You are on page 1of 238

Elementos de

Instalações
Elétricas
Prediais
versão preliminar

SENAI - RJ
Elementos de
Instalações
Elétricas
Prediais

Rio de Janeiro
2003
FIRJAN – Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro
Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira
Presidente

Diretoria Corporativa Operacional


Augusto Cesar Franco de Alencar
Diretor

SENAI – Rio de Janeiro


Fernando Sampaio Alves Guimarães
Diretor Regional

Diretoria de Educação
Regina Maria de Fátima Torres
Diretora
Elementos de
Instalações
Elétricas
Prediais

SENAI - RJ
Elementos de Instalações elétricas prediais
© 2003
SENAI - Rio de Janeiro
Diretoria de Educação

FICHA TÉCNICA
Luís Roberto Arruda
Gerência de Educação Profissional - SENAI-RJ
Carlos Bernardo Ribeiro Schlaepfer
Gerência de Produto
Vera Regina Costa Abreu
Produção Editorial
Antonio Gomes de Mello
Pesquisa de Conteúdo e Redação
Izabel Maria de Freitas Sodré
Revisão Pedagógica
Izabel Maria de Freitas Sodré
Revisão Gramatical e Editorial
Antonio Gomes de Mello
Revisão Técnica
Angela Elizabeth Denecke

g-dés design
Projeto Gráfico
Emerson Gonçalves
Editoração Eletrônica

Edição revista e ampliada do material


Elementos de Instalações elétricas prediais

Material para fins didáticos


Propriedade do SENAI-RJ
Reprodução total ou parcial, sob expressa autorização

SENAI-RJ
GEP-Gerência de Educação Profissional

Rua Mariz e Barros, 678 – Tijuca


20270-002 – Rio de Janeiro-RJ
Tel.: (0xx21) 2587-1121
Fax: (0xx21) 2254-2884
www.rj.senai.br
Introdução

1- Normas de segurança. . . . . . . . . . . . . . . . 17
1.1 - Equipamentos de proteção . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
1.1.1 - Equipamentos de proteção coletiva - EPC . . . . . . . . . . . . . . . 19
1.1.2 - Equipamentos de proteção individual - EPI. . . . . . . . . . . . . . . 20
1.1.3 - Equipamentos de proteção individual do eletricista . . . . . . . . . . 21
1.2 - Cuidados específicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
1.2.1 - PC de força . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
1.2.2 - Quadro de tomadas - andares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
1.2.3 - Quadro de tomadas - concretagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
1.2.4 - Iluminação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
1.2.5 - Gambiarras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
1.3 - Recomendações gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
1.4 - Fontes de choque elétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
1.4.1 - Choque elétrico - definição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
1.4.2 - Efeitos indiretos e diretos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
1.4.3 - Resistência elétrica do corpo humano . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
1.4.4 - Tensões de toque e passo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
1.4.5 - Tensões de passo e toque . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
1.4.6 - Tabela de acidentes com eletricidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
1.5 - Segurança do trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
1.5.1 - Regras básicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
1.5.2 - Regras para o trabalho com energia elétrica . . . . . . . . . . . . . . 26

2 - Aplicação de conhecimento de leitura e


interpretação de plantas . . . . . . . . . . . . . . . 29
2.1- Escalas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
2.1.1 - Conceito. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
2.1.2 - Tipos de escala . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
2.2 - Planta baixa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
2.3 - Simbologia das instalações elétricas . . . . . . . . . . . . 36
2.4 - Projeto de instalação elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . 37

3 - Montagem e instalação de
sistemas de tubulações . . . . . . . . . . . . . . . . 39
3.1 - Localização de elementos e traçado de
percurso da instalação elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
3.1.1 - Rede elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
3.1.1.1 - Rede exposta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
3.1.1.2 - Rede embutida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
3.1.2 - Materiais utilizados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
3.1.2.1 - Lápis de carpinteiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
3.1.2.2 - Giz de alfaiate . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
3.1.2.3 - Escadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
3.1.2.4 - Linha de bater . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
3.1.2.5 - Prumo de centro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
3.1.2.6 - Metro articulado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
3.1.2.7 - Trena. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
3.1.2.8 - Nível . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
3.1.3 - Localização de elementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
3.1.3.1 - Tomada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
3.1.3.2 - Interruptor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
3.1.3.3 - Lâmpada. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
3.1.4 - Traçado do percurso da instalação elétrica . . . . . . . . . . . . . . . 48
3.1.4.1 - Na parede . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
3.1.4.2 - No teto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
3.2 - Montagem e instalação de
tubulações metálicas e PVC com caixas e conduletes . . . . . . 49
3.2.1 - Eletrodutos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
3.2.1.1 - Eletroduto rígido metálico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
3.2.1.2 - Eletroduto rígido plástico (PVC) . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
3.2.1.3 - Eletrodutos flexíveis metálicos (conduítes) . . . . . . . . . . . . 51
3.2.1.4 - Tabelas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
3.2.2 - Corte, abertura de roscas e curvamento . . . . . . . . . . . . . . . . 52
3.2.2.1 - Ferramentas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
3.2.2.1.1 - Serra manual. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
3.2.2.1.2 - Corta-tubos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
3.2.2.1.3 - Tarraxa simples com catraca. . . . . . . . . . . . . . . . 53
3.2.2.1.4 - Tarraxa para PVC . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
3.2.2.1.5 - Morsa de bancada para tubos . . . . . . . . . . . . . . . 54
3.2.2.1.6 - Morsa de corrente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
3.2.2.1.7 - Limatão redondo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
3.2.2.1.8 - Almotolia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
3.2.2.1.9 - Vira - tubos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
3.2.2.2 - Curvatura de eletroduto rígido metálico . . . . . . . . . . . . . . 57
3.2.2.2.1 - Fases da operação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
3.2.2.2.2 - Maçarico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
3.2.2.2.3 - Soprador térmico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
3.2.2.2.4 - Mola . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
3.2.2.2.5 - Areia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
3.2.3 - Junção com luvas, buchas e arruelas. . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
3.2.3.1 - Luva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
3.2.3.1.1 - Luvas e conectores sem rosca . . . . . . . . . . . . . . 64
3.2.3.2 - Buchas e arruelas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
3.2.4 - Fixação e estanqueidade de caixa de
passagem em paredes e lajes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
3.2.4.1 - Caixas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
3.2.5 - Conduletes roscáveis e sem rosca . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
3.2.5.1 - Conduletes roscáveis – tipos e bitolas . . . . . . . . . . . . . . 67
3.2.5.2 - Conduletes sem rosca. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
3.2.5.3 - Conduletes com ou sem rosca,
equipados com acessórios elétricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69

Mãos-à-obra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
4 - Enfiação e conexão de condutores elétricos . . . 71
4.1 - Materiais e ferramentas para emenda de condutores . . . 73
4.1.1 - Ferro elétrico de soldar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
4.1.2 - Solda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
4.1.3 - Breu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
4.1.4 - Fita isolante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
4.2 - Emendas de condutores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
4.2.1 - Emendas em prosseguimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
4.2.2 - Emendas em derivação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
4.2.3 - Emendas na caixa de passagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
4.2.4 - Utilização da solda, do cadinho e da pasta de soldar . . . . . . . . . 80
4.3 - Tracionamento de condutores em tubulações . . . . . . . . 81
4.4 - Componentes de acionamento . . . . . . . . . . . . . . . 82
4.4.1 - Interruptor de uma seção e lâmpada incandescente . . . . . . . . . . 82
4.4.1.1 - Interruptor de uma seção (simples) . . . . . . . . . . . . . . . . 82
4.4.1.2 - Receptáculo reto normal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82
4.4.1.3 - Lâmpada incandescente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82
4.4.1.4 - Diagrama unifilar e multifilar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
4.4.2 - Interruptor de duas seções e lâmpadas incandescentes . . . . . . . 84
4.4.2.1 - Interruptor de duas seções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
4.4.2.2 - Diagrama multifilar e unifilar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
4.4.3 - Interruptor de três seções e lâmpadas incandescentes . . . . . . . . 85
4.4.4 - Interruptor paralelo (three - way) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
4.4.5 - Interruptor intermediário (four - way) . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86

Mãos-à-obra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88

5 - Montagem e instalação de
sistema de acionamento; iluminação . . . . . . . . . 89
5.1- Peças e aparelhos instalados em
iluminação fluorescente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
5.1.1 - Luminária fluorescente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
5.1.2 - Calha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
5.1.3 - Receptáculo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
5.1.4 - Difusor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
5.1.5 - Starter. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
5.1.6 - Suporter starter . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
5.1.7 - Reator . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
5.1.8 - Lâmpada fluorescente de catodo preaquecido . . . . . . . . . . . . . 93
5.1.8.1 - Lâmpadas fluorescentes circulares . . . . . . . . . . . . . . . . 93
5.1.8.2 - Lâmpadas fluorescentes compactas eletrônicas . . . . . . . . . 94
5.2 - Lâmpadas fluorescentes X Lâmpadas incandescentes . . . 94
5.3 - Diagramas com lâmpadas fluorescentes . . . . . . . . . . 95
5.3.1 - Comandadas por interruptores paralelos
(three-way – 2 comandos) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
5.3.2 - Comandadas por interruptores paralelos
(three-way) e intermediário(s) (four-way – 3 comandos) . . . . . . . . . . . . 96

Mãos-à-obra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95

6 - Tomadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
6.1 - Normas de instalações elétricas em iluminação e tomadas
(NBR - 5410) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
6.1.1 - Tomadas de corrente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100

Mãos-à-obra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101

7 - Montagem e instalação de sistema de


acionamento e de sensores de presença . . . . . 103
7.1 - Interruptor automático por presença . . . . . . . . . . . 105
7.2 - Sensor de presença . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
7.2.1 - Tipos e esquemas de ligação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
7.3 - Instalação de fotocélula . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108

Mãos-à-obra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109

7.4 - Instalação de chave de bóia . . . . . . . . . . . . . . . . 109


7.4.1 - Funcionamento da chave de bóia de contatos de mercúrio . . . . . 109
7.4.2 - Funcionamento da chave de bóia flutuante de
contatos de mercúrio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110
7.5 - Instalação de disjuntor termomagnético. . . . . . . . . . 111
7.5.1 - Disjuntor termomagnético. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
7.5.2 - Tipos e utilização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
7.6 - Dispositivos DR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
7.6.1 - Interruptores DR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
7.6.2 - Disjuntores DR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
7.6.3 - Corrente diferencial-residual de atuação . . . . . . . . . . . . . . . 113
7.7 - Quadro de distribuição . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
7.7.1 - Ligações típicas de um QD . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115

Mãos-à-obra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124
7.8 - Instalação de minuterias. . . . . . . . . . . . . . . . . . 124
7.8.1 - Minuteria eletromecânica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124
7.8.1.1 - Funcionamento da minuteria eletromecânica . . . . . . . . . . 126
7.8.2 - Minuteria modular universal (eletrônica) . . . . . . . . . . . . . . . 127
7.8.3 - Minuteria eletrônica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
7.8.4 - Minuteria individual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129

Mãos-à-obra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129

7.9 - O programador horário (Time-switch) . . . . . . . . . . . 130

8 - Aterramento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135
8.1 - Conceito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137
8.2 - Surtos, descargas atmosféricas . . . . . . . . . . . . . . 137
8.2.1 - Surtos em linhas de força . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137
8.2.2 - Surtos em linhas de transmissão de dados. . . . . . . . . . . . . . 138
8.2.3 - Descargas atmosféricas (raios) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138
8.3 - Proteção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138
8.3.1 - Blindagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138
8.3.2 - Segurança contra choques elétricos . . . . . . . . . . . . . . . . . 138
8.3.3 - Curto-circuito fase-terra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139
8.4 - Sistemas de aterramento . . . . . . . . . . . . . . . . . 139
8.4.1 - Esquemas de aterramento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140
8.5 - Valor da resistência de aterramento . . . . . . . . . . . . 142
8.5.1 - Instalações elétricas de baixa tensão. . . . . . . . . . . . . . . . . 142
8.5.2 - Computadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142
8.5.3 - Telecomunicações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143
8.6 - Componentes e materiais . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
8.6.1 - Hastes. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
8.6.2 - Cabos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
8.6.3 - Conectores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
8.6.4 - Solda exotérmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
8.6.5 - Poço de inspeção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
8.6.6 - Poço de aterramento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146
8.6.7 - Eletrodos de aterramento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146
8.6.8 - Condutor de proteção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146
8.7 - Novidades da NBR-5410/97. . . . . . . . . . . . . . . . 147
8.7.1 - Integração dos aterramentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147

Mãos-à-obra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148

9 - Instalação de computadores. . . . . . . . . . . 149


9.1 - Tomada para computador . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
9.2 - Estabilizador de voltagem . . . . . . . . . . . . . . . . . 153

10 - Instalação de nobreaks
(estabilizador de pequeno porte) . . . . . . . . . . 155
10.1 - Princípio de funcionamento do “nobreak” (não cair) . . . 157
10.2 - Entrada e saída de tensões . . . . . . . . . . . . . . . 159

11 - Circuitos internos de telefone . . . . . . . . . 161


11.1 - Previsão dos pontos telefônicos . . . . . . . . . . . . . 163
11.2 - Determinação do número de caixas de saída . . . . . . 164
11.3 - Determinação da altura e do
afastamento do cabo de entrada aéreo. . . . . . . . . . . . . 165
11.4 - Instalação de tomada para telefone . . . . . . . . . . . 165
11.4.1 - Instalação embutida em tubulação . . . . . . . . . . . . . . . . . 166
11.5 - Emenda de fios internos . . . . . . . . . . . . . . . . . 168

12 - Padrão 12kW (simplificado para


fornecimento de energia em baixa tensão a
consumidores – montagens) . . . . . . . . . . . . 171
12.1 - Determinação de carga instalada . . . . . . . . . . . . 173
12.2 - Condições gerais de fornecimento . . . . . . . . . . . . 174
12.3 - Ramais de ligação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175
12.4 - Ramais de entrada (ligação) . . . . . . . . . . . . . . . 175
12.5 - Exemplos de ramais de ligação . . . . . . . . . . . . . 177
13 - Instalação de motores elétricos . . . . . . . . 209
13.1 - O motor elétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 211
13.1.1 - Motores de corrente contínua . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 211
13.1.2 - Motores de corrente alternada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 211
13.1.3 - Motor monofásico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 212
13.1.4 - Motor trifásico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213
13.1.5 - Chaves monofásicas de comando direto . . . . . . . . . . . . . . 216
13.2 - Instalação de chaves de comando de motores CA . . . 217
13.2.1 - Chaves de comando (monofásica e trifásica) . . . . . . . . . . . . 217
13.2.1.1 - Chave monofásica de reversão manual . . . . . . . . . . . . 217
13.2.1.2 - Chave trifásica de partida direta . . . . . . . . . . . . . . . . 218
13.2.1.3 - Chave reversora de comando manual tripolar. . . . . . . . . 219
13.2.1.4 - A chave estrela-triângulo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 220

14 - Eletrobomba . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 221
14.1 - Bomba centrífuga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 223
14.2 - Motobomba monofásica . . . . . . . . . . . . . . . . . 223
14.3 - Funcionamento da bomba centrífuga . . . . . . . . . . 224
14.4 - Diagramas unifilar e multifilar da motobomba
comandada por chave de bóia . . . . . . . . . . . . . . . . . 224
14.5 - Funcionamento do motor monofásico . . . . . . . . . . 225
14.5.1 - Correção de prováveis defeitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 226
14.6 - Diagrama dos circuitos principal e de comando para
motor trifásico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 227
14.6.1 - Funcionamento do circuito da
motobomba trifásica com chave de bóia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 228
14.6.1.1 - Diagrama do circuito auxiliar ou de comando . . . . . . . . . 228
14.6.1.2 - Funcionamento do circuito auxiliar . . . . . . . . . . . . . . . 228
14.6.1.3 - Diagrama do circuito principal . . . . . . . . . . . . . . . . . 229
14.6.1.4 - Funcionamento do circuito principal . . . . . . . . . . . . . . 229
14.6.1.5 - Diagrama unifilar da motobomba trifásica,
com chave magnética . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 230
14.6.1.6 - Diagrama multifilar da motobomba trifásica,
com chave magnética e chaves de bóia . . . . . . . . . . . . . . . . . 231

15 - Ventilador de teto . . . . . . . . . . . . . . . . 233


Introdução

A preocupação do SENAI-RJ em oferecer cursos atualizados a partir de


um processo de delineamento de perfis profissionais de competências, levou à
instalação, em 1997, do Comitê Técnico Setorial de Instalações Prediais – Eletrici-
dade.

Esse fórum consultivo setorial – dentre outros igualmente existentes – é inte-


grado por representantes do setor produtivo, do acadêmico e de representantes da
própria instituição e tem por finalidade estabelecer o delineamento daqueles perfis,
a partir dos quais poderão ser traçados caminhos sempre mais atuais – e por isso
mais eficazes – para os cursos oferecidos pela instituição.

Este livro foi elaborado com base no resultado do trabalho de desenho


pedagógico realizado a partir dos perfis profissionais do eletricista de obras, apon-
tados e delineados pelo Comitê Técnico Setorial de Instalações Prediais – Eletrici-
dade, dentro dos princípios e orientações da concepção de educação profissional do
SENAI-RJ. Trata-se, portanto, de programa formativo modularizado e concebido
pedagogicamente com vistas a favorecer a construção progressiva da competência e
da capacidade de transferência de conhecimentos, demandados hoje para a atuação
produtiva em um contexto de constantes mudanças.
01Normas
de segurança
Toda norma de segurança é um princípio técnico e científico, baseado em
experiências anteriores, que se propõe a nos orientar sobre como prevenir aci-
dentes em determinada atividade.

1.1 – Equipamentos de proteção

1.1.1 – Equipamentos de proteção coletiva – EPC


São equipamentos instalados pelo empregador, nos locais de trabalho,
para dar proteção a todos os que ali executam suas tarefas, preservando a inte-
gridade física do empregado no exercício das suas funções.

Contam-se entre eles:


· fusíveis e disjuntores;
· andaimes;
· apara-lixos;
· balaústres;
· corrimão;
· placas e avisos;
· aparelhos de ar condicionado;
· aspiradores de pó e gases;
· ventiladores e exaustores;
· tampas;
· extintores de incêndio;
· mangueira;
· hidrantes;
· guarda-corpos;
· barreira de proteção contra luminosidade e radiação;
· telas, etc.

01 Normas de
Segurança 19
SENAI - RJ
A sua vida pode depender do bom estado desses equipamentos. Portanto, zele por
eles.

1.1.2 – Equipamentos de proteção individual – EPI


São equipamentos de uso pessoal, cuja finalidade é proteger o trabalhador
contra os efeitos incomodativos e/ou insalubres dos agentes agressivos. A NR-6
da Portaria nº 3214, de 08/06/78, do Ministério do Trabalho, regulamenta o
assunto, tornando obrigatório o fornecimento gratuito do EPI pelo empregador
e o uso, por parte do trabalhador, apenas para a finalidade a que se destina.

Destacam-se entre eles:

• capacete contra impactos – para a proteção do crânio. Também se faz


essa proteção com touca, rede, gorro e boné, contra a ação de arranca-
mento do couro cabeludo (escalpelamento);

• respiradores (filtro mecânico ou químico) ou máscaras (oxigênio ou ar


mandado) contra a ação de poeiras, gases e vapores, com a finalidade de
proteger as vias respiratórias;

• abafadores de ruído (tipo concha ou inserção) para proteção da


audição;

• óculos, de vários tipos, contra a ação de impacto e radiação luminosa,


para proteção dos olhos;

• viseira ou protetor facial, para proteção da face contra a ação de impacto


e radiação luminosa;

• avental, contra a umidade, calor, cores, respingos, etc. para proteção do


tronco;

• braçadeiras ou luva de cano, usadas contra a ação de umidade, calor,


corte, respingos, eletricidade, etc.;

• luva de cano curto, médio ou longo, utilizada contra a ação de umidade,


calor, corte, respingos, eletricidade, etc.;

• sapato, botina, bota de PVC, perneira (polainas) e calça-bota para


proteção das pernas e pés contra a ação de umidade, calor, perfuração,
respingos, etc.;

SENAI - RJ
20 01 Normas de
Segurança
• cinto de segurança (comum ou tipo alpinista), usado como proteção
contra queda de altura.

Cuidados necessários em relação aos EPI


Todo EPI deve ser verificado antes de ser usado (EPI defeituoso torna-se
uma condição insegura).

Para cada tipo de serviço existe um EPI apropriado.

Deve-se sempre usar o EPI, cuidando de sua conservação com vistas à sua dura-
bilidade e eficiência.

1.1.3 – Equipamentos de proteção individual do ele-


tricista
Use seus EPI específicos:

– capacete contra impacto;

– cinto de segurança;

– botina vulcanizada para eletricista;

– luvas de borracha para eletricista com


luvas de cobertura;

– porta-ferramentas;

– óculos de segurança.

01 Normas de
Segurança 21
SENAI - RJ
1.2 – Cuidados específicos em:

1.2.1 – PC de força
– Identifique todas as chaves.

– Mantenha, no mínimo, duas chaves-reserva.

– Faça o aterramento do PC.

– Mantenha o PC fechado e sinalizado. Não use cadeado.

– Use somente fusíveis ou disjuntores com amperagem adequada.

– Instale as chaves, de forma que elas fechem de baixo para cima.

– Desligue, sinalize e prenda a chave, se possível, com cadeado, ao fazer


manutenção de um circuito.

1.2.2 – Quadro de tomadas – andares


– Instale no mínimo duas tomadas:

• monofásicas de 127V;

• bifásicas de 220V;

• trifásicas de 220V.

– Ligue as tomadas a uma chave blindada ou a um disjuntor.

– Faça somente ligações com pino (plug).

– Não permita mais de um equipamento na mesma tomada.

1.2.3 – Quadro de tomadas – concretagem


– Instale, no mínimo, duas tomadas trifásicas de 220V.

– Faça somente ligação com pino (plug).

1.2.4 – Iluminação
– Proteja a lâmpada da escada contra contatos acidentais.

SENAI - RJ
22 01 Normas de
Segurança
1.2.5 – Gambiarras
– Faça as gambiarras com pino (plug) e proteção nas lâmpadas.

– Coloque defletor na gambiarra de pintura.

– Instale luminária à prova de explosão na gambiarra para aplicação de


laminados.

1.3 – Recomendações gerais


– Não improvise instalações elétricas.

– Faça emendas resistentes e proteja-as com fita isolante,


mantendo a bitola do fio.

– Substitua as instalações elétricas em mau estado.

– Recolha as instalações e equipamentos elétricos fora de uso.

– Faça o aterramento de todos os equipamentos.

– Não utilize tubulações e ferragens para o aterramento.

– Avise os trabalhadores antes de desligar um circuito.

– Verifique as instalações das máquinas e equipamentos antes


do início das atividades.

– Conserve as suas ferramentas de trabalho em bom estado.

1.4 – Fontes de
choque elétrico
Se você tocar na carcaça do motor,
tomará um choque. Servirá, portanto,
de caminho para a corrente de fuga.

Essa situação está totalmente fora


das previsões, devido ao alto grau de
perigo que a envolve; pode, inclusive,
ser fatal.

01 Normas de
Segurança 23
SENAI - RJ
1.4.1 – Choque elétrico – definição
Choque elétrico é um estímulo rápido e acidental do sistema nervoso do
corpo humano, pela passagem de uma corrente elétrica.

1.4.2 – Efeitos indiretos e diretos


São efeitos indiretos de um choque elétrico:

• quedas;

• ferimentos;

• manifestações nervosas.

Os efeitos que se chamam indiretos são:

• formigamento;

• contração muscular;

• queimaduras;

• parada respiratória;

• parada cardíaca.

1.4.3 – Resistência elétrica do corpo humano


Dados experimentais revelam que:

• o corpo humano tem uma resistência média de 1300Ω;

• uma corrente de 50mA pode ser fatal.

1.4.4 – Tensões de toque e passo


Se uma pessoa toca um equipamento aterrado ou o próprio condutor, pode
ser que se estabeleça – dependendo das condições de isolamento – uma dife-
rença de potencial entre a mão e os pés. Conseqüentemente, teremos a passa-
gem de uma corrente pelo braço, tronco e pernas; dependendo da duração e
intensidade da corrente, pode ocorrer fibrilação no coração, com graves riscos.

SENAI - RJ
24 01 Normas de
Segurança
Esta é a chamada tensão de toque, e é particularmente perigosa nas regiões
externas de uma malha de subestação, principalmente nos cantos.

1.4.5 – Tensões de
passo e toque
Se, mesmo não estando encos-
tando em nada, a pessoa estiver colo-
cada lateralmente ao gradiente de
potencial, estará sujeita a um diferen-
cial de tensão de uma corrente atra-
vés das duas pernas, que geralmente
é de menor valor e não é tão peri-
gosa quanto a tensão de toque, porém
ainda pode causar problemas, depen-
dendo do local e da intensidade.

1.4.6 – Tabela de acidentes com eletricidade

INTENSIDADE PERTURBAÇÕES ESTADO APÓS RESULTADO


(MILIAMPÈRES) SALVAMENTO
POSSÍVEIS O CHOQUE FINAL PROVÁVEL

1 – LIMIAR
NENHUMA NORMAL – NORMAL
EM SENSAÇÃO

Sensação cada vez


mais desagradável à
1a9 medida que a tensão NORMAL DESNECESSÁRIO NORMAL
aumenta; contrações
musculares.

Sensação dolorosa;
contrações violen- MORTE RESPIRAÇÃO RESTABEL.
9 a 20
tas, perturbações APARENTE ARTIFICIAL OU MORTE
circulatórias.

Sensação insupor-
tável; contrações
violentas, pertur- MORTE MUITO
20 a 100 MORTE
bações circulat. APARENTE DIFÍCIL
graves: fibrilação
ventricular/asfixia.

Asfixia imediata; MORTE MUITO


ACIMA DE 100 MORTE
fibrilação ventricular. APARENTE DIFÍCIL

Asfixia imediata; MORTE


VÁRIOS PRATICAMENTE
queimaduras APARENTE MORTE
AMPÈRES IMPOSSÍVEL
graves. IMEDIATA

01 Normas de
Segurança 25
SENAI - RJ
1.5 – Segurança do trabalho
Segurança do trabalho é um conjunto de procedimentos educacionais, téc-
nicos, médicos e psicológicos empregados para evitar lesões a pessoas, danos
aos equipamentos, ferramentas e dependências.

1.5.1 – Regras básicas


1 – Adquira conhecimento do trabalho.

2 – Cumpra as instruções, evite improvisar.

3 – Use o equipamento de proteção adequado.

4 – Use a ferramenta adequada e sem defeitos.

5 – Não brinque e não se arrisque à toa.

6 – Ordem, arrumação e limpeza são vitais.

7 – As falhas devem ser comunicadas ao chefe, se for o caso.

8 – Levante pesos corretamente – peça ajuda.

9 – Você é o responsável pela sua segurança/equipe.

10 – Em caso de acidente, informe à sua chefia, quando houver, ou pro-


cure socorro médico.

11 – Utilize a isolação ou desligue a energia.

1.5.2 – Regras para o trabalho com energia elétrica


1 – Todo circuito sob tensão é perigoso.

2 – Use os equipamentos e isolações adequados.

3 – Só utilize ajuste ou repare equipamentos e instalações elétricas,


quando autorizado.

4 – Sempre que possível, desligue os circuitos antes do trabalho – use


avisos e trancas.

5 – Antes de religar, verifique se outra pessoa não está trabalhando com


o mesmo circuito.

SENAI - RJ
26 01 Normas de
Segurança
6 – Use sinais de advertência e delimite as áreas com a
sinalização adequada.

7 – Não improvise na montagem de instalações/


equipamentos.

8 – Observe rigorosamente as instruções para montagem,


manutenção ou troca de ligações.

9 – Faça inspeção visual antes de usar equipamentos ou


instalações.

10 – Não faça reparo temporário de forma incorreta: gatos,


quebra-galhos causam acidentes.

11 – Não trabalhe em manutenção de equipamentos/


instalações elétricas sob tensão sem conhecimento/
supervisão.

12 – Não use escadas metálicas em trabalho com energia.

13 – Use exclusivamente extintores de CO2 ou pó químico,


quando houver incêndio em equipamentos ou
instalações elétricas.

14 – Fios, barramentos, transformadores devem ficar fora da


área de trânsito de pessoas.

15 – Não use anéis, pulseiras ou outros adornos metálicos


em serviços com energia.

16 – Não use ferramentas elétricas na presença de gases ou


vapores.

17 – Não trabalhe sob tensão em áreas sujeitas à explosão.

18 – Lembre-se de que a corrente elétrica pode ser fatal. A


tensão, nem sempre.

01 Normas de
Segurança 27
SENAI - RJ
02
Aplicação de conhecimento
de leitura e interpretação
de plantas
2.1 – Escalas
Para que haja um bom desempenho no trabalho de um eletricista, são
necessários alguns conhecimentos a respeito de escalas.

2.1.1 – Conceito
Escala é a relação que existe entre o tamanho do desenho de um objeto e
o seu tamanho real.

Ao determinarmos uma escala, primeiramente é necessário ter a


preocupação de que as medidas do objeto e do desenho estejam numa mesma
unidade.

Assim, podemos escrever:

Escala = medidas do tamanho do desenho


medidas reais do objeto

Simplificando, escrevemos da seguinte maneira:


D
E=
R
sendo: E = Escala

D = Medidas do tamanho do desenho

R = Medidas reais do objeto

Utilizando esta fórmula, poderemos determinar três situações:

1 – a escala utilizada para desenhar o objeto;

2 – o tamanho do desenho de um objeto em uma determinada escala;

3 – o tamanho real do objeto desenhado.

02 Aplicação de de leitura e
conhecimento
interpretação de plantas 31
SENAI - RJ
1 – A escala utilizada para desenhar o objeto

Determine a escala em que foi desenhado um quadrado, sabendo que o tamanho


real de sua aresta é 10cm, e no desenho esta aresta está medindo 2cm.
D 2
E= E=
R 10
Simplificando a fração por 2 (isto é, dividindo numerador e denominador por 2),
2 1
E= E=
10 5
Pode-se concluir que o desenho está na escala de 1:5 (lê-se: escala um por cinco).

2 – O tamanho do desenho de um objeto em uma determinada escala

Determine o tamanho do desenho de um quadrado, sabendo que a medida real de


sua aresta é 10cm e que a escala utilizada é de 1:5.
D 1 1 D
E= E= = 5 • D = 10 D = 2cm
R 5 5 10
Feitas as operações, conclui-se que o tamanho do desenho da aresta do quadrado é 2cm.

3 – O tamanho real do objeto desenhado

Determine o tamanho real da aresta do quadrado, sabendo que o tamanho do


desenho desta aresta é 2cm e foi utilizada a escala de 1:5.
D 1 2
E= = 1•R=5•2 D = 10cm
R 5 R
Conclui-se que o tamanho real da aresta do quadrado é 10cm.

2.1.2 – Tipos de escala


1. Escala natural
2. Escala de redução
3. Escala de ampliação

1. Escala natural

É a utilizada quando o tamanho do desenho do objeto é igual ao tamanho


real do mesmo.

2. Escala de redução

É a utilizada quando o tamanho do desenho do objeto é menor que o tama-


nho real do mesmo.

SENAI - RJ
32 02 Aplicação de de leitura e
conhecimento
interpretação de plantas
3. Escala de ampliação

É a utilizada quando o tamanho do desenho do objeto é maior


que seu tamanho real.
Normalmente, utiliza-se esta escala quando se faz o desenho
de objetos pequenos. Assim, se quisermos desenhar a planta baixa
de uma residência, precisaremos utilizar a escala de redução, pois:
• não seria possível desenhar a planta baixa da residência em seu
tamanho real;
• não haveria papel que pudesse ser utilizado para tão grande
desenho;
• onde arrumaríamos uma mesa maior que o tamanho da
residência para, sobre ela, colocarmos o papel e fazermos o desenho?
• como manusearíamos um desenho neste tamanho?
• é perfeitamente possível compreender a planta baixa da
residência, se desenhada em tamanho menor.
Observe a ilustração seguinte.
Tamanho real da residência (não seria possível representá-lo.)
Tamanho do desenho da residência:

Planta baixa
ESC. 1:50

02 Aplicação de de leitura e
conhecimento
interpretação de plantas 33
SENAI - RJ
Além do desenho de plantas baixas, quaisquer objetos que se represen-
tem graficamente de forma reduzida são desenhados utilizando-se a escala de
redução.

Para reconhecermos se uma escala é de redução, basta-nos observar a


notação da mesma. Se o número que vem escrito depois dos dois pontos for
maior que o escrito antes desses dois pontos, a escala é de redução.

Observemos a notação:
ESCALA 1:5

1 5
Número anterior Número posterior
aos dois pontos aos dois pontos

Na escala de redução, o número que vem escrito antes dos dois pontos é
sempre o número 1, e representa o tamanho do desenho do objeto; o número
que vem escrito depois dos dois pontos indica quantas vezes o objeto é maior
que o tamanho do desenho.

2.2 – Planta baixa


Para construir uma casa, uma escola ou uma indústria, é necessária, ini-
cialmente, a elaboração de vários projetos, como o arquitetônico, o elétrico, o
hidráulico, o estrutural, etc.

Ao eletricista cabe, apenas, interpretar e, posteriormente, executar a mon-


tagem da instalação elétrica.

Para se fazer o projeto elétrico, o responsável tem que ter em mãos o pro-
jeto arquitetônico. A partir dele, projetará a instalação elétrica.

Após o projeto elétrico ter sido elaborado, chegará até nossas mãos
uma cópia, para que seja analisado. Baseados nele, poderemos passar a sua
execução.

Para que não se tenha dificuldade em interpretá-lo, é necessário termos


alguns conhecimentos a respeito da leitura do projeto arquitetônico.

O elemento que mais interessa no projeto de arquitetura é a planta baixa.


Para entendê-la, vejamos, inicialmente, o seu conceito.

PLANTA BAIXA é a projeção que se obtém, quando se corta, imagina-


riamente, uma edificação, com um plano horizontal paralelo ao plano do piso.

SENAI - RJ
34 02 Aplicação de de leitura e
conhecimento
interpretação de plantas
A altura entre o plano cortante e o plano da base é tal, que per-
mite cortar ao mesmo tempo portas, janelas, basculantes e paredes.

Normalmente, esta altura é de 1,50m .

Ilustrando:

Quando cortamos a edificação com o plano, estamos olhando


de cima para baixo.

A representação desta edificação em planta baixa será con-


forme a ilustração que se segue:

02 Aplicação de de leitura e
conhecimento
interpretação de plantas 35
SENAI - RJ
2.3 – Simbologia das instalações elétricas

SENAI - RJ
36 02 Aplicação de de leitura e
conhecimento
interpretação de plantas
2.4 – Projeto de instalação elétrica
É o planejamento da instalação com todos os seus detalhes. Sua finali-
dade é a de proporcionar condições para a realização de um trabalho rápido,
econômico e estético. O projeto é sempre elaborado por especialistas, cabendo
ao eletricista apenas interpretá-lo e executá-lo.

– a letra indica o ponto de comando e o respectivo ponto a ser comandado.

– o número entre dois traços indica o número do circuito.

02 Aplicação de de leitura e
conhecimento
interpretação de plantas 37
SENAI - RJ
03Montagem e instalação
de sistemas de tubulações
3.1 – Localização de elementos e traçado
de percurso da instalação elétrica
Para o estudo deste assunto, é preciso observar como se faz a leitura de
um desenho de instalação elétrica.

Observe o esquema ao lado e use


ABNT REPRESENTA
a legenda, com os respectivos símbolos,
Tomada baixa
para uma leitura correta.
a Ponto de luz
60W lâmpada
a Interruptor simples
(uma seção)
Condutores:
retorno, fase, neutro

Alguns conhecimentos são indis-


pensáveis para a execução do trabalho
de uma instalação elétrica: o que é uma
rede elétrica, quais os materiais neces-
sários para a instalação, o que é uma
planta baixa e quais os procedimentos a
necessários para traçar o percurso da
60W
instalação.

Esquema de uma instalação elétrica

03 Montagem
instalalação de e
sistemas de tubulações 41
SENAI - RJ
3.1.1 – Rede elétrica
É o conjunto de condutores ou tubos, no esquema representados por sím-
bolos, que fazem parte de uma instalação elétrica.

A rede pode ser de dois tipos: exposta ou embutida.

3.1.1.1 – Rede exposta

É composta por clites, roldanas e rede de eletroduto exposta (ou apa-


rente).

3.1.1.2 – Rede embutida

Como o próprio nome diz, é embutida na alvenaria com eletrodutos


metálicos ou em PVC.

Visualizando uma planta baixa, e após localizarmos sua posição na


construção, precisamos estabelecer as ferramentas, os materiais e utensílios
necessários para realizar o respectivo processo de marcação.

O percurso de uma instalação, os pontos de localização de aparelhos e


os dispositivos são colocados sobre linhas e pontos traçados anteriormente na
superfície, onde devem ser fixados os elementos da instalação.

3.1.2 – Materiais utilizados


Dentre os vários tipos de materiais usados, encontramos:

3.1.2.1 – Lápis de carpinteiro

É usado para obras no osso.

3.1.2.2 – Giz de alfaiate

É empregado em paredes já acabadas, quando há necessidade de aumentar


as instalações já existentes.

3.1.2.3 – Escadas

Quando são usadas em instalações elétricas, encontramos três tipos dife-


rentes:

SENAI - RJ
42 03 Montagem
instalalação de e
sistemas de tubulações
a) escada simples

Precisa estar apoiada na parede ou porta onde estamos exe-


cutando o serviço. A distância entre a parede e o apoio na base
da escada deve ser a quarta-parte de seu comprimento. Observe as
figuras.

Cuidados no uso da
escada simples

b) escada de abrir

É composta de duas escadas


simples, presas nas extremida-
des por um eixo chamado pivô,
o qual pode ser movido. Possui,
na lateral, uma haste metálica
articulável, o que evita uma
abertura muito ampla e, conse-
qüentemente, seu deslizamento.
Não há necessidade de estar
apoiada em postes ou paredes.

Por ser uma escada bastante estável é usada para trabalhos


suspensos, permitindo a subida de dois operadores. É de grande
aplicação nos trabalhos de eletricidade.

c) escada com apoio

É composta de duas escadas, uma delas com degraus mais


largos. É presa nas extremidades por um eixo chamado pivô e, para
que possamos movê-la, possui uma haste articulável na lateral, que

03 Montagem
instalalação de e
sistemas de tubulações 43
SENAI - RJ
evita que a mesma escorregue. É um tipo de escada que dificulta
um grande afastamento entre as partes.

• As escadas devem ser pintadas ou envernizadas objetivando


sua impermeabilização. De preferência, devemos evitar que
fiquem ao tempo.

• O uso de escadas metálicas deve ser evitado, devido à grande


capacidade que possuem de conduzir eletricidade.

3.1.2.4 – Linha de bater

É um instrumento simples, composto de linha de algodão


(tipo Urso 000) envolvida em pó corante. É utilizada para efetuar o
traçado de percurso entre dois pontos distantes.

Como a linha de bater é usada em traçados de percurso longo,


necessitamos de utilização de corantes, que variam de acordo com
a superfície a ser marcada. Caso a superfície esteja pintada, é reco-
mendado o uso de corantes claros, tais como talco ou pó de giz.

3.1.2.5 – Prumo de centro

É um instrumento formado por uma peça de metal suspensa por


um fio e serve para que se determine a direção vertical. É muito aplicado
na construção civil com o objetivo de verificar a perpendicularidade ou
prumo de qualquer estrutura.

Nas instalações elétricas empregamos o prumo


de centro para marcar as descidas de linhas nas paredes,
para determinar os pontos de luz no teto e para transportar
as marcas feitas no piso.

3.1.2.6 – Metro articulado

É uma escala de madeira ou metal – no caso, alumí-


nio – com dupla face graduada em milímetro, centímetro,
metro ou em polegada e suas respectivas divisões.

SENAI - RJ
44 03 Montagem
instalalação de e
sistemas de tubulações
O metro articulado pode ser de dois tipos: SIMPLES e DUPLO.

SIMPLES – mede até um metro (1m)

DUPLO – mede até dois metros (2m)

Deve-se ter cuidado na manipulação do metro articulado para evitar sua


quebra.

3.1.2.7 – Trena

É uma fita métrica de pano ou de aço dentro de uma


caixa de couro ou plástico, como mostra a figura.

Existem trenas para medidas de grande extensão,


possuindo até 100 metros. Entretanto, as trenas mais
comuns são as que medem 1, 2, 3 ou 5 metros. Elas trazem
todas as medidas lineares, assim como o metro articulado,
e podem medir superfícies curvas, adaptando-se a qual-
quer contorno.

3.1.2.8 – Nível

É um instrumento que serve, principalmente, para medir a horizontali-


dade. Constitui-se de uma régua de madeira, de plástico ou de alumínio na qual
está fixado um tubo de vidro ligeiramente curvado e com uma quantidade de
álcool que permite a formação de uma bolha de ar no seu interior. Através do
vidro fixado horizontalmente na régua de madeira verifica-se o nivelamento
quando a bolha de ar estiver fixada no centro do vidro, isto é, entre os dois
traços marcados nele.

Existem outros tipos de nível que apresentam um ou dois vidros fixos


perpendicularmente ao comprimento da régua. São chamados de “vidros de
prumo” e servem para verificar se uma parede ou uma viga estão no prumo
perpendicular ou horizontal.

03 Montagem
instalalação de e
sistemas de tubulações 45
SENAI - RJ
Elementos bem localizados e percursos bem determinados são
condições básicas para a execução de quase todo o trabalho do ele-
tricista.

O profissional, para marcar a localização de uma lâmpada,


interruptor e tomada, precisa do metro articulado, de trena, prumo
de centro, linha de bater, pó corante e giz.

Para traçarmos as diagonais e o percurso da instalação devemos pedir o auxílio


de alguém, ou então prender uma extremidade da linha de bater, segurando a outra,
esticando-a e deixando-a bater, a seguir, para deixar a marca na superfície.

3.1.3 – Localização de elementos


Serão aqui examinados os procedimentos necessários para traçar o per-
curso da instalação elétrica, estabelecendo a localização dos elementos funda-
mentais: tomada, interruptor e lâmpada.

Procedimentos semelhantes devem ser utilizados para instalar quaisquer


outros elementos.

3.1.3.1 – Tomada

1 – Marcar o ponto referencial da tomada no piso.

a) Identifique, na planta baixa, o local onde será


marcada a tomada.
b) Meça a distância entre o símbolo e um ponto
de referência (porta, janela, parede, etc.).
c) Faça a conversão da medida da planta baixa
para a medida real (use a escala indicada na planta
baixa).
d) Marque no piso do cômodo o ponto referen-
cial da tomada, usando a medida real.

SENAI - RJ
46 03 Montagem
instalalação de e
sistemas de tubulações
2 – Localizar a tomada na parede.
a) Meça na parede, utilizando o metro
articulado, a altura da tomada, na mesma
direção do ponto de referência feito no piso.
b) Localize a tomada na parede usando
o giz:
baixa: 0,30m
meia altura: 1,5m do piso acabado
alta: 2m

3.1.3.2 – Interruptor

1 – Marcar o ponto referen-


cial do interruptor simples no piso.
a) Identifique, na planta
baixa, o local onde será marcado
o interruptor simples.
b) Meça, na planta baixa, a
distância entre o símbolo e a porta.
c) Marque, no piso do cômodo,
o ponto referencial do interruptor.

2 – Marcar o ponto refe-


rencial do interruptor simples
no piso.
a) Meça na parede, utilizando
o metro articulado, a altura do
interruptor, na mesma direção do
ponto de referência feito no piso.
b) Localize o interruptor na
parede, usando giz.

03 Montagem
instalalação de e
sistemas de tubulações 47
SENAI - RJ
3.1.3.3 – Lâmpada

1 – Marcar o ponto referencial da lâmpada no piso.


a) Trace as diagonais, utilizando a linha de bater.
b) Reforce com giz o cruzamento das diagonais.
c) Marque no piso do cômodo o ponto referencial da
lâmpada.

2 – Localizar a lâmpada no teto.


a) Transfira a marca do piso para o teto, utilizando o
prumo de centro.
b) Localize a lâmpada no teto, marcando com giz a
posição exata onde se encontra o fio de prumo de centro.

3.1.4 – Traçado do percurso da instalação


elétrica

3.1.4.1 – Na parede

a) Coloque o prumo de centro de maneira que coincida


com a marca do interruptor no piso.

b) Marque um ponto referencial no teto.

c) Apóie a linha de bater no ponto referencial do teto.

d) Apóie e estique a linha de bater na perpendicular até


o ponto referencial, puxe a linha de bater dez centímetros
aproximadamente e solte-a, traçando o percurso da instalação
elétrica na parede.

SENAI - RJ
48 03 Montagem
instalalação de e
sistemas de tubulações
3.1.4.2 – No teto

a) Apóie a linha de bater até o ponto final do


percurso traçado na parede.

b) Estique a linha de bater até a localização da


lâmpada.

c) Puxe a linha de bater dez centímetros apro-


ximadamente e solte-a, marcando o traçado do per-
curso da instalação elétrica no teto.

3.2 – Montagem e instalação de tubulações


metálicas e PVC com caixas e conduletes

3.2.1 – Eletrodutos
São tubos de metal ou plástico, rígido ou flexível, utilizados com a finali-
dade de conter os condutores elétricos e protegê-los da umidade, ácidos, gases
ou choques mecânicos.

Há diferentes tipos de eletrodutos, que serão descritos a seguir.

3.2.1.1 – Eletroduto rígido metálico

Descrição
1 – Tubo de aço dobrável ou ferro galvanizado.
2 – Com ou sem costura longitudinal.
3 – Pintado interna e externamente com esmalte de cor preta.

03 Montagem
instalalação de e
sistemas de tubulações 49
SENAI - RJ
4 – Fabricado com diferentes diâmetros e espessuras de parede.
5 – Adquirido em vara de 3 metros e dotado de rosca externa nas extre-
midades. (a)
6 – Comprimento da rosca igual à metade do comprimento da luva. (b)
Função: conter e proteger os condutores.

Os de parede grossa chamam-se “eletrodutos pesados” e os de parede fina, “ele-


trodutos leves”.

3.2.1.2 – Eletroduto rígido plástico (PVC)

Descrição
1 – Tubo de plástico dobrável.
2 – Sem costura longitudinal.
3 – Dotado de rosca externa na extremidade. (a)
4 – Fabricado com diferentes diâmetros e espessuras de parede.
5 – Adquirido em vara de 3 metros.
6 – Comprimento da rosca igual à metade do comprimento da luva. (b)
Função: conter e proteger os condutores.

SENAI - RJ
50 03 Montagem
instalalação de e
sistemas de tubulações
3.2.1.3 – Eletrodutos flexíveis metálicos (con-
duítes)

Estes eletrodutos não podem ser embutidos nem utilizados nas


partes externas das edificações, em localizações perigosas e não
podem nunca ser expostos à chuva ou ao sol. Devem constituir trechos
contínuos e não devem ser emendados. Necessitam ser firmemente
fixados por braçadeiras. Em geral, são empregados na instalação
de motores ou de outros aparelhos sujeitos à vibração ou que
tenham necessidade de ser deslocados em pequenos
percursos. Também são utilizados em ligações
de diversos quadros. Para a sua fixação,
usa-se o box reto ou curvo. São encon-
trados em diversos diâmetros, expres-
sos em polegadas (1/2”, 3/4”, 1”) e
vendidos a metro.

O eletroduto flexível de plástico é bastante utilizado nas instalações


das edificações, desde que haja condições adequadas.

As características principais dos eletrodutos são fornecidas por uma


tabela em correspondência com o diâmetro nominal.

Ex.: Um eletroduto rígido metálico de 1 polegada terá 34mm de


diâmetro externo, 27mm de diâmetro interno. Sua área útil interna terá
5,6cm2 e ele pesará 6,9kg.

3.2.1.4 – Tabelas
Eletrodutos Rígidos Metálicos tipo Rosqueável
Diâmetro Diâmetro Diâmetro Área útil Peso de uma
nominal (pol.) externo (mm) interno (mm) interna (cm2) vara (kg)
1/2 22 15 2,0 3,6
3/4 26 21 3,5 4,7
1 34 27 5,6 6,9
1 1/4 43 35 9,8 9,1
1 1/2 49 41 13,4 11,5
2 60 53 22,0 16,0
2 1/2 73 62 31,3 24,0
3 89 78 46,3 31,0
3 1/2 102 90 64,8 36,0
4 114 102 83,2 44,0
5 141 128 130,8 61,0
6 168 154 189,0 90,0

03 Montagem
instalalação de
sistemas de tubulações
e
51
SENAI - RJ
Eletrodutos de PVC Rígidos tipo Rosqueável
Classe A Classe B
(Pesado) (Leve)
Diâmetro Referência Diâmetro Espessura Peso aprox. Espessura Peso aprox.
nominal de rosca externo da parede por metro da parede por metro

PB 14
DN d. ep P ep P
(Ref.)
mm mm mm kg/m mm kg/m
polegada

16 3/8 16,7 2,0 0,140 1,8 0,120


20 1/2 21,1 2,5 0,220 1,8 0,150
25 3/4 26,2 2,6 0,280 2,2 0,240
32 1 33,2 3,2 0,450 2,7 0,400
40 1 1/4 42,2 3,6 0,650 2,9 0,540
50 1 1/2 47,8 4,0 0,820 3,0 0,660
60 2 59,4 4,6 1,170 3,1 0,860
75 2 1/2 75,1 5,5 1,750 3,8 1,200
85 3 88,0 6,2 3,300 4,0 1,500

3.2.2 – Corte, abertura de roscas e curvamento

3.2.2.1 – Ferramentas

Algumas ferramentas poderâo ser utilizadas quando da aplicação dos ele-


trodutos, com a finalidade de fazer corte, abrir roscas ou fazer curvas. Dentre
elas, destacam-se:

3.2.2.1.1 – Serra manual

Descrição
1 – Lâmina de serra. (a)
b 2 – Semi-arco (b) com ranhuras (c) para ajustar o arco ao compri-
mento da lâmina da serra.
3 – Semi-arco (d) com cabo ou pinho (e), bainha (f) e pino de anco-
h c
i
ragem. (g)
m
g 4 – Esticadores (h) e pinos (i) para montagem da
f lâmina.
a
d
5 – Porca-borboleta (j) de ajuste da tensão da
e lâmina e arruela. (l)
m
6 – Alças (m) de encaixe dos esticadores.
l
i
Função: serve para cortar metais e
j
h outros materiais duros.

SENAI - RJ
52 03 Montagem
instalalação de
sistemas de tubulações
e
A lâmina de serra é fabricada em aço temperado de duas qualidades: em
“aço ao carbono” e em “aço rápido”, sendo esta última de maior qualidade.

A lâmina de serra é normalizada, quanto ao comprimento, em 8, 10 e 12


polegadas e, quanto ao número de dentes por polegada, em 18, 24 e 32 dentes.
A lâmina de 32 dentes é a mais usada pelos eletricistas.

3.2.2.1.2 – Corta-tubos

Descrição
1 – Corpo. (a)
2 – Navalha circular cortadora. (b)
3 – Roletes. (c)
4 – Cabo móvel com parafusos de ajuste. (d)
Função: cortar, rapidamente, eletrodutos
rígidos metálicos.

3.2.2.1.3 – Tarraxa simples com


catraca

Descrição
1 – Corpo. (a)
2 – Trava da catraca. (b)
3 – Guia
4 – Cossinete intercambiável. (c)
5 – Braço (cabo). (d)
Função: abrir rosca externa em eletrodutos
rígidos metálicos.

Existem mais dois tipos de tarraxas que variam quanto ao cossinete:

• TARRAXA UNIVERSAL – contém cossinete ajustável, de acordo


com o diâmetro a ser roscado.

• TARRAXA SIMPLES COM COSSINETE AJUSTÁVEL – é uti-


lizada para, gradativamente, abrir a rosca.

03 Montagem
instalalação de e
sistemas de tubulações 53
SENAI - RJ
3.2.2.1.4 – Tarraxa para PVC

Descrição
1 – Corpo. (a)
2 – Braço (cabo). (b)
3 – Guia. (c)
4 – Cossinete intercambiável. (d)
Função: abrir rosca externa em eletroduto
de PVC (plástico).
• Procedimento:

Encaixar o tubo na tarraxa pelo lado da guia, girando uma(1) volta para a
direita e 1⁄4 de volta para a esquerda, repetindo a operação até obter a rosca no
comprimento desejado.

Existe, também, para abrir rosca externa em


eletroduto de PVC, a conhecida tarraxa-rápida
(quebra-galho), sendo muito utilizada em serviços
rápidos. É encontrada para diversos diâmetros de
eletroduto: 1⁄2”, 3⁄4”, 1”, etc.

3.2.2.1.5 – Morsa de bancada para tubos


c

a g Descrição
1 – Corpo. (a)
f
2 – Manípulo. (b)
d 3 – Parafuso de aperto. (c)
h 4 – Trava. (d)
5 – Articulação. (e)
e
6 – Mordente. (f)
7 – Mandíbula fixa. (g)
8 – Mandíbula móvel. (h)
Função: prender os tubos para o trabalho de corte e roscamento.

SENAI - RJ
54 03 Montagem
instalalação de e
sistemas de tubulações
3.2.2.1.6 – Morsa de corrente

Descrição c
1 – Corpo. (a)
2 – Parafuso de aperto. (b)
3 – Trava de corrente. (c) d
a
4 – Mordente. (d)
5 – Corrente. (e)
e b

Função: prender os tubos, para o trabalho de corte e rosca-


mento.

3.2.2.1.7 – Limatão redondo

Descrição
1 – Corpo. (a)
2 – Cabo. (b)
3 – Forma: cilíndrica, levemente afiada.
Função: escarear tubos ou aberturas circulares ou côncavas.

Existe outra ferramenta, chamada escarea-


dor, que substitui o limatão redondo.

3.2.2.1.8 – Almotolia

Descrição
1 – Bico. (a)
2 – Tubo. (b)
3 – Tampa roscada. (c)
4 – Depósito de óleo. (d)
Função: lubrificar peças e ferramentas.

03 Montagem
instalalação de e
sistemas de tubulações 55
SENAI - RJ
O óleo usado é o lubrificante (óleo de máquina).

Para curvar eletrodutos rígidos metálicos será utilizada uma ferramenta


simples, denominada VIRA-TUBOS.

3.2.2.1.9 – Vira-tubos

Descrição
1 – Pedaço de tubo galvanizado. (a)
2 – “T” (peça de encanamento hidráulico). (b)
Função: serve para curvar tubos. a

O vira-tubos mais utilizado pelo eletricista, para


curvar eletrodutos, é a ferramenta que resulta da adaptação
de uma peça de encanamento hidráulico (T), com um
pedaço de tubo galvanizado, de aproximadamente um
metro de comprimento.

Existem, no comércio, vários outros tipos de vira-tubos para curvar ele-


trodutos, como os que aparecem nas ilustrações abaixo:

Além desses, para curvar eletrodutos de bitola superior a uma polegada,


utilizamos o VIRA-TUBOS HIDRÁULICO. Mas nem sempre o eletricista
dispõe do vira-tubos apropriado. É comum, entre os profissionais, a utilização
de certos artifícios para curvar eletrodutos, tais como os que aparecem nas figu-
ras a seguir.

SENAI - RJ
56 03 Montagem
instalalação de e
sistemas de tubulações
3.2.2.2 – Curvatura de eletroduto rígido metálico

Quando se deseja que uma rede de eletrodutos transponha um obstáculo


ou acompanhe uma superfície com uma curvatura especial, e quando não há
uma curva postiça adequada para aquela circunstância, pode-se dobrar o ele-
troduto. Esse trabalho de dobrar ou curvar um eletroduto, embora seja muito
empregado, deve, sempre que possível, ser evitado. Quando, entretanto, for
obrigatório, deve-se fazê-lo a frio e com todos os cuidados para que não haja
redução sensível na seção interna.

3.2.2.2.1 – Fases da operação

1) Preparar um gabarito de curva.

Com um arame grosso de ferro, por exemplo, prepare um


modelo do formato que o tubo deve ter. Faça as curvas no arame
e, a cada conformação dada no mesmo, experimente no local
onde irá o tubo ser fixado.

2) Iniciar a dobragem.

Escolha uma das extremidades do eletroduto para iniciar o


trabalho. Enfie a ponta do eletroduto no T do vira-tubos, e firme
o tubo no chão, com o pé. Usando o próprio eletroduto como
alavanca, inicie o seu encurvamento.

A cada pequena curvatura deve-se mudar a posição do T para não amassar o tubo.

03 Montagem
instalalação de e
sistemas de tubulações 57
SENAI - RJ
Quando há necessidade, pode-se, empregando o gabarito
de arame, marcar, aproximadamente, no eletroduto, os limites
da curva.

3) Concluir a dobragem.

Coloque o eletroduto no chão, prendendo-o sob os pés e


com a extremidade livre encostada na parede. Coloque junto ao
eletroduto o gabarito e, com o T, complete a curvatura iniciada
na fase anterior.

Como na fase anterior, a cada pequeno encurvamento, mude a posição T no eletro-


duto.

a - As curvas devem corresponder ao diâmetro interno do eletroduto. Assim, os


raios mínimos das curvas devem obedecer à seguinte tabela:

ELETRODUTO RAIO DA CURVA


(polegada) (cm)

1/2 10
3/4 13
1 15
1 1/4 20
1 1/2 25
2 30
2 1/2 38
3 46
4 61

Por exemplo: ao curvar um eletroduto de 3 polegadas, o


raio mínimo da curva deverá ser de 46cm.
b - Não recue o tubo no vira-tubos para fechar mais a curva
em algum ponto, nem force muito no mesmo lugar, para não
amassá-lo.
c - A costura do tubo (a) deverá ficar na sua faixa neutra
(para cima), pois as costuras constituem um perigo para o
isolamento do condutor.

SENAI - RJ
58 03 Montagem
instalalação de
sistemas de tubulações
e
Para curvar eletroduto rígido de plástico, será utilizada uma
fonte de calor brando, como o maçarico.

Moldagem ou soldagem de plástico

Caso se deseje dobrar, moldar ou soldar peças de PVC ou


de polietileno, deve-se proceder lentamente, com muito cuidado e
de maneira controlada, para assim se conhecer o efeito do calor
no material correspondente, porque, nestes casos, variações relati-
vamente pequenas na temperatura podem causar deformações nas
peças.

3.2.2.2.2. – Maçarico

É um equipamento que proporciona a chama necessária para


os trabalhos de curvamento em eletroduto de PVC.

Existem vários tipos de maçaricos, a saber: a gás, a gasolina,


a querosene, oxiacetilênico, etc.

O gás liquefeito do petróleo é um hidrocarboneto leve (butano


ou propano comercial) normalmente gasoso, extraído do gás natural
ou dos gases de refinaria.

Os gases, quando comprimidos acima de certa pressão, que


varia conforme o gás, se liquefazem. Após a descompressão,
voltam ao estado gasoso. Por esse motivo, o gás do petróleo é ven-
dido comercialmente em bujões de 1, 3, 5 e 13kg; em cilindros de
45kg e em carrapetas de 90 a 120kg, no estado líquido, sob forte
pressão, sendo descomprimido à medida que é usado.

O GLP (gás liquefeito do petróleo) tem sido largamente


aceito, pela facilidade de seu uso e transporte.

03 Montagem
instalalação de e
sistemas de tubulações 59
SENAI - RJ
• Maçarico a gás a
c

b
Descrição
1 – Queimador. (a) e
2 – Suporte múltiplo de duplo comando. (b) d

3 – Registro tradicional. (c)


4 – Gatilho. (d)
5 – Suporte para sustento. (e)

• Utilização do maçarico a gás

Você irá trabalhar com material de fácil combustão, ou seja, que facilita
ou alimenta a queima. Por isso, todo cuidado é pouco.

• Procedimento:

• Verificar se o maçarico está em perfeitas condições de uso, assim como


a mangueira.

• Não utilizar isqueiro; usar fósforo de segurança.

• Utilizar mangueira de tamanho adequado, de modo a permitir uma certa


distância entre o bujão e o local onde está sendo utilizado o maçarico.

• Não deixar a mangueira ficar enrolada.

• Utilizar espuma de sabão e nunca o fogo, para verificação de escapa-


mento de gás.

• Evitar, no final do trabalho, a concentração do gás na mangueira; para


isto, desligar inicialmente a torneira do bujão, até que a chama se extinga total-
mente.

3.2.2.2.3 – Soprador térmico

Temperatura
Tipo nº Potência do ar de saída
HL 1500 1400W I – 300ºC II – 500ºC

Volume de saída de ar
Peso
220V 110V
I – 240l/min II – 400l/min I e II – 400l/min 0,8kg

SENAI - RJ
60 03 Montagem
instalalação de
sistemas de tubulações
e
O soprador térmico oferece uma grande gama de aplicações, tais como:

• raspar a fundo, sem nenhuma dificuldade, pinturas de tintas a óleo, sin-


téticas, etc.;

• aquecer plásticos para moldar ou soldar;

• secar superfícies úmidas;

• efetuar solda de estanho em chapas ou tubos;

• aquecer tubulações de água gelada.

O soprador térmico é sempre uma grande vantagem onde o calor facilite


ou acelere o desenvolvimento do trabalho, sem a presença de chama aberta.

Instruções de segurança e acionamento

• Observar que a tensão da rede deve ser a mesma indicada na placa de carac-
terísticas do produto.

• Conectar o plug à tomada somente com o interruptor desligado.

• Desconectar o plug da tomada, antes de efetuar qualquer tipo de trabalho no aparelho.

• Substituir o cabo elétrico, o plug e a tomada, caso estejam danificados: eles


deverão estar sempre em perfeitas condições.

• Nunca dirigir o jato de ar quente a pessoas ou animais ou utilizá-lo como secador


de cabelo.

• Não utilizar o aparelho próximo de gases ou materiais inflamáveis.

• Não mergulhar o aparelho em líquido de qualquer espécie.

• Verificar, logo após o uso, antes de apoiá-lo sobre alguma superfície, se o tubo de
saída de ar não está muito quente de forma a causar algum dano. Antes de terminar
o trabalho, procurar um lugar seguro onde colocar o aparelho. Por ex.: suporte com
gancho.

• Colocar o aparelho de pé sobre uma mesa/bancada, para uso estacionário.

• Não tocar o tubo aquecido.

• Ao trabalhar sobre uma escada, procurar sempre uma posição segura e uma
distância suficiente da superfície a tratar.

• O jato de ar quente deverá sair livremente do tubo.

03 Montagem
instalalação de e
sistemas de tubulações 61
SENAI - RJ
• Não tapar a entrada ou saída de ar.

• Antes de guardar o aparelho, uma vez concluído o serviço, verificar se ele está
totalmente frio.

• Guardar o soprador térmico fora do alcance de crianças: ele não é um brinquedo.

Manutenção

As entradas e saídas de ar deverão estar sempre limpas e desobstruídas.


Substitua imediatamente as peças danificadas. Utilize somente peças de
reposição originais.

Além de fonte de calor para curvar eletroduto rígido de plástico, utiliza-se


também areia ou mola.

3.2.2.2.4 – Mola

Descrição
1 – Arame de aço.
2 – Enrolado sob forma de espiral. (a)
3 – Com guia (b) e argola na extremidade. (c)
Função: impedir a deformação do diâmetro interno do eletroduto durante
o curvamento.

Utilização da mola
fazer topo
Para impedir a redução
do diâmetro interno do ele-
troduto rígido de plástico
(PVC) durante o seu curva-
mento, devem-se observar os
seguintes procedimentos:

• Selecionar a mola correspondente ao diâmetro do eletroduto que será


curvado.

• Colocar a mola sobre o eletroduto, de maneira que coincida com o trecho


que será curvado, e segurar a guia da mola com as mãos, fazendo topo, isto é,
até atingir a extremidade do eletroduto, com os dedos polegar e indicador.

SENAI - RJ
62 03 Montagem
instalalação de
sistemas de tubulações
e
• Introduzir a mola no eletroduto, empurrando-a, até que
os dedos voltem a fazer topo com a entrada que servia como
referência.

• Retirar a mola depois de curvar o eletroduto.

3.2.2.2.5 – Areia

São os seguintes os procedimentos a serem observados


quando se utiliza areia:

• Encher o eletroduto com areia seca, vedando as extremidades.

• Retirar a areia, depois de curvar o eletroduto.

3.2.3 – Junção com luvas, buchas e arruelas


a

3.2.3.1 – Luva
b
Descrição
1 - Peça de metal ou plástico. (a)
2 - Dotada de rosca interna. (b)
3 - Específica pelo comprimento e pelo diâmetro nominal
Função: serve para emendar eletrodutos.

Ao se utilizarem as luvas para fazer junção de eletrodutos é


importante observar o comprimento do tubo, que deve ser de 2cm
para que a conexão seja perfeita. Se a tubulação ficar exposta ao
tempo, é recomendável que se utilize veda-rosca, como material
vedante entre roscas. Não utilize aperto excessivo, através do uso
de chaves.

03 Montagem
instalalação de e
sistemas de tubulações 63
SENAI - RJ
3.2.3.1.1 – Luvas e conectores sem rosca

O uso de luvas e conectores sem rosca é prático e funcional nas instalações


aparentes onde houver a utilização de conectores rígidos e demandam menor
tempo de trabalho.

Tanto luvas quanto conectores são encontrados com ou sem vedação,


fabricados em borracha auto-extinguível.

luva com luva sem conector com conector sem conector curvo conector reto
vedação vedação vedação vedação para box para box
fabricado em fabricado em
alumínio silício alumínio silício
3/8” a 4” 3/8” a 4”

3.2.3.2 – Buchas e arruelas

Na montagem dos eletrodutos nas caixas, empregam-se porcas especiais,


que existem em diferentes dimensões, adequadas aos eletrodutos com que
devem trabalhar.

As porcas que são colocadas pelo lado interno das caixas servem, princi-
palmente, para proteger o isolamento dos condutores e são também conhecidas
como “buchas” (fig. 7). As que são colocadas pelo lado externo das caixas
servem para dar o aperto de fixação do eletroduto à caixa e são chamadas comu-
mente de “arruelas” (fig. 8).

BUCHAS ARRUELAS

simples com bornes para


ligação à terra

SENAI - RJ
64 03 Montagem
instalalação de e
sistemas de tubulações
3.2.4 – Fixação e estanqueidade de caixa de passa-
gem em paredes e lajes

3.2.4.1 – Caixas

Em todas as extremidades de eletrodutos em que há entradas, saídas ou


emendas de condutores, ou nos pontos de instalação de aparelhos e dispositi-
vos, devem ser usadas caixas que são fabricadas em chapas de aço, esmaltadas,
galvanizadas ou em plástico, protegidas interna e externamente.

As caixas possuem orelhas para a fixação de tampas, aparelhos ou dispo-


sitivos, assim como orifícios parcialmente abertos para a introdução e fixação
dos eletrodutos. Nas instalações expostas, elas podem ser substituídas por con-
duletes.
quadrada octogonal
retangular 4”x 4” 4”x 4”
4”x 2”

Furo para fixação da


caixa à superfície Orelhas para fixação
dos aparelhos, dispo-
sitivos ou tampo

Orifícios parcialmente
abertos para os condutos
Caixa modelo retangular 4”x 2”

O desenho abaixo mostra a localização de caixas, luvas, curvas, buchas,


arruelas e tubos.

caixa de derivação
octogonal 4”x 4”
curva 90º 20

curva 90º 16

luva 20

caixa de derivação 4”x 2”

curva 90º 16

03 Montagem
instalalação de e
sistemas de tubulações 65
SENAI - RJ
Na instalação da rede de eletrodutos rígidos na caixa de passagem, devem
ser observadas as recomendações das ilustrações abaixo:

A fixação dos eletrodutos e caixas é feita pela argamassa da estrutura.

A máxima distância da face da


caixa à superfície acabada da Quando possível,
parede deve ser de 6mm. deve-se deixar uma
folga de 5mm entre
o eletroduto e a
Os eletrodutos são fixados por superfície.
grampos ou braçadeiras.

Rede embutida Rede exposta


Os eletrodutos e caixas foram Os eletrodutos ficam monta-
encerrados permanentemente dos à superfície da estrutura
na estrutura ou acabamento do edifício.
do edifício.

A distância máxima nos trechos


com curva será de 15m menos
3m para cada curva.
Distância máxima
entre caixas em tre-
chos retos: 15m.
O menor diâmetro de um
eletroduto deve medir 1/2”.

O número máximo de curvas


entre duas caixas será de 2
curvas de 90º. Distância mínima entre suportes
Nos casos de curvas meno- em trechos verticais:
res que 90º, admitem-se até eletroduto 1/2” → 2,0m
4 curvas. eletroduto 3/4” e 1” → 2,5m
eletroduto 1 1/4” a maiores → 3,0m

Distância máxima entre suportes


nos trechos não verticais:
eletroduto 1/2” → 2,0m
eletroduto 3/4” e maiores → 3,0m

SENAI - RJ
66 03 Montagem
instalalação de e
sistemas de tubulações
3.2.5 – Conduletes roscáveis e sem rosca
Para executar instalações com tubulações aparentes usa-se
também caixa de derivação (conduletes).

Onde as condições de instalações exigem, utiliza-se fita veda-


-rosca como material vedante entre roscas. Não utilize aperto
excessivo, através de uso de chaves. Obtém-se rosqueamento per-
feito através de aperto manual.

3.2.5.1 – Conduletes roscáveis – tipos e bitolas

03 Montagem
instalalação de e
sistemas de tubulações 67
SENAI - RJ
Exemplo de instalações com condulete roscável

Abraçadeiras adequadas proporcio-


nam segurança e alinhamento per-
feito.

Alterações ou transferências de ins-


talações são efetuadas com rapidez e
segurança, conforme pode ser cons-
tatado pela ilustração.

A conexão das extremidades de


tubulações é simplificada através da
aplicação de luvas.

3.2.5.2 – Conduletes sem rosca

São um tipo de caixa de derivação sem rosca própria, para instalação apa-
rente. As eletrodutos são fixados às entradas por meio de parafuso.

Conduletes sem rosca - tipos e bitolas

SENAI - RJ
68 03 Montagem
instalalação de
sistemas de tubulações
e
Exemplo de instalação de condulete sem rosca

1 2 3 4
Conector curvo pa- Bucha e arruela; Exemplo de apli- Luvas e conectores sem rosca:
ra box: facilita a exe- enquanto a arruela cação de conector para conexão de eletrodutos rí-
cução de curvas, fixa o tubo, a bucha reto que permite a gidos. Fornecidos sem ou com
pois com a reti- evita o descasca- execução de insta- vedação de borracha. Permitem
rada da tampa os mento do fio e serve lações completas contornos com aplicação de con-
fios deslizam livre- de contraporca para com eletrodutos li- duletes.
mente. fixação. sos, sem roscas.

3.2.5.3 – Conduletes com


ou sem rosca, equipados com
acessórios elétricos

Os conduletes com acessórios


elétricos são dotados de tampos inter-
cambiáveis, permitindo as mais varia-
das combinações. Todas as tampas
equipadas podem ser fornecidas iso-
ladamente para montagem em painéis
ou já montadas nos conduletes, con-
forme tabela ao lado.

Desenvolver, em condições de qualidade e segurança, diagrama e lay-out para


montagem e instalação de sistema de tubulação aparente para instalação de uma
lâmpada comandada por interruptor simples e uma tomada.

O projeto deve ser desenvolvido de acordo com as normas técnicas específicas e


a legislação brasileira em vigor.

Tarefa a ser realizada em sala-de-aula.

03 Montagem
instalalação de e
sistemas de tubulações 69
SENAI - RJ
04 Enfiação e conexão
de condutores elétricos
4.1 – Materiais e ferramentas para emenda
de condutores

4.1.1 – Ferro elétrico de soldar


Descrição
– Para ligar à rede de 110V – ou 220V.
– Consumo de 100 a 200W.
– Temperatura aproximada na ponta: 300ºC.
– De uso manual.
– Tipo de ponta reta ou curva intercambiável.
– Tipo machadinha, para serviços pesados.

4.1.2 – Solda

Descrição
– Liga de chumbo e estanho, na proporção de 40% de chumbo e 60% de
estanho, ou em outras proporções, 25% ou 75%, por exemplo.
– Apresenta-se em forma de barra ou fio, com núcleo de breu.
– A temperatura de fusão é aproximadamente 170ºC.
– De uso manual.
– Ao fundir-se, adere a outros metais, especialmente o cobre e o bronze.
– A solda feita somente de estanho é também conhecida como solda
branca ou solda fraca.

04 Enfiação eelétricos
condutores conexão de
73
SENAI - RJ
4.1.3 – Breu
Descrição
– Resina em estado sólido.
– Amorfa.
– Cor amarelo-âmbar.
– Funde-se à temperatura pouco superior a 150ºC e, acima desta,
volatiliza-se.
– Age como fundente na soldagem com liga de chumbo-estanho.
– É isolante elétrico.
– Dissolve-se em álcool.
Quando a solda não vier com núcleo de breu, pode-se usar também a
pasta de soldar, encontrada, normalmente, em lata de 110g.

Instruções para o uso da pasta de soldar


• Remover das peças sujeiras, tintas e resíduos de isolantes de borracha ou
quaisquer matérias estranhas, usando lixa, lima ou escarificador.
• Aplicar a pasta diretamente sobre a superfície a ser soldada.
• Aquecer a peça o suficiente para que a solda se espalhe rápida e prontamente.
• Deixar esfriar.
• Limpar a peça.

4.1.4 – Fita isolante


Descrição
– Flexível, maleável, impermeável.
– Dielétrica com ruptura acima de 750V.
– Adesiva, sendo sensível à pressão.
– Plástica, em várias cores.
– Seccionável com lâmina ou tesoura.
– Resistente à umidade e a agentes corrosivos.
– Em rolo de 19mm X 20m; espessura: 0,19mm e em outras dimensões.

Além dos materiais e ferramenta apresentados, são também utilizados o


alicate universal (corta, dobra e aperta) e a faca de eletricista ou canivete.

SENAI - RJ
74 04 Enfiação eelétricos
condutores conexão de
4.2 – Emenda de condutores
As emendas de fios e cabos devem possibilitar:

1- a passagem da corrente admissível para o condutor mais


fino sem aquecimento excessivo, ou seja, não devem apresentar mau
contato e ter suficiente seção, de modo que não venham a aquecer
muito por efeito Joule.

2- resistência mecânica suficiente para o serviço ou tipo de


instalação;

3- isolamento pelo menos igual ao dos condutores emenda-


dos e com a mesma classe de isolamento.

4.2.1 – Emendas em prosseguimento


Sempre que a extensão de uma rede ou linha aberta for maior
que o condutor disponível, devem-se emendar os condutores em
prosseguimento.

Os procedimentos que se seguem devem ser atentamente


observados:

1 – Desencapar as pontas dos condutores.

Com uma faca, retire o isolamento em direção à ponta, assim


como se estivesse apontando um lápis.

O comprimento das pontas deve ser


igual a 50 vezes o diâmetro do condutor
nu, aproximadamente.

Na prática, pode-se desencapar o fio


1,5mm2 → 8cm; 2,5mm2 → 10cm e o fio
4mm2 → 13cm.

04 Enfiação eelétricos
condutores conexão de
75
SENAI - RJ
Ao manusear a faca, evite ferir-se com a lâmina. O movimento de cortar deve ser exe-
cutado afastando a lâmina da mão que segura o objeto.

2 – Limpar os condutores.

Retire os restos de isolamento porventura presos ao metal, ou raspe com


as costas da lâmina a oxidação.

No caso de o condutor ser estanhado, não deve ser


raspado.

3 – Emendar os condutores.

a) Cruze as pontas dos condutores, conforme


mostra o desenho e, a seguir, torça uma sobre a
outra em sentido oposto.

Cada ponta deve dar seis voltas sobre o condutor, no mínimo.

b) Complete a torção das pontas com a ajuda


de um ou dois alicates, dependendo do diâmetro do
condutor.

As pontas devem ficar completamente enroladas


e apertadas no condutor, porém com pequeno espaça-
mento entre as espiras, para a solda penetrar.

SENAI - RJ
76 04 Enfiação eelétricos
condutores conexão de
4 – Soldar a emenda.

a) Ligue o ferro de soldar à rede de energia e deixe-o aquecer até a tem-


peratura de fusão da solda.

Verifique, antes de ligar, se a tensão da tomada é adequada ao ferro, ou seja: ferro


para 127V, tomada também de 127V.

b) Aplique um pouco de solda à ponta do


ferro para que esta faça bom contato térmico com a
emenda.

c) Encoste a ponta do ferro à emenda, aque-


cendo-a.

d) Aplique o fundente (breu) sobre a emenda,


caso a solda não tenha o seu núcleo de breu. Ou então utilize a pasta de soldar.

e) No início, aplique a solda entre a ponta do ferro e a emenda, até que a


solda flua para a mesma.

f) Mude a posição do ferro para cima da emenda e aplique solda no local


até preencher todos os espaços entre as espiras.

g) Repita o processo em toda a extensão da emenda.

Às vezes é necessário aplicar novamente o breu ou a pasta de soldar em algumas


partes mais oxidadas, onde se nota que a solda não pega.

h) Retire o ferro de soldar, rapidamente, sem arrastar na emenda e deixe


esfriar.

5 – Isolar a emenda em prosseguimento.

a) Inicie na extremidade mais cômoda, pren-


dendo a ponta da fita e, em seguida, dê uma volta
sobre a mesma.

04 Enfiação eelétricos
condutores conexão de
77
SENAI - RJ
b) Continue enrolando a fita, de modo que cada volta se sobreponha à
anterior, na metade da largura da fita, até atingir uns dois centímetros sobre o
encapamento do condutor.

Mantenha a fita esticada durante todo o tempo, para que a aderência seja perfeita.

c) Retorne com a fita, enrolando-a agora com inclinação oposta, porém da


mesma forma anterior.

d) Complete o isolamento com três ou mais camadas, de modo que a


espessura do isolamento fique, pelo menos, igual ao encapamento do condutor.

e) Seccione a fita com uma lâmina.

f) Pressione a ponta da fita, fazendo-a aderir ao isolamento.

4.2.2 – Emendas em derivação


Na ligação dos ramais, será necessário emendar os
condutores em derivação.

Observe atentamente a seqüência de procedimentos:

1 – desencapar as pontas dos condutores do circuito ramal.

Proceda como anteriormente.

2 – desencapar os condutores da linha. 2 piques a


20mm
a) Marque com dois piques de faca uma faixa de
uns 20mm a partir do ponto de derivação.

b) Retire, com uma faca, o isolamento em volta do


2 piques a
condutor, entre as marcas. 20mm

A faca não deve atingir o metal para evitar pontos de ruptura (quebra) do condutor.

SENAI - RJ
78 04 Enfiação eelétricos
condutores conexão de
Ao manusear a faca, evite ferir-se com a
lâmina.

3 – limpar os condutores.

Proceda como anteriormente.

4 – emendar os condutores.

a) Cruze a ponta sobre a


derivação e enrole-a sobre esta, de
modo que as espiras fiquem com
ligeiro espaçamento entre si.

b) Complete a torção da ponta


com a ajuda do alicate.

A ponta deve ficar


completamente enrolada
e apertada no condutor
e contar, pelo menos, 6
(seis) espiras.

5 – soldar a emenda em derivação.

Proceda como anteriormente.

6 – isolar a emenda em derivação.

a) Enrole a fita primeiramente no condutor da rede e, ao


voltar, enrole-a no condutor do ramal.

b) Para os demais detalhes, proceda como anteriormente.

04 Enfiação eelétricos
condutores conexão de
79
SENAI - RJ
4.2.3 – Emendas na caixa de passagem
Os procedimentos a seguir devem ser atentamente observados:

a) desencape as pontas, em um comprimento igual a cinqüenta


vezes o diâmetro do condutor nu.

b) cruze os condutores.

c) torça os condutores, inicialmente com a mão, auxiliado por um


alicate.

d) dê o aperto final com dois alicates.

e) dobre a ponta dos condutores.

4.2.4 – Utilização da solda, do cadinho e da pasta


de soldar
O profissional, em muitas ocasiões, necessita soldar terminais, bornes,
assim como as emendas dos condutores, para que o contato elétrico nesses
pontos seja o mais perfeito possível, evitando assim o aquecimento causado
pela corrente elétrica, que pode proporcionar incêndio e maior consumo de
energia.

É importante lembrar, também, que a solda evita que essas conexões se


desfaçam, no caso de os condutores serem puxados, ou então no caso de esta-
rem oxidados pela maresia.

É ainda bastante comum isolar as emendas dos condutores e outras partes


descobertas das instalações com fita isolante, para que não ocorra curto-cir-
cuito, no caso de os condutores com potencial elétrico diferente se unirem, ou
para que as pessoas não fiquem sujeitas a choque elétrico.

Para soldar, proceda observando os seguintes passos:

1) corte a solda em pequenos pedaços.

SENAI - RJ
80 04 Enfiação eelétricos
condutores conexão de
2) coloque os pedaços de solda no cadinho e aqueça-o.

3) passe a pasta de soldar nas emendas já dobradas. Utilize um


pincel.

4) verifique se a solda fundiu completamente. Utilize o maçarico


a querosene ou a gás.

A solda estará com sua fusão ideal, quando ficar com uma tonalidade rubra.

5) mergulhe as emendas no cadinho cheio e retire-as rapida-


mente.

Tão logo a emenda esfrie, limpe-a com trapo ou estopa, embebendo-os em álcool.

6) isole a emenda e acomode-a dentro da caixa.

4.3 – Tracionamento de condutores em


tubulações
Os condutores serão enfiados dentro do eletroduto, através de um arame
guia. Quando houver muita dificuldade para a penetração, usa-se, inicialmente,
fita ou fio de plástico, que servirá de guia para o arame.

Faz-se amarração no arame com os condutores desencapados, devendo-se


evitar um acúmulo excessivo deles em um só ponto, para não tornar mais difícil
sua passagem dentro da tubulação.

Após a amarração, passa-se fita isolante e logo depois parafina ou talco


industrial, para a penetração da conexão fluir com maior facilidade dentro do
eletroduto.

04 Enfiação eelétricos
condutores conexão de
81
SENAI - RJ
Os condutores devem ter um tamanho adequado para a amarração e, sendo da
mesma cor, deve-se fazer uma marcação própria nos mesmos, de modo a facilitar pos-
teriormente a sua ligação.

4.4 – Componentes de acionamento

4.4.1 – Interruptor de uma seção e lâmpada incandes-


cente

4.4.1.1 – Interruptor de uma seção (simples)

É um dispositivo de manobra, de corpo termoplástico


com furos para fixação, dois bornes de ligação dos condu-
tores, uma tecla ou alavanca que fecha e abre o circuito
elétrico. No corpo estão indicadas, normalmente, a intensi-
dade de corrente, 10A, e a tensão, 250V.

4.4.1.2 – Receptáculo reto normal

Possui uma base de porcelana, com rosca metálica


interna, onde é atarraxada a lâmpada, e os bornes nos quais
são ligados os condutores. Serve como ponto de conexão
entre a lâmpada e os condutores. Na base estão indicadas
a intensidade da corrente e a tensão. Normalmente, as
bases mais usadas são para roscas E-27; para lâmpadas de
potência elevada, usa-se a base E-40.

4.4.1.3 – Lâmpada incandescente

É composta de bulbo de vidro, base metálica roscada e filamento de


tungstênio. Serve para transformar energia elétrica em luz. No bulbo, estão
indicadas a potência (por exemplo: 60W) e a tensão de funcionamento (127V
ou 220V).

SENAI - RJ
82 04 Enfiação eelétricos
condutores conexão de
4.4.1.4 – Diagrama unifilar e multifilar

Diagrama é a representação de uma instalação elétrica ou


parte dela, por meio de símbolos gráficos.

Diagrama unifilar –
é representado por meio
de símbolos gráficos dos
componentes da instalação,
situados na planta baixa,
apresentando a posição
física dos elementos.

No diagrama apresentado, aparecem: interruptor de uma


seção, ponto de luz incandescente, eletrodutos e condutores. Esse
diagrama permite verificar a disposição de elementos de um cir-
cuito. Nesse caso, observamos que há um interruptor simples
próximo à porta, comandando um ponto de luz. Eles estão ligados
por condutores que passam por dentro dos eletrodutos.

• Diagrama multi- F
filar ou funcional – é
a representação do cir- N

cuito elétrico por meio de


símbolos gráficos, permi-
tindo analisar o seu fun-
cionamento.

Como se pode observar, o condutor fase é ligado ao interrup-


tor, para uma perfeita interrupção do circuito, pois com o interrup-
tor desligado (aberto) pode-se trocar a lâmpada sem risco, já que o
condutor fase é o que dá choque.

O condutor retorno ou volta é o que interliga interruptor e


lâmpada.

Os pontos que aparecem no diagrama representam um con-


tato ou uma ligação elétrica. A ausência desses pontos significa
que não há ligação elétrica. Veja as figuras abaixo:

ligação ausência de
ligação

04 Enfiação eelétricos
condutores conexão de
83
SENAI - RJ
4.4.2 – Interruptor de duas seções e lâmpadas incan-
descentes

4.4.2.1 – Interruptor de duas seções

É um dispositivo de manobra, fabricado em material termoplástico, para


suportar intensidade de 10 ampères, sob tensão de 250 volts. É uma peça com-
posta de um corpo com furos para fixação, quatro bornes de ligação dos condu-
tores e duas teclas ou alavancas que fecham e abrem os circuitos elétricos.

4.4.2.2 – Diagrama multifilar e unifilar

Vejamos os diagramas multifilar e unifilar, que permitirão entender o cir-


cuito elétrico.

O diagrama multifilar, representado na Fig. a, serve de orientação ao pro-


fissional para fazer ligações, mostrando como o circuito funciona.

Em dois bornes serão ligados os fios de retorno ou volta; em um terceiro,


será ligado o fio fase, que fará “ponte” com o quarto (em negrito).

A distância dos pontos de luz para a parede corresponde à metade da


distância entre os pontos de luz. No exemplo dado, os pontos de luz próximos
à parede ficarão 1,5m afastados da mesma e, entre eles, a distância será de 3m.
Isso significará uma boa uniformidade de iluminação. A Fig. b ilustra como
ficarão os pontos de luz.

Fig. a Fig. b

SENAI - RJ
84 04 Enfiação eelétricos
condutores conexão de
4.4.3 – Interruptor de três seções e lâmpadas incan-
descentes
A instalação do interruptor de três seções é análoga à do interruptor de
duas seções. Observem-se os diagramas:

• multifilar: L1
F

L2

L3

b) unifilar :
• unifilar:
c

4.4.4 – Interruptor paralelo (three-way)


Já se tornou bastante comum a utilização de um sistema que permite ao
usuário acender e apagar a luz de locais diferentes. O dispositivo que possibi-
lita, por exemplo, acender a luz junto à porta e apagá-la junto à cama ou vice-
-versa é o interruptor paralelo.

Esse tipo de interruptor caracteriza-se por possuir três bornes de ligação,


sendo também conhecido como THREE-WAY. Possui uma alavanca ou tecla
que, quando acionada, estabelece a ligação do contato fixo com um dos conta-
tos móveis. Podemos deduzir que serão instalados sempre dois interruptores
paralelos para acender ou apagar a luz de dois pontos diferentes. Este é um
interruptor muito utilizado em corredores e escadas.

04 Enfiação eelétricos
condutores conexão de
85
SENAI - RJ
Símbolo do interruptor paralelo usado no diagrama:

a) unifilar: b) multifilar

Diagramas:

UNIFILAR:

MULTIFILAR:

4.4.5 – Interruptor intermediário (four-way)


É utilizado quando desejamos comandar a luz de mais de dois locais dife-
rentes. Ele será ligado sempre entre dois interruptores paralelos.

Símbolo do interruptor intermediário usado em diagrama:

a) unifilar b) multifilar ou

SENAI - RJ
86 04 Enfiação eelétricos
condutores conexão de
Diagramas:

1– com três comandos:

UNIFILAR

MULTIFILAR

2 – com quatro comandos:

UNIFILAR

04 Enfiação eelétricos
condutores conexão de
87
SENAI - RJ
MULTIFILAR

Da observação dos diagramas é possível concluir que, para aumentar o


número de comandos, basta acrescentar sempre, entre os dois interruptores
paralelos, mais interruptores intermediários.

É importante que o interruptor intermediário seja testado antes de ser ligado, para
que sejam identificados os dois bornes de ligação de entrada e os dois de saída, tanto
na posição cruzada, quanto na posição paralela.

Desenvolver, em sala-de-aula, diagrama e lay-out para montagem de tubulação


para instalação de um circuito que envolva: interruptor simples; interruptor de duas
seções; interruptor de três seções; interruptor three-way; interruptor four-way.

Executar o projeto, de acordo com as normas técnicas específicas e a legislação


brasileira em vigor, em condições de qualidade e segurança.

SENAI - RJ
88 04 Enfiação eelétricos
condutores conexão de
05 Montagem e
instalação de sistema
de acionamento;
iluminação
5.1 – Peças e aparelhos instalados em
iluminação fluorescente

5.1.1 – Luminária fluorescente


É um aparelho de iluminação composto
de calha, receptáculos, difusor, starter, reator,
lâmpada fluorescente e acessório de fixação.

Existem tipos diversos dessa luminária,


que podem ser embutidos, pendentes ou fixa-
dos diretamente à superfície.

5.1.2 – Calha
É uma peça composta de estrutura metálica
esmaltada, com rasgos para os receptáculos,
furos para starter, reator e fixação. Possui mode-
los diferentes, com e sem difusor, para uma ou
mais lâmpadas, de comprimento variado. Serve
para refletir e dirigir o fluxo luminoso para a
área a ser iluminada.

5.1.3 – Receptáculo
É uma peça composta de corpo de baquelita ou
plástico; contatos, onde são introduzidos os pinos das
lâmpadas, e bornes, para ligar os condutores. Pode ser
conjugado com o suporte do starter. Serve para susten-
tar a lâmpada, ligando-a, através de seus bornes, ao
circuito.

Há tipos diversos, como para lâmpadas fluores-


centes de catodo preaquecido e catodo quente (HO).

05 instalalação deMontagem
sistema de e
acionamento; iluminação 91
SENAI - RJ
5.1.4 – Difusor
É um acessório da luminária que abriga a lâmpada, evitando
a luz direta e difundindo a iluminação de maneira uniforme. É
fabricado em vidro, plástico ou acrílico, que dá à iluminação um
aspecto ornamental.

5.1.5 – Starter
É um dispositivo que atua como interruptor automático,
abrindo o circuito dos filamentos depois do tempo necessário para
o seu aquecimento.

5.1.6 – Suporter starter


É uma peça composta de corpo da baquelita ou plástico, con-
tatos e bornes; possui um furo para penetração do starter, onde se
encontram dois contatos para os pinos do starter que vão ligá-lo,
através de seus bornes, ao circuito.

5.1.7 – Reator
É um aparelho montado em caixa de chapa de ferro e imerso
em massa isolante. Da caixa do reator saem os condutores em
cores diferentes, a fim de facilitar sua ligação aos outros elemen-
tos da instalação. Há na caixa o esquema da ligação e característi-
cas, tais como o número da lâmpada, tensão, potência, que devem
ser obedecidas pelo instalador. Serve para proporcionar as duas
tensões necessárias ao funcionamento da lâmpada. Há reatores
próprios para cada tipo de lâmpada, como, por exemplo, conven-
cionais, os de partida rápida e os eletrônicos.

Os reatores de partida convencional necessitam de starter


para entrarem em funcionamento.

SENAI - RJ
92 05 instalalação deMontagem
sistema de e
acionamento; iluminação
Reatores eletrônicos para lâmpadas fluorescentes tubulares, quando utili-
zados em conjunto com as lâmpadas fluorescentes de 18, 36 e 58W, apresentam
benefícios como:

– menor consumo de energia;


– menor aquecimento do ambiente;
– ausência de ruído;
– ausência de efeito estroboscópico e de cintilação;
– altíssimo fator de potência;
– alimentação múltipla: 50Hz, 60Hz e corrente contínua (para iluminação
de emergência);
– peso e volumes menores;
– incremento da vida útil das lâmpadas em 50%;
– vida útil dos reatores mais longa (20 anos);
– aprovação por laboratórios internacionais;
– em conformidade com diversas normas internacionais.

5.1.8 – Lâmpada fluorescente de catodo preaquecido


É um aparelho de iluminação composto de tubo cilíndrico de vidro, com
parede interna recoberta com substância fluorescente, filamento de tungstênio,
base metálica, pinos conectados ao filamento e suportes de filamento. Serve
para iluminar ambientes residenciais, comerciais, industriais, escolares e hos-
pitalares. Existe também no mercado a lâmpada fluorescente circular e mais
recentemente a compacta.

Para iluminar, principalmente, ambientes comerciais e industriais há,


também, a de catodo quente (HO).

CATODO PREAQUECIDO CATODO QUENTE (HO)

5.1.8.1 – Lâmpadas fluorescentes circulares

São alternativas para o uso de lâmpadas fluorescentes. Substituem as


incandescentes em residências, condomínios, hotéis, etc., com as seguintes van-
tagens:

05 instalalação deMontagem
sistema de e
acionamento; iluminação 93
SENAI - RJ
– consumo 60% menor;
– menor aquecimento do ambiente;
– luz bem distribuída;
– maior durabilidade.

5.1.8.2 – Lâmpadas fluorescentes compactas eletrônicas

São lâmpadas fluorescentes compactas com reatores eletrônicos incorpo-


rados à base de rosca, ideais para a substituição imediata de incandescentes
comuns. Podem ser utilizadas em qualquer luminária e, principalmente, em
locais que necessitam de iluminação econômica, com acendimento por tempo
prolongado. Para uso residencial, comercial ou industrial.

Características:
– alta eficiência energética, com até 80% de economia de energia;
– longa durabilidade: cerca de 8.000 horas;
– base rosca E27;
– acendimento imediato;
– impossibilidade de serem “dimmerizadas”.

5.2 – Lâmpadas fluorescentes x Lâmpadas


incandescentes

SENAI - RJ
94 05 instalalação deMontagem
sistema de e
acionamento; iluminação
Tarefa a ser realizada em sala-de-aula

Montar e instalar, em condições de qualidade e segurança, luminárias


incandescentes, fluorescentes, halógenas e eletrônicas, considerando
as normas técnicas específicas e a legislação brasileira em vigor.

Considerar os diagramas (D-1;D-2;D-3 e D-4) que seguem (páginas


98 a 100.)

5.3 – Diagramas com lâmpadas fluo-


rescentes

5.3.1 – Comandadas por interruptores para-


lelos (three-way – 2 comandos)

Diagramas multifilares

D-1 • Partida convencional: uma lâmpada fluorescente de


20W – 127V, comandada de dois pontos diferentes.

127V - 60Hz
REATOR
CONVENCIONAL
1x20w

D-2 • Partida rápida eletromagnética: duas lâmpadas fluo-


rescentes de 20W – 127V, comandadas de dois pontos diferentes.

127V - 60Hz
REATOR PARTIDA
RÁPIDA
2x20w

05 instalalação deMontagem
sistema de e
acionamento; iluminação 95
SENAI - RJ
D-3 • Partida rápida eletrônica: duas lâmpadas fluorescentes de 20W –
220V, comandadas de dois pontos diferentes.

5.3.2 – Comandadas por interruptores paralelos


(three-way) e intermediário(s) (four-way – 3 comandos)
D-4 • Diagrama multifilar:

Diagrama unifilar:

Se se desejar aumentar a quantidade de comandos, devem-se introduzir no


circuito mais interruptores intermediários, que ficarão sempre entre dois para-
lelos.

SENAI - RJ
96 05 instalalação deMontagem
sistema de e
acionamento; iluminação
06
Tomadas
6 – Tomadas
As tomadas são dispositivos destinados às ligações de aparelhos ele-
trodomésticos e industriais e servem para fazer e desfazer as conexões com
segurança e facilidade. Elas podem ser fixadas nas paredes ou no piso e são
constantemente energizadas. Diferem pela forma de sua aplicação, pela forma
e quantidade de seus contatos e por sua capacidade elétrica.

Existem tomadas para instalações externas e embutidas. A forma dos con-


tatos determina o tipo de pinos que a tomada pode receber. Há tomadas para
pinos redondos, pinos chatos e também para ambos os pinos (chamada tomada
universal).

A quantidade dos contatos determina a


função da tomada, ou seja, limita o tipo de cir-
cuito em que a tomada pode ser instalada. Ela
agüenta correntes elétricas apenas até um certo
valor. Se esse limite for ultrapassado, haverá
perigo e os contatos podem-se queimar ou se
fundir.

Para evitar tais defeitos, cada tomada traz


uma inscrição que mostra a carga máxima
(tensão e corrente) que ela pode alimentar.
Observem-se modelos de algumas tomadas.

tomada 2P+T tomada 3P

06 Tomadas
99
SENAI - RJ
R
S
As tomadas são ligadas dire-
T
N
tamente à linha de alimentação.
Observem-se diferentes ligações
de tomadas.

a b c d e f

Te Te Te

6.1 – Normas de instalações elétricas em


iluminação e tomadas (NBR – 5410)
Em cada cômodo ou dependência deve ser previsto, pelo menos, um ponto
de luz no teto, com potência mínima de 100VA, comandado por interruptor de
parede.

Determinação de potência mínima de iluminação em unidades residen-


ciais.
Área do cômodo ou dependência (m2) Potência mínima de iluminação (VA)

/6 100
¢6 100 para os primeiros 6m2 e mais
60 para cada aumento de 4m2 inteiros.

a) Os valores calculados correspondem à potência destinada à iluminação para


efeito de dimensionamento dos circuitos.

b) Para efeito de dimensionamento, pode-se admitir que a iluminação seja execu-


tada com lâmpadas incandescentes e, portanto, o fator de potência é igual a 1; o valor
em VA será igual ao valor em W.

6.1.1 – Tomadas de corrente


• Uma tomada para cada cômodo ou dependência de área igual ou inferior a 6m2.

• uma tomada para cada 5m (ou fração) de perímetro de cômodo ou


dependências de área superior a 6m2, espaçadas uniformemente, exceto em
banheiros, onde apenas uma tomada perto da pia deve ser obrigatoriamente pre-
vista;

SENAI - RJ
100 06 Tomadas
• uma tomada para cada 3,5m (ou fração) de perímetro, em
cozinhas, copas ou copas-cozinhas, sendo que, acima de cada ban-
cada com largura igual ou superior a 30cm, deve ser prevista pelo
menos uma tomada;

• uma tomada, em subsolos, sótão, garagens, varandas, hall


de entrada e corredor. No caso de varanda, quando não for possível
a instalação de tomada no próprio local, esta deverá ser instalada
próximo a seu acesso.

As tomadas de uso específico devem ser instaladas no máximo a


1,5m do local previsto para o aparelho.

Cargas mínimas para as tomadas de corrente

• Para utilização geral: 100VA;

• para copas, cozinhas, copas-cozinhas e área de serviço:


600VA por tomada, até 3 tomadas e 100VA por tomada, para as
excedentes;

• para utilizações específicas: a carga nominal de utilização.

Tarefa em sala-de-aula

Montar e instalar, em condições de qualidade e segurança, toma-


das bipolares, bipolares + terra e tripolares, considerando as normas
técnicas específicas e a legislação brasileira em vigor.

06 Tomadas
101
SENAI - RJ
07
Montagem e instalação
de sistema de acionamento
e de sensores
de presença
7.1 – Interruptor automático por presença
O interruptor automático de presença é um interruptor estanque, arti-
culável, equipado com um sensor infravermelho que capta a radiação de calor
em movimento (pessoas, animais, automóveis, etc.), dentro do seu campo de
detecção, que é de 10m.

Ele possui duas regulagens: uma, que permite variar o tempo em que as
lâmpadas permanecem acesas de 10seg a 10min; outra, que permite inibir seu
funcionamento durante o dia, através da célula fotoelétrica nele existente.

Tem por finalidade comandar automaticamente a iluminação de ambien-


tes onde não é necessário manter as lâmpadas permanentemente acesas. É
econômico, pois evita gasto desnecessário de energia, mantendo as luzes apa-
gadas quando não houver presença física no ambiente.

É aplicado nas habitações: em iluminação da parte externa, de hall social,


de ante-salas, escadas, etc.; nas lojas: em iluminação de vitrines; nos esta-
cionamentos: em iluminação de áreas externas e internas; nos edifícios: em
iluminação de salas, escadas, recepções, etc., ou até de andares inteiros.

A sua instalação deve ser feita a uma altura aproximada de 2,5m do piso,
de maneira que a movimentação de pessoas, veículos, animais, etc. seja prefe-
rencialmente na transversal, cortando o maior número de raios possíveis, como
se pode ver na ilustração a seguir.

07 Montagem
sistema e instalação
de acionamento e de de
sensores de presença 105
SENAI - RJ
detalhe da
instalação vista lateral vista superior

10m

2,50m
Alguns cuidados na instalação devem ser observados, tais como:

• instalar em local protegido, evitando fontes de calor, exposição aos raios


solares, à chuva, ao vento, à poeira e sobre suportes móveis ou vibrantes;

• não deixar vidro interposto entre a fonte de calor e o produto, pois isso
impede detecção de movimento;

• não utilizar o produto em sistemas de alarme;

• respeitar a capacidade máxima do aparelho e verificar se a tensão da rede


é igual à dele;

• quando necessário, limpar cuidadosamente o visor com um pano ume-


decido em álcool ou água.

Quando o produto voltar a ser alimentado eletricamente, seja por falta de energia
ou por ação do interruptor, automaticamente será acionada a carga, permanecendo
assim até finalizar a temporização.

Potência máxima das cargas


resistiva indutiva
tensão lâmpadas lâmpadas motores
do aparelho incandescentes fluorescentes em geral
127V~ 1200W 600W 300W
220V~ 1200W 600W 300W

SENAI - RJ
106 07 Montagem
sistema e instalação
de acionamento e de de
sensores de presença
7.2 – Sensor de presença
Este dispositivo detecta automaticamente a radiação infraver-
melha, emitida pelo corpo humano, acionando automaticamente
uma carga elétrica.

É indicado para uso em halls de edifícios, escadas, corredo-


res, garagens e demais locais onde existir movimentação de pes-
soas.

Especificações:

• tensão de operação: 90V a 240V

• potência: 300/500W

• área de detecção: 120º

• campo de detecção: R = 6m

• temporização: 15seg, 40seg, 2min ou 5min

A instalação é feita em caixa 4” x 2”.

7.2.1 – Tipos e esquemas de ligação


a) sensor: 2 fios (apenas em lâmpadas incandescentes)

07 Montagem
sistema e instalação
de acionamento e de de
sensores de presença 107
SENAI - RJ
b) sensor: 3 fios (qualquer tipo de lâmpada)

7.3 – Instalação de fotocélula


A fotocélula (relé fotoelétrico) tem função analógica à do interruptor
automático por presença. Enquanto este capta a radiação de calor em movi-
mento, a fotocélula tem em sensor sensível à luz. Controla automaticamente
lâmpadas e motores, ligando-os ao anoitecer e desligando-os ao amanhecer.

POTÊNCIA MÁXIMA DAS CARGAS


potência resistiva indutiva
lâmpadas lâmpadas motores
Tensão (bivolt)
incandescentes fluorescentes em geral
127/220v~
1200VA 1200W 60W 300W

Para a interligação do relé fotoelétrico com a rede de distribuição, uti-


liza-se uma tomada externa tripolar, que pode ser fixada em paredes, postes,
painéis, etc. Há vários tipos de alça de fixação, para que se possa atender a
cada caso específico.

Essa tomada atende às normas da ABNT.

O relé fotoelétrico para comando automático de iluminação externa


• utiliza a variação da luminosidade de ambiente para comutação;
• possui retardo automático incorporado;
• aplica -se em iluminação pública, industrial, comercial, residencial, etc.;
• atende às normas da NEMA, ANSI, e ABNT.

SENAI - RJ
108 07 Montagem
sistema e instalação
de acionamento e de de
sensores de presença
Tarefa em sala-de-aula

Montar e instalar, em condições de qualidade e segurança, sensor de presença


e fotocélula no comando de diferentes luminárias, considerando as normas técnicas
específicas e a legislação brasileira em vigor.

7.4 – Instalação de chave de bóia


Chave de bóia de contato de mercúrio é um dispositivo utilizado para
acionamento de eletrobombas.

7.4.1 – Funcionamento da chave


de bóia de contatos de mercúrio
Quando o reservatório (caixa d’água) superior nível máximo

chegar ao nível mínimo, ambos os pesos ficarão fora


da água e, conseqüentemente, vencerão o contrapeso
que será puxado para baixo pela linha. A ampola
se inclinará e o mercúrio correrá para os contatos,
fechando-os.
nível mínimo
Se o reservatório inferior tiver água acima
do nível mínimo, os contatos também estarão fecha-
dos e, portanto, a bomba entrará em funcionamento
enchendo o reservatório superior.

Quando o reservatório superior alcançar o nível máximo, ambos os pesos


ficarão mergulhados na água e, conseqüentemente, o peso dos mesmos será
menor. O contrapeso será maior e a ampola se inclinará para trás, fazendo o
mercúrio correr dos contatos abrindo-os e desligando a bomba.

A bomba só terá condições de funcionar se o reservatório inferior tiver


água acima do nível mínimo.

A função da chave de bóia do reservatório inferior é garantir essa


condição. Portanto, se o nível baixar ao mínimo, a chave desliga, não permi-
tindo que a bomba funcione.

07 Montagem
sistema e instalação
de acionamento e de de
sensores de presença 109
SENAI - RJ
7.4.2 – Funcionamento da chave de bóia flutuante de
contatos de mercúrio
O funcionamento deste tipo de chave de bóia é simples. Basta que a
ampola se incline, favorecendo o deslocamento do mercúrio em direção aos
contatos, fechando -os.

posições dos contatos posições dos contatos


fechados abertos

O mercúrio é um metal líquido, bom condutor de eletricidade. Por isso ao


unir os contatos, liga o circuito da bomba.

Vejamos, agora, como se comporta a chave de bóia em cada um dos


reservatórios, nas situações apresentadas.

caixa superior vazia caixa superior cheia caixa inferior cheia caixa inferior vazia
bomba ligando bomba desligando bomba ligada bomba desligada

SENAI - RJ
110 07 Montagem
sistema e instalação
de acionamento e de de
sensores de presença
7.5 – Instalação de disjuntor termo-
magnético

7.5.1 – Disjuntor termomagnético


O disjuntor é um dispositivo que, além de poder comandar
um circuito, isto é, ligá-lo e desligá-lo, mesmo com carga, des-
liga-o automaticamente, quando a corrente que circula ultrapassa
um determinado valor, em razão de um curto-circuito ou de uma
sobrecarga.

7.5.2 – Tipos e utilização


Os disjuntores, de acordo com o número de condutores vivos
(fase e neutro) do circuito, podem ter 1, 2, 3 ou 4 pólos, Assim:

• os disjuntores monopolares são utilizados apenas em cir-


cuitos com 1 fase e neutro (FN);

• os disjuntores bipolares devem ser utilizados em circuitos


com 2 fases e neutro (2FN); eventualmente, podem ser utilizados
em circuitos com 1 fase e neutro (FN), seccionando também o
neutro;

• os disjuntores tripolares devem ser utilizados em circuitos


com 3 fases (3F) ou em circuitos com 3 fases e neutro (3FN); even-
tualmente, podem ser utilizados em circuitos com 2 fases e neutro
(2FN), seccionando também o neutro;

• os disjuntores tetrapolares são utilizados apenas em circui-


tos com 3 fases e neutro (3FN), quando se prevê o seccionamento
do neutro.

Os disjuntores utilizados em unidades residenciais devem


atender a uma das três normas seguintes:

• NBR-5361 — disjuntores de baixa tensão

• NBR IEC 60898 — disjuntores para proteção de sobrecor-


rentes para instalações domésticas e similares.

07 Montagem
sistema e instalação
de acionamento e de de
sensores de presença 111
SENAI - RJ
• NBR IEC 60947-2 — dispositivos de manobra e comando de baixa tensão.

Os disjuntores não devem trabalhar a mais de 80% de sua capacidade nominal. Um


disjuntor de 15A deve ser indicado para circuitos cuja corrente nominal seja de 12A.

7.6 – Dispositivos DR
São dispositivos que detectam a corrente diferencial-residual (DR) num
circuito, e atuam desligando-o, quando essa corrente ultrapassa um valor prefi-
xado. A corrente diferencial-residual é produzida, num circuito, por fuga para
terra ou por falta, e pode ser entendida como a corrente medida por um amperí-
metro alicate, extremamente sensível, envolvendo todos os condutores vivos
do circuito (fase e neutro, se existirem). Os dispositivos DR são destinados à
proteção de pessoas contra choque elétrico.

7.6.1 – Interruptores DR
São dispositivos que só protegem contra choques (podem ligar e desligar
circuitos manualmente, como um interruptor comum). A corrente nominal é o
maior valor que pode circular continuamente pelo dispositivo e que pode ser
interrompido sem danificar seus componentes internos.

7.6.2 – Disjuntores DR
Consistem num disjuntor comum, com um “módulo DR” acoplado, que
protege contra choques e contra sobrecarga. A corrente nominal é o maior valor
que pode circular continuamente pelo dispositivo sem provocar seu desligamento
automático, nem danificar seus componentes internos.

Observem-se, a seguir, alguns exemplos de disjuntores termomagnéticos


e dispositivos DR.

SENAI - RJ
112 07 Montagem
sistema e instalação
de acionamento e de de
sensores de presença
7.6.3 – Corrente diferencial-residual nominal de
atuação
É a corrente diferencial-residual que provoca a atuação do dispositivo. Os
DR cuja corrente diferencial-residual nominal de atuação é inferior ou igual a
30mA são de alta sensibilidade; aqueles cuja corrente de atuação é superior a
30mA são de baixa sensibilidade.

Em unidades residenciais, é obrigatória a proteção contra choques elétri-


cos, com dispositivos DR de alta sensibilidade para:

• circuitos terminais que alimentem pontos de luz e tomadas em banheiro


(excluídos os circuitos que alimentem pontos de luz situados a uma altura igual
ou superior a 2,5m);

• circuitos terminais que alimentem tomadas em cozinhas, copas, copas-


-cozinhas, lavanderias, áreas de serviço, garagens, varandas e locais similares;

• circuitos terminais que alimentem tomadas em áreas externas ou toma-


das em áreas internas que possam alimentar equipamentos no exterior.

Essa proteção pode ser proporcionada por um único DR de alta sensibili-


dade (geralmente 30mA), instalado em série com o disjuntor geral, ou como
chave geral no quadro de distribuição.

7.7 – Quadro de distribuição


O quadro de distribuição da unidade residencial é alimentado pelo circuito
de distribuição respectivo e dele partem os diversos circuitos terminais. Deve
possuir, em princípio, os seguintes dispositivos:

• chave geral, que poderá ser um interruptor DR ou um disjuntor DR, ou


um disjuntor mais interruptor DR;

• disjuntores termomagnéticos para a proteção dos circuitos terminais;

• espaços-reserva para ampliação (um espaço corresponde a um disjuntor


monopolar).

No caso da utilização de quadros com barramentos, a corrente nominal do


barramento principal deverá ser igual ou superior à corrente nominal da chave
geral.

07 Montagem
sistema e instalação
de acionamento e de de
sensores de presença 113
SENAI - RJ
O número de pólos dos dispositivos utilizados nos quadros de distribuição
é determinado pelo tipo de circuito, por exemplo:

a) circuito FN: disjuntor de um pólo ou dois (quando é previsto o seccio-


namento do neutro);

b) circuito 2FN: disjuntor de dois pólos ou três (quando é previsto o sec-


cionamento do neutro);

É obrigatório prevermos uma capacidade de reserva nos quadros de


distribuição, de acordo com o seguinte critério:

• quadro com até 6 circuitos: espaço-reserva para, no mínimo, 2 circuitos


adicionais;

• quadro com 7 a 12 circuitos: espaço-reserva para, no mínimo, 3 circuitos


adicionais;

• quadro com 13 a 30 circuitos: espaço-reserva para, no mínimo, 4 circui-


tos adicionais;

• quadro com mais de 30 circuitos: espaço reserva para, no mínimo, 15%


dos circuitos.

Nos quadros de distribuição com mais de uma fase, as potências dos cir-
cuitos terminais deverão ser “equilibradas” nas diversas fases, de modo que as
potências totais de cada uma delas sejam muito próximas. Quando um circuito
terminal tiver mais de uma fase, sua potência deverá ser dividida entre elas, na
tabela de cálculo do projeto.

Quadro de distribuição é o centro de distribuição de toda a instalação


elétrica de uma residência, uma vez que recebe os fios que vêm do medidor e
dele partem os circuitos terminais que vão alimentar diretamente as lâmpadas,
tomadas e aparelhos elétricos. Encontram-se nele os dispositivos de proteção
dos circuitos de uma instalação, conforme exemplificado na figura a seguir.
CIRCUITO 1 – iluminação social
CIRCUITO 2 – iluminação de serviço
CIRCUITO 3 – tomadas de uso geral
CIRCUITO 4 – tomadas de uso geral
CIRCUITO 5 – tomadas de uso específico
(Ex.: torneira elétrica)
CIRCUITO 6 – tomadas de uso específico
(Ex.: chuveiro elétrico)

SENAI - RJ
114 07 Montagem
sistema e instalação
de acionamento e de de
sensores de presença
O quadro de distribuição deve estar localizado em lugar
de fácil acesso e o mais próximo possível do medidor, para
que se evitem gastos desnecessários com os fios do circuito de
distribuição, os mais grossos de toda a instalação e, portanto, os
mais caros.

As figuras a seguir mostram os componentes e as ligações


típicas de um quadro de distribuição.

7.7.1 – Ligações típicas de um QD


• Quadro de distribuição (QD) para fornecimento monofásico
6

5 7

3 21 8

– Disjuntor geral –
(monopolar)
(1) Fase
(2) Neutro
(3) Proteção
(4) Jumps de ligação — Ligam a fase a todos os disjuntores
dos circuitos.
(5) Barramento de proteção — Deve ser ligado eletricamente
à caixa do QD.
(6) Disjuntores dos circuitos terminais — Recebem a fase do
disjuntor geral e distribuem para os circuitos terminais.
(7) Barramento de neutro — Faz a ligação dos fios neutros
dos circuitos terminais com o neutro do circuito de distribuição,
devendo ser isolado eletricamente da caixa do QD.
(8) Disjuntor geral (monopolar)

07 Montagem
sistema e instalação
de acionamento e de de
sensores de presença 115
SENAI - RJ
• Quadro de distribuição para fornecimento bifásico

6 9 8
– Disjuntor geral –
(bipolar)
(1) Proteção
(2) Fase
(3) Fase
(4) Neutro
(5) Barramento de proteção
(6) Disjuntores dos circuitos
5 10 7 terminais bifásicos
4 3 2 1
(7) Barramento de neutro
(8) Disjuntores dos circuitos terminais mono-
fásicos
(9) Barramento de interligação das fases
(10) Disjuntor geral

• Quadro de distribuição para fornecimento trifásico

2 1
(1) Barramento de neutro
(2) Disjuntor diferencial residual tetrapolar
(3) Barramento de proteção
3 (4) Disjuntores dos circuitos terminais bifásicos
(5) Disjuntores dos circuitos terminais monofásicos
4
(6) Barramento de interligação das fases

SENAI - RJ
116 07 Montagem
sistema e instalação
de acionamento e de de
sensores de presença
CIRCUITOS TERMINAIS
1
(1) Disjuntor geral 2
(2) Fases
(3) Neutro
(4) Proteção (PE)
(5) Quadro de distribuição
3 4
5

• Exemplos de circuitos terminais protegidos por disjuntores termomag-


néticos
neutro

fase

retorno

disjuntor monopolar

CIRCUITO DE ILUMINAÇÃO

07 Montagem
sistema e instalação
de acionamento e de de
sensores de presença 117
SENAI - RJ
neutro

fase proteção

barramento de proteção

CIRCUITO DE TOMADAS DE USO GERAL

• Exemplos de circuitos terminais protegidos por disjuntores DR

proteção

barramento de neutro
proteção fase

retorno

disjuntor diferencial
residual bipolar
CIRCUITO DE ILUMINAÇÃO EXTERNA

SENAI - RJ
118 07 Montagem
sistema e instalação
de acionamento e de de
sensores de presença
proteção

fase neutro
barramento
de proteção

disjuntor diferencial
residual bipolar
CIRCUITO DE TOMADAS DE USO GERAL

• Exemplos de circuitos terminais protegidos por disjuntores


termomagnéticos

proteção

neutro fase

barramento
de neutro

barramento
de proteção

disjuntor termomagnético
monopolar

CIRCUITO DE TOMADA DE USO ESPECÍFICO (127V)

07 Montagem
sistema e instalação
de acionamento e de de
sensores de presença 119
SENAI - RJ
fase fase

proteção

barramento
de neutro

barramento
disjuntor
de proteção
termomagnético
tripolar

disjuntores termomagnéticos
monopolares

CIRCUITO DE TOMADA DE USO ESPECÍFICO (220V)

• Exemplos de circuitos terminais protegidos por disjuntores DR

proteção

barramento de
proteção

neutro fase

CIRCUITO DE TOMADA DE USO ESPECÍFICO (127V)

SENAI - RJ
120 07 Montagem
sistema e instalação
de acionamento e de de
sensores de presença
proteção

barramento fase fase


de proteção

disjuntor DR

CIRCUITO DE TOMADA DE USO ESPECÍFICO (220V)

• Exemplos de circuito de distribuição monofásico protegido por disjuntor


termomagnético

(1) Ligação monofásica


(2) Proteção + neutro (PEN)
(3) Fase 4

(4) Disjuntor diferencial residual bipolar 1

07 Montagem
sistema e instalação
de acionamento e de de
sensores de presença 121
SENAI - RJ
• Exemplo de circuito de distribuição monofásico protegido por disjuntor DR

3 2

4
5 (1) Ligação monofásica
(2) Quadro de distribuição monofásico
6
(3) Neutro
(4) Fase
(5) Proteção
(6) Disjuntor diferencial residual bipolar

• Exemplo de circuito de distribuição bifásico ou trifásico protegido por


disjuntor termomagnético

1
2 3

(1) Ligação bifásica ou trifásica


(2) Fases
(3) Proteção + neutro (PEN)
(4) Disjuntor ou interruptor DR tetrapolar

SENAI - RJ
122 07 Montagem
sistema e instalação
de acionamento e de de
sensores de presença
• Exemplo de circuito de distribuição bifásico ou trifásico
protegido por disjuntor DR

(1) Ligação bifásica ou trifásica


(2) Disjuntor diferencial residual tetrapolar

07 Montagem
sistema e instalação
de acionamento e de de
sensores de presença 123
SENAI - RJ
Montar e instalar, em condições de qualidade e segurança, quadro de distribuição
de luz com disjuntor geral e cinco circuitos parciais, considerando as normas técnicas
específicas e a legislação brasileira em vigor. Esta tarefa será feita em sala-de-aula.

7.8 – Instalação de minuterias


As minuterias nada mais são do que um interruptor temporizado que fun-
ciona sob o comando de um ou vários pulsadores localizados nas dependências
de um prédio – normalmente corredores, escadas e arredores, onde se localizam
as lâmpadas de iluminação. Têm por objetivo economizar energia elétrica, evi-
tando que permaneçam iluminadas as citadas dependências, quando não houver
trânsito de pessoas.

7.8.1 – Minuteria eletromecânica


1 – Caixa de baquelita ou plástico (a).

2 – Eletroímã composto de bobina (b) e núcleo (c).

3 – Mecanismo de relojoaria composto de trem de engrenagem (d), massa


de pêndulo (e), mola (f).

4 – Alavanca de náilon (g).

5 – Contatos: auxiliar (h), fixo (i) e principal (j).

6 – Bornes de conexão (l) numerados de 1 a 6; contato auxiliar (1); con-


tato de carga (2); terminal comum da bobina (5); terminal de 220V da bobina
(4); terminal de 115V de bobina (3); e contato principal (6).

7 – Furo para fixação da tampa (m).

8 – Furos de fixação (n).

Função: serve para controlar a iluminação por um tempo determinado de


2 a 4 minutos.

SENAI - RJ
124 07 Montagem
sistema e instalação
de acionamento e de de
sensores de presença
n

1 2 3 n 4 5 6

07 Montagem
sistema e instalação
de acionamento e de de
sensores de presença 125
SENAI - RJ
É comum, na instalação da minuteria eletromecânica, usar-se uma chave
seletora.

Esta chave, como o próprio nome indica, seleciona o circuito que vai
entrar em funcionamento. No caso de a mesma ser ligada num circuito de minu-
teria, ela seleciona o circuito “DIRETO” ou “MINUTERIA”, de modo que, na
posição “DIRETO”, as lâmpadas ficarão acesas todo o tempo, e, na posição
“MINUTERIA”, ficarão controladas por esta. Opcionalmente, se a chave sele-
tora ficar desligada de qualquer contato, nenhum circuito irá funcionar.

A seguir, apresenta-se o diagrama funcional de um circuito, com minute-


ria eletromagnética, chave seletora, três lâmpadas incandescentes e três pulsa-
dores.

127V AC

minuteria eletromagnética

7.8.1.1 – Funcionamento da minuteria eletromecânica

Ao pressionarmos um dos pulsadores, a bobina é energizada, atraindo o


núcleo que puxa a mola, onde se armazena a energia. Essa energia impulsiona
um trem de engrenagens que tem seu movimento liberado aos poucos por uma
mola de escape e um pêndulo, cuja oscilação pode ser regulada pelo desloca-
mento da massa ao longo de sua haste. Esse mecanismo é semelhante ao de

SENAI - RJ
126 07 Montagem
sistema e instalação
de acionamento e de de
sensores de presença
um relógio, regulando o tempo de funcionamento da minuteria.
Através dele, uma alavanca abre o contato auxiliar da bobina e
fecha o contato principal que mantém acesas as lâmpadas, durante
o tempo necessário ao trânsito de pessoas. Acabando esse tempo,
a alavanca desarma os contatos, desligando as lâmpadas. A minu-
teria estará pronta para ser acionada novamente.

Um tipo mais moderno e versátil é a minuteria eletrônica,


que, devido ao seu pequeno tamanho, pode ser usada individual-
mente, isto é, uma em cada andar do prédio, o que ocasiona maior
economia de energia e diminui a freqüência de substituição de
lâmpadas queimadas.

7.8.2 – Minuteria modular universal (eletrônica)


Especificações:

• Potência de chaveamento: 1200VA

• Tensão de operação: 90 a 240V

• Temporização: 90s

• Aciona qualquer tipo de carga (lâmpadas incandescentes, flu-


orescentes com reator convencional e eletrônico, fluorescentes com-
pactas, de vapor de mercúrio, de vapor de sódio, dicróicas, etc.)

• Não consome energia quando desligada.

Esquema de ligação

1) Instalação com pulsadores (ligação básica)

07 Montagem
sistema e instalação
de acionamento e de de
sensores de presença 127
SENAI - RJ
7.8.3 – Minuteria eletrônica
É um aparelho destinado a controlar lâmpadas incandescentes ou fluores-
centes (40W mínimo), através de regulagem para funcionamento permanente
ou temporizado de 15 segundos a 5 minutos.

O pré-aviso de extinção de luz funciona com encaixe de jumper (contato)


somente para lâmpadas incandescentes, com redução da luminosidade durante
10 segundos. Possui lâmpada néon na parte frontal, para sinalização de funcio-
namento. Incorpora fusível de ação rápida (10A). A tensão e potência máxima
são respectivamente: 127V/1000W e 220V/2000W.

Esquema de ligação

SENAI - RJ
128 07 Montagem
sistema e instalação
de acionamento e de de
sensores de presença
7.8.4 – Minuteria individual
Aciona lâmpadas incandescentes (40W mínimo) mantendo-as acesas
durante aproximadamente 1 minuto e 30 segundos. Possui um pulsador equi-
pado com acessório luminoso, facilitando sua localização em ambientes escu-
ros. Pode substituir o interruptor simples (de uma seção) em caixa 4” x 2”,
aproveitando a mesma instalação. A tensão e potência máxima são, respectiva-
mente: 127V/300W e 220V/600W.

Esquema de ligação:

Tarefa em sala-de-aula

Montar e instalar, em condições de qualidade e segurança, comando de lâmpadas


incandescentes com minuteria e de lâmpadas fluorescentes com programador, consi-
derando as normas técnicas específicas e a legislação brasileira em vigor.

07 Montagem
sistema e instalação
de acionamento e de de
sensores de presença 129
SENAI - RJ
7.9 – O programador horário (time-switch)
O programador horário é um aparelho que permite ligar e desligar qual-
quer equipamento elétrico, de acordo com horários preestabelecidos.

O programador é acionado por um micromotor, que comanda o relógio e o


disco de programação. Alguns podem ser fornecidos com bateria recarregável,
a qual possibilita manter o aparelho em funcionamento quando faltar energia,
sem atrasar o relógio.

O programador horário é composto basicamente por três partes distintas:

• relógio, localizado no centro do aparelho;


• disco de programação, localizado ao redor do relógio;
• contatos de saída, localizados na parte inferior do aparelho.

Existe uma interligação entre o relógio e o disco de programação, que é


representada pela seta localizada no relógio entre as 12h e 3h.

Conforme o modelo, existem três tipos de discos de programação:

• disco de 12 horas AM (antes do meio-dia) + 12 horas PM (pós meio-dia)

SENAI - RJ
130 07 Montagem
sistema e instalação
de acionamento e de de
sensores de presença
• discos de 24 horas

• discos de uma semana

Note-se que o relógio e o disco de programação se movimen-


tam no sentido horário ao longo do tempo, porém a seta fica cons-
tantemente parada. Isso permite que identifiquemos três funções:

• horário corrente no relógio e no disco de programação;


• se o horário indicado no relógio se refere a antes (AM) ou
depois (PM) do meio-dia;

07 Montagem
sistema e instalação
de acionamento e de de
sensores de presença 131
SENAI - RJ
• se o contato de saída se encontra acionado (cavalete para fora do disco)
ou desacionado (cavalete para dentro do disco).

O programador horário permite ligar e desligar qualquer equipamento


elétrico em horários preestabelecidos pelo usuário, de acordo com sua necessi-
dade. Isso é possível, graças ao disco de programação que nos permite determi-
nar os horários desejados. Ao longo do disco, existem 96 ou 84 cavaletes, que
podem ser posicionados para dentro ou para fora do disco de programação.

Cada um dos 96 cavaletes representa um período de 15 minutos. Os 84


cavaletes, um período de 2 horas. Com o passar das horas, o disco gira junta-
mente com o relógio. Quando o cavalete passar em frente da seta do relógio,
poderão ocorrer duas condições:

– o contato de saída é acionado durante o período do respectivo cavalete,


desde que o mesmo esteja posicionado para fora do disco.

– o contato de saída é desacionado durante o período do respectivo cava-


lete, desde que o mesmo esteja posicionado para dentro do disco.

De acordo com o equipamento elétrico a ser ligado, são necessários, pelo


menos, dois fios que permitam o fornecimento de energia, a qual poderá ser
proveniente:

• da tomada elétrica, que oferece os dois fios necessários para forneci-


mento da energia;

• do quadro de luz, que também oferece os dois fios necessários para o


fornecimento (110 volts => 1 disjuntor + Neutro; 220 volts => 2 disjuntores).

Para ser executada a correta ligação, utilizando fio de bitola 2,5mm2, pro-
cede-se conforme o diagrama abaixo, observando-se as instruções a seguir:

SENAI - RJ
132 07 Montagem
sistema e instalação
de acionamento e de de
sensores de presença
1 – conectar o fio da fase 1 ao terminal 1 do programador horário;
2 – conectar o fio da fase 2 (ou neutro) ao terminal 2 do programador;
3 – fazer um “jumper” entre os terminais 2 e 3 do programador;
4 – ligar o equipamento elétrico nos terminais 1 (fase 1) e 4 do programador.

Dessa forma, a energia somente será fornecida ao equipamento elétrico


nos horários estabelecidos pela programação feita.

Caso a energia consumida pelo equipamento elétrico seja superior à capa-


cidade máxima dos contatos de saída, deve-se proceder conforme o diagrama
que se segue:

Caso o equipamento elétrico seja trifásico, procede-se conforme o dia-


grama que se segue:

07 Montagem
sistema e instalação
de acionamento e de de
sensores de presença 133
SENAI - RJ
Os programadores horários são largamente utilizados em ambientes indus-
triais, comerciais ou residenciais. Eles comandam:

• aquecedores elétricos; luminosos de lojas, bancos e shoppings; painéis


comerciais; motor do filtro de piscina; balcões frigoríficos; comando de come-
douros e iluminação em granjas; preaquecimento de máquinas; sinal sonoro
de entrada e saída de funcionários de fábrica; irrigações; ar-condicionado;
iluminação em geral, etc.

SENAI - RJ
134 07 Montagem
sistema e instalação
de acionamento e de de
sensores de presença
08
Aterramento
8.1 – Conceito
Aterramento é, essencialmente, uma conexão elétrica à terra, na qual o
valor da resistência de aterramento representa a eficácia desta ligação: quanto
menor a resistência, melhor o aterramento.

A função principal de um aterramento está sempre associada à proteção,


quer de pessoal ou de equipamentos. A seguir serão estudados alguns casos
típicos.

Os projetos de instalações elétricas executados atualmente sempre indi-


cam um ponto de aterramento para a instalação. Dependendo do projeto, é feita
apenas a especificação de um valor em Ohm (V), por exemplo: 10V, 5V ou
algum outro valor.

8.2 – Surtos, descargas atmosféricas

8.2.1 – Surtos em linhas de força (alimentação)


Entende-se por surto (em inglês: surge) uma perturbação anormal da cor-
rente ou tensão normalmente esperada em um sistema. Há surtos causados por
manobras na rede, descargas atmosféricas (raios), interferências eletromagnéti-
cas, etc.

O controle dos surtos dentro de um sistema elétrico é feito através de pro-


tetores contra sobretensões, tais como pára-raios de linha, supressores, capaci-
tores, etc.

O aterramento é essencial para a correta operação dos protetores contra


sobretensões instalados em redes de alta e baixa tensão, pois estes dispositivos
drenam as correntes dos surtos para a terra, funcionando como uma válvula de
escape para as correntes geradas pelas sobretensões.

08 Aterramento
137
SENAI - RJ
8.2.2 – Surtos em linhas de transmissões de dados
Além dos surtos em linhas de força, descritos anteriormente, os modernos
equipamentos eletrônicos possuem linhas de comunicação de dados com outros
equipamentos, as quais também estão sujeitas a surtos.

8.2.3 – Descargas atmosféricas (raios)


A incidência de raios sobre materiais pouco condutores, tais como telhas
cerâmicas e alvenaria, provoca neles rachaduras e estilhaçamento. Uma vez ins-
talado um SPDA (Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas), o ater-
ramento é utilizado para dissipar a corrente do raio, no solo, de forma segura,
evitando os efeitos térmicos do raio e risco de choque elétrico para as pessoas.

8.3 – Proteção

8.3.1 – Blindagens
Um sistema composto de equipamentos eletrônicos sensíveis (EES) está
sujeito a interferências provocadas por campos eletromagnéticos. A blindagem
é um recurso utilizado para minimizar essas interferências, sendo necessário o
aterramento para estabelecer um potencial zero na blindagem ou para propor-
cionar um caminho externo para as correntes induzidas.

8.3.2 – Segurança contra choques elétricos


Instalações elétricas em geral apresentam materiais metálicos não energi-
zados como meio de evitar contato das pessoas com partes energizadas, tais
como barramentos de quadros elétricos, interior de equipamentos, etc. Contudo,
se houver uma falha no isolamento desses sistemas, os operadores/usuários
estarão sujeitos a choques elétricos, com o conseqüente risco para as pessoas.
O aterramento é utilizado para assegurar que o potencial das partes metálicas
aterradas fique sempre abaixo do nível dos potenciais perigosos, garantindo,
assim, a proteção das pessoas.

SENAI - RJ
138 08 Aterramento
8.3.3 – Curto-circuito fase-terra
O curto-circuito fase-terra em redes elétricas provoca desba-
lanceamento do sistema trifásico, sobrecarga nos equipamentos e
cabos da rede, comprometendo a segurança da rede elétrica e dos
operadores e usuários. Para que haja um desligamento do trecho da
rede afetado, é necessário que a corrente que circula pelo curto-cir-
cuito seja superior ao valor de operação dos disjuntores ou fusíveis
de proteção. O aterramento do neutro de transformadores e massas
metálicas fornece um caminho de baixa impedância para a cor-
rente de curto, possibilitando a operação da proteção.

8.4 – Sistemas de aterramento


As topologias dos sistemas de aterramento em baixa tensão,
conforme especificadas pela NBR-5410, têm uma codificação atra-
vés das letras:

• Primeira letra: situação da alimentação em relação à terra:

T — sistema aterrado

I — sistema isolado

• Segunda letra: situação das massas em relação à terra:

T — massas diretamente aterradas

N — massas ligadas ao neutro

• Outras letras: condutor neutro x condutor de proteção

S — neutro e proteção em condutores distintos

C — neutro e proteção num mesmo condutor (condutor PEN)

C - S — neutro e proteção combinados em uma parte da


instalação

08 Aterramento
139
SENAI - RJ
8.4.1 – ESQUEMAS DE ATERRAMENTO
• TN-S — condutores neutro e de proteção separados

L1
L2
L3
N
PE

massas
Aterramento
da alimentação

• TN-C-S — condutores neutro e de proteção separados em parte da


instalação

L1
L2
L3
N
PE

massas
Aterramento
da alimentação

SENAI - RJ
140 08 Aterramento
• TN-C — funções de neutro e proteção combinadas em um único condutor

• TT – aterramentos distintos para a rede de energia e para as massas


metálicas

08 Aterramento
141
SENAI - RJ
• IT – sistema isolado ou aterrado por impedância, estando as massas dire-
tamente aterradas

8.5 – Valor da resistência de aterramento

8.5.1 – Instalações elétricas de baixa tensão


Segundo a NBR-5410/1990 (antiga NB-3), deve-se conseguir uma
resistência de terra da ordem de 10 , visto que o sistema de aterramento é o
mesmo do pára-raios.

A exigência pode ser de valores ainda mais baixos, em função do tipo de


topologia empregada – TT, TN, IT, etc.

8.5.2 – Computadores
Por não existirem normas a respeito, há muita confusão quanto ao valor
para a resistência de terra de computadores e outros sistemas semelhantes,
como PLC (Programmable Logic Controller), SDCD (Sistema Digital de Con-
trole Distribuído), etc. Alguns fabricantes chegam a exigir 1 ou 2 , negando-se

SENAI - RJ
142 08 Aterramento
a manter a garantia do produto caso não se chegue a esse valor,
embora muitos já tenham abandonado a prática de exigir aterra-
mentos independentes.

Geralmente, um computador está ligado a um sistema


elétrico, com um valor de resistência de terra da ordem de 10 , o
que deve ser satisfatório na maioria dos casos.

8.5.3 – Telecomunicações
As recomendações referentes aos computadores aplicam-se,
igualmente, às instalações de telecomunicações. Duas observações
adicionais, porém, devem ser feitas.

A primeira é que, embora não exista uma norma oficial, há


uma tradição prática, inclusive por parte da Telebrás e das estatais
subsidiárias, de exigir 5 de resistência de aterramento.

A Telebrás já revisou o valor exigido para um nível coerente,


mas muitas empresas e projetistas ainda não se informaram a res-
peito e continuam utilizando as velhas práticas.

A segunda observação refere-se à procura de um local alto


para a instalação de uma torre. Infelizmente, muitos desses luga-
res altos localizam-se sobre rochas, às vezes com uma pequena
camada superficial de terra, sendo impraticável cravar hastes
nesses locais. No caso de camada inferior com resistividade maior,
isto prejudica mais do que ajuda. Outra solução não recomendada
é a de estender um cabo morro abaixo até encontrar um terreno
adequado ao aterramento. A melhor recomendação é a de otimizar
a equipotencialização do local, com malha de eletrodos horizon-
tais de baixa indutância (fita de cobre, por exemplo), se possível
instalados em valetas preenchidas com concreto.

08 Aterramento
143
SENAI - RJ
8.6 – Componentes e materiais

8.6.1 – Hastes
As hastes são os elementos mais comuns em pequenos sistemas, sendo
também utilizadas como acessório nos aterramentos maiores; assim, sua
importância em termos de execução e custos é bastante grande.

Embora um eletrodo vertical possa ser elaborado com qualquer metal que
não sofra corrosão e que tenha resistência mecânica suficiente para ser cravado
no solo, no Brasil utilizam-se quase que exclusivamente as hastes de aço cobre-
ado, com os tubos e barras de aço galvanizado ocupando um distante segundo
lugar. Podem ser usadas também as barras de cobre maciço ou de aço inoxi-
dável, porém estas duas não tiveram aceitação em nosso país.

As hastes cobreadas são fabricadas nos diâmetros comerciais de 1/2”,


5/8” e 3/4”, e em comprimentos de 2,4 e 3,0 metros. Para aterramentos mais
profundos, são fabricadas hastes prolongáveis, com roscas na ponta e na parte
superior. Assim, crava-se uma haste de 3 metros, instala-se uma luva roscada
e, nesta, uma nova haste que, ao ser cravada, vai empurrar a primeira. Esse pro-
cedimento é bem mais prático do que tentar cravar uma haste contínua de 6 ou
9 metros!

8.6.2 – Cabos
Os cabos são geralmente utilizados para eletrodos horizontais, visto que,
para instalá-los verticalmente, seria necessário cavar um poço ou conduzir o
cabo com um tubo ou barra que já seria, por si só, um eletrodo apropriado.
No Brasil, utilizam-se, quase que exclusivamente, cabos de cobre (nu, obvia-
mente), ainda que o aço galvanizado seja uma corrente à altura, em termos de
relação custo/benefício. As fitas de cobre são pouco utilizadas na prática, muito
embora forneçam uma baixa impedância de terra e resistência semelhante a um
cabo de mesma seção. Existe ainda uma parcela do mercado que utiliza o aço
cobreado, num processo semelhante ao das hastes. Um problema comum, em
certas regiões do Brasil, é o roubo de cabos de cobre nu instalados ao tempo ou
mesmo dos enterrados. Em vista disso, nesses locais, torna-se necessário o uso
de aço galvanizado.

SENAI - RJ
144 08 Aterramento
Quanto à seção, a NBR-5419 (proteção contra descargas atmosféricas)
especifica, para cabos de cobre, um mínimo de 50mm2, enquanto a NBR-5410
pede um mínimo de 25mm2.

8.6.3 – Conectores
Os conectores aparafusados ou por compressão, ou ainda os split-bolt,
cumprem razoavelmente a tarefa de prover a ligação elétrica com pressão e
superfície suficientes, pelo menos quando se encontram em local de fácil acesso
para verificação do contato.

Sob o solo, entretanto, facilmente se instala um processo corrosivo na


interface entre as peças, visto que a umidade pode penetrar livremente e, como
o conector está enterrado, fica impraticável sua inspeção periódica. Assim,
as normas proíbem o uso de conectores enterrados, exigindo, nesses casos, a
utilização de solda exotérmica.

8.6.4 – Solda exotérmica


A solda exotérmica é realizada através da fusão de uma mistura própria,
dentro de um cadinho ou molde de grafite, onde são colocados também os dois
ou três elementos a serem soldados.

É necessário um certo cuidado com o molde, que costuma quebrar com


facilidade se não for corretamente utilizado. Devem-se também observar as
faixas de diâmetros dos elementos a soldar que determinado tamanho de molde
cobre; a não observância dessa regra provoca vazamentos e/ou soldas fracas.

8.6.5 – Poço de inspeção


Serve para tornar acessível (e localizável) um sistema de aterramento,
seja para medições, seja para inspeção periódica. Se for um modelo hermético,
pode ser também utilizado para proteger uma ligação por conector, evitando a
corrosão deste.

Atualmente são fabricados modelos em plástico e concreto, embora, na


prática, também sejam utilizados poços de inspeção improvisados com tubos de
PVC branco (tipo esgoto) de 150 ou 200mm de diâmetro, o que é uma solução
rápida e barata, porém de qualidade e durabilidade baixas.

08 Aterramento
145
SENAI - RJ
8.6.6 – Poço de aterramento
No caso de pequenas áreas e/ou alta resistividade do solo, pode-se conse-
guir melhorar o aterramento através de uma haste profunda, eventualmente com
a adição de um tratamento do solo.

Podem ser empregadas:

haste embutida em concreto


haste envolvida em poço de gel ou bentonita
haste tubular perfurada, com gel interno

Caso a resistividade da segunda camada seja superior à da primeira, o


poço “vira” uma valeta, ou seja, o eletrodo deve ser instalado na horizontal,
porém as opções e os materiais utilizados são os mesmos.

8.6.7 – Eletrodos de aterramento


– dimensões mínimas –

TIPO DE ELETRODO DIMENSÕES MÍNIMAS

tubo de aço zincado 2,4m φ25mm


perfil de aço zincado cantoneira de 2,4m 20 20 3mm
haste de aço zincado 2m φ15mm
haste de aço cobreada 2m φ15mm
haste de cobre 2m φ15mm
fita de cobre 10m 2mm 25mm2
fita de aço galvanizado 10m 3mm 100mm2
cabo de cobre 10m 25mm 2

cabo de aço zincado 10m 95mm2

8.6.8 – Condutor de proteção


Função
– aterramento de massas metálicas de equipamentos elétricos

Objetivo
– segurança humana contra choques devido a contatos indiretos
– rápida atuação dos dispositivos de proteção

SENAI - RJ
146 08 Aterramento
Dimensionamento
Devem ser considerados:

– aquecimento
– resistência mecânica
– impedância mínima

8.7 – Novidades da NBR-5410/97


– aterramento principal integrado à estrutura da edificação;
– entradas de energia e sinais localizadas próximas entre si e
junto ao aterramento comum;
– aterramento do neutro feito somente na entrada da
instalação;
– entradas de energia e de sinais com dispositivo de proteção
contra sobretensões;
– cabeações de energia e de sinal encaminhadas junto e para-
lelas, desde a entrada até o ponto de utilização;
– a cabeação de um circuito de energia deve formar um grupo
compacto;
– condutor de aterramento conduzido junto à cabeação de
energia, desde a entrada da instalação;
– os aterramentos de energia e de sinal dos equipamentos
devem ser comuns no local de instalação.

8.7.1 – Integração dos aterramentos


Pelas normas NBR-5410 e NBR-5419 interligam-se:

– neutro e condutores de proteção da rede de energia;


– aterramentos do sistema de proteção contra raios;
– ferragens e estruturas metálicas;
– aterramentos de instalações especiais.

08 Aterramento
147
SENAI - RJ
Tarefa em sala-de-aula

Montar e instalar, em condições de qualidade e segurança, malha de aterramento


com 3(três) hastes, medindo a resistência de terra com a utilização do terrômetro, con-
siderando as normas técnicas específicas e a legislação brasileira em vigor.

SENAI - RJ
148 08 Aterramento
09 Instalação
computadores
de
9.1 – Tomada para computador
Os computadores devem ter sua tomada com circuito direto do
QDL, para ficarem protegidos de possíveis problemas elétricos.

A instalação é baseada no uso da “tomada de 3 pinos” (figura


ao lado), também conhecida como “tomada 2P + T”. Possui três ter-
minais: fase, neutro e terra.

Deve ser lembrado que o computador foi projetado para operar com a
tomada 2P + T, e não com a comum. A maioria das empresas fabricantes de
equipamentos para computação proíbe a instalação de seus produtos até que a
tomada 2P + T esteja disponível no local. Muitas outras anulam a garantia do
equipamento, em caso de uso da instalação elétrica incorreta.

Essa tomada pode ser adquirida em lojas especializadas em material para


instalações elétricas (ref. PIAL 54.313). Caso não exista uma tomada desse
tipo instalada no local onde ficará o computador, deve ser providenciada sua
instalação, conforme se descreve neste fascículo. Muitas vezes o usuário, na
ansiedade de ver o computador funcionando, não toma o cuidado devido com a
instalação elétrica e usa adaptadores ou retira o pino de terra da tomada do com-
putador e utiliza uma tomada comum (própria para eletrodomésticos). Apesar
de funcionarem, as instalações podem causar, a médio ou longo prazo, vários
problemas ao computador:

a – o computador pode “dar choque” no usuário.


b – pode ocorrer um curto-circuito quando o computador for conectado
a outro equipamento como um monitor, uma impressora ou à linha telefônica
através de modem.
c – o computador fica mais sensível a interferências provenientes da rede
elétrica.
d – em caso de defeito na fonte da alimentação, as placas podem ficar
definitivamente danificadas, apesar da existência do fusível.
e – equipamentos de proteção como estabilizadores, nobreaks e filtros de
linha não funcionam com eficiência.

09 Instalação
de computadores 151
SENAI - RJ
Para a instalação da tomada de três pinos, deve ser adquirido o seguinte
material:

· uma tomada de três pinos “2P + T” (fase, neutro e terra)


· 1 metro de fio bitola 1,5mm2
· fita isolante
· uma lâmpada néon ou chave de fenda néon (Néon Test)
· uma chave de fenda

Devem ser seguidos os seguintes passos:

1 – desliga-se a chave geral que alimenta a tomada


de dois pinos.

2 – desmonta-se a tomada de dois pinos e sepa-


ram-se seus dois fios, que devem ter suas extremidades
desencapadas como mostra a figura à esquerda.

3 – liga-se a chave geral.

4 – com uma lâmpada néon ou chave de fenda


néon deve ser identificado qual dos fios é o fase. Segura-se com a ponta dos
dedos um dos terminais da lâmpada. O outro terminal deve ser encostado em
um dos fios desencapados. Se a lâmpada acender, trata-se do fio fase. O outro é
o neutro. O fase faz com que a lâmpada néon acenda e o neutro a mantém apa-
gada. Coloca-se algum tipo de marca identificando o fase e/ou o neutro, como,
por exemplo, uma etiqueta.

5 – desliga-se a chave geral.

6 – passa-se o condutor terra (PE), vindo do quadro


de distribuição ou da haste de aterramento existente. A
tomada de 2P + T possui em sua parte traseira três para-
fusos para a ligação dos fios: fase, neutro e terra, como
mostrado na figura que à esquerda.

7 – a tomada deve ser aparafusada em sua caixa


metálica ou plástica na parede e a sua tampa (conhecida
como “espelho”) deve ser colocada.

O computador pode ser ligado diretamente a essa


tomada na parede. Se for usado um estabilizador de voltagem, este deve ser
ligado à tomada da parede e o computador fica ligado no mesmo, como indica
a figura a seguir. O mesmo tipo de ligação pode ser usado como nobreak.

SENAI - RJ
152 09 Instalação
de computadores
O monitor fica ligado no painel traseiro do computador. Caso
seja necessário ligar algum outro equipamento, como uma impres-
sora, utiliza-se uma extensão, como na figura que se segue, que
pode ser adquirida em lojas de suprimentos para informática.

Essa extensão de tomadas é vendida nas lojas especializadas


em informática com o nome de filtro de linha.

9.2 – Estabilizador de voltagem


Para maior proteção do computador contra interferências
elétricas, picos de tensão na rede, transientes e ruídos elétricos
diversos, é aconselhável o uso do estabilizador de voltagem. Basi-
camente é um transformador controlado eletronicamente, aco-
plado a um filtro de linha. Mantém a tensão estável e livre de
qualquer tipo de problema de ordem elétrica. Normalmente uti-
liza-se um estabilizador de 800VA ou 0,8kVA. Esse estabilizador
tem potência suficiente para alimentar o computador, impressora e
monitor. É importante lembrar que não podem ser utilizados estabi-
lizadores de televisão. Esses estabilizadores demoram cerca de um

09 Instalação
de computadores 153
SENAI - RJ
segundo para reagir a uma queda de tensão na rede, tempo que não é tolerável
para o computador. O estabilizador utilizado em informática é eletrônico,
enquanto os de televisão têm processo de estabilização eletromecânico. Por isso
são lentos e inadequados para computadores. As vantagens do uso de estabili-
zador são as seguintes:

1. proteção contra sobretensão na rede;


2. manutenção do funcionamento normal, mesmo com tensão instável;
3. proteção contra interferências diversas que, normalmente, fariam o
computador “voar”;
4. proteção do winchester (hard disk – HD) contra problemas causados
pela rede elétrica. O HD é muito sensível à instabilidade da rede.

SENAI - RJ
154 09 Instalação
de computadores
10
Instalação de
nobreaks
(estabilizador
de pequeno
porte)
10.1 – Princípio de funcionamento do
“nobreak” (não cair)

O uso do nobreak é indispensável quando o suprimento ininterrupto de


energia elétrica é de importância vital.

Em todos os locais onde é processada, eletronicamente, uma grande quan-


tidade de dados, como, por exemplo, em bancos, companhias seguradoras,
companhias de aviação e na administração pública, uma pequena interrupção
no suprimento de energia elétrica pode conduzir a interrupções no programa, a
perda de dados e a outras falhas.

Em sistemas de telecomunicações, como, por exemplo, centrais telefônicas,


centrais de telex, estações de rastreamento de satélites, redes de rádio e
televisão, sistemas de comunicações militares, etc., o funcionamento de equi-
pamentos vitais depende cada vez mais de um suprimento seguro da energia
elétrica.

Na automação de linhas de fabricação de muitos produtos industriais, uti-


lizam-se hoje computadores eletrônicos. Falhas na rede podem provocar consi-
deráveis prejuízos, por ocasionarem parada da produção.

Computadores eletrônicos, controladores de processo, em instalações com


elevadas exigências relativas a segurança e confiabilidade de serviço, devem ser
protegidos contra falhas no suprimento de energia.

Um sistema nobreak é composto basicamente por quatro componentes


importantes: o retificador (RET), o inversor (INV), a chave estática (CE) e a
bateria (B). O retificador transforma a tensão trifásica da rede em uma tensão
contínua. O inversor produz um novo sistema trifásico que alimentará consumi-
dores a ele ligados, com tensão e freqüência condicionadas (Fig. a).

A bateria está ligada em paralelo ao circuito intermediário de corrente


contínua e, no caso de uma falha da rede, fornece a energia requerida pelo

10 Instalação
de nobreaks 157
SENAI - RJ
inversor. Garante-se, assim, uma alimentação sem interrupção para os consumi-
dores, sem necessidade de manobra de comutação (Fig. b).

Com o retorno da energia da rede geral, o retificador retorna as suas


funções automaticamente, alimentando o inversor e carregando simultanea-
mente as baterias.

No caso de sobrecargas inadmissíveis ou defeito no inversor, a chave


estática comuta o suprimento dos consumidores diretamente para a rede, caso a
mesma esteja dentro das tolerâncias (Fig. c).

Fig. a Fig. b Fig. c

Depois da eliminação do distúrbio, o inversor volta a alimentar os consu-


midores.

Para serviços de manutenção, o sistema possui um “by-pass” manual que


possibilita isolar o conjunto retificador, bateria e inversor.

• Nobreaks de 0,6 a 3kVA

As linhas de nobreaks com potências de 0,6 a 3kVA foram desenvolvidas


para uso em equipamentos de informática e eletroeletrônicos, tais como micro-
computadores, monitores de vídeo, impressoras, caixas registradoras, PABX,
PDV´s, etc.

Os nobreaks de 0,6 a 3kVA não devem ser utilizados para alimentar motores
AC (refrigeradores, furadeiras, ventiladores, liqüidificadores, etc.), eletrodomésticos
(microondas, forno elétrico, etc.), equipamentos com fontes lineares e/ou compactas
(eliminadores de pilha).

SENAI - RJ
158 10 Instalação
de nobreaks
O padrão de polarização (terra, fase e neutro) deve ser
seguido conforme a figura abaixo:

pinos do cabo
de força

tomada de
saída

É bom lembrarmos que um aterramento adequado não é obtido


ligando-se o fio terra ao neutro da rede elétrica, nem utilizando partes
metálicas não apropriadas para este fim. Para um perfeito aterramento
e dimensionamento da rede elétrica, é necessário seguir a Norma da
ABNT sobre Instalações Elétricas de Baixa Tensão – NBR 5410.

Os nobreaks são compostos por um único gabinete, incorporando


as funções de estabilizador e filtro de linha. O usuário pode optar por
baterias internas, externas ou ambas.

10.2 – Entrada e saída de tensões


Devem ser observadas entradas e saídas de 115 ou 220V, de
acordo com o modelo.

• Características gerais

1 – regulação on-line, saída estabilizada mesmo durante o


fornecimento de energia através das baterias (inversor ligado).

2 – controle remoto destacável para ligar/desligar o nobreak


de maneira cômoda e segura.

10 de nobreaks
Instalação
159
SENAI - RJ
3 – inversor sincronizado com a rede elétrica.

4 – proteção no inversor contra sobrecarga e curto-circuito.

5 – recarga automática das baterias mesmo com o nobreak desligado.

6 – alarme audiovisual intermitente para a normalidade na rede elétrica e


fim do tempo de autonomia.

7 – proteção contra descarga total das baterias.

8 – possibilidade de ser ligado na ausência de rede elétrica.

9 – circuito desmagnetizador – garante o valor de tensão adequado na


saída do nobreak para equipamento de informática e similares (cargas não line-
ares).

10 – proteção contra sobretensão e subtensão de rede elétrica. Na


ocorrência desses eventos, o nobreak passa a operar através das baterias, pois a
rede elétrica estará fornecendo tensão muito baixa ou muito alta.

O equipamento deve ser instalado em uma rede elétrica dimensionada


de acordo com a Norma NBR-5410. Se a rede elétrica do Centro de Processa-
mento de Dados ou do local onde o equipamento for operar não estiver adequa-
damente instalada, aconselha-se a revisão desta instalação com o auxílio de um
profissional qualificado.

SENAI - RJ
160 10 Instalação
de nobreaks
11
Circuitosde
internos
telefone
11.1 – Previsão dos pontos telefônicos
As tubulações telefônicas são dimensionadas em função do número de
pontos telefônicos previstos para o edifício, acumulados em cada uma de suas
partes. Cada ponto telefônico corresponde à demanda de um telefone principal
ou qualquer outro serviço que utilize pares físicos e que deva ser conectado à
rede pública, não estando incluídas nessa previsão as extensões dos telefones
ou serviços principais.

Os critérios para a previsão do número de pontos telefônicos são fixados


em função do tipo de edificação e do uso a que se destinam, ou seja:

a.- Residências ou apartamentos:

De até 2 quartos - 01 ponto telefônico.

De até 3 quartos - 02 pontos telefônicos.

De 4 ou mais quartos - 03 pontos telefônicos.

b.- Lojas

01 ponto telefônico/50m2.

c.- Escritórios:

01 ponto telefônico/10m2.

d.- Indústrias:

Área de escritórios: 01 ponto telefônico/10m2.

Área de produção: estudos especiais, a critério do proprietário.

e.- Cinemas, teatros, supermercados , depósitos, armazéns, hotéis e outros:

Estudos especiais, em conjunto com a concessionária, respeitando os


limites estabelecidos nos critérios anteriores.

11 Circuitos internos
de telefone 163
SENAI - RJ
11.2 – Determinação do número de caixas de saída
O número de caixas de saída previsto para uma determinada parte de um
edifício deve corresponder ao número de pontos telefônicos mais as extensões
necessárias para aquela parte do prédio.

a- Residências ou apartamentos

Prever, no mínimo, uma caixa de saída na sala, na copa ou cozinha e nos


quartos. As seguintes regras gerais devem ser observadas na localização dessas
caixas de saída:

- Sala

A caixa de saída deve ficar, de preferência, no hall de entrada, se houver,


e sempre que possível, próximo à cozinha. As caixas previstas devem ser loca-
lizadas na parede, a 30 centímetros do piso.

- Quartos

Se for conhecida a provável posição das cabeceiras das camas, as caixas


de saída devem ser localizadas ao lado dessa posição, na parede a 30 centíme-
tros do piso.

-Cozinha

A caixa de saída deve ser localizada a 1,50 metro do piso (caixa para tele-
fone de parede) e não deverá ficar nos locais onde provavelmente serão instala-
dos o fogão, a geladeira, a pia ou os armários.

b- Lojas

As caixas de saída devem ser projetadas nos locais onde estiverem pre-
vistos os balcões, caixas registradoras, empacotadeiras e mesas de trabalho,
evitando-se as paredes onde estiverem previstas prateleiras ou vitrinas.

c- Escritórios

Em áreas onde estiverem previstas até 10(dez) caixas de saída, as mesmas


devem ser distribuídas equidistantemente ao longo das paredes, a 30 centíme-
tros do piso.

SENAI - RJ
164 11 Circuitos internos
de telefone
11.3 – Determinação da altura e do afasta-
mento do cabo de entrada aéreo
Se o cabo de entrada do edifício for aéreo, devem ser obedecidas as alturas
mínimas estabelecidas na tabela que se segue.

ALTURAS MÍNIMAS PARA A ENTRADA DE CABOS AÉREOS

Altura mínima da Altura mínima do


Situações típicas de entradas aéreas ferragem com relação ao eletroduto de entrada
passeio (m) com relação ao passeio (m)

Cabo aéreo do mesmo lado do edifício 3,50 3,00


Cabo aéreo do outro lado da rua 6,00 3,00
Edifício em nível inferior ao do passeio Estudos conjuntos com a concessionária

Os seguintes afastamentos mínimos devem ser observados entre o cabo


telefônico de entrada e os cabos de energia que alimentam o edifício:

a) Cabos de baixa tensão: 0,60m.

b) Cabos de alta tensão: 2,0m.

11.4 – Instalação de tomada para telefone


Condições gerais -

As tomadas devem ser instaladas o mais próximo possível do local esco-


lhido para o telefone.

Não devem ser instaladas próximas a refrigeradores, televisores, equipa-


mentos de som, em locais onde venham a sofrer danos causados por objetos de
uso do assinante, ou por partes móveis da edificação, nem sob pias, tanques,
aparelhos de ar-condicionado ou em locais expostos a gases corrosivos.

Deve-se evitar a instalação das tomadas próximo a motores, transforma-


dores, máquinas em geral, quadros de comando, ou quadros de proteção e cabos
de distribuição ou alimentação de energia elétrica.

11 Circuitos internos
de telefone 165
SENAI - RJ
11.4.1 – Instalação embutida em tubulação
Em instalação embutida, o fio FI é instalado por meio de cabo, a partir da
caixa onde está localizado o bloco BL1-6, que faz a conexão com o fio externo
(FE), até a caixa onde será instalada a tomada do aparelho telefônico.

Quando a alimentação é feita por meio de cabo. o fio FI é instalado a


partir da caixa de distribuição, onde está localizado o bloco BL1-10, que faz a
conexão com os pares do cabo.

A instalação do fio FI em tubulações é executada do modo descrito a


seguir:

a) Retirar o isolamento das extremidades dos condutores do fio numa


extensão de 15cm (quinze centímetros), conforme a figura que se segue.

b) Passar os condutores pela alça de guia, um em cada sentido, e dobrá-


-los, deixando um espaço de 3cm (três centímetros) entre a alça e o isolamento,
conforme mostra a figura:

c) Envolver a amarração com fita isolante.

SENAI - RJ
166 11 Circuitos internos
de telefone
d) Puxar lenta e continuamente a guia, evitando arrancos que
possam danificar os condutores ou soltá-los da guia .

e) Puxar o fio por seções. sem cortá-lo, quando houver mais


de duas caixas de passagem.

f) Deixar uma folga de 30cm (trinta centímetros) em cada


caixa de passagem arrumada da maneira mostrada na figura:

30cm

fixação do suporte da to-


mada na caixa de saída

As figuras a seguir ilustram a instalação da tomada embutida


em parede.

conexão do fio FI nos


bornes da tomada

conexão de fio FI
destinado a uma
extensão

colocação da instalação de duas


tomada falsa tomadas numa mes-
no suporte ma caixa

11 Circuitos internos
de telefone 167
SENAI - RJ
colocação da tomada no fixação do espelho no
suporte redondo suporte

visão geral da instalação

11.5 – Emenda de fios internos


Os fios internos são emendados com a seguinte seqüência de operações:

1. Distorcer cada uma das pontas dos fios, cerca de 18cm de extensão.

2. Com o alicate, cortar 6cm de um dos condutores de cada uma das


pontas dos fios – o positivo de uma das pontas, e o negativo da outra – para as
emendas ficarem desencontradas.

SENAI - RJ
168 11 Circuitos internos
de telefone
3. Com o alicate de corte, retirar cerca de 6cm do isolamento de cada con-
dutor. Para facilitar o trabalho, tomar como gabarito o pedaço do fio cortado
para medir e cortar as outras pontas.

4. Isolar toda a extensão da emenda de cada condutor com uma camada


de fita isolante adequada, ultrapassando o isolamento condutor, 1cm para cada
lado.

5. Torcer novamente os condutores.

6. Ao fixar o fio emendado, os grampos ou pregos isolados devem ficar a


uma distância não inferior a 5cm das extremidades da emenda, para proteção
do enrolamento da fita isolante.

Nas instalações embutidas, as emendas são feitas nas caixas de passagem, nunca
dentro da tubulação.

11 Circuitos internos
de telefone 169
SENAI - RJ
12
Padrão
12kW (simplificado para forne-
cimento de energia
em baixa tensão a
consumidores –
– montagens)
O padrão 12kW tem por finalidade fixar as condições para execução de
entradas de serviço, com fornecimento de energia elétrica em baixa tensão.

Este padrão simplificado atende às instalações que cumpram todas as


condições abaixo:

– individual isolada

– residencial

– com medição direta

– monofásicas ou trifásicas

– limite máximo de carga de 12kW (Demanda máxima = 13,2kVA)

12.1 – Determinação de carga instalada


A carga instalada é determinada a partir da soma das potências nominais
dos aparelhos e equipamentos elétricos e das potências nominais das lâmpadas
existentes nas instalações, não devendo ser considerados os aparelhos de
reserva.

Para motores, devem-se considerar os valores nominais de placa, dados


pelo fabricante, ou, quando não for possível essa verificação, considerar cada
HP ou 1500W ou 500VA (motores e aparelhos de ar-condicionado).

12 Padrão
12kW 173
SENAI - RJ
EXEMPLO DE DETERMINAÇÃO DE CARGA INSTALADA:

UNIDADES CONSUMIDORAS (220/127V)

Tipo de carga Potência nominal Quantidade Total parcial

Lâmpada incandescente 100W 4 400W


Lâmpada incandescente 60W 4 240W
Lâmpada fluorescente 20W 2 40W
Tomadas 100W 8 800W
Chuveiro elétrico 4400W 1 4400W
Ferro elétrico 1000W 1 1000W
Geladeira 300W 1 300W
TV em cores (20”) 90W 1 90W
Ventilador 100W 3 300W
Ar-condicionado 1cv 2 3000W
Bomba d´água (motor) 1cv 2 (1 reserva) 1500W

Carga instalada total = 11,43kW

12.2 – Condições gerais de fornecimento


• Limites de fornecimento

Os limites para o atendimento de entradas de serviço individuais, isoladas,


executadas em conformidade com este padrão, são:

Entradas monofásicas — Carga instalada 8,0kW

Entradas trifásicas — 8,0kW < Carga instalada 12,0kW (Demanda


máxima: 13,2kVA)

• Tensões de fornecimento

O fornecimento de energia elétrica em baixa tensão é feito em corrente


alternada, na freqüência de 60 Hertz, sendo as tensões nominais variáveis, de
acordo com cada região: de 220/127V ou 380/220V (redes trifásicas a 4 fios –
urbanas) e 230/115V (redes monofásicas a 3 fios – rurais).

• Tipos de atendimento, conforme o número de fases:


Monofásico a 2 fios — uma fase e neutro
Monofásico a 3 fios (rural) — duas fases e neutro
Trifásico a 4 fios — três fases e neutro

SENAI - RJ
174 12 Padrão
12kW
12.3 – Ramais de ligação
Os ramais de ligação podem ser aéreos ou subterrâneos, con-
forme as características do sistema de distribuição da concessio-
nária no local do atendimento.

A cada lote de terreno é concedido um único ramal de ligação


para o fornecimento de energia à edificação nele situada, salvo
casos de atendimentos especiais, que, a critério da concessionária,
possam ser tecnicamente viabilizados através de mais um ramal.

• Exemplo de limites técnicos para ancoramento de


ramais de ligação aéreos – padrão Light

12.4 – Ramais de entrada (ligação)


Os ramais de entrada, correspondentes ao circuito de energia
não medida de uma edificação, podem ser aéreos ou subterrâneos.

• Ramal de entrada aéreo

O ramal de entrada aéreo deverá ser sempre instalado em


eletroduto (derivado de ramal de ligação aéreo ancorado em
fachada, pontalete ou poste), no interior de poste particular (quando
empregadas caixas para medidor/disjuntor diretamente em poste),

12 12kW
Padrão
175
SENAI - RJ
estando suas características definidas nas tabelas de dimensionamento de mate-
riais das entradas de serviço, nos padrões específicos de cada concessionária.

O circuito de energia medida até a carga, a partir da caixa para medidor,


instalada em poste, muro ou fachada, junto ao limite de propriedade com a
via pública, deverá ser sempre em eletroduto embutido em piso ou parede, não
sendo permitidas saídas aéreas a partir do gabinete de medição.

Quando necessário levar o ramal de entrada (circuito de energia medida)


através de circuito aéreo, deve existir um afastamento mínimo de 5,0 (cinco)
metros, entre o gabinete de medição e um poste auxiliar interno à propriedade
do cliente, sendo a interligação entre esses dois pontos (gabinete de medição –
poste auxiliar) obrigatoriamente subterrânea.

Os condutores do ramal de entrada deverão ser em cobre, na seção mínima


recomendada para a categoria de atendimento específica, adequadamente isola-
dos para a aplicação, apresentando comprimento mínimo excedente de 1 (um)
metro para permitir a sua conexão ao ramal de ligação aérea.

Deve ser deixado, no interior do gabinete de medição, um excesso de


condutores, além dos suficientes, para permitir as conexões ao medidor e à
proteção geral de entrada.

A instalação dos condutores no eletroduto do circuito de energia não


medida, assim como a conexão ao ramal de ligação e ao equipamento de
medição, é executada exclusivamente pela concessionária local.

• Ramal de entrada subterrâneo

Por conveniência do consumidor e mediante prévio entendimento, poderá


ser concedida ligação através de ramal de entrada subterrâneo, com descida em
poste da concessionária na via pública.

Quando configurada essa alternativa, fica estabelecido que a ocupação do


poste da concessionária se dará a título precário.

SENAI - RJ
176 12 Padrão
12kW
12.5 – Exemplos de ramais de ligação
• Exemplo de ramal de ligação aéreo com ancoramento em fachada –
Padrão Light - RJ

Gabinete de medição na fachada – ligação monofásica

corte lateral

haste de aço cobreada


L=2000 ∅=3/4”

12 12kW
Padrão
177
SENAI - RJ
vista frontal

SENAI - RJ
178 12 Padrão
12kW
• Exemplo de ramal de ligação aéreo com ancoramento em fachada –
Padrão Light - RJ

Gabinete de medição na fachada – ligação trifásica

corte lateral

12 12kW
Padrão
179
SENAI - RJ
vista frontal

SENAI - RJ
180 12 Padrão
12kW
• Exemplo de ramal de ligação aéreo com ancoramento em pontalete –
Padrão Light - RJ

Gabinete de medição na fachada – ligação monofásica

corte lateral porca olhal pontalete padrão


ramal de ligação
parafuso M16
curva PVC 180
conector de perfuração
luva PVC

cinta de aço
ramal de entrada monfásico

eletroduto PVC

concretado traço
(1x3x5)

1000

bucha arruela PVC


caixa para medidor/disjuntor

eletroduto PVC

disjuntor
monopolar

cadeado
saída para carga
1800 (máximo) (F+N+T)

bucha arruela PVC

eletroduto PVC 3/4”

1000 (mínimo)

caixa de aterramento
(260x250x250)

rua luva PVC

curva PVC 80º

condutor de aterramento
condutor de aterramento

haste de aço cobreada


L=2000 =3/4”

12 12kW
Padrão
181
SENAI - RJ
vista frontal

pontalete padrão

porca olhal parafuso M16

ramal de ligação curva 180º PVC

luva PVC
ramal de
entrada mono-
fásica

cinta aço

eletroduto
1000
PVC

bucha arruela
PVC

caixa para medidor/disjuntor

disjuntor monopolar

saída para carga (F+N+T)

eletroduto 3/4!”
1000 (mínimo)

caixa de aterramento
(250x250x250)
conector de aterramento
condutor de aterramento
cobre nu

haste de aço cobreado


L=2000 =3/4”

SENAI - RJ
182 12 Padrão
12kW
• Exemplo de ramal de ligação aéreo com ancoramento em pontalete –
Padrão Light - RJ

Gabinete de medição na fachada – ligação trifásica

corte lateral

12 12kW
Padrão
183
SENAI - RJ
vista frontal

SENAI - RJ
184 12 Padrão
12kW
• Exemplo de ramal de ligação aéreo com ancoramento em poste – Padrão
Light - RJ

Gabinete de medição no muro – ligação monofásica

corte lateral

12 12kW
Padrão
185
SENAI - RJ
vista frontal

SENAI - RJ
186 12 Padrão
12kW
• Exemplo de ramal de ligação aéreo com ancoramento em poste – Padrão
Light - RJ

Gabinete de medição no muro – ligação trifásica

corte lateral

12 12kW
Padrão
187
SENAI - RJ
vista frontal

SENAI - RJ
188 12 Padrão
12kW
• Exemplo de ramal de ligação aéreo com ancoramento em poste – Padrão
Light - RJ

Gabinete de medição no poste – ligação monofásica

corte lateral

12 12kW
Padrão
189
SENAI - RJ
vista frontal

SENAI - RJ
190 12 Padrão
12kW
• Exemplo de ramal de ligação aéreo com ancoramento em poste – Padrão
Light - RJ

Gabinete de medição no poste – ligação trifásica

corte lateral

12 12kW
Padrão
191
SENAI - RJ
vista frontal

SENAI - RJ
192 12 Padrão
12kW
• Exemplo de ramal de ligação subterrâneo – Padrão Light - RJ

Gabinete de medição na fachada – ligação monofásica

corte lateral

12 Padrão
12kW 193
SENAI - RJ
vista frontal

SENAI - RJ
194 12 Padrão
12kW
• Exemplo de ramal de ligação subterrâneo – Padrão Light - RJ

Gabinete de medição na fachada – ligação trifásica

corte lateral

12 Padrão
12kW 195
SENAI - RJ
vista frontal

SENAI - RJ
196 12 Padrão
12kW
• Exemplo de ramal de ligação subterrâneo – Padrão Light - RJ

Gabinete pedestal de medição junto à fachada – ligação monofásica

corte lateral

12 Padrão
12kW 197
SENAI - RJ
vista frontal

SENAI - RJ
198 12 Padrão
12kW
• Exemplo de ramal de ligação subterrâneo – Padrão Light - RJ

Gabinete pedestal de medição junto à fachada – ligação trifásica

corte lateral

12 12kW
Padrão
199
SENAI - RJ
vista frontal

SENAI - RJ
200 12 Padrão
12kW
• Exemplo de ramal de ligação subterrâneo – Padrão Light - RJ

Gabinete de medição no muro – ligação monofásica

corte lateral

12 12kW
Padrão
201
SENAI - RJ
vista frontal

SENAI - RJ
202 12 Padrão
12kW
• Exemplo de ramal de ligação subterrâneo – Padrão Light - RJ

Gabinete de medição no muro – ligação trifásica

corte lateral

12 Padrão
12kW 203
SENAI - RJ
vista frontal

SENAI - RJ
204 12 Padrão
12kW
• Exemplo de ramal de ligação subterrâneo – Padrão Light - RJ

Gabinete pedestal de medição junto ao muro – ligação monofásica

corte lateral

12 Padrão
12kW 205
SENAI - RJ
vista frontal

SENAI - RJ
206 12 Padrão
12kW
• Exemplo de ramal de ligação subterrâneo – Padrão Light - RJ

Gabinete pedestal de medição junto ao muro – ligação trifásica

corte lateral

12 Padrão
12kW 207
SENAI - RJ
vista frontal

SENAI - RJ
208 12 Padrão
12kW
13
Instalação de
motores elétricos
13.1 – O motor elétrico
O motor elétrico constitui-se num dos mais notórios inventos do homem
ao longo de seu desenvolvimento tecnológico.

Sua notável presença nos mais variados setores da sociedade não ocorre
por acaso.

Trata-se de uma máquina de construção simples, de custo reduzido, ver-


sátil e, dentro das atuais preocupações ecológicas mundiais, não poluente.

O motor elétrico é a máquina destinada a transformar energia elétrica em


energia mecânica, usando, em geral, o princípio da reação entre dois campos
magnéticos. Combina as vantagens de utilização de energia elétrica (baixo
custo, facilidade de transporte, limpeza e simplicidade de comando) com sua
construção simples, custo reduzido e grande versatilidade de adaptação às
cargas dos mais diversos tipos.

Quanto à alimentação, encontramos motores em corrente contínua e em


corrente alternada.

13.1.1 – Motores de corrente contínua


São motores de custo mais elevado e, além disso, precisam de uma fonte
de corrente contínua, ou de um dispositivo que converta a corrente alternada
comum em contínua. Podem funcionar com velocidade ajustável entre amplos
limites e se prestam a controles de grande flexibilidade e precisão. Por isso, seu
uso é restrito a casos especiais em que essas exigências compensam o custo
mais alto da instalação.

13.1.2 – Motores de corrente alternada


São os mais utilizados, porque toda a distribuição de energia elétrica é
feita em corrente alternada.

13 Instalação de
motores elétricos 211
SENAI - RJ
• Principais tipos

a) Motor síncrono: funciona com velocidade fixa; utilizado somente para


grandes potências (devido a seu alto custo em tamanhos menores) ou quando se
necessita de velocidade variável.

b) Motor de indução: funciona normalmente com uma velocidade cons-


tante, que varia ligeiramente com a carga mecânica aplicada ao eixo. Devido
a sua grande simplicidade, robustez e baixo custo, é o motor mais utilizado de
todos, sendo adequado para quase todos os tipos de máquinas encontradas na
prática. Divide-se basicamente em dois tipos: motor de rotor bobinado e motor
de rotor gaiola, sendo este último muito mais empregado que o primeiro.

13.1.3 – Motor monofásico


Encontram-se motores monofásicos de fase auxiliar, com dois, quatro ou
seis terminais de saída, que podem combinar-se para várias tensões de rede e
para inversão da rotação por meio de chave reversora. Há motores de partida
sem ou com capacitor. Este último possui um torque (arranque) mais vigoroso.

Os motores de dois (2) terminais de saída são construídos para funcionar


em uma tensão apenas (ou 110 volts ou 220 volts) e não permitem inversão de
rotação.

Os motores de quatro (4) terminais são construídos para funcionar em


uma tensão apenas (ou 110 volts ou 220 volts), porém, podem ter sua rotação
invertida, de acordo com as instruções na placa de ligação.

Os motores de seis (6) terminais são destinados a funcionar em duas


tensões (110 volts e 220) volts e permitem ainda inversão de rotação.

Ligações

Para 110V Para 220V

2 3 2 3
5 6 5 6
1 4 1 4

110V 220V

SENAI - RJ
212 13 Instalação de
motores elétricos
1 2 5 bobina
auxiliar 1 2 5

110V capacitor 220V


eletrolítico
interruptor
3 4 6 centrífugo 3 4 6

bobinas principais

13.1.4 – Motor trifásico


É encontrado no comércio com 3, 6, 9 e 12 terminais de
saída, possibilitando sua combinação para ligação às redes trifási-
cas de 220V – 380V – 440V ou 760V. É fabricado em potências
diversas, sendo comuns os valores acima de 1CV (cavalo-vapor,
unidade de medida de potência mecânica). Serve para acionar
bombas de água e outros tipos de máquinas.

Ligações

O motor de 3 terminais é construído para funcionar apenas


em uma tensão. Sua ligação à rede se faz conectando os terminais
1, 2 e 3 aos terminais da rede L1, L2 e L3 em qualquer ordem.
Entre os terminais do motor e da rede, devemos colocar a chave de
comando e a proteção.

L1 L2 L3

1 2 3

O motor de 6 terminais é o mais encontrado, e pode ser


ligado para duas tensões, geralmente 220/380V ou 220/440V.

13 Instalação de
motores elétricos 213
SENAI - RJ
L1 L2 L3 A ligação do motor de 6 terminais para uma tensão de 220V
é feita em triângulo (D), ou seja: 1 e 6, ao L1; 2 e 4, ao L2; e 3
e 5, ao L3.
4 2 A ligação para tensão de 380V ou 440V é feita em estrela
( ), ou seja: 1 ao L1, 2 ao L2, e 3 ao L3. Ficam ligados entre si
e isolados 4, 5, e 6.
1 5 O motor de 9 terminais é construído para funcionar em duas
6 3
tensões, seja para 220/440V ou 380/760V.

Nesse tipo de motor já estão ligados, internamente, entre si,


os terminais 10, 11 e 12, daí a saída dos 9 terminais.

A ligação do motor de 9 terminais para tensão 220V ou 380V é feita em


dupla estrela ( ), ou seja: 1 e 7 ao L1; 2 e 8 ao L2; e 3 e 9 ao L3. Ligados
entre si e isolados: 4, 5 e 6.

A ligação do motor de 9 ter-


minais para tensão 440V ou 760V é
feita em estrela ( ), ou seja: 1 ao L1;
2 ao L2; 3 ao L3. Ficam ligados entre
si e isolados 4 e 7; 5 e 8; e 6 e 9.

SENAI - RJ
214 13 Instalação de
motores elétricos
O motor de 12 terminais pode ser ligado L2
para quatro tensões: 220V, 380V, 440V e 760V.

A ligação do motor de 12 terminais para


tensão 220V é feita em dois triângulos (DD), ou
seja: 1, 7, 6 e 12 ao L1; 2, 8, 4 e 10 ao L2; e 3, 4 2

5, 9 e 11 ao L3.
10 8
1 5

7 11

12 9

6 3
L1 L3

A ligação do motor de 12
terminais para tensão 380V é
feita em duas estrelas ( ), ou
seja: 1 e 7 ao L1; 2 e 8 ao L2;
e 3 e 9 ao L3; ligados entre si e
isolados 4, 5, 6, 10, 11 e 12.

L2

2
10

7 5

A ligação do motor de 12 terminais para


4 8
tensão de 440V é feita em triângulo (D), ou
seja: 1 e 12 ao L1; 2 e 10 ao L2; e 3 e 11 ao L3.
Ficam ligados e isolados entre si 4 e 7; 5 e 8; e 1 11

6 e 9.
3
9 6
L1 12 L3

13 Instalação de
motores elétricos 215
SENAI - RJ
L2 A ligação do motor de 12 terminais para
tensão de 760V é feita em estrela (Y), ou seja:
2 1 ao L1; 2 ao L2; e 3 ao L3, ficando ligados
entre si e isolados 4 e 7; 5 e 8; 6 e 9; 10, 11 e
12.
5

8
a) Quando for necessário inverter o sentido
de rotação do motor trifásico, basta trocarmos
duas fases entre si.
11
b) Os dados técnicos referentes ao motores
vêm especificados na placa de identificação
10 12
dos mesmos.

c) Na seleção correta dos motores, é impor-


7 9 tante considerar as características técnicas de
aplicação e as de carga.
4 6

d) De acordo com o país de origem


dos fabricantes de motores, seus terminais
1 3 poderão vir em números ou em letras. A
relação entre os dois é a seguinte: 1-U, 2-V,
3-W, 4-X, 5-Y e 6-Z.
L1 L3

13.1.5 – Chaves monofásicas de comando direto


Essas chaves são encontradas para diversas intensidades de corrente e não
oferecem proteção ao motor. Servem, apenas, para manobras.

SENAI - RJ
216 13 Instalação de
motores elétricos
13.2 – Instalação de chaves de
comando de motores CA

13.2.1 – Chaves de comando (monofásica e


trifásica)

13.2.1.1 – Chave monofásica de reversão manual

Exemplificada na figura abaixo, é encontrada com facilidade no


comércio.

Fechamento interno da chave comutada à esquerda e à


direita.

13 Instalação de
motores elétricos 217
SENAI - RJ
• Ligação da chave monofásica de reversão manual e motor de 6 terminais
(110V e 220V).

13.2.1.2 – Chave trifásica de partida direta

Proporciona que o motor parta a plena tensão, com um único sentido de


rotação. Observe-se o desenho:

A diferença entre a partida direta com a chave manual e a partida direta com a
chave magnética está na manobra da própria chave. Na chave manual, como o próprio
nome diz, a manobra é feita manualmente pelo operador sobre a própria chave.

SENAI - RJ
218 13 Instalação de
motores elétricos
13.2.1.3 – Chave reversora de comando manual tripolar

É um dispositivo elétrico capaz de inverter a rotação de um motor trifá-


sico, sem que seja preciso alterar as conexões no motor ou na chave.

A chave possui pontes fixas com cruzamento nos bornes.

Ponte é um termo usado pelos eletricistas e significa: condutor conectado


a dois bornes, que permite a passagem de corrente elétrica de um para o outro
borne.

• Esquema de ligação da chave trifásica de reversão manual e motor de 6


terminais (220V e 380V).

13 Instalação de
motores elétricos 219
SENAI - RJ
13.2.1.4 – A chave estrela-triângulo

A chave estrela-triângulo de comando manual é um dispositivo elétrico


capaz de comandar a partida de motores de indução trifásicos, cuja tensão
nominal, em ligação triângulo, coincide com a tensão nominal entre as fases da
linha de alimentação. Tem a finalidade de reduzir para aproximadamente 1/3 a
corrente de partida dos motores de potência média de 5 a 60cv.

Para que se possa dar partida em um motor de indução trifásico com


ligação estrela com a chave estrela-triângulo, é necessário que este motor tenha
duas tensões nominais, ou seja: 220V/380V ou 380V/660V ou 440V/760V. A
tensão maior é nominal para estrela e a tensão menor é nominal para triângulo.
Dessa forma, para que haja a partida em estrela, com corrente reduzida, é neces-
sário que a chave faça a ligação dos terminais do motor para a maior tensão
(estrela), 380V por exemplo, no primeiro caso. No entanto, o motor será “ali-
mentado” em 220V, proporcionando, assim, a redução de corrente na partida.
Tão logo o motor saia da inércia, passa-se a chave para a posição triângulo.
Com isso, o motor terá seus terminais ligados para 220V (triângulo), e a tensão
nominal do motor coincidirá com a tensão das fases de alimentação, o que vai
permitir a realização de seu trabalho normal.

• Esquema da ligação do motor na chave estrela-triângulo manual

Dependendo do país de origem, o fabricante de motor pode especificar os 6 termi-


nais em números ou letras. A correlação que se estabelece entre essas especificações
está indicada na figura acima.

SENAI - RJ
220 13 Instalação de
motores elétricos
14
Eletrobomba
14.1 – Bomba centrífuga
É uma máquina que serve para bombear água de um reservatório inferior
para outro superior ou para recalcar a água para aumentar a pressão da mesma.
É fabricada em ferro fundido e compõe-se de saída de água ou de recalque,
entrada de água ou sucção, funil e válvula de escorvamento, eixo de acopla-
mento do motor à bomba e rotor. Tem gravada uma seta indicativa do sentido
correto da rotação.
a
(a) Entrada da água ou sucção
e d
(b) Funil

(c) Válvula de escorvamento

(d) Eixo de acoplamento do motor à bomba

(e) Rotor b

c
bomba centrífuga

14.2 – Motobomba monofásica


É o conjunto formado pelo acoplamento de um motor monofásico e uma
bomba centrífuga.

Motobomba monofásica

14 Eletrobomba
223
SENAI - RJ
14.3 – Funcionamento da bomba centrífuga
O rotor, girando em alta velocidade, desloca a água pela ação da força cen-
trífuga para o lado do recalque. Para que a bomba funcione, é necessário que a
tubulação de sucção e o corpo da bomba estejam, completamente cheios de água.

Quando a bomba está funcionando com a instalação hidráulica pronta,


acontece uma vazão de água, provocada pela sucção do rotor ao puxar o líquido
através da canalização, impulsionando-o para a outra caixa, geralmente em
nível mais elevado.

Caso a bomba gire e não puxe água, há dois casos a considerar:

1- Quando a motobomba está girando ao contrário, verifica-se, na bomba, a seta


que determina o sentido de rotação. Se confirmado o giro ao contrário, troque os ter-
minais da bobina auxiliar, conforme indicação da placa de ligação do motor.

2- Quando a motobomba está girando no sentido correto, há possibilidade de


entrada de ar. Caso isto ocorra, desaperte o parafuso da válvula de escorvamento da
bomba para retirar o ar, e coloque água no seu recipiente. Feche a válvula e ligue a
eletrobomba, verificando se está puxando água.

14.4 – Diagramas unifilar e multifilar da


motobomba comandada por chave de bóia

Representação do diagrama unifilar do


a chave de circuito com motobomba comandada por chave
a chave bóia superior
seccionadora
(e) de bóia.
(f)

(c) DESCRIÇÃO
quadro de
comando - Quadro de comando (a);
(a) (d) - Motobomba (b);
a chave de
(b)
bóia inferior - Condutores (c);
(e)
M
- Quantidade de condutores (d);
~ - Chaves de bóia superior e inferior (e);
sentido do giro do motor - Chave seccionadora (f)
diagrama unifilar

SENAI - RJ
224 14 Eletrobomba
F N

(e)
(b)
1
(a) (c)
2
3

f(f)
M (d)
~
Diagrama multifilar

DESCRIÇÃO
- Fusíveis (a)
- Chave seccionadora (b);
- Chave seletora (c);
- Motobomba monofásica (d);
- Chaves de bóia do reservatório superior (e);
- Chaves de bóia do reservatório inferior (f)

14.5 – Funcionamento do motor


monofásico
A alimentação do motor da bomba se dá a partir de uma rede
monofásica de 110 VCA conectada através de uma chave seccio-
nadora (b), com fusíveis de proteção (a). A bomba (d) pode ser
comandada de dois modos:

1) MANUAL - quando a chave seletora (c) está ligada para


baixo, fechando os contatos 2 e 3. Neste caso, o operador deverá
ficar vigiando o nível da água nos dois reservatórios e desligar a
bomba pela chave seccionadora, quando o superior estiver cheio
ou faltar água no inferior. (Ver diagrama multifilar.)

2) AUTOMÁTICO- quando a chave seletora está ligada para


cima, fechando os condutores 1 e 2. Neste caso, a operação será
automaticamente controlada pelas chaves de bóia (e,f). A chave
seccionadora poderá ser desligada em horários que não recomen-
dem o funcionamento da bomba. (Ver diagrama multifilar.)

14 Eletrobomba
225
SENAI - RJ
14.5.1 – Correção de prováveis defeitos

DEFEITO CAUSA CORREÇÃO

a - Motor que ronca e não Capacitor de partida defeitu- Substituir o capacitor.


parte oso

Interruptor centrífugo aberto Limpar e lubrifiquar o meca-


nismo e ajustar os contatos.

Folga nos mancais Substituir buchas ou rola-


mentos.

b- Motor funcionando com Folga nos mancais Substituir buchas ou rola-


ruídos e vibrações mentos.

Graxa demasiadamente Limpar os mancais e lubri-


dura ficar com graxa indicada
pelo fabricante.

Empeno do eixo Retificar ou substituir o eixo.

Eixo do motor e máquina Verificar o alinhamento e


desalinhados corrigi-lo.

Parafusos da tampas Reapertar os parafusos das


frouxos tampas.

Parafusos da base frouxos Reapertar os parafusos da


base.

Corpos estranhos entre o Desmontar o motor e remo-


ventilador e as tampas ver os corpos estranhos.

SENAI - RJ
226 14 Eletrobomba
14.6 – Diagrama dos circuitos principal e de
comando para motor trifásico.

fusível

botão desliga da
botoeira

contato aberto
(seco) da chave
magnética
botão liga da
botoeira

contato auxiliar
do relé térmico

circuito principal bobina da chave


magnética

fusível

circuito de comando

Com relação ao funcionamento de comando, deve-se observar o


seguinte:

• para se ligar a chave magnética, deve -se pressionar b1, que energizará a
bobina c1.

• o contator mantém-se ligado pelo contato de retenção c1.

• o desligamento é feito pressionando-se b0.

14 Eletrobomba
227
SENAI - RJ
14.6.1 – Funcionamento do circuito da motobomba
trifásica com chave de bóia
O funcionamento automático da motobomba é feito através de dois circui-
tos: circuito auxiliar ou de comando e circuito principal.

14.6.1.1 – Diagrama do circuito auxiliar ou de comando

Elementos do circuito auxiliar ou de comando:

(a) - Chave de reversão.


(b)
(b) - Chave de bóia superior.
(c) - Chave de bóia inferior
(d) - Contato NF do relé térmico.
(a)
(e) - Bobina do contator.
(a)

(e)
21 (b)
(c)
22
(d)

14.6.1.2 – Funcionamento do circuito auxiliar

O circuito auxiliar comanda a chave para fechar (ligar o motor) ou abrir


(desligar o motor). Sua alimentação é feita através de uma rede elétrica bifásica
de 220 Vca.

O comando pode ser:

1- manual (direto): a chave unipolar de reversão (a), está ligada para a


direita (interligando o terminal 1 com o terminal 2 em série com o contato NF
do relé térmico (d), alimentando a bobina de contador (e)). Neste caso, a moto-
bomba é acionada em regime de emergência ou para a limpeza das caixas.

2- automático: a chave de reversão (a), está ligada para a esquerda (inter-


ligando o terminal 1 ao terminal 3, em série com as chaves de bóia (b e c) e
com o contato NF do relé térmico (d), alimentando a bobina do contator (e)).
Sendo assim, as chaves de bóia irão atuar sobre a bobina e, conseqüentemente,
sobre o circuito principal, ligando ou desligando o motor da bomba conforme a
necessidade determinada pelo nível da água nos reservatórios.

Veja, a seguir, o diagrama do circuito principal.

SENAI - RJ
228 14 Eletrobomba
14.6.1.3 – Diagrama do circuito principal

Elementos do circuito principal

(a) - Linha de entrada R-S-T


(b) - Chave de faca tripolar com porta-fusível (chave selecio-
nadora)
(c) - Chave magnética (guarda-motor)
(d) - Chave de faca tripolar de reversão
(e) - Motores trifásicos de corrente alternada (A) e (B)

220V3~60Hz
R
S
T
a a a

31 13 5 3 1 a

c
32 14 6 4 2
21 b

22

d
A B

M M
3~ 3~

14.6.1.4 – Funcionamento do circuito principal

o circuito principal é o que alimenta a motobomba a partir


de uma rede trifásica. A chave de faca tripolar com porta-fusível,
uma vez fechada, alimenta o circuito auxiliar e ao mesmo tempo

14 Eletrobomba
229
SENAI - RJ
os bornes 1, 3, 5 da chave magnética. Se o comando estiver atuando (por exem-
plo, as chaves de bóia estando fechadas) a bobina será energizada fechando os
contatos 1 ao 2, 3 ao 4 e 5 ao 6. Portanto, os bornes de saída 2, 4 e 6 alimentarão
um dos motores (A ou B), de acordo com a posição da chave reversora, cuja
função é selecionar qual das bombas se deseja em funcionamento. Este sis-
tema, que usa duas bombas, visa garantir o suprimento de água ao prédio, no
caso de manutenção de uma delas.

Vejamos como interpretar os diagramas.

14.6.1.5 – Diagrama unifilar da motobomba trifásica com


chave magnética.

No diagrama unifilar observamos a composição dos componentes, da


tubulação e a quantidade de condutores do circuito principal.

M M
3~ 3~

SENAI - RJ
230 14 Eletrobomba
14.6.1.6 – Diagrama multifilar da motobomba trifásica, com
chave magnética e chaves de bóia.

Estudou-se anteriormente o funcionamento do circuito auxiliar ou de


comando e do principal. Neste diagrama será estudado o funcionamento dos
dois circuitos integrados.

(a) - Chave de faca tripolar com porta-fusíveis


(b) - Chave unipolar de reversão
(c) - Chave magnética
(d) - Chave tripolar de reversão
(e) - Motor trifásico
(f) - Chave de bóia

220V 3~60Hz
R
S
(f)
T
(a)

(b)
3

2
(c)
31 13 5 3 1 (a)

32 M 6 4 2 (b)

(d)
A

M M
3~ 3~

Uma vez que esteja ligada a chave de faca tripolar, o circuito auxiliar
poderá ser acionado pelas chaves de bóia que, estando fechadas, energizarão a
bobina da chave magnética, que fechará o circuito principal fazendo funcionar
a motobomba.

14 Eletrobomba
231
SENAI - RJ
A motobomba desligará quando uma das chaves de bóia abrir o seu con-
tato, ou seja, quando o nível da caixa superior atingir o máximo ou quando a
caixa inferior atingir o nível mínimo.

220V 3~ 60Hz
R
S

2
31 13 5 3 1

32 14 6 4 2

A B

M M
3~ 3~

SENAI - RJ
232 14 Eletrobomba
15
Ventilador
de teto
Observe, nas figuras abaixo, as partes constituintes e os esquemas de
montagem de um ventilador de teto.

VENTILADOR SEM LUSTRE


chave de reversão
rede
M

CHAVE DE VELOCIDADE
rede

MONTAGEM TULIPA

CHAVE DE REVERSÃO C/LUZ

01 - Suporte 13 - Soquete PR - preto AM - amarelo AZ - azul M - marrom


02 - Porca 1/4 14 - Niple V - verde VR - vermelho BR - branco
03 - Parafuso 1/4” x 1 1/4” 15 - Porca M-10
04 - Canopla maior 16 - Globo VR - Para ligação da lâmpada
05 - Cano 30mm 17 - Porca M-10 01 VR da lâmpada + PR motor - ligar na rede
06 - Canopla menor 18 - Canopla acabamento 01 VR da lâmpada ligar chave de velocidade AZ
07 - Parafuso 1/4” x 1 19 - Canopla V ou AM da chave ligar V ou AM motor
08 - Porca 1/4 20 - Niple V ou AM da chave ligar V ou AM motor
09 - Porca 3/8 21 - Suporte tulipa M da chave positivo rede
10 - Parafuso 3/16” 22 - Acabamento BR só em caso de ligação paralela
11 - Pás 23 - Porca cega Obs.: potência máxima da lâmpada
12 - Plafonier lustres de vidro 100W
lustres de plástico 60W

15 de teto
Ventilador
235
SENAI - RJ
FIRJAN
Federação das Indústrias
do Estado do Rio de Janeiro

SENAI
Serviço Nacional de Aprendizagem
Industrial do Rio de Janeiro

Av. Graça Aranha, 1 – Centro


Rio de Janeiro – RJ
CEP: 20030-002
Tel.: (0xx21) 2563-4526

Central de Atendimento: 0800-231231