LeaDers estILo De vIDa

Auto-sabotagem em primeiro grau

J
84 LeaDers

É fundamental que reeduquemos e treinemos nossa mente para que ela atue em parceria conosco, e não contra
por FáBIo euksuzIan

Se não me engano, foi a TV Cultura que, há alguns anos, exibiu uma matéria sobre pensamento positivo, formatação de arquétipos ou qualquer tema correlato. Lembro-me dela até hoje, pois, dentre outras coisas, demonstrava um estudo feito com homens e mulheres de diversas áreas empresariais, e isso prendeu minha atenção. Era baseado em um exercício que consistia no poder de imaginação e não-dispersão de alguns executivos. Eles tinham de fechar os olhos e visualizar um enorme salão no qual se encontravam várias pessoas conhecidas, como o chefe e colegas do trabalho, parentes, amigos, ex-namorados(as) e afins. Em seguida, se imaginavam atravessando o salão carregando diversos copos cheios d’água dispostos em uma travessa. Executavam isso mentalmente por alguns instantes, abriam os olhos e iniciavam a breve narração do que havia ocorrido nas profundezas de sua imaginação. E, para nossa confirmação de que o ser humano ainda está anos-luz de conseguir controlar o que pensa, os relatos foram até engraçados. A maioria não conseguiu completar a travessia intacta. Durante o trajeto, imaginaram-se tropeçando em tapetes, derrubando os copos em cima do chefe, escorregando e, conseqüentemente, sendo motivo de chacota para todo o resto do virtual público. Significativa a percepção da demasiada importância que eles, executivos, e que nós, de uma forma geral, damos à opinião das outras pessoas, pois, no meu entender, foi essa a razão básica para os acontecimen-

tos acidentais desse exercício. Assisti ao documentário uma única vez, há tempos, e, infelizmente, nunca mais tive a oportunidade de revê-lo. No entanto, desde então, ele é freqüentemente citado em meus cursos de mentalização, pois ilustra claramente o que chamamos de auto-sabotagem em primeiro grau. Desde criança leio que se deve atentar aos pensamentos, pois eles se transformam em palavras, que, por sua vez, tornam-se ações, que viram hábitos, e estes controlarão nosso destino. Por isso, se lá em cima, no primeiro escalão, na nascente da primavera dos pensamentos, recebemos a ordenação errada ou confusa, todo o resto do processo será prejudicado. No famoso livro A Arte da Guerra, o general Sun-Tzu escreve: “Se as ordens do comando não forem bastante claras, se não forem totalmente compreendidas, então a culpa é do general”. Trazendo a afirmativa para o tema deste artigo, se a informação que provém do corpo mental não for clara, os soldados das ações, e do acaso, talvez não concluam da forma como o “chefe” havia previsto. Se você lidera uma empresa, ou algum departamento dela, sabe muito bem do que estou falando. Pensamentos são como pedras: constroem, soterram e matam.
Mestre DeRose

É de fundamental importância que reeduquemos e treinemos nossa mente para que atue em parceria conosco, e não contra.

Não obstante, isso exige muita perseverança, treino e disciplina, pois, como disse certa vez um mestre de Yôga hindu, “a conquista dos pensamentos é mais difícil que a conquista do mundo pelas armas”. E eu, meu amigo, posso atestar que isso é a mais pura verdade. Agora, preste atenção ao que existe em sua volta: quase tudo que vê foi inicialmente pensado por alguém. E, com sua empresa, não foi diferente. Desde sua construção física, até projetos e ações estratégicas, tudo foi elaborado prévia e mentalmente por alguém. Primeiro, formatamos o plano mental para, depois, concretizarmos na dimensão material. Proponho, aqui e agora, um exercício para rápida averiguação do que tem refletido a sua mente. É uma forma de mapeamento das vibrações mentais. Pode até ser feito na cadeira do seu escritório. Feche os olhos por alguns instantes e deixe sua mente vagar, sem tentar manipular os próprios pensamentos. Ou, em outras palavras, escolhê-los. Não interfira; seja, simplesmente, mero espectador daquilo que brota nos sulcos do seu subconsciente e inconsciente. À medida que as ondulações mentais brotam do “nada”, você deve catalogá-las com definições de positivo, negativo ou indiferente, de acordo com sua interpretação. Repito: é relevante a sua não-interferência para a obtenção daquilo que deseja como resultado. Deixe fluir, como folha seca ao vento, e vá contando quantos positivos, negativos e indiferentes são gerados. Após alguns instantes, que podem ser segundos ou minutos (fica a sua escolha), abra os

É necessário que as mentes de todo o material humano, do presidente ao grupo do almoxarifado, transitem com maior naturalidade dentro de moldes qualificados para a obtenção do sucesso

olhos e cheque a contagem. No caso dos positivos terem chegado à frente, parabéns: é sinal de que há “otimismo” em algum lugar dessa complexidade toda. No caso da indiferença ter vencido, vale uma observação investigativa: será que é algo próximo da eqüanimidade ou será que provém da falta de perspectivas ou, até mesmo, de ambição positiva? Agora, se a produção de negativos foi maior, recomendo atenção especial às suas futuras flutuações psíquicas, para que, lentamente, vá descobrindo as raízes desses moldes pensativos. Bem, trocando em miúdos para sua companhia, é necessário que as mentes de todo o material humano, desde o presidente até o grupo do almoxarifado, transitem com maior freqüência e naturalidade dentro de moldes qualificados para a obtenção do sucesso do que quer que se deseje. No entanto, não vamos confundir com a batida e muitas vezes tão mal exposta idéia de que é só pensar positivamente e tudo dará certo. Essa atitude interior é de extrema importância, mas não terá força se não estiver inserida dentro de uma grande teia de conceitos, compreensões e, sobretudo, ações. De pouco adianta ficar na idealização de algo positivo sem colocar suas ferramentas de ação em prol daquilo que foi arquitetado nos recônditos de sua cabeça. Pois, como disse uma antiga escritura, “intenção sem ação é ilusão!”
Fábio Euksuzian é instrutor de Swásthya Yôga e presidente da Associação dos Profissionais de Yôga da Vila Olímpia (SP) • e-mail: vilaolimpia.sp@uni-yoga.org.br

LeaDers 85