TELECENTRO CAMINHOS DO ROSA - CURVELO/MG

ABRIL

/ MAIO / JUNHO 2008

INTRODUÇÃO
O uso de tecnologia da informação e o acesso à Internet constituem mais uma forma de segregação observada na sociedade brasileira, e isso não é diferente no município de Curvelo. Aos pobres e excluídos não são dadas possibilidades iguais às da elite para desenvolver habilidades de uso da tecnologia e empregá-las em benefício próprio. É a chamada exclusão digital, manifestação da exclusão social mais ampla, que deve ser compreendida como um processo a ela associado, alimentando e sendo alimentada por ela. Funda-se em obstáculos econômicos, ausência de infraestrutura e carências na área da educação. Além disso, é preciso levar em conta as barreiras ao acesso ocultas sob as relações sociais, como as impostas pelas relações de gênero, por exemplo. Ainda recentemente, o problema ganhou status de objeto de política pública, com foco na promoção da igualdade de oportunidades. A política de inclusão digital é, portanto, uma política de combate a um aspecto específico da exclusão social: a privação de acesso a um conjunto de recursos decisivos para o acesso à cultura, ao trabalho, à educação, à informação e a outros direitos. Dificilmente a inclusão digital pode ser resolvida em termos individuais ou com medidas governamentais de curto prazo. Sabendo que as proporções da demanda reprimida são consideráveis, uma política de inclusão digital com objetivos ambiciosos passa necessariamente pela implantação de telecentros comunitários. A política de inclusão digital do Centro Popular de Cultura e Desenvolvimento, conhecida como Telecentro – Caminhos do Rosa, foi posta em operação em 2005 e conta hoje com 10 computadores. O objetivo é promover a valorização do saber popular, além de possibilitar a inclusão digital.

Telecentro Caminhos do Rosa - Curvelo/MG

1

ATIVIDADES DESENVOLVIDAS
A solução implantada exigiu a combinação de opções e iniciativas tecnológicas, participação popular, parcerias com empresas e organizações da sociedade, mobilização de recursos e critérios eficazes de alocação de equipamentos. Instalado em região estratégica, o Telecentro comunitário conta com a participação dos usuários em sua gestão e utiliza software livre (que pode ser distribuído e alterado sem o pagamento de licenças e não requer equipamentos sofisticados). A utilização desse software possibilita o baixo custo de manutenção e a eficiência na atualização de dados. Além do acesso à rede mundial de computadores, o Telecentro também disponibiliza mais de 1.500 cursos para seus usuários, o que possibilita uma pré-formação para uma capacitação técnica futura. Paralelamente ao acesso a essa rede, são oferecidos acessos a informações relacionadas à cultura local. O objetivo é dar ao usuário a oportunidade de apropriação de tecnologias populares e, conseqüentemente, a valorização do meio em que vive. Com isso, incluímos as pessoas das regiões de maior exclusão na luta por seus direitos e no exercício de seus saberes coletivos, na busca de suas necessidades e no desenvolvimento de habilidades e competências necessárias ao cotidiano em mudança. A capacitação profissional também tem sido outra ação do Telecentro, não como formador, mas como instrumento de formação de bases de conhecimento para uma futura formação. Ao mesmo tempo, trabalha a requalificação do espaço em torno da unidade, onde a comunidade pode acessar não apenas o mundo digital, mas o literário, uma vez que o ponto de montagem do Telecentro é estratégico, situando-se ao lado da Biblioteca Pública e em parceria com o Banco do Livro. A disseminação de software livre está sendo uma das ações em prol da diminuição da exclusão social. Isso tem sido feito a partir da participação dos usuários, que, além de aprender a utilizar o software, descobrem as vantagens de tê-lo em seus computadores quando o adquirem. Como próximos passos, estamos pensando em desenvolver o jornalismo comunitário, por meio de site do Telecentro. A idéia é conseguir divulgar, a partir da participação popular, tecnologias de domínio público, além de experiências e riquezas locais.

Telecentro Caminhos do Rosa - Curvelo/MG

2

AVANÇOS OBTIDOS
• Índices quantitativos Estes são os resultados mensurados referentes ao trimestre: - 595 acessos à rede mundial de computadores. - Cerca de 1.500 programas disponibilizados através do software livre. - 10 computadores ligados à Internet. - Duas exposições apresentadas. - 240 pessoas acessando a Internet. - 49 trabalhos escolares pesquisados. - Disponibilização de acervo cultural digital através de bibliotecas digitais. - Disponibilização de 12 jogos pedagógicos digitais. - Visita de uma escola. - Subsídio para os trabalhos escolares de seis escolas públicas. • Índices qualitativos - Preparação para posterior capacitação. - Requalificação do espaço em torno da unidade. - Disseminação de software livre. - Participação popular por meio de opiniões e sugestões. - Alegria e satisfação dos participantes. - Elevação da auto-estima.

GERENCIAMENTO DO PROJETO
O projeto Telecentro Caminhos do Rosa é coordenado por um educador do CPCD e atualmente aguarda a nomeação de um educador da Prefeitura Municipal de Curvelo.

Telecentro Caminhos do Rosa - Curvelo/MG

3

DIFICULDADES ENCONTRADAS
A dificuldade enfrentada no momento é a falta de um funcionário da Prefeitura Municipal de Curvelo, uma vez que a parceria requer a disponibilização do mesmo e de um espaço para funcionamento, ocasionando a parada temporária das atividades.
Alexandre Rodrigues - Coordenador

Telecentro Caminhos do Rosa - Curvelo/MG

4