You are on page 1of 11

c

c
c
c
c
c
c
UNIVERSIDADE FEDERAL
FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS
c
c
c
c
c
c
c
c
c
c
c
c

c c c 

 c c c c c c c c c c c c c c c c c Curso: Agronomia c 2010 .

6c Industrialização da manga ÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔ 07 c  cc ! ÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔ 08c "c  # cc $ cÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔ 09c %c $# cÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔ 10c &c '($ c)#*+'$ cÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔ 11c c c c c c c c c c c c c c c c c c c c c c c .2c Distribuição ÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔ 03 1.1c Classificação botânica ÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔ 03 1.3c Características comerciais desejáveis ÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔ 04 1.5c Caracterização da manga ÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔ 06 1.4c Aspectos econômicos de produção e mercado ÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔ 04 1.  c c c cÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔÔ 03 1.

.

 . irrigação. Atualmente pode ser encontrada nos principais mercados mundiais. utilizando-se de método caseiro de preparação. sendo considerada uma das frutas de maior crescimento em produção. Isso levou à expansão de sua cultura comercial. atualmente. exigências dos consumidores e produtos dela derivados. controle fitossanitário e do florescimento. Essa expansão levou. adaptáveis às citadas condições. ao longo de todo o ano. Desde seu cultivo milenar na Ásia.c A mangueira é uma planta tropical. c. o referido trabalho buscou realizar prática de elaboração de um doce pastoso de manga através da polpa da fruta devidamente beneficiada. fora de seus centros principais de origem. a manga dispersou-se por todos os continentes. sendo cultivada. fazendo jus ao seu cognome de ͞rainha das frutas͟. que se desenvolve bem em condições de clima subtropical. embora neste último século tenha progredido pela obtenção de novas variedades em vários países. Originária do Sul da Ásia. o que leva à necessidade de obtenção de novos materiais genéticos. a manga tem sido melhorada ao longo de sua história como principal fruta tropical. associadas a novas práticas culturais. em todos os países de clima tropical e subtropical. também. a maiores exigências de adaptação a climas e solos muito diversos. De posse dessas informações.

outras espécies de frutíferas cultivadas pertencem à mesma família. Indo-China e Filipinas. de espécies tropicais. nativas na Ásia. em sua maioria. como algumas dos gêneros    . arquipélago Indonésio.-  A maioria das espécies de @  são nativas da Península Malaia. O gênero @  é apenas um entre outros 73 gêneros. A citada família é constituída. com 850 espécies da família Anacardiaceae. Tailândia. Além da manga.

   .

em altitudes maiores. Segundo MUKHERJEE (1985). MUKHERJEE. desde áreas alagadas até altitudes de 1. originária no centro Filipinico Celeste Timor. sendo nativas em diversos países. cuja casca é bem colorida. o Indiano e do subcentro Indo-Malaio.  .    e outros. que produz frutos de boa aparência externa. que é considerado o principal centro de origem (SINGH. a distribuição da maioria das espécies dá-se em áreas de diversas altitudes. com casca verde-amarelada quando maduro e sementes poliembriônicas. ocasionalmente. como o caso de algumas espécies ao norte do Trópico de Câncer.000 m. 1985). MUKHERJEE (1985). 1982. seguindo a classificação proposta por VAVILOV (1950) para os centros de origem das plantas cultivadas. mas com maior diversidade de espécies na Malásia. Bornéo e Sumatra. a raça filipínica ou indochinesa. Essas regiões distintas deram origem às duas raças de manga: a raça indiana. variando de rosa a vermelho intenso e sementes monoembriônicas. a qual produz fruto de formato alongado. originária no centro Indo-Burma Tailandês. relata que a mangueira é originária do segundo grande centro. As 69 espécies de @  são nativas até o uma faixa de latitude de 27 N e ao Leste das Ilhas Carolinas.

onde os portugueses já a haviam introduzido anteriormente de suas colônias africanas. um centro secundário de diversidade. A introdução da manga na América. pela sua domesticação há 4 mil anos. Pela importância da manga na cultura e religião hindu. pela distribuição de diversas variedades lá obtidas. vindas do Brasil. Na Flórida. inicialmente provenientes da "c . A Flórida é considerada. 2004). pouco antes. a manga só foi introduzida em 1861. conforme relatos antes da era cristã. sendo que. de Cuba. no México (ARAÚJO. até a colonização portuguesa do século XV. o que justifica a predominância até pouco tempo da manga Manila. teria sido introduzida nas Índias Ocidentais. É possível que o cultivo da mangueira tenha sido originado na Índia. sua difusão foi da Índia à África e daí para outros continentes como o americano. atualmente. México e Panamá foi proveniente das Filipinas. oriundo de frutos menores e com pouca polpa. no século XVI.

. em latitudes de até 37 N. Santa Catarina. em 1910. que são juntos. como Austrália e Europa. Rio Grande do Sul. que originou a ͚Haden͛. Pará.c  . DONADIO. 1996). 2004).. a Ásia responde por 75%.variedade indiana ͚Mulgoba͛. Bahia. em todos os continentes. expandiu-se para vários países. responsáveis por 90% da produção nacional (BELING et al. Dos 18 milhões de toneladas anuais de manga produzidas no mundo. as Américas 14%. A cultura da mangueira. Minas Gerais. No Brasil. Paraná. os principais produtores de manga são os Estados de São Paulo. sendo importante na África e Américas e com menor presença na Europa. Espírito Santo. onde é o cultivada em pequena escala na Espanha. apesar de ainda concentrada na Ásia. outras atuais variedades comerciais (PIZA JR. a África 10% e o 1% restante em outras áreas. e após. 1989. Pernambuco e Ceará.

. .

c  . preferem mangas com alto rendimento de polpa. no geral. atualmente. como em outros países. 2004). com relação à manga destinada ao processamento por parte da agroindústria. doce em massa ou mangada. Entretanto. 2000). que torna a manga atrativa. fatias cristalizadas. Para consumo do fruto fresco. porém esforços têm sido dedicados para que os responsáveis pelo elo dessa cadeia agroindustrial mudem o mais rápido possível esse cenário. a cor vermelha. fatias ou pedaços congelados ou refrigerados. 1998). A partir da manga. néctar. pedaços ou rodelas em calda. Entretanto. essa exigência por qualidade do produto tem sofrido pouca mudança (MATOS.  c    c /0  A característica de atração da cor do fruto é. No Brasil. 2001). congelado. com um maior consumo de frutas frescas e com a melhoria do padrão de qualidade das frutas exigido pelos consumidores. ou sua mistura com roxa e tons parecidos. a fruta é consumida principalmente na forma    . As indústrias. alto teor de sólidos solúveis e ausência de fibras (GONÇALVES et al. a partir da seleção das variedades da Flórida. vinho e vinagre e ainda produtos menos conhecidos. E ainda podem ser utilizados os resíduos da industrialização da manga como componentes de rações mistas para animais (MANICA. os produtores são incentivados a oferecer um produto com melhor qualidade. como produtos de manga verde ou imatura.. a preferência é por frutas com baixa acidez. polpa. deve estar associada a outras características desejáveis do fruto (TODA FRUTA. geléias. conhecidos na índia como ͞amchur͟ ou ͞amchoor͟ e o ͞chutney͟. podem-se preparar fatias. suco simples e concentrado. Com a mudança no estilo de vida da humanidade em busca de uma alimentação mais saudável. alto teor de sólidos solúveis e ausência de fibras. um dos objetivos mais importantes do melhoramento.

as quais são cultivadas e processadas em larga escala (BRUNINI et al. Devido ao excelente sabor aliado às boas características nutritivas e funcionais da manga. a cultura da manga se apresenta como uma das principais culturas nas regiões tropicais (MATOS. c 1   c c c c  c c A „       (FAO) tem mostrado que a comercialização mundial de produtos derivados de frutas cresceu mais de cinco vezes nos últimos quinze anos. o Brasil destaca-se por ter a maior produção. Entre os países em desenvolvimento. a produção mundial de manga no ano de 2003 foi de. sendo a Índia.. estando entre as dez culturas mais plantadas no mundo.563. a mangicultura tem ganhado importância econômica. aproximadamente. 2000).469 toneladas. em aproximadamente 94 países. que está concentrada em um pequeno número de espécies frutíferas. %c .0 % da produção (Figura 1). O Brasil ocupa a sétima posição na classificação mundial de produtores de manga. 2002). De acordo com dados da FAO (2004). o principal produtor do fruto. Devido ao clima propício. 25. participando com 3. responsável por quase metade da produção mundial.

392. Tabela 1.45 Fonte: IBGE (2004). sendo os Estados de São Paulo e Minas Gerais os maiores produtores de manga em nível nacional (Tabelas 1 e 2).93 Total 1.Figura 1.980.07 Pernambuco 163.88 Sul 23.469. 2004).767.979. ccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccc cc2*c32c444c' 5c São Paulo 258. Na América do Sul.71 Fonte: IBGE. Participação dos principais países produtores de manga na produção mundial (FONTE: FAO.950. segundo o censo agropecuário de 1996 do IBGE (2004).44 Centro-Oeste 59.77 Minas Gerais 223. c Tabela 2. Principais estados produtores de manga em 1996. *ccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccccc cc2*c32c44 4c' 5c Nordeste 699 .07 Maranhão 39. de onde se pode prever um importante aumento das plantações e da produção.179. em número de frutos.48 Piauí 39.822. sendo responsável por 49.830. a região Nordeste foi a principal produtora de manga do país. 1999).017.53 Rio Grande do Norte 51.78% da produção nacional total.405. No Brasil.99 Norte 117.47 Sudeste 505. &c .575. o Brasil se destaca como o principal produtor de manga.967.857.174. concentrando-se grande número no Vale do São Francisco (SAÚCO.885. 2004.20 Ceará 100. Produção de manga por região em 1996.92 Paraíba 98.41 Bahia 154.

1996). A produção de polpa de manga em 1997 ficou em torno de 2. O mercado de frutas secas/desidratadas é ainda mais reduzido. lâminas e pó. maracujá e caju. O mercado de produtos derivados da manga ainda é bastante reduzido. grãos. preservando ao máximo seus componentes nutricionais. observam-se as estimativas e projeções publicadas (SILVA. sendo os maiores crescimentos de polpas de mamão. Na Tabela 3. os principais mercados. Filipinas. portanto. Segundo GONÇALVES (2002). diferente daquele dos países do hemisfério norte. Índia. da falta de capacitação e cuidados no manuseio do produto na região. China. pedaços. A manga processada. gerando maiores receitas e visando novos postos de trabalho no país. A viabilização do aproveitamento racional da manga. O período em que ocorre a maior oferta da manga brasileira vai de outubro a março. com a particularidade de preferir-se que sejam de cor laranja-amarelado (SAÚCO.. como a Índia. com um crescimento de 21% de 93 a 97.800 toneladas. Taiwan e Malásia. A manga. Os principais exportadores são Tailândia. 1999). . Os produtos da manga tais como polpa ou suco concentrado representam uma mínima porcentagem da produção mundial da manga (0.02%). segundo dados da ASTN. ainda não é devidamente industrializada. acerola e goiaba e sucos de abacaxi. mesmo apresentando grandes possibilidades de industrialização. 1999) para sucos e polpas de frutas tropicais no Brasil. também representa uma opção vantajosa na pauta de exportação brasileira de produtos agroindustriais. grande produtor mundial (de manga) da fruta (RIBEIRO e SABAA-SRUR. 1998). com perdas em torno de 40% (LEITE et al. produtos processados ou elaborados são potencialmente diferenciáveis e. 1999). Japão e Estados Unidos. de 1993 a 1999. em substituição à manga    . Este fato possibilita ao Brasil a explorar o mercado externo sem a presença desses grandes competidores (LEITE et al. sendo a Comunidade Européia.. Esta produção (84%) se destina basicamente ao mercado externo. O produto desidratado é importado em cubos. 1998). Uma das características marcantes do mercado interno é o elevado percentual de perdas decorrentes da logística inadequada. Paquistão e México (DONADIO. rodelas. agregam mais valor. manga. seria extremamente importante para o Brasil.

c  .5 Brix) 1.858 147.397 18.1 o o Acerola (6 e 8.3 o Mamão (25 Brix) 620 964 55.9 o o Goiaba (8 e 12 Brix) 38.085 34.)#c"c 6#cc cc $ cc #7 c Produção (ton.8 Fonte: SILVA (1999).219 45.156 72.960 4.270 137.271 143.693 87.300 3.) Sucos e Polpas Evolução % 1993 1999 1999/1993 o Abacaxi (60 Brix) 19.194 33.7 o Maracujá (50 Brix) 36.399 81.4 o o Manga (13 e 16 Brix) 2.8 o Caju (36 Brix) 33.

Para consumo do fruto fresco. ͞Extrema͟. ͞Bourbon͟. 1998). ͞Van Dyke͟ e ͞Palmer͟. ͞Kent͟. estudos de caracterização física e química de mangas de variedades regionais são de grande importância na escolha de matérias-primas para consumo    ou para industrialização. Kato et al.. ͞São Quirino͟ e ͞Non Plus Ultra͟. tais como a ͞Carlota͟.. ao estudarem polpas concentradas de manga das variedades ͞Espada͟. 8cc  c A composição química e as características da manga variam com as condições da cultura. ͞Ubá͟ e ͞Badhudaran͟ (resistente à má formação). no geral. ͞Rosa͟. ͞Mamão͟. As indústrias. ͞Haden͟. usadas também para o fabrico de sucos (ALMEIDA et al. ͞Keitt͟. Como são encontradas no Brasil diversas cultivares de mangueira. ͞Coité͟. As principais variedades-copa (fruto para mesa) são ͞Tommy Atkins͟. ͞Maranhão͟. ͞Lira͟. Estudos têm sido realizados para verificar quais as variedades indicadas para industrialização. preferem mangas com alto rendimento de polpa. (1976). alto teor de sólidos solúveis e ausência de fibras. variedade e o estádio de maturação (CARDELLO e CARDELLO. alto teor de sólidos solúveis e ausência de fibras (GONÇALVES et al. a preferência é por frutas com baixa acidez. 1998). rc . Com relação ao aspecto sensorial. ao lado de outras. ͞Espada͟. 2000).

2002). A comercialização da manga no mercado interno brasileiro centraliza-se em uma única variedade. tem casca de coloração vermelha. norte-americana ͞Tommy Atkins͟. em estudo realizado por SILVA (1985) e BLEINROTH (1985). A Tabela 4 mostra a composição química e físico-química de algumas variedades de mangas maduras. daí ser eleita pelos produtores para seus plantios.verificaram que não havia diferenças entre elas no teste de preferência. como sabor e ausência de fibras (PINTO. representando 79% da área plantada no Brasil. sendo os néctares preparados a partir destas polpas igualmente bem avaliados. Variedade muito produtiva. . porém se apresenta pobre nos atributos de qualidade de polpa.

enquanto mangas maduras são doces. 2 ʹ BLEINROTH. minerais. pH. . sacarose.60 14.10 15.32 1.3 58.20 14. ácidas e ricas em vitamina C.Sólidos totais permanecem constantes.40 3.57 11. ácidos orgânicos.10 3. ricas em b-caroteno.)#c%c29 c': $..54 1.0 21. . carotenóides e a intensidade do sabor aumentam. Os principais constituintes são carboidratos.54 Açúcares totais (%) 12. cítrico) 0.62 Açúcares redutores (%) 4. pigmentos.80 12. c  . 1985.80 Acidez (% ac. Mangas jovens são adstringentes. substâncias pécticas.60 4.38 0.Alteração da coloração da polpa: de amarelo claro para amarelo escuro ou laranja.79 0. .37 14.Sólidos solúveis. - Vitamina C (mg/100g) 3. 1985.57 0. proteínas e aminoácidos.72 4. ácidos graxos e componentes responsáveis pelo aroma (LAKSHMINARAYANA. 1988).32 10.A respiração e a transpiração aumentam até um pico e depois diminuem.69 4. o teor de acidez e o amido diminuem.30 12.97 0.04 Sólidos solúveis (ºBrix) 14.0 - Fonte: 1 ʹ SILVA.50 0. moderadas em vitamina C e altamente aromáticas.60 4.Firmeza diminui.55 Amido (%) 1.29 4.60 18.48 11. polifenóis.99 12. .7 16.Diminuição dos teores de vitamina C.9 25. vitaminas. c As alterações que as mangas sofrem durante o armazenamento também são importantes.20 13. .86 .0 42. pois são úteis na definição das condições de seu armazenamento e processamento (JAGTIANIE et al. .<:2$ cc<:2$ cc7#7cc6  c6 cc2* c2 c Determinações Variedades 1 1 1 1 2 2 Espada Jasmim Coité Rosa Keitt Tommy Ubá 2 Atkins pH 3. Algumas das mudanças ocorridas são listadas a seguir: .Sólidos insolúveis. .08 4.26 0. açúcares totais.04 3.60 3. 1980).24 4.46 0.53 3.

é rica em potássio e vitaminas C e A (AGROFRUIT. como a manutenção da cor amarelo-claro após o processamento. Na indústria alimentícia. sendo esta fruta ser amplamente utilizada na culinária e na indústria alimentícia. 2004). justificado pelo seu sabor e textura. a viscosidade apropriada para o consumo e a conservação do sabor.. permite a elaboração de pratos como: mousses. Sem falar de outras vantagens fundamentais para o negócio. a matéria-prima para a elaboração de sucos. néctares. Entre os principais produtores desta variedade. Das centenas de variedades de manga existentes no mundo. Na culinária. além dos valores nutricionais da fruta. néctares e geléias. As fibras da manga ͞Ubá͟ são curtas e macias. A variedade ͞Ubá͟ é muito apreciada para a industrialização. entretanto. 2004). sua polpa suculenta e saborosa. sem dúvida predomina. saladas. ‰c . sucos. tortas e molhos. poucas delas com características apropriadas à industrialização (RAMOS et al. a maior produção se dá na forma de polpa. vitaminas. principalmente para a produção de sucos. aproximadamente 100 são cultivadas no Brasil. sendo que. bolos. está a cidade de Visconde do Rio Branco.8cc  c O consumo da manga    . doces em massa e geléias. localizada na Zona da Mata Norte de Minas Gerais. os produtos mais comuns são: polpas.

.

 c c =.

.Retirou-se a polpa da fruta de sua embalagem. . Setor Sul do Campus. tampou-se e durante intervalos eram efetuadas algumas mexidas no volume com colher de pau.Em seguida os dois volumes foram adicionados em panelas distintas e levados à cocção. . da Faculdade de Ciências Agrárias. decidiu-se dividir a polpa em dois volumes onde: 500mL seriam utilizados da forma como a polpa estava processada e 500mL seriam utilizados após passarem por processamento em liquidificador e serem peneirados em seguida para eliminar a maior quantidade de fibras da polpa. Para esta prática utilizou-se a proporção de 1:1:1.A cocção foi realizada por 01h17m. pois o doce já apresentava sinais de haver alcançado coloração e consistência desejadas para seu consumo.01 Kg de açúcar cristalizado. dividiu-se as proporções de açúcar e água que deveriam ser adicionadas as polpas em cocção.Tarou-se o peso da polpa em balança comum para saber o volume de polpa.Feito isso. . desligando o fogo em seguida.01 Fogão com 04 bocas. durante aula da disciplina Processamento de Frutos Tropicais. no Laboratório de Microbiologia. . . Esta atividade prática foi realizada no dia 05 de Novembro de 2010.610Kg. com capacidade para 2. . .Para uma prática mais eficiente e menos desperdício de material.01 Panela média tipo ͞tacho͟.01 Colher de pau média. . ou seja.Imediatamente o produto foi envazado em potes de vidro.Foram retirados os potes da estufa onde estes estavam sendo esterilizados através do uso do calor seco. O peso obtido foi de 1.01 Becker de 250mL. . . Para esta prática foram utilizados os seguintes materiais: . . . Os procedimentos adotados nesta prática foram os seguintes: .01 Balança de triplo balanço marca OHAUS.01 Liquidificador.01 Proveta de 500mL. . tampados e armazenados por uma semana c c c c c ·c . . 500g de açúcar e 500mL de água destilada para 500mL de suco de fruta respectivamente.Foram adicionadas as proporções indicadas para cada uma das panelas contendo a polpa de fruta.120Kg.

 .

não oferecendo resistência e nem possibilidade de corte. possibilitando que um passasse mais tempo resfriando do que o outro. o que indica que o doce alcançou teor de sólidos solúveis dentro dos padrões estabelecidos para os doces cremosos. pelo fato de ter sido preparado com suco de frutas.5 Brix aferido em refratômetro de campo e o de 72 Brix em refratômetro de bancada. a avaliação do doce ficou a critério dos alunos e do professor. pectina. doce em pasta é o produto resultante do processamento adequado das partes comestíveis desintegradas de vegetais com açúcares. A pequena diferença na variação de grau Brix pode estar associada com o tempo decorrido para envazar os dois tipos de doces que tiveram seu acondicionamento em momentos diferentes. Quanto à consistência. Como não foram aplicados testes de escala hedônica. o mesmo enquadra-se em termos de produto final a um doce pastoso de manga. ajustador do pH e outros ingredientes e aditivos permitidos. pois de acordo com a Resolução Normativa nº 9. Quanto à obtenção do produto final. o doce pôde ser classificado como cremoso. o O doce apresentou um teor de sólidos solúveis de 72. pois apresentou uma cor homogênea e consistência mole. de 11/12/78 da ANVISA. que não podem ser inferiores a 55%. c c  c Durante a degustação do doce puderam ser avaliadas algumas características básicas para obtenção de um doce. com ou sem adição de água. c c Îc .

consistência e grau Brix desejadas para consumo comercial. cor. c c c c c c c 4c .   c c O doce pastoso de manga atingiu as características desejadas de aroma. podendo ser preparado de forma artesanal.

  c Páginas Consultadas: 72cc. . >  c.

br/site/ensino/pos/PalestrasÔ illiam/LivromangaÔpdf/17ÔÔprocessame nto.agr.0@ c http://www.$#*cc#2 c?c.pdf .nutricaodeplantas.

cnptia.org.c.embrapa.htm c .htm  c 2+c?c #@ ccc http://sistemasdeproducao.udr.br/frutas9.nutricaodeplantas.todafruta.br/FontesHTML/Manga/CultivodaMangueira/mercado.pdf c2$+$c# c?cc http://www.c http://www.agr.br/site/ensino/pos/PalestrasÔ illiam/LivromangaÔpdf/02Ômelhoramen toÔgeneticodamanga.com.c?cc7#cc'$#c http://www.br/aculturadamanga  c  c?c :#@.