29 estacas para segurar o torreão

É a data estimada de conclusão do torreão (segundo relatório do LNEC, de 1966). A construção demorou décadas, o que permitiu uma construção mais segura: houve tempo para os lodos se consolidarem, por expelição das águas. Hoje, pelo mesmo método, em menos tempo, o torreão afundar-se-ia

1846

12 500 18
Av. Ribeira das Naus

toneladas é o peso do torreão

milímetros foi o assentamento devido às obras do metro. Uma ínfima parte dos 1,40 metros, desde a construção

Terreiro do Paço

s Aterro

SAPATA
onde assenta o torreão (com estacas em madeira na metade inferior)

-0m Nível do mar -5

s Lodo os s reno a

ias Are sas o lod

1,20
ESTACAS
ico

metros é o diâmetro de cada uma das estacas, que irão até uma profundidade perto de 50 mts

-10

os Lod sos o silt Para evitar o deslizamento do torreão. São em betão armado, moldadas ‘in situ’, ao abrigo de lamas bentoníticas. Estas são colocadas no buraco, para ele não cair, sendo depois preenchido com as estacas

-15
én oc Mi M1

-20

-25

M2 ico ) én rme oc i Mi ra f er (t

-30

Rua do Arsenal Torreão antes de 1755 (presumível localização)

-35

TERREIRO DO PAÇO

900

mil euros é o custo da obra a suportar pela Sociedade Frente Tejo, encarregada de requalificar a zona ribeirinha

-4

0

Av. R ib

Torreão Poente

eira

das N aus
Localização das estacas

Interceptor de saneamento (SIMTEJO)

-4
FONTE: SOCIEDADE FRENTE TEJO CARLOS ESTEVES E JAIME FIGUEIREDO

5

LISBOA

Túnel do metro