You are on page 1of 28

1ª PROVA ʹ parte constitucional

1. QUESTÃO AMBIENTAL

O Direito ambiental é difuso. Existem as articularidades do Direito:
A 1ª geração de direitos individuais vem da Revolução Francesa. A sua ideologia é o
liberalismo. O Estado é absenteísta (não-interventor - se exige uma Eficácia negativa
(Marcelo): o Estado não invade a propriedade, não tira a liberdade do indivíduo. Outros
entendem que é uma eficácia vertical em um pólo o Estado e no outro o indivíduo,
beneficiando este (Gilmar Mendes). E o Palio ʹ liberdade.

A 2ª geração é a de direitos sociais, individuais, civis, políticos (grupos sociais ʹ menor,
idoso) ʹ valorizados pela burguesia e vem da Revolução Mexicana. A sua ideologia é o
marxismo, a anarquia. O palio é a igualdade. Ela exige prestações. O Estado é interventor,
programa. É o Estado de bem-estar social.
A busca é da justiça social. É a valorização do trabalho humano. Direito previdenciário,
trabalho, da criança, do idoso.

A 3ª geração é a de direitos que buscam proteger as minorias e vem da Revolução de
1968 e consagrada pela Constituição de 68 de Portugal. Trouxe um novo conceito de
democracia. Trouxe a corrente do neoconstitucionalismo. O pálio é a solidariedade,
solidariedade intergeracional - aos que vêm depois ʹ respeito às gerações futuras. A CF/88
esculpiu isso no artigo 225. É um direito que trabalha uma visão interespacial integrada. Não
pode proteger o meio ambiente de um país, sem proteger o meio ambiente dos outros.

A 4ª geração tem como fundamento o direito ligado a globalização, a informática. Essa
geração não tem ainda fato/marco histórico que defina esse momento.

Essa quatro gerações têm um profundo elemento imbricante. Se não tiver
desenvolvimento, não tem liberdade, não tem direitos sociais e nem globalização.

Os direitos humanos são indisponíveis, inalienáveis, imprescritíveis, integrados uns com
os outros e são um marco civilizatório.

1.1. CRESCIMENTO, DESENVOLVIMENTO HUMANO, DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL,
ECODESENVOLVIMENTO
A questão ambiental ganha espaço nas preocupações da sociedade e na agenda dos
segmentos mais esclarecidos, o que nos leva a fazer perguntas, tais como: qual é o destino
próximo do ecossistema planetário e da espécie humana? A única resposta cabível é que a
espécie humana e a Terra encontram-se num determinado estágio de evolução impossível de
ser precisado.

Pode-se afirmar que num prazo muito curto são dilapidados os patrimônios formados
lentamente no decorrer dos tempos geológicos (momento em que ocorreu a origem e
formação do planeta) e biológicos (período em que surgiu a vida), cujos processos não voltarão
mais. Os recursos consumidos e esgotados não se recriarão. Assim, o desequilíbrio ecológico
acentua-se a cada dia que passa.

Acrescente-se que tudo decorre de um fenômeno correntio, segundo o qual os homens,
para a satisfação de suas novas e múltiplas necessidades, que são ilimitadas, disputam os
bens danatureza, por definição, ilimitados.

1

De outro lado, o processo de desenvolvimentos dos países se realiza, basicamente, à
custa dos recursos naturais vitais, provocando a deterioração das condições ambientais em
ritmo e escala até ontem ainda desconhecido.

Crescimento é um aumento da riqueza física de um país. Ele é traduzido pela variável
chamada PIB e PNB (PIB é toda riqueza feita no Brasil, independente de ser de propriedade do
brasileiro ou não, enquanto que o PNB é toda riqueza feita por brasileiro).
O PIB é uma variável meramente quantitativa, ou seja, pode haver um crescimento, mas
as pessoas permanecerem pobres.

O desenvolvimento humano é medido pelo IDH (índice de desenvolvimento humano) e é
um somatório de dados: expectativa de vida, mortalidade infantil, leitos hospitalares, moradia,
escolaridade, saneamento básico.

ù Para evitar a degradação do meio ambiente deve-se pensar no crescimento com
desenvolvimento de vida. Ex.: Cuba ʹ teve desenvolvimento humano, mas não conseguiu
crescer.

O alerta para a gravidade desses riscos foi dado em 1972, em ástocolmo, na ͞Conferência
das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano͟. Nesse evento, alguns países chegaram a
propor uma política de crescimento zero:
Nos anos 70, um economista Denys Meadows escreveu um livro Limit of Growth: e
mostrou e pediu pro mundo uma solução para o esgotamento da Terra - aponta a opção para
o crescimento zero ʹ os países pararem de crescer: Ele analisa 53 variáveis constantes, deixa
uma só variável crescendo e vê quanto tempo a Terra agüenta. Ex.: Se usar apenas água, a
terra teria 130 anos de vida.
Todavia, o resultado final dessa política seria desastroso, pois os ricos continuariam
sempre ricos e os pobres estariam condenados a permanecer sempre pobres.
O crescimento não é generalizável. Esse autor analisa que esse crescimento não é
suportável pela Terra, porque o homem não computa o preço dos elementos naturais,
porque a economia só precifica o que envolve trabalho humano.

Por isso, nos últimos anos, a sociedade vem acordando para a problemática ambiental. O
mero crescimento econômico vem sendo repensado com a busca de fórmulas alternativas,
como o ecodesenvolvimento ou desenvolvimento sustentável.

O desenvolvimento sustentávelfoi definido pela Comissão Mundial sobre Meio Ambiente
e Desenvolvimento como ͞aquele que atende às necessidades do presente sem comprometer
a possibilidade de as gerações futuras atenderem a suas próprias necessidades.

Esse termo foi criado por Gro Brundtland no livro Nosso Futuro Comum ʹ ela defendeu a
idéia de que é possível ter um tipo de crescimento que tenha três elementos: eficiência
econômica, o respeito ambiental e a justiça social. Ela prioriza a sustentabilidade ʹ um
processo em que o amanhã se torna viável.
Ela considera que o capitalismo em si não é responsável pelo crescimento desordenado,
por isso o Estado é quem tem que criar leis que controlem isso.
Dessa forma, é preciso crescer sim, mas de maneira planejada e sustentável, com vistas a
assegurar a compatibilização do desenvolvimento econômico-social com a proteção da
qualidade ambiental em todo instante e em toda parte, como condição para que o progresso
se concretize em função de todos os homens e não à custa do mundo natural.

2

os quais constituem a sua base material. 3 . passa a incorporar o significado de manutenção e conservação ad aeternum dos recursos naturais. Depois ela mudou do carvão para o petróleo. ácodesenvolvimento: Maurice Strong afirma que esse conceito traz a noção de que você deve buscar identificar. Ela exige um tripé. Ex. porém a qualidade não será a mesma. Isso exige avanços científicos e tecnológicos que ampliem permanentemente a capacidade de utilizar. porém quando grandes indústrias. necessita da adoção de novos padrões de consumo sustentável. já que ele é ilimitado. bem como novos conceitos de necessidades humanas para aliviar as pressões da sociedade sobre eles. Assim. Ele fala que o litro de petróleo retirado do oceano é muito caro. em que a informação possa percorrer toda a cadeia econômica. Essa sustentabilidade envolve quantidade e qualidade dos recursos. Ele é baseado no marketing. A sustentabilidade. o preço do petróleo cai. para. também os culturais possam ser levados em conta na satisfação das necessidades imediatas da população. o consumo não- sustentável também está na origem de muitos dos nossos males ambientais. sem realmente envelhecerem. A Noruega trouxe o desenvolvimento para a intergeracionalidade = sustentabilidade. mas sim um de seus instrumentos. a sustentabilidade. a qualidade daquilo que é sustentável. na tecnologia. o petróleo. considerando que o conceito de desenvolvimento sustentável sugere um legado permanente de uma geração a outra. Acrescente-se que a política ambiental não deve ser um obstáculo ao desenvolvimento. ou seja. porque não há como voltar atrás. para que todas possam prover suas necessidades. porque você inventa necessidades que você não tem. no seu contexto. Então a sustentabilidade não só se revela no meio ambiente. Ele denomina essa utilização de padrões estrangeiros de perda da sócio-diversidade (destruição dos vários padrões humanos). No entanto. com o tempo. Esse processo busca a mudança na matriz tecnológica. No caso da água e ar. ao propiciar a gestão racional dos recursos naturais.: o primeiro padrão de energia foi o da Inglaterra: o carvão. Ela afirma também que uma empresa é sustentável quando é justa socialmente. Portanto. passam a explorar. a grande maioria dos recursos sequer existirá. ficam muito baratos com a ampliação da atividade. Esses padrões no início são caros. e são várias. de forma que. eficiente economicamente e é compromissada ambientalmente. por exemplo. Para ele. E o mundo nunca deixou esses padrões. porque não é só o desenvolvimento não-sustentável que causa a degradação ambiental. ocorre um processo irreversível quando os utiliza.não adotar padrões estrangeiros. na propaganda. cada ecorregião deve procurar soluções específicas para os seus problemas particulares. como por exemplo. Essa autora diz que essa idéia de desenvolvimento sustentável precisa de uma profunda mudança nos padrões de tecnologias. reutilizar a água. além dos dados ecológicos. Ele acusa que a destruição do meio ambiente tem como grande causa motora o processo de adoção de padrões estrangeiros. recuperar e conservar esses recursos. Auto-solescência programada ʹ as coisas vão ficando velhas pra você. então. alternativas de emprego e renda e. O Brasil foi um dos poucos países que adotou o álcool e a água (hidroelétricas). deve-se evitar oconsumo conspícuo: é aquele baseado no status. a quantidade será a mesma.

o mundo natural tem valor apenas enquanto atende aos interesses da espécie humana. numa visão antropocêntrica. bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida. impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações. o que é um equivoco. não existia a devastação que existe hoje. . é um agir sem interesse. comportamento.Segundo a tradição judaico-cristã só se protege o meio ambiente quando ele for favorável ao homem.Para os fins previstos nesta Lei. porque são irmãs.: ética não é pensamento. Existem dois tipos de ética: I ʹ ANTROPOCÊNTRICA: é uma ética de origem judaico-cristã. intransitiva. Ela se baseia no gênesis: o homem veio para dominar todos os peixes que nadam.poluição. o homem só cuida dos animais que dão lucro. Essa ética foi contraditada por São Francisco de Assis. Uns questionam que isso não é ética. o que também está errado. ou seja. porque é o homem quem depende da natureza. esses períodos anteriores só existiram por causa do homem. b) criem condições adversasàs atividades sociais e econômicas.‘ Essa definição de poluição levou em consideração o aspecto finalístico do meio ambiente (proteção da vida) e reservou-o para a proteção humana. 4 . então se agir com interesse não é ético. depois o biológico e só posteriormente surgiu o homem. trazendo benefício econômico ou financeiro a ele. ÉTICA: ANTROPOCÊNTRICA. Biodiversidade: Deixar todos os seres vivos viverem. Regundo essa ética. ECOCÊNTRICA (origem hindu) Qual é o centro das nossas preocupações de sobrevivência: a espécie humana ou o Planeta como um todo? . II ʹ ECOCÊNTRICA: propõe que os animais e plantas têm valores existentes em si. é um modo de ser diante das coisas. 1. Cabe ressaltar que a concepção antropocêntrica que fundamenta a leideve-se ao fato de apenas os seres humanos se qualificarem como sujeitos de direitos e deveres. das plantas lucrativas. 225. pois o primeiro período é o geológico. §6º.2. Ela desconhece a existência de vários períodos anteriores ao homem. todos as aves que voam e inclusive a mulher. porque ética é ato. Deve-se regar a planta que come e a que não come. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado. Obs. é autárquica. porque ele acreditava que se deve conservar e amar todos os seres vivos: deveria se amar o louco e a ovelha. A natureza é mal vista por essa ética e está em função do próprio homem. independente do homem ʹ artigo 225. Conclui afirmando que se cada região do mundo adotasse seus padrões locais (fizesse a homogeneização do mundo).938 Artigo 3º . entende-se por: III . a segurança e o bem-estar da população. porque eles estão integrados. Lei 6.Já os indianos têm uma ética ecocêntrica ʹ protege-se a natureza independente de trazer benefício ou não pro homem. é hábito. o que está errado. ù Segundo essa ética. a degradação da qualidade ambiental resultante de atividades que direta ou indiretamente: a) prejudiquem a saúde. Ocaput do artigo 225 é antropocêntrico ʹ ͞para as presentes e futuras gerações͟ ʹ Art.

.605/98. a proteção jurídica do meio ambiente é do tipo antropocêntrica alargada. Ora trata do meio ambiente para o homem e ora protege o meio ambiente para ele mesmo. porém. hoje. protege os animais de maus tratos. coisa de ninguém. pois nesta verifica-se um direito ao meio ambiente equilibrado.Para assegurar a efetividade desse direito. vedadas. seja como indivíduo. submeteu ao manto da lei todos os animais indistintamente. ou seja. antes. mas no § 1. Não há como refutar. Colocará no centro não este ou aquele país ou bloco geopolítico e econômico. no sistema jurídico brasileiro. inciso I. independentemente do benefício direto que advenha ao homem. solo. optou pelo homem. ao considerar como não sendo criminoso o abate de animal para saciar a fome do agente ou de sua família. demonstrando assim haver adotado também o ecocentrismo. § 1º . Na Lei 9. Artigo 225. VII ʹ ͞proteger a fauna e a flora . do mesmo dispositivo. além da proteção à capacidade de aproveitamento do meio ambiente. §1º. Por isso. inciso VII. também verificamos a mesma dicotomia. caput. III ʹ ANTROPOCÊNTRICA ALARGADA: adotada pela Constituição Federal. sim. provoquem a extinçãode espécies ou submetam os animais a crueldade. ao menos sob o ponto doutrinário e legal. aos quais todas as instâncias devem servir e estar subordinadas. a qual em seu artigo 225. Para os que defendem essa ética. Além disso. e no artigo 37. aos citados interesses intergeracionais. pois em seu artigo 32. coisa de todos. esta tutela do meio ambiente no Brasil está vinculada não a interesses imediatos e. Esse artigo. visa-se a tutelá-lo para se manter o equilíbrio ecológico e sua capacidade funcional. ao determinar ao Poder Público a incumbência de proteger a fauna. refere-se aos animais. como bem de interesse da coletividade e essencial à sadia qualidade de vida. essa ética implica uma mudança radical em nossa maneira de compreender a nossa identidade enquanto humanos e o nosso lugar entre outros seres vivos. animais etc. dirige-se ao homem. entendida como um macrossistema orgânico. O inciso VII do artigo 225. mas a Terra. na forma da lei. simultaneamente. José Afonso da Silva fala que a CF tem um antropocentrismo alargado ʹ tenta conciliar as duas visões dessas duas éticas. a visão antropocêntrica focava-se no ser humano de tal forma que os elementos do meio ambiente (água. incumbe ao Poder Público:VII - proteger a fauna e a flora. Verificamos a adoção de ambos os sistemas filosóficos em nossa Constituição Federal. No direito positivo brasileiro.protege a natureza para o homem. como proteção específica e autônoma. 225.º. Ela é seguramente ecocêntrica. função e importância ecológica. dessa forma. vez que todos os seres vivos têm valor. A globalização está ainda buscando sua expressão institucional.) traz a idéia de ecocêntrico: ͞práticas que provoquem extinção͟ Art. 5 . §1º (É vedado .. demonstrando vocação antropocêntrica. os mesmos elementos passaram a ter status de „     . que. Se. assim devendo ser entendidos.) eram tidos como „ . esta ou aquela cultura..͟ . e que se baseie no sentido de respeito e de cordialidade pela Terra e por seus habitantes. é de singular importância a construção de uma ética que nos permita viver harmonicamente sobre a Terra. as práticas que coloquem em riscosua função ecológica. seja como espécie.

A RIO-92 frutificou aConvenção sobre Biodiversidade. A Agenda 21 tem como objetivo preparar o mundo para os desafios do século XXI. a Reunião Rio + 5 ʹ 5 anos após a Rio 92. Nela são tratadas questões relativas ao desenvolvimento econômico-social e suas dimensões. É. ùRIO-92 tinha como finalidade estudar a Amazônia. sem dúvida alguma necessário conciliar as duas correntes. depois mostrou o efeito estufa ʹ formado por C. Seu conteúdo é amplo e diversificado. A Agenda 21 é a cartilha básica do desenvolvimento sustentável. Essa Agenda mostra que parte dessa destruição é devido à desigualdade social. Com esses dados em 1991. à conservação e administração de recursos para o desenvolvimento. Esse IPCC detectou o fenômeno da estufa ʹ formado por CO. mais conhecida como RIO 92 ou ECO 92 adotou na Declaração do Rio e na Agenda 21 o desenvolvimento sustentável como meta a ser buscada e respeitada por todos os países.C. Todos os países possam adotar de maneira homogênea medidas corretas. E a ONU convoca a RIO ʹ 92. E dela se extraiu vários temas: Em 1992. sob direção da ONU. que se ocupou particularmente do desenvolvimento sustentável. pois o meio ambiente não pode ser considerado algo a ser destinado pura e simplesmente a satisfação dos desejos humanos. CO e CO2. e a Agenda 21 (base para que cada país elabore seu plano de preservação do meio ambiente).F. Consumo de luxo ʹ prática do rico. Ela apela fortemente para a consciente dos Poderes Públicos no sentido de criarem ou aperfeiçoarem o ordenamento jurídico necessário à gestão ambiental num cenário de desenvolvimento sustentável. I ʹ BIODIVERSIDADE 1994 ʹ Convenção de Cartagena ʹ sobre a biodiversidade II -Criou a Agenda 21ʹ trouxe a governança global: idéia de que as empresas têm que ter uma cotação junto com o Governo. Emulação ʹ pobres tentando imitar os padrões dos ricos. No Rio de Janeiro realizou-se. sem qualquer finalidade para o homem INICIATIVAR AMBIáNTAIR Em 1987 criou-se o IPCC ʹ Painel Intergovernamental de Condições Climáticas ʹ onde se fez um rastreamento sobre as condições climáticas do mundo. a Conferência de Joanesburgo (Rio + 10). o IPCC foi consolidado. a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento ʹ CNUMAD. Houve tentativas para avaliar os resultados da Agenda 21. Em 1990 eles mapeiam todas as emissões dos países ricos ʹ quanto eles emitem. em 1997. E por fim. dez anos após a Rio 92. e nem tão pouco um bem autônomo. CO2 e CH4. ao papel dos grandes grupos sociais que atuam nesse processo. e depois o enxofre e o cloro ʹ causam a chuva ácida. 6 . ù JOANESBURGO ʹ Habitação ʹ QUADRO CLIMA 1997 ʹ Protocolo de Kyoto ʹ 2007 (passou a ser tratado de Kyoto) e tratou obre o CH4. Em Nova York houve a ͞Cúpula da Terra..

trabalho infantil. estabelecida a partir da áco-92 e da Agenda-21. Certificação ambiental: apura o compromisso das empresas socialmente e ambientalmente. trabalho escravo. mineradoras. mas o mesmo não aconteceu com o Protocolo de Kyoto. sobre os países desenvolvidos. A ratificação do Protocolo de Kyoto pelos países do mundo esbarrou na necessidade de mudanças na sua matriz energética. matéria-prima. Bush declarou que não iria submeter o avanço da economia norte-americana aos sacrifícios necessários para a implementação das medidas propostas. A Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima. sem estabelecer prazos. Já o Protocolo de Kyoto (1997 . agronegócios.: de onde vem a areia que originou a telha. foi ratificada pela maioria dos países. energia. com destaque para o CO2. internacionalmente reconhecidos. emissões (gasoso) ʹ não se controla o que entra (input) e o que sai (output) da empresa em termos de matéria. A expressão tem por fim designar a prática por meio da qual empregadores fecham suas empresas estabelecidas em locais onde os salários são elevados a fim de se restabelecerem em outras regiões. As instituições têm que ter preocupações ambientais. O presidente George W. Essa diferença se deve ao fato de a convenção apresentar apenas propostas. Ex. motivo pelo qual não ratificou o protocolo. efluentes (líquidos). fala-se em "dumping social" quando os preços baixos resultam do fato de as empresas estarem instaladas em países onde não são cumpridos os direitos mínimos dos trabalhadores. onde a mão-de-obra é mais barata. por essa razão. O uso da expressão pretende apontar a violação dos direitos sociais dos trabalhadores nos países mais pobres que. a inobservância de direitos mínimos dos trabalhadores. II ʹ dumping ambiental: diz respeitos aos rejeitos (sólidos). Existem dois tipos: I ʹ dumping social: diz respeito à legislação trabalhista. ao meio ambiente do trabalho. nem limites para a emissão de poluentes. as obrigações acessórias trabalhistas. O motivo da redução nos salários é. O dumping ambiental ocorre quando os custos com a proteção do meio ambiente não são computados no preço final tornando o produto mais barato. Nessa linha de raciocínio. conseguiriam ter maior competitividade em sua produção agrícola e manufatureira no mercado internacional. 7 . seja universidades. de qual forma de energia vem a energia utilizada na obra. em especial os Estados Unidos. Os elevados custos recairiam. Para que elas não pratiquem o dunping.Japão) estabeleceu metas para a redução da emissão de gases poluentes que intensificam o "efeito estufa". principalmente. na maioria das vezes. ou de onde vem a madeira.

estuários. leis. V .. dança de tambor de crioulo do Maranhão). tomados individualmente ou em conjunto. à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasileira. científico e turístico e constitui-se tanto de bens de natureza material. A própria CF/88 prevê a identidade cultural no artigo 216.) Artigo 3º .meio ambiente. ecológico e científico. a flora e a fauna. portadores de referência à identidade. subsolos. ecológico. O meio ambiente artificial é o construído ou alterado pelo ser humano.é a paisagem urbana. e pelos equipamentos comunitários. os sítios urbanos.Para os fins previstos nesta Lei. as praças e as áreas verdes. que permite.: quilombos ʹ comunidade com identidade comum e que se isola.folclore). o conjunto de condições. II . solos.:porta da igreja São Benedito) quanto imaterial (ex. O meio ambiente cultural é o patrimônio histórico. Ex. No Brasil a legislação infraconstitucional prevê e conceitual esse meio ambiente: fauna.938/81 ʹ artigo 3º. documentos.os modos de criar. influências e interações de ordem física. IV . sendo constituído pelos edifícios urbanos. III ʹ MEIO AMBIENTE ARTIFICIAL . como as ruas. artísticas e tecnológicas. Cultura é aquela que se liga a memória e a identidadehistórica.ex. a exemplo dos lugares. I ʹ doutrinariamente é chamado de BIORFáRA (formada por recursos bióticos ʹ plantas. as ruas. flora (. visto que o meio ambiente por definição é unitário. Art. MáIO AMBIáNTá Essa classificação atende a uma necessidade metodológica ao facilitar a identificação da atividade agressorae do bem diretamente degradado. II ʹ MEIO AMBIENTE CULTURAL ʹ é o que está ligado ao patrimônio etnográfico (raças. objetos. Constituem patrimônio cultural brasileiro os bens de natureza material e imaterial. dos cultos religiosos e dos costumes de uma maneira geral. que são os espaços públicos abertos.os conjuntos urbanos e sítios de valor histórico. artístico. animais -. o ar. fazer e viver.as criações científicas. arqueológico. abriga e rege a vida em todas as suas formas. a fachada do Colégio Diocesano. as praças. Pode ser tanto material (ex. que são os espaços públicos fechados. à ação. como o solo. a cidade. Lei 6. entende-se por: I . paisagístico. modo de vida. edificações e demais espaços destinados às manifestações artístico-culturais. Embora esteja mais relacionado ao conceito de cidade o conceito de meio ambiente artificial 8 . quanto imaterial. poloneses -.: índios. racial.as obras.. a classificação como meio ambiente cultural ocorre devido ao valor especial que adquiriu. paleontológico. Existem 4 tipos de meio ambiente I . 216. química e biológica. abióticos ʹ atmosfera. nos quais se incluem: I . objetos e documentos de importância para a cultura. social. artístico. a água.MEIO AMBIENTE NATURAL OU FÍRICOʹO meio ambiente natural ou físico é constituído pelos recursos naturais. III . das danças. Feito pelo homem. e pela correlação recíproca de cada um destes elementos com os demais. água. paisagístico. Embora comumente possa ser enquadrada como artificial. a exemplo dos idiomas. culturas .: modo de fazer. cavernas.as formas de expressão. os prédios.

considerado também uma extensão do conceito de meio ambiente artificial. Para que não haja regras que perca o sentido.o amparo às crianças e adolescentes carentes. conforme dispuser a lei. EXCEÇÃO: função social da propriedade rural é o único princípio que não é idéia. 1. a razão de ser das coisas. hígido. ou seja. ou seja. independentemente da obrigação de reparar os danos causados. O artigo 182. Eles são os pressupostos das normas-regras. Ele tem a função normo-genética. as máquinas. O Direito posto é a norma regra. ele baliza o surgimento de novas regras. os processos.As condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os infratores. O meio ambiente do trabalho. Artigo 225. integração no mercado de trabalho. Ex. A própria CF prevê como objetivo o primado do trabalho. 1. biológicos e físicos. o mercado de trabalho tem que ser salubre. a sanções penais e administrativas. porque o princípio da precaução proíbe que haja direito adquirido em matéria ambiental.‘PRINCÍPIO DA PRECAUÇÃO Esse princípio visa à durabilidade da sadia qualidade de vida das gerações humanas e à continuidade da natureza existente no planeta. §3º .a proteção à família. II . independentemente de contribuição à seguridade social. (Artigo 186).1. Estudo do impacto ambiental ʹ norma regra. Direito pressuposto é a norma princípio. e tem por objetivos: I . como o local de trabalho. do lugar ou da pessoa que a exerça. a unidade do sistema jurídico é dada pelos princípios. porém a licença ambiental não é perpétua. pressuposto ʹ princípio da vida. III . Fundamenta-se na Teoria do Risco. E por ser idéia está muito aberto ao intérprete. Artigo 203 da CF ʹ prevê a promoção.a habilitação e reabilitação das pessoas portadoras de deficiência e a promoção de sua integração à vida comunitária.: Licença administrativa é perpétua. as ferramentas. higidez. as operações. à maternidade. pessoas físicas ou jurídicas. mais amplia o sentido).‘ PRINCÍPIOS AMBIENTAIS Os princípios possuem a função de controle dos sentidos. é o conjunto de fatores que se relacionam às condições do ambiente de trabalho. visto que nele os espaços naturais cedem lugar ou se integram às edificações urbanas artificiais. o princípio não é um conceito e sim uma idéia. à infância. IV . os agentes químicos. Ex.a promoção da integração ao mercado de trabalho. O cerne desse conceito está baseado na promoção da salubridade e da incolumidade física e psicológica do trabalhador. ou seja. a relação entre trabalhador e meio físico. à adolescência e à velhice. favorecem a criação de uma mentalidade em cada área. A completude do ordenamento jurídico pode ser alcançada através dos princípios. IV ʹ MEIO AMBIENTE ëO TRABALHO ʹ é aquele que inclui salubridade. A assistência social será prestada a quem dela necessitar. independente de atividade. Previsto no artigo 225 da Constituição. 9 .: Homicídio ʹ norma regra. 203. §2º diz que a função social urbana será cumprida quando cada Cidadecom mais de 20 mil habitantes criar o seu plano diretor. Outra função é a zetética (quando mais se pergunta. Pressuposto ʹ precaução. porque a CF/88 trouxe quatro elementos para definir esse princípio. referindo-se simplesmente aos espaços habitáveis. Art.abarca também a zona rural. ou seja.a garantia de um salário mínimo de benefício mensal à pessoa portadora de deficiência e ao idoso que comprovem não possuir meios de prover à própria manutenção ou de tê-la provida por sua família. V .

antes que ele ocorra. CARACTERÍSTICAS: I ʹ CRIAÇÃO DA LATÊNCIA (doença) A primeira questão versa sobre a existência do risco ou da probabilidade de dano ao ser humano e à natureza. Causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana.: A responsabilidade civil. de um a quatro anos. não admite as hipóteses de excludentes (força maior. Isso ocorre em casos de incerteza científica. Lei 9. caso fortuito e fato de terceiro). 54. quando assim o exigir a autoridade competente. ou seja. In dúbio pro natura (topoi ʹ argumento sólido): isso gera a inversão do ônus da prova. administrativa e penal. etc. Há riscos inaceitáveis. Essa inversão do ônus da prova (presunção) aplica-se tanto a autoria quanto ao nexo de causalidade. II ʹ TIPOLOGIA DO RISCO: não se sabe qual o tipo de risco/ameaça que está sofrendo. salvo se trouxerem a prova de que os limites do risco e da incerteza não foram ultrapassados. e multa. visto que só a existência da atividade vinculada ao dano faz nascer a obrigação reparatória. Assim.fala que incorre nas mesmas medidas aquele que deixar de adotar medida de precaução por parte da autoridade competente em caso de risco ambiental irreversível: pagar. quando se fala do bem da vida. §3º . Art. os processos ecológicos essenciais. fazer ou não-fazer. impondo ao autor potencial provar que sua ação não causará danos ao meio ambiente. procuram-se ações inibitóriasporque não há como voltar atrás quando se trata de danos que quando são constatados não há mais como recuperar o bem atingido. segundo a Teoria do Risco Integral. Obs. a obrigatoriedade do controle desse risco tem que ser feita. nesse caso a relação de causalidade é presumida com o objetivo de evitar a ocorrência do dano. III ʹ OBRIGATORIEDADE DO CONTROLE: Controlar o risco é não aceitar qualquer risco. o risco ou o perigo serão analisados conforme o setor que puder ser atingido pela atividade ou obra projetada. Não se exige que a ameaça seja ͞séria ou irreversível͟. como aquele que coloca em perigo os valores constitucionais protegidos. Detectados. Esse princípio é importante na responsabilidade civil.reclusão. como o meio ambiente ecologicamente equilibrado. O dano ambiental não pode ser retrospectivo: não há como voltar atrás o que foi destruído. §3º Incorre nas mesmas penas previstas no parágrafo anterior quem deixar de adotar. com fundamento no princípio da precaução. o manejo ecológico das espécies e ecossistemas.605/98 ʹ artigo 54. Ameaça sensível é aquela revestida de perceptibilidade ou aquela considerável ou apreciável. cabe ao investidor comprovar que sua atividade não causará dano. IV ʹ OS CUSTOS DA PRECAUÇÃO E PREVENÇÃO 10 . a Administração Pública não tem que provar que a atividade vai causar dano. Essa inversão do ônus da prova tem como conseqüência que os empreendedores de um projeto devem necessariamente implementar as medidas de proteção do meio ambiente. Portanto. Portanto. medidas de precaução em caso de risco de dano ambiental grave ou irreversível. ou que provoquem a mortandade de animais ou a destruição significativa da flora:Pena . mas que ela seja ͞sensível͟ quanto à possível redução ou perda da diversidade biológica.

§1º. depois. elas começaram a desenvolver uma proteína que causava epilepsia no animal e. Os ingleses não comem as tripas da ovelha e eles começaram a pegar as tripas dela e trituravam pra dar pras vacas (herbívoro) e elas com 2 anos elas engordavam muito. o que aconteceria com apenas 3 anos. Não se sabia que isso gerava perigo ou sequer risco a esses animais. a que se dará publicidade. 11 . pois a responsabilidade ambiental é comum a todos os países. IV exigir. Ex. V ʹ JUSTIFICAÇÃO PRÉVIA ʹ ambas obrigam o empreendedor a explicar previamente a sua atividade. Por isso as ovelhas consomem muito mais água do que um bode. A Prevenção se fundamenta na Teoria do Perigo: aquilo que você sabe o resultado negativo. desenvolvendo a doença da Vaca Louca. já sabendo o que vai acontecer. os ingleses criavam ovelha. Artigo 225. já tem um histórico de conhecimento. pondera-se sobre os meios de evitar o prejuízo. Alguns seres humanos adquiriram essa proteína e elas se alojaram em algumas partes do corpo. II ʹ o naufrágio no navio Valdez derramou óleo e foi recuperada para o homem.2. você não repete. na forma da lei. §1º. A ovelha não absorve a celulose que ela consome.nos anos 70 na Europa. prevenir e evitar na origem as transformações prejudiciais à saúde humana e ao meio ambiente. 1. A prevenção e a precaução são mais baratas que a reparação.‘PRINCÍPIO DA PREVENÇÃO O dever jurídico de evitar a consumação de danos ao meio ambiente vem sendo salientado em convenções. A palavra ͞potencialmente͟ abrange não só o dano de que não se duvida como o dano incerto e o dano provável. portanto suas fezes são cheias de água. Aí entra o exame da oportunidade do emprego dos meios de prevenção. Existem fatos históricos que provam que o homem não tem conhecimento e nem capacidade de diagnosticar o que é uma coisa da outra. Já possui uma tipologia da linhaça. no entanto. Nesse estudo avaliam-se todas as obras e todas as atividades que possam causar degradação significativa ao meio ambiente.: beber água com coliformes fecais = perigo. O ͞Estudo de Impacto Ambiental͟ insere na sua metodologia a prevenção e a precaução da degradação ambiental. A residualidade desse dano foi trazendo prejuízos ao longo do tempo sem ninguém saber que esse alimento trazia sequer risco. O homem não sabe o que permaneceu lá que afugenta os animais. mesmo assim o custo com elas deve ser ponderado de acordo com a realidade econômica de cada país. para instalação de obra ou atividade potencialmente causadora de significativa degradação do meio ambiente. Ex. ÉPRIA ʹ estudo prévio de impacto de sua atividade. morte. mas diferenciada. de modo a assegurar benefícios mundiais ao menor custo possível.: I . Essas convenções apontam para a necessidade de prever. Estudo Prévio de Impacto Ambiental. à região ou ao local: as políticas e medidas adotadas para enfrentar a mudança do clima devem ser eficazes em função dos custos. declarações e sentenças de tribunais internacionais. IV a justificação prévia quando fala que vai exigir na forma da lei a instalação de obras potencialmente causadoras (potencialmente é algo que não se sabe se é efetivamente). Com 3. Diagnosticado o risco. Outra questão a ser enfrentada é o custo das medidas de prevenção em relação ao país. 4 anos as vacas começavam a procriar e após várias gerações de vacas submetidas às mesmas alimentações. os animais que lá viviam jamais voltaram. A CF prevê no artigo 225.

no País. inclusive informações sobre materiais e atividades perigosas em suas comunidades (. em zonas situadas fora de sua jurisdição͟.938 foi a primeira Lei brasileira a trazer a responsabilidade objetiva. tem que se atualizar e fazer reavaliações. de maneira rápida e decidida. Êrincípio 10 da ëeclaração do RIO 92.ação governamental na manutenção do equilíbrio ecológico. 1.) No nível nacional. tendo a CF/88 considerado imprescindível a obrigação de reparação dos danos causados ao meio ambiente.938 . porque essa sociedade vive da solescência programada das coisas (tudo é feito para ficar velho o mais rápido possível). através da recombinação de genes: chester. melhoria e recuperação da qualidade ambiental propícia à vida. considerando o meio ambiente como um patrimônio público a ser necessariamente assegurado e protegido. tendo em vista o uso coletivo. A informação serve para o processo de educação de cada pessoa e da comunidade. O consumo sustentável se fundamenta na informação. aos interesses da segurança nacional e à proteção da dignidade da vida humana. ͞(.4.A Política Nacional do Meio Ambiente tem por objetivo a preservação. Teoria do Risco Integral Especial: todo acidente nuclear sempre será do Estado a responsabilidade. mamão papai. a dar a chance à pessoa informada de tomar posição ou pronunciar-se sobre a matéria informada. condições ao desenvolvimento sócio-econômico. uva e melancia sem semente. alface americana.: quer-se que uma galinha pese 3kg com 2 dias de vida. cada indivíduo deve ter acesso adequado a informações relativas ao meio de que disponham as autoridades públicas. essa sociedade quer criar seres que não existem na natureza. Por conta disso a prevenção não pode ser estática. Mas a informação visa. das ações dos empreendedores e das atividades da Administração Pública. Ex. atendidos os seguintes princípios: I . A informação é a base da resposta a sociedade do risco. Lei 6. ou seja. na elaboração das novas normas internacionais sobre responsabilidade e indenização por efeitos adversos advindos dos danos ambientais causados por atividades realizadas dentro de sua jurisdição ou sob seu controle. ássa lei adotou a responsabilidade objetiva ambiental.‘PRINCÍPIO DA REPARAÇÃO Está previsto na Rio 92 ʹ princípio 13: ͞Os Estados deverão desenvolver legislação nacional relativa à responsabilidade e à indenização das vítimas da poluição e outros danos ambientais. Isso gera uma aceleração da vida dos seres. não importa se tinha vontade... também. da mesma forma. Acidente aeroespacial em matéria.. 12 . 1. Ela será objetiva. para poder influenciar a formulação das novas políticas ambientais. A partir daí criou-se o conceito de Rociedade do Risco: sociedade que cria tanta coisa ao mesmo tempo e não testa o que inventa. estatal. visando assegurar.3. Não satisfeita.)͟.‘PRINCÍPIO DA INFORMAÇÃO Canotilho considera que a informação é o delta original. Prevê a responsabilização objetiva em matéria objetiva da conduta do infrator ou criminoso. dos legisladores e do Judiciário. Artigo 2º da Lei 6. Os Estados deverão cooperar. você é obrigado a reparar e indenizar..

USUÁRIO-PAGADOR ou POLUIDOR-PAGADOR Usuário pagador é aquele que degrada (modificação sem destruição). por isso é difícil precificá-los. muitos países dificultaram o repasse de informações sobre os perigos da radiação. A informação ambiental deve ser prevista nas convenções internacionais de forma a atingir não somente as pessoas do país onde se produza o dano ao ambiente. A importância disso é que quando o bem não tem valor. legislar. o furacão.: Quando ocorreu a catástrofe em Chernobyl. A natureza tem suas próprias degradações. a ISO não pode.Como estabelecer o preço de um bem ambiental? O preço é determinado pelo trabalho embutido no produto. não apenas os produtos como também os processos produtivos. É umaregulação paraestatal: como organização técnico-científica não-governamental. Ele tem como objetivo atribuir preços aos bens ambientais. Poluição (modificação com destruição) é um ilícito do ponto de vista administrativo e penal. evidentemente. a série ISO 9. Nem toda degradação é com poluição. Suas normas não têm força jurídica. . porque como a renda do Brasil é concentrada. quem tem dinheiro. no entanto alguns são de difícil acesso e outros de fácil acesso. Os bens da natureza são extremamente úteis. mas sim o homem usar racionalmente aquilo que precisa. mas pelo utilizador. como por exemplo. A partir de 2008. pela nossa ética. ou seja. expondo suas populações ao risco de contágio. Isso é uma forma de racionalizar o uso dos bens naturais. porém hoje ele é utilizado em qualquer poluição. O próprio mercado está criando selos orgânicos. ele não é valorizado.000 visam resguardar. 1. O princípio do usuário pagador significa que o utilizador do recurso deve suportar o conjunto dos custos destinados a tornar possível a utilização do recurso e os custos advindos de sua própria utilização. o INMETRO certifica também se os produtos estão regulados ao homem.5. As normas da série IRO 14. A poluição é uma degradação causada pelo homem. sob o aspecto da qualidade ambiental. dar valor econômico aos bens ambientais.ISO ʹ Internacional Organization for Standardization A certificação ambiental (ISO ʹ Organização de Padrões Internacionais) se baseia na proposta de gerar dados sobre aquilo que se está consumindo. a própria água bruta passou a ser cobrada.: a Antarctica tira a água do Rio Parnaíba e não pagava por isso. nem por terceiros. Ex. CRÍTICAR: . Essa organização editou normas para assegurar a qualidade dos produtos industriais. 13 .O ideal era não ter que cobrar. Por isso que a informação ambiental deve ser transmitida de forma a possibilitar tempo suficiente aos informadospara analisarem a matéria e agir diante da Administração Pública e do Poder Judiciário. . Poluidor é o criminoso. Esse princípio de fundamenta (advém) na Convenção de Kyoto. às crianças. De tal forma que os custos não sejam suportados nem pelos Poderes Públicos. Ele foi estruturado pensando na poluição atmosférica (gases do efeito estufa). continuará usando de maneira irresponsável e quem não tem usará pouco. Ex.000. como também atingir as pessoas de países vizinhos que possam sofrer as conseqüências do dano ambiental.

225 CF/88). Ex. Assim. É aí que surgem as ONG`s. diferente do indivíduo. Uma forma de se aplicar esse princípio é a tributação. garantir o engajamento das ONG`S. porque as empresas têm ampla mobilidade. 14 . A participação para a proteção do meio ambiente não se trata da defesa de uma classe profissional como a atuação dos sindicatos. trabalhista. O órgão que pretenda receber o pagamento deve provar o efetivo uso do recurso ambiental ou a sua poluição. para tornar obrigatório o pagamento pelo uso do recurso ou pela sua poluição não há necessidade deser provado que o usuário e o poluidor estão cometendo faltas ou infrações. mas sim por todas as pessoas. Ele tem que diminuir a soberania desse Estado na elaboração de normas. não conseguem ser ouvidos pelos governos e pelas empresas.. O meio ambiente não deve ser gerido apenas pelo Estado. Nesse mesmo século. dispõe que é dever do poder público e da coletividade defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações (art. cobrar pelo bem natural. Esse princípio fala que não adianta ter iniciativa ambiental. por mais competentes que sejam. pois mesmo não existindo qualquer ilicitude no comportamento do pagador ele pode ser implementado. fazer restrições fiscais. EXTERNALIDADE negativa: é a transformação de um custo privado em custo social.. 1° CF). que o exerce por meio de representantes. E de forma específica quanto ao meio ambiente. A França criou o Estado Democrático de Direito em que o indivíduo pode intervir no Estado No século XX surgiu o Estado Democrático de Direito Social: agenda social. criar todo tipo de vantagens artificiais negativas. contribuindo para instaurar e manter o Estado Ecológico de Direito. inclusive o rei e o próprio Estado. A Teoria do ͞não uso͟ fala que se deve fazer de conta que o bem não exige para só assim saber o preço dele. Esse princípio não é uma punição. ou seja. o Estado-nação. não. mas de interesses que transcendem as profissões e concernem a diversos segmentos sociais. intervindo de forma complementar.6. de prestações às pessoas. O princípio do poluidor-pagador é aquele que obriga o poluidor a pagar a poluição que pode ser causada ou que já foi causada. Toda poluição do Planeta decorre disso. quanto custaria para irrigar todas as árvores do mundo? Reiche Staat surgiu na Prússia. PRINCÍPIO DA PARTICIPAÇÃO A previsão de participação popular encontra amparo na Carta Magna de nosso país quando estabelece que "todo o poder emana do povo. nos anos 70/80 surgiu o Estado Democrático de Direito Social e Ambiental: Canotilho afirma que esse Estado tem que ter como marco regulatório. Ele visa elastecer as decisões ambientais. 1. Isso ocorre porque os indivíduos isolados. nesses Estados todos se submetem a lei.: Se não chovesse. Elas devem poder participar da tarefa pública de inspeção e monitoramento das fontes poluidoras." (art.

no artigo 225. 1. racional e responsável dos recursos naturais. De tal forma que se garanta a manutenção da vida na Terra. garantindo que amanhã os bens da natureza possam ser utilizados por outras pessoas. respeitando-os e preservando-os para a gerações atuais e subseqüentes. PRINCÍPIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O homem melhore sua vida sem destruir o meio ambiente. O escopo desse princípio é equalizar. Referido princípio encontra-se previsto.7. conciliar. implicitamente.  . encontrar um ponto de equilíbrio entre atividade econômica e uso adequado.

ùLeon Deguit traça o pensamento Marxista em termos jurídicos. científica e econômica das gerações atuais e uma avaliação prospectiva das necessidades futuras. praças o que está errado. ùProudhon tece criticas a propriedade. ùMarx afirma que a propriedade já foi extinta para 90% da população e questiona se a propriedade é um direito. insculpido na Declaração da RIO/92. negar o uso. devem satisfazer as necessidades comuns de todos os habitantes da Terra. deve atender a todos comumente. Não basta a vontade de usar esses bens ou a possibilidade tecnológica de explorá-los. exigindo considerações de ordem ética. 1. Acesso equitativo refere-se tanto ao aspecto espacial quanto no aspecto intertemporal. Isso quer dizer que a equidade no acesso aos recursos ambientais deve ser enfocada não só com relação à localização espacial dos usuários atuais. devendo-se. FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE Existe o princípio da função social da propriedade urbana e o da propriedade rural. decorre do Princípio nº 4. distributivo.. o Direito ambiental tem a tarefa de estabelecer normas que indiquem como verificar as necessidades de uso dos recursos ambientais.como em relação aos usuários potenciais das gerações vindouras. Ela é um condicionamento da propriedade. que contém a seguinte dicção: "Para se alcançar o desenvolvimento sustentável. A Igreja escreve uma encíclica Rerum novarum e elabora um pensamento social. familiar. É preciso estabelecer a razoabilidade dessa utilização.8. ù Para Aristóteles: o Justo total é superior ao justo individual. acusa-a de ser a mãe de todas as tiranias. a proteção do meio ambiente deve constituir parte integrante do processo de desenvolvimento e não pode ser considerada isoladamente em relação a ele". Sua formalização expressa. porque um prédio da Prefeitura pode ser desafetado e vendido. Sendo assim. Um posicionamento equânime não é fácil de ser encontrado. Não pode ser fonte de vícios. se iludem achando que são. porque poucos são os proprietários. E afirma que apesar das pessoas não serem mais proprietários. como água. nem sempre possíveis de serem conhecidas e medidas no presente. PRINCÍPIO DO ACESSO EQUITATIVO Os bens que integram o meio ambiente planetário. Os bens só são dignos de respeito quando eles são abundantes ou juridicamente protegidos. quando a utilização não seja razoável ou necessária. Ela vai defender que a propriedade tem função social (Brasil ʹ a função social não é um fundamento da propriedade. da Constituição Federal. 1. Porém ele compara um prédio da Prefeitura com rios e mares. ùSão Tomás de Aquino fala de bens comuns: é a mesma visão de Aristóteles só que mais moralizada (mal e bem comum).9. enquanto que rios e mares não. E afirma que ela já não é mais um direito. mesmo que os bens não sejam atualmente escassos. Para ele a propriedade é função social. Deve haver acesso aos bens ambientais Artigo 99 do CC define os tipos de bens. ar e solo. A propriedade deve atender ao bem comum. ù Jonh Locke defende a tese de que a propriedade se fundamenta no trabalho humano. São dois princípios: o 15 . porém.

16 . por exemplo. não cabe indenização.da propriedade e o da função social e eles estão em pé de igualdade e que se colidem (quando. se faz a reforma agrária) Se se cumpre a função social.

exploração que favoreça o bem-estar dos proprietários e dos trabalhadores. II . subutilizado ou não utilizado. aos seguintes requisitos: I . 186.‘ COMPETÊNCIA AMBIENTAL A Constituição Brasileira de 1988 foi a primeira a tratar do meio ambiente como: I . mas que podem ser determinadas do ponto de vista concreto.: quem comprou o carro com freio ABS com problema).257/2001. O que foi contaminado? Só o ar? O solo? Só a água?). segundo critérios e graus de exigência estabelecidos em lei. 5odesta Lei.A propriedade urbana cumpre sua função social quando atende às exigências fundamentais de ordenação da cidade expressas no plano diretor. Após 5 (cinco) anos com alíquota máxima. ou não sendo cumpridas as etapas previstas no § 5o do art. Art. A função social é cumprida quando a propriedade rural atende. §2º da CF. simultaneamente. III . parcelamento compulsório ou pagamento compulsório. a Prefeitura pode notificar e tu terá o prazo de 1 ano para fazer projeto de edificação compulsória.. II . Artigo 81. I e II do CDC ʹ é aquele que é direito coletivo (base comum. devendo fixar as condições e os prazos para implementação da referida obrigação. Se não usar o imóvel. Art. É o zoneamento que vai definir o que é social e o que não é. de acordo com suas especificidades.direito transindividual (não define quem são as pessoas atingidas). a edificação ou a utilização compulsórios do solo urbano não edificado. 17 . 7oám caso de descumprimento das condições e dos prazos previstos na forma do caput do art. 5odesta Lei.indeterminado (não tem uma base definida de um dano ambiental. IV . Lei 10.͟ ʹ artigo 182. a Prefeitura pode desapropriar. parágrafo único. São sistemas baseados na autorreflexidade: o que ocorre em um lugar reflete no resto do mundo. durante 5 anos.. com pessoas indeterminadas em abstrato. Essa alíquota se destina a fins extrafiscais. o Município procederá à aplicação do imposto sobre a propriedade predial e territorial urbana (IPTU) progressivo no tempo. O plano diretor e o documento que regulamenta o respeito a função social da propriedade ʹ artigo 5º da Lei 10. 3.aproveitamento racional e adequado. sob pena de sofrer IPTU progressivo. mediante a majoração da alíquota pelo prazo de cinco anos consecutivos.titularidade difusa. 2. ͞A propriedade cumpre a função social quando atende . Essa Teoria afirma que existem sistemas que estão em grau de abertura uns com os outros. Função social rural: ler o artigo 186 da CF. III .observância das disposições que regulam as relações de trabalho. 5o Lei municipal específica para área incluída no plano diretor poderá determinar o parcelamento. Ex. homogêneo.‘ TEORIA DA AUTOPOIESE: Maturama e Varella: prova que os seres humanos são os únicos seres que não tem ligação com a Terra e que não sabem a real dimensão da devastação.utilização adequada dos recursos naturais disponíveis e preservação do meio ambiente. transindividual de natureza indivisível. Artigo 182. A função social da propriedade urbana é encontrada no plano diretor de cada cidade.257/2001: Art. § 2º .

detalhando os problemas locais. fauna. Essa previsão garante uma competência em branco para o Município. Compete à União. para quem a liberdade política só poderia existir sem por um sistema de freios e contrapesos. ou seja. segundo o STF. cujas dimensões continentais e diversidade regionais sempre geraram forças centrífugas tendentes ao desmembramento do território. Nesse caso o Piauí suplementou.proteção ao patrimônio histórico. reconhecendo como entes federados a União.: A reserva legal no Brasil é de 20%.. Nesse caso.A competência da União para legislar sobre normas gerais não exclui a competência suplementar dos Estados. O moderno Estado democrático funda-se na idéia de divisão de poderes.) urbanístico. Ex. ele pode legislar sobre qualquer assunto que tenha interesse local. se comprar uma área de reserva legal tem que deixar 20% de área preservada. VI . Art. VII .. aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre: §2º . O Alexandre de Morais diz que o interesse local deve ser interpretado como relevante e desde que não seja assunto dos Estados e União. A Constituição Federal de 1988: I . por conta disso. porque o cerrado piauiense é arenoso e. cultural. houve uma suplementação da norma geral. proposta por Montesquieu. O Piauí aumentou para 30%. A competência da União limitar-se-á a estabelecer normas gerais. o poder limitasse a si próprio. III ʹ ESPAÇOS BRANCOS: o artigo 30. com o estabelecimento de normas 18 . Em outras palavras. Por isso. proteção do meio ambiente e controle da poluição. No Brasil. modelo único no mundo. A razão de ser disso é estabelecer que os Estados e DF devem suplementar a legislação da União. defesa do solo e dos recursos naturais. artístico. II ʹ COMPETÊNCIA SUPLEMENTAR: instituiu o novo federalismo. ou seja.define o bem ambiental como á TRA-COMÉRCIO.direito (.legislar sobre assuntos de interesse local. IVʹCOMPETÊNCIA CONCORRENTE: O artigo 24 da CF prevê a competência concorrente para legislar sobre diversas matérias. Assim é que a Constituição de 1988 criou uma federação em três níveis. I da CF determina que compete aos Municípios legislar sobre assuntos de interesse local. pesca. entre elas: I . (Artigo 24 ʹ competência concorrente).florestas. Suplementar significa aperfeiçoar. mais vulnerável. a aspiração de unidade nacional desde os primórdios da independência colocou a federalização como instrumento de compatibilização entre a autonomia local e a dependência do governo central. quanto à competência de administrar e de legislar. na legislação concorrente ocorre prevalência da União no que concerne à regulação de aspectos de interesse nacional. caça. aumentou-se a área de reserva legal. 30. Art. ele não pode ser apropriado individualmente. turístico e paisagístico. Compete aos Municípios: I . conservação da natureza. sem prejuízo da competência suplementar dos Estados. 24. A reserva legal foi instituída em 1965 pelo Código Florestal Brasileiro. e trazendo leis mais específicas. os Estados-membros e Distrito Federal e os Municípios.

COMPETÊNCIA ADMINISTRATIVA: é uma competência comum ʹ União.gerais endereçadas a todo o território nacional. aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre: §3º . pelo Princípio do respeito ao pacto federativo. chuva.A superveniência de lei federal sobre normas gerais suspende a eficácia da lei estadual. animais (biodiversidade maior) do que o cerrado brasileiro. serra do mar foi definido como ecossistema. A CF/88 definiu os ecossistemas brasileiros: I ʹ zona costeira: ele não existe. Art. 24. Conceito errado. porque serra do mar é uma região da mata atlântica. II ʹmata atlântica. criando antinomias (normas contrárias entre si).: inexistindo norma geral sobre biotecnologia. Compete à União. no que lhe for contrário. essa legislação estadual tem restrições: I ʹ de ordem espacial ʹ o Estado não pode legislar sobre a matéria além da sua fronteira. §4º . II ʹ de ordem temporal ʹ se a União elaborar lei. Nesse caso. V . para atender a suas peculiaridades. A 19 . Em outras palavras. Lei complementar vai estabelecer cooperação entre Municípios e Estados. mangues. exercendo a competência legislativa plena para atender as suas peculiaridades. no entanto em 2004 a União elaborou lei disciplinando de forma diferente. ar. então os animais são quase todos endêmicos (nascem naquela região). Foi um erro do legislador. a superveniência de lei federal sobre normas gerais suspende a eficácia da lei estadual.Inexistindo lei federal sobre normas gerais. tabuleiros litorâneos e entrâncias). Norma geral ʹ dá um tratamento homogêneo ao bem ambiental em todo o território nacional. terra. Zona costeira é um critério geográfico. O que aconteceu: o Estado do Acre e do Paraná elaboraram lei sobre biotecnologia. zona da mata. O artigo 24 prevê que haverá uma lei geral que vai definir o que seria esse tratamento. a lei estadual terá que se adequar aos padrões da lei federal. Todavia. Ex. no que lhe for contrário. as quais não podem ser contrariadas por normas estaduais ou municipais. caso a União não legisle sobre as normas gerais. respeito que o Estado deve ter de não desnaturar a lei federal. Para que não haja espaços brancos. III ʹ Amazônia. O Estado é o responsável pela administração dos bens ambientais e o IBAMA atua suplementando a administração. Essa reunião é de recursos interdependentes de recursos de flora. IV ʹ Pantanal mato-grossense. Ecossistema é uma reunião de animais. os Estados exercerão a competência legislativa plena. Ele tem mais plantas. pantanal maranhense. PRINCÍPIO DO RESPEITO AO PACTO FEDERATIVO: A legislação tem sentido de ampliação de tutela ʹ deve-se proteger mais. Hoje já existe. O constituinte esqueceu o único ecossistema que é tipicamente brasileiro e só existe aqui: a caatinga ʹ não é um ecossistema de transição. Existe o pantanal das Verdas (MG). Porém na prática essa competência fica para o Estado. os Estados podiam legislar sobre esse tema. restinga. poderão os Estados ocupar o vazio. Estados e Municípios. V ʹ Cerrado. A zona costeira tem vários ecossistemas (mata atlântica. plantas e recursos abióticos de uma região.

administrar. dos Estados. Daí existir a necessidade de haver informações recíprocas (Capitanias dos Portos. não podem desnaturar as normas federais para evitar a guerra ambiental. proteger de maneira conjunta.938 prevê a criação de lei complementar para essa troca de informações. Como foi ele que elaborou o Plano Diretor. 23. com o estabelecimento de normas gerais endereçadas a todo o território nacional. bem como o controle da poluição. porém. De acordo com o CONAMA. enquanto os ástados o farão diante de problemas regionais. estadual e municipal do mesmo bem. as quais não podem ser contrariadas por normas estaduais ou municipais. ou seja. A cooperação entre o Estado. O IBAMA atua naquilo que SEMAR não queria. resolução nº 1 de 86. a fauna e a flora. do Distrito Federal e dos Municípios: III . Todavia. RESUMINDO: Na legislação concorrente ocorre a prevalência da União no que concerne a regulação de aspectos de interesse nacional. a União legislará e atuará em face de questões de interesse nacional.proteger os documentos. é ele que tem que observar a compatibilidade desse plano com o meio ambiente. comercialização ou venda. etc. Infraero. dos recursos naturais. disciplina que o Estado é o responsável pela administração ambiental. Essa competência visa combater. O problema ambiental (ação administrativa) pode ser tratado na origem. Ex. Art. Dessa forma é possível que os Estados façam um relaxamento ambiental para trazer investimentos.: no caso de inépcia (na falta de técnicos. para que não haja ͞espaço em branco͟. foram incluídos entre as matérias de competência comum.preservar as florestas.caso a União não legisle sobre as normas gerais. Pode-se arquivar e protocolar no IBAMA). É competência comum da União.) O parágrafo único do artigo 23 da CF/88 prevê a criação de uma lei complementar para criar condições de troca de informações. VI . proteção. SISNAMA ʹ Sistema Nacional do Meio Ambiente ʹ é uma reunião de órgãos ambientais das três esferas. VII . não possa administrar. §3º).proteger o meio ambiente e combater a poluição em qualquer de suas formas. poderão os ástados ocupar o vazio. A cooperação visa garantir um desenvolvimento sustentável. O MUNICÍPIO controla os interesses locais e específicos. Artigo 23 da CF Combate a poluição. exercendo a competência legislativa plena para atender a suas peculiaridades (artigo 23. no que lhe for contrário (artigo 24.SEMAR é o órgão administrativo principal. Os Municípios e os Estados. Por outro lado. §4º). A lei 6. Ex. Assim. as obras e outros bens de valor histórico. É por isso que as vezes existe tombamento federal. explicitamente fauna e flora. em particular. artístico e cultural. porem ela ainda n existe. as paisagens naturais notáveis e os sítios arqueológicos.: Nos casos de inércia (se você protocolizar um pedido de licença e a SEMAR não se manifestar em 1 ano. 20 . a superveniência da lei federal sobre normas gerais suspende a eficácia da lei estadual. a União e o Município. Tudo que envolver a disciplina do solo urbano tem que passar pelo Município. e os Municípios apenas diante de temas de interesse estritamente local. analistas ambientais). todo tipo de licença deve ser requerida a ela. os monumentos. o IBAMA pode atuar. A proteção do meio ambiente como um todo e.

Ex. realizam processos ecológicos) Êreservar em direito ambiental significa não usar. 21 . e ao cumprimento das normas. Artigo 12 .: o Parque de Abrolhos é um parque de preservação ambiental.: Jeri é uma região de conversação ambiental. Processos ecológicos são aqueles que garantem o funcionamento dos ecossistemas e contribuem para a salubridade e higidez do meio ambiente. dos critérios e dos padrões expedidos pelo CONAMA.‘ CONSTITUIÇÃO AMBIENTAL ʹ aspectos do artigo 225 A CF/88 garantiu a efetividade do ëireito Ambiental. a Corte de Haia é para feitos penais e a Corte de Bruxelas é para feitos constitucionais e civis. recuperá-las. além do seu valor de existência. Ex. 4. Isso significa que o homem não pode mexer em nada que provoque alterações no processo ecológico naquele meio ambiente. se possível.Para assegurar a efetividade desse direito. de livre integração humana. Até porque os bancos são responsáveis solidariamente pelos danos ambientes causados. ÊROTOCOLO VáRëá: Artigo 12 da lei 6. Esses animais fazem parte do processo ecológico. como há o Tratado de Mastricht na Europa prevendo uma Corte Ambiental. Alguns seres. incumbe ao Poder Público: I ʹ garantir. § 1º . E prover o manejo ecológico dos ecossistemas quer dizer cuidar do equilíbrio das relações entre a comunidade biótica e o seu habitat. É uma vinculação da concessão de crédito ao atendimento de critérios socioambientais. através de elementos (§1º do artigo 225): Artigo 225.: a cotia é responsável por enterrar o babaçu. preservar e restaurar os processos ecológicos essenciais e prover o manejo ecológico das espécies e ecossistemas. O beija-flor é responsável por polinizar as flores. Ele não tem previsão de uma corte ambiental. Conservar. Êrover o manejo ecológico das espécies significa lidar com elas de modo a conservá-las e. MáRCORUL: área de livre comércio. na forma desta Lei. l‘ O tratado de Maastricht prevê a Corte de Luxemburgo para os feitos ambientais.938 prevê também o Protocolo Verde: acordo entre bancos públicos e privados em que eles se comprometem no ato do financiamento a apresentação de licenças ambientais. Êrocesso ecológico é um serviço ambiental relevante (ex. estudo de impacto ambiental para que o crédito seja concedido.As entidades e órgãos de financiamento e incentivos governamentais condicionarão a aprovação de projetos habilitados a esses benefícios ao licenciamento.

Quando a variedade de espécies em um ecossistema se altera. ëiversidade significa variedade de espécies. mas não faz parte dessa lei. C. sendo a alteração e a supressão permitidas somente através de lei. a patente sobre o genoma (mapeamento genético) de seres. Hoje 3% do território brasileiro é constituído por unidades de conservação.30% do Amapá tem áreas de unidade de conservação. vaca baiacu.105/2005(Comissão Tecnológica de Biossegurança). Ex. vedada qualquer utilização que comprometa a integridade dos atributos que justifiquem sua proteção. espaços territoriais e seus componentes a serem especialmente protegidos. atualmente. A pesquisa genética produz plantas que se reproduziam e. III ʹ definir. A integridade biológica serve para proteger o fluxo biológico. A pesquisa gera a propriedade. E cabe ao Estado fiscalizar as entidades que fazem fiscalizaçãodessa troca de material genético. maiores serão as possibilidades de vida e de adaptação as mudanças. e. Ex. CF garante que se deve garantir 11% de unidades de conservação e proteção. Reservas indígenas têm efeito ecológico. quanto mais diferenças existirem. A importância dessa preservação da diversidade é que a ciência não conhece nem 10% da biodiversidade do Planeta e grande parte desse verdadeiro tesouro já se perdeu. manter a fertilidade do solo. cachorro. manejo de recursos naturais. N. em todas as unidades da Federação. desenvolvimento de pesquisas científicas. vaca pé duro. manutenção do equilíbrio climático e ecológico.985 ʹ instituiu as unidades de conservação Sistema Nacional de Sistema de Conservação ʹ S. Preservar a biodiversidade significa reconhecer. Essas áreas protegidas assumiram objetivos como a proteção de recursos hídricos. As pesquisas de biossegurança criam plantas que são híbridas e. inventariar e manter o leque de diferenças de organismos vivos. a sua capacidade em absorver a poluição. Lei 9.: vaca nelore. que não se reproduzem mais. para isso foi criado em 2004 a CTNBIO. Integridade é ter na mesma espécie vários raças. purificar a água também é alterada. através da Lei 11.: boi. preservação de recursos genéticos. Nesse sentido. II ʹ preservar a diversidade e a integridade do patrimônio genético do País e fiscalizar as entidades dedicadas à pesquisa e manipulação de material genético. V. constituem o eixo de estruturação da preservação . que não se reproduzem. cavalo. Por isso é urgente conhecer e conservar aquilo que pode no futuro significar novas possibilidades para alimentação e cura de doenças.

22 . da biodiversidade como um todo. Qualquer atividade que tenha impacto deve ser precedida desse Estudo. revele-se posteriormente nefasto ou catastrófico para o meio ambiente. justificável sob o prisma econômico ou em relação aos interesses imediatos de seu proponente. que causa dúvidas. Tem como finalidade trazer informações prévias sobre atividade que vai se realizar. já que destinado à prevenção de danos. proque se houver dano será possível responsabilizar civilmente quem o causou. estudo laboratorial. bibliográfico para se ter dado sobre a área antes da atividade de instalar. O objetivo desse Estudo é evitar que um projeto. É uma justificação prévia para atividades potencialmente capazes de causar impacto ambiental. Por isso tem que gerar informações. A CF/88 consolidou o papel do EIA como um dos mais importantes instrumentos de proteção do ambiente. IV ʹ Estudo Prévio de Impacto Ambiental: ele é exigido para qualquer atividade que seja potencialmente causadora de impacto ambiental. Potencial é aquilo que não se tem certeza.

V ʹ Controle de produção. ao determinar. científica e econômica. função e importância ecológica. submeteu ao manto da lei todos os animais indistintamente. mulher. tendo em vista um conjunto de condicionantes de ordem ecológica. de maneira a compatibilizar o desenvolvimento econômico-social com os requisitos ambientais mínimos. Esses direitos se preocupam com o papel que a educação tem no Direito e com a postura ambiental que todos têm que ter. o 23 . a comercialização e o emprego de qualquer tipo de técnica e método com substâncias que comportem riscos avida. O Estado tem que controlar a produção de bens que sejam nocivos. Através desse instrumento permite-se a interferência do Poder Público nas atividades econômicas de domínio privado para impedir práticas danosas a saúde da população e ao meio ambiente.105/2005.Êroteger a fauna e a flora. e solidarizando-se com toda a humanidade. Não apenas as substâncias nocivas a saúde são proibidas. visto que ele se associa às finalidades do Estado enquanto representação da própria sociedade como decorrência de um pacto social. seja como indivíduo. a diversidade biológica para benefício das gerações atuais. bem como das gerações futuras. utilizando e conservando de modo racional os recursos naturais. A educação ambiental é um instrumento do meio ambiente. tecnologias e processos produtivos obsoletos. vedadas. a qual estabeleceu normas de segurança e mecanismos de fiscalização de atividades que envolvam organismos geneticamente modificados. Não basta apenas fiscalizar: é preciso ainda ʹ e principalmente ʹ controlar o emprego de técnicas. o jornal. O direito do trânsito. Se destruir o meio ambiente. a incumbência de proteger a fauna. O INMETRO é um órgão governamental que controla a produção de bens que possam prejudicar a vida das pessoas. seja como espécie. idoso. Esse processo educativo adquiriu uma dimensão transcedental. ao Poder Público. que foi editada a Lei 11. inadequados ou impróprios. as práticas que coloquem em risco sua função ecológica. VII . comercializados e utilizados. bem como a manipulação de substâncias no fabrico de produtos que. vez que todos os seres vivos têm valor. por suas propriedades. na forma da lei. como nem todas as espécies de animais têm a mesma função na biosfera. afinal só se ama o que se conhece e só protege aquilo que ama. acabam por comprometer a vida e o equilíbrio do meio ambiente. destrói a qualidade de vida e depois a vida. consumidor. caso se verifique a existência de risco para as relações ecossistêmicas da fauna e flora brasileiras. de qualquer forma atentatórios à saúde humana e à ambiental. a qualidade de vida e ao meio ambiente. Inteligência emocional ʹ sentido das coisas. a carta são elementos de significação. Foi a partir da necessidade de conservar. em seu artigo 22. pode ser proibida a introdução de animais exóticos ou alienígenas no País. A educação tem um aspecto funcional e um aspecto ético. é voltada aos sentidos. provoquem a extinção de espécies ou submetam os animais a crueldade. VI ʹ Promover educação ambiental em todos os níveis de ensino e a conscientização pública para a preservação do meio ambiente. Ele mostrou que a natureza. A educação ambiental é transversal. O legislador consagrou na CF/88 que a educação ambiental deve permear os currículos de todos os níveis de ensino. cultura. não podem ser produzidos. cabe as normas infraconstitucionais definir a proteção mais adequada a determinada fauna ou espécie animal. ao máximo possível. Assim. A CF/88. Celestine Freinet é o pai dessa visão: ele trabalha a idéia de significação ʹ educar é um processo de significação (significar é dar sentido). Porém.

como desmatamento de mata ciliar. O que o legislador quer. assim como outras práticas conhecidas. Não confundir mineração com garimpo: a primeira está no artigo 225. tem importância ao meio ambiente. após ter consagrado o interesse público existente sobre o aproveitamento desse bem. enquanto que a garimpagem é manual. pode ser responsabilizado civilmente pelo dano. deve ser exercida através de cooperativas (em cooperativas é justo porque se houver um dano. na forma da lei. A mineração no Brasil já é reconhecida pela CF como atividade degradante. a sanções penais e administrativas. impôs ao minerador a responsabilidade de ͞recuperar o meio ambiente degradado͟. § 3º . A extinção se dá de duas formas: 1. Crueldade é o tratamento que implica sofrimento e perda de qualidade de vida. A CF/88 inaugura a responsabilidade objetiva sem comunicação. sem controle do uso do bem natural e é sazonal).Aquele que explorar recursos mineraisfica obrigado a recuperar o meio ambiente degradado. sabe-se quem causou. Cadastro do IBAMA que consta os animais e espécies extintas e os que estão em risco de extinção. III ʹ práticas de torturas a animais.605/98 ʹ Lei dos crimes ambientais ʹ criminaliza a conduta dos maus-tratos. pessoas físicas ou jurídicas. Ela não gera muito emprego e é degradante. Existe a Lei 9. de acordo com uma solução possível. de acordo com solução técnica exigida pelo órgão público competente. §3º . independentemente da obrigação de reparar os danos causados. isto é. É uma atividade significativa e vai aumentar com o pré-sal.O Estado favorecerá a organização da atividade garimpeira em cooperativas.é uma atividade sazonal. A CF/88 determina que a degradação feita por ele deve ser reparada. II ʹ práticas que coloquem em risco a função ecológica: animais que alem de ter sua existência.As condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os infratores. O garimpo destrói o meio ambiente e o ser humano. §3º . §3º. 7% do PIB do Brasil vem da mineração. Não há como extrair um mineral sem danos. e independente de ter feito tudo de forma correta. feito com máquinas e é degradante (há uma perda de qualidade do meio ambiente. §2º . É feita de maneira individual. diante do fato de que a mineração se procede em bens ambientais não renováveis. Existem três proteções constitucionais: I . Artigo 174. O constituinte prevê que você é responsável administrativamente e penalmente. portanto.comércio de animais silvestres em extinção. §2º. uso de fogo em vegetação e inundação de grande área para formação de reservatório de hidroelétrica. Mineração é uma atividade industrial. conforme prevê o artigo 225. 24 .Práticas que coloquem em risco a extinção de animais ou espécies. Atento a isso o legislador constituinte da impossibilidade física de se atingir o subsolo sem interferir na área superficiária da jazida mineral e no seu entorno. ͞é a própria recuperação do dano ecológico produzido pela mineração se faça de acordo com uma decisão técnica. enquanto que o segundo é uma atividade artesanal e esta no artigo 174. levando em conta a proteção do meio ambiente e a promoção econômico-social dos garimpeiros.

flora e florestas. segundo a Teoria do Risco Integral. por ações discriminatórias.RESPONSABILIZAÇÃO PENAL DE PESSOAS JURÍDICAS: ambiental (artigo 225) e econômica: No Brasil. visto que só a existência da atividade vinculada ao dano faz nascer a obrigação reparatória. não admite as hipóteses de excludentes (força maior. porque ela não existe. adota-se a Teoria da ficção de Savigni. Obs. Artigo 225. por força da qual não se exige a configuração do elemento subjetivo ʹ dolo ou culpa -. é certo que. . após a arrecadação e incorporação ao patrimônio público da União através de ação discriminatória. é uma ficção. Assim. mesmo que ainda não incorporadas ao patrimônio público da União em virtude de ação discriminatória. na qual a pessoa jurídica não faz delinqüências. Lei 9. Imputando.605/98 ʹ regulamentou o dispositivo do artigo 225. §4º está comentado no tópico de fauna. caso fortuito e fato de terceiro). como detentora do domínio. Portanto. ao indivíduo.: A responsabilidade civil. tampouco da ilicitude do ato. necessárias à proteção dos ecossistemas naturais. §5º .938/81 adotou a Teoria da Responsabilidade Civil Objetiva.São indisponíveis as terras devolutas ou arrecadadas pelos ástados.A lei. só pode dispor dessas terras devolutas na estrita conformidade da . §3º da CF. Em outras palavras. estabelecerá a responsabilidade desta. Isso porque a Lei 6. portanto. §5º . Vontade: como aferir a vontade da pessoa jurídica? A vontade da pessoa jurídica é extraída do lucro que ela obteve. tais bens não perdem a indisponibilidade. §5º . nos atos praticados contra a ordem econômica e financeira e contra a economia popular. a União. as terras devolutas que concorrem para a proteção de determinado ecossistema são indisponíveis.os crimes econômicos são praticados por pessoas jurídicas. sujeitando-a às punições compatíveis com sua natureza. Artigo 173. por força do mandamento constitucional. sem prejuízo da responsabilidade individual dos dirigentes da pessoa jurídica.

.

porque ela depreda a água. espaços territoriais e seus componentes a serem especialmente protegidos. em todas as unidades da Federação. porém elas nunca foram arrecadadas para que fossem transformadas em unidades da Federação. Portanto. §6º . OS BENS AMBIENTAIS 1. com o cuidado de preservar os ecossistemas que abrangem ou dos quais elas façam parte. A irrigação de pequena escala é feita por gotejamento: goteja-se na planta.As usinas que operem com reator nuclear deverão ter sua localização definida em lei federal.definir. sendo a alteração e a supressão permitidas somente através de lei. .‘ IRRIGAÇÃO: Destina-se a recuperação de regiões áridas Destina-se a pequenas irrigações. 25 . sem o que não poderão ser instaladas. pode destruir o solo se for feita em grande escala. ou seja. Ela aproveita bem a água e não irrita o solo. são indisponíveis as terras devolutas e devem ser arrecadadas. vedada qualquer utilização que comprometa a integridade dos atributos que justifiquem sua proteção͟. Cabe ao Poder Público: ͞III .

‘ A CAÇA A caça e a pesca. §3º . a União incentivará a recuperação de terras áridas e cooperará com os pequenos e médios proprietários rurais para o estabelecimento. em suas glebas. VI ʹ prevê que a caça é crime de competência da Justiça Federal. IV. Para efeitos administrativos. o artigo 24. passaram nos últimos séculos a ser exercidas de forma predatória. visando a seu desenvolvimento e à redução das desigualdades regionais. 43. práticas primitivas para obtenção de alimentos.Nas áreas a que se refere o §2º. As formas de inundação são: inundação. a União poderá articular sua ação em um mesmo complexo geoeconômico e social. porém o STF decidiu. contribuindo para a perda da biodiversidade das espécies. com base no princípio . 2. com efeitos graves sobre o meio ambiente. Por conta disso. aspersão. de fontes de água e de pequena irrigação. Art.

Incluem-se entre os bens dos ástados: I . Ele visa que o agricultou tenha que comprar da indústria sempre. Todos os bens que estão nas terras da União. dos Estados e da União. As praias que existem em rios da União ou ao Estado também pertencem a ele. 4. neste caso. no entanto ela promove a erosão genética. ressalvadas.as águas superficiais ou subterrâneas. que deve ser julgado pela Justiça Comum. estabelece que a preservação da fauna e da flora é de competência comum da União. 3. 26. VII. porque ela tende a gerar erosão. hoje comercializam 3 tipos de maracujás. conforme dispõe o artigo 30. nessa matéria. emergentes e em depósito. E.: o Brasil de 25 tipos de maracujá. Ex.: cisterna O STF entende que a Lei não prevê que exista água do particular. dos Estados. VI.‘ MANIÊULAÇÃO GáNÉTICA: é uma atividade que deve ser controlada pelo Estado. pesca e fauna. se fizerem uma represa. Os que estão nas terras do Estado. II.  „ (onde se situe o réu) e no princípio do juiz natural. Ela é um fato de aumento de produtividade de alimentos. se o crime for cometido no parque sete cidades. O STF se manifestou dizendo que existe água privada ʹ aquela captada da chuva. prevê a competência concorrente da União. são do Estado. as decorrentes de obras da União. A partir da CF/88 só existe água do Estado ou da União. Ex. os lençóis freáticos são águas em depósitos e pertencem aos Estados. do DF e dos Municípios. Ex. Aos Municípios. Hoje. Caso contrário. fluentes. a seleção dos bens. 26 . por ser área da União. isso não existe mais. cabe suplementar a legislação federal e a estadual no que couber.‘ ¬GUAR: até a CF/88 tinha água privada. que não escorre pelo chão (represada). pertencem aos Estados.: açude). caso sejam decorrentes de obras dela. EXCEÇÃO: Porém. em pequena quantidade. Ex. a água seria dele e poderia usar. o julgamento será pela Justiça Federal. no artigo 24. são da União. na forma da lei. porém não poderia vender. água emergente (aquela que nasce e não corre ʹ fica aqueles bolsões de água) e água fluente são da União. Pelo Código das águas. Art. dos Estados e do DF para legislar sobre caça. a não ser que haja interesse da União envolvido. ¬gua em depósito (aquela que é fruto da atividade humana ou de acidentes naturais. A CF/88 em seu artigo 23.

conforme dispõe o artigo 225. pesca. A competência para legislar sobre paisagem é comum. Esse tratado é conflitante com o direito brasileiro: I ʹ os índios foram emancipados. CONAMA. nasce em um Estado e desemboca em outro e é da União. O aproveitamento das águas em terras indígenas no Brasil tem que ser feito através de autorização do Congresso Nacional. O Estado pode administrar e ajudar.‘ ÊAIRAGáM: é a relação que se estabelece entre o sujeito e o espaço físico. pertencerá a União. IBAMA. A CF/88 tratou de certas florestas e vegetações de modo diferenciado. ou que banhem mais de um Estado. não depende deautorização do IBAMA. cabe suplementar a legislação federal e a estadual no que couber. dos Estados e do DF para legislar sobre florestas.as cavidades naturais subterrâneas e os sítios arqueológicos e pré-históricos. e sua utilização far-se-á. nessa matéria. GESPE. II ʹ a língua indígena tem que ser ensinada a eles e não a língua portuguesa. X . o Brasil assinou o Tratado de direito indígenas. Se tiver em rio do Estado.A Floresta Amazônica brasileira. As leis humanas que preservem. do DF e dos Municípios. a Serra do Mar. VII. Em 2007. conservação. podendo ser utilizadas e exploradas na forma da lei. sem controle do Estado. paleontológicos e arqueológicos são patrimônio da União. pertence ao Estado. §4º.conjunto de órgãos ambientais. dentro de condições que assegurem a preservação do meio ambiente. de acordo com a doutrina. E. É o caso da Floresta Amazônica e da Mata Atlântica. solo. MMA. 7. conforme dispõe o artigo 30.os lagos. estabelece que a preservação das florestas e da flora é de competência comum da União. A CF/88 em seu artigo 23. A nascente de um rio. na forma da lei. Porém o STF entende que se a ilha tiver em rio da União.‘ FAUNA e FLORA. sirvam de limites com outros países. Câmara de Política dos Recursos Naturais 27 .‘ As ILHAR (artigo 26) são da União. Se um rio. dada a sua condição de integrantes de ecossistemas de riquíssima e rara biodiversidade. protegem ou defendem a biota devem fundamentar-se em dados científicos: não podem desconhecer as leis naturais que regulam as espécies vivas. a Mata Atlântica. ou seja. de memória. rios e quaisquer correntes de água em terrenos de seu domínio. bem como os terrenos marginais e as praias fluviais. Artigo 225. §4º . no artigo 24. dos Estados. São bens da União: III . VI. prevê a competência concorrente da União. ÓRGÃOS AMBIENTAIS 5. 6. 22. II. Art. É uma relação vinculação. inclusive quanto ao uso dos recursos naturais. que foram erigidas em patrimônio nacional. ou se estendam a território estrangeiro ou dele provenham. 8. FLORáRTA. Compete privativamente à União legislar sobre: IV .‘ SISNAMA: Sistema Nacional do Meio Ambiente . as ilhas e praias serão da União.‘ CAVáRNAR: o patrimônio espeliológico. recursos naturais: são bens da União (artigo 24). o Pantanal Mato-Grossense e a Zona Costeira são patrimônio nacional. 5. Aos Municípios. lagoa for fronteira. III ʹ Os índios devem explorar seus recursos a seu critério em seu benefício.águas Artigo 20.

de minas e energia. são 4 meses que não pode pescar. Os ministros são aqueles em que a pasta possa comprometer o meio ambiente de alguma forma. mineração. economia ʹ são os 9 ministérios mais significativamente capazes de causar dano ambiental. Não tem participação da sociedade civil. Ele é um órgão técnico que tem Câmaras Setoriais que estudam a prática de pesca no Brasil. Câmara de Política dos Recursos Naturais: é formada por 9 ministros. agricultura. Quem for sindicalizado pode exercer a pesca e recebe uma ajuda do Governo. Pesca é uma atividade extrativista. A piracema. Ministério dos transportes. pesca. GESPE: grupo executivo do setor pesqueiro ʹ assessora o Ministério da Pesca. a andada (época que os corais soltam ovos) é regulamentada por ele ʹ em tese. 28 . desenvolvimento.