You are on page 1of 20

O QUE É PLANO DE NEGÓCIO

O plano de negócio serve para orientar o empreendedor a iniciar uma atividade econômica ou expandir o seu negócio numa tomada de decisões estratégica que minimize os riscos já identificados. Não se trata de alguma receita de bolo e não garante sucesso empresarial mas, seguramente, diminui, e muito, os riscos de fracasso ou insucesso. O plano de negócio pode ser definido como um resumo escrito da maneira como o empreendedor pretende atingir suas metas e administrar os recursos necessários para que obtenha o sucesso desejado, transformando-o num plano de sucesso. Empreender sem planejar é uma aventura arriscada que pode dar certo, mas é comparável a um vôo cego em noite de tempestade. Você arriscaria o seu dinheiro e o seu futuro sem um planejamento de negócios? Intuição e capacidade gerencial são fatores indispensáveis que, quando reunidos com o conhecimento técnico, ajudam no sucesso do empreendimento. O plano de negócio permite estruturar as principais visões e alternativas para uma análise correta de viabilidade do negócio pretendido, e ainda: proporciona uma avaliação prévia do negócio antes de ser colocada em prática uma nova idéia, reduzindo, assim, as possibilidades de desperdiçar recursos e esforços num negócio inviável funciona como um instrumento de solicitação de empréstimos e financiamentos junto a instituições financeiras e de busca de novos sócios e investidores torna fácil o estabelecimento de uma vantagem competitiva que pode representar a sobrevivência da empresa Mas por que elaborar um plano de negócio O plano de negócio representa uma oportunidade única para o futuro empreendedor pensar e analisar todas as facetas de um novo negócio. A experiência humana demonstra que, com exceção de alguns gênios e grandes mestres de xadrez, os demais seres humanos têm limitações para analisar situações que envolvem muitas alternativas e acabam privilegiando algumas delas em detrimento de outras eventualmente mais importantes. Esta visão parcial não-sistêmica do negócio é responsável por grande parte dos fracassos, o que a elaboração do plano de negócio pretende evitar. Ele traz os seguintes benefícios para um negócio:

- reúne as idéias ordenadamente e permite uma visão de conjunto de todas as alternativas possíveis sobre o negócio, evitando uma visão incompleta dos problemas e decisões erradas - impõe a avaliação de crescimento e de lucro potencial da empresa, bem como as necessidades de recursos materiais, financeiros e humanos da mesma - examina as conseqüências de diferentes estratégias competitivas - permite que todas as avaliações e experiências sejam realizadas com base em simulações devidamente registradas, evitando gastos desnecessários no início das operações - trata-se de um documento básico e indispensável na atração de sócios e investidores - funciona como uma apresentação do negócio para fornecedores e clientes - importante ferramenta para a contratação de empregados, mostrando a correta perspectiva do negócio e as possibilidades de crescimento - orienta-os na execução de tarefas de acordo com as diretrizes definidas para o negócio A preparação do plano de negócio é também uma boa oportunidade para testar a motivação, o empenho e o conhecimento dos sócios, porquanto, cada um deles deve ser responsável por uma parte do planejamento no que diz respeito a sua área de atuação e as atividades pelas quais são responsáveis. Depois é só avaliar o desempenho e os resultados. O que acontece na prática é a descoberta da diferença entre envolvimento e comprometimento, isto é, muitos sócios, antes empolgados, perdem o entusiasmo quando têm que trabalhar duro, e os experts não mostram serem tão bons quanto aparentavam... O importante é descobrir as falhas de todos na fase de preparação do plano de negócio, e não durante a implementação do negócio ou da oportunidade o que, via de regra, gera conseqüências irremediáveis. A preparação deste plano não é tarefa fácil, e é necessário saber conviver com frustrações quando à idéia que era aparentemente excelente se mostra inviável. Objetivos do plano de negócio Antes de qualquer coisa, o empreendedor deve definir o objetivo do seu plano de negócio, que não deve ser confundido com a meta do negócio, ou seja, se o plano se destina ao ordenamento das idéias e à análise do potencial e da viabilidade do empreendimento ou se vai servir para obter recursos financeiros por meio de instituições financeiras ou investidores. No primeiro caso, ele costuma ser chamado de plano de negócio operacional, e no segundo, plano de negócio para obtenção de recursos. Na sua essência, ele é um só,; muda só o enfoque. O plano para obter recursos contém mais detalhes no que tange aos aspectos financeiros, por exemplo. O detalhamento deste plano depende do tipo de negócio escolhido e da oportunidade de mercado a ser explorada. Se o negócio for novo, deve ter mais explicações do que os

1 de abril de 2010 O QUE É BENCHMARKING? . isto é. evite o erro comum de projetar as vendas com base na capacidade produtiva do negócio. o plano de negócio não precisa de maiores detalhes. relevantes e com horizontes temporais definidos. alcançáveis. isso pode ser adquirido sob a forma de franquia. O plano deve mostrar a capacidade empreendedora. Daí a probabilidade de sucesso do negócio é bastante grande. 5. empregados. sem comprometer o seu conteúdo e sem omitir detalhes importantes. 3. um bom plano de negócio é fundamental para dar a credibilidade necessária a sua aceitação. mais difícil é convencer sócios. Quanto mais inovador o negócio. O plano deve conter informações consistentes. e nunca o contrário. Na maioria dos casos. Em outros casos. evite "chutes" e divagações e consulte técnicos da área. Neste caso. existem algumas diretrizes básicas para obter o sucesso pretendido: 1. definir prioridades. 4. se for o caso. O plano deve se concentrar na primeira etapa do desenvolvimento do negócio. Convém não esquecer que a premissa básica de qualquer plano é o correto estabelecimento de metas específicas. O plano deve conter projeções realísticas. isto é. As informações mais importantes são as que dizem respeito à projeção de vendas e ao planejamento financeiro. Neste caso. cuidado para não "encher lingüiça" ou ser excessivamente técnico.produtos já existentes e conhecidos pelo público. O plano deve abranger todos os pontos importantes do negócio. a experiência e o conhecimento dos sócios e o comprometimento financeiro exigido pelo negócio. é possível criar estratégias competitivas visando à diferenciação entre os concorrentes já estabelecidos. Lembretes na elaboração do plano de negócio Na elaboração do plano de negócio. Sua produção. deve ser projetada com base na previsão de vendas. postado por ADMINISTRAÇÃO às 17:33 | 0 Comentários quinta-feira. principalmente em relação à análise dos riscos e das ações para minimizá-los. deve ser baseado na avaliação do mercado. investidores. Tanto uma loja de grife quanto uma oficina mecânica e uma lanchonete fast-food operam com práticas padronizadas e procedimentos estabelecidos e conhecidos. fornecedores e clientes da sua viabilidade. 2. mensuráveis. O plano deve ser o mais conciso possível. 6. por meio de estágios ou de benchmarking em outras empresas do mesmo ramo.

amplitude. antes da definição ou aplicação do melhor método. Benchmarking fornece um senso de urgência para melhoria. é preciso respeitar e seguir algumas regras e procedimentos para que os objetivos sejam alcançados e exista uma constante melhoria do mesmo. serviços e práticas empresarias entre os mais fortes concorrentes ou empresas reconhecidas como líderes. diferenças organizacionais e custos. uma equipe. reconhece oportunidades de melhorias além de suas observações diretas. produtos e serviços. Na maioria das vezes o aprimoramento exigido. . a Ford e a IBM e é conhecido como Benchmarking. produtos e serviços. acentuadamente nas últimas décadas. como todo o processo. pois essa busca das melhores práticas é um trabalho intensivo. ultrapassa a capacidade das pessoas envolvidas. consumidor de tempo e que requer disciplina. Benchmarking surgiu como uma necessidade de informações e desejo de aprender depressa. Portanto. A competitividade mundial aumentou. Durante a última década. sobretudo pelos clientes dos processos. ele tem produzido resultados impressionantes em companhias como a Xerox. inovação e aplicação de pensamento inovador a fim de conseguir sua própria melhoria de processo. Esse conceito enraizou-se numa nova abordagem de planejamento estratégico. pois cada empresa individualmente tem as suas necessidades que devem ser avaliadas antecipadamente à aplicação do processo. Benchmarking é um processo contínuo de comparação dos produtos. Outra vantagem do benchmarking é a mudança da maneira de uma organização pensar sobre a necessidade para melhoria. obrigando as empresas à um contínuo aprimoramento de seus processos. objetivo. É um processo de pesquisa que permite realizar comparações de processos e práticas "companhia-a-companhia" para identificar o melhor do melhor e alcançar um nível de superioridade ou vantagem competitiva. assumam uma postura de "organização que deseja aprender com os outros" para que possa justificar o esforço investido no processo. como corrigir um problema empresarial. É necessário que as organizações que buscam o benchmarking como uma ferramenta de melhoria.por Washington Sorio * Os Japoneses têm uma palavra chamada ³dantotsu´ que significa lutar para tornar-se o "melhor do melhor". por estarem elas presas aos seus próprios paradigmas. Na aplicação do Benchmarking. A empresa interessada em implantar benchmarking deve analisar os seguintes fatores: ramo. indicando níveis de desempenho atingidos previamente num processo de parceiro do estudo. Neste processo existe um controle constante desde sua implantação (plano do processo) até a sua implementação (ação do processo). encontrar e superar os pontos fortes dos concorrentes. com base num processo de alto aprimoramento que consiste em procurar. Um senso de competitividade surge à medida que. visando oferecer alta qualidade com baixo custo e assumir uma posição de liderança no mercado onde atua. e os membros da equipe tornam-se motivados a se empenhar por excelência.

Já a 2ª. vivenciado grandes processos de turnaround. únicas e distintivas de uma organização que lhe conferem uma vantagem competitiva intrínseca e. deve demonstrar que sou tão bom quanto meus concorrentes. constituindo um atalho seguro para a excelência. * Washington Sorio é graduado em Administração de Empresas com MBA em Gestão de Recursos Humanos e diversos cursos de especialização. . start up e reestruturação de empresas. Conceito de Core Competence O conceito de Core Competence (que em português poder ser designado por Competência Nuclear) surgiu pela primeira vez em 1990. contribuir de forma significativa para o produto final. Para poder ser considerado como um Core Competence. é necessário que a competência passe por três tipos de requisitos: . da autoria de Gary Hamel e C. constituem os factores chave de diferenciação face aos concorrentes. Core Competence designa as competências estratégicas. com a utilização de todo um trabalho intelectual acumulado por outras organizações evitando os erros é armadilhas do caminho. por isso. Possui 12 anos de experiência na direção e gerência de RH. estabelecendo diretrizes e no comando pleno dos subsistemas de RH postado por ADMINISTRAÇÃO às 17:41 | 0 Comentários CORE COMPETENCE E CORE BUNISSES Core competence. predominantemente em empresas multinacionais. proporcionar o acesso a uma ampla variedade de mercados. implementando políticas. se de difícil imitação pelos concorrentes. na Harvard Business Review. A diferença entre Core Competence e Core Business se dá em função que a 1ª. Saber fazer e adaptar benchmarking no processo da organização pode nos permitir vislumbrar oportunidades e também ameaças competitivas. Segundo os seus autores. mostra o negócio principal da empresa. num artigo intitulado "The Core Competence of the Corporation". são as competências principais de uma empresa. Mais do que uma palavra mágica. .benchmarking é uma escola onde se aprende à aprender. onde o mesmo é composto de atributos que determinarão o sucesso ou ainda a sobrevivência das empresas. tanto no Brasil como no Exterior. o benchmarking é um conceito que está alterando consideravelmente o enfoque da administração. K. . A resposta da questão "o que nossa organização faz bem"? Define a Core Competence de um negócio. Prahalad.

seu Core Business. uma competência nuclear poderá ser. as áreas de trabalho ou as funções em que a empresa é competente. Surge daí os conceitos de Core Competence. A decisão sobre a terceirização das funções de apoio e de serviços internos. o Core Competence da empresa localiza-se naquelas funções relacionadas com a produção e/ou com o atendimento ao cliente. de distribuição). Em uma pesquisa descobriram que 83% das empresas com crescimento rentável e sustentável se concentram em um ou dois Core Business. portanto. ou seja. para. E a correta estratégia de desverticalização começa pela decisão sobre quais dessas funções serão mantidas pela empresa e quais poderão ser subcontratadas com terceiros. definidos como essenciais para uma habilidade ou tecnologia ser compreendida como uma competência essencial: 1. Alguns autores proporão os três seguintes critérios. identificar os campos em que deve competir e. e 3.Assim definida. centrar seu negócio nessas funções ou. ou seja. o estudo demonstrou que 75% dos fracassos empresariais se devem ao fato de as empresas terem perdido o foco e a definição de seu Core Business. 2. Ao mesmo tempo. desconhecese metodologia segura para identificar a Core Competence da empresa ou mesmo para definir o que deve ser feito internamente e o que deve se adquirido fora. um conhecimento técnico ou uma tecnologia específica que é susceptível de oferecer um valor único para os clientes e que distingue a empresa das rivais. O Core Business decorre do conjunto de produtos. Oferecer reais benefícios aos consumidores. então. a partir da identificação das armas que a empresa domina. pode-se então. em outras palavras. de produção. é necessário identificar quais funções a empresa pode desempenhar com excelência (tais como: funções de projeto. deve ser tomada com base nas funções de produção ou de atendimento que serão mantidas pela empresa. por sua vez. por exemplo. sua Core Competence e. e é o gerador do crescimento da . finalmente. que é decorrência direta do primeiro. É possível que o bom desempenho dessas últimas necessite de um estreito relacionamento com algumas das demais. Prover acesso a diferentes mercados. Apesar de essencial. de comercialização. A expressão Core Competence foi traduzida por competências essenciais. segmentos de clientes e tecnologias com os quais uma empresa pode gerar a maior vantagem competitiva possível. e de Core Business. Como existe forte correlação entre armas e campos da competição. a empresa não pode ou não deve procurar ser excelente em tudo. por meio dos quais conseguem uma posição de liderança ou grande influência no mercado. competir em campos relacionados a essas funções. Ser difícil de imitar. Assim. num caminho inverso. as funções que deve reter sob sua responsabilidade. O Core Business reúne os clientes mais leais e rentáveis. A FORÇA DO CORE BUNISSES Como afirmam muitos autores. Certamente.

os ³ingredientes´ adequados. uma tecnologia e um sistema de fabricação de baixo custo. com a venda de sorvete de café nos supermercados. postado por ADMINISTRAÇÃO às 17:32 | 0 Comentários domingo. Para defini-lo. esses movimentos seqüenciais podem redefinir o Core Business e constituir fontes de crescimento. Expandir-se para as adjacências significa executar movimentos contínuos em segmentos ou negócios relacionados. motivo pelo qual não investiram o suficiente ou o abandonaram prematuramente a busca de melhores oportunidades. Como distinguir as oportunidades de crescimento que fortalecerão o Core Business das que o enfraquecerão? Com alguma freqüência os executivos se vêem diante de dezenas de movimentos possíveis. porém não conseguiram reconhecer o potencial de seu Core Business. A dificuldade mais freqüente do Core Business é encontrar o equilíbrio entre amplitude e foco. em comparação com a rentabilidade dos concorrentes ± e o grau de lealdade dos clientes. Muitas empresas têm. a solidez dos níveis de lucros desse setor no futuro. O critério de seleção deveria incluir a avaliação objetiva de pelo menos três fatores: a habilidade da empresa de igualar os resultados de um líder do setor no qual pretende ingressar. As melhores empresas se apóiam nos fatos para controlar suas emoções. As empresas acabam se distanciando de seu Core Business por não fazer perguntas realistas sobre uma nova oportunidade de crescimento ou por não analisar os dados do mercado e seguir um impulso emocional. Os problemas surgem quando os executivos tentam ³adivinhar´ em vez de se concentrar em averiguar os fatos. que entrou agressivamente no mercado das minivans. Algumas empresas têm cometido graves erros ao definir de maneira muito ampla seu Core Business. Por meio da expansão para as adjacências é possível se reposicionar para buscar as fontes de lucros mais atraentes ou então responder às novas condições do mercado. que. Com o tempo. e a possibilidade de usar os verdadeiros pontos fortes do Core Business. ou um formato e um modelo de baixo custo como o da cadeia de supermercados. 28 de março de 2010 . reforçam a rentabilidade do Core Business. A essência de um Core Business pode ser um modelo como um segmento de mercado. é preciso começar pelos dados ³objetivos´ da economia da empresa: a análise da rentabilidade relativa ±ou seja. São oportunidades de crescimento que permitem às empresas estender as fronteiras de seu Core Business. ou alguma vez tiveram. no geral.empresa. Entre os exemplos de empresas que aproveitaram oportunidades nas adjacências se encontram o da Chrysler. e também o da Starbucks.

. quais os critérios. conclusões. projeto ou curso. e você também não pode parar após oferecer a solução de um problema proposto. Como se trata de um relatório científico. apontar caminhos para que a pesquisa seja aprimorada/ampliada. pegue papel e caneta (computador também serve. Não comece a redigir imediatamente. Se você já realizou sua pesquisa ou estágio e agora só precisa relatar. por quem. etc. Faça uma visita à biblioteca de sua instituição e peça para ver relatórios de turmas anteriores.). Seu relatório de estágio ou trabalho de conclusão de curso (TCC) é a apresentação escrita e final de seu estudo. circustâncias. E se você não consegue colocar tudo no papel ainda. atividades desenvolvidas. Como começar o relatório ou TCC A maneira correta é tomar notas e ir dando forma ao relatório ao longo do projeto. etc. dando a seqüencia e o formato. e tudo o que desejam é saber como escrever o seu relatório ou trabalho de conclusão. com destaque para os objetivos ± propostos e alcançados. e só precisa preencher as lacunas. etc. sua opinião (³eu acho que«´) não é a estrela. Se você conseguir colocar tudo isso no papel. No caso específico do TCC ou relatório de estágio. método. mas não sabe como começar o seu trabalho ou relatório. amparada na sua pesquisa e na sua interpretação dos resultados. o que você precisa fazer é encontrar estas respostas. mas guarde-as bem ± elas são o mapa do tesouro para todo o restante do seu trabalho. quando.Como começar ± e completar! ± seu relatório de estágio ou trabalho de conclusão Se o seu prazo está acabando e você ainda não começou a fazer o relatório. não se dê por vencido: iniciar a elaborar o trabalho de conclusão de curso é fácil. pesquisa. com reuniões freqüentes com o orientador. sugestões. que material foi utilizado. Mas sabemos que muitas vezes não é assim que os estudantes procedem. fazer observações sobre como otimizar os processos. e seguindo o projeto e o planejamento. você precisa ter em mente desde o princípio os processos básicos do conhecimento científico: seu trabalho deve ser a expressão da resposta à questão originalmente formulada. já tem a estrutura do seu trabalho toda pronta. Considere estas anotações como um rascunho e como parte do seu processo de organização mental. mas não é tão legal) e anote as respostas para os itens mencionados no final da introdução deste texto (questão. e além da questão e das conclusões.). e que muitos dos leitores que chegarem a este texto após procurar no Google já estarão no final do seu prazo. incluindo as experiências vividas. de preferência com temas similares ao seu. Assim. por que. ele deve incluir também um relato objetivo do cumprimento das atividades obrigatórias pelo currículo do seu curso. e completá-lo não é tão difícil quanto parece. o seu relatório tem que descrever o método e as circunstâncias da pesquisa (o que. como faria em um comunicado técnico ± você tem que pensar como um cientista.

como fazer a bibliografia. e forme uma idéia clara do que é considerado um bom relatório no seu ambiente ± é muito mais fácil acertar se você tiver formado um bom conjunto de parâmetros.Procure o que há em comum entre os que foram melhor classificados. porque precisa oferecer ao leitor um panorama geral a respeito do que ele encontrará no restante do trabalho. uso de crase« Quando estiver acabando. e revise você mesmo a versão já corrigida por eles. e fuja das repetições e do óbvio. Inclua apenas detalhes que sejam relevantes para o conjunto geral. direto. Construa seus argumentos em uma seqüência lógica. passe uma versão inicial para outras pessoas avaliarem e encontrarem os erros e pontos de falha que lhe escaparam. você pode incluir uma apresentação das principais dificuldades encontradas.). acentuação. sempre em uma mesma direção. claro. apresentação. além do óbvio. para o caso de outro pesquisador querer repeti-los ou mesmo ampliá-los. antes de considerá-la final e acabada. preenchendo as lacunas entre as questões que você anotou naquele papel no primeiro dia de planejamento do seu trabalho escrito. mencionar possíveis fontes de erro e como lidar com elas. deixar claro o que você pretende demonstrar. uniformidade e as questões ortográficas ± nada de erros bobos (mas que chamam atenção de forma muito negativa) na pontuação. etc. A introdução e a conclusão Já escrevemos antes sobre como formatar o relatório ou TCC. sem ambigüidades. Use os recursos estruturais e os agrupamentos a seu favor. É normal a introdução ocupar entre 10 e 15% do total do seu texto. lembre-se de seguir uma ordem lógica ± tanto nos seus procedimentos. que serve como o plano ou mapa geral dos pontos principais que você deve abordar. sumário. use o que você aprendeu naquela cadeira de metodologia que assistiu no início do curso. A introdução é o último dos elementos textuais do trabalho a ser completado. sugerir perspectivas de continuidade ou aprofundamento do trabalho. quanto no que você escreve. Avance consistentemente. Já na conclusão. Não esqueça de escrever a respeito da relevância e delimitação do seu tema. Dicas extras Ao longo do trabalho. etc. Lembre-se de ser impessoal (use bem a voz passiva. com atenção para a concordância. a justificativa (a razão pela qual a pesquisa foi realizada) e o que outros autores relevantes já escreveram a respeito ± a famosa revisão bibliográfica. Listas pontuadas ou . e a 3a pessoa do singular mesmo quando for referir-se a si próprio). e apresentar sugestões sobre como corrigir os problemas ou falhas em experimentos. textuais e pós textuais. E quando começar a redigir. Mas há duas partes do texto que sempre geram dúvida quanto ao que deve ser escrito nelas: a introdução e a conclusão. e lá há um bom detalhamento sobre a composição e estrutura do texto seguindo as normas da ABNT ± elementos pré-textuais (capa.

ilustrações e gráficos desnecessários. e isto é que na maioria das vezes leva uma organização a uma morte prematura. aos seus propósitos futuros. o aproveitamento de sinergias comerciais e tecnológicas. alguns riscos potenciais como por exemplo a partilha de know how com concorrentes e a perda de flexibilidade estratégica. As organizações nascem com propósitos às vezes não tão claros. estabelecidas entre empresas concorrentes ou que produzem produtos ou serviços complementares. As Alianças Estratégicas são. A elaboração dos objetivos tem seus pontos chaves. Apresenta. o ³P´ do PODC ( Planejar. que armazena as cópias fora do seu computador. referências a obras não consultadas podem acabar sendo gols contra. e guarde versões antigas. que nem sempre estão comungadas com o mercado. Os sectores de actividade onde têm tido particular relevância são os sectores das áreas tecnológicas. criar sinergias de grupo ou como opção estratégica de crescimento. Dirigir e Controlar). O planejamento é uma peça fundamental que começa com a formulação dos objetivos organizacionais. e você não apenas não os perderá. geralmente. capítulos e subcapítulos. Outro ponto é a elaboração dos objetivos organizacionais. Fuja das dores de cabeça: faça cópias de segurança. é a dela também que temos a oportunidade de fazer uma análise mais profunda do mercado e da própria organização. é desta função que parte todas as ações previstas da organização. não peque também pelo excesso. usando um serviço como o Gmail. postado por ADMINISTRAÇÃO às 17:53 | 0 Comentários Conceito de Aliança Estratégica Uma Aliança Estratégica é uma associação entre duas ou mais empresas que juntam recursos e know how para desenvolver uma actividade específica. adquirir novas competências ou ganhar dimensão crítica. nascem da vontade dos seus fundadores. estas últimas caracterizadas pelo facto de se verificar a partilha de propriedade de uma nova empresa. e estes estão ligados a visão desta organização. que começam com a . o acesso a novos mercados sem investimentos avultados e com riscos mais reduzidos e. portanto. como função é fundamental para as organizações. todos são ferramentas que ajudam a dar forma ao seu argumento. É. por outro. Uma variante das Alianças Estratégicas são as joint-ventures. contudo. o Planejamento.numeradas. como poderá acessar de quase qualquer computador. Embora você não deva pecar pela falta. Mande versões do trabalho por e-mail para você mesmo. por um lado. uma alternativa a outras formas de desenvolvimento como sejam as fusões e aquisições e o desenvolvimento orgânico. Este tipo de associação pode ser utilizado para conquistar um novo mercado (geográfico ou sectorial). As principais vantagens das Alianças Estratégicas enquanto fonte de desenvolvimento empresarial são. Citações fora de contexto. Organizar. postado por ADMINISTRAÇÃO às 17:38 | 0 Comentários A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO Uma das principais funções administrativas. gráficos e tabelas.

Estes dados ao contrário de que muitos pensam. a tentativa de uma duração mais longa para a nossa empresa. Todo planejamento deve sofrer um acompanhamento. sonhar é bom. quais são os objetivos da sua organização para os próximos cinco anos. Isto toma tempo. e são de amplo conhecimento. Para que possamos ser mais objetivos vamos lá a dicas importantes para o planejamento. quanto economizará em recursos que hoje são desperdiçados pelo nosso amadorismo. iremos fatalmente errar em nossas decisões. 2) Faça uma análise do mercado que sua organização está inserida. as informações são fundamentais e é por meio de informações seguras que tomamos decisões. e é tão constante quanto às mudanças do mercado. pois os velejadores profissionais também planejam muito bem suas ações.análise tanto do ambiente interno da empresa. se a resposta foi não sei. não é difícil e sim trabalhoso. e estas possibilidades é que são a tentativa de perpetuação. sendo o mais detalhado possível. quanto o ambiente externo. e sim atualizados e sempre atentos as oscilações que o mercado está sujeito. estão sim disponíveis. nas associações de classe. sua organização faz parte de uma grande maioria de empresas que não sabe para onde vai. depois é que vêem os planos de ação. e de se cumprir. pois requer uma análise bem detalhada dos ambientes. mas principalmente aos resultados esperados. e até mesmo nos seus concorrentes diretos. Você irá encontrá-los nos simpósios. isto é sonho. sua estrutura. que revelam dados que podem influir no mercado como um todo. 1) Faça uma análise da sua organização. Um erro muito comum é afirmar que o planejamento estratégico é muito difícil de se fazer. A grande maioria das organizações não faz um planejamento. em institutos de pesquisa que divulgam constantemente dados importantes que passam desapercebidos pela maioria das pessoas. Imaginar aonde vamos estar em um determinado tempo é um exercício interessante. e caso seja necessária à correção e a elaboração de um novo plano estratégico baseado nas mudanças inesperadas do negócio. 4) A quarta fase é a da implementação. que vem seguida de um rígido controle dos resultados. mas tudo é compensado pelo fato que com o planejamento evitamos erros futuros e economizamos tempo e recursos. ou melhor pare este exercício. esforço. outra função administrativa. mas definido pela liderança da empresa. É um exercício que envolve toda a organização e tem que ser construído a várias mãos. em órgãos governamentais. e este acompanhamento está ligado ao controle. conhecidos como planos táticos e operacionais. . Ter sempre um olho no futuro e outro no presente não nos tornam vesgos. Faça um planejamento para sua empresa. Faça agora uma reflexão. Portanto o planejamento é uma peça fundamental para o crescimento das organizações. isto é importante apenas para os velejadores amadores. Tudo como prazos e devidamente quantificado. seus recursos. Este ponto chamamos a atenção para o seguinte. ou melhor. resultados estes que irão fazer com que os objetivos sejam alcançados ou não. até mesmo um custo. pois por meio disto é que vamos construir possibilidades. mas até mesmo sonhos para se tornar realidade devem estar atrelados a possibilidades verdadeiramente possíveis. e vão andando de acordo com o sabor do vento. 3) Depois da fase de análise é que você irá adaptar os seus objetivos as realidades do mercado e elaborar os seus objetivos. isto não é bom. nos meios de imprensa. e verá que ela tanto crescerá atingindo seus objetivos. Outro erro comumente existente é de achar que depois de todo o esforço com a elaboração do planejamento este é uma peça acabada e não pode ser mudada. não adianta também planejar objetivos futuros que certamente não serão cumpridos. se os dados colhidos não forem corretos.

de stocks. Mas na rede também é possível encontrar as empresas de ser viços. . o que implica um maior número de relações contratuais nacionais e internacionais. segundo os critérios de atractividade e posição competitiva de cada uma dessas áreas.Por: Iran Nunes Professor e Consultor de Administração. Um modelo de planeamento e gestão estratégica de marketing tem vindo a ser usado com sucesso em algumas empresas. canais de distribuição.posead. a formulação da estratégia (planeamento estratégico) refere-se à definição. erros de posicionamento. avaliação e selecção de áreas de negócio nas quais a organização irá concorrer e a ênfase que cada área deverá receber. empresarial ou da unidade estratégica de negócio (UEN ) e funcional. no sentido de reduzir alguns problemas. de politicas de preços. O que reflecte a ausência de harmonia nas actividades de marketing. No nível corporativo. pagamentos e pedidos de novos produtos. como é o caso de serviços de transporte.br PLANEJAMENTO E GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING Os desequilíbrios nas actividades de marketing e a falta de cooperação entre as empresas causam desperdícios de recursos. e recebe por parte do mercado informações. A mudança no sentido da globalização dos mercados tem levado as empresas a expandirem o seu âmbito de acção. que fazem com que os produtos e serviços cheguem ao consumidor final.com. São muitos os exemplos de fracasso de empresas. a estratégia da unidade de negócio diz respeito à maneira como uma organização irá concorrer nos mercados escolhidos. que não compram e vendem produtos. entre outros. e as estratégias são predominantemente voltadas para o crescimento e a permanência (sobrevivência) da empresa. Nesse nível. predominam as chamadas estratégias competitivas. a questão fundamental é a alocação de recursos entre as áreas de negócio da organização. Estes são os fluxos que as redes tentam sempre melhorar. seja para o fornecimento ou para a distribuição de produtos ou serviços. A Formulação da Estratégia A formulação de estratégia pode ser desdobrada em três níveis (Kotler.2000): corporativo. de pesquisa. Assim. de certificação. quando se relacionam como mercado. A empresa envie produtos. É comum verificar-se falta de pesquisa. de seguros. As fronteiras têm sido reduzidas e as empresas estão mais especializadas nas suas actividades ³core business´. O conceito de empresa vista como rede produtiva é de fácil compreensão. de produtos e até de volumes de produção. Coordenador do Curso de Pós-Graduação em Planejamento Estratégico www. Neste nível. A formulação estratégica no segundo nível ± empresarial ou da área estratégica de negócios ± está relacionada ao uso eficiente dos recursos e diz respeito ao dimensionamento que a organização irá dar ao portfólio dos negócios. serviços e mensagens de marketing. de comunicação. Qualquer empresa tem o seu conjunto de fornecedores (a sua ³supply chain´) e de distribuidores (canais). mas desempenham serviços fundamentais para que a rede funcione.

no nível da área funcional. Ressalte-se. o processo de planeamento incorpora os três níveis simultaneamente. que a aprovação final do plano de marketing cabe ao CEO ou ao presidente. Assim. que fazem a diferença nas decisões gerenciais mediante um ambiente competitivo acirrado. as decisões do primeiro e segundo níveis são tomadas pelas mesmas pessoas. o planeamento estratégico de marketing e o planeamento operacional de marketing podem ser desenvolvidos como um processo único (e em organizações menores. Em organizações com múltiplos negócios. Existem ainda aquelas que contratam consultores de marketing para redigir o plano. de modo a conquistar vantagem competitiva e contribuir para o crescimento da organização. destacam-se: Habilidade de entender os outros e saber negociar. ao gestor de marca ou ao gestor de produto. Os gestores deverão participar do processo por constituírem os agentes facilitadores do mecanismo de consecução das acções contidas no plano de marketing. embora muitas organizações recorram a comités executivos. Em algumas empresas. Eficiência sobre os aspectos críticos do desempenho ao gerir as tarefas de marketing. Qual é o nosso negócio? Quem é o cliente? O que tem valor para o cliente? O que se pretende proporcionar de beneficios aos nossos clientes ? A Missão corporativa deve responder a estas perguntas aparentemente simples. Se uma determinada organização contar apenas com uma única unidade de negócios. por exemplo. uma espécie de sonho impossível que fornece um direcionamento a longo prazo. Missão corporativa A missão corporativa está relacionada com o direcionamento da empresa mediante seus funcionarios e colaboradores. Como elementos comportamentais desejáveis nesses gestores. em cada unidade de negócio. a responsabilidade pode caber ao gestor de marketing. As melhores missões são aquelas guiadas por uma visão utópica de realização. os planos são elaborados por um comité. a área funcional de marketing irá desenvolver o processo de planeamento tendo em vista a formulação de estratégias competitivas e a consecução dos objectivos da unidade de negócio em mercados específicos. devem ser identificadas as unidades operacionais e os gestores responsáveis pela realização das várias actividades previstas no programa de acções. que avaliam e filtram os planos de marketing antes de submetê-los ao dirigente que o aprovará. É aquela . as decisões no nível da unidade de negócios são tomadas pelos executivos de maior nível dentro da unidade. Força para ser justo. ainda. No plano de marketing.A formulação estratégica no nível funcional relaciona-se com o processo por intermédio do qual as várias áreas funcionais da empresa irão usar seus recursos para a implementação das estratégias empresariais. Habilidade de criar uma ambiente informal propício para enfrentar cada problema com o qual se defronte. as decisões são tomadas pelos respectivos gestores. É a finalidade pela qual todos os esforços da empresa estão direcionados totalmente as empresas. em outras. a fim de colocar as pessoas e alocar os recursos onde serão mais eficientes. Em empresas de dimensão média. Exemplo :A Missão da Sadia S/A é: "Alimentar consumidores e clientes com soluções diferenciadas".

Alguns fatores que devem ser levados em conta: Variáveis Ambientais. Opportunities (oportunidades) e Threats (ameaças). segundo PÚBLIO (2008) a análise SWOT foi criada por dois professores da Harvard Business School: Kenneth Andrews e Roland Christensen. todas as empresas perdem dinheiro com alguns de seus clientes. Não há registros precisos sobre a origem desse tipo de análise. Variáveis Culturais/Sociais. Análise da situação Na análise da situação se consideram os dados históricos relevantes sobre o mercado. durante o planejamento estratégico de marketing ou apenas planejamento estrategico. dos acionistas. e têm-se uma visão de como a concorrência tem atuado. e deve ser realizada ao menos uma vez por ano. A sigla SWOT.C. atrair e manter clientes rentáveis. Carl Seweell atesta a conhecida regra 80/20 do . Com isso. ou seja. Análise Ambiental Antever as mudanças e conhecer a situação atual aumenta as chances de um bom planejamento de marketing. aqueles que geram um fluxo de receita e que excede o fluxo de custo de se atrair. e outras ferramentas de marketing são também usadas aqui para revelar o panorama macro e micro ambiental. vender e servi-los. 500 a. Variáveis Psicológicas. reconheça as fraquezas. se isso não for feito de uma maneira lucrativa. Análise de Portfólio Não basta satisfazer os consumidores. Variáveis Demográficas. mudam as intensidades. Em "Customers for life". Variáveis Tecnológicas.que busca atender às necessidades dos clientes. TARAPANOFF (2001:209) indica que a idéia da análise SWOT já era utilizada há mais de três mil anos quando cita em uma epígrafe um conselho de Sun Tzu: ³Concentre-se nos pontos fortes. os costumes e os acontecimentos no processo de comercialização. Todavia. Variáveis Econômicas. Neste momento é imprescindível o bom uso da pesquisa de mercado. da sociedade e também dos funcionários. Por outro lado. Variáveis Jurídicas/Políticas. pois estes são justamente os pontos a serem analisados. Weaknesses (fraquezas). a análise SWOT. agarre as oportunidades e proteja-se contra as ameaças ´ (SUN TZU. vem das iniciais das palavras inglesas Strenghts (forças). Isto devido ao Marketing ser influenciado por uma gama de variáveis macroambientais que representam fatores existentes no contexto da empresa e que muitas vezes fogem ao seu controle. Análise SWOT A análise SWOT é uma poderosa ferramenta de planejamento estratégico. é difícil encontrar uma literatura que aborde diretamente esse tema. a empresa e o produto. A matriz BCG.) Apesar de bastante divulgada e citada por autores. Faz-se uma análise de como o composto mercadológico tem sido usado. A estratégia de marketing deve portanto identificar.

foi pioneiro na análise do portfólio de produtos ou unidades de negócios. Os segmentos são tanto mais sinergéticos quanto mais próximos estiverem dos segmentos actuais. conhecer a disponibilidade desses recursos e a capacidade de os obter. Decisão Escolher a alternativa que melhor serve os objectivos delineados. Existem também diferentes rentabilidades para cada produto ou serviço. Utilidade do Plano Estratégico As necessidades de planeamento estratégico dependem das oportunidades e ameaças de cada empresa. metade do qual é perdido para atender a base formada por 20% de clientes não-rentáveis. resumir-se em cinco aspectos. novos canais de distribuição ou até mesmo novos horários de trabalho. Terceiro procurar novos segmentos em que a empresa não esteja presente a operar e que potencialmente são mais sinergéticos em relação aos actuais segmentos. O modelo do Boston Consulting Group. conhecido como Matriz BCG. Onde está o nosso Cliente? Ao definir onde estão os clientes podemos criar novas áreas geográficas. Os dois métodos normalmente utilizados para identificar novas estratégias são a análise de clientes e segmentação. Formulação de alternativas estratégicas Identificar estratégias alternativas para solucionar problemas ou aproveitar oportunidades. Analisar e gerir a mudança . Um planeamento eficaz necessita de identificar essas oportunidades.Princípio de Pareto. e todos constituem oportunidades potencias. (informação que pode vir da análise de clientes). Quais as necessidades dos nossos clientes que não estão a ser satisfeitas? Ao definirmos as necessidades não satisfeitas estamos a criar novas oportunidades de negócio. Avaliação das alternativas Analisar e estudar as consequências de cada uma das alternativas. O que é que o cliente Valoriza? Ao definirmos o valor do produto estamos a criar potenciais inovações ao actual produto. nomeadamente: Quem é o nosso cliente? Ao definir quem compra à nossa empresa estamos também a definir quem não compra. A utilidade do planeamento pode. O passo seguinte é apagar os segmentos que durante a análise do histórico da empresa se pretende abandonar. Segmentação O método da segmentação para criar oportunidades é baseado na matriz de segmentos.Primeiro deve se construir a matriz de segmentação com todos os segmentos onde a empresa opera. Cada matriz deve conter a estratégia actualmente utilizada (que nem sempre corresponde à planeada). segundo Bernard Viollier (Presidente da AFPLANE). A opção de manter a estratégia em vigor e por vezes a melhor decisão e nunca pode ser descurada. 1. mostra que 20% dos principais clientes podem gerar até 80% do lucro da empresa. compreender os recursos necessários para as gerir. Análise de Clientes A análise de clientes permite responder a perguntas que podem criar novas oportunidades. Potencialidade de Novos clientes a serem servidos (especialmente semelhantes os actuais). A implicação é que uma organização pode ser mais rentável se souber como "dispensar" seus piores clientes.

Ao serviço da estratégia e dos gestores. Lisboa. ATIVIDADES PRINCIPAIS‡ Analisar as oportunidades de negócios em diferentes setores. Thomas S. 2008. postado por ADMINISTRAÇÃO às 17:01 | 0 Comentários segunda-feira. JORDAN. financeiro. Hugues. Permitir a integração da empresa 5. seguro. Scott A. Administração: construindo vantagem competitiva. São Paulo: Atlas. O curso pretende desenvolver nos alunos competências para gerenciar e liderar organizações focadas nas diversas áreas de negócios. ‡ Analisar resultados de negócios. Marcelo A. concepção e execução de projetos de cunho empresarial. educação.2. São Paulo: Atlas. O Controlo da Gestão . ‡ Gerenciar negócios empresariais. MERCADO DE TRABALHO ‡ Gerente de Organizações. RODRIGUES. ‡ Supervisionar produção e logística. ‡ Analista de Mercado. 2008. SNELL. envolvendo formulação e interpretação de cenários. ‡ Analista de Negócios e de Resultados. desde o planejamento até as operações dos processos que constituem os negócios da empresa.. ‡ Analisar a economia nos aspectos mercadológicos. BATEMAN. lazer e entretenimento. tais como: imobiliário. ‡ Gerente de Vendas. de varejo. ‡ Supervisor de Produção. ‡ Supervisor de Cadeia de Suprimentos. 8a edição. Instrumento de aprendizagem [editar] Referências PÚBLIO. Como Planejar e Executar uma CAMPANHA DE PROPAGANDA. ‡ Analisar informações do mercado do setor para gestão de negócios. 11 de agosto de 2008 GESTÃO MERCADOLÓGICA OBJETIVO GERAL O Curso de Gestão Mercadológica tem por objetivo formar profissionais com conhecimentos para atuar em diversos tipos de negócios. 1998. João. Traçar as via de desenvolvimento coerente 3. José A. . Áreas Editora. CARVALHO DAS NEVES. ‡ Supervisor de Operações de Negócios. Melhorar os resultados da empresa 4.

É uma ferramenta administrativa que possibilita a observação de tendências e a criação de novas oportunidades de consumo visando a satisfação do cliente e respondendo aos objetivos financeiros e mercadológicos das empresas de produção ou prestação de serviços (FRAGA. movimentação e amazenagem de produtos dentro e fora das empresas. Marketing se observada de forma pragmática.American Marketing Association . É também amplamente usado para "vender" idéias e programas sociais. 1986). executar e controlar eficientemente. MARKETING Marketing tem muitas definições técnicas e até tentativas de tradução para o português como "Mercadologia" (RICHERS. então. Marketing é o conjunto de operações que envolvem a vida do produto. Técnicas de marketing são aplicadas em todos os sistemas políticos e em muitos aspectos da vida. desde a planificação de sua produção até o momento em que é adquirido pelo consumidor (Dicionário Michaelis). mas não está limitado aos bens de consumo. 2006). Marketing são as atividades sistemáticas de uma organização humana voltadas à busca e realização de trocas para com o seu meio ambiente. O conceito contemporâneo de Marketing engloba a construção de um satisfatório relacionamento a longo prazo do tipo ganha-ganha no qual indivíduos e grupos obtêm aquilo que desejam e necessitam. afirmar que Marketing é o estudo do mercado. presentes e futuras. a comunicação e a entrega de valor para os clientes. (AMA .Nova definição de 2005). O QUE É LOGÍSTICA? É o processo de planejar. Marketing é a entrega de satisfação para o cliente em forma de benefício (KOTLER e ARMSTRONG. visando benefícios específicos (RICHERS. que visam a satisfação das necessidades dos clientes. Robson. mas tambem realizaçao. bem como a administração do relacionamento com eles. garantindo a integridade e os prazos de entrega dos produtos aos usuários e clientes. no uso diário. 1986) ou "Mercância" (GRACIOSO. A Logística é a área da gestão responsável por prover recursos. de modo que beneficie a organização e seu público interessado. Marketing é um processo social por meio do qual pessoas e grupos de pessoas obtêm aquilo de que necessitam e o que desejam com a criação. Marketing é uma função organizacional e um conjunto de processos que envolvem a criação. oferta e livre negociação de produtos e serviços de valor com outros (KOTLER e KELLER. Marketing engloba todo o conjunto de atividades de planejamento. o transporte. 2006). Marketing é o conjunto de estratégias e ações que provêem o desenvolvimento. através de produtos/serviços existentes ou novos.‡ Supervisor de Vendas. significa: "comercialização". concepção e concretização. a custo correto. a palavra assume sua tradução literal: Mercado. Seguem algumas consideradas mais significativas: Marketing idiomaticamente. 1971). o lançamento e a sustentação de um produto ou serviço no mercado consumidor (Dicionário Novo Aurélio). Pode-se. 1999). O marketing se originou para atender as necessidades de mercado. equipamentos e .

reparação. ORIGEM DO NOME O termo logística. 1986. satisfazer o cliente ao menor custo total (Ferreira. p. organização e execução de tarefas logísticas. processamento de pedidos e gerenciamento de informações.informações para a execução de todas as atividades de uma empresa. obtenção. O Oxford English dicionário define logística como: ³O ramo da ciência militar responsável por obter. desde o ponto de origem até o ponto de consumo. 31). de acordo com o Dicionário Aurélio. eram necessários grandes e constantes deslocamentos de recursos.literalmente: sistema de automação e gerenciamento de depósitos. p.1045). transporte. "Logística é a parte do Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento que planeja. armazenamento. nem sempre o mais curta. Para transportar as tropas. 2005. dar manutenção e transportar material. que significa razão. já que ambas tem a finalidade de satisfazer o cliente com o menor custo possível. 27). 2002. Pela definição do Council of Logistics Management. pessoas e equipamentos. HISTÓRIA Desde os tempos bíblicos os líderes militares já se utilizavam da logística. movimentação de materiais. p. implementa e controla o fluxo e armazenamento eficiente e econômico de matérias-primas. diretivas inteligentes de picking. Uma das principais ferramentas da logística é o WMS. Logística também pode ser definido como. manutenção e evacuação de material para fins operativos ou administrativos³. vem do francês Logistique e tem como uma de suas definições "a parte da arte da guerra que trata do planejamento e da realização de: projeto e desenvolvimento.´ Em outro dicionário: ³O tempo relativo ao posicionamento de recursos´. Entre as atividades da logística estão o transporte. armamentos e carros de guerra pesados aos locais de combate eram necessários um planejamento. Pode-se dizer então que os termos Logística e Cadeia de Suprimentos tem o mesmo significado. Como tal. consolidação automática e cross-docking para maximizar o uso do valioso espaço do armazéns. transporte. Outros historiadores defendem que a palavra logística vem do antigo grego logos . logística geralmente se estende ao ramo de engenharia gerando sistemas humanos ao invés de máquinas. armazéns e linhas de produção) é uma parte importante da cadeia de suprimentos (ou supply chain) e fornece a rotação dirigida de estoques. pensar e analisar. pois era necessário ter uma fonte de água potável próxima. Warehouse Management System . com o propósito de atender às exigências dos clientes³ (Carvalho. bem como as informações a eles relativas. armazenagem e distribuição de equipamentos e suprimentos (Dias. distribuição. cálculo. do inglês. As guerras eram longas e geralmente distantes. em português . armazenamento. materiais semi-acabados e produtos acabados. . que envolviam a definição de uma rota.

A verdadeira tomada de consciência da logística como ciência teve sua origem nas teorias criadas e desenvolvidas pelo Tenente-Coronel Thorpe. o Tenente Rogers introduziu a Logística. enquadrando-a como ³a ciência dos detalhes dentro dos Estados-Maiores´. mas devem ser consideradas como uma preparação para a mesma´. Carl von Clausewitz dividia a Arte da Guerra em dois ramos: a tática e a estratégia. comentou que. demorou algum tempo para que estes conceitos se desenvolvessem na literatura militar. O Almirante Henry Eccles. Não falava especificamente da logística . disponibilidade constante dos produtos. ao encontrar a obra de Thorpe empoeirada nas estantes da biblioteca da Escola de Guerra Naval. Em 1888. em Newport. na Campanha do Pacífico. ³Organização´ e ³Economia de Guerra´. entre outros.Na antiga Grécia. Até o fim da Segunda Guerra Mundial a Logística esteve associada apenas às atividades militares. abreviação oficial: USMC) . Entretanto. que se deve. no ano de 1917. novas metodologias de custeio. na Escola de Guerra Naval dos Estados Unidos da América. . a logística situa-se no mesmo nível da estratégia e da tática dentro da Arte da Guerra. os militares com o título de µLogistikas¶ eram os responsáveis por garantir recursos e suprimentos para a guerra. contemporâneo de Clausewitz. raramente aparecia a palavra "Logística". Assim. a estratégia e a tática proporcionam o esquema da condução das operações militares. como matéria. com o avanço tecnológico e a necessidade de suprir os locais destruídos pela guerra. Segundo Thorpe. o uso da palavra "logística".. empregando-se normalmente termos tais como ³Administração´. Roma e no Império Bizantino. É a Antoine-Henri Jomini. foi um dos primeiros estudiosos da Logistica Militar. pela primeira vez. existe na Guerra um grande número de atividades que a sustentam. do Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos da América . Eccles. A realidade é que. sendo considerado como o ³pai da logística moderna´ (Brasil. Chefe da Divisão de Logística do Almirante Chester Nimitz. até a 1ª Guerra Mundial. porém reconheceu que. novas ferramentas para redefinição de processos e adequação dos negócios (Exemplo: Resposta Eficiente ao Consumidor Efficient Consumer Response). análises de longo prazo com incrementos em inovação tecnológica.em nossos dias. em 1945. se os EUA seguissem seus ensinamentos teriam economizado milhões de dólares na condução da 2ª Guerra Mundial. a logística passou também a ser adotada pelas organizações e empresas civis.. redução nos prazos de entrega e aumento da qualidade no cumprimento do prazo. ³. publicou o livro ³Logística Pura: a ciência da preparação para a guerra´. LOGÍSTICA NO BRASIL E NO MUNDO As novas exigências para a atividade logística no Brasil e no mundo passam pelo maior controle e identificação de oportunidades de redução de custos. programação das entregas. ou Jomini. 2003). Após este período.. facilidade na gestão dos pedidos e flexibilização da fabricação. enquanto a logística proporciona os meios´.que.. definindo-a como ³a ação que conduz à preparação e sustentação das campanhas´. pela primeira vez.(em inglês: United States Marine Corps.

2002.( remessa para manutenção e assistência). outra subdivisão da logística quanto ao ponto(unopar. A partir dos anos 50 e 60. 2007. ATIVIDADES ENVOLVIDA A logística é dividida em dois tipos de atividades . Suprimentos.as principais e as secundárias (Carvalho. p.A.Apesar dessa evolução até a década de 40. p. havia poucos estudos e publicações sobre o tema. Secundárias: Armazenagem. logística de distribuição:distribuição física dos produtos. motivado por uma nova atitude do consumidor. . 48): logística interna: cuida do fluxo interno de movimentação e distribuição. Planejamento e Sistema de informação. foi então que surgiu o conceito de logística empresarial.M. Embalagem. Nesse novo contexto da economia globalizada. Manutenção de Estoques. Irá apoiar o marketing para assegurar a imagem da empresa. as empresas começaram a se preocupar com a satisfação do cliente. cuida da substituição e do conserto dos produtos com avaria. empurrado pelas demandas ocasionadas pela globalização. está ligada às áreas de suprimento e distribuição. a logística passa a ter realmente um desenvolvimento revolucionário. sendo obrigadas a passar de moldes multinacionais de operações para moldes mundiais de operação. mesmo dentro de seu território local. logística reversa: R. Kanban e Just-in-time. as empresas passam a competir em nível mundial. Processamento de Pedidos. Após os anos 80. 37): Principais: Transportes. vai garantir o nível do serviço ofertado ao cliente. pela alteração da economia mundial e pelo grande uso de computadores na administração. Manuseio de materiais. Os anos 70 assistem à consolidação dos conceitos como o MRP (Material Requirements Planning).