You are on page 1of 27

Dimensão e medição da pobreza

extrema e situação social e a


pobreza extrema no DF

Jorge Abrahão de Castro


Diretor da Diretoria de Estudos e Políticas Sociais do IPEA

Brasília, 21 de maio de 2011


Problema é uma situação indesejável declarada
por alguém e que é passível de ser resolvido
(C.Matus)

Qual problema a Attençao a idosos, Mortalidade


infantil, Analfabetismo,
ser enfrentado desemprego juvenil, Pobreza, Pobreza O que é?
como prioridade? Desigualdade, etc

Pobreza
Qual pobreza? Extrema, absoluta, rural, etc. Por que?
extrema

Qual Meta Diminuir ½; diminuir ¼; O que


erradicar Erradicar
estabelecer? significa?

•Proporção da população que


ganha menos que R$/dia;
Quais •Proporção da população
abaixo de uma linha nacional Linha nacional Qual linha
indicadores de Pobreza de pobreza adotar?
utilizar? •Índice de hiato de pobreza -
incidência x grau de pobreza
•Etc.
O que é?

Enfoques para medir a pobreza

Multidimensional Insuficiência de renda

Considera que a pobreza é Também considera a pobreza


um fenômeno complexo, que um fenômeno complexo, mas
envolve outras dimensões julga que a renda é o
além da renda (como o indicador mais importante do
acesso a serviços, o exercício bem-estar e/ou que está
da cidadania etc) e/ou que a intimamente associada com
renda medida pelas pesquisas as outras dimensões do
domiciliares não é bom fenômeno
indicador de bem-estar

Como é difícil realizar análises Tradição brasileira acadêmica


multidimensionais, em geral e política
são utilizados índices
unidimensionais
Pré-requisitos
Qual linha?
Transparência: facilidade de cálculo a partir das informações disponíveis
Adequação ao problema: delimitar claramente os grupos de interesse
Aproveitar os sistemas de dados e informação existentes

Linha de elegibilidade Linha nacional de extrema


programas pobreza
Linha de monitoramento
Separa os elegíveis dos não
elegíveis ao programa
Delimita os extremamente
pobres
Deve ser maior ou igual à
linha de monitoramento Quantos são?
Quem são?
Onde estão?

Permite o monitoramento da
extrema pobreza
Como evolui?
Sistema de indicadores auxiliares
Qual linha?
Pobreza

Índices Multidimensionais Insuficiência de renda

Seleção das variáveis


Normalização
Ponderação Absoluta Relativa
Linha de corte
Necessidades Básicas Linhas objetivas
Insatisfeitas (NBI)
Bens relacionais
Método calórico direto
Índice Marginación (México)
Método calórico indireto Capacidades e
Índice de Pobreza Humana
(IPH1 e IPH2) comodidades
Bens representativos Linhas subjetivas Amartya Sen

Linhas
oficiais/administrativas
Bolsa Familia
BPC/LOAS
Banco Mundial
O que significa
erradicar?

Zero pessoas Na prática,


Sim estão abaixo da isso é
linha impossível
É chegar a zero?

Não
Diferente de zero Por quê?

Renda das famílias


é volátil

Volatilidade de longo
Quanto deve ser? alcance
Famílias sem perfil de pobre que
As melhores estimativas ficam momentaneamente sem
disponíveis sugerem algo em Apenas residual, renda em um mês específico
torno de 8 % dos pobres mas é difícil
extremos inciais estimar com
precisão Volatilidade de curto
Ou seja, a extrema pobreza poderia ser
considerada erradicada caso restassem Não há fontes de dados alcance
apenas 0,08*N pessoas da situação adequadas no momento Novas famílias caem na pobreza
incial de extrema pobreza a cada mês e a política pública
sempre demora um tempo para
cadastrar e atender novos
beneficiários
Diferenças nos Ideal é fazer o monitoramento a partir
resultados?
de uma única base

Censo, PNAD,
Fontes diferentes = Números diferentes
POF e outras

Por que?

Desenho Perguntas Períodos de


amostral e diferentes sobre referência
projeção de renda distintos
população Em geral, quanto mais Sazonalidade
detalhadas, maior a
Seleção de municípios e PNAD: só renda do
renda média
setores censitários último mês
Inclusão ou não da renda
Flutuações amostrais POF: renda de vários
não-monetária
meses
Atualizações de
projeções
Por que
“extrema
pobreza”?
Metas do Milênio
(ODM 1)
Referência Linha de US$ 1,25 por
internacional dia PPP equivale em
2011 a cerca de R$ 70
per capita por mês

Focalizar nos que mais precisam


Caso a linha seja alta, o grupo que mais precisa – o mais difícil de ser tirado da extrema pobreza – tende a se diluir
nas estatísticas

Restrição O custo é um múltiplo do Hiato de Pobreza


orçamentária O Hiato de Pobreza aumenta de forma não linear
Pequenos aumentos no valor da linha geram grandes aumentos no Hiato

120,000
Hiato de pobreza (milhões de R$ de set/2009)

100,000

80,000

60,000

40,000

20,000

-
0 50 100 150 200 250 300

Linha de Pobreza (R$ set/2009)


Parâmetros
para linha de
pobreza
extrema

Linha para estudos e Linha de elegibilidade Linha de


pesquisas de ações e programas monitoramento da
pobreza extrema
Pode ser fixa ou não Não precisa ser fixa
É fixa
Valor pode ou não ter Valor não precisa ter
como base algum ano como base algum ano Valor deve ter como
anterior anterior base algum ano
anterior a declaração
do probrema
Pode ou não ser Pode ser mas não
ajustada por um índice precisa de reajustes
de preço por um índice de preço A linha deve ser
ajustada por um índice
de preço adequado

As restrições Pode ser elevada Dever ser exequivel e


orçamentárias são quando se desejar focar no problema
apenas téoricas e/ou se tiver condições selecionado
orçamentárias
Situação social do DF e a
pobreza extrema
Breve síntese da situação social do Brasil e
DF - 2009
Áreas de Atuação Indicadores Brasil DF
Política (a) (b) (b/a)
Previdência Social Cobertura da Pop. Idosa (60 ou mais) 77,3 65,0 -16%
Esperança de Vida aos 60 anos¹ 21,3 22,6 6%
Pobreza Pobreza extrema (R$ domiciliar per capita inferior a 67 em valores de out/2009) 4,7 1,4 -70%
Renda Domiciliar Per Capita 635 1.322 108%
Saúde Taxa de Mortalidade Infantil (por mil Nascidos Vivos)² 20,0 11,1 -45%
Taxa de Homicídio Masculina (15 a 29 anos)³ 47,7 56,4 18%
Transferencias e renda Percentual da Renda com Transferências 23,6 21,5 -9%
Trabalho e Renda Desemprego 8,2 11,0 35%
Redimento Médio do Trabalho (salário) 1.008 2.213 120%
Educação Taxa de Analfabetismo (15 anos ou mais) 9,7 3,4 -65%
Número Médio de Anos de Estudos (15 anos ou mais) 7,5 9,6 27%
Saneamento e Habitação Abastecimento Adequado de Água 81,8 95,2 16%
Esgotamento Sanitário Adequado 70,5 98,3 39%
Cultura Internet no Domicílio 28,1 53,6 91%
Fonte: PNAD e RIPSA
Nota:
¹ Os valores da Esperança de Vida aos 60 anos apresentados representam os anos de 2001 e 2008.
² Os valores da Taxa de Mortalidade Infantil (por mil Nascidos Vivos) apresentados representam os anos de 2001 e 2007.
³ Os valores da Taxa de Homicídio Masculina (15 a 29 anos)apresentados representam os anos de 2001 e 2007.
Pobreza extrema no DF e menor que a
média Brasil.
Porcentagem da população sobrevivendo com menos de
US$ PPC 1,25 por dia
25,6

Brasil
DF
20,8

19,6

17,0
16,8
16,4

15,4

14,9

14,0

12,0
11,3

9,7
9,4

8,9

8,1
7,8
7,3
7,1

6,9

6,9

6,7
6,3

6,4

6,1
6,0
5,6

5,3

4,8
4,0

2,9

2,8
2,2
1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008

Fontes: Renda: IBGE, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, PNAD.


Fatores PPC: Nações Unidas, Divisão de Estatísticas (Banco Mundial, ICP 2005).
Inflação média anual do Brasil e dos EUA: Fundo Monetário Internacional, World Economic Outlook, 2009.
Pobreza não-extrema e pobreza
extrema no DF – 2001-2009
Pobre não-extrema (R$ domiciliar per capita maior ou igual a 67 e inferior a 134 em valores de out/2009)
Pobreza extrema (R$ domiciliar per capita inferior a 67 em valores de out/2009)

Pobreza não-extrema
Pobreza extrema
11,0 11,2
10,5 10,5

9,1

6,8
5,8 6,0
4,8 4,7 5,0 4,9 5,0

3,2
2,1 2,4
1,4 1,4

2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009


Renda domiciliar per capita média em US$
PPC por dia, no Brasil e DF

24,9
23,1
Brasil
DF

20,1
17,8
16,2

16,0
15,4
14,7
14,4

14,3
13,5

12,9
12,0
11,5

12,1
10,5

10,9
10,2
9,4

9,2
8,5
8,2

8,1
8,0
7,5
7,4

7,4

7,4
7,3
6,3
5,7
5,5

1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008
Coeficiente de Gini da desigualdade na
distribuição da renda domiciliar per capita.

0 ,6 2
0 ,6 1 0 ,6 2
0 ,6 2
0 ,6 1 0 ,6 1 0 ,6 1 0 ,6 1
0 ,6 1

0 ,6 0 0 ,6 0 0 ,6 0
0 ,6 0 0 ,6 0 0 ,6 0 0 ,6 0 0 ,6 0
0 ,59 0 ,6 0
0 ,59 0 ,59
0 ,59 0 , 59
0 ,59
0 ,58 0 , 58 0 ,58
0 ,57
0 ,57
0 , 57
0 ,56
0 , 55

0 ,54
DF 0 ,54

Brasil

1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009
Percentual da Pobreza e Pobreza Extrema, 2009

Brasil Distrito Federal

4,7% 1,4%
5,0%
9,4%

85,8%

93,7%

Extremamente pobres Pobres Não-Pobres


Extremamente pobres Pobres Não-Pobres
Perfil da Pobreza Extrema, 2009
Grupos Etários
Brasil Distrito Federal

14,2%
41,9%
11,5%
37,5%

0,9% 3,4%
47,4%
43,3%

Crianças Jovens Adultos Idosos Crianças Jovens Adultos Idosos


Perfil da Pobreza Extrema, 2009
Arranjos Familiares
Brasil Distrito Federal

22,2% 31,3%

10,4%
4,9%

16,6%

22,9%
56,2% 35,4%

Unipessoal Casal com Filhos Mãe com Filhos Outros Arranjos Unipessoal Casal com Filhos Mãe com Filhos Outros Arranjos
Perfil da Pobreza Extrema, 2009
Posição no Mercado de Trabalho
Brasil

49,9%

16,1%

8,7%
14,2%
6,7% 0,4% 4,1%

Mulheres sem ocupação sem acesso a creche PIA sem ocupação Produtor Agricola
Empregado sem Carteira Empregado Domesticos sem Carteira Empregado com Carteira
Conta Própria e Empregadores não-agrícolas
Perfil da Pobreza Extrema, 2009
Posição no Mercado de Trabalho
Distrito Federal

72,2%

0,0%

9,3%

3,7%
1,8%
0,0%
13,0%

Mulheres sem ocupação sem acesso a creche PIA sem ocupação Produtor Agricola
Empregado sem Carteira Empregado Domesticos sem Carteira Empregado com Carteira
Conta Própria e Empregadores não-agrícolas
Perfil da Pobreza Extrema, 2009
Trabalho e Renda
Brasil Distrito Federal

 14,0% da população em  4,7% da população em


situação de pobreza extrema situação de pobreza extrema
é de indivíduos ocupados com é de indivíduos ocupados com
remuneração do trabalho remuneração do trabalho
inferior a 1 salário mínimo inferior a 1 salário mínimo

 0,2% são indivíduos ocupados  0,0% são indivíduos ocupados


com remuneração do trabalho com remuneração do trabalho
igual a 1 salário mínimo igual a 1 salário mínimo

 0,1% são indivíduos ocupados  0,0% são indivíduos ocupados


com remuneração do trabalho com remuneração do trabalho
superior a 1 salário mínimo superior a 1 salário mínimo
Perfil da Pobreza Extrema, 2009
Trabalho e Renda
Brasil Distrito Federal

 0,2% da população em  1,3% da população em


situação de pobreza extrema situação de pobreza extrema
é de indivíduos com é de indivíduos com
aposentadorias e pensões aposentadorias e pensões
com benefícios inferiores ou com benefícios inferiores ou
iguais a 1 salário mínimo iguais a 1 salário mínimo

 0,004% são indivíduos com  0,0% são indivíduos com


aposentadorias e pensões aposentadorias e pensões
com benefícios superiores a 1 com benefícios superiores a 1
salário mínimo salário mínimo

 0,02% são indivíduos  0,0% são indivíduos


beneficiários do Benefício de beneficiários do Benefício de
Prestação Continuada Prestação Continuada
Perfil da Pobreza Extrema, 2009
Trabalho e Renda
Brasil Distrito Federal

 66,7% da população em  41,9% da população em


situação de pobreza situação de pobreza
extrema reside em extrema reside em
domicílios beneficiários do domicílios beneficiários do
Programa Bolsa Família Programa Bolsa Família

 O Programa Bolsa Família  O Programa Bolsa Família


responde por 39,7% da responde por 36,3% da
renda total das famílias em renda total das famílias em
situação de pobreza situação de pobreza
extrema extrema
Perfil da Pobreza Extrema, 2009
Condições de Vida
Brasil Distrito Federal
 45,0% da população em  67,5% da população em
situação de pobreza extrema situação de pobreza extrema
reside em moradias reside em moradias
adequadas adequadas
 (paredes e telhados  (paredes e telhados
adequados, canalização adequados, canalização
interna, banheiro exclusivo, e interna, banheiro exclusivo, e
densidade habitacional de até densidade habitacional de até
três residentes por dormitório) três residentes por dormitório)
 29,7% reside em moradias  90,6% reside em moradias
com água de rede geral de com água de rede geral de
distribuição, acesso a distribuição, acesso a
banheiro, esgotamento banheiro, esgotamento
adequado e coleta de lixo adequado e coleta de lixo

 93,4% reside em moradias  100% reside em moradias com


com iluminação elétrica iluminação elétrica
Perfil da Pobreza Extrema, 2009
Condições de Vida
Brasil Distrito Federal

 50,2% da população em  91,5% da população em


situação de pobreza extrema situação de pobreza extrema
tem acesso a algum tipo de tem acesso a algum tipo de
telefone telefone

 50,5% possui fogão, geladeira,  79,5% possui fogão, geladeira,


rádio e televisão no domicílio rádio e televisão no domicílio

 5,9% possui fogão, geladeira,  21,4% possui fogão, geladeira,


rádio, televisão e máquina de rádio, televisão e máquina de
lavar no domicílio lavar no domicílio

 2,9% possui computador no  18,8% possui computador no


domicílio domicílio
Perfil da Pobreza Extrema, 2009
Educação
Brasil Distrito Federal

 23,0% da população em  22,2% da população em


situação de pobreza situação de pobreza
extrema com idade entre extrema com idade entre
15 e 60 anos é analfabeta 15 e 60 anos é analfabeta
 

 41,1% é analfabeta  33,4% é analfabeta


“funcional” (possui menos “funcional” (possui menos
de 4 anos de estudo) de 4 anos de estudo)

 Tem, em média, 3,1 anos  Tem, em média, 4,3 anos


de estudo de estudo
Perfil da Pobreza Extrema, 2009
Educação
Brasil Distrito Federal

 96,6% da população em situação  100% da população em situação


de pobreza extrema com idade de pobreza extrema com idade
entre 7 e 14 anos freqüenta escola entre 7 e 14 anos freqüenta escola
ou creche, sendo 93,7% no Ensino ou creche, sendo 100% no Ensino
Fundamental Fundamental

 77,1% com idade entre 15 e 17  66,7% com idade entre 15 e 17


anos freqüenta escola ou creche, anos freqüenta escola ou creche,
sendo 22,0% no Ensino Médio sendo 33,3% no Ensino Médio

 29,1% com idade entre 18 e 24  60,0% com idade entre 18 e 24


anos freqüenta escola ou creche, anos freqüenta escola ou creche,
sendo 1,5% no Ensino Superior sendo 4% no Ensino Superior

 40,5% com idade entre 0 e 6 anos  50,0% com idade entre 0 e 6 anos
freqüenta escola ou creche. freqüenta escola ou creche.