FÍSICA EXPERIMENTAL IV – EXPERIMENTO 2 1.

MATERIAL UTILIZADO - 02 espelhos planos 60x80mm; - 02 fixadores de espelho plano; - 01 suporte para disco giratório; - 01 disco giratório 23cm com escala angula e subdivisões de 1°; - 01 fonte de luz branca 12V – 21W, chave liga-desliga, alimentação bivolt e sistema de posicionamento do filamento; - 01 base metálica 8x70x3cm com duas mantas magnéticas e escala lateral de 700mm; - 01 superfície refletora conjugada: côncava, convexa e plana; - 01 diafragma com cinco fendas; - 01 lente de vidro convergente plano-convexa com 60mm, DF 120mm, em moldura plástica com fixação magnética; - 01 cavaleiro metálico. 2. INTRODUÇÃO E FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Espelhos planos são espelhos constituídos por superfícies planas e polidas, capazes de refletir regularmente a luz, como acontece com a superfície do mercúrio em equilíbrio numa cuba. Para que a superfície considerada seja um bom espelho é ainda necessário que a variação do poder refletor com o ângulo de incidência seja a menor possível. Por esta razão os espelhos devem ser superfícies metálicas. Nos espelhos comuns, o vidro é usado como uma proteção transparente para que a camada metálica não sofra ação do ar e da umidade, impedindo ainda, a remoção por agentes mecânicos. Um espelho plano forma, de um objeto real, uma imagem virtual, direita, do mesmo tamanho e enantiomorfa (simétrica). A distância do objeto ao espelho é igual à distância da imagem ao espelho. Se o objeto for virtual, a imagem será real. Quando associa-se dois espelhos, a luz refletida pelo primeiro espelho E1 atinge o segundo espelho E2, formando assim uma combinação de imagens refletidas. Sendo α o ângulo entre os dois espelhos, o número de imagens formadas (n) é determinado pela equação:

1

Os elementos que constituem o espelho convexo. e pode ser encontrado em qualquer superfície interna na forma de uma calota esférica. seja côncavo ou convexo. e no segundo externa. os côncavos e os convexos. com seus elementos: O espelho convexo é caracterizado como sendo um espelho esférico. No primeiro a superfície refletora é interna. e pode ser considerado para qualquer superfície externa na forma de uma calota esférica que seja capaz de refletir a luz incidente. são os mesmos do espelho côncavo: 2 . desde que essa superfície seja capaz de refletir os raios de luz que incidirem. as distâncias do objeto e da imagem ao espelho. O espelho côncavo é caracterizado como sendo um espelho esférico. Abaixo temos a representação de um espelho côncavo.Espelhos esféricos são aqueles constituídos de uma superfície lisa e polida com formato esférico. Esses espelhos obedecem às mesmas leis de reflexão da luz dos espelhos planos da Óptica geométrica. A seguinte equação relaciona a imagem projetada por um objeto frente a um espelho esférico. Existem dois tipos de espelhos esféricos. Onde f é o foco do espelho e Do e D1 são. respectivamente.

OBJETIVO O objetivo deste experimento é estudar a associação de espelhos planos. No segundo experimento (Fig 2) utilizou-se um diafragma para que vários raios incidissem no espelho. Superfície refletora IV. e foi anotado o número de imagens para cada ângulo. sobre um disco giratório. determinando sua distância focal. 3. e utilizou-se uma lente convergente para que os raios ficassem paralelos ao eixo óptico e entre si. 3 . Variou-se o ângulo formado entre os espelhos. PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL I. II. montou-se o esquema referente ao mesmo (Fig 1). Diafragma com fendas. 2.3. 4. 4. A superfície refletora foi posicionada com a parte côncava virada em direção aos raios luminosos e analisou-se o comportamento destes. e a formação da imagem em um espelho côncavo. Figura 1 – espelhos associados com um objeto entre eles. Lente convergente. Figura 2 – 1. Disco giratório. Para a realização do primeiro experimento. III. as propriedades dos raios luminosos ao incidirem sobre um espelho côncavo e sobre um convexo.

Objeto. em diferentes ângulos (α) encontra-se na tabela abaixo: α 30° 45° 60° 90° 0° n 11 7 5 3 ∞ Se substituirmos os valores da tabela na equação para associação de espelhos planos. No quarto experimento (Fig 3) fixou-se o objeto. Espelho. No terceiro experimento mudou-se apenas a posição da superfície refletora. 5. os valores obtidos experimentalmente estão em concordância com a literatura. Figura 3 – 1. RESULTADOS E DISCUSSÕES O número de imagens (n) formadas na associação de espelhos planos. No segundo e no terceiro experimento. Foi usado um anteparo para ver onde se encontrava a imagem. veremos que satisfazem a equação. movimentando o espelho. 2. VIII. 4. isto é. o comportamento dos raios luminosos é mostrado na Figura 4: 4 . Fita métrica VII. e com a fita métrica mediu-se a distância da mesma ao espelho. calculou-se a distância focal do espelho. Anteparo. A partir daí. utilizando a equação de espelhos esféricos. 3.V. estudou-se o comportamento dos raios. VI. funcionando agora como um espelho convexo.

No quarto experimento os valores obtidos são mostrados na tabela abaixo: N 1 2 3 4 5 6 Do (cm) 50 45 42 40 37 30 D1 (cm) 30.2 37 51 f (cm) 18.1 34 36. 7.50 18.mundoeducacao.Figura 4 – a) espelho côncavo b) espelho convexo No espelho convexo.98 18.com/fisica/espelhos-concavos/. já no espelho convexo. 6. comparando-os com a literatura.com. REFERÊNCIAS http://pt.org/wiki/Espelhos_planos.6 32. obtendo assim um valor experimental do mesmo que é a média: 18.org/wiki/Espelhos_esféricos. acessado em 04 de abril de 2011. acessado em 07 de abril de 2011. http://pt. o foco. os raios refletidos divergem.89 Onde f foi calculado pela equação de espelhos esféricos. CONCLUSÃO Pudemos então alcançar todos os nossos objetivos.00 18. vemos que também convergem para um único ponto.infoescola. 5 .br/fisica/associacao-espelhos-planos.84 cm.79 19. Porém se analisarmos o prolongamento dos raios divergidos. http://www.htm.com/optica/espelho-convexo/. que é o foco secundário.74 18.wikipedia.wikipedia. acessado em 04 de abril de 2011. http://www.infoescola. Mais uma vez os resultados obtidos experimentalmente estão em concordância com a literatura. acessado em 07 de abril de 2011. os raios refletidos convergem para um único ponto. vendo então que os resultados estão de acordo com os conhecimentos teóricos obtidos. http://www. acessado em 07 de abril de 2011.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful