Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto Departamento de Psicologia e Educação

Tópicos em Psicologia – Prof. Dr. Sílvio Morato de Carvalho

Filosofia da Mente – Uma Impressão Pessoal

Trabalho de Conclusão de Disciplina

por

Thiago Favaretto Tazinafo

Endereço Eletrônico: thitazinafo@gmail.com
(20/06/06)

Ainda que no presente ensaio seja defendida uma visão pessoal, porquanto independente, acerca da questão mente-cérebro e de outros aspectos relacionados a fenômenos de percepção e consciência, uma leitura desatenta poderá incorrer à conclusão fácil de que aqui se defende uma ideologia materialista, uma ontologia reducionista ou, enfim, um “ismo” cientificista qualquer. Numa época em que tão facilmente se mistura filosofia, religião, política e ciência, ora de forma ingênua, ora vil, e em tempos de tamanho relativismo, em que se encoraja a livre e impensada veiculação de opiniões como nunca se viu, é compreensível – embora intolerável - a eventual formação de pré-conceitos dessa espécie. Pela mesma razão, contudo, é imprescindível uma leitura crítica, mas não precipitada. O argumento central do presente trabalho é o de que uma filosofia da mente deve adequar-se aos critérios epistemológicos de parcimônia e refutabilidade, a fim de que seja não somente concordante com o conhecimento científico como, também, capaz de propor e sustentar programas de pesquisa científica. Mais ainda, somente uma teoria formulada nesses termos será capaz de desfazer, se os houver, eventuais equívocos semânticos no tocante a conceitos como consciência, qualia e outros construtos pertinentes à filosofia da mente. ***** A evolução científica tem acumulado – especialmente no campo da neurociência a partir da segunda metade do século passado – uma série de propostas parcimoniosas que explicam os mais intrigantes fenômenos relacionados à vida mental, contrapondo-se a mitos e alegorias fortemente arraigados em nossa tradição cultural, bem como a teorias de cunho teológico e às ditas “pseudocientíficas”, como a psicanálise e o kardecismo (vide tabela). Entretanto, embora haja evidente contradição entre teorias científicas, filosóficas e as demais supracitadas, enquanto “candidatas a verdade” – ainda que verdades parciais e temporárias – tal conflito entre idéias acaba por desfazer-se no nível dos construtos psicossociais, no sentido de que melhor representam essas idéias, quando dispostas lado a lado e não umas contra as outras, a múltipla dimensionalidade da experiência humana. Dessa forma, de um bom acadêmico é esperado que saiba suspender, provisoriamente, aquelas suas crenças, ideais e preferências que sejam de natureza diversa à de seu objeto de estudo, enquanto no exercício de sua função acadêmica. Em se acatando tal premissa, temos viabilizada uma discussão isenta de paixões acerca da natureza da mente e sua relação com o cérebro, a chamada “questão mente-cérebro”. Para esse fim, contudo, é necessário um longo parêntese, no qual serão expostos os conceitos-chave que permitem encerrar a conclusão do autor.

Tabela Única: Alguns Mitos e seus Correlatos Neurais Experiência Eventos Neurais Desencadeadores
Visões de Halos ou Auras Iluminações, Revelações Visões e Comandos Divinos Sair do Corpo Sensação de Unidade com o Cosmo Abdução; Possessão Mesa Ouija; Seancées Sinestesia Epilepsia Psicose Estimulação Elétrica no Giro do Cíngulo Inibição Drástica do Lobo Parietal Superior Paralisia do Sono Efeito Ideomotor

Parcimônia Uma série de exemplos colhidos da física, alguns dos quais seguem expostos abaixo, permite constatarmos o poder preditivo do reducionismo metodológico (não confundir com reducionismo ontológico, que a esta altura já recebeu status de palavrão, ao menos nos círculos humanistas) cuja base epistemológica é o princípio conhecido como a Navalha de Ockham, em homenagem ao monge franciscano do século XIV William of Ockham, que defendia o caráter parcimonioso da natureza. Suponha que você, num ponto A, atira um objeto sólido para frente e para o alto, que perfaz uma determinada trajetória sob influência, digamos, exclusivamente da força gravitacional, durante um intervalo de tempo t, e chega ao ponto B. Essa será uma trajetória parabólica. Imagine agora um outro percurso possível para que esse objeto saia do ponto A e chegue a B, no mesmo intervalo de tempo, nas mesmas condições. Claro que isso não seria possível fisicamente – e veremos o por que – mas uma segunda trajetória pode ser possível matematicamente. Assim, imaginemos uma outra trajetória - cheia de zigue-zagues, por exemplo – que esse mesmo objeto percorre, entre A e B, ao ser atirado por você, sob ação das mesmas forças (nesse exemplo didático, apenas uma) e durante o mesmo intervalo de tempo. Se você calcular a diferença entre a energia cinética e a energia potencial em cada instante, e integrá-la no tempo ao longo do caminho, verá que o resultado no segundo caso será maior. Em todo percurso imaginado a diferença entre energia cinética média e energia potencial média será sempre maior que o caso real. Esse resultado, conhecido como Princípio da Menor Ação, nada mais é do que uma forma elegante de enunciar as leis de Newton: o caminho que uma partícula percorre entre dois pontos é tal que a variação instantânea de energia é sempre a menor possível. Ainda, no campo da óptica geométrica, Fermat constatou que o percurso de um feixe de luz entre A e B é tal que a luz sempre chega a B no menor tempo. Ou seja, qualquer outra trajetória imaginada levaria um intervalo de tempo maior para ser percorrido. (A trajetória de menor tempo não é, necessariamente, a menor distância – i.e., uma reta – porque a velocidade da luz é diferente em cada meio.) Essa afirmação recebe o nome de Princípio de Menor Tempo de Fermat, e explica – macroscopicamente – os fenômenos de reflexão e refração da luz.

Outro exemplo do comportamento “preguiçoso” da natureza é o de uma função F que satisfaça a equação de Laplace: (δ 2/δ x2, δ 2/δ y2, δ 2/δ z2) F = 0, ou ∇ 2 F = 0,

onde ∇ 2, um operador de derivadas parciais de segunda ordem, é denominado laplaciano de F. Por exemplo, suponha que você pegue uma caixa de papelão e faça um recorte bem sinuoso ao longo da parte de cima, e retire o topo da caixa recortado. Depois, pegue uma membrana de borracha (como uma bexiga aberta, por exemplo), estique-a e encaixe-a apertadamente sobre o recorte na caixa (o mesmo pode ser feito com um fazedor de bolhas de sabão ou invés da membrana). Atribuindo coordenadas x e y no plano do fundo da caixa, e z para a altura, a cada ponto da superfície obtida, podemos dizer que a função z = F(x,y) satisfaz a equação de Laplace. Uma bolinha que seja colocada sobre essa superfície rolará para o chão porque a superfície não apresenta nenhum vale onde a bola pudesse ser depositada. Assim, as funções que satisfazem à equação de Laplace - as funções harmônicas - não apresentam pontos de máximo ou mínimo a não ser nas bordas. No interior desse contorno, a área é sempre a menor possível, sem picos ou vales, assim como, para o caso unidimensional, a menor distância entre dois pontos é uma reta. No caso da eletrostática, a função potencial elétrico satisfaz a equação de Laplace: ∇2 V = 0 A equação de Laplace também se aplica a fenômenos envolvendo magnetismo, condução de calor, gravitação, e outras aplicações. Esse comportamento de “minimização” das bandas de borracha, bolhas de sabão e do potencial elétrico está intimamente correlacionado com o Princípio de Fermat e o Princípio da Menor Ação. Todos esses exemplos ilustram a maneira pela qual os processos da natureza ocorrem sempre nos menores níveis de variação de energia quanto possível, ao invés de admitir uma pluralidade – ou uma infinidade – de eventos possíveis, e isso certamente evoca o caráter determinístico da natureza, além de oferecer fundamentação física para a Navalha de Ockham. Por esse ponto de vista, a Navalha de Ockham deve ser considerada um poderoso recurso epistemológico nas ciências naturais. Suponha que estejamos diante do “desafio” de unirmos, por um trajeto matemático, dois pontos A e B dispostos num mesmo sistema de coordenadas qualquer. Estamos livres para traçar tanto uma reta quanto um outro caminho qualquer, desde que cumpramos a missão de ligarmos os pontos. Há, portanto, infinitas soluções, de modo que, afinal, o verdadeiro desafio consista em optarmos por uma dentre essas infinitas soluções, fornecendo uma boa justificativa para nossa escolha.

Entre A e B, o menor caminho que os une é sempre uma reta; para um outro caminho qualquer (logo, maior que a reta), sempre haverá, em duas dimensões, outro caminho simétrico, portanto igual àquele, porém invertido; enquanto a reta é única, uma outra trajetória qualquer é sempre plurívoca: em três dimensões, uma trajetória maior que a reta tem sempre outras três trajetórias simétricas. Aumentando o número de dimensões (i.e. aumentando o número de variáveis independentes) que evocamos para resolver o problema de ligar os pontos, verificamos o aumento da pluralidade de cada solução. Mas, alguém pode dizer, o problema de ligar os pontos seria facilmente resolvido com uma simples reta! Sim; porém, a princípio, alguém pode não ver justificativa para escolhermos a reta em detrimento de qualquer outro caminho; temos, não obstante, uma boa razão para escolhermos a reta, que é o fato de esta ser única, enquanto qualquer outra opção é sempre plurívoca, e a pluricidade aumenta conforme “complicamos” a questão, inserindo variáveis que são, na verdade, dispensáveis. Assim, uma hipotética Federação Internacional dos Ligadores de Pontos poderia padronizar suas atividades, adotando, para tal, um princípio de parcimônia: sempre utilizar o mínimo necessário de variáveis independentes, evitando, assim, a multiplicação desnecessária de descrições a serem consideradas. Com essa analogia, pretendo enfatizar que o poder preditivo da ciência depende de adotarmos um critério epistemológico de parcimônia. Entretanto, é evidente que, se a própria natureza do universo não apresentasse um caráter “muquirana”, não teríamos poder preditivo nenhum pois, para quaisquer fenômenos, os eventos simétricos altercar-se-iam o tempo todo, apresentandose aleatoriamente e, nesse caso, não só não haveria ciência, como também não haveria bom-senso, intuição e, arrisco, sequer haveria formas de vida, mesmo as mais simples, num universo tão instável. Portanto, o mero fato de gozarmos de certo poder preditivo já nos deixa clara a natureza econômica do universo, de modo que podemos, sendo parcimoniosos, espantarmos o fantasma do relativismo do meio acadêmico: a ciência pode, enfim, nos dizer uma verdade ou duas, sem para isso incorrermos em cientificismo.

Quantidade de Informação e Graus de Refutabilidade Dizemos que uma proposição transmite informação quando, dentre um dado conjunto de eventos, especifica um subconjunto do mesmo. Quanto menor o subconjunto em relação ao conjunto total de eventos, maior é a quantidade de informação contida na proposição. Suponha, por exemplo, que estamos interessados em descobrir o paradeiro de um conterrâneo, o qual chamaremos carinhosamente de “Fulano”. Assim, a afirmação “Fulano está em sua sala de estar” contém mais informação que “Fulano está em sua casa”, porque o subconjunto de eventos possíveis da primeira é mais restrito. Por outro lado, dado que “Fulano existe”, a afirmação “Fulano está em algum lugar no espaço-tempo” não transmite informação alguma, porque o subconjunto é igual ao conjunto total de eventos possíveis. Pondo de outra forma, as

proposições “Fulano existe” e “Fulano está em algum lugar no espaço-tempo” são iguais em termos da informação em que estamos interessados, diferindo apenas na forma com que são articuladas. Rigorosamente falando, são ambas a mesma proposição, mas sentenças diferentes. A quantidade de informação de uma proposição está correlacionada com o número de possibilidades de que dispomos para refutar a mesma. Dado que “Fulano existe”, a ninguém será possível falsear a afirmação de que “Fulano está em algum lugar no espaço-tempo”. Por outro lado, se encontramos nosso amigo na rua a caminho de sua casa, a sentença “Fulano está em sua sala de estar” é imediatamente descartada. Da mesma forma, “Fulano está em sua sala de estar” é mais refutável que “Fulano está no Brasil” porque há muito mais maneiras de descartarmos a primeira, que contém mais informação que a segunda. Quanto maior o grau de refutabilidade de uma teoria, mais informação ela contém. Considere a seguinte mensagem, típica de textos de astrologia: “A sorte favorece o jogo”. Suponha que esta seja parte de um horóscopo. Então, um jogador deste signo, animado com a “dica” do dia, aposta alegremente fartas quantias de dinheiro. Se ele vencer, estará ainda mais convicto da imprescindibilidade de consultar o horóscopo antes de fazer qualquer outra coisa. Se ele perder dinheiro, entretanto, tampouco perderá a confiança na astrologia, pois, afinal, o texto dizia que a sorte apenas favorece o jogo. Nosso ingênuo apostador haverá de concluir que interpretou seu horóscopo de forma excessivamente otimista. Temos, de qualquer maneira, mais um cliente satisfeito, às custas de nenhuma informação transmitida. Em ciência, é altamente desejável que teorias sejam quanto mais refutáveis o possível. Embora o problema de conseguirmos, na prática, refutar uma teoria, mesmo as consideradas científicas, esteja longe de ser trivial, ainda sim impera a necessidade de desconsiderarmos aquelas que sejam, essencial e inevitavelmente, do princípio ao fim, irrefutáveis. No campo da psicologia, particularmente, a partir do momento em que atribuímos um fracasso terapêutico ao paciente e jamais à teoria subjacente, entramos no terreno fértil da má ciência, abrindo as portas para a invasão, no meio acadêmico, de incontáveis teorias inatacáveis. ***** Finalmente, vejamos como parcimônia e refutabilidade são, também, correlacionadas. Não raro, no intuito de salvar uma teoria da refutação, adicionam-se elementos ou entidades irrefutáveis para contornar eventuais falhas da teoria, tornando-a, ao mesmo tempo, não-parcimoniosa (supondo que o fosse anteriormente; do contrário, acaba sendo “ainda menos parcimoniosa”) e irrefutável. Diz a lenda que, quando Galileu demonstrou, para horror dos presentes, que a superfície da Lua é - longe de ser perfeitamente lisa, como queria a Igreja – toda esburacada, repleta de vales e morros, enfim, muitas irregularidades, um de seus opositores contra-argumentou, audaciosamente,

que haveria um fluído invisível cobrindo toda a superfície lunar, tornando-a lisa e perfeitamente esférica. Galileu, espirituosamente, teria replicado, afirmando que, sim, havia mesmo o tal fluido invisível (?!), mas que este se acumulava nos pontos mais altos da superfície, tornando-a ainda mais irregular... Esses acréscimos, incorporados a uma teoria a fim de salvá-la da refutação, são as chamadas modificações ou hipóteses ad-hoc. A um só tempo, modificações ad-hoc tornam uma teoria não-parcimoniosa e irrefutável. Além das modificações ad-hoc, quaisquer elementos não-parcimoniosos de uma teoria científica só podem ter dois destinos: quando refutáveis, são eventualmente descartados, porque desnecessários; quando irrefutáveis, tornam a teoria descartável como um todo – do ponto de vista científico, nunca é demais ressaltar. Enquanto, por um lado – e conforme já foi dito – devemos nos considerar, em geral, livres para sustentar crenças de qualquer tipo, desde que essas não suprimam ao próximo esse mesmo direito, seria insano, por outro, que um cientista invocasse a manifestação divina como hipótese causal num trabalho acadêmico.

Em Filosofia da Mente Considerando o exposto, concluímos que uma filosofia científica da mente deve ser parcimoniosa e tanto mais refutável quanto possível, otimizando a quantidade de informação e evitando a multiplicação de entidades ora desnecessárias. Isso nos obriga a partir de uma concepção monista do par mente-cérebro, desconsiderando, portanto, todas as hipóteses dualistas, das quais o interacionismo cartesiano é, em nossa cultura, o modelo mais representativo, tendo permeado de forma indissociável nossa linguagem cotidiana, como se nota em expressões como “cansaço mental” ou em raciocínios da forma “tenho um corpo ---”, “sair do corpo”, etc . Quanto ao nome: o termo “problema mente-corpo” é essencialmente dualista, pois vê um problema ou uma inadequação entre o conhecimento científico e a dualidade mente-corpo; ao separar “mente” de “corpo”, vemos na formulação desse “problema” uma concepção dualista; assim, um termo mais adequado seria “questão mente-cérebro”, que fica por abarcar a discussão sobre de que maneira estes dois se relacionam, para o que dispomos de algumas candidatas a programas de pesquisa cientificamente viáveis, a saber, os funcionalismos e as teorias de identidade token-token e type-type (discutir e comparar essas teorias, no entanto, excede imenso os propósitos do presente ensaio). No mais, assim como sugerem os filósofos John Searle e Daniel Dennett, concluímos que talvez a própria consciência não seja mais que um conceito ilusório que tenda a desaparecer conforme progridem os estudos em neurociência (comparar o “conceito ilusório” com a diferença entre proposição e sentença previamente exposta). Dennett lembra a doutrina do vitalismo dos

séculos XVII e XVIII, segundo a qual a existência de vida orgânica era atribuída a uma energia vital específica, chamada por vezes de élan vital, enteléquia ou magnetismo animal. Com o crescimento da biologia, contudo, essa idéia de “substância da vida” foi completamente abandonada. O mesmo ocorreu com o conceito físico de “éter” no fin de siécle. É possível que venha a ocorrer o mesmo com a idéia de qualia e, por que não, de consciência. Afinal, a neurociência ainda está no berçário mas, talvez, conforme acumulemos conhecimento sobre o mapeamento e funções do sistema nervoso, o conceito de consciência desapareça – citando Dennett - “como as brumas da manhã”. Thomas Nagel, no tocante tanto à questão da consciência quanto à relação mente-cérebro, afirma que o problema fundamental, de natureza metafísica, é tornar compreensível a possibilidade de existência de fenômenos subjetivamente irredutíveis em um universo totalmente físico. Collin McGinn faz uma analogia a orangotangos tentando descobrir a teoria da relatividade para ilustrar a impossibilidade de resolvermos questões dessa ordem de complexidade. Isso me lembra uma citação de Lévi-Strauss, para quem “o cientista não é o homem que fornece as verdadeiras respostas; é quem faz as verdadeiras perguntas”. Por isso eu acho que, muito, muito antes do dia em que um orangotango venha a se perguntar sobre o que aconteceria, afinal, se um macaco viajasse na ponta de um feixe de luz, tenhamos respostas mais construtivas para esse tipo de problema, bem como propostas de muitos outros novos problemas. Enquanto esse dia não chega, contudo, talvez seja cedo demais para nos atribuirmos uma consciência ontologicamente legítima.

Ensaio redigido com base em outros textos do próprio autor, que podem ser visualizados no sítio http://bio.warj.med.br/textos.asp

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful