You are on page 1of 63

1

1. INTRODUÇÃO

O Microsoft Office Excel é uma planilha eletrônica. Trata-se de um tipo de


programa de computador originado das planilhas de contabilidade programadas
em computador com o objetivo de efetuar cálculos matemáticos e estatísticos,
mas com o tempo estas planilhas evoluíram se mostrando uma poderosa
ferramenta matemática, pois esta se utiliza de tabelas - para a realização de
cálculos ou exibição de dados - o que facilita o cruzamento desses dados
permitindo uma vasta gama de aplicações e a realização de complexos cálculos.
Hoje se tornou uma das favoritas ferramentas de cientistas e engenheiros,
devido a sua facilidade de uso e sua capacidade na apresentação de dados e
realização de cálculos complexos, além de apresentar a capacidade de criação de
excelentes gráficos, sendo este um importante recurso que facilita a visualização
de relações numéricas muito utilizadas na engenharia.
Devido à popularização do software MS Excel, um exemplo de programa de
planilhas eletrônicas, este será o nosso objeto de estudo.
Os problemas de engenharia, na maioria das vezes, exigem uma seqüência
muito grande de cálculos, uns dependentes dos outros, e até mesmo estruturas
iterativas para sua resolução. A partir do uso de um software como o Excel estes
problemas podem apresentar uma solução muito mais rápida, além de
possibilitarem fácil correção de erros e uma agilidade muito grande na hora de
alterar parâmetros de cálculo.

Curiosidade: O nome Excel vem da abreviação do termo em inglês Excelent, ou


seja, Excelente. O termo Excel em inglês significa primar, superar, sobrepujar, ser
superior. Isto é o que tentaremos fazer neste curso, aprimorar nossos
conhecimentos no sentido de superar nossas limitações.
2

2. APRESENTAÇÃO DA ÁREA DE TRABALHO

Ao abrir o programa MS Excel você encontrará uma janela como esta


apresentada na Figura 01:

Figura 01 – Área de Trabalho.

Como se pode observar, a Área de Trabalho apresenta os seguintes elementos:

2.1 Barra de Título

Esta barra apresenta o nome do Programa e em seguida o seu título, ou seja, o


nome da pasta de trabalho que esta sendo utilizada. Esta barra também apresenta
três botões: Minimizar, Maximizar / Restaurar abaixo e Fechar.
3

2.2 Barra de Menus

Através desta barra é possível ter acesso a todos os comandos disponíveis no


MS Excel, ao contrário da barra de ferramentas que apresenta alguns comandos.
Por exemplo, se você deseja salvar a pasta de trabalho atual basta utilizar a
barra de menus acessando os seguintes botões, Arquivo > Salvar.

Tabela 01 - Barra de Menus


Menu Arquivo. Abrir pastas, fechar pastas, configurar página, visualizar
impressão, imprimir, enviar planilha etc.
Menu Editar. Copiar, recortar, colar informações etc.
Menu Exibir. Exibir barra de status, ocultar barra de status, ferramentas,
personalizar modos de exibição etc.
Menu Inserir. Inserir células, linhas, colunas etc.
Menu Formatar. Formatar células: alterar fontes, alinhamentos, bordas; formatar
linha: altura, auto-ajuste etc.
Menu Ferramentas. Verificar ortografia, compartilhar pastas de trabalho, proteger
planilha etc.
Menu Dados. Operações com banco de dados em geral.
Menu Janela. Alterar disposição das janelas etc.
Menu Ajuda. Obter ajuda do Microsoft Excel
4

2.3 Barra de Ferramentas

Esta barra apresenta alguns comandos, ela funciona como um atalho onde os
comandos mais utilizados são dispostos de maneira que possam ser acessados
mais facilmente.
Quando você abre o programa pela primeira vez, a barra de ferramentas
apresenta as ferramentas padrões, mas esta pode ser alterada como veremos
mais adiante.
A seguir você encontra um destes atalhos e suas respectivas funções:

Tabela 02 - Barra de Ferramentas Padrão


Novo: Cria uma nova pasta
de trabalho (arquivo que Ortografia: corrige erros
contém as planilhas, gráficos, ortográficos.
macros e módulos de VBA).
Recortar: Recorta
Abrir: Abre uma pasta de
conteúdo para a área de
trabalho já existente.
transferência (clipboard).
Salvar: Salva a pasta de Copiar: Copia conteúdo
trabalho atual. para a área de transferência.
E-mail: Abre a janela para Colar: Cola conteúdo da
enviar e-mails. área de transferência.
Pesquisar: Pesquisa por um Pincel: Copia a formatação
texto na pasta de trabalho. do objeto selecionado.
Imprimir: Imprime planilha Desfazer: Desfaz a última
atual. ação.

Visualizar impressão. Refazer: Refaz a última


ação desfeita.
Inserir Hiperlink: Insere um
Ajuda: Abre o Menu Ajuda
hiperlink na planilha.
do Excel.
5

Formatação de texto: Tipo


Zoom: Define o zoom da de fonte, tamanho, negrito,
planilha. itálico, sublinhado,
alinhamento de texto.
Classificação crescente: Mesclar e centralizar:
Classifica na ordem crescente Junta duas células e
(alfabética). centraliza o texto.
Estilos: Na seqüência
Classificação decrescente: Aplica o estilo moeda,
Classifica na ordem percentagem, separador de
decrescente (oposta à milhares, com uma casa
alfabética). decimal a mais ou com uma
casa decimal a menos.
Assistente de Gráfico: Abre Recuo: Diminui recuo,
menu para Gráficos. aumenta recuo.
Desenho: Abre a barra de Bordas: Formatação de
ferramentas de desenho. bordas da seleção.
Auto Soma: Insere as
funções Soma (soma valores
de células), Média (encontra a
média dos valores fornecidos), Cor do preenchimento:
Contar (conta quantos valores Altera a cor do
existem no intervalo), Máx preenchimento da seleção.
(busca pelo valor máximo do
intervalo), Min (busca o valor
mínimo do intervalo).
Cor da fonte: Altera a cor da
fonte da seleção.

3. PASTA DE TRABALHO, PLANILHA, LINHAS, COLUNAS, CÉLULAS


6

Quando você cria um novo arquivo no Excel, na verdade você está criando uma
nova pasta de trabalho que automaticamente possui três planilhas, como se pode
observar no canto inferior esquerdo na Figura 01. Você também pode excluir ou
adicionar novas planilhas, além de poder renomeá-las, copiá-las, etc.
Como pode se observar na Figura 01, cada planilha é formada por linhas e
colunas e a intercessão destas formam as células, que são as unidades básicas
de uma planilha. A célula que se encontra na coluna C com a linha 5 é chamada
de célula C5 (Veja Figura 01). O símbolo C5 funciona como o endereço desta
célula, e como pode se ver ao selecionar esta célula seu ‘endereço’ aparece na
chamada célula ativa, que assim informa qual célula esta sendo utilizada, e logo á
frente, no campo chamado de Valor/Formula, é informado o conteúdo desta célula.
As barras de rolagem à direita e abaixo permitem o rápido deslocamento na
planilha, que possui no máximo 256 colunas e 65.536 linhas. Para retornar à
coluna A pressione a tecla Home, e para retornar à célula A1 pressione as teclas
Ctrl+Home.

3.1 Inserir dados

Para inserir dados no Excel basta selecionar uma célula e adicionar o conteúdo
desejado, que simultaneamente aparecerá no campo Valor/Fórmula (ver Figura
01), e teclar “TAB” (passa para a próxima coluna) ou “Enter” (passa para a
próxima linha). Para se excluir alguma informação basta selecionar a célula, ou
conjunto de células, e teclar Delete, ou para anular alguma alteração que esteja
sendo feita basta teclar “Esc”, antes que alteração seja confirmada ao teclar Enter
ou TAB.
Você pode inserir quatro tipos de dados: Textos, Números, Fórmulas ou
Funções.

o Textos: São interpretados como texto todo o


tipo de informação que se inicia com uma letra – ex.: “Funcionários”. No caso onde
se deseja inserir um número como texto deve-se inserir uma aspa simples antes
do número. Se o texto for maior que a largura da célula, esta se expandirá para a
7

direita até encontrar uma célula preenchida. É possível inserir até 32.767
caracteres. Veremos adiante opções para formatar a exibição de textos em
células;

o Números: São interpretados como números


todo o dado precedido por um número ou sinais de +, - ou % – ex.: 158. Também
podem ser escritos na forma decimal – ex.: 8,314 – ou no formato cientifico – ex. :
6,02E23 ou 6,23*10^23, estes números equivalem a 6,02∙1023;

o Fórmulas: São sempre precedidas do sinal = e


são compostas por números e operadores matemáticos, referências de células,
etc – ex.: = 1/C7. A inserção de fórmulas também pode ser feita utilizando-se os
caracteres + ou -, sendo que o Excel altera, após pressionada a tecla enter, para o
sinal padrão de fórmulas (=);

o Funções: São fórmulas criadas pelo Excel.


Existem funções do tipo financeira, matemática, estatísticas, engenharias, etc –
ex.: =LN(19,32).

4. FORMATAÇÃO

4.1 Formatar Células

Para formatar uma célula (ou uma seleção), basta selecionar uma célula e
acessar o menu Formatar > Células, ou clicar com o botão direito do mouse em
uma célula e selecionar a opção Formatar células. Você verá as seguintes abas:

Alinhamento

Inicialmente, todas as células possuem o formato "Geral" que alinha os números


à direita e abaixo, o texto à esquerda e abaixo, valores lógicos e de erro ao centro.
8

Podemos, entretanto, alinhar o texto ou números na horizontal, na vertical, ou


mesmo modificar a inclinação do texto e mesclar células como se faz em tabelas
do Word.
Para alterar esta formatação basta acessar o menu formatação de células >
Alinhamento, encontrando assim a tela apresentada na Figura 02:

Figura 02 – Alinhamento.

Alinhamento de texto
Tem opção para alterar o alinhamento do texto na horizontal (podendo ser à
esquerda, à direita, ao centro, justificado, etc) ou na vertical (podendo ser inferior,
ao centro, justificado, etc).

Controle de texto
Oferece opções de formatação muito úteis, como Retorno automático de texto,
que ajusta automaticamente a largura da célula para que esta apresente todo o
seu conteúdo (isto vale somente para dados na forma de texto). Já a opção
9

reduzir para ajustar, o tamanho do texto é alterado automaticamente para que


todo o conteúdo da célula seja exibido. Quando se seleciona mais de uma célula,
a opção mesclar células torna as células selecionadas uma só célula.

Orientação
Altera a ‘inclinação’ do texto.

Fonte
Altera a fonte do texto, o estilo da fonte (negrito, itálico), o tamanho, permite
sublinhar o texto, alterar a cor da fonte e outros efeitos como taxado, sobrescrito
ou subscrito. A maior parte destas opções se encontra no menu de formatação.

Borda
Formata as bordas das células, que inicialmente não apresentam, alterando as
formas, estilos e cores.

Figura 03 – Borda. Figura 04 – Fonte

Padrões
Altera o preenchimento da célula, mudando sua cor e ‘textura’
10

Proteção
Altera as opções de proteção da célula selecionada.

Figura 05 – Padrões. Figura 06 – Proteção.


Número

Figura 07 – Número.

Veremos agora como aplicar formatações espaciais às células. Para aplicar


estas configurações clique em Formatar > Células > Número, em Categoria clique
em Personalizado. Digite o formato desejado na caixa Tipo.
11

Para formatos de número a seguinte regra é válida: Você pode especificar até
quatro seções de códigos de formato. Os códigos de formato, separados por
ponto-e-vírgula, definem os formatos para números positivos, números negativos,
valores nulos e texto, nessa ordem. Se você especificar apenas duas seções, a
primeira será usada para números positivos e nulos e a segunda, para números
negativos. Se você especificar somente uma seção, ela será usada para todos os
números. Se você pular uma seção, inclua o ponto-e-vírgula final para essa seção.

Experimente o seguinte formato: [BLUE]; [RED]; 0; “Texto: “@.

4.2 Códigos de Formatação

Para adicionar automaticamente um texto antes do dado de entrada a


formatação deve ser a seguinte: “Texto”@ (para entrada de mais texto), “Texto”0
(para entrada de texto e, então número).
Para formatação de número utilize # (ou 0) e os caracteres ponto e vírgula
(separador de milhares e de números decimais).
Para formatação estilo moeda utilize $.

Tabela 03 – Outros tipos de formatação.

Para exibir Use este código


1234,59 como 1234,6 ####,#
12

8,9 como 8,900 #,000


0,631 como 0,6 0,#
12 como 12,0 e 1234,568 como 1234,57 #,0#
44,398, 102,65 e 2,8 com vírgulas decimais alinhadas ???,???
5,25 como 5 1/4 e 5,3 como 5 3/10, com símbolos de
divisão alinhados # ???/???
12000 como 12.000 #.###
12000 como 12 #.
12200000 como 12,2 0,0;;

Para exibir datas

Formatação de Dias
d Exibe o dia do mês entre 1 e 31, sem exibir zero à esquerda.
dd Exibe o dia do mês entre 01 e 31, com apresentação de zero.
ddd Exibe o dia da semana, abreviando com 3 letras.
dddd Exibe o dia da semana por extenso.

Formatação de Meses
m Exibe o número do mês entre 1 e 12, sem zero à esquerda.
mm Exibe o número do mês entre 01 e 12, com zero à esquerda.
mmm Exibe a abreviação do mês, com 3 letras.
mmmm Exibe o mês escrito por extenso.

Formatação de Anos
aa Exibe o ano, com 2 dígitos, de 0 à 99.
aaaa Exibe o ano, com 4 dígitos.

Formatação de Horas
h Exibe a hora entre 0 e 24, sem zero à esquerda.
hh Exibe a hora entre 00 e 24, com zero à esquerda.
m Se indicado junto com o h, indica minutos, sem zero à esquerda.
13

mm Exibe minutos entre 00 e 59, com zero à esquerda.


ss Exibe segundos, com zero à esquerda.

5. INSERIR E FORMATAR LINHAS, COLUNAS E PLANILHAS

5.1 Linhas e Colunas


Também é possível modificar a formatação de linhas e colunas, sendo possível
inserir, alterar dimensões ou ocultar, com veremos a seguir.

Inserir
Para se inserir uma linha na planilha basta selecionar a linha ou uma célula que
se encontra a linha onde se deseja inserir uma nova linha e, em seguida, acesse o
menu Inserir > Linhas, onde, posteriormente, uma nova linha (com a formatação
da linha superior) aparecerá no lugar da linha selecionada, e esta passará para
uma posição abaixo da linha inserida.
Analogamente, para se inserir uma coluna, basta selecionar uma coluna, ou uma
célula pertencente à coluna, em seguida acesse o menu Inserir > Colunas, então
uma nova coluna (com a formatação da coluna anterior, à esquerda) aparecerá no
lugar da coluna selecionada, sendo que esta ocupará uma posição posterior em
relação à coluna inserida.

Alterar dimensões
A dimensão de uma linha ou coluna pode ser alterada ‘manualmente’ com o
mouse, porém para que se tenha uma modificação mais precisa basta selecionar
as linhas ou colunas que se deseja alterar, em seguida acessar o menu Formatar
> Linhas ou Colunas e selecionar a opção Altura... - no caso das linhas - ou
Largura... - no caso das colunas, e então aparecerá uma caixa de texto onde é
possível alterar as dimensões desejadas.
Para retornar às dimensões padrão da linha alterada, basta acessar o menu
Formatar > Linhas > AutoAjuste.
14

Ainda existe a opção de alterar a largura da coluna conforme o tamanho do


texto. Para isto, deve-se selecionar a célula que contém o texto, e então acessar o
menu Formatar > Colunas > AutoAjuste da seleção, ou somente dar um duplo
clique com o botão direito do mouse sobre a borda direita da coluna, ver Figura
08.

Figura 08 – Coluna.

Ocultar
Para ocultar uma linha, seleciona-se uma linha ou um conjunto de linhas que se
deseja ocultar, então se aciona o menu Formatar > Linha > Ocultar. Para que
estas linhas sejam re-exibidas deve-se selecionar as linhas entre as quais se
encontram as linhas ocultas, acessar o menu Formatar > Linha > Reexibir.

De forma análoga, para se ocultar uma coluna, basta selecionar uma ou um


conjunto de colunas que se deseja ocultar, então acessar o a opção Formatar >
Coluna > Ocultar. Para re-exibir as colunas ocultas, selecione as colunas entre as
quais se encontra as colunas ocultas, acesse o menu Formatar > Linha >
Reexibir.

5.2 Planilhas

Inserir
15

Para se inserir uma nova planilha, basta acessar o menu Inserir > Planilha, que
uma nova planilha aparecerá tomando o lugar da planilha de trabalho selecionada,
passado esta a ocupar uma posição à direita da planilha inserida.

Re-nomear
Para se re-nomear uma planilha, deve-se selecionar a planilha que se deseja
fazer a alteração, acessar o menu Formatar > Planilha > Renomear, ou então
clicar duas vezes com o botão esquerdo do mouse no nome da planilha, e re-
nomear.

Ocultar
Para se ocultar uma planilha, basta acessar o menu Formatar > Planilha >
Ocultar. Para que a planilha oculta seja re-exibida deve-se acessar o menu
Formatar > Planilha > Reexibir, em seguida aparecera uma caixa contendo uma
lista de planilhas ocultas, onde é possível selecionar a planilha que se deseja
reexibir, então clica-se no botão OK.

Plano de fundo e Cor da guia


Na opção Plano de fundo (Formatar > Planilha > Plano de fundo), é possível
inserir uma figura como plano de fundo de sua planilha.
Na opção Cor da guia (Formatar > Planilha > Cor da guia), altera a cor da guia
da planilha selecionada.
16

6. FORMATAR A BARRA DE FERRAMENTAS

Para alterar a barra de ferramentas, excluindo ou adicionando botões, basta


acessar o menu Exibir > Barra de Ferramentas e em seguida aparecerá o menu
apresentado na Figura 09.

Neste menu é possível adicionar ou


excluir atalhos da barra de
ferramentas, marcando ou
desmarcando a opção desejada.
No final deste menu aparece a
opção Personalizar, que apresenta
três opções:

 Barra de ferramentas:
Permite adicionar alguns conjuntos
de botões que não estão presentes
no menu anterior, e também permite
a criação de uma barra personalizada
(mas esta não contém nenhum
comando, estes devem ser
adicionados utilizando a opção que
segue);
 Comandos: Permite
adicionar um a um os comandos à
Figura 09 – Barra de Ferramentas. barra de ferramentas. Também
permite adicionar um menu inteiro à
barra de Menus ou criar um novo
menu que também pode ser
adicionado à barra de menus;
17

 Opções: Permite fazer algumas alterações na barra de ferramentas,


como aumentar o tamanho dos ícones de atalho.
18

6.1 Menu Opções


Vamos explorar agora algumas funcionalidades do menu Ferramentas >
Opções.

Exibir
Altera as configurações de exibição da janela principal do Excel, além de
diversas opções sobre exibição de células e outros objetos do Excel. Uma opção
interessante é a exibição de linhas de guia.

Figura 10 – Exibição de linhas de grade.

Comentários: Para inserir um comentário em uma célula basta clicar com o


botão direito do mouse sobre ela e então clicar em Inserir comentário. No menu
Opções podemos alterar a forma de exibição destes comentários.

Cálculo
Aqui podemos alterar as opções de cálculo automático da planilha, se esta
executará automaticamente os cálculos ou não. Além disso, podemos alterar o
número máximo de iterações e o erro absoluto permitido (Nº Máximo de
Alterações).
19

Editar
Altera as configurações de edição das células. Uma opção interessante é o
Decimal Fixo, muito utilizada em aplicações financeiras.

Geral
Altera, por exemplo, o estilo de referência às células. No modo padrão a primeira
célula da planilha é referida como A1, uma outra opção é referir-se a ela como
L1C1 (linha 1, coluna 1), marcando a caixa Estilo de referência L1C1. Em todo o
curso utilizaremos o modo de referência A1.
Podemos alterar também a lista de arquivos recentes exibidos no menu Arquivo
na opção Lista dos arquivos utilizados recentemente.
Além disso, podemos alterar o número de planilhas automaticamente inseridas e
a fonte padrão destas na segunda parte deste menu.
Podemos nomear uma célula/linha/coluna através da “Caixa de Nomes”.

Internacional
Contém opções como caractere separador de milhares e indicador de número
decimal (vírgula e ponto) e direção de escrita.

Salvar
Contém as opções de auto-salvamento da planilha.

Segurança
Altera as configurações de segurança e criptografia da planilha. Veremos mais
sobre este menu adiante.

Listas
O Excel disponibiliza a ferramenta de auto-preenchimento. Experimente
preencher duas células consecutivas com os números 1 e 2 (ambos devem estar
selecionados) então selecioná-las e arrastá-las, você verá que o Excel continua a
progressão (se você arrastar com o botão direito verá uma série de opções de
20

crescimento para a sua seqüência). Você pode fazer o mesmo com datas e
escolher qual parte da data (dia, mês ou ano) irá ser alterado. Também é possível
criar seqüências dos mais diversos tipos. Experimente a seqüência dos dias da
semana (que já vem adicionada no Excel).
Para adicionar uma nova lista, na aba lista, na caixa Entradas da Lista, preencha
sua nova lista e clique em Adicionar Lista.

7. FÓRMULAS

Agora que já vimos as principais formatações e propriedades, podemos começar


a trabalhar com uma das maiores funcionalidades do Excel – a criação de
fórmulas.
As fórmulas sempre são precedidas do sinal de igual (=) e contém operadores
ou funções, como pode ser observado na Tabela 04.

Tabela 04 - Alguns operadores e funções.


Operador / Função Descrição
+, -, *, / Adição, subtração, multiplicação e
divisão.
^, sqrt Potenciação e raiz quadrada.
exp, log, ln, E Exponencial, logaritmos (base 10 e
natural), notação científica.
sen, cos, tan Funções trigonométricas.
asen, acos, atan Funções trigonométricas inversas.
senh, cosh, tanh Funções hiperbólicas.
abs Valor absoluto.
fatorial Retorna o fatorial de um número.
graus, radianos Transforma de radianos para graus e
vice-versa.
soma, mult Soma ou multiplica os números de um
intervalo.
mod Retorna o resto da divisão de dois
números.
Pi() Retorna a constante pi.
21

Atenção: os operadores apresentam uma hierarquia e devemos usar parênteses


para alterá-la. Também temos os operadores especiais como os de intervalo,
união, interseção e concatenação.

Exemplos:
=5+5
=5^2
=6*EXP(2)
=6,02E23
=SIN(PI()/2)+COS(60*PI()/180)

Se você esquecer o sinal de igual, o Excel não identificara a entrada deste dado
como uma fórmula, mais sim como um texto, então não realizará nenhum cálculo
nesta célula. Os sinais + e – também podem ser usados para identificar uma
fórmula.
Como mostrado no exemplo anterior, o Excel, além dos operadores básicos, tem
um arquivo de funções para a realização de cálculos, como no exemplo citado
temos a função seno, calculado pela função sen(num), onde num é o número que
se deseja calcular a função. Para se inserir uma função em sua fórmula basta
digitar o comando da função, como no exemplo, ou acessar o menu Inserir >
Função, onde é possível inserir toda e qualquer função que o Excel apresenta.
Como pode se observar na Figura 11, as funções são separadas em categorias,
para facilitar a sua procura.
22

Figura 11 – Inserir função.

Ao escolher a função a ser utilizada segundo este menu, aparecerá um outro


menu, cada função apresentará um menu próprio ‘de preenchimento’ que oferece
informações de como utilizar a função selecionada, bem como a opção de
selecionar a célula da qual a função irá obter o valor numérico para a realização
do cálculo, e ao ser selecionado o valor a ser calculado, este valor aparece no
menu, bem como o resultado do calculo da função, ver Figura 12.

Figura 12 – Função.
23

Observação: o Excel sempre calcula em radianos. Caso deseje uma resposta


em graus, basta usar a função de conversão GRAUS.

As fórmulas não somente se utilizam de números para a realização de cálculos,


mas também de referências a células, o que permite a automatização dos mais
diversos tipos de trabalho, solução de problemas, tratamento estatístico de dados,
etc.
Vamos acompanhar a inserção de fórmulas simples através de um exemplo.

Exemplo 01: Calculo de concentração de soluções.

Monte uma planilha como a que se segue.

Figura 13 – Exemplo 01.


24

- A primeira coluna deve ter largura 10; a segunda, largura 9,3; a terceira, 14; a
quarta 8,5 e as últimas, largura 13,5.
- Para montarmos a coluna Peso Molecular utilizaremos a tabela com os pesos
atômicos dos elementos. Por exemplo, a célula C3 terá o seguinte conteúdo:
“=1*C9+1*C10” (sem as aspas).
- Formate o intervalo C3:C7 para exibir algarismos com 3 casa decimais.
- Para montarmos a coluna Quantidade de Matéria dividiremos as colunas
Massa e Peso Molecular. Por exemplo, a célula E3 terá o seguinte conteúdo:
“=D3/C3”. Para não precisar digitar a mesma fórmula em todas as células basta
clicar sobre o canto da célula que contém a fórmula e arrastar para ocasionar o
auto-preenchimento.
- Formate E3:E7 para exibir em notação científica com duas casas decimais.
- Para preencher a coluna Concentração devemos dividir massa por volume,
fazendo os ajustes de unidades necessários. Utilizaremos os fatores de conversão
dados abaixo da tabela para isso (células F10 e F11, para conversão de massa e
volume). A célula G3 terá o seguinte preenchimento: “=((D3/1000)*F10)/
((F3/1000)*F11)”. Observe, entretanto, que se arrastarmos o conteúdo da célula
como antes teremos um erro. Isto ocorre porque o Excel irá seguir uma seqüência
lógica e a célula G7 seria automaticamente preenchida da seguinte forma:
“=((D7/1000)*F14)/((F7/1000)*F19)”. Precisamos então “travar” as células F10 e
F11, para isso basta colocarmos um sinal “$” antes da coluna e da linha indicadas
(um sinal antes da letra de referência da célula trava apenas a coluna e um sinal
antes do número, apenas a linha). A fórmula correta (que poderia ser arrastada e
evitar erros) para a célula G3 seria então: “=((D3/1000)*$F$10)/
((F3/1000)*$F$11)”
- Configure G3:G7 para exibir números com 3 casas decimais.

Sua planilha deverá ficar assim:


25

Figura 14 – Exemplo 01 (resolução).

Exemplo 02: Cálculo de gastos.

Figura 15 – Exemplo 02.


26

- Formate o intervalo C3:F18 para o formato moeda.


- Para calcular a linha Total de gastos utilizaremos a função SOMA. Por
exemplo, a célula C8 será preenchida da seguinte maneira: “=SOMA(C5:C7)”.
Clique e arraste para os outros meses.
- A linha Saldo Atual será a diferença entre Saldo Anterior e Total de gastos e
uma receita tomada fixa como sendo de 150 reais. A célula C10 será então: “=C3-
C8+150”.
- A parte que falta da linha Saldo anterior será preenchida a partir do Saldo Atual
do mês anterior, ou seja, para a célula D3: “=C10”.
- Maior gasto será calculado utilizando a função Máximo. A célula será então:
“=MAX(C8:F8)”.
- Menor gasto será calculado utilizando a função Mínimo. A célula será então:
“=MINC8:F8)”.
- Gasto médio será calculado utilizando a função Média. A célula será então:
“=AVERAGE(C8:F8)”.
- A célula de Mês referente utilizará uma estrutura condicional, a função Se. Esta
função tem a seguinte sintaxe:
= IF (teste_lógico; valor_se_verdadeiro; valor_se_falso).
Podemos juntar vários testes lógicos uns aos outros, que é o que faremos neste
caso. Primeiramente verificaremos se o mês de maior/menor gasto se refere a
janeiro, depois fevereiro e assim por diante. O valor a ser adicionado à célula será
então:
= IF(C12=C$8;"Jan"; IF(C12=D$8;"Fev";IF(C12=E$8;"Mar";"Abr"))).
27

A planilha deverá ficar da seguinte forma:

Figura 16 – Exemplo 02 (resolução).

Como visto no exemplo acima, as funções matemáticas são usadas através dos
operadores já muito conhecidos. Vamos apenas tomar o cuidado de citá-los.
Além das funções matemáticas, utilizamos também as funções lógicas.

Quadro 05 – Operadores lógicos.

Operador / Função Sintaxe


SE – IF : realiza um teste, SE (condição testada; conteúdo
retornando o conteúdo desejado exibido se verdadeira; conteúdo exibido
se falsa).
E – AND: retorna um valor
28

verdadeiro se as duas condições E (condição 1; condição 2).


forem satisfeitas
OU – OR: retorna um valor
verdadeiro se uma das condições OU (condição 1; condição 2).
for satisfeita

A função SE pode ser usada de forma aninhada, ou seja, colocam-se outras


funções SE uma dentro da outra.

Exemplo 03: Verifica se as soluções são ácidas, básicas ou neutras a partir da


concentração de H+. Monte uma planilha como a que se segue.

Figura 17 – Exemplo 03.


29

- A célula D3 terá o seguinte formato: “=-log(C3)”. Clique e arraste. Formate para


dois dígitos decimais.
- Preencha E3 com se segue: “=IF(D3<7;"Sim";"Não")”.
- Preencha F3 como se segue: “=IF(E(NÃO(D3<7);NÃO(D3=7));"Sim";"Não")”.
- Preencha G3 como se segue: “=IF(D3=7;"Sim";"Não")”.
- Vamos agora contar quantas soluções temos de cada tipo utilizando a função
CONT.SE. A sua sintaxe é a seguinte: Cont.se(intervalo_de_dados;valor). A
célula E18 ficará da seguinte forma: “=COUNTIF(E3:E17;"Sim")”.

Sua planilha deverá ficar assim:

Figura 18 – Exemplo 03 (resolvido).


8. RECORTAR, COPIAR E COLAR
30

Quando trabalhamos com funções, os comandos de recortar, copiar e colar são


amplamente utilizadas. As funções da área de transferência são as mesmas dos
outros programas e as suas teclas de atalhos as mesmas: Copiar: CTRL + C;
Recortar: CTRL + X, Colar: CTRL + V.
Exploraremos a função Colar especial, que se diferencia um pouco dos outros
aplicativos.

Figura 19 –
Copiar
especial.

8.1 Colar

Tudo:
Colagem
normal.
Fórmulas: Cola as fórmulas, transpondo-as para a célula alvo.
Valores: Cola apenas o valor da célula copiada.
Formatos: Cola o formato da célula.
Comentário: Cola o comentário da célula copiada.
Validação: Cola as regras de validação da célula copiada.

8.2 Operação
Adiciona, subtrai, multiplica ou divide o conteúdo da célula atual com o da célula
copiada.
Ignorar em branco: Evita substituição de valores na área de colagem quando há
valores em branco na área de cópia.
Transpor: Altera as colunas dos dados copiados para as linhas e vice-versa.
31

8.3 Funções para matrizes


Veremos as funções matriciais a partir de um exemplo para resolução de
sistemas de equações de 4 variáveis.

Exemplo 04: Resolução de sistemas matriciais. Monte uma planilha como a


seguinte:

Figura 20 – Exemplo 04.

- Primeiramente re-nomearemos o intervalo C5:F8 para matA, assim toda vez


que utilizarmos este nome estaremos nos referindo à matriz dos coeficientes.
Selecione o intervalo e na caixa de nome (onde aparece a referência da célula
ativa, digite matA). Faça o mesmo para o vetor b (vetb).
- Para calcularmos o determinante da matriz dos coeficientes, digitaremos na
célula L8 a seguinte fórmula: “=DET(matA)” ou “=MDETERM(matA)”.
- Para definirmos o tipo de sistema (determinado ou não-determinado)
utilizaremos a função IF. A célula L5 fica: “=IF(L4=0;"Não-
determinado";"Determinado")”.
32

- Para resolvermos o sistema devemos multiplicar o vetor b pela matriz inversa


de A. Para fazer isso devemos usar funções matriciais. Para isso selecione o
intervalo onde a solução será exibida primeiramente (I10:I13), aperte F2 (botão
para edição) e insira a seguinte fórmula: “=MATRIZ.INVERSO(matA)*vetb” ou
“=MINVERSE(matA)*(vetb)”. Aperte [ctrl]+[shift]+[enter], para que seja inserida
uma função matricial.
- Selecione agora o intervalo C10:F10, aperte F2 e insira a fórmula:
“=TRANSPOSE(I10:I13)” e não esqueça de apertar [ctrl]+[shift]+[enter] para
finalizar.

Experimente agora inserir o seguinte sistema e veja a planilha que você deve
obter.
Sistema:
3 x +2 y −z +w = −2
x − y + z +w = 2
−2 x +2 y −3w = −4
x +5 y −z +w = 0

Planilha:

Figura 21 – Exemplo 04 (resolução).


33

Experimente resolver outros sistemas!

9. FUNÇÕES DE DATA E HORA


(Extraído de DOUGLAS, A. – Algumas funções do Excel).

AGORA()
Retorna o número de série seqüencial da data e hora atuais. Se o formato da
célula era Geral antes de a função ser inserida, o resultado será formatado como
uma data.

ANO
Retorna o ano correspondente a uma data. O ano é retornado como
um inteiro no intervalo de 1900-9999.
Exemplo: =ANO(A2) retorna 2008

MÊS
Retorna o mês de uma data representado por um número de série. O
mês é fornecido como um inteiro, variando de 1 (janeiro) a 12
(dezembro).
Exemplo: =MÊS(A2) retorna 7.

DIA
Retorna o dia de uma data representado por um número de série. O
dia é dado como um inteiro que varia de 1 a 31.
Exemplo: =DIA(A2) retorna 5

DIA.DA.SEMANA
Retorna o dia da semana correspondente a uma data. O dia é dado
como um inteiro, variando de 1 (domingo) a 7 (sábado), por padrão.
34

As datas devem ser inseridas com a função DATA, como resultado de outras
fórmulas ou funções ou digitadas em uma célula.
Exemplo: =DIA.DA.SEMANA(A2) retorna 1, ou seja, Domingo.

HORA
Retorna a hora de um valor de tempo.
Exemplo: =HORA(A1) retorna 14; =HORA(A2) retorna 6

MINUTO
Retorna os minutos de um valor de tempo.
Exemplo: =MINUTO(A1) retorna 5; =MINUTO(A2) retorna 10.

SEGUNDO
Retorna os segundos de um valor de tempo.
Exemplo: =SEGUNDO(A1) retorna 30; =SEGUNDO(A2) retorna 45.

10. FUNÇÕES ESTATÍSTICAS E GRÁFICAS

Vamos estudar as ferramentas estatísticas através de experimentos hipotéticos.

Exemplo 05: Estudo de movimento de um corpo em um plano inclinado.

Monte uma pasta de trabalho como a que se segue. Por enquanto, deixe a
planilha Gráficos em branco.
35

Figura 22 – Exemplo 05.

- Usaremos a função AVARAGE para completar a coluna Tempo médio. A célula


F4 fica como se segue: “=AVERAGE(C4:E4)”. Complete as demais.
- Usaremos a função STDEO para completar a coluna Desvio Padrão. A fórmula
da célula G4 é: “=STDEO(C4:E4)”. Complete o resto.
- Para completar a terceira coluna vazia usaremos a fórmula, para H4: “=F4^2”
- Formate o intervalo F4:H9 para exibir duas casas decimais.
- Para calcular a aceleração do corpo usaremos a seguinte relação a = 2 *α ,
onde a é a aceleração e α é a inclinação do gráfico Posição por t2. Para
calcularmos esta inclinação usaremos a função INCLINAÇÃO, sua sintaxe é como
se segue:
=SLOPE(valores_de_y; valores_de_x)
Nossa célula D12 ficará então: “=2*INCLINAÇÃO(B4:B9;H4:H9)”.
36

- Para calcularmos a Inclinação experimental do nosso plano inclinado


utilizaremos a seguinte relação: Θ = sen −1 (a / g ) , onde θ é a inclinação do plano, a
é a aceleração do corpo e g é a aceleração da gravidade. A fórmula será então:
“=DEGREES(ASIN(D12/D11))”.
- Calcularemos por último o desvio em relação às inclinações teórica e
experimental. A fórmula será, então: “=((D14-D15)/D14)”. Formate a célula no
formato porcentagem.
Sua planilha deverá ficar assim:

Figura 23 – Exemplo 05.

Vamos agora plotar dois gráficos e fazer a regressão destes dados. O primeiro
gráfico será Posição x tempo, seguido do gráfico Posição x t2.
- Primeiramente vá para a planilha Gráficos.
- Clique no botão Assistente de gráfico.
37

Figura 24 – Exemplo 05.

Nesta primeira etapa deveremos escolher o tipo de gráfico desejado e, em


seguida, seu subtipo. Trabalharemos com o gráfico de dispersão.
- Selecione Dispersão (XY) e selecione o primeiro subtipo de gráfico. Clique em
Avançar.
- Clique na aba Seqüência e, então em Adicionar. Temos agora três caixas a
serem preenchidas. Na caixa Nome escreva: “Posição x t”.
- Para preencher a caixa Valores de x clique no botão ao lado desta caixa e,
então selecione na primeira planilha o intervalo F4:F9. Veja que você poderia ter
digitado também: “=Dados!$F$4:$F$9”. A primeira parte faz referência à planilha
(Dados) seguida de um ponto de exclamação. A segunda parte da referência diz
respeito ao intervalo selecionado.
- Faça o mesmo para Valores de y, selecionando “=Dados!$B$4:$B$9”. Clique
em Avançar.
38

Figura 25 – Exemplo 05.

Podemos agora alterar algumas opções de exibição do gráfico.


Na aba Títulos podemos alterar o título do gráfico e dos eixos.
- Na caixa Título de gráfico, preencha “Posição x Tempo” (muito provavelmente
já estará preenchido, mas sabe como é o Windows).
- Na caixa eixo dos valores (x) coloque “Tempo (s)”.
- Na caixa eixo dos valores (y) coloque “Posição (cm)”.
39

Figura 26 – Exemplo 05.

- Na aba Eixos podemos alterar a opção de exibição dos eixos x e y.


- Na aba Linhas de grade podemos alterar a exibição das linhas de grade. Para
gráficos “limpos” devemos retirar estas linhas.
- Na aba Legenda desmarque a opção Mostrar legenda.
- Clique em concluir.

Figura 27 – Exemplo 05.


40

Vamos agora alterar algumas configurações do gráfico para que ele fique mais
“apresentável”.
- Primeiramente clique com o botão direito sobre a Área de plotagem (área cinza
do gráfico). Clique em Limpar. Se quiser alterar a cor, clique em Formatar área de
plotagem.
- Selecione o título do gráfico com o botão direito do mouse e clique em
Formatar. Altere a fonte para Arial, tamanho 12, negrito. Faça o mesmo com os
títulos dos eixos, alterando para Arial, 10, negrito.
- Clique com o botão direito sobre o eixo y e então em Formatar eixo. Nesta
caixa de diálogo temos diversas opções de formatação de eixo, muitas destas
opções já foram vistas anteriormente. Altere a fonte para Arial, tamanho 10,
normal. Mude para a aba Escala. Aqui podemos alterar a opção de escala do eixo.
Mude para que fique da seguinte forma:
Mínimo = -10. Máximo = 60. Unidade Principal = 15. Cruza em = 0.
- Faça o mesmo para o eixo x. Altere também a formatação de número para sem
casas decimais.
Mínimo = -2. Máximo = 10. Unidade Principal = 2. Cruza em = 0.
- Clique com o botão direito sobre a seqüência (os pontos do gráfico) e clique em
Formatar. Você verá uma série de opções interessantes sobre a exibição da
seqüência. Vamos na aba Padrões e vamos alterar as opções do marcador.
Escolha o que mais lhe agrada! Você pode alterar a forma, a cor do contorno, a
cor do preenchimento, o tamanho e a presença ou não de sombras. Neste
exemplo utilizaremos bolinha azul de tamanho 6.

Nosso gráfico ficara então da seguinte maneira.


41

Posição x Tempo

50

Posição (cm)
35

20

-2 -10 0 2 4 6 8 10

Tempo (s)

Figura 28 – Exemplo 05.

Podemos agora fazer a regressão estatística destes dados.


- Clique com o botão direito sobre a seqüência e clique então em Adicionar linha
de tendência. Escolha o tipo Polinomial de grau 2.
- Selecione a aba Opções. Aqui você pode alterar algumas opções de exibição.
No painel Previsão você pode escolher por quantas unidades além dos seus
dados a linha de tendência continuará. Abaixo deste painel, você pode escolher se
exibe ou não a equação da curva ajustada no seu gráfico e o valor da correlação
entre os dados. Clique em Definir interseção se deseja forçar que a curva corte o
eixo em algum ponto.
- Arraste o rótulo de dados para a direita e para o canto superior. Formate-o,
alterando sua fonte para Arial, tamanho 8, itálico. Podemos também alterar o tipo,
a espessura e a cor da linha de tendência.

Após estes passos seu gráfico deverá ficar parecido com este:
42

Posição x Tempo
y = 1,1107x 2 - 1,5877x + 0,9671
R 2 = 0,9698

50

Posição (cm)
35

20

-2 -10 0 2 4 6 8 10
Tempo (s)

Figura 29 – Exemplo 05.

Tente agora fazer o mesmo para o gráfico Posição x tempo2. Não se esqueça
que este modelo de regressão é linear. O resultado deverá ser algo próximo
a isso:
Posição x Tempo²
y = 0,9045x - 0,6556
R 2 = 0,9662

50
Posição (cm)

35

20

-5
-10 15 35 55
Tempo² (s²)

Figura 30 – Exemplo 05.

Outra ferramenta interessante são os gráficos 3D, usados quando uma


função depende de mais de uma variável.
43

Exemplo 06: Análise da função f ( x. y ) = sen ( x 2 + y 2 )

Exemplo 07: Estudo de eficiência de método para determinação de água


estrutural.

Este exemplo consiste em estudar se um determinado método possui ou não


erros sistemáticos. Vamos primeiramente selecionar quais de nossas amostras
serão aceitas através de um teste-T de Student (uma amostra deverá ser aceita se
Tteo >T pra , onde Tteo depende exclusivamente dos graus de liberdade da amostra

xi − x
T prat =
e do nível de confiança e σx , onde sigma é o desvio padrão e n é o
n −1
tamanho da amostra). Selecionadas as amostras confiáveis, usaremos um
intervalo de confiança para determinarmos se o método funciona ou não. Todas as
amostras têm a mesma percentagem de água, 14,75%. Verificaremos se o
tamanho do intervalo de confiança é menor que a diferença entre a média que
obtivermos e a média verdadeira, caso isso ocorra nosso método deverá ser
aceito. Todos os testes serão feitos a um nível de confiança de 90%. Possuímos
os dados do sal (amostra) úmido e seco.

Para começar monte uma pasta de trabalho com duas planilhas, Amostras e
Teste.
A planilha amostra deverá ser como se segue:
44

Figura 31 – Exemplo 07.

A coluna C contém os valores de massas das amostras de sal úmido e a coluna


D, os valores dos resíduos (massa seca, sem água).

- Para completarmos a coluna D (massa de água nas amostras) basta


calcularmos esta diferença. A célula E5 fica: “=C5-D5”. Preencha as demais da
coluna.
- Para calcularmos a porcentagem de água dividiremos a massa de água pela
massa inicial do sal, multiplicando por 100 (para obtermos porcentagem). A célula
F5 fica: “=(E5/C5)*100”.
- Vamos agora calcular a média e o desvio padrão. Para calcular a média
utilizaremos a função MÉDIA e para calcularmos o desvio padrão a função
DESVPADA (desvio padrão da amostra). As células ficarão: “=MÉDIA(F5:F14)”e
“=DESVPADA(F5:F14)”.
- O número de graus de liberdade, para este caso, será o número da amostra
menos dois. A célula será preenchida da seguinte forma: “=CONT.NÚM(F5:F14)-
2”.
- O valor de alfa seria o que “sobra” em uma das caudas da curva da distribuição

(100% - NC)
T de Student, ou seja, α = . No nosso caso, a célula ficará: “=(100-
2
M2)/200”.
45

- Para calcularmos o Tteo utilizaremos a função Inverso de Student – INVT, sua


sintaxe é =INVT(alfa,graus_de_liberdade). A célula ficará então: “=INVT(I2;K2)”.
- Podemos agora calcular os valores práticos de T pela fórmula dada acima. A
célula G5 será então: “=ABS(F5-$C$2)/($E$2/RAIZ(CONT.NÚM($F$5:$F$14)-1))”.
Cope para as outras células da coluna.
- Faremos agora os testes para aceitação ou não das amostras. Como
enunciado acima, a fórmula da célua H5 será, então: “=SE(G5>$G$2;"Não";
"Sim")”. Copie para as demais.

Sua planilha deverá ficar como se segue:

Figura 32 – Exemplo 07.

A planilha Teste deverá ser montada como se segue:


46

Figura 33 – Exemplo 07.

- Copiaremos para a nossa nova tabela de amostras apenas os dados que


passaram pelo primeiro teste (este teste poderia ser repetido até que não
houvesse mais amostras a serem descartadas, para efeito de estudo realizaremos
ele apenas uma vez). Para isso basta testarmos se a amostra foi aceita usando a
função SE. A Célula C4 será, então: “=SE(Amostras!H5="Sim";Amostras!F5;"-")”.
Copie para as demais.
- Para a nova média podemos digitar “=MÉDIA(C4:C13)”, pois este comando
exclui as células que não são números. Entretanto, para o cálculo do novo desvio
padrão deveremos selecionar as células válidas, neste caso:
“=DESVPADA(C4:C5;C7:C11;C13)”.
- Usaremos o mesmo nível de confiança (90%) e as mesmas fórmulas para
cálculo dos graus de liberdade e de alfa.
- Para a diferença das médias usaremos o valor absoluto, ou seja: “=ABS(E4-
F4)”.
- Finalmente usaremos a função INT.CONFIANÇA para calcularmos o tamanho
deste intervalo e compará-lo com a diferença das médias. Sua sintaxe é como se
segue: INT.CONFIANÇA(alfa;desvio-Padrão;tamanho). No nosso caso, teremos
então, na célula G12: “=INT.CONFIANÇA(F9;F6;F8+2)”.
47

- Concluindo o nosso trabalho, verificaremos se o método pode ou não ser


usado, preenchendo a célula G14 com a seguinte fórmula:
“=SE(G11<G12;"Sim";"Não")”.

O resultado será o seguinte:

Figura 34 – Exemplo 07.

Experimente alterar todas as massas iniciais de sal para 2,0000 g e veja o que
acontece (não se esqueça de alterar a célula “Teste”!F14 para corrigir o desvio
padrão).

Figura 35 – Exemplo 07.


48

Curiosidade: Ao se deparar com uma planilha com equações complexas e na


qual não é simples entender a seqüência de cálculos, uma boa alternativa é
usar a ferramenta auditoria, no menu Ferramentas>Auditoria.

11. FERRAMENTAS ITERATIVAS

Passaremos agora a estudar as ferramentas que permitem diversos cálculos


iterativos, muito utilizados em Cálculo Numérico ou qualquer outra área que utilize
tais métodos.

11.1 Resolução de equações


Vamos estudar o comando Atingir Meta através da resolução de equações.

Exemplo 08: Resolver a equação 4 sin( x ) +12 exp( x) − x = 0 .

Para isso montaremos a seguinte planilha.

Figura 36 – Exemplo 08.

- A célula B3 é nomeada como “x”.


- A célula C3 possui a seguinte fórmula: “=4*SEN(x)+12*EXP(x)-x”.

Buscar uma raiz significa encontrar um valor de x para o qual f(x)=0. Para isso
utilizaremos a função Atingir meta.

- Clique em Ferramentas > Atingir Meta.


49

Figura 37 – Exemplo 08.

- Na caixa Definir célula deve-se especificar a célula cujo valor deverá atingir um
outro valor específico. No nosso caso a célula C3 (onde está o valor de f(x)).
- Na caixa Para valor devemos especificar qual valor a célula definida acima
deve atingir. No nosso caso, este valor é zero.
- Por último, devemos definir qual será a célula variável. No nosso caso B3 (ou
x).
- Clique em OK.
O resultado, com duas casas decimais é -1,62.

O valor inicial da célula x é usado como chute inicial para se encontrar uma
solução numérica para a equação.
Para aumentar o número de casas decimais corretas do seu resultado utilize o
painel Iterações do menu Ferramentas > Opções, aba Cálculos.

Curiosidade: Pode-se aumentar a precisão da ferramenta Atingir Meta através


da multiplicação da função objetivo. Além disso, essa é uma opção interessante
quando há necessidade de encontrar os pontos de interseções entre duas
funções.

11.2 Estimativa Inicial

Quando o problema tiver mais de uma resposta, cada uma será exibida de uma
vez e dependerá do valor estimado inicialmente, sendo que o Excel exibirá a
solução mais próxima desse valor.
50

12. SOLVER

Essa ferramenta faz parte de um conjunto de programas algumas vezes


chamado de ferramentas de análise hipotética. O Solver permite estimar raízes,
máximos e mínimos de uma infinidade de funções, dependentes de qualquer
número de variáveis.

Exemplo 09: Estudo do equilíbrio termodinâmico de gases (com reação


química) através da minimização da energia de Gibbs.

Uma boa forma de se estudar o equilíbrio termodinâmico é através do estudo da


energia de Gibbs. No equilíbrio, o valor desta energia deve ser o mínimo.
Utilizando o Excel poderemos facilmente estimar os parâmetros de equilíbrio.
Vamos supor um sistema que entre em equilíbrio contendo as seguintes
substâncias: CH4, H2O, CO, CO2 e H2. No início, estão presentes 2 mol de metano
e 3 mol de água. A equação que relaciona a energia de Gibbs com a quantidade
de matéria presente é:

G total = ∑ x i G i + RT ∑ n i ln( x i )
i i

Onde:
- xi é a fração do componente i;
- Gi é a energia de formação de Gibbs;
- ni é a quantidade de matéria (mol) do componente i;
- R constante dos gases;
- T é a temperatura de equilíbrio.

As energias de Gibbs de formação dos elementos são as seguintes: 19720,


-192420, -200240, -395790 e 0 (em J/mol, respectivamente). A temperatura é 450
K.
51

Para resolução do problema devemos montar uma célula que conterá o valor de
Gtotal em função do número de mols de cada elemento e, então, utilizarmos a
ferramenta Solver para encontrarmos um valor mínimo e as frações do equilíbrio.

Monte uma planilha como a sugerida:

Figura 38 – Exemplo 09.

O intervalo C3:C7 está preenchido com o número de mols inicial das moléculas.
O intervalo D3:D7 está preenchido com um chute inicial para o solver. O intervalo
F3:F7 está preenchido com os valores das energias de Gibbs. As células K2 e K3
possuem os valores de R (em J/mol K) e da temperatura (em K). A célula H11
conterá o valor da energia de Gibbs total.
Vamos começar a preencher.

- A célula C8 deve conter o total inicial de mols. Sua fórmula: “=SOMA(C3:C7)”.


- A célula D8 deve conter a quantidade de mols no suposto equilíbrio:
“=SOMA(D3:D7)”.
ni
- A coluna E deve conter as frações molares, ou seja, . A célula E3, por
n total
exemplo, ficará: “=D3/$D$8”. Clique e arraste.
52

- Complete a célula E8 para exibir o somatório das frações (que deve ser sempre
igual a 1).
- A coluna G deve exibir os valores de xi*Gi. A célula G3 é: “=E3*F3”. Preencha
as demais.

- A célula G8 deve conter ∑x G


i
i i , ou seja, “=SOMA(G3:G7)”.

- A coluna H deve conter ni*ln(xi). A célula H3 é: “=D3*LN(E3)”.

- Para preencher a célula H8 (termo RT ∑


i
ni ln( xi ) ) devemos observar que se o

elemento i tiver número de mols igual a zero, ele não contribui para este termo,
entretanto o valor de x i ≤ 0 ocasionará um erro de fórmula. Logo, a célula H8
deve somar apenas os valores cuja fração molar é maior que zero, devemos
utilizar então a função SOMASE. Sua fórmula deverá então ser:
“=K2*K3*SOMASE(E3:E7;">0";H3:H7)”.
- A energia de Gibbs total nada mais é do que a soma destes dois elementos,
“=G8+H8” é a fórmula da célula H11.

Antes de aplicarmos o solver devemos perceber que existem algumas restrições


à resolução do nosso problema. Nenhum átomo de C, H ou O pode aparecer ou
desaparecer durante a reação química e devemos garantir isso na hora da
resolução matemática do problema. Primeiramente contaremos quantos átomos
de cada tipo temos:
- Átomos de carbono (C13): “=C3+C5+C6”.
- Átomos de hidrogênio (C14): “=4*C3+2*C4+2*C7”.
- Átomos de oxigênio (C15): “=C4+C5+2*C6”.
A quantidade de átomos no suposto equilíbrio deverá ser colocado nas células
D13:D15, seguindo as mesmas fórmulas (substituindo C por D)

Podemos agora utilizar a ferramenta solver. Sua planilha deve estar como a que
se segue antes do solver.
53

Figura 39 – Exemplo 09.

Clique em ferramentas > solver. Esta tela será exibida.

Figura 40 – Exemplo 09.

- A célula de destino é a célula que queremos alterar, no nosso caso H11.


- Igual a é o valor que desejamos que esta célula possua, no nosso caso é o
valor mínimo, selecione Mín.
54

- Células variáveis: aquelas que terão seus valores alterados para que possa
ocorrer a minimização, são as variáveis independentes, no nosso caso o valor do
número de mols das moléculas no equilíbrio, o intervalo D3:D7.
- Vamos agora às restrições do nosso problema. As primeiras restrições são de
que as células D13, D14 e D15 devem ter valores constantes e iguais aos das
células C13, C14 e C15. Clique em adicionar restrição.

Figura 41 – Exemplo 09.

- Referência da célula diz respeito a qual célula terá seu valor restringido, neste
caso, $D$13. A restrição é de que seja igual, ou seja “=”. A restrição é o valor da
célula $C$13. A caixa deverá ficar assim:

Figura 42 – Exemplo 09.

- Repita o mesmo pra as células D14 e D15.


- A última restrição é de que o intervalo D3:D7 deve conter apenas valores
positivos, já que se referem a quantidade de matéria.
55

Figura 43 – Exemplo 09.


- Clique em Resolver.

Figura 44 – Exemplo 09.

Experimente cada um dos relatórios do solver para ver do que se tratam.

O resultado deverá ser: 1,78; 2,60; 0,05; 0,17 e 0,84.

Exercício ....: Resolvendo sistemas lineares com auxílio do Solver.

Um secador é usado para separar uma mistura de óleo, soja e água, como
na figura abaixo.
56

Quadro de composições

Alimentação Saída do Secador Rejeito do Filtro Produto do Filtro


Xfsoja 0,44 Xvsoja 0,01 Xbsoja 0,97 Xpsoja 0
Xfagua 0,44 Xvagua 0,97 Xbagua 0 Xpagua 0,01
Xfóleo 0,12 Xvóleo 0,02 Xbóleo 0,03 Xpóleo 0,99

Obtém-se, então, o seguinte sistema linear:

1. Balanço de massa para a soja


0,44 .F =0,01 .S +0,97 . A +0.P

2. Balanço de massa para a água


0,44 .F =0,97 .S +0. A +0,01 .P

3. Balanço de massa para o óleo


0,12 .F =0,02 .S +0,03 . A +0,99 .P

4. Balanço de massa total


F=S+A+P

Monta-se
57

13. Macros

Uma macro é um pequeno programa que contém uma lista de instruções a


realizar no Excel. Como sendo um repositório de operações, uma macro pode
executar um conjunto de tarefas através de um único procedimento o qual pode
ser invocado rapidamente. As instruções que formam o corpo da macro são
escritas num código próprio para que o computador as possa entender, essa
linguagem é designada por VBA – Visual Basic for Applications. A macro se torna
útil quando há necessidade de repetir funções ou comandos, automatizando-as.
Para exibir a caixa de diálogo basta seguir o caminho:
Tools>Macro>Record New Macro.
58

Figura 45 – Gravando uma macro

O nome da Macro será constituído por um conjunto de caracteres que a


identificarão, indicando sua funcionalidade. A tecla de atalho é uma combinação
de símbolos que será usada para executar a Macro. Armazenando na opção Esta
pasta de trabalho, a macro ficará ativa toda vez que o sistema for aberto. A
decrição é um campo para o usuário detalhar algo que considere importante.
Clicando em OK aparece:

Figura 46 – Barra de ferramenta para a gravação de macros.


O lado esquerdo termina a gravação da macro, e o direito grava usando
referências de células relativas (isso quer dizer que você pode selecionar qualquer
célula que deseja para que sua macro seja executada, o resultado não aparecerá
no local em que produziu a macro).

Exemplo 10: Diferenciando as opções de gravação.

Vá para Ferramentas>Macro>Gravar nova macro. Selecione a célula A1 e


digite seu nome. Em A2 coloque seu RA e em A3 sua idade. Pare a gravação.
Apague tudo o que foi feito, selecione K20 e digite o atalho criado para essa
macro.
59

Ainda na mesma planilha, selecione a célula C3 e inicie uma nova


gravação, selecionando a opção Referência Relativa. Em C3 coloque seu nome,
em C4 escreva seu RA e em C5, a sua idade. Pare a gravação. Clique em L4 e
digite o atalho criado para essa segunda macro.
O que aconteceu? Qual a diferença?

Ao gravar uma macro, o computador grava os comandos em linguagem


VBA automaticamente. Para visualizar o que foi feito basta acessar Ferramentas
>Macro> Editor do Visual Basic. Para o exemplo anterior, após abrir a pasta
Módulo I, vê-se:

Atenção:

 Todos os comando executados após o início da gravação da macro serão


gravados, exatamente tudo que for feito na planilha (mesmo que você erre).
 Se a caixa de ferramentas de parar a gravação sumir ou não aparecer,
basta entrar em Exibir>Barra de Ferramentas>Parar gravação.
60

Figura 47 – Editor de Visual Basic

Curiosidade: Você pode criar botões para acessar as macros, visto que quando
for trabalhar em uma planilha em que precise criar várias delas não haverá como
memorizar todas as teclas de atalho. Uma das formas de criar o botão é pelo
seguinte caminho: Exibir > Barra de Ferramentas > Personalizar > Comandos >
Macros e selecionar a opção Personalizar botão. Clique e arraste até o local da
barra de ferramentas onde deseja alocar sua macro (você poderá inserir o botão
quando o ponteiro do rato ficar com a forma I). Outra forma é inserir uma auto
forma de sua preferência e, clicando com o lado direito do mouse, selecionar
Atribuir Macro. Nesse caso o botão ficará na própria planilha e você pode formatá-
lo com as cores e fontes que deseja.
61

OBS: Para criar um botão em 3D utilize View > Toolbars > Customize e selecione
3D-Settings.

Exemplo 11: Criando macros.

Vamos abrir a planilha que está digitada como segue.

Figura 48 – Exemplo 11

1ª Macro: Calcula o valor total (preço*quantidade) de cada produto e exibe os


valores acima de R$ 2000,00 em laranja.

Vá para Ferramentas > Macro > Gravar nova macro.


Na célula D2 insira “=B2*C2”, tecle Enter e arraste para a coluna toda.
Com a coluna selecionada vá para Formatar > Células > Número e escolha a
opção Contábil. Vá novamente em Formatar > Formatação Condicional e escolha
a condição desejada. Pare a gravação e crie um botão chamado Calcular o Total.

2ª Macro: Analisa se o total de cada produto será caro (acima ou igual a R$


500,00) ou barato. Caso seja caro exibirá em vermelho e caso seja barato exibirá
em azul.

Vá para Ferramentas > Macro > Gravar nova macro.


Para usar Formatação Condicional e Operador Lógico siga os passos:
62

- Preencha a célula E2 como se segue IF(D2<500; “Barato”; “Caro”), tecle Enter e


arraste para o restante da coluna.
- Selecione a coluna E e vá para Format > Conditional Formatting e insira a
condição desejada.

Como já usamos Formatação Condicional, vamos tentar algo diferente.

3ª Macro: Coloca em ordem alfabética

Vá para Ferramentas > Macro > Gravar nova macro.


Selecione todos os dados da planilha e clique em Sort Ascending.

Caso deseje excluir uma das macros você pode optar por duas maneiras:
- no ambiente Excel : vá para tools > Macro >Macros > Delete
- no editor Visual Basic : abra o editor e selecione a macro que deseja deletar,
apagando o conteúdo que inicia-se em Sub e termina em End Sub.

Apague as Macros deste exemplo!

14. Visual Basic

Para entrar no editor de Visual Basic for Applications: Tools / Macro /


Visual Basic Editor. Você encontrará o display dividido em três grandes áreas:
Project Explorer, Properties Window e do lado direito a janela de edição de texto.

14.1 As Cores

Cor Significado
Azul Palavras-Chave da Linguagem
Vermelho Erros de sintaxe
Preto Nomes de variáveis, procedimentos, etc.
Amarelo Indica erro durante a execução do programa
Verde Comentários inseridos pelo programador; deve ser inserido entre aspas
simples.

14.2 Sub-Rotinas

Criar

Iniciam com Sub e terminam com End Sub. São designadas pelo nome
que atribuímos e têm como função desempenhar um conjunto de tarefas que
compõe seu corpo, sem receber parâmetros do exterior. O corpo da macro é
constituído por um conjunto de instruções, sendo que cada uma deve estar em
63

uma linha diferente. Quando um programa é constituído de um número grande de


sub-rotinas, elas são separadas por traços na horizontal.

OBS: O editor pode criar a sub-rotina para você. Basta ir em Insert > Procedure e
escolher a forma como deseja.

Executar

Para executar uma sub-rotina é válido o mesmo mecanismo das


macros, visto que ambas são a mesma coisa na prática. Nesse ponto é importante
observar que podemos executar rotinas dentro de sub-rotinas.

14.3 Funções

Funções são rotinas cuja definição começa com a palavra-chave Function e


termina com as palavras End Function. A função é identificada pelo nome, pelo
número e tipo de parâmetros recebidos, e tem como objectivo executar um
conjunto de instruções e produzir um valor final.