You are on page 1of 5

Licença de uso exclusivo para Target Engenharia e Consultoria S/C Ltda.

Cópia impressa pelo sistema CENWin em 20/08/2001

DEZ 1984

NBR 8674

ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas
Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 - 28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (021) 210 -3122 Fax: (021) 240-8249/532-2143 Endereço Telegráfico: NORMATÉCNICA

Execução de sistemas fixos automáticos de proteção contra incêndio com água nebulizada para transformadores e reatores de potência

Procedimento Origem: Projeto 00:001.03-013/1982 CB-24 - Comitê Brasileiro de Segurança contra Incêndio GT-25 - Grupo de Trabalho de Proteção contra Incêndio em Transformadores Incorpora Errata nº 1, de ABR 1986 Palavras-chave: Incêndio. Transformadores. Reatores. Água nebulizada 5 páginas

Copyright © 1984, ABNT–Associação Brasileira de Normas Técnicas Printed in Brazil/ Impresso no Brasil Todos os direitos reservados

SUMÁRIO
1 Objetivo 2 Documentos complementares 3 Definições 4 Condições gerais 5 Suprimento de água 6 Componente, projeto e instalação dos sistemas 7 Inspeção

3.2 Área do prisma envolvente Área correspondente à soma das áreas das faces superior e laterais de um prisma retangular que envolve o equipamento, exceto as buchas. 3.3 Bico de nebulização Dispositivo de orifício fixo normalmente aberto, para descarga de água sob pressão, destinado a produzir neblina de água com forma geométrica definida. 3.4 Controle de combustão Aplicação de água nebulizada sobre o equipamento ou área onde ocorrer um incêndio, para controlar a combustão e limitar a liberação do calor até que o fogo seja extinto. 3.5 Descarga não efetiva Parte da descarga dos bicos de nebulização que não tem efeito na superfície a ser protegida, devido a certos fatores como vento ou pressões inadequadas de água. 3.6 Distância elétrica Distância mínima em linha reta entre partes energizadas expostas de um equipamento e partes metálicas do sistema fixo de água nebulizada. 3.7 Impingimento Colisão de gotículas de água projetadas diretamente de um bico de nebulização sobre uma superfície.

1 Objetivo
Esta Norma fixa as condições exigíveis para o projeto, instalação, manutenção e ensaios de sistemas fixos automáticos de água nebulizada para proteção contra incêndio de transformadores e reatores de potência.

2 Documentos complementares
Na aplicação desta Norma é necessário consultar: NBR 7195 - Norma de cor na segurança do trabalho Procedimento NFPA 15 - Water spray fixed systems for fire protection

3 Definições
Para os efeitos desta Norma são adotadas as definições de 3.1 a 3.13. 3.1 Anel de distribuição Parte da tubulação que circunda o equipamento protegido, na qual estão conectados os bicos de nebulização.

8 Nebulização Formação de neblina constituída de finas gotículas de água não contínuas. 3. 4 Condições gerais 4. para a tensão nominal de 138 kV. b) extinção de incêndio. destinado à proteção contra incêndio.9 Proteção contra exposição Aplicação de água nebulizada sobre estrutura ou equipamentos próximos ao equipamento em chamas. de acionamento manual ou automá- tico.13 Válvulas dilúvio Válvula de descarga de água sob pressão de abertura total. 4. válvulas dilúvio.2 Reservatório de água A capacidade do reservatório de suprimento de água deve permitir manter uma descarga de água para o maior risco isolado nos valores de projeto de vazão e pressão. 3.12 Taxa de descarga Vazão de água por unidade de área a proteger. Cópia impressa pelo sistema CENWin em 20/08/2001 NBR 8674/1984 3. para limitar a absorção de calor a um nível que evite danos. destinada a permitir o fluxo de água para os bicos de nebulização. normalmente fechada.5 34. b) Quando a tensão suportável de impulso atmosférico não for disponível. deverão ser aumentadas em 1% para cada 1000 m. 3. por um tempo mínimo de 30 min. c) proteção contra exposição.2 O sistema deve ser operável automaticamente e provido de meios para operação manual.10 Sistema automático de detecção Conjunto de dispositivos destinados a detectar calor. d) controle de combustão. falhas e a propagação do incêndio.11 Sistema de água nebulizada Sistema de tubulações fixas conectadas à fonte confiável de água.4 145 145 Tensão suportável nominal de impulso atmosférico kV (eficaz) 60 95 110 125 150 150 200 250 350 450 550 650 Distância elétrica mínima mm 90 160 200 220 280 280 380 480 700 900 1100 1300 Notas: a) As distâncias elétricas são válidas para altitudes até 1000 m. Por exemplo. fumaça e a ativar dispositivos de sinalização. 3. 5 Suprimento de água 5. ativada por um sistema automático de detecção.8 25. Para altitudes superiores.8 38 38 48.1 O sistema de água nebulizada pode ser utilizado com os seguintes propósitos: a) prevenção de incêndio. 3.1 Geral A água para alimentação do sistema deve ser livre de corpos estranhos e não deve apresentar características agressivas. .Distâncias elétricas mínimas para equipamentos de tensão máxima de operação igual ou inferior a 145 kV Tensão nominal do sistema kV (eficaz) 23 23 34.2 Licença de uso exclusivo para Target Engenharia e Consultoria S/C Ltda.3 A distância elétrica não deve ser menor que os valores das Tabelas 1 e 2. usar distância elétrica de 1300 m. 4. chama. Tabela 1 .5 46 69 88 138 138 Tensão máxima de equipamento kV (eficaz) Até 7. instrumentos e dispositivos de comando e sinalização.3 72. deve-se utilizar o maior valor da distância elétrica para a classe de tensão. 5.2 15 15 25.5 92. alarme e equipamentos de proteção. expressa em metros cúbicos por hora por metro quadrado (m3/h/m2). por meio de nebulização de água. equipado com bicos de nebulização.

2 Taxa de descarga 6.NBR 8674/1984 Licença de uso exclusivo para Target Engenharia e Consultoria S/C Ltda.0 a 18.2 As bases desses equipamentos. o abastecimento dos demais não fique prejudicado. 1425 1425. Para altitudes superiores. deve-se utilizar o maior valor da distância elétrica para a classe de tensão. quando não existirem bacias de contenção. .2 Devem ser previstos meios para isolar qualquer dos de transformadores e reatores de potência deve estar situada na faixa de 0. pode-se considerar como área efetivamente protegida a soma das áreas dos prismas envolventes do corpo desse equipamento. 5.2. para a tensão nominal de 230 kV. Por exemplo. carga deve ser a mais uniforme possível. deverão ser aumentadas em 1% para cada 1000 m. 6. b) reservatório provido de estação de bombeamento. devem ser protegidas com uma taxa de descarga mínima de 0. de seus componentes e acessórios. projeto e instalação dos sistemas 6. 5. 6.1 m3/h/m2 (10. Cópia impressa pelo sistema CENWin em 20/08/2001 3 Tabela 2 .1 Normas Os casos não especificamente cobertos por esta Norma devem obedecer à norma NFPA 15.6 a 1.1 A taxa de descarga média a ser utilizada na proteção zada deve ser feito por uma fonte confiável. considerando-se esta como a área do prisma envolvente.1 O suprimento de água para os sistemas de água nebuli- 6. 6 Componentes.0 L/min/m2). até que se publique normas brasileiras específicas sobre a matéria. 1950 Distância elétrica mínima mm 1400 1400 1500 1600 1700 1800 1700 1800 1900 2200 2600 2600 3100 3600 2600 3100 3600 4200 3600 4200 4900 Notas: a) As distâncias elétricas são válidas para altitudes até 1000 m.2.3 Suprimento de água 5. 1425 1425 1300 1300.2.36 m3/h/m2 (6. associado ou não a um tanque hidropneumático. usar distância elétrica de 1800 mm.3 L/min/m2) de área efetivamente protegida.2. 1175 1175 1300 1300.3. 1550 1550 1550 1550.3. b) Quando as tensões suportáveis de impulso de manobra ou atmosférico não forem disponíveis. tal como: a) reservatório de alimentação por gravidade. 1800 1800. 6.4 Em qualquer dos casos acima a distribuição da des- sistemas para que.Distâncias elétricas mínimas para equipamentos de tensão máxima de operação entre 145 kV e 800 kV Tensão nominal do sistema kV (eficaz) Tensão máxima do equipamento kV (eficaz) Tensão suportável nominal de impulso de manobra kV (crista) 550 650 230 242 650 750 750 850 750 850 345 362 850 950 1050 1050 440 460 1175 1300 1050 500 550 1175 1300 1425 1300 750 800 1425 1550 Tensão suportável nominal de impulso atmosférico kV (crista) 750 750 850 850 950 950 950 950 1050 1050.3 Nos casos de equipamentos com formatos não convencionais (por exemplo: transformadores ou reatores de potência com radiadores horizontais). em caso de manutenção de um deles.

b) de fumaça (somente em locais abrigados e fechados). 6. devem identificar qualquer princípio de fogo. 6.5 A tubulação deve ser dimensionada para suportar a pressão de operação do sistema e para resistir: a) vazia.3.1 Para evitar danos às buchas energizadas. Admite-se a fixação por soldagem. com sistema próprio de pressurização.6 Toda tubulação deve ser diretamente aterrada na malha de terra.8 Sistema automático de detecção. 6. mesmo em caso de incêndio. para siste- 6. Os parafusos da tampa do tanque do equipamento podem ser usados para fazer a fixação. a água nebulizada não deve atingir estes equipamentos com impingimento direto.3.4 Licença de uso exclusivo para Target Engenharia e Consultoria S/C Ltda.7. o sistema deve ser constituído segundo uma das seguintes opções: a) uma ou mais bombas acionadas por motores Diesel.3).3 A válvula dilúvio deve ser isolada por válvulas-gaveta.4 As válvulas dilúvio devem ser de abertura total e perma- caminhamento por cima do equipamento protegido. c) de chama.6 Filtros Toda tubulação principal de sistema de água nebulizada deve ser provida de filtros que permitam sua limpeza sem prejudicar o funcionamento do sistema. quando o diâmetro do orifício do bico for inferior a 3. os suportes da tubulação do sistema automático de detecção devem ser aparafusados e/ou simplesmente apoiados à carcaça do equipamento protegido. mas fixos automáticos de água nebulizada. os motores Diesel podem ser substituídos por motores elétricos. 6. 6.8.2 A válvula dilúvio deve estar tão perto quanto possível do equipamento protegido.3 Os detectores devem ser selecionados para suportar 6.3 O diâmetro da tubulação deve ser tal que: necer abertas enquanto durar o fluxo de água. 6. o tanque hidropneumático é opcional. com capacidade para no mínimo 3 min de descarga nas condições de projeto.7 Estação de bombeamento a) a perda de carga máxima no sistema permita uma pressão residual.1 A tubulação dos anéis de distribuição não deve ter seu bulação seja necessário entre essa válvula e os anéis de distribuição. Não devem ser utilizadas conexões com guarnições feitas de material deteriorável pelo calor.3. 6.3.2 Os manômetros devem ter limite máximo de operação ou galvanizada.4 A tubulação dos anéis de distribuição deve ser zincada 6.7. à exposição ao fogo por no mínimo 2 min.7 Os suportes devem ser dimensionados e localizados considerando-se também os esforços mecânicos devidos às ondas de choque e vibração nos anéis de distribuição. devendo ser observadas as distâncias elétricas exigidas (ver 4. não inferior a duas vezes a pressão de operação do sistema. Essa localização deve permitir sua operação rápida e segura.3 Tubulação e suportes 6.3. b) uma ou mais bombas principais acionadas por motores elétricos com capacidade total igual a 100% da capacidade de projeto. de haste ascendente. de modo que um mínimo de tu- as flutuações normais de temperatura sem causar operações intempestivas do sistema. 6.5 Válvulas 6.4. Cópia impressa pelo sistema CENWin em 20/08/2001 NBR 8674/1984 6.2 mm. sinalização e alarme 6.4. 6.5. 6.4 Bicos de nebulização 6. que atenda à taxa de descarga prevista. 6. c) à pressão do vapor gerado após a admissão de água no seu interior. a fim de permitir o combate automático e imediato de incêndio no equipamento protegido.5. e uma bomba pressurizadora acionada por motor elétrico. salvo quando autorizado pelo fabricante ou pelo proprietário do equipamento protegido. Neste caso.1 Todas as válvulas devem ser localizadas de modo a serem facilmente acessíveis para operação e manutenção.2 Sempre que possível. 6. Nota: No caso de disponibilidade de fonte confiável de energia elétrica. b) a bruscas variações de temperatura. com capacidade total igual a 100% da capacidade de projeto e um tanque hidropneumático completo.1 Os equipamentos de detecção automática.2 Cada bico de nebulização deve ser dotado de filtro individual que retenha partículas que possam provocar seu entupimento. 6.3. uma ou mais bombas reserva acionadas por motores Diesel.8. 6.10).5.8. sempre que possível. 6. no bico de nebulização mais desfavorável.5. com capacidade total igual a 100% da capacidade de projeto. O tempo de abertura deve ser compatível com o tempo de atuação do sistema (ver 6. . 6. que deve ser evitada.2 Podem ser utilizados os seguintes tipos de detectores: a) de calor.1 Quando for necessário bombear a água.3. b) permita uma correta distribuição dos esforços dinâmicos nos anéis de distribuição devido à velocidade de escoamento da água.

falta de energia.2 Os ensaios de operação devem incluir o sistema de detecção de incêndio. e após terem sido feitas as interligações. a fim de verificar a adequacidade do suprimento de água em termos de vazão e pressão. sendo que: a) o tempo máximo de atuação do sistema de detecção deve ser de 20 s. 6. e os trechos aéreos da tubulação devem ser lavados separadamente antes de serem interligados. os seguintes eventos: a) atuação do sistema de detecção por equipamento protegido.1 O sistema. Os sistemas que dependem de circuitos e componentes elétricos devem ser projetados de modo a estarem sempre energizados. b) o tempo máximo de atuação da válvula dilúvio deve ser de 10 s. os demais permaneçam em operação. canaletas e drenos subterrâneos ou de superfície.8. a fim de remover materiais estranhos e resíduos que possam interferir no fluxo de água. deve ser ser de forma que ele esteja sempre energizado. 6. instalado em local assistido ou de ocupação permanente. 6. no mínimo.9 Deve ser previsto também um alarme sonoro local do submetido a ensaios de escoamento com o objetivo de se verificar: a) o correto posicionamento dos bicos de nebulização. b) supervisão do sistema.3.11 Pintura A pintura de acabamento dos componentes do sistema fixo de água nebulizada deve ser em vermelho.10 Tempo de atuação do sistema O tempo máximo de atuação do sistema até o início do fluxo de água nos bicos de nebulização deve ser de 40 s. 6.1 Toda a tubulação deve ser lavada com água antes de equipamento (um banco de transformadores.2 Os trechos subterrâneos. se um deles for desativado. 7.3 Ensaios de escoamento 7.1. para garantir a confiabilidade de operação. Devem ser sinalizadas falhas como detector defeituoso. mente devem ser ensaiados ao mesmo tempo. 7. de modo a identificar imediatamente qualquer princípio de incêndio em qualquer parte dos mesmos. após ensaiado hidrostaticamente. ser ensaiada.6 Quando um sistema de detecção atende a mais de um 7 Inspeção 7. c) acionamento das bombas de incêndio (manual ou automático). Cópia impressa pelo sistema CENWin em 20/08/2001 5 6.1 Todos os componentes do sistema devem ser rigoro- samente ensaiados operacionalmente. comandado pela válvula dilúvio e/ou pelo sistema de detecção.4. Os trechos subterrâneos devem ser ensaiados separadamente antes de serem interligados ao restante da tubulação e antes do reaterro das valas.8. inclusive os anéis de distribuição.5.8 A alimentação elétrica do painel de sinalização deve 7. toda a tubulação deve ser lavada com água à vazão de projeto do sistema.NBR 8674/1984 Licença de uso exclusivo para Target Engenharia e Consultoria S/C Ltda. devem ser previstos meios para isolar o circuito de cada um desses equipamentos.1.5 Os sistemas automáticos de detecção devem ser su- pervisionados. 6.1 Lavagem da tubulação 7. O dimensionamento do sistema de drenagem deve levar em conta a operação de todos os sistemas projetados para operar simultaneamente bem como a água de superfície.8. para a drenagem da água e do óleo isolante na área do fogo. a geometria da descarga e a eventual existência de obstáculos que interfiram com a descarga. 7.4 Os equipamentos de detecção deverão circundar os 6. 7. para indicar. 6. A sinalização deve ser por meio de um alarme sonoro comum e um alarme visual (luz indicativa) para cada evento. Os bicos de nebulização devem ser removidos antes de ser feita a limpeza. f) posição da válvula de bloqueio fora da posição totalmente aberta. 7. circuito interrompido. e) posição da válvula dilúvio (armada ou desarmada). de modo que.8.1.3 Antes de efetuados os ensaios de escoamento e recolocados os bicos de nebulização. conforme 6. 7.2 Ensaios hidrostáticos Toda a tubulação. deve ser ensaiada hidrostaticamente com água a uma pressão mínima igual a 1. alarme e sinalização.8.9 Drenagem Devem ser previstas bacias de contenção.8. como a casa ou sala de controles. antes de serem enterrados.4 Ensaios de operação 7.7 Deve ser previsto um painel central de sinalização. b) a relação entre a vazão real e a vazão de projeto.3. . d) defeito e/ou falta de energia no sistema de atuação das bombas.5 vez a pressão de projeto do sistema. por exemplo). 6.4. baixa pressão de ar ou água.2 Todos os sistemas projetados para operar simultanea- tipo sirene ou gongo hidráulico. equipamentos a serem protegidos.8. conforme a NBR 7195.