr egados é pr i or i zada par a a Li nha de Pr odução de
mai or capaci dade e mai s nova.
4. 2 NÍ VEL DE ATI VI DADE
O Ní vel de At i vi dade pode var i ar de 0, 0% a 100, 0%. Nor mal ment e a
Empr esa ut i l i zar á um Ní vel de At i vi dade de 100, 0%, por ém se possui r
est oques mui t o el evados ou se desej ar evi t ar a Compr a Ext r a de
Component es de Mat ér i a Pr i ma,
i
CMP , poder á r eduzi r o Ní vel de At i vi dade
pr opor ci onal ment e à quant i dade que desej a pr oduzi r . A r edução no Ní vel de
At i vi dade não r eduz as despesas com a f ol ha de pagament o, ou sej a, ser á
como a empr esa def i ni r f ér i as col et i vas par ci ai s no mês.

20

4. 3 PRODUÇÃO EXTRA
A Empr esa poder á opt ar em aument ar a sua produção ut i l i zando- se de
hor as ext r as. Par a i sso dever á i nf or mar o per cent ual de Produção Ext r a. O
máxi mo de Pr odução Ext r a que a Empr esa pode t er é de at é 25, 0%. Esse
l i mi t e f oi def i ni do com base na l ei que l i mi t a duas hor as ext r as di ár i as,
consi der ando uma j or nada de 8 hor as di ár i as.
Soment e poder á exi st i r Produção Ext r a quando o Ní vel de At i vi dade
f or 100, 0%.
Dur ant e o per í odo da Pr odução Ext r a o val or do sal ár i o dos
empr egados da Ár ea de Pr odução ser á acr esci do em 50%.
O si mul ador não pr evê a cr i ação de novos t ur nos de t r abal ho.
4. 4 PRODUTI VI DADE
A Pr odut i vi dade dos empr egados da Ár ea de Pr odução é af et ada pel o
Tr ei nament o, Cont r at ação/ Demi ssão, Sal ár i o e Par t i ci pação nos Lucr os.
A pr odut i vi dade é i nf or mada mensal ment e nos r el at ór i os ger enci ai s.
Repr esent a a r espost a dos empregados aos i ncent i vos monet ár i os e não-
monet ár i os dados pel a empr esa, ger ando aument o ou r edução da capaci dade
de pr odução.
Caso a Empr esa i nvi st a nos i ncent i vos monet ár i os e não- monet ár i os a
pr odut i vi dade pode ul t rapassar a médi a e r esul t ar em coef i ci ent e mai or que
1, 00. Não havendo est e t i po de i nvest i ment o a pr odut i vi dade poder á
apr esent ar coef i ci ent e menor que 1, 00.
O í ndi ce de pr odut i vi dade pode vari ar de 0, 80 a 1, 29.

21





Exempl o 2:
A Empr esa possui apenas 200 empr egados, t em um í ndi ce de pr odut i vi dade de 0, 90 e
pr at i ca a pol í t i ca de pr oduzi r 20% ext r a.
Possui duas Li nhas de Pr odução ( LP) com as segui nt es car act er í st i cas:
LP PRODUÇÃO EMPREGADOS
Manual 2. 000 80
Semi - Aut omat i zada 10. 000 160
E possui a segui nt e composi ção de est oque i ni ci al de component es de mat ér i a pr i ma
( CMP) :
CMP Est oque I ni ci al
Gabi net e 12. 000
Component es El ét r i cos 35. 000
Component es El et r ôni cos 50. 000
Como det er mi nar a capaci dade de pr odução e a quant i dade necessár i a de c omponent es
de mat ér i a pr i ma.
Capaci dade de pr odução:
880 . 11 2 , 1 9 , 0
80
40
1 000 . 2
160
160
1 000 . 10 = == = × ×× × × ×× ×






× ×× × × ×× × + ++ + × ×× × × ×× ×

Necessi dade de Mat ér i a Pr i ma:
CMP
Est oque
I ni ci al
Quant i dade
Necessár i a
Compr a
Gabi net e 12. 000 11. 880
Component es El ét r i cos 35. 000 35. 640 640
Component es El et r ôni cos 50. 000 59. 400 9. 400


22

4. 5 GESTÃO DAS LI NHAS DE PRODUÇÃO
Exi st em vár i os t i pos de Li nhas de Pr odução que podem ser ut i l i zadas
no pr ocesso pr odut i vo da empr esa. Por ser em var i ávei s as especi f i cações de
cada Ti po de Li nha de Pr odução ser ão apr esent adas no i t em 2. 2 do Anexo ao
Manual .
O obj et i vo da Gest ão da Pr odução é ot i mi zar os r ecur sos da
pr odução, buscando r edução de cust os.
Par a a mont agem dos Equi pament os El et rôni cos poder ão ser
ut i l i zados vár i os t i pos de Li nhas de Pr odução:
1
LP ,
2
LP , . . . , e
n
LP , ou
si mpl esment e
i
LP . Cada t i po de Li nha de Pr odução possui uma capaci dade de
pr odução di f er enci ada. As especi f i cações de cada l i nha de pr odução ser ão
i nf or madas no i t em 2. 2 do Anexo ao Manual .

I ni ci al ment e t odas as empr esas possuem a mesma quant i dade e t i po
de Li nhas de Produção. Novas Li nhas de Pr odução poder ão ser adqui r i das e
ou vendi das dur ant e a si mul ação.


Exempl o 4:
QUADRO 4: Quant i dade e model os que cada Empr esa possui no i ní ci o.
Model o LP
I dade
( meses)
Quant i dade
Val or de
Aqui si ção ( $/ LP)
Depr eci ação
Acumul ada ( $/ LP)
Manual 20 2 225. 000 90. 000
Manual 10 2 237. 000 47. 500
Manual 5 2 250. 000 25. 000

Exempl o 3:
QUADRO 3: Model os de Li nhas de Pr odução di sponí vei s par a aqui si ção par a
pr odução do Equi pament o El et r ôni co.
Model o
Pr eço LP
Nova ( $)
Pr odução
Nomi nal
Empr egados
Necessár i os*
Fat or de
Manut enção
Manual 250. 000 2. 000 80 0, 50 %
Semi - Aut omat i zada 1. 000. 000 10. 000 160 1, 00 %
* Post o de t r abal ho por Li nha de pr odução

23

I mpor t ant e obser var que a quant i dade de Equi pament os El et rôni cos
pr oduzi do, de empr egados e o cust o de manut enção var i am de acor do com o
t i po de Li nha de Pr odução ut i l i zada. No i t em 2. 2 do Anexo ao Manual o
quadr o i r á most r ar a produção nor mal a um Ní vel de At i vi dade i gual a 100%,
sem Pr odução Ext r a e com a quant i dade de empr egados necessár i os. Est e
númer o não si gni f i ca a pr odução máxi ma da Li nha de Pr odução, podendo est a
pr odução sof r er var i ação de acor do com o Ní vel de Pr odut i vi dade dos
empr egados.
A f al t a de empr egados nas Li nhas de Pr odução acar r et a em pr odução
pr opor ci onal ao númer o de empr egados di sponí vei s. Havendo um númer o de
empr egados superi or à necessi dade, esses empr egados f i car ão oci osos, poi s
a Li nha de Pr odução possui um númer o de post os de t rabal ho l i mi t ado.
4. 5. 1 MANUTENÇÃO DAS LI NHAS DE PRODUÇÃO
O cust o de manut enção das Li nhas de Pr odução l eva em consi der ação
o Ní vel de At i vi dade e event ual Pr odução Ext r a.

As empr esas t êm no i ní ci o do mês de Janei r o a mesma Quant i dade e
Ti po de Li nhas de Pr odução. As i nf or mações do Ti po, I dade, Quant i dade,
Val or Cont ábi l e Depr eci ação Acumul ada, ser ão det al hadas no i t em 2. 1 do
Anexo ao Manual .
Exempl o 5:
Uma Li nha de Pr odução Manual , com manut enção def i ni da em 0, 5%, compr ada por
$950. 000 ( Nov ecent os e ci nqüent a mi l uni dades monet ár i as) no mês de J anei r o e que
cust e $1. 000. 000 em Fev er ei r o.
Manut enção no mês de Fev er ei r o = $1. 000. 000 x 0, 5% x 1 ( i dade em meses) x 1 ( ní v el de
at i vi dade de 100, 0%) x 1 ( pr odução ext r a i gual a 0, 0%) .
No mês de Fev er ei r o t er á cust os de manut enção de $5. 000.

24

4. 6 COMPRA E VENDA DE LI NHAS DE PRODUÇÃO
4. 6. 1 VENDA DE LI NHAS DE PRODUÇÃO
A Empr esa poder á vender suas Li nhas de Pr odução usadas. O preço
de r ef er ênci a de venda ser á o Val or Hi st ór i co de Compr a menos a
Depr eci ação Acumul ada. O Coor denador da Si mul ação ai nda poder á def i ni r
um per cent ual de pr ej uí zo ou l ucr o na venda de Li nhas de Pr odução usadas.
Esse per cent ual ser á di vul gado t odo mês.
A Li nha de Pr odução vendi da, ser á ent r egue par a o compr ador no
úl t i mo di a do mês, ou sej a, dei xar á de pr oduzi r a part i r do pr i mei r o di a do mês
segui nt e ( 1 M+ ++ + ).
4. 6. 2 COMPRA DE LI NHAS DE PRODUÇÃO
As empr esas poder ão compr ar soment e Li nhas de Pr odução novas.
Ser á di vul gada no Cl i ppi ng Empr esar i al a t abel a de pr eços de Li nhas de
Pr odução novas. Est es pr eços poder ão t er var i ações mensai s.
A Empr esa def i ne a quant i dade e o t i po de Li nha de Pr odução que
desej a compr ar . Aut omat i cament e ser á concedi do um f i nanci ament o de 60%
do val or da Li nha de Pr odução nova. O f i nanci ament o é compul sór i o
( obr i gat ór i o) e as suas r egr as est ão def i ni das no capí t ul o sobr e Admi ni st r ação
Fi nancei ra.
Os 40% do val or das Li nhas de Pr odução adqui r i das no mês M são
pagos no mês M, ou sej a, no mesmo mês da compr a. As Li nhas de Pr odução
compr adas ser ão ent r egues no úl t i mo di a do mês da compr a, dessa f or ma a
Empr esa soment e poder á cont ar com a pr odução das novas Li nhas de
Pr odução no mês segui nt e ao da aqui si ção ( 1 M+ ++ + ).
4. 7 GESTÃO DAS COMPRAS DE CMP COMPRA PROGRAMADA
A compr a de
i
CMP deve ser pr ogr amada pel a empr esa. O Fornecedor
Nor mal l eva um mês par a ent regar o pedi do. I st o si gni f i ca que as compr as
ef et uadas no mês soment e est ar ão di sponí vei s par a a pr odução no mês
segui nt e. A pr odução do mês ser á ef et uada com o est oque f i nal exi st ent e no
mês ant er i or .
A Empr esa dever á i nf or mar a quant i dade que desej a adqui r i r e o
pr azo de pagament o desej ado. A t abel a de pr eços ser á publ i cada

25

mensal ment e no Cl i ppi ng Empr esar i al . Códi go, Prazo e Par cel ament o, serão
publ i cados no i t em 4 do Anexo ao Manual .
QUADRO 5. Tabel a de pr azos de compr a de
i
CMP .
Códi go Pr azo Par cel ament o
1 À vi st a 100% no mês da compr a
2 1 + 1
50% no mês da compr a + 50% no mês segui nt e, acr esci do de
j ur os
3 1 + 2
40% no mês da compr a + 2 par cel as i guai s acr esci das de j ur os
nos meses subseqüent es


Cál cul o das par cel as – Códi go 3
( (( ( ) )) )
i 2
i 1 C
Parcela
2
+ ++ +
+ ++ + × ×× ×
= == =
C: Capi t al ( 60% do val or à vi st a)
i : Taxa de Jur os def i ni da pel a Empresa
4. 7. 1 COMPRA EXTRA
Havendo f al t a de
i
CMP par a at ender a pr odução ser á ef et uada
aut omat i cament e a compr a de For necedor Local (Compra Extra) , não
havendo necessi dade de a Empr esa sol i ci t ar a quant i dade a ser adqui r i da. A
ent r ega do For necedor Local é i medi at a e ocor r e no pr ópr i o mês em que a
compr a é ef et uada.
O pr eço do For necedor Local é 25% mai or do que o pr eço ( di vul gado
no Cl i ppi ng Empr esar i al ) do For necedor Nor mal . A compr a do For necedor
Local não pode ser par cel ada e o seu pagament o deve ser ef et uado à vi st a.

26


4. 8 GESTÃO DE ESTOQUE
A Empr esa t er á gast os com a manut enção de est oques dos
i
CMP e
dos Equi pament os El et rôni cos não vendi dos no mês. O cust o da manut enção
de est oques de
i
CMP é apr opr i ado par a a Ár ea de Pr odução e o dos
Equi pament os El et rôni cos como despesa da Ár ea Comer ci al .
Par a o cál cul o desses cust os f or am consi der adas al gumas
si mpl i f i cações: o Cust o de Manut enção de Est oques de
i
CMP é cal cul ado
apl i cando- se o percent ual de 5% sobre o val or at ual i zado do est oque no
i ní ci o do mês. Já o cust o de est ocagem de Produtos é cal cul ado apl i cando-
se o percent ual de 10% sobre o val or do cust o de produção dos
Equi pament os El et rôni cos que não f oram vendi das no mês.
Exempl o 6:
QUADRO 6: Par a uma pr odução de 10. 000, def i ni do por :
3 2 1
CMP 5 CMP 3 CMP 1 Eletrônico o Equipament × ×× × + ++ + × ×× × + ++ + × ×× × = == =
Component e de Mat ér i a Pr i ma Necessi dade Est oque I ni ci al Compr a Ext r a
1
CMP : Gabi net e 10. 000 14. 000
2
CMP : Component es El ét r i cos 30. 000 25. 000 5. 000
3
CMP
: Component es El et r ôni cos
50. 000 30. 000 20. 000


27

4. 8. 1 CUSTO DE MANUTENÇÃO DE ESTOQUE DE CMP
O Est oque de Component es de Mat ér i a Pr i ma consi st e em somar as
par cel as compost as pel a Quant i dade de Component es de Mat ér i a Pr i ma vezes
o r espect i vo preço no mês.
( (( ( ) )) ) ( (( ( ) )) ) % 5 PCMP QCMP PCMP QCMP PCMP QCMP ECMP Custo
n n 2 2 1 1
× ×× × × ×× × + ++ + + ++ + × ×× × + ++ + × ×× × = == = K
Resumindo temos:
( (( ( ) )) ) 05 , 0 PCMP QCMP ECMP Custo
n
1 ì
i i
× ×× ×
| || |
| || |
¹ ¹¹ ¹
| || |


\ \\ \
| || |
× ×× × = == =
∑ ∑∑ ∑
= == =

onde:
( (( ( ) )) ) ECMP Custo : Custo de Manutenção de Estoque de
i
CMP .
i
QCMP: Quantidade Inicial de
i
CMP .
i
PCMP : Preço de
i
CMP no mês.
4. 8. 2 DESPESA COM MANUTENÇÃO DE PRODUTOS ACABADOS
( (( ( ) )) ) % 10 CPR EFP EP Despesa × ×× × × ×× × = == =

ou
( (( ( ) )) ) 10 , 0 CPR EFP EP Despesa × ×× × × ×× × = == =

onde:
( (( ( ) )) ) EP Despesa : Despesa com Manutenção de Estoque de Equi pament os
El et rôni cos.
EFP: Estoque Final de Equi pament os El et rôni cos.
CPR: Custo de Produção.
4. 8. 3 CUSTO TOTAL COM ESTOQUES
O Cust o Tot al com Est oques de
i
CMP e P é dado por :
( (( ( ) )) ) ( (( ( ) )) ) ( (( ( ) )) ) EP Despesa ECMP Custo ET Custo + ++ + = == =

onde:
( (( ( ) )) ) ET Custo : Cust o Tot al com est oques.

28

4. 9 DEPRECI AÇÃO
A depr eci ação de Li nhas de Pr odução e Pr édi os e I nst al ações
ocor r em segundo a t abel a descr i t a no i t em 3 do Anexo ao Manual .



Exempl o 7:
QUADRO 7: Depr eci ação de Li nhas de Pr odução e I nst al ações.
Pat r i môni o Per cent ual Rat ei o
Li nhas de Pr odução 2, 0% ao mês 100% par a Ár ea de Pr odução
70% par a a Ár ea de Pr odução
Pr édi o e I nst al ações 0, 5% ao mês 20% par a a Ár ea Admi ni st r at i va
10% par a a Ár ea Comer ci al



5 ADMI NI STRAÇÃO FI NANCEI RA
As oper ações f i nancei ras possí vei s nesse mer cado são as segui nt es:
− Empréstimos Bancários
− Crédito Especial Automático
− Financiamento para Compra de Linhas de Produção
− Antecipação de Recebíveis de Clientes
− Aplicação Financeira
Cada oper ação demanda uma t axa de j ur os especí f i ca.
Todas as t axas e mul t as ut i l i zadas nos cál cul os são di vul gadas
mensal ment e no Cl i ppi ng Empr esar i al .
5. 1 EMPRÉSTI MOS BANCÁRI OS
As empr esas poder ão sol i ci t ar empr ést i mos bancár i os at é o l i mi t e de
cr édi t o di sponí vel par a cada empr esa. O l i mi t e de empr ést i mo é cal cul ado
baseado na capaci dade de endi vi dament o da Empr esa e é di vul gado
mensal ment e nos r el at ór i os ger enci ai s.
Os pr azos de pagament os dos empr ést i mos bancár i os per mi t i dos pel o
Si mul ador são: Códi go 1 e Códi go 2, di scr i mi nados no quadr o abai xo.
QUADRO 8: Ti pos de Empr ést i mos Bancár i os
Códi go Par cel a Condi ções de Pagament o
1 1 100% no mês segui nt e + j ur os
2 4 25% a par t i r do mês segui nt e + j ur os ( SAC)
Not a: SAC = Si st ema de Amor t i zação Const ant e
Ser á apl i cada a Taxa de Jur os bancár i o pr é- f i xada prat i cada pel o
mer cado. A t axa é di vul gada mensal ment e no Cl i ppi ng Empr esar i al .
Par a sol i ci t ar um empr ést i mo a Empresa dever á i nf or mar o val or e o
códi go do empr ést i mo, que def i ne o pr azo para pagament o.
I nf or mações de: códi gos, condi ções de pagament o, ser ão descr i t os no
i t em 5 do Anexo ao Manual .

30



5. 2 CRÉDI TO ESPECI AL AUTOMÁTI CO
O Si mul ador Empr esar i al Tangr am, i ndependent e da deci são da
Empr esa, r eal i zar á um Crédi t o Especi al Aut omát i co no f l uxo de cai xa da
empr esa, caso f al t e di nhei r o. O val or a ser empr est ado é o t ot al das despesas
a ser em cober t as at é o l i mi t e de empr ést i mo que a Empr esa possui . O
pagament o do Cr édi t o Especi al Aut omát i co ser á r eal i zado no mês segui nt e à
r eal i zação do empr ést i mo e ser á cobr ada a Taxa de Jur os especí f i ca par a
esse t i po de empr ést i mo, no mês da oper ação. Essa t axa é di vul gada
mensal ment e no Cl i ppi ng Empr esar i al .

5. 3 FI NANCI AMENTO PARA COMPRA DE LI NHAS DE PRODUÇÃO
O f i nanci ament o ser á concedi do aut omat i cament e par a a aqui si ção de
novas Li nhas de Pr odução. Ao sol i ci t ar a aqui si ção de uma
i
LP ocor r e um
cr édi t o aut omát i co de 60% do val or de compr a da
i
LP, no f l uxo de cai xa da
empr esa. Est e f i nanci ament o é subsi di ado e é concedi do o cr édi t o par a que a
Empr esa pague à vi st a a
i
LP adqui r i da (a
i
LP não f i ca al i enada) . Não há a
Exempl o 8:
Um empr ést i mo de $500. 000 do Ti po 1, sol i ci t ado no mês de mar ço, a uma t axa de j ur os
bancár i os de 4% ao mês ( at ual i zado no Cl i ppi ng Empr esar i al ) , ser á pago no mês de abr i l
o v al or de $500. 000, mai s j ur os no val or de $20. 000. Tot al i zando $520. 000.
Exempl o 9:
Um empr ést i mo de $500. 000 do Ti po 2, sol i ci t ado no mês de Abr i l , a uma t axa de 4% ao
mês ( consul t ar a t axa no Cl i ppi ng Empr esar i al ) , ser á pago em quat r o par cel as conf or me o
quadr o a segui r :
Quadr o 9: Empr ést i mo Ti po 2 com t axa de 4% ao mês
Mai o Junho Jul ho Agost o
Par cel a $125. 000 $125. 000 $125. 000 $125. 000
Jur os $20. 000 $15. 000 $10. 000 $5. 000
Tot al $145. 000 $140. 000 $135. 000 $130. 000

Exempl o 10:
Ocor r endo uma i nsuf i ci ênci a de r ecei t a no mês par a cobr i r uma despesa no mês de Mai o
de $351. 523. Exi st i ndo um l i mi t e de empr ést i mo par a a Empr esa de $1. 522. 322, a uma
t axa de j ur os de cr édi t o especi al de 12%, ser á pago no mês de Junho o v al or de
$351. 523, mai s os j ur os no val or de $42. 183, t ot al i zando $393. 706.

31

opção para que a Empresa adqui ra uma
i
LP sem esse f i nanci ament o. O
r est ant e necessár i o par a a aqui si ção vi r á do Cai xa da Empr esa, ou de
empr ést i mo a ser r eal i zado pel a mesma.
Par a o f i nanci ament o ser á apl i cada soment e a TJLP ( Taxa de Juros
de Longo Prazo) .
A Empr esa poder á escol her ent r e duas f or mas de pagament o:
QUADRO 10: Ti pos de Fi nanci ament o dos 60% de Li nhas de Pr odução
Ti po Par cel as ( SAC) Car ênci a
1 4 t r i mest r ai s 4 Tr i mest r es
2 4 bi mest r ai s 4 Bi mest r es
A Empr esa t er á os Bi mest r es/ Tr i mest r es de car ênci a, cont ados a
par t i r do mês segui nt e par a i ni ci ar a amor t i zação do capi t al .
Dur ant e os Bi mest r es/ Tr i mest r es de car ênci a a Empresa t er á que
pagar apenas os j ur os do f i nanci ament o.

32


Exempl o 11:
Aqui si ção de uma
i
LP no mês de Mar ço de 2005, no v al or de $250. 000, com uma TJLP
em Abr i l de 2%. O val or f i nanci ado ser á de $150. 000.
Ut i l i zando o Fi nanci ament o do Ti po 1 t emos que a car ênci a i ni ci a em Abr i l de 2005 e
t er mi na em Mar ço de 2006. A amor t i zação se dar á nos meses de Junho, Set embr o e
Dezembr o de 2006 e Mar ço de 2007 onde ser ão pagas par cel as no v al or de $37. 500, mai s
a TJLP, cal cul ada sobr e o v al or t ot al menos o pr i nci pal amor t i zado.
QUADRO 11: Fi nanci ament o Ti po 1 com t axa de 2%.
Tr i mest r es
Mês de
Pagament o
Pagament o
dos Jur os
Pagament o
das
Par cel as
Val or pago
no
Tr i mest r e
Abr i l , Mai o e Junho Junho $9. 000 $9. 000
Jul ho, Agost o e Set embr o Set embr o $9. 000 $9. 000
Out ubr o, Novembr o e Dezembr o Dezembr o $9. 000 $9. 000
Janei r o, Fever ei r o e Mar ço Mar ço $9. 000 $9. 000
Abr i l , Mai o e Junho Junho $9. 000 $37. 500 $46. 500
Jul ho, Agost o e Set embr o Set embr o $6. 750 $37. 500 $44. 250
Out ubr o, Novembr o e Dezembr o Dezembr o $4. 500 $37. 500 $42. 000
Janei r o, Fever ei r o e Mar ço Mar ço $2. 250 $37. 500 $39. 750
Tot al $58. 500 $150. 000 $208. 500
Com a ut i l i zação do Fi nanci ament o do Ti po 2 t emos o i ní ci o da car ênci a em Abr i l e o
t ér mi no em Novembr o de 2005, com amor t i zação nos meses de Janei r o, Mar ç o, Mai o e
Jul ho de 2006.
QUADRO 12: Fi nanci ament o Ti po 2 com t axa de 2%
Bi mest r es
Mês de
Pagament o
Pagament o
dos Jur os
Pagament o
das
Par cel as
Val or
pago no
Bi mest r e
Abr i l e Mai o Mai o $6. 000 $6. 000
Junho e Jul ho Jul ho $6. 000 $6. 000
Agost o e Set embr o Set embr o $6. 000 $6. 000
Out ubr o e Novembr o Novembr o $6. 000 $6. 000
Dezembr o e Janei r o Janei r o $6. 000 $37. 500 $43. 500
Fever ei r o e Mar ço Mar ço $4. 500 $37. 500 $42. 000
Abr i l e Mai o Mai o $3. 000 $37. 500 $40. 500
Junho e Jul ho Jul ho $1. 500 $37. 500 $39. 000
Tot al $39. 000 $150. 000 $189. 000


33

5. 4 ANTECI PAÇÃO DE RECEBÍ VEI S DE CLI ENTES
A Empr esa poder á descont ar os val or es a r eceber de seus cl i ent es.
Dever á pr eencher o campo Ant eci pação de Recebí vei s de Cl i ent es com o
val or que desej a ant eci par . A t axa de descont o apl i cada é di vul gada
mensal ment e no Cl i ppi ng Empr esar i al .
Caso sej a sol i ci t ado um val or mai or que o di sponí vel par a
ant eci pação, o val or será r eduzi do ao l i mi t e ant er i or ment e menci onado.
5. 5 APLI CAÇÃO FI NANCEI RA
O excedent e de cai xa poder á ser apl i cado no mer cado f i nancei r o. A
t axa de j ur os of er eci da é TJLP + 1, 5%.
Par a ef et uar a apl i cação a Empresa dever á pr eencher o campo
Apl i cação com o val or que desej a apl i car . Caso a Empr esa apl i que um val or
mai or que o excedent e de cai xa, par a cobr i r o val or a descober t o ser á
ut i l i zado o Crédi t o Especi al Aut omát i co.
O r esgat e da apl i cação ser á ef et uado aut omat i cament e no mês
segui nt e ao da apl i cação. Por ser o r esgat e aut omát i co par a o f l uxo de cai xa
da empr esa, o Di r et or Fi nancei r o dever á i nf or mar , se f or o caso, t odos os
meses, o val or a ser apl i cado.
5. 6 PARTI CI PAÇÃO NOS LUCROS
A Empr esa poder á di st r i bui r um per cent ual de seus l ucr os aos
empr egados da produção. Par a t ant o a Empr esa dever á i nf or mar o per cent ual
que desej a di st r i bui r . Esse per cent ual ser á apl i cado sobr e o l ucr o obt i do no
mês ( ver DRE) e o val or apur ado ser á di st r i buí do aos empr egados no mês
segui nt e da apur ação.

34

5. 7 BÔNUS
A r emuner ação da di r et or i a ser á propor ci onal ao l ucr o obt i do pel a
empr esa. Par a t ant o a Empr esa dever á i nf or mar em t oda deci são qual o
per cent ual do l ucr o ( Bônus) que desej a di st r i bui r . Esse per cent ual dever á ser
de no mí ni mo 1, 0% ( um por cent o) par a cada Di r et or . Se, por exempl o, uma
empr esa possui r 4 ( quat r o) Di r et or es, dever á def i ni r um bônus mí ni mo de
4, 0% (quat r o por cent o) . Por ém, a empr esa poder á def i ni r um per cent ual
mai or se assi m desej ar .
Esse per cent ual ser á apl i cado sobr e o l ucr o obt i do no mês ( ver DRE)
e o val or apur ado será di st r i buí do aos Di r et or es no mês segui nt e da
apur ação.
5. 8 DI VI DENDOS
Todas as empr esas di st ri bui r ão 25% do l ucr o l í qui do aos aci oni st as, a
t í t ul o de di vi dendos, de acordo com as l ei s da S. A. que prevêem a
di st r i bui ção aos aci oni st a de no mí ni mo 25% dos l ucr os. O val or é cal cul ado
aut omat i cament e no mês de apur ação do l ucr o e ser á pago aos aci oni st as no
mês segui nt e ao da apur ação.
5. 9 ATRASOS
Caso a Empr esa não possua sal do em cai xa par a pagar t odas as suas
despesas e t ambém não possua l i mi t e de emprést i mo suf i ci ent e par a cobr i r a
di f er ença, a Empr esa f i car á i nadi mpl ent e. A Empr esa dei xar á de pagar
pr i mei r ament e os bancos, depoi s os f ornecedor es de
i
CMP e por úl t i mo as
demai s cont as.
Havendo at raso, o f l uxo de cai xa do mês f i car á negat i vo e o val or
apur ado ser á l ançado nas r espect i vas cont as de at r aso, j á com a mul t a e
j uros cal cul ados. Os val or es l ançados nas cont as de at r aso dever ão ser pagos
no mês segui nt e. Se a Empr esa não possui r recur sos par a cobr i - l os ser ão
cal cul ados novos j ur os e mul t as.
Sobr e o val or em at r aso será cal cul ada a mul t a mai s j ur os bancár i os
di vul gados mensal ment e no Cl i ppi ng Empr esar i al .


6 GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS
A f or ça de t r abal ho da Empr esa é compost a pel os empr egados da
Ár ea de Pr odução, Ár ea Admi ni st r at i va e Ár ea Comer ci al .
Par a as Ár eas Admi ni st r at i va e Comer ci al a quant i dade de
empr egados é f i xa, não ocor r endo dur ant e a si mul ação admi ssões e
demi ssões. Soment e na Ár ea de Pr odução poder ão exi st i r demi ssões e
admi ssões. Não podem ocor r er demi ssões e admi ssões concomi t ant es no
mês.
Todas as empr esas possuem o mesmo númer o de empr egados par a a
Ár ea Comer ci al e a Ár ea Admi ni st r at i va. A quant i dade de empr egados que a
empr esa possui é i nf or mada no Rel at ór i o da Empr esa.
Nas Ár eas Comer ci al e Admi ni st r at i va, o sal ár i o r ecebi do ser á de t r ês
vezes o sal ár i o dos empr egados da Ár ea de Pr odução.
6. 1 A FOLHA DE PAGAMENTO
A f ol ha de pagament o ser á cal cul ada com base no sal ár i o dos
empr egados da Ár ea de Pr odução. Mensal ment e a Empr esa poder á al t er ar o
val or do sal ári o a ser pago par a os empr egados. O val or do sal ár i o não
poder á ser reduzi do. Ser á di vul gado mensal ment e o sal ár i o médi o pago pel o
set or ( Ver Rel at ór i o de Mer cado) .
Haver á obr i gat or i edade de al t er ação sal ar i al e out r os benef í ci os dos
empr egados soment e quando o Si ndi cat o da Cl asse publ i car no Cl i ppi ng
Empr esar i al o Di ssí di o Col et i vo de Trabal ho.
As possí vei s hor as ext r as r eal i zadas sof r erão um acr ésci mo de 50%
sobr e o per cent ual excedent e ( Ní vel de At i vi dade) e ser ão pagas nor mal ment e
j unt o com a f ol ha de pagament o. A Empr esa poder á r eal i zar at é 25% de hor as
ext r as em um mesmo mês.
6. 2 A MOTI VAÇÃO E A PRODUTI VI DADE
A mot i vação i r á i nf l uenci ar na pr odut i vi dade dos empr egados da Ár ea
de Pr odução. Havendo aument o da mot i vação ou a sua manut enção em um
pat amar el evado, a pr odut i vi dade dos empr egados i r á aument ar at é at i ngi r o
pont o de sat ur ação, quando não haver á mai s aument o da pr odut i vi dade.

36

A mot i vação dos empr egados ser á cl assi f i cada em ót i ma, boa, r egul ar ,
r ui m ou péssi ma. A mot i vação dos empr egados ser á di vul gada mensal ment e
nos r el at ór i os ger enci ai s.
A pr odut i vi dade dos empr egados da Ár ea de Pr odução ser á t r aduzi da
em um coef i ci ent e que ser á um mul t i pl i cador da pr odução. O coef i ci ent e é
def i ni do t endo como base o hi st ór i co da pr odução dos empr egados da
empr esa. Se a pr odução at ual por empr egado f or i gual à médi a, o coef i ci ent e
de pr odut i vi dade ser á 1, 00. Caso a mot i vação i ncent i ve o empregado a
pr oduzi r aci ma dessa médi a, o coef i ci ent e de pr odut i vi dade ser á mai or que
1, 00. Caso cont r ári o o coef i ci ent e ser á menor que 1, 00.
Os f at or es que af et am a mot i vação dos empr egados são os segui nt es:
Sal ári o: A ref er ênci a par a o sal ár i o ser á o sal ár i o médi o que o
mer cado paga aos empr egados da Ár ea de Produção. O sal ár i o médi o é
di vul gado mensal ment e no Rel at ór i o de Mer cado.
Part i ci pação nos resul t ados: Esse i t em af et a a mot i vação sob doi s
aspect os: o per cent ual do l ucr o a ser apl i cado par a di st r i bui ção e o val or
pago ef et i vament e em r el ação ao sal ár i o r ecebi do pel o empr egado.
Trei nament o: O t r ei nament o, al ém da mot i vação, af et a di r et ament e a
pr odut i vi dade. O i nvest i ment o em t r ei nament o mot i va o empregado e o
pr epar a mel hor par a t r abal har com os equi pament os. O i nvest i ment o em
t rei nament o dever á ser mai or quando houver cont r at ações. A Empr esa def i ne
mensal ment e o per cent ual a ser apl i cado em t r ei nament o. Esse per cent ual é
apl i cado sobr e a f ol ha de pagament o da pr odução par a def i ni r o val or a ser
i nvest i do no mês.
Demi ssões: As demi ssões af et am negat i vament e a mot i vação dos
empr egados. No mês que houver demi ssões a Empr esa dever á i nvest i r mai s
nos out ros f at or es mot i vaci onai s.
6. 3 TURNOVER
As cont r at ações e demi ssões de empr egados da Ár ea da Pr odução
são ef et i vadas no mesmo mês em que a deci são é t omada.
6. 4 ADMI SSÕES
Os empr egados admi t i dos i ni ci am suas at i vi dades no pr i mei r o di a do
mês e par t i ci pam i nt egr al ment e da f ol ha de pagament o.

37

6. 5 DEMI SSÕES
Os empr egados demi t i dos não cumpr em avi so pr évi o, ou sej a, dei xam
de pr oduzi r j á no pr i mei r o di a do mês da demi ssão. Ser á pago, a t i t ul o de
i ndeni zação, 60% de um sal ár i o par a cada empr egado demi t i do. Est e val or é
cal cul ado e l ançado i nt egr al ment e na f ol ha de pagament o do mês em que as
demi ssões ocor r em.



6. 6 A GREVE E A PRODUTI VI DADE
Os empregados da Ár ea de Pr odução podem ent r ar em gr eve. A greve
ocor r e quando a mot i vação dos empr egados at i nge o ní vel péssi mo ou quando
a mot i vação per manecer no ní vel r ui m por doi s meses consecut i vos.
A gr eve não si gni f i ca uma par ada t ot al de produção dur ant e t odo o
mês. El a ocor r e no mês por al guns di as e poder á aument ar gr adat i vament e se
a Empr esa não t omar as deci sões cabí vei s ( sal ár i o, t r ei nament o, par t i ci pação
nos r esul t ados e i nvest i ment os em f at or es mot i vaci onai s).
Caso a mot i vação sai a do ní vel péssi mo ou r ui m a gr eve é
i nt er r ompi da aut omat i cament e.
Ser á di vul gado, at r avés dos r el at ór i os ger enci ai s, o per cent ual da
pr odução af et ada pel a gr eve do mês.


Exempl o 12:
Cál cul o da f ol ha de pagament o de uma Empr esa que possua 1. 700 empr egados na
pr odução sej a pago um s al ár i o de $900 e t enha f ei t o 12% de hor as ext r as no mês, e
demi ssão de 100 empr egados da pr odução:
QUADRO 14: Cál cul o de Fol ha de Pagament o
I t em da f ol ha Tot ai s Memór i a
Admi ni st r at i va $ 67. 500 = 900 x 3 x 25
Comer ci al $ 27. 000 = 900 x 3 x 10
De Pr odução $ 1. 440. 000 = 900 x 1. 600
Hor as Ext r as $ 259. 200 =1. 440. 000 x 1, 5 x 12%
I ndeni zação $ 54. 000 =900 x 100 x 60%
Tot al $ 1. 847. 700



7 AÇÕES DAS EMPRESAS E A BOLSA DE VALORES
A cot ação das ações da Empr esa na Bol sa de Val or es é o pr i nci pal
i ndi cador do desempenho da Empr esa no mer cado.
A cot ação das ações das empr esas é di vul gada mensal ment e nos
r el at ór i os ger enci ai s.
Consi der a- se par a o cál cul o do val or das ações por Empr esa ci nco
i ndi cador es de desempenho, ext r aí dos do Bal anço Pat r i moni al e
Demonst r at i vo do Resul t ado do Exer cí ci o.
O sext o i ndi cador ( Par t i ci pação nas Vendas) é ext r aí do do Rel at ór i o
de Mer cado.
7. 1 BUSCA DOS I NDI CADORES NOS RELATÓRI OS
7. 1. 1 BALANÇO PATRI MONI AL
At i vo Ci rcul ante
Cai xa: Val or di sponí vel .
Apl i cação: Val or apl i cado no mer cado f i nancei r o.
Cl i ent es: Val or a r eceber pel as vendas ef et uadas.
Est oque de Produt o: Val or dos est oques de pr odut os acabados ( preço
de cust o do pr odut o) .
Est oque de Component es: Val or dos est oques de
i
CMP ( pr eço médi o
ponder ado) .
At i vo I mobi l i zado
Li nhas de Produção
Val or de Aqui si ção: Somat ór i o do val or de compr a das
i
LP .
Depreci ação Acumul ada: depr eci ação acumul ada das
i
LP .
Terrenos: Val or cont ábi l de t er r enos.
Prédi os e I nst al ações
Val or de Aqui si ção: Val or de aqui si ção dos pr édi os e
i nst al ações.
Depreci ação Acumul ada: Depr eci ação acumul ada de pr édi os e
i nst al ações.

39

Passi vo Ci rcul ant e
Fornecedores: Val or devi do aos f or necedor es de
i
CMP .
Val ores Não Pagos: Val or em at r aso de cr edor es.
I mposto de Renda: Val or do I R a ser pago no mês segui nt e.
Part i ci pações
Part i ci pação nos Lucros: Val or a pagar aos empregados da
pr odução no mês segui nt e, de acor do com o per cent ual
est abel eci do sobr e o l ucr o.
Bônus da Di ret ori a: Val or a pagar no mês segui nt e aos
Di r et or es, de acor do com a di st r i bui ção dos l ucr os.
Di vi dendos: Val or a ser pago aos aci oni st as no mês segui nt e.
Emprést i mo de Curt o Prazo: Val or devi do pel a empr esa a ser pago em
at é quat r o meses.
Exi gí vel a Longo Prazo
Emprést i mo de Longo Prazo: Val or devi do pel a empr esa a ser
pago em f unção dos f i nanci ament os.
Pat ri môni o Lí qui do
Capi t al Soci al : Val or do capi t al per t encent e aos aci oni st as da
empr esa.
Lucro ( Prej uí zo) Acumul ado: Lucr o acumul ado dur ant e os
meses do ano.
7. 1. 2 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍ CI O – DRE
Recei t a de Vendas: Val or auf er i do pel a venda à vi st a e a pr azo
Custo do Produt o Vendi do – CPV: Cust os com empr egados da pr odução
( sal ár i os, hor as ext r as, t r ei nament o e i ndeni zações) , Component es ( i ncl usi ve
j uros do f or necedor ) , depr eci ação da pr odução (100% das
i
LP e 70% de
pr édi os e i nst al ações) , cust o com est ocagem de
i
CMP e manut enção de
i
LP .
Lucro Brut o: Recei t a de Vendas menos CPV.
Despesas Operaci onai s:
Despesa de Venda: Mar ket i ng, di st r i bui ção dos Pr odut os, sal ár i o dos
empr egados de vendas, depr eci ação de pr édi os e i nst al ações (10%) ,
i nadi mpl ênci a de cl i ent es e est ocagem de Pr odut os acabados.
Despesa Admi ni st rat i va: Sal ár i o de empr egados da Admi ni st r ação e
depr eci ação de pr édi os e i nst al ações ( 20%) .
Despesa Fi nancei ra: Jur os pagos a bancos, mul t a e j ur os sobr e
at r asos, menos j ur os r ecebi dos de apl i cações.
Lucro Operaci onal : Lucr o Br ut o menos Despesas Oper aci onai s.

40

Resul t ado não Operaci onal : Despesa ou r ecei t a na venda de máqui nas e
cr édi t o e débi t o ext r a.
Lucro Lí qui do Antes do I R: Lucr o Oper aci onal mai s a Recei t a ou menos a
Despesa não Oper aci onal .
Provi são para o I R: Val or pr ovi si onado par a pagament o do I R no pr óxi mo
mês.
Lucro Lí qui do Após o I R: Lucr o Lí qui do Ant es do I R menos a Provi são par a o
I R.
Part i ci pação dos Lucros: Val or a ser di st r i buí do aos empr egados ( per cent ual
apl i cado sobr e o Lucr o Lí qui do Após o I R) .
Bônus da Di ret ori a: Val or a ser di st r i buí do aos Di r et or es.
Lucro ( Prejuí zo) Lí qui do do Mês: Lucr o Lí qui do após o I R menos
Par t i ci pação dos Empr egados menos bônus da Di r et or i a.
7. 1. 3 RELATÓRI O DE MERCADO
O Rel at óri o de Mer cado dest aca as segui nt es i nf or mações:
− Salário médio dos empregados da produção.
− Demanda e venda total por Área de Comercialização.
− Dimensão do mercado.
− Juros por Área de Comercialização.
− Juros médios.
− Preço de venda por Área de Comercialização.
− Preço médio.
− Vendas Relativas por Área de Comercialização.
7. 1. 4 CLI PPI NG EMPRESARI AL
O Cl i ppi ng Empr esar i al dest aca as segui nt es i nf or mações:
− Cotação da Bolsa de Valores no mês M;
− Tabelas do mês 1 M+ ++ + de Indicadores e Preços;
− Notícias.

41

7. 2 I NDI CADORES DE DESEMPENHO
7. 2. 1 VALOR DO PATRI MÔNI O LÍ QUI DO
Repr esent a o mont ant e de r ecur sos pr ópri os da empr esa que par t i ci pa
de seu f i nanci ament o.
LA CS PL + ++ + = == =

PL : Pat r i môni o Lí qui do
CS: Capi t al Soci al
LA: Lucr o Acumul ado
7. 2. 2 ENDI VI DAMENTO
Mede a pr opor ção dos at i vos t ot ai s da empr esa f i nanci ada pel os
cr edor es. Quant o mai or f or esse í ndi ce, mai or ser á o mont ant e do capi t al de
t er cei r os que vem sendo ut i l i zado par a ger ar l ucr os.
TA
ELP PC
E
+ ++ +
= == =

E: Endi vi dament o
ELP: Empr ést i mo Longo Pr azo
PC: Passi vo Ci r cul ant e
TA: Tot al do At i vo
7. 2. 3 LI QUI DEZ CORRENTE
A Li qui dez Cor rent e mede a capaci dade da empr esa par a sat i sf azer
suas obr i gações de cur t o pr azo.
PC
AC
LC = == =

LC: Li qui dez Cor r ent e
AC: At i vo Ci r cul ant e
PC: Passi vo Ci r cul ant e
O quoci ent e r evel a a capaci dade f i nancei r a da empresa par a cumpr i r
os seus compr omi ssos de cur t o pr azo, i st o é, quant o a empr esa t em de At i vo
Ci r cul ant e par a cada Uni dade Monet ár i a de Passi vo Ci r cul ant e.

42

7. 2. 4 RENTABI LI DADE DO ATI VO
O quoci ent e evi denci a o pot enci al de ger ação de l ucr os por par t e da
empr esa, i st o é, quant o a empr esa obt eve de l ucr o l í qui do par a cada Uni dade
Monet ár i a de i nvest i ment os t ot ai s.
Ai
L
RA = == =

RA: Rent abi l i dade do At i vo
L: Lucr o do Mês
Ai : At i vo no I ní ci o do Mês
A i nt er pr et ação dest e quoci ent e deve ser di reci onada par a ver i f i car o
t empo necessár i o par a que haj a r et or no do Capi t al i nvest i do na empr esa.
7. 2. 5 MARGEM DE LUCRO
O quoci ent e r evel a a mar gem de l ucr at i vi dade obt i da pel a empr esa em
f unção do seu f at ur ament o, i st o é, quant o a empr esa obt eve de l ucr o l í qui do
par a cada Uni dade Monet ár i a vendi da.
RV
L
ML = == =

ML : Mar gem de Lucr o
L: Lucr o do Mês
RV: Recei t a de Vendas
A i nt er pret ação dest e quoci ent e deve ser di r eci onada a ver i f i car a
margem de l ucr o da empr esa em r el ação às vendas.
Por t ant o, nem sempr e um vol ume de vendas al t o é si nôni mo de
l ucrat i vi dade gar ant i da e vi ce- ver sa, ou sej a, nem sempre um vol ume de
vendas bai xo é si nôni mo de pr ej uí zo. Há casos em que, est r at egi cament e, a
empr esa r eduz o vol ume de vendas como medi da necessár i a par a aument ar
sua l ucr at i vi dade. I sso é possí vel quando um menor movi ment o de vendas
r esul t a na r edução de gast os.
Na adoção dessa est r at égi a, é i mpor t ant e anal i sar se a queda no
vol ume de vendas pr ovocar á, si mul t aneament e, queda na l ucr at i vi dade.

43

7. 2. 6 PARTI CI PAÇÃO NAS VENDAS
O quoci ent e r evel a a par t i ci pação das vendas da empr esa em r el ação
as vendas t ot ai s no mer cado.
QPTV
QPVE
PV = == =

PV : Par t i ci pação nas Vendas
QPVE : Quant i dade de Pr odut os Vendi dos pel a Empr esa no mês
QPTV : Quant i dade de Pr odut os Tot ai s Vendi dos no mês
7. 3 CÁLCULO DOS COEFI CI ENTES
7. 3. 1 COEFI CI ENTE DE ENDI VI DAMENTO






− −− − × ×× × = == =
Ei
Em
1 10 C
E

E
C : Coeficiente de Endivi damento.
Em: Endi vidamento do Mês.
Ei : Endi vidamento Inicial (em Janeiro).
7. 3. 2 COEFI CI ENTE DO VALOR DO PATRI MÔNI O LÍ QUI DO






× ×× × = == =
PLi
PLm
10 C
PL

PL
C : Coefi ciente do Valor do Patrimônio Líquido.
PLm: Valor do Patri mônio Líqui do do Mês.
PLi : Valor do Patrimônio Líquido Inici al (em Janeiro).
7. 3. 3 COEFI CI ENTE DO VALOR DA LI QUI DEZ CORRENTE






× ×× × = == =
LCi
LCm
10 C
LC

LC
C : Coefi ciente da Liqui dez Corrente.
LCm: Valor da Liquidez Corrente do Mês.
LCi : Valor da Liquidez Corrente Ini cial (em Janeiro).
O Coeficiente da Liqui dez Corrente,
LC
C , é li mitado a 50, para efeito de
cálculo do valor da ação.

44

7. 3. 4 COEFI CI ENTE DO VALOR DA MARGEM DE LUCRO






× ×× × = == =
MLi
MLm
10 C
ML

ML
C : Coeficiente da Margem de Lucro.
MLm: Valor da Margem de Lucro do Mês.
MLi : Valor da Margem de Lucro Ini cial (em Janeiro).
7. 3. 5 COEFI CI ENTE DA PARTI CI PAÇÃO NAS VENDAS






× ×× × = == =
PVi
PVm
10 C
PV

PV
C : Coefi ciente da Participação nas Vendas.
PVm: Valor da Participação nas Vendas do Mês.
PVi : Valor da Participação nas Vendas Ini cial (em Janeiro).
7. 3. 6 COEFI CI ENTE DA RENTABI LI DADE DO ATI VO






× ×× × = == =
RAi
RAm
10 C
RA

RA
C : Coeficiente da Rentabi lidade do Ativo.
RAm: Valor da Rentabilidade do Ati vo do Mês.
RAi : Valor da Rentabilidade do Ati vo Ini cial (em Janeiro).
7. 3. 7 CÁLCULO DO VALOR DA AÇÃO
RA PV ML LC E PL
C C C C C C 3 VA + ++ + + ++ + + ++ + + ++ + + ++ + × ×× × = == =

VA: Valor da Ação.
PL
C : Coefi ciente do Valor do Patrimônio Líquido.
E
C : Coeficiente do Endivi damento.
LC
C : Coefi ciente da Liqui dez Corrente.
ML
C : Coeficiente da Margem de Lucro.
PV
C : Coefi ciente da Participação nas Vendas.
RA
C : Coeficiente da Rentabi lidade do Ativo.


8 OPERAÇÃO NA BOLSA DE VALORES
Os Di retores das empr esas poder ão ser i nvest i dor es da bol sa de
val or es e i ndi vi dual ment e ef et uar apl i cações no mer cado de ações.
Os r ecur sos di sponí vei s par a apl i cação serão di vul gados
mensal ment e a par t i r de um demonst r at i vo de cont a cor r ent e por Di r et or .
8. 1 BÔNUS
Os Di r et or es def i ni r ão mensal ment e, um per cent ual a ser apl i cado
sobr e o l ucr o, como f or ma de bônus. O val or r esul t ant e ser á pr ovi si onado no
mês e di st r i buí do i gual ment e ent r e os di r et or es da Empr esa. O val or
di st r i buí do poder á ser ut i l i zado par a i nvest i ment o na Bol sa de Val or es após
const ar como cr édi t o no Rel at ór i o de Deci são da Bol sa de Val or es.
8. 2 DI VI DENDOS
Mensal ment e a Empr esa pr ovi si ona 25% dos seus l ucr os par a ser em
di st r i buí dos no mês segui nt e aos aci oni st as da empr esa.
O val or apur ado ser á di vi di do pr opor ci onal ment e aos aci oni st as, de
acor do com a quant i dade de ações ( Cada Empr esa di sponi bi l i za no mer cado
um mi l hão de ações par a comer ci al i zação) . O val or r ecebi do pel o aci oni st a
poder á ser apl i cado em ações.

Exempl o 13:
Cál cul o de di st r i bui ção de di v i dendos par a um aci oni st a que possui 1. 500 ações de uma
empr esa.
QUADRO 14: Cál cul o da di st r i bui ção de di vi dendos
I t em Val or Memór i a de Cál cul o
Lucr o apur ado no mês $300. 000
Di vi dendo cal cul ado $75. 000 25% de $300. 000
Di vi dendo por ação $0, 08 75. 000/ 1. 000. 000
Di vi dendo r ecebi do $120 0, 08* 1. 500


46

8. 2. 1 APLI CAÇÃO ( COMPRA)
O i nvest i dor poder á apl i car seus r ecur sos na Empr esa onde at ua ou
qual quer out r a Empr esa que par t i ci pe no mer cado.
Par a ef et uar uma apl i cação, o I nvest i dor dever á pr eencher o
f or mul ár i o da “ Deci são da Bol sa de Val or es” i nf or mando o códi go do
i nvest i dor , o códi go da Empr esa que se desej a apl i car , o t i po da oper ação
como “ A” ( apl i cação) , a quant i dade de ações que desej a adqui r i r e o val or
r esul t ant e da mul t i pl i cação do val or uni t ár i o da ação pel a quant i dade que est á
sendo adqui r i da.
Sobr e o val or da apl i cação ser á cal cul ado uma comi ssão de
cor r et agem que ser á debi t ada no cai xa do i nvest i dor . O per cent ual de
comi ssão ser á di vul gado mensal ment e no Cl i ppi ng Empr esar i al .
Se o I nvest i dor não possui r sal do em cai xa par a ef et uar a oper ação
( val or das ações + cor r et agem) , el a ser á r ej ei t ada.
8. 3 RESGATE ( VENDA)
O i nvest i dor poder á r esgat ar t oda ou par t e de sua car t ei r a de ações a
qual quer moment o.
Par a ef et uar o r esgat e o i nvest i dor dever á pr eencher o f or mul ár i o
“ Deci são da Bol sa de Val or es” i nf or mando o códi go do i nvest i dor, o códi go da
Empr esa que se desej a r esgat ar as ações, o t i po da oper ação como “ R”
( r esgat e) , a quant i dade de ações que se desej a r esgat ar e o val or r esul t ant e
da mul t i pl i cação do val or uni t ár i o da ação pel a quant i dade que est á sendo
r esgat ada. Esse val or ser á cr edi t ado no cai xa do i nvest i dor .
Sobr e o val or do r esgat e ser á cal cul ada uma comi ssão de cor r et agem,
que ser á debi t ada no cai xa do i nvest i dor .
A oper ação de r esgat e ser á rej ei t ada se o i nvest i dor não possui r a
quant i dade de ações que pr et ende r esgat ar .
8. 4 EXTRATO DA BOLSA DE VALORES
Mensal ment e será ent r egue à Empr esa um rel at ór i o com um ext r at o
de t odas as oper ações sol i ci t adas e r eal i zadas pel os di r et or es da empr esa.
Nel e const ar á a evol ução das oper ações e o r esul t ado das oper ações
sol i ci t adas no mês ( acei t a ou r ecusada) .
Baseado no ext r at o ser á def i ni do a cl assi f i cação dos i nvest i dor es de
acor do com os l ucr os auf er i dos ( r endi ment os) nas apl i cações.

47

8. 5 RENDI MENTO DO I NVESTI DOR
O val or do r endi ment o do i nvest i dor é cal cul ado do segui nt e modo:
Sal do que possui mai s o val or at ual i zado das ações que possui , menos o
val or r ecebi do de bônus.
O val or do r endi ment o é apl i cado sobr e o val or r ecebi do de bônus,
par a que se obt enha o per cent ual de r et or no dos i nvest i ment os que cada
i nvest i dor ef et uou.
Na cl assi f i cação dos i nvest i dor es soment e ser ão r el aci onados aquel es
que ef et uar am ao menos um i nvest i ment o da bol sa de val or es.



9 RELATÓRI OS GERENCI AI S
9. 1 I NFORMAÇÕES GERADAS PELO SI MULADOR
EMPRESAS
− Relatório da Empresa
− Balanço Patrimonial
− Clipping Empresarial
− Relatório Contábil (se solicitado)
− Relatório do Mercado (se solicitado)
− Decisão Mensal
DI RETORES DAS EMPRESAS
− INFORMAÇÕES DA EMPRESA
− Extrato da Bolsa de Valores
− Decisão da Bolsa de Valores
− Ranking de Investidores na Bolsa de Valores
COORDENADOR DA SI MULAÇÃO
− INFORMAÇÕES DA EMPRESA
− INFORMAÇÕES DOS DIRETORES DAS EMPRESAS
− Relatório das Notas dos Participantes
− Relatório de indicadores das Empresas
O Rel at ór i o de Deci são Mensal e o Rel at ór i o da Empresa são
document os conf i denci ai s da empr esa.
O Rel at ór i o Cont ábi l e o Rel at ór i o de Mer cado ser ão compr ados pel as
empr esas, e o val or est á i nf or mado no Cl i ppi ng Empr esar i al .
O Cl i ppi ng Empr esar i al , o Anexo ao Manual , o Rel at ór i o Cont ábi l e o
Rel at ór i o do Mer cado são os mesmos par a t odas as empr esas.
Os r el at ór i os ci t ados ant er i or ment e são i ndi spensávei s par a o
pr ocesso de t omada das deci sões.
No i t em 6 do Anexo ao Manual são apr esent adas as or i ent ações de
pr eenchi ment o da Deci são Mensal .


10 REFERÊNCI AS
GI TMAN, Lawr ence J. Pr i ncí pi os de admi ni st r ação f i nancei r a. 7. ed. São Paul o: Har br a,
1997.
I UDÍ CI BUS, Sér gi o; MARTI NS, El i seu; GELBCKE, Er nest o Rubens. Manual de cont abi l i dade
das soci edades por ações: apl i cável às demai s soci edades. 6. ed. São Paul o: At l as,
2003.
MARTI NS, Pet r ôni o Gar ci a; LAUGENI , Fer nando Pi er o. Admi ni st r ação da pr odução. São
Paul o: Sar ai va, 1998.
STONER, James A. F. ; FREEMAN R. Edwar d. Admi ni st r ação. 5. ed. Ri o de Janei r o, PHB,
1995.
TRACY, John A. Fi nanças: i déi as i nov ador as e di cas que r eal ment e f unci onam. Ri o de
Janei r o: Campus, 2000.















CONTATOS
Tangram Si stemas Empresari ai s Ltda
Rua Acyr Gui marães, 436 – Sal a 1801
CEP 80. 240-230 – Curi ti ba – PR


Fone: (41) 3566 6213
si te: www. tangram. srv. br
e-mai l : tangram@tangram. srv.br
skype: t angram. srv

Sumário

1 APRESENTA ÇÃO . .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. . 5 1.1 DA TANGRAM SISTEMAS EMPRESARIAI S ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. . 5 1.2 DO PROCESSO ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. . 5 2 LABORA TÓRIO DE GESTÃO EMPRESARIAL ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. . 7 2.1 IN TRODUÇÃO .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. . 7 2.2 LEI TU RA DO MANUA L DO SIMULADOR EMPRESARIAL TANGRAM ... ... .. ... .. . 8 2.2. 1 ÁREA COMERCIAL. .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. . 8 2.2. 2 ÁREA DA PRODU ÇÃO . ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. . 8 2.2. 3 ÁREA DE REC URSOS HUMANOS .. .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. . 8 2.2. 4 ÁREA FINANCEIRA .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. . 9 2.2. 5 CE NÁRIO GL OBAL . .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. . 9 2.2. 6 C LI PPI NG EMPRESARI AL . ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 10 2.2. 7 ANEXO AO MANUAL ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. 10 2.2. 8 ÁREA DE COME RCIA LI ZA ÇÃO .. ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. 10 2.2. 9 DE CI SÃO MENSAL . .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 10 2.2. 9.1 DECISÕES DA DIR ETORIA DE RECU RSOS H UMANOS ... .. ... .. ... ... .. 11 2.2. 9.2 DECISÕES DA DIR ETORIA DE FI NANÇAS .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. 11 2.2. 9.3 DECISÕES DA DIR ETORIA DE PROD UÇÃO ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 11 2.2. 9.4 DIRETORI A C OMERCI AL . ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 12 2.2.9.5 L I S T A D E S Í M B O L O S , A B R E V I A T U R A S E S I G L A S . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 2 3 GESTÃO COMERCIAL .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 14 3.1 O PRODUTO .. .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. 14 3.1. 1 COMPOSI ÇÃO . ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 14 3.2 ÁREAS DE COMERCIALI ZA ÇÃO . ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 14 3.3 A DEMANDA .. .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. 15 3.4 O MERCADO ........................................................................................15 3.5 ÍNDI CE DE CRES CIMEN TO ECONÔM ICO.. ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 15 3.6 SAZO NALI DA DE .. .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 16 3.7 GESTÃO DE PREÇOS .. .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. 16 3.8 PRA ZO DE VENDA . ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 17 3.9 TAXA DE J UROS . .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 17 3.10 GES TÃO DE M ARKE TING ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. 18 3.11 CONTROLE DE PRE Ç OS . ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. 18 4 GESTÃO DA PR OD UÇÃO. ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. 19 4.1 CAPACI DA DE DE PRO DUÇÃO . ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 19 4.2 NÍ VEL DE A TIVIDADE .. .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. 19 4.3 PRODUÇÃO E XTRA .. ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. 20 4.4 PRODU TIVIDADE .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 20 4.5 GESTÃO DAS LI NHAS DE PRODUÇÃO .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 22 4.5. 1 MANUTENÇÃO DAS LI NHAS DE PRODU ÇÃO .. .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. 23 4.6 COMPRA E VENDA DE LINHAS DE PRODUÇÃO ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. 24 4.6. 1 VENDA DE LI NHAS DE PRODUÇÃO ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 24 4.6. 2 COMP RA DE LI NHAS DE PRODU ÇÃO . ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 24 4.7 GESTÃO DAS COMPR AS DE CMP COM PRA PROGRAMADA .. ... ... .. ... ... .. ... .. 24 4.7. 1 COMP RA EXTRA ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. 25 4.8 GESTÃO DE ESTOQ UE .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 26 4.8. 1 C US TO DE MANUTE NÇÃO DE ESTOQUE DE CM P . ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 27 4.8. 2 DESPESA COM MANU TENÇÃO DE PROD U TOS ACABADOS .. .. ... .. ... ... .. 27 4.8. 3 C US TO TO TAL COM ESTOQUES .. .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 27 4.9 DEPRECIA ÇÃO ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 28 5 ADM INI STRAÇÃO FI NAN CEI RA ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. 29 5.1 EM PRÉSTIMOS BANC ÁRI OS . .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 29 5.2 CRÉDI TO ESPECI AL AU TOMÁTI CO . ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. 30 5.3 FINAN CIAMENTO PAR A COMPRA DE LIN HAS DE PRODUÇÃO . ... .. ... .. ... ... .. 30 5.4 AN TECIPAÇÃO DE RECEBÍ VEI S DE CLIENTES . ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 33 5.5 APLICAÇÃO FINANCEI RA .. ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. 33 5.6 PAR TICIPAÇÃO N OS L UCROS ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 33 5.7 BÔNUS ...............................................................................................34 5.8 DI VI DEN DOS . .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. 34 5.9 ATRASOS ............................................................................................34 6 GESTÃO DE RECURSOS HUM ANOS . ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 35 6.1 A FOLHA DE PAGAMEN TO ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. 35 6.2 A MOTI VAÇÃO E A PRODUTI VI DA DE .. .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 35 6.3 TURNOVER ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. 36

4

6.4 ADMISSÕES ........................................................................................36 6.5 DEMI SSÕES .. .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. 37 6.6 A GREVE E A PRODUTI VI DADE . ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 37 7 AÇÕES DAS EMPRESAS E A BOLSA DE VALORES.. ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 38 7.1 BUSCA DOS IN DICAD ORES NOS RELA TÓRIOS. ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 38 7.1. 1 BALAN ÇO PATRI MONIAL .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 38 7.1. 2 DEMONS TRAÇÃO DE RESULTADO DO EXE RCÍ CIO – DRE . ... .. ... .. ... ... .. 39 7.1.3 RELATÓRIO DE MERCADO ..............................................................40 7.1. 4 C LI PPI NG EMPRESARI AL . ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 40 7.2 INDI CADORES DE DE SEMPENHO ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. 41 7.2. 1 VALO R DO PA TRI MÔNIO LÍ QUI DO .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 41 7.2. 2 EN DI VI DAMEN TO .. .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. 41 7.2. 3 LIQUIDE Z CORRE N TE . ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. 41 7.2. 4 RE NTABILIDADE DO ATIVO . ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 42 7.2. 5 MARGEM DE L UC RO ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. 42 7.2. 6 PARTICIPAÇÃO NAS VENDAS ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. 43 7.3 CÁLCULO DOS COE FICIENTES .. ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 43 7.3. 1 COE FI CI EN TE DE E NDI VI DAMEN TO .. ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 43 7.3. 2 COE FI CI EN TE DO VALOR DO PA TRIMÔ NI O LÍ QUIDO .. .. ... ... .. ... ... .. ... .. 43 7.3. 3 COE FI CI EN TE DO VALOR DA LIQ UI DE Z CORR ENTE ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. 43 7.3. 4 COE FI CI EN TE DO VALOR DA MARGEM DE LU CRO .. ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 44 7.3. 5 COE FI CI EN TE DA P ARTI CI PAÇÃO NAS VENDAS . .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 44 7.3. 6 COE FI CI EN TE DA R ENTABILI DADE DO ATI VO . ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. 44 7.3. 7 CÁ LCULO D O VALOR DA AÇÃO . ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. 44 8 OPERAÇÃO NA BOLSA DE VALORES . ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 45 8.1 BÔNUS ...............................................................................................45 8.2 DI VI DEN DOS . .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. 45 8.2. 1 APLI CAÇÃO (C OM PR A) .. .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. 46 8.3 RESGA TE (VENDA ) .. ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. 46 8.4 EXTRA TO DA BOLSA DE VALORES . ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. 46 8.5 REN DI MENTO D O I NV ESTIDOR . ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 47 9 RELATÓRIOS GERENCI AIS .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 48 9.1 IN FORMAÇÕES GERADAS PELO SI MULADOR .. ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. 48 10 RE FERÊ NCI AS ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... ... .. ... .. 49

1 APRESENTAÇÃO

1. 1 D A T AN GR AM S I S TE M AS E M P RE S AR I AI S T AN G R AM é um j ogo f igur at iv o d e or ig em c h in es a. S ur g iu por v o lt a do s é cu lo VI I A . C. c om a den om ina ç ão d e “ A s Se te Tá bua s d a A s tú c ia” . No d ec or r er de s tes m ai s d e 25 s é cul o s, os jo ga dor e s do T AN G R AM têm de m on s tr ado cri a tiv id ad e e h a bi li da d e p ar a or d enar , de m o do ló gi co , a s 7 ( s ete) pe ç a s de s t e “ que br a c ab e ç a” . Ut i li zan do- s e EMPRESA RI AI S. da m et áf or a do jo g o Ch inê s, um gr up o de pr o f es sor e s un i v er s it ár i os, c o m ex per iê nc ia e m ge s tã o de e m pr e s as , cr io u a T A N G R A M S I S T E M A S

A

TANGRAM

busc a

organ izar

os

pri ncipais

elem entos

(“peças”)

da

adm inistraç ão m oderna, integr ando-os harm onicam ente, de m odo a desenvo lver nas em presas a cult ura da excelê nc ia em gestão em presari al. Gestão qu e de ve estar al ic erçada no s 12 f undam entos e 8 critérios de ex celênc ia d o Prêm io Nacion al da Qualida de (PNQ) para a construção de Em presas Classe Mundi al.
A l ogo ma r ca d a T AN G R AM é um a v er s ão e s ti liza d a d o di agr am a que re pr ese n ta o “ M od e lo de E x c elê nc i a do PNQ – um a v isã o s is tê m ic a da org a n iz a ção” . 1. 2 DO P RO C E S SO Os Si mu l aç ão p ar tic i pan t es E mp re sa r ial s ão no in s er ido s q ua l se em um a am b ien t e: L ab o rat ó ri o Vi rt u al de

e xer c it a

Ad m i n istr a ç ão

na s s u a s d iv er sa s

ext en sõ es. É de r e s pon s ab ilid ad e d o s par t ic ip ant e s a t om ad a de d e cis õ es n a s ár ea s fin anc e ir a, d e m ark et i ng , de pr od uç ão e de r ecu r so s hum a nos , le v an d o em c on s id er aç ã o a r e a lid ad e d o s r e s p ect iv o s se to r e s e o m er c ad o qu e os r e ge. O Labo rat ó ri o p o s sib ilit a o d es en v o lvim ent o de tr aba lh o e m e qu ip e, at u an do em a m bi ent e de c on c orr ê n c ia m ui to pr ó x im o da r e al id ade. T o do pr oc e s s o d e ge st ã o no L ab o ra tó ri o s eg ue o f l uxo gr am a a pr es e nt a do na Fi gu r a 1.

6 EMPRESA 1 Relatórios Gerenciais Internet EMPRESA 2 EMPRESA 4 (Orçamento + Indicadores) Planejamento Análise e Diagnóstico AMBIENTE DE SIMULAÇÃO 1 Internet EMPRESA n Clipping Empresarial EMPRESA 5 (da Empresa e dos Diretores) Decisões Internet EMPRESA 3 LABORATÓRIO TANGRAM AMBIENTE DE SIMULAÇÃO 2 Gertão Empresarial Integrada AMBIENTE DE SIMULAÇÃO m AMBIENTE DE SIMULAÇÃO 3 AMBIENTE DE SIMULAÇÃO 4 Fig u r a 1: F lu xo gr am a do pro c e s s o de S i mu la ç ão no L ab o r at ó rio .

a pr o x im ar E st e t eor ia e pr át i ca. P or t ant o . Importância de um sistema de informações integrado como apoio ao processo decisório. tes t ar e f icá c ia e m e dir a per f or m an ce em p re s ar ial e m u m a mb ie nt e CR I AD O c on f or m e a s ne c e s s id ade s d o m er c ad o. Processo participativo de tomada de decisão. Pr o du çã o . . labor at ór io per m it i ndo de g e st ão. 1 IN T ROD UÇ ÃO Este manual orienta os participantes no processo decisório de s im ul aç ão em pr e s ar ia l. O la bor a tór i o d e ge s t ão p os s i bili ta a o s p ar t ic ipa nt e s o de se n v ol v ime n to d o pr o c e s s o dec i s ór i o par t i c ip a tiv o ( tr ab al ho em e q uip e) e a c a pac i d ad e de IN TEG R AR os co n c eit o s d as d i ver s a s ár ea s da ad m i nis tr a ção. a um v er dad e ir o dos lab or at ór io po s s ib ilit a c om p le ta imer s ã o exe c u tiv o s .ger e nt e s . O ob jet i v o é o fe r ec er ao par t ic i pa nt e do l ab or at ór io de g est ã o e m pr e s ar i al a opor t un id ad e de V IV E NCI AR as di v er s a s at iv i dad es do pr o c es so de ges t ão int egr a d a ( Ár e a s Com er c ial . em um am b ie nt e c o mp et it i vo: − − − Análise e diagnóstico do ambiente interno e externo.2 L ABOR ATÓRI O DE GESTÃO EMPRESARI AL 2.tr aine e s em um m undo em pr e sar ia l v ir t u a l. O S imu lad or E m pr e s ar ia l T an gr am f oi con str u íd o a par ti r d e no va s tec n olo g ia s . o s exe c u tiv o s – ger ent e s – tr ai ne e s t er ã o a pos s ib ili da d e d e s im ul ar es t r at ég ia s. of er ec en do um a ex ce le nt e f er r am ent a de c a pac i t açã o e st abe lec i da em am b ien te mu ito pr ó x imo d a rea li dad e em pr e s ar ial. F inan c e ir a e R e cur s os H um a no s ) d e um a E mpr es a d o r am o I ndu st r ia l. Co m e st a c ap ac i da d e de tr a zer a r e a li da de par a um a m bien te de tes t e.

8 2. Juros na venda. . Número de campanhas de marketing. Definir a política de motivação dos Empregados. de s cr e v em . co m o obj et iv o de “ v end er ” t od a a pr o du ç ão. Preço de venda. 2. é nec e s s ár io d ec id ir so br e: − − − − − Área de venda. 2.se o s t er mo s usa do s p e lo pr o c e s s o de s im u la ç ão e um ce nár io pa r a c ont e xt u al izar a i dé ia do pr oc e s s o indu str ia l s im ul ad o. 2. Número de Empregados. 3 ÁR E A D E R E CU R SO S H UM AN O S Ne s ta áre a é n ec e s sár io de f inir : − − Contratação e demissão de empregados da Área de Produção. A compra de Componentes de Matéria Prima para composição do produto produzido. Prazo de venda. 2 L E I TU R A D O M AN U AL DO SI M UL AD O R E M PR E S AR I AL T AN G R AM P ar a f a c i lit ar a le it ur a de st e m anu a l. Nível de atividade da Empresa.s e as r es p ons a b il id ad e s d e c a da u m a da s Á r e a s F un c ion a is d a E mpr es a c o n st itu íd a : 2. De s ta c am . 1 ÁR E A C O M E RC I AL P ar a d e fin iç ão da P olí tic a d e Co m er c ia liza ç ão d a e mp r es a. Produtividade dos Empregados. 2. A compra e venda das Linhas de Produção. 2. 2 ÁR E A D A P R O DU ÇÃO P ar a a d ef in içã o da Cap a cid ade d e Pr od uç ão d a em pr es a e e m b us ca d e um a pol ít ic a qu e per m it a a r e du çã o do s c ust o s da pr odu ç ã o é nec e s s ár io d ec id ir s obr e : − − − − − − Modelos e quantidades de Linhas de Produção.

Contratar financiamentos e empréstimos bancários. Investimentos para ampliação da produção. Com es s e s c o ntr oles é p o s sí v e l d ef in ir : − − − − Antecipação de recebíveis. Produção. 2.9 2. Organizar fluxo financeiro: presente e futuro. CONCORRÊNCIA GESTÃO FINANCEIRA GESTÃO COMERCIAL GESTÃO INTEGRADA GESTÃO PRODUÇÃO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS CENÁRIO EXTERNO F igu ra 2: F l u xo d o C e nár io G lo bal FORNECEDORES CLIENTES . 2. 5 CE NÁ RI O G L OB AL Um a no v a e qui pe d e e xe c uti v o s f oi c o ntr at ad a pa r a a dm i ni str ar a em pr e sa . 4 ÁR E A F I N AN C E I R A P ar a a e fe t iva g es t ão fi nan c eir a da em pr e s a . 2. é n e c e s sár i o c o ntr ol ar o f lu x o de ca ix a ( r e fer e nt e a r e ce bi me n tos e p a gam en t o s) e os r e su lt a do s con tá b ei s (or iu n dos do Ba la nço P at r i mo n ia l e da D em on s tr a ção do Re su lta do d o E xer c í c io) . E s t a equ ip e s er á re s po ns á v el p el a a dm in is tr a ç ão d a s s eg u int e s ár ea s f u nc io na is da E m pr e sa : − − − − Recursos Humanos. a par t ir d e F e ve re ir o. Financeira. Comercial.

on d e é d i v ul ga do o c e nár i o do m ês c or r en t e: n ot í c ia s e ín di ce s . 8 ÁR E A D E C O M E RC I ALI Z AÇ Ã O No i ní cio da s im ul açã o s er ã o de f ini da s as ár eas p o s s í v e is par a c om er c i aliza ç ã o do s P r od ut os . 2. 2. C on tu d o. 2. . 2. a em pre s a p o de r á c om er c ia liza r o s se u s Pr od u to s e m qu ais q u er da s ár e a s d ef in id a s . E s t e c u st o s er á di vul gad o n o C lip pin g E mpr e s ar ia l. De v e m s er pr e enc h ido s o s se gu inte s c am p o s : − − − − − Diretoria de Recursos Humanos. E mpr és ti m o B a ncár io. 7 AN E X O AO M AN U AL A s ua f in a lid a d e é de d ef in ir o s par âm etr os qu e s er ão ut i liza d os na s imu la ç ão e a br an ge as s eg ui nt es inf or ma ç ões : c o mp o s iç ão d o P rod u to. Diretoria de Produção. cor r es po n de n te ao fr ete . 2. 2. Diretoria Comercial. A s ár ea s de c om er c i aliza ç ã o t am b ém po d em s er v ar iáv e is: de sd e um a únic a a té u m gr and e nú m er o ( por e xe m p lo : c ar a c t er iza ndo c id a de s d e u m e st a do ou r eg iõe s d e u m paí s) . D epr e c ia ç ão . Ne s ta c o m er c ia l iza ç ão h av er á u m c u s to d e l ogí s t i ca . in st r u ç õe s s obr e pr e e nc hi m ent o da d e c is ão m en sa l e con ta s do r ela tór i o c ont á b il. T o da s as d eci sõ e s d e ve m t e r valo re s p o si t i vo s. 2. se gur o et c. 9 DE CI S ÃO M E N S AL Ne s s e r elat ór i o d e ve m e st ar c on t ida s a s de c is õ es t om ad a s p el a em pr e sa par a o pr ó x im o m ês . par a qu e o Pr o du to s ej a e ntr egu e ao c om pr a dor . E s pe c ia l at en ç ã o d ev e se r d a da p ar a a dat a e h or ár i o de e ntr e ga d o re lató r io co m a s d e c is ões t om ad a s. o c us to d e log í st ic a é r edu zid o p ar a 50 % do cu s t o de logí st ic a d as de m a is á r eas . d ivu lg ad o a toda s a s e m pr e sas pa r t ic ipa nt e s. c om pr a de Com p on ent e s de M at ér ia P r i ma ( CMPi ) . Q u an d o a em pr es a d e c idir v e nd er na Ár e a d e C om er c i al iza ç ã o n a qu a l e s t á lo cal iza d a a s u a s ed e.10 2. Decisão da Bolsa de Valores (Opcional). Diretoria de Finanças. L in h a s de Pr od u ç ão ( LPi ) . 6 CLI P P ING EM P R E S ARI AL É u m i nf or ma t ivo pe r iód ic o.

. mediante desconto de duplicata. O percentual pode variar de 0.11 2. Demissões: Número de empregados da produção a serem demitidos. − Bônus da Diretoria: Percentual de participação nos lucros da empresa a ser distribuído aos diretores. com início de pagamento no mês seguinte). − Produção Extra: Percentual de Produção Extra a ser realizada no mês. 2. 9 . O percentual pode variar de 0. − Compra de Componentes: − Q u an t ida de: O nú m er o d a q uant id ad e d e Co m pon en t es de Ma t ér ia P r i ma a s er e m a d quir idos .0% a 100. Tipo 2 ( 1+ 1) e T ip o 3 ( 1+2 ) .0%. 2.2 DE CI S Õ E S D A D I R E T ORI A D E F IN AN Ç AS − − Empréstimo: Valor total do empréstimo a ser solicitado. terão como salário três vezes o salário da área de produção. Tipo de Empréstimo: Código do tipo de empréstimo solicitado. Salário dos Empregados da Produção: Salário a ser pago aos empregados da área de produção. qu e pod e s er d o T ipo 1 ( Tr im estr a l) ou T ipo 2 ( B ime s tr a l) . O salário pago no mês não pode ser inferior ao salário pago no mês anterior. − − Aplicação: Valor a ser aplicado no mercado financeiro. 9 . − Co mp r a: Q ua nti d ad e de Lin ha s de Pr o d uç ã o a s er e m c om pr a das .3 DE CI S Õ E S D A D I R E T ORI A D E P RO D UÇ ÃO − Nível de Atividade: Percentual do nível de atividade que a empresa irá operar no mês. − Participação nos Lucros: Percentual de participação nos lucros da empresa a ser distribuído aos empregados da produção. − Treinamento: Deve ser informado o percentual a ser aplicado sobre a folha de pagamento referente a treinamento dos empregados da produção. 2. P od e s er Tip o 1 ( À V ist a) . − P r a zo : C ód igo do t ipo d e p aga me n to d a co mp r a de Com po nent e s d e M at ér ia Pr im a. − F in an ci a ment o : 6 0% do v a lor das L inh as de Pr o d uçã o r e c eb e fi n an c ia me n to c o mp ul s ór io.1 DE CI S Õ E S D A D I R E T ORI A D E R EC UR SO S HU M AN O S − − − Admissões: Número de empregados da produção a serem admitidos. Pode ser Tipo 1 (pago no mês seguinte) e Tipo 2 (4 parcelas pelo Sistema de Amortização Constante. 2. − Compra e Venda de Linhas de Produção: − V en d a: Q ua nt id ade d e Li nha s d e Pr odu ç ã o a s er em v e nd ida s .0%. 9 .0% a 25. Os empregados da área da administração e área comercial. Antecipação de Recebíveis de Clientes: Valor a ser antecipado. das vendas efetuadas a prazo. 2.

− Marketing: É o número de campanhas de marketing aplicadas por Área de Comercialização: Em uma mesma área podem ser aplicadas no máximo dez campanhas. i : Ta x a de J ur os Ap : A pl ic a ç ão AC : At i v o C ir c ul ant e Ai : At iv o n o Iní c io do M ês Ca : C a ix a CS : Ca p it a l S oc ia l Cl : C li ent e s CMPi : C o m pon en t es de Ma t ér ia Pr im a CP : Co nt a s à Pag ar CPR : C u s tos de Pr o du çã o CF : C u s tos F ix o s CV : C u s tos Var i áv e is DP : Di v id end o s a P a gar ECP : E mpr és ti m o C urt o P r a zo ELP : E mpr és ti m o L on g o P r azo E : E nd iv ida m en t o ECMPi : E st o c age m de CMPi . − Juros: Percentual de juros a ser aplicado pela empresa na venda a prazo. . O preço é definido em unidades monetárias sem casa decimal. 2. . − Preço: É o preço do produto para cada Área de Comercialização. AB R E VI AT U R AS E S I G L AS $ : Un i da d e M one tár ia % : P er ce n tu al # : N ú m er o i: S u b e s cr it o s ig nif i c a Í nd ic e i ou i nd ica d or nu m ér ico de po s iç ão i: 1. Pode ser Tipo 1 (Á Vista). − Prazo: É o código do prazo de venda que a empresa deseja usar para vender os produtos em cada Área de Comercialização.4 DI RE TO R I A C OM E RC I AL − Solicitação de Relatórios de Outras Empresas: Relatório Contábil e/ou Relatório de Mercado.9. 2.2. Se a empresa não desejar vender em uma determinada área. . 9 . o uso de até uma casa decimal.5 L I S T A D E SÍ M BO LO S.12 2. Tipo 2 (1+1) e Tipo 3 (1+2). 2. deve definir o preço como 0 (zero).

13 ET : E st o c age m To ta l EP : E st o que d e Pr o dut o s EFP : E st o qu e F ina l de Pr o dut o s F : F or ne c e dor e s IRP : I m p o st o d e Re n da a P ag ar ICE : Í n d ice de Cr e s c im ent o E c on ôm ico LPi : L in h a de Pr odu ç ão i LC : L iq u id ez Cor r ent e LA : Luc r o A cu m u la d o L : Lu cr o do M ês ML : Ma r g em de Lu cr o M : Mê s C or r e nt e M + 1 : Mê s S ub s eqü e nt e a o m ê s M M + 2 : Mê s S ub s eqü e nt e a o m ê s M + 1 PV : P ar t i c ipa ç ão na s V enda s PP : P ar t ic i pa ç õ es a P aga r PC : P as si v o Cir c ula nt e PE : P on to de Eq u ilí br i o PCMP : Pr eço de CMPi n o Mê s QPTV : Q uan t id a de d e Pr o du to s Tot a is V en d ido s QPVE : Q uan t id a de d e Pr o du to s Ve ndi do s p e la Em pr e s a QCMP : Q uan t id a de I n ic ia l d e CMPi RV : Re c e it a d e V e nd a s RA : R e nt a b il id ade d o A t iv o TJLP : Ta x a de J ur o s de Lo ngo P r a zo TA : Tot a l d o A t ivo VPL : V al or d o P a tr im ôn io Lí q ui d o .

1 O PRO DU T O O Eq u ip am en t o E l et r ôn i co f abr ica d o p elas em pr e sa s t er á o me smo p ad r ão d e be nef i ci am en t o e q ua lid ad e. . s eg ur o e t c.s e. A E m pr e sa p oder á c om er c ia li za r s eu s E qui pa men t o s E let rô n i co s em qu a lqu er Á r e a d e Co m er c ia li za ç ão q ue d e sej ar.. CMP2 . 2 ÁR E AS D E CO M E RC I AL I Z AÇ ÃO A s ár eas d e c om er c i aliza ç ã o p o s sí v e is d o E q u ip a ment o El et rô n ico e st ã o def in id as no s r e lat ór ios ger e nci ai s . 1. .3 GESTÃO COMERCI AL 3. N ão ex i s te m di fer e n ça s q ue p o s s a m ger ar v a nt age n s p ar a um a ou o utr a em pr e sa . . As par a t od a s d e spe s a s as ár e a s c om de lo gí st ic a d os Eq uip am en t o s ex cet o par a E le tr ôn ico s a Ár ea de ( tr a n s por t e. Ca d a E mpr e s a e st á in st a lad a e m um a Ár ea d e C om er c iali z açã o e sp e c íf ic a. o u s im pl es m en te CMPi . 1 CO M P O S IÇ ÃO O Equ i pa me nt o E l et r ôn i co ser á pr odu zid o a par t ir d a c om bi na çã o de Co m po n en t e s de M at ér ia Pr im a: CMP1 .á pe la d ifer e nc iaç ã o d e pr e ç o. e CMPn . ) s er á i nf or m ad a n o Cl ip pin g E m pr e sar i al e s er á ig ual C o mer c ia liza ç ão . Exempl o 1: A Compos ição de um Equi pam e nto El etr ônic o é def inido po r: Pr oduto = 3 × CMP1 + 5 × CMP2 + 1× CMP3 Pr oduto : Equipamento Eletrônico o n d e : CMP1 : Componentes Elétri cos CMP2 : Componentes Eletrôni cos CMP3 : Gabinete 3. c onf or m e co n st a no i tem 1 . 3. A v a nt ag e m co m p et it i v a dar . is to s ign ific a q ue a s e mp r e s as d e v er ão m ini m iza r s eu s c u st o s e de sp es a s.1 do An e x o ao Ma n ual .

de c o m er cia li z açã o de J ur os e se gu i nt e s v ar á vei s : Ta xa Ca mp an h as d e Ma rk eti ng . nu lo o u n eg ati v o.0% ICE = 0. 3. A E m pr es a p od er á dei x ar de c om er c ia li za r s eu s E qu i p a men t os E l et rôn i co s e m um a de t erm in ada Ár ea d e C om er c ia li zaç ã o . Um I C E ne g at i v o det er m ina um a r et r a çã o no m er c a do.0% ICE > 0. T oda s a s Ár eas de C om e r ci al iza ç ã o s ão e qüi di s t ante s en tr e s i.15 Co m er c ia li za ç ão o nde a E m pr e sa es t á lo c al iza da.se E mpr es a das de v er á de fi nir sua Pr eço . ba st a n do p ar a i s s o inf or m ar o pr e ç o de v end a do E qu ip a ment o E l et rôn ic o c o m o 0 ( ze ro) . qu e ter á u m de s co nt o d e 50 % d o v alor pu b lica d o no Cli p pi ng E m pr e s a r ial. O IC E p ode s er po s it i v o. QUA DRO 1: Í ndice de Cre sci mento Ec onômi co I ndica dor ICE < 0. 3. 3 A D E M AND A Ca d a ut i liz an do. A com bina ç ão da s pol ít ic a s d e c o me r cia li zaç ã o da s em pr e sa s co m o Cr esc i ment o Ec on ô m ico e a Sa z ona li d a de d ef in ir ã o a de m an da p elo E qu i p a men t o E let rô ni co em c ad a uma d as Ár e a s de Co m er c ia li za ç ão . 4 O M E RC AD O O m er ca do se r á af e t ad o ap e na s p e lo C res c i ment o E co n ô mi co e de t er m in a o pot en c ia l m áx i m o d e v en d as p or Ár e a d e Co m er c ia liza ç ão. 5 ÍN DI CE D E CR E S CI M EN TO E CO N ÔM IC O O Ín d ic e d e Cr es c i m e nt o E c on ô m i co ( I CE ) de t er m i na a t en d ên c ia d e v ar ia ç ã o da d em an da . 3. O IC E é d iv u lg a do m ens a lm en te atr a v é s do Clipping Empresarial. pol ít ic a P r a zo.0% Situação Mer cado em Re tr açã o Mercado Estável Mer cado em Expansã o Demanda Redução Manutenção Cr escimento .

dem an d a g er ad a e nã o at e ndi da pe lo s is t em a pr o dut i v o. pr opor c ion al me nt e. por é m . V en d er ã o m eno s. A ló gi c a do m er c ado é : V en d e rá ma is a E mpr esa q u e p rat i c ar o men o r p re ço. 6 S AZ ON AL I D AD E A s a zo nal id ad e dete r m ina o au me nt o da d em a nd a do E q uip am en to E l et rôn i co em d et er m i nad a s ép oc a s d o a no. 3. O p er ce n tua l de au m en to pod er á v ar iar de ac or do c o m o s fat or e s que i nf lue nc iam a de ma nd a pel o E q ui p am en to E l et rôn i co ( po lí tic a s de c om er c ia liza ç ão e IC E ) . No s m e s es s eg ui nt es h á o cor r ên c ia d a s a zo na lid ad e a d e m and a r et or na ao s n í v ei s nor m ai s . mais os dividendos dos acionistas e mais o lucro pretendido. o pr eç o m éd io do m er c ado . s er á p er d id a. A go st o e Deze m b r o . mais despesas administrativas e mais despesas financeiras. A d em a nda nã o é c um ul at i v a. ma n t id o s i gu ai s o s d e mai s p ar â met ro s ( ma rket ing . O S i m ula dor Em pr esa r ial Tan gr am co ns ider a c om o pr eç o r e fer e nc i al . pr a zo e ju ro s) . o u s e ja. 7 G E S T ÃO D E P R E ÇO S O Sim ulad or E m pr e sa r ial T angr am n ão f a z d ist i nçã o de qua li da d e do s E qu ip a ment os El et rô ni co s fa br i c ad o s p elas v ár ia s e mp r e s as. . ou s ej a. m ai or m ar k et ing ou me nor e s jur os.16 3. − Preço de Custo é igual ao custo de produção mais as despesas operacionais com vendas. um pr e ç o m a ior po d e s er c o m pe ns ad o por ma ior pr azo . o s of t war e c om par a os pr eç o s pr ati c ad o s de n tr o d a Á r e a de C om er c ia liz aç ã o . r e s u lt an d o e m ma ior e s v en das p ar a a E mpr es a q ue pr a t icar o m enor pr eç o. a s em pr e s as q u e pr a t ic ar e m pr e ç os ac i ma d o p re ç o p r at i ca do p e la co nc or r ênc i a. mais o bônus da diretoria. E la r epr e s e nt a um au m ent o d e apr ox i ma d am ent e 50 % da dem a nd a n os m e se s d e A br il. − Margem de Contribuição é igual a impostos (o simulador trabalha especificamente com Imposto de Renda) mais a participação dos empregados no lucro. − Preço de Venda é igual ao preço de custo mais a margem de contribuição.

O S im ul a dor Em pr e sar i al Ta n gr am u til iza c ó digo s par a a def in iç ã o do s pr a zo s . A Em pr es a p od er á def in ir P r a zo s e Ta x a de J ur o s d if er e n c iad os p or Á r ea d e C om er c i al iza ç ã o. 9 T AX A D E J URO S A Em pr es a d ef in ir á a ta x a de jur o s dir et am ent e em f or m a de per c ent u a l. T a x as de ju r o s mu ito e le v a da s r ef let em no í ndi c e de i na d imp l ên c ia. m a ior a pr e f erê n c ia na ve n da ( es t e s it e ns s e rão c on sid erad o s e m con j un t o co m o p reç o p rat i c ado ) . po de ndo u til iza r um a c a sa d e c im a l. P r a z o e P ar cel am ent o s er ão d e s cr it o s no it em 1. 8 PR AZ O D E V EN D A O pr a zo de ve nda t am bé m s er á co n s id er ado par a de f in ir a qu a nt id ad e v en d ida p e la e m pr es a . A E mp r es a pod er á não c obr ar j uro s em su as ven da s a pra zo . Q uan t o m a ior o pr a zo e m en or a t a x a de j ur o s. O S i m ula dor Em pr es ar ia l Ta n gra m p er m it e op ç õe s de pr a zos par a c om er c ia liza ç ão do s E qu i p a men t os E l et rô n ico s ( ve ja de s cr i ç ã o no i te m 1. P ar a is s o ba st a i nf or m ar a t a xa c om o 0 . acr esci do de jur os 40% no mê s da venda + 2 par cel as i guai s acr esci das de jur os nos meses subse qüente s Cálculo d as pa rcela s – C ódigo 3 C × (1 + i) Parcela = 2+i 2 C : C apit al (60% d o valor à vista) i : T axa de Juro s d ef inid a p ela Em presa 3. 2 do A ne x o ao Ma nua l) . I nf or m aç õ e s do tip o: Cód i go .17 3. . QUADRO 2. Tabel a de pr azos de vend a Código 1 2 3 Prazo À vista 1 + 1 1 + 2 Par cel ament o 100% no mês da vend a 50% no mês da ve nda + 50% no mês segui nte. 2 d o A n ex o ao Ma n ua l.0 %.

Qu a nt o m a i or o pre ç o pr at i c ado .18 3. 1 1 CON T ROL E D E PR E Ç O S O C oor d ena dor d a S i mu la ç ão p od er á d et er mi nar a im por ta ç ã o d e E qu ip a ment os El et rô nic os c a s o ta l me d id a s e f a ça ne c es s ár io . . até o lim i te do per c e nt u al de im p or ta ç ã o. É com um o cor r er a i mp or ta ç ã o qu and o a s em pr e s as e st iv er e m pr at ic an d o pre ç o s m u it o e lev a dos de v ido a alt a m ar ge m de l ucr o pr at i c ad a . A im por t açã o p oder á s er s u s pen s a a qua lq uer m om en to . I st o é. A E m pre s a qu e pr a t ic ar pr eç o s a tr ae nt es n ão s er á af et ad a pe la i mp or t aç ã o. E s se p er c en tu al def in e q uan to d a de m an d a o G o v ern o pr et e nde a te nder . Os c o loc a dos E qu i pa me nt o s n as Ár e as de El et rô n i co s im por t ada s c om o pel o s e nd o G ov er no u ma s erã o Com er c ial iza ç ão E mpr e s a c on c or r e nt e.s e p or ma is d ois m es e s . d if er e nc i ado p or Á r e a d e Com er c ia liza ç ão . O ma ior ef e it o s er á no m ês d a ap li c açã o . ma ior s er á o per ce nt ua l de v e nda s per di das . O s e fei to s do in v e st im en t o em c am p anh a s de m ar k et in g re a li zad o s em um m ê s pr op a ga m. 1 0 GE S TÃO D E M AR K E T ING O c am pan ha s in v e st im en t o de em mar k et ing a s er e m s er á d ef in id o em pe lo nú m er o Ár e a de de pr opa gan d a rea li zad a s c a da Co m er c ia li za ç ão . E s s a é a ap li c açã o d o c on c eit o de mar k e ti ng r e s idu al. O inv e s ti m e nt o em m ar k et in g pr e c is a ser p ond er ad o. a E m pr es a per der á ve n d as c o nf or me o se u pre ç o pr a t ica d o. op or t un iza d o e . A i m por ta ç ã o é def in ida a tr a vés d e u m per c en t ua l ar b it r ár io div u lgad o no s r el at ór ios g er en c iais . pr e f ere n c ialm ent e. 3. e o m e nor ef e it o n o s e gu n do mê s ap ó s a apl ic a ç ã o.

0% a 1 00. N or ma lm en te a E mpr es a ut ili zar á um Ní v e l d e A t iv id a d e d e 1 00. A r e du çã o no Ní v e l d e A t iv i da d e não r ed u z a s des p e s as c om a f o lh a de pa ga me nt o . po der á r ed u zir o Ní v e l d e A ti v idad e pr o por c io n a lm e nt e à qu ant i da d e q ue d e s e ja pr odu zir . s er á c om o a e m pr es a de f in ir f ér ia s c ole ti v as p ar c ia is no mê s . o u s e ja. c apa c ida de de pr odu ç ão da E mp r es a dep end e das seg u int e s A pr od uç ão t a mb é m é a fe tad a po r gr e v e d e em pr e gad o s ( os fat or e s qu e le v am à gr e v e est ã o d es cr it os n o c apít u l o d e Ge s tã o de R e cur s o s Hu m an o s) . O não pr e en ch im en to do s p ost o s d e tr a ba lho das L inh as d e Pr od uçã o r ed uz . de f or m a dir et a me nt e pr o por c i on a l. Índice de Produtividade dos Empregados. E m pr e gad o s ex c e de nte s n a L in ha de Pr od u ç ão não a um en ta m a pr o du ç ão . 2 NÍ V E L D E AT I V I D AD E O Ní v e l de A t iv ida de pod e var iar de 0. Produção Extra. CMPi . Número de Empregados. Nível de Atividade. 1 C AP AC I D AD E D E P R O DU ÇÃO A v ar iá v e is: − − − − − Quantidade e Tipo de Linhas de Produção. a qu an t id a de pr od u zid a de E qu ip a ment os El et rô ni co s. . por é m se po s s u ir e st o que s m u it o ele v ado s ou se d e sej ar ev i tar a C om pr a Extra de Co m po n en t e s d e M at ér ia Pr im a. A a lo c a çã o do s em pr e gad o s é pr ior iz ad a par a a L in h a d e Pr odu ç ão de m a ior cap a cid a de e m a is no v a .0 %. 4. p oi s as Linh a s d e Pr od u ç ão po s s uem po s to s de tr a ba lh o.4 GESTÃO DA PRODUÇÃO 4. 0 %.

3 PR O D UÇÃO E X T R A A E m pr e sa p od er á o pt ar em au m en tar a su a pro d uç ão ut il iza ndo. 0 0. O m á x im o d e P r od u ç ão E xtr a que a E m pr e s a p o de ter é de at é 25 .s e de hor as ext r a s . O í n dic e de pr o du t ivi d ad e p ode va ri ar d e 0 . S al ár i o e P ar t i c ip aç ão n os Lu cr os . E s s e l im ite fo i def ini d o c om b as e na l ei q u e lim it a d ua s hor a s e xt r a s d iár ia s . 0 %. Re pr ese n ta a r e s pos t a do s em pre g ado s ao s in c en t i vos mo n et á r io s e n ãom o net ár io s d ad os pe la e m pr e s a. g er an do a um e nt o o u r edu ç ão d a ca p a c id ade de pr od u ção . A pr odut i v idad e é in f or m a da me n s alm e nt e no s r e lat ór i os ger e nc i ai s. c on s id er an do um a j or n ad a d e 8 hor a s d iá r ia s . O s im ula dor n ão pr ev ê a cr ia ç ã o de no v os t u r nos de tr a bal ho.2 9.0 0. 0%. Ca s o a Em pr e sa in v ist a n os i nce n tiv o s m on et ár i os e n ão.8 0 a 1 . . S om e nt e p oder á ex i s t ir P ro d uç ão E xt r a q u an d o o N í ve l de At i v idad e f or 1 0 0. P ar a is s o d e v er á i nf or m ar o per c e nt ual de P ro d uç ão E x tr a.m o n et ár ios a pr o dut i v ida de po de u lt ra p a s sar a m éd ia e r e su ltar e m c oef ic i e nt e m aior qu e 1. N ão ha v en do es te ti po de i nve st i m ent o a pr odu t iv i da d e p od er á apr es e nt ar c oef i c ient e m enor que 1 . C ont r at a ç ão/ De m i s sã o. 4.20 4. Dur ant e o p er ío d o da Pr o du ç ã o E xtr a o va lor do s al ár io do s em pr e gad o s da Á r ea d e P r o du ç ão s er á a cr e s c ido em 5 0%. 4 PR O D U TI V ID AD E A Pr o d ut i v ida de d os e mp r eg ad os d a Á r ea de Pr o du çã o é af eta d a pe lo Tr ei nam en t o.

000 35.9 × 1.640 59.400 C ompr a . tem um índice de produtividade de 0.880   Nec essidade de Matéri a Pr i ma: CMP Gabi ne te C omponent es El étr icos C omponent es El etr ôni cos Estoque I nici al 12.21 Exempl o 2: A Empresa possui apenas 200 empregados.000 50.000 50.000 × 1× 160 + 2.2 = 11.000 × 1× 80  × 0.000 EMPREGADOS 80 160 E possui a seguinte composição de estoque inicial de componentes de matéria prima Com o det ermi nar a capac idade de produçã o e a qu ant ida de necessá ria de c omponent es 160 40   10.90 e prat ic a a po lí tica de produzir 20% ext ra.000 Qu anti da de Necessár ia 11. Capaci dade de pr odução: Estoque I ni ci al 12.000 10.000 PRODUÇÃO 2.000 35.880 35.400 640 9. Poss ui duas Li nhas de Produção ( LP) c om as seg uint es c aracterís ticas: LP Manual Semi-A utomati za da (CM P): CMP Ga bi nete C omponentes Elé tr ico s C omponentes Ele tr ônic os de matéria prima.

000 Empr egados Neces sár ios* 80 160 Fat or de Manutenção 0.000 47. O ob jet iv o a da G e st ão do s da Pr odu ç ã o é ot i m iz ar os r e c ur s o s p o der ã o da ser pr o du ç ão . Ca da t ipo d e Lin h a de Pr o duç ão po s s ui u m a c apa c i da d e de pr o du ç ão dif er e n cia da. b us ca n do r ed uç ão de cu s t o s.22 4.000. ..000 Produção N ominal 2.500 25. Pr eço LP Nova ($ ) 250. e LPn .000 250.. Exempl o 4: QUADRO 4: Qu anti da de e model os que cada Empre sa possui no i ní cio. 2 do A ne x o ao M an u al .50 % 1. Exempl o 3: QUADRO 3: M odel os de Li nhas de Prod ução disponívei s par a a qui sição par a pro dução do E qui pam ento Eletr ôni co. P ar a m on t ag em Eq u ip amen t o s El et rô n i co s ut i liz ad o s vár i os t ip os de L inha s de Pr odu ç ão: LP1 .000 Model o LP Qua nti da de Manual Manual Manual 2 2 2 . P or s er em v ar iá ve is a s e s p e c if ic a ç õe s d e c ad a Tipo de L in ha de Pr od u ç ão s er ão a pr e s ent ad a s no it e m 2 . ou s i mp le s me nt e LPi .000 1.00 % Modelo Manual Semi-A utomati za da * Posto de trabalho por Linha de produção In ic i alm e nt e t o das as em pr es a s po s s uem a m es m a qua nt ida de e t ipo de Li nh a s d e P ro d u ção. A s esp e c if i c aç õe s d e c ad a l inh a d e pr o d uçã o s er ão i nf or m ad a s no it e m 2. Ida de (meses) 20 10 5 Valor de Aqui siç ão ($/ LP ) 225. LP2 . 2 do A n e xo a o M a nua l. Nov a s Linh a s de P r od u ç ão po der ã o s er ad q uir id a s e ou v end ida s d ur an t e a s im u la ç ã o.000 Depr ecia ção Ac um ulada ($/ LP) 90.000 10. .000 237. 5 G E S T ÃO D AS L IN H AS D E P RO DUÇ ÃO E x i st e m v ár ios t i po s de L in h as d e Pr od uç ã o qu e po d em s er ut ili za da s no pr o ce s s o pr od ut iv o da e mpr es a.

1 M AN U TE NÇÃO D AS L I NH AS DE P RO DU ÇÃ O O c u s to de ma n ut en çã o da s L inh as d e Pr o du ç ão le v a em con s id er aç ão o Ní v e l de At i v id ade e e v ent ua l Pr o d uçã o E x tr a . 5.5%.0%) x 1 (produção extra igual a 0. 000.00 0 em Fev ereiro. I dad e. es s e s em pr e gad o s f ica r ão oc i os os . A s inf or ma ç õe s do Ti po .000. 0%).000 (Nov ecentos e cinqüenta mil unidades monetárias) no mês de J aneiro e que cus te $1. s em Pr od u ção E xt r a e co m a qua nt ida de de em pr e g ad o s nec e s s ár io s . com manutenção defini da em 0. A fa lt a de e m pr e gad o s n a s Linh a s de Pr o du çã o a c ar r et a e m pr o duç ã o pr o por c io n a l ao n ú m e r o de em pr eg ado s d is po n í vei s . s er ã o de ta lh ada s n o it e m 2 . H a v end o u m n úm er o d e em pr e gad o s s u p eri or à n e c es s id ad e .23 Im por t a nt e o bs er v ar q ue a qu a nt i dad e de E qui p a ment os E let rô n ico s pr o du zi do . 000. N o ite m 2 . p oi s a L in h a de Pr od uç ã o p os su i um nú m er o d e p o st o s d e t ra b a lh o l im it ad o.2 d o A n e xo a o M an ual o qu a dr o ir á m os tr ar a pro d uç ão no r m a l a u m Ní v el d e At i v idad e ig ua l a 10 0 %. Exempl o 5: Uma Linha de Produç ão Manual . p ode nd o e s ta pr o du ç ão so fr er v ar ia çã o d e a c or do c om o N í ve l de P r od ut iv i dad e d o s em pr e gad o s.5% x 1 (idade em meses) x 1 (nív el de atividade de 100. comprada por $950. . No mês de Fev ereiro te rá cus tos de manut enç ão de $5. A s e m pr esa s tê m no iní c i o d o m ês de J an ei r o a m esm a Q uant i da de e T ipo de Linh a s d e P r od u ç ão. 4. de em pr eg ado s e o c ust o d e m a nut en ç ã o v ar ia m d e a c or d o co m o t ip o d e Lin ha de Pr o du ç ã o ut il iza da. E st e nú m er o nã o sig nif ic a a pr od u ç ão má x im a da L inha d e Pr odu ç ão. Manutenção no mês de Fev ereiro = $1. V al or C o nt ábi l e De p r ec ia ç ão A c u mu la da. Qu ant id ade .000 x 0.1 do A ne x o a o M anu a l.

4. E s s e pe r ce nt u a l s er á di vu lgad o to do m ês. O pre ç o de r ef er ê n c ia de v en da s er á o V a lor H ist ór ico de Co m p r a me no s a De pr ec iaç ã o A c um u la da. E st e s pr e ç o s pod er ão t er v ar iaç õ e s m en s ai s. 1 V EN D A D E L IN H AS D E P RO DU ÇÃO A Em pr e s a p od er á ve nd er s ua s L in h as d e Pr odu ç ão u s ada s. 6 CO M P R A E V E ND A D E LI NH AS D E PR O D U ÇÃO 4. A L inh a de P r od u ç ão ve nd id a. d e s s a for m a a E mpr es a s om e nt e p oder á c o nt ar c o m a pr o du ç ão d a s n o va s L i nh a s d e P r od u ç ão no mê s se gu in te ao da a q ui s iç ã o ( M + 1 ). 2 CO M P R A D E L I NH AS DE PR OD UÇ ÃO A s e m pr e s as p o de r ã o co m pr ar s o me nt e Li nh a s de Pr o d uçã o no v a s. A pr odu ç ã o do m ê s s er á ef et ua da c o m o e s toq ue f i nal e x ist en t e n o m ê s an te r ior . O f in a nc iam ent o é c om p u lsór io ( ob r ig at ór io) e a s s ua s r e gr a s e s t ão d ef in ida s n o c ap ít u lo so br e A d m ini s tr aç ã o F ina nc e ira . no me s m o mê s da c om pr a. I s to s ig n if ic a q u e as c om pr a s ef et u ada s no mê s s om e nt e e s t ar ã o d is p on í v eis par a a pr o duç ão no m ê s s eg u int e. O s 40 % d o v al or d a s Lin has de P r od u ç ão ad qu ir ida s n o m ê s M s ão pa g os no m ês M . A E mpr es a de f in e a qu a nt i dad e e o t ipo de L in ha d e Pr odu ç ão qu e de s e ja c o mpr ar . de ixar á de pr odu zir a p art ir do pr im eir o dia d o mê s s eg u int e ( M + 1 ). S er á d i vul ga d a n o C li pp i ng E mpr es ar ia l a tab el a d e pr eço s de Li nh a s d e P r od u ç ão no v as. O C o or de nad or da S i mu la ç ão a in da po der á d ef in ir um p er c en t ual de pr e juí zo ou lu cr o n a v e nd a de Linh a s de Pr odu ç ão u s ad a s . Au t o mat i ca men t e s er á c o n ced i do um fi nan c ia m en t o d e 6 0 % do va lor da Lin ha de Pr o d uçã o n o va.24 4. 4. O F orn e c edor Nor m a l le va um mê s par a e nt re g ar o p e did o. A E m pr e s a de ver á in for m ar a qu ant i da d e que d e se ja ad qu ir ir e o pr a zo de p a ga m e nt o d ese ja do . o u s e ja. 7 G E S T ÃO D AS C O M P R AS D E C M P CO M PR A PR O GR AM AD A A c om pr a d e CMPi dev e s e r pr ogr a ma da p el a e m pr e s a. s er á entr e gue p ar a o c om pr ad o r no ú lt imo d ia do m ê s. A t a b ela de p r eç o s s er á pub li c ad a . 6. ou s e ja. A s L inh as d e Pr od uç ã o c om pr a das ser ã o e ntr eg u es n o últ im o d ia d o m ê s da co m pr a. 6.

nã o c om pr a ha v e nd o n e c e s sid ad e de a E mpr e s a s o lic it a r a qu ant id ade a s er adq u ir id a. Par cel ament o Código Prazo 1 À vista 100% no mês da compr a 50% no mê s da com pr a + 50% no mês segui nte. P ra zo e Par c e lam en t o. O pr e ço d o F or ne c e do r L oca l é 25 % mai or do qu e o pr eç o ( di v u lgad o no Cl ip p ing E m pr e sar i al) d o F or n e ced or N or ma l. A c om pr a do F or ne c e do r Lo c a l n ão po d e s er p ar c e la d a e o se u p ag a m en t o de v e ser ef et u ado à vi st a. QUADRO 5. s erã o pu b lica d o s no it e m 4 d o A ne x o a o M anu a l. acresci do de jur os 40% n o mês da com pr a + 2 par celas iguais acr esci das de j ur os nos meses subse qüente s 2 1 + 1 3 1 + 2 Cál c u lo d as p ar c elas – Có d igo 3 Parcela = C × (1 + i) 2+i 2 C : C a pit a l ( 6 0% do v a lo r à v ist a) i : T ax a de J ur o s def in ida pe la E m pre s a 4. 1 CO M P R A E X T R A Ha v e nd o fa l ta d e au t om at ic a me n te a CMPi par a at e nder a pr od uçã o s er á ef et u ad a de F or ne c e dor L oc a l (Co mp ra E xtr a) .25 m e ns a lm ent e no C li p pi ng E mp r es ar ial. Tabel a de pr azos de compr a de CMPi . C ód igo . A en tr ega d o For n ec ed or Lo c a l é i m edi at a e o cor r e n o pr ópr io m ês em qu e a c om pr a é ef et ua d a. 7. .

000 20.000 30.000 25.000 Estoque I ni ci al 14. P ar a o s i mp lif ic a ç ões : o Cu s to de M anut e n ç ão de E s to que s de CMPi é c al c ulad o ap l i can do . 8 G E S T ÃO D E E S TO QU E A E m pr es a te r á ga st o s c o m a m an ut e nçã o de es to q u es d o s CMPi e do s Eq u ip amen t o s El et rô n ico s n ão v en d id o s no m ês . 000. O c u st o d a m an ut e nçã o de e s toq ue s d e CMPi é apr opr ia d o par a a Á r ea d e Pr od u ç ão e o d o s cá lc u lo d e s ses cu s t os f or a m c on s i der a da s a lgu m a s E qu ip a ment os El et rô ni co s c om o de s p e sa d a Ár e a Co m er c ia l.se o p erc e nt ua l d e 5 % sob r e o va l o r at u a li z ad o do est o qu e no i ní ci o d o mê s.26 Exem plo 6: QUADRO 6: Par a uma pr odução de 10. defi ni do por : Equipamento Eletrônico = 1× CMP1 + 3 × CMP2 + 5 × CMP3 C omponent e de Matér ia Pr ima Necessidade 10.000 5.000 50. . J á o c u st o d e es to c a gem d e P ro du to s é c alc u lado a pl ic a ndos e o pe r ce nt u al d e 10 % sob re o va l o r d o c ust o de p ro du ção d o s E qu ip a ment os El et rô ni co s q u e n ão f o ra m ven di d a s n o mê s .000 Compr a Extr a CMP1 : CMP2 : Gabi ne te C om ponente s Elétr icos CMP3 : C o m p o n e n t e s E l e t r ô n i c o s 4.000 30.

05    ì =1  onde: Custo(ECMP) : Custo de Manutenção de Estoque de CMPi . 8. 2 DE S P E S A C O M M AN U TE NÇ ÃO D E P ROD U T OS AC AB AD O S Despesa (EP ) = EFP × CPR × 10% ou Despesa(EP ) = EFP × CPR × 0. 8. 8. 1 CU S TO D E M ANU T E N ÇÃO D E E S TO Q UE DE C M P O E st oq u e de Co m po nen te s d e M at ér ia Pr im a c ons i s te e m so m a r a s par c el a s c om po s ta s p ela Q u ant id ade de Co mp o ne n te s de M at ér ia Pr im a v e ze s o r e s pec t i vo p r eço no mês . QCMPi : Quantidade Inicial de CMPi .10 on de: Despesa(EP ) : Despesa com Manutenção de Estoque de E q ui p a men t o s E l et rôn i co s. 4. PCMPi : Preço de CMPi no mês. Custo (ECMP ) = (QCMP1 × PCMP1 + QCMP2 × PCMP2 + K + QCMPn × PCMPn ) × 5% Resumindo temos:  n  Custo(ECMP) =  ∑ QCMPi × PCMPi  × 0. 3 CU S TO TO T AL CO M E S TOQ U E S O C u st o To t al c om E st oq u es d e CMPi e P é dad o por : Custo(ET ) = Custo(ECMP) + Despesa(EP ) on de: Custo(ET ) : C u s to Tot a l c o m est o qu es . . EFP : Estoque Final de Equ i pa ment o s E l et rôn ic o s. CPR : Custo de Produção.27 4. 4.

Patri môni o Li nha s de Pr oduçã o Per cent ual 2. E xe mp l o 7: QUA DRO 7: D epr eciação de Li nhas de Pr odução e Instal ações. 9 DE P R EC I AÇ Ã O A d epr e c ia ção de Li nh a s d e Pr od uç ão e P r éd io s e I nst alaç õe s o cor r em s eg un do a ta bel a de s cr it a n o ite m 3 d o A nex o a o M an ua l.5% ao mês 20% par a a Ár ea Admi nis tr ativa 10% para a Ár ea C omer ci al .0% ao mês Ratei o 100% par a Ár ea de Pro dução 70% par a a Ár ea de Pr odução Pr édio e I nstal ações 0.28 4.

P ar a s o li c it ar u m em pr é st i m o a E m p re s a de v er á i nf or m ar o v a lor e o c ód ig o do em pr é st im o. O s pr a zo s d e pa g a me nt o s d os e mpr é s tim o s b an cár io s per m i t id os pe lo S imu lad or são : Có d ig o 1 e C ó dig o 2 . . A t a x a é di v ulga da me ns al m e nt e n o C li pp in g E mp r e sar i al . In for m a ç ões de : cód i go s. T oda s as ta x a s e m ul ta s u t iliza d a s n o s c ál cul o s s ão di vu lgad a s m e ns a lm ent e n o C lip p ing E mpr es ar ia l.5 ADMINISTR AÇÃO FINANCEIRA A s ope r aç õ e s fin anc e i ra s p o s sí v ei s n es se m er ca d o s ã o a s s egu int e s: − − − − − Empréstimos Bancários Crédito Especial Automático Financiamento para Compra de Linhas de Produção Antecipação de Recebíveis de Clientes Aplicação Financeira Ca d a op er a ç ão de m an da um a t a xa d e jur o s e sp ec í f ic a. 5. c ond i ç õe s de pa g am en to . O lim it e de e m pr és t im o é c al c ul ad o ba s e ad o na c ap ac i d ad e de en di v id a me nto da E mpr es a e é di v u lg ado m e ns a lm ent e n os r e l at ór io s g er e n cia is. ser ão d es cr it os n o it e m 5 d o A ne xo a o M anu a l. d is c r im ina d os n o qua dr o ab a ix o. qu e def ine o p r azo p a ra p aga m en to . 1 E M PR É S TI M O S B AN CÁR IO S A s e m pr esa s po d er ão so li c it ar em pr é st im os ban cá r io s at é o lim it e d e c r éd ito d is p on í ve l p ar a ca da em pr es a.f ix a da p ra t i cad a p e lo m e r ca d o. QUADRO 8: Ti pos d e Empr éstimos Ba ncár i os Código 1 2 Parcela 1 4 Condiçõe s de Pagame nto 100% no mês seg ui nte + j ur os 25% a par ti r do mês seguint e + jur os (SAC) Nota: SA C = Si stema de Amor ti zação Constante S er á a p lic ad a a T ax a de J ur o s b a nc ár io pr é.

000 do Tipo 1. Ao s ol ici t ar a aqu isi ç ã o d e um a LPi o cor r e um c r éd ito a ut o má t ico de 60 % d o v al or d e com pr a da LPi . r e a liz ar á u m Cré d it o E s pe cia l A ut o má t ico n o fl ux o de ca ix a d a em pr e s a.000 $140. sol icitad o no mês de m arç o.000 $5. 322.706. 000. será pago em quat ro parc el as conforme o quadro a seguir: Qua dr o 9 : Empr éstimo Ti po 2 com taxa de 4% a o mês Maio Parcela Jur os Total $125. in d ep en den t e da de c i são da E mpr es a.000 $20.30 Exempl o 8: Um emprést imo de $ 500. Exempl o 10: Ocorrendo uma insuficiência de receita no mês para cobrir uma despesa no mês de Maio de $351. N ão há a . 000 $135. O v a lor a s er e m pr e s ta do é o tot al da s d e spe s a s a ser e m c ob er t a s at é o li m it e de e mpr é st im o q u e a E m pr es a p o s s ui. a um a tax a de 4% ao mês (cons ult ar a t axa no Clippi ng E mpres arial ). E s sa t a x a é di v u lg ada m e ns a lm ent e n o C lip p ing E mpr es ar ia l. m ais j uros no v alor de $20.000 A gos to $125.000 Jul ho $125. no m ê s da o per a ç ão. E st e f in an ciam ent o é su b s idia do e é c on ce di do o cr éd it o p ar a q u e a E mpr es a p a gu e à v is t a a LPi ad q ui r id a (a LPi nã o f ic a a lien a da) .183. 3 F IN ANC I AM E N TO P AR A CO M PR A D E LI NH AS D E PRO DU Ç ÃO O f ina nc iam e nt o s er á c on c ed id o aut o ma t ic am en te par a a a qui s iç ã o de no v a s Li nha s de Pr o duç ã o. totalizando $393.000 $130.0 00.000 $10. 000 $145.522. Exempl o 9: Um em prést imo de $500.00 0. c as o fa lt e d inh e ir o. n o f lux o de ca ix a da em pr e s a. a um a taxa de juros banc ários de 4% ao mês (at uali zado no Cli ppi ng Empres ari al). O pa g am ent o do Cr é d it o E sp ec i al A ut o má t i co s er á r eal iza do no m ê s se g u in te à r ea li zaç ã o do e m pr és ti m o e ser á co br ad a a Ta x a de J ur os e s p ec í f ica p ar a e s se t ip o de em pr é s ti m o.000 Junho $125. a uma taxa de juros de crédito especial de 12%. Existindo um limite de empréstimo para a Empresa de $1. será pago no mês de Junho o v alor de $351. 5.523.000 $15. 2 CR ÉD I TO E S P EC I AL AU T O M ÁTI CO O S im u lad or Em pr es ar ia l Tan gr a m. solicitado no mês de Abr il.000 5.523. 000 do Tipo 2. mais os juros no valor de $42. Tot ali za ndo $52 0. s erá pago no mês de abri l o v alor de $ 500.

. co nt a do s a par t ir d o m ê s s e gu int e p ar a i ni c iar a am or t i z açã o d o c ap it a l. ou de em pr é st im o a s er r e al iza do p e la me s m a. A E m pr esa p o de r á es c o lher e ntr e d ua s for m a s d e pag a m ento : QUADRO 10 : Ti pos de Fi nanci amento dos 60% d e Li nhas de Pr odução Ti p o 1 2 Parcelas (SAC) 4 trimestrais 4 bimestr ais Car ênci a 4 Tr imestr es 4 Bimestres A E m pr esa t er á os B ime s tr e s / Tr i m e str es de c ar ên c ia. P ar a o f in an c ia m ent o s er á ap lic ad a s o me nt e a TJL P ( T ax a d e J uro s d e Lo ng o P ra z o) .31 o pç ão p a ra q u e a E mpr e sa adq ui r a u ma LPi sem e ss e f i n a nc ia men t o. Dur ant e o s B im e s tr es / Tr im es tr e s d e c ar ê n c ia a E m pre s a te r á que pa g ar a pen a s o s jur os do f ina n c ia m en t o. O r e st a nt e n e c e s sár i o par a a a q ui s iç ã o vir á do C a ix a da Em pr e sa .

A am orti zaç ão se dará nos m es es de Ju nho.000 $9. Maio e Julho de 2006.32 Exempl o 11: Aquisição de uma LPi no mês de M arç o de 2005. Agos to e Setem br o Out ubr o. S et embro e Dezemb ro de 2006 e Març o de 2007 onde s erão pagas pa rcelas n o v alor de $37. M arç o. O valor financiado será de $150.000 $9.500 $37. 500 $37.000 $6.500 Tr imestr es A br il .500 $37.000 $9. Mês de Pagamento Junho Setem br o Dezembr o Março Junho Setem br o Dezembr o Março Pagamento dos Jur os $9. 500 $37.750 $4.250 $42. Agos to e Setem br o Out ubr o. mais a TJ LP. calc ulada sob re o v alor t otal menos o principal amort izado. Ut ilizando o Fina nciame nto d o Tipo 1 t em os que a carê nc ia i nicia em Ab ril de 2005 e term ina em Março de 2006.500 $44.000 $6.000 $9.500 $39. M aio e J unho Jul ho.000 $6. 500 $37.000 $9.500.000.00 0.000 $9.500 $37.500 $150.000 $9.000 $43.500 $42. 000 $37.250 $58. 500 $37. M aio e J unho Jul ho.000 $6.750 $208. Novem br o e Dez embr o Ja neir o.000 $1.000 $6. com am orti zação nos m eses de J aneiro. no v alor de $250.000 $40.000 $4.000 Bimestres Abr i l e Maio Junho e Jul h o A gosto e Set em br o Out ubr o e Nov embr o Dezembr o e Janeir o Fever eir o e M ar ço Abr i l e Maio Junho e Jul h o Total .500 $3. Fev er ei ro e Mar ço A br il . QUA DRO 12: Fi na nci ame nto Ti po 2 com taxa de 2% M ês de Pagamento Maio Jul ho Setem br o N ovem br o Ja neir o Março Maio Jul ho Pagamento dos Jur os $6. c om uma TJ LP em Abril de 2%.000 $6. QUADRO 11: Fi nanci ame nto Ti po 1 com taxa de 2%.500 $39.000 $6.500 $2.000 $6.000 Pagamento das Parcelas Valor pago no Tr i mestr e $9. Novem br o e Dez embr o Ja neir o. 500 $150. Fev er ei ro e Mar ço Total Com a ut ili zaç ão do Fi na nciament o do Tipo 2 t emos o i ní cio da carênc ia em Abril e o térm ino em Nov embro de 2005.000 $39.000 $46.000 $189.000 Pagame nto da s Parcelas Val or pa go no Bimestre $6.

4 AN TE CI P AÇ ÃO D E R EC E BÍ V E I S D E CL I E N TE S A E m pr esa po d er á d es c on t ar o s va lor e s a r e ce ber d e se us clie n te s . P ar a ta n to a E m pr e sa de v er á inf or m ar o p er c en tu al qu e d es ej a di st r ib u ir . . o Dir e to r Fina n c eir o de v er á inf or m ar . A t ax a d e jur os of er e cid a é T J LP + 1 . 5. Ca s o um val or qu e d isp o ní v e l an t e cip a ção . so lic it a do A t a xa de des c o nt o m a ior apl ic ad a o é di v u lg ada par a m e ns a lm ent e n o C lip p ing E mpr es ar ia l. o v a l or a s er ap lic a do . P or s er o r e s gat e aut o má t i co par a o fl uxo de c a ixa da em pr es a. se f or o c a s o. O r e s gat e da apli c aç ão s er á ef et u ad o au t om at ic a me n te no mês s eg u int e a o da ap lic a ç ão . p ar a c obr ir o v a lo r a d e s c ob er to s er á ut i liz ad o o Cré dit o E s pe ci al Au t o mát ico . 6 P AR T I C I P AÇ ÃO N O S LUC RO S A E m pr e sa p ode r á d istr ibu ir um p er c e nt ual d e se u s l ucr o s a o s em pr e gad o s da pro d u ç ão . De v er á pr een c her o c am p o An te c ip a ção de R ece b í ve is de C lient e s co m o v a lor q ue d ese ja se ja ant e c ip ar . t od o s o s m ese s. o v a lor s erá r ed uzi do a o lim it e an t er i or m en t e me n c io na d o. P ar a e fe t uar a ap li c a ção a E m pre s a de v er á pr ee n cher o c a mp o A pl ic a ç ão co m o val or q ue de s e ja ap lic ar . 5. Cas o a E m pr esa ap l iq ue um va lor m a ior que o e x ced e nt e de c a ix a. 5 AP L I C AÇÃO F I N AN C EI R A O e x c ede nt e de cai x a pod er á s er a p lic ad o no m er c ad o f in a n ceir o. E s s e per c e nt u a l s er á ap lic ad o so br e o lu cr o ob t ido n o m ê s ( v er DR E) e o v alor ap ur ad o ser á d is tr ib uí d o a o s e mpr ega dos no mê s s eg u int e da ap ur a ç ão.33 5.5 %.

34 5. de a c ord o co m as le is da S . 0 % ( u m p or cent o) par a ca da Dir etor . a em pr e sa p o der á d e fin ir um p er c ent u al m a ior se a s s i m d es ej ar . 5. . dev er á d e fin ir u m bô n us m í ni mo d e 4. a t ít u lo de div id end o s.lo s s er ão c a l cul ad o s n ov o s j ur o s e m u lt a s . A E m pr e s a d eix ar á d e pa gar pr im eir am ent e o s ba n c o s. a E mpr es a f ic ar á i n ad im pl e nt e .A . p or e x em pl o. 5. S obr e o v a lor em a tr as o s erá cal c ul ada a m u lt a ma is jur os b an c á r io s d i vul ga d o s m ens a l me nte n o C lipp ing E mpr e s ar ial . j á c om a mu lt a e j uro s c alc u lad o s . dep o is o s f orn e c edor es de CMPi e por ú lt imo a s de m a is c o nt a s. Os v alor e s la n ç ado s n a s c on t a s d e atr a s o d eve r ão s er p ag o s no mê s s egu int e. O v a lor é ca l c ulad o au t om at ic a me n te no mê s de apur aç ã o do lu cr o e ser á pag o ao s a c io ni st a s n o m ê s s eg u int e a o da apur a ç ão. S e . 0 % (q u atr o por c ent o) . q ue pre v ê em a d i str ibui ç ão aos a c io ni st a d e n o mí ni mo 2 5 % do s l uc r o s. u m a em pr e s a po s s uir 4 ( qua tr o) Dir e tor e s . 8 DI VI D E NDO S T oda s as em pr e sas di st ri b uir ão 2 5% d o lu cr o lí q uido a os a c ion is t a s. Se a E mpr es a n ão po s s uir re c ur sos par a co b r i. o f lu xo de c aix a do mê s fic ar á ne g at iv o e o v a lor ap ur a do s er á la nç ad o na s r es p e ct iv a s co nt a s d e atr a s o. 7 BÔ N US A r em u ne r a ç ão da dir et or i a ser á pro p or c i on a l ao lu cr o o bt ido pe la em pr e s a. 9 AT R AS O S Ca s o a Em pr e sa não pos s u a sal do e m c a ix a p ar a pag ar t oda s as s ua s de s p esa s e t a m bé m n ão p os s ua lim ite de e mp ré s t im o s u fi c ie nt e par a c o br ir a d if er e n ç a. Po r é m. E s s e p er c en tua l se r á ap lic ad o s obr e o lu cr o obt id o n o m ês ( v er D RE ) e o va lor a p ur a d o s erá di str ibu í do ao s Dir et or e s n o m ês s egu int e d a ap ur a ç ão . Ha v e nd o at ra s o . P ar a t a nt o a E mpr e s a dev er á inf or mar e m to da de c is ão q ual o per c ent u a l do l ucr o ( B ôn u s) qu e de s e ja di s tr ibuir . E s s e per c ent u al d ever á ser de no m í n imo 1.

Ha v er á o br ig a tor i eda de de a l ter a ç ão s alar i al e ou tr os b en e fí c io s do s em pr e gad o s s om e nt e q ua ndo o S in dic a to d a C la s s e pu b lic ar n o C li pp in g E mpr es ar ia l o D i ss íd i o Co l et i vo d e Tr ab al h o. não Adm in is tr a t iva ocor r en do e C om er c ial a a q u an t ida de adm i s s õe s de e dur ant e s imu la ç ão de m i s s õe s . S o m en te na Ár ea de Pr od uç ão po d er ão e x i st ir dem is s õ es e ad m i s s õe s . a pr od u tiv i dad e do s e m pr eg a dos ir á a um e nt ar at é at ingir o po n to de sa tu r aç ã o.6 GESTÃO DE RECURSOS HUM ANOS A f or ç a de t r ab a lho da E m pr e sa é c om p o st a p elo s e m pr e gad o s da Á r ea de Pr od u ção . A qu ant ida d e d e e m pr eg ado s qu e a em pr e s a po s s u i é i nfo r m ad a no Re lat ór i o da E m pr e sa . . Na s Ár ea s Co m er c i al e A dm in is tr at iv a. Ha v end o aum ent o d a mo t iva ç ão ou a su a m a nut en çã o em u m pa t am ar e le v a do . P ar a em pr e gad o s as é Ár ea s f i xa. 1 A F O L H A DE P AG AM EN TO A f o lha de pa ga m e nto s er á ca lc u la d a c om b ase no s alár io do s em pr e gad o s d a Ár e a de Pr odu ç ã o. Á r e a A d mi ni str at i va e Á r e a Co m er c ia l. A E m pr e s a p oder á r ea li za r at é 2 5% d e hor a s e xtr a s e m u m m esm o m ê s . S er á d ivu lga do m en s al me nt e o s a lár io m édi o p ag o p e lo s et or ( V er R elat ór io d e M er cad o) . T oda s as em pr esa s p os su e m o m es m o n úm er o d e e m pr ega do s p a r a a Á r ea Co m er c ia l e a Á r ea A d mi n ist r a t iva . A s po s sí v e is hor a s e xt r as r ea li za da s s ofr e rão u m acr é s c im o de 50 % s obr e o p er c ent ua l e x c ed e nt e ( Ní v e l de A t i v idad e) e s er ão pa g as nor m a lm ent e j unto co m a fo lh a de p aga me n to . M en s alme n te a E m pr e sa po d er á a lt er ar o v a lor do s al ári o a s e r pa g o p ar a os em pr eg a do s . O va lor do s a lár io nã o po d er á s er re d u zid o. 6. q ua n do nã o ha v er á m ai s a um ent o d a pr o dut i v ida de. Não p ode m o c or r er d em is sõ es e a dm is s õ es c o nco m it ant e s n o mês. 2 A M O T I V AÇ ÃO E A P ROD U TI V ID AD E A m ot i v aç ão ir á i nf l uen c iar na pr od ut iv i da d e do s e m pr ega do s da Á r ea de Pr o d uç ão . 6. o s a l ár io r e c eb id o s er á d e tr ê s v e ze s o s a lár io do s e mp r e gad os da Ár e a de Pr o d uçã o.

3 T URNO V ER A s c o ntr at aç õ e s e de m is sõ e s de e mpr ega d os da Ár ea d a P r o d uç ão s ão ef et iv ad as n o m e s mo mê s em q u e a de c is ão é to m ada. O c oef ic i ente é de f in i do te ndo c om o bas e o h i st ór i c o d a pr odu ç ão do s e m pr e ga do s d a em pr e s a. 00.36 A m ot iv a ç ão do s em pr eg a do s s er á c la s sif i cada em ót im a. o c o ef ic ien te de pr od ut iv i da d e s er á 1. A pr od u t ivi dad e d o s e mp r e gad o s d a Á r e a de Pr od u ç ã o s er á tr a du zid a em um coef i c ient e q u e ser á um mu lt ipl ic ad or d a pr o d uçã o. 6. P art i cip a çã o no s res ult ado s: E s se it e m a f et a a mo t i vaç ã o s o b doi s a sp e c tos : o per c e nt u al do lu cr o a s er ap li c ad o par a d i s tr ib ui ção e o v alor pa g o ef e ti v am en te em r e la ç ão a o s a lár io r ec eb id o pe l o e m pr e gad o . O in v e st im en to em tr e ina me n to m ot iv a o em pre g ado e o pr e par a m e lh or par a tr a ba lh ar c o m o s e qu i pam e nt o s. 4 AD M I S SÕ E S O s e mp r e gad os a dm it i do s in ic ia m s u as at iv ida d es n o pr i me ir o d ia do m ê s e pa r t ic ipa m int eg r a lm e nt e d a f ol ha d e pag a me nto . S e a pr o d uç ão at ua l por e m pr ega do f or ig ual à m éd ia. o co ef ic ien t e de pr o du t i v id ade se r á m a ior qu e 1. O s f at or e s q ue af et a m a m oti v aç ão dos em pr eg ado s s ão o s s eg ui nt es: S al á rio : A re f er ê nc i a par a o sal ár i o s er á o sa lár io m é dio que o m e r ca d o pag a ao s e mp r eg ad os da Ár ea de P ro d u ç ão . N o m ês que h o uv er dem i s s õe s a E mpr es a de v er á in ve s t ir m ai s no s out ro s f a tor es m o t iv a cio nai s . T rein amen t o : O tr ei n am ent o. 6. . C a so c on tr ári o o c o ef ic i en t e s er á me no r q ue 1. af et a d ir et am e nt e a pr o dut i v ida de. C a s o a m o t iv a ção inc e nt iv e o e mp re g ado a pr o du zi r ac i ma des s a m éd ia . 0 0. 0 0. r u im o u p és s i ma . De mi ssõ e s: A s d e mis s õe s a fe ta m ne gat i v am ent e a m ot iv a ç ão do s em pr e gad o s. O sal ár i o mé d io é d i vul ga d o m ens a l me nt e n o Rel at ór i o de Mer c ado . al é m da mo t iv a çã o. A m ot iv a çã o dos em pr e g ado s s er á d iv u lg a da m en s a lm en te no s r ela tór i os ger enc i ai s. b o a. E s s e per c e nt u al é ap li c ad o s obr e a f olh a d e p aga m e nt o da pr od uç ã o p ar a def i nir o va lor a s e r i n ves t id o n o m ê s. A Em pr e sa def in e m e ns a lm ent e o per c e nt ual a s er ap li c ado e m tr ei nam en t o. r eg u lar . O in ve st im en t o e m t re i na m e nt o d e v er á ser m aior qua n do hou v e r c on tr at a ç õe s .

6 0% d e um s a lá r io par a ca da em pr e gad o d e mi t id o . par t i c ip aç ão no s r e sul ta do s e in v e s tim en t o s e m fa tor es m ot iv a c io n ai s ). tr ei n am ent o.000 $ 1. S er á pag o. S er á div u lga d o. A gr e v e não s ign if i ca um a p ar ad a t ot a l d e pro d uç ão d ur an t e to do o m ê s .440. 6 A G R E V E E A P R OD U TI VI D AD E O s em p re g ado s da Á r ea de Pr od uç ão po de m entr ar em gr e v e.200 $ 54. ou se ja .847.600 =1. 5 x 12% =900 x 100 x 60% 6. E la o c or r e no m ês p or a lgu n s dia s e po der á au m ent ar gr a dat i v am e nt e s e a E m pr e sa nã o t om ar a s de c isõ e s c ab í ve is ( s a lár io.000 x 1. Exempl o 12: Cálc ul o da fol ha de pagamento de uma Empresa que possua 1. dei x am de pr od u zir j á n o pr ime ir o d ia d o m ê s d a de m i s são. Ca s o a m ot iv a ção s a ia do ní v e l pé s s im o ou r u im a gr ev e é i nt er r om p ida a uto m at i c am ent e.440.700 empregados na produção seja pago um s alário de $900 e tenha feito 12% de horas extras no mês.37 6. o per c ent u al da pr o du ç ão af et ad a pe la gr e v e do mê s .000 $ 259. E s t e v alor é c a l cul ad o e la n çad o i nt egr a lm en te na f o lha de pag a me nt o d o m ê s em q ue a s de m i s s õe s o cor r e m. a tit ul o d e i nde niza ç ã o.700 Memór ia = 900 x 3 x 25 = 900 x 3 x 10 = 900 x 1. A gre v e o cor r e qu and o a mo t iv a çã o d o s em pr eg ado s at ing e o ní v e l p é s sim o ou qu and o a m ot i v a ção p er m an e c er no ní v e l r u im por d oi s me s e s con s e cu t ivo s. a tr a v é s d o s r e la t ór io s g er en c ia is. .000 $ 1.500 $ 27. e demissão de 100 empregados da produção: QUA DRO 14: Cál cul o de Fol ha de Pagame nto I tem d a fol ha Administrativa Comercial De Produção Horas Extras Indenização Total Totais $ 67. 5 DE M I S SÕ E S O s em pr e g ado s de m it ido s nã o c um pr e m a v is o pr é vio .

Ap l i c a ção : Va lor a plic ad o n o m er c ado f ina n c eir o. E st oqu e d e C o mp on e nt e s: Va lor do s est oq ues de pon der a d o) .s e par a o c á lcu l o do val or d a s a çõe s p or E mpr es a c in co i ndi c ad or es de des em p en ho. Cli en t e s: Val or a r e ce ber pel a s v end a s ef et ua da s. O s e x to in d ica d or ( P ar ti c ip açã o n a s V en da s ) é e x tr a í do do Re lat ór io de Mer c a do .7 AÇÕES DAS EMPRESAS E A BOLS A DE VALORES A c ot aç ã o d as açõ e s da E mpr es a n a B o lsa de V a lor e s é o pr in c ipal i ndi c ad or d o d e s em p enh o da E m pr e sa no m er ca d o. ex t r aí do s do B ala n ço Pa tr im oni al e De m on s tr at iv o do R e s u lt ad o do E x er c í cio . . At i vo I mob i li z ad o Lin h a s d e P ro d u çã o V alo r d e Aq ui s iç ão : S om atór io d o v alor de c om pr a d a s Dep r eci aç ão Ac u mu l ad a: d epr e c ia ç ão a c u mu la da da s Te rren o s: V alo r c on t á bil de t er r en o s . A c ot açã o d a s a ç õ es das e m pr es a s é d iv u lg ada m ens a lm en te no s r e la tó r io s g er en c ia is. 1 BU SC A D O S I ND IC AD O R E S NO S R EL ATÓ R IO S 7. P réd io s e In st al a çõ es V alo r de Aq u i si ç ã o: V a lor de aq u is iç ão d os pr é dio s e in st a la ç õ e s. Co n s id er a. Dep r eci aç ão Ac u mu l ad a: D epr e c ia çã o ac u m ul ada de pr é d io s e in st a la ç õ e s. 7. 1 B AL AN Ç O P ATR I MO N I AL At i vo Ci rcu la n te Cai xa : V alor d is p oní v e l. CMPi ( pr e ço mé d io LPi . E st oqu e d e P ro du t o : V alor d o s es t oq ues d e pr o dut o s a cab ado s ( p re ço de c u st o d o pr od ut o) . LPi . 1.

L uc ro O p e raci o n al : L ucr o Br ut o m en os D e s pes a s O p er a c io n ai s. 1. 7.39 P as si vo C i rcu l ant e Fo rn ec edo re s : V a lor dev i do ao s f or n e ce dor e s de V alo r es N ão P ag o s: V alor e m a tr a so de cr edor e s. m e no s ju r os r e ce bi dos d e a pl ica ç õ es. P at ri mô ni o L íq u id o Cap it al So ci a l: V al or do c a pi t al p er t e n ce nte ao s ac i on i s tas d a em pr es a. I mpo sto d e R end a: V alor do I R a s er pa go no m ês se g u in t e. De sp es as O pe r acio n ai s: Desp es a de V en da : M ar k et in g. ina di mp lên c ia d e c l ien tes e e st o ca ge m de Pr od uto s a c a ba d os . LPi e 70 % de CMPi e ma n ut en ç ã o de LPi . L uc ro ( P reju í zo) Ac u mu l ad o : Lucr o a cu mu la do d ur ant e os me s e s d o an o. c u st o c om e st oc ag e m d e L uc ro B rut o: Re ce ita de Ve nd a s me n os CP V. E xig í ve l a Lo ng o P ra zo E mp ré st i mo d e L o n g o P r azo : V alo r d ev ido pe la em pr e sa a s er pa go e m fu n ç ão do s f ina n c iam e nt os. de pr e ci aç ã o de p r édi os e ins t ala ç õe s (10 %) . de pr e c ia ç ã o d a pr odu ç ão (1 0 0 % d a s pr é di o s e in st al a çõe s) . Desp es a Ad mi n i st rat i va : Sa lár io de em pr eg ado s da A dm inis tr a ç ão e depr ec ia ç ão d e pr éd io s e in s ta la ç ões ( 20 %) . . de a cor d o c om a d istr ibu iç ã o do s l ucr o s . sa lár io d o s em pr e ga do s d e v e nd as. C om po ne nt e s ( in clu s iv e j uro s do f or ne c edor ) . Di vid en do s: V al or a s er p ag o a os a c ion is ta s n o m ê s s e gu int e . E mpr é st i mo d e Cu rt o P ra zo: V al or de v id o pe la e m pr e s a a s er pag o em at é q ua tr o m ese s . 2 DE MO N S TR AÇ ÃO D E RE S UL T AD O DO E X E RC ÍC IO – DR E Re c eit a d e Ven d as : V a lor a uf er id o pel a ven da à v i st a e a pr a zo Cu s to do P rod ut o V en d id o – C P V : Cu s t o s com em pr eg ado s da pr od uç ão ( s a lár io s. d is t r ibu i ç ão do s P r o dut o s. h or a s e xtr a s. tr e i na m en t o e in de n iza ç õ es) . Desp es a Fin an cei r a: J ur o s pa g os a b an c o s. m u lt a e j ur o s s obr e atr a s o s. D i ret or i a: pa gar s e g ui nt e Dir e tor es . P art i cip a çõ es P art i cip açã o no s L u cro s: V alor a pa g ar aos em pre g ado s d a pr od u ç ão Bôn u s da no mês s eg u int e. V alor a de ac or d o no c om mê s o p er c e nt ual aos e st a be le c ido s o br e o lu cr o . CMPi .

P art i cip a ção do s L u c ro s: Va lor a s er d istr i bu í do ao s e m pr ega dos ( per c ent ua l ap li c ad o so br e o L ucr o Lí q uido A p ó s o IR) . 1. L uc ro L íqu ido An te s d o IR: Lu c r o O pe r a c iona l m a is a R ec e it a ou m en o s a De s p es a n ã o O p er a ci ona l. Juros médios. Bô nu s da D i ret or i a: V a lor a s er d i str ib uí do aos Dir et or e s. Vendas Relativas por Área de Comercialização. M. L uc ro L í qu i do Ap ó s o I R: L u cr o L íq u id o A nte s d o I R me n os a P ro v is ão p ar a o I R. 7. M + 1 de Indicadores e Preços. Juros por Área de Comercialização. Dimensão do mercado. Preço de venda por Área de Comercialização.40 Re su lt a do n ão O p er ac io n a l: De s pe s a ou r e c eit a na ven da de m áq ui nas e c r éd ito e d éb it o e x tr a. Demanda e venda total por Área de Comercialização. P ro vi sã o p ara o I R: V al or pr ov i sio n ad o par a pag am e nt o do IR no pr óx im o mês. L uc ro ( P re ju í zo) L í q uid o do Mê s: L u cr o L í qui do a pós o IR m en o s P ar t i c ipa ç ão do s E mpr eg a dos m e no s b ônu s da D ir et or ia. 7. 4 CLI P P ING E M P R E S ARI AL O C li pp ing E m pr e s ar ial d est a c a a s s e gu int e s in for m a çõ es : − − − Cotação da Bolsa de Valores no mês Tabelas do mês Notícias. Preço médio.3 R EL AT ÓRIO D E M ERC AD O O R e la t óri o de M er c ado d e st a ca a s s eg ui nt es i nf or m a çõ e s : − − − − − − − − Salário médio dos empregados da produção. .1.

LC = AC PC LC : L iq uid ez C or r en t e AC : At i v o C ir c ul ant e PC : P as si v o Cir c ulant e O qu o c ie nt e r eve la a c apa c ida d e f in a n ceir a da e m pre s a p ar a cu mp r ir o s s eus c o m pr o m is s o s de cur t o pr azo . 2 EN DI V ID AM E NTO M ed e a pr op or ç ão d os at i v o s to tai s d a em pr e s a f in an c ia da pe lo s c r ed or e s. 1 V AL OR D O P ATR I M Ô NIO LÍ Q U IDO Re pr e se n ta o mo nt a nt e d e r ec ur so s pr óp ri o s da e mp r es a qu e par t ic ipa de s eu f ina nc i am ent o.41 7. Qu a nt o ma ior f or es s e í ndi c e. 2. 3 LI QU ID E Z COR R EN T E A Li qu i de z Co r re nt e me d e a c ap a c id ade d a em pr e s a p ar a s at is f a zer s ua s obr i ga çõ e s de c u r to pr a zo . 2. . PL = CS + LA PL : P atr im ôn io Lí q uid o CS : C a p it a l S oc ial LA : Lucr o A cu m u la d o 7. m ai or ser á o mo nt a nt e do cap it al de t er c e ir o s que ve m se n do ut i liza d o pa r a ger ar lu cr os. qua nt o a e m pr e s a t em d e A tiv o Cir c ul an t e par a ca d a Un ida d e M one tár ia d e P as si v o Cir c ulant e . is t o é. E= PC + ELP TA E : E ndi v ida m ent o ELP : E mpr é s ti m o L on g o P r azo PC : P as si v o Cir c ulant e TA : T ot al d o A t ivo 7. 2 IN DI C AD OR E S D E D E S E M PE NH O 7. 2.

qua nt o a em pr e sa o bt eve de lu cr o lí qu ido par a cad a Uni d ad e M o net ár ia ve n dida. a em pr e s a r ed u z o vo lu me de ve n da s co m o me di da ne c e s sár i a pa r a a um ent ar s ua lu cr at iv id ad e. 2. s i mu lta n eam ent e.42 7. ne m se m pre um v o lum e d e v en d as b ai x o é s inô nimo de pr e juí zo . nem s e mp r e u m v o lu m e d e v e nd as a lt o é s i nôn im o d e l u cra t i vid ade g ar an t ida e v ic e. P or t a nt o. Na a d o ção de s s a e st r at é gi a. qu eda n a l uc r at i v idad e. q ua nt o a em pr e s a ob te v e d e lu cr o lí q uido par a c ada Un idad e M o net ár ia de in v es t im en t os t ota i s . ou s e ja . 5 M AR G E M D E L UC RO O q uo cie nt e r ev e la a ma r g em de lucr a tiv i da de ob ti da p ela em pr e s a em f un ç ão d o se u f a tur am en to . 4 RE N T AB I L I D AD E DO AT I V O O q uo c ie nt e evi d en c ia o pote n c ia l d e g er a ç ão d e lu cr os p or par t e d a em pr e s a. ist o é. 7.ver s a . e s tr at e g ica m en t e. é i m por t an t e an alis ar s e a qu eda no v o lum e d e v end a s pr ov o car á. . RA = L Ai RA : R e nt a b il id ad e d o A t iv o L : Lu cr o do M ê s Ai : A t iv o n o I ní c io do M ês A in te r pr e ta ç ã o d es t e quo c ien te d e ve s er di re c ion ada par a v er if ic ar o t em po n e c es s ár io p ar a q u e ha ja r e tor n o d o C ap ita l in v est i d o n a em pr es a . ML = L RV ML : Ma r g em de Lu cr o L : Lu cr o do M ê s RV : R e c e it a d e V end a s A int er p re ta ç ã o d e s te qu oc i en te de v e ser dir ec i ona d a a v er if ic a r a m a rg e m d e lu cr o da e mp r es a e m r e la çã o às v en d as. Há c aso s em q u e. 2. ist o é. I s s o é po s sí v e l qu an do um m en or m o v im e nt o de v e nd a s r e su lta na r ed u ç ão de ga s t o s.

C LC . 2 CO E FI CI E N T E DO V ALO R DO P AT R I MÔ NIO LÍQ UI DO  PLm  C PL = 10 ×    PLi  C PL : Coeficiente do Valor do Patrimônio Líquido. 3. Ei : Endividamento Inicial (em Janeiro). O Coeficiente da Liquidez Corrente. PLm : Valor do Patrimônio Líquido do Mês. 3 CÁL CU L O DO S CO EF ICI E NT E S 7. 1 CO E FI CI E N T E D E E N DI VI D AM E N TO  Em  C E = 10 × 1 − Ei    C E : Coeficiente de Endividamento. 7. PV = QPVE QPTV PV : P ar t i c ipaç ã o nas V en da s QPVE : Q uan t id a de d e Pr od u to s Ve ndi do s p ela Em pr e s a n o m ê s QPTV : Q uan t id a de d e Pr od u to s Tot a is V en d idos no m ê s 7. 3. 3. 3 CO E FI CI E N T E DO V ALO R D A L IQ U ID E Z C O RR E N TE  LCm  C LC = 10 ×    LCi  C LC : Coeficiente da Liquidez Corrente. 6 P AR TI CI P AÇÃO N AS V EN D AS O qu o c ie nt e r e v e la a par t i c ip a ç ão das ve n da s da em pr es a em r el açã o a s v e nda s t ot a is no m er ca do. LCm : Valor da Liquidez Corrente do Mês. para efeito de . Em : Endividamento do Mês. cálculo do valor da ação. 7. 2. é limitado a 50. LCi : Valor da Liquidez Corrente Inicial (em Janeiro).43 7. PLi : Valor do Patrimônio Líquido Inicial (em Janeiro).

C LC : Coeficiente da Liquidez Corrente. 3. MLm : Valor da Margem de Lucro do Mês. C E : Coeficiente do Endividamento. . C ML : Coeficiente da Margem de Lucro. 3. RAi : Valor da Rentabilidade do Ativo Inicial (em Janeiro). RAm : Valor da Rentabilidade do Ativo do Mês. 6 CO E FI CI E N T E D A R E N T AB I L I D ADE DO AT I VO  RAm  C RA = 10 ×    RAi  C RA : Coeficiente da Rentabilidade do Ativo. 7. PVi : Valor da Participação nas Vendas Inicial (em Janeiro). C PL : Coeficiente do Valor do Patrimônio Líquido. MLi : Valor da Margem de Lucro Inicial (em Janeiro). C RA : Coeficiente da Rentabilidade do Ativo.44 7. 4 CO E FI CI E N T E DO V ALO R D A M AR G E M DE L UCRO  MLm  C ML = 10 ×    MLi  C ML : Coeficiente da Margem de Lucro. 3. PVm : Valor da Participação nas Vendas do Mês. 7 CÁL CU LO DO V AL O R D A AÇ ÃO VA = 3 × C PL + C E + CLC + C ML + C PV + C RA VA : Valor da Ação. 7. 7. 3. C PV : Coeficiente da Participação nas Vendas. 5 CO E FI CI E N T E D A P AR TI CI P AÇÃ O N AS V E ND AS  PVm  C PV = 10 ×    PVi  C PV : Coeficiente da Participação nas Vendas.

8 OPERAÇÃO N A BOLS A DE VALORES O s Di r eto res d a s e mp r e s as pod er ão s er in ves t id or e s d a b o ls a de v a lor e s e in d iv id u alm e nt e ef etu ar ap l ica ç õe s n o m er c ad o d e a ç õe s . O val or r e c e bid o p e lo a c io n ist a po d er á s er apl ic a do e m a ç ões . 500 aç ões de um a empresa.000. 8.500 Memóri a de C ál cul o .000 0. Os r ec ur s o s d is po ní v ei s par a ap li ca ç ão se rã o di vu lg ado s m e ns a lm ent e a p ar tir de um d e m on s tr at i v o de c o nt a c or r ent e po r Dir et or .000 $75. u m per c e nt ua l a ser a p li c ad o s obr e o lu cr o.000/1. QUADRO 14 : Cál cul o da di str i buiçã o de divi dendos Item Lucr o apur a do no mês Di vi dendo calc ul ado Di vi de ndo por açã o Di vi de ndo r ecebi d o Valor $300. O v alor r e s u lt an t e s er á pr ov i s io n ad o n o mês e d istr ib uí d o igu al me nt e en tr e os dir et or e s da E m pr e sa . Exempl o 13: Cálc ul o de dist rib uiç ão de div idendos para um acionist a que poss ui 1.08 $120 25% de $300. 8. 1 BÔ N US O s D ir et or e s d ef in ir ã o me n s a lm e nt e.000 75. c o mo f or m a d e b ônu s .000 $0. de a cor do com a q ua nti d ad e de a çõ es ( Cad a E m pr e s a d is p oni bili za no me r cad o um m il h ão de açõ e s par a co m er c ia li zaç ã o) . O v a lor apur ado s er á div id ido pr op or c io na lm e nte a os ac i on is t as . O v a lo r d i str ibuí do p o de r á ser u t il iza do p ar a in v e st ime n to n a Bo ls a d e V a lor es ap ó s c on s t ar c om o cr éd ito no R el at ór io de D ec i s ão da Bo ls a d e V alor e s.08*1. 2 DI VI D E NDO S M en s a lm e nt e a E m pr e s a pr ov is io na 2 5% dos s eu s lu cr os par a s e r em d i str ibuí do s n o m ê s s egu int e a os ac i on is t as da em pr esa .

a q ua nti da de de a ç õ es qu e de se ja a dqu ir i r e o v a lor r e su lta n te da mu lt ip lic a çã o do va lor u nit ár i o da a ção p e la qua nt id a de qu e e s tá s en d o a dq uir id a. o t ip o d a o p er a çã o c o mo “ R” ( r e s gate) . o ti po d a op er aç ã o c om o “ A ” ( ap lic a çã o) . E s se va lor s er á cr edi ta do n o c ai x a do i nve s t id or . 1 AP L I C AÇ ÃO ( COM P R A) O i nv e st idor p o der á a plic ar s e us r ecu r so s na Em pr es a on de a t ua ou qu a lquer o utr a E m pr e s a q ue p ar t icip e n o m er c ad o. o c ód ig o da E mpr es a que s e d e s e ja r e sg at ar a s aç õe s. 4 E X T R ATO D A BOL S A DE V AL OR E S M en s a lm e nt e s erá e nt r eg u e à E m pr esa u m re lató r io c o m u m ext r at o de t o das a s op er a ç ões s ol ic it ada s e r ea li zad a s p el os dir et or e s da em pr e s a. 8. Ne le con s tar á a e v oluç ão da s o per a ç õe s e o r es u lt ado da s op er aç õe s s o lic it ad a s no m ês ( a c e it a o u r e c u sa da) . O p er c en t ual d e c om is s ã o s er á d ivu lg ado me n s alm e nt e no C li ppi ng E m pr e s ar ia l. Bo ls a de o In v e st idor dev er á pr een c h er o c ódi go o do “ De c is ão V a lor es” i nf or m an d o i n ves t id or . P ar a e fe tu ar o r e sga te o in v e s tid or dev er á pr een c h er o f or mu lár io “ De c is ã o da B o ls a de V al or e s” inf or m and o o c ó d ig o d o in v e s tid or. 8. 2. a q u an t ida d e d e a çõ es q u e s e d e s eja r e sg at ar e o v a lor r es u lt ant e da m u lt ip lic a ç ão do v a lor u nit ár io da a ç ão pe la qua nt ida de q u e e st á s end o r e sg at ad a. A o per a ç ão de r e s gat e s er á re je it ada s e o in ves t id or n ão po s s u ir a qu a nt i dad e d e a ç õe s que pr ete n de r e sg atar . . S obr e o va lor da ap li c aç ão s er á ca lc u la d o uma com is s ão de c or r et ag e m que s er á deb ita d a n o c ai x a do i nv e st i do r . 3 RE S G ATE ( V EN D A) O in v e s tid or p o der á r e s ga t ar t od a o u par te de s u a c ar te ir a de a ç õe s a qu a lquer m o m en to . B a se a do n o e x tr a t o s er á d ef i n id o a c la s s if ic a çã o do s in ves t id or e s de a cor do c o m o s l ucr o s au f er i do s ( r e ndim ent o s) n as a p li caç õ e s.46 8. P ar a f or m u lár i o da e f et u ar um a da ap li c açã o . o c ód ig o da Em pr e sa que s e des e ja a plic ar . S e o Inv e s t idor nã o po s su ir s a l do e m cai x a par a ef et u ar a op er aç ão ( v a lor da s aç õ e s + cor r et age m) . S obr e o v a lor d o r e sg at e ser á c a l cul ad a um a com is s ão de c or r et a gem . e la s er á r ej eit ada . qu e ser á d e bi t ada n o c ai xa do i nv e st ido r .

. m e nos o v a lor r e ce bido d e bô n u s. par a q u e se ob te n ha o per c e nt u al de r et or n o d o s inv e s ti m e nt o s q ue c ada i n ves t id or e fe t uou.47 8. O v a lor do r e ndi m ent o é a p lica d o s obr e o v alor r e c e bido de b ônu s . Na c la s s if i c a ção d os i n ves t id or e s so m e nt e s er ão r e la c io nad o s a qu e le s qu e ef et uar am a o m en o s u m i nve s t im e nt o d a bo l sa de va lor es. 5 RE ND I M E NT O DO IN V E S TIDO R O v a lor do r e ndi m e nt o d o in v e s tid or é c a lc u la d o do se g uinte m od o : S al do q ue p os s ui m a is o v a lor at ua l iza do d as a çõ es q u e po s s ui.

O Cl ip pin g E mpr e s ar i al. o A n ex o a o M a nua l. . No it em 6 do Ane x o ao Ma n ua l sã o apr e s en t ad as as or ien t a çõe s d e pr e en c him en t o d a De c i s ão M e n s al. e o v al or e st á in for m a do n o C lipp ing E mpr e s ar i al. Os r e lat ór io s c it ad os a nt er ior m e nt e s ão indi s pen s á v ei s par a o pr o c es s o d e to m ada d a s d eci s õe s. o Re lat ór io Con tá bi l e o Re lat ór io do Mer c ado s ão o s m es m os p ar a t od a s a s em pr e sa s . 1 INF O R M AÇ Õ E S G E R AD AS P E L O S IM UL AD O R E M PR E S A S − − − − − − Relatório da Empresa Balanço Patrimonial Clipping Empresarial Relatório Contábil (se solicitado) Relatório do Mercado (se solicitado) Decisão Mensal INFORMAÇÕES DA EMPRESA Extrato da Bolsa de Valores Decisão da Bolsa de Valores Ranking de Investidores na Bolsa de Valores INFORMAÇÕES DA EMPRESA INFORMAÇÕES DOS DIRETORES DAS EMPRESAS Relatório das Notas dos Participantes Relatório de indicadores das Empresas DI RE TO RE S D A S E M PR E S A S − − − − CO O RD E NA DOR D A S I M ULA ÇÃ O − − − − O R ela tór io de D e c is ão M en sa l e o Re lat ór io d a E m p re s a s ão do c u me nt os c on f id e nc i ais da em pr e sa .9 REL ATÓRI OS GERENCI AI S 9. O Rel at ór io Co nt áb il e o Re lat ór i o d e M er c ado s er ão c om pr a dos p e la s em pr e s as .

ed. Petrônio Garci a. I UDÍ CI BUS. São Paulo: Ha rbra. Edward. 5. MAR TI NS. 1997. A dm ini str ação. GELBCKE. 1998. Fi nanças: idéias inov ado ras e di cas que realm ente f unc io nam. . La wrence J. LAUGENI . Pr incí pi os de admini str ação fi nanceir a. 1995. Sér gio. ed. São Paulo: Atlas . São Paulo: Saraiva. M ARTI NS. M anual de con tabil i da de das sociedades p or ações: apl ic áv el às demais soc iedades. Elis eu.. T RACY. STO NER. ed. F ernando Pi ero. F. Rio de Janei ro. 2003. A dmi nistr ação da pr oduçã o. John A. 7. 2000. PHB. Ernes to Rubens .10 REFERÊNCI AS GITM AN. Ri o d e Janeiro: Campus. Jam es A. FREEMAN R. 6.

sr v .srv. 436 – Sala 1801 CEP 80.240-230 – Curitiba – PR Fone: (41) 3566 6213 site: www.br sk yp e: t an g ra m.tangram.br e-mail: tangram@tangram.srv.CONTATOS Tangram Sistemas Empresariais Ltda Rua Acyr Guimar ães.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful