You are on page 1of 5

Deixando

 a  Bíblia  Falar!  
 
Ao  longo  da  história  os  cristãos  tem  sido  conhecidos  como  “o  povo  do  Livro”.  
Essa  definição  se  fundamenta  no  fato  de  que  a  cosmovisão  cristã,  incluindo  seu  
conjunto  de  valores  e  padrões  de  comportamento  emergem  do  conteúdo  de  seu  
livro  Sagrado  –  A  Bíblia.  Mais  do  que  um  “guia  de  referencias”,  a  Bíblia  é  a  fonte  
primordial  onde  o  cristianismo  encontra  o  cerne  de  sua  identidade.  No  entanto  essa  
derivação  não  é  tão  simples  quanto  parece.  Embora  alguns  insistam  em  considerar  a  
Bíblia  um  “manual  de  instruções”  para  o  comportamento  e  tomadas  de  decisão  na  
vida,  as  Escrituras  não  foram  concebidas  com  a  proposta  pragmática  de  um  manual.  
Basta  dizer  que  um  manual,  por  sua  natureza,  exige  pouca  ou  nenhuma  
interpretação.  Não  existem  muitas  possíveis  compreensões  da  instrução  “aperte  o  
botão  [enter]  no  controle  remoto”.  Pelo  contrario,  um  manual  é  redigido  com  clareza  
suficiente  para  que  o  resultado  das  ações  de  quem  o  segue  sejam  exatamente  
aquelas  pretendidas  pelo  fabricante.  Por  mais  que  muitos  desejem  que  seja  assim  
com  a  Bíblia,  tratá-­‐la  dessa  forma  simplista  é  uma  postura  no  mínimo  ingênua.    
A  começar  pelo  fato  de  que  a  Bíblia  é  um  livro  milenar,  concebido  no  
decorrer  de  um  longo  período  histórico  quando  pressuposições  modernas  como  as  
de  um  manual  nem  sequer  passavam  pela  cabeça  dos  autores  e  receptores  da  
mensagem.  Além  disso,  basta  uma  rápida  leitura  de  amostras  de  vários  textos  
bíblicos  pra  se  perceber  a  variedade  da  composição.  Prosa,  poesia,  narrativas,  
provérbios,  literatura  profética,  literatura  legislativa,  cartas,  canções,  são  alguns  dos  
gêneros  literários  que  compõem  o  Santo  Livro.  Nenhum  deles  possui  a  rigidez  
técnica  de  um  manual,  mas  usam  uma  linguagem  muito  mais  relacional  para  
transmitir  a  mensagem  de  um  Deus  que  é  por  sua  própria  essência,  relacional.  
Mesmo  determinações  claras  e  sucintas  como  “Não  matarás”  fazem  parte  de  um  
contexto  maior  onde  Deus  procura  construir  um  relacionamento  com  seu  povo.  
Nada  pode  ser  mais  reducionista  do  que  tomar  palavras  de  um  relacionamento  e  
transformá-­‐las  em  uma  legislação  fria  ou  em  instrução  pragmática.  A  fluidez  da  
mensagem  de  amor  de  Deus,  transmitida  através  de  épocas  e  culturas  diferentes,  faz  
da  Bíblia  mais  do  que  um  “manual”  a  ser  seguido,  mas  uma  mensagem  a  ser  vivida.    
Dessa  forma,  nossa  postura  em  relação  as  Escrituras  determina  nossa  relação  
com  Deus.  Para  os  que  seguem  um  manual,  Deus  é  um  mero  fabricante,  e  a  vida  
cristã  tem  o  objetivo  vazio  de  “funcionar”.  Para  os  que  entendem  as  Escrituras  como  
uma  mensagem  de  amor  de  um  Deus  relacional,  não  existe  outra  alternativa  a  não  
ser  a  busca  incessante  de  conhecê-­‐lo,  sabendo  que  essa  é  a  essência  da  vida  eterna  
(Jo  17:3).  Nessa  perspectiva,  como  devemos  então  ler  a  Bíblia?  Primeiramente,  
devemos  estar  atentos  para  as  pressuposições  que  carregamos  à  nossa  leitura  das  
Escrituras.  Inevitavelmente,  todos  trazemos  uma  pré-­‐concepção  a  respeito  da  
mensagem  bíblica.  Essas  “lentes”,  por  assim  dizer,  são  provenientes  do  fato  de  
sermos  seres  contextuais.  A  maneira  como  vemos  o  mundo  é  extremamente  
dependente  do  contexto  em  que  fomos  criados.  Diversas  influências,  sejam  elas  
educação  dos  pais,  contextos  culturais  ou  tradição  cristã,  nos  moldam  ao  longo  dos  
anos  de  forma  que  nossa  leitura  é  em  grande  parte  determinada  por  esses  fatores.  
Obviamente  essa  perspectiva  opera  em  nós  de  forma  inconsciente  e  só  percebemos  
tais  pressuposições  quando  somos  confrontados  com  uma  outra  forma  de  pensar.  O  
grande  risco,  quando  se  trata  da  interpretação  bíblica  é  o  excesso  de  familiaridade  
com  as  Escrituras.  Nossas  pressuposições  tornam-­‐se  autoritárias  e  ao  invés  de  
lermos  a  Bíblia,  acabamos  lendo  o  que  pressupomos  que  ela  esteja  dizendo.  É  como  
um  diálogo  em  que  alguém  faz  uma  pergunta  e  antes  de  ouvir  a  resposta  interrompe  
com  a  frase:  “Eu  já  sei  o  que  você  vai  dizer!”.  Ou  mesmo  ao  ouvir  a  resposta,  ignora  a  
essência  do  que  outro  disse,  reinterpretando  as  palavras  de  acordo  com  suas  
próprias  convicções.  Esse  tipo  de  postura,  normalmente  impulsionada  pela  
arrogância,  impede  o  dialogo  e  a  comunicação.  O  mesmo  acontece  com  a  leitura  
bíblica.  Quando  somos  enclausurados  em  nossas  pressuposições,  nossas  lentes  se  
tornam  nossos  olhos,  e  nos  esquecemos  que  por  trás  das  palavras  do  Livro,  existe  
uma  voz,  e  por  trás  da  voz,  uma  pessoa.  Deus  nunca  será  ouvido  por  alguém  que  
julga  saber  tudo  a  seu  respeito.  A  Bíblia  nunca  será  um  instrumento  de  
transformação  na  vida  daquele  que  julga  já  conhecê-­‐la.  Portanto,  a  primeira  postura  
em  relação  as  Escrituras  deve  ser  de  humildade  e  reconhecimento  de  nossa  
limitação,  confiando  na  direção  do  Espírito  em  cada  uma  de  nossas  interações  com  o  
Livro  de  Deus.    
Ao  entendermos  as  Escrituras  sob  essa  perspectiva  relacional  –  como  a  
mensagem  eterna  de  amor  de  um  Deus  que  constrói  relacionamentos  com  seu  povo  
–  pelo  menos  duas  questões  devem  ser  levadas  em  consideração:  História  e  vida.  
A  primeira  consideração  importante  a  ser  feita  ao  lermos  a  Bíblia  é  que  sua  
mensagem  está  ancorada  na  história.  Muitos  dos  equívocos  na  interpretação  Bíblica  
provém  do  fato  de  que  muitos  a  tratam  como  um  compêndio  de  conceitos  
teológicos.  Sem  dúvida,  as  Escrituras  trazem    muitas  revelações  a  respeito  de  Deus,  
mas  interessantemente,  essas  revelações  não  foram  transmitidas  como  conceitos  e  
sim  no  decorrer  da  história.  Ao  revelar-­‐se,  Deus  não  optou  por  escrever  um  
compêndio  descritivo  a  respeito  de  seus  atributos  divinos,  mas  inspirou  pessoas  a  
registrar  as  maneiras  pelas  quais  Ele  se  relacionava  com  seu  povo.  Se  o  propósito  de  
lermos  as  Escrituras  é  conhecermos  a  Deus,  temos  que  entender  a  maneira  como  ele  
se  manifestou  na  história,  formando  para  si  um  povo  que  pudesse  conhecê-­‐lo  por  
meio  de  um  relacionamento  real.  A  diferença  entre  o  cristianismo  e  as  mais  diversas  
filosofias  de  vida  apregoadas  ao  longo  dos  séculos  é  que  o  Cristianismo  não  surgiu  a  
partir  de  ensinos,  como  um  conjunto  de  conceitos  transmitidos  por  supostos  
“sábios”.  O  cristianismo  aconteceu,  e  aconteceu  no  tempo  e  no  espaço,  na  história  do  
nosso  mundo.  A  fé  judaico-­‐cristã  é  caracterizada  por  marcos  históricos.  Um  homem  
chamado  Abraão  sai  da  terra  de  Ur  em  uma  resposta  de  fé  a  um  Deus  que  mal  
conhecia.  Um  homem  chamado  Moisés,  tira  um  povo  chamado  Israel  de  um  cativeiro  
em  um  lugar  chamado  Egito  e  os  leva  a  uma  terra  chamada  Canaã.  Um  homem  
chamado  Jesus  –  o  Deus  encarnado  –  nasce  em  um  estábulo  em  uma  cidade  chamada  
Belém,  prega  o  Reino  de  Deus  na  terra  de  Israel  na  região  da  Palestina,  morre  em  
uma  cruz  em  um  lugar  chamado  Golgota  e  ressucita  dentre  os  mortos  ao  terceiro  dia  
transformando  radicalmente  a  vida  de  pessoas  que  passam  a  viver  em  função  dessa  
história.  Homens  e  mulheres  recebem  o  Espírito  Santo  em  Jerusalém  no  dia  de  
Pentecostes.  Um  homem  chamado  Saulo  encontra  o  Jesus  ressurreto  na  estrada  de  
Damasco  e  sua  conversão  transforma  a  história  do  mundo  ocidental.  Enfim,  o  
cristianismo  é  história  que  acontece  no  tempo  e  no  espaço.  Não  é  uma  realidade  
reservada  às  regiões  celestes  onde  principados  e  potestades  lutam  sem  cessar;  não  é  
um  conjunto  de  preceitos  abstratos  pendurados  nas  paredes  de  templos  religiosos.  
O  Cristianismo  é  realidade  visível,  que  se  desenrola  na  vida  de  gente  de  carne  e  osso  
e  transforma  radicalmente  não  só  seres  humanos,  mas  toda  a  criação.  Não  é  por  
acaso  que  o  apostolo  João  declara:  “O  que  era  desde  o  princípio,  o  que  ouvimos,  o  
que  vimos  com  os  nossos  olhos,  o  que  contemplamos  e  as  nossas  mãos  apalparam  -­‐  isto  
proclamamos  a  respeito  da  Palavra  da  vida.  A  vida  se  manifestou;  nós  a  vimos  e  dela  
testemunhamos,  e  proclamamos  a  vocês  a  vida  eterna,  que  estava  com  o  Pai  e  nos  foi  
manifestada.  Nós  lhes  proclamamos  o  que  vimos  e  ouvimos  para  que  vocês  também  
tenham  comunhão  conosco.  Nossa  comunhão  é  com  o  Pai  e  com  seu  Filho  Jesus  
Cristo.  Escrevemos  estas  coisas  para  que  a  nossa  alegria  seja  completa.  (Jo  1:1-­‐4).  As  
Escrituras  são  o  registro  da  ação  de  Deus  na  história.  E  nossa  leitura  e  interpretação  
deve  levar  em  consideração  a  continuidade  dessa  ação.  A  criação,  a  formação  do  
povo  de  Israel  em  Abraão,  o  êxodo,  a  conquista  da  terra,  o  reinado  de  Davi,  o  exílio  
babilônico,  as  palavras  proféticas  durante  esse  período,  não  são  apenas  estórias  
inspiradoras,  mas  revelações  da  ação  de  Deus  na  história  e  é  sempre  na  moldura  
dessa  história  que  devemos  entender  as  Escrituras.  Da  mesma  forma,  precisamos  
entender  a  vida  e  obra  de  Cristo  nesse  contexto,  como  o  clímax  da  narrativa  bíblica,  
a  manifestação  apoteótica  da  expectativa  construída  ao  longo  da  história  toda  e  ao  
mesmo  tempo  a  inauguração  de  um  novo  tempo,  que  se  consumará  com  sua  
manifestação  absoluta  como  o  Senhor  da  História.  Não  é  a  toa  que  a  história  começa  
no  jardim  (Gen.  1-­‐2)  e  termina  em  uma  cidade  com  um  jardim  no  centro  (AP  22:1-­‐
2).  Existe  uma  maravilhosa  continuidade  na  ação  de  Deus  e  as  Escrituras  registram  
precisamente  essa  continuidade.  Portanto,  antes  de  perguntar,  o  que  esse  texto  
significa  pra  mim,  devo  perguntar,  o  que  esse  texto  significa  na  história  de  Deus.  
Afinal,  minha  história  se  encaixa  na  História  de  Deus  e  não  o  contrário.  É  certo  que  
Deus  não  mudou  seu  propósito  eterno.  Por  isso,  para  entender  o  que  a  palavra  quer  
dizer  hoje,  temos  que  entender  o  que  ela  sempre  quis  dizer,  desde  quando  
proclamada  aos  que  primeiro  a  ouviram.  Para  tanto  devemos  fazer  bom  uso  de  
todas  as  ferramentas  que  viabilizem  essa  ampla  compreensão.          
Em  segundo  lugar,  precisamos  entender  a  Bíblia  como  um  livro  vivo.  As  
escrituras  não  podem  ser  apenas  um  objeto  de  estudo,  mas  devem  ser  apropriadas  
como  a  Palavra  dinâmica  de  um  Deus  que  continua  falando.  Para  tanto,  é  necessário  
“tomar  a  distância  apropriada”  do  texto,  para  poder  “ouvi-­‐lo  como  se  fosse  a  
primeira  vez”,  questionando  nossos  pressupostos,  buscando  a  compreensão  da  
história  como  um  todo,  e  finalmente,  deixando  a  Bíblia  falar.  A  tarefa  de  
interpretação  bíblica  só  faz  sentido  se  dermos  condições  ao  texto  de  falar  por  si  
mesmo.  Em  outras  palavras,  começamos  a  interpretar  Bíblia,  como  o  intuito  final  de  
deixarmos  que  ela  nos  interprete  de  volta.  A  palavra  de  Deus  e  a  pessoa  de  Deus  são  
inseparáveis;  assim,  nossa  relação  com  a  Palavra  deve  ser  conduzida  por  nossa  
relação  com  a  Pessoa.  Devemos  ler  e  interpretar  as  Escrituras  com  a  expectativa  de  
que  ela  nos  surpreenda  e  transforme.  “Pois  a  palavra  de  Deus  é  viva  e  eficaz,  e  mais  
afiada  que  qualquer  espada  de  dois  gumes;  ela  penetra  até  o  ponto  de  dividir  alma  e  
espírito,  juntas  e  medulas,  e  julga  os  pensamentos  e  intenções  do  coração.”  (Hb  
4:12).    
Qual  é  portanto  a  maneira  correta  de  se  relacionar  com  o  Livro  de  Deus?  
Creio  que  a  resposta  está  na  maneira  como  nos  relacionamos  com  o  próprio  Deus.  
Devemos  respeitar  a  maneira  como  ele  escolheu  transmitir  sua  mensagem  e  
apreciá-­‐la  como  ela  é  e  não  como  desejamos  que  ela  seja.  Embora  nosso  desejo  seja  
que  a  Bíblia  seja  o  livro  das  respostas,  devemos  aceitar  o  fato  de  que  algumas  vezes  
seu  propósito  é  nos  estimular  a  fazermos  as  perguntas  certas.  Embora  pareça  muito  
mais  confortável  saber  tudo  a  respeito  a  respeito  de  Deus  e  de  sua  vontade,  
devemos  apreciar  o  mistério,  sabendo  que  o  autor  sabe  exatamente  o  que  deve  
revelar  de  si.  O  que  é  maravilhoso  é  saber  que  o  resultado  de  tal  postura  é  sempre  
maior  intimidade  com  o  autor.  Por  mais  limitado  que  seja  nosso  conhecimento  de  
Deus,  a  busca  por  conhecê-­‐lo  é  sempre  recompensada  com  a  sensação  de  estar  mais  
próximo  dele.  Quando  leio  o  manual  do  fabricante  de  um  equipamento  eletrônico,  
apesar  de  saber  muito  sobre  o  produto,  continuo  sem  conhecer  o  fabricante.  Quando  
leio  o  livro  de  Deus,  apreciando  todos  as  suas  cores  e  nuances,  a  beleza  do  enredo  e  
o  ritmo  da  história,  sou  envolvido  pelo  amor  daquele  que  sempre  escreveu  a  história  
em  parceira  com  a  humanidade,  e  convidado  a  continuar  escrevendo  com  Ele,  até  
que  ele  ponha  o  ponto  final...ou  não.