Criação de layers no GeoServer

O primeiro passo dado neste exercício foi a recolha da informação pretendida. Para isso, recorri ao sítio da internet do Instituto do Ambiente e descarreguei a informação relativa às vias-férreas em Portugal Continental. Seguidamente, importei a shapefile para o Quantum GIS, como se pode ver pela figura 1, recorrendo ao comando “Camada” > “ Adicionar Camada Vectorial”.

Figura 1 – Ferrovias adicionadas ao Quantum GIS

No Quantum GIS na ferramenta “Extensões” escolhe-se o PostGIS Manager e exportase a tabela das ferrovias para a base de dados geotuga, no pgAdmin III (Figura 3). Seguidamente, no PostGis Manager faz-se “Data” > “Load data from shapefile”. Na janela “Load data to Postgis” escolhe-se a “shapefile” pretendida, no campo “SRID” adicionou-se o valor 20790 e activa-se o “encoding” e “spatial índex” (Figura 2). Ao actualizar o pgAdmin III é possível ver que a nova tabela “ferrovias” foi adicionada (Figura 2).

Figura 2 – Carregar informação no PostGis

Figura 3 – Tabela Ferrovias no pgAdmin III

Após a inserção da tabela na base de dados geotuga, foi-se ao Geoserver (http://localhost:8080/geoserver/web) para criar a nova layer. Para isso, no menu lateral “Data” > “Stores” > “Add New Store” > “PostGis” > “PostGis Database” e entra-se em New Vector Data Source (Figura 4).

Figura 4 – Criação de uma nova layer no GeoServer

Figura 5 – Parâmetros para a criação de uma nova layer

Aqui define-se o tipo de workspace que é “Topp”, define-se a fonte da informação e ainda a sua descrição. Nos parâmetros de conexão definem-se “localhost” em host; em port digita-se o código 5432; a database é geotuga e o schema é public. O user e a password são iguais: geobox. Os parâmetros restantes ficam como estavam (Figura 5). Após estes procedimentos salva-se a nova layer criada (clica-se em save).

Figura 6 – Layer criado - Ferrovias

Depois, no menu Layers, faz-se “Add a new resource” e adiciona-se ferrovias. Depois clica-se em OpenLayers (Figura 7).

Figura 7 – Adição do layer ferrovias

No “ New Layer chooser” escolheu-se a “topp: Ferrovias”. Depois na nova janela faz-se o “publish” do layer “ferrovias” (Figura 8).

Figura 8 – Publish do layer

De seguida no separador “Data” escolhe-se o nome e definiram-se as “Keywords”. Depois, manda-se calcular os campos “Native Bounding Box” e “Lat/Lon Bounding Box” clicando em “Compute from data” (Figura 9 e 10).

Figura 9 – topp: ferrovias

Figura 10 – topp: ferrovias

Seguidamente, pretende-se criar uma simbologia para a “shapefile” adicionada pelo que foi necessário criar uma ligação do “uDig” para o “Postgis”. Criou-se, então, o novo estilo no uDig 1.2 tendo sido atribuídas 5 classes para as linhas férreas. As classes foram definidas com base nos comprimentos das linhas.

Figura 11 – Ferrovias no uDig

Figura 12

Figura 13

Figura 14

No uDig 1.2 foi gerado um texto XML que se vai colar no GeoServer. Depois, voltou-se ao GeoServer, e criou-se um novo “style” e adicionou-se o texto criado em linguagem XML pelo “uDig” e define-se assim o novo estilo criado. Depois,

acedeu-se ao layer ferrovias e editou-se o separador “publishing” onde se escolheu o novo símbolo com o nome Ferrovias de Portugal. Para visualizar a nova simbologia, acedeu-se ao separador “Layer Preview” e escolhe-se a opção “open layer”.

Manuel Teixeira