You are on page 1of 12

VIAS EFERENTES (DESCENDENTES)

Colocam em comunicação os centros supra-segmentares com os órgãos


efetuadores:

1- Vias eferentes viscerais (vida vegetativa) :


Alvos = vísceras e vasos > função dos órgãos internos: m. lisos, m. Cardíaco e
glândulas.
1.1. Sistema simpático
1.2. sistema parassimpático

2- Vias eferentes somáticas (vida de relação) :


Alvos = músculos esqueléticos > movimentos voltários e automáticos, tônus
muscular e postura.

2.1. Vias Piramidais: descem pelas pirâmides do tronco cerebral

2.1.1. Trato cortico-espinhal: córtex > motoneurônios do corno ventral


da medula

2.1.1 Trato cortico-nuclear: córtex > motoneurônios do tronco


cerebral CF. nervos cranianos: mov. oculares, língua, boca, face,...

2.2. Vias Extrapiramidais: cada uma possui seus feixes próprios

2.2.1. Trato rubro-espinhal: n. rubro > m. distais dos membros


movimentos finos dos dedos

2.2.2. Trato tecto-espinhal: (retina >) colículo sup.> m. do pescoço


reflexos de orientação da cabeça

2.2.3.Trato vestíbulo-espinhal: Núcleos vestibulares + cerebelo > m.


proximais reflexos do equilíbrio

2.2.4. Trato retículo-espinhal: Formação reticular do tronco cerebral >


medula controle da postura, tônus muscular, marcha,...

(Obs: essa divisão piramidal / extrapiramidal só tem valor descritivo!)

VIAS MOTORAS SOMÁTICAS

I - INTRODUÇÃO

1. Generalidades: a via descendente, motora, também é altamente organizada.


No caso, existe ao nível do córtex motor primário uma organização topográfica dos
neurônios de comando que vão ativar os neurônios motores localizados no corno
ventral da medula espinhal.
A motricidade somática resulta do funcionamento integrado de diferentes
regiões do SNC . Todas essas regiões, contudo, exercem sua influência, em última
análise, através do neurônio motor, que vai inervar o músculo esquelético.

2. Conceitos :
Movimentos voluntários - não automatizados
Movimentos involuntários - automatizados
Automatismos Primários : chorar, respirar.
Automatismos Secundários : andar, dançar, dirigir, escrever.

3. Características das Vias Motoras:


3.1 – Neurônio Superior: os neurônios supra-espinhais que o
controlam o neurônio motor inferior, e que são denominados "neurônios motores
superiores" (NMS).
3.2 – Neurônio Inferior: o motoneurônio, é desta forma chamado de
"via motora final comum ( de Sherington)". Podemos chamá-lo, também, de
"neurônio motor inferior" (NMI). Os motoneurônios são encontrados em duas
regiões do SNC : na coluna anterior da medula espinhal e em alguns núcleos de
nervos cranianos.

TRATOS ESPINHAIS DESCENDENTES


Os axônios do encéfalo se comunica com os motoneurônios da medula espinhal
(ME) descendo ao longo da ME por dois grupos principais de vias.

1) Vias Laterais (Coluna lateral da ME) – que estão envolvidas no movimento


voluntário da musculatura distal e sob controle direto do córtex
2) Vias Ventromediais – que estão envolvidas no controle da postura e da
locomoção, controladas pelo tronco encefálico.

Vias Laterais
O componente mais importante das vias laterais é o trato cortico-espinhal.
Originado no neocórtex, é o mais longo e um dos maiores tratos do sistema
nervoso central. Dois terços dos axônios desse trato têm origem nas áreas 4 e 6
do lobo frontal, o que é, coletivamente, denominado córtex motor. Passam pela
cápsula interna, base do pedúnculo cerebral, passam pela ponte, no bulbo forma a
pirâmide. Quando seccionada, a secção transversal tem aspecto
aproximadamente triangular, razão pela qual é chamada de trato piramidal.
Na junção do bulbo com a medula, a grande maioria das fibras do trato
piramidal decussa, com o nome de trato córtico-espinhal lateral.As fibras que
não se cruzam nas pirâmides descem no funículo anterior da metade ipsilateral da
medula, com o nome de trato córtico espinhal-anterior. Ambos vão terminar nos
neurônios da coluna anterior da medula espinhal - neurônio motor inferior, que
controlam os músculos distais.
TRATO CÓRTICO-ESPINHAL
TRATO CÓRTICO-ESPINHAL E CORTICO NUCLEAR

Um componente bem menor das vias laterais é o trato rubro-espinhal que


tem origem no núcleo rubro do mesencéfalo. Axônios do núcleo rubro decussam
logo adiante, na ponte, e reúnem-se com aqueles do trato cortico-espinhal na
coluna lateral da ME.
Ação sobre os músculos distais dos membros. O núcleo vermelho recebe
fibras aferentes do córtex motor e do cerebelo.
Assim, o trato rubro espinhal representa uma via não piramidal, pela qual o córtex
motor e o cerebelo podem influenciar a atividade motora medular.

Vias Ventromediais

Possuem 3 tratos descendentes que se originam no tronco encefálico e


terminam no corno anterior da ME., controlando os músculos proximais e axiais.
Esses tratos vestíbulo espinhal, teto espinhal, trato retículo espinhal -
pontino e bulbar.
As vias ventromediais utilizam informações sensoriais sobre o equilíbrio,
posição corporal e ambiente visual para manter, de forma reflexa, o equilíbrio e a
postura corporais.
1) Trato Vestíbulo Espinhal: as fibras vestíbulo espinhais tem origem nos
núcleos vestibulares, situados na ponte e no bulbo, no assoalho do quarto
ventrículo e em suas proximidades. Os núcleos vestibulares recebem
aferências do sistema labiríntico, por meio do nervo vestibular e do cerebelo.
Atuam no controle do tônus dos músculos extensores na manutenção
antigravitacional da postura. Manutenção do equilíbrio.
2) Trato Tecto Espinhal: as fibras tecto espinhais tem origem no colículo do
mesencéfalo. O colículo superior recebe aferências visuais, somatossensoriais
e auditivas. Com estas aferências o colículo superior constrói um mapa do
mundo a nossa volta. O trato tecto espinhal é considerado como medidor dos
movimentos reflexos em resposta aos estímulos visuais.
3) Trato Retículo Espinhal - Pontino e Bulbar: a formação reticular da ponte
e do bulbo dá origem às fibras retículo - espinhais. Responsável pela postura
básica necessária a execução de movimentos delicados.
4) Trato Olivo-espinhal: Auxilia no controle do tônus corporal.
* Projeções do córtex cerebral ou cerebelar sobre o neurônio motor é indireta.
TRATOS CRANIANO DESCENDENTES

Trato Córtico Nuclear: tem origem nas áreas corticais 4 e 6 do lobo


frontal, que se ocupam dos movimentos da face Passam pela cápsula interna,
base do pedúnculo cerebral e vai terminando em contato com motoneurônios
localizados em núcleos de nervos cranianos no tronco encefálico. O neurônio
motor superior - no giro pré-central. Fibras monolaterais. A maioria dos músculos
da cabeça estão representados no córtex motor dos dois lados (representação
bilateral). Os grupos não podem ser contraídos voluntariamente de um só lado. O
neurônio motor inferior nos núcleos do III, IV, V, VI, VII.
CÓRTEX MOTOR

A porção do córtex anterior ao sulco central constitui a metade posterior do lobo


frontal é devotada quase que inteiramente ao controle dos músculos e dos
movimentos corporais. Os sinais motores são transmitidos do córtex para a
medula espinhal pela via corticoespinhal e, indiretamente por múltiplas vias
acessórias que compreendem os núcleos da base, cerebelo, e núcleos do tronco
cerebral.
O Córtex motor é dividido adicionalmente em três subáreas, cada uma
tendo sua representação de grupos musculares e funções motoras específicas do
corpo:

1) Córtex Motor Primário: localizado na primeira circunvolução dos lobos


frontais, anterior ao sulco central, no giro pré-central. Área 4 na classificação de
Brodmann. Compreende áreas musculares da face, boca, mão, braço, tronco, pés
e pernas. Envia ordem para realização do movimento.

2) Área pré-motora: localizada anteriormente às porções laterais do córtex motor


primário, giro frontal superior e médio. Classificação área 6 de Brodmann,
responsável pelo planejamento do movimento.

3) Área Motora Suplementar: localizada superior à área pré-motora, situando-se


sobre o sulco longitudinal, classificação área 6 de Brodmann. Quando as
contrações são obtidas, são freqüentemente bilaterais, em vez de unilaterais. Esta
área funciona em conjunto com a área pré-motora para provocar movimentos
posturais.
PRINCIPAIS ESTRUTURAS RELACIONADAS COM AS VIAS
MOTORAS SOMÁTICAS

Algumas das funções mais específicas dos núcleos basais relacionadas


aos movimentos são:
1.Núcleo caudado: controla movimentos intencionais grosseiros do
corpo (isso ocorre a nível sub-consciente e consciente) e auxilia no
controle global dos movimentos do corpo.
2.Putâmen: funciona em conjunto com o núcleo caudato no
controle de movimentos intencionais grosseiros. Ambos os núcleos
funcionam em associação com o córtex motor, para controlar
diversos padrões de movimento.
3.Globo pálido: provavelmente controla a posição das principais
partes do corpo, quando uma pessoa inicia um movimento
complexo, Isto é, se uma pessoa deseja executar uma função
precisa com uma de suas mãos, deve primeiro colocar seu corpo
numa posição apropriada e, então, contrair a musculatura do braço.
Acredita-se que essas funções sejam iniciadas, principalmente,
pelo globo pálido.
4.Núcleo subtalâmico e áreas associadas: controlam
possivelmente os movimentos da marcha e talvez outros tipos de
motilidade grosseira do corpo.

Cerebelo: Mesmo sem ter a capacidade direta de causar contração


muscular, é um órgão muito importante, ajuda a seqüenciar as atividades motoras
e também monitorar, faz ajustes corretivos nas atividades motoras do corpo de
modo que atendam aos sinais motores dirigidos pelo córtex motor e por outras
partes do cérebro.
Núcleos motores do tronco cerebral
•todas as vias motoras que descem da medula convergem sobre o neurônio
motor inferior para inervar os músculos estriados esqueléticos, daí o nome via
motora final de Scherington.

Integração dos Sistemas – Sensorial e Motor

As informações sensoriais são integradas em todos os níveis do sistema


nervoso e causam respostas motoras apropriadas, começando na medula
espinhal com reflexos relativamente simples, estendendo-se para o tronco
cerebral com respostas ainda complexas e, finalmente, estendendo-se até o
cérebro, onde são controladas as respostas mais complicadas. A medula espinhal
não é apenas um mero conduto de sinais sensoriais para o cérebro ou de sinais
motores do cérebro para periferia.

Aplicações Práticas
Lesões do Sistema Motor Piramidal :
A - Paresia - fraqueza muscular

B - Paralisia - ausência de movimento


b.1 - Monoplegia: ausência de movimento em um só membro
b.2 - Paraplegia : ausência de mov. nos dois MMII's.
b.3 - Diplegia : ausência de mov. de 02 membros, exceto MI'
b.4 - Hemiplegia : ausência de mov. de metade do corpo
b.5 - Tetraplegia : ausência de mov. dos 04 membros

C - Síndrome do Neurônio Motor Superior : lesão da área 04.


Paralisia dos músculos estriados do lado oposto. Paralisia Espástica : hipertonia
e hiperreflexia.
D - Síndrome do Neurônio Motor Inferior : lesão da coluna
anterior da medula. Paralisia Flácida: paralisia com perda do reflexo e tônus
muscular. Após hipotrofia dos músculos inervados pelas fibras destruídas.
E - Síndrome Piramidal: lesão do trato córtico - espinhal.
Lesões do sistema motor extrapiramidal: Hemibalismo, Coréia, Atetose,
Doença de Parkinson e outras.