O Homem que não sabia pular

Era admirável sua coragem de estar em pé no parapeito de um prédio a aproximadamente 17 metros de altura. E algo honroso também. A foto estampando o jornal seria bem bonita. Um corpo estirado sobre os degraus de granito da escadaria da biblioteca municipal, juntamente com todo o colosso de suas colunas que remetiam a epopéia da Roma antiga e a gloriosa fachada branco marfim, enfim, não são coisas que vemos todos os dias. Havia uma pequena multidão em volta da cena. Um rapaz de estatura mediana. Cabelos escuros e pele morena. Suas roupas acusavam que tinha por volta de 20 e poucos anos. Alguém bem novo, e certamente imaturo para a decisão que estava tomando. Não era fácil ficar olhando para aquele que ameaçava pular a qualquer momento, mas todos queriam assistir o final da história. Será que ele irá pular? Será que já dá para morrer dessa altura? O que o levou até lá? O que será que ele está passando? Onde está sua família? Muitos questionavam. Alguns o condenavam: “Esse moleque não deve ter qualquer motivo para estar ali. Provavelmente este rapaz só quer aparecer”. Contudo, não houve uma só voz, ou pensamento, que se propusesse a colocar sua vida naquele dilema a fim de solucioná-lo. Todos como espectadores da novela da vida. Seu rosto, todavia, não expressava qualquer sentimento. Não havia uma gota de suor. Um tremor de nervosismo. Nem o vento parecia tocá-lo. Ele deveria estar muito longe dali. De repente, a visão tranqüila do menino, poderia assim chamá-lo, foi substituída pela chegada da ambulância, da polícia, e claro, dos jornais. Todos queriam salvá-lo. Todos queriam aparecer. A imprensa. Os policiais. Os bombeiros. A população. O menino. Se for atenção que ele queria, conseguiu. Todo o aparato estava preparado. Ou deveria ser chamado de circo. Depende claro, do ponto de vista. As negociações começaram. O megafone tentava de alguma maneira transmitir serenidade e confiança para que o menino pudesse desistir que qualquer idéia que pudesse estar tendo. Entretanto, era complicado entender diante do barulho e distorção do som. Enquanto isso, alguns homens subiam as escadarias do prédio para uma tentativa de abordar o menino, antes que ele pulasse. Mas havia algo esquisito. Algo inusitado, diferente pode-se dizer. Não houve por qualquer momento indício algum de que o menino pularia. Não havia uma respiração ofegante

para ser ouvida ou percebida, não houve movimentações corpóreas nem passos para frente, se quer para trás. Era uma imagem estática. Alguém mais o estava observando. Aquilo não parecia uma ameaça para a vida do menino. Aparentava mais um momento de reflexão, contemplação. A busca pela vida, talvez, vida que ele estava prestes a perder. De maneira quase que imperceptível, havia uma lágrima escorrendo de seus olhos. Quando ela finalmente foi tocada pela luz do sol, que estava escondido atrás de uma nuvem percebeu-se que em sua boca ele sentiu o sabor das águas que estavam armazenadas dentro dele. Uma mistura de sal e minerais. Uma mistura de sabor e de nada. E o percurso caminhado lentamente pela lágrima, foi o tempo suficiente para que eles o agarrassem com força pelos braços, o puxassem de volta para a laje do prédio, e o tivessem em presumível segurança. Envolto em uma manta azul, ele foi colocado apressadamente em uma ambulância e certamente levado para o hospital mais próximo. Todos foram dispersos pelas autoridades responsáveis. - “Não há mais nada para ver aqui”, - “Vamos pessoal, o show acabou”. E assim todos se foram. De volta aos seus cuidados do dia-a-dia. Seguindo com sua própria história. Atrás de resolver os problemas que os mantêm vivos. Acredito que sem eles, não haveria vida para ninguém. Seriamos todos tão entediados, ao ponto de ficar em pé na beirada de qualquer precipício, buscando no horizonte uma motivação qualquer para continuar. Imagino que o menino estava neste lugar. Na mesma noite, todos os noticiários mostravam a estória que parou o centro da cidade. Entre as notícias do esporte e a previsão do tempo, estava o ator sem nome, que entreteve por alguns singelos minutos, uma platéia despercebida. Surgiram então os heróis do resgate, isso foi incrível, e logo depois o prefeito da cidade: -“Cumprimos hoje a nossa obrigação para com um cidadão de nossa cidade”. E o chefe de polícia: -“Lutamos pela vida, até quando o seu dono a despreza”. Palavras bonitas vindas de corruptos, ladrões intocáveis. Mas é claro, eles possuem os melhores discursos. Porém, jantar não foi fácil. Não se falou em outra coisa em nossa mesa. Algo sobre esta geração estar perdida, pais que não sabem educar os filhos, uma rápida e superficial preocupação comigo e com minha irmã, é óbvio, nenhum pai ou mãe quer ver seu filho aparecendo no jornal como um maníaco suicida. O que não iriam pensar deles? Quanta ingratidão seria da nossa parte agir desta forma. Mas no fundo, não nos preocupávamos um com os outros. Quatro desconhecidos, e um cachorro demasiadamente mimado por uma família carente. Enquanto tentava dormir, na madrugada fria e escura de um quarto úmido, repassei vez após vez aquele momento. E revirei cada pergunta, cada pensamento que tive. Pergunto-me quão gostosa deve ser a sensação de ficar a mercê, à dependência de um salvador incerto que

possa evitar que você abra, subitamente, mão da sua própria vida. Ou será que era algo mais profundo do que isso. Ou será que... E se... Dormi com a sensação de ter desvendado todas as possíveis perguntas, e com a insatisfação de não ter sido capaz de concluir qualquer resposta. A manhã chegou, os dias passaram. Todos comentaram sobre o ocorrido. Todos se esqueceram do que havia acontecido. Outras notícias vieram. Outros mataram. Outros morreram. A vida estava tão entediante quanto antes. Alguns jogos de futebol depois, e muitas aulas chatas, já não havia espaço em minha mente para ficar pensando naquilo, e quão fúteis foram às horas perdidas com isso. Eu tinha mais é que me preocupar com outras coisas mais urgentes. Período de provas estava chegando. Meus amigos mais próximos e mais ausentes nas aulas estavam desesperados correndo atrás de conseguir as anotações de outros alunos, querendo aprender a matéria de meses em alguns dias, era a chance de antecipar as férias e voltar à curtição que, para mim, nunca parava. Engraçado foi ver, no final, que todos ficaram de prova final. Eu, por outro lado, estava me divertindo saindo com as amigas mais dedicadas e bonitas, que assim como eu, haviam passado para o próximo semestre. Íamos para os mais diversos lugares. Era muito bom. Ser rodeado de mulheres atraentes. Alguns me olhavam com inveja imaginando com qual delas eu me relacionava, ou convenhamos, ficava. Outros me achavam um homossexual por não me aproveitar da situação. Eu adorava preencher com sorrisos forçados e programas chatos o vazio que havia em mim. Não havia problema nisso. Alguns dias depois estávamos todos juntos. Os amigos tinham passado e a turma estava completa. Fizemos os ajustes. Combinamos dia, hora e local para irmos a nossa segunda viajem para a Ilha das Cruzes, que ficava a uns trinta minutos da cidade até a balsa, e mais quatro horas de um fascinante rio marrom de águas doces, misterioso e convidativo para a crença nas lendas que o promoviam. Seria memorável. Na data acertada, nos despedimos de pai e mãe. Colocamos as malas nos carros. Cada um com o seu grupo até a balsa. Brincamos a viagem toda, que acabou por demorar mais do que esperávamos. Chegamos fora de horário para balsa. O radiador aqueceu demais. Um pneu furou após alguns quilômetros na estrada de terra após a travessia. Porém tudo foi levado na esportiva. Tudo virava piada. Quando chegamos, as meninas logo correram para a praia. Nós, homens, claro, ficamos com o trabalho pesado. Armar as barracas e gelar as cervejas. Divertido? Claro que sim. Embriagamos-nos por dois dias. Beijamos. Brigamos. Beijamos de novo. Brigamos mais um pouco. E curtimos cada instante daquele descanso. Fizemos promessas sobre amizades. Sobre o futuro. Sobre esquecer o que tinha acontecido, e por principal, não contar nada. A ninguém.

A Ilha das Cruzes tinha esse nome esquisito porque fora descoberta por padres na época da evangelização dos índios, e para tal, eles haviam construído depois de longos anos, uma bela igreja, bem simples, mas grande em tamanho, com uma ainda mais simples praça na frente, que desfrutava de alguns bancos para sentar e a copa de bonitas árvores como um refugio do forte sol que fazia todos os dias. E é claro, como todo interior, aquele campo de futebol, com aquela grama que coça mais do que qualquer outra coisa e traves sem redes. O gol, por vezes, era visto por quem alegava ter feito e por mais ninguém. Normal. Em nosso caminho de volta, ainda sob a neblina do álcool e um leve arrependimento moral pelo que havia feito, vi por trás da igreja algo que até então nunca havia percebido. Três cruzes, posicionadas no quintal da capela. Não sei se elas sempre estiveram ali. Nunca havia reparado antes. Aparentavam estar novas. A madeira parecia desta forma. Acredito que tinham sido reformadas. Ou eram novas mesmo. O mais incrível nesta descoberta, não foi localizar as cruzes que certamente deram a inspiração para o nome da cidade, mas a sensação de conhecer a história delas. O que representavam e essas coisas. Entretanto, a amnésia alcoólica não ajudou a trazer a memória todo o acontecimento sobre Jesus, que claro, era a cruz do meio, e os outros dois bandidos que estavam ao seu lado. Mas havia mais para esta história. Eu sabia que havia mais. Nas semanas seguintes, a monotonia de estar sempre em casa, ou fazendo um trabalho para ganhar um trocado aqui e ali, me consumiu a tal ponto de eu não conseguir raciocinar direito. Uma mistura de tédio e cansaço. Desmotivação e desesperança. Não sabia o que era pior. Ter que sacrificar meu pouco dinheiro para estar me divertindo com meus amigos, ou economizar para algo que eu realmente pudesse vir a necessitar em breve. Livros ou coisas do tipo. Tinha que me formar. Isso me tiraria de casa. E com certeza me traria um bom dinheiro. Nada na vida, porém, ocorre como nós gostaríamos. Enquanto eu me apaixonava por uma garota nova na turma, meus pais a cada dia que passava se desentendiam mais. Não se toleravam mais. Nossa casa virou uma zona de guerra. Uma área de risco. A partir de então, evitei chegar sem casa sem sono. Ficava na rua para chegar a minha cama, fechar os olhos e dormir. É terrível ver pai e mãe assim. Estava tudo tão bem. Como um vento frio que corta a alma no dia mais gélido de inverno, fui acometido com a dor do divórcio entre os meus pais. E impactado pela descoberta de saber, que meu pai, homem de Deus e da igreja, sempre envolvido em inúmeras atividades, havia se envolvido com uma garota quase que da minha idade. Do mesmo grupo de jovens que vez ou outra eu freqüentava. Eu já não tinha muito um bom conceito acerca de Deus. Daquele momento em diante, ele passou a ser a imagem de meu pai: ausente, traidor, irresponsável, falso, superficial, que nos julgava e condenava, e cobrava resultados inalcançáveis, para ocultar, claro, sua hipocrisia e pecados.

Mas quem não passa por isso. Sou forte. Isto não irá me abater. Tenho uma mãe depressiva agora e uma irmã a beira da descoberta de coisas ruins, por influência de suas amigas. E eu tenho que aceitar. Que engolir. Minhas tentativas de persuadi-la são todas em vão. Não tenho nenhuma moral com ela depois do que nos aconteceu. Nossa fragilidade foi substituída por uma frieza tamanha. Nosso amor já inexistente reduzido a apatia, tédio, superficialidade profunda, consideração tão falsa a ponto de dar enjôos, e por ai vai. Éramos conectados por alguma coisa antes. Famílias sempre dão um jeito, até deixarem de serem famílias. Não precisei de drogas, nem do álcool para mergulhar de cabeça no mar da insensibilidade. A melhor maneira de prosseguir diante da dor e da tribulação é esquecendo que elas existem, ou deixando de senti-las. Perdemos nossa identidade. E a outra que adquirimos é uma falsificação das piores. Temos o nome trocado. Aquele na foto não sou eu. Não nasci neste lugar, nem neste ano. O nome dos meus pais está errado. Esta assinatura não é minha. Infelizmente, neste trato por uma força desmedida, assinamos com sangue nossa própria condenação. Morremos no momento em que nos perdemos. Formado, arranjei um bom emprego. Mesmo não sendo fixo, posso pagar as contas e ficar tranqüilo final do mês. Não que ganhe muito, mas conseguimos reduzir as despesas depois do enterro da mamãe. Não doeu. Não senti. Não chorei. Apenas consolei os demais membros da família com palavras que não acredito. Ao menos tenho minha irmã de volta. Certo dia, ao andar pela avenida principal em direção ao Tribunal de Justiça da cidade, fui surpreendido com a repentina lembrança do menino, e das cruzes, diante da Biblioteca Municipal. Não que houvesse uma ligação. Ou talvez tivesse. Mais interessante foi notar, que após tanto tempo eu estava sentindo alguma coisa. Fui encorajado de alguma forma a subir até o teto daquele prédio. Eu precisava sentir alguma coisa. Minha coragem foi tomada pelo medo ao passar pelos seguranças, pelas pessoas, pelas salas e até a escada de emergência que levava até o teto. Quando lá cheguei, senti o vento levando embora a armadura impenetrável que eu havia criado. Senti frio, senti calor. Senti a morte de minha mãe, e em lágrimas ajoelhei-me no chão. Mais calmo, tomei coragem, e fui até o parapeito. Agora um pouco mais alto após aquele ano em que o menino se colocou ali. Subi lentamente, com todo cuidado, esperando não deslizar. Eu precisava sentir alguma coisa. Agora sim, a adrenalina dominava meu peito, a minha vida inteira passava diante dos meus olhos. Uma emoção incontrolável. Todos os sentidos aguçados. Eu era o rei do mundo. Não havia nada no horizonte. Nem prédios. Nem postes. Nem carros. Nem a praça. Nem o chafariz. Não havia pessoas. Não havia lembranças. Apenas um momento eterno em que a

vida e a morte se fundem e se entrelaçam em amor. A contemplação do fim e do início. Do tudo e do nada. O medo e a coragem lutam entre si. O vazio toma conta de tudo. Uma voz convida: “Pule!” Outra diz: “Volte!” E no fundo escuto: “Este é o seu momento. Faça o seu melhor show. Mostre-lhes sua melhor performance.” Eu poderia ter descido a qualquer momento. Após um inigualável estado de frenesi veio à dúvida sobre a minha sanidade. A dúvida quanto o que eu realmente estava sentindo. A armadura voltava a me fechar para os sentidos. O mistério era desvendado. Eu não conseguia sentir. Lembranças escaparam de minhas mãos. Meu coração não batia. Diante do dilema resolvi entregar minha vida nas mãos do destino, ou da graça, ou de Deus. Eu pularia e quebraria por fim aquela armadura. Eu iria sentir. Então aconteceu. O prédio sob os meus pés ruiu. O céu escureceu. Fiquei cego por um momento. “Não pode ser”, eu me dizia. Com todas minhas forças eu lutei, e por fim descobri, eu não sabia pular. Meus braços foram fortemente agarrados e todo o meu corpo sentiu a gravidade o puxando para baixo. Era o fim do meu espetáculo. Uma lágrima então tocou os meus lábios. Eu sabia. Eu não sabia pular. Envergonhado embaixo de um pano, deitado em uma maca. Dado como louco, eu estava era morto. Aplausos ensurdeciam aos meus ouvidos. Eu tinha que morrer. Eu tinha que morrer. Meu choro irrompia descontroladamente ao me colocarem na ambulância e eu me rendi à humilhação de ser cuidado por tanta gente, por motivo nenhum. Não havia nada de errado comigo. Eu só queria sentir. Eu queria me sentir vivo. Ao chegar ao hospital, vi na parede atrás da recepção um relógio, e ao lado, um crucifixo, com a imagem do Cristo crucificado. Aquilo então me tocou. Como poderia ter alguém morrido naquela cruz? Quão grande fora a dor! Então, vi diante de meus olhos as três cruzes da ilha, do calvário. Tudo fazia sentido agora. Minha mãe havia me falado sobre Jesus. Evangélica há muitos anos como meu pai, mas nunca nos conseguiram levar fielmente. Sempre tínhamos a opção de não ir. Ora, teria Jesus realmente nos perdoado? Eu não conseguia me perdoar, nem imaginar a minha vida depois do ocorrido. Quando recebi alta, andei lentamente pelos corredores do hospital, ansiando chegar ao portão de saída do hospital. Não rui resgatado por ninguém. Minha irmã tinha vergonha de mim. Ou me convenci disso para justificar sua ausência. Meu pai estava morto para mim há muito tempo, desde sua separação com minha mãe. Perdido, andando como um moribundo, sem destino, sem propósito, sem forças para recomeçar o que havia sido consumado no dia anterior, resolvi sentar-me junto ao banco na praça de grama verdade e vendas de água de coco para descansar.

Sem avisar, um homem barbudo sentou-se ao meu lado, e terminou a minha história, naquele dia, assim: “Perdoados são os teus pecados. Eu o acompanhei em sua cegueira a minha presença, sua insensibilidade, falta de fé, fracassos, ilusões, mediocridade e derrotas amargas. Eu vi cada lágrima, ouvi todo o teu choro. Eu te dei a mão e você a negou. Eu te perdoei e você não acreditou. Dei-te tudo o que você precisava, e você nunca me agradeceu. Eu senti tudo o que você não sentiu, e aprendi a pular por você. O que mais é preciso para que eu te convença. O que eu preciso fazer para que você creia em mim? É por causa de um erro, tropeço, falha que você vai desistir? Não compare seu pai comigo, nem a você mesmo comigo, nem me limite aos seus pensamentos. Eu te amo e nada irá separar você de mim. Nem dúvidas ou certezas. Nem trevas nem luz. Eu sou Deus e não sou limitado ao que pensam sobre mim. Antes, sou eu quem sonda e quem julgará cada pensamento. Creia em mim, a partir de agora. Você está aonde eu posso te falar e você irá me ouvir. Deixe das preocupações deste mundo, da culpa, da depressão, da soberba, das vaidades, da ira, da raiva, da injustiça, da injúria, da torpeza do vosso coração e seu ânimo dobre. Ainda posso lhe perdoar setenta vezes sete. E a contagem só está começando. Creia em mim, tão somente, e provarás das águas que eu tenho para que bebas e jamais tenhas sede, do alimento que comerás e sempre ficarás satisfeito, a saber, todas as coisas cooperam para o bem daqueles que me amam. Entrega-me o teu coração, e o mais te farei”. Sem quase entender, observando a doçura e a ternura de olhos tão machucados pela vida, ressentidos pela dor e cheio de amor a transbordar, aprendi que se não sabia pular é porque não deveria. E se tudo me aconteceu, era para que em tudo este homem fosse lembrado. Seu nome era Jesus. E nunca conheci alguém tão sincero e leal assim. Logo, em dias de graça, tais quais estou hoje, na busca infindável de sentir alguma coisa, vivo pela graça da aceitação e do amor próprio, amando a Cristo e o consolidando sobre a minha vida, para que, ao me encontrar outra vez com a dor da solidão, encontre nestes braços o colo restaurador que desfrutou São João. Despeço-me desejando-os a paz do Senhor Jesus sobre o vosso lar. Amém.

Assinado: o menino que não sabia pular.

Related Interests