You are on page 1of 28

Integração corporal

Modificado: Netter Bases da Fisiologia

transcelular Intracelular – LIC .Linfa Extracelular – LEC – 20% .40% . Compartimentos Líquidos Líquido 40% Intracelular LIC Líquido Extracelular LEC 20% Plasmático (4-5%) Intersticial (15-16%) Compartimentos Hídricos (60%) . intersticial .L.L.

60% .

Compartimentos Hídricos Água solvente seres vivos Dipolar hidratação de sais dissociação eletrolítica ionização (constante dielétrica ~80) ponte H ~ 7 kcal mol-1 velocidade de formação ~10-11/s Anfotérica aceita ( ~ base fraca) H+ cede ( ~ ácido fraco) .

h-1.m-1.oC-1 Calor de Fusão . 100 OC .cm-1 (71. Propriedades Físicas da Água Densidade . Tensão Superficial .581 cal.593 cal 37 OC .10-7 J) Viscosidade .0.04 poise a 20 oC .71 dina.1 cal g-1 Condutividade Térmica específica .540 cal.22 kcal.80 cal.0.g-1 Calor de Vaporização .1g/cm3 a 4OC (por convenção) Calor específico .varia com a temperatura da água 20 OC .

iodo131-soro-albumina) Diluição de concentração C1. Determinação do volume do Compartimento vascular (volume plasmático) + importante fornece informações indiretas sobre o estado do demais compartimentos Medidas: Azul de Evans molécula marcada (RISA .V2 volume plasmático Volume sangüíneo .radio. DETERMINAÇÃO DO VOLUME DOS COMPARTIMENTOS 1.V1 = C2.

ferrocianato. Determinação do compartimento Intersticial substâncias que se distribuem uniformemente nos compartimentos vascular e intersticial mas não no intracelular (manitol.Deutério .D2O) . inulina) 3.DETERMINAÇÃO DO VOLUME DOS COMPARTIMENTOS 2. tiocianato. Determinação do compartimento intracelular substância que se distribuem uniformemente nos três compartimentos (água pesada .

Composição corporal Solutos Moléculas simples Moléculas complexas Eletrólitos .

Equilíbrio Hidroeletrolítico ~300 ~300 ~300 mOsmol Líquidos biológicos não são verdadeiras soluções ideais: • a quantidade dos solutos é importante em relação ao volume de solvente • a dissociação eletrólitica não é completa • nem todas as partículas tem diâmetro < 1 nm .

intra e extra celular Tampão para H+ HCO3+ intra e extra celular Tampão para H+ Cl.Íons ÍONS DISTRIBUIÇÃO FUNÇÕES Na+ (++) extracelular (++) contribuinte para a pressão osmótica do liquido extracelular excitação da membrana celular K+ (++) intracelular (++) contribuinte para a pressão osmótica do líquido intracelular Estabelece (mantém) o potencial de repouso Ativa algumas enzimas Repolarização da membrana celular Ca2+ baixa [intracelular] Estabiliza a membrana Regula a contração celular Participa do "cimento" celular Regula a atividade de muitas enzimas Regula a exocitose Mg2+ intra e extra celular Estabiliza a membrana Antagonista do Ca2+ em muitas funções Age como cofator para muitas enzimas PO42-. principal ânion "contra-íon" para cations e grupos positivamente (++ extracelular) carregados das proteínas .

QUAIS OS PROCESSOS ENVOLVIDOS NO MOVIMENTO DE ÁGUA E ÍONS ? QUAIS OS FATORES RESPONSÁVEIS PELA DISTRIBUIÇÃO DE IONS NOS COMPARTIMENTOS BIOLÓGICOS ? QUAIS OS FATORES QUE FAZEM COM QUE UM ÍON TENDE A ENTRAR OU SAIR DE UM COMPARTIMENTO BIOLÓGICO ? .

QUAIS OS PROCESSOS ENVOLVIDOS NO MOVIMENTO DE ÁGUA E PARTÍCULAS ? .

Diferença de concentração 2. Forma de molécula . Lei da Termodinâmica) processo passivo (sem gasto de energia) FATORES QUE AFETAM A VELOCIDADE DE DIFUSÃO 1. Difusão e Osmose Difusão Movimento aleatório. porém dirigido segundo um gradiente de concentração (2a.

9 . 10-7 Catalase 250 000 52.Uréia 60 4.Glicose 180 5.7 . 10-5 C6 H12O6 .0 1. 10-8 Vírus Mosaíco do Tabaco 50 000 000 --.4 7.9 . 10-7 DNA 6 000 000 --.1 .0 6. 10-5 O2 32 2. 10-8 .0 1.0 6.5 2.1 .0 .2 4.Difusão MM = 60 MM = 342 3. 10-6 lactoglobulina 35 000 27. 10-5 CO(NH2) .0 1.3 . 1.8 . 10-7 Hemoglobina 68 000 31.0 . 10-6 Ribonuclease 13 683 18. Volume da Partícula CONSTANTE DE DIFUSÃO DE MOLÉCULAS NA ÁGUA A 20 0C MOLÉCULA MASSA MOLECULAR RAIO D (g/mol) (A) (cm/s) H2O 18 1. 3.2 .

Difusão através de membrana Osmose movimento de água Diálise movimento de partículas CASOS FUNDAMENTAIS 1. Todos os componentes são difusíveis .

Presença de macromoléculas não difusíveis () 3.2. Presença de macromoléculas não difusíveis () e moléculas pequenas difusíveis (•) Glicose .

cm-1.PRESSÃO OSMÓTICA A PRESSÃO OSMÓTICA DE UMA SOLUÇÃO. entre a solução e seu solvente puro.m-1. É DEFINIDA COMO A pressão que deve ser exercida sobre a solução para evitar qualquer movimento do solvente. A UMA DADA TEMPERATURA. quando estes estão separados por uma membrana perfeitamente semi-permeável.s-2 h = altura da coluna Phid = Posm Pa = kg.s-2 bar = g. OSMÔMETRO Pressão hidrostática Phid = dgh solução solvente d = densidade do fluído Puro g = aceleração da gravidade 9.s-2 .8 m.

K-1.atm.31 L.Pressão Osmótica Pfeffer (1877) POSMÓTICA = K1Concentração = K2Temperatura absoluta RELAÇÃO COM A PRESSÃO DOS GASES PERFEITOS (Vant’Hoff) Posm = nRT n/V = concentração V R = constante dos gases 8.mol-1 62.10-2 L.mmHg.mol-1 8.mol-1 T = temperatura absoluta .K-1.kPa.K-1.2.36 L.

Composição Líquidos Biológicos .

kg água (C) C. elevação da pressão osmótica Pto.R. Propriedades Coligativas das Soluções Dependem do número de partículas na solução por unidade de volume 1. elevação do ponto de ebulição 3.T Kc Tc (K) = Pto solidificação da água pura – Pto de solidificação da solução problema . diminuição do ponto de solidificação 4. Ebulição Constante Água Pura diminuição Água Pura Elevação (C) C. Solidificação Constante Pto.86 (1M a 1 atm) Posm = Tc. diminuição da pressão de vapor 2. kg água mol soluto mol soluto ÁGUA 0 1.86 100 0.52 CONSTANTE CRIOSCÓPICA Kc = 1.

1 100 ~0.01 ~ 10 Sacarose 342.27 0.01 10 ~0.86C .1 100 ~0.01 10 ~0.196 ~196 0. CONCENTRAÇÃO MM sol Molar mM Osmol mOsmol (g) (M/L) (mM/L) (g/kgH2O) (g/kgH2O) Glicose 180.1 ~100 0.4 atm/L diminui o ponto de solidificação da água em 1. 1023 PARTÍCULAS/KILO DE ÁGUA (peso molécula em gramas de soluto em 1000 gramas de solvente (água) exerce pressão de 22.01 10 ~0.01 ~ 10 NaCl 58.1 100 ~0.246 ~ 246 0.21 0.1 ~100 0.1 100 ~0.01 10 ~0.44 0.16 0.02 .027 ~ 27 ESCALA OSMOLAL PARA ESTUDOS BIOLÓGICOS OSMOL = 6.019 ~ 19 CaCl2 110.

630 2.919 1.R.904 1.857 1.677 2.921 ---.827 1.02 0.601 2.G).393 1.212 1.885 1.302 1.884 1.912 1.05 0.T .895 1.669 2.847 1.593 2.1 0.2 0.125 --- CaCl2 2. o valor da diferença depende do número de íons produzidos durante a dissociação O que estabelece a pressão osmótica é a ATIVIDADE DO ÍON COEFICIENTE DE ATIVIDADE DO ÍON (Fator G ) Fator G = Tc Tc = diminuição de temperatura de solidificação da solução problema.827 NaCl 1.843 --- KCl 1.569 MgSO4 1. PRESSÃO OSMÓTICA DOS ELETRÓLITOS um eletrólito exerce uma pressão osmótica maior que um não eletrólito.698 1.708 2.928 1.678 2. 1. a uma dada solução molar.784 1. Tpc Tpc= diminuição da solução padrão Coeficiente de Atividade ELETRÓLITO CONCENTRAÇÃO (Molar) 0.5 MgCl2 2.273 2.551 Posm = (C.580 LiCl 1.872 1.784 KNO3 1.

QUAIS OS FATORES RESPONSÁVEIS PELA DISTRIBUIÇÃO DE IONS NOS COMPARTIMENTOS BIOLÓGICOS ? .

FATORES RESPONSÁVEIS PELA DISTRIBUIÇÃO DE IONS NOS COMPARTIMENTOS BIOLÓGICOS  CARACTERÍSTICAS E SELETIVIDADE DA MEMBRANA  AFINIDADE IÔNICA  GRADIENTE ELETROQUÍMICO EQUILIBRIO DE DONNAN  concentração x carga elétrica .

Os íons difusíveis tem de atravessar a membrana aos pares (eletroneutralidade) 3. tem de haver eletroneutralidade em ambos os compartimentos 2. O produto da concentração dos íons difusíveis (positivos e negativos) tem de ser igual nos dois compartimento (Lei da Ação das Massas) . mas totalmente impermeável a um outro íon distribuição de eletrólitos segundo um gradiente elétrico e osmótico NO EQUILÍBRIO: 1. EQUILÍBRIO DE DONNAN Descreve a distribuição de solutos difusíveis por uma membrana permeável a água e eletrólitos.

x = CB2 x = CB2_ CA + 2.x) (CB .x = CB2 .2. x = (CB .x + 2. [Cl-]CB .CB. EQUILÍBRIO DE DONNAN [K+]CA .CB NO EQUILÍBRIO: Carga em CA [K+] = [P-] + [Cl-] Carga em CB [K+] = [Cl-] Produto da concentração de íons difusíveis nos dois compartimentos: [K+]CA . [Cl-]CA = [K+]CB .x + x2 CA.CB. [Cl-]CB (CA + x).x) x2 + CA. [Cl-]CA = [K+]CB .