arquitecto luiz crespo de carvalho

LUZ-COR

É difícil imaginar um mundo sem cor! A cor é uma das principais características do mundo que nos rodeia.
É um elemento expressivo e simbólico, de fundamental importância na linguagem visual.

A cor é um fenómeno físico. Parece difícil acreditar mas a cor não existe em si de forma independente da luz. Ela é gerada pela luz. Segundo Newton, as cores-luz surgiram da seguinte ordem: violeta, azul, verde, amarelo, laranja e vermelho.
Estas são exactamente as mesmas que vemos quando observamos atentamente um arco-íris. Concluiu então que, afinal, cor é também luz e que adicionando as diferentes cores-luz, se recompõe luz branca. As formas dos objectos só são visíveis, porque a luz existe. Verificamos também que o branco é a mistura, o conjunto de todas as cores que origina a luz pura. Em contrapartida, o preto é a ausência de cor - a escuridão.

____________________________________________________________________________________________________________________________________

continuação

2

Cores Primárias Para se pintar usam-se as cores pigmento: • o magenta, o azul - ciano e o amarelo

São cores que não se podem obter a partir de outras. Estas são as cores chamadas primárias.

____________________________________________________________________________________________________________________________________

continuação

3

Cores Secundárias

Também há três cores secundárias:
• o laranja, o verde e o violeta.

Chamam-se cores secundárias porque se conseguem obter a partir da mistura de duas cores primárias.

Cores Complementares

A cor complementar de uma cor primária é a que resulta da mistura das outras duas cores primárias.

____________________________________________________________________________________________________________________________________

continuação

4

O magenta é complementar do verde. O azul é complementar do laranja. O amarelo é complementar do violeta.

Cores Neutras

O branco e o preto não são cores mas nós vemo-las como tal. São opostas! O branco é luz e a soma de todas as cores. Preto é ausência de luz e aparentemente não é feita de nenhuma cor. Misturando o branco e o preto em quantidades diferentes conseguirás diferentes tons de cinzento.

____________________________________________________________________________________________________________________________________

continuação

5

Cores Quentes e Frias As cores quentes são consideradas excitantes e as cores frias calmantes.

As cores quentes, são associadas ao sol e ao fogo: amarelo, laranja e vermelho. São aquelas que nos transmitem a sensação de calor. As cores frias, são associadas à água, ao gelo, ao céu, e às arvores: violeta, azul e verde. São aquelas que nos transmitem a sensação de frio.

____________________________________________________________________________________________________________________________________

continuação

6

Tonalidades A suavidade ou intensidade de uma cor pode alterar-se, misturando-lhe cores neutras (branco ou preto). Se lhe adicionarmos branco, a cor fica mais clara; se lhe juntarmos preto, a cor torna-se mais escura. Obtemos assim tons (claros ou escuros) de uma cor.

____________________________________________________________________________________________________________________________________

continuação

7

Como se deve pintar com guache O Guache é uma tinta solúvel em água, de secagem rápida, espessa e opaca, que depois de seca permite a sobreposição de outras cores. Como deves proceder para a sua utilização? 1- A tinta deve ser espremida do tubo sobre um azulejo ou dentro de um godé bem seco, e em maior ou menor quantidade, consoante a superfície que se pretende pintar. 2- Em seguida, com um pincel ou com um conta-gotas, deixas cair algumas (poucas) gotas de água sobre a tinta, e mexendo bem com um pincel, de modo a que ela se dissolva convenientemente. Deves procurar conseguir uma consistência tal, em que a tinta se possa espalhar facilmente sem escorrer. O guache não deve ser aguado. Se a tinta for pouca, uma simples gota de água, por vezes, é suficiente. Se verificares que a tinta está ainda tão espessa que custa a espalhar, vais acrescentando água (gota a gota) até obteres a consistência desejada. 3- Se quiseres fazer uma (relativamente) grande porção de tinta, deves utilizar de preferência um godé (ou um recipiente). Para pequenas quantidades, simples ou com mistura de tintas, utiliza o azulejo. 4- Deves procurar (quando se trata de mistura de tintas) nunca fazer menos tinta do que aquela que te permita pintar toda a superfície que pretendes. Evitas a dificuldade de obtenção de uma cor igual. 5- Se te faltar tinta para completar a pintura de uma superfície, o ideal é fazer mais tinta; nunca deves acrescentar água ao resto da tinta que te sobrou, pois ela fica diferente e o trabalho não resulta. 6- Quando quiseres misturar tintas, vais acrescentando a uma delas pequenas porções da outra, até que obtenhas a cor ou o tom que desejas. 7- Antes de começares a pintar experimenta a tinta num papel qualquer (que deves ter sempre ao pé de ti) e que te serve de prova (teste). Se estiver muito líquida, acrescenta tinta; se custa a espalhar, junta (cuidadosamente) e com um pincel, um pouco de água.

____________________________________________________________________________________________________________________________________

continuação

8 8- Quando tiveres a tinta pronta, começa, então a pintar. A tinta deve ser espalhada com o pincel sempre na mesma direcção e sentido. Não comeces pelo meio. Tem cuidado para não ultrapassares os limites da superfície que queres pintar, e também em não deixares partes em branco. 9- Se quiseres acrescentar algum pormenor, deixa secar a superfície que pintaste. Depois, com tinta de outra cor e espessa, pintas sobre a tinta utilizada. 10- Nunca pintes com pincéis sujos.

____________________________________________________________________________________________________________________________________

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful