Quim. Nova, Vol. 30, No.

3, 623-628, 2007 MECANISMO E APLICAÇÕES DA REAÇÃO DE FENTON ASSISTIDA POR COMPOSTOS FENÓLICOS REDUTORES DE FERRO André Aguiar* e André Ferraz Departamento de Biotecnologia, Escola de Engenharia de Lorena, Universidade de São Paulo, CP 116, 12600-970 Lorena – SP, Brasil David Contreras Departamento de Química Analítica e Inorgânica, Facultad de Ciencias Químicas, Universidade de Concepción, Cp 160-C, Concepción - Chile Jaime Rodríguez Facultad de Ciencias Forestales e Laboratório de Recursos Renováveis, Centro de Biotecnología, Universidade de Concepción, Cp 160-C, Concepción - Chile Recebido em 13/1/06; aceito em 31/5/06; publicado na web em 19/1/07

MECHANISM AND APPLICATIONS OF THE FENTON REACTION ASSISTED BY IRON-REDUCING PHENOLIC COMPOUNDS. The mechanism and applications of the Fenton reaction assisted by iron-reducing phenolic compounds (IRPC) is reviewed. The presence of IRPC leads to the formation of a larger number of free radicals. The relationship between the redox potential and the IRPC structure is discussed. The effect of humic substances in the degradation of xenobiotics is also included, since these substances are able to reduce metallic ions. The natural occurrence of Fe3+/H2O2/IRPC in wood biodegradation processes, as well as their application is also discussed. The review concludes with the advantages of the Fe3+/H2O2/IRPC systems and some considerations for further process optimization and their applications at industrial levels. Keywords: Fenton reaction; xenobiotics; iron-reducing phenolic compounds.

OS PROCESSOS OXIDATIVOS AVANÇADOS (POA) Xenobióticos são substâncias estranhas aos organismos vivos presentes em águas, solos e na atmosfera, produzidas pela ação do homem e de difícil biodegradabilidade. Para tratamento de águas residuárias contendo compostos não biodegradáveis, os métodos de coagulação química (floculação), adsorção com carvão ativo e separação por membranas demonstram grande eficiência, no entanto, os poluentes retidos (concentrados) necessitam ser posteriormente tratados. Os processos oxidativos avançados (POA) têm recebido grande interesse no tratamento e pré-tratamento de compostos não biodegradáveis em águas, atmosferas e solos contaminados, pois convertem a matéria orgânica em CO2 e H2O ou no caso de pré-tratamentos, tornando-os biodegradáveis. Os POA são definidos como processos que geram radicais hidroxila (•OH) em quantidades suficientes para a degradação de matéria orgânica, empregando diferentes combinações de precursores como H2O2, O3, luz UV (ultra-violeta), ultra-som e sais de ferro1. Um dos POA mais promissores consiste na reação entre Fe2+ e H2O2, conhecida como a reação de Fenton (Equação 1), que gera os radicais OH que possuem elevado potencial de oxi-redução (2,3 V), atacando indistintamente todas as espécies presentes no meio reacional2,3. A alta reatividade do radical OH resulta em reações rápidas, da ordem de 1 x 1010, e inespecíficas com os distintos substratos, o que implica que a velocidade de reação normalmente é limitada pela velocidade de difusão4,5. Quando é utilizado Fe3+ ao invés de Fe2+ e H2O2 em excesso (reação tipo Fenton), outros radicais de menor potencial de oxidação como hidroperoxila (HO2•) e ânion superóxido (O2•-) também são formados6,7. A proporção na qual estes radicais são produzidos é determinada pelo pH, pois a protonação do ânion superóxido ocorre em meio ácido, cujo equilíbrio apresenta pKa 4,88.
*e-mail: andrepiranga@yahoo.com.br

Fe2+ + H2O2 → Fe3+ + -OH + •OH

k = 76 L mol-1 s-1, T = 25 ºC (1, reação de Fenton)

O radical OH pode atuar como um eletrófilo ou como um nucleófilo, atacando moléculas orgânicas pela abstração de hidrogênio ou acoplando-se em duplas ligações e anéis aromáticos (hidroxilação), inclusive em posições substituídas causando reações como desmetoxilação6, desalogenação9-11, desalquilação12,13, desnitração14, desaminação15 e descarboxilação16,17. Apesar da maior velocidade de reação entre Fe2+ e H2O218, a utilização de Fe3+ é mais conveniente, pois neste estado de oxidação o ferro é mais abundante19 e tem menor custo. A decomposição de H2O2 por Fe3+ gera a espécie reduzida Fe2+, que também reage com H2O2, e o radical hidroperoxila (Equação 2). O íon Fe3+ também pode ser reduzido por esse radical (Equação 3), gerando radicais OH pela reação de Fenton. Fe3+ + H2O2 → Fe2+ + HO2• + H+ k = 1 x 10-2 L mol-1 s-1, T = 25ºC (2) Fe3+ + HO2• → Fe2+ + O2 + H+ (3)

O cobre também atua como um catalisador na decomposição de H2O2 (reação de Fenton cuprosa), de modo similar ao ferro. Ambos metais de transição reagem com H2O2 formando complexos intermediários, que em seguida se decompõem formando o radical OH. Peróxidos orgânicos (RO2H) também são decompostos por esses metais, formando os radicais alcoxila (RO•) e peroxila orgânico (RO2•)2. Na reação de Fenton cuprosa, o complexo formado entre H2O2 e o metal é mais estável que na reação de Fenton ferrosa20. Como conseqüência, as espécies ativadas da reação de Fenton cuprosa podem ser o radical OH ou o íon Cu3+. A reação de Fenton cuprosa é aproximadamente 3 vezes mais rápida que a ferrosa4, no entanto, a estabilidade do Cu1+ em solução aquosa depende da presença de quelantes

Revisão

em seguida. Pracht et al. A principal vantagem desse sistema é o seu efeito pró-oxidante. A via reacional de redução de Fe3+ pelo catecol está mostrada na Figura 1. sendo reduzido pelo radical semiquinona aos radicais O2-/HO2. o que aumenta a decomposição de H2O2 e a produção de radicais OH. Alguns compostos analisados por Sun e Pignatello12 que mediaram a reação entre Fe3+ e H2O2 apresentaram um período inicial de indução para degradar o ácido 2. o que posteriormente foi denominado de sistema de Hamilton. hidroquinona. Um mecanismo semelhante é observado para o íon Cu2+ 7. -CH=CH-CO2H) presentes no anel aromático de vários compostos afetaram diferentemente o comportamento dessas reações. uma outra rota de produção desse forte agente oxidante. O álcool vanílico (3-metoxi-4-hidroxi-benzílico) foi o mais eficiente na redução de Fe3+.siringol 35 APLICAÇÃO DE CFRF NA DEGRADAÇÃO DE XENOBIÓTICOS PELA REAÇÃO DE FENTON O primeiro trabalho que descreveu a degradação de xenobióticos pela reação de Fenton assistida pelo catecol foi desenvolvido por Hamilton et al. como oxalato-Fe3+.hidroquinona. devido à maior geração de radicais livres e por um tempo mais prolongado.pirogalol. Fe3+ e H2O2 são agentes oxidantes mais fortes que seus precursores. cloro-benzeno. mas não para o cobre. Quim. uma quinona em solução é regenerada ao radical semiquinona com a geração simultânea de radical OH. A redução inesperada de Fe3+ por derivados do resorcinol (ácidos 2. é oxidado monoeletronicamente por um mecanismo de esfera interna (o catecol sendo parte do complexo) gerando um radical semiquinona26. Estruturas dos compostos fenólicos avaliados na redução de Fe3+ e Cu2+: 1. Para os DHB.21. COMPOSTOS FENÓLICOS REDUTORES DE FE3+ (CFRF): MECANISMO DE REDUÇÃO E INFLUÊNCIA DE GRUPOS FUNCIONAIS Os compostos mais estudados como auxiliares na reação tipo Fenton são os DHB. guaiacol e siringol.21.5 por cerca de 20 compostos do tipo catecol.17 sugeriram que as quinonas podem ser regeneradas aos compostos catecol ou hidroquinona reagindo com o radical HO2 em duas etapas. guaiacol e hidroquinona. Nova ou compostos que reduzam constantemente Cu2+ a Cu1+. enquanto a vanilina foi o único derivado do guaiacol que não reduziu Cu2+ 35. violeta de pirocatecol ou o próprio catecol com Fe3+ e H2O2 foi mais rápida e eficiente na degradação do pesticida. resorcinol. Figura 2. principalmente os derivados do catecol. Derivados do catecol. O aumento da concentração de ácido picolínico (2carboxi-piridina) na oxidação do ácido 2. possibilitando maior eficiência nos processos de remediação17. que podem ser convertidos em H2O23. hidroquinona. pois não pode ser convertido em quinonas.27.guaiacol e 6. Foi também observado que outros grupos funcionais (-CO2H.17. os possíveis radicais semiquinona formados pela oxidação desse composto poderiam se acoplar. 3.624 Aguiar et al.resorcinol.4-dicloro-fenoxi-acético. pirogalol.33-36. A oxidação das o-quinonas formadas por Fe3+ foi sugerida. principalmente os ácidos 3.6-di-hidroxibenzóico) foi observada.19.22. Chen et al. enquanto a hidroquinona reduziu Fe3+ na relação 2:1 sem sofrer mineralização.21-25.37. e fotolisa compostos orgânicos complexados com esse cátion. a decomposição de H2O2 ocorre por ocasião do decaimento das espécies ativas geradas nos complexos de Fe3+ 1.34 relataram que resorcinol não reduz Fe3+. A concentração de CFRF nessas reações é um parâmetro muito importante que deve ser otimizado. Foram estudadas reações de hidroxilação do benzeno. Alguns sistemas foto-Fenton também podem fazer uso de irradiações de menor energia como as do UV próximo e do visível presentes na luz solar. 4. Pracht et al. Um outro meio de acelerar a reação entre Fe3+ e H2O2 para produção de radicais OH consiste no uso de compostos fenólicos.22.31. Uma solução envelhecida (4 h) contendo o flavonóide quercetina.5-di-hidroxi-tereftálico foram os mais eficientes na redução de Fe3+ e Cu2+. -CHO.e 2.34 observaram que catecol. Oxidação de catecol por metais de transição ou O2 e formação de radical OH (M = Fe ou Cu) . Chen e Pignatello32 observaram que na presença de luz UV. O catecol quela o íon Fe3+ formando um complexo que.24. a vanilina (3-metoxi-4-hidroxi-benzaldeído) foi menos eficiente na redução de Fe3+ que os ácidos vanílico (3metoxi-4-hidroxi-benzóico) e ferúlico (3-metoxi-4-hidroxicinâmico). O O2 também pode atuar como um aceptor de elétrons. formando uma quinona26. comparada à reação de Fenton convencional16. No entanto. Na reação conhecida como foto-Fenton. -CH2OH. Aguiar e Ferraz35 avaliaram a redução de íons Fe3+ e Cu2+ em pH 4. ácido cloranílico e pquinona. Entre os derivados do guaiacol. as posições das hidroxilas no anel aromático exercem forte influência na redução dos íons metálicos. pirogalol e hidroquinona. Na Tabela 1 são mostrados vários trabalhos que empregaram diferentes CFRF em reações do tipo Fenton para oxidação de xenobióticos.catecol. nitro-benzeno e anisol (metoxi-benzeno) por Fe3+ e H2O2 na presença de catecol.5-tri-hidroxi-benzóico) e 2. A maioria dos compostos avaliados reduziu mais o íon Fe3+ que Cu2+ e acima da relação 2:1. exceto resorcinol reduziram Fe3+ em sua forma solúvel e insolúvel. principalmente os di-hidroxibenzenos (DHB) que apresentam habilidade de reduzir esse metal de transição. 2. Catecol e guaiacol reduziram o íon Fe3+ em uma relação molar acima de 2:1 e foram mineralizados.4. que é alvo dessa revisão.4-dicloro-fenoxi-acético Figura 1. Nesses casos. A atividade oxidante de íons Fe3+ e Cu2+ tem sido avaliada para vários compostos fenólicos7. gálico (3. a luz UV reduz Fe3+ a 2+ Fe .4-di-hidroxi-fenilacético.28-30. formando dímeros ou outros produtos de oxidação. Este é posteriormente oxidado monoeletronicamente por um mecanismo de esfera externa (semiquinona não forma parte do complexo) por outro íon. mostrando que os produtos intermediários formados entre os CFRF. As principais estruturas dos compostos fenólicos avaliados são mostradas na Figura 2.4. 5. Os compostos fenólicos regeneram os íons Fe2+ para reagir com H2O2.

30.5 tem sido observada12. HAP.e m-hidroxi-benzóico e ftálico*. anisol HAP verde malaquita EDTA-Fe3+ *compostos não fenólicos causou efeito inibitório. 90% de EDTA-Fe3+ foi degradado com 20% de perda de carbono orgânico total (COT). Os ácidos succínico. pirogalol.e mhidroxi-benzóico. rodizônico.11. Nesse caso. a degradação do ácido 2. Certas amostras de efluentes. rodizônico e picolínico após 30. Alguns estudos também têm avaliado a eficiência de CFRF com o metal em seu estado reduzido no início das reações. O tratamento químico (24 h) prévio ao tratamento com bactérias (4 semanas) proporcionou mais de 98% de degradação dos HAP de 2 e 3 anéis (naftaleno.0-6. sem sofrer mineralização. A integração entre tratamento biológico e sistema Fe3+/H2O2/ CFRF também tem proporcionado resultados satisfatórios. fluoreno. benzo[a]pireno).3-DHB catecol.21-25.41 demonstraram que a oxidação química com H2O2 e catecol (6 h) prévia ao tratamento biológico com a levedura Saccharomyces cerevisiae (9 dias) promoveu 100% de degradação de EDTA-Fe3+ e 68% de remoção de COT. dispensando a acidificação de amostras a serem tratadas.3-DHB. hidroquinona. p-quinona* ácidos 2. possivelmente devido ao efeito de competição entre esses dois compostos pelos radicais OH. Estudos realizados com compostos não aromáticos e que aparentemente não são agentes redutores de Fe3+ ou Cu2+. hidroquinona. inclusive na presença de substâncias húmicas10. resorcinol. criseno. principalmente no caso de solos e efluentes alcalinos. Com um aumento de 2 x 10-3 para 2 x 10-2 mol L-1 de H2O2. cloro-benzeno. tetra-1.13. Apesar deste composto e também dos ácidos p. ácidos salicílico e ftálico. 60 e 90 min.15 e em processos de biorremediação9.4lactona têm sido avaliados na formação de complexos com cátions metálicos. podendo também facilitar a degradação da matéria orgânica presente.42. exceto o ácido ascórbico16. a toxicidade desses metais pode causar outros problemas ambientais. picolínico* e 2.39.5-tricloro-fenoxi-acético por Fe3+ e H2O2 foi mais eficiente na presença do ácido rodizônico. guaiacol e siringol44.3-DHB e protocatecóico. Esse efeito foi atribuído à reação mais rápida entre esses copolímeros com os radicais OH. a formação de complexos estáveis entre os CFRF e Fe3+ em valores de pH entre 5 e 6. Mesmo nesse sistema (Fe2+/H2O2/ CFRF) a participação de fenóis estimula a formação de radicais livres e a oxidação de xenobióticos22. guaiacol ou ácido protocatecóico em polímeros de acrilamida e ácido acrílico foi efetuada para acelerar a degradação destes copolímeros pela reação de Fenton. catecol ácido 2. catecol. Oviedo et al. enquanto na presença dos ácidos picolínico ou gálico houve maior mineralização deste pesticida. ftálico e o resorcinol não reduzirem Fe3+. resorcinol. catecol catecol.17 também observaram inibição na degradação dos corantes verde malaquita e rodamina 6G com o aumento da concentração de ácido salicílico.38. 38 avaliaram a degradação de hidrocarbonetos aromáticos policíclicos (HAP) extraídos de uma amostra de solo por Fe3+ e H2O2 em pH 6. rodizônico e picolínico ácidos gálico. 3 Mecanismo e aplicações da reação de Fenton 625 Tabela 1. Compostos xenobióticos degradados por Fe3+ ou Fe2+ e H2O2 na presença de compostos fenólicos Xenobióticos ácido 2. ácidos salicílico. empregando CFRF (catecol ou ácido gálico). dessa forma acelerando a degradação dos corantes. também têm estimulado a degradação de xenobióticos por H2O2 e um metal de transição na faixa de pH entre 3 e 9. Todos os três copolímeros de ácido acrílico apresentaram maior redução da massa molar média em relação ao homopolímero (controle). Em POA. como das indústrias de celulose e papel. 22 24 37 38 39 40. rodizônico e picolínico catecol. efluente kraft.5. A incorporação de lignossulfonato.43. 41 . violeta de pirocatecol ácidos gálico. O tratamento biológico prévio ao tratamento químico foi menos eficiente. álcool veratrílico corantes benzeno. principalmente Cu2+ ou Co2+. Apesar do uso de cobre ou cobalto nesses sistemas apresentar grande eficiência. Entretanto. a formação de CFRF a partir de xenobióticos tem sido observada em uma série de tratamentos37. nitro-benzeno. ácido cloranílico*. 12 13 13 17 21..4-hidroxi-quinona. Os copolímeros de guaiacol apresentaram maior redução da massa molar e apresentaram o menor consumo de H2O2. Um método diferente de avaliar a ação de aditivos fenólicos na reação de Fenton foi realizado por Mai et al. Um exemplo de degradação de composto alifático pelo sistema Fe3+/H2O2/CFRF foi relatado por Oviedo et al.4. Por ex. No. glucárico e ascórbico.40.e 4-cloro-fenóis. foi observado que o ácido salicílico sofreu reações de hidroxilação levando à formação de derivados do catecol e da hidroquinona. fenantreno. Chen et al. Sun e Pignatello13 não observaram uma ordem de reatividade entre os CFRF e os substratos (pesticidas) estudados. p. antraceno) e entre 70 e 85% dos HAP de 4 e 5 anéis (pireno. O pH do meio é um parâmetro muito importante em reações do tipo Fenton. Entretanto. na degradação de corantes. Nam et al. neste estudo não foi comentada a regeneração dos íons Fe2+ pelos compostos que foram incorporados. Os copolímeros de acrilamida contendo lignossulfonato ou guaiacol foram mais rapidamente degradados. piridina e d-arabinono-1. Tratamento Fe3+/H2O2 Fe3+/H2O2 Fe3+/H2O2/luz UV (300-400 nm) Fe3+/H2O2 Fe3+ (Fe2+)/ H2O2 Fe2+/H2O2 Fe3+/H2O2 Fe3+/H2O2 Fe3+/H2O2/luz visível H 2O 2 Compostos fenólicos ácidos gálico. p-quinona ácido gálico. pois o Fe3+ é solúvel em água somente em valores de pH abaixo de 2 a 330. Por outro lado.4-dicloro-fenoxi-acético pesticidas ácido 2. respectivamente. quercetina. benzeno e derivados45. p-quinona catecol Ref.Vol.24.4-dicloro-fenoxi-acético verde malaquita 2. atrazina foi completamente degradada na presença dos ácidos gálico. possuem grandes quantidades de compostos aromáticos provenientes da degradação de lignina e extrativos que apresentam estruturas do tipo catecol. hidroquinona. O efeito positivo de CFRF tem sido atribuído à mais alta e duradoura formação de radicais OH e radicais livres totais16. 40% de EDTA (ácido etileno-diamino-tetra-acético)-Fe3+ presente em solução foi degradado em 2 h de tratamento por um sistema que continha 2 x 10-3 mol L-1 de H2O2 e 5 x 10-5 mol L-1 de catecol.

reduzindo O2 molecular a O2•-/HO2• regenerando H2O2. Lindsey e Tarr49 mostraram que um aumento de 1 x 10-2 para 3 x 10-2 g L-1 de ácidos húmicos reduziu a formação de radicais OH por Fe2+ e H2O2 em pH próximo de 3. Nova EFEITO DE SUBSTÂNCIAS HÚMICAS EM POA Na natureza. OCORRÊNCIA DO SISTEMA Fe3+/H2O2/CFRF NA BIODEGRADAÇÃO DE MADEIRA E SUA APLICAÇÃO EM BIORREMEDIAÇÃO A madeira é composta principalmente de celulose. Substâncias húmicas podem ser consideradas como o maior reservatório de carbono orgânico em águas e nos solos. como o ácido oxálico. Quim. O2 e ácidos fúlvicos em solução. observaram que 3 x 10-2 g L-1 de ácidos húmicos diminuiu em 27% a formação de radicais OH. independente do pH. ou ainda incorporando os produtos de oxidação de xenobióticos em suas estruturas poliméricas10.5 e 10 x 10-2 g L-1 de ácidos húmicos 5. Os radicais OH gerados no meio foram seqüestrados pelos ácidos fúlvicos.5- Figura 3.5-dimetoxihidroquinona (2. Os principais organismos que decompõem esse material complexo são os fungos de decomposição parda e branca.5 e 6. devido à maior formação de radicais OH entre o metal e H2O2. No entanto. ácido (pH entre 4.19 mostraram que um extrato de baixa massa molar (menor que 1 kg mol-1) de um cultivo do fungo Gloeophyllum trabeum possuía compostos do tipo catecol com atividade redutora de Fe3+. Na Figura 3 são mostradas partes estruturais propostas para substâncias húmicas. com o intuito de simular e entender os processos de remediação no meio ambiente. Como esse metal é encontrado predominantemente na madeira em sua forma oxidada19.626 Aguiar et al. Compostos xenobióticos degradados por reações do tipo Fenton na presença de substâncias húmicas Xenobiótico PCF TNT* TNT anilina fenol e HAP fluoreno fenol *trinitro-tolueno Efeito estímulo inibição estímulo estímulo inibição inibição estímulo Substâncias húmicas 5 x 10 g L de ácidos húmicos ácidos húmicos (1. polioses e lignina são parcialmente consumidas. Koenigs54 propôs que esses fungos podem degradar os polissacarídeos por um sistema não enzimático.5-dimetoxi-catecol (4. faz-se necessária a realização dos ensaios na presença de matéria orgânica natural. Kerem et al. Na presença de micélio fúngico. seja quelando e/ou reduzindo íons metálicos47. polioses e lignina e uma fração menor que corresponde aos extrativos. Foi observado também que os ácidos fúlvicos reduzem mais Fe3+ com a diminuição do pH. mas são divididas em grupos de acordo com a solubilidade em água e o pH. proteínas e lipídios. substâncias húmicas devem interferir na degradação de xenobióticos por POA. Em pH 3. Paciolla et al. a produção de agentes quelantes para solubilizá-lo e reduzi-lo é de extrema importância. H2O2.47-49. Esses estudos permitiram concluir que esse fungo utiliza um ciclo extracelular de oxi-redução de quinonas para gerar os dois reagentes de Fenton. Humina corresponde à fração insolúvel e os ácidos fúlvicos à fração solúvel em água. 2 e 4 x 10-2 g de carbono L-1) ácidos fúlvicos (1. várias reações simultâneas ocorrem entre Fe2+. A Tabela 2 compila alguns trabalhos que avaliaram a participação de substâncias húmicas na degradação de xenobióticos por reações do tipo Fenton. Adaptadas da ref. enquanto que em meio reacional levemente Tabela 2. seqüestrando os radicais livres ou estimulando a produção destes para degradação de xenobióticos10. envolvendo o ferro presente na madeira e H2O2 produzido pelo próprio organismo na geração de radicais OH via reação de Fenton.28 e Paszczynski et al. Os fungos de decomposição branca degradam todos os componentes da madeira. Os fungos de decomposição parda degradam preferencialmente os polissacarídeos53. Estes mesmos autores ao comparar diferentes substâncias húmicas. entretanto. Fe2+/H2O2/luz UV Fe3+/H2O2/luz visível Fe2+/H2O2 Fe2+/H2O2 Fe3+/H2O2 Ref.5) os ácidos fúlvicos estimularam a reação. A estrutura definida destas substâncias é desconhecida.5 a 8 x 10-2 g L-1 de ácidos húmicos -2 -1 3+ Tratamento Fe /H2O2/luz visível Fe2+/H2O2 Fe2+/H2O2. Anos depois.47 observaram que ácidos húmicos podem quelar íons Fe3+ e Cu2+ e os complexos formados podem gerar radicais OH ao reagir com H2O2. produzido por fungos de decomposição parda e branca.5 x 10-2 g L-1 de substâncias húmicas 0. Os ácidos húmicos são solúveis apenas em pH alcalino46. 47 Em muitos estudos de degradação de compostos xenobióticos por POA.5-DMC) e suas respectivas formas oxidadas.56 identificaram dois agentes redutores em cultivos desse mesmo fungo: 2. 10.55. De acordo com Voelker e Sulzberger48. Uma análise ampla desses trabalhos indica que seriam necessários estudos correlacionando o efeito dessas substâncias de acordo com a presença e conteúdo de grupos funcionais que apresentam forte atividade quelante e redutora de íons metálicos.15. Nesse trabalho foi observado que os complexos fulvato-Fe2+ foram mais eficientes que os complexos aquo-Fe2+ na decomposição de H2O2 em pH 5. 30 x 10-3 g L-1 de ácidos fúlvicos 2. embora algumas espécies ataquem seletivamente a lignina em estágios iniciais de colonização53. 2 e 4 x 10-2 g de carbono L-1) 2.48. esse efeito foi desprezível. 10 14 14 15 50 51 52 .15. Esses compostos exibiram atividade pró-oxidante. Estruturas parciais de ácidos húmicos.5-DMHQ) e 4. mineralizadas ou então transformadas em húmus. Goodell et al. amido. os microorganismos consomem fontes de carbono mais facilmente assimiláveis como monossacarídeos. Moléculas mais resistentes ao ataque microbiológico como celulose. muitas espécies carecem de um sistema enzimático hidrolítico completo19. enquanto a mesma concentração de ácidos fúlvicos inibiu apenas 11%. 2. De acordo com esses e outros trabalhos. esse quelante necessita de luz para reduzir Fe3+ 19.

11 avaliaram a degradação de 2-flúor-fenol dependente de Fe2+ ou Fe3+ em culturas líquidas do fungo G. trabeum como pró-oxidantes na degradação de xenobióticos19. enquanto os tratamentos oxidativos apresentaram redução dessa propriedade devido à formação de complexos coloridos entre o ácido 2. Supõe-se que esses compostos realizam reações de oxiredução entre O 2 e um doador de elétrons. sugerindo que a lignina e extrativos presentes na superfície externa atuaram de forma semelhante ao CFRF. O tratamento com Fe3+. Vários controles (sem a suplementação de ácido 2. que representa o teor de lignina e os produtos de degradação da madeira retidos na polpa. Apesar do trabalho promissor citado anteriormente. mas seguido de uma etapa de flotação. Qian e Goodell60 avaliaram três processos para remoção de tinta de impressão a laser em folhas de papel: descoloração alcalina com NaOH (método convencional). pois formam complexos solúveis com os íons metálicos em valores de pH entre 5 e 6. 5 x 10-3 mol L-1 de H2O2 e 1 x 10-3 mol L-1 de ácido 2.3-DHB). mas sim na presença de micélio fúngico.58 e estes tratamentos têm sido denominados de processos oxidativos avançados fúngicos (POAF)22. um estudo aplicado na deslignificação de polpas mostrou resultados insatisfatórios. 0.2 mol L-1). O uso de H2O2 sem nenhum aditivo não foi efetivo. comprimento das fibras.5-DMC. O tratamento com alta concentração de CFRF (0. Os autores sugeriram que a formação excessiva de radicais OH degrada os radicais fenoxila. trabeum foi observado19.689 Pa. De fato. inclusive quando comparado ao “fiberboard” produzido com resina uréia-formaldeído (0. Qian et al. que na presença de CFRF favoreceu ainda mais a formação de radicais OH.59 revisaram a produção de glicopeptídeos de baixa massa molar ligados ao íon Fe2+ por fungos de decomposição branca e parda.3-DHB (2. degradou polietileno-glicol (PEG) como substrato modelo de celulose. Um aumento de 30% na degradação de pentacloro-fenol (PCF) nas reações entre íons ferro (Fe2+ ou Fe3+) e H2O2 mediada pelos metabólitos de G.25 apresentaram dados adicionais do estudo anteriormente descrito utilizando também o cobre.3-DHB promoveu maior formação de radicais OH em solução (sem fibras) e por um tempo maior (15 min) que o sistema Fenton convencional (1 min). Parra et al. seguido de prensagem com menor teor de umidade das polpas. FeCl3 ou H2O2) foram desenvolvidos para o processo a seco. A formação de radicais OH por Cu2+ correspondeu a apenas 6% do valor determinado para Fe2+. Alguns estudos têm utilizado os metabólitos produzidos pelo fungo G. Enoki et al. pois o ferro presente nas polpas pode ter reagido com H2O2. foi avaliada a ação dos mesmos compostos em pH 4. A degradação de 2. seguida de prensagem. deslignificação de polpas e na formação de radicais fenoxila na superfície de fibras de polpas para obtenção de painéis (“fiberboards”). A combinação dos dois processos foi ainda mais eficiente. A adição desses compostos dispensa o requerimento de meio reacional muito ácido (pH entre 2 e 3) em reações do tipo Fenton. como o NADH (nicotinamida-adenina-dinucleotídeo reduzido). Yelle et al. A deslignificação foi avaliada por meio de medidas do número Kappa. altas concentrações de reagentes de Fenton na presença de CFRF (1 x 10-3 mol L-1 de FeCl2.24 avaliaram a geração de radicais fenoxila como um mecanismo de auto-adesão da lignina e extrativos na superfície das fibras. 62 avaliaram as propriedades mecânicas de “fiberboards” obtidos por meio da ação do sistema Fenton/CFRF na adesão de fibras de polpa termomecânica.3-DHB na reação entre Cu2+ e H2O2 exerceu efeito inibitório. Por meio de medidas de drenabilidade.3-DHB e os íons ferro12. FeCl3 (2 x 10-3 mol L-1) e H2O2 (9.3-DHB por 60 min foi o que proporcionou a mais alta resistência das ligações internas das fibras no processo úmido. nenhum estudo tem avaliado a ação desses metabólitos fúngicos em biorremediação. foi observada maior formação de radicais fenoxila nas fibras.447 Pa. CONCLUSÕES Este trabalho evidencia os benefícios da adição de CFRF para assistir a reação de Fenton na degradação de xenobióticos por H2O2 e um íon metálico como Fe3+ ou Fe2+.576 Pa). Qian et al. H2O2 e ácido 2.3-DHB. A reação entre 2. Ao adicionar H2O2 na primeira etapa.5-DMHQ e 4. descoloração oxidativa com os reagentes Fenton mais os ácidos 2.3% m/m) gerou o “fiberboard” com maior resistência de ligações internas (0. Kramer et al.5-DMBQ) foi capaz de reduzir Fe3+ a Fe2+ que. Porém. A adição de manitol (agente seqüestraste de radicais livres) ou ausência de íons ferro nos cultivos inibiu a formação de radical OH e também a mineralização do organoclorado9. a formação foi favorecida. H2O2 e ácido 2.5.5 com as fibras umedecidas.5. Em um estudo de ativação de fibras de polpa termomecânica para a produção de “fiberboards”. sem impressão). OUTRAS APLICAÇÕES DO SISTEMA Fe3+/H2O2/CFRF Além da degradação de xenobióticos. striatum. Porém. 3 Mecanismo e aplicações da reação de Fenton 627 dimetoxi-benzoquinona (2.5-DMHQ e Fe3+ gerou H2O2. Reações prolongadas (180 min) causaram redução de resistência para todos as amostras. não houve degradação do polímero28. Após esses tratamentos não foi observada nenhuma diferença. No entanto.Vol. Na seqüência de branqueamento CFRF/ extração alcalina/H2O2 houve redução do número Kappa e da viscosidade das polpas. que possui uma enzima que catalisa a conversão de quinonas em suas respectivas formas reduzidas57. Foi observado que apenas 1 x 10-2 mol L-1 de FeCl3 e 9. o processo oxidativo apresentou maior remoção de tinta comparado ao tratamento alcalino. Na ausência de ferro. O composto 2. enquanto que em concentrações 10 vezes menores. as reduções de viscosidade e do número Kappa foram mais expressivas ainda. gerando radicais OH via reação de Fenton.502 Pa.33. foi detectada atividade redutora de Fe3+ e a presença de 2. O tratamento com reagentes de Fenton assistido pelo ácido 2. sem adição de metal e 2-flúor-fenol. O tratamento com 1 x 10-2 mol L-1 de Fe2+ e 2 x 10-2 mol L-1 de H2O2 por apenas 5 min também proporcionou alta resistência. não havendo seletividade. Foi testada a reação entre Fe3+ (ou Fe2+). a reação de Fenton assistida por CFRF também tem sido estudada em reciclagem de papel.61 avaliaram a deslignificação de polpa kraft de Pinus radiata na presença de catecol ou ácido 2. A alvura da polpa tratada com NaOH foi semelhante ao papel original (controle. A aplicação . Em uma cultura de 2 dias.3-di-hidroxi-benzóico) e oxálico e. índices de resistência à tração e ao rasgo das polpas não foi constatada nenhuma perda de qualidade pelos tratamentos oxidativos. os módulos de ruptura e elasticidade apresentaram valores bem menores em relação às outras amostras. método convencional). Em um outro conjunto de análises. 30. na presença de H2O2 produzido pelo fungo.4-dicloro-fenol em culturas desse mesmo fungo foi também avaliada.3-DHB em pH 4. descoloração alcalina seguida de tratamento oxidativo. promovendo a degradação de PEG mesmo na ausência do micélio28. No. sendo atribuído à maior acessibilidade dos radicais livres às cadeias de celulose ligadas à tinta pelo pré-tratamento alcalino.5-DMBQ não reduziu Fe3+ diretamente. 0. A adição do ácido 2.3-DHB.3% (m/m) de H2O2 foi suficiente para possibilitar alta resistência das ligações entre fibras e módulos de ruptura e elasticidade satisfatórias. na ausência do CFRF. dispensando seu uso. diminuíram a formação de radicais nas fibras.

. Verma. J. Nappi. A... 2004. B. 2006. 613. T. Embora os trabalhos descritos nessa revisão utilizem reagentes comerciais de grau analítico.. projeto 1040619.. J. Enoki. 29. Durán. Jellison. Proceedings of XII International Conference on Biotechnology in the Pulp and Paper Industry. 22. Alvarez. Schlosser. 1771. 1976. Rodríguez. 25. Lett. Freer. Subj. 45.. J. E... Kassbohrer. B.. 2000. 861. 1997.. Food Chem... D. Pelizzeti. P. FEBS Lett.. J.. Faraday Trans.. Amirbahman.. P. N. 873. 2005. Ross.628 Aguiar et al. A. 801. Aguiar. 1999. 147. Aust.. Ryan. K. F. Gabriel. 2. Welch... J.. 34. 975. He. B 2003. 50. 8.. Goodell.. 5. J. J. Polym.. 674. 6975. 2004. IRG/WP 04-50223-report. Stoytchev. 8. Acc. 251. Liu. Nam. P.. B. N. C. 2699. K... J..... R. C. 47. 291.. J. 1993.. Tanaka. Environ. Pihlar. Lindsey. C. E. Agric.. Wymelenberg. Rodríguez. Nerud.. Fresenius Environ.. São Pedro. 1988.. Microb. K.. Stab. Ferraz. B 2004.. C. E. 56. 40. J. Am. 1996. 40. Vikman. Fekete. 65. Parra.. I.. K. 84. Keppler. N. J. J... Comfort. H. Grayer. J.. J. J. J. Goodell... B. Chemosphere 2004. S. P. Goodell.. Isenbeck-Schoter. Environ. González. Oses. Water Sci.. A. I. Y. R. 4563. Res. 54. Inorg. J.. G. Jensen. 1992. S. Radiat. J. 50. T. 30. Aguiar agradece especialmente à FAPESP.... C. 2479. 13. Chemosphere 2002. P... Kapich. Chem. Fahr. M. Pracht. 129.. Krishnamurthy. 351. Gen. 685. 66. Liu. M. G.. 75. 125.. J.. Environ. J.. 34. Y. D. F. Chem. J. 155. Shimada. Halliwell. 105.. Lindsey. J. D. 33. B. 41.. Candeias.. 53. D.. Gabriel.. 2004. Moran. C. A.. Zhao.. A. 2. 6. C.. D. Rodríguez. A.. 387. Kramer. D.. P. 17. J. P. 35. Shaler. Chem. New J. 22. 1994.. 14.046. V. Kuppusamy. 1336. A. 30. 43. 54.. P. 14. P. F... M. Hanifin. 20. Sci. Baldrian.. D... A. Sun. 9. 51. J. I. Food Chem. 501. A. M. M. 10. Shah. J. J. 6. K. cap. Felix.. Baeza. Wood Fiber 1974. V. S. P. J. Kolar. L. Kerem. Catal. Inorg. 2002. Enzyme Microb. Z. M.. Ryan.. M.. Baeza.. J. Polym. G. Gogate. 2399. J. B... 11. J.. R. Biochem. J. 3. Koenigs. E. 57. W. Chem. C. Cajthaml. J. 48. Chem. Majcherczyk.. Ogbeifun. Funk.. F. Freer. B. 9485. 2004. avaliar a viabilidade econômica destes processos. 16. D. Kreisel.. P. K. F. 8.. D. Environ. Qian.. Forest Prod. pois caso contrário pode haver efeito inibitório devido à reação dos radicais livres com o próprio CFRF. Rodríguez agradece à FONDECYT. Kukor. J. F. Dalton Trans. Baehr. 23. Pignatello. Xu.. B. Fahr. Schormann. Process Biochem. Cabelli. D. Febbraio. 2004. Ferraz. J. 169. B. Food Chem. Briante.. P. 15. 2002.. K. Technol.... 45. Nova do sistema Fenton/CFRF na destruição de um determinado xenobiótico depende da seleção de um CFRF apropriado para cada caso e da otimização das condições de reação. 61. Bajpai. Mii. Amirbahman. Itavaara. R. A. B. Davies. C. K.. 49. C. Appl. J.... P. Karl. 12. T. Y. Em ref. J.. C. Soc. T.. 50.. 46.. J. J. R. J. 21.. Gardner. uma introdução à biologia. Fukushima. Nerud. Akamtsu. 2. J. 1988. S. Jansen. R. B. D... 46... Chemosphere 2004. 107. B... Jensen. Chemosphere 2001. A. Sci.. Hattori.. Biotechnol... Nagarathnamma. Nerud. A. Environ. D. Merlo. Educs: Caxias do Sul.. 2000. Verma. 57.. Bielski. cap. Verma. Contreras. 6. Sci. 1999. Souza-Cruz. A. Y. como a lignina e os extrativos presentes nas plantas. Scholer. 2002. Morimoto. Pignatello.. Chemosphere 2000. Tarr.. Trnka... Vancouver. B. 4. D. Stopka. F. 287. REFERÊNCIAS 1. .. 553. seria ideal a obtenção destes de fontes naturais de baixo valor agregado. Freer. H. E.. Tuomela. Liu. 308. Em ref.. E. A 2002... Ma. B.. P. L. 1999. 2004. Acc. Pelizzeti. Rodríguez. 295. Pignatello. A. R. Enzyme Microb. M.. 59. cap. 336. Bajpai. W. P.. Chemosphere 2003... Felix. Data 1985. 2003. R. P. 2003.. Rodriguez. 41. V.. 12. 409. 40. C. P. Boenigk. Quim. Environ. 52. 34. Y.. Technol. Trnka. Biophy. Technol. Agric. G. Appl. Phys. Vass.. Adv. Reading. E. 175. 38.. Bioresour.. P.. A.. R. Gabriel. Kamau. Chem. 44. Jordan. 2002. Walling. A.. Oviedo. E. J. B. 53. Urtubia.. 106. J. W. 2002. C. R. Saini. 19. 939.. Walling.. 18. 2385.. Nazhat. 446. Goodell. F. J. 1999.. 44.. J. M. Appl. B. 322.. 44. Air. Res. cap. D. B... J. 785. Sun.. Winistorfer. 23. Appl. eds.. C.. 11.. 2. Chem.. Catal... 73. H.375 2000 (CA 2000:220739).. Wardman. 2004. 2. Baldrian. Sci. Yelle. Ser 845. Beltran. Res. 2004. 957. Z. M. 36. Slovenia.. P. Nucci. Em Wood Deterioration and Preservation – Advances in our Changing World. Hüttermann. pois é necessária uma quantidade mínima de CFRF nessas reações. P. J. Radovic. Schlosser. Saadallanazhat. K. B. Appl. F. F. 159. M. L. 1996.. Zhao..1999. Jordan. P. 51. A.. Med. 1997.. A. Biotechnol. 365. J. Res. Environ. Sulzberger. G. W. Z. 21. J. Pignatello. 54. M. Chem. W. W. Soc. E. 45. 39. 2006.. Freer.. Chem. F. J.. Technol. 2000. Nerud. Um trabalho interessante que deveria ser realizado consiste em estudar a eficiência do sistema Fenton/CFRF em comparação com outros POA em amostras reais e. 66. Rodríguez. Nucl.. Environ Microbiol. Canadá.. Ferraz. 1323.. Chemosphere 1998. Jun. Chemosphere 2001.. A. Shea. A... Arch. principalmente.. 58. Mentasti. J. D. B. 523. 6. Wetzstein. J. K. J. F. F. Chemosphere 2001. V. Em Fungos. 6313. 27. K. 1966. T. M. 145.. Contreras. Sci. Em ref. Goodell.. P. Paszczynski. Jellison. Inorg. Contreras. 31. 2000.. 28. 2001. Shah. P. He.. Tatsumi.. Contreras. Technol. Eichlerová. 7.. 26.. 1973.. Sci.. Hamilton. C.. Technol. Jensen Jr.. Environ. Biophys. Jellison. à FAPESP e SCTDE/SP. Y. 60.. Proceedings of 5th International Symposium on Natural Polymers and Composites/ 8th Brazilian Symposium on the Chemistry of Lignins and other Wood Components. 31. eds. American Chemical Society: Washington. Bioresour. The International Research Group on Wood Preservation Series. Appl. J. Qian. Itakura. Water Sci. 41. 30.. Becana. 96. M. Chen. K. 44. Goodell.. Cabe relembrar que a concentração de CFRF deve ser baixa. J. Environ. L. J. E. Paszczynsky. A. 2005.. Abian. Seacat... Z. 36. A. H. J. Chem.. Zweier. Free Radical Biol. V. Freer. 3076. 12.. cap.. 347. 1975. F. K. Stopka. Phys. D.. Goodell. A. S. Goodell. Arudi. Merhautová.. Technol. ao CNPq. Biotechnol. Daniel.. 42.. Parra. Cullen. J. alguns estudos recentes indicam a possibilidade de aplicações do sistema Fenton/CFRF na remoção de tintas de impressão em papéis e na geração de radicais fenoxila nas superfícies de fibras para obtenção de painéis (“fiberboards”). Crawford. Ljubljana. G.. Brasil. A. Mai.. P. F. 913.. G. V. US pat.. Qual. H.. bioquímica e biotecnologia. 1997. Esse é um aspecto favorável. Paciolla. Environ. Saini. Tatsumi. K. Hammel. Schultz.. Friedman. Gabriel. Além da degradação de xenobióticos. Stopka.. Nerud.. 31. 51.. 1998. Biochim.. Tokimatsu.. 8. 1997. Xu. C. Soil Pollut. R. Voelker.. Agric. Food Chem... 1106. Environ. Chem. Baldrian.. C. J. Maurino. 2002. Oviedo.. 1207. H. J.. Gabriel. J.. Minero. Tarr. K. 25. 41. 10. 1997. Henry. C. T. Pandit. G. Microbiol. J. Li. Chen. S. L. 3. 5269.. J. R. Krishnamurthy.. Technol. 39. D. C.... J. J. S. 27. E. A. Chen.. Jellison. M.. Ref... Baldrian.. 49. D. Ruiz.. P. Hammel. J. K. 23. Goodell. 1997. F. 2004. 1814.. 1998. 68. Aguiar. Baeza.. Technol. Environ.. R. Soc.. 88. 26. 55. 64. Qian. J. 2690. J. Water. P. J.. Parra. E. 62. Esposito. Bull. Baldrian. 1041.. A.. Johnson. 2003.A.. Technol. 2. J. A. A. 38. N. Rivas. 1849. M. 33. Technol. Degrad. Azevedo. Yager.. Agric. Nicholas.. Hammel. Yu.. Microb. W. processo 03/04465-6 e J. S. Strlic... 34.. Trnka. 37. J. Water Res. T. 103.. T. 445.. 35... R. Chem. D. Environ. P. Goodell. Nerud. Mentasti. Jellison. 48. Technol. Verma. Vione. Technol. Verma. J.. ACS Symp.. 38. 53. J. 24. P.... Hatakka. 2001. Y. 1998. Acta. M.. D. J. 133. Klucas. AGRADECIMENTOS À CAPES. Fukushima.. J. 72. Qian... 32. Baldrian.