You are on page 1of 48

0

0 FACULDADE BOA VIAGEM – FBV COORDENAÇÃO ACADÊMICA MANUAL DE NORMATIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS Versão 1.01

FACULDADE BOA VIAGEM – FBV COORDENAÇÃO ACADÊMICA

MANUAL DE NORMATIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

Versão 1.01 – abril/2010

Professor Caio Mulatinho (Organizador)

Adaptado para o curso de Administração pelo Prof. Luiz Patrício

RECIFE (PE), 2010

1

SUMÁRIO

1 APRESENTAÇÃO

3

2 NORMAS GERAIS PARA APRESENTAÇÃO GRÁFICA

6

2.1 DO PAPEL

FORMATO

6

2.2 MARGENS

6

2.3 ESPACEJAMENTO

6

2.4 PAGINAÇÃO

7

2.5 INDICATIVOS DE SEÇÃO

7

3 ESTRUTURA DOS TRABALHOS ACADÊMICOS

9

3.1

ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS

11

3.1.1 Capa

11

3.1.2 Folha

de

Rosto

12

3.1.3 Folha

de

Identificação

12

3.1.4 Termo de Responsabilidade

13

3.1.5 Folha de Aprovação

14

3.1.6 Dedicatória

14

3.1.7 Agradecimentos

14

3.1.8 Epígrafe

15

3.1.9 Resumo

15

3.1.10 Abstract

15

3.1.11 Listas de Ilustrações, Quadros e Tabelas

16

3.1.12 Sumário

16

3.2

ELEMENTOS TEXTUAIS

16

3.2.1 Introdução

17

3.2.2 Contextualização do Problema

17

3.2.3 Objetivos

17

3.2.4 Justificativa

18

3.2.5 Delimitação da Pesquisa

18

3.2.6 Proceder Metodológico (Metodologia)

18

3.2.7 Referencial Teórico

18

3.2.8 Cronograma de Atividades

18

3.2.9 Resultados e Conclusão

18

3.3

ELEMENTOS TEXTUAIS DO RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO

19

2

 

3.3.2 Atividades Desenvolvidas

19

3.3.3 Conclusão

 

19

3.4

ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS

20

3.4.1 Referências

 

20

3.4.2 Glossário

24

3.4.3 Apêndice

24

3.4.4 Anexo

24

3.4.5 Índice

24

4

REGRAS DE CITAÇÕES

22

REFERÊNCIAS

 

23

APÊNDICE A – PROCEDIMENTOS PARA O ESTÁGIO SUPERVISIONADO

25

APÊNDICE B – PROCEDIMENTOS PARA O TCC

27

APÊNDICE C – FORMULÁRIO DE ACOMPANHAMENTO DE ORIENTAÇÃO

29

APÊNDICE D – FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DE TCC

32

APÊNDICE E – DIAGRAMA DA ESTRUTURA DO PROJETO DE PESQUISA

34

APÊNDICE F – DIAGRAMA DA ESTRUTURA DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO

36

APÊNDICE

G

DIAGRAMA DA ESTRUTURA DO TCC

38

APÊNDICE H – CONECTORES PARA CONSTRUÇÃO DE PARÁGRAFOS

40

APÊNDICE I – LISTA DE VERBOS PARA ELABORAÇÃO DOS OBJETIVOS

44

3

1 APRESENTAÇÃO

“A normalização de trabalhos técnico-científicos tem como finalidade tornar eficaz a comunicação no meio acadêmico.” (PORTELA, 2005)

O curso de graduação em Administração ofertado pela Faculdade Boa Viagem exige

como pré-requisito à obtenção do grau de Bacharel, a apresentação de uma Monografia, também denominado de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), por ocasião da conclusão do bacharelado.

O TCC pode ser caracterizado como a última expressão do discente com relação ao

aprendizado que foi adquirido no transcorrer de sua vivência acadêmica durante o curso. Em outras palavras, é a materialização, através da escrita de um trabalho científico, do conhecimento adquirido durante o período de labor acadêmico em todos os seus âmbitos (profissional, pessoal e social).

Dessa forma, o estudo formaliza um aprofundamento de um tema correlato com a Ciência Administrativa escolhido pelo discente, na perspectiva de promover um embate entre a teoria e prática na área, possibilitando-o complementar sua formação profissional. Isso fica evidente quando Beuren (2005, p. 1) destaca que o trabalho de conclusão:

Não deve ter como fim a adequação a um formalismo que evidencia o término de uma etapa de vida escolar. Mais do que uma fase a ser transposta, ela deve representar a estruturação e operacionalização dos conhecimentos adquiridos durante o curso, somando-se, ainda, a oportunidade de vivenciar com maior intensidade a aplicabilidade desses conhecimentos.

A autora ainda destaca que, além de proporcionar ao autor um crescimento intelectual,

contribui com a Ciência ao tornar pública uma pesquisa que se propõe a discorrer, elucidar ou

discutir um tema proposto. (BEUREN, 2005, p. 21)

Assim, entende-se que a construção de um TCC permite aos discentes a interação com a sua ciência, na perspectiva de buscar seu desenvolvimento e sua evolução no campo das ciências sociais aplicadas. Dessa forma, o curso pretende valorizar o saber construído pelo discente complementando assim sua formação profissional.

Para um melhor entendimento sobre o TCC é importante descrever alguns conceitos, como seguem:

“Tratamento escrito de um tema específico que resulte de interpretação científica com

e pessoal à ciência.”

escopo de apresentar uma contribuição relevante [

]

(SALOMON, 1972, p. 207);

“Um estudo científico de uma questão bem determinada e limitada, realizado com profundidade e de forma exaustiva.” (SALVADOR, 1980, p. 32);

“Abordagem de um único assunto, sob tratamento metodológico de investigação. Exige que lhe seja dada uma especificação, um tratamento aprofundado e exaustivo

a característica essencial é a forma de estudo de um único tema (unicidade)

delimitado, uma atualidade e originalidade acompanhada de uma contribuição importante para ampliação do conhecimento específico.” (OLIVEIRA, 2002, p. 236)

Das definições supracitadas, pode-se entender o TCC, como aquele constituído de um estudo de um tema único, particular ou específico, elaborado segundo uma metodologia

] [

4

regulada e que apresente, como resultado final, um valor representativo para a ciência. (MARCONI e LAKATOS, 2000)

É importante que se tenha em mente que este trabalho será todo desenvolvido na disciplina de Trabalho de Conclusão de Curso, embora, caso o aluno não esteja estagiando (ou não esteja empregado) quando da matrícula na disciplina de estágio supervisionado I, fará o TCC em duas fases: O pré-projeto do TCC na disciplina de estágio supervisionado I e o trabalho de conclusão de curso na disciplina denominada TCC.

Caso o aluno esteja estagiando ou trabalhando quando se matricular na disciplina de Estágio Supervisionado I, entregará ao final deste, o Relatório de Atividades de Estágio, onde o aluno deverá desenvolver um relato, baseado em uma estrutura formal, das atividades desempenhadas dentro de uma empresa/instituição que tenha convênio com esta faculdade, desde que se trate de um estágio na área de administração, onde deverá haver obrigatoriamente um(a) supervisor(a), nomeado pela empresa/instituição conveniada, que avaliará o(a) estagiário(a). E, na segunda etapa, o(a) discente deverá apresentar e defender uma Trabalho de Conclusão de Curso (Monografia) que contribua para a melhoria da automação, do desempenho, da eficiência e da racionalização dos serviços administrativos das organizações, podendo, em alguns casos, tratar-se de um trabalho meramente teórico, quando de sua relevância para o avanço da Ciência Administrativa.

Diante destas considerações, o presente Manual de Normatização de Trabalhos Acadêmicos apresenta as orientações gerais para a elaboração do Projeto de Pesquisa (para aqueles que não estão estagiando) e do Trabalho de Conclusão de Curso (Monografia), de acordo com as normas exigidas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT para elaboração de trabalhos científicos, com algumas adaptações da própria FBV. Isto é, este documento visa auxiliar os membros dos corpos discentes e docentes da Faculdade Boa Viagem na redação e estruturação metodológica de trabalhos acadêmicos, com a finalidade de contribuir para o desenvolvimento da produção científica desta Faculdade.

A idéia de elaborar este roteiro surgiu do contato com os(as) discentes e docentes, ouvindo suas dúvidas e respondendo às questões relativas às normas aplicadas à formatação de trabalhos acadêmicos. Não se pretende substituir as publicações já existentes, mas mostrar de maneira clara, com exemplos específicos, os cuidados que devem ser tomados quando da redação e estruturação de um trabalho acadêmico, seja ele um Projeto de Pesquisa ou uma Monografia (TCC).

Vale salientar outros fatores preponderantes que influem diretamente na qualidade da produção de trabalhos desta faculdade, a responsabilidade e a autonomia do alunado. Não é novidade que o processo de orientação de trabalhos acadêmicos precisa ser estabelecido em uma base de confiança, entre o(a) orientador(a) e o(a) orientando(a). Os trabalhos comprados e o plágio revelam-se práticas comuns nos meios acadêmicos, e que constitui crime perante as leis civis e penais, brasileiras e internacionais, além da falta de comprometimento e de ética, e da incapacidade intelectual para produção de um trabalho original pelo discente. Evitar esses tipos de práticas com reprovação do TCC era, até então, o único meio que tínhamos para coibir esta prática. Entretanto, o caráter punitivo que é necessário, está tornando-se insuficiente para expurgar definitivamente a prática destes crimes, que termina por prejudicar a faculdade, o(a) orientador(a) e o próprio discente, podendo até haver cassação de seu diploma em alguns casos. Dessa forma, foram tomadas algumas medidas de caráter preventivo onde:

Foi inserida na estrutura do TCC uma folha denominada de Termo de Responsabilidade, onde o(a) aluno(a) se responsabilizará por qualquer prática criminosa relativa a direitos autorais na construção do seu trabalho;

5

Verificação dos trabalhos em software específico que detecta plágio, durante todo o processo de orientação, pelo(a) orientador(a);

Reforçar junto ao alunado e aos docentes as regras de citação existentes, referendadas pela ABNT, para evitar todo e qualquer tipo de uso indevido de materiais elaborado por terceiros.

É imperioso que os discentes se conscientizem que o papel do(a) orientador(a) é de mediar a dicotomia entre a teoria e prática administrativa, propondo referenciais bibliográficos e documentais, além de propiciar condições viáveis para que o(a) aluno(a) produza um trabalho que revele qualidade, originalidade e relevância para a profissão e para a ciência da Administração. Adicionalmente, a postura autônoma do alunado deve sobrepor a idéia de dependência do(a) seu(sua) orientador(a).

Enfim, este documento fornece orientação sobre a estrutura do trabalho científico, sua normalização e apresentação gráfica. Sugestões quanto ao complemento ou clareza das informações serão sempre bem recebidas pela Coordenação do Curso desta Faculdade, haja vista que este não é um trabalho definitivo, portanto, críticas e sugestões serão bem-vindas.

6

2 NORMAS GERAIS PARA APRESENTAÇÃO GRÁFICA

2.1 FORMATO DO PAPEL

De acordo com a NBR 15.287/05 (normatiza a apresentação de um Projeto de Pesquisa) e a NBR 14.724/05 (normatiza a apresentação de uma Monografia), o papel a ser utilizado é o de formato A4 (21 cm x 29,7 cm) de cor branca, e o texto deverá ser digitado na cor preta, com exceção das ilustrações, no anverso das folhas. Recomenda-se para digitação a utilização de fonte tamanho 12 (Times New Roman) para o texto e tamanho menor (normalmente 10) para as citações de mais de três linhas (que deve ser observado ainda um recuo de 4 cm), notas de rodapé, numeração de página, legendas das ilustrações, tabelas e quadros e qualificação do trabalho (presente na folha de rosto).

2.2 MARGENS

Conforme a NBR 15.287/05 e a NBR 14.724/05, as folhas devem apresentar margens que permitam a encadernação e a reprodução. Dessa forma, as margens devem ter: 3 cm na margem esquerda e superior e 2 cm na margem direita e inferior. Conforme exemplo em seguida:

na margem direita e inferior. Conforme exemplo em seguida: 2.3 ESPACEJAMENTO Segundo a NBR 15.287/05 e

2.3 ESPACEJAMENTO

Segundo a NBR 15.287/05 e a NBR 14.724/05, todo o texto deve ser digitado em espaço 1,5. As citações de mais de três linhas, as notas, as referências, as legendas das ilustrações, quadros e tabelas, a natureza do trabalho, o nome da instituição a que é submetida

7

e o título do trabalho devem ser digitados em espaço simples. Vale salientar que as referências, ao final do trabalho, devem ser separadas entre si por espaço duplo.

Ainda, os títulos das seções ou subseções devem ser separados do texto que os precede ou que os sucede por um espaço de 1,5. Na folha de rosto, a natureza do trabalho, com nome da instituição a que é submetida e a área de concentração devem ser alinhados do meio da mancha para a margem direita.

Por fim, deve-se atentar que as ilustrações (gráficos, plantas, quadros, fluxogramas e outros) quando fizerem parte do trabalho são identificados na parte inferior com seu número de ordem, seu respectivo título e a autoria (fonte) dos dados com o ano de publicação entre parênteses.

No entanto, para as tabelas, serão identificadas na parte superior, com seu número de ordem e respectivo título, e na parte inferior e a autoria (fonte) de dados com o ano de publicação entre parênteses.

2.4 PAGINAÇÃO

O discente deve observar os seguintes aspectos:

a) Elementos pré-textuais são facultados a numeração seqüencialmente, em algarismos romanos, localizados no lado direito da extremidade superior da folha;

b) Elementos textuais são obrigatoriamente numerados seqüencialmente, em algarismos arábicos, localizados no lado direito da extremidade superior da folha;

c) Elementos pós-textuais são obrigatoriamente numerados na mesma seqüência do texto.

Vale lembrar que a contagem inicia-se na folha rosto, isto é, a capa não representa a página 1.

2.5 INDICATIVOS DE SEÇÃO

O indicativo numérico de uma seção precede seu título, alinhado à esquerda, separado

por um espaço, conforme a NBR 14.724/02 e NBR 6.024/03. Os títulos das seções devem ser destacados gradativamente, utilizando os recursos de negrito, itálico, grifo e redondo. Conforme exemplo a seguir:

1 SEÇÃO PRIMÁRIA

1.1 SEÇÃO SECUNDÁRIA

1.1.1 Seção Terciária 1.1.1.1 Seção Quaternária 1.1.1.1.1 Seção Quinária

Porém, de acordo com a mesma norma, há títulos sem indicativo numérico – lista de ilustrações, lista de abreviaturas e siglas, lista de símbolos, sumário, referências, glossário, apêndice(s), anexo(s), e índice(s) – que devem ser centralizados na página.

Por fim, os títulos da seção primária devem iniciar em folhas distintas, uma vez que são as principais divisões do texto.

8

9

3 ESTRUTURA DOS TRABALHOS ACADÊMICOS

Inicialmente, o discente que não se encontra estagiando e se matricule na disciplina de estágio supervisionado I, deverá desenvolver uma proposta de pesquisa, que consiste na construção de um Projeto de Pesquisa. No Projeto de Pesquisa o discente descreverá de forma objetiva o que pretende fazer ao longo da pesquisa, definindo obrigatoriamente um professor-orientador a ser indicado pelo coordenador do curso.

No caso dos alunos que ao se matricularem na disciplina de estágio supervisionado I estejam estagiando (ou trabalhando) em alguma empresa vinculada à FBV, optará por fazer o Relatório de Atividades de Estágio, onde desenvolverá um trabalho que se caracterize por alguma ação prática dentro da empresa/instituição que este presta seus serviços como estagiário.

Ambos os trabalhos deverão ser entregues à Coordenação do Curso desta Faculdade, que será avaliada, sob os critérios de relevância do assunto, originalidade do tema e viabilidade de consecução dos objetivos.

Conforme a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), em seu documento NBR 15.287/05, que trata das normas para apresentação de um Projeto de Pesquisa, institui que neste trabalho há três elementos imprescindíveis em sua elaboração, são eles: elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais.

Com base nisso, a estrutura da proposta deverá seguir os seguintes passos:

ELEMENTOS

ESTRUTURAÇÃO INTERNA

Pré-textuais

Capa (obrigatório) Folha de Rosto (obrigatório) Sumário (obrigatório)

 

Introdução (obrigatório)

Contextualização do Problema (obrigatório) Objetivos (obrigatório)

- Objetivo Geral (obrigatório)

- Objetivos Específicos (obrigatório)

Textuais

Justificativa (obrigatório) Delimitação da Pesquisa (obrigatório) Proceder Metodológico (obrigatório) Referencial Teórico (obrigatório)

Cronograma de Atividades (obrigatório)

Pós-textuais

Referências (obrigatório)

Quadro 01: Estrutura Global do Projeto de Pesquisa Fonte: Adaptado de ABNT/NBR 15.287 (2005)

É importante observar no Quadro 1, que os itens que estão em negrito, são obrigatórios na proposta a ser entregue ao término da disciplina Estágio Supervisionado à Coordenação do Curso.

Entretanto, caso o discente opte por elaborar um Relatório de Atividades de Estágio, este deverá atender a seguinte estrutura formal:

10

ELEMENTOS

ESTRUTURAÇÃO INTERNA

Pré-textuais

Capa (obrigatório) Folha de Identificação (obrigatório) Sumário (obrigatório)

Textuais

Introdução (obrigatório) Atividades Desenvolvidas (obrigatório) Conclusão (obrigatório)

Pós-textuais

Referências (obrigatório)

Quadro 02: Estrutura Global do Relatório de Atividades de Estágio Fonte: Elaboração Própria

Por outro lado, conforme a Associação Brasileira de Normas Técnicas, em seu documento NBR 14.724/05, que trata das normas para apresentação de um trabalho científico, que inclui a Monografia, institui que neste trabalho há três elementos imprescindíveis em sua elaboração, são eles: elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais.

Com base nisso, a estrutura da proposta deverá seguir os seguintes passos:

ELEMENTOS

ESTRUTURAÇÃO INTERNA

Pré-textuais

Capa (obrigatório) Folha de Rosto (obrigatório) Termo de Responsabilidade (obrigatório) Folha de Aprovação (obrigatório) Dedicatória (opcional) Agradecimentos (opcional) Epígrafes (opcional) Resumo (obrigatório) Abstract (obrigatório) Lista de Ilustrações (opcional) Lista de Tabelas (opcional) Lista de Quadros (opcional) Lista de Abreviaturas e Siglas (opcional) Sumário (obrigatório)

 

Introdução (obrigatório)

Contextualização do Problema (obrigatório) Objetivos (obrigatório)

- Objetivo Geral (obrigatório)

- Objetivos Específicos (obrigatório)

Textuais

Justificativa (obrigatório) Delimitação da Pesquisa (obrigatório) Proceder Metodológico (obrigatório) Referencial Teórico (obrigatório) Apresentação e Análise dos Resultados (obrigatório) Conclusão (obrigatório)

Pós-textuais

Referências (obrigatório) Glossário (opcional) Apêndice (s) (opcional) Anexo (s) (opcional) Índice (opcional)

Quadro 03: Estrutura Global da Monografia Fonte: Adaptado de ABNT/NBR 14.724 (2005)

11

Percebe-se com base na observação do Quadro 03, que a diferença básica na estruturação entre o Projeto de Pesquisa e a Monografia, para os elementos obrigatórios, são:

(a) Elementos Pré-textuais – inclusão do Termo de Responsabilidade, da Folha de Aprovação, do Resumo e do Abstract; (b) Elementos Textuais – retirada do Cronograma de Atividades e inclusão da Apresentação e Análise dos Resultados da Pesquisa e a Conclusão; (c) Elementos Pós-textuais – não há alterações dos itens obrigatórios.

3.1 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS

Os elementos pré-textuais antecedem ao texto, com informações que orientam na identificação da instituição da qual é vinculada o discente, o título do trabalho, o nome do autor(a), o nome do orientador(a), local e ano da realização da proposta, finalidade formal da proposta e o sumário dos tópicos descritos no trabalho.

3.1.1 Capa

Elemento obrigatório para proteção externa do trabalho e sobre o qual se imprimem as informações indispensáveis à sua identificação. Deve conter: nome da instituição; nome do autor; título; subtítulo (se houver); local (cidade) e ano da entrega. Atribui-se a Capa para todas as formas de trabalhos acadêmicos aqui descritos.

houver); local (cidade) e ano da entrega. Atribui-se a Capa para todas as formas de trabalhos

12

3.1.2 Folha de Rosto

Elemento obrigatório que contém os elementos essenciais à identificação do trabalho. Deve conter: nome do autor; título; subtítulo (se houver); número do volume (quando necessário); natureza (trabalho de conclusão de curso, dissertação, tese e outros) e objetivo (aprovação em disciplina, grau pretendido e outros); nome da instituição a que é submetido e área de concentração, nome do orientador (se houver); local (cidade), ano de depósito (da entrega). Ressalta-se que a esta folha é elemento obrigatório do Projeto de Pesquisa e da Monografia.

As informações sobre natureza e objetivo do trabalho devem ser apresentadas alinhadas e justificadas a partir do centro da folha como mostrado a seguir. Os demais elementos devem ser centralizados na folha. Esta folha, embora considerada a primeira folha do trabalho, não recebe numeração.

a primeira folha do trabalho, não recebe numeração. 3.1.3 Folha de Identificação Este item é onde

3.1.3 Folha de Identificação

Este item é onde o(a) autor(a) apresenta: (a) a área onde ocorrerá o estágio, os dados básicos do estagiário, como nome, número de matrícula e período em curso; (b) local, onde serão descritos o nome e a qualificação do responsável (supervisor-a- do estágio), nome do(a) orientador(a); e, (c) período em que se deu o estágio, com totalização das horas e da jornada de trabalho. A formatação gráfica deve seguir as mesmas regras para a folha de rosto, descrevendo detalhadamente as informações descritas anteriormente. Como exemplo, deve-se observar a

13

seguinte estruturação. Ressalta-se que a esta folha é elemento obrigatório apenas do Relatório de Atividades de Estágio.

obrigatório apenas do Relatório de Atividades de Estágio. 3.1.4 Termo de Responsabilidade Este item é onde

3.1.4 Termo de Responsabilidade

Este item é onde o(a) autor(a) se responsabiliza pela autoria do trabalho, isentando a instituição e o(a) orientador(a) a quaisquer aplicação de penalidades previstas no código penal para o plágio. Vale lembrar que é um item obrigatório apenas para a Monografia.

penalidades previstas no código penal para o plágio. Vale lembrar que é um item obrigatório apenas

14

3.1.5 Folha de Aprovação

A folha de aprovação é um dos itens obrigatórios que contém os elementos essenciais da identificação do trabalho. Vindo após o Termo de Responsabilidade, é constituída pelo nome do(a) autor(a) do trabalho, título do trabalho e subtítulo (se houver), natureza, objetivo, nome da instituição a que é submetido, área de concentração, data de aprovação, nome, titulação e assinatura dos componentes da banca examinadora. A data de aprovação e assinatura dos membros componentes da banca examinadora são colocadas após a aprovação dos trabalhos. Ressalta-se que somente na Monografia este elemento é exigido.

que somente na Monografia este elemento é exigido. 3.1.6 Dedicatória A dedicatória é um item opcional,

3.1.6 Dedicatória

A dedicatória é um item opcional, onde o autor presta homenagem ou dedica seu trabalho. Nesta parte não é necessário indicar o título Dedicatória, apenas o texto que servirá para a homenagem ou dedicação do trabalho.

3.1.7 Agradecimentos

Elemento opcional que é dirigido àqueles que contribuíram de maneira relevante à elaboração do trabalho. O título (Agradecimentos) deve estar centralizado no canto superior da página.

15

3.1.8 Epígrafe

A epígrafe é um elemento opcional, onde o autor apresenta uma citação, seguida da indicação de autoria, relacionada com a matéria tratada no corpo do trabalho. Da mesma forma que a página de Dedicatória, esta página não é necessário incluir o nome Epígrafe, apenas a citação.

3.1.9 Resumo

É uma apresentação concisa dos pontos relevantes de um documento, é um elemento obrigatório, redigido pelo próprio autor, construído de uma seqüência de frases objetivas e não de uma simples enumeração de tópicos, não ultrapassando 250 palavras (em torno de 10 a 15 linhas). O resumo deve ressaltar, no mínimo, o objetivo geral, a metodologia utilizada, os resultados e as conclusões. O resumo deve ser redigido em parágrafo único, com espaçamento entre linhas simples, sem recuo, e seguido das palavras representativas do conteúdo do trabalho, isto é, palavras-chave, segundo a NBR 6.028/03. Ressalta-se que somente na Monografia este elemento é exigido.

que somente na Monografia este elemento é exigido. 3.1.10 Abstract Elemento opcional na FBV. Deve ser

3.1.10 Abstract

Elemento opcional na FBV. Deve ser digitado em folha separada e seguido das palavras representativas do conteúdo do trabalho, isto é, palavras-chave (Keywords). Em outras palavras, é a tradução para o Inglês do Resumo, objeto do tópico anterior. Ressalta-se que somente na Monografia este elemento é exigido.

16

3.1.11 Listas de Ilustrações, Quadros e Tabelas

Elemento pré-textual opcional, e deve apresentar informações sobre a numeração da ilustração, quadro ou tabela, seguida do seu título (tal como está apresentado no texto) e a respectiva página que se encontra.

3.1.12 Sumário

Último elemento pré-textual obrigatório, cujas partes são acompanhadas do(s) número(s) da(s) página(s). O sumário deve ser elaborado de acordo com a NBR 6.027/03, que o conceitua como “Enumeração das divisões, seções e outras partes de uma publicação, na mesma ordem e grafia em que a matéria nele se sucede”. Atribui-se o Sumário para todas as formas de trabalhos acadêmicos aqui descritos.

todas as formas de trabalhos acadêmicos aqui descritos. 3.2 ELEMENTOS TEXTUAIS Nesta parte do trabalho há

3.2 ELEMENTOS TEXTUAIS

Nesta parte do trabalho há a exposição da matéria que compõe a pesquisa. É formada por três partes fundamentais: introdução, desenvolvimento e cronograma (Projeto de Pesquisa); Introdução, Atividades Desenvolvidas e Conclusão (Relatório de Atividades de Estágio); e, Introdução, Desenvolvimento e Conclusão (Monografia).

A seguir serão dispostos os itens que comporão o Projeto de Pesquisa e a Monografia.

17

a) Introdução – É a parte inicial do texto, onde consta a contextualização do problema de investigação, os objetivos da pesquisa, sua justificativa, a delimitação do assunto abordado, a metodologia que será adotada e outros elementos necessários para situar o tema do trabalho.

b) Desenvolvimento – É a parte principal do texto, pois contém a exposição ordenada e pormenorizada do assunto. Divide-se em seções e subseções, que variam de acordo com a abordagem do tema e da metodologia de pesquisa utilizada.

c) Cronograma – É onde serão dispostas as atividades relacionadas ao tempo de execução da pesquisa. Parte integrante somente do Projeto de Pesquisa.

d) Resultados e Conclusão – É onde se responde a pergunta e atinge-se o objetivo geral do trabalho. Além de apresentar e analisar os resultados da pesquisa. Parte integrante somente para o TCC.

Numa divisão sistematizada os elementos textuais (introdução, desenvolvimento e cronograma ou resultados e conclusão) podem ser apresentados da seguinte forma:

3.2.1

Introdução

Deve conter a contextualização do assunto a ser tratado, abordando brevemente sobre alguns pontos do tema a ser desenvolvido;

Tem a finalidade de demonstrar e despertar no leitor o interesse pelo assunto (tema);

A partir da introdução é possível contextualizar e caracterizar o problema.

3.2.2

Contextualização do Problema

Deve conter uma pequena introdução, contextualizando a problemática;

Tem a finalidade de realizar e estabelecer um questionamento acerca do tema que está sendo estudado;

É efetivado com um único questionamento (em forma de pergunta).

3.2.3

Objetivos

a)

Objetivo Geral

Deve conter de forma explícita o desejo de responder a pergunta resultante do questionamento da pesquisa;

Deve iniciar com verbo no infinitivo, tais como: identificar, interpretar, decodificar, sistematizar, explicar, verificar, levantar, demonstrar, analisar, criticar, identificar, propor, desenvolver, investigar, evidenciar, etc. (utilizar verbos de questionamentos científicos);

Tem a finalidade de solucionar o problema que fez surgir o questionamento.

18

b)

Objetivos Específicos

São os passos a serem seguidos com o intuito de se atingir o objetivo geral;

Assim como o Geral, devem iniciar com verbos no infinitivo.

3.2.4

Justificativa

Deve conter a demonstração da relevância do tema;

Tem a finalidade de dar consistência ao assunto que está sendo abordado.

3.2.5

Delimitação da Pesquisa

Deve conter o tempo (quando) e o espaço (onde) a serem focados na realização da pesquisa, tendo a finalidade de determinar o foco a ser desenvolvido.

3.2.6

Proceder Metodológico (Metodologia)

Deve realçar a forma através da qual se define o tratamento científico durante todo o processo da pesquisa;

É o estabelecimento do método (indutivo, dedutivo, etc.) a ser utilizado para atingir aos objetivos do trabalho, bem como as técnicas (estudo de caso, pesquisa bibliográfica, documental, questionário, entrevista, análise quantitativa e/ou qualitativa) a serem utilizadas no atendimento dos objetivos. Ainda, qual o tipo da pesquisa quanto ao atingimento dos objetivos (descritiva, exploratória ou explicativa)

Tem a finalidade de desenvolver um padrão de pesquisa (começo, meio e fim).

3.2.7

Referencial Teórico

É a revisão da literatura científica sobre a temática em estudo;

Tem a finalidade de fundamentar a pesquisa com todos os marcos teóricos estudados.

3.2.8

Cronograma de Atividades

É o estabelecimento do tempo relacionado à execução das atividades da pesquisa. Este item é obrigatório apenas para o Projeto de Pesquisa.

3.2.9

Resultados e Conclusão

É onde são apresentados e discutidos os resultados da pesquisa;

19

Tem a finalidade de concluir o trabalho, mediante a resposta da problemática levantada no início da pesquisa, ou ainda, de satisfazer plenamente o objetivo geral da pesquisa;

Este item é obrigatório apenas para a Monografia;

Opcionalmente pode-se sugerir, recomendar pesquisas futuras que tomem por base a pesquisa desenvolvida.

3.3 ELEMENTOS TEXTUAIS DO RELATÓRIO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO

3.3.1

Introdução

Deverá conter neste item no mínimo os seguintes elementos:

Breve histórico e objetivo da empresa/instituição;

Classificação da atividade econômica da empresa/instituição;

Local de funcionamento da empresa/instituição, caracterização das principais atividades desempenhadas, produtos vendidos e/ou serviços oferecidos;

Infra-estrutura da empresa/instituição de estágio;

Objetivos e justificativa do relatório.

3.3.2

Atividades Desenvolvidas

Neste item deverão ser descritos e discutidos as principais atividades desenvolvidas pelo(a) estagiário(a). Devendo atender no mínimo aos seguintes pontos:

Especificar o setor onde se desempenha(ou) o estágio;

Fazer um relato detalhado das atividades desenvolvidas no setor de estágio realizado, identificando um problema prático real pela qual a empresa/instituição esteja passando;

Exposição de conhecimentos teóricos, pautadas em revisão bibliográfica, que estejam relacionadas às atividades do estágio;

Metodologia utilizada no desenvolvimento das atividades de estágio.

3.3.3

Conclusão

Neste item deverá ser descrita as considerações finais com base nos conhecimentos teórico-práticos estabelecidos e atividades desenvolvidas pelo(a) estagiário(a). Devendo atender minimamente aos seguintes pontos:

Comentar se o estágio realizado foi satisfatório, se o tempo foi suficiente, como sentiu o contato com os técnicos e com os futuros colegas de profissão;

Fazer uma correlação entre o estágio prático e os conhecimentos teóricos adquiridos nas disciplinas relacionadas e no material de referência bibliográfica.

20

3.4 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS

Os elementos pós-textuais completam o trabalho. São elementos pós-textuais:

referências, glossário, apêndice (s), anexo (s) e índice (s). Ressalta-se que estes elementos são obrigatórios para todos os trabalhos acadêmicos descritos neste documento.

3.4.1 Referências

Elemento obrigatório, que consiste em um conjunto padronizado de elementos descritivos retirados de um documento e que permite sua identificação individual. As referências devem ser elaboradas conforme a NBR 6.023/02. Os elementos essenciais para a elaboração de referências são: autor (es), título, edição, local, editora e data de publicação. Quando necessário acrescentam-se elementos complementares à referência para melhor identificar o documento. O recurso tipográfico (negrito, grifo ou itálico) utilizado para destacar o elemento título deve ser uniforme em todas as referências de um mesmo documento.

É importante saber que somente devem ser incluídos nas referências os documentos –

livros, artigos, monografias, dissertações, teses, papers, textos disponíveis na internet, etc. – que tenham sido consultados e utilizados no trabalho. Recomenda-se a utilização de ordem alfabética para a ordenação das referências ao final do trabalho. As referências são alinhadas somente à margem esquerda.

A seguir são descritos alguns exemplos, de acordo com a norma supracitada:

AUTOR (pessoa física)

a) 1 autor:

MINADEO, Roberto. Marketing internacional: conceitos e casos. Rio de Janeiro:

Thex, 2001.

BEIRÃO, Nirlando. Claudio Bernardes: a psicanálise da prancheta. São Paulo:

DBA, 1999.

FURUYAMA, Masão. Tadao Ando. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

b) 2 autores:

GOMES, Josir Simeone; SALAS, Joan M. Amat. Controle de gestão: uma abordagem contextual e organizacional. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

c) 3 autores:

SOUZA, Donaldo Bello de; SANTANA, Marco Aurélio; DELUIZ, Neise. Trabalho e educação: centrais sindicais e reestruturação produtiva no Brasil. Rio de Janeiro: Quartet,

1999.

21

d) Mais de 3 autores:

GRINOVER, Ada Pellegrini et al. Juizados especiais criminais: comentários a Lei 9.099, de 26-09-1995. 2. ed. rev. atual. e aum. São Paulo: R. dos Tribunais, 1997. NOTA: em casos específicos (projetos de pesquisa científica, indicação de produção científica em relatórios etc.), nos quais a menção dos nomes for indispensável para certificar a autoria, é facultado indicar todos os nomes.

e) Responsabilidade intelectual destacada (indicação explícita de responsabilidade):

CARVALHO, Maria Cecilia Maringoni de (Org.). Construindo o saber: metodologia científica, fundamentos e técnicas. 5. ed. São Paulo: Papirus, 1995.

PINTO, Diana Couto; LEAL, Maria Cristina; PIMENTEL, Marília A. Lima (Coord.). Trajetórias de liberais e radicais pela educação pública. São Paulo: Loyola,

2000.

f) Sobrenomes que indicam parentesco:

OLIVEIRA JUNIOR, José Alcebíades de; LEITE, José Rubens Norato (Org.). Cidadania coletiva. Florianópolis: Paralelo, 1996.

g) Sobrenomes ligados por hífen:

ALVES-MAZZOTTI, Alda Judith; GEWANDSZNAJDER, Fernando. Método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. 2. ed. São Paulo:

Pioneira, 2001.

AUTOR (entidade, instituição, empresa, etc.)

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DAS ALFANDEGAS. Glossário de termos aduaneiros internacionais. Tradução: Oswaldo da Costa e Silva. Brasília, DF: LGE, 1998.

BRASIL. Presidência da República. Comunidade solidária: três anos de trabalho. Brasília, DF: Imprensa Nacional, 1998.

TRABALHOS ACADÊMICOS, DISSERTAÇÕES E TESES

SERDEIRA, Carlos. Análise de empréstimos: aplicação da teoria de carteiras. 1997. 35 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Contábeis) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 1997.

NOGUEIRA, Angela Guiomar. Competências gerenciais: o caso Telerj. 1998. 122 f. Dissertação (Mestrado em Administração) - Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro, 1998. AMARAL NETO, Francisco dos Santos. Da irretroatividade da condição no direito civil brasileiro. 1981. 383 f. Tese (Doutorado em Direito) - Faculdade de Direito, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1981.

22

EVENTOS NO TODO

SIMPÓSIO REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO DO NORDESTE, 1., 1996, Fortaleza. Gestão e participação. Fortaleza: ANPAE, 1996.

REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA PARA O PROGRESSO DA

CIÊNCIA, 46., 1994, Vitória. Anais

Vitória: UFES, 1994.

CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 2., 1997, Belo Horizonte. Educação, democracia e qualidade social: consolidando um plano nacional de educação. Belo Horizonte: APUBH, 1997.

TRABALHOS APRESENTADOS EM EVENTOS

QUINTELLA, Heitor M.; SOUZA, Levi P. Cultura de negócios: nova perspectiva dos estudos sobre o comportamento organizacional, estudo de caso em duas emissoras de TV educativa. In: ENCONTRO DA ANPAD, 25., 2001, Campinas. Resumo dos trabalhos. Campinas:

[s.n.], 2001.

OBRAS SEM AUTORIA

EDUCAÇÃO formal: entre o comunitarismo e o universalismo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1996.

DOCUMENTOS JURÍDICOS

BRASIL. Medida provisória n.º 2.052, de 26 de outubro de 2000. Dispõe sobre o acesso ao patrimônio genético, a proteção e o acesso ao conhecimento tradicional associado, a repartição de benefícios e o acesso à tecnologia e a transferência de tecnologia para sua conservação e utilização, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 27 out. 2000. Seção 1-E, p. 87.

PUBLICAÇÕES PERIÓDICAS (REVISTAS E JORNAIS)

EMPRESÁRIOS da Argentina querem a suspensão temporária do Mercosul. O Globo, Rio de Janeiro, 27 set. 2001. Economia, p. 28.

PANZUTTI, Nilce. Impureza e perigo para povos de floresta. Ambiente e sociedade, Campinas, ano 2, n. 5, p. 69-77, jul./dez. 1999.

ALMEIDA, Eros Ramos de. Portugueses são estrelas de evento esvaziado. O Globo, Rio de Janeiro, 27 set. 2001. Segundo Caderno, p. 2.

NOTAS

a) Entrevistas, palestras, etc.

POSSI, Zizi. Movida a paixão. São Paulo, 2001. Entrevista concedida a Lucy Dias em 10 set.

2001.

23

b) Anotações de aula

SILVA, José. Mecânica básica. 2001. 45 f. Notas de aula.

FITAS DE VÍDEO

VACAS sagradas dão os melhores bifes. Belo Horizonte: Sete, [199-]. 2 fitas de vídeo (108 min), VHS, son., color.

DÊ um show: transforme seu business em um show. Palestrante Luiz Marins. Rio de Janeiro: COMMIT, 2001. 1 fita de vídeo (32 min), VHS, son., color.

STAR Wars I: a ameaça fantasma. Direção e roteiro: George Lucas. Produção: Rick McCallum. Intérpretes: Liam Neeson; Ewan Mcgregor; Natalie Portman; Jake LLoyd: Ian McDiarmid e outros. Manaus: VIDEOLAR, 2000. 1 fita de vídeo (133 min), VHS, son., color.

CD

ANA Carolina. [Rio de Janeiro]: BMG, c2001. 1 CD (53 min).

DOCUMENTOS ELETRÔNICOS

a) Artigo de periódico com autoria:

ARRUDA, Maria Cecília Coutinho; NAVRAN, Frank. Indicadores de Clima Ético nas Empresas. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 40, n. 3, jul./set. 2000. Disponível em: <http://www.rae.com.br/rae/artigos_on_line.htm>. Acesso em: 28 set. 2001.

b) Artigo de periódico sem autoria:

LÍDERES do PT discutem em SP propostas do partido para 2002. JB Online, Rio de Janeiro, 28 set. 2001. Disponível em: <www.jb.com.br>. Acesso em: 28 set. 2001.

c) Trabalho apresentado em eventos:

MARQUES JÚNIOR, Alaôr Messias; PIMENTA, Ana Lúcia Neves. A informação jurídica como instrumento para o exercício da cidadania. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE BIBLIOTECONOMIA E DOCUMENTAÇÃO, 19., 2000, Porto Alegre. Anais eletrônico Porto Alegre: PUC-RS, 2000. Temário Livre. Disponível em:<http://www.pucrs.br/cbbd2000/>. Acesso em: 28 set. 2000.

d) Trabalho acadêmico

ALVES, Maria Leila. O papel equalizador do regime de colaboração estado município na política de alfabetização. 1990. 283 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade de Campinas, Campinas, 1990. Disponível em: <http://www.inep.gov.br/cibec/bbe-online/>. Acesso em: 28 set. 2001.

24

e) Lista de discussão

BIBAMIGOS Discussion List. Lista de Discussão sobre Biblioteconomia e Ciência da Informação. BibAmigos no Brasil. Disponível em: < bibamigos@egroups.com >. Acesso em:

21 ago. 2001.

3.4.2 Glossário

Elemento opcional, que consiste em uma lista em ordem alfabética, de palavras ou expressões técnicas de uso restrito ou de sentido obscuro, utilizadas no texto, acompanhadas das respectivas definições.

3.4.3 Apêndice

Elemento opcional, que consiste em um texto ou documento elaborado pelo autor, a fim de complementar sua argumentação, sem prejuízo da unidade nuclear do trabalho. O(s) apêndice(s) é (são) identificado(s) por letras maiúsculas consecutivas, travessão e pelos respectivos títulos.

3.4.4 Anexo

Elemento opcional, que consiste em um texto ou documento não elaborado pelo autor, que serve de fundamentação, comprovação e ilustração. O(s) anexo(s) é (são) identificado(s) por letras maiúsculas consecutivas, travessão e pelos respectivos títulos.

3.4.5 Índice

Elemento opcional, lista de palavras ou frase, ordenadas segundo determinado critério que localiza e remete para as informações contidas no texto.

22

4 REGRAS DE CITAÇÕES

Citação é a menção, no texto, de uma informação extraída de outra fonte, e deve ser apresentada como a NBR 10.520/02. Podem aparecer no texto ou em notas de rodapé. A seguir, alguns exemplos de como apresentar as citações.

a) Citações diretas, literais ou textuais

Transcrição do texto de até três linhas deve conter aspas duplas. Exemplo:

“Não se mova, faça de conta que está morta.” (CLARAC; BONNIN, 1985, p. 72)

Transcrição no texto com mais de três linhas, deve estar em parágrafo independente, com recuo de 4 cm da borda esquerda, digitados em espaço 1 e com letra menor que a do texto e sem aspas. Exemplo:

Neste particular Bialoskorski Neto (1997, p. 516) registrou que:

Pode-se expressar a importância do cooperativismo na agricultura brasileira através da participação das cooperativas no cenário produtivo nacional, em que grande parte da produção de soja, milho, leite, suínos, entre outros, é feita por cooperativas.

b) Citações indiretas ou livres

Transcrição livre do texto do autor consultado. Não é necessário o uso das aspas. Nas citações indiretas a indicação das páginas consultadas é opcional. Exemplo:

da

importância dele estar habilitado para o acesso da informação em qualquer suporte.

Nascimento

(1996)

fala

da

responsabilidade

do

profissional

da

informação,

c) Citações de citações

Transcrição direta ou indireta de um texto em que não se teve acesso ao original. Exemplo:

Segundo Telles Jr. (1997 apud DINIZ 1999, p. 252) “existe um critério misto, pelo

qual distingue-se o direito público do direito privado [

]”

Ou,

“Estabeleceu uma visão do Estado Capitalista como produto modelador da luta de classe.” (INGRAO, 1977, apud CARNOY, 2001, p. 208).

23

REFERÊNCIAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023 – informação e Documentação. Referências: elaboração. Rio de Janeiro, 2002.

NBR 6024: informação e documentação: numeração progressiva das seções de um documento escrito: apresentação. Rio de Janeiro, 2003.

NBR 6027: informação e documentação: sumário: apresentação. Rio de Janeiro,

2003.

NBR 6028: resumo: apresentação. Rio de Janeiro, 1990.

NBR 10520: informação e documentação: citações em documentos: apresentação. Rio de Janeiro, 2002.

NBR 12225: informação e documentação: lombada: apresentação. Rio de Janeiro,

2004.

NBR 14724: informação e documentação: trabalhos acadêmicos: apresentação. Rio de Janeiro, 2002.

NBR 15287: informação e documentação: projeto de pesquisa. Rio de Janeiro,

2005.

PORTELA, Patrícia de Oliveira. Apresentação de trabalhos acadêmicos de acordo com as normas de documentação da ABNT: informações básicas. Uberaba, MG: UNIUBE, 2005. Disponível em <www.uniube.br/institucional/biblioteca/ura/setores/referencia/documents/ManualCompleto_ ABNT_2005.pdf > Acesso em 12/11/2005

BEUREN, Ilse Maria (Org.). Como Elaborar Trabalhos Monográficos em Contabilidade:

teoria e prática. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2005.

FACULDADE BOA VIAGEM. Manual de Pesquisa e Trabalho de Conclusão de Curso. Apostila dos cursos de graduação e cursos seqüenciais. Coordenação de Estágio Supervisionado. Publicação própria. Recife, 2009.

24

FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE CARUARU (FAFICA). Manual de orientações para a construção do Trabalho de Conclusão de Curso em Ciências Contábeis. Publicação própria. Caruaru, 2009.

LOPES, Jorge; MULATINHO, Caio; PEDERNEIRAS, Marcleide; PEREIRA, Dimmitre; SILVA, Felipe. O Fazer do Trabalho Científico em Ciências Sociais Aplicadas. Recife:

Ed. Universitária (UFPE), 2006.

MARCONI, M.A.; LAKATOS, E.V. Metodologia do trabalho científico. 6.ed. São Paulo:

Atlas, 2001. 219 p.

OLIVEIRA, Silvio Luiz de. Tratado de Metodologia Científica: projetos de pesquisas, TGI, TCC, monografias, dissertações e teses. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.

SALOMON, D.V. Como fazer uma monografia: elemento de metodologia do trabalho científico. 2.ed. Belo Horizonte: Interlivros, 1972.

SALVADOR, A.D. Métodos e técnicas de pesquisa bibliográfica: elaboração de trabalhos científicos. 8.ed. Porto Alegre: Sulina, 1980.

25

APÊNDICE A – PROCEDIMENTOS PARA O ESTÁGIO SUPERVISIONADO

26

26
26
26
26

27

APÊNDICE B – PROCEDIMENTOS PARA O TCC

28

28
28
28

29

APÊNDICE C – FORMULÁRIO DE ACOMPANHAMENTO DE ORIENTAÇÃO

30

30 FORMULÁRIO DE ACOMPANHAMENTO DE ORIENTAÇÃO Natureza do Trabalho : ( ) Projeto de Pesquisa (

FORMULÁRIO DE ACOMPANHAMENTO DE ORIENTAÇÃO

Natureza do Trabalho:

( ) Projeto de Pesquisa ( ) Relatório de Atividades de Estágio ( ) TCC
( ) Projeto de Pesquisa
(
) Relatório de Atividades de Estágio
(
) TCC
DADOS SOBRE O(A) ALUNO(A)
Nome
Matrícula
Telefones
E-mail
Curso
DADOS SOBRE O TRABALHO E O(A) ORIENTADOR(A)
Título do Trabalho
Área de Concentração
Orientador (a)
Telefone
E-mail
HORÁRIO
RUBRICA
DATA
ORIENTAÇÕES
Início
Término
Aluno(a)
Prof. (a)

31

OBSERVAÇÕES Data da Entrega à Coordenação do Curso: / /
OBSERVAÇÕES
Data da Entrega à Coordenação do Curso:
/
/

Orientador (a)

Coordenador (a) do Curso

32

APÊNDICE D – FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DE TCC

33

33 FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DE TCC FACULDADE BOA VIAGEM COORDENAÇÃO DE ESTÁGIO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PROFESSOR

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DE TCC

FACULDADE BOA VIAGEM

COORDENAÇÃO DE ESTÁGIO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

BOA VIAGEM COORDENAÇÃO DE ESTÁGIO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PROFESSOR CONVIDADO ORIENTADOR COORDENADOR AVALIAÇÃO DO

PROFESSOR

CONVIDADO

ORIENTADOR

COORDENADOR

AVALIAÇÃO DO PLANO DE ESTÁGIO

NOME DO ALUNO:

CU RSO :

NO M E D O PRO FES SOR AV ALIAD O R:

 

ESTRUTURA / ASPECTOS DO PLANO

VALOR

VL. ATRIBUIDO

 

MÁXIMO

INTRODUÇÃO CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO DO ESTÁGIO

20

 

CARACTERIZAÇÃO DO PROBLEMA OBJETIVO FINAL E ESPECÍFICOS REFERENCIAL TEÓRICO

30

 

METODOLOGIA

     

CRONOGRAMA

30

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DO PLANO BIBLIOGRAFIA ORDENAÇÃO DAS IDÉIAS E OBJETIVIDADE

20

 
 

T

O

T

A

L

100

 

TÍTULO DO TRABALHO:

 

OBSERVAÇÕES:

 

DATA

 

ASSINATURA

Recife,

/

 

/

OBSERVAÇÕES:

 

90

- 100 PONTOS = ÓTIMO = CONCEITO A .

 

70

- 80 PONTOS = BOM = CONCEITO B.

50

- 60 PONTOS = REGULAR = CONCEITO C.

O aluno avaliado abaixo de 50 pontos deverá repetir a disciplina até obter pontuação satisfatória para a FBV.

34

APÊNDICE E – DIAGRAMA DA ESTRUTURA DO PROJETO DE PESQUISA

35

Referências Cronograma Referencial Teórico Metodologia Delimitação Justificativa Objetivos Problema
Referências
Cronograma
Referencial Teórico
Metodologia
Delimitação
Justificativa
Objetivos
Problema
Introdução
Sumário
Folha de
Rosto
Capa

36

APÊNDICE F – DIAGRAMA DA ESTRUTURA DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO

37

Anexo(s) Apêndice(s) Referências Conclusão Atividades Desenvolvidas Introdução Sumário Folha de
Anexo(s)
Apêndice(s)
Referências
Conclusão
Atividades
Desenvolvidas
Introdução
Sumário
Folha de
Identificação
Capa

38

APÊNDICE G – DIAGRAMA DA ESTRUTURA DO TCC

39

39

40

APÊNDICE H – CONECTORES PARA CONSTRUÇÃO DE PARÁGRAFOS

41

CITAÇÕES

Assim,

 

De todo

 

por

sua vez

Bastante

Na opinião de

 

destaca

 

Demasiadamente

De acordo com

Todavia

Profundamente

Afirma

Desta forma

Qualquer que seja

Para

Porém

 

Na visão de

 

coloca-nos

que

TEMPO

Do ponto de vista de Segundo

Nas palavras de Sob esta visão

Assim que

exemplifica

Outro ponto a

Em seguida

quando

afirma

considerar

Até que

Como caracteriza

A

autora

 

Quando

Em

vamos

encontrar o

Por fim

seguinte esclarecimento

ADIÇÃO

 

Depois de

No dizer de

 

Antes que

explicita

seus

E

Por ora

pressuposto

Mais

 

De repente

Utiliza-se da seguinte

alega

que

Além disso

De vez em quando

argumentação

Também

A

tempo

Como descrito por Outro ensinamento de

Em adição Some-se a isto Somando

Às vezes De quando em quando De vez em vez

caracteriza

Acrescentamos

Em algum momento

conceitua

A

propósito

Mais adiante

De acordo com No que concerne Sendo assim

CONCLUSÃO OU CONSEQUÊNCIA

Durante Todavia Após

Entretanto Dentro desta

Portanto

 

EXEMPLIFICAÇÃO

perspectiva sugere

Assim Dessa forma

Por exemplo

afirma

Concluímos

Isto é

considera

Resumindo

Como

recomenda

Então

Decerto

O

autor também ressalta

Por outro lado

Provavelmente

corrobora

com

Ao passo que

Por certo

ressalta

Recomenda-se

Quer saber

O autor

Devido

Quando se fala

cita

Por isso

O

referido

É válido ressaltar

Por sua vez

 

Dentro desta linha aponta

Dessa feita Dessa forma

 

REAFIRMAÇÃO OU RESUMO

Conforme ressalta Contudo Segundo

SEMELHANÇA OU ÊNFASE

Em outras palavras Em resumo

Constata-se

De fato

Embora

Do mesmo modo

Em síntese

Como referenda

Igualmente

Na verdade

Mais ainda

Com certeza

Deveras

também

defende

Possivelmente

Certamente

coloca

De muito

Realmente

enfatiza

De pouco

Efetivamente

42

CONTRASTE OU

Desde

Ao fundo

CONCESSÃO

Enquanto

Ao longo

 

De fora

Mas

ESPAÇO

Em frente

Porém

Por dentro

Entretanto

Ao lado de

Por perto

Todavia Ao contrário

Sobre Sob

TERMINANDO

Em vez de

À

direita

Ainda que

No centro

Resumindo

Por outro lado

No fundo

Por fim

Ao passo que

Á frente

Somos de opinião de

Ora

À esquerda

que

Talvez

À tona

Para terminar

Porventura

À distância

Ninguém negará

Ademais

À entrada

Em suma

Tais cuidados Em poucas palavras Em definitivo Em conseqüência

À saída

Concluímos que

44

APÊNDICE I – LISTA DE VERBOS PARA ELABORAÇÃO DOS OBJETIVOS

45

OBJETIVOS GERAIS

Analisar

Avaliar

Caracterizar

Conhecer

Diagnosticar

Discutir

Implantar

Implementar

Investigar

Promover

Realizar

OBJETVOS ESPECÍFICOS

Caracterizar

Categorizar

Colaborar

Cotejar

Descrever

Detectar

Determinar

Divulgar

Elaborar

Empreender

Explicar

Evidenciar

Facilitar

Focalizar

Fornecer

Identificar

Interpretar

Investigar

Levantar

Localizar

Promover

Realizar

Reconhecer

Reunir

Sugerir

Traçar

Verificar