Teste Intermédio de Física

(17 de Março de 2009) -Conteúdos Teóricos 10º Ano: Unidade 1: 1. Energia – do Sol para a Terra 1.1.Balanço energético da Terra 1.2. Equilíbrio térmico 1.3.Temperatura média da Terra 1.4. A radiação solar na produção da energia eléctrica 2. A energia no aquecimento e arrefecimento de sistemas 2.1. A radiação solar no aquecimento 2.2. 1º Lei da Termodinâmica 2.3. Lei da Termodinâmica Unidade 2: 1.Transferências e transformações de energia em sistemas complexos 1.1. Quando um sistema complexo pode ser representado por um ponto 1.2. Transferir energia como trabalho 1.3. Calcular quantidades de energia transferida: o trabalho de uma força constante 1.4. Quando várias forças contribuem para a variação de energia 1.5. Os atritos são indispensáveis 2. A energia de sistemas em movimento de translação 2.1. O teorema da energia cinética 2.2. A força com que a Terra atrai os corpos realiza trabalho 2.3. As forças que não alteram a energia mecânica 2.4. As forças que alteram a energia mecânica

1

11º Ano Unidade 1: 1. Viagens com GPS 1.1. Tempo e relógios 1.2. Localização da posição (coordenadas geográficas) 1.3. Sistema de posicionamento global (GPS) 1.4. Localização da posição (coordenadas cartesianas) 1.5. Gráficos posição-tempo para movimentos rectilíneos 1.6. Distância percorrida sobre a trajectória e deslocamento 1.7. Velocidade 1.8. Velocidade e gráficos posição-tempo 1.9. Gráficos posição-tempo 2.Da Terra à Lua 2.1. Interacções à distância e de contacto 2.2. Forças fundamentais da Natureza 2.3. Pares acção-reacção e 3º lei de Newton 2.4. Lei da Gravitação Universal 2.5. Efeito das forças sobre a velocidade 2.6. Aceleração 2.7. 2º lei de Newton 2.8. 1º lei de Newton 2.9. Movimentos de queda à superfície da Terra 2.10. Satélites, Movimento circular e uniforme Unidade 2: 1.Comunicação de informações a curtas distâncias 1.1.Sinais 1.2. Som 1.3. Microfone e Altifalante

11º Ano 1.1. Tempo e tipos de relógios 2

 Tempo A medição do tempo faz-se, de uma maneira directa, através de relógios e de cronómetros. Todos os relógios possuem mecanismos para produzir oscilações regulares e outro mecanismo que os conta e que os converte para uma unidade de tempo.  Tipos de Relógios Relógios mecânicos: baseiam-se em oscilações de um pêndulo. Relógios de quartzo: os cristais de quartzo vibram quando submetidos a uma diferença de potencial, produzindo oscilações de frequências conhecidas. São mais precisos que os relógios mecânicos. Relógios atómicos: baseiam-se nas frequências das radiações emitidas ou absorvidas por certos átomos. São relógios de extrema precisão sendo por isso utilizados nos satélites. 1.2. Localização da Posição - Coordenadas Geográficas:

Longitude: coordenada baseada nos meridianos que nos dá a localização exacta de qualquer ponto no globo. Varia de 0º a 180º Oeste ou de 0º a 180 Este. Latitude: coordenada medida a partir da linha do Equador até aos pólos (norte ou sul). Varia de 0º a 90º Norte ou 0º a 90º Sul. Altitude: informa-nos a que altura nos encontramos em relação ao nível do mar. 1.3. GPS (Sistema de Posicionamento Global)

O GPS tem como funcionalidade determinar a posição de um determinado receptor que se encontra na superfície da Terra ou em sua órbita. Essa posição é dada através da Longitude, Latitude e Altitude. Para seu funcionamento utiliza 24 satélites, com as seguintes características: - Efectuam uma volta à Terra de 12 em 12 horas, logo tem um período de 12 horas. - Obtêm energia através de painéis fotovoltaicos. -Utilizam relógios de atómicos de alta precisão. 3

- Transmitem e captam ondas electromagnéticas na gama dos microondas. Essas ondas transportam dados referentes à posição e tempo.

Quantos Satélites são necessários para determinar a nossa posição? Em teoria são precisos 3. Mas na prática são utilizados 4. Os satélites enviam-nos sinais em instantes precisos. Esses sinais viajam à velocidade da luz e são captados pelo GPS. O tempo que decorre entre a emissão e a receptação do sinal permite calcular a distância entre o satélite e o receptor pela seguinte expressão: <=>

(velocidade instantânea) Qual a função do quarto satélite? É necessário um quarto satélite para sincronizar os relógios dos satélites e dos receptores de GPS. Aplicações do GPS - Navegação em zonas desconhecidas - Segurança de veículos como táxis (controlados através de uma estação que conhece a sua posição). - Detecção de localizações em situações de emergência accionando os trajectos mais curtos.  Repouso e Movimento Um corpo encontra-se em repouso se a sua posição não se alterar ao longo do tempo em relação a um dado referencial. Um corpo encontra-se em movimento se a sua posição variar ao longo do tempo em relação a um dado referencial. 1.4. Localização da posição (coordenadas cartesianas) Posição – Referencial Cartesiano Sistema de eixos ligados a um objecto e encontra-se em repouso em relação a ele. Para o estudo dos movimentos à superfície da Terra pode-se ignorar a curvatura dessa superfície, considerando-a plana. Assim, em vezes

4

de usarmos coordenadas geográficas utilizamos coordenadas cartesianas (w, y e z). Trajectória É um conjunto de sucessivas posições ocupadas por um corpo ao longo do tempo. As trajectórias podem ser rectilíneas ou curvilíneas.

Exemplo de Movimento:

Trajectória Curvilínea Trajectória Rectilínea

1.5. Gráficos Posição - Tempo para Movimentos Rectilíneos

-40 50

0

10

30

- O carro move de A para B, de seguida de B para C e por fim de C para D. NOTA: Os gráficos posição-tempo não representa a trajectória de uma partícula. Nestes tipos de movimento o vector v tem direcção cte, pelo contrário nos movimentos curvilíneos o v varia a sua direcção ao longo do movimento.

 Gráficos posição-tempo

50 m= - 10 = 6,7 5 y2 - y1 = 50

10

x2 - x1

6-0

-30 Conclusão: - Quando x(t) é crescente - Quando x(t) é decrescente - Quando x(t) é constante Sentido positivo (+) Sentido negativo (-) Repouso

x

x

T1

T1 t(s)

t(s) Mínimo: inversão de

Máximo: inversão de Sentido (+ para -) sentido (- para +)

1.6. Distância percorrida sobre a trajectória e deslocamento

-10 0 20 Deslocamento: x= xf – xi=-10-0= -10m Distância: S=|20-0|+|-10-20|=20+30=50m -Deslocamento: Grandeza vectorial que indica como varia a posição (+,-,0) x= xf-xi -Distância: Medida do percurso ao longo de uma trajectória. É uma grandeza escalar e é sempre positiva. S= | x1|+| x2|+… Espaço percorrido: caminho ou percurso efectuado por um corpo.  Rapidez média e velocidade média

6

Rapidez média: Grandeza escalar positiva que define a distância percorrida por um corpo num dado intervalo de tempo. Rm = S

Velocidade média: Grandeza vectorial que Indica se um corpo se desloca mais ou menos num determinado intervalo de tempo. Vm= x Exemplo:

-10 Rm ? S = |10-0|+|-10-10|= 30m 0=-10m Rm= S/ t = 30/2 =15m -10/2=-5m/s

0

10 Vm ? x= xf-xi= -10Vm= x/ t =

1.7. Velocidade  Velocidade Instantânea ou velocidade Velocidade: define-se num dado instante. É uma grandeza vectorial tangente à trajectória, que aponta no sentido do movimento e cujo módulo indica a rapidez do movimento. Trajectória Rectilínea Trajectória Curvilínea

7

NOTA: a velocidade é um vector tangente à trajectória.

v1 v2 v1= 80Km/h 1.8. Velocidade e gráficos Posição-Tempo x

v2=120Km/h

t V= Vm = x/ t velocidade é igual ao declive posição-tempo.  Gráficos velocidade-tempo (v=0, indica inversão de sentido) - O valor da da recta ao gráfico

v2 positivo C sentido negativo A

v1 B

v>0 – sentido v<0 –

1.9. Gráficos Posição-Tempo

8

 Cálculo de deslocamentos a partir de gráficos v=v(t) V(m/s) V(m/s)

t

x

t x = xf-xi NOTA: só com gráficos velocidade-tempo é que se calcula a área.  Representação de forças

Superfície com atrito Superfície com atrito

9

Corpo a cair Corpo suspenso 2.Da Terra à Lua

Corpo atirado ao ar

2.1. Interacções à distância e de contacto

Forças

Contacto Distância: -Força Magnética (íman) -Forças Gravítica (devido à massa) -Força eléctrica.

2.2. Forças fundamentais da Natureza  As quatro interacções fundamentais da Natureza Nuclear Forte 10 m Interactua entre quarks Electromagn ética Sem limites Interactua entre todas as cargas eléctricas Mantém os átomos agregados uns aos outros 10 Nuclear Fraca 10 m Interactua entre electrões É responsável pela radioactivida de 10 Gravitacion al Sem limites Interactua entre as massas de todos os corpos Mantém os planetas nas suas órbitas 10

Alcance Interacção

Efeito Intensidade

Mantém a agragação nuclear 1

2.3. Pares acção-reacção e 3º lei de Newton  Pares acção/reacção ou 3ª lei de Newton Características: -Têm a mesma intensidade; -Têm sentidos opostos; -São aplicados em corpos diferentes; -Resultam da mesma interacção. 3ª lei newton: quando um corpo exerce uma força sobre outro, este exerce também sobre o primeiro uma força de igual modulo e direcção, mas de sentido contrário, ou seja, FA/B=-FA/B. Exemplo:

10

Sul Norte Norte F F A

Sul

B

Forças de contacto Forças à distância

2.4. Lei da Gravitação Universal

 Lei da Gravitação Universal Dois corpos atraem-se exercendo, cada um sobre o outro, uma força directamente proporcional às suas massas e inversamente proporcional ao quadrado da distância que os separa, isto é,

Fg =

GMm d2

Fg – intensidade da força gravítica (N) M e m- massa dos corpos que interactuam (Kg) d- distancia existente entre os centros de massa dos corpos (m) G – constante de gravitação universal (6,67x10 Nm/kg)

Terra Lua

M

m

NOTA: a lei da gravitação universal descreve a atracção existente entre todos os corpos com massa, em qualquer sítio do universo. 2.5. Efeito das forças sobre a velocidade  Efeito das Forças Sobre a Velocidade Uma força provoca sempre uma variação na velocidade. 11

F F

vA vB A A B

vB

vA

B

-No movimento rectilíneo, se a velocidade for nula, a força exercida faz mover o corpo; -Se a força e a velocidade tiverem a mesma direcção, há uma variação no modulo da velocidade; -Se tiverem o mesmo sentido aumenta o módulo da velocidade; -Se tiverem sentidos opostos, o modulo da velocidade diminui.

Fy velocidade

vB

F=Fy+Fx Altera o valor da Altera a direcção

Fx do movimento

-No movimento curvilíneo se a força e a velocidade não tiverem a mesma direcção, a força faz alterar a direcção da velocidade; -A componente da força em X dá-nos a direcção da velocidade; -A componente da força em Y dá-nos a variação do módulo do v.

-Uma força que actua numa
direcção perpendicular á da velocidade, altera apenas a direcção do movimento. V= cte (movimento circular)

2.6. Aceleração  Aceleração média 12

É uma grandeza que mede a variação da velocidade em valor, em direcção e sentido.

∆v am = ∆t

A.

V>0

(sentido positivo)

tem o mesmo sinal, logo a velocidade aumenta tem o mesmo sinal, logo a velocidade

Am > 0 (sentido positivo) aumenta

B.

V> 0 (sentido positivo/negativo) a velocidade diminui Am< 0 têm os sinais contrários logo

V< 0 sentido negativo Am< 0 V aumenta V< 0 sentido negativo Am> 0 V diminui

Nota:  Se a aceleração média e a velocidade tem o mesmo sentido, então o movimento é rectilíneo acelerado.  Se a aceleração média e a velocidade tem sentidos opostos, então o movimento é rectilíneo retardado.

13

Aceleração: grandeza associada á variação da velocidade num dado intervalo de tempo. o movimento rectilíneo pode ser acelerado ou retardado.

v

v

(Aa > 0) (Ab < 0)

Aceleração: é o declive da recta tangente ao ponto em gráficos v=v(t)

∆v am = ∆t

A. V > 0 / A > 0 aumenta (acelerado) B. V > 0 / A < 0 diminui (retardado) C. V < 0 / A < 0 aumenta (acelerado) D. V < 0 / A > 0 diminui (retardado

V V V V

-Movimento rectilíneo -Movimento rectilíneo uniformemente acelerado (a = 0 m/s)

- Movimento rectilíneo uniformemente retardado uniforme

v1 v2

v2

v1

14

a=0 a=0

a = 0 porque a direcção da a=0 velocidade está a variar. - No movimento curvilíneo a aceleração nunca tem direcção da V.

2.7. 2º Lei de Newton  2º Lei de Newton A aceleração adquirida por um corpo é directamente proporcional à intensidade da resultante das forças que actuam sobre esse corpo, tem a direcção e o sentido da força resultante e é inversamente proporcional à massa.

a1 a2 a3

Fr = m a

F=mxa 15

Fr = m x a 2.8. 1º Lei de Newton  1º lei de Newton Se um corpo está em repouso, há-de permanecer em repouso. Se um corpo está em movimento, há-de continuar em movimento c/ movimento rectilíneo uniforme. Nota : quanto maior é a massa, maior é a inércia (a massa influencia a inércia).

Fr = 0 => a = 0 =>

V = cte ; Mov. Rect

2.9. Movimentos de queda à superfície da Terra  Leis do Movimento v x a

t t

t

-Movimento Rectilíneo Uniforme: v é cte, logo a aceleração é nula.

x = x0 + vt
Lei das posições para este movimento -Movimento Rectilíneo Uniformemente variado: Acelerado: v aumenta; a>0 (positiva) Retardado: v diminui; a<0 (negativa)

v

a

v

16

t t

t

Lei do Movimento

1 x = x0 + v0t + at 2 2

v = v0 + at

ou

V =V +2a

x

Lei das velocidades

 Lançamento na vertical com resistência do ar desprezável

Fg

Fg =

GMm d2

Terra Nota: um corpo sujeito apenas a força gravítica é designado para grave e diz-se em queda livre. Subida

1 y = y0 + v0t − gt 2 2

v = v0 − gt

Lei das posições Lei das velocidades

17

Descida

a = −g

Lei da aceleração

 Lançamento na horizontal  Lançar um corpo na horizontal significa imprimir-lhe uma velocidade inicial na horizontal  Um lançamento horizontal é uma composição de dois movimentos, um movimento uniforme na direcção horizontal é um movimento uniformemente variado na direcção vertical.  Num movimento horizontal só há velocidade inicial na direcção horizontal.

- Num lançamento na horizontal, a função x(t) na direcção horizontal pode ser escrita como :

- Num lançamento na horizontal, a função v(t) na direcção horizontal pode ser escrita como:

- Num lançamento horizontal, a função v(t) na direcção vertical pode ser escrita como:

18

-Num lançamento horizontal, a função y(t) na direcção vertical pode ser escrita como:

 Queda com resistência do ar não desprezável

-Movimento de queda e subida de corpos sujeitas apenas à Fg :  São uniformemente variadas: o módulo da aceleração gravítica, g, é constante.  São uniformemente retardadas na subida (por cada segundo a velocidade diminui de 9.8 m/s) e uniformemente aceleradas a descida (por cada segundo a velocidade aumenta 9,8)  As funções y(t) e v(t) são :

1 y = y0 + v0t − gt 2 2

v = v0 − gt

Pára – quedas

(A) P> Rar A V aumenta, logo a Rar também aumenta. Fr = P-Rar = 0

(B) P= Rar 1ª V terminal

(C) P< Rar A Rar> P

(D) P= Rar 2º V teminal

Fr=0 19

Fr = 0 e como Fr

Fr = 0;

Movimento Acelerado Não é uniforme/ não é cte.

Movimento rectilíneo uniforme (V costante)

se opõe ao movimento a V é menor ; a Rar também dimiunui Movimento retardado

Movimento rectilíneo uniforme (V constante)

Velocidade terminal: velocidade atingida por um corpo em queda quando o peso e a força de Rar se equilibram.  Lançamento na horizontal com Rar desprezável

Um lançamento horizontal é uma composição de dois movimentos,  Movimento uniforme, na direcção horizontal.  Movimente uniformemente variado, na direcção vertical

Segundo o eixo dos xx

Segundo o eixo dos yy

- Lançar um corpo na horizontal significa imprimir-lhe uma velocidade inicial (Vo) na horizontal. - Neste movimento só existe Vo segundo o eixo dos xx.

 Nota: Quanto maior for a velocidade inicial, maior será o alcance.

20

-Equações paramétricas do movimento / lei das posições

-Componente escalar do vector velocidade

-Valor da velocidade num dado instante

- Ângulo que o vector velocidade faz com a horizontal num dado instante.

 chegam ao chão ao mesmo tempo  O tempo de queda é independente da massa do corpo.

 Quanto maior a Vo, maior será o alcance. 21

Caem ao mesmo tempo

2.10. Satélites, Movimento circular e uniforme  Satélite geostacionário Descreve um movimento circular uniforme com um período igual a 24horas numa orbita equatorial. T=24H Movimento circular uniforme Direcção da V varia Terra mas, V é cte Fr = 0 ; F = m x a ; F = m x an V varia -> an = 0

Modulo: Direcção: radial Sentido: aponta sempre para o centro da trajectória.

v2 ac = ou ac = ω 2 R R

22

Determina a h da superfície da terra ao satélite.

 Movimento circular uniforme Características: Trajectória circular; Velocidade variável com módulo constante; Força resultante (chamada força centrípeta) também sempre; Período do movimento (T): tempo de uma rotação completa; Frequência do movimento (F): numero de rotações por unidade de tempo;  Velocidade angular (w): o ângulo descrito por uma unidade de tempo;  Módulo da aceleração (ac).      Satélite geostacionário é um artificial que:  Orbita em torno da terra.  Descreve uma trajectória circular constante.  Acompanha o movimento da terra com velocidade de módulo constante, direcção tangente a trajectória e sentido de oeste para este.  Demora 1 dia, (24horas) a completar uma volta em tono da terra.  Tem movimento circular uniforme. Os satélites geostacionários são utilizados para:  Comunicação  Observação do planeta para investigação e meteorologia  Determinação de posição Velocidade linear (V) : é constante em valor, sendo a sua direcção tangente á circunferência em qualquer ponto.

v=

2π R ou v = ωR T

-> Expressão que relaciona a 23

velocidade linear com a velocidade angular.

Velocidade angular (w) : é a grandeza que mede a rapidez a que os ângulos são descritos.

ω=

∆θ ∆t

Período do movimento (t): é o tempo de duração de uma volta completa (SI: segundos)

T=

1 f

Frequência (Hz): é o numero de voltas que um corpo executa em cada unidade de tempo (SI: Hz)

T=

1 f

f=1

Aceleração centrípeta :

v2 ac = ou ac = ω 2 R R

v=

2π R ou v = ωR T

ω=
-> Para uma volta completa 24

2π ou ω = 2π f T

1.UNIDADE 2 – Comunicações (comunicação de informação a curtas e longas distancias) 1.1.Sinais

Comunicação de informação – a forma escolhida para comunicar depende da distancia entre a fonte sonora e o receptor.  As curtas distâncias: a informação é transmitida através de uma onda sonora, para fazer chegar a onda sonora podem se utilizar altifalantes e microfones.  As longas distâncias: a informação sonora e transmitida através de ondas electromagnéticas. A comunicação por rádio, Tv e telemóveis propaga-se sob a forma de luz (radiação) e é enviada e recebida por antenas. Processo de comunicação:

FONTE (emissão)>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> RECPTOR (recepção)

Sinal: é uma perturbação de qualquer espécie que é usada para (comunicar) transmitir uma mensagem ou parte dela. Um sinal encontra-se no tempo e no espaço.

 Propagação de um sinal : ondas Ondas: propagação de uma perturbação Exemplo: sequência de pulsos numa corda. Existe: Energia potencial: devido ao afastamento das partículas em relação a sua posição de equilíbrio. Energia cinética: devido ao movimento (há transferência de energia de um local para o outro. Assim, uma onda transporta energia, mas não matéria.

25

 Natureza das ondas Ondas mecânicas: necessitam de um meio material (sólido, liquido e gasoso) para se propagarem (não se propagam no vazio). Há oscilações das partículas do meio. Exemplo: ondas sonoras, na água, sísmicas, na corda, SOM. Ondas electromagnéticas: não necessitam de um meio material para se propagarem. Propagam-se no vazio. Há oscilações de um campo magnético. Exemplo: radiação ultra violeta, LUZ.

 Nota: no espaço existem explosões mas não as ouvimos ao facto de não se propagarem no vazio, no entanto a luz do sol chega ate nós pois a radiação já se propaga. Ondas transversais: as partículas oscilam numa direcção perpendicular á direcção em que se propagam as ondas. Exemplo: ondas na água, ondas na corda, radiação electromagnética (LUZ).

Ondas longitudinais: as partículas oscilam na mesma direcção que se propagam as ondas. Exemplo: mola, ondas sonoras (som).

 Velocidade de uma onda

v=

s ∆t

 A velocidade de seja propaga-se  A velocidade da  A velocidade do

uma onda depende do meio em que se propaga (ou em diferentes meios e com velocidades diferentes). luz diminui com o aumento da densidade do meio. som aumente com o aumento da densidade do meio.

Onda periódica: a periodicidade no tempo está associada ao período (T) da onda. O período de uma onda só depende do período de emissão de fonte que produz o sinal. A periodicidade no espaço esta associada ao comprimento de onda( ).

26

Representação gráfica de ondas 1) Em função do tempo/ periodicidade temporal (t)

T – Período (S) F – frequência

A e B são pontos na mesma fase de vibração. Y – enlongamento (m) Y Max – amplitude (A) Y min – amplitude (-A) 2) em função da distancia / periodicidade espacial ( )

- Comprimento de onda A - Amplitude

Comprimento de onda ( ) : distancia que a onda avança ao fim de um período. Mede a periodicidade de uma onda no espaço. Amplitude (A): máximo afastamento na oscilação em relação à posição de equilíbrio. SI: metros. Período (T): intervalo de tempo entre a emissão de dois pulsos, mede a periodicidade da onda no tempo. Frequência (f): é o número de oscilações por unidade de tempo SI: Hz Velocidade (V): o módulo indica a rapidez com que se propaga a onda.

27

v=

λ T

v=

s ∆t

v=λ f

Fórmulas equivalentes da velocidade.

Formulas da (f) e do (t)

Sinal harmónico e onda harmónica A representação gráfica do deslocamento do corpo em relação á posição de equilíbrio é uma curva análoga à função seno ou co seno. Expressão da lei do movimento harmónico

y = A sin ( ωt )

(Y): elongações: posição das partículas em relação a posição de equilíbrio (m) (Ymax): A (Ymin): –A (A): amplitude da oscilação: a amplitude da onda está relacionada com a intensidade do sinal emitido. Um sinal é tanto mais intenso quanto > for a sua amplitude. (W): frequência angular: é a frequência da fonte que emite o sinal.

ω = 2π f

ω=

2π T

1.2. Som O som resulta da vibração de partículas de um dado meio material, criando zonas de maior densidade de partículas e outras de menor densidade.

28

 Produção e propagação de um sinal sonoro: - O som tem origem na vibração de um meio elástico; - O som propaga-se em meios líquidos, sólidos ou gasosos; - Propaga-se em todas as direcções; - Não se propaga no vazio; - A propagação do som ocorre devido às várias compressões e rarefracções do meio; - Nas compressões verifica-se um aumento de pressão ou de massa volúmica do meio; -Nas rarefracções verifica-se uma diminuição de pressão ou de massa volúmica do meio; - A onda sonora é uma onda mecânica porque o sinal sonoro necessita de um meio elástico para se propagar; - A onda sonora é uma onda longitudinal porque as várias compressões e rarefracções ocorrem na direcção da sua propagação; - Nas ondas sonoras ou em qualquer onda mecânica verifica-se a transferência de energia entre as partículas do meio elástico, mas não se verifica o seu transporte.

 Espectro sonoro … 0 Infra-sons Ultra-sons 20 Sons audíveis 20000

Frequência (Hz)

Deste modo criam-se :  Zonas de compressão – P> Patm  Zonas de rarefacção – P < Patm

A onda sonora é uma onda de pressão – o som propaga-se da esquerda para a direita: 29

-Num dado ponto a pressão varia periodicamente

 Atributos do SOM

Os sons são caracterizados através de: Altura: Está associada à frequência da onda sonora. A altura do som é a característica que permite distinguir sons agudos de sons graves. Em acústico, o primeiro chama-se som alto e o segundo baixo. A altura do som esta directamente relacionado com a frequência da onda sonora: um som é tanto mais alto quanto maior for a sua frequência. Os sons das notas musicais (do re mi fa sol la si) têm alturas diferentes, isto é, frequências diferentes.

A – som grave, frequência baixa B – som agudo, frequência alta

30

 Intensidade: está associada à amplitude da onda sonora. A intensidade do som é a característica que permite distinguir um som forte e um som fraco. A intensidade do som é proporcional ao quadro da amplitude e diminui com o aumento da distância entre o emissor e o receptor. Um som será tanto mais forte quanto > for a amplitude da oscilação.

Timbre : está associado à complexidade do som. Permite distinguir sons com a mesma intensidade e altura, mas produzidos por diferentes fontes sonoros. Exemplo. guitarra e clarinete, vozes. Alto/Agudo Fraca Altura (frequência) Forte Intensidade Baixo/Grave

 Sons puros e sons complexos Um som puro tem uma frequência bem definida. A forma de um som puro é a de uma função sinusoidal, ou seja, é uma onda sinusoidal harmónica.

 O diapasão é um instrumento que so produz um som fundamental, ou seja, um som sem harmónicos, o que o torna muito útil para afinar instrumentos. A sua nota de referencia é o Lá, cuja frequência é 440 Hz.

31

Um som complexo resulta da sobreposição de sons puros, combinação do som fundamental e dos seus harmónicos.

O som é um conjunto de oscilações sinusoidais. A de menor frequência e designada por frequência fundamental, as outras por harmónicas.

- O som é uma nota produzida por um instrumento musical, é a combinçao do som fundamental com os seus harmónicos. -O número de harmónicos e as suas intensidades relativas diferem de instrumentos para instrumento. Exemplo:  Do emitido por um piano  Do emitido por um clarinete -Têm timbres diferentes, mas têm a mesma frequência fundamental. 1.3. Microfone e Altifalante  Microfone (funcionamento): O sinal sonoro provoca: 32

- A vibração da membrana (devido à variação da pressão da onda sonora). -Oscilações da bobina que está ligada à membrana. -Variação do fluxo magnético do campo criado por um íman. Origina: -Corrente eléctrica no circuito da bobina Sinal eléctrico.

Nota: transforma um sinal sonoro em sinal eléctrico de baixa frequência (corrente alternada).

Converte: SINAL SONORO ELÉCTRICO  Altifalante (funcionamento): Sinal Eléctrico:

SINAL

- A corrente eléctrica proveniente do microfone passa na bobina do altifalante. Como a bobina está imersa num campo magnético criado por um íman, ela passa a vibrar. Origina: -Oscilações da membrana do altifalante SONORO Sinal Sonoro SINAL

Converte: SINAL ELÉCTRICO

 Campo Magnético: O campo magnético (B) é uma grandeza vectorial que se manifesta através da acção que exerce sobre ímans e correntes eléctricas. Unidade SI é o Tesla (T).

O vector campo magnético (B) é uma grandeza que caracteriza, em cada ponto, o campo magnético. -Linhas de campo magnético: são linhas imaginárias que permitem uma representação das características do campo magnético. -Propriedades das mesmas: - Apresentam maior densidade onde o campo é mais intenso;

33

-São tangentes em cada ponto ao vector campo magnético e têm o sentido deste; -São sempre linhas fechadas e não se cruzam; -Saem do pólo norte e entram no pólo sul.

A – Íman em barra B – Íman em forma de U C – Corrente eléctrica num fio condutor longo D – Solenóide (correntes circulares e paralelas) - O campo magnético criado entre os ramos de um íman em U ou no interior de um solenóide, uma bobina percorrida por uma corrente estacionária, são campos magnéticos uniformes. Estes dois campos são muito semelhantes, têm configurações iguais. (B-D) -As linhas de campo são circunferências concêntricas com o condutor em planos perpendiculares a este. (C) NOTA: no campo magnético uniforme, o vector campo magnético, é cte e as linhas de campo paralelas entre si.

 Campo Eléctrico Se numa região do espaço se faz a acção de uma ou mais cargas eléctricas, verifica-se a existência de campo eléctrico. -Características: -Grandeza vectorial; -É tanto mais intenso quanto maior for a carga eléctrica que o cria; -É radial, pois tem a direcção do raio que passa pelo ponto; -É centrípeto se a carga criadora é negativa e centrifugo se a carga criadora for positiva;

34

-Símbolo (E); -Unidade SI (V/m); -O campo criado por uma só carga é um campo de forças atractivas ou repulsivas. E Q>0 Fel

Fel Q<0

E

-Propriedades das linhas de campo: -São tangentes em cada ponto ao vector campo e têm o sentido destas; -O nº de linhas de campo é directamente proporcional à intensidade do campo eléctrico; -São linhas abertas com origem nas cargas positivas e termina nas negativas; -As linhas também nunca se cruzam.

-Num campo criado por várias cargas, as linhas de campo começam numa carga positiva e terminam numa carga negativa.

 Campo Eléctrico Uniforme (E=cte) Um campo eléctrico criado entre duas placas paralelas e condutoras com cargas de sinais opostos é um campo eléctrico uniforme. O vector campo eléctrico é constante e as linhas de campo são paralelas entre si, estão dirigidos da placa + para a placa menos.

35

 Força electromotriz induzida Fluxo magnético através de uma ou de várias espiras: o fluxo magnético, através de uma superfície plana está associada ao número de linhas de campo. Oersted: “Uma corrente eléctrica consegue criar um campo magnético.” Fontes de campo magnético: - ímans - Corrente eléctrica Faraday: “Se uma corrente eléctrica consegue criar um campo eléctrico, será que um íman consegue criar um campo eléctrico? ” Faraday comprovou experimentalmente a sua hipótese. Fontes de campo magnético: - cargas eléctricas - Campos magnéticos variáveis  Fluxo magnético: Grandeza física relacionada com o nº de linhas de campo que atravessa uma determinada área e que, por definição, é o produto da intensidade (B) do campo, pelo valor da área (A) e pelo co-seno do ângulo:

u r φ = B A cos ( θ )
- Fluxo magnético, unidade SI é o webber (wb) B - Intensidade do campo magnético. A – Área(m2) NOTA: o fluxo magnético é o produto da intensidade do campo magnético que atravessa perpendicularmente a espira, pela área de superfície plana. O fluxo magnético pode alterar-se. Depende da: 36

-Área da espira; -Ângulo que a normal à superfície faz com B; -Intensidade do campo magnético. -Fluxo magnético é máximo quando: A superfície é perpendicular ao campo e paralela à normal, ou seja, alfa=0.

n

cos

=0

-Fluxo magnético é mínimo quando: A superfície é paralela ao campo e perpendicular à normal, ou seja, =90.

n cos =90 Fluxo magnético TOTAL: Atravessa a bobina constituída por N espiras todas iguais.

φt = Nφ
 Indução Electromagnética Quando o campo magnético, que atravessa uma espira condutora eléctrica varia verifica-se a produção de uma corrente eléctrica (corrente induzida). Esta corrente eléctrica é produzida por indução magnética. A indução electromagnética consiste na produção de corrente eléctrica através da variação do fluxo magnético que atravessa uma espira.

O fluxo magnético que atravessa uma espira varia se: -Um íman se mover no interior de uma espira; -A espira se mover na região do campo magnético.

37

-A intensidade da corrente eléctrica induzida aumenta com a rapidez com que o campo magnético varia.

Lei de Faraday

ε =

∆φ ∆t

Ei – força electromotriz induzida, unidade SI (volt - V). - Variação do flxo magnético. - Intervalo de tempo.

38