Salvador e suas encostas

Deslizamentos de terra são eventos motivados por diversos fatores e que ocorremem terrenos de relevosacidentados ± de forma natural ± ou em áreascujos perfis naturais foram alterados pela realização de obras e serviçossem que os cuidados adequados tenham sido observados. Para situar melhor o nosso comentário e stamos considerando nesse momento apenas os deslizamentos de terra ocorridos nas cidades, especialmente em Salvador. Pesquisando um pouco vamos encontrar um importantetrabalho de autoria do engenheiro Jean Gonçalves Santana intitulado ³Acidentes com escorregamento de terra nas encostas de Salvador-Ba: Contexto histórico´ que nos proporciona informaçõ es importantes sobre o tema. De acordo com Santana, os organismos oficiais responsáveis têm registros de deslizamentos de terra datados de1551, 1714, 1716, 1721,1732,1748, 1754,1795,1797,1813, 1846, 1868, 1878 e 1880. Aí o autor interrompe a relação para retornar a listar ocorrências em1926, 1935, 1964, 1966, 1968, 1969, 1971, 1975, 1978 , 1989,1990, 1991, 1992, 1993, 1994, 1995, 1996, 1997, 1998, 1999, 2002 e 2004. Como podemos ver esses eventos não são desconhecidos de ninguém. É claro que muitas contenções já foram executadas e varias encostas devidam ente estabilizadas, porém,as populações menos favorecidas continuam a instalar as suas precárias moradias nas áreas disponíveis, as quais, coincidentemente , são áreas impróprias para a construção de habitações, que continuam a ser erigidas sob o olhar permissivo e inconsequente das autoridades que deveriam ser mais enérgicas nos processos de ocupação das terras de Salvador.São tragédias que se repetem por mais de 400 anos, conforme Santana demonstra no seu trabalho . Portanto, as áreas e pontos de risco das encostas de Salvador precisa m ter um programa que cuide das obras e serviços que precisam ser executados para que essas áreas e pontos deixem de ser de risco. As providências nesse sentido precisam ser tomadas continuadamente, não importa qual seja o governo de plantão . Alguém tem de chamar a si essa responsabilidade , seja ele estadual ou municipal . Inadmissível é que todos os anos, ao começarem os períodos de chuvas intensas, a população que mora nas áreas e p ontos de risco e que não têm para onde ir, pois não existe um programa realmente eficiente que resolva o problema habitacional da população de baixa renda, fique sujeita às ocorrências fatais e à perda do pouco que conseguiram construir e adquirir por insensibilidadee falta de vontade política dos governantes. No dia 30 de junho de 2010, A Tarde on Line [1]informava: ³Codesal registra cerca de 540 áreas de risco em Salvador´.
A Defesa Civil de Salvador (Codesal) informou nesta quarta-feira, 30, que existem cerca de 540 áreas de risco e 2.100 pontos de risco na capital baiana. A estimativa é que cerca de 100 mil pessoas estejam habitando as áreas de risco na cidade. Alguns cuidados devem ser tomados pela população a fim de identificar os perigos oferecidos especialmente nos períodos de chuva. Sinais evidentes como rachaduras nos imóveis e nos terrenos podem significar um possível desabamento ou deslizamento de terra, principalm ente para quem mora em encostas ou perto de rios e córregos.

-. existem situações em que esse método não se aplica. É a pior situação de disponibilidade de caixa entre as 17 capitais com dados finais de 2010 disponíveis no Tesouro Nacional. por conseguinte. sobremaneira. Manaus. inclusive. Maceió. São Paulo e Teresina. porque não usá-loaonde seja viável? Se existem dúvidas quanto à sua eficiência . alguns deles foram empregados e não aprovaram. No Brasil já se estão empregando os bambus com essa finalidade de proteger e conter taludes e encostas há algum tempo. também. Devido à forma das suas folhas. ao grande dossel criado pelas touceiras.trabalhos importantes foram realizados. etc. o solo. etc. o bambu é um agente natural inigualável de controle da erosão. evitando o desmoronamento das margens dos cursos d´água. Nepal. dizem. Índia. calcula -se que esse sistema. Cuiabá. porque não se buscar soluções alternativas . na área de contenção de taludes .[2] Esta é a situação e as chuvas virão de novo. Macapá. de encostas e de taludes. Palmas. que se espalham bastante por toda a área e reforça.a própria comunidade poderia ser envolvida no processo. a Rede Dia [2] publicou o artigo que se segue. uma vez que não existe m recursos para a aplicação de outras soluções. intercepte até 25% (vinte e cinco por cento) do volume de precipitação pluviométrica. haja vista que as suas raízes por diversos motivos.Salvador é um município que não possui os recursos necessários para enfrentar todos os seus problemas. Indonésia. destacando-se as proteções de barragens situadas em São Desidério e Correntina há cerca de dez anos. consideradas não convencionais e que sejam mais baratas? Nos países do oriente ± China. a solução existe e já foi amplamente te stada. Cuba.2011 . Salvador completa 462 anos nesta terça-feira (29) em meio a uma crise financeira que afeta a prestação de serviços públicos e a popularidade do prefeito João Henrique (PP).estão ³funcionando´ perfeitamente e foi baratíssimo em relação aos processos tradicionais que. nos leva a repetir os erros do passado. comumente plantadas ne ssas ocupações irregulares. pensar o que foi pensado´ (Palácios. Só não é empregada porque não há interesse.04. Na Bahia. Japão. Virgilio de Senna Arquiteto Em 04. à flexibilidade dos colmos e à deposição das folhas que caem sobre o solo. não se precisa inventar nada. Brasília. Porém. Não estamos advogando a substituição de todos os processos tradicionais de contenção pela contenção com bambu. Ou seja. Além desse reforço. Mas. ao contrário das bananeiras. Tendo em vista que a falta de recursos é um fato consumado. próximo passado. 2010) [3] Portanto. Além do mais. gerando então trabalho e renda. de proteção das áreas desflorestadas ± evitando-se o surgimento das voçoro cas ± e. evitando a formação dos ³rios de lama´. o bambu proporciona uma proteção adicional à área por ele recoberta. a dizer o que já foi dito. comprovando o que estamos dizendo: Cidade completa 462 anos em crise financeira Terceira maior cidade do Brasil. que levam ao enfraquecimento dos taludes e contribuem decisivamente para os escorregamentos dos mesmos. As que ainda não tem os dados finais de 2010 são: Boa Vista. uma vez que. evitando o seu impacto direto com o solo e não pe rmitindo os processos de erosão maciça. não exercem o papel de elementos estrutura dores do solo e sim de desagregadores. Costa Rica. e em outros das Américas ± Colômbia. vale a pena lembrar. O trabalho efetuado pelos rizomas (raízes). O município es tá quebrado. sem dinheiro para pagar obrigações financeiras de curto prazo. criados pelas águas das chuvas e material carr eado. que produzem um efeito altamente negativo. o seu sistema especial de raízes cria uma verdadeira malha flexível. constituindo -se num mecanismo eficaz de fixação do solo. João Pessoa. A capital baiana fechou 2010 com um rombo de R$ 276 milhões em caixa. Equador. o mesmo é tão barato que não custa tentar. o equivalente a cerca de 10% da arrecadação do município. No dia 29. Vale lembrar também que ³O desconhecimento da história. (países que sofrem com terremotos) -.

com.atardeonline.com/noticia/5912/cidade+completa+462+anos+em+crise+financeira [3] Gonçalo Armijos Palácios http://www.com.asp?secao=Ideias&subsecao=Colunas&jornal=410 .jornalopcao2.diasalvador.[1] http://www.jsf?id=4716889 [2] Fonte: Último Segundo http://www.br/cidades/noticia.br/index.