Superior Tribunal de Justiça

RECURSO ESPECIAL Nº 903.949 - PI (2006/0215333-0) RELATOR : MINISTRO TEORI ALBINO ZAVASCKI RECORRENTE : ESTADO DO PIAUÍ PROCURADOR : DANILO E SILVA DE ALMENDRA FREITAS E OUTRO(S) RECORRIDO : ANTÔNIO DE PADUA SIQUEIRA BRANDÃO FILHO ADVOGADO : RICARDO ILTON CORREIA DOS SANTOS E OUTRO(S)

EMENTA PROCESSUAL CIVIL. RECURSO ESPECIAL. RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO. DENUNCIAÇÃO DA LIDE. DISPENSABILIDADE. 1. Conforme jurisprudência assentada na 1ª Seção desta Corte, no ERESP 313.886/RN, Rel. Min. Eliana Calmon, DJ de 22.03.2004, "a denunciação da lide ao agente do Estado em ação fundada na responsabilidade prevista no art. 37, § 6º, da CF/88 não é obrigatória, vez que a primeira relação jurídica funda-se na culpa objetiva e a segunda na culpa subjetiva, fundamento novo não constante da lide originária". 2. Recurso especial a que se nega provimento.

ACÓRDÃO Vistos e relatados estes autos em que são partes as acima indicadas, decide a Egrégia Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça, por unanimidade, negar provimento ao recurso especial, nos termos do voto do Sr. Ministro Relator. Os Srs. Ministros Denise Arruda, José Delgado, Francisco Falcão e Luiz Fux votaram com o Sr. Ministro Relator.

Brasília, 15 de maio de 2007.

MINISTRO TEORI ALBINO ZAVASCKI Relator

Documento: 691516 - Inteiro Teor do Acórdão - Site certificado - DJ: 04/06/2007

Página 1 de 5

Superior Tribunal de Justiça
RECURSO ESPECIAL Nº 903.949 - PI (2006/0215333-0) RECORRENTE PROCURADOR RECORRIDO ADVOGADO : : : : ESTADO DO PIAUÍ DANILO E SILVA DE ALMENDRA FREITAS E OUTROS ANTÔNIO DE PADUA SIQUEIRA BRANDÃO RICARDO ILTON CORREIA DOS SANTOS E OUTROS RELATÓRIO

O EXMO. SR. MINISTRO TEORI ALBINO ZAVASCKI (Relator): Trata-se de recurso especial (fls. 133-142) interposto com fundamento na alínea a do permissivo constitucional em face de acórdão do Tribunal de Justiça do Estado do Piauí que, em demanda visando à reparação de danos com base na responsabilidade objetiva do Estado, deu provimento a agravo de instrumento interposto de decisão que concedera o pedido de denunciação da lide. O aresto restou assim ementado:
"AGRAVO DE INSTRUMENTO. AÇÃO ORDINÁRIA DE REPARAÇÃO POR DANOS MORAIS C/C ANTECIPAÇÃO DE TUTELA. DENUNCIAÇÃO DA LIDE. INCABÍVEL, RESPONSABILIDADE OBJETIVA DO RÉU. O interesse público não pode ser colocado como desculpa para justificar o erro de uma autoridade. O Estado responde pelos erros cometidos pelos seus agentes. Inteligência do art. 37, § 6º, da CF/88. Descabe denunciação da lide ao funcionário ou servidor, quando a demanda é de indenização, fundada na responsabilidade objetiva, porque implica introdução de fundamento novo, estranho à causa de pedir da ação principal. Art. 5º, X, da CF/88. Recurso conhecido e provido, para reformar a decisão agravada, de acordo com o parecer ministerial" (fl. 126).

Nas razões do recurso especial, o recorrente aponta ofensa ao art. 70, III, do CPC, pois "o dispositivo é claro ao prever 'possibilidade' de se denunciar à lide o responsável direto pelo dano, de modo a possibilitar que em futura ação regressiva o denunciante tenha seu prejuízo ressarcido, caso venha a sucumbir na demanda principal" (fl. 136). Em contra-razões (fls. 146-153), pugna o recorrido pelo não conhecimento do recurso especial em razão da incidência das Súmulas 07 e 282 do STJ. No mérito, postula o seu improvimento. É o relatório.

Documento: 691516 - Inteiro Teor do Acórdão - Site certificado - DJ: 04/06/2007

Página 2 de 5

Superior Tribunal de Justiça
RECURSO ESPECIAL Nº 903.949 - PI (2006/0215333-0) RELATOR RECORRENTE PROCURADOR RECORRIDO ADVOGADO : : : : : MINISTRO TEORI ALBINO ZAVASCKI ESTADO DO PIAUÍ DANILO E SILVA DE ALMENDRA FREITAS E OUTROS ANTÔNIO DE PADUA SIQUEIRA BRANDÃO RICARDO ILTON CORREIA DOS SANTOS E OUTROS EMENTA PROCESSUAL CIVIL. RECURSO ESPECIAL. RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO. DENUNCIAÇÃO DA LIDE. DISPENSABILIDADE. 1. Conforme jurisprudência assentada na 1ª Seção desta Corte, no ERESP 313.886/RN, Rel. Min. Eliana Calmon, DJ de 22.03.2004, "a denunciação da lide ao agente do Estado em ação fundada na responsabilidade prevista no art. 37, § 6º, da CF/88 não é obrigatória, vez que a primeira relação jurídica funda-se na culpa objetiva e a segunda na culpa subjetiva, fundamento novo não constante da lide originária". 2. Recurso especial a que se nega provimento. VOTO

O EXMO. SR. MINISTRO TEORI ALBINO ZAVASCKI (Relator): 1. Não merece acolhida a alegação de falta de prequestionamento, pois a matéria foi devidamente debatida no acórdão recorrido. Também não necessita de revolvimento de provas a análise do recurso especial, devendo ser afastada a alegada aplicação da Súmula 07 do STJ. 2. Com relação à necessidade de denunciação da lide do agente estatal, nos casos de responsabilidade objetiva do Estado, a 1ª Seção do STJ, no ERESP 313.886/RN, Rel. Min. Eliana Calmon, DJ de 22.03.2004, assentou o entendimento sintetizado na seguinte ementa: "PROCESSUAL CIVIL E ADMINISTRATIVO - RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO - DENUNCIAÇÃO DA LIDE - DIREITO DE REGRESSO - ART. 70, III, DO CPC. 1. A denunciação da lide só é obrigatória em relação ao denunciante que, não denunciando, perderá o direito de regresso, mas não está obrigado o julgador a processá-la, se concluir que a tramitação de duas ações em uma só onerará em demasia uma das partes, ferindo os princípios da economia e da celeridade na prestação jurisdicional. 2. A denunciação da lide ao agente do Estado em ação fundada na responsabilidade prevista no art. 37, § 6º, da CF/88 não é obrigatória, vez que a primeira relação jurídica funda-se na culpa objetiva e a segunda na culpa subjetiva, fundamento novo não constante da lide originária. 3. Não perde o Estado o direito de regresso se não denuncia a lide ao seu preposto (precedentes jurisprudenciais). 4. Embargos de divergência rejeitados".
Documento: 691516 - Inteiro Teor do Acórdão - Site certificado - DJ: 04/06/2007 Página 3 de 5

Superior Tribunal de Justiça
Assim, não há qualquer vício na decisão que indeferiu a denunciação da lide apresentada pela recorrente, devendo ser mantido o acórdão atacado. 3. Pelo exposto, nego provimento ao recurso especial. É o voto.

Documento: 691516 - Inteiro Teor do Acórdão - Site certificado - DJ: 04/06/2007

Página 4 de 5

Superior Tribunal de Justiça
CERTIDÃO DE JULGAMENTO PRIMEIRA TURMA

Número Registro: 2006/0215333-0
Números Origem: 1030154155 40014525 PAUTA: 15/05/2007

REsp 903949 / PI

JULGADO: 15/05/2007

Relator Exmo. Sr. Ministro TEORI ALBINO ZAVASCKI Presidente da Sessão Exmo. Sr. Ministro TEORI ALBINO ZAVASCKI Subprocurador-Geral da República Exmo. Sr. Dr. AURÉLIO VIRGÍLIO VEIGA RIOS Secretária Bela. MARIA DO SOCORRO MELO AUTUAÇÃO
RECORRENTE PROCURADOR RECORRIDO ADVOGADO : : : : ESTADO DO PIAUÍ DANILO E SILVA DE ALMENDRA FREITAS E OUTRO(S) ANTÔNIO DE PADUA SIQUEIRA BRANDÃO FILHO RICARDO ILTON CORREIA DOS SANTOS E OUTRO(S)

ASSUNTO: Administrativo - Responsabilidade Civil do Estado - Indenização - Ato Ilícito - Dano Material c/c Moral

CERTIDÃO Certifico que a egrégia PRIMEIRA TURMA, ao apreciar o processo em epígrafe na sessão realizada nesta data, proferiu a seguinte decisão: A Turma, por unanimidade, negou provimento ao recurso especial, nos termos do voto do Sr. Ministro Relator. Os Srs. Ministros Denise Arruda, José Delgado, Francisco Falcão e Luiz Fux votaram com o Sr. Ministro Relator. Brasília, 15 de maio de 2007

MARIA DO SOCORRO MELO Secretária

Documento: 691516 - Inteiro Teor do Acórdão - Site certificado - DJ: 04/06/2007

Página 5 de 5