A insulina é uma pequena hormona polipeptídica constituída por duas cadeias α e β ( 51 aminoácidos) unidas por duas pontes dissulfureto

que permitem a conexão dos aminoácidos α 7 e β 7, α 20 e β 19. Uma terceira ponte de dissulfureto na cadeia α liga os resíduos α 6 e α 11. Esta hormona é fundamental para manter o nível de glicose no sangue, de forma que o cérebro, músculos, coração e outros tecidos tenham a quantidade de "combustível" necessária para o metabolismo celular normal. A insulina também desempenha um papel muito importante no metabolismo das gorduras e das proteínas na circulação sanguínea. Promove, por exemplo, o transporte de aminoácidos do sangue para os músculos e outras células. Dentro destas, a insulina não só é responsável pela promoção da absorção intracelular de aminoácidos da circulação, aumentando a síntese proteica, como também reduz o catabolismo (processo de quebra de proteínas dos músculos).A acrescentar às demais funções já descritas, há participação da insulina na síntese de neurotransmissores e no funcionamento eficaz do sistema imunitário. O cromo é um mineral muito importante no desempenho das funções da insulina na medida em que transporta e veicula o açúcar da corrente sanguínea para as células além de facilitar a ligação da insulina à membrana celular. Caso os níveis mínimos de cromo estejam ausentes, a insulina é incapaz de actuar prejudicando a formação de massa muscular do organismo ( efeito anabólico ) e não reduzir a gordura convenientemente.

diabetes

A doença que é provocada pela anormal actividade da insulina é a diabetes que embora já fosse conhecida há dois mil anos, só nos últimos cem foram descobertas formas de a tratar e controlar. Em 1921 na Universidade de Toronto no Canadá, Dr. Frederick Banting (cirurgião) e Charles Best (estudante de Fisiologia) descobriram a insulina. Esta importantíssima descoberta levou a que Banting e McLeod (porque as experiências foram realizadas no laboratório J. J.R.Macleod) recebessem o premio Nobel da medicina em 1923. A insulina foi a primeira proteína em que foi comprovada actividade hormonal, a primeira proteína a ser cristalizada (Abel, 1926), a primeira proteína a ser sequenciada ( Sanguer et al, 1955 ), a primeira proteína a ser sintetizada por técnicas químicas ( Duetal;Zahn;Katsoyanis; ≈ 1964 ), a primeira proteína foi demonstrada como sendo sintetizada na forma de uma molécula

Para o caso de indivíduos com antecedências alérgicas é produzida insulina humana . A Escherichia coli tem um segmento de DNA que possui aproximadamente 4 a 5 mil genes. a célula filha recebe um cromossoma e plasmideos iguais aos da célula mãe. passe a produzir a hormona em grandes quantidades.A insulina pode ser produzida sinteticamente através de uma técnica que consiste em modificar geneticamente a bactéria Escherichia coli para a tornar capaz de sintetizar a hormona ausente. os aminoácidos entram na ordem exacta para a formação de cada proteína . Os genes contidos nos plasmideos não são essenciais para a vida da . Além desse segmento possui também porções de DNA que se denominam por plasmideos. Estes podem-se reproduzir. evidenciando os ilhéus de Langerhans. Depois é introduzido o gene da pró-insulina humana da bactéria fazendo com que o gene. Estas modificações não alteram a actividade biológica dos vários tipos insulina. suína e bovina também pode ser extraído destes dois últimos mamíferos. As bactérias também têm DNA como material genético e produzem RNA para sintetizar proteínas. Em 1958 o cientista Frederick Sanger ( Reino Unido ) foi laureado com o prémio Nobel de Química por ter contribuído no trabalho sobre a estrutura da insulina. substituição da alanina ou treonina na porção β 30. Deste modo quando a célula de uma bactéria se multiplica. A insulina humana pode ser extraída do pâncreas na medida em que esta é produzida nas células β dos ilhéus de Langerhans do pâncreas. 1967 ) e a primeira a ser preparada para o uso comercial com a metodologia do DNA recombinante. através destas extracções (suína e bovina ) é possível haver terapia padrão para a diabetes mellitus. A insulina suína difere num único aminoácido.grande precursora ( Steiner et al. Em 1978 fez-se a clonagem do gene da insulina humana e em 1982 a insulina humana era produzida por Engenharia Genética. precursor da insulina activa. Deste modo a hormona é produzida em trinta dias o que equivale a um terço do tempo necessário para a obter pelo método tradicional. Assim. A bovina tem esta modificação mais as substituições de alanina por treonina em α 8 e valina por isoleucina em α 10. Secção do pâncreas humano.No processo de síntese proteica. Como existe uma grande semelhança entre os tipos de insulina humana. duplicando o seu DNA.

* Intolerância a derivados do leite pela incapacidade de digerir lactose (açúcar do leite). mas bebês.Se as bactérias forem mantidas vivas e em crescimento. * Infecções por bactérias como a Salmonella e a Shighella. 3) vacina adsorvida difteria. reduzem os níveis de dois importantes minerais: sódio e potássio. Causas * Toxinas bacterianas como a do estafilococus. lábios rachados. * Efeitos colaterais de algumas drogas. letargia. Importante: a idade máxima para administrar esta vacina é aos 6 anos 11meses e 29 dias. A vacina adsorvida difteria. deve-se completar o esquema com DTP + Hib. é possível alterar o DNA da bactéria introduzindo segmentos de DNA humano no DNA das bactérias. ela precisa de ter o RNA específico para sintetizar essa proteína. tétano. Estas bactérias.Para a bactéria produzir insulina humana. Nenhuma bactéria possuí DNA com informações para a síntese da insulina mas. Intervalo entre as doses de 60 dias e. reproduzem-se de modo muito rápido. * Abuso de laxantes. como já foi referido anteriormente. . 4 e 6 meses de idade. não vacinados na faixa etária entre 1 a 6 anos. * Disfunção da motilidade do tubo digestivo. Para os comunicantes menores de 1 ano com vacinação incompleta. Diante de um caso suspeito de difteria. Crianças comunicantes que tomaram a última dose há mais de cinco anos e que tenham 7 anos ou mais devem antecipar o reforço com dT.bactéria mas podem ser responsáveis pela síntese de proteínas que aumentam a resistência dessas bactérias aos antibióticos. altas doses de vitamina C e alguns medicamentos para o coração e câncer. mínimo de 30 dias. antibióticos. através de técnica de cortar o DNA com enzimas especificas e de refazer o DNA com outras enzimas. avaliar a situação vacinal dos comunicantes. além de diminuir as reservas de água do corpo humano constituído por cerca de 75% de água. Para os não vacinados menores de 1 ano iniciar esquema com DTP+ Hib.Uma das piores complicações da diarreia é a desidratação. O primeiro reforço administrar aos 15 meses de idade e o segundo reforço aos 4 (quatro) anos. confusão mental e diminuição da urina são sintomas de desidratação que. crianças e idosos desidratam-se com facilidade. * Parasitas intestinais causadores de amebíase e giardíase. Boca seca. iniciar esquema com DTP. Adultos são mais resistentes. completar esquema com DTP. actualmente. * Infecções virais. pertussis e Haemophilus influenzae b (conjugada): Administrar aos 2. tornam-se verdadeiras fábricas de produtos exactamente iguais aos que o organismo humano produz. crianças na faixa etária de 1 a 6 anos com vacinação incompleta. por exemplo. tétano e pertussis – DTP são indicados dois reforços.

Infecção típica dos trópicos. dependendo do tipo de alimento e do tipo de microorganismo. * Não faça uso de adoçantes à base de sorbitol. Como a água não repõe a perda de sódio e potássio. sendo assim. prisão de ventre. Isso significa que. doenças cardíacas ou com histórico de derrames devem consultar o médico antes de ingerir bebidas que contenha sódio porque correm o risco de elevar a pressão. glaucoma. leite. Sabemos que existem microorganismos que podem estar presentes nos alimentos em contagens toleráveis. especialmente. * Não deixe de ferver a água de rios.) até que as fezes voltem ao normal. mudança do tipo de água ingerida ou mesmo ansiedade diante de acontecimentos importantes podem provocar esse tipo de diarréia. além de agravar o quadro de desidratação. física ou química. Esses alimentos dão mais consistência às fezes e a banana. para a nossa saúde. manifesta-se também nos habitantes de regiões de clima temperado. caldos de carne magra. * Suspenda a ingestão de alimentos com resíduos: saladas. especialmente. riachos ou mesmo a de torneiras nos locais em que não seja tratada. . em conseqüência. febre. nos alimentos de origem microbiana. Prefira ingerir arroz. sendo assim.* Intolerância ao sorbitol. Todos os microorganismos têm temperaturas ótimas para o seu crescimento e reprodução. adoçante obtido a partir da glicose. É causada por um protozoário que invade o sistema gastrintestinal transportado por água ou comida contaminada. Recomendações * Beba muito líquido. bananas. . provoca além dos sintomas da diarréia comum. Pessoas com pressão alta. perda de energia e de apetite. manter a temperatura abaixo da ideal. erva-doce e hortelã. embutidos. pessoas com diarréia associam comida à disfunção gastrintestinal e suspendem toda a alimentação. Tipos de diarreia a) Diarreia comum: caracteriza-se normalmente por provocar apenas fezes soltas e aguadas. b) Diarreia infecciosa – comum em crianças. Enquanto na conservação pelo calor trabalhamos com a morte de microorganismos e inativação de enzimas. forma as reações químicas ocorrem em temperaturas ideais. antes das refeições . etc. Por exemplo. * Chás de camomila. c) Amebíase – pode ocasionar desde leve dor de estômago e flatulência até febre. * Evite alimentos muito temperados ou com alto teor de gordura (frituras. como as reações enzimáticas. se tiver necessidade de bebê-la. lagos. maçãs e torradas. podem ajudar. É causada por viroses e bactérias. de 2 a 3 litros por dia. o princípio básico da conservação pelo frio é manter a temperatura abaixo da ideal para o crescimento e proliferação microbiana. é rica em potássio. Ocorre mais em crianças. o princípio para minimizá-las é o mesmo. de cafeína. * Não se esqueça de lavar bem as mãos várias vezes por dia e. Senão for conveniente tratada pode demorar ate uma semana os sintomas somen. Em geral. * Não deixe de comer. enzimática. debilidade física e fezes aguadas com manchas de sangue. podemos consumí-lo com certa carga microbiológica sem prejuízos para a qualidade do alimento e. por exemplo. bagaço de frutas e fibras. na conservação pelo frio o fator que controlamos é a proliferação microbiana e reações químicas. Os congelados vêm se tornando cada vez mais freqüentes na mesa do brasileiro e a refrigeração doméstica é a principal arma da população contra a deterioração dos alimentos e conseqüente desperdício. * Evite café. excesso de gorduras. suspende o fornecimento dos nutrientes necessários para o organismo reagir. remédios e alimentos. alguns cortes de carne. Da mesma. procure suprir essa necessidade com soro caseiro ou outros líquidos que contenham tais substâncias. conservação pelo frio é uma das mais utilizadas no dia-a-dia da população. Pode estar associada a uma combinação de estresse. sucos de frutas e álcool que é um desidratante poderoso. diabetes. Tal medida.

bem como da estabilidade requerida do produto final. Vários tipos de tratamento térmico podem ser aplicados.Existem dois tipos de conservação pelo frio: a refrigeração e o congelamento. a depender da termossensibilidade do alimento e da sua suscetibilidade à deterioração. Um tratamento térmico seguro deve ser selecionado com base no binômio tempo-temperatura requerido para inativar os microorganismos patogênicos e deterioradores mais termorresistentes em um dado alimento e da embalagem (Azeredo. 2004) . Cada um se adequando ao tipo de alimento e ao tempo de conservação que se deseja atingir. O uso de calor para conservar alimentos tem por objetivo a redução da carga microbiana e a desnaturação de enzimas.