You are on page 1of 5

UNIFIEO Disciplina: “Resistência dos Materiais” - Aula No 5 (duração 2 horas) 1

Curso: Engenharias (Telecomunicações e da Computação).-


_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

TEMA II .- “CISALHAMENTO”

Sumario:
• Introdução;
• Tensões de Cisalhamento;
• Tensões de Esmagamento;
• Determinação das tensões normais em barras rebitadas;
• Conclusões.
Bibliografia
Beer, F.P.; Johnston, E. R. “Resistência dos Materiais”. 2a Edição, McGraw-Hill. São
Paulo 1989, Páginas (8-19).
Objetivos:
• Definir o conceito de forças cortantes;
• Definir a tensão de cisalhamento;
• Definir a tensão de esmagamento;
• Determinar a tensão normal em barras rebitadas.

Tensões de Cisalhamento. As forças internas e correspondentes tensões, que foram discutidas


anteriormente, eram normais à secção transversal. Quando duas forças P e P’ são aplicadas a uma
barra AB, na direção transversal à barra, ocorre um tipo de tensão muito diferente (Fig.1.1).
P
C P

A B A B A C P

a) P´ b) P´


Figura 1.1
Se passarmos uma secção transversal pelo ponto C. entre o ponto de aplicação a força (Fig.
1.1a)podemos desenhar o diagrama da parte AC (Fig.1.1b), e concluirmos que devem existir forças
internas na secção transversal, e que sua resultante deve igualar a P. Essa resultante de intensidade P,
é chamada de força cortante na secção. Ao dividirmos a força cortante P pela área secção transversal
A, obtemos a tensão média de cisalhamento na secção. A tensão de cisalhamento é indicada com a letra
grega τ (tau). Podemos escrever então:

τméd = P/A ………………………………………………………..(1)


Devemos frisar bem que o valor obtido na equação (1) é um valor médio das tensões de
cisalhamento. E, contrariamente ao que dissemos para as tensões normais, a distribuição de tensões de
cisalhamento na secção transversal não pode ser assumida como uniforme.
O valor real da tensão de cisalhamento varia da superfície para o interior da peça, onde pode atingir
valores bem superior a τméd .
A tensão de cisalhamento ocorre comumente em parafusos, rebites e pinos que ligam as diversas
partes das maquinas e estruturas. Consideremos (Fig.1.2) as duas chapas A e B, ligadas pelo rebite CD.
Ao aplicarmos às chapas as forças de tração de intensidade F, aparecerão tensões na secção do rebite
que corresponde ao plano EE´. Desenhando os diagramas do rebite e da parte deste que fica acima do
plano EE´(Figura 1.2 a e b), concluímos que a força cortante P na secção é igual a F.

Professor Dr. Miguel Angel García Domínguez -16/05/05-


UNIFIEO Disciplina: “Resistência dos Materiais” - Aula No 5 (duração 2 horas) 2
Curso: Engenharias (Telecomunicações e da Computação).-
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

C C C
A
F
F F
E E E´
E´ F´ F´
F´ a) b)
B D
D

Figura 1.2
A tensão de cisalhamento média na secção é obtida dividindo-se P=F pela secção transversal A, de
acordo com a formula (1)
τméd = P/A = F/A ...................................................................(2)
Nas condições descritas, dizemos que o rebite está sujeito a corte simples. Podem surgir outras
situações de carregamento. Por exemplo, se as chapas de ligação C e D são usadas para conectar as
chapas A e B (Fig. 1.3), o rebite HJ poderá ser cortado nos planos KK´e LL´(do mesmo modo essa
situação ocorre para o rebite EG). Nesse caso, os rebites se dizem sujeitos a corte duplo.

E H H
FC
K K´ P=F/2
F´ F K K´ F
F
L L´
L L´ P=F/2
FD
a) b)
G J J

Figura 1.3
Para determinarmos a tensão média de cisalhamento em cada plano, desenhamos os diagramas
do rebite HJ e da porção entre os planos KK´e LL´(fig 1.3a e b). A força cor
tante P em cada uma das
seções é P = F/2, e a tensão média de cisalhamento vale:
τméd = P/A = F/2A .................................................................. (3)

Tensões de esmagamento. Os parafusos, pinos e rebites provocam tensões de esmagamento nas


barras que estão ligando, ao longo da superfície de contato. Tomemos como exemplo, novamente, as
chapas A e B ligadas pelo rebite CD discutidas anteriormente (Fig. 1.2). 0 rebite exerce na placa A uma
força P igual e de sentido contrário à força F, aplicada sobre o rebite pela placa (Fig. 1.4). A força P
representa a resultante das forças elementares que se distribuem ao longo da superfície interna do
semicilindro de diâmetro d e comprimento t, igual a espessura da chapa. A distribuição das tensões ao
longo dessa superfície cilíndrica é de difícil obtenção e, na prática, se utiliza um valor nominal médio
para a tensão. A esse valor nominal dá-se o nome de tensão de esmagamento σe Obtém.-se σe
dividindo-se a forca P pela área do retângulo que representa a projeção do rebite sobre a secção da
chapa (Fig. 1.4). Essa área é igual a t.d. onde t é a espessura da chapa, e d é o diâmetro do rebite.

C
t F

P
A d F´
D
Figura 1.4

σe = P/A = P/ t.d ........................................................................ (4)

Professor Dr. Miguel Angel García Domínguez -16/05/05-


UNIFIEO Disciplina: “Resistência dos Materiais” - Aula No 5 (duração 2 horas) 3
Curso: Engenharias (Telecomunicações e da Computação).-
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Cálculo das tensões normais em chapas rebitadas submetidas a forças axiais


Em qualquer união através de rebites, pinos ou parafusos é necessária a utilização de furos que
permitem a união entre dois ou vários elementos. Estes furos irão provocar uma diminuição na área da
secção transversal da chapa, que deverá considerar-se no momento de efetuar o calculo a tração da
mesma. A seguir se ilustra com um exemplo como é feito o calculo das tensões normais provocadas pela
tração por uma chapa pertencente a uma união por rebites.

b
F=12kN F´=12kN
t P
A d P
P

Figura 1.5
Como já foi estudado, para uma barra sujeita a ação de uma força centrada, a tensão normal σ
pode ser obtida do quociente entre a forca P e a área da secção transversal da barra. Quando a secção
transversal é variável ao longo da barra, exemplo da barra da figura 1.5, deve-se calcular a área
subtraindo a parte dos furos, que debilitam a secção transversal da chapa.
Tal como mostrado apresenta-se duas chapas de secção transversal retangular constante, sendo a
largura de cada uma b= 50 mm, espessura t = 8 mm e rebitadas através de um número de rebites n = 3,
cujo diâmetro é d = 5 mm.
Portanto, a maior tensão que ocorre na secção transversal.

σ = F/Amenor
Amenor = menor área na secção transversal da barra determinada através de:
Amenor = [b - n(d)]. t
b= largura da barra;
n = quantidades de rebites;
d = diâmetro dos rebites
Substituindo os dados das dimensões da chapas e dos rebites obtemos

Amenor = [50 - 3(5)](8) = 280 mm


2

Então finalmente a maior tensão normal que ocorre é

σ = F/Amenor = 12x103N/280 mm2 = 42,86 MPa.


Determinação da tensão de esmagamento nos furos das chapas:
Para determinar a tensão de esmagamento atuante em cada furo da barra, deve-se lembrar que, a
força P representa a resultante das forças elementares que se distribuem ao longo do semicilindro de
diâmetro d e comprimento t, gerando uma área projetada A = d.t , pode-se então calcular a tensão média
de esmagamento como:

σe = P/A
3
P = 12kN/3 = 4 kN = 4x10 [N]
2
A = 5mm(8mm)= 40 mm

σe = 4x103N/40 mm2 = 100 MPa.


Resolvamos outro exemplo de calculo de tensões de cisalhamento.

Professor Dr. Miguel Angel García Domínguez -16/05/05-


UNIFIEO Disciplina: “Resistência dos Materiais” - Aula No 5 (duração 2 horas) 4
Curso: Engenharias (Telecomunicações e da Computação).-
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Problema 1.1 No suporte da Figura, a haste ABC tem, na parte superior 9 mm de espessura, e na
parte inferior, 6 mm de espessura de cada lado. Uma resina à base de epoxy é usada para colar as
partes, superior e inferior da haste, no ponto B. Os pinos A e C têm 9 mm e 6 mm de diâmetro,
respectivamente. Pede-se determinar:
a) a tensão de cisalhamento no pino A;
b) a tensão de cisalhamento no pino C;
c) a maior tensão normal na haste ABC;
d) a tensão media de cisalhamento nas superfícies coladas no ponto B;
e) a tensão de esmagamento na haste em C.

D Dy

A Dx

m FAC
B 32 m
152 mm

25 mm

45 mm
37 mm
178 mm

C
E
m m 2200 N
25

2 mm
2200 N 1

ΣMD= 2200N(37mm)- FAC(25mm) = 0 => FAC = 81400(N mm)/25 (mm)


FAC = 3256 N
a) A tensão de cisalhamento no pino A: O pino está sujeito a corte simples, e podemos escrever.

τC = F / A ;
2
A = Πd /4 = (3,1416)(9) /4
2
=> A = 63,62 mm
2

τC = 3256N / 63,62 mm2 τ


=> C = 51,18 MPa
b) A tensão de cisalhamento no pino C: O pino está sujeito a corte duplo e podemos escrever

τC = F / 2A ; F/2 = 3256/2 = 1628 N;


2
A = Πd /4 = (3,1416)(6) /4 => A = 28,27 mm
2 2

τC= 1628N / 28,18 mm2 => τC= 57,58 MPa


c) A maior tensão normal na haste ABC: No ponto A, a haste tem menor área de secção transversal,
devido ao furo para passagem do pino de 9 mm. Nesse ponto temos a haste com largura de (32-9) =
23 mm, e:
σA = FAC / A ; A = b.t = (23) (9) => A = 207 mm
2

σA = 3256N / 207 mm2 => σA = 15,73 MPa


d) A tensão media de cisalhamento nas superfícies coladas no ponto B: As duas faces da parte
superior da haste estão coladas à parte inferior. Assim, a força de corte em cada face é F/2 = 3256/2 =
1628 N. A tensão de cisalhamento em cada face é:

τB = F / A ; A = b. h = (32)(45) => A = 1440 mm


2

Professor Dr. Miguel Angel García Domínguez -16/05/05-


UNIFIEO Disciplina: “Resistência dos Materiais” - Aula No 5 (duração 2 horas) 5
Curso: Engenharias (Telecomunicações e da Computação).-
_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

τB = F / A = 1628 N/1440mm
2
τ
=> B = 1,13 MPa
e) A tensão de esmagamento na haste no ponto C: Para cada parte da haste, F1 = 1628 N, e área
nominal para esmagamento é
2
A = (6mm) (6mm) = 36 mm
Então,

σe = P/A = P/ t.d = 1628 N/36 mm


2
=> σe = 45,22 MPa

Professor Dr. Miguel Angel García Domínguez -16/05/05-