(oníissao de um louco

Claude Piron


Pede-se um testemunho, e apesar de isso me envergonhar – a loucura é uma
doença que causa vergonha – eu decidi oferecê-lo, embalado em meu
próprio delírio, na doce ilusão de que ele poderia ser útil. Eu sou louco.
Como um bom número de meus congêneres, eu não me dou conta disso de
jeito nenhum; minha maneira de ser me parece coerente e “cola” muito bem
à realidade. Mas o julgamento das pessoas sãs de espírito é praticamente
unânime: o que posso fazer é apenas aceitá-lo.
Uma doença contraída na infância
Tudo começou na minha infância: eu aprendi o xxxxx. Essa língua me pareceu tão
atraente, tão divertida, tão maravilhosa, que rapidamente eu consegui dominá-la (isso
não é algo excepcional, toda pessoa que sofre do mesmo mal alcança o mesmo nível
linguístico no mesmo espaço de tempo). Nos primeiros anos, eu não tomei
conhecimento de nada, mas um dia, traduzindo em classe um texto grego, nós nos
deparamos com uma forma verbal bizarra, eu disse ao professor: “É talvez um
interrogativo-imperativo?”. O venerável mestre pacientemente me explicou que eu
misturava duas noções contraditórias e que minha hipótese era absurda. Eu repliquei:
“Mas isso existe em xxxxx, onde é comum se dizer kien ni iru?, e que não tem
equivalente em francês. Ni iru significa Allons! [Vamos!] (imperativo, primeira pessoa
do plural) e kien, em qual direção, onde. Se podemos dizer Allons-y, por que não
poderíamos dizer Allons où?”
1
. O professor me recolocou no meu lugar, explicando que
o xxxxx era somente um código sem vida, o qual não exigia as explicações válidas para
as verdadeiras línguas.
No ano seguinte, eu contava a alguns amigos, na presença de um professor, uma
conversação que se desenrolou em xxxxx. O professor interveio: “Ora vamos, não se
vanglorie, o xxxxx não é uma língua, pode-se vagamente escrever em xxxxx, mas não
poderíamos jamais falá-lo”. Foi então que eu comecei a tomar consciência do meu
estado. Se pessoas simpáticas, inteligentes, honestas, instruídas, que eu respeitava
espontaneamente (eu tive a chance de ter ótimos professores) eram unânimes em
demonstrar que minha experiência era falsa, é porque ela era falsa. A conclusão se
impunha: eu delirava.
Delírio como esse tem todo tipo de consequências lamentáveis. Um dia, na escola
primária, eu disse descer para baixo, e o mestre me fez notar: “O francês é uma língua
lógica: a gente diz simplesmente descer, porque isso já é o suficiente”. Quando eu
concluí daí que era preciso dizer apenas velho mulher, para evitar repetir no adjetivo a
noção de feminino implícita na palavra “mulher”, disseram-me que eu era um garoto
travesso. Isso nos acontece frequentemente, a nós, doentes mentais: toma-se por
travessura aquilo que não passa de uma patologia.

1
Em francês, Allons où é uma forma verbal hipotética utilizada pelo autor [N.T].
Tendo assim aprendido que o francês era uma língua lógica, um dia eu perguntei por
que a gente diz 20 places assises (20 vagas “sentadas”) concordando o particípio em
gênero e número, e 20 places debout (20 vagas em pé) deixando invariável a palavra
que qualifica (eu confesso, hoje, minha covardia: o que eu não me atrevia a dizer é que
eu não via a lógica pela qual uma vaga conseguia se fazer sentar). Eu nunca compreendi
a resposta que me deram, e guardo apenas uma lembrança confusa do episódio. Parece-
me que era uma questão de eufonia.
A eufonia é um ingrediente fantasmagórico que dá às pessoas sãs de espírito – ai de
mim, não eu! – a chave de muitos mistérios. Ela explica, por exemplo, porque se diz
consulat de France, sem artigo, mas consulat du Danemark, com artigo [N.T.: um
equivalente em português seria consulado de Cuba, sem artigo, e consulado da
Dinamarca, com artigo]. É também a fada Eufonia que impede o emprego da
terminação -asse do subjuntivo imperfeito. De forma ingênua, eu acreditava que se me
ensinavam uma conjugação na escola, era para utilizá-la. É porque um dia, em uma peça
de teatro que ensaiávamos, eu estava atrozmente maquiado, e me justificava dizendo: “Il
fallait bien que je me grimasse”. Presenciei a fúria de meu instrutor, chamando por
socorro a valiosa fada da Eufonia e a noção – que eu jamais pude compreender muito
bem mais uma vez – de ridículo. Mas, depois de alguns minutos, disse ao diretor da
peça: “C'est là que vous voulez que je grime?”, visto que eu não ousava dizer grimace
que por sua vez não é eufônico. Mais uma vez eu retorno a este ponto. Nem sempre é
divertido ser louco
2
.
Mas ao todo, meu conhecimento em xxxxx trouxe mais benefícios que inconvenientes
para um estudante medianamente dotado como eu. Ele me ofereceu, ao longo de minha
vida escolar, uma vantagem sobre meus camaradas que jamais perdi. Eu conhecia
muitas coisas em geografia, porque me correspondia na língua de Zamenhof com
crianças do mundo todo e minhas leituras eram internacionais. Eu conhecia uma base de
raízes germânicas que havia assimilado facilmente. Para um europeu que se aproxima
do xxxxx, as palavras desconhecidas se encontram sempre situadas num conjunto que
compreende certa proporção de palavras familiares: não se trata nunca de uma massa
totalmente estrangeira a atacar. Consideremos palavras muito comuns como fenestro
(fenêtre, janela), domo (maison, casa), strato (rue, rua). O francófono tem duas raízes a
aprender (do qual uma pode ser, segundo a idade e a extensão do léxico pessoal,
parcialmente conhecida pelas derivações tais quais domicílio), o inglês, duas raízes e o
eslavo, duas raízes (casa se diz dom em russo e polonês, dum em tcheco).
Além disso, eu adquiri uma sólida noção de raízes latinas que me ajudaram muito a
assimilar o vocabulário francês. Quando eu me deparei pela primeira vez com a palavra
simiesco, eu rapidamente compreendi: simio quer dizer macaco em xxxxx. Quando me
falaram de nervo crural, imediatamente associei a palavra comumente usada que
designa a perna na língua de Zamenhof: kruro. E como, para mim, cabeça é também
kapo, eu não tive nenhuma dificuldade em compreender o que havia de comum na
família decapitar, capitão, capital...

2
Na primeira frase, “Era preciso que eu me maquiasse”, o emprego do segundo verbo, grimer, no
subjuntivo (grimasse) é pronunciado de forma idêntica ao substantivo grimace, que significa careta,
resultando daí a dupla interpretação. [N.T]

Na minha loucura, eu sempre imaginei que havia uma relação estreita entre a linguagem
e o pensamento, isto é, que a linguagem era uma ferramenta que ajudava a pensar.
Curiosamente, essa concepção me foi confirmada quando eu fiz os estudos de
psicologia. Em todo caso, eu sempre tive a impressão que o fato de aprender na
infância uma linguagem que casasse flexivelmente todos os caminhos do pensamento
era um trunfo que não se pode negligenciar. Eu sublinho “na infância”, porque me
parece que estes que contraem a doença na idade adulta se habituam frequentemente a
correr o pensamento nas molas rígidas da sua língua materna. Esse detalhe deverá ser
verificado. Mas a questão que nos interessa aqui é saber por que o xxxxx segue melhor
que outras línguas o movimento do espírito pensante. A resposta é fácil, porque ele
respeita, sem nenhuma exceção, a principal das leis psicolinguísticas, aquela da
assimilação generalizadora.
Uma tendência universal do espírito humano: a assimilação
generalizadora
Um garoto de seis anos que conheci disse, na mesma semana, floreiro para “florista”, e
jornaleiro para “jornalista”. Por quê? Porque ele espontaneamente assimilou o sufixo
-eiro da série “açougueiro, padeiro, cozinheiro, sapateiro” e imediatamente o
generalizou. E essa criança de 12 anos, na qual eu aplico uma gota de medicamento em
seu olho inflamado e que me diz: “Vai desavermelhar rápido?”
3
o que faz ela, senão
seguir a lei da assimilação generalizadora... e pecar contra a língua francesa. É que todas
as línguas nacionais são ditadoras que exigem obediência em detrimento da
espontaneidade e das necessidades da comunicação. Somente em xxxxx se poderia
afirmar: a língua é feita para o homem e não o homem para a língua.
Alguns acham o inglês fácil. É que as pessoas sãs de espírito se esquecem dos pontos de
referência. Um pobre louco como eu não compreende o que a comunicação ganha
obrigando a dizer East Africa, mas Eastern Europe; injustice, mas unjust; I ski, I
bicycle, mas não I car (enquanto que em xxxxx, nenhum problema:
skio = esqui, mi skias = eu esquio
biciklo = bicicleta, mi biciklas = eu ando de bicicleta
ato = carro, mi atas = eu ando de carro, eu dirijo).

... Que permite ganhar, ao mesmo tempo, em simplicidade e precisão
Em uma língua onde a assimilação generalizadora não é inibida por nenhuma exceção,
mas é, ao contrário, estimulada por toda a estrutura linguística, o ser pensante
experimenta um sentimento de liberdade extraordinário. Nenhuma camisa-de-força.
Quando você persegue uma ideia, as palavras estão lá para te servir.
Imagine que você conduz uma reflexão sobre os sentimentos e a estrutura familiares.
Em francês, você poderia falar de um sentimento paternal, maternal, fraternal, amistoso.
Mas e quando você chega ao tio? Em xxxxx, para formar um adjetivo, troca-se o -o final
do substantivo ou o -i do infinitivo pela terminação -a. Se patro = pai, e frato = irmão,
não há a necessidade de memorizar as palavras paternal e fraternal, elas se formam por

3
No original: sufixo -er, “boucher, boulanger, charcutier, cordonnier”.
Frase da criança:“Est-ce qu’il va dérougir vite?”
si mesmas: patra, frata. O sentimento que um tio experimenta por seu sobrinho tem
alguma coisa de muito particular, bem diferente se nos referimos ao sentimento paternal
ou amistoso. Em xxxxx, não há necessidade de refletir: onkla sento é a expressão que
nos falta. A palavra avuncular existe em francês, mas será que ela chega ao seu espírito
em uma fração de segundo, como um reflexo, na mesma velocidade que o seu
pensamento? E o sentimento de avô, não é ele também específico? Grand-paternel
4
não
existe em francês. Em xxxxx, avô = avo e o adjetivo correspondente é, evidentemente,
ava. Substitua -a por -e e você terá o advérbio.
Quando eu era criança, me correspondi com um jovem que, durante certo período,
terminava as cartas escrevendo, abaixo da assinatura, o simples advérbio kuze,
“primoamente”. A palavra intraduzível exprime uma ideia muito clara: “eu te envio
saudações que exprimem os sentimentos que a gente tem nas relações primo-a-primo”.
A evolução, com o tempo, de sua forma de tratamento mostra bem a evolução de nossas
relações: no início, ele escrevia samideane (sam- = mesmo, ide- = ideia, -ano =
participante, membro, habitante, pessoa que adere a alguma coisa); samideano = pessoa
da mesma ideia, alguém que compartilha das ideias de; (compare samreligiano =
correligionário, samlandano = compatriota), depois ele passou a amike
(amigavelmente), em seguida a kuze (de kuzo, primo) para terminar por frate
(fraternalmente). Numa época onde se fala tanto da necessidade de se exprimir, de ser
lúcido, “congruente”, transparente nas relações humanas, o que pode fazer o pobre
francófono com o seu léxico mal adaptado à riqueza do seu psiquismo e à variedade da
experiência humana?
Certamente, a língua francesa e as outras línguas nacionais são ricas e belas, elas
merecem nosso amor e nosso respeito. Mas é preciso colocá-las no seu lugar. Aquele
que não conhece o falar local ou o dialeto perde toda uma atmosfera íntima, puramente
regional, que tem um grande valor, porque ela nos reata às nossas origens. Mas aquele
que conhece apenas um falar local e nenhuma língua nacional perde uma quantidade
enorme de riquezas culturais, de nuances e de possibilidades de contato. Não há uma
relação equivalente entre a língua internacional e a língua nacional? Sem dúvida, é
preciso ser louco para expressar isto que eu anuncio: que um dia cada ser humano
possua, realmente, três meios de comunicação linguística: o falar regional, a língua
nacional, e o xxxxx, que correspondem aos seus três níveis de afiliação, a três
patriotismos, que, longe de se oporem, deveriam se integrar uns aos outros.
Veja! Aqui um outro exemplo que lhe oferecerá uma ideia do “rendimento lexical” do
pequeno investimento que demanda o xxxxx. Existe na língua internacional um sufixo
-ao, que designa o objeto, e um sufixo -ado, que designa a ação. A partir do verbo
pensi (pensar), você pode formar três equivalentes da palavra “pensamento”: penso é o
termo corrente, que se empregará mais frequentemente, mas se você discute filosofia ou
psicologia e gostaria de precisar as nuances, você diz pensao para designar a coisa que
você pensou, o pensamento enquanto objeto de um ato mental, e pensado para exprimir
o fato de pensar, o pensamento enquanto processo. Estas não são complicações
excêntricas, porque você somente precisará essas nuances em caso de necessidade. Mas
se a situação se apresenta, a palavra está lá, no potencial da língua, e você apenas tem
que construí-la. Você será compreendido no mundo inteiro. A ocasião poderia se

4
No original: Père: pai. Paternel: paternal.
Grand-père: avô. Grand-paternel: “avoal” (somente na teoria). [N.T.]
apresentar, por exemplo, se você traduz um autor grego que diferencia noêsis (pensado,
ação de pensar) de noêma (pensao, a coisa pensada, o pensamento que você pensou).
Mas o que eu estou dizendo? Eis que o meu delírio volta a se apoderar de mim. Eu me
esqueço que, como todas as pessoas sãs de espírito sabem, o xxxxx é uma língua pobre,
um código sem vida, o sonho utópico de alguns pobres loucos...
... uma doença que favorece o interesse pela diversidade das culturas e
das línguas
Eu mencionei acima meus correspondentes. Eles desempenharam um papel muito
importante na minha adolescência. Não é engraçado ser um doente mental. Mas é ainda
menos engraçado estar sozinho. Minha grande consolação é que havia, ao redor de todo
o mundo, outras pessoas que apresentavam os mesmos sintomas. Aos 14 anos, eu tive
um correspondente chinês e um correspondente japonês, com os quais eu troquei cartas
extremamente interessantes em xxxxx. Eles me deram o gosto pela cultura asiática e eu
não poderia dizer o quanto isso representou para mim. Se, mais tarde, eu tirei um
diploma de língua chinesa, eu o devo, em grande parte, ao meu amigo xxxxx-fono Er
Tungguo.
Eu tive também correspondentes na Argentina, na Austrália, na Suécia, na Bulgária. Um
de meus irmãos foi contaminado (o xxxxx é contagioso) e ele também se correspondeu
com xxxxx-istas de vários países. Nós tínhamos por volta de 25 anos quando a
Tchecoslováquia do pós-guerra abriu suas portas ao turismo. Meu irmão e eu fizemos
parte do primeiro grupo de turistas. Eu jamais esquecerei a acolhida calorosa que nos
reservou um grupo de xxxxx-fonos de nossa idade, reunidos pelo correspondente de
meu irmão. Os outros turistas de nosso grupo, pessoas sãs de espírito, não tiveram
nenhum contato com a população local. Meu irmão e eu aprendemos sobre a vida tcheca
mais do que todos os outros turistas juntos, graças às inumeráveis conversações diretas,
espontâneas, sem esforço e sem intérprete, com pessoas do povo.
Uma experiência dificilmente transmissível
É preciso acreditar em quem? Na minha experiência, na minha vivência pessoal, ou nos
argumentos dos céticos? Se eles tivessem razão, eu não poderia me comunicar, porque o
xxxxx não é uma língua verdadeira. “É uma utopia”, me repetem, “as pessoas de povos
diferentes falarão uma língua internacional cada uma à sua maneira, segundo suas
estruturas gramaticais, seu sotaque, sua semântica, e elas nunca chegarão a se
compreender”. Com meu espírito débil, eu não vejo por que um turco e um argentino
que se falam em inglês podem se comunicar nesta língua, muito mais difícil de
pronunciar e de manejar que o xxxxx, mas o que posso responder? Eles conhecem isso
muito mais do que eu. Porque essa é a grande característica das pessoas sãs de espírito:
elas não necessitam da experiência para saber.
Um linguista célebre – que nunca aprendeu o xxxxx – não afirmou que esta língua
poderia render alguns serviços no nível das banalidades da vida cotidiana, mas que não
saberia servir a uma comunicação, em sentido pleno, nos domínios científico, filosófico,
político ou literário? Eu assisti a muitas trocas científicas em xxxxx, eu discuti, muitas
vezes, política e filosofia nesta língua, eu fiquei emocionado ao ver tantos poemas
originais escritos na língua internacional por Kurzens, Kalocsay ou Miyamoto Masao.
Mas quem sou eu ao lado de um linguista que não tem necessidade de aprender uma
língua para julgar suas capacidades?
Um historiador e homem de letras muito conhecido declarou certa vez, com
impetuosidade, na Sociedade das Nações, após examinar um relatório muito favorável
ao xxxxx feito pelo secretariado da SDN (relatório rapidamente arquivado sob o golpe
de argumentos também irrefutáveis): “Em xxxxx, pode-se tudo traduzir, mas nada se
pode exprimir”. Evidentemente, esse senhor jamais abriu um manual de xxxxx, jamais
assistiu a um debate nessa língua, mas é um homem são de espírito que na época era
titular de uma cadeira em uma grande universidade europeia. Em face desta saúde
mental, para quê contar minha experiência da realidade: tais crianças de pai francês e
mãe norueguesa cuja língua materna é o xxxxx, tal casal flamenco-húngaro cuja única
língua em comum é o xxxxx, tal expressão que me chega tão espontaneamente na língua
internacional e que eu sou incapaz de traduzir para o meu francês “natal”?
Você que lê este artigo e é são de espírito, ajuda-me a compreender minha enfermidade.
Por que diabos eu sou ferido em minha identidade de xxxxx-fono quando leio aquilo
que diz um jornal tão sério como o Le Monde, quando do falecimento do Presidente da
República da Áustria, M. Franz Jonas, que falava com muita desenvoltura a língua
internacional. O artigo do dia 25 de abril de 1974 contém a seguinte passagem:
“Esta deficiência, junto com (...) seu gosto, explicitado em demasia, pelo xxxxx e pela
fotografia em cores, causa risos”. Como é sutil! Como o jornalista transmite habilmente
sua mensagem, sem precisar tocar o fato com as duas mãos...! Mas não, eu não
compreendo. Quando Jonas e Tito conversaram em xxxxx, a sós, o que isso tinha que
pudesse causar risos?
Um dos graves problemas, para os doentes mentais, é o da inserção social. Existem,
felizmente, dois grandes escoadouros: as organizações internacionais, de um lado, e as
profissões psicológicas, de outro. Eu tive a grande oportunidade de ser admitido nessas
duas instâncias.
Uma loucura reforçada pela experiência profissional
Eu me tornei funcionário da ONU porque tinha aprendido muitas línguas. O que é uma
complicação bastante frequente da doença xxxxx. Meus correspondentes me deram o
gosto pelas culturas estrangeiras. Além disso, eu sabia, por experiência, que era possível
dominar outra língua. Mas, sobretudo – tal é a maneira pela qual meu delírio sistemático
explica, hoje, os fatos –, eu estava decodificado em relação a minha língua materna.
Aprender uma língua supõe, de fato, duas operações: uma decodificação e uma
recodificação. Para mim, a decodificação se fez facilmente. Em xxxxx, as estruturas
gramaticais são imediatamente perceptíveis, porque a língua é toda regular e as relações
entre as palavras, ou, semanticamente, entre as noções, são exprimidas por terminações
ou afixos bem visíveis. Eu assimilei logo, sem me dar conta disso, uma gramática
universal que me facilitou, incrivelmente, a aprendizagem de outras línguas.
O francófono que aprende o alemão, por exemplo, deve passar de um sistema complexo,
rígido e arbitrário a um outro sistema complexo, rígido e arbitrário, sem que nada
facilite a articulação entre os dois sistemas. Para passar do francês “je vous remercie”
(eu te agradeço) ao alemão ich danke ihnen, é preciso aprender a relativizar duas
coisas: o lugar das palavras na frase, e a natureza direta ou indireta do objeto (ihnen é
um dativo). Quando eu aprendi o xxxxx, eu dizia no começo, seguindo a estrutura
francesa, mi vin dankas, mas eu não demorei a notar nos livros ou revistas que eu lia,
nas cartas de meus correspondentes ou nas enunciações de meus interlocutores, que não
havia nada de incongruente em dizer mi dankas vin, mi al vi dankas ou mi dankas al
vi. A decodificação estava operada.
Todo mundo sabe que é mais fácil aprender a segunda língua estrangeira que a primeira.
Por quê? Porque a etapa da decodificação está superada. Como as estruturas linguísticas
aparecem de maneira concreta em xxxxx, a decodificação pela contribuição desta língua
é particularmente útil. Aprender o xxxxx é, ao mesmo tempo, assimilar uma noção de
vocabulário estrangeiro, fazer a análise gramatical e adquirir reflexos que representam
uma proveitosa tomada de distância em relação à língua materna.
O mais artificial é verdadeiramente aquilo que se acredita ser?
Quaisquer que sejam as explicações, eu me tornei funcionário da ONU. Eu tinha
acabado de chegar à grande casa de vidro quando me enviaram a uma sessão de
trabalho: era minha responsabilidade fazer o resumo analítico para um pequeno comitê.
Algum tempo antes da minha partida para Nova York, eu participara de uma reunião
xxxxx-ista. Havia lá um japonês, um húngaro, um brasileiro, um belga francófono, um
islandês... O japonês começou a aprender o xxxxx havia dois anos, o húngaro, nove
meses antes da reunião, e os outros eu não sei. A lembrança dos debates, animados,
espontâneos, vivos, cheios de humor, ressoava ainda em meus ouvidos.
Foi cheio desta experiência que eu entrei na pequena sala de reuniões, para onde me
enviou meu chefe das Nações Unidas. O destino quis que houvesse ali, também, um
húngaro, um brasileiro, um japonês, mas os outros eram um francês, um americano, um
soviético e um sírio. Foi extraordinário. Distribuíram-se os documentos em quatro
línguas diferentes. Eles falavam diante de um computador e tinham nas orelhas fones de
ouvido onde os intérpretes lhes sussurravam em uma língua diferente aquilo que se dizia
na reunião. Para estas sete pessoas, havia oito intérpretes e um técnico.
O francês era um originário do sul cheio de vivacidade e que não parava de empregar
boas palavras e de tentar colocar nessa reunião severa algum elemento de fantasia. No
seu entusiasmo risonho, ele tinha tendência a dar pequenos cutucões em seu vizinho
soviético ou a puxar as mangas de sua camisa sorrindo com todos os dentes. Eu jamais
esquecerei seu rosto de decepção cada vez que o soviético não reagia. É que havia um
atraso de 45 segundos ou meio minuto entre a frase humorística do francês e o sorriso
divertido do russo. O brasileiro não sorriu. Não que ele tivesse um humor desiludido.
Mas, apesar de ser de língua portuguesa, ele escutava a intérprete espanhola, e esta
jovem não estava inspirada: as sutilezas do francês eram, na língua de Cervantes,
omitidas ou tristemente abafadas.
O momento mais interessante, para o louco que eu sou, foi o intervalo. Todos passaram
para uma pequena sala ao lado onde nos serviram alguns refrescos. Enquanto bebiam o
suco de laranja ou o café, os peritos (eram todos universitários de alto nível) se olhavam
sem nada dizer, ou falavam muito mal alguma coisa primitiva que se parecia, de longe,
com a língua de Shakespeare. Frequentemente eles nos pediam para traduzir, frase após
frase, aquilo que eles queriam se dizer.
Surpreso com esta forma de proceder, meu espírito doente emitiu uma hipótese: sem
dúvida esses senhores não tiveram tempo de aprender uma língua onde a relação entre o
investimento em energia e a eficácia sejam ótimos para a comunicação. Eu os
interroguei, um após o outro. O húngaro gastou de sete a oito anos para chegar a um
nível bastante lamentável no qual ele se exprimia em russo. O japonês aprendeu inglês
durante 10 anos, mas ele causava muitos problemas aos intérpretes por causa do seu
sotaque (eu me lembro perfeitamente que a gente nunca sabia se ele dizia primeiro ou
terceiro, first e third eram pronunciados por ele de maneira praticamente idêntica).
Os investimentos em energia e em dinheiro sem relação direta
com os resultados obtidos
As pessoas sãs de espírito são verdadeiramente estranhas. Assim, elas tinham passado
um tempo absurdo para aprender línguas que elas não dominavam e que não lhes
permitiam se compreender diretamente. Mas o momento em que eu me deparei,
realmente, com o muro das limitações que produzem minha deficiência mental, foi
quando me informaram sobre o aspecto financeiro do problema. Na reunião em xxxxx
que eu havia participado antes da minha partida para a ONU, as despesas linguísticas se
elevaram a 0 francos e 0 centavos. Aqui, para se compreender muito mal, eles
dispensaram uma fortuna.
Iniciei algumas pesquisas a este respeito, mas não tive forças de prossegui-las. É uma
pena. Os orçamentos das organizações internacionais são muito interessantes. No ano de
minhas pesquisas, a Conferência das Nações Unidas para o Comércio e o
Desenvolvimento, que ocorreu em Nova Déli, custou alguns 8 milhões de francos
suíços. Deste número, 4 milhões foram destinados exclusivamente ao sistema
multilíngue empregado, e esta soma não compreendia nem a multiplicação das despesas
de eletricidade, de papel, das máquinas de escrever e outros materiais, nem os gastos
ocasionados pelo recrutamento de 190 intérpretes, revisores e tradutores temporários
engajados especialmente para a Conferência ao preço de mil dificuldades. Em maio de
1975, a Assembleia da Organização Mundial da Saúde adotou a resolução de se incluir
o árabe e o chinês no estatuto de línguas de trabalho. O Secretário da OMS avaliou em
5.000.000 de dólares por ano o custo mínimo desta decisão. Essa soma permitiria
salvar a visão de 10.000.000 de pessoas vítimas de tracoma que vão ficar cegas por falta
de dinheiro para medicá-las.
Eu me convenci. Eu não chego a compreender por que o contribuinte são de espírito
aceita financiar este tipo de transação. Por que dedicar milhões à tradução, à
interpretação e à datilografia multilíngue, quando estas operações são puramente
estéreis, já que, no mundo dos loucos onde eu vivo, nossas reuniões internacionais se
realizam à perfeição e a comunicação é melhor?
Eu tentei transmitir parte de minhas experiências às pessoas competentes, mas eu vi
suas expressões se fecharem, suas sobrancelhas se curvarem e seus sorrisos irônicos
aparecerem. As pessoas sãs de espírito sabem que o xxxxx é uma coisa pouco séria,
uma mania de alguns excêntricos.
Há duas soluções para o problema da comunicação entre estrangeiros. Esta das pessoas
sãs de espírito consiste em estropiar as línguas difíceis como o inglês e o francês, após
anos e anos de estudo, nas reuniões onde reina uma felicidade linguística desigual e
onde, de todas as formas, não se compreende sem intérpretes nem tradutores. Esta
solução é muito superior a essa dos loucos, em dinheiro, evidentemente.
A solução dos loucos mentais de minha categoria consiste em adotar para as relações
entre estrangeiros uma língua bem adaptada às exigências do psiquismo humano, para
que as pessoas de todas as culturas possam se sentir à vontade nela. De fato, o que inibe
a expressão linguística? As dificuldades da gramática e do uso, a falta da palavra
correspondente ao conceito. Em uma língua como o xxxxx, onde é preciso cinco
segundos para aprender a formar o plural de todos os substantivos, cinco segundos para
aprender a formar o presente do indicativo (ou o futuro, ou o condicional...) de todos os
verbos em todas as pessoas, cinco segundos para aprender a formar um adjetivo a partir
de qualquer nome e o inverso, o rendimento de cada minuto de aprendizagem é
extraordinário e a expressão linguística é bem mais fluente. Que sentimento agradável
este de não ter de se perguntar a todo instante “vous disez” ou “vous dites”, “on the
bus” ou “in the bus”, “er helft mich” ou “er hilft mir”!
Nós outros xxxxx-fonos temos a mesma facilidade para o vocabulário. Nos foram
necessários apenas cinco segundos para aprender a formar estrebaria, canil e chiqueiro
a partir de cavalo, cachorro e porco, cinco segundos para aprender a formar égua,
cadela e porca, cinco segundos para aprender a formar potro, filhote de cachorro e
leitão
5
.
Se nós precisamos de aventura, a palavra está lá, imediatamente apresentada ao espírito,
enquanto que em inglês ou em alemão, mesmo após 10 anos de estudo...
É preciso ser louco como eu para julgar preferível a comunicação entre estrangeiros
com espontaneidade, sem gastar um tostão, após uma aprendizagem de duração
razoável (necessita-se de 167 horas para atingir em xxxxx um nível que, em inglês,
demandaria 1200 horas de estudo; isso não tem nada de espantoso se se considerar que
80 a 90% das dificuldades de uma língua não trazem benefício algum à comunicação).
Por que diabos adotar uma solução tão simples, enquanto é possível escolher outra
muito mais complicada, que, além disso, confere a algumas línguas um estatuto
privilegiado, com todas as consequências econômicas e políticas que resultam dessa
escolha?
Nós outros loucos estamos todos no mesmo pé de igualdade, cada um com seu sotaque
estrangeiro, cada um utilizando uma língua que não é a de seu país. Junto às pessoas sãs
de espírito, o delegado norueguês ou o finlandês, o húngaro e o mongol, o grego e o
português falam uma língua estrangeira, enquanto que o inglês, o americano, o francês,
o russo utilizam seus próprios idiomas. Que vantagem sobre os outros! Que arma
temível nos debates onde o ridículo é tão importante!
Um dia, em meu delírio, eu contei a experiência vivida do francófono que sou: “Na
Bélgica, os únicos Flamengos com os quais eu não experimento, na comunicação,
nenhuma dificuldade, nem linguística, nem psicológica, são estes com os quais eu falo
em xxxxx”. As pessoas que me cercavam balançaram a cabeça com piedade. Eu sabia o
que elas pensavam: “Pobre homem! É um bom sujeito, mas...” Que ideia absurda esta

5
No original: écurie, chenil e porcherie; cheval, chien e cochon; jument, chienne e truie; poulain, chiot e
porcelet.
minha! Mas meu delírio me impede de compreendê-las. Eu as ouço gritar: “Direito ao
Solo”, “Direito à Maioridade” e eu vejo os punhos se cerrarem, as faces se
endurecerem, e tais candidaturas não serem levadas em consideração...
É preciso ser louco para propor como solução uma língua “artificial”, como dizem as
pessoas sãs de espírito. É verdade que ela é artificial. Quando nós rimos juntos, os
cinco, de cinco países diferentes em um simpático café da manhã, basta ver e ouvir a
rapidez de nossa dificuldade em compreender como nós somos afetados em nossa
artificialidade. Enquanto que seus fios, seus computadores, seus botões de seleção e
suas dezenas de tradutores que trabalham durante toda uma noite nos bastidores para
que os documentos saiam em todas as línguas de trabalho na reunião da manhã, as
pessoas sãs de espírito encontraram a solução “natural”. O computador, a cabine de
intérpretes, os fones de ouvido, eis a natureza. A boca e as orelhas são intermediários?
Que horror! Você está louco?
Eu sou louco. Eu vejo bem os seus sorrisos. Vocês são gentis, obrigado. Mas não tentem
me convencer. Faz muito tempo que isso persiste. Eu receio que meu caso não tenha
cura.


Artigo traduzido por Leandro Freitas
Revisão: César Peres de Matos
Luiza Rangel Coletti
José Luis Almécija Mora
UNESP/São José do Rio Preto – Abril, 2009

depois de alguns minutos. Mas. imediatamente associei a palavra comumente usada que designa a perna na língua de Zamenhof: kruro. eu rapidamente compreendi: simio quer dizer macaco em xxxxx. Ela explica. sem artigo. não eu! – a chave de muitos mistérios. eu não tive nenhuma dificuldade em compreender o que havia de comum na família decapitar. A eufonia é um ingrediente fantasmagórico que dá às pessoas sãs de espírito – ai de mim. O francófono tem duas raízes a aprender (do qual uma pode ser. Quando me falaram de nervo crural. capital. Para um europeu que se aproxima do xxxxx. eu acreditava que se me ensinavam uma conjugação na escola. Pareceme que era uma questão de eufonia. duas raízes e o eslavo. um dia eu perguntei por que a gente diz 20 places assises (20 vagas “sentadas”) concordando o particípio em gênero e número. para mim. Além disso. mas consulat du Danemark. as palavras desconhecidas se encontram sempre situadas num conjunto que compreende certa proporção de palavras familiares: não se trata nunca de uma massa totalmente estrangeira a atacar. janela). [N. cabeça é também kapo. porque se diz consulat de France. dum em tcheco).: um equivalente em português seria consulado de Cuba. resultando daí a dupla interpretação. Eu conhecia muitas coisas em geografia. era para utilizá-la. porque me correspondia na língua de Zamenhof com crianças do mundo todo e minhas leituras eram internacionais. duas raízes (casa se diz dom em russo e polonês.T] . e consulado da Dinamarca.Tendo assim aprendido que o francês era uma língua lógica. e guardo apenas uma lembrança confusa do episódio.. no subjuntivo (grimasse) é pronunciado de forma idêntica ao substantivo grimace. e 20 places debout (20 vagas em pé) deixando invariável a palavra que qualifica (eu confesso. Eu conhecia uma base de raízes germânicas que havia assimilado facilmente. Quando eu me deparei pela primeira vez com a palavra simiesco. strato (rue.T. meu conhecimento em xxxxx trouxe mais benefícios que inconvenientes para um estudante medianamente dotado como eu. Eu nunca compreendi a resposta que me deram. capitão. disse ao diretor da peça: “C'est là que vous voulez que je grime?”. Mais uma vez eu retorno a este ponto. Ele me ofereceu. ao longo de minha vida escolar. chamando por socorro a valiosa fada da Eufonia e a noção – que eu jamais pude compreender muito bem mais uma vez – de ridículo. E como. É porque um dia.. por exemplo. É também a fada Eufonia que impede o emprego da terminação -asse do subjuntivo imperfeito. sem artigo. e me justificava dizendo: “Il fallait bien que je me grimasse”. parcialmente conhecida pelas derivações tais quais domicílio). em uma peça de teatro que ensaiávamos. Presenciei a fúria de meu instrutor. Mas ao todo. eu estava atrozmente maquiado. casa). o emprego do segundo verbo. “Era preciso que eu me maquiasse”. com artigo [N. com artigo]. Consideremos palavras muito comuns como fenestro (fenêtre. domo (maison. 2 Na primeira frase. uma vantagem sobre meus camaradas que jamais perdi. rua). Nem sempre é divertido ser louco2. minha covardia: o que eu não me atrevia a dizer é que eu não via a lógica pela qual uma vaga conseguia se fazer sentar). hoje. grimer. o inglês. visto que eu não ousava dizer grimace que por sua vez não é eufônico. De forma ingênua. eu adquiri uma sólida noção de raízes latinas que me ajudaram muito a assimilar o vocabulário francês. que significa careta. segundo a idade e a extensão do léxico pessoal.

a principal das leis psicolinguísticas. Somente em xxxxx se poderia afirmar: a língua é feita para o homem e não o homem para a língua. “boucher. na mesma semana. Esse detalhe deverá ser verificado.. porque me parece que estes que contraem a doença na idade adulta se habituam frequentemente a correr o pensamento nas molas rígidas da sua língua materna. mas Eastern Europe. Quando você persegue uma ideia. A resposta é fácil.. e frato = irmão. boulanger. mi a tas = eu ando de carro. troca-se o -o final do substantivo ou o -i do infinitivo pela terminação -a. Mas e quando você chega ao tio? Em xxxxx. elas se formam por 3 No original: sufixo -er. Por quê? Porque ele espontaneamente assimilou o sufixo -eiro da série “açougueiro. Curiosamente. Uma tendência universal do espírito humano: a assimilação generalizadora Um garoto de seis anos que conheci disse. e pecar contra a língua francesa. na qual eu aplico uma gota de medicamento em seu olho inflamado e que me diz: “Vai desavermelhar rápido?”3 o que faz ela. Que permite ganhar. fraternal. Frase da criança:“Est-ce qu’il va dérougir vite?” . padeiro. mas unjust. Em francês. você poderia falar de um sentimento paternal.. isto é. eu dirijo). floreiro para “florista”. senão seguir a lei da assimilação generalizadora. e jornaleiro para “jornalista”. injustice. Nenhuma camisa-de-força. Imagine que você conduz uma reflexão sobre os sentimentos e a estrutura familiares. ao contrário. mi skias = eu esquio biciklo = bicicleta. E essa criança de 12 anos. aquela da assimilação generalizadora. . É que as pessoas sãs de espírito se esquecem dos pontos de referência. eu sempre tive a impressão que o fato de aprender na infância uma linguagem que casasse flexivelmente todos os caminhos do pensamento era um trunfo que não se pode negligenciar. Alguns acham o inglês fácil. que a linguagem era uma ferramenta que ajudava a pensar. cordonnier”. Um pobre louco como eu não compreende o que a comunicação ganha obrigando a dizer East Africa. É que todas as línguas nacionais são ditadoras que exigem obediência em detrimento da espontaneidade e das necessidades da comunicação. Mas a questão que nos interessa aqui é saber por que o xxxxx segue melhor que outras línguas o movimento do espírito pensante. I ski. as palavras estão lá para te servir. mas não I car (enquanto que em xxxxx. amistoso. Eu sublinho “na infância”. o ser pensante experimenta um sentimento de liberdade extraordinário. para formar um adjetivo. estimulada por toda a estrutura linguística. ao mesmo tempo. essa concepção me foi confirmada quando eu fiz os estudos de psicologia. maternal. eu sempre imaginei que havia uma relação estreita entre a linguagem e o pensamento. mi biciklas = eu ando de bicicleta a to = carro. em simplicidade e precisão Em uma língua onde a assimilação generalizadora não é inibida por nenhuma exceção. Em todo caso.. charcutier. sapateiro” e imediatamente o generalizou. Se patro = pai. cozinheiro. sem nenhuma exceção. nenhum problema: skio = esqui. porque ele respeita. I bicycle. não há a necessidade de memorizar as palavras paternal e fraternal.Na minha loucura. mas é.

na mesma velocidade que o seu pensamento? E o sentimento de avô. longe de se oporem. A partir do verbo pensi (pensar). elas merecem nosso amor e nosso respeito. ele escrevia samideane (sam.si mesmas: patra. terminava as cartas escrevendo. porque ela nos reata às nossas origens. a língua nacional. que designa a ação. e pensado para exprimir o fato de pensar. habitante. o pensamento enquanto objeto de um ato mental. (compare samreligiano = correligionário. membro.= ideia. avô = avo e o adjetivo correspondente é. Paternel: paternal. o pensamento enquanto processo. Mas aquele que conhece apenas um falar local e nenhuma língua nacional perde uma quantidade enorme de riquezas culturais. alguém que compartilha das ideias de. Grand-paternel: “avoal” (somente na teoria). “congruente”. primo) para terminar por frate (fraternalmente). a palavra está lá. e você apenas tem que construí-la. Mas é preciso colocá-las no seu lugar. -ano = participante. que tem um grande valor. Em xxxxx. O sentimento que um tio experimenta por seu sobrinho tem alguma coisa de muito particular. evidentemente. que correspondem aos seus três níveis de afiliação.T. Substitua -a por -e e você terá o advérbio. com o tempo. porque você somente precisará essas nuances em caso de necessidade. e um sufixo -ado. ava. realmente. “primoamente”. Quando eu era criança. [N. Você será compreendido no mundo inteiro. a língua francesa e as outras línguas nacionais são ricas e belas. ide. não há necessidade de refletir: onkla sento é a expressão que nos falta. que se empregará mais frequentemente. de nuances e de possibilidades de contato. você diz pensa o para designar a coisa que você pensou. Aquele que não conhece o falar local ou o dialeto perde toda uma atmosfera íntima. A evolução. bem diferente se nos referimos ao sentimento paternal ou amistoso.= mesmo. Numa época onde se fala tanto da necessidade de se exprimir. Mas se a situação se apresenta. pessoa que adere a alguma coisa). samlandano = compatriota). no potencial da língua. A ocasião poderia se 4 No original: Père: pai. Estas não são complicações excêntricas.] . transparente nas relações humanas. deveriam se integrar uns aos outros. depois ele passou a amike (amigavelmente). durante certo período. mas se você discute filosofia ou psicologia e gostaria de precisar as nuances. samideano = pessoa da mesma ideia. o simples advérbio kuze. e o xxxxx. como um reflexo. o que pode fazer o pobre francófono com o seu léxico mal adaptado à riqueza do seu psiquismo e à variedade da experiência humana? Certamente. Grand-père: avô. em seguida a kuze (de kuzo. mas será que ela chega ao seu espírito em uma fração de segundo. frata. A palavra intraduzível exprime uma ideia muito clara: “eu te envio saudações que exprimem os sentimentos que a gente tem nas relações primo-a-primo”. A palavra avuncular existe em francês. puramente regional. abaixo da assinatura. que designa o objeto. você pode formar três equivalentes da palavra “pensamento”: penso é o termo corrente. Em xxxxx. é preciso ser louco para expressar isto que eu anuncio: que um dia cada ser humano possua. de sua forma de tratamento mostra bem a evolução de nossas relações: no início. três meios de comunicação linguística: o falar regional. Existe na língua internacional um sufixo -a o. de ser lúcido. que. Não há uma relação equivalente entre a língua internacional e a língua nacional? Sem dúvida. não é ele também específico? Grand-paternel4 não existe em francês. me correspondi com um jovem que. Veja! Aqui um outro exemplo que lhe oferecerá uma ideia do “rendimento lexical” do pequeno investimento que demanda o xxxxx. a três patriotismos.

nos domínios científico. Eles desempenharam um papel muito importante na minha adolescência. sua semântica. eu o devo. eu tive um correspondente chinês e um correspondente japonês. com os quais eu troquei cartas extremamente interessantes em xxxxx. ao meu amigo xxxxx-fono Er Tungguo. na Bulgária.. segundo suas estruturas gramaticais. se você traduz um autor grego que diferencia noêsis (pensado. por exemplo. o xxxxx é uma língua pobre. mas que não saberia servir a uma comunicação.. eu não poderia me comunicar. Se. ou nos argumentos dos céticos? Se eles tivessem razão. Com meu espírito débil. Um linguista célebre – que nunca aprendeu o xxxxx – não afirmou que esta língua poderia render alguns serviços no nível das banalidades da vida cotidiana. não tiveram nenhum contato com a população local. Eu tive também correspondentes na Argentina. Os outros turistas de nosso grupo. em grande parte. eu não vejo por que um turco e um argentino que se falam em inglês podem se comunicar nesta língua. Meu irmão e eu fizemos parte do primeiro grupo de turistas. Mas é ainda menos engraçado estar sozinho. Eu jamais esquecerei a acolhida calorosa que nos reservou um grupo de xxxxx-fonos de nossa idade. Kalocsay ou Miyamoto Masao. sem esforço e sem intérprete. Nós tínhamos por volta de 25 anos quando a Tchecoslováquia do pós-guerra abriu suas portas ao turismo. com pessoas do povo. eu tirei um diploma de língua chinesa. me repetem. Mas o que eu estou dizendo? Eis que o meu delírio volta a se apoderar de mim. política e filosofia nesta língua. outras pessoas que apresentavam os mesmos sintomas. “as pessoas de povos diferentes falarão uma língua internacional cada uma à sua maneira. . pessoas sãs de espírito.. Minha grande consolação é que havia. muito mais difícil de pronunciar e de manejar que o xxxxx. na Suécia. em sentido pleno. na Austrália. ação de pensar) de noêma (pensa o. o sonho utópico de alguns pobres loucos. uma doença que favorece o interesse pela diversidade das culturas e das línguas Eu mencionei acima meus correspondentes. espontâneas. filosófico. Eu me esqueço que. eu fiquei emocionado ao ver tantos poemas originais escritos na língua internacional por Kurzens. porque o xxxxx não é uma língua verdadeira. Meu irmão e eu aprendemos sobre a vida tcheca mais do que todos os outros turistas juntos. . seu sotaque. reunidos pelo correspondente de meu irmão. Um de meus irmãos foi contaminado (o xxxxx é contagioso) e ele também se correspondeu com xxxxx-istas de vários países. e elas nunca chegarão a se compreender”. graças às inumeráveis conversações diretas.. eu discuti. mas o que posso responder? Eles conhecem isso muito mais do que eu. um código sem vida. ao redor de todo o mundo. muitas vezes. Não é engraçado ser um doente mental. Aos 14 anos. a coisa pensada. mais tarde. Uma experiência dificilmente transmissível É preciso acreditar em quem? Na minha experiência.apresentar. na minha vivência pessoal. político ou literário? Eu assisti a muitas trocas científicas em xxxxx. Eles me deram o gosto pela cultura asiática e eu não poderia dizer o quanto isso representou para mim. “É uma utopia”. Porque essa é a grande característica das pessoas sãs de espírito: elas não necessitam da experiência para saber. como todas as pessoas sãs de espírito sabem. o pensamento que você pensou).

sem precisar tocar o fato com as duas mãos. por exemplo. Existem. rígido e arbitrário a um outro sistema complexo.. com impetuosidade. é preciso aprender a relativizar duas . causa risos”. Eu assimilei logo. junto com (. sem que nada facilite a articulação entre os dois sistemas. hoje. a aprendizagem de outras línguas. M. tal casal flamenco-húngaro cuja única língua em comum é o xxxxx.) seu gosto. a sós. Como é sutil! Como o jornalista transmite habilmente sua mensagem. o que isso tinha que pudesse causar risos? Um dos graves problemas. Meus correspondentes me deram o gosto pelas culturas estrangeiras. mas nada se pode exprimir”. é o da inserção social. ajuda-me a compreender minha enfermidade. pelo xxxxx e pela fotografia em cores. eu não compreendo. a decodificação se fez facilmente. semanticamente. pode-se tudo traduzir. duas operações: uma decodificação e uma recodificação. na Sociedade das Nações. Aprender uma língua supõe. Mas. eu sabia. Para mim. Por que diabos eu sou ferido em minha identidade de xxxxx-fono quando leio aquilo que diz um jornal tão sério como o Le Monde. que falava com muita desenvoltura a língua internacional. Quando Jonas e Tito conversaram em xxxxx. O que é uma complicação bastante frequente da doença xxxxx. eu estava decodificado em relação a minha língua materna. Eu tive a grande oportunidade de ser admitido nessas duas instâncias. ou. Evidentemente. sobretudo – tal é a maneira pela qual meu delírio sistemático explica. para os doentes mentais. esse senhor jamais abriu um manual de xxxxx.Mas quem sou eu ao lado de um linguista que não tem necessidade de aprender uma língua para julgar suas capacidades? Um historiador e homem de letras muito conhecido declarou certa vez. de fato. Uma loucura reforçada pela experiência profissional Eu me tornei funcionário da ONU porque tinha aprendido muitas línguas.. quando do falecimento do Presidente da República da Áustria. explicitado em demasia. tal expressão que me chega tão espontaneamente na língua internacional e que eu sou incapaz de traduzir para o meu francês “natal”? Você que lê este artigo e é são de espírito. sem me dar conta disso. O francófono que aprende o alemão.. Para passar do francês “je vous remercie” (eu te agradeço) ao alemão ich danke ihnen. rígido e arbitrário. dois grandes escoadouros: as organizações internacionais.! Mas não.. as estruturas gramaticais são imediatamente perceptíveis. felizmente. O artigo do dia 25 de abril de 1974 contém a seguinte passagem: “Esta deficiência. de um lado. incrivelmente. de outro. e as profissões psicológicas. Franz Jonas. Além disso. os fatos –. porque a língua é toda regular e as relações entre as palavras. que era possível dominar outra língua. Em xxxxx. entre as noções. uma gramática universal que me facilitou. Em face desta saúde mental. após examinar um relatório muito favorável ao xxxxx feito pelo secretariado da SDN (relatório rapidamente arquivado sob o golpe de argumentos também irrefutáveis): “Em xxxxx. deve passar de um sistema complexo. jamais assistiu a um debate nessa língua. mas é um homem são de espírito que na época era titular de uma cadeira em uma grande universidade europeia. são exprimidas por terminações ou afixos bem visíveis. por experiência. para quê contar minha experiência da realidade: tais crianças de pai francês e mãe norueguesa cuja língua materna é o xxxxx.

Todos passaram para uma pequena sala ao lado onde nos serviram alguns refrescos. Enquanto bebiam o suco de laranja ou o café. um húngaro. animados.. um japonês. frase após frase. nas cartas de meus correspondentes ou nas enunciações de meus interlocutores. Quando eu aprendi o xxxxx. ele tinha tendência a dar pequenos cutucões em seu vizinho soviético ou a puxar as mangas de sua camisa sorrindo com todos os dentes. o húngaro. aquilo que eles queriam se dizer. Por quê? Porque a etapa da decodificação está superada. Para estas sete pessoas. mas eu não demorei a notar nos livros ou revistas que eu lia. vivos. No seu entusiasmo risonho. Aprender o xxxxx é. omitidas ou tristemente abafadas. os peritos (eram todos universitários de alto nível) se olhavam sem nada dizer. Frequentemente eles nos pediam para traduzir. nove meses antes da reunião. a decodificação pela contribuição desta língua é particularmente útil. O brasileiro não sorriu. O japonês começou a aprender o xxxxx havia dois anos. A decodificação estava operada. assimilar uma noção de vocabulário estrangeiro. O mais artificial é verdadeiramente aquilo que se acredita ser? Quaisquer que sejam as explicações. espontâneos. É que havia um atraso de 45 segundos ou meio minuto entre a frase humorística do francês e o sorriso divertido do russo. de longe. mas os outros eram um francês. um belga francófono. e a natureza direta ou indireta do objeto (ihnen é um dativo). e esta jovem não estava inspirada: as sutilezas do francês eram. fazer a análise gramatical e adquirir reflexos que representam uma proveitosa tomada de distância em relação à língua materna.coisas: o lugar das palavras na frase. um brasileiro. Eles falavam diante de um computador e tinham nas orelhas fones de ouvido onde os intérpretes lhes sussurravam em uma língua diferente aquilo que se dizia na reunião. eu me tornei funcionário da ONU. Distribuíram-se os documentos em quatro línguas diferentes. Algum tempo antes da minha partida para Nova York. eu participara de uma reunião xxxxx-ista. Foi cheio desta experiência que eu entrei na pequena sala de reuniões. foi o intervalo. mi al vi dankas ou mi dankas al vi. para o louco que eu sou. Não que ele tivesse um humor desiludido. e os outros eu não sei. que não havia nada de incongruente em dizer mi dankas vin. um húngaro. O momento mais interessante. Mas. havia oito intérpretes e um técnico. cheios de humor. na língua de Cervantes. um soviético e um sírio. Como as estruturas linguísticas aparecem de maneira concreta em xxxxx. um islandês. um americano.. um brasileiro. ao mesmo tempo. Eu jamais esquecerei seu rosto de decepção cada vez que o soviético não reagia. eu dizia no começo. ressoava ainda em meus ouvidos. também. Todo mundo sabe que é mais fácil aprender a segunda língua estrangeira que a primeira. O francês era um originário do sul cheio de vivacidade e que não parava de empregar boas palavras e de tentar colocar nessa reunião severa algum elemento de fantasia. Havia lá um japonês. apesar de ser de língua portuguesa. mi vin dankas. com a língua de Shakespeare. Eu tinha acabado de chegar à grande casa de vidro quando me enviaram a uma sessão de trabalho: era minha responsabilidade fazer o resumo analítico para um pequeno comitê. A lembrança dos debates. ou falavam muito mal alguma coisa primitiva que se parecia. Foi extraordinário. O destino quis que houvesse ali. seguindo a estrutura francesa. para onde me enviou meu chefe das Nações Unidas. ele escutava a intérprete espanhola. .

já que. É uma pena. Iniciei algumas pesquisas a este respeito. a Assembleia da Organização Mundial da Saúde adotou a resolução de se incluir o árabe e o chinês no estatuto de línguas de trabalho. para se compreender muito mal.Surpreso com esta forma de proceder. Os investimentos em energia e em dinheiro sem relação direta com os resultados obtidos As pessoas sãs de espírito são verdadeiramente estranhas. nas reuniões onde reina uma felicidade linguística desigual e . Por que dedicar milhões à tradução. que ocorreu em Nova Déli. Deste número. No ano de minhas pesquisas. de papel. 4 milhões foram destinados exclusivamente ao sistema multilíngue empregado. As pessoas sãs de espírito sabem que o xxxxx é uma coisa pouco séria.000. Assim. mas eu vi suas expressões se fecharem. Há duas soluções para o problema da comunicação entre estrangeiros. Esta das pessoas sãs de espírito consiste em estropiar as línguas difíceis como o inglês e o francês. Mas o momento em que eu me deparei. um após o outro. a Conferência das Nações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento. realmente. Eu me convenci. após anos e anos de estudo. suas sobrancelhas se curvarem e seus sorrisos irônicos aparecerem. Eu os interroguei. foi quando me informaram sobre o aspecto financeiro do problema. mas não tive forças de prossegui-las. Eu não chego a compreender por que o contribuinte são de espírito aceita financiar este tipo de transação. quando estas operações são puramente estéreis. O Secretário da OMS avaliou em 5. mas ele causava muitos problemas aos intérpretes por causa do seu sotaque (eu me lembro perfeitamente que a gente nunca sabia se ele dizia primeiro ou terceiro. uma mania de alguns excêntricos. custou alguns 8 milhões de francos suíços.000 de pessoas vítimas de tracoma que vão ficar cegas por falta de dinheiro para medicá-las. Os orçamentos das organizações internacionais são muito interessantes. elas tinham passado um tempo absurdo para aprender línguas que elas não dominavam e que não lhes permitiam se compreender diretamente.000 de dólares por ano o custo mínimo desta decisão. nossas reuniões internacionais se realizam à perfeição e a comunicação é melhor? Eu tentei transmitir parte de minhas experiências às pessoas competentes. first e third eram pronunciados por ele de maneira praticamente idêntica). das máquinas de escrever e outros materiais. à interpretação e à datilografia multilíngue. Aqui. Em maio de 1975. com o muro das limitações que produzem minha deficiência mental. O japonês aprendeu inglês durante 10 anos. nem os gastos ocasionados pelo recrutamento de 190 intérpretes. meu espírito doente emitiu uma hipótese: sem dúvida esses senhores não tiveram tempo de aprender uma língua onde a relação entre o investimento em energia e a eficácia sejam ótimos para a comunicação. eles dispensaram uma fortuna. e esta soma não compreendia nem a multiplicação das despesas de eletricidade. Essa soma permitiria salvar a visão de 10. O húngaro gastou de sete a oito anos para chegar a um nível bastante lamentável no qual ele se exprimia em russo. revisores e tradutores temporários engajados especialmente para a Conferência ao preço de mil dificuldades.000. no mundo dos loucos onde eu vivo. as despesas linguísticas se elevaram a 0 francos e 0 centavos. Na reunião em xxxxx que eu havia participado antes da minha partida para a ONU.

chiot e porcelet. chenil e porcherie. Nos foram necessários apenas cinco segundos para aprender a formar estrebaria. cada um com seu sotaque estrangeiro. que.. cheval. cadela e porca. na comunicação. As pessoas que me cercavam balançaram a cabeça com piedade. “on the bus” ou “in the bus”. a palavra está lá. são estes com os quais eu falo em xxxxx”. ou o condicional. o americano. enquanto que em inglês ou em alemão. Eu sabia o que elas pensavam: “Pobre homem! É um bom sujeito. nem linguística. o delegado norueguês ou o finlandês. nenhuma dificuldade. Que vantagem sobre os outros! Que arma temível nos debates onde o ridículo é tão importante! Um dia. enquanto que o inglês. isso não tem nada de espantoso se se considerar que 80 a 90% das dificuldades de uma língua não trazem benefício algum à comunicação).. demandaria 1200 horas de estudo. De fato. evidentemente. canil e chiqueiro a partir de cavalo. em dinheiro. o francês. onde é preciso cinco segundos para aprender a formar o plural de todos os substantivos. cinco segundos para aprender a formar potro. chien e cochon. a falta da palavra correspondente ao conceito. enquanto é possível escolher outra muito mais complicada. sem gastar um tostão. Por que diabos adotar uma solução tão simples.) de todos os verbos em todas as pessoas. . o russo utilizam seus próprios idiomas. de todas as formas. chienne e truie. além disso. eu contei a experiência vivida do francófono que sou: “Na Bélgica. cada um utilizando uma língua que não é a de seu país. poulain. o rendimento de cada minuto de aprendizagem é extraordinário e a expressão linguística é bem mais fluente. o que inibe a expressão linguística? As dificuldades da gramática e do uso.. confere a algumas línguas um estatuto privilegiado. com todas as consequências econômicas e políticas que resultam dessa escolha? Nós outros loucos estamos todos no mesmo pé de igualdade. o húngaro e o mongol. cachorro e porco.. em meu delírio. Esta solução é muito superior a essa dos loucos.. cinco segundos para aprender a formar um adjetivo a partir de qualquer nome e o inverso. cinco segundos para aprender a formar o presente do indicativo (ou o futuro.. o grego e o português falam uma língua estrangeira. nem psicológica. A solução dos loucos mentais de minha categoria consiste em adotar para as relações entre estrangeiros uma língua bem adaptada às exigências do psiquismo humano. em inglês. mesmo após 10 anos de estudo. imediatamente apresentada ao espírito. jument. para que as pessoas de todas as culturas possam se sentir à vontade nela. não se compreende sem intérpretes nem tradutores. Junto às pessoas sãs de espírito. cinco segundos para aprender a formar égua. filhote de cachorro e leitão5.” Que ideia absurda esta 5 No original: écurie. os únicos Flamengos com os quais eu não experimento. Se nós precisamos de aventura. mas. É preciso ser louco como eu para julgar preferível a comunicação entre estrangeiros com espontaneidade. Que sentimento agradável este de não ter de se perguntar a todo instante “vous disez” ou “vous dites”.onde. após uma aprendizagem de duração razoável (necessita-se de 167 horas para atingir em xxxxx um nível que. Em uma língua como o xxxxx. “er helft mich” ou “er hilft mir”! Nós outros xxxxx-fonos temos a mesma facilidade para o vocabulário.

. Mas não tentem me convencer. seus botões de seleção e suas dezenas de tradutores que trabalham durante toda uma noite nos bastidores para que os documentos saiam em todas as línguas de trabalho na reunião da manhã. Enquanto que seus fios. os fones de ouvido. e tais candidaturas não serem levadas em consideração. Eu vejo bem os seus sorrisos. a cabine de intérpretes. eis a natureza. Eu receio que meu caso não tenha cura. as pessoas sãs de espírito encontraram a solução “natural”. O computador. como dizem as pessoas sãs de espírito. É verdade que ela é artificial. A boca e as orelhas são intermediários? Que horror! Você está louco? Eu sou louco. basta ver e ouvir a rapidez de nossa dificuldade em compreender como nós somos afetados em nossa artificialidade. Faz muito tempo que isso persiste. 2009 . seus computadores. as faces se endurecerem. Vocês são gentis.. obrigado. Quando nós rimos juntos. É preciso ser louco para propor como solução uma língua “artificial”. os cinco. Artigo traduzido por Leandro Freitas Revisão: César Peres de Matos Luiza Rangel Coletti José Luis Almécija Mora UNESP/São José do Rio Preto – Abril. Eu as ouço gritar: “Direito ao Solo”. “Direito à Maioridade” e eu vejo os punhos se cerrarem.minha! Mas meu delírio me impede de compreendê-las. de cinco países diferentes em um simpático café da manhã.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful