Segurança em Atmosferas Explosivas

EX
A aplicação das directivas ATEX nos postos de abastecimento de combustíveis da Galp Energia
José Arega Lopes

II Encontro Ibérico- Segurança Industrial e Engenharia de Protecção Contra Incêndios Porto, 26 e 27 de Outubro de 2006 AQS Corporativo

Índice

1. O que é a Segurança? 2. O que são Atmosferas Explosivas? 3. As Directivas ATEX 4. Implementação na Galp 5. Mensagem final

AQS Corporativo

1. O que é a Segurança? 2. O que são Atmosferas Explosivas? 3. As Directivas ATEX 4. Implementação na Galp 5. Mensagem final

AQS Corporativo

Evolução do Conceito de Segurança 70 80 90 XXI Orientação Reactiva Preventiva Pró-activa Criativa Paradigma Paradigma Orientação Objectivo Objectivo Intenção Ênfase Intenção Ferramentas Normas Qualidade Total Comportamento Sustentabilidade Desacordo Inexistente Zero Acidentes Zero Comportamentos de Risco Crescimento Extraordinário da População Segura Ambiente Social e Economicamente Sustentável Aumento da Responsabilidade Cidadãos Cooperantes Planeta Pessoas Cultura e Rendibilidade Evitar Consequências de Não Conformidades Equipamentos e Processos Evitar Custos dos Acidentes e Danos Ênfase Programas e Sistemas Segurança nas Atitudes e Comportamentos AQS Corporativo .

• Soluções de Engenharia • Standards • Foco na Segurança e Ambiente PATOLOGICO O que importa? Desde que não seja comigo… Incremento da Informação e Compromisso Adaptado de Shell International Exploration & Production B.Evolução Cultural da Segurança Incremento da Confiança e Responsabilidade • Comportamento • Liderança • Responsabilidade Pessoal • Motivação e Crenças • Compromissos com a Comunidade • Segurança constrói Valor CRIATIVO A Segurança cria Valor PROACTIVO Trabalhamos nos problemas que ainda temos PREVENTIVO Temos um sistema de gestão de Segurança que nos controla os riscos • • • • Gestão de Riscos Reporte Medição Competência REACTIVO A Segurança é importante. Aprendemos e corrigimos muita coisa sempre que temos um acidente.V: AQS Corporativo .

Implementação na Galp 5. As Directivas ATEX 4. Mensagem final AQS Corporativo . O que é a Segurança? 2.1. O que são Atmosferas Explosivas? 3.

A sua volatilidade depende da temperatura A sua inflamibilidade depende da percentagem de vapores de hidrocarbonetos.Atmosferas Explosivas TRIÂNGULO DO FOGO COMBUSTÍVEL ( na fase gasosa ) COMBURENTE ( oxigénio ) FONTE DE IGNIÇÃO ( chama. faísca ou calor. presente na mistura com o ar. etc. AQS Corporativo . ) A gasolina o gasóleo e gases do petróleo liquefeito. são voláteis e inflamáveis.

Atmosferas Explosivas Os produtos petrolíferos comercializados nos postos de abastecimento como seja a gasolina.60 ºC -150 ºC AQS Corporativo .40 ºC . gasóleo e gases de petróleo liquefeito libertam vapores inflamáveis. quando atingem temperaturas superiores a: Gasóleos Petróleos Gasolinas Butano Propano + 55 ºC + 30 ºC .

5 % Propano > 10 % AQS Corporativo .6 % Gasóleos > 7 % Petróleos > 6 % Butano > 9. Limite Inferior de inflamibilidade Mistura muito pobre não ocorre inflamação Existindo uma fonte de ignição ocorre incêndio ou explosão Limite Superior de inflamibilidade Mistura muito rica não ocorre inflamação Gasolinas < 1.2 % Gasolinas > 7.1 % Propano < 2.4 % Gasóleos < 0.6 % Petróleos < 0.6 % Butano < 1.Atmosferas Explosivas Se tivermos valores de mistura de vapores de hidrocarbonetos com o ar entre os limites inferior e superior de inflamibilidade e se houver uma Fonte de Ignição dá-se um incêndio ou explosão.

pressão e som simultaneamente ou não. violenta e não controlada de energia mecânica. química ou nuclear que produz um aumento de temperatura. AQS Corporativo .Atmosferas Explosivas Uma explosão é a libertação súbita.

Implementação na Galp 5. Mensagem final AQS Corporativo .1. As Directivas ATEX 4. O que é a Segurança? 2. O que são Atmosferas Explosivas? 3.

transpõe a directiva europeia n.As Directivas ATEX EX O decreto lei n.º 1999/92/CE.º 236/2003 de 30 de Setembro. relativa às prescrições mínimas de protecção e segurança dos trabalhadores expostos a riscos derivados de atmosferas explosivas AQS Corporativo .

transposta para a legislação nacional pelos DL 112/96 de 5 de Agosto e portaria n. especificam as condições a que devem obedecer os equipamentos eléctricos ou mecânicos a utilizar em atmosferas potencialmente explosivas. AQS Corporativo .94/9/CE chamada directiva ATEX (do francês Atmosphères Explosives).º 341/97 de 21 de Maio.As Directivas ATEX EX A directiva nº.

As Directivas ATEX Classificação de trabalho Todas as áreas de industrias de superfície Certificação ATEX II 1 G Designação das atmosferas gases ou vapores inflamáveis Categoria do dispositivo Classificada para zona 0 AQS Corporativo .

O que são Atmosferas Explosivas? 3. O que é a Segurança? 2. Mensagem final AQS Corporativo . Implementação na Galp 5.1. As Directivas ATEX 4.

4. Manual de Protecção contra Explosões AQS Corporativo . Avaliação dos riscos de explosão • • • Classificação de Zonas Fontes de Ignição Avaliação de Riscos b. Implementação na Galp a. Prevenção e Protecção contra explosões • • Medidas Técnicas Medidas Organizativas c.

Áreas Laje de Abastecimento Zona de Descarga de Combustíveis Depósitos de Combustíveis Separador de Hidrocarbonetos Sub .Regulamento de Construção e Exploração de Postos de Abastecimento.Identificação das Áreas As áreas identificadas como aquelas em que existe o risco de formação de atmosferas explosivas são as que constam da portaria 131/2002 de 9 de Fevereiro .áreas Bombas de Abastecimento Caixas de Enchimento dos Reservatórios Caixas de Visita dos Reservatórios Respiros dos Reservatórios Caixas de Visita do Separador Respiro do Separador Paletes da garrafas de Gás Bombas Enchimento de Reservatório Reservatório Válvulas de Segurança GPL AQS Corporativo .

Identificação das Áreas 1 2 3 4.5 Bombas de Abastecimento Caixas de Enchimento dos Reservatórios Caixas de Visita dos Reservatórios Respiros dos Reservatórios Paletes da garrafas de Gás Bombas de Gás Enchimento de Reservatório de Gás Reservatório de Gás Válvulas de Segurança Caixas de Visita e Respiro do Separador de hidrocarbonetos AQS Corporativo .

Classificação das Áreas de Perigo As áreas de perigo são todas aquelas onde se podem formar atmosferas explosivas e são classificadas (de acordo com Dec. em função da frequência.º 236/2003). intensidade e tempo de duração em que ocorrem essas atmosferas. Descrição Área onde existe permanentemente ou durante largos períodos de tempo uma atmosfera explosiva Simbologia Zona 0 Classificação das Áreas Zona 1 Área onde é provável. em condições normais de funcionamento. a formação ocasional de uma atmosfera explosiva Área onde não é provável. a formação ocasional de uma atmosfera explosiva Zona 2 AQS Corporativo . em condições normais de funcionamento.Lei n.

Classificação das Áreas de Perigo Zona 0 Zona 1 Zona 2 AQS Corporativo .

Classificação das Áreas de Perigo AQS Corporativo .

Avaliação de Riscos A Avaliação de Riscos pode ser feita através do cálculo do Nível de Risco que permite a sua quantificação e estabelecer as prioridades de acção e controlo. através do Nível de Intervenção: Nível de Exposição Nível de Probabilidade Nível de Risco Nível de Intervenção Nível de Deficiência Nível de Consequência AQS Corporativo .

Avaliação de Riscos Nível de Exposição Nível de Probabilidade Nível de Risco Nível de Deficiência Nível de Consequência Nível de Intervenção Nível de Exposição Continuada Frequente Ocasional Esporádica Significado Continuamente. Várias vezes durante o dia com tempo prolongado. Várias vezes durante o dia com tempos curtos ou algumas vezes durante a semana com tempo prolongado Algumas vezes durante a semana e com um período curto de tempo Irregular AQS Corporativo .

Avaliação de Riscos Nível de Exposição Nível de Probabilidade Nível de Risco Nível de Deficiência Nível de Consequência Nível de Intervenção Nível de Deficiência Probabilidade de Existência de Fontes de Ignição Improvável Provável Médio Muito Alto Muito Alto Muito Provável Alto Muito Alto Muito Alto Classificação de Zonas Zona 2 Zona 1 Zona 0 Aceitável Aceitável Médio Nível de Deficiência Muito Alto Alto Médio Aceitável Significado Detectam-se factores de risco muito significativos que determinam como muito possível a geração de falhas. AQS Corporativo . O conjunto das medidas preventivas existentes em relação ao risco é ineficaz. A eficácia das medidas preventivas existentes não se vê reduzida de forma apreciável. A eficácia do conjunto das medidas preventivas vê-se reduzida de forma apreciável. Detectam-se factores de risco de menor importância. Detectam-se factores de risco importantes que necessitam de correcção urgente. Não se detectou nenhuma. Não se valoriza. O risco está controlado.

Não é provável que o risco se materialize Nível de Intervenção Frequente (F) Provável (P) Ocasional (O) Remoto (R) Improvável (I) AQS Corporativo . ou deficiente com exposição continuada. A materialização do risco pode acontecer. Situação muito deficiente com exposição ocasional ou esporádica ou situação deficiente com exposição frequente ou ocasional. Não se espera que se materialize o risco. Situação deficiente com exposição esporádica ou situação melhorável com exposição continuada ou frequente. Normalmente a materialização do risco ocorre com frequência. A materialização do risco pode acontecer algumas vezes.Avaliação de Riscos Nível de Exposição Nível de Probabilidade Nível de Risco Nível de Deficiência Nível de Consequência NP= NE x ND Sendo classificado de acordo com o seguinte critério: Nível de Probabilidade Significado Situação muito deficiente com exposição continuada ou frequente. se bem que pode ser admissível. Situação melhorável com exposição ocasional ou esporádica.

Avaliação de Riscos Nível de Exposição Nível de Probabilidade Nível de Risco Nível de Deficiência Nível de Consequência Nível de Intervenção O Nível de Consequência classifica as consequências da materialização do risco de acordo com os danos físicos e materiais: Nível de Consequência Mortal ou Catastrófico (M) Muito Grave (MG) Grave (G) Leve (L) Significado Danos Pessoais 1 Morto ou mais Danos Materiais Destruição total Lesões graves que podem ser irreparáveis Lesão com incapacidade temporária Pequenas lesões que não requerem hospitalização Destruição parcial Requer suspensão da actividade Reparável sem necessidade de suspender a actividade AQS Corporativo .

Avaliação de Riscos Nível de Exposição Nível de Probabilidade Nível de Risco Nível de Deficiência Nível de Consequência Nível de Intervenção Finalmente os Níveis de Risco (NR) e de Intervenção é determinado com base nos Níveis de Probabilidade e de Consequência : Nível de Risco = NC x NP = Nível de Intervenção Consequência Catastrófico (C) Frequente (F) Provável (P) Muito Grave (MG) Grave (G) Leve (L) I I Im Im M I Im M M To Im M M To To M To Tr Tr Tr Probabilidade de Ocorrência Ocasional (O) Remoto (R) Improvável (I) AQS Corporativo .

Requer Intervenção Planeada e Monitorização Risco Tolerável(To) Monitorizar Risco Trivial(Tr) Não requer intervenção AQS Corporativo . mas devem se manter as condições actuais de segurança. Devem . a probabilidade do dano como base para determinar a necessidade de melhora das medidas de controlo. Não se requer nenhuma acção específica urgente. São necessárias comprovações periódicas. Não se deve iniciar o trabalho até que se tenha reduzido o risco de explosão. para assegurar que se mantém a eficácia das medidas de controlo dos riscos de explosão. Não é necessário melhorar as acções preventivas. Será necessária uma acção posterior para estabelecer. Se não for possível reduzir o risco deve proibir se a realização do trabalho.se efectuar esforços para reduzir o risco. determinando os investimentos necessários para implementar as medidas de controlo dos riscos de explosão. com mais precisão.Avaliação de Riscos Com a Avaliação de Riscos é definido o Nível de Intervenção ( NI) permitindo prioritizar as acções de controlo de riscos: Nível de Risco Risco Intolerável(I) Nível de Intervenção Imediata Descrição Não se deve iniciar o trabalho até que se tenha reduzido o risco de explosão. É possível que sejam necessários recursos consideráveis para controlar o risco. Risco Importante(Im) Imediata Risco Moderado(M) Urgente.

se poderá efectuar trabalhos com outras ferramentas mas. deve-se garantir a medição em contínuo da concentração de vapores (utilização de explosivímetro) Garantir a Manutenção preventiva periódica das iluminárias e dos cabos da instalação eléctrica Informação e sensibilização dos clientes através de sinalização relativa à prevenção de ignição por electricidade estática. Im = Importante. Tr = Trivial Avaliação Área Causa possível Risco Para realizar manutenções em zonas classificadas (sempre com equipamento parado) utilizar ferramentas que não gerem faíscas. etc. fumadores. Geral Operações de manutenção em zonas classificadas M Apenas no caso em que não existam este tipo de ferramentas.) M Ilhas de abastecimento e ponto de descarga de combustíveis Ilhas de abastecimento e ponto de descarga de combustíveis Ignição na Limpeza de derrames de combustível M Efectuar a limpeza de derrames de combustível com material absorvente não inflamável.Avaliação de Riscos Tabela de Avaliação de Riscos de Explosão Risco → I = Intolerável. M = Moderado. M Retirar o travão da pistola de abastecimento impedindo que os clientes voltem a entrar na viatura enquanto decorre esta operação e adquiram um potencial electrostático Medidas preventivas Geral Corrente eléctrica por rotura de cabos ou iluminárias deterioradas Descarga de electricidade estática de pessoas no enchimento de depósito de veículos e outras fontes de ignição (telemóveis. To = Tolerável. AQS Corporativo .

com a presença de um piquete de urgência • • • • Utilização de sistemas de recuperação de vapores na descarga de veículos cisterna Tampas de registo nos sistemas subterrâneos (depósitos.) Selagem dos equipamentos electrónicos nos pontos de abastecimento Limpeza de derrames de combustíveis AQS Corporativo . etc. separadores. em caso de que ocorra. evitar que a possível mistura gás /ar entre em contacto com uma fonte de ignição e que. as consequências sejam as mínimas possíveis. Medidas para evitar a formação e a extensão de atmosferas explosivas • Selecção de materiais e concepção dos sistemas de tubagem de combustível. de modo a evitar fugas e sobreenchimentos • • • • Selagem liquida das tubagens de enchimento dos reservatórios Selagem de condutas eléctricas Separação das zonas classificadas sempre que seja possível Manutenção preventiva semestral/anual dos equipamentos e correctiva sempre que se registe uma ocorrência. estas medidas têm como objectivo principal.Prevenção e Protecção contra Explosões Medidas Técnicas Uma vez que a principal causa do risco de explosão é a possibilidade da presença de gases ou vapores inflamáveis.

Inspecção e Manutenção da operacionalidade das Vias de Evacuação Proibição de fumar e foguear. Vedação das áreas das operações de descarga de combustíveis e abertura de registos Botoneiras de corte de emergência estão sinalizados e acessíveis AQS Corporativo . • • • • • Protecção contra sobretensões induzidas. Manutenção dos meios de extinção. Vedação das áreas de armazenagem de GPL não acessíveis ao público Utilização de ferramentas de abertura de registos de materiais não geradores de faíscas. adequados à classificação da zona onde operam e instalação eléctrica de acordo com os critérios legais e de boa prática. e calçado não produtor de faíscas. • • • • • Iluminárias afastadas das zonas classificadas. Todo o pessoal (incluindo sub-contratado) que trabalhe em zonas classificadas deverá utilizar roupa com tecido de algodão.Prevenção e Protecção contra Explosões Medidas Técnicas Medidas para evitar a ignição ou reduzir as consequências da mesma • Máquinas. equipamentos com categoria.

Prevenção e Protecção contra Explosões Medidas Organizativas A Galp Energia está a implementar um Sistema de Gestão de Segurança. que obriga ao preenchimento de uma Autorização de Trabalho Especial. no qual se estabelecem os princípios para a Avaliação de Riscos e adopção de medidas de protecção A Galp Energia comprova a compatibilidade dos Procedimentos Operacionais para zonas classificadas das empresas subcontratadas com os seus próprios procedimentos. que contempla o trabalho em zonas classificadas Os empreiteiros de manutenção trabalham com contratos de vários anos de duração e contam com experiência A Galp Energia dispõe de um Manual de Técnico de Ambiente Qualidade e Segurança. Este programa inclui cursos de formação teórico-prática de prevenção e extinção de incêndios e prevenção e protecção contra explosões Esta programa de formação também foi disponibilizadas às empresas de manutenção AQS Corporativo . no qual se indicam o modus operandi. para que as principais acções a realizar na operação em operações normais e ocasionais se efectuem de forma segura A Galp Energia desenvolveu um programa de informação e formação contínua para os seus colaboradores. garantindo assim níveis de segurança adequados A Galp Energia dispõe de uma Norma de Procedimento para Trabalhos com Riscos Especiais.

a Galp Energia a elabora um Plano de Segurança e Saúde.Prevenção e Protecção contra Explosões Medidas Organizativas As zonas classificadas estão sinalizadas como zonas com atmosferas potencialmente explosivas Nas zonas de acesso público ( bombas de abastecimento ) estão discriminadas regras para o abastecimento em segurança A selecção de equipamentos pela área de Engenharia é feita de acordo com as especificações de equipamentos para atmosferas explosivas ( EX) Os postos de abastecimento possuem Planos de Emergência Internos implementados e actualizado periodicamente O pessoal dos postos de abastecimento realiza periodicamente exercícios práticos de extinção de incêndios As instalações dispõem de sistemas de detecção e combate de incêndios As instalação dispõe de um sistema de CCTV (Circuito fechado de Televisão) Os trabalhos que envolvem Obras. que tem em conta as possíveis atmosferas explosivas Galp Energia possui um programa de manutenção mecânica e eléctrica preventiva (semestral) e correctiva dos equipamentos assim como do sistema de drenagem (anual) AQS Corporativo .

Manual de Protecção contra Explosões AQS Corporativo .

O que são Atmosferas Explosivas? 3. Mensagem final AQS Corporativo . Implementação na Galp 5.1. O que é a Segurança? 2. As Directivas ATEX 4.

9. Treino e Motivação Gestão de Subcontratados Gestão de Emergências Gestão de Mudanças 4. Autorizações de Trabalho e Regras de Segurança Auditorias e Análise de acidentes e incidentes Gestão de Pessoas: Formação. AQS Corporativo . 3.10 regras para lidar com zonas perigosas: 1. 2. Compreender a natureza dos Materiais Perigosos Identificar as áreas onde o Risco pode ocorrer e quantificar a probabilidade de ocorrência Seleccionar os equipamentos eléctricos e mecânicos com o nível de protecção adequado a cada zona perigosa instalá-los de acordo com um código de práticas adequado Inspeccionar e efectuar a manutenção dos equipamentos mantendo a suas características durante o seu tempo de vida útil Procedimentos. 6. 5. 8. 7. 10.

Causas de Danos Físicos Condições Inseguras 4% 96% Actos Inseguros AQS Corporativo .

AQS Corporativo .

AQS Corporativo .