Ψ

PSICOLOGIA DA GRAVIDEZ E DA MATERNIDADE/PATERNIDADE
© Celeste Duque1 – Psicóloga Clínica, Executive Coach, Formadora (celeste.duque@gmail.com)

INTRODUÇÃO
Vive-se numa época em que se assiste a uma nova contextualização sociocultural da reprodução, do nascimento, da relação precoce e dos conceitos de parentalidade (maternidade e paternidade) o que, obviamente, obriga a uma nova forma de olhar e abordar estas realidades. Ao longo do semestre ir-se-ão apresentar as questões antropológicas e sociológicas contemporâneas que alicerçam as propostas da Psicologia da Gravidez e da Maternidade/Paternidade, abordadas no âmbito da disciplina de Psicologia V, do Curso de Licenciatura em Enfermagem, da ESSaF. O contexto é o da Saúde e precisamente por isso a perspectiva deve ser multidisciplinar. À semelhança do que sucede na prática também aqui se irá aproveitar a experiência clínica de diversos profissionais de saúde, com especial incidência em psicólogos e enfermeiros, para analisar, entre outras áreas problemáticas, nomeadamente aquelas que reenviam para dificuldades ao nível da reprodução, das múltiplas patologias que podem decorrer do período gravídico, ou sequelas físicas e/ou psicológicas da mãe ou criança, no período pós-parto.

PERÍODO GRAVÍDICO
O período gravídico é um período de profundas mudanças tanto em termos físicos e orgânicos, como termos psicológicos. Vivido como uma crise, é normalmente, vivido como uma sequência contínuas readaptações, por parte de quem o vive (mais particularmente a mulher, mas também o pai do seu filho, podendo ser extensivo aos restantes membros da família: filhos, pais, sogros, etc.). A par desta necessidade entrecruzam-se, inúmeras vezes, outras situações bem mais graves como sejam o risco de aborto espontâneo, a presença de comportamentos de risco tais como: dependência alcoólica (feminina/masculina), dependência de psicofármacos, toxicodependência, tabagismo; doenças sexualmente transmissíveis (HIV/SIDA), Hepatite B, doenças crónicas (mais ou menos incapacitantes) que obrigam a uma profunda reformulação dos princípios e estilos de vida, assim como à necessidade de procura de uma maior qualidade de vida.

OBJETO DA PSICOLOGIA DA GRAVIDEZ E DA MATERNIDADE
O objeto da Psicologia da Gravidez e da Maternidade é obviamente a Mulher – a grávida saudável mas, porque esta se encontra numa situação de crise existencial, vive num permanente equilíbrio/desequilíbrio, logo em “distress”. Para além da gravidez que se pode considerar “normal” é igualmente objeto de estudo, desta vertente da Psicologia, a investigação e intervenção, às mulheres, e às grávidas que apresentam patologias correlacionadas ou simultâneas ao processo gravídico. Embora de forma menos explícita, são igualmente objeto de estudo, dimensões que dizem respeito à saúde da mulher e que podem colocar em risco ou mesmo impedir, seu projeto de vir a ser mãe. Questões como infertilidade, gravidez em idades muito jovens, ou muito tardias, diversas fisiopatologias e psicopatologias, que podem ser consideradas como determinantes na viabilidade da futura gravidez. É igualmente importante compreender como se processam as primeiras relações do bebé com a sua mãe, como este comunica com ela (através do seu reportório básico), referindo-se a importância da vinculação/relação precoce mãe/bebé, no desenvolvimento global do sujeito.
Texto de escrito expressamente no âmbito da disciplina de Psicologia V, do 4º Curso de Licenciatura em Enfermagem (CLE), da Escola Superior de Saúde de Faro (ESSaF), da Universidade do Algarve, em Fevereiro de 2004. Escrito seguindo o novo acordo ortográfico.
© Celeste Duque, 2004 Última revisão: 2011-05-02 1
1

Ψ
REPRESENTAÇÕES SOBRE GRAVIDEZ E MATERNIDADE
Os países mais desenvolvidos têm vindo a demonstrar uma crescente preocupação em controlar a natalidade e, deste modo, inverter a tendência de um elevado crescimento demográfico. Assim, os níveis de gravidez são cada vez menores, menos filhos por casal, e a gravidez é cada vez mais planeada ou adiada em função de diversos factores ou variáveis (e.g., investimento na formação e realização pessoal, na carreira, etc.). O que leva ao surgimento de um outro fenómeno deveras interessante, o qual se relaciona com as representações que, atualmente, se fazem sobre Gravidez e Maternidade, precisamente por isso:
é atribuída à mais banal das gravidezes, toda uma nova significação • • em primeiro lugar, para a mulher que engravida, mas também, no que diz respeito à concepção de Programas e Sistemas de Saúde, em geral, particularmente interessados na Prevenção e Promoção da saúde (Ribeiro, 1994).

Facilmente se percebe que este é um terreno de confluência de múltiplas especialidades médicas, de variadas perspectivas psicológicas, nomeadamente: do desenvolvimento, sistémica, psicodinâmica, cognitivo-comportamental, citando apenas algumas das que mais diretamente se relacionam com a realidade da Gravidez e da Maternidade. Não é pois, muito difícil perceber a explicação de como se formam impressões erradas (ou falsas representações) e ideias erróneas do objeto e campo de estudo da Psicologia e da sua intervenção. No confronto com a prática, o psicólogo que atua na área de Saúde, vê-se obrigado a uma permanente atualização e aprofundamentos dos seus fundamentos teóricos bem como ao nível da própria prática. De facto, uma realidade considerada normal há dez anos atrás pode atualmente mostrar-se desadequada ou mesmo obsoleta face às novas premissas. No entanto, este fenómeno não confere menos precisão ou cientificidade a uma área de charneira entre as vertentes da Saúde, strictus sensus, e a Psicologia, nomeadamente a Psicologia Clínica, Psicologia da Saúde, Psicologia da Gravidez e Maternidade ou mesmo Psicologia do Desenvolvimento, bem pelo contrário, uma ciência que é capaz de reconhecer que os seus constructos teóricos deixaram de ser eficazes na explicação dos fenómenos estudados é mesmo considerada por Kuhn (1970) como uma ciência revolucionária. Fundamentando-se esta constatação no facto de ser possível que se coloquem de parte teorias obsoletas e em seu lugar sejam inseridos novos paradigmas consensuais, mais fiéis e atuais, na explicação dos processos/fenómenos estudados. Este é o percurso percorrido pela ciência na sua evolução desde os seus primórdios. A ciência, à semelhança do ser humano (tantas vezes o objeto de estudo), é feita de ensaios, e re-ensaios, formulações e reformulações; adaptações e readaptações... tal qual sucede ao nível do desenvolvimento do Homem que ao longo dos tempos (desde que nasce até que morre) vai ensaiando novos esquemas de realidade, numa permanente e incessante busca de níveis cada vez mais evoluídos de funcionamento (de adaptação ao meio). Não é pois de estranhar o facto de o psicólogo, aliás, à semelhança do que sucede com os técnicos de saúde em geral, e os enfermeiros, em particular, serem “obrigados a uma vida de estudo e de permanente atualização”, para não se tornarem eles próprios obsoletos!

PROJETO DE MATERNIDADE
É de extrema importância distinguir os conceitos de “gravidez” e de “maternidade”, os quais se encontram profundamente interligados, mas que, no entanto, dizem respeito a realidades, subjetividades e processos bem diferentes. Assim, a gravidez refere-se ao período de alguns meses que medeia entre a concepção e o parto e que, como já foi exaustivamente demonstrado na literatura, implica, do ponto de vista psicológico, ajustamentos e recurso a mecanismos adaptativos à própria situação (Justo, 1990). Pode-se desde já concluir que se isto é verdade para a gravidez é-o igualmente para muitas outras situações de vida que, vivenciadas como crise ou como fase, obrigam à atualização de sentimentos passados e desencadeiam respostas adaptativas, mais ou menos adequadas, mas sempre coerentes com as capacidades individuais do sujeito (Leal, 1997). Nos anos sessenta, assistiu-se ao nascimento de uma perspectiva totalmente inovadora relativamente à concepção de personalidade, segundo a qual o desenvolvimento do sujeito é um processo contínuo que se arrasta ao longo de toda a vida – life span (Erikson, 1959). Assim e se, como Maria Teresa Maldonado (1981) se considerar que no ciclo de vida da mulher existem três grandes períodos passíveis de serem críticos, por serem períodos de transição, que se constituem como verdadeiras fases de desenvolvimento a
© Celeste Duque, 2004 Última revisão: 2011-05-02 2

Ψ
saber: a adolescência, a gravidez e a menopausa (ou climatério), então, também deveremos ter em atenção que a gravidez é, indiscutivelmente, uma fase da vida mulher que se reveste de uma valoração muito particular. Senão veja-se, a adolescência e o climatério são vividos no singular (logo, apenas importantes para quem os vive), o mesmo não se pode afirmar relativamente à gravidez. Esta, deve ser encarada como uma fase de reprodução do indivíduo singular (a mulher), mas também da própria espécie. A sociedade é, aliás, quem detém a última palavra, isto é, é ela quem vai tecer toda uma variedade de representações, de níveis de discursivos e normativos. De facto é a sociedade quem cria as regras e normas pelas quais os indivíduos que a integram se devem reger. As quais visam a contenção/inibição dos impulsos individuais, a manutenção das boas maneiras e dos bons-costumes. Em suma, a sociedade cultiva nos indivíduos o mito da “aceitação” e “passividade”. Relativamente a estes conceitos podemos ainda afirmar que somos educados a aceitar incondicionalmente tudo o que as hierarquias superiores ditam e a não questionar as regras. Se o indivíduo se rebela contra aquilo que considera injusto ele não vai ser percepcionado como um revolucionário ou como um inovador, vai ser percepcionado como um rebelde, delinquente ou considerado como um indivíduo bizarro, “anormal”, etc. À sua volta irão tecer-se toda uma série de considerandos que o irão ostracizar. Facilmente se percebe porque é que o indivíduo deve, desde muito pequeno, elaborar o seu processo de socialização para ser aceite pelo grupo do qual faz parte, sob pena de ser estigmatizado, banido, votado à solidão e, assim, à morte social (cuja consequência última é, não raras vezes, a morte psicológica). Na Gravidez estão em jogo diversas realidades, nomeadamente:
A criança que irá nascer; A mulher grávida; Um pai, mas também alguém com uma função material fundamental para a boa (sobre)vivência de todo o processo e bem-estar; e, por fim, A sociedade que necessita de assegurar a sua própria continuidade.

Assim, gravidez, enquanto realidade amplamente estudada e questionada, em que se procuram as angústias e ansiedades, fantasias e atitudes, ajustamentos e vivências, apenas se poderá considerar que alcança o seu pleno sentido, quando analisada à luz de um outro conceito, que cujo epicentro não é tanto ao nível das transformações que se verificam ao nível biológico (mudanças metabólicas e hormonais características das diferentes fases do desenvolvimento), mas muito mais ao nível das dimensões eminentemente sociais e culturais – a Maternidade. Aqui, a tónica é colocada, não na situação gravídica (a importância que esta tem no equilíbrio e devir da identidade feminina) mas na dimensão existencial da própria continuidade do indivíduo, das sociedades ou da espécie. Logo o destaque vai para aquele ser que antes de ser já era, até porque este é a esperança que perpetua a espécie. A gravidez é, deste modo, o pano de fundo presente na construção do conceito diádico: mãe/filho. A Maternidade assume-se como um Projeto de vida a longo prazo, ou mesmo vitalício (que transcende a mera gravidez) e que envolve a prestação de cuidados e a dádiva e troca de afectos que assegurem um desenvolvimento sadio e harmonioso à criança (Leal, 1991).

DEFINIÇÃO DE PSICOLOGIA DA GRAVIDEZ E DA MATERNIDADE
A Psicologia da Gravidez é, então, o trabalho realizado pela psicologia em relação estreita com o período da Gravidez. A Psicologia da Maternidade é, segundo Isabel Leal (1992):
“...o conjunto de saberes e conhecimentos psicológicos que tomam como objeto a Maternidade, sincronicamente no sentido de determinar estruturalmente um conjunto de categorias que descrevam como este conceito opera num determinado tempo e, diacronicamente no sentido de explicar as mudanças na forma estrutural do objeto. Epistemologicamente, a delimitação deste território de intervenção e de pesquisa implica o assumir de uma óptica transdisciplinar, ou seja, o assumir de um discurso a partir do interior de uma disciplina – a psicologia – para, como diria Agra (1986) decifrar as mensagens que aí circulam e as pôr em relação com outras que circulam em outros domínios disciplinares. Implica, do nosso ponto de vista, a partir das interfaces dos antigos limites disciplinares, assumir que este território é ele próprio produtor de um discurso normativo, legislativo e regulador daquilo que produz, e que, isso mesmo se deve espelhar no valor heurístico das suas propostas” (pp. 231-232)

Maldonado (1981) escreve, a propósito do conceito de maternidade que:
© Celeste Duque, 2004 Última revisão: 2011-05-02 3

Ψ
“A maternidade é o um momento existencial extremamente importante no ciclo de vital feminino que pode dar à mulher a oportunidade de atingir novos níveis de integração e desenvolvimento da personalidade. Sobretudo, é durante a gravidez que se iniciam a formação do vínculo materno-filial e a reestruturação da rede de intercomunicação da família – ponto de partida de um novo equilíbrio dinâmico na unidade familiar. É, indubitavelmente, um momento que merece a convergência dos esforços preventivos de obstetras e psicólogos que resulte num atendimento mais global e satisfatório para a saúde física e emocional da mulher e do seu filho.” (p. 9)

O maior desafio que se coloca relativamente ao conjunto dos saberes e conhecimentos psicológicos sobre a Maternidade é que estes se situam maioritariamente ao nível do paradigma psicanalítico, colocando os conceitos feminino e materno de tal forma interligados que é quase impossível pensar um sem o outro. Podemos igualmente afirmar que o evoluir social e antropológico da maternidade ultrapassou as teorias psicológicas que lhe dizem respeito e, as únicas, que pretendem integrar a gravidez e a maternidade como momento do desenvolvimento psicossexual da mulher inserem-se no paradigma psicanalítico, onde, o desejo de gravidez e de maternidade são sinónimos e partes integrantes do processo de aquisição da feminilidade.

TEORIAS DO FEMININO E DO MATERNO
Relativamente ao estudo dos conceitos de feminino e materno, pode-se de uma forma muito breve e fácil de compreender, assim o conceito de feminino pode definir-se em termos de género sexual – ser mulher –, e a identidade do género, segundo Stoller (1993), encerra um comportamento psicologicamente motivado. O que equivale a dizer que, embora na maior parte dos casos o sexo e o género sejam coincidentes, existem muitos outros casos em que assim não é. Stoller, em 1993, considera que: “masculinidade e feminilidade é uma convicção – mais precisamente uma densa massa de convicções, uma soma algébrica de se, mas e – não um facto incontroverso. Além de fundamento biológico, a pessoa obtém estas convicções a partir das atitudes dos pais, especialmente na infância, sendo estas atitudes mais ou menos semelhantes àquelas mantidas pela sociedade como um todo, filtradas pelas personalidades idiossincráticas dos pais”. Ao nível do paradigma psicanalítico o par antitético masculino/feminino, não se apresenta imediatamente à criança, ele é precedido por outros patamares conceptuais – o par “fálico/castrado” e o par “ativo/passivo”. Na prática, instala-se a confusão quando, como Freud (1931), se diz que: “mais tarde ou mais cedo a menina descobre a sua inferioridade orgânica”. Stoller (1993), interpretando a teoria de Freud relativamente ao desenvolvimento psicossexual da criança vai afirmar que: “Para Freud, a psicologia das mulheres começa com um sentimento de castração... A feminilidade, constitui simplesmente uma defesa e mostra as suas origens provisórias em sua natureza: passividade, masoquismo, inveja de pénis, renúncia, um super-Ego frágil, compromisso com os imperativos biológicos como a reprodução, mais que com as opções sociais, como a amizade, etc.”. Dito de outro modo tudo se complica quando uma teoria que se afirma explicativa do processo de desenvolvimento psicossexual, de ambos os sexos, toma como referente um dos sexos – o masculino. Não nos podemos esquecer que muitas das teorias começam por ser muito revolucionárias para a época. Lembremo-nos da reação bombástica que as ideias de Sigmund Freud tiveram na comunidade psicanalítica da época e que o obrigaram a um profundo isolamento dos outros grandes teóricos, por um largo período de tempo, e tudo isso porque o que ele afirmava se situava para além da capacidade de compreensão das mentalidades próprias da época Vitoriana. Para uma melhor compreensão destes conceitos, mas também da teoria, esta deve ser contextualizada à época em que surgiu – época Vitoriana, com tudo o que isso acarreta de desconhecimento de e sobre as mulheres, a rigidez na educação que recebiam e que perpetuavam ao repetir os mesmos valores sobre a geração seguinte, os limites profissionais e educativos, etc.. De referir ainda que apesar de todas as oposições e dissidências, nomeadamente de alguns seguidores das ideias de Freud por considerarem que este dava demasiada importância à “sexualidade infantil”, a verdade é que, o conceito de feminino, em Freud, ultrapassa o próprio Freud e estende-se por todos os seus continuadores, que de algum modo continuam a conceder um papel central à sexualidade na etiologia das neuroses. Apesar de toda a evolução, posterior a Freud, os conceitos de feminino e materno parecem indivisíveis, como se o feminino se cumprisse no materno e o desejo de gravidez e maternidade fossem coincidentes e inerentes à natureza feminina. Como interpretar, então, o seguinte fenómeno: mulheres que apesar de
© Celeste Duque, 2004 Última revisão: 2011-05-02 4

Ψ
fisiologicamente poderem gerar um filho, não só não o fazem, como assumem não ter qualquer desejo ou vocação para tal? A função materna começou a ganhar o seu estatuto de culto a partir do séc. XVIII, e cresce no séc. XIX, propagando-se até aos nossos dias. Questões como a educação, ligação precoce à criança, amor materno foram questões não relevantes ou mesmo ausentes em muitas culturas, durante longos séculos da história (Ariés, 1975). Com um crescente interesse na obstetrícia, como especialidade médica, em 1806, a mulher passa a ser um objeto de estudo em que o seu papel social é regulado a partir da sua própria anatomia, e o seu corpo destina-se a ser o seu objeto de realização – ser mãe (Maldonado, 1976). As teorias que se construíram no séc. XIX refletem noções impregnadas de exaltação do amor materno e dos discursos filosóficos, médicos e políticos em que a família se constitui e se mantém em torno de um acontecimento – a maternidade. Durante o séc. XX acentua-se ainda mais a dimensão da importância do amor materno, a mulher passa a ser igualmente responsável por “cuidar do inconsciente e da saúde emocional dos filhos” (Maldonado, 1981, p. 18). Surge ainda aquilo a que muitos referem como “bebélogia”, a ciência que estuda exaustivamente o bebé sobre todas as formas e em todos os seus estados. Bigeargeal (1985) é de opinião que nos anos 70 do século XX, se promove a ideia da “mamã divina, bebé maravilhoso” e os anos 80 divulgam a crença do “bebé profeta, mamã discípula”. Leal defende que:
“movimento social que tenta conceder às mulheres a possibilidade de afirmação enquanto tal, incrustando a maternidade (e também a paternidade) em projetos individualmente significativos, continua como discurso dominante a hiper-responsabilização da função materna. Como se o destino das mulheres tivesse de continuar a passar por uma certa ideia de maternidade, ou como se acabasse por haver incompatibilidades entre afirmações femininas e afirmações maternas.” (Leal, 1997, pp. 210-211)

Em jeito de conclusão pode-se afirmar que a gravidez continua a ser uma experiência do próprio corpo, desligada de posteriores responsabilidades e consequências, cuja referência dominante se situa na existência de uma feminilidade que nem sempre se conforma às normas da maternidade, a qual, como já se viu, é imbuída de uma dimensão social e cultural, por mérito da tecnologia, das legislações e dos discursos que privilegiam a criança em devir, e que é capaz de escamotear os antigos limites do corpo e estabelecer-se, mau grado qualquer afirmação de feminilidade. É então chegado o momento de pensar o feminino e o materno individualmente e como conceitos autónomos, que em alguns momentos se cruzam, mas que noutros se distanciam.

VIDA EMOCIONAL
A vida emocional do ser humano começa muito antes do nascimento. O estudo da vida emocional dos fetos e bebés, numa íntima interação com o pensamento das suas mães, é de uma extraordinária e surpreendente precocidade. Obrigando-nos a questionar as consequências da mesma no desenvolvimento da criança, mas também do que se pode e deve considerar como “normal” ou “patológico”, logo de interesse dos campos de estudo da Psicologia e Psicopatologia. É, aliás, o tema preferido da moderna Psicologia da Criança. Presentemente, assiste-se ao exaltar da individualidade de cada sujeito, na sua causalidade com o meio envolvente, ao contrário do que sucedia no passado em que a Psicologia da Criança procedia a um “adultomorfismo”. Na confluência desta abordagem observa-se uma cada vez maior constatação que o meio envolvente desempenha um papel importantíssimo no desenvolvimento do sujeito enquanto ser individual. Colocando-se, aqui, a tónica na importância das primeiras relações (relações precoces), nomeadamente a relação com a mãe (ou objeto cuidador; falando-se a este nível de vinculação). Percebe-se e explica-se, agora, um pouco melhor a relação mãe/bebé, com os atuais conhecimentos da Psicanálise, em que se destacam autores como Sigmund Freud, Melanie Klein, Anna Freud, Wilfred Bion, Winnicott, Daniel Stern, entre muitos outros. A relação mãe/bebé é frequentes vezes vivida pela mãe como culpabilizante. É, então, inquestionável a grande importância da qualidade da relação precoce, e da comunicação, no desenvolvimento da criança. De salientar ainda a importância da reciprocidade e complementaridade dos dois membros desta díade (mãe/bebé) na (inter)relação.

© Celeste Duque, 2004

Última revisão: 2011-05-02

5

Ψ
RELAÇÃO PRECOCE
Globalmente, pode-se afirmar que, frente a uma mãe e a um bebé em interação se observa claramente a evolução da linguagem materna: a mãe transforma o seu monólogo verbal em diálogo imaginário, traduzido pelos tempos de espera que corresponderiam às respostas do bebé – logo resposta imaginária do bebé – como prefiguração de um futuro diálogo. Esta evolução não é exclusiva da atividade da mãe mas função do próprio bebé: ele não é um ser passivo, ao contrário da convicção de muitos dos autores percursores da moderna Psicologia, segundo os quais o bebé é uma “tábula rasa”, mas alguém que acompanha e modela o comportamento materno, ao mesmo tempo que potencia as suas próprias capacidades. O bebé possui, à nascença, um conjunto de competências, tais como: resposta diferenciada à voz e ao rosto humano (segue-o e prefere-o a outros estímulos), acuidade auditiva e olfativa (que o levam a discriminar e preferir o odor do leite materno e isto apenas com 5 a 7 dias de vida), e a capacidade motora (que lhe permite alcançar e tocar objetos que estejam dentro do seu campo de visão). Isto é tanto mais extraordinário quanto se constata que já anteriormente, ao próprio nascimento, ele evidencia um conjunto de competências – designadas de competências fetais – das quais se distinguem as manifestações sensoriais: o feto reage a um raio único de luz projetado diretamente sobre o ventre materno (o que sugere a existência de aptidões visuais), às pressões manuais efectuadas sobre a região epigástrica da mãe, as quais desencadeiam movimentos fetais (o que remete para uma sensibilidade táctil) e ingere o dobro das quantidades habituais de líquido amniótico no qual é injetada sacarina (o que evidencia aptidões gustativas). Experiências como as De Casper, sobre memória fetal, são bem ilustrativas que o bebé reage, igualmente, a estímulos auditivos. Na posse destes dados, existência de competências fetais e de competências precoces do bebé, “paira no ar” uma questão que se revela importante: Como é que se processa e desenvolve a interação? Cosnier (1984) fala em “desenvolvimento social do bebé/adulto” ou de uma “evolução diacrónica da díade bebé/adulto” e Daniel Stern (1977), utiliza uma imagem feliz, referindo-se a uma “coreografia comportamental que faz da relação mãe/bebé um importante e significativo bailado”. Trevarthen, por seu turno, considera que “existe uma capacidade de captar o interesse e as expressões do outro e de exprimir as suas próprias intenções de forma a ser compreendido”. Esta intersubjetividade primária é um dos alicerces fundamentais dessa interação, isto é, do jogo social entre a mãe e o bebé, o qual tem como principal objetivo o divertimento e o prazer de cada um dos membros da díade. O aspecto interativo e recíproco, vital para o estabelecimento da relação mãe/bebé, expressa-se pela sucessão de constantes feed backs: de facto, qualquer mãe, minimamente saudável, quando face a face com o seu bebé, só muito dificilmente se irá inibir (impedir) de comunicar com ele, entrando num jogo que envolve o seu próprio comportamento, e a duração é tanto mais prolongada quanto o prazer que daí retira. Se não tiver prazer, a brincadeira pode estar condenada a durar, escassos, segundos, tal como está condenada toda a interação e o respectivo desenvolvimento do bebé. Então, se isto é verdadeiro no que respeita ao elemento – mãe –, como é que as coisas se passam em relação ao bebé? Se o bebé experimentar prazer e se divertir com os comportamentos da mãe, se os sentir como interessantes, vai-lhe prestar atenção e produzirá, igualmente, experiências afectivas agradáveis, mostrando, no seu reportório, prazer: sorrisos, olhar vivo, galreios. A mãe sentirá estas manifestações comportamentais como satisfatórias e encorajadoras, procurando, deste modo, que o bebé mantenha a excitação e atenção a níveis cada vez mais elevados (mais complexos), que lhe irão permitir executar novas manifestações afectivas profundamente prazerosas. E, tal como afirma Stern (1977), assiste-se a um bailado constante e harmonioso em que a mãe e o bebé procuram seguir-se um ao outro, num eterno movimento, numa dança sem atropelos. Fica-se face a uma sincronia que se expressa da seguinte forma: “a maior parte do jogo consiste tanto em ultrapassar as fronteiras superiores e inferiores como em integrar respeitando os limites próprios”. Mas, para que este bailado possa ter lugar é necessário que ambos os elementos da díade possuam as competências básicas fundamentais, só assim podem interagir ativamente neste processo. Por parte da mãe tem que haver todo um conjunto de comportamentos sociais (ao nível da expressão do rosto, do olhar, da vocalização e dos movimentos da cabeça e do rosto) os quais se destinam a estimular a atenção e a provocar a interação com o bebé – estes comportamentos são universalmente caracterizados pelo
© Celeste Duque, 2004 Última revisão: 2011-05-02 6

Ψ
exagero, quase caricatural das expressões maternas –, no tempo e no espaço e pelo carácter estereotipado do seu reportório. Para conversar com o bebé a mãe volta-o para si, a aproximadamente 20 centímetros, e envolvendo-o com o seu olhar e estimula-o para a interação, começando, geralmente, com uma expressão inicial de surpresa, acompanhada de variações de timbre de voz e de um olhar persistente e prolongado. As aproximações e os jogos do “cucu” constituem a melhor forma de manter o bebé num nível “óptimo de atenção”. Outra modalidade (ou variante) de comunicação processa-se através da combinação da mímica facial e dos sons, a mãe procura prolongar e modelar a nova interação estabelecida, para isso, utiliza expressões como o franzir das sobrancelhas, a diminuição do volume de voz, a modulação do tom de voz, bem como uma transformação do seu timbre e do evitamento do olhar para por colocar um ponto final à interação. Se o objetivo é levar o bebé a adormecer, então, a mãe procura “anular” a comunicação, escondendo-lhe a cabeça junto do seu peito, e deixando que o seu próprio olhar vagueie no espaço (evitando o olhar “olhos nos olhos”). A este comportamento, também o bebé responde com um conjunto de comportamentos particulares e igualmente significativos.

RUDIMENTOS NEUROFISIOLÓGICOS
Sabe-se que o bebé possui à nascença de um sistema visuo-motor que lhe permite ver e seguir objetos em movimento desde que estes estejam no seu “limitado” campo de visão. Inicialmente, como defesa (da sobre-estimulação), o bebé só consegue percepcionar objetos situados a cerca de 20 centímetros dos seus olhos. A partir da 6ª semana, passa a ser capaz de fixar e manter (suster) o olhar da mãe, e os seus próprios olhos “alargam-se” ficando, em determinadas situações mais brilhantes. A mãe sente nessa altura e, pela primeira vez, que o bebé a olha nos olhos e que comunica, de facto, com ela, o que assume um valor muito importante e especial de interação. Quando mais tarde o olhar do bebé se alarga ainda mais, até mais ou menos 3 metros, então, já consegue seguir a mãe sempre que ela se desloca. Verifica-se um evidente aumento da rede de comunicação e o bebé passa a ter o poder de controlar as informações visuais que deseja receber, socorrendo-se de determinados movimentos da cabeça e dos olhos (consegue um autocontrolo e autorregulação gradualmente maior): ao virar bruscamente a cabeça é entendida pela mãe como um sinal de recusa e de desejo de por fim à interação. Pelo contrário, o seu sorriso permite a continuação do jogo, dado o poderoso carácter de elemento “positivo” da interação. Facilmente se percebe, neste momento, que desde o nascimento que o bebé e a mãe interagem numa complementaridade cúmplice, por sequências de comunicação marcadas por sucessivos feed backs que conduzem ao equilíbrio desejado ou desejável. Este processo envolve uma relação direta entre estimulação e atenção (subjacente a estas a percepção). Assiste-se, então, ao progressivo aumento da atenção à medida que o nível de estimulação tende para o seu máximo. E uma profunda diminuição (quebra) da atenção quando o limiar de estimulação está abaixo ou excedeu o limiar de tolerância. Se os comportamentos de estimulação se repetirem o bebé terá tendência a prestar-lhes cada vez menos importância, menos atenção, cessando assim a interação. Se a mãe se aperceber do “enfado” do bebé e adoptar novas estratégias de estimulação pode recuperar os níveis de atenção do seu bebé, reiniciando a interação. A comunicação pode então ser “adulterada” (prejudicada) por excesso ou por defeito de estimulação. Por exemplo, uma mãe perturbada irá adoptar estratégias de comunicação também elas perturbadas e o bebé irá “aprender” os modelos deficientes de comunicação, o que pode originar uma perturbação ao nível do desenvolvimento (e.g., mães profundamente deprimidas; mães que utilizam uma comunicação paradoxal; incapazes de “lerem as necessidades e comunicação do bebé; etc.). Citam-se ainda a título de exemplo os casos paradoxais de mães perturbadas na sua função maternal, que apenas são capazes de oferecer estimulação eficaz ao seu bebé quando sentem que ele se magoa ou que está, de algum modo, a sofrer.

INTERAÇÃO MÃE/BEBÉ
Stern (1977) observou interações sociais entre adultos e bebés em casa, em laboratório, em creches, em parques, nos transportes públicos (metropolitano, autocarro), em qualquer sítio onde esta observação se proporcionasse, com o objetivo de melhor compreender como é que, no curto espaço de tempo, que são os
© Celeste Duque, 2004 Última revisão: 2011-05-02 7

Ψ
primeiros 6 meses de vida, o bebé se transforma num “ser humano social”. Considerando ele, que estes 6 primeiros meses de vida é a primeira fase da aprendizagem das coisas humanas, neste curto espaço de tempo, o bebé terá aprendido a convidar a mãe para brincar e iniciou e estabeleceu com ela uma interação, ter-se-á transformado num perito em manter e modular a sequência de uma troca social e já se encontra de posse de um código – os sinais – para poder, como já se referiu anteriormente, terminar ou evitar um encontro interpessoal, ou “para colocar esse código temporariamente num ‘padrão de retenção’ dessa aprendizagem”. E mais, esta coreografia biologicamente determinada servirá de protótipo para todos os encontros interpessoais futuros com os outros seres humanos. É o primeiro processo de interação social: o comportamento tanto do bebé como da mãe, que vai desde a forma à estrutura, à definição e à funcionalização. A mãe e o bebé, quer tenham ou não consciência, “sabem” muito mais, que qualquer observador, sobre as suas próprias interações sociais. A mãe está envolvida num processo natural, de uma imensa complexidade, com o bebé, mas para o qual eles estão preparados por muitas gerações de evolução. Esta interação desenrola-se sob o primado da intuição. O processo sistemático de observação de uma mãe em interação com o seu bebé obriga os investigadores ao estabelecimento de metodologias de trabalho de recolha de informação e à criação de grelhas de observação, dado que o ritmo de inter-relação da díade é quase sempre demasiado rápido. Se pretendem aperceber-se da totalidade dos movimentos e subtilezas e dinâmica relacional envolvidos, têm de utilizar toda uma diversidade de instrumentação tecnológica (nomeadamente, gravadores, câmaras de filmar, etc.) para poderem registar a situação, para posterior visionamento ou audição. Por exemplo, quando se trata de um filme da interação, este é, posteriormente, passado vezes sem conta, até que se consiga analisar e retirar todos os elementos da sequência interativa. Pode-se afirmar que este é um trabalho que implica perseverança, minúcia e isenção e que tem como objetivo específico o desvendar dos elementos mais subtis do comportamento de comunicação, para isso podem gastar-se horas com o (re)visionamento de sequências que, em tempo real, tiveram a duração escassos segundos. Da análise dos momentos cruciais de interação social, por exemplo, aqueles jogos que se verificam intra-mamada (dentro de uma mesma mamada) – os chamados “jogos livres” – são das experiências mais importantes na primeira fase de aprendizagem do bebé. Ao fim dos primeiros seis meses o bebé já integrou alguns esquemas do rosto humano, voz e tacto e dentro destas categorias ele é capaz de diferenciar o rosto, voz e movimentos específicos da pessoa que mais cuida dele – regra geral, a mãe. Já “recebeu” os padrões temporais do comportamento humano e o significado das diferentes mudanças e variações de tempo e ritmo. Aprendeu as pistas sociais e convenções que têm efeito mútuo para iniciar, manter, terminar ou mesmo evitar interações com a mãe. Aos poucos foi interiorizando uma representação mental, cada vez mais estável, da imagem da mãe (inicialmente, é apenas seio, e aos poucos vai ganhando o rosto, o contorno e forma corporal), passados alguns meses, após esta primeira fase de aprendizagem, vai-se diferenciando claramente e tornando cada vez mais nítida a imagem da mãe, bem como das expressões faciais, reações aos seus “chamamentos”, postura corporal, ritmo e movimento ao andar, e neste momento pode-se afirmar que o bebé já estabeleceu uma permanência de objeto, ou se se preferir uma imagem duradoura (não parcial) da mãe quer esta esteja ou não presente. Por volta do 8º mês surge a “angústia do estranho”, manifestação que confirma a permanência do objeto e que, quando face a adultos estranhos vai reagir com a recusa em ir para o seu colo e choro se este lhe pega. Para se ter uma ideia e compreensão precisa de como se processa esta primeira fase de aprendizagem é necessário analisarem-se diversas dimensões, como por exemplo:
Repertório comportamental facial, vocal e outros – habitualmente fornecidos pelo adulto que presta cuidados ao bebé, na sua primeira, e mais importante experiência com o mundo de estímulos (e de relacionamento) humano;

Para além deste, é ainda, necessário estudar-se o: - Repertório de comportamentos e capacidades de percepção que o bebé possui para perceber e (inter)agir no mundo do comportamento humano, em que se encontra inserido. É igualmente importante perceber como é que:
Os comportamentos separados da mãe e do bebé se influenciam mutuamente um ao outro.

Chegados a este ponto, também será interessante tentar compreender:
© Celeste Duque, 2004 Última revisão: 2011-05-02 8

Ψ
– – – Como é que a interação se estrutura de facto; Com que finalidade; e Quais as funções de desenvolvimento.

Infelizmente, nem sempre as coisas se processam de forma “saudável” pelo que é necessário analisar-se, como é que a interação pode falhar. A este nível, quando a interação falha e o bebé corre risco de ver comprometido o seu desenvolvimento, podem-se citar patologias graves do foro psicológico, tais como: autismo primário e secundário, psicose infantil, neurose infantil. E a par destes, há ainda um outro risco – o abandono – em que a mãe não é capaz de “correr o risco” de ficar dependente de um ser que precisa do seu apoio e proteção para sobreviver.

ABANDONO
O abandono de uma criança, de um filho, de um bebé, é sem dúvida um gesto que reflete uma extrema “pobreza afectiva”, que indigna todos quantos têm conhecimento de tal “barbaridade”... Mas ao adjetivar tal atitude está-se, desde logo, a entrar com juízos de valor, a moralizar e este é um erro grave tão condenável quanto o próprio comportamento de abandono. Deve-se, pelo contrário, tentar contextualizar e perceber os motivos subjacentes a uma atitude de tamanho desespero e sofrimento. Por vezes, a atitude de abandono é fruto de um medo intenso e irracional da mãe ficar dependente definitivamente, e para toda a vida, vinculada a alguém que não desejou, que cresceu dentro de si como “um intruso em casa alheia”. Outras vezes, são as condições de profunda miséria socioeconómica que levam a mãe a colocar-se na perspectiva de uma esperança que é incapaz de viver. Quase sempre se verifica que é a ausência de uma experiência de relação familiar gratificante, durante a sua própria infância. Mas, acima de tudo, é a grande solidão e isolamento de quem não aceita o risco de um “encontro”, pois este só é de facto possível quando nos (pré)dispomos a ser modificados pelo poder de um sorriso e pela “fragilidade” de uma pequena mãozinha que procura a nossa mão (o nosso apoio e amor incondicional...). Logo, falar em abandono e adopção remete para um passado que, no primeiro caso preparou a separação e, no segundo, justifica o acolhimento assumido, na pobreza da falta de ligação genética, com o filho que irá receber o seu nome. É, então, necessário falar-se sobre dois conceitos centrais em Psicologia da Criança, e obviamente da Gravidez e da Maternidade/Paternidade – vinculação e filiação.

VINCULAÇÃO E FILIAÇÃO
Para que haja vinculação é preciso que se verifique o sonho... um lento caminhar ao encontro da realidade em que o imaginário aí terá de se enraizar para adquirir condição de durabilidade e ser capaz de resistir à verdade do crescimento. Quando se fala de realidades tão importantes quanto as capacidades do feto e do bebé, recém-nascido, assim como do valor estruturante da gravidez (período gravídico) e do parto, mostrase o importantíssimo papel que este período de vida tem nas futuras relações afectivas. Mas não pode existir filiação sem que se verifique a aceitação de que cada filho tem um destino próprio, uma autonomia de que depende o seu estatuto enquanto pessoa. Deste modo, pode-se afirmar que, a vinculação, é, pois, um concentrar de energia, o “abraço apertado” que antecede e torna possível o afastamento equilibrado e saudável. Esta necessidade é vivida pela mãe de uma forma muito concreta, aquando do trabalho de parto, nesse preciso momento ela ajuda o filho, que até ali acolheu no seu útero, à expulsão. E que, instantaneamente, o (re)acolhe para que o fluir do leite retome (restabeleça a um outro nível) a unidade momentaneamente perdida. Tal como está atenta, para o amparar em caso de necessidade, nos primeiros passos – dividida entre o receio de uma queda e o desejo de o ver caminhar sozinho. E, aos poucos, vai-lhe preparando o seu próprio caminho. Apesar disso, só atinge a verdadeira filiação quando ele assume o comando do seu destino pessoal na segurança de um passado que lhe deixou, bem presente, uma sólida e permanente ternura e capacidade de amar e ser amado (deixar-se amar).

NASCIMENTO DA FAMÍLIA
Só quando se verifica esta passagem da vinculação à filiação se assiste ao nascimento, definitivo, da família e que, precisamente por isso, mal se forma logo se devem ir criando acessos (portas e estradas abertas) para os outros. Mais do que uma fortaleza intransponível, uma muralha, a família constitui-se como o ponto de
© Celeste Duque, 2004 Última revisão: 2011-05-02 9

Ψ
partida onde se prepara a separação pela individualidade do sujeito, é o abrigo que torna viáveis o encontro de todas as fraternidades, de todas as relações (intra e extra-familiares). Contrariamente, uma mãe que abandona, impede que as imagens do filho se constituam como uma experiência enriquecedora do corpo. Valoriza assim, o sofrimento, o incómodo, a mudança de formas a que a gravidez obriga e condiciona. Justifica-se pela razão de que faz “um bem” ao filho e a si mesma, regressando à condição de “aparente” liberdade que usufruía antes da gravidez. Ao se compreender o abandono pode-se pensar na criação de medidas (ou projetos) de prevenção que evitem que este se repita na geração seguinte, por parte de quem sofreu na pele, os seus efeitos nefastos.

ADOPÇÃO
O casal que adopta, passando do sonho diretamente para o encontro (com o outro – o bebé) sem o lento intermédio do corpo (processo gravídico), tem de impedir que a “esperança realizada” impeça o eclodir da realidade. Isto é, o casal é chamado também ele, a aceitar o outro como ser diferente (e independente), este é, de facto, o único percurso possível para alcançar a verdadeira filiação. Regra geral, exige-se ao casal que adopta (por razões de infertilidade ou esterilidade) a grande pobreza de assumir a esterilidade biológica, e, paradoxalmente, a enorme riqueza, de proporcionar um passado a quem só restava um futuro construído de incertezas. Na realidade, o casal que se propõe a adoptar, só o faz, habitualmente ao fim de um longo caminho de frustrações do seu desejo de paternidade e/ou maternidade. Assim, após um longo caminho de desespero e frustração e, demasiadas vezes, humilhação, que se pode arrastar por muitos e muitos anos, o casal é obrigado a submeter-se a uma avaliação psicológica. E, de repente, sem aviso prévio, é confrontado com um filho que lhe é atirado para os braços, mas que ainda não é definitivamente seu. Obviamente que as dificuldades são inúmeras, nomeadamente, no que concerne à necessidade de um tempo prévio de adaptação à ideia de se ser pai/mãe, que nos casos em que a natureza funciona é de 9 meses, tempo mais que suficiente para se proceder à integração e (re)ajustamento aos papéis que agora se espera a pessoa venha a desempenhar da melhor forma – ser pais. A par disso há ainda as indicações judiciais concretas tais como a legislação (do país em que a criança é adoptada) em vigor e o método legal a seguir. De referir ainda que, por melhor que seja a instituição de acolhimento das crianças abandonadas, mal tratadas, órfãs, esta dificilmente conseguirá obviar a personalização que uma família (biológica ou de adopção) proporciona ao bebé (criança) onde este se sente único e insubstituível. Assim, toda e qualquer instituição, deve, antes de mais, ser percepcionada como um local de colocação temporária, onde se permite a sobrevivência, sem grandes lesões afectivas, antes do acolhimento pela família – biológica ou de adopção.

PAPEL DE “PAIS”
Brincar aos pais e aos filhos representa, para a criança que brinca, uma forma de conhecer os pais sempre que se imaginam na sua pele, no seu lugar ou papel. Brincar é, então, conhecer e os filhos mostram ser bem mais ousados que os pais, pois é bem mais fácil encontrar crianças a “fazer” de pais do que, inversamente, pais a “fazer” de filhos. Impõe-se então a questão: Até que ponto não se deveria incentivar mais os pais atuais, a descentrarem-se dos seus saberes, dos seus conhecimentos, das suas experiências e, humildemente, aprenderem a ouvir o que a criança tem a dizer? Deixar de serem adultos, por breves momentos, e voltar a ser criança, só traz instantes de alegria e prazer, faz renascer em nós a criança que, por vezes, julgamos ter desaparecido para sempre, e olhar a vida e os “crescidos” com os “olhos de uma criança”, frequentemente proporciona um conhecimento (sabedoria) mais simples, é verdade, mas, nem por isso, menos profundo. Se o adulto tem a capacidade de, durante alguns minutos, da sua atarefada vida de corre-corre, do dia a dia, “voltar a ser criança” e nessa perspectiva interagir como o seu filho pode obviar de uma forma tão simples muitos dos desencontros dos chamados “conflitos de geração” – a criança sentindo-se compreendida, “ouvida” vai interiorizar uma imagem mais positiva, não só dos pais, como também dos adultos em geral. No contexto de uma relação familiar pode-se considerar, regra geral, que os pais são, de algum modo, prematuros e isto porque o nascimento dos filhos dentro dos pais se dá muito cedo na sua vida. Eduardo Sá (1996) afirma isso mesmo de uma forma muito bela:

© Celeste Duque, 2004

Última revisão: 2011-05-02

10

Ψ
“Os filhos crescem dentro de nós quando os imaginamos, ainda e só com o rosto dos nossos sonhos, o que faz com que sejamos pais antes de termos filhos, ou pais mesmo se não os tivermos... tal como poderemos ser estéreis tendo filhos. É a relação com os filhos que cria as condições para que a maternidade e a paternidade nos tornem férteis, e para que eles deixem de ser os nossos sonhos e se transformem, connosco, nos nossos filhos”. (p. ??)

ESTERILIDADE E INFERTILIDADE
A fertilidade é, então, uma realidade também emocional. De facto, há “esterilidades” que se esbatem com a adopção de uma criança (e se “transformam” numa gravidez. No entanto não podem ser consideradas apenas como “esterilidades psicológicas”, porque este é um fenómeno de uma extraordinária complexidade, dada a grande diversidade de factores subjacentes, para além disso, apelar apenas à “racionalidade” não só não resolve o problema – o obstáculo emocional – como ainda o agrava ou adensa mais. O que se constitui como doloroso, no plano emocional, para o ser humano é toda e qualquer espera de algo que se deseja ou sonha muito, e que não seja contemplada com a realização do sonho a que se aspira. A interrogação que agora se coloca é a seguinte: Será “anómalo” não querer um filho? Claro que não, muito pelo contrário, alguém que quer ter filhos e tudo faz para os evitar é um ser consciente dos seus próprios limites e que ao optar por não gerar um filho está a obviar-lhe sofrimento (pelo menos no seu imaginário). O que é realmente pouco saudável é querer ter um filho de uma forma “incontida e desmesurada” – quase em desespero de causa – como se só assim conseguisse alcançar, o tão almejado, bem-estar emocional de cada um dos pais. O desespero não é, certamente, um bom mediador da fertilidade e, ironicamente, sempre que um casal se predispõe a viver a sua sexualidade com fins, única e exclusivamente, de procriação, o desespero quase sempre se transforma numa condição que para além de predispor para a esterilidade também lhes retira o prazer sexual. O grande desafio do ser humanos decorre da capacidade de aprender, desde muito cedo a estar só e não viver em solidão, a ser capazes de encarar a realidade da sua incompletude e reconhecer os seus próprios limites pessoais (defeitos e qualidades) sem que isso o deprima. Só alguém que é capaz de encarar a realidade de si mesmo, está preparado para o encontro e troca emocional com os outros. Um filho pode permitir o confronto com o melhor e o pior de si, com as suas fragilidades (de ambos os membros do casal), caso ainda, não tenham tido esse confronto, se já fora ultrapassado vai ser (re)vivido a um outro nível, bem mais profundo. Um filho gerado nestas condições, não trará cadilhos (do ditado popular: Quem tem filhos tem cadilhos), mas sim “a vida que nos separa de sermos felizes”. Os pais que tantas vezes sonharam o seu filho mas que não podem gerá-lo, vivem, tantas e tantas vezes, esse desespero, vergonha, tristeza (e mesmo raiva) – de ter que aceitar a dor de um luto tão irreparável. Para além disso, e como se isso não fosse já o suficiente, em temos de sofrimento mental, ainda têm que aprender a lidar e (sobre)viver com uma densidade de experiências que decorre da sua esterilidade, e que origina por parte dos outros, fenómenos como “voyeurismo”, curiosidade (que pode variar de: leve a mórbida), rivalidade, agressividade (mais ou menos camuflada). Estas são formas mais ou menos camufladas de violência que geram dor, que se junta à dor de não poder ter filhos, provocando, não raras vezes, situações de um profundo e incontornável sofrimento emocional e psicológico que leva um ou ambos os membros do casal a depressões profundas que se cristalizam e agravam (ainda mais) com o decorrer dos anos.

CONCLUSÃO
A disciplina de Psicologia V – dedicada aos temas da Psicologia da Gravidez e Maternidade e Paternidade – quer-se uma disciplina que emocione profundamente e de forma irreversível, todos aqueles que com ela têm contacto, já que aflora realidades de uma enorme beleza e ternura que envolvem a parte mais sublime da humanidade – o bebé – que é simultaneamente o seu passado, o seu presente mas, também, o seu futuro. Aborda a questão do bebé sonhado, vivido na gravidez, corporizado e tornado realidade real no olhar, amamentação, mas também no contacto de todo um corpo que se constitui como resposta à fala, ao sorriso, à ternura. Bela ainda porque partindo de realidades tão adversas e cruéis como são os abandonos físicos e emocionais, nos apresenta a esperança de uma “salvação”, representada pela adopção, pela prova de uma generosidade e
© Celeste Duque, 2004 Última revisão: 2011-05-02 11

Ψ
amor sem limites, vivificado pelos casais que se (pré)dispõem a aceitar crianças com alguns riscos (o risco de não se ser aceite e amado pelo ser que se adopta; ou, o risco de a criança ser portadora de uma qualquer enfermidade física ou psicológica, entre outros). Como exemplo vivo desta esperança, veja-se o caso do extraordinário movimento de solidariedade que se gerou, por volta de 2002/2003, em torno do crescente número de crianças seropositivas Sul Africanas, em que há casais (de raça caucasiana) que adoptaram até oito crianças (apenas porque lhes é humanamente impossível, neste momento, adoptar mais) – dois casais de gémeos, um com seis meses de idade e outro com cerca de 15 meses, e 4 crianças com as idades compreendidas entre os 12 meses e os 2 anos de idade) de raça africana – e isto num país em que, em termos de mentalidade, ainda está muito presente o racismo, e o estigma do apartheid. Com realidades tão marcantes como esta os conceitos que se propõe venham a ser estudados nesta disciplina, ganham outra dimensão e significado: maternidade e paternidade não são mais restritos aos filhos biológicos (a quem intuitivamente se deve amar), esterilidade e infertilidade, vinculação e filiação, relação precoce, repertório (da mãe e do bebé), etc., passam a ser, igualmente, um sinal de esperança para a evolução e perpetuação da própria sociedade, e de toda a humanidade!

BIBLIOGRAFIA
Ariés, P. (1975). L’enfant et la vie familiale sous l’ancien régime. Paris: Editions Seuil. Caplan, G. (1967). Perspectives of primary prevention: a review. Archives of General Psychiatry, 17, 331. Cosnier, J. (1984). Observation directe des interactions précoces, où les bases de l’épigenèse interactionnelle. Psychiatrie de l’Enfant, 1(XXVII). Erickson, E. (1959). Growth and crisis of the healthy personality. In Kluckhohn & Morris (Eds.), Personality in Nature, Society and Culture. New York: Alfred Knopf. Freud, S. (1931). A sexualidade feminina. In Edição Standard Brasileira das “Obras Completas de Sigmund Freud”. Rio de Janeiro: Imago Editora. Justo, J. (1990). Gravidez e mecanismos de defesa: Um estudo introdutório. Análise Psicológica, 4(VIII), 371-376. Kuhn, T. (1970). The structure of scientific revolutions. Chicago: University of Chicago Press. Leal, I. (1992). Psicologia da Maternidade: Alguns aspectos da teoria e prática de intervenção. In Psicologia e Saúde – Análise Psicológica, 2(X), 229-234. Leal, I. (1997). Transformações socioculturais da gravidez e da maternidade: Correspondente transformação psicológica, pp. 201-214. In J. L. Pais Ribeiro (Ed.), Actas do 2º Congresso de Psicologia da Saúde, Braga. Lisboa: ISPA Maldonado, M. T. P. (1980). Psicologia da Gravidez – Parto e puerpério. Coleção “Nova Psicologia”, 8. Petrópolis: Editora Vozes. Pais Ribeiro, J. L. (1994). A Psicologia da Saúde e a Segunda Revolução da Saúde (pp. 73-108). In T. M. McIntyre (Ed.), Psicologia da Saúde: Áreas de Intervenção e Perspectivas Futuras. Braga: APPORT. Sá, E. (1997) (Org.). A maternidade e o bebé. Lisboa: Edições Fim de Século. Sá, E., & Cunha, M. J. (1996). Abandono e Adopção: O nascimento da família. Coimbra: Livraria Almedina. Stern, D. (1980). Bebé-mãe: Primeira relação humana. Coleção “Pistas/Psicologia”, 17. Lisboa: Moraes Editores. Stoller, (1993). Masculinidade e Feminilidade Apresentações do Género. Porto Alegre: Edições Artes Médicas.

© Celeste Duque, 2004

Última revisão: 2011-05-02

12

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful