Avaliação clínica dos marcadores CA 15.3 e CEA em câncer de mama.

Clinical evaluation of markers CA 15.3 e CEA in breast tumor.

Graziella Alebrant Mendes

Resumo O câncer de mama é um grave problema de saúde, atingindo mulheres preferencialmente após os 40 anos de idade. Objetivos: Verificar a distribuição dos casos de câncer de mama e a relação com a positividade dos marcadores CA 15.3 e CEA. Material e métodos: Conforme o Protocolo de Coleta de Dados analisou-se prontuários de 62 pacientes com câncer de mama diagnosticados entre Janeiro de 2003 e Janeiro de 2008 em um serviço médico privado. Os marcadores foram considerados positivos quando a sua quantificação resultou acima do valor normal. Utilizaram-se estatísticas descritivas como freqüência, média e desvio-padrão e análises exploratórias como tabelas e Teste de Correlação. Resultados: A média de idade foi de 56,6 anos. O estádio clínico II correspondeu a 46,8% da amostra. O carcinoma ductal invasor representou 75,8% dos casos. Detectou-se positividade dos marcadores em 5 pacientes (8%) para o CA 15.3 e em 3 pacientes (4,8%) para CEA. Metástases a

distância foram diagnosticadas em 9 pacientes, sendo que 4 (44,4%) tiveram positividade para CA 15.3 ou CEA. Na análise de correlação entre a positividade dos marcadores com a presença de metástase, obteve-se significância estatística para CA 15.3. Conclusão: O uso de marcadores tumorais é útil para a detecção de recidivas e metástases à distância. O CA 15.3 parece ser mais eficiente na detecção de metástases quando comparado ao CEA. Verificou-se ainda que o acompanhamento das pacientes com câncer mamário após tratamento cirúrgico utilizando apenas marcadores tumorais é insuficiente.

Palavras-chave: marcadores tumorais, câncer de mama, CA 15.3, CEA

average e standard deviation and analysis exploratory as tables and Test Correlation. Conclusion: The use of tumor markers is useful for the detection of recurrence and distant metastasis.3 seems to be more efficient for the detection of metastases when compared to CEA. The infiltrating ductal carcinoma accounted for 75. Methods: According to the Protocol for Data Collection were analyzed medical records of 62 patients with breast cancer diagnosed between January 2003 and January 2008 in a private medical service. Key words: tumor markers. The CA 15. The clinical stage II accounted for 46.8% of the sample.3 or CEA. Distance metastases were diagnosed in 9 patients.3. It was used descriptive statistics as frequency. CEA .Abstract Breast cancer is a serious health problem. CA 15. breast cancer. It turned out positive for markers in 5 patients (8%) for CA 15.8%) to CEA.3.4%) were positive for CA 15.8% of cases.6 years. The monitoring of patients with breast cancer after surgery using only tumor markers is insufficient. Objectives: To assess the distribution of cases of breast cancer and the relation with markers´s positivity CA 15.3 and CEA. Results: The average age was 56. of which 4 (44. In the correlation analysis between the markers’ positivity and the presence of metastases were obtained statistical significance for CA 15.3 and in 3 patients (4. The markers were considered positive when their quantification was above the normal value. affecting women specially when they are over their 40’s.

Encontra-se em níveis elevados em 25 a 50% dos tumores gástricos e da mama. Os marcadores biológicos são componentes celulares. e ainda pela falta de estudos brasileiros que avaliem o uso dos . sendo de 88 a 96% na doença disseminada 5. estruturais e bioquímicos que estão presentes em células normais e também tumorais. auxiliando no diagnóstico. no estadiamento. precedendo os sinais clínicos em até 13 meses 6. de 85. Segundo a literatura. Internacionalmente observase que o número de novos casos é crescente devido às mudanças ambientais. O antígeno carcinoembrionário (CEA) está elevado em diversas doenças malignas. e destes. na avaliação da resposta terapêutica. ocorram mais de 1.Introdução O câncer de mama é um grave problema de saúde em todo mundo. registrando uma variação percentual relativa de mais de 80% em pouco mais de duas décadas 1. A oncogênese é um mecanismo genético no qual células normais são transformadas em células cancerosas 2. o marcador mais sensível e específico para o câncer de mama é o CA 15.050. A Organização Mundial Saúde estima que. por ano. urbanização e adoção de estilos de vida favoráveis à carcinogênese9. que atinge mulheres preferencialmente após os 40 anos de idade 3. Este estudo justifica-se devido a grande incidência do câncer de mama na população. No Brasil.3 é para o diagnóstico precoce da recidiva. O estado possui uma taxa estimada para o ano de 2008. 60 a 90% dos carcinomas colorretais e 50 a 80% dos cânceres pancreáticos 7. Tais marcadores podem ser úteis no manejo clínico dos pacientes.3. heterogênea e complexa.000 mulheres. O Instituto Nacional do Câncer estima para o ano de 2008 mais de 49 mil novos casos de câncer de mama. O câncer de mama é uma doença maligna. constituindo a principal causa de morte por câncer entre as mulheres. A grande utilização do CA 15. este foi o câncer mais freqüente.000 casos novos de câncer de mama em todo o mundo. na década de 90. especialmente de linhagem epitelial. cuja sensibilidade varia de acordo com a massa tumoral e estadiamento clínico. na detecção de recidivas e na avaliação do prognóstico 4. Em células tumorais definem alterações celulares e moleculares associadas à transformação maligna.5 casos para cada 100. quase 5 mil apenas no estado do Rio Grande do Sul 8.

este estudo busca levantar dados que demonstrem a realidade da região. o estadiamento tumoral e a presença de metástase à distância. Os dados foram coletados de acordo com o Protocolo de Coleta de Dados. média e desvio-padrão.0 e Windows Microsoft Excel. Material e métodos Estudo transversal descritivo. conforme descrito no Protocolo de Coleta de Dados. Foram analisadas estatísticas descritivas como freqüência. onde foram analisados prontuários de pacientes com câncer de mama diagnosticados entre Janeiro de 2003 e Janeiro de 2008 em um serviço médico privado de saúde. Com o objetivo de verificar a distribuição dos casos de câncer de mama e a relação com a positividade dos marcadores CA 15. assim como análises exploratórias como tabelas e Teste de Correlação entre as variáveis. Os marcadores séricos foram considerados positivos quando a sua quantificação resultou acima do valor normal. no qual consta a idade da paciente. A histologia do tumor foi classificada de acordo com os critérios da Organização Mundial da Saúde e o estadiamento de acordo com a classificação dos Tumores Malignos TNM. a histologia do tumor. Este trabalho foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Luterana do Brasil. . localizado ao norte do Rio Grande do Sul. já que não se tem dados na literatura sobre o tema proposto.3 em pacientes com neoplasia mamária. Para esta pesquisa foi utilizado o pacote estatístico SPSS 10. conforme o protocolo 2008-502H. a positividade ou negatividade para os marcadores CA 15.3 e CEA. proposta pela União Internacional Contra o Câncer (UICC).3 e CEA.marcadores CEA e CA 15.

representando 75. 24. TABELA 1: Distribuição dos estádios clínicos iniciais encontrados na amostra Estádios 0 I IIA IIB IIIA IIIB IIIC IV Total Freqüência 3 15 14 15 5 3 7 0 62 Porcentagem 4.8% 19. Na distribuição dos estádios clínicos iniciais encontrados na amostra (Tabela 1) notou-se que o estádio II foi o mais evidente.2% das pacientes corresponderam ao estádio III.0% Após a análise dos marcadores tumorais CA 15.6 anos. como citados na Tabela 2.8 %) para CEA (TABELA 3). A média de idade obtida foi de 56.4%. com desvio-padrão de ±13. Já para os estádios avançados.0% Em relação aos tipos histológicos mais freqüentes encontrados na amostra. correspondendo a 46.4% 4. foi detectado positividade em 5 pacientes (8%) para o CA 15.Resultados A amostra foi composta por 62 pacientes do sexo feminino que possuem câncer de mama. observou-se que todas as pacientes positivas para os marcadores possuíam carcinoma ductal invasor ou seus subtipos.8% dos casos.8% 11.3 e em 3 pacientes (4. percebeu-se que a maioria dos carcinomas mamários é do tipo ductal invasor.8% 24.8%.54. .1% 4.6% 24. Ao correlacionar o tipo histológico do tumor com a positividade dos marcadores.3 e CEA. TABELA 2: Tipos histológicos mais freqüentes encontrados na amostra Tipo Histológico Carcinoma ductal invasor e subtipos Carcinoma lobular invasor Carcinoma in situ ductal Carcinoma in situ lobular Total Freqüência 47 12 3 0 62 Porcentagem 75.2% 22. sendo que não ocorreram casos em estádio IV.8% 0% 100.2% 8. seguido pelo carcinoma lobular que totalizou 19.3% 0% 100.

D) Ausência de metástase com positividade dos marcadores: Entre os casos pesquisados.1% para CEA. B) Ausência de metástase com ausência de positividade dos marcadores: Percebeu-se que 51 pacientes (82%) não apresentaram metástase nem positividade do marcador CEA. Quando comparado à positividade dos marcadores com a presença ou ausência de metástase. 1 paciente (1.6%) apresentou metástase e positividade para o marcador CEA. enquanto que apenas 1 paciente (1. perfazendo 50 pacientes (81%) com ausência de metástase e negatividade para o marcador. Ressalta-se que dentre as pacientes com presença de metástase. Dados muito semelhantes foram encontrados para o marcador CA 15. C) Presença de metástase com positividade dos marcadores: Foi verificado que 3 pacientes (4.8%) possuíam metástase e positividade para CA 15.7%) nesta mesma condição.3. . sendo que 4 (44.2% 4.3.3 ou CEA.3% apresentaram positividade para CA 15. 33.3 Positividade CEA Não 57 Sim 5 Não 59 Sim 3 Porcentagem 92.0% 8.0% 95.3.6%) com ausência de metástase apresentou positividade tanto para CA 15.3 foram observadas 6 pacientes (9.4%) tiveram positividade para CA 15.3 quanto para CEA e 1 paciente teve ausência de metástase mas apresentou positividade para CA 15.TABELA 3: Distribuição dos casos em relação a positividade do marcadores tumorais Positividade Positividade CA 15. foram encontradas as seguintes situações: A) Presença de metástase com ausência de positividade dos marcadores: Observou-se que 8 pacientes (13%) tiveram presença de metástase sem a positividade do marcador CEA.3 e 11.8% Os casos de metástase a distância foram diagnosticados em 9 pacientes. enquanto que para o marcador CA 15.

1. para o ano de 2008.8% para esse tipo de carcinoma. correspondendo a 46. representando o câncer mais freqüente e o que causa maior mortalidade entre as mulheres. Contudo.4%) casos de câncer de mama em um estudo realizado por Moraes AB et al (2006)11. o que condiz com este estudo que apresentou um percentual de 75. ao valor p = 0.000 novos casos de câncer de mama em todo mundo.8% dos casos de câncer de mama foram diagnosticados no estádio II.Quanto à análise de correlação entre a positividade dos marcadores tumorais com a presença de metástase.03. obteve-se significância estatística apenas para CA 15.2% das pacientes foram diagnosticadas em estádios avançados. não houve significâncias estatísticas para a amostra quando se correlacionou a positividade dos marcadores tumorais com o estadiamento e a histologia.8% da amostra. A presença do carcinoma ductal invasor esteve presente em 185 (73. realizado por Clagnan WS et al (2008)13 também demonstra este resultado.3. 24. provavelmente tenha acesso mais facilitado aos procedimentos . a maior concentração de estadiamento inicial encontrou-se no estádio II. e 45. constituindo-se em um grave problema de saúde. portanto. Mattos IE.050. No presente estudo. Em nossa amostra. Discussão A neoplasia mamária é uma doença heterogênea e complexa.3% dos casos foram diagnosticados em estádios avançados (III e IV). 3. Outro estudo. Esta diferença pode estar ligada ao fato de que nossa amostra foi originada de serviço médico privado e. No Brasil. A média de idade em pacientes com câncer de mama. A OMS estima que por ano ocorram mais de 1. Em estudo realizado por Thuler LCS et al (2005)14. Koifman RJ (2003)12 descreve idade média de 55 anos. já para o carcinoma lobular invasor foram detectados 15 (6%) casos. onde o tipo histológico predominante foi também ductal invasor. estima-se que mais de 49 mil mulheres serão acometidas por câncer de mama. Dados esses que corroboram com os achados deste estudo. encontrada em estudos como o descrito por Souza RM et al (1998)10 e Moraes AB et al (2006)11 é em torno de 54 anos e Bergmann A. Também não ocorreu significância estatística na correlação entre a histologia e metástase. 42.

Nos países desenvolvidos. menopausa tardia. Este aumento pode ser observado até 13 meses antes do diagnóstico clínico da recidiva. 80% dos casos de neoplasia mamária são diagnosticados em estádios mais precoces (I e II). No Brasil é recomendada a realização de mamografia a cada dois anos para mulheres com idade entre 50 e 69 anos. a positividade do CA 15. No país. Esta melhora nos índices brasileiros se deve as campanhas de prevenção ao câncer de mama. Estudos demonstram que a elevação dos marcadores tumorais pode ser o primeiro sinal da recorrência. Entre os fatores de risco para desenvolvimento de neoplasia mamaria estão à história familiar da doença. 45 a 75% dos tumores eram diagnosticados em estádio avançado. Já para mulheres acima de 35 anos com risco elevado de desenvolver câncer de mama recomenda-se a realização anual de exame clínico de mamas e mamografia. observou-se uma porcentagem menor de pacientes que apresentaram metástase e tiveram positividade deste marcador. Quando associado à imagem. Para mulheres acima de 40 anos. que advertem sobre a importância do exame clínico e rastreamento mamográfico. Estes dados demonstram a superioridade do CA 15. recomenda a realização de mamografia e exame clínico de mamas anualmente16. A Sociedade Americana do Câncer (American Cancer Society) recomenda a realização do exame clínico de mamas em mulheres entre 20 a 39 anos preferencialmente a cada 3 anos. história pessoal de doença benigna de mama e influências hormonais que propiciam a maturação da mama e podem aumentar a chance de mutações celulares. capaz de detectar lesões 15 de poucos milímetros . sendo que até a década de 80.3 chega a mais de 80%. gravidez sem termo e primeiro filho após 30 anos de idade 1. devido principalmente ao rastreamento por mamografia. percebe-se a necessidade de estudo com maior número amostral para avaliar melhor estes parâmetros. já predominando o estádio clínico II. e mais de 70% apresentam elevação do CA 15.3 quando comparado ao CEA17. Em relação à doença metastática. sendo que em torno de 40% das pacientes apresentam elevação do CEA.18.médicos. a mensuração do marcador pode ajudar a implementar o tratamento precoce de metástases19. verificase uma tendência a detecção mais precoce do câncer de mama. como menarca precoce. Entretanto. cerca de 33% dos casos.6.3. No presente estudo. Sabe-se que concentrações mais .

3 parece ser mais eficiente para a detecção de metástases quando comparado ao CEA. 24 .3 possam detectar recorrência e doença metastática. percebe-se que o acompanhamento das pacientes com câncer mamário após tratamento cirúrgico utilizando apenas marcadores tumorais é insuficiente. Ao término deste estudo conclui-se que a mensuração de marcadores tumorais é uma ferramenta importante para detecção de recidivas e metástases à distância. Elevações persistentes de CA 15. Embora as concentrações de CA 15.25. Os valores pré e pós-operatórios dos marcadores CA 15. nos quais se observam maior massa tumoral e maior comprometimento nodal 20. 23 juntamente com a presença de invasão linfo-vascular e positividade para HER2 prediz uma diminuída sobrevida livre de doença . na sobrevida total e na qualidade de vida das pacientes CA 15. Devido ao alto número de pacientes que não elevam os marcadores na presença de doença metastática.3 24.3 e CEA se associam com estádios mais avançados da doença. não está claro se ocorre melhora significativa na sobrevida livre de doença.3 após a quimioterapia. sendo que o marcador CA 15.elevadas dos marcadores CA 15.21. Autores demonstram que o monitoramento da terapia na doença avançada parece ser a maior utilidade do .3 e CEA são fortes fatores prognósticos para recidiva e a sobrevida das pacientes com câncer de mama 22 .

Aaran RK. Entendo o papel de marcadores biológicos no câncer de pulmão. 2001. Deferrari R. 6th ed. História familiar em segundo grau como fator de risco para câncer de mama. Br J Câncer.50(4):311-320. Capelozzi.3 in patients with locoregional and metastatic breast carcinoma. Serum CA 15-3 assay in the diagnosis and follow-up of breast cancer. Cancer. Vera L. 5 Geraghty JG. Análise das oportunidades de diagnóstico precoce para as neoplasias malignas da mama. Revista Brasileira de Cancerologia. Controle do câncer de mama: Documento de consenso. Cad. 4ed. Lehtinen M. Koifman RJ. Fernando. CA 15. Philadelphia: W.58(2):213-5.Dec 15. Rev Assoc Med Bras. Dalben I. 12 Bergmann A. Jornal de Pneumologia. Turchiello MS. RBGO. Mattos IE.70(12):2831-4. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. Medeiros LR.1992. Brasil:2004.Referências 1 ________________________ Brasil – Ministério da Saúde. 6ed. 6 Kallioniemi OP. Estudo da sobrevida de pacientes com câncer de mama atendidas no hospital da Universidade Federal de Santa Maria. Borba AA. 2004. Brasil. Brasil :2008. 2004.27(6):321-328. Scherer L. Luca LA. 1988 Aug. 10 Souza RM. Lazzaron R.B. Estimativas da Incidência e Mortalidade por Câncer no Brasil – 2008.49(2):185-190. Porto Alegre: Artmed. 1998. Pathologic Bases of Disease. 9 Molina L. .20(8):469-473. 2003 Abr-Jun. Instituto Nacional do Câncer. Frasson AL. Riboldi J. Saunders Company. Duffy MJ. Coveney EC. Hietanen T. Freitas. Rio Grande do Sul. Rotinas em Ginecologia. Carol M. 7 Robbins SL. Zanini RR. Oksa H. 2001 Nov-Dez. Fisiopatologia. O´Higgins NJ. Koivula T. 2006. 2 3 4 Porth. Saúde Pública. Sherry F. 11 Moraes AB.1999. 8 ________________________ Brasil – Ministério da Saúde. Diagnóstico do linfedema: análise dos métodos empregados na avaliação do membro superior após linfadenectomia axilar para tratamento do câncer de mama.22(10):2219-2228.

Hacene K. OH JW. et al. Munoz M et al. Int J Biol Markers. Ann Oncol. Estadiamento inicial dos casos de câncer de mama e colo de útero em mulheres brasileiras. Prognostic value of CA 15. Ferroni Patrizia. CA 15. Kim JH et al. 2008. Pichon MF.27(11):656-60. Anticancer Res. 1999 Jul-Aug. Research. Alicarte J. 2008 Apr. Reis FJG dos. 2003 Mar-Apr. Spila A. 15 Paulinelli RR. Stieber P. Carlini Sandro. Mendonça GA. Zanón G.19(4):675-81. A Re-Evaluation of Carcinoembryonic Antigen (CEA) as a Serum Marker for Breast Cancer: A Prospective Longitudinal Study. 2003 Mar.6:220 . 1999 Jul-Aug.3 and CEA serum levels as predictor for breast cancer outcomes. 19 De La Lande B.7: 2357-2362. Nagel D. RBGO. Myers E. 2002. 2006. Duffy MJ. Floiras JL. et al. Untch M. Anticancer Res. CA Cancer J Clin. Anticancer Res.3 serum levels in the early diagnosis of recurrence of breast cancer patients. Junior RF. Park SH. Alatrakchi N. American Cancer Society guidelines for the early detection of cancer. Souza AA. 19(4A):2545-50.3 in patients with locorregional breast cancer. Preoperative CA 15. Tiezzi DG. Hill Arnold DK. A situação do câncer de mama em Goiás. Pahisa J. Andrade JM. 2001 Aug.54:41-52. 14 Thuler LCS. McDermott EW. Rev bras saúde matern infant. Cokknides V.23(2A):1035-41. Jo J. CEA and CA 15. 21 Molina R. Marana HRC. Aloe S. Kim KS. 22 Ebeling FC.13 Clagnan WS. Curado MP. Mariotti S. BMC cancer.3 as prognostic factors in breast cancer – univariate 23 and multivariate analyses. Farrus B.19(4A):2551-5. et al. 2004. Idade como fator independente de prognóstico no câncer de mama.3(1):17-24.17:231-238. Al-Azawi D. et al. 2005. 18 Clinical Cancer Molina R.30(2): 67-74. Prospective evaluation of CEA and CA 15. et al. C-erBb-2. Filella X. Tumors markers CEA and CA 15. Muñoz M. Carrara HHA. Schmitt UM.3 kinetics for metastatic breast câncer. RBGO. 16 Smith RA. Filella X. 17 Guadagni Fiorella. no Brasil e no mundo: tendências atuais para a incidência e a mortalidade.3 is predictive of response and disease recurrence following treatment in locally advanced breast cancer. Fateh-Moghdam A. Kim JH. Zanon G. Kelly G. 20 Park BW. Eyre HJ.

52(3):354-351.11(4):389-95. Clinical Chemistry. Nishimura R. Breast câncer. Significance of serum tumour markers in monitoring advanced breast câncer patients treated with systemic therapy: a prospective study. 25 Kurebayashi J. Kurosumi M. Tanaka K. Kohno N. . Moriya T et al. 2004.24 Duffy. 2006. Serum Tumor Markers in Breast Cancer: Are They of Clinical Value?. Michael J.