POLÍCIA MILITAR DO PARANÁ COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS ESTADO MAIOR CENTRO DE ENSINO E INSTRUÇÃO

Material de Apoio sobre Combate Incêndios Florestais

CURSO DE FORMAÇÃO DE SOLDADOS BM

PIRAQUARA/PR 2005

Centro de Ensino e Instrução – INCÊNDIOS FLORESTAIS – CFSD 2005

2

INTRODUÇÃO No ano de 1963 o Estado do Paraná foi assolado por um dos maiores incêndios florestais que se tem notícias. Chamou-se naquela época tal evento de “Paraná em Flagelo”. Foram queimados aproximadamente 2.000.000 ha entre plantações, florestas e campos, tendo ainda o trágico saldo de 73 mortes, cerca de 4.000 residências queimadas, desabrigando 5.700 famílias. Por ser um assunto novo na época as ações de combate foram extremamente dificultadas, tendo em vista a escassez de pessoal especializado e meios necessários e a partir deste fato viu-se a necessidade de se organizar uma estrutura para o combate a incêndios florestais, com homens treinados, material e equipamento especializado. Foram desenvolvidos estados viabilizando a implantação de um Curso que contemplasse o assunto em questão e o Corpo de Bombeiros do Estado do Paraná formava então no ano de 1967 a primeira turma no Curso de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais. A formação e doutrina foi baseada no sistema do United States Forest Service, graças ao empenho e dedicação do então Tenente Renê Raul Wengenroth Silva, que com a ajuda do Sargento Richard Pedro Bahr e de Celso Schoeniger traduziram manuais norte americanos, adaptando-os e elaborando assim o Manual de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais, que possibilitou ao Corpo de Bombeiros do Estado do Paraná estar na vanguarda de tal atividade, formando combatentes em diversos Estados da União, bem como participando de Operações em outros Estados, como na Força Tarefa que integrou as equipes na ajuda ao combate a incêndios no Estado de Roraima em 1998. A vegetação em nosso país tem sido ao longo dos últimos anos alvo de danos significativos quer em termos de áreas ardidas quer em destruição de espécies singulares, e embora difícil de quantificar, as emissões de gases e partículas libertadas durante um incêndio florestal podem ser responsáveis por alguns impactos ambientais. Uma área danificada por um incêndio florestal, quando sujeita a chuvas intensas, pode tornar-se mais suscetível, ou originar mais facilmente, outro tipo de riscos tais como deslizamentos e cheias. Com a destruição da camada superficial vegetativa os solos ficam mais vulneráveis a fenômenos de erosão e transporte provocados pelas águas pluviais, reduzindo também a sua capacidade de infiltração. Além da destruição da floresta (habitat e ecossistema) os incêndios podem ser responsáveis por: morte e ferimentos nas populações e animais (queimaduras, inalação de partículas e gases); destruição de bens (casas, armazéns, postes de eletricidade e comunicações, destruição de culturas agropastoris, etc.); corte de vias de comunicação; alterações, por vezes de forma irreversível, do equilíbrio do meio natural; proliferação e disseminação de pragas e doenças, quando o material ardido não é tratado convenientemente e/ou quando o equilíbrio do ecossistema é afetado; Atualmente o Corpo de Bombeiros do Paraná já formou na atividade de prevenção e combate a incêndios florestais aproximadamente 600 homens oriundos de vários Estados do Brasil.

Centro de Ensino e Instrução – INCÊNDIOS FLORESTAIS – CFSD 2005

3

ÍNDICE
INTRODUÇÃO.................................................................................................................................................................. 2 1. DEFINIÇÕES................................................................................................................................................................. 5 2. TEORIA BÁSICA DO FOGO ....................................................................................................................................... 6 2.1 FOTOSSÍNTESE.......................................................................................................................................................... 6 2.2 COMBUSTÃO ............................................................................................................................................................. 6 2.3 COMBUSTÍVEL.......................................................................................................................................................... 7 2.4 COMBURENTE........................................................................................................................................................... 7 2.5 ENERGIA DE ATIVAÇÃO (Calor) ............................................................................................................................ 7 2.6 FORMAS DE COMBUSTÃO...................................................................................................................................... 7 2.6.1 Combustões Lentas.................................................................................................................................................... 7 2.6.2 Combustões Vivas ..................................................................................................................................................... 7 2.7 CHAMA ....................................................................................................................................................................... 7 2.8 INCANDESCÊNCIA ................................................................................................................................................... 7 2.9 IGNIÇÃO ..................................................................................................................................................................... 7 2.10 DEFLAGRAÇÃO....................................................................................................................................................... 7 2.11 EXPLOSÃO ............................................................................................................................................................... 7 2.12 COMBUSTÕES ESPONTÂNEAS ............................................................................................................................ 8 2.13 PRODUTOS RESULTANTES DA COMBUSTÃO.................................................................................................. 8 2.13.1 Fumaça..................................................................................................................................................................... 8 2.13.2 Chama...................................................................................................................................................................... 8 2.13.3 Calor ........................................................................................................................................................................ 8 2.13.4 Gases........................................................................................................................................................................ 8 2.14 FORMAS DE TRANSMISSÃO DE CALOR:........................................................................................................... 9 2.14.1 Condução ................................................................................................................................................................. 9 2.14.2 Convecção ............................................................................................................................................................... 9 2.14.3 Radiação .................................................................................................................................................................. 9 2.14.4 Deslocamento de Corpos Inflamados .................................................................................................................... 10 2.14.5 Corrente e/ou Descargas Elétricas: ........................................................................................................................ 10 3. FORMAS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS ................................................................................................................ 11 3.1 PRINCIPAIS TIPOS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS ............................................................................................. 11 3.1.1 Incêndios Superficiais.............................................................................................................................................. 12 3.2.2 Incêndios de Copa.................................................................................................................................................... 12 3.2.3 Incêndios Subterrâneos ............................................................................................................................................ 12 4. FATORES DE PROPAGAÇÃO DOS INCÊNDIOS FLORESTAIS .......................................................................... 13 4.1 TOPOGRAFIA........................................................................................................................................................... 13 4.2 COMBUSTÍVEL FLORESTAL ................................................................................................................................ 13 4.2.1 Tipos de Combustíveis Florestais ............................................................................................................................ 14 4.3 CONDIÇÕES CLIMÁTICAS (Meteorológicas)........................................................................................................ 15 4.3.1 Umidade................................................................................................................................................................... 15 4.3.2 Temperatura do Ar................................................................................................................................................... 15 4.3.3 Vento ....................................................................................................................................................................... 15 5. TÉCNICAS DE PREVENÇÃO.................................................................................................................................... 16 5.1 CAUSAS DOS INCÊNDIOS FLORESTAIS............................................................................................................. 16 5.1.1 Caracterização da Área ............................................................................................................................................ 16 5.1.2 Construção de Aceiros ............................................................................................................................................. 16 5.1.3 Evitando os Incêndios Florestais ............................................................................................................................. 17 6. GUARNIÇÕES DE COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS ............................................................................... 18 6.1 PRONTIDÃO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS........................................................................................................ 18 6.2 SOCORRO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS ............................................................................................................ 18 6.3 GUARNIÇÕES DE INCÊNDIOS FLORESTAIS .................................................................................................... 18 6.3.1 Prontidão Reduzida.................................................................................................................................................. 18 6.3.2 Prontidão Padrão...................................................................................................................................................... 19 6.3.3 Prontidão Ampliada ................................................................................................................................................. 19 7. MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS................................................ 20 7.1 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) ......................................................................................... 20 7.2 FERRAMENTAS E APARELHOS ........................................................................................................................... 20 7.3 VEÍCULOS DE COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS ................................................................................... 22 7.3.1 Veículos Pesados ..................................................................................................................................................... 22 7.3.2 Emprego de Aeronaves............................................................................................................................................ 23 7.3.4 Segurança nas Operações com Helicópteros ........................................................................................................... 25

4 Centro de Ensino e Instrução – INCÊNDIOS FLORESTAIS – CFSD 2005 8. TÉCNICAS E TÁTICAS DE COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS ................................................................ 29 8.1 PLANEJAMENTO..................................................................................................................................................... 29 8.2 DETECÇÃO............................................................................................................................................................... 29 8.3 COMUNICAÇÃO ...................................................................................................................................................... 29 8.4 MOBILIZAÇÃO ........................................................................................................................................................ 29 8.5 CHEGADA AO LOCAL............................................................................................................................................ 29 8.6 ESTUDO DA SITUAÇÃO......................................................................................................................................... 29 8.7 COMBATE................................................................................................................................................................. 30 8.7.1 Ataque direto ........................................................................................................................................................... 30 8.7.2 Ataque indireto ........................................................................................................................................................ 30 8.7.3 Aceiro ...................................................................................................................................................................... 30 8.7.4 Aceiro progressivo................................................................................................................................................... 30 8.7.5 Aceiro por setor ....................................................................................................................................................... 30 8.7.6 Fogo contra fogo ou fogo de encontro..................................................................................................................... 31 8.7.7 Fogo de eliminação.................................................................................................................................................. 31 8.7.8 Pré-fogo ................................................................................................................................................................... 31 8.7.9 Pontos quentes ......................................................................................................................................................... 31 8.7.10 Linha fria ............................................................................................................................................................... 31 8.7.11 Cortinas de segurança ............................................................................................................................................ 31 8.7.12 Divisoras e contornos............................................................................................................................................. 32 8.7.13 Eliminação do material combustível...................................................................................................................... 32 8.7.14 Limpeza de aceiros e margens de estradas............................................................................................................. 32 8.7.15 Construções de barragens ...................................................................................................................................... 32 8.7.16 Talhão .................................................................................................................................................................... 32 8.7.17 Bordadura .............................................................................................................................................................. 32 8.7.18 GCIF ...................................................................................................................................................................... 32 8.8 RESCALDO ............................................................................................................................................................... 32 9. PONTOS IMPORTANTES A CONSIDERAR NO COMBATE AOS INCÊNDIOS FLORESTAIS......................... 33 9.1 PREPARAÇÃO E AÇÃO INICIAL .......................................................................................................................... 33 9.2 ORGANIZAÇÃO E PLANO DE ATAQUE.............................................................................................................. 33 9.3 HORA DE COMBATE .............................................................................................................................................. 33 9.4 PONTO E MÉTODO DE ATAQUE.......................................................................................................................... 33 9.5 ECONOMIA NO COMBATE.................................................................................................................................... 33 10. ERROS COMUNS NO COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS ....................................................................... 34 11. PONTOS QUE NÃO SE DEVEM ESQUECER........................................................................................................ 34 12. DEZ PRECEITOS DE SEGURANÇA....................................................................................................................... 34 13. CUIDADOS A SEREM OBSERVADOS: ................................................................................................................. 35

Centro de Ensino e Instrução – INCÊNDIOS FLORESTAIS – CFSD 2005

5

1. DEFINIÇÕES Biomassa: fração biodegradável dos produtos, desperdícios ou resíduos de atividades agrícolas (incluindo substâncias vegetais e animais), florestais e de indústrias relaciondas. Combustível florestal: material vegetal suscetível a arder em chamas. Compasso ou espaçamento: distância entre árvores de um povoamento, normalmente medida entre os troncos. Compasso de Plantação: definição prévia da distância entre linhas de plantação e da distância entre as árvores na linha de plantação. Determina a densidade dos povoamentos. Composição de um povoamento: em sentido restrito, refere-se à variedade de e natureza específica ou cultural dos indivíduos de um povoamento. Distinguir-se-á assim entre um povoamento puro, constituído por uma só espécie florestal dominante e povoamento misto, no qual coexistem indivíduos pertencentes a mais do que uma espécie florestal. Considerar-se-á povoamento puro aquele em que a percentagem de outras espécies não ultrapasse 10%. Continuidade de combustível: grau ou extensão da distribuição contínua das partículas de combustível florestal que afeta a capacidade de um incêndio florestal manter a combustão e se alastrar. Estrutura de um povoamento: é a forma de arranjo interno dos povoamentos, isto é, características de ocupação acima do solo pelas árvores e que está diretamente relacionada com a idade das árvores. Destacam-se dois tipos de povoamentos fundamentais quanto à estrutura: Povoamentos regulares quando todas as árvores pertencem à mesma classe de idade, e logo, as suas dimensões são aproximadas; Povoamentos irregulares quando coexistem, num determinado momento, árvores com classes de idades afastadas e, conseqüentemente, árvores com diferentes dimensões. Exploração florestal: conjunto de operações através das quais o material lenhoso é retirado do local onde foi produzido. A exploração florestal inclui as operações de abate, processamento e extração. Floresta: ecossistema no qual as árvores ocupam um lugar predominante. Especificamente é uma área com mais de 0,5 há e cobertura arbórea (copas) superior a 10%. As árvores no estado adulto podem atingir uma altura mínima de 5m. Inclui povoamentos jovens naturais e todas as plantações estabelecidas com objetivos florestais que não tenham atingido a densidade de copas de 10% ou altura de árvores de 5m. Inclui também zonas integradas na área florestal que estejam temporariamente desarborizadas como resultado da intervenção humana ou causas naturais, mas para as quais é expectável a reconstituição da cobertura (exemplo: áreas recentementes submetidas a corte final ou percorridas por incêndios). Inclui ainda clareiras e infra-estrutura florestais. Exclui-se terras de uso predominantemente agrícola.

Centro de Ensino e Instrução – INCÊNDIOS FLORESTAIS – CFSD 2005

6

Povoamento: Conjunto bem delineado de plantas arbóreas plantadas numa determinada área. 2. TEORIA BÁSICA DO FOGO O fogo é considerado um fenômeno que ocorre quando se aplica calor a uma substância combustível em presença do ar, elevando sua temperatura até que ocorra a libertação de gases, cuja combinação com o oxigênio do ar proporciona a energia necessária para que o processo continue. Para que se produza um incêndio florestal, são necessários três elementos: calor, ar (oxigênio) e combustível, que constituem o triângulo do fogo.

O fogo é uma rápida reação química de oxidação. A decomposição natural da madeira também é uma reação de oxidação, só que ocorre lentamente à temperatura ambiente com baixa libertação de calor. A combustão não é mais do que uma reação inversa da fotossíntese: 2.1 FOTOSSÍNTESE CO2 + H2O + Energia Solar ⇒ Celulose + O2. 2.2 COMBUSTÃO A combustão é uma reação de oxidação entre um corpo combustível e um corpo comburente. A reação é provocada por uma determinada energia de ativação. Esta reação é sempre do tipo exotérmico, ou seja, libera calor. Celulose + O2 + Temperatura de ignição⇒ CO2 + H2O + Energia. Em qualquer incêndio florestal é necessário haver combustível para queimar, oxigênio para manter as chamas e calor para iniciar e manter o processo da queima. Quando uma substância combustível é submetida à ação do calor, as suas moléculas movem-se mais rapidamente. Com o aumento do calor, poderá haver libertação de gases, que ao se inflamarem, formarão chamas, dando início à combustão. Uma vez iniciada a combustão os gases nela envolvidos reagem em cadeia, alimentando a combustão, dada a transmissão de calor de umas partículas para outras no combustível; mas, se a cadeia for interrompida, não poderá continuar o fogo.

Centro de Ensino e Instrução – INCÊNDIOS FLORESTAIS – CFSD 2005

7

2.3 COMBUSTÍVEL É qualquer substância que em presença do oxigênio e de uma determinada energia de ativação é capaz de queimar. 2.4 COMBURENTE É o gás em cuja presença o combustível pode arder. De uma forma geral considera-se o oxigênio como comburente típico, este encontra-se no ar numa proporção de 21 %. 2.5 ENERGIA DE ATIVAÇÃO (Calor) Fonte de energia que ao manifestar-se sobre a forma de calor, pode provocar a inflamação dos combustíveis. As principais fases que ocorrem num incêndio florestal são: Pré-aquecimento do material combustível (110° C); A combustão dos gases (200º C); A queima do material combustível (300 a 400°C). Estas fases ocorrem simultaneamente durante a ocorrência de um incêndio. 2.6 FORMAS DE COMBUSTÃO 2.6.1 Combustões Lentas São as que se produzem sem emissão de luz e pouca emissão de calor: A formação de ferrugem (Oxidação); A fermentação de substancias (Material orgânico em decomposição). 2.6.2 Combustões Vivas São as que se produzem com forte emissão de luz, com chamas e incandescência, ou seja, o fogo no seu aspecto normal. 2.7 CHAMA É a combustão dos gases libertados em mistura com o comburente. 2.8 INCANDESCÊNCIA É a combustão viva dos corpos sólidos. 2.9 IGNIÇÃO É o início de uma combustão viva. 2.10 DEFLAGRAÇÃO É uma combustão muito viva, cuja velocidade de propagação é menor que a velocidade do som ( 340 m/s ): Ex.: Combustão de vapores líquidos inflamáveis misturados no ar. 2.11 EXPLOSÃO É uma combustão em que a velocidade de propagação é superior a velocidade do som, e na qual uma mistura de gases com o ar está nas condições ideais.

Centro de Ensino e Instrução – INCÊNDIOS FLORESTAIS – CFSD 2005

8

2.12 COMBUSTÕES ESPONTÂNEAS Caracterizam-se pela reação química entre produtos orgânicos. 2.13 PRODUTOS RESULTANTES DA COMBUSTÃO 2.13.1 Fumaça Aparece devido à combustão incompleta, na qual pequenas partículas se tornam visíveis, variando de cor, tamanho e quantidade, podendo impedir a passagem da luz. A fumaça pode ser inflamada quando possui uma adequada proporção de calor e oxigênio. É irritante e pode provocar danos no aparelho respiratório e irritação nos olhos. A cor da fumaça varia conforme o combustível que está em combustão. Assim, a fumaça de cor branca ou cinzenta pálida indica que arde livremente, a fumaça negra ou cinzenta escura indica normalmente um fogo com grande temperatura e falta de oxigênio. A fumaça amarela, roxa ou violeta indica geralmente a presença de gases tóxicos. 2.13.2 Chama É a combustão dos gases libertados em mistura com o comburente. 2.13.3 Calor Para aqueles que combatem o fogo, o mais importante é o calor. Encontramos muitas manifestações deste fenômeno, sendo ele o motivador de vários de incêndios. Pode-se dizer que o calor ocorre pelo movimento rápido das partículas conhecidas por moléculas que formam a matéria. 2.13.4 Gases Os gases são produtos resultantes da combustão, podendo ser tóxicos ou não. Os gases emanados da combustão são: Monóxido de Carbono; Dióxido de Carbono; Sulfureto de Hidrogênio; Dióxido de Nitrogênio e outros. Monóxido de Carbono É o principal causador de vítimas fatais nos incêndios. Possuí características tóxicas, é explosivo quando misturado com o ar, sendo a sua densidade 0,9 em relação ao ar. O monóxido de carbono tem afinidade com a hemoglobina do sangue, formando um composto relativamente estável e incapaz de transportar oxigênio para as células. Forma-se em maior percentagem quando a combustão é incompleta (carência de oxigênio). Exemplos: Resíduos do escape dos veículos.

Centro de Ensino e Instrução – INCÊNDIOS FLORESTAIS – CFSD 2005

9

2.14 FORMAS DE TRANSMISSÃO DE CALOR: Este fenômeno demonstra a capacidade de uma substância para receber calor de outra. Assim o FOGO pode se transmitir por cinco métodos diferentes: 2.14.1 Condução É o mecanismo de troca de calor que produz de um ponto a outro por contato direto, através de um corpo bom condutor de calor. Ex.: Se aquecermos a extremidade de um galho de madeira que esteja em contato com outro, passado um determinado período o outro galho estará aquecido, ou seja o calor foi transmitido de molécula para molécula.

2.14.2 Convecção É a transmissão de calor pelo ar em movimento. Estas correntes de circulação do ar produzem-se devido à diferença de temperatura que existe nos diversos níveis de um incêndio, significa que o ar quente possui menor densidade e por isso estará nos níveis mais altos e o ar frio sendo mais denso, encontrar-se-á a níveis mais baixos. A expansão de um fogo por convecção, provavelmente, tem mais influência do que os outros métodos quando tivermos de definir a posição de ataque a um incêndio. O calor produzido num edifício de grande altura em que arde em um pavimento intermediário, se expandirá e se elevará aos níveis superiores. Deste modo, o calor transmitido pela convecção tenderá, na maioria dos casos, na direção vertical, embora o ar possa levar em qualquer direção.

2.14.3 Radiação É o processo de transmissão de calor de um corpo a outro através do espaço, realizando-se a transmissão por via dos raios de calor.

Centro de Ensino e Instrução – INCÊNDIOS FLORESTAIS – CFSD 2005

10

O calor irradiado não é absorvido pelo ar, portanto, viajará no espaço até encontrar um corpo que por sua vez poderá emitir raios de calor. O calor irradiado é uma das maiores fontes pela qual o fogo se estende e deverá ser prestada atenção na hora do ataque ao fogo nos elementos que podem transmitir calor por este método. Ex.: O calor do Sol.-se

2.14.4 Deslocamento de Corpos Inflamados Forma de transmissão que se dá pela queda ou lançamento da matéria que está queimando, provocando novos focos de incêndio. Ex.: fagulhas levadas pelo vento, queda de árvores, animais que fogem com o pêlo em chamas.

2.14.5 Corrente e/ou Descargas Elétricas: É o caso dos incêndios provocados por curto circuito nas instalações elétricas. Uma instalação elétrica pode sobreaquecer com carga excessiva, levando ao derretimento do isolamento e provocar curto circuito, com inicio de um foco de incêndio.

Centro de Ensino e Instrução – INCÊNDIOS FLORESTAIS – CFSD 2005

11

Em Incêndios Florestais, podem acontecer descargas elétricas das linhas de alta tensão, raios e trovoadas.

3. FORMAS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS Um incêndio começa sempre através de um pequeno foco, que inicialmente tende a propagar-se para todos os lados. Vários fatores, como a existência de vento, declive do terreno e tipo de combustível definem a forma final dos incêndios, que pode ser circular, irregular ou elíptica. O incêndio é formado pela cabeça ou frente, que é parte que avança mais rapidamente, queimando com mais intensidade, a cauda, base ou retaguarda, situada em direção oposta à cabeça, os flancos (parte lateral) e ainda, pelos fogos secundários (ponto do foco - originado pela projeção de partículas incandescentes provindas do fogo principal). De uma maneira geral, o fogo alcança a intensidade máxima entre 14h e 16h, que correspondem à temperatura e umidade relativa máximas do dia.

3.1 PRINCIPAIS TIPOS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS Os incêndios são classificados em função do estrato de combustível afetado, podendo ser superficiais, de copa ou subterrâneos.

Centro de Ensino e Instrução – INCÊNDIOS FLORESTAIS – CFSD 2005

12

3.1.1 Incêndios Superficiais Os incêndios superficiais propagam-se na superfície do solo, queimando restos vegetais não decompostos até cerca de 2,0m de altura. Possuem propagação rápida, abundância de chamas e libertação intensa de calor.

3.2.2 Incêndios de Copa Os incêndios de copas caracterizam-se pela propagação do fogo através das copas das árvores. Geralmente ocorrem a partir de incêndios superficiais. Propagam-se rapidamente e têm grande poder de destruição.

3.2.3 Incêndios Subterrâneos Os incêndios subterrâneos propagam-se lentamente através das camadas de húmus ou turfa existentes sobre o solo mineral. Apresentam pouca fumaça, sendo de difícil detecção e combate.

Centro de Ensino e Instrução – INCÊNDIOS FLORESTAIS – CFSD 2005

13

4. FATORES DE PROPAGAÇÃO DOS INCÊNDIOS FLORESTAIS Os fatores que mais influenciam a propagação dos incêndios florestais são os seguintes: 4.1 TOPOGRAFIA Em um terreno inclinado (declive), o fogo avança mais rapidamente ladeira acima, porque o ar quente tende a subir, secando antes os combustíveis situados acima (efeito da convecção do calor). Esta situação também condiciona o ataque pelas equipes de extinção. 4.2 COMBUSTÍVEL FLORESTAL Os combustíveis florestais são todos os materiais orgânicos mortos ou vivos, no solo, acima do solo ou no ar, que podem inflamar e queimar.1 A quantidade e características são muito importantes no tipo de comportamento do incêndio. O combustível florestal é muito homogêneo do ponto de vista químico pois é constituído essencialmente por celulose. Algumas variáveis químicas importantes são as quantidades relativas dos seus extratos (essências sobretudo de éter) e resíduos de sílica (livre). As essências são libertadas na forma de gás muito cedo no processo da pirólise e são queimadas na zona em que se vê a chama. A sílica é um constituinte mineral inerte que não exerce influência no fenômeno da pirólise. No entanto, outros minerais tal como o sódio, o potássio ou o fósforo, intervêm ativamente nos fenômenos de pirólise e combustão. Alguns combustíveis contém certos materiais voláteis, tais como óleo, cera e resina, que fazem com que a espécie esteja mais disponível para arder, tal como várias espécies de pinheiro, de eucalipto e alguns arbustos. No entanto, as diferenças estruturais de idade e de composição específica da mata ou da floresta determinam diferenças físicas. A distribuição espacial da vegetação (combustíveis) viva e morta altera a combustibilidade do ponto de vista da evolução energética e da propagação do incêndio. Os combustíveis são normalmente divididos segundo sua distribuição vertical na floresta em estrato arbóreo, arbustivo e herbáceo. Existe ainda a folhada e a mantamorta. Distinguem-se aqui, pela sua influência nos incêndios florestais: Combustíveis que existem sobre o solo e no subsolo; Combustíveis que existem à superfície (superficiais); Combustíveis que existem no ar(aéreos). Os combustíveis de solo constituem a folhagem, vegetação mora em decomposição, pedaços de madeira enterrados e raízes das árvores. Facilitam a passagem de incêndios que iniciam na superfície para incêndios subterrâneos, que queimam sobretudo raízes (turfa). Os combustíveis de superfície (estrato herbáceo e arbustivo) compreendem folhas, pequenos arbustos, cascas, e pequenas árvores com uma altura menor que 1,20m a 1,80m acima do solo florestal2. São os responsáveis pelos incêndios de superfície. Os combustíveis de superfície são muito heterogêneos pelas dimensões, distribuição e teor de umidade. No entanto estão presentes porções notáveis de folhas, ervas e pequenos arbustos que apresentam um elevado grau de inflamabilidade,
Fuller, M., 1991. Forest Fires, An Introduction to Wildland Fire Behavior, Maagement, Firefighting, and Prevention, John Wiley & Sons, USA. 2 Ibidem.
1

Centro de Ensino e Instrução – INCÊNDIOS FLORESTAIS – CFSD 2005

14

sobretudo nas estações mais frias e áridas (como no período de inverno no Estado do Paraná). Os combustíveis aéreos (estrato arbóreo) são todos os elementos existentes na cobertura florestal (árvores e arbustos) com mais de 1,20m a 1,80m de altura acima do solo3. Fazem parte ainda os troncos, ramos, frutos e folhas das árvores vivas, troncos de plantas mortas em pé e as epífitas, como os fungos, liquens e outras plantas. Os combustíveis finos nesta camada (como as acículas dos pinus), os liquens e os musgos e também as cascas das árvores transportam incêndios. Além disso, muitos dos materiais são ricos em substâncias inflamáveis (resinas e óleos), que desenvolvem notavelmente o incêndio, quer pela grande massa de combustíveis presentes quer pela quantidade de ar que circula neste estrato florestal. São responsáveis pela progressão dos incêndios de superfície para as copas. Normalmente são os combustíveis finos que transportam o incêndio. Estes ardem mais facilmente que os combustíveis grossos. Nos combustíveis grossos (ex: troncos de árvores) um grande percentual de energia desprende-se mais lentamente na combustão que nos combustíveis finos. Nos meses quentes e secos os combustíveis mortos queimam mais facilmente que os combustíveis vivos, porque normalmente contêm menos teor de umidade. Os combustíveis vivos podem queimar vigorasamente se contiverem óleos e resinas suficientes para aumentar a velocidade de combustão e sua intensidade. A compactação entre as partículas de um combustível influencia a propagação do incêndio, pois determina como o ar circulará internamente. Caso o ar não puder circular facilmente em volta das partículas do combustível, este terá menos propensão a queimar. A camada material morta que se encontra junto ao solo forma estratos mais ou menos compactos e de diferentes espessuras, apresentando dificuldades de ignição. No entanto é uma reserva de combustível e, quando atingida por um incêndio queima lentamente, tendo como conseqüência grande produção de calor, sendo uma boa fonte de combustível para a propagação do incêndio. São locais que merecem a atenção especial na fase de rescaldo, uma vez que podem dar origem a novos focos de incêndio. Assim como os combustíveis mudam ao longo do tempo, sua inflamabilidade também muda, variando com a sua etapa de crescimento. Estes são alguns dos aspectos a observar numa mata para compreender um possível comportamento do incêndio. Para o estudo dos incêndios florestais é feita a distinção entre combustível total e combustível disponível. O combustível total é a quantidade de combustível vivo e morto que irá queimar nas condições extremas de seca. O combustível disponível é a quantidade que queimará em um tempo particular. Este depende do teor de umidade dos materiais florestais, da intensidade do incêndio, da velocidade relativa do incêndio e da progressão do incêndio. Quantifica-se em quilogramas por metro quadrado (kg/m2) ou em toneladas por hectare (ton/ha). Conhecer a quantidade e características do material combustível existente é importante para a elaboração de planos de prevenção. Também o tipo e características de distribuição (superficiais ou aéreas, contínuos ou descontínuos) e o seu estado de umidade definem o nível de risco para ocorrência dos incêndios. 4.2.1 Tipos de Combustíveis Florestais Os combustíveis florestais classificam-se em: Combustíveis ligeiros: ervas, folhas, acículas, ramos Combustíveis pesados: troncos, galhos, raízes Combustíveis verdes: plantas vivas com folhagem
3

Ibidem

Centro de Ensino e Instrução – INCÊNDIOS FLORESTAIS – CFSD 2005

15

Esta classificação é importante em relação à velocidade do processo de combustão, que diminui do primeiro para o último. Os combustíveis podem-se apresentar com várias disposições: continuidade horizontal, separação horizontal, continuidade vertical, separação vertical. Estas disposições são importantes em relação à propagação do calor. 4.3 CONDIÇÕES CLIMÁTICAS (Meteorológicas) 4.3.1 Umidade A umidade dos combustíveis mortos (ramos secos, árvores e arbustos mortos) está diretamente relacionada com a umidade do ar. Quanto maior a umidade do material vegetal, menor a facilidade que este tem de entrar em combustão; Se o ar é seco, a combustão é mais rápida, porque absorve o vapor de água libertado pelo combustível. 4.3.2 Temperatura do Ar A temperatura do ar está também relacionada com a sua umidade relativa. Temperaturas elevadas tornam os combustíveis mais secos e susceptíveis de entrarem em combustão. 4.3.3 Vento O vento é o responsável pela oxigenação da combustão e, consequentemente, intensifica a queima. É também o responsável pelo arrastamento de fagulhas que poderão provocar focos de incêndio a distâncias consideráveis e pela inclinação das chamas sobre outros combustíveis. Ou seja, o vento aumenta a velocidade de propagação porque fornece oxigênio para a combustão, transporta o ar aquecido, resseca os combustíveis e dispersa partículas em ignição.

Centro de Ensino e Instrução – INCÊNDIOS FLORESTAIS – CFSD 2005

16

5. TÉCNICAS DE PREVENÇÃO 5.1 CAUSAS DOS INCÊNDIOS FLORESTAIS O conhecimento das causas dos incêndios é fundamental para implementação de programas eficazes de prevenção e combate dos incêndios florestais. A defesa contra qualquer tipo de incêndio florestal começa com um conjunto de ações que pretendem evitar que se produza o sinistro e que constituem o que se denomina "Prevenção". A prevenção de incêndios florestais visa impedir que se originem os fogos devidos a causas evitáveis envolvendo dois níveis de atividades: A primeira delas, relacionada com o comportamento do homem, procurando através da comunicação, da educação ambiental e da utilização de ações fiscalizadoras, impedir que o incêndio ocorra. A segunda, utilizando técnicas de redução de material combustível, a fim de dificultar ou impedir a propagação dos incêndios. 5.1.1 Caracterização da Área O primeiro passo em qualquer atividade de prevenção é proceder ao adequado conhecimento da área que se deseja proteger. Para tanto, a utilização de informações existentes como plantas topográficas, mapas, dados climatológicos, ocorrências de incêndios florestais em anos anteriores, uso do solo em propriedades confrontantes, existência de caminhos/acessos e aceiros é fundamental para dar início à implantação do plano de prevenção. Convirá efetuar-se a caracterização da área no ano anterior ao período crítico de incêndios florestais. Este levantamento prévio permitirá definir quais, como e quando as ações deverão ser implementadas, permitindo ainda a elaboração do orçamento necessário para tais ações. O primeiro passo a ser seguido é a obtenção de uma planta da área a ser protegida. Esta planta que deverá ser permanentemente atualizada, marcando-se os aspectos considerados de interesse, a saber. caminhos e vias de acesso; instalações industriais e residências; tipo de cobertura vegetal; topografia; cursos de água, reservatórios; aceiros; uso do solo dos confrontantes; locais de incêndios anteriores; As informações cartográficas deverão ser complementadas com dados florestais e climáticos da região, períodos críticos de incêndios florestais, ocorrências de incêndios anteriores, existência de recursos humanos e materiais disponíveis para ações de prevenção e combate, informações de hábitos da população confrontante. 5.1.2 Construção de Aceiros Aceiros são barreiras ou obstáculos construídos com a finalidade de deter a propagação do fogo. Trata-se de um método de eliminação de um dos componentes do triângulo do fogo, o material combustível. Podem-se construir aceiros nas seguintes condições: próximo das divisões confrontantes; próximo das estradas e acessos; próximo de áreas cultivadas;

Centro de Ensino e Instrução – INCÊNDIOS FLORESTAIS – CFSD 2005

17

próximo de áreas industriais; em áreas florestadas, para facilitar o acesso em caso de incêndio e permitir ações de combate; nos vários locais adequados durante a ocorrência de incêndios. 5.1.3 Evitando os Incêndios Florestais Como já citado uma das medidas para a prevenção dos incêndios florestais é voltada para atuar diretamente no comportamento do homem, onde a educação preventiva é fator fundamental para se desenvolver tal atividade. São necessários esforços no sentido de divulgar junto aos veículos da mídia o maior número possível de informações a respeito dos incêndios florestais, entretanto em qualquer medida preventiva alguns pontos devem ser observados, como no exemplo abaixo: PREVINA INCÊNDIOS FLORESTAIS A sua contribuição é fundamental para proteger a floresta do fogo, e baseia-se na adoção de algumas Ações Preventivas, medidas de simples bom senso, que devem ser observadas sempre que haja risco de incêndio e sobretudo durante a época crítica à eclosão dos incêndios que coincide com o período de inverno: Não faça queimadas em terrenos situados no interior das matas, vegetações e pastagens, nem numa distância até 300 metros dos seus limites. Não lance foguetes ou fogo de artificio dentro das matas nem numa distância até 500 metros dos seus limites. Não queime lixos no interior das florestas nem numa distância até 100 metros dos seus limites. Não faça fogueiras de qualquer espécie no interior das matas e nas estradas que as cortam. Retire a vegetação, num mínimo de 50 metros à volta das habitações, armazéns, oficinas e outras instalações. Evite soltar balões. Não jogue pontas de cigarro na vegetação, pois elas podem ocasionar um incêndio. SE VOCÊ FOR SURPREENDIDO PELO INÍCIO DE UM INCÊNDIO FLORESTAL: Contate de imediato qualquer uma das seguintes entidades: Corpo de Bombeiros (193 no interior e 190 na capital), Polícia Florestal (190) ou os Escritórios dos Institutos Ambientais de sua região. Se presenciar a deflagração de um incêndio florestal e se vir que não corre perigo, tente apagá-lo utilizando ramos, abafadores, pulverizadores, pás ou enxadas. Observe a presença de pessoas e veículos com comportamento estranho na área, anote descrições e marcas, cores e placas de veículos. Relate tudo o que achar suspeito às autoridades competentes. Não vá assistir os incêndios, deixe livres os acessos para que combatem as chamas. A fim de evitar reignição, COLABORE, quando solicitado pelas autoridades competentes, nas operações de RESCALDO e na VIGILÂNCIA PÓS-RESCALDO.

Centro de Ensino e Instrução – INCÊNDIOS FLORESTAIS – CFSD 2005

18

6. GUARNIÇÕES DE COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS A manutenção de uma equipe adequadamente treinada e equipada tem a vantagem de antecipar de forma eficiente a realização do primeiro combate, muitas vezes suficiente para deter um incêndio florestal em sua fase inicial. O primeiro aspecto a ser levado em conta para selecionar pessoal apto a integrar uma guarnição de combate a incêndio florestais é a capacidade e robustez física. A capacidade para realizar um trabalho é conseqüência de um conjunto de qualidade tais como: capacidade física (especialmente aeróbica e muscular), inteligência, entusiasmo, habilidade, experiência, aclimatação e nutrição. As vantagem de um combatente com alta capacidade física são: poder realizar mais trabalho, resistir melhor ao calor, aclimatar-se mais rapidamente, sofrer menos acidentes - é bom salientar que estamos perante uma atividade de alto risco - , trabalhar com menor pulsação e temperatura corporal mais baixa, ficar baixada menos dias por enfermidades ou feridas, realizar mais trabalho. O Serviço de Combate a Incêndio Florestal para dar atendimento à missão que lhe cabe, é tecnicamente organizado em: prontidão de incêndios florestais; socorro de incêndios florestais; guarnições de incêndios florestais. 6.1 PRONTIDÃO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS É o conjunto de homens e equipamentos alojados em centros de socorros, com a finalidade de dar atendimento aos pedidos de socorro, dentro de uma determinada área de segurança. Uma prontidão de incêndios florestais é formada de um ou mais socorros. 6.2 SOCORRO DE INCÊNDIOS FLORESTAIS É o conjunto de guarnições sob o comando de um chefe de socorro, e tem por finalidade dar atendimento a todas as solicitações de incêndios florestais, comunicados pelo serviço de vigilância da área a proteger ou através de outros avisos. 6.3 GUARNIÇÕES DE INCÊNDIOS FLORESTAIS São as unidades básicas de combate a incêndios florestais. Elas são divididas em: guarnição de combate a incêndios florestais (GCIF); guarnição de queima (GQ); guarnição de tombamento (GT); guarnição de serviços internos gerais (GSIG); guarnição de serviço médico (GSM); guarnição de provisões gerais (GPG); guarnição de serviços auxiliares (GSA); guarnição de apoio aéreo (GAA). As prontidões são classificadas em reduzidas; padrão; ampliadas. 6.3.1 Prontidão Reduzida 01 chefe de socorro GSA (Guarnição de Serviços Auxiliares)

Centro de Ensino e Instrução – INCÊNDIOS FLORESTAIS – CFSD 2005

19

01 Motorista 01 Motorista de Auto Bomba Tanque GCIF (Guarnição de Combate a Incêndio Florestal) 01 Chefe 05 Auxiliares TOTAL: 09 Bombeiros Combatentes 6.3.2 Prontidão Padrão 01 Chefe de Socorro GSA (Guarnição de Serviços Auxiliares) 01 Adjunto do Socorro 02 Motorista de ABT 01 Tratorista 01 Almoxarife GQ (Guarnição de Queima) 01 Chefe 02 Auxiliares GCIF (Guarnição de Combate a Incêndio Florestal) 01 Chefe 05 Auxiliares TOTAL: 27 Bombeiros Combatentes. 6.3.3 Prontidão Ampliada A prontidão ampliada de combate a incêndio florestal é comandada por um diretor de incêndio florestal. Tal prontidão contará com setor de Apoio Aéreo ligado diretamente ao diretor do incêndio. Para apoio direto o diretor de incêndio florestal contará com uma equipe de planejamento e uma guarnição de serviços internos gerais, composta de guarnição médica e guarnição de provisões, onde estará incluída a estrutura de almoxarifado, cozinha e ferramentaria. No aspecto operacional a prontidão ampliada operará dividida em 3 (três) socorros, sendo que cada um delas será composto da seguinte forma: 03 (três) guarnições de combate a incêndio florestal; 01 (uma) guarnição de serviços auxiliares; 01 (uma) guarnição de queima. As guarnições acima serão comandadas por um chefe de socorro. É importante se esclarecer que uma prontidão ampliada será deslocada para um incêndio florestal de vulto, sendo que para sua total estruturação necessita-se de um mínimo 90 (noventa) homens. Quanto aos socorros, deve-se haver um planejamento de rodízio no combate ao incêndio, permitindo períodos de descanso para os combatentes, evitando-se o emprego de todo o efetivo em um único combate.

Centro de Ensino e Instrução – INCÊNDIOS FLORESTAIS – CFSD 2005

20

7. MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS 7.1 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) Um combatente, mesmo na plenitude do seu estado físico, pode estar correndo grande perigo se o seu equipamento pessoal de segurança não for adequado. Este deverá contar com os seguintes equipamentos: cantil: serve para evitar que o combatente se desidrate e faça deslocamentos desnecessários à procura de água. luvas de couro: protegem as mãos e parte dos braços. perneira ou coturno: protegem os pés e partes das pernas. cinto de guarnição: largura de 5cm, serve para transportar o cantil, lanterna e outros equipamentos necessários. traje adequado: ideal que seja anti-fogo, podendo ser de algodão resistente, com camisa de manga comprida e mangas largas. capacete: protege o crânio contra golpes de galhos, ferramentas, insolação. Devem ser de materiais compósitos ou de plástico resistente, com peso não superior a 400g, devidamente homologados. óculos anti-chamas: protegem os olhos contra projeção das partículas incandescentes, impactos de galhos, fumo e gases. máscara anti-fumaça: proteção em caso de emergência em evacuação de zonas perigosas devido a fumo e gases irritantes. A máscara poderá ser substituída por um lenço de algodão com as dimensões de 55 x 50 cm. apito: serve para localização em caso de emergência. binóculos: utilizado pelo chefe da brigada para permitir maior visibilidade da área. bússola: instrumento essencial em deslocações na mata. rádio-de-comunicação-portátil: para permitir contatar com outras brigadas e com a chefia do combatente ao incêndio. corda de prontidão: para facilitar o deslocamento noturno ou em áreas acidentadas. lanterna: serve para iluminação noturna, devendo serem prevista no mínimo duas por combatente além de baterias sobressalentes. 7.2 FERRAMENTAS E APARELHOS As ferramentas e aparelhos são empregadas no ataque direto e no ataque indireto aos incêndios florestais, devendo seu ser exclusivo para tal atividade. As ferramentas devem ser utilizadas de forma correta, observando-se condições de segurança, tanto no transporte, quando no trabalho de campo. Quando se anda em linha devemos manter um mínimo de 2 (dois) metros entre os componentes da guarnição, e na construção de aceiros esta distância deve ser dobrada para 4 (quatro) metros. O manuseio correto das ferramentas poupa o combatente de esforços desnecessários, como por exemplo eleválas demais não fará com que o serviço tenha melhor qualidade, somente desgastará o combatente facão: utilizado pelo chefe da guarnição de combate a incêndio florestal, é empregado para se marcar a linha de aceiro a ser seguida, no corte de vegetação baixa e pequenos arbustos. Durante o seu manuseio o operador deve estar atento quanto a acidentes que podem ocorrer. Após utilizar a ferramenta a mesma deve ser afiada, observando-se um sentido único para o fio, bem como o fio deve ser protegido por fita que o isole (fita crepe ou similar). motosserra: utilizada para o derrube de árvores e galhos.

Centro de Ensino e Instrução – INCÊNDIOS FLORESTAIS – CFSD 2005

21

machado: utilizado para derrubar de árvores e galhos. foice: utilizada para abertura de picadas e aceiros enxada: a enxada é ferramenta fundamental para corte e remoção na confecção de um aceiro. A vegetação próxima ao solo deve ser retirada com o emprego da enxada. pá: serve para abertura de aceiros e para apagar tocos e restos de madeira incandescentes rastelo: utilizado para limpeza de aceiros abafadores: servem para abafar as chamas e podem ser feitos de galhos verdes, tipo chicote, com o uso de pedaços de mangueira ou tipo de vassoura com uso de um pedaço de borracha de correia transportadora no seu final; Também existem abafadores fabricados. Usualmente as unidades do Corpo de Bombeiros do Paraná utilizam sobras de mangueiras de combate a incêndio para confecção de abafadores. bomba costal: equipamento de grande versatilidade utilizado no combate ao incêndio florestal no ataque direto ao fogo. A bomba costal possui uma capacidade de transporte de 20 litros de água sendo carregada como uma cochila nas costas do combatente. Possui um sistema manual de pressurização e um esguicho com requinte ajustável que permite regular a qualidade do jato. Devemos lembrar que ao lançarmos água em um combate a incêndio florestal deveremos fazê-lo na base das chamas. mochila costal: equipamento semelhante a bomba costal porém confeccionado em PVC maleável que se molda perfeitamente as costas do combatente, garantido-lhe mais conforto no transporte e no combate. aparelho controlador de queimadas (pinga-fogo): serve para efetuar limpezas de mato, ou iniciar contra-fogo. A proporção da mistura no pinga-fogo é de quatro litros de óleo diesel para um litro de gasolina.

Em geral, as ferramentas devem ser mantidas em bom estado de conservação. Cada ferramenta dever ser utilizada unicamente para sua aplicação específica. Quando se está em ação e não se está usando a ferramenta, a mesma deverá ficar bem visível, apoiada numa árvore com a face cortante voltada para baixo.

Centro de Ensino e Instrução – INCÊNDIOS FLORESTAIS – CFSD 2005

22

As ferramentas não devem nunca ser jogadas, para se evitar danos imprevisíveis. Ao caminhar transportando ferramentas, deverá haver uma separação de pelo menos 5 metros entre cada elemento da brigada. Numa ladeira, as ferramentas devem ser carregadas pelo lado descendente. Após a utilização de uma ferramenta deve ser realizada sua limpeza e manutenção do fio de corte. A identificação de que uma ferramenta de combate a incêndio florestal está em devidas condições de uso, é a proteção do fio de corte com uma camada de fita crepe. 7.3 VEÍCULOS DE COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS Veículos que transportam água são fundamentais para apoio nas operações de combate aos incêndios em florestas. Para esta finalidade algumas diferenças entre os veículos para atividades de combate a incêndios urbanos são necessárias, devido principalmente ao local por onde tais veículos vão trafegar. Primeiramente devemos observar que grandes quantidades de transporte de água são normalmente incompatíveis com a realidade de um incêndio floresta, pois as viaturas vão transitar em áreas de difícil acesso, necessitando de um peso relativamente leve, e ser curtas para facilitar as manobras. Verificamos que para um eficaz combate não se necessita de muita vazão de água, pois a mesma deve ser lançada na base das chamas de forma neblinada, portanto a melhor opção para um veículo de combate a incêndio florestal tipo Auto Bomba Tanque, é a configuração para uma capacidade transportável de 2500 a 3000 litros de água, devendo ainda tal veículo ser provido de um sistema de suspensão reforçado e ser provido de mecanismo de tração auxiliar, e seu sistema de bomba deve ser independente para que permita ao veículo transitar na beira de estradas lançando água na vegetação. Os equipamentos e ferramentas disponibilizados para tal veículo devem ser acondicionados de forma a ficarem presos e travados, para que não sofram avarias ao se trafegar por trechos de estradas não pavimentadas, bem como devem possuir compartimentos específicos para cada tipo de material. A fim de se evitar acidentes devemos evitar o transporte de ferramentas, materiais e equipamentos e pessoal. 7.3.1 Veículos Pesados O eventual uso de tratores para abertura de aceiros deve ser feito com as seguintes precauções: não sentar debaixo do trator; não utilizar o trator para transporte de pessoal; não se posicionar próximo do trator em atividade; não utilizar o trator em pontos da linha frontal onde o incêndio avança rapidamente. Se não for possível retirar o trator, fazer um aceiro ao seu redor e efetuar um contra-frogo a partir do aceiro; dar preferência a tratores com inversores que podem dar marcha a ré rapidamente. os tratores são eficientes na abertura de aceiros usados como linha de combate. Além dos equipamentos citados, veículos de transporte de pessoal e equipamentos deverão ser previstos.

Centro de Ensino e Instrução – INCÊNDIOS FLORESTAIS – CFSD 2005

23

7.3.2 Emprego de Aeronaves Os meios aéreos normalmente à disposição dos Bombeiros para o combate aos incêndios florestais são: helicópteros ligeiros, com lançamento de cargas de água com o bambi-bucket;

aviões médios

aviões pesados

A aplicação dos meios aéreos em situação além dos princípios de incêndios é considerada 2ª INTERVENÇÃO e só é levada a efeito após estar assegurada toda a organização do Teatro de Operações. Os incêndios são vencidos no terreno, pois só assim se consegue extinguir totalmente o incêndio e prevenir com um bom e eficiente rescaldo. É importante referir que os meios aéreos são bons auxiliares no combate aos incêndios florestais, mas terão de ser sempre complementados com o pessoal e meios em terra. Após a intervenção das equipes de solo, em que os meios aéreos são acionados após conhecimento do incêndio, é necessário que os coordenadores das ações de

Centro de Ensino e Instrução – INCÊNDIOS FLORESTAIS – CFSD 2005

24

combate conheçam constantemente as formas de propagação do incêndio. Assim haverá possibilidade de acionar outros meios O apoio aéreo atua de duas formas distintas ou combinadas: ataque direto: atuando diretamente sobre a linha de fogo; ataque indireto: criando um aceiro químico , em zona pré-definida para linha de controle; A eficácia dos meios aéreos é condicionada por: predominância de combustível florestal rasteiro (baixo) - diminui a intensidade do vento; topografia (relevo) menos acentuado; distância de reabastecimento de água - limitações para a atuação dos meios aéreos; vales estreitos; ventos acima dos 40 km/h; turbulência do ar; hora do combate ( efeito do sol na visão ); fumaça densa no local do incêndio; o aproximar da noite; floresta alta e densa; efeito vortex - turbulência proveniente das asas ou rotor dos helicópteros. Pode atingir o solo com velocidades de 45 km/h, suficientes para causar súbitas e violentas mudanças no comportamento do fogo. Após o lançamento ter uma ação positiva sobre o fogo é necessário que o pessoal de terra atue de imediato. Só assim aproveitando a ação dos agentes extintores e retardantes é possível proceder a construção de uma linha de controle do incêndio. Podese perder o beneficio do agente extintor porque o pessoal de terra não complementa de imediato o ataque do meio aéreo.

Centro de Ensino e Instrução – INCÊNDIOS FLORESTAIS – CFSD 2005

25

7.3.4 Segurança nas Operações com Helicópteros As Operações que envolvam helicópteros devem ser realizadas observando-se todos os preceitos de segurança, pois a aeronave exige uma criteriosa rotina de segurança que deve ser seguida para evitar que acidentes ocorram. Devemos lembrar que hoje o Estado do Paraná já possuí aeronaves empregadas no combate a incêndios florestais, portanto todos os combatentes devem conhecer o mínimo necessário relativo aos cuidados com segurança na aeronave. As recomendações abaixo são válidas para o emprego em qualquer tipo de helicóptero e garantem ao combatente e a guarnição da aeronave a segurança mínima, por isso devem ser sempre observadas: Fatores de segurança a serem observados pelo pessoal de terra: mantenha-se afastado no mínimo a 20m do helicóptero quando ele estiver próximo ao solo. Procure ficar agachado para maior proteção.

aproximar-se somente pela frente do helicóptero, para que o piloto tenha sua visualização. Jamais se aproxime do rotor de cauda.

em terrenos inclinados, aproxime-se sempre pelo nível mais baixo.

Centro de Ensino e Instrução – INCÊNDIOS FLORESTAIS – CFSD 2005

26

não olhe para o helicóptero quando ele está prestes a levantar vôo. Use proteção para vistas, pois objetos podem ser lançados devido ao deslocamento de ar ocasionado pelo movimento do rotor.

ao aproximar-se do helicóptero com equipamentos e ferramentas, mantê-los próximo ao solo e segurá-los firmemente.

somente pessoal qualificado deve colocar cargas e pessoas no helicóptero. Seguir as orientações do Comandante da Aeronave.

Centro de Ensino e Instrução – INCÊNDIOS FLORESTAIS – CFSD 2005

27

procure sempre indicar a direção do vento ao piloto.

mantenha entulhos, material cortado nos incêndios florestais e qualquer tipo de objeto no mínimo a 30 metros da área de manobra dos helicópteros.

não descarregue, nem lance nenhum material ou equipamento do helicóptero, enquanto o mesmo não estiver estabilizado no solo.

Centro de Ensino e Instrução – INCÊNDIOS FLORESTAIS – CFSD 2005

28

em caso de acidente com a aeronave, após a retirada dos tripulantes e guarnição mantenha distância e procure isolar a área.

Fatores de segurança a serem observados em vôo: mantenha distância dos controles, voando como tripulante. mantenha equipamentos, ferramentas, mapas e papéis devidamente seguros em vôo. informe ao piloto dos riscos que podem afetar o helicóptero durante o vôo. UTILIZE SEMPRE CINTO DE SEGURANÇA (SEAT BELT) POSIÇÃO DE EMERGÊNCIA EM VÔO: mantenha o cinto de segurança; pernas elevadas (sentado); braços envolvendo as pernas; mãos entrelaçadas; cabeça entre os joelhos. EPI UTILIZADO roupa adequada capacete protetor auricular protetor de vistas luvas coturno não utilizar roupas de baixo em material sintético.

Centro de Ensino e Instrução – INCÊNDIOS FLORESTAIS – CFSD 2005

29

8. TÉCNICAS E TÁTICAS DE COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS 8.1 PLANEJAMENTO Identificado o incêndio, o seu combate deverá ser precedido de adequado planeamento. O primeiro passo consiste na avaliação prévia da situação pelo chefe da guarnição de combate a incêndio florestal. Neste momento, deverão ser avaliadas as condições do incêndio (velocidade, se oferece riscos à pessoas ou bens, se os recursos disponíveis no local são suficientes para o combate ou se haverá necessidade de convocação de meios humanos e materiais externos). Somente uma pessoa, a mais experiente e tecnicamente habilitada, deverá coordenar o combate. Esta pessoa é considerada o chefe da guarnição. Esta medida evita situações de perigo, gastos desnecessários e desperdício de recursos, que normalmente ocorrem quando mais de uma pessoa dá ordens. O aspecto de segurança pessoal deve nortear os trabalhos. O combate ao incêndio deve ser feito nos locais onde houver maior risco de propagação. 8.2 DETECÇÃO Tempo decorrido entre a ignição ou início do fogo e o tempo que ele é visto por alguém. Quanto menor o fogo, mais fácil o seu combate. Por isto, a capacidade de detectar ou descobrir rapidamente os focos de incêndio é um dos principais objetivos dos serviços de prevenção e combate aos incêndios florestais. 8.3 COMUNICAÇÃO Tempo compreendido entre a detecção do fogo e o recebimento da informação pelo pessoa responsável. Um sistema de comunicação eficiente definirá o sucesso no combate a um incêndio florestal. O sistema VHF tem se destacado nas missões executadas, entretanto o mesmo se tornará mais eficiente com a instalação de repetidoras em pontos elevados. Deve-se sempre existir a comunicação entre todas as equipes de combate e o centro de socorro. 8.4 MOBILIZAÇÃO Tempo gasto entre o recebimento da informação da existência do fogo e a saída do pessoal para o combate. Após a detecção, comunicação e localização do incêndio é necessário que a equipe responsável pelo combate seja rapidamente mobilizada para se dirigir ao local do fogo. Para isto é necessário que haja uma pessoa responsável pela ação inicial de combate 8.5 CHEGADA AO LOCAL Tempo compreendido entre a saída do pessoal de combate e a chegada da primeira equipe ao incêndio. 8.6 ESTUDO DA SITUAÇÃO Tempo gasto pelo responsável pelo combate ao fogo para avaliar o comportamento do fogo e planejar a estratégia de combate.

Centro de Ensino e Instrução – INCÊNDIOS FLORESTAIS – CFSD 2005

30

Um dos erros mais freqüentes no combate é a precipitação na tomada das primeiras decisões. Isto pode, às vezes, dificultar ou retardar a ação de combate, quando por exemplo se constróem aceiros em locais inadequados ou se criam novas frentes de fogo através de contra-fogos mal colocados. Por este motivo, o responsável pela ação de combate deve estudar detalhadamente a situação antes de tomar qualquer decisão. O estudo da situação compreende o dimensionamento do fogo (tamanho, extensão da frente, velocidade de propagação e intensidade), condições climáticas, tipo de vegetação, rede de aceiros, estradas e locais para captação de água. 8.7 COMBATE Veremos agora alguns termos comuns no que se refere a combate a incêndio florestal: 8.7.1 Ataque direto Técnica utilizada em que o combatente aproxima-se da frente de fogo, empregando abafadores ou linhas de água. Normalmente é uma técnica perigosa por expor a guarnição, porém com o emprego de água torna-se extremamente eficiente. 8.7.2 Ataque indireto Utilizado em incêndios de média intensidade ou de grande velocidade que impedem a aproximação dos combatentes. A linha de combate é feita paralela ao incêndio. Inclui a construção de aceiros e outros (incluindo o contra-fogo). 8.7.3 Aceiro Área desprovida de vegetação. Compreende uma área raspada e uma área roçada. Sua largura depende da altura da vegetação a proteger. Pode ser feito pelo homem, máquina homem e pelo próprio fogo, podendo se apresentar de duas formas: 8.7.4 Aceiro progressivo Técnica utilizada na qual a guarnição de combate a incêndios florestais tem um passo constante, ou seja, após o chefe da equipe definir o comprimento, traçado e forma de construção, ele adentra à vegetação iniciando a marcação, sendo que logo em seguida inicia-se os trabalhos das ferramentas de corte e raspagem, que vão caminhando e limpando a área, e ao final todos se encontram no ponto preestabelecido pelo chefe da equipe. 8.7.5 Aceiro por setor Nesta técnica o chefe necessita posicionar cada integrante da mesma em determinado ponto, estando os mesmos eqüidistantes, ao comando de iniciar o trabalho cada um dos integrantes é responsável por um determinado setor, que deverá estar limpo no término do mesmo. Se compararmos as duas técnicas acima descritas observamos haver diferenças significativas entre ambas, pois no aceiro progressivo se emprega diferentes ferramentas, ou contrário do aceiro por setor onde se necessita que cada integrante possua ferramenta semelhante para executar o serviço. A experiência tem mostrado que o aceiro progressivo é executado de forma mais rápida, porém a qualidade do serviço normalmente é melhor no aceiro por setor. A utilização de uma ou outra técnica dependerá das condições que se apresentarem, como tamanho da frente de fogo, distância da mesma a linha de aceiro e velocidade de propagação.

Centro de Ensino e Instrução – INCÊNDIOS FLORESTAIS – CFSD 2005

31

Devemos lembrar também que em muitas ocasiões basta raspar uma pequena área (quebra da continuidade do material combustível) e roçar a vegetação próxima (quebra do arranjo vertical e diminuição da carga do material combustível).

8.7.6 Fogo contra fogo ou fogo de encontro É uma forma de ataque indireto, cuja aplicação será desenvolvida em último recurso, dado ao pequeno limite de segurança quando da sua aplicação. 8.7.7 Fogo de eliminação Quando utilizamos o próprio fogo para alargar aceiros, ou construímos aceiros utilizando o próprio fogo, para evitar que o fogo ultrapasse a linha e atinja a mata que devemos proteger. Esta técnica é menos cansativa para o homem. 8.7.8 Pré-fogo Quando queremos aplicar o fogo de encontro, e devemos adentrar uns 30 a 50 metros em direção a frente de fogo e ateamos fogo fazendo uma frente secundária de fogo, a qual se deslocará em direção a frente principal, pela ação de sucção e a outra frente em pequena intensidade pela ação do vento virá de encontro ao aceiro. 8.7.9 Pontos quentes São vegetações altas deixadas próximos a aceiros que pela ação do vento, corrente de convecção, irradiação ou condução possa vir a passar a linha de segurança que devemos preservar e incendiar a área que devemos proteger. 8.7.10 Linha fria É a utilização de água, terra, areia, etc..., no combate ao incêndio florestal. 8.7.11 Cortinas de segurança Plantações de espécies de vegetação resistentes a propagação do fogo.

Centro de Ensino e Instrução – INCÊNDIOS FLORESTAIS – CFSD 2005

32

8.7.12 Divisoras e contornos Os aceiros quando seguem um sistema rígido de divisão topográfica (seções e subseções), recebe o nome de Divisoras, por outro lado, as faixas limpas de combustível (roçados) são os contornos. 8.7.13 Eliminação do material combustível Manter limpo de vegetação seca e pequenos arbustos junto e no meio da área a ser protegida. 8.7.14 Limpeza de aceiros e margens de estradas Periodicamente devem ser limpos os aceiros (refeitos), pois com o tempo a vegetação volta a crescer, bem como, devem ser mantidos roçados a vegetação próxima a estradas, para se evitar que por uma causa qualquer tanto dolosa, culposa ou acidental possa dar início a um incêndio florestal em uma vegetação que temos que proteger. 8.7.15 Construções de barragens Devemos construir tanques com o intuito de favorecer o abastecimento de carros de combate a incêndio quando necessário, evitando dessa forma perda de tempo em abastecimento. 8.7.16 Talhão Divisão do reflorestamento em células (quadras). Geralmente um talhão é dividido do outro por divisoras (faixas transitáveis, raspadas). Normalmente as divisoras de um talhão medem 20 metros de largura. Os contornos geralmente medem 10 metros. 8.7.17 Bordadura É a eliminação do combustível próximo ao aceiro, todo o material chamuscado deve ser jogado para dentro da área queimada. 8.7.18 GCIF Guarnição de Combate a Incêndios Florestais. 8.8 RESCALDO O rescaldo é a operação que deve ser tomada após o fogo extinto, para evitar que ele se reative e volte a se propagar. O rescaldo inclui as seguintes tarefas: descobrir e eliminar possíveis “incêndios de pontos”, causados por fagulhas lançadas na frente do fogo; ampliar o aceiro ou faixa limpa em torno da área queimada, para melhor isolamento da mesma; derrubar árvores ou arbustos que ainda estejam queimando ou em incandescência, para evitar que lancem fagulhas; eliminar, utilizando água ou terra, todos os resíduos de fogo dentro da área queimada; manter patrulhamento, com número suficiente de pessoas, até que não se haja mais perigo de reativação do fogo; voltar no dia seguinte para nova verificação; confinar toda a área queimada executando a raspagem no limite de separação do combustível queimado (bordadura).

Centro de Ensino e Instrução – INCÊNDIOS FLORESTAIS – CFSD 2005

33

9. PONTOS IMPORTANTES A CONSIDERAR NO COMBATE AOS INCÊNDIOS FLORESTAIS 9.1 PREPARAÇÃO E AÇÃO INICIAL deve-se estar preparado, dispor de ferramentas e pessoal em quantidade suficiente, bem distribuídos e prontos para qualquer eventualidade; deve-se dirigir ao local do incêndio, sem demora, a qualquer hora; deve-se combater o fogo pelos pontos que oferecem maior risco de propagação; deve-se usar no combate número necessário e indispensável de pessoas; deve-se determinar, assim que possível, a causa provável do incêndio. 9.2 ORGANIZAÇÃO E PLANO DE ATAQUE deve-se dividir os combatentes em GCIFs de no máximo 10 pessoas, com um chefe competente, designando o setor e o serviço de cada equipe; é indispensável dimensionar adequadamente o incêndio, a fim de se poder planejar, com rapidez e eficiência, a forma de ataque; manter-se constantemente informado sobre o avanço e o comportamento do fogo; tomar decisões rápidas e ter um conceito definitivo de cada ação planejada. 9.3 HORA DE COMBATE deve-se evitar o combate noturno, pois trata-se de risco elevado além da necessidade do descanso a noite; estar atento e aproveitar as eventuais diminuições de intensidade de fogo, causados por mudanças de vento, aumentos de umidade ou reduções de temperatura. a prática do combate logo nas primeiras horas do dia possui oferece várias vantagens; 9.4 PONTO E MÉTODO DE ATAQUE procurar confinar o fogo tão logo seja possível; em incêndios de pequenos ou de baixa intensidade, o ataque deve ser feito diretamente sobre a frente de fogo; em incêndios de intensidade alta o combate deve ser feito pelos flancos e ir avançando até a cabeça; responsável deve decidir pela forma de combate que considere mais eficiente para a circunstância; deve-se estar atento para os incêndios causados por fagulhas oriundas da frente de fogo. 9.5 ECONOMIA NO COMBATE eliminar o fogo enquanto pequeno e concentrar um número suficiente de combatentes para assegurar a extinção no menor tempo possível; escolher técnicas que assegurem a máxima rapidez no combate;

Centro de Ensino e Instrução – INCÊNDIOS FLORESTAIS – CFSD 2005

34

manter vigilância na área até que se tenha certeza de que não há mais perigo de reativação do fogo. 10. ERROS COMUNS NO COMBATE A INCÊNDIOS FLORESTAIS demora em iniciar o Combate; descuido no estudo da situação; falta de planejamento adequado no Combate; ferramentas em más condições; equipes destreinadas; utilizar equipamentos não recomendáveis; não revezar as turmas antes que se cansem em demasia; não manter atuação e vigilância adequada nos flancos; fazer rescaldo ineficiente. 11. PONTOS QUE NÃO SE DEVEM ESQUECER no início o fogo se propaga em círculo, expandindo gradativamente em todas as direções; depois o ventos e as condições de combustível determinam a direção e a intensidade de propagação. a magnitude de um incêndio depende da quantidade de material combustível existente; uma atmosfera úmida retarda o fogo, uma atmosfera seca aumenta sua intensidade; melhor período para se combater um incêndio vai do entardecer até a manhã do dia seguinte, porque o ar contém mais umidade, a temperatura é menor e a atmosfera se encontra calma; nunca abandonar uma área, após um incêndio, sem se certificar que o fogo não tem mais condições de se reativar; deve-se ter certeza que o incêndio está realmente extinto.

12. DEZ PRECEITOS DE SEGURANÇA manter-se informado sobre as condições do clima e seus prognósticos; manter-se sempre inteirado do comportamento do incêndio; qualquer ação contra o incêndio deve ser tomada observando o seu comportamento atual e futuro; manter rotas de fuga para todos os combatentes, devendo estes, conhecê-las; manter um posto de observação quanto existir a possibilidade de perigo; manter-se alerta e calmo, pensar claramente e atuar com decisão; manter comunicação permanente com o pessoal e o chefe do incêndio; dar instruções claras e fazê-las entender; manter controle do pessoal em todo momento; combater o incêndio mantendo a segurança como primeira consideração.

Centro de Ensino e Instrução – INCÊNDIOS FLORESTAIS – CFSD 2005

35

13. CUIDADOS A SEREM OBSERVADOS: jamais ao construir uma linha de aceiro morro abaixo com fogo subindo. Neste caso a linha de combate deve ser feita atrás do topo do morro, ou nos flancos do incêndio. no combate o fogo numa ladeira onde possa rolar material incandescente, deverá ser mantida observação constante; vento começa a soprar aumentando a velocidade ou mudando de direção. tempo estiver mais seco e quente; estar em um terreno desconhecido e não se conhece os fatores locais que influem no comportamento do incêndio; proceder ataque frontal ao incêndio com o uso de equipamentos pesados; quando são freqüentes os focos secundários causados por fagulhas sobre a linha de combate; quando não se pode ver o foco principal e não há comunicação com o restante pessoal; se não compreende claramente as instruções. se sente sono próximo do local do incêndio.

#################################

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS USA, Fire Protection Handbook – Nacional Fire Protection Association (NFPA), 1976, p. USA, Helicopter Safety Sumary USA, Department of Agriculture – Forest Service – Pacif Southwest Region, 1987. PARANÁ, Corpo de Bombeiros do. Manual do Curso de Prevenção e Combate a incêndios Florestais, 1980, 188 p. PARANÁ, Corpo de Bombeiros do. Apostila de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais, do Curso de Prevenção e Combate a Incêndios, 2002, BARROS, E. Apostila (Compêndio) de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais, BROW, A.A.,DAVIS, K.P.,1973. Forest Fire Control and Use, Mcgraw-Hill Book Company – Series in Forest Resources, New York, (2a ed), 686p. FULLER. M., 1991. Forest Fires, Na Introduction to Wildland Fire Behavior, Menagement, Firefighting, and Prevention, John Wiley & Sons, USA. REVISTA DA ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS (ENB) - Portugal, Jul./Set., 2003, 50p. VIANA, SOARES RONALDO – Ctba PR 1985 - Incêndios Florestais – Controle e Uso do Fogo.