Turbiditos

:

Turbiditos ou Leques Submarinos: gerados por correntes de turbidez. Morfologia: Sob forma de leques ou lobos sub-aquosos em regiões marinhas profundas, a partir de cannyons ou sopé de taludes, extendendo-se para áreas oceânicas mais distais. Litotipos: Diversificados: Conglomerados, arenitos, siltitos, folhelhos e calacáreos. Modelos deposicionais mais conhecidos: - Baixa Eficiência: Alta razão arenito/folhelho, com grandes acumulações de areia em zonas canalizadas e quase ausência total de turbiditos finos. - Alta Eficiência: Baixa relação arenito/folhelho; grande continuidade lateral de complexos de lobos turbiditicos finos. Walker 1978, fácies turbiditicas: 1 Turbiditos Clássicos: Bouma (1962): Com base na granulometria e nas estruturas sedimentares; Intervalo A: Gradacional (apresenta variação gradual e progressiva de granulometria ou ) Maciço Situado na base; Se os grãos são mal selecionados, Gradacional; bem selecionados, maciço. Intervalo B: Laminação Paralela Inferior Contato gradacional ou transicional com A; caracterizado por uma interlaminação siltica-arenosa; comum presença de lineações de partição. Intervalo C: Laminações Cruzadas ou de Correntes Pode apresentar marcas de corrente e/ou estruturas convolutas; contato erosivo com B. Intervalo D: Laminação Paralela Superior Contato abrupto com C; laminação paralela difusa, formada por sedimentos predominantemente siltico-arenoso. Intervalo E: Camada Pelítica ou Calcilutítica indistinta de D. Estruturas sedimentares maciças; separação

Outras estruturas sedimentares associadas aos turbiditos Clássicos de Bouma Três classes principais de marca de sola: - Marca de Objetos; - Marca de Escavações; - Estruturas de Carga;