You are on page 1of 6

JUSTIÇA ELEITORAL

A justiça Eleitora foi criada por decreto em 1932, foi também editado o Código Eleitoral, na primeira fase do governo Getúlio Vargas. Somente em 1934, a Justiça leitoral teve sua existência inscrita na Constituição Brasileira. Ela agora faz parte do Poder Judiciário, sendo responsável por todo o processo eleitoral do país. Seu dever é organizar, fiscalizar e realizar as eleições. A razão de ser da Justiça Eleitoral do Brasil é a de proporcionar o exercício pleno da cidadania a todos os cidadãos brasileiros, inclusive os que vivem fora do país. A atuação internacional da Justiça Eleitoral ocorre principalmente na exportação de tecnologia e conhecimentos acerca das eleições por meios eletrônicos. A Justiça Eleitoral é representada pelo Trib unal Superior Eleitoral (TSE), órgão máximo sediado em Brasília. São de sua responsabilidade: - O alistamento eleitoral; - O registro e a cassação do registro de candidatos; - A divisão eleitoral do país, se não disciplinada em lei; - A fixação da data das eleições, se não prevista em lei ou na Constituição; - O julgamento de impugnações de registros partidários ou de candidaturas e das argüições de inelegibilidade; - A fiscalização da propaganda eleitoral; o julgamento de crimes eleitorais; - A realização e apuração das eleições e a expedição de diplomas aos eleitos. No Brasil não existe uma magistratura eleitoral exclusiva, própria, de carreira. A composição dos seus órgãos é híbrida, integrando-os juízes de outros Tribunais, juristas da classe dos advogados e pessoas sem formação jurídica, como no caso das Juntas Eleitorais. Cada órgão, na sua respectiva área de atuação, exercerá a tarefa de organizar, fiscalizar e executar o processo eleitoral. A competência da Justiça Eleitoral cessa com a expedição dos diplomas aos eleitos. A partir daí, qualquer questão relativa ao exercício do mandato tem seu deslinde confiado à Justiça Comum, exceção feita à ação de impugnação de mandato eletivo, prevista no artigo 14, parágrafos 10 e 11, da Constituição Federal de 1988. A Justiça Eleitoral é uma instituição do Poder Judiciário, criada pelo Decreto nº 21.076, de 24 de fevereiro de 1932. Sendo de competência da Justiça Eleitoral legislar sobre o Direito Eleitoral, assim como regular as eleições por força da lei. A Justiça Eleitoral exerce de fato a administração executiva, operacional e normatização do processo eleitoral. Compõe-se a Justiça Eleitoral dos seguintes órgãos: Tribunal Superior Eleitoral, Tribunais Eleitorais, juntas eleitorais, juízes eleitorais (de todos, só as Juntas não têm competência penal). A criação da Justiça Eleitoral era reivindicação antiga do Movimento Tenentista. Tratava-se de uma facção de jovens oficiais do Exército que, com o apoio da nascente classe média urbana, propunha a moral ização dos costumes políticos e administrativos vigentes até a década de 20.

o qual. privativamente. com a instauração da ditadura conhecida por Estado Novo. Instalado em 24 de fevereiro de 1932. a Constituição polonesa. outorgada por Getúlio Vargas. aboliu as eleições. Essa nova Constituição. escrita pelo então ministro da Justiça. O TSE só foi restabelecido em 28 de maio de 1945. o Tribunal foi instalado no Palácio Monroe. A história da Justiça Eleitoral confunde-se com a do TSE. extinguiu a Justiça Eleitoral e atribuiu à União. feita pelos órgãos do Poder Legislativo. a Constituição do Estado Novo.586/45. ainda no Rio de Janeiro. conseqüentemente. no Rio de Janeiro. e em abril de 1960.Substituiu-se então. a sede da instituição foi transferida para a Rua 1º de Março. em alusão à sua inspiradora. sob a presidência do Ministro José Linhares. instituiu um modelo de estado centralizado. extinguiu a Justiça Eleitoral. Cinco anos depois. a Justiça Eleitoral foi recriada na Constituição. mas que eram inconvenientes à oligarquia dominante. foi instalada em Brasília. Francisco Campos. pelo Decreto -Lei nº 7. no Rio de J aneiro. também conhecido como "degola". em virtude d a mudança da capital federal. na Praça dos Tribunais Superiores. os partidos políticos e. instituição que teve como primeiro nome Tribunal Superior de Justiça Eleitoral. Em 1937. o poder de legislar sobre matéria eleitoral. . o antigo sistema político de aferição de poderes. freqüentemente impedia a posse de candidatos eleitos nas urnas. No dia 1º de junho do mesmo ano. o tribunal teve como primeiro presidente o Ministro Hermenegildo Rodrigues de B arros. também sob o pulso de Getúlio Vargas. Em 1946. foi editada uma Carta Constituc ional apelidada de "polaca". Com a redemocratização em 1946. com o Código Eleitoral de 1932.

avaliado. Para todos os efeitos. a Justiça do Trabalho é um órgão judicial que tem por objetivo auxiliar as pessoas em assuntos trabalhistas onde essas possam ter alguma divergência. de alguma forma. A partir do momento em que foi estabelecida a justiça do trabalho. podem causar grandes transtornos e. essa parte pode recorrer. mas nem sempre foi assim. prejudicar algum dos lados. tenta -se fazer um acordo entre as partes e se não é co nseguido tal acordo. as regras e normas bem como leis estabelecidas modificaram a vida dos trabalhadores em geral. é então dada a sentença final. bem como defender as empresas de possíveis funcionários que talvez queiram fazer com que a empresa seja multada devido a um problema pessoal que ela possa ter com a empresa ou com seu superior. . A justiça do trabalho faz valer a lei para ambas as partes dentro de uma empresa e tem se empenhado em pacificar e resolver processos trabalhistas por doença do trabalho em casos em que os funcionários são submetidos a algum risco de sua saúde seja ela física ou emocional. O trabalho é algo muito inseguro nos dias de hoje.JUSTIÇA DO TRABALHO Justiça do trabalho é um Complexo de órgãos integrantes do poder judiciário federal a que compete. muitas coisas nesse ambiente foram se modificando e melhorando nessa área. e as demais controvérsias oriundas de relações de trabalho. basicamente. que com certeza sempre que apresentar algum problema a justiça do trabalho poderá ser de ajuda para resolver a situação. O surgimento da legislação trabalhista e da Justiça do Trabalho no Brasil veio como conseqüência de longo processo de luta e de reivindicações operárias desenvolvida no mundo. que dedicou 30 artigos aos direitos sociais e do trabalhador. É para isso que o presidente Getúlio Vargas criou a Justiça do Trabalho. Por isso. e sofreu influência dos princípios de proteção ao trabalhador. de 1891. A Justiça do Trabalho atualmente está inserida no Poder Judiciário. se dentro de sua empresa você é funcionário ou dono. da época napoleônica (1806). A justiça do trabalho tem beneficiado muitas pessoas. mas nem sempre isso acontece. Normas legais de proteção ao trabalhador começaram a se estabelecer com a Constituição mexicana de 1917. e se para alguma parte do processo a sentença não estiver de agrado. seja o empregado ou o empregador. defendidos pelo Papa Leão XIII em sua encíclica Rerum Novarum. conciliar e julgar os dissídios individuais e coletivos entre empregados e empregadores. e hoje. vale a pena saber as lei s dadas pela justiça do trabalho e procurar além de se informar cumprir essas leis. onde na maioria das vezes as coisas ficam boas para ambos os lados. Já imaginou o que seria das pessoas que trabalham e das empresas se não houvesse a justiça do trabalho? Ela serve para organizar as coisas e garantir às empresas e aos empregados seus devidos direitos. onde o caso é julgado. A Justiça do Trabalho serve para a resolução de conflitos que podem ocorrer entre empregado -empregador e se arrastar até um tribunal. Porém há uma excelente quantidade de acordos entre as partes. de auxílio. para assegurar os direitos do trabalhador e do empregador. Problemas quaisquer. mas o importante é que a justiça beneficie a quem merece a precisa de ajuda. sejam elas donas de empresas sejam elas empregadas. por mínimos que sejam. Os primeiros registros de tentativas de resolução de problemas relacionados às relações de trabalho estão nos conselhos de homens prudentes.

d) os mandados de segurança. Há dois tipos: Competência em Razão da Matéria e Competência Territorial. . a competência territorial geral é determinada pela localidade onde o empregado. A Justiça do Trabalho tem uma competência que é o poder de julgar em concreto. pois há vários direitos do trabalhador que podem ser requeridos na presença de um advogado. do Distrito Federal e dos Municípios. h) a execução. na forma da lei. I. habeas corpus e habeas data . Competência Territorial (ratione loci): é aquela determinada com base nos espaços geográficos sobre os quais atua o órgão jurisdicional. Competência em Razão da Matéria . entre sindicatos. e entre sindicatos e empregadores. da CF88. 195. não importa o local onde o contrato de trabalho tenha sido ajustado. entre sindicatos e trabalhadores. prestar serviços ao empregador. e II. da CF88 e seus acréscimos legais. recl amante ou reclamado.A Justiça do Trabalho é competente para decidir: a) as ações oriundas da relação de trabalho. não é necessário um advogado. abrangidos os entes de direito público externo e da administração pública direta e indireta da União. g) as ações relativas às penalidades administrativas impostas aos empregadores pelos órgãos de fiscalização das relações de trabalho. e) os conflitos de competência entre órgãos com jurisdição trabalhista. de ofício.Em caso de reclamatória trabalhista. a . decorrentes das sentenças que proferir. I. c) as ações sobre representação sindical. decorrentes da relação de trabalho. 102. i) outras controvérsias decorrentes da relação de trabalho. quando o ato questionado envolver matéria sujeita à sua jurisdição. b) as ações que envolvam exercício do direito de greve. porém é aconselhável não dispensá-lo. das contribuições sociais previstas no art. f) as ações de indenização por dano moral ou patrimonial. dos Estados. ressalvado o disposto no art.

UNIVERSIDADE PAULISTA ± UNIP CURSO DE DIREITO LAÍS PERES MAGALHÃES JUSTIÇA ELEITORAL E JUSTIÇA DO TRABALHO MANAUS 2011 .

para a obtenção de nota parcial do 1º bimestre. MANAUS 2011 .LAÍS PERES MAGALHÃES JUSTIÇA ELEITORAL E JUSTIÇA DO TRABALHO Trabalho apresentado à disciplina Instituição Jurisdiciária e Ética. apresentado a Prof. Gina Sarques. Turma DR1C34.