You are on page 1of 9

VITAMINAS

Definição:

As vitaminas são substâncias orgânicas fundamentais, utilizadas em quantidades


de miligramas ou ainda menores, mas que se faltarem na alimentação perturbam toda a
nutrição e levam a doenças graves e à morte.
As vitaminas são princípios activos indispensáveis como catalizadores e
activadores do metabolismo, que o organismo não pode sintetizar, excepto a vitamina
D, que é elaborada sob a acção dos raios ultravioletas a partir de esteróis contidos em
algumas células da pele, e a vitamina K, produzida por síntese intestinal, pelo que,
exceptuando estas duas, as vitaminas têm que ser fornecidas pelos alimentos que as
contém.

Classificação:

As vitaminas classificam-se em duas grandes categorias em relação com a sua


solubilidade: vitaminas lipossolúveis, que são solúveis nas gorduras, e vitaminas
hidrossolúveis, que são solúveis na água.
Fazem parte das vitaminas lipossolúveis: A, D, E, K.
Vitaminas Hidrossolúveis: C, P, complexo B (B1, B2, B3, B5, B6, B9, B12 e
B15) vitamina H, a M e a T.
VITAMINA A – Axeroftol ou vitamina antixeroftálmica.

Só existe nos alimentos de origem animal, como a gema de ovo, manteiga, leite,
queijos gordos, óleos de peixe (óleo de fígado de bacalhau).
Nos vegetais e nas frutas existe a provitamina A, ou “caroteno” substâncias de
composição aproximada que o organismo transforma em vitamina. As suas fontes são a
cenoura, tomate, folhas verdes.
Com cerca de 100 g de cenouras consegue-se obter a dose suficiente de vitamina
A nos adultos.
A cozedura não destrói a vitamina A, pelo que os vegetais ricos em caroteno
(provitamina A) podem ser comidos cozidos sem qualquer receio de perda da vitamina.

Quando administrada em grande quantidade, como medicamento, é tóxica e


pode produzir a morte. O que nunca acontece quando é fornecida por alimentos.

VITAMINAS DO COMPLEXO B

Dentro das vitaminas do complexo B (foram identificadas até agora 17), o


Homem tem necessidade de cerca de 10 (B1, B2, B6, B12, PP, ácidos para-
aminobenzóico, Pantoténico e Fólico, Biotina e Colina), das quais as cinco primeiras
têm acção evidente.
Em grande parte, estas vitaminas, são isoladas da levedura. Pela sua acção
biológica podem dividir-se em dois grupos:

• As vitaminas que actuam predominantemente nos metabolismos dos princípios


imediatos (hidratos de carbono, gorduras e proteínas), como é o caso das
vitaminas B1, B2, B3 ou PP, B5 e B6.

• As vitaminas que intervêm na formação do sangue, como a vitamina B9, ou


ácido fólico e a vitamina B12.

VITAMINA B1 – Aneurina, Tiamina ou vitamina antineurítica.

Encontra-se em todos os alimentos, com excepção das gorduras e açúcar,


predominando nos cereais, legumes secos e verdes, fígado e gema de ovo. É necessário
para o crescimento e o metabolismo da energia.

A sua carência provoca:

- Falta de apetite.
- Fadiga.
- Obstipação.
- Hipersensibilidade emocional.
- Fraqueza muscular e cardíaca.
- Polinevrite.
A carência da vitamina B1 pode ser devido, também, a deficiência de absorção
pelo estômago, por causa de doença deste órgão, ou pela junção de bicarbonato à
cozedura das hortaliças para as tornar mais verdes, o que destrói a vitamina; ou ainda ao
alcoolismo crónico.

VITAMINA B12 – Riboflavina.

Encontra-se no leite, fígado, ovos e vegetais verdes, sendo o leite a fonte


principal e, depois, as folhas verdes. Levedura de cerveja, cereais e queijos. É necessária
para o crescimento e todo o metabolismo.
É uma vitamina que tem o seu valor, pois também evita as cataratas, e corrige a
incapacidade de ver à noite.

A sua carência provoca:

- Diminuição de vitalidade.
- Anemia.
- Inflamação da língua (glossite) e da conjuntiva (conjuntivite).
- Inflamação e ardor nos olhos (a córnea fica congestionada e opaca, originando o
enfraquecimento do grau de visão).
- Fendas no canto da boca.

VITAMINA B3, PP – Niacina ou Nicotinamida, antipelagrosa.

Encontra-se nas vísceras, carne, peixe, cereais, excepto milho, legumes secos e
verdes, batatas e folhas verdes.
Intervém em acções enzimáticas do metabolismo. A sua presença é necessária à
realização das oxidações que se passam nas células. Na sua ausência as enzimas, que
vão auxiliar a respiração dos tecidos, não se formam.

A sua carência provoca:

- A doença chamada pelagra (língua vermelha e fendida, dermatite, diarreia,


demência), antigamente era frequente nas regiões de grande consumo de milho.

VITAMINA B5 – Ácido pantoténico.

Tem um papel essencial nas oxidações celulares, na síntese da acetilcolina e do


colesterol. O bicarbonato destrói esta vitamina.

A sua carência provoca:

- Embraquecimento dos pêlos.


- Úlceras no estômago e nos intestinos.
- Lesões na pele.

Fontes: Levedura de cerveja, Gérmen de trigo, soja, amendoim, fígado, ervilhas


secas, gema de ovo, frutas, melaço, trigo integral, couves, mel, farelo de arroz.
VITAMINA B6 – Piridoxina.

Desempenha um papel importante no tratamento da arteriosclerose, pois


intervém no metabolismo dos ácidos gordos insaturados, que têm uma poderosa acção
na dissolução e mobilização das placas de colesterol, aderentes às paredes internas dos
vasos sanguíneos.
Participa na maior parte dos processos enzimáticos que presidem à assimilação
dos lípidos e das proteínas pelas células. Intervém igualmente no metabolismo dos
glúcidos e, também do ácido glutâmico ao nível das células nervosas.
A piridoxina tonifica o estado geral, protege a pele e os órgãos digestivos,
aliviando especialmente as pessoas nervosas, agitadas e sem sono

A sua carência provoca:

- Crises de epilepsia.
- Anemia.
- Dificuldades em andar.
- Fraqueza geral.
- Dores abdominais.
- Eczemas.
- Vómitos na gravidez.
- Irritações na pele.
- Doenças digestivas.

Fontes: Levedura de cerveja, melaço, embrião dos cereais, a cutícula do trigo, o


milho, o leite, a soja, o mel, os cereais integrais e a geleia real das abelhas.

VITAMINA B9 – Vitamina M, ácido fólico ou ácido pteroiglutâmico.

É muito útil no tratamento das anemias, pois actua sobre a elaboração dos
elementos do sangue, e favorece o crescimento e a gestação.

A sua carência provoca:

- Anemia macrocitária (aumento mórbido dos glóbulos vermelhos).


- Deformações no feto.

Fontes: Levedura de cerveja, fígado de vitela, suco de espargos, trigo, couves,


amendoim, soja, espinafres, pepinos, folhas verdes e saladas.
VITAMINA B12 – Ciancobalamina ou Cobalamina.

Para ser absorvida, necessita de estar ligada a uma substância segregada pelas
células do estômago chamado de factor intrínseco.
Por isso as pessoas que fizeram cirurgia ao estômago, em que falta o “factor
intrínseco”, existe uma carência de vitamina B12 que só começa a notar cerca de 2 anos
depois da cirurgia. É essencial para a maturação dos glóbulos vermelhos e metabolismo
dos ácidos nucléicos.

A sua carência provoca:

- Anemia perniciosa.

Fontes: carne, ovos, cereais, levedura de cerveja, farelo de trigo, farelo de arroz,
e em quantidade maior no fígado e rins.

VITAMINA H ou BIOTINA ou COENZIMA Q

Esta vitamina é indispensável à vida, ao crescimento celular e à respiração


celular. Não há falta desta vitamina nos diversos alimentos e a síntese intestinal pelas
bactérias desempenha um papel importante na sua elaboração, excepto quando se ingere
clara de ovo crua, porque uma das proteínas (a avidina), actuando como antivitamina,
fixa a biotina impedindo a sua utilização pelo organismo.
Esta vitamina ajuda a restituir a energia e a conservar a saúde cerebral.

A sua carência provoca:

- Alterações no crescimento.
- Dermatoses semelhantes ao eczema.
- Cansaço.
- Palidez.
- Dores musculares.
- Alucinações nocturnas.
- Atrofia das papilas da língua.

Fontes: Levedura de cerveja, iogurte, gema de ovo, tomate, fígado, cenouras,


couves, feijão seco.
VITAMINA B15 – Ácido pangâmico.

Substância que desempenha uma acção importante no metabolismo da célula


hepática, da célula nervosa e do tecido muscular.

Fontes: Caroços de damasco, no farelo de arroz e na levedura de cerveja.

COLINA – Constituinte da Lecitina de soja.

Um fosfolipídio abundante no organismo, a colina para alguns autores


desempenha um papel de vitamina. Foi demonstrado o seu efeito antioxidante, estando
presente a colina, a fixação do colesterol nas artérias não se fará com tanta facilidade.
As gorduras são digeridas, também, com o seu auxilio. Ajuda tanto o fígado como a
vesícula a terem um bom funcionamento. Combate a arteriosclerose.

A sua carência provoca:

- Deposição rápida de gordura no fígado.


- Arteriosclerose.

Fontes: Levedura de cerveja, gérmen de trigo, lecitinas naturais, gema de ovo,


fígado.

INOSITOL

É uma vitamina anticolesterolémica, protectora do fígado e neutraliza a acção do


colesterol.

Fontes: Levedura de cerveja, melaço, iogurte, frutas, nozes, leite, as folhas dos
vegetais.

VITAMINA T –Tegotina.

Tem acção no desenvolvimento e maturação sexual e estimula o apetite.

Fontes: Existe nas leveduras.

VITAMINA U

Tem acção curativa na úlcera gástrica.

Fontes: Existe nas couves e outras hortaliças de folha verde.

Emprega-se sob a forma de suco de couve, no tratamento da úlcera gástrica ou


duodenal.
Modo de fazer o suco de couve para as úlceras:

Tomando diariamente um copo antes de cada refeição (em jejum), após quatro
ou cinco dias desaparece a dor de estômago. Ao fim de três semanas, obtém-se a cura da
úlcera.

VITAMINA D – Anti-raquítica.

Encontra-se somente apenas nos alimentos de origem animal. A pele do Homem,


quando exposta à luz (raios ultravioletas do sol), produz e acumula quantidade
suficientemente.
A vitamina D é absolutamente necessária para que se dê a assimilação do cálcio
e do fósforo e a sua fixação no organismo.

A sua carência provoca:

- Atraso no crescimento.
- Falta de ossificação na criança (raquitismo).
- Descalcificação no adulto (Osteomalácia).
- Descalcificação nas pessoas idosas (Osteoporose).

Fontes: Leite, ovos, fígado, óleo de fígado de bacalhau, banhos de sol.

VITAMINA K – Anti-hemorrágica, Filoquinona.

Esta vitamina é indispensável para que o fígado possa fabricar uma substância
chamada protrombina, proteína plasmática que tem uma grande influência na
coagulação sanguínea.
É produzida por bactérias, sobretudo colibacilo, no intestino, sendo esta fonte
suficiente para satisfazer as necessidades. É sintetizada no intestino e vai sendo utilizada
à medida que vai sendo absorvida, portanto a armazenagem no fígado parece ser pouco
importante.

A sua carência provoca:

- Doenças de fígado.
- Diarreias prolongadas.

Fontes: Castanha, couve verde, espinafre, luzerna, couve flor (folhas), tomate
maduro, amora, ervilha, soja, feijão seco.
VITAMINA E – Alfa-tocoferol.

A sua absorção intestinal efectua-se em presença dos sais biliares e a vitamina


deposita-se principalmente no fígado e nos músculos.
A sua acção é de grande importância na manutenção da elasticidade dos vasos
sanguíneos, no equilíbrio fisiológico dos músculos esqueléticos, na miopia evolutiva
das crianças, na prevenção do aborto espontâneo e evidenciou-se a sua importância no
tratamento das alterações patológicas dos vasos sanguíneos e também dos edemas e
hemorragias dos recém nascidos, do coração, pele; indispensável para uma menopausa
indolor e para uma vida sexual normal.

A sua carência provoca:

- Atrofia muscular.
- Perturbações cardíacas.
- Perturbações da função reprodutora do Homem e da mulher.

Fontes: óleo de gérmen de trigo, hortaliças de folhas verdes, especialmente o


agrião, a alface. Ovos, leite, óleos, cereais integrais, frutos oleaginosos, azeite,
manteiga, soja.

VITAMINA C – Antiescorbútica.

É essencial para a formação de uma substância chamada colágeno, a qual serve


de suporte à estrutura dos ossos, dentes, cartilagens, pele e tecido que constitui as
paredes dos vasos sanguíneos. Intervém em muitas reacções metabólicas e é
fundamental para manter a resistência à infecção das células e tecidos.

A sua carência provoca:

- Falta de apetite.
- Astenia.
- Hemorragias das mucosas, principalmente das gengivas. Podendo terminar na
forma grave como escorbuto (lesões gengivais e dentárias, hemorragias
cutâneas, perturbações ósseas, aparecimento de nódoas negras, mesmo fora de
qualquer pancada).

Fontes: Frutas, saladas cruas: laranjas, tangerinas, limões, morangos, pimentos,


tomates, agriões, salsa, etc.

É de todas as vitaminas a que o organismo humano necessita em maior


quantidade – mais de 20 mg por dia.
VITAMINA P – Rutina.

A sua carência provoca:

- Aumento da permeabilidade e diminuição da resistência dos capilares,


traduzindo-se por hemorragias ao nível da pele, das mucosas, hipertensão,
ruptura de veias e vasos sanguíneos porosos.

Fontes: Encontra-se acompanhada com a vitamina C, nos frutos cítricos (limão,


laranja), abacaxi, morangos, pimentos e folhas verdes dos vegetais e também no
fígado. Nos limões a maior concentração das vitaminas P e C é na casca.