COLEGIADO DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS

NORMAS TÉCNICAS DE APRESENTAÇÃO, ESTILOS E ORIENTAÇÕES PARA PROJETO E RELATÓRIO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS

SANTIAGO-RS AGOSTO/2009

COLEGIADO DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS

NORMAS TÉCNICAS DE APRESENTAÇÃO, ESTILOS E ORIENTAÇÕES PARA PROJETO E RELATÓRIO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Manual de normas técnicas de apresentação, estilos e orientações para projeto e relatório de estágio dos cursos de Administração e Ciências Contábeis do Departamento de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões – Campus Santiago. COORDENAÇÃO: PROFa. LUCINEDE DE FÁTIMA MARIAN, ES.

SANTIAGO - RS AGOSTO/2009

SUMÁRIO

LISTA DE ANEXOS ................................................................................................................. 4 LISTA DE ILUSTRAÇÕES ..................................................................................................... 5 LISTA DE TABELAS ............................................................................................................... 6 1 INTRODUÇÃO ...................................................................................................................... 7 2 NORMAS PARA O PROJETO DE ESTÁGIO .................................................................. 8 2.1 ESTRUTURA BÁSICA DA PROPOSIÇÃO DA SOLUÇÃO DE PROBLEMAS ............. 8 2.2 ESTRUTURA BÁSICA DO PROJETO DE PESQUISA..................................................... 9 2.3 ESTRUTURA BÁSICA DE PROJETO DE VIABILIDADE ECONÔMICA ................... 10 3 DETALHAMENTO DA ESTRUTURA DO PROJETO .................................................. 11 3.1 INTRODUÇÃO................................................................................................................... 11 3.2 CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO E SEU AMBIENTE OU IDENTIFICAÇÃO DA SITUAÇÃO REAL ............................................................................. 12 3.3 SITUAÇÃO PROBLEMÁTICA OU DELIMITAÇÃO DO ASSUNTO ........................... 12 3.4 OBJETIVOS ........................................................................................................................ 13 3.5 JUSTIFICATIVA ................................................................................................................ 13 3.6 REVISÃO DA LITERATURA OU FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ............................ 14 3.7 METODOLOGIA................................................................................................................ 14 4 NORMAS TÉCNICAS - ESTILO E ORIENTAÇÃO PARA RELATÓRIO DE ESTÁGIO - ESTRUTURA ..................................................................................................... 15 4.1 FORMATO.......................................................................................................................... 15 4.2 MARGENS.......................................................................................................................... 15 4.3 ESPACEJAMENTO............................................................................................................ 16 4.4 TÍTULOS NOS TEXTOS ................................................................................................... 16 4.5 NOTAS DE RODAPÉ ........................................................................................................ 17 4.6 PAGINAÇÃO...................................................................................................................... 18 4.7 PARÁGRAFOS E ALÍNEAS ............................................................................................. 19 4.8 TABELAS E ILUSTRAÇÕES............................................................................................ 20 4.9 NEGRITO, GRIFO OU ITÁLICOS.................................................................................... 22 4.10 EQUAÇÕES E FÓRMULAS............................................................................................ 22 4.11 NÚMEROS, SÍMBOLOS E UNIDADE DE MEDIDA ................................................... 23 4.12 ESTILO ............................................................................................................................. 24 4.13 CITAÇÕES (NBR 10520)................................................................................................. 25 4.13.1 Citação Direta ................................................................................................................. 25 4.13.2 Citação Indireta............................................................................................................... 27 4.14 INDICAÇÃO DAS FONTES CITADAS ......................................................................... 28 4.14.1 Sistema Alfabético.......................................................................................................... 28 4.14.2 Sistema Numérico .......................................................................................................... 29 5 PRÉ-TEXTO ......................................................................................................................... 30 5.1 FOLHA DE ROSTO ........................................................................................................... 30 5.2 FOLHA DE APROVAÇÃO................................................................................................ 32 5.3 DEDICATÓRIA .................................................................................................................. 32 5.4 AGRADECIMENTOS ........................................................................................................ 32 5.5 RESUMO ............................................................................................................................ 33 5.6 LISTA DE ILUSTRAÇÕES ............................................................................................... 33

..................... 42 7.............. 38 6.........3 ANEXOS .............................................................................................. 40 6.............................................1 Ordem dos elementos ...........................................................4 ANÁLISE DOS RESULTADOS ............................................................................................................................................................................1.............................................................................. 38 6...5 CONCLUSÕES............................................................. 34 5................ 34 5.......................................................................................................................................................................................... 38 6............................................1 INTRODUÇÃO...............................................9 LISTA DE ANEXOS ..................................... 41 7........................2 GLOSSÁRIO...................10 SUMÁRIO..............................................3 METODOLOGIA.............................................................................................................................................................................................. 68 BIBLIOGRAFIA ............. 35 5..... 70 ......................................................................... 69 ANEXOS ........................................................ 39 6.......................1 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS – NBR 6023 ......................... 68 7.................. PROPOSTAS E SUGESTÕES ....... 41 7.......................7 LISTA DE TABELAS ......................8 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ..............................................5............................. 35 6 ELEMENTOS TEXTUAIS ................................................................................................. 40 7 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS .................................2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA .......................................................................................

...........................MODELO DE RESUMO 1 ............................71 ANEXO C ................................MODELO DE TERMO DE APROVAÇÃO ...............73 ........ESTRUTURA DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO ..............LISTA DE ANEXOS ANEXO A ....................................................72 ANEXO D – CLASSIFICAÇÕES DA PESQUISA.......................70 ANEXO B ......................................................

................30 FIGURA 1 .........................................ESQUEMA PARA O SUMÁRIO..35 ..FOLHA DE ROSTO DE TRABALHO ACADÊMICO .....................................................31 QUADRO 2 ...................ESQUEMA PARA FOLHA DE ROSTO...................LISTA DE ILUSTRAÇÕES QUADRO 1 ............

.......LISTA DE TABELAS TABELA 1 COMPARATIVO DAS DISCIPLINAS DE APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL COM AS HABILIDADES EXIGIDAS NO PROVÃO.........21 .... ...

dúvidas.7 1 INTRODUÇÃO Existem normas. revisado e ampliado. . Assim sendo. O mesmo segue as normas ditadas pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) com aprovação dos colegiados dos cursos de Administração e Ciências Contábeis do Campus de Santiago/RS. ampliadas e melhoradas. regras para escrever um projeto. E o mesmo vale. Desta forma. quando se trata da apresentação oral de tais trabalhos. e as que aqui estão podem e devem continuar sendo revisadas. e que. pretende-se que este manual de normas e estilos. diretrizes. críticas e sugestões de melhoria sejam encaminhadas às coordenações dos cursos de Administração e Ciências Contábeis para que procedam as futuras alterações neste manual. Destaca-se ainda. métodos e fontes de consulta. relatório e demais trabalhos científicos. sirva como um guia prático para a orientação dos alunos e de todos aqueles que o necessitem para realização e apresentação de trabalhos científicos. O grande problema é saber quais usar e quais não usar. que o presente manual não encerra em si mesmo todas as possibilidades de normas e regras muitas outras existem. deseja-se que o melhor proveito seja tirado deste. o que deverá ser feito a cada novo período de estudo. Há uma infinidade de princípios.

3. e como tal contém intenções a serem concretizadas na prática. O projeto de estágio possui a finalidade de orientar o acadêmico na realização da prática profissional.2.1 HISTÓRICO 2.2. O projeto de estágio deverá ser entregue ao orientador de estágio e aprovado pela comissão de estágio e posteriormente apresentado à unidade concedente do estágio.2 Legal 2.3 MACROAMBIENTE 2.2.2.1 Técnico 2. 2.2.2.5 Demográfico 2.3.4 Econômico 2.6 Organização e Métodos 2.3.3.3 Finanças 2.3 Político 2.3.1 ESTRUTURA BÁSICA DA PROPOSIÇÃO DA SOLUÇÃO DE PROBLEMAS 1 INTRODUÇÃO 2 CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO (DIAGNÓSTICO) 2.4 Materiais 2. um projeto de pesquisa ou um projeto de viabilidade econômica. propiciando que o mesmo realize um planejamento das atividades que deverão ser realizadas durante o estágio supervisionado.5 Produção 2.8 2 NORMAS PARA O PROJETO DE ESTÁGIO O projeto de estágio é um plano de ação.2 Marketing 2. podendo ser uma proposição da solução de um problema organizacional.1 Recursos Humanos 2.2 A ORGANIZAÇÃO E SUAS ÁREAS 2.6 Ecológico E SEU AMBIENTE .3.

3.4 CATEGORIAS DE ANÁLISE 3.1 SITUAÇÃO PROBLEMÁTICA 1.8 Cultural 2.4.1 Fornecedores 2.4 Entidades regulamentadoras 3 SITUAÇÃO PROBLEMÁTICA 4 OBJETIVOS 4.1 CARACTERIZAÇÃO DA PESQUISA 3.3.2 OBJETIVOS 1.2 ESTRUTURA BÁSICA DO PROJETO DE PESQUISA 1 INTRODUÇÃO 1.2 PERGUNTAS DE PESQUISA 3.4.9 2.1 OBJETIVO GERAL 4.5 ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS DADOS 4 CRONOGRAMA BIBLIOGRAFIA ANEXOS .4.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS 5 JUSTIFICATIVA 6 REVISÃO DA LITERATURA 7 METODOLOGIA 8 CRONOGRAMA BIBLIOGRAFIA ANEXOS 2.7 Social 2.3 JUSTIFICATIVA 2 REVISÃO LITERÁRIA 3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS 3.4 MICROAMBIENTE 2.3 Concorrentes 2.3 COLETA DE DADOS 3.4.2 Clientes 2.

10 2.1 MACROAMBIENTE 2.2 MICROAMBIETE 3 SITUAÇÃO PROBLEMÁTICA 4 OBJETIVOS 5 JUSTIFICATIVA 6 REVISÃO LITERÁRIA 7 METODOLOGIA 8 CRONOGRAMA BIBLIOGRAFIA ANEXOS .3 ESTRUTURA BÁSICA DE PROJETO DE VIABILIDADE ECONÔMICA 1 INTRODUÇÃO 2 CARACTERIZAÇÃO DO AMBIENTE 2.

e as normas padronizadas na Instituição de Ensino (IES). seu conteúdo e alguma informação importante para quem inicia a leitura do mesmo. com espaço duplo (ou um e meio). Como regra geral deverá ser impresso em papel do tipo A4. 3. Como recomendação. b) indicar a finalidade e os objetivos do trabalho. No relatório final. não deixando dúvidas quanto ao campo que abrange. os objetivos e a justificativa.1 INTRODUÇÃO Na introdução deverá conter uma apresentação geral do trabalho. com páginas numeradas de acordo com as normas. definindo-o claramente.11 3 DETALHAMENTO DA ESTRUTURA DO PROJETO O projeto de estágio deve seguir as normas de apresentação de trabalhos científicos. a introdução deve incluir a situação problemática. c) referir-se aos tópicos principais do texto dando roteiro ou a ordem de exposição. a introdução deve ser a última parte do trabalho a ser escrita. A introdução deve: a) estabelecer o assunto. . esclarecendo sob que ponto de vista é tratado o assunto. conforme orientação da ABNT.

3. legais. Internamente. faturamento. fornecedores. demográficas. contemplando seus clientes. informando dados da situação atual da empresa e. Para o macroambiente. ecológicas. linha de produtos ou serviços da organização. breve histórico contando a evolução da organização. culturais e sociais. quais as principais áreas e como estão divididas. No contexto de um projeto de prática profissional. pois dela vai depender o sucesso do mesmo. por fim. difíceis e importantes do trabalho.2 CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO E SEU AMBIENTE OU IDENTIFICAÇÃO DA SITUAÇÃO REAL Esta parte do trabalho deverá conter todas as informações necessárias para caracterizar a empresa onde o estágio será realizado. um problema é uma situação não resolvida. é importante destacar como está organizada a empresa. números de funcionários. econômicas.3 SITUAÇÃO PROBLEMÁTICA OU DELIMITAÇÃO DO ASSUNTO A definição da situação problemática a ser estudada é uma das etapas mais complexas. políticas. Como ambiente. deve-se destacar o microambiente. os níveis hierárquicos.12 3. mas também pode ser a identificação de oportunidades até então não percebidas pela organização. concorrentes e as que regulamentam a atuação da empresa. A problematização pode referir-se a controvérsias teóricas sobre . o setor em que o estagiário concentrará seu trabalho de estágio. e necessário enfocar as variáveis tecnológicas. número de filiais.

definindo o propósito do trabalho.4 OBJETIVOS Os objetivos devem contemplar o que se pretende através do estágio. A situação problemática pode tanto ser proposta pelos estagiários como pela empresa. quanto à oportunidade e quanto à viabilidade do mesmo. 1996). O projeto de estágio é um passo decisivo na vida acadêmica de um aluno. conciliar o interesse das partes envolvidas. não podendo ser muito simples nem extremamente complexo que não se consiga atingir. e objetivos específicos. detalhando mais como o trabalho será desenvolvido a partir do objetivo geral. justificando-se quanto à sua importância. 3.13 determinada questão. ou a possibilidade de testar um modelo ou instrumento (ROESCH. justificar é apresentar razões para a própria existência do projeto. . 3. na medida do possível. é importante salientar que o estágio deve. É importante ressaltar que os objetivos servem de padrão para a avaliação do trabalho.5 JUSTIFICATIVA Segundo Roesch (1996). e a justificativa deve contemplar todos os aspectos desta relevância. está dividido em objetivo geral (amplo e genérico).

. FUNDAMENTAÇÃO OU MARCO TEÓRICO A revisão literária é o que se pode chamar de a espinha dorsal do trabalho. 3.14 3. para orientar o método do trabalho e os procedimentos de coleta e análise de dados.6 REVISÃO DA LITERATURA. A revisão literária engloba tudo o que for relevante e necessário para esclarecer e justificar o problema em estudo e serve também. Deve-se descrever o que será realizado na etapa de realização do estágio propriamente dito. depende muito do tipo de problema exposto. O embasamento teórico é fundamental para a realização de qualquer trabalho científico. se for o caso.7 METODOLOGIA A metodologia é a etapa do projeto na qual se delimita qual o caminho a ser percorrido para se chegar ao objetivo definido. devendo-se empregar o verbo sempre no futuro. a população alvo do estudo. pois a consistência do trabalho bem como os avanços realizados pelos estagiários em termos de propostas e análises depende de uma cuidadosa revisão literária. podendo ser mais detalhada ou mais geral conforme o enfoque dado ao projeto de estágio. Definem-se nesta fase quais as técnicas de coleta e análise dos dados.

ESTRUTURA 4.2 MARGENS As margens devem permitir uma encadernação e reprodução correta: a) margem esquerda: 3 cm.ESTILO E ORIENTAÇÃO PARA RELATÓRIO DE ESTÁGIO .1 FORMATO Os textos devem ser apresentados em papel branco. digitados na cor preta. d) margem inferior: 2 cm. 4.15 4 NORMAS TÉCNICAS . c) margem superior: 3 cm. b) margem direita: 2 cm. folha A 4 (210 X 297 mm). . no anverso das folhas.

. b) iniciar os títulos precedidos de seus indicativos sempre na margem esquerda. Não esquecendo que a defesa objetiva esclarece elementos duvidosos no trabalho. quando usada a numeração progressiva.16 4. independente da forma escolhida. com caracteres nítidos e devem ser entregues um exemplar do relatório em capa dura e duas cópias encadernadas. no máximo. na ANBT). O relatório final deve ser no máximo de 90 páginas incluindo anexos. extraindo os elementos mais importantes para o relatório. A versão em capa dura poderá ser entregue até. paginação e legendas das ilustrações e tabelas. notas de rodapé. O espacejamento pré-textual e na bibliografia é simples.3 ESPACEJAMENTO O espacejamento entre linhas é de espaço um e meio (duplo. é necessário considerar o seguinte: a) transcrever uniformemente os títulos das seções em todo o trabalho. fonte tamanho 12 para o texto e tamanho menor (10) para citações de mais de três linhas. 4. A impressão deve ser de boa qualidade.4 TÍTULOS NOS TEXTOS Os trabalhos podem ser divididos em capítulos e seções. Recomenda-se caracteres Times New Roman ou Arial. pois um aspecto importante a considerar em trabalhos acadêmicos é a capacidade de síntese. a data da defesa do relatório. O número de páginas do projeto deve ser no máximo de 40 páginas e no mínimo de 25 páginas.

j) os títulos das seções primárias. e) deixar dois espaços separando os títulos dos textos que os precedem ou que os sucedem. a partir da margem esquerda. As notas devem ser digitadas dentro das margens. Podem ser: a) notas de conteúdo. que evitam explicações longas dentro do texto. 4. f) deixar dois espaços entre títulos sem texto entre si.5 NOTAS DE RODAPÉ São as que aparecem ao pé das páginas em que são mencionadas. d) centrar os títulos não introduzidos por numeração progressiva. devem iniciar em folha distinta. que indicam as fontes consultadas ou remetem a outras partes da obra onde o assunto foi abordado. Servem para abordar pontos que não devem ser incluídos no texto para não sobrecarregá-lo. i) escrever com inicial maiúscula os títulos das seções a partir da terciária. h) escrever em MAIÚSCULO sem negrito os títulos das seções secundárias. ficando separadas do texto por um espaço simples de entrelinhas e por filete de 3 cm. Ao se usar notas de rodapé deve-se observar o seguinte: . b) notas de referência. g) escrever em MAIÚSCULO e negrito os títulos de capítulos ou seções primárias.17 c) separar o indicativo numérico do título por um espaço. por serem as principais divisões de um texto.

mas acima de tudo. No rodapé : 1 1 1 Opinião expressa por Rui Otávio Bernardes de ANDRADE na abertura do 2º Seminário Nacional sobre qualidade e avaliação dos Cursos de Administração. ou após o termo que se refere. o número deve figurar após o sinal de pontuação que encerra uma citação direta. a partir da folha de rosto. mas não numeradas. com tipo de letra menor. c) no texto. colocados entre parênteses. em que o administrador não apenas domina diferentes técnicas e equipamentos. e) o indicativo numérico é separado do texto da nota por um espaço. devem ser contadas. d) a nota de rodapé é escrita em espaço simples e. os princípios científicos e técnicos que embasam os processos produtivos apreendem as implicações do seu trabalho.6 PAGINAÇÃO Todas as folhas do trabalho. conhece a origem das técnicas. seu conteúdo ético.18 a) a chamada é feita por números arábicos. 4. b) a numeração é em ordem crescente dentro de um mesmo capítulo ou artigo e nunca por página. compreendendo não só o “como fazer”. seqüencialmente. A numeração é colocada a partir da primeira folha da . mas o “porque fazer”. Exemplo: No texto: Segundo Andrade (1997). colchetes ou acima da linha do texto (número alto). Agosto de 1997. para dar maior destaque. o conceito de polivalência aproxima-se do conceito de generalista. se possível.

7 PARÁGRAFOS E ALÍNEAS Deve vir recuados sete espaços da margem esquerda (2.19 parte textual. termina em dois pontos.0 cm). pode-se dizer que: a) o trecho final. c) a falsa folha de rosto. são reentradas em relação à margem esquerda. colocados no CANTO SUPERIOR EXTERNO DA PÁGINA. que termina com ponto. Não são contados na numeração: a) a capa. e iniciam com letra minúscula. d) a alínea termina com ponto e vírgula. As PÁGINAS DO TEXTO são numeradas em algarismos arábicos. exceto no caso de nomes próprios. e) caso o número de alíneas seja superior as letras do alfabeto. anterior às alíneas. b) o verso das páginas datilografadas ou digitadas. Como regras gerais para as alíneas. menos a última. b) iniciam na margem esquerda da folha (de parágrafo). 4. As alíneas são divisões enumerativas. devem ser 1 . que se assinalam no início por letras minúsculas seguidas de sinal de fechamento de parênteses. a 2 cm da borda superior ficando o último algarismo a 2 cm da borda direita da folha. c) a segunda linha e seguintes são alinhadas sob a primeira letra do texto da alínea.

iniciam com hífen colocado sob a primeira letra da alínea. As linhas do texto da subalínea começam um espaço após o hífen. cc). na horizontal. etc). sendo transcrito abaixo da tabela ou ilustração. gráficos. organogramas. b) o título das tabelas e ilustrações deve ser claro e descritivo em relação ao seu conteúdo. . seguida de seu número de ordem de ocorrência no texto. sua identificação aparece na parte inferior. esquemas. quadro. de preferência com tipos menores e espacejamento simples.8 TABELAS E ILUSTRAÇÕES Qualquer que seja seu tipo (desenhos. sendo inseridas o mais próximo possível do texto a que se referem. d) utiliza-se papel A3 (420 X 297 mm). quadros e outros). em algarismos arábicos. a legenda e a fonte de onde foram obtidas as informações. As tabelas devem apresentar informações tratadas estatisticamente. precedida da palavra designativa (gráfico. a pontuação é igual à das alíneas. bb. do respectivo título. c) são colocadas na parte inferior da tabela ou ilustração. As subalíneas são divisões existentes no interior das alíneas. em maiúsculo e alinhado pelo limite esquerdo da tabela ou ilustração. no mesmo alinhamento do título. de preferência centradas. fluxograma. também. para tabelas ou ilustrações desdobráveis.20 utilizadas letras duplas (aa. 4. conforme IBGE (1993): a) numeração distinta e consecutiva.

para não sobrecarregarem o texto.COMPARATIVO DAS DISCIPLINAS DE APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL COM AS HABILIDADES EXIGIDAS NO PROVÃO FONTE: Andrade (1997) Uma linha inteira pontilhada indica a supressão de um ou mais dados ou parágrafos. f) tabelas e ilustrações. mostrando que os docentes devem consolidar as disciplinas de aprendizagem com intuito de fortalecer as habilidades exigidas no provão. DISCIPLINAS DE APRENDIZAGEM Raciocínio Sistêmico Domínio Pessoal Modelos Mentais Objetivo Comum Aprendizado em equipe HABILIDADES EXIGIDAS NO PROVÃO Visão Sistêmica Liderança Tomada de Decisão Comunicação e Expressão Postura pessoal Iniciativa Postura pessoal Trabalho em equipe TABELA 1 .21 e) as tabelas nunca são fechadas por linhas laterais. g) a ilustração deve ser inserida o mais próximo possível do trecho a que se refere. . Exemplo: Foram comparadas as disciplinas de aprendizagem organizacional com as habilidades exigidas no provão segundo Andrade (1997). quando muito numerosas. TABELA 1. devem vir em anexo.

b) títulos de livros e de periódicos. vide).4. Caso seja necessário fragmentá-la em mais de uma linha. d) letras ou palavras que mereçam destaque ou ênfase quando não seja possível dar esse realce pela redação. c) expressões de referência (ver. é permitido o uso de uma entrelinha maior que comporta seus elementos (expoentes. por falta de espaço. f) títulos de capítulos (neste caso não se usa itálico ou sublinhado). ora de outro para o mesmo tipo de expressões. zoologia e paleontologia (neste caso não se usa negrito).10 EQUAÇÕES E FÓRMULAS Devem aparecer bem destacadas no texto de modo a facilitar sua leitura. É empregado para: a) palavras e frases em língua estrangeira. Na seqüência normal do texto. evitando-se o uso ora de um. Quando destacadas do parágrafo são centralizadas e numeradas. 4. GRIFO OU ITÁLICOS O uso de negrito.9 NEGRITO. e) nomes de espécies em botânica. grifo/sublinhado ou itálico deve ser estabelecido no início da digitação e ser aplicado coerente e uniformemente. índices). .

Quando houver várias equações e fórmulas. d) evitar frases iniciando com números. devem ser feitas da seguinte forma: EQUAÇÃO 1.. subtração. . e foram analisadas cerca de duzentas amostras. no texto. mas se for imprescindível.23 devem ser interrompidas antes do sinal de igualdade ou depois dos sinais de adição.T.I (1) Fórmulas simples podem aparecer no próprio texto. escrevê-los por extenso. quando enunciadas isoladamente como metro. Exemplo: “Os 21 funcionários foram acompanhados durante 60 dias. Exemplo: CUSTO DE ARMAZENAGEM CA = Q/2 . As chamadas às equações e fórmulas. sem necessidade de numeração. apenas quando não for atribuída precisão ao enunciado. FÓRMULA 2.” b) escrever por extenso número expressos em uma só palavra. obedecendo às seguintes normas: a) preferir sempre o uso de algarismos nos textos. SÍMBOLOS E UNIDADE DE MEDIDA Deve ser coerente e padronizada. multiplicação e divisão. 4.11 NÚMEROS. grama.5 milhões). a cada 21 dias. milímetro. como: “.. colocados entre parênteses. na extrema direita da linha. e) escrever por extenso as unidades padronizadas de pesos e medidas.P.”. devem ser identificadas por números consecutivos.. c) expressar em números e palavras as unidades acima de mil (2....

12 ESTILO O estilo para escrever envolve: a) objetividade . nem todos.Na linguagem científica.recomenda-se a expressão impessoal. procurou-se mensurar o nível de . 4. possivelmente.24 f) deixar um espaço entre o valor numérico e a unidade (3 cm). talvez. nem expressões como provavelmente. modo ou lugar.. g) deixar um espaço entre os símbolos. c) precisão . os assuntos precisam ser tratados de maneira direta e simples. grande. evitando-se o uso da primeira pessoa. igualmente. recentemente. b) clareza . muito deles. quando um ou mais são combinados (15º 10’ 25”). Expressões como todos. d) conjugação verbal . tais como médio. com lógica e continuidade no desenvolvimento das idéias. sendo melhor indicar cerca de 60%.. pequeno. tais como: aproximadamente. não deve ser adotada a forma o autor ou o escritor em expressões como: o autor descreve ou o autor conclui que.evite o uso de adjetivos que não indiquem claramente a proporção dos objetos mencionados. Não use advérbios que não expliquem exatamente o tempo..uma redação é clara quando as idéias são expressas sem dupla interpretação daquilo que se quer realmente dizer. que deixam margem a dúvidas sobre a lógica da argumentação ou clareza das hipóteses. tanto do plural como do singular. Ex:.

pontuação. 4. e) abreviaturas e siglas . As citações podem aparecer no texto ou em notas de rodapé. de informação colhida de outra fonte. para esclarecimento do assunto em discussão ou para ilustrar ou sustentar o que se afirma.1 Citação Direta É a transcrição literal de um texto ou parte dele. devem ser apresentadas em listas. As citações podem ser diretas ou indiretas. com seu enunciado por extenso.. sejam obtidas de documentos ou de canais informais. antes do texto. uso de maiúsculas e idioma.25 comprometimento dos funcionários(..). conservando-se a grafia.13. Abreviaturas e siglas. indicando entre parênteses a forma abreviada. 4. . Quando mencionadas pela primeira vez no texto.apenas abreviaturas essenciais deverão ser usadas.13 CITAÇÕES (NBR 10520) É a menção no texto. escrever sempre por extenso.

as demandas de condicionamentos econômicos e as prioridades emanam de formulações políticas. estas serão substituídas pelo apóstrofo ou aspas simples. consulte seu orientador (.13. p. Exemplo: “Para ultrapassar suas limitações individuais.2 Citação com mais de três linhas Deve aparecer em parágrafo distinto. Parte do texto pode ser omitido fazendo-se uso de reticências entre parênteses. no texto. p. (BRITO. terminando na margem direita. p. por sobrenome e data de publicação (.. as pessoas se agrupam para formar organizações. p. com recuo de 4 cm da margem esquerda.40). (CHIAVENATO.1. no sentido de alcançar objetivos comuns”. e propriedades provêm de preferências quantitativas ou qualitativas do governo. 1991.63) ou conforme Chiavenato (1985.) os orientadores em geral recomendam a citação de autores.).. De qualquer forma.. Exemplo: "(. dentro de uma escala hierárquica estabelecida (.13. deixando-se espaço simples entre as linhas e um espaço duplo entre a citação e os parágrafos anterior e posterior com letra menor que a do texto.60). demandas constituem a procura exteriorizada de bens e serviços em certos setores do todo comunitário. no caso do texto original já ter aspas. .. 1985.63). entre aspas duplas.26 4..)" (VIEIRA.1 Citação de até três linhas Deve ser inserida no parágrafo. 1986. Deve ser apresentada sem aspas.) as necessidades surgem de percepções sociológicas..1.. Exemplo: As necessidades são carências sentidas e valorizadas coletivamente num determinado momento social. antes de começar a escrever.. 4.

¹ MARINHO. Petrópolis. manutenção do sistema interno. São Paulo: Atlas.1. apud MARCONI & LAKATOS 1982. de acordo com Dias (1999). em outro trabalho. ou seja. ou segundo Argyris (1985 apud CHIAVENATO. citado por Chiavenato (1986. recomenda-se que a referência bibliográfica seja feita em nota de rodapé. Após o texto da citação cita-se o sobrenome do autor em letras maiúsculas e minúsculas seguido do ano da publicação entre parênteses. Somente o autor da obra consultada é mencionado nas referências bibliográficas. .2 Citação Indireta É utilizada quando a idéia do autor é reformulada empregando-se outras palavras. M. A pesquisa em ciência humana. 24. Vozes apud MARCONI. p. seguido da expressão “citado por” ou “apud” e do nome do autor da obra consultada. Técnicas de pesquisa p. simplifica e facilita a maneira de conduzir a investigação.. adaptação ao ambiente externo. LAKATOS..3 Citação da citação É a menção a um documento ao qual não se teve acesso. apresenta a formulação do problema como uma fase de pesquisa que. Exemplo: Segundo Argyris.31). E. 1986. mas do qual se tomou conhecimento apenas por ocasião. P. sendo bem delimitada. quando a idéia é reconstruída pelo leitor.13. M. Exemplo: Marinho¹ (1980. p. 4. A indicação é feita pelo nome do autor original.27 4. Também. Exemplo: .3l) a eficácia organizacional depende de três espécies de atividades: alcance de objetivos. 1980. p.13. 1982.24). A.

p. 4.)”(ARRIGO. b) havendo até 3 autores. Exemplo: de acordo com Maranhão (1996) e.. c) mais de 3 autores são indicados pelo sobrenome do primeiro. no texto. seguido da expressão “et alii” (abrevia-se “et al”) ou “e outros”. e. Exemplo: Segundo Marconi e Lakatos (1999). Exemplo: “(.29). todos têm seu sobrenome grafado em maiúsculas e minúsculas.. na primeira vez que aparecerem no texto.28 4. Exemplo: Quirck et al afirmam que (. Exemplo:. 1990. seguido da data de .14 INDICAÇÃO DAS FONTES CITADAS Para a indicação das fontes deve-se considerar algumas regras gerais: a) o sobrenome do autor citado é transcrito em letras maiúsculas e minúsculas. da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná (doravante citada como SEAB).. devem ser em letras maiúsculas.). (MARKONI e LAKATOS...14. são encontrados dados referentes (. devem ser em letras maiúsculas. 1999). d) entidades coletivas podem ser citadas por suas siglas. desde que tenham sido mencionadas por extenso.1 Sistema Alfabético O sobrenome do autor é mencionado em letras maiúsculas. quando estiverem entre parênteses.)... Exemplo: Na obra Perspectiva de Abastecimento. quando estiverem entre parênteses..

p. acrescentar ao ano. Exemplo: (SOUZA.14. . 1979a. 1979. acrescentam-se as iniciais de seus prenomes. 1979.47). Havendo dois autores com o mesmo sobrenome e mesma data. em ordem crescente e consecutivamente em um mesmo capítulo ou artigo. 1966. letras minúsculas em ordem alfabética. ou seção. Titulação. (1) ou [1] ou No rodapé: (1) ou [1] ou 1 1 ALVES. 1979. (SILVA. Curitiba.. Exemplo: (SILVA. Quando houver várias obras de um mesmo autor. entre parênteses. 4. entre colchetes ou sobrescrito. após a citação. (ALVES. Exemplo: (ALVES.6. os números no rodapé correspondem à fonte citada no texto. M.R. p. 27). são diferenciadas pelas datas de publicação. Quando houver coincidência de datas. Exemplo: No texto: Alves descreve (. cap. 1979b.A. As citações são numeradas no texto. 2). cap. página. p. J.) total. p. J.2)..C. imediatamente após a citação. de onde foi retirada.2 Sistema Numérico A fonte é indicada em nota de rodapé.29 publicação da obra citada. Os números são citados no texto entre parênteses. 27).

grau pretendido e outros).se houver. dissertação. Direito Maiúsculo 12 Local e data Central Maiúsculo em negrito 12 QUADRO 1 – ESQUEMA PARA FOLHA DE ROSTO Elemento obrigatório devendo conter: a) nome do autor . g) ano de depósito (da entrega). área de concentração. d) natureza (tese. precedido de dois-pontos.1 FOLHA DE ROSTO CÓDIGO LOCAL TIPO DE LETRA TAMANHO DE LETRA Autor Central Maiúsculo em negrito 12 Título Central Maiúsculo em negrito 12 Observações Direito Minúsculo 12 Orientador/prof. identificando o seu conteúdo e possibilitando a indexação e recuperação da informação. . e) nome do orientador e. f) local (cidade) da instituição onde deve ser apresentado. b) título principal do trabalho . nome da instituição a que é submetido.30 5 PRÉ-TEXTO 5.deve ser claro e preciso.responsável intelectual do trabalho. trabalho de conclusão de curso e outros) e objetivo (aprovação em disciplina. do co-orientador. c) subtítulo . se houver. deve ser evidenciada a sua subordinação ao título principal.

Departamento de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e Missões .RS MÊS/200X FIGURA 1 . Espacejamento simples entre linhas SANTIAGO .URI Campus Santiago.FOLHA DE ROSTO DE TRABALHO ACADÊMICO .31 2 espaços (Espacejamento entre linhas duplo) NOME DO ALUNO 7 espaços RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA ÁREA DE CONTABILIDADE GERENCIAL REALIZADO NA EMPRESA “XYZ LTDA” Relatório de Estágio apresentado como requisito para obtenção do título de Bacharel em Administração/Ciências Contábeis no Curso de Administração/Ciências Contábeis. ORIENTADOR: XXX YYYY ZZZZZ.

nome da instituição a que é submetido. natureza. nome. objetivo.2 FOLHA DE APROVAÇÃO Elemento obrigatório. o termo de aprovação é constituído pelo nome do autor do trabalho. 5.4 AGRADECIMENTOS Deve ser dirigido àqueles que contribuíram de maneira relevante à elaboração do trabalho. colocado após a dedicatória.3 DEDICATÓRIA Página opcional onde o autor presta uma homenagem ou dedica seu trabalho. . título do trabalho e subtítulo (se houver). área de concentração. A data de aprovação e assinaturas. restringindo-se ao mínimo necessário.32 5. dos membros componentes da banca examinadora. É feita em espacejamento simples e localiza-se à margem direita na parte inferior da página. colocado logo após a folha de rosto. data de aprovação. titulação e assinatura dos componentes da banca examinadora e instituições a que pertencem. O título é centralizado obedecendo às normas da ABNT. é colocada após a aprovação do trabalho. após a folha de aprovação. ANEXO B. 5.

Na elaboração do resumo. os resultados e as conclusões do trabalho. d) expressar na primeira frase do resumo o assunto tratado. sendo realizado após elaboração do texto. caso o título do trabalho não seja suficientemente explícito. 5. c) redigir com frases completas e não com seqüência de títulos. domínio de aplicação e grau de exatidão o princípio básico de novos métodos. os métodos. escritas em minúsculo. após um espaço. os nomes geográficos. b) redigir em um único parágrafo. e página distinta. deve-se observar: a) escrever no idioma do texto. o país ou a região de circunscrição. EM ESPAÇO SIMPLES. f) citar com rigor. g) mencionar sempre.5 RESUMO É a apresentação concisa dos pontos relevantes de um texto. três palavras-chaves. ANEXO D. e) ressaltar os objetivos. i) destacar ao final do resumo.33 5. h) elaborar o resumo de 100 a 250 palavras no máximo. gráficos) devem ser relacionadas em lista à .6 LISTA DE ILUSTRAÇÕES As ilustrações (quadros. destacando os aspectos de maior interesse e importância. figuras.

. na mesma ordem em que são citadas no texto.. organogramas. 48 5..... plantas..GRAU DE INSTRUÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS..... Exemplo: TABELA 01 ..... Exemplo: FIGURA 01 – ORGANOGRAMA DA EMPRESA .. 10 FIGURA 03 – FLUXOGRAMA DA EMPRESA ....... acompanhadas de seu respectivo significado.......8 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS Devem ser relacionadas em ordem alfabética.......... Quando necessário........... na mesma ordem em que são citadas no texto........................... devendo constar número.. 15 5........................................... devendo constar número.......................Entidade Civil do Universo Pesquisado ........ fotografias.. esquemas... em lista à parte.............. quadros. 12 GRÁFICO 01 – DESEMPENHO DE VENDAS DA EMPRESA .............................. fluxogramas... 09 QUADRO 01 – ESQUEMA PARA O SUMÁRIO .. Exemplo: ABC – Activity Based Cost CNPq ................ 45 TABELA 02 ....... recomenda-se a elaboração de lista própria para cada tipo de ilustração (desenhos........... legenda e página.Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e da Tecnologia ECU ...... gráficos.............7 LISTA DE TABELAS As tabelas devem ser relacionadas em lista à parte.........NÚMERO DE FUNCIONÁRIOS POR SETOR..34 parte... mapas......................................... retratos e outros)........... legenda e página....

10 SUMÁRIO Elemento obrigatório. Exemplo: ANEXO A – FOTOGRAFIAS DA ÁREA INDUSTRIAL ANEXO B – MODELO DE TERMO ANEXO C – QUESTIONÁRIO APLICADO 5.9 LISTA DE ANEXOS Devem ser relacionados em ordem alfabética. conforme NBR 6027. devendo constar letra. na mesma ordem em que são citados no texto.35 5. em cada um deve constar o sumário completo do trabalho. Havendo mais de um volume. legenda e página. em lista à parte. cujas partes são acompanhadas do (s) respectivo (s) número (s) da (s) página (s). NÚMERO DE DÍGITOS DO SUMÁRIO MARGEM TIPO TAMANHO Sumário com 1 digito Sumário com 2 dígitos Sumário com 3 ou mais dígitos Esquerdo Esquerdo Esquerdo Maiúsculo / negrito Maiúsculo Minúsculo 12 12 12 QUADRO 2 – ESQUEMA PARA O SUMÁRIO .

36

EXEMPLO DE SUMÁRIO PARA RELATÓRIO DE ESTÁGIO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS SUMÁRIO (na margem superior e centralizado) 2 espaços LISTAS DE ABREVIATURAS E SIGLAS..................................................... LISTAS DE ANEXOS ...................................................................................... LISTAS DE ILUSTRAÇÕES........................................................................... LISTAS DE TABELAS .................................................................................... RESUMO............................................................................................................ 1 INTRODUÇÃO............................................................................................... 1.1 IDENTIFICAÇÃO DA SITUAÇÃO REAL................................................. 1.2 DELIMITAÇÃO DO ASSUNTO................................................................. 1.3 OBJETIVOS.................................................................................................. 1.4 JUSTIFICATIVA.......................................................................................... 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA................................................................. 3 METODOLOGIA .......................................................................................... 4 ANÁLISES DOS RESULTADOS ................................................................ 5 CONCLUSÕES, PROPOSTAS E SUGESTÕES........................................ REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS............................................................ ANEXOS............................................................................................................ 3 4 5 6 7 8 9 10 10 11 18 28 30 45 46 47

37

EXEMPLO DE SUMÁRIO PARA RELATÓRIO DE ESTÁGIO DE ADMINISTRAÇÃO SUMÁRIO 2 espaços LISTAS DE ABREVIATURAS E SIGLAS..................................................... LISTAS DE ANEXOS....................................................................................... LISTAS DE ILUSTRAÇÕES........................................................................... LISTAS DE TABELAS..................................................................................... RESUMO............................................................................................................ 1 INTRODUÇÃO............................................................................................... 1.1 SITUAÇÃO PROBLEMÁTICA.................................................................... 1.2 OBJETIVOS................................................................................................... 1.3 JUSTIFICATIVA........................................................................................... 2 CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO E SEU AMBIENTE.......... 2.1 A ORGANIZAÇÃO E SUAS ÁREAS.......................................................... 2.2 AMBIENTE GERAL OU MACROAMBIENTE.......................................... 2.3 AMBIENTE DE TAREFA OU MICROAMBIENTE................................... 3 REVISÃO DA LITERATURA...................................................................... 4 METODOLOGIA .......................................................................................... 5 ANÁLISES DOS RESULTADOS ................................................................. 6 PROPOSTAS E SUGESTÕES...................................................................... 7 CONCLUSÕES............................................................................................... REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS............................................................. ANEXOS............................................................................................................. 3 4 5 6 7 8 8 9 10 11 14 11 12 18 28 30 45 48 49 57

38

6 ELEMENTOS TEXTUAIS

6.1 INTRODUÇÃO

Esta parte contém a caracterização da organização e seu ambiente, o relato da situação problemática que deu origem ao projeto, de seus objetivos e de sua justificativa. É importante salientar alterações que possam ter acontecido no decorrer do trabalho, fazendo as justificativas cabíveis. A introdução deve ter uma seqüência de texto que se identifique uma introdução, um desenvolvimento e uma conclusão, isto é, um texto completo.

6.2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

Elemento essencial em trabalhos acadêmicos e também em relatórios de estágio, devendo: a) fazer referência a trabalhos anteriormente publicados, situando a evolução do assunto; b) limitar a revisão às contribuições mais importantes diretamente ligadas ao assunto; c) mencionar o nome dos autores, no texto ou em notas e, obrigatoriamente, nas referências bibliográficas.

Por esta razão o título do capítulo. . nesta seção. “Organização e Avaliação de Cargos”. técnicas utilizadas. mencionando os instrumentos utilizados para a referida coleta de dados. materiais.3 METODOLOGIA Neste capítulo deve-se levar em consideração os seguintes aspectos: a) descrição precisa dos métodos. O relato inclui quaisquer desvios em relação ao projeto inicial. o conteúdo deste capítulo será provavelmente muito mais específico ao tema em questão do que na fase do projeto inicial. permitindo a repetição do experimento ou estudo com a mesma exatidão por outros pesquisadores. No relatório. 6. b) às técnicas e aos métodos já conhecidos pode-se fazer apenas referência e não descrição. neste caso. Deve ser relatado como executado o plano de trabalho e o plano de coleta de dados. será descrito o que de fato foi realizado no estágio. tendo em vista dificuldades de acesso aos dados ou tempo para concluir o planejamento. pode dirigir-se diretamente ao assunto como. em vez de “Revisão de Literatura”. o autor do trabalho já tem condições de selecionar melhor as obras e os autores que fundamentam seu trabalho. Assim. é suficiente a citação de seu autor.39 Após passar pela experiência prática.

Deve ser breve e basear-se em dados comprovados. cabe analisar os resultados à luz de modelos teóricos sobre o tema. São as considerações finais. Os resultados podem ser comparados com outros projetos ou situações. a qual deverá orientar a descrição da análise. a análise identifica a problemática existente. sua descrição e análise dos resultados. 6. Deve ser breve e basear-se em dados comprovados.4 ANÁLISE DOS RESULTADOS Neste capítulo procede-se a apresentação dos dados levantados. As sugestões são a contribuição do trabalho à organização. buscando responder as indagações da situação. Em alguns casos.40 6. PROPOSTAS E SUGESTÕES Trata-se do capítulo final do trabalho. Pode conter a indicação de problemas dignos de novos estudos. quando for o caso. bem como seu possível mérito. além de recomendações. Normalmente a coleta foi realizada visando a um propósito. ressaltando o alcance e as conseqüências de suas contribuições para o estagiário e para a empresa. A descrição possibilita identificar com clareza a situação existente na empresa.5 CONCLUSÕES. é a recapitulação sintética dos resultados do trabalho. O capítulo pode iniciar com uma breve exposição do método de análise utilizado. .

resenhas. c) a lista bibliográfica apresentada ao final do texto pode ser alfabética. com as referências numeradas consecutivamente em algarismos arábicos.41 7 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS 7. sistemática (por assunto) ou cronológica. não mencionadas no texto. em espaço simples e separadas entre si por espaço duplo. e) título de várias edições de uma mesma obra. seguido de espaço.1 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS – NBR 6023 É o conjunto de elementos que permite a identificação de documentos impressos ou registrados em qualquer suporte físico. sendo substituída por um travessão equivalente a cinco espaços. sob o título de "Bibliografia complementar" ou "Obras consultadas". periódicos e materiais audiovisuais. listas bibliográficas e tecendo resumos. é . Podem aparecer em notas de rodapé. d) não se repete a mesma entrada (autor ou título). Outras publicações. no fim de texto ou capítulo. poderão ser relacionadas após as referências bibliográficas. tais como: livros. referenciadas sucessivamente. b) os vários elementos da referência são separados por ponto. Devem seguir as seguintes normas: a) as referências são alinhadas somente à margem esquerda e de forma a se identificar individualmente cada elemento.

1.1 Monografia no todo Inclui livro e/ou folheto (manual. com exclusão de artigos (definidos e indefinidos) e palavras monossilábicas. F. dicionário. também equivalente a cinco espaços. edição. g) as referências constantes em uma lista padronizada devem obedecer aos mesmos princípios. 7. mantendo-se as pontuações adequadas. prenomes. já destacado pelo uso de letras maiúsculas na primeira palavra. G. cujo elemento de entrada é o próprio título. Ao optar pela utilização de elementos complementares. Os elementos essenciais são: SOBRENOME do autor (es). Isto não se aplica às obras sem indicação de autoria. catálogo.1. grifo ou itálico) para destacar o elemento título deve ser uniforme em todas as referências de um mesmo documento. F. Exemplo: GOMES. acrescentam-se elementos complementares à referência para . guia. dissertações. Niterói: EDUFF. Título. Quando necessário. Novela e sociedade no Brasil. ou de responsabilidade. f) o recurso tipográfico (negrito.42 substituído a partir da segunda referência. estes devem ser incluídos em todas as referências daquela lista. enciclopédia. 1998.1. entre outros). etc) e trabalhos acadêmicos (teses. Local: editora.1 Ordem dos elementos 7. L. por um segundo travessão. data de publicação.

Novela e sociedade o Brasil. Apresentado entre os sinais < >. ISBN 85-7285-026-0. As referências devem obedecer aos padrões indicados para os documentos monográficos no todo. (S.1. online etc.43 melhor identificar o documento. (Coleção Antropologia e Ciência Política.2 Monografia no todo em meio eletrônico Inclui os mesmos tipos indicados em 7. l998. precedida da expressão Acesso em:. 2000. 137 p.). 317 p. Exemplo: KOOGAN. 1994.). Enciclopédia e dicionário digital 98. F.1. Exemplo: GOMES. Navio negreiro. HOUAISS. Niterói: EDUFF. 131-132. Disponível em: . Quando se tratar de obras consultadas online. acrescidas das informações relativas à descrição física do meio eletrônico. também são essenciais as informações sobre o endereço eletrônico. André. Bibliografia: p. ISBN 85-228-0268-8. precedido da expressão disponível em: e a data de acesso ao documento. Direção geral de André Koogan Breikmam. 15). opcionalmente acrescida dos dados referentes a hora. 1998. São Paulo: FUNDAP. Exemplo: ALVES. minutos e segundos. 5 CD-ROM. São Paulo: Delta Estadão.Não se recomenda referenciar material eletrônico de curta duração nas redes. 21 cm. em meio eletrônico (disquetes. 7. NOTA. 6. G. PERFIL da administração pública paulista. ed. Inclui índice.1.): Virtual Books. CDROM.1. F. Antonio (Ed. Castro. L.1.

G. 3. 16:30:30. No final da referência. SANTOS.). G.terra.. 1996. volume. título da parte. In: LEVI. SCHIMIDT. R.44 http://www. Os elementos essenciais são: autor(es).com. História do Amapá. Exemplos: ROMANO. História dos jovens 2. Acesso em 10 jan. J. In: grau. seguidos da expressão “In”. cap. 2. Exemplos: ROMANO. Giovanni. p. dos. F.ed. Giovanni. Imagens da juventude na era moderna. 1º Quando necessário.).htm. 15-14. SANTOS.br/virtualbooks/freebook/port/Lport2/navionegreiro. J. Imagens da juventude na era moderna. 2. Macapá: Valcan. (Org. acrescentam-se elementos complementares à referência para melhor identificar o documento. Macapá: Valcan. 7-16. e da referência completa da monografia no todo. 1º . deve-se informar a paginação ou outra forma de individualizar a parte referenciada. (Org. 1996. .3 Parte de monografia Inclui capítulo. p. . cap. In: grau. In: LEVI. F. R. 1994. A colonização da terra do Tucujús. 3. 7-16. SCHIMIDT. A colonização da terra do Tucujús. 7. com autor(es) e/ou título próprios. 1994. dos. p. São Paulo: Companhia das Letras.ed.1. 2002.1. História dos jovens 2. fragmento e outras partes de uma obra. História do Amapá. a época contemporânea.. São Paulo: Companhia das Letras.

Os elementos essenciais são o título. c1998. Secretaria do Meio Ambiente. Publicação periódica Inclui a coleção como um todo.1. 1. editoriais.2). Disponível em: http://www. na íntegra.1. In: DICIONÁRIO da língua portuguesa. São Paulo.4 Parte de monografia em meio eletrônico As referências devem obedecer aos padrões indicados para partes de monografias.htm. fascículo ou número de revista. Acesso em: 8 mar. online.br/sma/entendendo/atual. Acesso em: 8 mar. 1998. In: . datas de início e . seções. SÃO PAULO (Estado). acrescidas das informações relativas à descrição física do meio eletrônico (disquetes. editora. Tratados e organizações ambientais em matéria de meio ambiente. reportagens etc.1. Exemplos: MORFOLOGIA dos artrópodes.bdt.org.a referência de toda a coleção de um título de periódico é utilizada em listas de referências e catálogos de obras preparados por livreiros. Entendendo o meio ambiente. Quando se tratar de obras consultadas online. (S.1. 1999. número de jornal.). volume ou fascículo de periódico (artigos científicos de revistas.45 7.): Planeta de Agostini. POLÍTICA.5. 1999.). bibliotecas ou editoras.I. v.priberam. 1999. proceder-se-á conforme 7.1. e a matéria existente em um número. CDROM. local de publicação. Disponível em : http://www. Lisboa: Priberam Informática. caderno etc. In: ENCICLOPÉDIA multimídia dos seres vivos. CD-ROM 9. etc. Publicação periódica como um todo . 7.1. matérias jornalísticas.pt/dlDLPO.

Os elementos essenciais são título da publicação. Exemplos: REVISTA BRASILEIRA DE GEOGRAFIA. local de publicação. 1941-. SÃO PAULO MEDICAL JOURNAL. 148 28 jun. Exemplo: DINHEIRO: revista semanal de negócios. n. local de publicação. Rio de Janeiro: IBGE. Trimestral. Índice acumulado. n. 28 jun. Trimestral. 148. Exemplos: . 2000. comunicações. Rio de Janeiro: IBGE. título da publicação. 98 p. ISSN 0034-723X. Três. Absorveu Boletim Geográfico do IBGE. artigo ou matéria. São Paulo: Ed. Exemplo: DINHEIRO. boletim . título da parte. editora. paginação inicial e final. números especiais e suplementos. ISSN 0035-00362. editorial. 1939-1983. Exemplo: REVISTA BRASILEIRA DE GEOGRAFIA. informações de períodos e datas de sua publicação. com título próprio). quando se tratar de artigo ou matéria. numeração correspondente ao volume e/ou ano. acrescentam-se elementos complementares à referência para melhor identificar o documento. 1939-. 2000. fascículo. Três.inclui partes de publicações periódicas (volumes. se houver. Bimensal. 1939. numeração do ano e/ou volume. entre outros. reportagens. fascículo ou número. Artigo e/ou matéria de revista.inclui volume. entrevistas. números especiais e suplementos. São Paulo: Ed. data ou intervalo de publicação e particularidades que identificam a parte (se houver). Os elementos essenciais são autor (es). 1943-1978. Quando necessário. São Paulo: Associação Paulista de Medicina. acrescentam-se elementos complementares à referência para melhor identificar o documento. boletim etc . fascículos. Quando necessário. resenhas e outros. sem título próprio. Rio de Janeiro: IBGE. BOLETIM GEOGRÁFICO. recensões. numeração do fascículo.46 de encerramento da publicação. Partes de revista.

LOPES. set. Edição especial. Disponível em: http://www. boletim etc. reportagens. M. Artigo e/ou matéria de jornal . CDROM.brazilnet. n. Quando necessário. Os elementos essenciais são: autor (es) (se houver). Política e Administração. Seção Ponto de Vista. acrescentam-se elementos complementares à referência para melhor identificar o documento. V. Acesso em: 28 nov. M.htm.br/contexts/brasilrevistas.). data de publicação. p. em meio eletrônico . 1 CD-ROM. caderno ou parte do jornal e a paginação correspondente. online etc. recensões. n. editorial. 1984. p. Net. 1983. 12. Rio de Janeiro. A queda do cometa. título. 3. n. 1998. resenhas e outros. título do jornal. v. GURGEL. Acrescidas das informações relativas à descrição física do meio eletrônico (disquetes.1.1.inclui comunicações. R. Artigo e/ou matéria de revista. C. v. 1998. À margem da lei: o Programa Comunidade Solidária. entrevistas. 2. inverno 1994. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. Conjuntura Econômica. caderno ou parte. Rio de Janeiro. nov. L. Suplemento. Em Pauta: revista da Faculdade de Serviço Social da UERJ. set. 7. Rio de Janeiro. Marcelo. proceder-se-á conforme 7. boletim etc. Rio de Janeiro. 38. Cássio Leite. 1998.com. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. a paginação do artigo ou matéria . Neo Interativa.2). seção. MÃO-DE-OBRA e previdência. v. 2.as referências devem obedecer aos padrões indicados para artigo e/ou matéria de revista. 131-148. 9. local de publicação. n. 1997. 15-21. Exemplos: VIEIRA. Crimes da era digital. SILVA.47 As 500 maiores empresas do Brasil. Quando se tratar de obras consultadas online. Quando não houver seção. Reforma do Estado e segurança pública. Exemplo: COSTA.

Folha Turismo. Paulo. 28 de jun. Os elementos essenciais são nome do evento.1. NAVES.). ano e local (cidade) de realização. 7. 1998. 1998. ano 1. Artigo e/ou matéria de jornal em meio eletrônico .providafamilia. 1997. Exemplo: PAIVA. resultados. online etc.as referências devem obedecer aos padrões indicados para artigo e/ou matéria de jornal. Lagos andinos dão banho de beleza. n. proceder-se-á conforme 7. proceedings. entre outras denominações).htm. Fortaleza. anais. Jornal do Brasil. p. CD-ROM. O Estado de S. 2002. Acesso em: 19 set.org/pena_morte_nascituro. Trincheira musical: músico dá lições de cidadania em forma de samba para crianças e adolescentes. ARRANJO tributário. . Exemplos: SILVA.1. nov. atas. acrescidas das informações relativas à descrição física do meio eletrônico (disquetes. 8. São Paulo. Rio de Janeiro. 1. U. p.6 Evento como um todo Inclui o conjunto dos documentos reunidos num produto final do próprio evento (atas. Paulo. Pena de morte para o nascituro. Diário do Nordeste Online. p. R.diariodonordeste. 13. numeração (se houver). Ives Gandra da. Exemplos: COSTURA x P. 2. Quando necessário. São Paulo.1. 19 set.1. 12 jan. Quando se tratar de obras consultadas online. 27 nov. Anabela. 1998. Em seguida.br. Disponível em: http://www. 1999. Folha de S. 1998.2). Aldus. Caderno 8.48 precede a data. acrescentam-se elementos complementares à referência para melhor identificar o documento. Acesso em: 28 nov. deve-se mencionar o título do documento (anais. São Paulo. Encarte técnico.com. P. Disponível em: http://www.

1. editora. Valencia: Instituto de Agroquímica y Tecnologia de Alimentos. 1997.htm. 4. Poços de Caldas. ano e local (cidade) de realização. Exemplo: CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UFPe. numeração do evento (se houver). título do documento (anais. tópico temático etc..1. título do trabalho apresentado. 1997. acrescentam-se elementos complementares à referência para melhor identificar o documento. atas. 1984. seguido da expressão In:.. 20.1. Valencia.). editora e data de publicação. Quando se tratar de obras consultadas online. 1984. Química: academia. Quando necessário.propesq.7 Trabalho apresentado em evento Inclui trabalhos apresentados em evento (parte do evento). Recife: UFPe. Anais eletrônicos.. 1997.br/ anais. online etc. Os elementos essenciais são autor (es). São Paulo: Sociedade Brasileira de Química..2).1. Disponível em: http://www. livro de resumos. nome do evento.). data de publicação e página inicial e final da parte referenciada. 1996. Evento como um todo em meio eletrônico . 7. Acesso em: 21 jan. Recife.6. indústria.. local. Exemplo: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE QUÍMICA.as referências devem obedecer aos padrões indicados para evento como um todo. sociedade.).ufpe. seguido dos dados de local de publicação. CD-ROM. 1996. proceder-se-á conforme 7. Exemplos: . de acordo com 7.49 tópico temático etc. Proceedings.1. acrescidas das informações relativas à descrição física do meio eletrônico (disquetes.1. Exemplo: IUFOST INTERNATIONAL SYMPOSIUM ON CHEMICAL CHANGES DURING FOOD PROCESSING.

. 1994.. A. 1994. 1996. CD-ROM. R.. M.. 1996. Alterações qualitativas da matéria orgânica e os fatores determinantes da sua estabilidade num solo podzólico vermelho-escuro em diferentes sistemas de manejo.7..br/anais/anais/educ/ce04.. acrescidas das informações relativas à descrição física do meio eletrônico (disquetes. 1994. Exemplo: MARTINS NETO. Anais.2). Resumos. R. N. 26. J. 16-29. UFPe. de acordo com 7. Disponível em: http://www. ref. 1997. J. In: SEMINÁRIO DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo. Recife. p. 1994.. 1998. 10.. Rio de Janeiro. 3-4. A educação à distância e a biblioteca universitária..50 BRAYNER. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA DO SOLO. A..propesq. Petrolina: EMBRAPA. 21. A. acrescentam-se elementos complementares à referência para melhor identificar o documento. 443. Acesso em: 21 jan. Fortaleza: Tec Treina. R. online etc. 1997.. 1 CD-ROM. Quando necessário. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE BANCO DE DADOS. B. Influência da correção e do preparo do solo sobre algumas propriedades químicas do solo cultivado com bananeiras.1. Recife.1. proceder-se-á conforme 7.. In: CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UFPe. C. 9. Anais. C... R.ufpe. REZENDE. OLIVEIRA. Exemplos: GUNCHO. L.. p. S.1. São Paulo: USP. Fortaleza.1. In: REUNIÃO BRASILEIRA DE FERTILIDADE DO SOLO E NUTRIÇÃO DE PLANTAS. Anais. 1997. MEDEIROS. 1998.as referências devem obedecer aos padrões indicados para trabalhos apresentados em evento. São Paulo. Petrolina. O.. 6-141... L. SOUZA. BAYER. 4.. MIELNICZUK. L. Trabalho apresentado em evento em meio eletrônico . Os limites pedagógicos do paradigma da qualidade total na educação.. SILVA. . Quando se tratar de obras consultadas online. Incorporação do tempo em SGBD orientado a objetos.. p. Anais eletrônicos.htm. CPATSA. BORGES.

son. CENTRAL do Brasil. 1 videocassete. Riofilme. ilustração. 1DVD (117 min). local. widescreen.1. color. DVD. 1 videocassete (30 min)..8 Imagem em movimento Inclui filmes. 1983. João Emanuel Carneiro e Walter Salles Júnior. 35 mm. Matheus Nachtergaele e outros.): Le Studio Canal. BLADE Runner.. Edward James Olmos e outros. Produção de Jorge Ramos de Andrade. 1 bobina cinematográfica (106 min).I. color. Intérpretes: Fernanda Montenegro. produtora. material estereográfico. Baseado na novela “Do androids dream of electric sheep?” de Philip K. Dick. Produção: Michael Deeley. Quando necessário. São Paulo: CERAVI.1. Coordenação de Maria Izabel Azevedo. transparência. Música: Vangelis.9 Documento iconográfico Inclui pintura. acrescentam-se elementos complementares à referência para melhor identificar o documento. MACT Productions. Produzido por Warner Vídeo Home. c1991. entre outros. gravura. diapositivo. VHS.1. produtor. 1998. (S. Othon Bastos. Intérpretes: Harrison Ford. data e especificação do suporte em unidades físicas. cartaz entre outros. Vinícius de Oliveira. Roteiro: Hampton Fancher e David Peoples. desenho técnico. Exemplos: OS PERIGOS do uso de tóxicos. Os elementos essenciais são título. 1983. Direção: Walter Salles Júnior. Marília Pera.51 7. . Direção: Ridley Scott. fotografia. Sean Young. Sônia Lira. Exemplo: OS PERIGOS do uso de tóxicos. dia filme. Produção de Jorge Ramos de Andrade. Rutger Hauer.. Produção: Martire de ClermontTonnerre e Arthur Cohn. videocassetes. Los Angeles: Warner Brothers. São Paulo: CERAVI. 7. Roteiro: Marcos Bernstein. color. diretor.1. son.

FRAIPONT. O Estado de S. Doença dos xavantes. 5 ¹/4 pol.1.9. D2.TIFF. Documento iconográfico em meio eletrônico – as referências devem obedecer aos padrões indicados para documento iconográfico. . Exemplos: VASO. GEDDES. Paulo. Exemplos: KOBAYASHI. K. CD-ROM. 1 fotografia. Largura: 827 pixels. Acesso em: 28 out. fotografia aérea entre outros.2). de acordo com 7.1. 300 dpi. 7. Caderno 2. mapa. Doença dos xavantes.1. p. Quando se tratar de obras consultadas online. 1 disquete. Formato TIFF bitmap. color. Compactado. 1980. p&b.1.jpg. Amilcar II.5 Mb. Anne. E. 1 fotografia. acrescentam-se elementos complementares à referência para melhor identificar o documento. Foto apresentada no Projeto ABRA/Coca-cola. 32 BIT CMYK. TIFF. título (quando não existir deve-se atribuir uma denominação ou a indicação. 51 Kb. Formato JPEG. Visuais. 1999. entre colchetes). Quando necessário.52 Os elementos essenciais são autor. Altura: 432 pixels. Exemplo: KOBAYASHI. proceder-se-á conforme 7. 2000.1. As referências devem obedecer aos padrões indicados para outros tipos de documentos.). 1980. acrescidas das informações relativas à descrição física do meio eltrônico (disquetes. 3. 30 nov. K. Disponível em: <C:\Carol\VASO.1. online etc. globo. quando necessário. Geddes 135. 1999. Altura: 1083 pixels. 1998. data e especificação do suporte. Sem título. 16 cm x 56 cm. Largura: 376 pixels.10 Documento cartográfico Inclui atlas. São Paulo. 1 fotografia.

Exemplos: ATLAS Mirador Internacional. de acordo com 7. título. color. turístico e regional. Exemplos: BRASIL e parte da América do Sul: mapa político. proceder-se-á conforme 7. SP).2).000. 79 cm x 95 cm. rodoviário. online etc. local. 1 atlas. acrescidas das informações relativas à descrição física do meio eletrônico (disquetes.53 Os elementos essenciais são autor (es).11 Documento sonoro no todo Inclui disco. Exemplos: PERCENTAGEM de imigrantes em São Paulo. 1981.1. 15. Os elementos essenciais são: compositor (es) ou interprete (s). Escala indeterminável. Regiões de governo do Estado de São Paulo. Fx 28. CD (compact disc). 1 mapa. Neo Interativa.1. acrescentam-se elementos complementares à referência para melhor identificar o documento. data de publicação.000. Rio de Janeiro. 7. Documento cartográfico em meio eletrônico . Escala 1:2. São Paulo: Michalany. 1 atlas. São Paulo.000. São Paulo. 1981.). n. Projeto Lins Tupã: foto aérea. 2. INSTITUTO GEOGRÁFICO E CARTOGRÁFICO (São Paulo. 1 fotografia aérea. 1920.1. local. color. inverno 1994.. designação específica e escala. INSTITUTO GEOGRÁFICO E CARTOGRÁFICO (São Paulo. Quando necessário. 1986. n. editora. escolar.as referências devem obedecer aos padrões indicados para material cartográfico. Escala 1:35. Rio de Janeiro: Enciclopédia Britânica do Brasil. Quando se tratar de obras consultadas online. Exemplos: .600. título.1.10. CD-ROM. 1 CD-ROM. entre outros. gravadora (ou equivalente). data e especificação do suporte. 1994.1. 1 mapa.1. DVD. SP). Escalas variam. Escala 1.

p1988. S. Toque macio. 12 pol. MPB especial. acrescentam-se elementos complementares à referência para melhor identificar o documento.54 ALCIONE. Quando necessário. Direção artística: . A. p1988. Jura secreta. In: ALCIONE. São Paulo: RCA Victor. Intérprete: Alcione. A. SILVA. 1 CD. Intérprete: Simone. intérprete (s) da parte (ou faixa de gravação). Ouro e cobre. Ouro e cobre. Exemplos: COSTA. Face a face. título. deve-se informar a faixa ou outra forma de individualizar a parte referenciada.1. faixa 1. Direção artística: Miguel Propschi. 1 disco sonoro. 1 disco sonoro. p1977. c1995. São Paulo: RCA Victor. In: ALCIONE. Ouro e cobre. Os elementos essenciais são compositor (es). In: SIMONE. A.1. São Paulo: RCA Victor. p1998. Toque macio. 7. Alcione. 1 CD. (S. acrescentam-se elementos complementares à referência para melhor identificar o documento. seguidos da expressão. 33 ¹/3 rpm. In: e da referência do documento sonoro no todo. Quando necessário. Exemplo: GINO.I. Lado A. Faixa 7. Intérprete.12 Documento sonoro em parte Inclui partes e faixas de documentos sonoros. No final da referência. Exemplo: ALCIONE. estereo.): Emi-Odeon Brasil. (Rio de Janeiro): Globo: Movieplay.. 1 disco sonoro (45 min).. Ouro e cobre. GINO.

Biblioteca Central. project planning software. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ.I. Version 4.1. Curitiba. NOTA: No caso de arquivos eletrônicos. versão (se houver) e descrição física do meio eletrônico.doc: normas para apresentação de trabalhos. 5 disquetes. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Normas. ¹/3 rpm. (S. Quando necessário. título do serviço ou produto. Os elementos essenciais são: autor (es). 12 pol. Lado A. acrescentam-se elementos complementares à referência para melhor identificar o documento. 3 ¹/2 pol.1.1. Exemplos: MICROSOFT Project for Windows 95. 1995. Curitiba. p1988. proceder-se-á conforme 7. Biblioteca Central. 5 disquetes. estereo. NOTA: As mensagens que circulam por intermédio do correio eletrônico devem ser referenciadas somente quando não se dispuser de nenhuma outra fonte para abordar o . 1998. 1 CD-ROM. programas. (S.1. 1 disco sonoro (45 min). Normas.1. Quando se tratar de obras consultadas online. conjuntos de programas e mensagens eletrônicas entre outros. Version 4. São Paulo: RCA Victor. acrescentar a respectiva extensão à denominação atribuída ao arquivo. Exemplos: MICROSOFT Project for Windows 95. 1995. faixa 1 (4 min 3s).doc.55 Miguel Propschi.1.I. Word for Windows 7. arquivos em disco rígido. 7.2). BBS (site). listas de discussão. 1998.): Microsoft Corporation. 33.13 Documento de acesso exclusivo em meio eletrônico Inclui bases de dados.): Microsoft Corporation.0. 1 CD-ROM.

pessoais e/ou de entidades. abreviado (s) ou não. em maiúsculas. usados na mesma lista de referências. Ciência criminal. 1995. Exemplo: ALVES. tanto quanto possível. o mesmo padrão para abreviação de nomes e sobrenomes.2 Transcrição dos elementos Os padrões indicados nesta Norma para apresentação dos elementos que compõem as referências aplicam-se a todos os tipos de documentos. Quando existirem mais de três autores.1 Autoria Para indicação da forma correta de entrada de nomes. indica-se apenas o primeiro. Rio de Janeiro: Forense. Exemplo: .56 assunto em discussão. 7. seguido do (s) prenome (s) e outros sobrenomes. de modo geral.1. acrescentando-se a expressão et al. 7. interpessoal e efêmero. Os nomes devem ser separados por pontoe-vírgula.2. Recomenda-se. Autor pessoal – indica (m)-se o (s) autor (es). seguido de espaço.1. Mensagens trocadas por e-mail têm caráter informal. e desaparecem rapidamente. pelo último sobrenome. não sendo recomendável seu uso como fonte científica ou técnica de pesquisa. Roque de Brito. deve ser utilizado o Código de Catalogação Anglo-Americano vigente.

pelo seu próprio nome.). empresas. por extenso. 1994. do tipo de participação (organizador. prefácio e notas Hernâni Donato. O fonoaudiólogo e a escola. A divina comédia. ed. coordenador. Exemplo: DANTE ALIGHIERI. 263 p. etc. revisor. seguida da abreviação. compilador. Constituição de uma matriz de contabilidade social para o Brasil. 1991. seminários. Exemplo: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRAS DE NORMAS TÉCNICAS. 1994. associações.2.1. . indicação de produção científica em relatórios para órgãos de financiamento etc. DF: IPEA. a entrada deve ser feita pelo nome do responsável.) entre parênteses. aplica-se o recomendado em 7.1. conforme aparecem no documento. NOTA: em casos específicos (projetos de pesquisa científica. de modo geral. ilustrador entre outros) podem ser acrescentados após o título. No caso da obra publicada sob pseudônimo. Exemplo: DINIZ. etc. 2002. NBR 10520: informação e documentação: citações em documentos: apresentação. São Paulo: Ática. Autor entidade as obras de responsabilidade de entidade (órgãos governamentais. nos quais a menção dos nomes for indispensável para certificar a autoria. desde que seja a forma adotada pelo autor. (1983).57 URANI. este deve ser adotado na referência. Julio. São Paulo: Círculo do Livro. Brasília. Outros tipos de responsabilidade (tradutor. congressos. Tradução. 344 p. Rio de Janeiro. As pupilas do senhor reitor.). Quando houver indicação explícita de responsabilidade pelo conjunto da obra em coletâneas de vários autores. Quando existirem mais de três nomes exercendo o mesmo tipo de responsabilidade. Léslie Piccolotto (Org. São Paulo: Summus. 15. é facultado indicar todos os nomes.) têm entrada. Exemplo: FERREIRA. A. (Série Bom livro). et al. no singular. editor.

desde que não seja alterado o sentido. Exemplo: DIAGNÓSTICO do setor editorial brasileiro. o título deve ser sempre o primeiro elemento da referência. Opcionalmente.. 7. Quando o título aparecer em mais de uma língua. Exemplo: REVISTA BRASILEIRA DE BIBLIOTECONOMIA E DOCUMENTAÇÃO. 1992. Bimensal. ou quando se referencia integralmente um número ou fascículo. Câmara Brasileira do Livro.em caso de autoria desconhecida. Exemplo: SÃO PAULO MEDICAL JOURNAL = REVISTA PAULISTA DE MEDICINA. 64 p. ISSN 0035-0362. Arte sacra. São Paulo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.58 Autoria desconhecida .2. Quando se referenciam periódicos no todo (toda a coleção). registra-se o segundo ou o que estiver em destaque. separados por dois pontos. 1993. São Paulo: FEBAB. São Paulo: Associação Paulista de Medicina.1. 1941-. São Paulo: Loyola. a entrada é feita pelo título. podem-se suprimir as últimas palavras. 1993. 1973-1992.. O termo anônimo não deve ser usado em substituição ao nome do autor desconhecido. Em títulos e subtítulos demasiadamente longos. Exemplo: PASTRO. Cláudio. devendo figurar em letras maiúsculas. Exemplo: ARTE de furtar. separando-o do primeiro pelo sinal de igualdade. A supressão deve ser indicada por reticências.2 Título e subtítulo O título e o subtítulo (se for usado) devem ser reproduzidos tal como figuram no documento. registra-se o primeiro. .

Recife (Trabalhos apresentados). Cristiano. v. Schaum’s outline of theory and problems. M. Trimestral. 2. Da cor à cor inexistente.. th Indicam-se emendas e acréscimos à edição. rev. 1978. 3. 1965-. Exemplo: LEITÃO. da UFMG. PEDROSA. 1995. de forma abreviada.1. Exemplos: SCHAUM. 1996. ed. Inf. ii. Brasília. Exemplo: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE AQUICULTURA. 7. Daniel. Quando não existir título. 1980. 219 p. 1956.3 Edição Quando houver uma indicação de edição. maio/ago. Considerar a versão de documentos eletrônicos como equivalente à edição e . 22. utilizando-se abreviaturas dos numerais ordinais e da palavra edição. 1.. n. que se vincula ao título por uma preposição entre colchetes. 204 p. 1989. Ed. incorpora-se o nome da entidade autora ou editora. Junta Lessa et al.59 No caso de periódico com título genérico.2. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Ciências. ed. Rio de Janeiro: L. New York: Schaum Publishing. esta deve ser transcrita. 412 p. e aum. Exemplo: FRANÇA. ambas na forma adotada na língua do documento. 6. Rio de Janeiro. Manual para normalização de publicações técnico-científicas. Os títulos dos periódicos podem ser abreviados. Exemplo: BOLETIM ESTATÍSTICO (da) Rede Ferroviária Federal. A informação como insumo estratégico. deve-se atribuir uma palavra ou frase que identifique o conteúdo do documento. p. 118-123. Ci. D. DF. Belo Horizonte. Israel. entre colchetes. 5 ed.

R. Luis Antonio. abreviada.]: Scritta. V. 7.I. MORENO. FARIA. Quando a cidade não aparece no documento. São Paulo: Makron Books do Brasil. 195 p.]. 1994. 108 p. Sylvio.4 Local O nome do local (cidade) de publicação deve ser indicado tal como figura no documento.I. indica-se o primeiro ou o mais destacado. R. Beleza. M. F.. Seattle: Multicom Publishing. ed.. Exemplo: KRIEGER. 173 p. 1 CD-ROM. ed. W. Cálculo de geometria analítica. 1992. 1995. saúde e bem-estar. Exemplo: LAZZARINI NETO. [S. utiliza-se a expressão sine loco.2. Gustavo. Q. Exemplo: SWOKOWSKI. 1994. indica-se entre colchetes [S.I. FLORES. E. São Paulo: Saraiva.60 transcrevê-la como tal.]. Não sendo possível determinar o local. [São Paulo]: SDF Editores. Exemplo: ZANI. Version 1. Cria e recria. 1994. 2. Revisão técnica Antonio Pertence Júnior. mas pode ser identificada. 2 v. 3.0A. NOVAES. Quando houver mais de um local para uma só editora. Todos os sócios do presidente. Tales. Exemplo: ASTROLOGY source. L.1. entre colchetes [S. . Tradução de Alfredo Alves de Faria.

].61 7. 1994-1995. abreviada. 4. Por se tratar de elemento essencial para a referência. Exemplo: FRANCO. desde que sejam dispensáveis para identificação. Exemplo: UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA. Lógica e álgebra de Boole.5 Editora O nome da editora deve ser indicado tal como figura no documento. utilizamse ambas as expressões. Discursos: de Outubro de 1992 a agosto de 1993.]. São Paulo: Atlas.n. abreviando-se os prenomes e suprimindo-se palavras que designam a natureza jurídica ou comercial. Exemplo: GONÇALVES. 385 p. il.6 Data A data de publicação deve ser indicada em algarismos arábicos. F. B.1. 1995. Catálogo de graduação. Bibliografia: p.I. São Paulo: LTr. não é indicada. 106 p. Quando a editora não puder ser identificada.2. Exemplo: LEITE. B. Nota: Na publicação: Editora Atlas. Brasília.]. 1994. MG. [S. Exemplo: DAGHLIAN..I. ed. ISBN 85-224-1256-1.2.n.166-167. DF: [s. C. sempre deve ser indicada . deve-se indicar a expressão sine nomine.n.: s.1. Quando a editora é a mesma instituição ou pessoa responsável pela autoria e já tiver sido mencionada. Quando o local e o editor não puderem ser identificados na publicação.n. 107 p. entre colchetes [s.]. O século do desempenho. I. Viçosa. 1994. 1993. 167 p. Jacob. 1993. abreviadas e entre colchetes [S. 7.: s. A história de Mirador.

impressão etc. E e a escola. Em caso de publicação periódica. Briguiet. Piracicaba. indicam-se as datas mais antiga e mais recente da publicação.. do copirraite. Rio de Janeiro: F. A. 1996.. História geral da civilização: da Antigüidade ao XX século. Gastão. O equivalente em carbonato de cálcio dos corretivos da acidez dos solos. A. Os meses devem ser indicados de forma abreviada. p. 53. Rio de Janeiro: Confederação Nacional da Indústria. puder ser determinada. Sylvia. distribuição. 1985. Scientia Agrícola. 1957-1968. da apresentação (depósito) de um trabalho acadêmico. para as coleções de periódicos em curso de publicação. Mensal. Se nenhuma data de publicação. Exemplos: [1971 ou 1972] [1969?] um ou outro data provável Nas referências de vários volumes de um documento. 204-210. 4v. Se a publicação indicar. C1993. Em listas e catálogos. Mensal. RODELLA. Exemplo: RUCH. maio/dez.62 uma data. J. copirraite. Exemplo: GLOBO RURAL. quando se tratar e publicação encerrada. 63p. transcrevem-se os primeiros tais como figuram no documento e abreviam-se os últimos. as estações do ano ou as divisões do ano em trimestres.. distribuição. semestres etc. registra-se uma data aproximada entre colchetes. Paulinas. no idioma original da publicação. n. C. v. 2ª série. Exemplo: DESENVOLVIMENTO & CONJUNTURA. indica-se apenas a data inicial seguida de hífen e um espaço. separadas por hífen. Exemplo: ALCARDE. ou outra. Exemplo: . São Paulo. produzidos em um período. Exemplo: CIPOLLA. seja da publicação. São Paulo: Rio Gráfica. 2/3. 1926-1940. da impressão. indicam-se as datas inicial e final do período de edição. em lugar dos meses.

96. um volume. e atual. Exemplar do professor. C. v. Revista Latino-americana de Filosofia. 7. seguido do número de volumes físicos. F. Quando o documento for constituído de apenas uma unidade física. ed. seguida da abreviatura v.2. Rio de Janeiro. 16. Exemplo: SILVA. ed. Ilustrações . ou f. Exemplo: LUCCI. 7. algarismos romanos e arábicos). 3. 1996. ver. primavera 1998. La controversia entre universalismo y particularismo en la filosofia de la cultura. ed.7 Descrição física Pode-se registrar o número da última página.63 MANSILLA. respeitando-se a forma encontrada (letras. ed. como teses e dissertações são impressos apenas no anverso e. Rio de Janeiro: J. 5 v. 7 p. ou seja. 3. Forense. F. Se o número de volumes bibliográficos diferir do número de volumes físicos. 24. folha ou coluna de cada seqüência. indica-se primeiro o número de volumes bibliográficos. mais de um volume. De Plácido e. indica-se a quantidade de volumes. indica-se o número total de páginas ou folhas. 2. Olympio.1. Nota: A folha é composta de duas páginas: anverso e verso. Processo penal. C. seguido da abreviatura p. n. Para onde vai a educação. São Paulo: Saraiva. Buenos Aires. A. 500 p. indica-se f. neste caso. Quando o documento for publicado em mais de uma unidade física. H. Jean. E. Exemplo: PIAGET. Vocabulário jurídico. Viver e aprender: estudos sociais.podem-se indicar as ilustrações de qualquer natureza pela abreviatura . 1980. ou seja. 4 v. Exemplo: TOURINHO FILHO. Alguns trabalhos. 4. São Paulo: Saraiva. 1994. em 3. 1994.

os títulos das séries e coleções. Viva vida: estudos sociais. por vírgula. 21 cm. Desenhos de Tony Hutchings. cujas medidas são dadas com exatidão. 1978. pode-se indicar a fonte da tradução. Mimeografado. pode-se indicar a altura do documento em centímetros e..em listas de referências. entre parênteses. il. São Paulo: FTD. São Paulo: Scipione. color. a do texto original. de. da numeração. Tradução Ruth Rocha. 1993.após todas as indicações sobre os aspectos físicos. J. 126 p. 21 p. São Paulo: Centro Brasileiro de Classificação de Doenças. Em ambos os casos. 194 p. aproximam-se as frações ao centímetro seguinte. o desafio à nova ordem pós-socialista. Notas .. Nacionalismo. Exemplo: . podem ser incluídas as notas relativas a séries e/ou coleções. 1993. São Paulo: Círculo do Livro. devem ser incluídas notas com informações complementares. com tridimensionais. além da língua do texto traduzido. Dimensões . No caso de tradução feita com base em outra tradução. se houver. color. Exemplo: DURAN.]. Iluminação para vídeo e cinema. em caso de formatos excepcionais também a largura. Exemplo: AZEVEDO. 4.sempre que necessário à identificação da obra.. Jane. il. Exemplo: LAURENTI. sem destaque tipográfico. indica-se.: para ilustrações coloridas. usar il. exceção de documentos Séries e coleções . 104 p. Tradução de: Moving house. (História em aberto). 1993. 23 cm. Em documentos traduzidos. São Paulo: [s.. Exemplo: ARBEX JUNIOR.Exemplo: CARRUTH. A nova casa do Bebeto.n. Indica-se. ao final da referência. Marta R. quando mencionada. Mortalidade pré-natal. em algarismos arábicos. R. J. 1994. separados.64 il. J.

1944.). mas não necessariamente quanto à grafia. Versão francesa de Franz Toussaint do original árabe.3. mencionada na folha de aprovação (se houver). Nas teses.3 Ordenação das referências As referências dos documentos citados em um trabalho devem ser ordenadas de acordo com o sistema utilizado para citação no texto. Olympio.. o local e a data da defesa. Trabalho apresentado como requisito parcial para aprovação na Disciplina Catalogação II.1 Sistema alfabético Se for utilizado o sistema alfabético. em uma única ordem alfabética. dissertações ou outros trabalhos acadêmicos. dissertação. 1999. As chamadas no texto devem obedecer à forma adotada na referência. Eduardo. (Coleção Rubaiyalt). Catalogação de postais. o grau. conforme a NBR 10520. O jardim das rosas. Exemplo: No texto: . Universidade do Rio de Janeiro.1. Exemplo: ALENTEJO. com relação à escolha da entrada.65 SAADI. Rio de Janeiro: J. a vinculação acadêmica. 1999. Escola de Biblioteconomia. do artigo ou do capítulo. 7. il. Tradução de Aurélio Buarque de Holanda.. devem ser indicados em nota o tipo de documento (tese. 124 p.. as referências devem ser reunidas no final do trabalho.1. 7. Os sistemas mais utilizados são: alfabético (ordem alfabética de entrada) e numérico (ordem de citação no texto). trabalho de conclusão de curso etc. Rio de Janeiro.

precisamente. ed. Olympio. 1943. aqueles que hoje identificam tendências na relação entre as transformações pelas quais vêm passando o processo de trabalho.3. Nacional. o nível de escolaridade e a qualificação real exigida pelo processo produtivo (CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA. da fase de desenvolvimento por ela representada [. nas referências seguintes à primeira. por um traço sublinear (equivalente a seis espaços) e ponto. Na lista de referências: CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA (Brasil). O sistema numérico não pode ser usado concomitantemente para notas de referência e notas explicativas. 1993). Rio de Janeiro: J. Sobrados e mucambos: decadência do patriarcado rural no Brasil. 1993. o (s) nome (s) do (s) autor (es) de várias obras referenciadas sucessivamente.66 Para Gramsci (1978). na mesma página. uma concepção de mundo crítica e coerente pressupõe a plena consciência de nossa historicidade. Casa grande & senzala: formação da família brasileira sob regime de economia patriarcal. Exemplos: FREYRE. alista de referências deve seguir a mesma ordem numérica crescente. Eventualmente. 7. pode (m) ser substituído (s). . são.. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.2 Sistema numérico Se for utilizado o sistema numérico no texto. mais até que os educadores. 1978. Gilberto. GRAMSCI. Educação básica e formação profissional. Salvador. Exemplos: no texto: . 1936.1. São Paulo: Ed. Concepção dialética da História.. 2. Antonio.] Os empresários industriais. 2 v.

CAVALCANTI. ed. D. Edição. P. 1992. Eva Maria. PO. WOMACK. J. Do impeachment no direito brasileiro. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. BRAILE. 1992. 107. Exemplo: 1.. Um autor: SOBRENOME DO AUTOR. São Paulo: CETESB. ano. Metodologia do trabalho científico.A. Prenomes. Manual de águas residuárias. 1992. Na lista de referências: 1 CRETELLA JUNIOR. [São Paulo]: R. A máquina que mudou o mundo.T. Relatório de atividades 1985. J. Rio de Janeiro. ROSS. 2. Título.. 20. P. Local: Editora. 4. é facultado ao magistrado decidir sobre a matéria. 2 BOLETIM ESTATÍSTICO [da] Rede Ferroviária Federal.M.P. LAKATOS. Rio de Janeiro: Campus. dos Tribunais.67 De acordo com as novas tendências da jurisprudência brasileira¹. . Todos os índices coletados para a região escolhida foram analisados minuciosamente². São Paulo: Atlas. 2. José. D. ed..Curitiba:1986.W. 1965. Dois autores: Exemplo: 1. 1993.E. Três autores: Exemplo: 1. JONES.

A paginação deve ser contínua a do texto principal.68 7.2 GLOSSÁRIO Elemento opcional. devem ser limitados. Constituídos de elementos esclarecidos de outra autoria. dobradas. na identificação dos anexos. 7. elaborado em ordem alfabética. Os anexos (s) são identificados por letras maiúsculas consecutivas. Exemplo: ANEXO A . travessão e pelos respectivos títulos. quando esgotadas as 23 letras do alfabeto.FOTOGRAFIAS . incluindo apenas o estritamente necessário à compreensão de partes do relatório.3 ANEXOS Elemento opcional. Excepcionalmente utilizam-se letras maiúsculas.

2002. Azevedo. São Paulo: FEBAB. Manual de Orientação: Estágio Supervisionado. estágios e trabalhos de conclusão de curso. Rio Janeiro. MARCONI. . São Paulo: Atlas. 4.C. A. Rio Janeiro.. S. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ed. ALVARENGA. 2. NBR 6023: Informação e documentação – Referências . M. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. M. Metodologia do trabalho científico. Sistema de Bibliotecas. monografias e trabalhos acadêmicos. Rio de Janeiro.69 BIBLIOGRAFIA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. 1998. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6027: Sumário. NBR 10520: Informação e documentação – Citações em documentos . NBR 6027: Resumos.. LAKATOS. Rio de Janeiro.Apresentação. Rio Janeiro. projetos.. ROESCH. dissertações. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS.. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. São Paulo: Atlas. ed. Normas para apresentação de documentos científicos: teses. 1983. : il. 8 V. R. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14724: Informação e documentação – trabalhos acadêmicos – apresentação. Rio Janeiro. Projetos de Estágio do Curso de Administração: Guia para pesquisas. 2001. BIANCHI. 2001. São Paulo: Pioneira. Eva Maria. Curitiba: UFPR. 2002.. 2002. 2001. 1996. 2000. CÓDIGO de catalogação anglo-americano. BIANCHI.. NBR 6024: Numeração progressiva das seções de um documento. Marina de Andrade. 1992.Elaboração.

70 ANEXOS ANEXO A .ESTRUTURA DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO CAPA ANEXOS GLOSSÁRIO* REFERÊNCIAS TEXTO RESUMO LISTAS* SUMÁRIO AGRADECIMENTOS** DEDICATÓRIA** TERMO DE APROVAÇÃO FOLHA DE ROSTO CAPA Elementos prétextuais: contados e não numerados Elementos pós-textuais * Elementos condicionados à necessidade ** Elementos opcionais .

.. PROFESSOR (orientador) .MODELO DE TERMO DE APROVAÇÃO RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA ÁREA DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS REALIZADO NA EMPRESA NICOLA VEÍCULOS LTDA AUTOR: Eduardo Marian ORIENTADORA: Lucineide de Fátima Marian Relatório de estágio aprovado em 2 de dezembro de 2009 como requisito para obtenção de título de Bacharel em Administração/Ciências Contábeis.. no Curso de Administração/Ciências Contábeis.71 ANEXO B . ________________________________________________________ PREFESSOR. PROFESSOR..... Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões – URI Campus Santiago – RS. Departamento de Ciências Sociais Aplicadas.

.. AUTOR: Eduardo Marian ORIENTADORA: Lucineide de Fátima Marian (Deve conter o tema. o objetivo do trabalho. como foi realizado e também brevemente o resultado da análise realizada) Palavras-chaves: (coloca-se no mínimo três palavras) .72 ANEXO C: MODELO DE RESUMO RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA ÁREA DE CONTABIDADE GERENCIAL NA EMPRESA.

Envolve verdades e interesses universais. um vínculo in.73 ANEXO D: CLASSIFICAÇÕES DAS PESQUISAS (PARTE INTEGRANTE DO MANUAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA) Existem varias formas de classificar as pesquisas. b) Pesquisa Qualitativa: considera que ha uma relação dinâmica entre o mundo real e o sujeito. pode ser: a) Pesquisa Básica: objetiva gerar conhecimentos novos úteis para o avanço da ciência sem aplicação pratica prevista. analise de regressão. moda. isto é.). Envolve verdades e interesses . b) Pesquisa locais. Do ponto de vista da forma de abordagem do problema pode ser: a) Pesquisa Quantitativa: considera que tudo pode ser quantificável. As formas clássicas de caracterizar uma pesquisa serão apresentadas a seguir: Do ponto de vista da sua natureza. Os pesquisadores tendem a analisar seus dados indutivamente. etc. O processo e seu significado são os focos principais de abordagem. É descritiva.dissociável entre o mundo objetivo e a subjetividade do sujeito que não pode ser traduzido em números. coeficiente de correlação. o que significa traduzir em números opiniões e informações para classificá-las e analisálas. O ambiente natural é a fonte direta para coleta de dados e o pesquisador é o instrumentochave. média. Requer o uso de recursos e de técnicas estatísticas (percentagem. mediana. desvio-padrão. Aplicada: objetiva gerar conhecimentos para aplicação pratica dirigidos à solução de problemas específicos. Não requer o uso de métodos e técnicas estatísticas. A interpretação dos fenômenos e a atribuição de significados são básicas no processo de pesquisa qualitativa.

e nas ciências sociais requer o uso do método observacional. c) Pesquisa Experimental: quando se determina um objeto de estudo. entrevistas com pessoas que tiveram experiências praticas com o problema pesquisado. as formas de Pesquisas Bibliográficas e Estudos de Caso.minam ou contribuem para a ocorrência dos fenômenos. Aprofunda o conhecimento da realidade porque explica a razão. b) Pesquisa Documental: quando elaborada a partir de mate. . c) Pesquisa Explicativa: visa identificar os fatores que deter. Do ponto de vista dos procedimentos técnicos (Gil. Quando realizada nas ciências naturais. definem-se as formas de controle e de observação dos efeitos que a variável produz no objeto. a formas de Pesquisa Experimental e Pesquisa Expost-facto. Envolve o uso de técnicas padronizadas de coleta de dados: questionário e observação sistemática. 1991) pode ser: a) Pesquisa Exploratória: visa proporcionar maior familiaridade com o problema com vistas a torná-lo explícito ou a construir hipóteses. em geral. pode ser: a) Pesquisa Bibliográfica: quando elaborada a partir de material já publicado. em geral. constituído principalmente de livros. selecionam-se as variáveis que seriam capazes de influenciá-lo. Assume. requer o uso do método experimental. a forma de Levantamento.riais que não receberam tratamento analítico. b) Pesquisa Descritiva: visa descrever as características de determinada população ou fenômeno ou o estabelecimento de relações entre variáveis. o “porquê” das coisas. Assume. analise de exemplos que estimulem a compreensão. 1991).74 Do ponto de vista de seus objetivos (Gil. Assume. artigos de periódicos e atualmente com material disponibilizado na Internet. em geral. Envolve levantamento bibliográfico.

e) Estudo de conhecimento. caso: quando envolve o estudo profundo e exaustivo de um ou poucos objetos de maneira que se permi. f) Pesquisa Expost-Facto: quando o “experimento” se realiza depois dos fatos.75 d) Levantamento: quando a pesquisa envolve a interrogação direta das pessoas cujo comportamento se deseja conhecer.ta o seu amplo e detalhado . Os pesquisadores e participantes representativos da situação ou do problema estão envolvidos de modo cooperativo ou participativo. g) Pesquisa-Ação: quando concebida e realizada em estreita associação com uma ação ou com a resolução de um problema coletivo. h) Pesquisa Participante: quando se desenvolve a partir da interação entre pesquisadores e membros das situações investigadas.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful