You are on page 1of 2

Página Público - Manifestoe

1 de 3

Cartão Crédito Barclaycard, com linha de crédito até 6.000?!

05 de Abril de 2011 SIGA-NOS:

ÍPSILON | GUIA DO LAZER | CINECARTAZ | INIMIGO PÚBLICO |

Pesquisa

ok

Vídeo Fotogaleria
FC Porto festeja 25.º título Entrevista ao arquitecto Eduardo Souto de Moura, Prémio Pritzker 2011

Vídeo
Barack Obama anuncia recandidatura | LOJA | ASSINATURAS | CONTACTOS | CLASSIFICADOS | INICIATIVAS | METEO

JORNAL DO DIA | PDF | VÍDEOS | MULTIMÉDIA | INFOGRAFIAS | BLOGUES | DOSSIERS |

MUNDO POLÍTICA ECONOMIA DESPORTO SOCIEDADE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS ECOSFERA CULTURA LOCAL MEDIA TECNOLOGIA MAIS
Logos Público | 15 Anos de Público Online | Conto Público | 20 anos/20 histórias | Comunidades | Consultório de Justiça |

Obrigado por assinar o Público. Envie as suas sugestões para feedback@publico.pt

Olá jrcastro@netcabo.pt

Sair
PUB

Caderno > Opinião
Votar | Resultados 0 Votos Notícia 5 de 7

Manifesto
Por José Ribeiro e Castro

"Este é o tempo das grandes decisões, a hora em que o sentido de responsabilidade de cada português irá ser posto à prova"

Terça-Feira 05/04/2011
Voltar a publico.pt Partilhar Imprimir Comentar Enviar

"Este é um dos momentos mais críticos da vida nacional desde que foi instaurado o nosso regime democrático. Temos a obrigação de defender o regime democrático, a nossa economia e o bem-estar dos cidadãos e das suas famílias."

EDIÇÃO IMPRESSA
+ LIDAS + COMENTADAS + ENVIADAS + VOTADAS

Temas E se o seu chefe lhe pedir para adiar o casamento?

"As eleições do próximo dia 5 de Junho irão decorrer num momento em que o País é confrontado, em simultâneo, com uma crise política, com uma crise económica e com uma crise social."

Destaque Empresas de transportes têm 935 milhões de euros para pagar com urgência Temas Se Berlusconi cair, serão as mulheres a derrubá-lo Destaque Empréstimo intercalar de Bruxelas é solução em estudo para emergência Temas Na Retorta ainda ninguém acredita como puderam aqueles pais fazer o que fizeram aos filhos

DOWNLOAD EM PDF

P2
2,7 MB

"O próximo Governo tem pela frente uma crise económica e financeira sem precedentes. As dificuldades do País são tão profundas que ninguém pode ter a ilusão que irão desaparecer de um dia para o outro."

Opinião Retrato de um chefe Opinião Ângelo de Sousa Opinião As agências de ratos Opinião Falando do FMI Destaque Quero excluir à partida o cenário de não poder pagar os salários de Abril
PUB:

P2 Porto
1,75 MB

Cidades
2,7 MB

Cidades Porto
1,99 MB

Fugas

2,57 MB

Inimigo Público
0,46 MB 4,9 MB

Ipsilon Publica
5,39 MB

Público
1,77 MB

"Nos últimos dez anos, a economia portuguesa cresceu a uma taxa média anual de apenas 0,7%, afastando-se dos nossos parceiros da União Europeia. O Rendimento Nacional Bruto per capita, em termos reais, cresceu apenas 0,1% ao ano. Uma década perdida! O défice externo de Portugal tem permanecido em valores perto de 9% do produto, privando a economia de recursos fundamentais para o desenvolvimento. A taxa de poupança nacional tem vindo a decair, passando de cerca de 20% do produto em 1999 para menos de 10%. A taxa de desemprego subiu de 4% para um valor de 11%. Em 2008, o número de residentes em Portugal em "risco de pobreza ou exclusão social" superava os 2 milhões e 750 mil, cerca de 26% da nossa população - esta situação ter-se-á agravado nos últimos dois anos. O saldo devedor da Posição de Investimento Internacional, o grau de endividamento líquido da economia, é superior a 100% do produto. O financiamento do Estado continua a ser feito a taxas anormalmente elevadas. Existe risco sério de o pagamento de juros ao exterior travar a indispensável redução do desequilíbrio externo, mesmo no caso de um comportamento positivo das exportações."

NOTÍCIAS EM DESTAQUE NO PUBLICO.PT Política Sócrates defende Governo de maioria após as eleições Política Passos Coelho promete Governo “historicamente pequeno”

Público Porto
0,63 MB

CADERNO P1

Destaque Portugal Mundo Economia Local Lisboa Local Porto Desporto Espaço Público
CADERNO P2

"Portugal está submetido a uma tenaz orçamental e financeira - o orçamento apertando do lado da procura e o crédito apertando do lado da oferta. Este quadro afectará negativamente o crescimento económico e a qualidade de vida das famílias, a não ser que os responsáveis políticos, económicos e financeiros correspondam, com firmeza e sem ambiguidades, à obrigação que têm de libertar o país desta situação."

Política BE e PCP reúnem-se: aliança à vista? Economia Santos Ferreira: Portugal deve pedir já um empréstimo externo de 10 mil milhões de euros Economia Juros da dívida a cinco anos superaram os dez por cento
PUB

"É urgente encontrar soluções, retomar o caminho certo e preparar o futuro. Esta é uma tarefa que exigirá um esforço colectivo, para o qual todos somos chamados a contribuir."

Opinião Temas Cultura
SUPLEMENTOS

Pública Ípsilon Fugas Índice da Edição mpressa

"Sem crescimento económico, os custos sociais da consolidação orçamental serão insuportáveis. Temos de apostar nos sectores de bens e serviços transaccionáveis. É necessário estimular a poupança interna e travar a concessão indiscriminada de crédito, em especial para fins não produtivos e para sustentar gastos públicos. É essencial traçar um caminho que permita o reforço da nossa competitividade e o aumento da produtividade do trabalho e do capital. É crucial a realização de reformas estruturais destinadas a diminuir o peso da despesa pública, a reduzir a presença excessiva do Estado na economia e a melhorar o desempenho e a eficácia da administração pública. Não podemos privilegiar grandes investimentos que não temos condições de financiar não se trata de abandonar os nossos sonhos e ambições; trata-se de sermos realistas. É crucial aprofundar o potencial competitivo de sectores como a floresta, o mar, a cultura e o lazer, as indústrias criativas, o turismo e a agricultura, onde detemos vantagens naturais diferenciadoras."

175 Hotéis em Lisboa Reserve o seu Hotel em Lisboa. Melhores preços, sem custos reserva Booking.com/lisboa-hoteis Quer Net em todo o lado? Adira ao MEO e tenha Banda Larga Movel Grátis. Adira já! www.meo.pt Formação Formadores Curso Homologado pelo Iefp Vários horarios à sua escolha www.neuronia.pt Credito Consolidado Reduza as mensalidades ate 60% Mais dinheiro ao fim do mês www.ocreditoconsolidado.com

http://jornal.publico.pt/noticia/05-04-2011/manifesto-21763770.htm

05-04-2011

Página Público - Manifestoe

2 de 3

Edições Anteriores Edição em PDF
ÚLTIMOS 7 DIAS

Dia 04, segunda-feira Dia 03, domingo Dia 02, sábado Dia 01, sexta-feira Dia 31, quinta-feira Dia 30, quarta-feira Dia 29, terça-feira
PESQUISA

"Na actual situação de emergência, impõem-se, também, medidas de alcance conjuntural, que permitam minorar os efeitos imediatos da crise e criar o suporte económico e social necessário às transformações estruturais. Exige-se, em particular, um esforço determinado no sentido de combater o flagelo do desemprego."

OK

"Está em causa um esforço colectivo. A nossa sociedade não pode continuar adormecida perante os desafios que o futuro lhe coloca. É necessário um sobressalto cívico. É altura dos Portugueses despertarem da letargia em que têm vivido e perceberem claramente que só uma grande mobilização da sociedade civil permitirá garantir um rumo de futuro para a legítima ambição de nos aproximarmos do nível de desenvolvimento dos países mais avançados da União Europeia."

"É fundamental, para a salvaguarda do interesse nacional, que as eleições permitam alcançar um compromisso estratégico de médio prazo, que resulte de um alargado consenso político e social."

Há que "encontrar uma solução de governo que assegure a estabilidade política, promova a credibilidade de Portugal no plano externo e tenha a capacidade para resolver os graves problemas nacionais."

"O País precisa que os responsáveis políticos assumam uma atitude inclusiva e cooperante. É nestas alturas que se vê o sentido de responsabilidade de cada um, desde os mais altos representantes do Estado até cada cidadão em concreto. Se cada um estiver à altura das suas responsabilidades, Portugal irá vencer este enorme desafio."

"Este é o tempo das grandes decisões, a hora em que o sentido de responsabilidade dos Portugueses, de cada português, irá ser posto à prova. Juntos, conseguiremos ultrapassar as adversidades do presente e dar aos nossos filhos um melhor futuro."

Pela nossa parte, soubemos assumir as nossas responsabilidades. Compreendendo a chamada que nos é feita por esta grave hora de Portugal, decidimos apresentar listas conjuntas de Aliança Democrática às eleições de 5 de Junho, com um programa comum de Esperança e Alternativa por Portugal. Queremos dar a Portugal as mais sólidas condições políticas para vencer as dificuldades e voltar a construir o futuro com confiança.

Chamamos todos os portugueses e portuguesas a responderem também à chamada.

Viva Portugal!

Nota: Este texto, nos parágrafos entre aspas, foi construído com trechos das mensagens do Presidente da República de 9 e 31 de Março.

Gostaria de ouvir este anúncio, nos próximos dias, pelos líderes do PSD e do CDS. Gostaria de poder ver o povo azul e laranja a encher as ruas de entusiasmo e esperança. Quero sentir o alargado consenso político e social a crescer a partir da base. Quero ver de novo a Alameda cheia, a Avenida da Liberdade e os Aliados transbordando de patriotismo, força e esperança para salvar Portugal.

Deputado do CDS-PP

Corrigir

Provedor do Leitor

Feedback

Estatísticas

Partilhar esta notícia

Blogue sobre este artigo
Se comentar este artigo no seu blogue, o link aparecerá aqui. Efectue o ping do seu blogue no Twingly para nós o encontrarmos.

e u

Comentários 0 a 0 de 0 Escrever Comentário Critérios para a publicação de comentários Comentários 0 a 0 de 0

Escrever Comentário

Escrever Comentário

http://jornal.publico.pt/noticia/05-04-2011/manifesto-21763770.htm

05-04-2011