PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Engenharia

PROCESSAMENTO DE POLÍMEROS
Prof. Eder Felipetto

AULA 02 – Reologia e Introdução aos Processos de
Transformação de Polímeros
2.1 – Reologia 2.2 – Processos de Transformação de Polímeros 2.3 – Principais Processos de Transformação de Polímeros 2.4 – A concepção de peças de plástico 2.5 – Classificação dos Plásticos 2.1 – Reologia O termo reologia foi inventado pelo professor Bingham para definir o “estudo do escoamento ou deformação da matéria”. Esta definição foi aceita quando a American Society of Rheology foi fundada em 1929. O conhecimento de reologia é essencial nos dias de hoje nos mais variados campos envolvendo profissionais atuantes em indústrias de tintas, detergentes, óleos, plásticos, etc, bem como profissionais acadêmicos com interesse em diversas áreas. A reologia tem como objetivo predizer a força necessária para causar uma dada deformação ou escoamento em um corpo, ou então, predizer a deformação ou escoamento resultante da aplicação de um dado sistema de forças em um corpo. Dessa maneira, a reologia nos permite analisar quantitativamente o comportamento de um fluido em interação com um sistema de processamento, através da formulação e resolução de equações que descrevem o processo. Importância Reologia é a chave para o entendimento do comportamento dos

materiais quando sujeitos a qualquer espécie de campo de força.

2.1.1 - Comportamento Reológico de Materiais Poliméricos
Departamento de Engenharia Mecânica e Mecatrônica 4440W04 02/2003 Página 1

de certo modo quantitativa entre o produto final e a energia consumida. velocidade de corte.2 – Processos de Transformação de Polímeros Os materiais plásticos (termoplásticos ou termofixos) são transformados através de processos de moldagem a quente ou por extrusão. compressão. 5. 2. pois os processos de moldagem compressão podem ser empregados para materiais termoplásticos e os processos de injeção para materiais termofixos. Entender o comportamento geral. 4. 2. sopro. etc. e também fixar dimensões na máquina de processamento.PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Engenharia A reologia tem uma fundamental importância na área de polímeros. serrados e torneados) e normalmente os fabricantes dos materiais plásticos especificam os dados técnicos para a usinagem (ângulo de ferramenta. 3. Essa classificação é um pouco arbitrária. Obter a relação qualitativa e. Entender erros de processamento e defeitos de origem reológicas. etc). Normalmente os materiais termoestáveis (termofixos) são moldados pelos processos de compressão e transferência. pois esta ligada intimamente a propriedades de escoamento dos polímeros em processos de transformação por injeção. e fazer sugestões para o ajuste das condições de processamento. Prever propriedades através de cálculos práticos.ex: Extrusora utilizada para filmes planos que serão posteriormente conformados). prevendo as propriedades do material e determinando as variáveis como pressão e temperatura. minimizando ou eliminando completamente os erros. Obter informações sobre o efeito de vários fatores que influenciam o processamento de polímeros. A reologia na área de polímeros nos permite: 1. extrusão. Selecionar melhor o polímero ou composto mais apropriado. A extrusão em geral fornece produtos intermediários para posterior processamento (p. Os materiais plásticos podem também ser usinados (cortados. Departamento de Engenharia Mecânica e Mecatrônica 4440W04 02/2003 Página 2 . enquanto que os materiais termoplásticos são comumente moldados por injeção. e dar explicações fenomenológicas durante o escoamento.

Artigos de forma complexa são.2 . mangueiras e chapas. 2.3. Nas aulas seguintes detalharemos mais sobre alguns destes processos: Processos mecânicos de moldagem. Alternativamente os termoplásticos podem ser soldados por alta freqüência ou por meio de um jato de ar quente. Os produtos rígidos ou semi-rígidos. sacolas. perfis. como embalagens. havendo mudança da matéria-prima e matriz. após o processo de extrusão. produzidos em partes que são posteriormente. na produção de pequenos lotes de peças de grandes dimensões (como barcos. produzindo um produto que conserva a sua forma ao longo de sua extensão.1 . podem ser gravados sendo modelados o produto final com soldas e cortes. modelo do produto a ser fabricado.Injeção: A matéria-prima amolecida pelo calor e sob pressão é injetada através de pequenos orifícios do molde. Materiais termoestáveis são muitas vezes moldados manualmente. Nos processo de transformação de polímeros podemos incluir também a colagem. matéria-prima. com cargas de reforço de fibra de vidro. são moldados pelos processos a vácuo. carbono ou outras. Os produtos flexíveis. onde as diversas resinas poliméricas em formato de grânulos. um produto que dissolve o termoplástico. depois de aquecidas podem ser processadas pelos métodos de : 2. Recipientes em geral (como frascos de xampu) utilizam materiais termoplásticos e são transformados pelo processo de moldagem por sopro. 2.3.PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Engenharia Peças e utensílios fabricados a partir de folhas ou lâminas de termoplásticos (por exemplo: luminosos de acrílico). tem o mesmo processo. coladas. sacos e bobinas também conhecidos como filme. freqüentemente. Na colagem de termoplásticos o adesivo é. como tubos.3 – Principais Processos de Transformação de Polímeros Os produtos plásticos podem ser moldados em vários processos de transformação. sendo os principais detalhados abaixo. instalado num Departamento de Engenharia Mecânica e Mecatrônica 4440W04 02/2003 Página 3 . painéis e peças de forma intrincada).Extrusão: A matéria-prima amolecida é expulsa através de uma matriz instalada no equipamento denominada extrusora. em geral.

sendo moldada então a peça e após resfriamento extraída.6 .Termoformagem: Moldagem de produtos a partir do aquecimento de uma chapa de resina termoplástica. Este método é usado para a produção de brindes. 2. Na fundição podem ser utilizadas tanto resinas termoplásticas como resinas termorrígidas. peças ocas. 2. formando uma mangueira quando o molde fecha sobre esta mangueira é introduzido uma agulha onde o ar é soprado. que introduzida no molde fixado em uma prensa e acionado molda o produto. onde o produto pode ser moldado em dois processos distintos.3. dentre outros.3.Fundição: é um processo para baixa produção. depois de resfriado suficiente para manter a forma e medida necessária é extraído do molde. denominada pré-forma. usados em refrigerantes.4 . Quando aquecida no segundo processo. o qual suga a chapa dentro da cavidade ou aquecimento do molde.PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Engenharia equipamento denominado injetora. Possui alto índice de transparência e bom desempenho no envase de gaseificados. o ar é soprado internamente tomando o formato do produto final. A moldagem pode ser feita com a utilização de ar quente. não é empregado aquecimento ou pressão. sem comprometer suas características de resistência e transparência. que força o material a ocupar as paredes ocas do molde. câmeras de bola. dentro do equipamento próprio e especial.3. Desenvolvido para moldar a matéria-prima PET. 2.3. grandes contenair. 2. moldando a chapa sem Departamento de Engenharia Mecânica e Mecatrônica 4440W04 02/2003 Página 4 . O produto. pequenos adornos.3. A resina PET tem características muito peculiares. Consiste em despejar a resina líquida adicionada a outras substâncias enrijecedoras dentro de um molde. Este processo é para produtos de frascaria.7 .Rotomolagem: A matéria-prima fluída e sob rotação modela os produtos.3 . quase sempre utilizado protótipos. sem nenhum ar internamente. A matéria-prima PET é injetada mantendo o formato de uma embalagem.5 . 2. peças rígidas de alta complexidade na extração do molde. mesmo que termofixas. água mineral.Injeção / Sopro – Pré-forma: é um processo conjugado de injeção e sopro. Este processo é muito utilizado nas resinas elastoméricas (emborrachado) para produzir cabeças de bonecas.Sopro: A matéria-prima amolecida pelo calor é expulsa através de uma matriz e ou fieira.

Do outro. metais para produção de mancais. Há múltiplos aspectos envolvidos. que não podem. 2. tem-se novas possibilidades que a substituição traz. ou seja. O especialista de manufatura em plásticos 3. etc. bem como embalagens de várias camadas com papel. com o material selecionado. toalhas de mesa. no que concerne a aspectos de forma e de estética.PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Engenharia utilização de ar. forma um “sanduíche” que é prensado com aquecimento. 2. pratos.Processos complementares tipo caladragem com ou sem laminação: onde são agregados outros materiais não plásticos como tecidos. Três elementos são participantes do processo de concepção e materialização do projeto adequado de uma peça ou produto em material plástico: 1. via de regra. isolantes. cerâmicas. metais. metal e outros. O projetista do produto 2. com propriedades muitas vezes dispares. De um lado tem-se a multiplicidade de materiais. ser satisfatoriamente equacionados e resolvidos por uma única pessoa. em condições tecnicamente corretas e economicamente aceitáveis.9 . Entre ambos tem-se o problema de produzir uma ferramenta que viabilize a moldagem da peça idealizada..3. proporcionando a aderência total das camadas. como metais. como copos. O especialista em materiais Departamento de Engenharia Mecânica e Mecatrônica 4440W04 02/2003 Página 5 .Laminação: Este processo com superposição de materiais como papel. 2.8 . madeiras.3..4 – A Concepção de Peças em Plásticos Para a substituição de soluções envolvendo materiais convencionais. Havendo indicação técnica em ter as espessuras uniformes e ou dimensionalmente controladas utiliza-se o sistema de caladragem. o estiramento por dois ou mais cilindros. resultando em produtos altamente resistentes. papelão. previamente tratados com resina termoplástica. por plástico seja bem sucedida é necessário que a concepção dos produtos se faça com critério e experiência. a considerar. Este processo é utilizado na maioria dos produtos de vasilhames descartáveis.

Ao projetista do produto competem as decisões que dizem respeito ao projeto do produto. Verificar os trabalhos de ferramentaria. ou oferecer alternativas mais vantajosas. e com freqüência isso ocorrerá. tanto do ponto de vista do desempenho em serviço. englobando aspectos como forma. o nível de exposição à radiação) Selecionar o material de que o mesmo será feito Processo de moldagem. Ao especialista em materiais compete fornecer informações sobre o material selecionado. Uma vez discutidos os aspectos de concepção. Verificar os reflexos de uma concepção arrojada sobre o custo dos processos de moldagem. Ele deverá conhecer as condições de uso desse produto: • • • • Os esforços a que estará sujeito O ambiente em que irá atuar (agentes químicos que o atacarão. no detalhamento do projeto que são os seguintes: • • • • Tolerâncias Possível contração localizada das peças Localização dos furos Inclinações 02/2003 Página 6 Departamento de Engenharia Mecânica e Mecatrônica 4440W04 . ainda. estar vinculados a organizações diferentes. o especialista em manufatura colabora. adequados ao processo escolhido. Sua participação numa etapa preliminar do processo pode. função e dimensões. Cabe-lhe orientar o projetista do produto sobre aspectos técnicos da moldagem como: • • • Viabilizar a moldagem de formas geométricas complexas.PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Engenharia Em uma situação real. O especialista em manufatura de plásticos deverá ter um conhecimento amplo dos processos de moldagem e de problemas de ferramentaria. seleção do material e processo de moldagem. permitir substâncias reduções no custo dos moldes e do processo de moldagem. forma. especialmente sobre a vida e a manutenibilidade das ferramentas. quanto de aspectos de moldagem. fornecendo desenhos detalhados. esses elementos poderão. por isso mesmo.

operando a quente sob condições de alta pressão. Nesse sentido. Este deverá. preferivelmente. portanto. a extração das peças e a localização do ponto de injeção devem merecer particular atenção do projetista do produto (principalmente interessado na estética da peça) e do especialista em manufatura (preocupado com a viabilidade da execução). A manutenção e a facilidade de operação do molde deverão ser preocupações também presentes na etapa de projeto. evidentemente será condicionado pela complexidade do projeto. projeções no molde poderão vir a dificultar a extração das peças moldadas. devem ser executados em material adequado. ou a necessidade de definir experimentalmente partes do molde.5 – Confecção dos Moldes Os moldes. a rotina de operações durante a moldagem deverá igualmente ser considerada. com alternativas que permitam o uso de moldes mais simples em máquinas convencionais. ter ampla experiência em seu campo de atividade. Aspectos como acabamento superficial. levar em conta a possibilidade de pequenas alterações no desenho do produto. Já aspectos como o dimensionamento dos canais de alimentação e de distribuição. Finalmente. O especialista em manufatura. Componentes que não serão solicitados termicamente são comumente confeccionados de aço carbono. pelo menos deverá. Aços e ligas de níquel-cromo são normalmente utilizados para os componentes que terão contato direto com o plástico aquecido. O custo de molde. especialmente se estas forem profundas. que requerem máquinas de grande produção. ele procurará contrastar o investimento em moldes complexos. de forma a assegurar dimensões ou tolerâncias prescritas. Por exemplo. as dimensões e a forma do ponto de injeção e a contração a ser esperada requerem a assistência do especialista em materiais. Departamento de Engenharia Mecânica e Mecatrônica 4440W04 02/2003 Página 7 . Essas alternativas deverão ser devidamente esclarecidas ao projetista do produto.PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Engenharia Isso é essencial para garantir a compatibilidade do projeto com as possibilidades do processo. Sua participação deverá estar voltada para a conciliação dos requisitos do projeto com a minimização dos custos de produção. a localização das linhas divisórias dos moldes. 2.

Sob muitos aspectos o trabalho de execução de um molde para conformação de plásticos é artesanal. Geralmente usa-se um modelo previamente confeccionado. É usual submeter às cavidades dos moldes a uma cromagem dura com vistas a aumentar-lhes a vida útil e a melhorar-lhes o acabamento superficial. Nessa comparação. é de se compreender que existe. com o resfriamento. Uma leve distorção dos moldes poderá ocorrer durante o tratamento térmico. deverá ser dado o desconto à contração a que o plástico estará sujeito. um lote mínimo abaixo do qual a solução em plástico não se justifica. plástico) para comparação com provas de gesso. em cada caso. requerendo mão de obra especializada. e dependendo da complexidade da peça. Se após a confirmação de seu bom funcionamento são os moldes temperados e revenidos. os moldes deverão ser testados a fim de verificar se operam corretamente ou se há necessidades de modificação. devendo esse custo ser amortizado no decorrer da futura produção. Esse lote mínimo é da ordem de milhares de peças. extraídas do molde em construção. feito num material de fácil usinagem (alumínio. obviamente.PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Engenharia Após a usinagem e o polimento das cavidades. latão. Ela deverá ser eliminada no polimento final. Departamento de Engenharia Mecânica e Mecatrônica 4440W04 02/2003 Página 8 . e que não estará presente nas provas de gesso. Ela se torna cara e.