Tudo começou com Maquiavel

(As concepções de Estado em Marx, Engels, Lênin e Gramsci) Luciano Gruppi Nicolau Maquiavel (1469-1527) • Realista • É preferível ser temido que amado. • É o primeiro que considera a política de maneira científica, crítica e experimental. • Itália Jean Bodin (1530-1596) • Polemizou contra Maquiavel • “O Estado é constituído essencialmente pelo poder: nem o território, nem o povo definem o Estado tanto quanto o poder”. • “é a soberania o verdadeiro alicerce, a pedra angular de toda a estrutura do Estado, da qual dependem os magistrados, as leis, as ordenações...” Thomas Robbes (1588-1679) • Inglês • “quando os homens primitivos vivem no estado natural, como animais, eles se jogam uns contra os outros pelo desejo de poder, de riquezas, de propriedades.” • “Homo homini lupus”, cada homem é um lobo para o seu próximo. • Contrato social para criar um Estado absoluto. John Locke (1632-1704) • Surgimento do “hábeas corpus” na Inglaterra. • Súdito → cidadão • Locke como teórico do cidadão. • Os homens se juntam em sociedades políticas e submetem-se a um governo a fim de garantir as suas propriedades. • Visão burguesa: a propriedade como base do Estado. • Soberania do Estado, individualismo burguês, pensamento liberal • Liberdades básicas do cidadão: de palavra, de assembléia, de propriedade, de iniciativa econômica, política, etc... Emmanuel Kant (1724-1804) • A soberania pertença ao povo. • Só é livre quem for proprietário (e só este tem direito a voto). • Portanto a soberania é somente de uma parte do povo. • O Estado é um Estado de Direito na medida que nele existem alguns direitos que nunca podem ser colocados em discussão. • Kant defende o Estado burguês liberal (garantindo apenas o direito da burguesia e da aristocracia que vai se aburguesando) Jean-Jacques Rousseau (1712-1778) • Os homens nascem livres e iguais, mas em todo lugar estão acorrentados. • O indivíduo é preexistente e funda a sociedade através de um acordo, de um contrato.

• • • • O povo nunca deve criar um Estado distinto de si mesmo. a soberania. sua liberdade é limitada. O povo nunca perde a sua soberania. “o conjunto das relações de produção constitui a estrutura econômica da sociedade. pois só limitadamente pode influenciar a condução do governo. o qual tende a dominar a sociedade. O Estado serve para que a classe possuidora dos meios de produção mais importantes justifique e assegure a exploração do resto da sociedade. a igualdade. Não há liberdade onde não existir igualdade. A função do Estado é garantir as relações econômicas que baseiam a sociedade. • O Estado é personificado pelo monarca. A crítica de Karl Heirich Marx (1818-1883) Marx critica a visão burguesa liberal do Estado. • A igualdade de Rousseau destrói toda liberdade. . na esfera do público. Segundo ele. à qual correspondem formas determinadas da consciência social”. a base real sobre a qual levanta-se uma superestrutura jurídica e política. • Liberdade privada = Liberdade econômica = Liberdade burguesa Charles Tocqueville (1805-1859) • Liberal • A igualdade para a qual tende a humanidade não vai destruir a liberdade? Benedetto Croce (1866-1952) • Estado de Direito liberal e Estado Democrático se tratam de duas concepções muito diferentes. isso é. • “Com efeito. por conseguinte suas concepções devem ser rejeitadas como uma grande ameaça à liberdade. Benjamin Constant de Rebecque (1767-1830) • A liberdade do homem moderno é grande na esfera do privado ao passo que. • A soberania é do Estado. o povo”. O único órgão soberano é a assembléia e nesta é que se expressa a soberania. O próprio Rousseau percebe o elemento utópico presente em sua concepção. • Estado como base (fundamento) da sociedade civil e da família. Georg Wilhelm Friedrich Hegel (1770-1831) • Divisão entre Estado e sociedade civil. os democratas e os liberais concebiam de maneiras diferentes o indivíduo. A origem do Estado segundo Friedrich Engels (1820-1895) Com a crise do ordenamento gentílico (família) surge a organização do Estado.