FUNDAMENTOS ECONÔMICOS Adam Smith é o pai da economia clássica, os economistas que o seguiam cometeram um erro fundamental, o interesse próprio

por si só leva à convulsão social, à agressão ao meio ambiente e ao abuso de poder. Na sua época, só conheceu mercados e bancos de pequena dimensão, não conheceu empresas multinacionais que dominam todas as fazes da produção, a montante e a jusante e que impõem os preços ao mercado. Adam Smith está para os liberais e neoliberais, como Marx esta para os socialistas e comunistas: foram fundadores. David Ricardo exerceu uma grande influência tanto sobre os economistas neoclássicos, como sobre os economistas marxistas, o que revela sua importância para o desenvolvimento da ciência econômica, segundo ele o crescimento da população tenderia a provocar a escassez de terras produtivas. Tal Como Adam Smith, Ricardo admitia que a qualidade do trabalho contribuía para o valor de um bem. Marx se denominava um materialista, não idealista , sua falha, talvez, possa ter sido o de superestimar a previsibilidade das sociedades humanas. Sem dúvida, nenhum dos países que se autoproclamavam marxistas trilhou os rumos profetizados por Marx, pois como este bem se preocupou e demonstrou, não existe nem a remota possibilidade da construção do socialismo em uma única nação, apenas internacionalmente. A ESCOLA CLÁSSICA Com os estudos realizados por Taylor a respeito dos tempos e movimentos do modo como os trabalhadores industriais executavam suas tarefas, detalhando cada ato e descrevendo minuciosamente cada etapa do seu trabalho, mensurando cada detalhe das atividades desempenhadas pelos empregados, para maximizar seu rendimento e evitar a fadiga com pausas necessárias. O objetivo dessa administração científica era o de conseguir melhores resultados, melhorar a eficiência e a produtividade da indústria, na época da estabilização da chamada revolução industrial, para permitir maiores lucros e ganhos para o capitalista dono da fábrica. Esse objetivo era atingido, por meio da exploração da força de trabalho humana treinada e controlada por administradores que mediam seu desempenho. A Administração Científica tinha diversos defeitos dentre eles: o mecanicismo de sua abordagem (teoria da máquina), o controle que robotiza o operário, a visão microscópica do homem isoladamente e como parte da maquinaria industrial, a ausência de qualquer comprovação científica de suas afirmações e princípios, a abordagem incompleta envolvendo apenas a organização formal, a limitação do campo de aplicação à fábrica, omitindo o restante da vida de uma empresa. Hoje, a melhor eficiência das empresas está dependente do uso criativo e racional dos sistemas automatizados que realizam todo o processamento mecânico, repetitivo e antes sujeito a atrasos e erros humanos. Para Fayol a empresa é analisada em uma estrutura de cima para baixo, elas são repartidas em funções universais da Administração que são: prever, organizar, comandar, coordenar e controlar. Sua visão é mais gerencial com resultados finais na produção enquanto que a visão de Taylor é na produção e no operário para resultados na quantidade produtiva. Fayol complementa a Adm. Científica com a Teoria Clássica. Foi visto o filme de Henry Ford, um dos responsáveis pelo grande salto qualitativo no desenvolvimento organizacional atual. Ciente da importância do consumo em massa, lançou alguns princípios para agilizar a produção, reduzir os custos e o tempo de produção. Instaurando a linha de montagem e a padronização do equipamento utilizado. Em contrapartida, prejudicava a flexibilização do produto. A ESCOLA DE RELAÇÕES HUMANAS A Teoria das Relações Humanas surgiu nos estados unidos como conseqüência imediata das conclusões obtidas na Experiência em Hawthorne, desenvolvida por Elton Mayo e seus colaboradores. Foi basicamente um movimento de reação e de oposição à Teoria Clássica da Administração. A experiência em Hawthorne permitiu o delineamento dos princípios básicos da Escola das Relações Humanas que veio a se formar logo em seguida. O Nível de Produção é Resultante da Integração Social e não da capacidade física ou fisiológica do empregado (como afirmava a teoria clássica), mas por normas sociais e expectativas que o envolvem. É a capacidade social do trabalhador que estabelece seu nível de competência e de eficiência. Quanto mais integrado socialmente no grupo de trabalho, tanto maior a sua disposição de produzir. O comportamento Social dos Empregados se apoiam totalmente no grupo, eless não reagem isoladamente como indivíduos. O grupo que define a quota de produção e pune o indivíduo que sai das normas grupais. Os pesquisadores de Hawthorne concentraram suas pesquisas sobre os aspectos informais da organização. A empresa passou a ser visualizada como uma organização social composta de diversos grupos sociais informais. Esses grupos informais definem suas regras de comportamento, suas formas de recompensas ou sanções sociais, seus objetivos, sua escala de valores sociais, suas crenças e expectativas. Delineou-se com essa teoria o conceito de organização informal.

A maior manifestação de poder que uma empresa exerce sobre o funcionário certamente é o poder econômico. posteriormente. as dinâmicas de grupo. precisamente. contradições estruturais e conflitos. assumindo a inexistência de receitas e considerando. não porque concorde com elas. as empresas deparam-se com a complexidade. porque a única sanção que poderia ser aplicada já não põe mais medo no funcionário. Cada parte possui suas próprias funções e trabalhando em conjunto para promover a estabilidade social. a comunicação ou as relações interpessoais. Foi observado que os operários trocavam de posição para variar a monotonia. A Teoria da Contingência veio na seqüência imediata da abordagem sistêmica das organizações. Mas a evolução está longe de parar e. é natural que uma boa parte dos seus valores sejam determinados pelo contexto em que se insere.define a verdadeira posição de um indivíduo dentro do grupo. pois a sua eficácia não dependerá só das relações internas formais e informais. fazendas etc. A maneira como se lida com o poder . Estas abordagens de síntese são a primeira resposta às novas necessidades. Outro componente relevante é o subsistema técnico. Cada indivíduo é uma personalidade diferenciada que influi no comportamento e atitudes uns dos outros com quem mantém contatos. hoje. O outro lado da moeda se revela quando o funcionário é demitido. Essas trocas eram negativas na produção. O subsistema psicossocial compreende os fatores que influenciam o comportamento individual.). que integra o conhecimento necessário ao desempenho do papel produtivo da empresa. contrariando a política da empresa. O Funcionalismo tenta descrever instituições sociais apenas através de seus efeitos e assim não explica a causa desses efeitos. ou quando arranja outro emprego em outra empresa e simplesmente pede demissão. claro ou subjacente . a liderança. hospitais. preocupar-se com a inovação e a flexibilidade. sendo esse. desenhando a estrutura e implementando sistemas de controle. estabelecendo os objetivos. Quanto ao subsistema de estrutura. As organizações devem. A maior especialização e a maior fragmentação do trabalho não é a forma mais eficiente do trabalho. foia criticado por prover modelos ineficazes para mudanças sociais. Por último. mas elevava o moral do grupo. O Estruturo-funcionalismo tem a visão de que a sociedade é constituída por partes (polícia. assim. Cada organização tem um subsistema de objetivos e valores. abandonam as receitas e as prescrições para tomarem consciência do mundo onde as organizações se movimentam. É exatamente a compreensão da natureza dessas relações humanas que permite ao administrador melhores resultados de seus subordinados. Relações Humanas são as ações e atitudes desenvolvidas pelos contatos entre pessoas e grupos. o seu traço fundamental. Sendo a empresa um subsistema da sociedade onde se insere. para as quais não têm resposta. de grupo ou individuais. a importância da tecnologia na determinação da estrutura e do comportamento organizacional das empresas. O Marxismo reconhece contradições sociais e utiliza explicações funcionais e a teoria evolucionária de Parsons que descreve os sistemas e subsistemas de diferenciação e reintegração. mas também do equilíbrio dinâmico que se estabeleça com o ambiente.próprio ou alheio. Integra todos os desenvolvimentos que a precederam.As Relações Humanas são as ações e atitudes desenvolvidas pelos contatos entre pessoas e grupos. O PODER NAS ORGANIZAÇÕES A sociedade apresenta inúmeras maneiras de expressão de poder e isso dificulta uma única definição. Este subsistema inclui a cultura e os objetivos globais. como a motivação. Dependente do salário. bem como a tecnologia envolvida. Mayo e seus colaboradores verificaram que a extrema especialização defendida pela Teoria Clássica não cria necessariamente a organização mais eficiente. Cada instituição exerce uma função específica na sociedade e seu mau funcionamento significa um desregramento da própria sociedade. escolas. A ABORDAGEM FUNCIONALISTA E ESTRUTURALISTA Funcionalismo é um ramo da Antropologia e das Ciências Sociais que procura explicar aspectos da sociedade em termos de funções realizadas por instituições e suas consequências para sociedade como um todo. a Teoria da Gestão tinha que começar por identificar os subsistemas principais que compõem o sistema empresarial. Acaba-se neste momento o poder da empresa. o subsistema de gestão envolve os outros quatro. estabelecendo as relações formais de autoridade. Os indivíduos dentro da organização participam de grupos sociais e mantêm-se uma constante interação social. o funcionário passa a agir de forma coerente com as regras que lhe são passadas. este inclui os meios de divisão e coordenação da organização. A empresa pode fazer com que o funcionário se adapte dentro do ambiente do trabalho usando a ameaça de desemprego como fator moderador. ABORDAGEM SISTÊMICA E DA CONTINGÊNCIA Ao adotar uma abordagem sistêmica. Em cada conjunto de situações a importância relativa de cada grupo de conhecimentos pode variar. planeando. . comunicação e trabalho. a imprevisibilidade e a turbulência. para se adaptarem às modificações do meio envolvente. mas porque se assim não proceder poderá ser demitido e perderá o salário do qual depende.

.mas sim uma relação entre pessoas. um objeto. Numa organização detém o poder quem detém a capacidade de fazer com que outros passem a agir da forma pretendida. uma posse .O poder não é uma coisa.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful